A Mineração Industrial em Goiás

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Mineração Industrial em Goiás"

Transcrição

1 A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário nacional. Quase toda produção dos minerais é destinada ao comércio internacional, e obedece às relações de formação dos preços, pela oferta e demanda nos pregões, fato que limita o poder de influência dos mercados locais, desfavorecendo a ação dos municípios. Palavras - chave: Goiás, extração mineral, comércio internacional, oferta e demanda. Introdução Atualmente, a economia mineral no estado de Goiás é sem dúvida um setor que vem ganhando destaque. A existência de grandes empresas no estado é resultado da enorme quantidade de riquezas contidas nesse solo. Há o predomínio do uso intensivo de tecnologia na pesquisa, prospecção, lavra e beneficiamento, eficiamento, e o domínio de grandes grupos empresariais, muitos transnacionais. Esses grupos se instalaram em depósitos minerais, observando a melhor relação entre capital investido e retorno esperado, além dos incentivos governamentais, tais como: benefícios fiscais, subsídios, infraestrutura e outros necessários para minimizar o risco. Apesar da crise internacional desencadeada em 2008, houve relativa valorização dos preços dos bens minerais. Isso ocorreu devido ao crescimento dos países asiáticos, que demandaram grande volume de commodities minerais. Evidencia-se assim, a existência de uma relação diretamente proporcional entre crescimento econômico e demanda por bens minerais. A economia mineral contemporânea é atividade que requer grande volume de recursos financeiros, visto que, para confirmar a viabilidade ilidade de um empreendimento é necessário empenhar grande volume de investimento em pesquisa. Após a confirmação disso, é preciso um volume ainda maior de capital para a instalação e manutenção devido ao elevado custo dos equipamentos. Grandes empresas nacionais como a Companhia Vale do Rio Doce e a Petrobras só conseguiram se instalar devido à ajuda que receberam do governo, além do esforço na captação de capital estrangeiro. Inicialmente, este artigo faz um breve panorama sobre a mineração em Goiás na atualidade, em seguida utiliza o exemplo de três municípios goianos onde essa atividade é mais representativa: Alto Horizonte, município em que o setor mineral surgiu recentemente; Catalão, onde existe a mineração em escala industrial e os outros setores não ficaram à margem do processo de crescimento; e Minaçu, que lidera a produção nacional de amianto. Encerrando com uma análise dos resultados, quando ocorre uma comparação entre os municípios objeto de análise. 1 Panorama Segundo a Constituição Federal de 1988, é assegurada, nos termos da lei, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, bem como a órgãos da administração direta da União, participação no resultado da exploração de recursos minerais ou compensação financeira por essa 1 Economista, servidor público estadual atuando na Gerência de Contas Regionais e Indicadores da SEPIN/SEGPLAN GO ( 30

2 exploração. Essa atividade é regulamentada pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), existindo o recolhimento da Compensação Financeira por Exploração Mineral (CFEM), tendo a seguinte distribuição: 23% para o Estado e Distrito Federal; 65% aos municípios; 2% ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; e 10% ao DNPM, e destes, 2% devem ser destinados para a proteção ambiental. Em Goiás, o setor é bastante representativo, sendo o maior produtor nacional de amianto e níquel, e também o segundo maior em produção de vermiculita e ouro. A extração é feita por grandes grupos empresariais, que geram empregos e receita pública por meio do recolhimento de tributos, movimentando assim, a economia dos municípios em que se encontram instaladas. Segundo dados do DNPM, a produção mineral é concentrada, sendo 89,73% do valor comercializado decorrente da produção de sete municípios goianos, e o restante, 10,27%, provenientes dos 123 municípios do estado de Goiás e Distrito Federal. Figura 1 - GOIÁS E DISTRITO FEDERAL: Participação no Produto Mineral, por município (%) Fonte: RAL/Superintendência do DNPM-GO/DF (considerando o Distrito Federal como uma unidade de Goiás para fins deste estudo) 31

