Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência"

Transcrição

1 Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais do colo uterino. Através de identificação de atipias que se associam as lesões intra-epiteliais escamosas é possível um boa correlação diagnóstica com uma real lesão histológica. Dados e condutas frente a tais atipias em relação à população feminina geral são bastante explorados em literatura nacional e internacional. No entanto, quando as anormalidades epiteliais são citologicamente sugeridas em mulheres gestantes pouco se tem explorado e muitas dúvidas ainda pairam. Acredita-se que cerca de 5% dos esfregaços cervicais sejam anormais na gravidez, com a vasta maioria sendo de células escamosas atípicas de significado indeterminado (ASC-US) e lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL). Câncer, no entanto, é relativamente raro (1:1240 a 1,2 :10000 gravidezes). As estatísticas no Brasil são falhas, mas é provável que a incidência de exame de Papanicolaou anormal na gestação seja entre 7 a 10%. Embora as lesões mais bem definidas no exame de citologia cervical, tais como lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL) consistente com infecção por Papilomavírus humano (HPV) e/ou neoplasia intra-epitelial cervical (NIC) classe I, lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL) consistente com NIC classe II ou III, carcinoma escamoso e adenocarcinoma tenham suas condutas já devidamente protocoladas, muitos ainda não têm certeza até que ponto tais protocolos podem ser adotados em mulheres gestantes. Obviamente que não nos furtamos do raciocínio lógico de que os casos devem ser individualizados, mas é possível traçar linhas gerais para que a conduta tomada seja 1

2 a mais adequada possível levando-se em conta o bem estar da mãe e de seu concepto. Assim, a seguir sugerimos fluxograma de conduta para laudos citológicos anormais na gravidez. 2

3 1. ASC (Células escamosas atípicas) ASC-US (células escamosas atípicas de significado indeterminado) Não associado a quadro inflamatório Associado a quadro inflamatório Controle citológico (06 meses) Controle citológico pós-tratamento (após 4 meses) Após 02 controles negativos Um controle positivo (ASC, LSIL* ou HSIL**). Exame anual Colposcopia e biópsia se necessário * LSIL: lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau ** HSIL: lesão intra-epitelial escamosa de alto grau 3

4 2. ASC-H (ASC em que não se pode descartar lesão intra-epitelial escamosa de alto grau) ASC-H Imediata referência para colposcopia ZTN ZTA Controle citológico e colposcópico no pós-parto Suspeito para LSIL Suspeito para HSIL Piora colposcópica Colposcopia a cada 2/3 meses Lesão estável Colposcopia e biópsia 3 meses após o parto Biópsia Conduta conforme o diagnóstico histopatológico 4

5 3. Lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL) LSIL Imediata colposcopia ZTN ZTA Controle citológico e colposcópico no pós-parto Suspeito para LSIL Suspeito para HSIL P i o r a Colposcopia trimestral Colposcopia e biópsia 3 meses após o parto Lesão estável Colposcopia a cada dois meses Colposcopia e biópsia 3 meses após o parto P i o r a Biópsia * A biópsia pode ser feita com pinça ou caf (cirurgia de alta freqüência). Lembrar que na suspeita de comprometimento glandular a caf deve ser evitada, pois os artefatos impedem a adequada avaliação do patologista. Obs.: Sempre lembrar que em 20% das oportunidades pode não ocorrer uma correlação direta entre a citologia e o histopatológico. Daí ser importante a confirmação histopatológica, mesmo para lesões de baixo grau. Conduta conforme o resultado da biópsia Biópsia 5

6 4. Lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL) HSIL Imediata colposcopia e biópsia* HPV e/ou NIC I NIC II/ NIC III Microinvasão Colposcopia a cada 2/3 meses para observar se há sinal de progressão Conização Lesão estável Colposcopia com biópsia 3 meses após o parto Piora da lesão Nova biópsia NIC III Microinvasão com margens livres Conduta conforme o laudo histopatológico Parto normal e reavaliação 3 meses após o parto - Casos de micro-invasão com margens positivas e invasão franca devem ter suas condutas discutidas e realizadas com oncologista ginecológico em centro terciário. * A biópsia pode ser feita com pinça ou caf (cirurgia de alta freqüência). Lembrar que na suspeita de comprometimento glandular a caf deve ser evitada, pois os artefatos impedem a adequada avaliação do patologista. 6

