Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência"

Transcrição

1 Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais do colo uterino. Através de identificação de atipias que se associam as lesões intra-epiteliais escamosas é possível um boa correlação diagnóstica com uma real lesão histológica. Dados e condutas frente a tais atipias em relação à população feminina geral são bastante explorados em literatura nacional e internacional. No entanto, quando as anormalidades epiteliais são citologicamente sugeridas em mulheres gestantes pouco se tem explorado e muitas dúvidas ainda pairam. Acredita-se que cerca de 5% dos esfregaços cervicais sejam anormais na gravidez, com a vasta maioria sendo de células escamosas atípicas de significado indeterminado (ASC-US) e lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL). Câncer, no entanto, é relativamente raro (1:1240 a 1,2 :10000 gravidezes). As estatísticas no Brasil são falhas, mas é provável que a incidência de exame de Papanicolaou anormal na gestação seja entre 7 a 10%. Embora as lesões mais bem definidas no exame de citologia cervical, tais como lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL) consistente com infecção por Papilomavírus humano (HPV) e/ou neoplasia intra-epitelial cervical (NIC) classe I, lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL) consistente com NIC classe II ou III, carcinoma escamoso e adenocarcinoma tenham suas condutas já devidamente protocoladas, muitos ainda não têm certeza até que ponto tais protocolos podem ser adotados em mulheres gestantes. Obviamente que não nos furtamos do raciocínio lógico de que os casos devem ser individualizados, mas é possível traçar linhas gerais para que a conduta tomada seja 1

2 a mais adequada possível levando-se em conta o bem estar da mãe e de seu concepto. Assim, a seguir sugerimos fluxograma de conduta para laudos citológicos anormais na gravidez. 2

3 1. ASC (Células escamosas atípicas) ASC-US (células escamosas atípicas de significado indeterminado) Não associado a quadro inflamatório Associado a quadro inflamatório Controle citológico (06 meses) Controle citológico pós-tratamento (após 4 meses) Após 02 controles negativos Um controle positivo (ASC, LSIL* ou HSIL**). Exame anual Colposcopia e biópsia se necessário * LSIL: lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau ** HSIL: lesão intra-epitelial escamosa de alto grau 3

4 2. ASC-H (ASC em que não se pode descartar lesão intra-epitelial escamosa de alto grau) ASC-H Imediata referência para colposcopia ZTN ZTA Controle citológico e colposcópico no pós-parto Suspeito para LSIL Suspeito para HSIL Piora colposcópica Colposcopia a cada 2/3 meses Lesão estável Colposcopia e biópsia 3 meses após o parto Biópsia Conduta conforme o diagnóstico histopatológico 4

5 3. Lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL) LSIL Imediata colposcopia ZTN ZTA Controle citológico e colposcópico no pós-parto Suspeito para LSIL Suspeito para HSIL P i o r a Colposcopia trimestral Colposcopia e biópsia 3 meses após o parto Lesão estável Colposcopia a cada dois meses Colposcopia e biópsia 3 meses após o parto P i o r a Biópsia * A biópsia pode ser feita com pinça ou caf (cirurgia de alta freqüência). Lembrar que na suspeita de comprometimento glandular a caf deve ser evitada, pois os artefatos impedem a adequada avaliação do patologista. Obs.: Sempre lembrar que em 20% das oportunidades pode não ocorrer uma correlação direta entre a citologia e o histopatológico. Daí ser importante a confirmação histopatológica, mesmo para lesões de baixo grau. Conduta conforme o resultado da biópsia Biópsia 5

6 4. Lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL) HSIL Imediata colposcopia e biópsia* HPV e/ou NIC I NIC II/ NIC III Microinvasão Colposcopia a cada 2/3 meses para observar se há sinal de progressão Conização Lesão estável Colposcopia com biópsia 3 meses após o parto Piora da lesão Nova biópsia NIC III Microinvasão com margens livres Conduta conforme o laudo histopatológico Parto normal e reavaliação 3 meses após o parto - Casos de micro-invasão com margens positivas e invasão franca devem ter suas condutas discutidas e realizadas com oncologista ginecológico em centro terciário. * A biópsia pode ser feita com pinça ou caf (cirurgia de alta freqüência). Lembrar que na suspeita de comprometimento glandular a caf deve ser evitada, pois os artefatos impedem a adequada avaliação do patologista. 6