3 1.1 O município de Alto Horizonte Alto Horizonte figura entre os grandes produtores de commodites minerais do estado. No município está instalada uma indústria de extração de ouro e extração e beneficiamento de sulfeto de cobre. Está localizado na região Norte Goiano, a 317 km da capital Goiânia. A área total do município é de km². Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população censitária do município no ano de 2010 foi de habitantes, havendo um crescimento de 80,2% em relação ao ano de O município apresentou densidade demográfica de 5,70 habitantes por km² em 2006, e em 2010 essa taxa se elevou para 8,94 habitantes por km². Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), os empregos formais totalizaram com rendimento médio de R$ 2.112,81, sendo 752 postos vinculados ao setor mineral. Em Alto Horizonte, no ano de 2010, os investimentos em pesquisa de ouro somaram R$ ,00 e em áreas de títulos de lavra da ordem de R$ ,81. A produção mineral do município foi de R$ ,46, resultante da extração e comercialização de toneladas de cobre e kg de ouro, e a Compensação Financeira por Exploração Mineral (CFEM) arrecadada sobre esse volume de minerais foi de R$ ,72. Tabela 1 Alto Horizonte - GO: Produção Mineral em 2010 Produto Produção Venda Produção Quantidade Valor ( R$) Cobre (t) ,69 Ouro (kg) ,77 Valor total da comercialização (R$) ,46 Fonte: Departamento Nacional de Produção mineral - 6º DS - GO: Publicação: Desempenho do setor mineral O Produto Interno Bruto (PIB) municipal, em 2002, foi de R$ mil; em 2007, houve um aumento de 2.933,44% desse agregado, justificado pelo início da extração mineral em escala industrial. Já em 2009, o somatório do valor adicionado na economia líquido de impostos foi de R$ mil. Tabela 2 Alto Horizonte - GO: Produto Interno Bruto (R$ mil) Variável PIB Preços Correntes PIB per Capita Fonte: Segplan / Sepin - NOTA: A partir de 2002 nova metodologia e revisão dos dados. 32

4 1.2 A produção em Catalão Em Goiás, a produção de nióbio está concentrada no município de Catalão que surgiu na era colonial por meio da bandeira do Anhanguera. Está localizado na região Sudeste de Goiás, a 259 km² da capital Goiânia. A área total do município é de 3.777,652 km². Segundo dados do IBGE, a população censitária do município no ano de 2010 foi de habitantes, havendo um crescimento de 29,25% em relação ao ano de O município apresentou densidade demográfica de 18,97 habitantes por km² em 2006, e em 2010 essa taxa se elevou para 22,67 habitantes por km². É importante destacar que esse município apresenta bons indicadores econômicos, de qualidade de vida e possui um bom percentual de domicílios com água tratada e rede de esgoto, além de possuir três instituições de ensino superior. Segundo dados da RAIS, em 2010, o número de empregos formais nesse município totalizou sendo que apenas 224 estavam vinculados diretamente ao setor mineral. De acordo com os dados, a produção de nióbio em Catalão no ano de 2009 em relação ao ano de 2006 retraiu 37% devido à crise internacional, apesar disso, toda a produção foi destinada ao mercado externo. No município de Catalão, no ano de 2010, os investimentos em pesquisa de areia, argila refratária e barita somaram R$ mil, e em áreas de títulos de lavra da ordem de R$ ,08. Em 2010, o total da receita do setor mineral do município foi de R$ ,34, rendendo em termos de CFEM um montante de R$ ,00. Tabela 3 Catalão - GO: Produção Mineral em 2010 Produto Produção Venda Quantidade Valor (R$) Areia (m²) ,76 Argila p/ Cerâmica vermelha (t) ,00 Barita (t) ,10 Cascalho (m²) ,00 Fosfato (t) ,74 Nióbio (t) ,74 Valor total da comercialização (R$) ,34 Fonte: Departamento Nacional de Produção mineral - 6º DS - GO: Publicação: Desempenho do setor mineral Tabela 4 Catalão GO: Produto Interno Bruto (R$ mil) Variável PIB preços Correntes PIB per Capita Fonte: Seplan-GO / Sepin NOTA: A partir de 2002 nova metodologia e revisão dos dados. 33