7 5. Carcinoma suspeito para micro-invasão Carcinoma micro-invasivo Colposcopia e biópsia Carcinoma microinvasivo Carcinoma invasivo Conização Colposcopia e citologia 3 meses após o parto NIC Micro-invasivo Margens negativas Margens positivas Câncer invasivo Parto normal Avaliação pósparto junto com oncologista ginecológico Avaliação junto com oncologista ginecológico 7

8 6. Carcinoma invasivo Carcinoma invasivo Colposcopia e biópsia Carcinoma micro-invasor Carcinoma invasor Remete ao item 5 Encaminha para serviço de oncologia ginecológica 8

9 7. Atipias em células glandulares de significado indeterminado (AGUS) AGUS Controle citológico e colposcopia Lesão presente Lesão ausente Biópsia * Controle citológico e colposcópico 3 meses após o parto Conduta conforme a lesão diagnosticada * Convém imediata biópsia em lesão colposcópica, pois se sabe que com grande freqüência AGUS está associada a lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL). 9

10 8. Adenocarcinoma Adenocarcinoma Colposcopia e biópsia Serviço de oncologia ginecológica 10

11 Uma grande dúvida que se traduz em temor entre obstetras é em relação a via de parto em mulheres diagnosticadas como portadoras de lesões do colo uterino. O parto pode e deve ser transpelvino em situações em que o diagnóstico foi de NIC I e/ou HPV (LSIL), NIC II ou NIC III (HSIL), AGUS e, inclusive, nos casos de carcinoma epidermóide micro-invasor, à não ser que razões de ordem obstétrica impliquem em contra-indicação para a via baixa do parto. Já diagnósticos de carcinoma epidermóide francamente invasor e adenocarcinoma devem ser avaliados individualmente caso a caso, levando-se em conta idade gestacional, estadiamento do carcinoma e condições da mãe. É importante frisar que as condutas aqui sugeridas se prestam para serviços de uma maneira geral, sem nos determos em modelos mais modernos e técnicas mais avançadas. Que fique claro que testes específicos para HPV (de alto risco), tal como a captura de híbridos de segunda geração, podem e devem ser adotados por serviços que disponham de métodos de biologia molecular, uma vez que quando o teste é negativo para grupo de alto risco em casos de lesões intra-epiteliais e ASC, pode-se adotar conduta mais conservadora, além de diminuir os custos emocionais ocasionados por biópsia em tão delicada situação. 11

12 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

CITOLOGIA E HISTOPATOLOGIA DE PACIENTES ASSISTIDAS EM UM CENTRO DE SAÚDE DA MULHER

CITOLOGIA E HISTOPATOLOGIA DE PACIENTES ASSISTIDAS EM UM CENTRO DE SAÚDE DA MULHER CITOLOGIA E HISTOPATOLOGIA DE PACIENTES ASSISTIDAS EM UM CENTRO DE SAÚDE DA MULHER Yulla Klinger Pereira de Carvalho 1 Flávia Samara Freitas de Andrade 2 Maria Acelina Martins de Carvalho 3 Gerson Tavares

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Predominância de alterações discarióticas em células intermediárias e superficiais Aumento nuclear, variação na forma Bi/multinucleação Rabelo,S.H./UFG

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER SUMÁRIO 1. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero... 4 2. Atenção Primária à Saúde... 6 2.1. Periodicidade... 7 3. Adolescentes e Mulheres Jovens...