7 5. Carcinoma suspeito para micro-invasão Carcinoma micro-invasivo Colposcopia e biópsia Carcinoma microinvasivo Carcinoma invasivo Conização Colposcopia e citologia 3 meses após o parto NIC Micro-invasivo Margens negativas Margens positivas Câncer invasivo Parto normal Avaliação pósparto junto com oncologista ginecológico Avaliação junto com oncologista ginecológico 7

8 6. Carcinoma invasivo Carcinoma invasivo Colposcopia e biópsia Carcinoma micro-invasor Carcinoma invasor Remete ao item 5 Encaminha para serviço de oncologia ginecológica 8

9 7. Atipias em células glandulares de significado indeterminado (AGUS) AGUS Controle citológico e colposcopia Lesão presente Lesão ausente Biópsia * Controle citológico e colposcópico 3 meses após o parto Conduta conforme a lesão diagnosticada * Convém imediata biópsia em lesão colposcópica, pois se sabe que com grande freqüência AGUS está associada a lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL). 9

10 8. Adenocarcinoma Adenocarcinoma Colposcopia e biópsia Serviço de oncologia ginecológica 10

11 Uma grande dúvida que se traduz em temor entre obstetras é em relação a via de parto em mulheres diagnosticadas como portadoras de lesões do colo uterino. O parto pode e deve ser transpelvino em situações em que o diagnóstico foi de NIC I e/ou HPV (LSIL), NIC II ou NIC III (HSIL), AGUS e, inclusive, nos casos de carcinoma epidermóide micro-invasor, à não ser que razões de ordem obstétrica impliquem em contra-indicação para a via baixa do parto. Já diagnósticos de carcinoma epidermóide francamente invasor e adenocarcinoma devem ser avaliados individualmente caso a caso, levando-se em conta idade gestacional, estadiamento do carcinoma e condições da mãe. É importante frisar que as condutas aqui sugeridas se prestam para serviços de uma maneira geral, sem nos determos em modelos mais modernos e técnicas mais avançadas. Que fique claro que testes específicos para HPV (de alto risco), tal como a captura de híbridos de segunda geração, podem e devem ser adotados por serviços que disponham de métodos de biologia molecular, uma vez que quando o teste é negativo para grupo de alto risco em casos de lesões intra-epiteliais e ASC, pode-se adotar conduta mais conservadora, além de diminuir os custos emocionais ocasionados por biópsia em tão delicada situação. 11

12 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER SUMÁRIO 1. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero... 4 2. Atenção Primária à Saúde... 6 2.1. Periodicidade... 7 3. Adolescentes e Mulheres Jovens...

Leia mais

Colposcopia na Gravidez

Colposcopia na Gravidez Colposcopia na Gravidez José Eleutério Junior A colposcopia é um método de excelência, associado ao Papanicolaou, no rastreio de lesões intra-epiteliais escamosas e neoplásicas, sendo usada para identificar

Leia mais

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Patrícia Savio de A. Souza

Patrícia Savio de A. Souza BIOMARCADORES EM PATOLOGIA CERVICAL Patrícia Savio de A. Souza Departamento de Imunobiologia/ UFF Programa de Biologia Celular/ INCA Câncer Colo Uterino (CCU) Consequência da evolução de lesões precursoras

Leia mais

Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL

Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL Unidade 3 - Ginecologia Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal CAPÍTULO 15 InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Curso de Atualização em PTGI 20/06/09 Instituto de Ginecologia - UFRJ Susana Aidé História natural da NIC Progressão Progressão Regressão

Leia mais

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA CITOPATOLOGIA POSITIVA, COLPOSCOPIA E HISTOPATOLOGIA:

Leia mais

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES Fórum Unimed-Rio de Ginecologia RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES VERA FONSECA Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Presidente

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO SERVIÇO DE GINECOLOGIA MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV NO RASTREIO DO CÂNCER DE COLO UTERINO Dra Rejane

Leia mais

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rebes REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Importância do citopatológico para prevenção do câncer do colo de útero Importance of pap

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

MAÍRA DEGIOVANI STEIN

MAÍRA DEGIOVANI STEIN MAÍRA DEGIOVANI STEIN DESEMPENHO DIAGNÓSTICO DA CITOLOGIA CERVICAL PREPARADA EM BASE LÍQUIDA, LIDA MANUALMENTE VERSUS A LIDA DE FORMA AUTOMATIZADA E ASSISTIDA POR COMPUTADOR Dissertação apresentada ao