5 2.3 O amianto de Minaçu O estado de Goiás figura como um dos grandes produtores de amianto, que é extraído no município de Minaçu, que teve sua origem marcada pela criação SAMA S/A em Segundo dados disponíveis no sítio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município tem uma área total de km²; em 2008, sua densidade demográfica era de 11,06 habitantes por km²; em 2010, caiu para 10,89 habitantes por km², evidenciando assim decréscimo populacional. De acordo com os dados da RAIS, em 2010, existiam no município empregos formais com rendimento médio mensal Em 2010, os investimentos em pesquisa mineral para as substâncias de cobre, níquel, terras raras e zinco totalizaram o equivalente a R$ ,05, e os investimentos realizados somaram o montante de R$ ,00. A Produção de Amianto, em 2010, foi de toneladas, sendo comercializadas toneladas destinadas a vários países da América Latina, África e Oriente Médio, gerando uma receita de R$ ,19. O total arrecadado no município com a CFEM foi de R$ ,09. de R$ 1.454,31, estando 794 ligados diretamente ao setor mineral. Tabela 5 Minaçu - GO: Produção Mineral em 2010 Produto Produção Venda Quantidade Valor (R$) Amianto (t) ,19 Areia (m²) ,00 Argila p/ Cer. Vermelha (t) ,30 Valor total da comercialização (R$) ,49 Fonte: Departamento Nacional de Produção mineral - 6º DS - GO: Publicação: Desempenho do setor mineral Em 2002, o Produto Interno Bruto (PIB) do município foi de R$ mil, sendo o PIB per capita de R$ mil. Já em 2009, o PIB per capita foi de R$ ,00 e o PIB a preços correntes foi de R$ mil. Comprovase assim, um incremento da atividade produtiva nessa região na ordem de 74,39%, em termos nominais (Tabela 6). Tabela 6 Minaçu GO: PRODUTO INTERNO BRUTO (R$ mil) Variável PIB a Preços Correntes PIB per Capita Fonte: SEGPLAN -GO/ SEPIN NOTA: A partir de 2002 nova metodologia e revisão dos dados. 34

6 3 Análise dos resultados Essa atividade é predominantemente exercida por organizações transnacionais que possuem capitais suficientes para investir em tais empreendimentos. Além disso, são atraídas pelos benefícios de ordem fiscal, tributária, doações e outros incentivos governamentais. Apesar da representatividade do setor mineral no estado, não ocorre agregação de valor nas etapas posteriores a extração. Como as etapas de agregação de valor são realizadas pelos países importadores, os resultados sociais e econômicos das demais etapas do processo produtivo não ficam no local da extração dos minérios. Segundo o DNPM, a receita total gerada com a comercialização mineral em Goiás, foi de ,71 (R$ mil) em 2010, sobre esse valor a CFEM arrecadada foi de (R$ mil), o que representa 1,07%, do total auferido 23% é destinado ao Estado. O ICMS auferido pelo Estado nesse período, proveniente das vendas internas (Estaduais e Interestaduais) do setor extrator mineral ou fóssil foi de (R$ mil), representando 1,16% da comercialização. Os dados apresentados mostram que em Alto Horizonte, a CFEM representou 1,37% da produção mineral comercializada; em Catalão, 1,15%; e em Minaçu, 1,61%. Cabe ressaltar que, conforme legislação, ao município é devido 65% dessa compensação. Desse modo, sob a ótica da compensação pelo esgotamento dos recursos minerais, a tributação é inexpressiva frente ao volume financeiro demasiadamente elevado envolvido no comércio destas substancias. Tendo em vista que é um dos meios mais eficientes que a sociedade dispõe para se apropriar de parcela das riquezas, a tributação sobre essa atividade deveria ser repensada, buscando uma forma de implantar e dinamizar outros setores, diversificando a economia fazendo com que os efeitos de encadeamento ocorram nestas localidades. No município de Alto Horizonte, a mineração em escala industrial iniciou-se recentemente, em meados de No ano de 2010, obteve a maior participação em nível estadual, em termos de valor da comercialização. Do total de empregos formais existentes na região, quase a metade está vinculada ao setor mineral que é sem dúvida muito importante para a economia local. Existem dois exemplos que podem ser seguidos pelo município de Alto Horizonte: Minaçu, que surgiu pela descoberta de um minério e até hoje depende quase exclusivamente da extração desse único produto; e Catalão, que apesar de não poder se afirmar que o estágio atual de desenvolvimento alcançado está ligado diretamente ao processo de mineração, devido a sua localização próxima a outros centros de desenvolvimento no Sudeste do Estado ser fator determinante, é o melhor caminho a ser seguido, aproveitando a geração de riquezas para criar um centro econômico dinâmico. 4 Considerações Finais A mineração em Goiás é atividade extremamente importante para a economia, por isso, deve ser dedicada maior atenção ao setor no sentido de dinamizar outras atividades, antes que ocorra a exaustão das minas. Os municípios que possuem riquezas minerais em seu solo dispõem de uma vantagem estratégica em relação aos demais. Alto Horizonte, por exemplo, era economicamente inexpressivo até meados de 2006, porém, no ano seguinte, com o início das operações de uma grande mineradora, passou a figurar entre os maiores do estado. Minaçu é líder nacional na produção de amianto, e, após mais de 40 anos de atividade, não apresenta nenhum outro dado econômico relevante. Catalão é um dos maiores municípios do estado, tem a mineração como atividade importante, porém não apresenta dependência exclusiva dessa atividade. 35