Leia mais

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados Everaldo Garcia Santos Júnior Graduando em Biomedicina Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Maicon Henrique Nogueira Graduando

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Colposcopia na Gravidez

Colposcopia na Gravidez Colposcopia na Gravidez José Eleutério Junior A colposcopia é um método de excelência, associado ao Papanicolaou, no rastreio de lesões intra-epiteliais escamosas e neoplásicas, sendo usada para identificar

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Laboratórios Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação Um dos graves problemas de saúde pública que estamos combatendo ao longo dos anos é o câncer

Leia mais

Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica

Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica Resumo Guilherme Cerutti Müller * Camila Maziero ** A citologia oncótica é o método de rastreamento para o câncer cervical,

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV SCREENING SCREENING POR POR CITO CITO Miller AB. Screening

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia - Capítulo II - Infecção por HPV e Lesões HHV-Induzidas Prof. Dr. Flávio Zucchi -

Leia mais

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO SERVIÇO DE GINECOLOGIA MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV NO RASTREIO DO CÂNCER DE COLO UTERINO Dra Rejane

Leia mais

Patrícia Savio de A. Souza

Patrícia Savio de A. Souza BIOMARCADORES EM PATOLOGIA CERVICAL Patrícia Savio de A. Souza Departamento de Imunobiologia/ UFF Programa de Biologia Celular/ INCA Câncer Colo Uterino (CCU) Consequência da evolução de lesões precursoras

Leia mais

Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero

Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero ARTIGO ORIGINAL 0RIGINAL PAPER Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero Recebido em 14/05/01 Aceito para publicação em 25/04/02 Validity

Leia mais

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Curso de Atualização em PTGI 20/06/09 Instituto de Ginecologia - UFRJ Susana Aidé História natural da NIC Progressão Progressão Regressão

Leia mais

Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL

Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL Unidade 3 - Ginecologia Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal CAPÍTULO 15 InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES Fórum Unimed-Rio de Ginecologia RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES VERA FONSECA Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Presidente

Leia mais

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA CITOPATOLOGIA POSITIVA, COLPOSCOPIA E HISTOPATOLOGIA:

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LSIL)- em que situações está indicado o tratamento

Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LSIL)- em que situações está indicado o tratamento Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau ()- em que situações está indicado o tratamento TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Susana Aidé Profª Adjunto

Leia mais

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Enfa Dayse Amarílio CA Colo uterino 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres Tem início com displasias de leve a acentuada. É classificado como

Leia mais

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rebes REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Importância do citopatológico para prevenção do câncer do colo de útero Importance of pap

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA "VIVA MULHER" NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA VIVA MULHER NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA "VIVA MULHER" NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 EVALUATION OF THE "VIVA MULHER" PROGRAM FOR THE CONTROL OF CERVICAL CANCER IN THE STATE OF MINAS GERAIS,

Leia mais

Mulheres submetidas à conização de colo uterino: análise dos resultados citológico e histopatológico

Mulheres submetidas à conização de colo uterino: análise dos resultados citológico e histopatológico 13 12 ARTIGO ORIGINAL Mulheres submetidas à conização de colo uterino: análise dos resultados citológico e histopatológico Women undergoing conization of cervix: results of cytological and histopathological

Leia mais

MAÍRA DEGIOVANI STEIN

MAÍRA DEGIOVANI STEIN MAÍRA DEGIOVANI STEIN DESEMPENHO DIAGNÓSTICO DA CITOLOGIA CERVICAL PREPARADA EM BASE LÍQUIDA, LIDA MANUALMENTE VERSUS A LIDA DE FORMA AUTOMATIZADA E ASSISTIDA POR COMPUTADOR Dissertação apresentada ao

Leia mais

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS Profa. Dra. Michelle Garcia Discacciati de Carvalho Prevalência de HPV no câncer do colo uterino

Leia mais

II Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG. ISSN

II Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG.  ISSN II Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG http://ojs.fsg.br/index.php/pesquisaextensao ISSN 2318-8014 CITOLOGIA ONCÓTICA: APLICABILIDADE E ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NA ÁREA Bruna Lins a, Bruna

Leia mais

Epidemiologia do Papilomavírus Humano (HPV) em Adolescentes - Revisão Bibliográfica

Epidemiologia do Papilomavírus Humano (HPV) em Adolescentes - Revisão Bibliográfica Artigo Epidemiologia do Papilomavírus Humano (HPV) em Adolescentes - Revisão Bibliográfica Elionôra de J. C. Jansen de Mello¹, Dulcelena F. Silva 2, Luciane Maria O. Brito 3, Walder Jansen de M. Lobão