Leia mais

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS Profa. Dra. Michelle Garcia Discacciati de Carvalho Prevalência de HPV no câncer do colo uterino

Leia mais

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO ADEQUAÇÃO DA AMOSTRA AMOSTRA SERÁ CONSIDERADA INSATISFATÓRIA ausência de identificação na lâmina ou na requisição;

Leia mais

KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 116 CASOS

KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 116 CASOS KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 6 CASOS Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Atualização 01 MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) Coordenação de Prevenção e Vigilância

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Atualização 2016 MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) Coordenação de Prevenção e Vigilância

Leia mais

Lesão de baixo grau conduta. Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença

Lesão de baixo grau conduta. Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Lesão de baixo grau conduta Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Lesão Intra Epitelial de Baixo Grau REGREDIR PERSISTIR PROGREDIR Taxas de regressão espontânea verificadas

Leia mais

INSTITUCIONAL HISTÓRIA

INSTITUCIONAL HISTÓRIA 2011 INSTITUCIONAL HISTÓRIA O Centro de Diagnóstico do Câncer foi fundado em 1998 e está localizado na cidade de João Pessoa, sendo considerado uma referência estadual para a detecção precoce do câncer

Leia mais

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO COMO CONDUZIR O SEU DIAGNÓSTICO RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNIFICADO INDETERMINADO O QUE SIGNIFICA? RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNICADO INDETERMINADO POR QUE? AS ALTERAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos:

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos: Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Os vírus do papiloma humano são classificados na família Papillomaviridae, gênero Papilomavírus. São vírus envelopados, de simetria icosaédrica, com 72 capsômeros

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Dra. Cássia Elena Soares Fluxograma de Pré-Natal Mulher com suspeita de gravidez Atraso menstrual Náusea Suspensão ou irregularidade do uso do contraceptivo

Leia mais

BETHESDA 2001 Versão portuguesa

BETHESDA 2001 Versão portuguesa Citologia ginecológica em meio líquido BETHESDA 2001 Versão portuguesa Exemplos de Relatório Satisfatória, com representação da zona de transformação Anomalias de células epiteliais pavimentosas Interpretação

Leia mais

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva.

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva. MANUAL DE PROCEDIMENTOS Formulários on-line SISTEMAS INTEGRADOS MANUAL DE PROCEDI MENTOS PADRÃO Formulários on-line Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC Exemplo de Aplicação do ABC A indústria de Confecções Pano Bom Ltda produz três tipos de produtos: Camisas, Calças, Blusas. O quadro abaixo apresenta as quantidades produzidas e seus respectivos preços.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO) MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA) SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO) MANUAL GERENCIAL Rio de Janeiro, RJ 2011 2011

Leia mais

Artigo. Prevalência do câncer do colo do útero na Paraíba. Prevalence of cervical cancer in Paraíba

Artigo. Prevalência do câncer do colo do útero na Paraíba. Prevalence of cervical cancer in Paraíba Prevalence of cervical cancer in Paraíba Josefa Juliete De Souza Rufino Priscila Maria De Barros Rodrigues Arthur Hipólito Pereira Leite RESUMO - O câncer do colo do útero é um importante problema de saúde

Leia mais

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Gestantes Pós-menopausa Histerectomizadas Imunossuprimidas Adolescentes Mulheres sem história de

Leia mais

CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS

CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS I MARIA ISABEL DE CASTRO BARBOSA CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS RECIFE 2006 MARIA ISABEL DE CASTRO BARBOSA CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO

Leia mais

Avaliação do desempenho da citologia em meio líquido versus citologia convencional no Sistema Único de Saúde

Avaliação do desempenho da citologia em meio líquido versus citologia convencional no Sistema Único de Saúde Daniela Etlinger Colonelli Avaliação do desempenho da citologia em meio líquido versus citologia convencional no Sistema Único de Saúde Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências

Leia mais

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Fábio Russomano Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ 25 A 28 DE ABRIL DE

Leia mais

TIPAGEM MOLECULAR DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO E COM E SEM LESÕES ESCAMOSAS INTRA-EPITELIAIS E INVASORAS DE COLO UTERINO.