7 No tocante a tributação para o setor, deve ser considerado que existem outros tributos que podem recair sobre operações específicas, como Imposto de Renda Retido na Fonte, PIS, COFINS, encargos trabalhistas e outros, porém, uma visão mais detalhada mostra que o gasto dessa arrecadação ocorre sem haver, necessariamente, a obrigação de retorno ao município, e a compensação CFEM que é vinculada acaba se mostrando insuficiente. Deste modo, deve ser reafirmada a importância do setor mineral em todos os estágios do processo de desenvolvimento, sendo esse setor uma atividade econômica essencial para a manutenção da vida do homem nos padrões atuais, pois está na base da pirâmide produtiva, e, sendo assim, cabe ao Estado a execução a contento do seu papel de regulação e fiscalização, cobrando uma maior responsabilidade social das empresas, aumentado a arrecadação dos tributos e investindo na localidade para que haja aumento da infraestrutura de outros setores estratégicos para a economia, para que, após o esgotamento das minas tal localidade não caia em decadência. Referências bibliográficas: DNPM. Desempenho do Setor Mineral 2010: ano-base Disponível em: https://sistemas.dnpm.gov.br/publicacao/mostra_imagem. asp?idbancoarquivoarquivo=4288. Acesso em 08/09/2011. SEPLAN. Secretaria de Planejamento de Goiás. Goiás em Dados. Goiânia, ESTEVAM, Luís. O Tempo da Transformação: estrutura e dinâmica da formação econômica de Goiás. 2. ed. Goiânia: Editora da UCG, DNPM. Fluxo da comercialização: ano de Disponível em: br/go/conteudo.asp?idsecao=522. Acesso em: 15/05/2011. SEGPLAN. Perfil Socioeconômico dos Municípios Goianos. Disponível em: seplan.go.gov.br/sepin. Acesso em: 16/01/ Acesso em: 10/01/

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

RESULTADOS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO (SET)

RESULTADOS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO (SET) RESULTADOS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO (SET) Elaborado pelo Sindicato dos Auditores Fiscais do Tesouro do Estado do RN SINDIFERN O presente

Leia mais

Paracatu: o conflito entre o Rio Bom e a mineração. Kil Keila Vl Valente de Souza Francisco Rego Chaves Fernandes Renata de Carvalho Jimenez Alamino

Paracatu: o conflito entre o Rio Bom e a mineração. Kil Keila Vl Valente de Souza Francisco Rego Chaves Fernandes Renata de Carvalho Jimenez Alamino Paracatu: o conflito entre o Rio Bom e a mineração Kil Keila Vl Valente de Souza Francisco Rego Chaves Fernandes Renata de Carvalho Jimenez Alamino Paracatu: o rio bom Paracatu, localizado no noroeste