Leia mais

Carcinoma de Colo Uterino: um Relato de Caso

Carcinoma de Colo Uterino: um Relato de Caso Revista de Medicina e Saúde de Brasília RELATO DE CASO : um Relato de Caso Cervical Carcinoma: a Case Report Yasmin Furtado Faro 1, Ana Carolina Andrade Canut 1, Leonardo Wanderley Juliani 1, Gleim Dias

Leia mais

Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares

Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares J Bras Patol Med Lab v. 44 n. 3 p. 193-197 relato de caso case report Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares Primeira

Leia mais

Carga Viral do Papilomavirus Humano na Predição da Gravidade de Lesões Cervicais em Mulheres com Atipias Celulares na Colpocitologia Oncológica

Carga Viral do Papilomavirus Humano na Predição da Gravidade de Lesões Cervicais em Mulheres com Atipias Celulares na Colpocitologia Oncológica RBGO 25 (5): 365-370, 2003 Carga Viral do Papilomavirus Humano na Predição da Gravidade de Lesões Cervicais em Mulheres com Atipias Celulares na Colpocitologia Oncológica Trabalhos Originais Viral Load

Leia mais

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO ADEQUAÇÃO DA AMOSTRA AMOSTRA SERÁ CONSIDERADA INSATISFATÓRIA ausência de identificação na lâmina ou na requisição;

Leia mais

KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 116 CASOS

KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 116 CASOS KARINA MARIA PAPP PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO DO ÚTERO ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DE 6 CASOS Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

LINHAS DE CUIDADO EM CÂNCER

LINHAS DE CUIDADO EM CÂNCER LINHAS DE CUIDADO EM CÂNCER A organização da rede de atenção oncológica no Município do Rio de Janeiro segue as diretrizes a Política Nacional de Atenção oncológica, sendo a atenção básica a porta de entrada

Leia mais

Prevalence and follow-up of pap smear with atypical squamous cells of undetermined origin at a teaching hospital in Brazil

Prevalence and follow-up of pap smear with atypical squamous cells of undetermined origin at a teaching hospital in Brazil Artigo Original Prevalência e seguimento de exame citopatológico de colo uterino com atipias em células escamosas de origem indeterminada em um hospital universitário brasileiro Prevalence and follow-up

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Atualização 01 MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) Coordenação de Prevenção e Vigilância

Leia mais

Lesão de baixo grau conduta. Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença

Lesão de baixo grau conduta. Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Lesão de baixo grau conduta Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Lesão Intra Epitelial de Baixo Grau REGREDIR PERSISTIR PROGREDIR Taxas de regressão espontânea verificadas

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Atualização 2016 MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) Coordenação de Prevenção e Vigilância

Leia mais

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA.

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. 1 TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. EDITAL DO CONCURSO 2015 DATA DAS PROVAS: 10 de outubro de 2015. LOCAL: Fortaleza/ CE, durante o XVIII Congresso Brasileiro

Leia mais

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA.

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. 1 TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. EDITAL DO CONCURSO 2016 DATA DAS PROVAS: 5 de novembro de 2016. LOCAL: Centro de Convenções - João Pessoa - PB, durante o

Leia mais

Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica

Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica Recebido em 17/07/01 Aceito para publicação em 14/08/01 Cytological diagnosis of Ascus: its importance

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas Fábio Russomano - IFF/Fiocruz Maio de 2016 Fortalecimento do rastreamento organizado na

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Biblioteca Virtual em Saúde Prevenção e Controle

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO COMO CONDUZIR O SEU DIAGNÓSTICO RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNIFICADO INDETERMINADO O QUE SIGNIFICA? RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNICADO INDETERMINADO POR QUE? AS ALTERAÇÕES

Leia mais

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero XIII Congresso Brasileiro de Citologia Clínica 03 de julho de 2012 Fábio Russomano IFF/Fiocruz Fábio Russomano Possíveis

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA Paulo Sérgio de Morais da Silveira Mattos* Resumo O câncer

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS Camila Rafaela Cavaglier¹, Maíra Oliveira Panão², Carolina Correia Billoti³,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO) MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA) SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO) MANUAL GERENCIAL Rio de Janeiro, RJ 2011 2011