TIPAGEM MOLECULAR DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO E COM E SEM LESÕES ESCAMOSAS INTRA-EPITELIAIS E INVASORAS DE COLO UTERINO. TAISE PALMEIRAS DE FREITAS TIPAGEM MOLECULAR DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO E ESTUDO IMUNOCITOQUÍMICO DA P16 INK4A EM PACIENTES COM E SEM LESÕES ESCAMOSAS INTRA-EPITELIAIS E INVASORAS DE COLO UTERINO. Belo Horizonte

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DE MANTENÓPOLIS - ES

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DE MANTENÓPOLIS - ES 0 FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO FAESA CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTROLE, AVALIAÇÃO, AUDITORIA E MONITORAMENTO EM SAÚDE ROSILENE CAMARGOS FONCECA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE

Leia mais

Carga de Trabalho em Citotecnologia. Simone Maia Evaristo

Carga de Trabalho em Citotecnologia. Simone Maia Evaristo em Citotecnologia Simone Maia Evaristo Uma força-tarefa da Sociedade Americana de Citopatologia em 2009 começou o trabalho envolvido na desenvolver recomendações de carga de trabalho para citotechnologista

Leia mais

Alterações citológicas associadas a infecção pelo Papilomavirus Humano em mulheres atendidas em um hospital

Alterações citológicas associadas a infecção pelo Papilomavirus Humano em mulheres atendidas em um hospital Artigo Original Alterações citológicas associadas a infecção pelo Papilomavirus Humano em mulheres atendidas em um hospital Cytological changes associated with infection Human Papillomavirus in women attended

Leia mais

Revendo as recomendações brasileiras;

Revendo as recomendações brasileiras; Revendo as recomendações brasileiras; Profª. Filomena Aste Silveira IG-UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Doutoranda patologia cervical biologia molecular Lesão intraepitelial de baixo grau? É a manifestação

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

REPERCUSSÃO DO TRATAMENTO DAS NEOPLASIAS DURANTE A GESTAÇÃO. Palavras-Chave: Câncer de mama. Câncer do colo do útero. Gestação. Tratamento.

REPERCUSSÃO DO TRATAMENTO DAS NEOPLASIAS DURANTE A GESTAÇÃO. Palavras-Chave: Câncer de mama. Câncer do colo do útero. Gestação. Tratamento. 67 REPERCUSSÃO DO TRATAMENTO DAS NEOPLASIAS DURANTE A GESTAÇÃO Cintya Millena de Oliveira Rodrigues 1 Danielle Aurília Ferreira Macêdo Maximino 2 Cláudia Germana Virgínio de Souto 3 Nereide de Andrade

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO QUADRO DE VAGAS PARA OS CURSOS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO IFMA CAMPUS SÃO LUIS MONTE CASTELO Engenharia Elétrica Industrial Engenharia Civil Engenharia

Leia mais

Patologia do colo uterino I-Citopatologia Profa. Sônia Maria Neumann Cupolilo Dra. em Patologia FIOCRUZ/RJ Especialista em Patologia SBP Especialista em Citopatologia SBC HPV Objetivos Conhecer o Programa

Leia mais

Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo?

Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo? IX S impós io de Atualização em Ginecologia Oncológica III S impós io de Genitos copia do DF ABPTGIC Capítulo DF 12-14 de Maio de 2011 Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo? Fábio Russomano

Leia mais

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA IVX CONGRESSO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA Lesão intra-epitelial de alto grau:hsil: Qual o significado? NIC

Leia mais

MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA

MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA MANUAL DE CADASTRO DE PROJETOS DO ESCOLA DE FÁBRICA 2 ÍNDICE 1. Acessando o Sistema...03 2. Cadastrando da Unidade Gestora...05 2.1. Adicionando Curso ao Projeto...07 2.2. Montando a Infra-Estrutura do

Leia mais

Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil

Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil ROSÂNGELA CAETANO CID MANSO DE MELLO VIANNA LUIZ

Leia mais

Citologia oncótica pela Colpocitologia

Citologia oncótica pela Colpocitologia ALTERAÇÕES ESCAMOSAS NÃO-REATIVAS NILM = negativo p/ lesão intra-epitelial cervical ASCUS e ASCH = células escamosas atípicas de significado indeterminado SIL = lesão intra-epitelial escamosa LSIL e HSIL