Leia mais

A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral

A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral Leandro Antonio Calixto Junior Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Maria Helena Rocha Lima Orientadora, Economia Mineral,

Leia mais

CFEM FÁCIL Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais

CFEM FÁCIL Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Fundação Estadual do Meio Ambiente FÁCIL Fundação Estadual do Meio Ambiente Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - Sisema Secretaria

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012

CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012 CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA 2012 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 04 de março de 2013. CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA BATE NOVO RECORDE HISTÓRICO EM 2012 - PIB de

Leia mais

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO

GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO GRÁFICOS E TABELAS DO ESTUDO TABELAS 1) ARRECADAÇÃO MENSAL DOS TRIBUTOS (2006): Em R$ Bilhões TRIBUTOS JAN FEV MAR IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO 0,82 0,66 0,79 IPI 2,25 2,05 2,04 IMPOSTO SOBRE A RENDA 10,89

Leia mais

MINERAÇÃO NA BAHIA: RANKING NACIONAL E POTENCIAL DA PESQUISA MINERAL

MINERAÇÃO NA BAHIA: RANKING NACIONAL E POTENCIAL DA PESQUISA MINERAL MINERAÇÃO NA BAHIA: RANKING NACIONAL E POTENCIAL DA PESQUISA MINERAL Sessão Técnica: Mina a Céu Aberto Aspectos Econômicos e Sociais AUTORES: Cláudia Maia, Eriberto Leite, Osmar Silva e Rodrigo Lanfranchi

Leia mais

ROTEIRO. APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013).

ROTEIRO. APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013). ROTEIRO INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013). Estudo de caso: Município de Godofredo Viana X Mineração

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.. Publicado no D.O.E n 7.942 de 09 de janeiro de 2001.. Alterada pela Lei nº 2.956, de 9 de abril de 2015 Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas,

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Versão : 2. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Versão : 2. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Os desafios da extração mineral na Região Norte em prol do desenvolvimento socioeconômico

Os desafios da extração mineral na Região Norte em prol do desenvolvimento socioeconômico Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Os desafios da extração mineral na Região Norte em prol do desenvolvimento socioeconômico Rodrigo Braga da Rocha Villa Verde Renata

Leia mais

O 3 relatório preliminar do Novo Código da Mineração está pronto para ser votado?

O 3 relatório preliminar do Novo Código da Mineração está pronto para ser votado? O 3 relatório preliminar do Novo Código da Mineração está pronto para ser votado? Uma contribuição para a reflexão e o debate Alessandra Cardoso Instituto de Estudos Socioeconômicos alessandra@inesc.org.br

Leia mais

Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade

Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade Art. 3 o A Sudam tem por finalidade promover o desenvolvimento includente e sustentável de sua área de atuação e a integração

Leia mais

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica Anexo I Comércio A partir de 01.01.2015 TABELAS DO SIMPLES NACIONAL VIGENTES A PARTIR DE 01.01.2015 RESOLUÇÃO CGSN 94 DE 29.11.2011 (Art. 25 A e Anexo I) Art. 25 A. O valor devido mensalmente pela ME ou

Leia mais

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009 Reforma Tributária Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária Brasília Março de 2009 1 O PROJETO DE REFORMA TRIBUTÁRIA RIA 2 Objetivos da Reforma Tributária ria A proposta de Reforma

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE

A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE SERVIÇOS DO FUNDAP NA ECONOMIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: SÍNTESE Julho 2008 AGRADECIMENTOS: Alfândega de Vitória Associação dos Permissionários (APRA) Bandes S.A. Empresas

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS SINDICATO DA CONSTRUÇÃO, GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NO ESTADO DE MATO GROSSO. (SINDENERGIA) ÍNDICE DE PARTICIPAÇÃO