Leia mais

A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO

A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO Adriane Policarpo Rose Guedes ¹; Priscila Trajano da Silva¹; Jeane Karla de Mendonça Mota². ¹Discente da Faculdade Maurício de Nassau, Campina Grande

Leia mais

173/482 Citologia esfoliativa - Pesquisa (freqüência de lesões pré-cancerosas e de câncer cervical)

173/482 Citologia esfoliativa - Pesquisa (freqüência de lesões pré-cancerosas e de câncer cervical) 173/482 Citologia esfoliativa - Pesquisa (freqüência de lesões pré-cancerosas e de câncer cervical) Caracterização dos exames de Papanicolaou no Serviço de Saúde Pública do município de Santa Rosa, RS

Leia mais

CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS

CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS I MARIA ISABEL DE CASTRO BARBOSA CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO DE REID COM OS ACHADOS CITOPATOLÓGICOS E HISTOPATOLÓGICOS RECIFE 2006 MARIA ISABEL DE CASTRO BARBOSA CORRELAÇÃO DO ÍNDICE COLPOSCÓPICO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL CITOPATOLÓGICO DE MULHERES ATENDIDAS NO HOSPITAL GERAL DE PORTO ALEGRE

AVALIAÇÃO DO PERFIL CITOPATOLÓGICO DE MULHERES ATENDIDAS NO HOSPITAL GERAL DE PORTO ALEGRE 24 AVALIAÇÃO DO PERFIL CITOPATOLÓGICO DE MULHERES ATENDIDAS NO HOSPITAL GERAL DE PORTO ALEGRE Salma Vargas 11 Luciane Cristina Gelatti 2 Andréia Buffon 3 RESUMO: A citologia oncótica tem sido reconhecida,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE BIOMEDICINA LAÍS BÚRIGO DA ROCHA

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE BIOMEDICINA LAÍS BÚRIGO DA ROCHA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE BIOMEDICINA LAÍS BÚRIGO DA ROCHA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS MÉTODOS DE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO PARA DIAGNOSTICAR AS LESÕES

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DE MANTENÓPOLIS - ES

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DE MANTENÓPOLIS - ES 0 FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO FAESA CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTROLE, AVALIAÇÃO, AUDITORIA E MONITORAMENTO EM SAÚDE ROSILENE CAMARGOS FONCECA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

Câncer do colo uterino HPV FRR

Câncer do colo uterino HPV FRR Câncer do colo uterino HPV FRR Introdução 2ª neoplasia mais comum nas mulheres no mundo É a mais comum nos países pobres No Brasil: é o mais frequente do aparelho genital Em 2010 (no mundo): 500.000 casos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL PÓS GRADUAÇÃO EM CITOLOGIA CLÍNICA LUCIANA MENEZES DE OLIVEIRA

INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL PÓS GRADUAÇÃO EM CITOLOGIA CLÍNICA LUCIANA MENEZES DE OLIVEIRA INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CURSO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL PÓS GRADUAÇÃO EM CITOLOGIA CLÍNICA LUCIANA MENEZES DE OLIVEIRA INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES NO COLO DO ÚTERO DIAGNOSTICADAS

Leia mais

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Fábio Russomano Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ 25 A 28 DE ABRIL DE

Leia mais

Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre

Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre ISSN: 1676-4285 Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre Emerson Marques Pessoa¹, Lucinete Souza Fernandes¹, Sandreya Maia Mendes¹, Creso Machado Lopes¹

Leia mais

Avaliação do desempenho da citologia em meio líquido versus citologia convencional no Sistema Único de Saúde

Avaliação do desempenho da citologia em meio líquido versus citologia convencional no Sistema Único de Saúde Daniela Etlinger Colonelli Avaliação do desempenho da citologia em meio líquido versus citologia convencional no Sistema Único de Saúde Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências

Leia mais

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO QUADRO DE VAGAS PARA OS CURSOS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO IFMA CAMPUS SÃO LUIS MONTE CASTELO Engenharia Elétrica Industrial Engenharia Civil Engenharia