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 2 3 4 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

por Andressa Moura Damacena

por Andressa Moura Damacena Mortalidade por câncer de útero e rastreamento das alterações citológicas cervicais no Piauí por Andressa Moura Damacena Dissertação apresentada com vistas à obtenção do título de Mestre Modalidade Profissional

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA E EFETIVIDADE DA TERMOCOAGULAÇÃO NO TRATAMENTO DA NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL DE ALTO GRAU

FACULDADE DE MEDICINA AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA E EFETIVIDADE DA TERMOCOAGULAÇÃO NO TRATAMENTO DA NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL DE ALTO GRAU UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA E EFETIVIDADE DA TERMOCOAGULAÇÃO NO TRATAMENTO DA NEOPLASIA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO Amilton Giácomo Tomasi DECF 2007/2 EFETIVO Mestre 40 Estatutário Contabilidade Gerencial ADM/Empresarial (vespertino) 2º 4 ESTÁGIO 02 ADM/Empresarial 7º e 8º 02 Secretário de Comunicação Portaria Reitoria

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Eu,...,... (membro do grupo familiar que exerce a atividade autônoma ou de profissional liberal) inscrito no CPF sob o nº....,

Leia mais

Controle integral do câncer do colo do útero Guia de práticas essenciais

Controle integral do câncer do colo do útero Guia de práticas essenciais Controle integral do câncer do colo do útero Guia de práticas essenciais Controle integral do câncer do colo do útero Guia de práticas essenciais Publica-se também em: Espanhol (2016): Control integral

Leia mais

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção:

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção: Novembro Azul O movimento mundialmente conhecido como Novembro Azul ou Movember visa conscientizar os homens sobre a importância da prevenção do câncer de próstata e tem o bigode como símbolo adotado para

Leia mais

Câncer de colo de útero: organização e análise do cuidado em rede no município de Garanhuns-PE

Câncer de colo de útero: organização e análise do cuidado em rede no município de Garanhuns-PE 30 Câncer de colo de útero: organização e análise do cuidado em rede no município de Garanhuns-PE Cervical cancer: the organization and critical: analysis of the network health care in Garanhuns-PE Ana

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU. Entenda os resultados

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU. Entenda os resultados PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU Entenda os resultados The Manitoba Cervical Cancer Screening Program is a program of Manitoba Health, managed by CancerCare Manitoba All

Leia mais

Relação entre a carga viral de HPV oncogênico determinada pelo método de captura híbrida e o diagnóstico citológico de lesões de alto grau

Relação entre a carga viral de HPV oncogênico determinada pelo método de captura híbrida e o diagnóstico citológico de lesões de alto grau J Bras Patol Med Lab v. 3 n. 1 p. 31-35 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Relação entre a carga viral de HPV oncogênico determinada pelo método de captura híbrida e o diagnóstico citológico de lesões de alto

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico O QUE É? HPV é a sigla em inglês para papilomavírus humano. É um vírus de grande relevância médica pelo fato de estar relacionado a praticamente 100% dos casos de câncer de colo do útero (um dos tipos

Leia mais

Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet. Código da autorizada: Login: master Senha:

Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet. Código da autorizada: Login: master Senha: Nosso novo Sistema de Garantia está em funcionamento no endereço abaixo, favor acessar o site e cadastrar as Ordens de Serviços para que possamos encaminhar os seus pedidos de Garantia. Site: http://www.parcelias.com.br/online/faet

Leia mais

A importância do teste de Captura Hibrida 2 no acompanhamento de pacientes tratadas por Lesão Intraepitelial cervical de alto grau

A importância do teste de Captura Hibrida 2 no acompanhamento de pacientes tratadas por Lesão Intraepitelial cervical de alto grau UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ CENTRO DE PESQUISAS GONÇALO MONIZ FIOCRUZ Curso de Pós-graduação em Patologia Humana DISSERTAÇÃO DE MESTRADO A importância

Leia mais

RELEASE Belo Horizonte, 1º de setembro de 2014

RELEASE Belo Horizonte, 1º de setembro de 2014 RELEASE Mesmo tendo de um a três cartões de crédito, consumidor da capital mineira prefere pagar em dinheiro Eles privilegiam o pagamento a vista e controlam os impulsos na hora das compras. Mas a maioria

Leia mais

RESUMO. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha 1 Daniel Gomes de Alvarenga 2 Gulnara Patrícia Borja Cabrera 3