Leia mais

PASSO A PASSO DA SIMPLIFICAÇÃO TRIBUTÁRIA NO BRASIL

PASSO A PASSO DA SIMPLIFICAÇÃO TRIBUTÁRIA NO BRASIL PASSO A PASSO DA SIMPLIFICAÇÃO TRIBUTÁRIA NO BRASIL O projeto de simplificação tributária do Movimento Brasil Eficiente MBE, já chamado de Plano Real dos Impostos, prevê a mudança em quatro etapas, implementadas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 95, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 95, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 95, DE 2015 Altera a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico, para criar o Regime Especial de Incentivos para o

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 06/01/2016 alterados os itens 1.1.2, 1.2, 1.3, 1.4, 2.1, 2.2 e 2.3.3 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7

Leia mais

EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA

EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA EXPORTAÇÕES DIRETAS VERSUS EXPORTAÇÕES INDIRETAS: UMA ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS SOB A ÓTICA DO PROGRAMA REINTEGRA Adriane Siqueira (UCS) adriane@rfa.adv.br Alex Eckert (UCS) alex.eckert@bol.com.br MARLEI

Leia mais

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Prezados acionistas A administração da WLM Indústria e Comércio S.A. (WLM), em conformidade com as disposições

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

DECRETO N 45.936 DE 23 DE MARÇO DE 2012

DECRETO N 45.936 DE 23 DE MARÇO DE 2012 ANO 120 Nº 57 80 PÁG. - BELO HORIZONTE, 24 DE MARÇO DE 2012 DECRETO N 45.936 DE 23 DE MARÇO DE 2012 Estabelece o Regulamento da Taxa de Controle, Monitoramento e Fiscalização das Atividades de Pesquisa,

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS DICIONÁRIO DE TRIBUTOS CGC/MF - Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda. Substituído pelo CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), da Receita Federal, identifica cada pessoa jurídica

Leia mais

Regulamentação do financiamento do SUS

Regulamentação do financiamento do SUS Regulamentação do financiamento do SUS Área Técnica em Saúde Área de Estudos Técnicos Brasília/DF Julho/2009 Estudo técnico sobre a proposta de regulamentação do financiamento do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais Boletim Informativo Maio de 2015 Repasses tributários do Estado para Guarulhos Repasses tributários do Estado para Guarulhos Considerações iniciais 1. Dada a mudança de cenário econômico, baseado no aumento

Leia mais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais 10 set 2007 Nº 36 A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais Por Fernando Puga Economista da SAE País tem maior difersificação em vendas externas em nações onde predominam recursos naturais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

PARÁ Fomento à exploração mineral

PARÁ Fomento à exploração mineral PARÁ Fomento à exploração mineral Ouro Preto, Maio de 2016 2 O ESTADO DO PARÁ Brasil Região Amazônica Estado do Pará Regiões de Integração Informações PARÁ Part (%) no Brasil Área (1.000 km 2 ) 1.248 15%

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º - Águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente

Leia mais

INFORME AOS INVESTIDORES 2T15

INFORME AOS INVESTIDORES 2T15 INFORME AOS INVESTIDORES 2T15 São Paulo, 12 de agosto de 2015 A BRADESPAR [BM&FBOVESPA: BRAP3 (ON), BRAP4 (PN); LATIBEX: XBRPO (ON), XBRPP (PN)] anuncia os resultados referentes ao segundo trimestre de

Leia mais

SAFRAS & CIFRAS TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA

SAFRAS & CIFRAS TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA * Carla Hosser * Leticia de Oliveira Nunes * Litiele Maltezahn * Priscila Duarte Salvador * Rosana Vieira Manke Diante

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

Economia Mineral de Pernambuco 2004-2013

Economia Mineral de Pernambuco 2004-2013 Economia Mineral de Pernambuco - Economia Mineral de Pernambuco - Representatividade da produção mineral em relação ao Nordeste no ano de Em, o estado de Pernambuco foi o terceiro maior produtor mineral

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DA MINERAÇÃO NO BRASIL

SUSTENTABILIDADE DA MINERAÇÃO NO BRASIL Benefício ou malefício para população local? Cobrança da CFEM. Prevenção e Mitigação dos Impactos. Fechamento de Mina. MINERAÇÃO: malefício ou benefício para população local? Benefícios da atividade minerária:

Leia mais

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL!