Leia mais

PANORAMA DA COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA NA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL

PANORAMA DA COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA NA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL PANORAMA DA COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA NA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL An overview of oncotic colpocytology in the State of Santa Catarina public health, Brazil Sabrina Gonçalves 1, Romilton

Leia mais

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos:

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos: Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Os vírus do papiloma humano são classificados na família Papillomaviridae, gênero Papilomavírus. São vírus envelopados, de simetria icosaédrica, com 72 capsômeros

Leia mais

Artigo. Prevalência do câncer do colo do útero na Paraíba. Prevalence of cervical cancer in Paraíba

Artigo. Prevalência do câncer do colo do útero na Paraíba. Prevalence of cervical cancer in Paraíba Prevalence of cervical cancer in Paraíba Josefa Juliete De Souza Rufino Priscila Maria De Barros Rodrigues Arthur Hipólito Pereira Leite RESUMO - O câncer do colo do útero é um importante problema de saúde

Leia mais

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Gestantes Pós-menopausa Histerectomizadas Imunossuprimidas Adolescentes Mulheres sem história de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA RIBEIRO, Juliane Portella 1 ; QUADROS, Lenice de Castro Muniz 2 ; LIMA, Luciana Rodrigues dos Santos 3 ;

Leia mais

BETHESDA 2001 Versão portuguesa

BETHESDA 2001 Versão portuguesa Citologia ginecológica em meio líquido BETHESDA 2001 Versão portuguesa Exemplos de Relatório Satisfatória, com representação da zona de transformação Anomalias de células epiteliais pavimentosas Interpretação

Leia mais

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Ministério da Saúde junho de

Leia mais

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem. 2011 na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento

Leia mais

PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ

PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ 1 PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ Hilania Valéria Dodou 1 Luan Costa Ferreira 2 Hilana Dayana Dodou 3 Márcia Luiza Pinheiro Silva de Souza 4 RESUMO O

Leia mais

Maria do Carmo Eserian 1 Ilzo Vianna Junior 2 Marcia Moreira Holcman 3 Fausto Farah Baracat 4 Reginaldo Guedes Coelho Lopes 5

Maria do Carmo Eserian 1 Ilzo Vianna Junior 2 Marcia Moreira Holcman 3 Fausto Farah Baracat 4 Reginaldo Guedes Coelho Lopes 5 Correlação citológica e histológica dos achados colposcópicos anormais Cytology and histology correlation of abnormal colposcopic findings Artigo Original Maria do Carmo Eserian 1 Ilzo Vianna Junior 2

Leia mais

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva.

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva. MANUAL DE PROCEDIMENTOS Formulários on-line SISTEMAS INTEGRADOS MANUAL DE PROCEDI MENTOS PADRÃO Formulários on-line Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da

Leia mais

Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil

Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil ROSÂNGELA CAETANO CID MANSO DE MELLO VIANNA LUIZ

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

TIPAGEM MOLECULAR DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO E COM E SEM LESÕES ESCAMOSAS INTRA-EPITELIAIS E INVASORAS DE COLO UTERINO.

TIPAGEM MOLECULAR DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO E COM E SEM LESÕES ESCAMOSAS INTRA-EPITELIAIS E INVASORAS DE COLO UTERINO. TAISE PALMEIRAS DE FREITAS TIPAGEM MOLECULAR DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO E ESTUDO IMUNOCITOQUÍMICO DA P16 INK4A EM PACIENTES COM E SEM LESÕES ESCAMOSAS INTRA-EPITELIAIS E INVASORAS DE COLO UTERINO. Belo Horizonte

Leia mais

Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo?

Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo? IX S impós io de Atualização em Ginecologia Oncológica III S impós io de Genitos copia do DF ABPTGIC Capítulo DF 12-14 de Maio de 2011 Podemos definir NIC II como lesão pré-neoplásica de colo? Fábio Russomano

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

Revendo as recomendações brasileiras;

Revendo as recomendações brasileiras; Revendo as recomendações brasileiras; Profª. Filomena Aste Silveira IG-UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Doutoranda patologia cervical biologia molecular Lesão intraepitelial de baixo grau? É a manifestação

Leia mais