RESUMO. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha 1 Daniel Gomes de Alvarenga 2 Gulnara Patrícia Borja Cabrera 3 Prevalência de diagnósticos microbiológicos e de anormalidades de células epiteliais em laboratório de referência do SUS em Governador Valadares - MG, período 9-. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha

Leia mais

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara O Valor de Diagnóstico Antonio Vergara O valor de Diagnóstico em beneficio do paciente O Valor do Diagnóstico Valor Clínico O Valor de Diagnóstico Industria dos Diagnósticos Valor de Inovação IVD da despensa

Leia mais

Avaliação crítica das nomenclaturas diagnósticas dos exames citopatológicos cervicais utilizadas no Sistema Único de Saúde (SUS)

Avaliação crítica das nomenclaturas diagnósticas dos exames citopatológicos cervicais utilizadas no Sistema Único de Saúde (SUS) Lu c i a n a Si lva Ag u i a r 1 Ta l i ta d e Pa u l a Si lva Mo u r a 2 Da n i e l a Et l i n g e r 1 Lu z i a Se t u ko Um e da Ya m a m oto 1 Celso d i Lo r e to 3 Lise Cristina Ba lta r Cu ry 4 Sô

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Reunião do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental

Leia mais

LUÍS FELIPE LEITE MARTINS

LUÍS FELIPE LEITE MARTINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA (IESC) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA LUÍS FELIPE LEITE MARTINS ESTUDO DOS FATORES

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM UM CONSULTÓRIO DE ATENDIMENTO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM UM CONSULTÓRIO DE ATENDIMENTO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA EM UM CONSULTÓRIO DE ATENDIMENTO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER Jéssica Elen Lins Ferreira 1 Milena Costa Alves 2 Manuela de Carvalho Vieira Martins 3 Maria da Pureza Ramos de

Leia mais

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU-

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU- colo uterino Rastreamento do câncer de colo uterino: desafios e recomendações Arquivo pessoal Evandro Sobroza de Mello * Médico patologista, coordenador do Laboratório de Anatomia Patológica do Instituto

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Evidências da efetividade do rastreio citológico

Leia mais

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Bruno Pinto Ribeiro Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Mais de 99% câncer de tireóide tópico Locais ectópicos struma ovarii, pescoço Objetivo

Leia mais

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios PREVENÇÃO DE LESÕES EPITELIAIS DE COLO UTERINO EM GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA Área Temática: Saúde Thissiane de Lima Gonçalves 1 Leidiane de Lucca 2, Leiticia B. Jantsch³,

Leia mais

A importância da comunicação em projetos de

A importância da comunicação em projetos de A importância da comunicação em projetos de Tecnologia da Informação (TI) Autor: Ivan Luizio R. G. Magalhães Um perigo previsto está metade evitado. Thomas Fuller Introdução Há muitos anos atrás, um bom

Leia mais

Edison Natal Fedrizzi. Declaração de conflito de interesse

Edison Natal Fedrizzi. Declaração de conflito de interesse Edison Natal Fedrizzi Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Câncer de Colo Uterino

Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Aspectos conceituais Câncer é o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

Martha Eleonora de Andrade Lima, Ana Simara Medeiros de Oliveira, 2 2. Cidcley Nascimento Cabral, Jéssika dos Santos Costa, Luanna Mayara 2 3

Martha Eleonora de Andrade Lima, Ana Simara Medeiros de Oliveira, 2 2. Cidcley Nascimento Cabral, Jéssika dos Santos Costa, Luanna Mayara 2 3 89 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO UTERINO ATENDIDAS NO SERVIÇO DE CANCEROLOGIA DA FUNDAÇÃO ASSISTENCIAL DA PARAÍBA EM CAMPINA GRANDE Ano II, Volume II, Numero I Janeiro Junho de

Leia mais

AVALIAÇÃO HISTOLÓGICA DA EXPRESSÃO COLOICITICA EM DIFERENTES GRAUS DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL.

AVALIAÇÃO HISTOLÓGICA DA EXPRESSÃO COLOICITICA EM DIFERENTES GRAUS DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL. AVALIAÇÃO HISTOLÓGICA DA EXPRESSÃO COLOICITICA EM DIFERENTES GRAUS DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL. ARTIGO ORIGINAL Autores: Amanda Carvalho Garcia¹, Maria Tereza Barros Shutz ², Luiz Martins Collaço

Leia mais