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! O PROJETO ISONOMIA tem como objetivo extinguir os privilégios tributários das rendas provenientes do capital, incluindo todos os rendimentos obtidos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO N 4306, DE 8 DE ABRIL DE 2011. Esta Resolução dispõe sobre a apuração e entrega de documentos relativos ao Valor Adicionado Fiscal, para efeitos de distribuição da parcela do ICMS pertencente

Leia mais

Cadeia Produtiva do Petróleo no Rio Grande do Norte: Enclave na Economia do Estado?

Cadeia Produtiva do Petróleo no Rio Grande do Norte: Enclave na Economia do Estado? Cadeia Produtiva do Petróleo no Rio Grande do Norte: Enclave na Economia do Estado? Ana Beatriz Lopes de Sousa(UFRN) ablsousa@ig.com.br Pedro Hélio Gomes Teixeira (UFRN) helio@ct.com.br Resumo: Este trabalho

Leia mais

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). LEI 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001 Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados,

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

ICMS estarão reduzidas as fontes de expansão da arrecadação?

ICMS estarão reduzidas as fontes de expansão da arrecadação? ICMS estarão reduzidas as fontes de expansão da arrecadação? Diversas tabelas constantes deste texto são oriundas do Parecer Prévio sobre as Contas do Governo do Estado de 2013, elaborado pelo Tribunal

Leia mais

Parte I INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA: CONCEITOS, PRINCÍPIOS E NORMAS BÁSICAS, 3

Parte I INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA: CONCEITOS, PRINCÍPIOS E NORMAS BÁSICAS, 3 Apresentação, xxv Prefácio à 12a Edição, xxvii Introdução, 1 Parte I INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA: CONCEITOS, PRINCÍPIOS E NORMAS BÁSICAS, 3 1 Contabilidade Tributária, 5 1.1 Conceito, 5 1.1.1

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Análise da Composição das Finanças Municipais nos Municípios Paranaenses, no período de 1996 a 2000

Análise da Composição das Finanças Municipais nos Municípios Paranaenses, no período de 1996 a 2000 III Seminário do Centro de Ciências Sociais Aplicadas Cascavel 18 a 22 de Outubro de 2004 Análise da Composição das Finanças Municipais nos Municípios Paranaenses, no período de 1996 a 2000 Angela Maria

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CYRELA BRAZIL REALTY SA EMPRS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica COMENTÁRIOS SOBRE A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 447/2008 ALTERAÇÃO DOS PRAZOS DE PAGAMENTOS DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

Leia mais

Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil

Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil Plano de 5 anos para conjuntos habitacionais de famílias de 1-3 e 4-6 salários mínimos Habitação de Alta Qualidade para População de Baixa Renda Famílias auferindo

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO CONSULTA : 3ª DRRE VILHENA. ASSUNTO: Tratamento tributário em relação à redução de base de cálculo e crédito presumido nas operações com carne. SÚMULA: OPERAÇÕES COM CARNE E DEMAIS PRODUTOS COMESTÍVEIS

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins Fórum Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy outubro de 2012 Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL

TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL EVENTO MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL: PIS COFINS SIMPLIFICAÇÃO OU AUMENTO? EDUARDO LEVY CURITIBA, 23 DE NOVEMBRO DE 2015 Números do Setor de Telecomunicações 275 milhões de celulares

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012 M E M O R A N D O A O S C L I E N T E S MEDIDA PROVISÓRIA Nº 563, DE 03.04.2012 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO DE PREÇOS DE TRANSFERÊNCIA Data 11/04/2012 Foi publicada em 04.04.12, a Medida Provisória nº 563

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

Finanças Públicas. Aula 1

Finanças Públicas. Aula 1 Finanças Públicas Aula 1 Finanças Públicas Teoria do bem estar social Finanças Públicas Conceito de ponto Ótimo de Pareto Finanças Públicas As Falhas de mercado Falhas de mercado Existência de Bens públicos

Leia mais

I - Cenário Macroeconômico

I - Cenário Macroeconômico I - Cenário Macroeconômico Introdução Análise da Conjuntura Econômica do País Cenário Macroeconômico e Proposta Orçamentária para 2006 Projeto de Lei Orçamentária Mensagem Presidencial Introdução Em atendimento

Leia mais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais

Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Programa 0391 Mineração e Desenvolvimento Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da produção mineral do País Indicador(es) úmero de Ações 15 úmero-índice da Produção Mineral úmero-índice de Pessoal

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações cometidas

Leia mais

Companhia Brasileira de Alumínio. Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e Parecer dos Auditores Independentes

Companhia Brasileira de Alumínio. Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e Parecer dos Auditores Independentes 24 de março de 2003 Companhia Brasileira de Alumínio Parecer dos Auditores Independentes 24 de março

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 Cria a Contribuição Social sobre Grandes Fortunas (CSGF), e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei cria a Contribuição Social sobre

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO.

NORMA OPERACIONAL PARA O RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA LAVRA, REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE EXTRAÇÃO GRANITO - MÁRMORE ARGILA E SAIBRO. 1 OBJETIVO Estabelecer parâmetros para orientar a elaboração do relatório trimestral de monitoramento da atividade de extração mineral, referente ao avanço de lavra, as medidas mitigadoras implantadas

Leia mais

O mercado imobiliário no Rio de Janeiro

O mercado imobiliário no Rio de Janeiro O mercado imobiliário no Rio de Janeiro Índice 1- Potencial do Setor Imobiliário População Demanda Financiamento e taxa de juros 2- Mercado do Rio de Janeiro Evolução do Setor Grandes Investimentos Programa

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO TRIBUTAÇÃO, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL NO CONTEXTO SOCIAL RAZÕES DA CARGA TRIBUTÁRIA. DESENVOLVIMENTO E CONTROLE SOCIAL DO GASTO PÚBLICO

Leia mais

Cursos PQRio - Treinamento para Examinadores. Produto brasileiro está 34% mais caro, aponta Fiesp

Cursos PQRio - Treinamento para Examinadores. Produto brasileiro está 34% mais caro, aponta Fiesp Informativo do Programa Qualidade Rio - Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico do Rio de Janeiro - 26/03/13 Esta é a 239ª edição da Newsletter do Programa Qualidade Rio, com assuntos relacionados

Leia mais

Formulário de Qualificação da Empresa / Empreendimento

Formulário de Qualificação da Empresa / Empreendimento Formulário de Qualificação da / Empreendimento Nome da /Empreendimento: Formulário de Qualificação da - V01-1 /15 - Informações Gerais da : Nome: Endereço: Cidade: Estado: CEP: Fone: Fax: Nome Fantasia:

Leia mais

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Estabelecer o preço de venda é um dos mais importantes momentos nas decisões a serem implantadas na empresa. A simples questão Por quanto devem ser vendidos os serviços

Leia mais

Cimento no Brasil José Otavio Carvalho

Cimento no Brasil José Otavio Carvalho Cimento no Brasil Presidente Cimento O cimento é um aglomerante hidráulico obtido pela moagem de clínquer portland ao qual se adiciona, durante a operação, a quantidade necessária de uma ou mais formas

Leia mais

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS INFORME-SE ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS Em março de 2002, os trabalhadores puderam usar, pela

Leia mais

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques

Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9. Destaques Prolagos S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.382.073/0001-10 NIRE: 33.300.167.285 Código CVM 2346-9 Receita Líquida¹ no 1T16 atinge R$69,6 milhões, alta de 24,8% em comparação ao mesmo período do ano anterior

Leia mais

COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS NO SETOR MINERAL

COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS NO SETOR MINERAL ESTUDO COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS NO SETOR MINERAL Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO OUTUBRO/2013 Câmara dos Deputados Praça dos

Leia mais

A CAB. e os impactos do saneamento. impactos na saúde vida de seus clientes

A CAB. e os impactos do saneamento. impactos na saúde vida de seus clientes Doenças Relativas ao Saneamento ambiental inadequado (DRSAI) A CAB e os impactos do saneamento básico A na CAB e os impactos na saúde vida de seus clientes qualidade 1 índice APRESENTAçÃO 3 Objetivos da

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais