Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL"

Transcrição

1 Unidade 3 - Ginecologia Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal CAPÍTULO 15 InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade de encaminhamento do caso para serviço de referência, ou se pode ser resolvido a nível primário. O Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Saúde criaram o SISCOLO, sistema de informação do Viva Mulher Programa Nacional de Controle de Câncer do Colo do Útero e de Mama. Assim, os exames colpocitológicos dos serviços públicos trazem uma terminologia uniforme baseada no Sistema Bethesda do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, e que deve ser de conhecimento daqueles que interpretarão os resultados. O resultado citológico pode ser dado conforme se segue: 1. ADEQUABILIDADE DO MATERIAL Satisfatório Nos casos satisfatórios, pode haver limitações que devem ser citadas: Ausência de dados Clínicos; Presença de sangue Iniltrado inlamatório; Áreas espessas; Dessecamento; Ausência de células Endocervicais; Outras causas. Condição que oferece elementos mínimos para adequada observação das células, tendo-se certeza de ter atingido a junção escamo-colunar da cérvice (JEC) na colheita. Condições que diicultem a avaliação citológica por encobrirem as células, porém permitindo avaliação de 25 a 50% dos elementos celulares. A ausência de elementos de zona de transformação (células glandulares endocervicais e metaplásicas) também limita a avaliação, uma vez que sugere não ter sido a colheita feita na JEC. 209

2 Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas Maternidade Escola Assis Chateaubriand Insatisfatório por: a. Falta de identiicação da lâmina ou identiicação errada; b. Identiicação da lâmina não coincide com a do formulário; c. Material escasso; d. Hemorragia; e. Dessecamento; f. Áreas espessas; g. Purulento; h. Lâmina daniicada ou ausente; i. Outras causas Isto ocorre quando o citologista não consegue visualizar mais de 25% dos elementos celulares, devido iniltrado purulento ou hemorrágico, ressecamento e outros artefatos. Ou quando há escassez de elementos celulares (< 10% do esfregaço coberto por células). 2. DIAGNóSTICO DESCRITIvO Dentro dos limites da normalidade Alterações celulares benignas reativas ou reparativas Inlamação Tratamento conforme a microbiologia Metaplasia escamosa Reparação Não requer tratamento Não requer tratamento (o que é deinido como reparação é o princípio de uma metaplasia escamosa, portanto, os dois fenômenos são constituintes de um único processo). Atroia com inlamação (vaginite atróica) Radiação Outros Microbiologia Pode requerer tratamento com estrogênio tópico em casos com limitação ou exame insatisfatório. Não requer tratamento Individualizar a conduta Lactobacilos, Cocos, Bacilos, Sugestivo de Chlamydia sp, Consistente com Actinomyces sp, Cândida sp, Trichomonas vaginalis, Vírus do grupo Herpes, Gardnerella vaginalis, Outros. 210

3 Unidade 3 - Ginecologia Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal 3. ALTERAçÕES CELULARES EpITELIAIS EM CéLULAS ESCAMOSAS» Atipias de signiicado indeterminado (ASC-US)» Atipias em que não se pode descartar HSIL (ASC H)» Lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL)» Lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL)» Carcinoma escamoso invasivo EM CéLULAS GLANDULARES» Atipias de signiicado indeterminado (AGUS)» Adenocarcinoma in situ (AIS)» Adenocarcinoma invasivo 4. OUTRAS NEOpLASIAS MALIGNAS CéLULAS ENDOMETRIAIS presentes (EM MULHERES > 40 ANOS) ASC - US Opção 1. Teste de DNA-HPV (alto risco) Teste negativo Teste Positivo Controle Citológico Positiva Negativa Controle Opção 2. Controle Citológico Dois controles negativos com intervalos de 6 meses entre eles Exame anual ASC ou maior em pelo menos 01 de 2 controles com intervalo de 6 meses entre eles 211

4 Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas Maternidade Escola Assis Chateaubriand Opção 3. Imediata positiva negativa Controle e citológico Positiva Conduta conforme Negativa Teste de DNA - HPV Positivo Negativo Dois controles negativos com intervalo de 6 meses Citologia de rotina Citologia de rotina Controle colposcópico e citológico Situações Especiais Estrogenização tópica (14 Dias) Repetição de teste citológico Negativo ASC ou mais Nova citologia com 4 a 6 meses Imunodepressão Duas citologias negativas Citologia de rotina imediata Grávida: Conduzida da mesma maneira que a não grávida 212

5 Unidade 3 - Ginecologia Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal ASC-H Opção aceitável: Imediata Positiva Negativa Revisão de citologia, colposcopia e biópsia Diagnóstico citológico mantido Controle citológico Teste de DNA - HPV Positivo Negativo Positivo Citologia anual CéLULAS GLANDULARES ATÍpICAS (AGC) E ADENOCARCINOMA IN SITU (AIS) São classiicadas em 03 categorias: células glandulares atípicas (endocervicais, endometriais e não especiicadas), células glandulares atípicas que favorecem neoplasia (endocervicais, endometriais e não especiicadas) e adenocarcinoma endocervical in situ. Recomendações Avaliação inicial: todos os casos devem ser encaminhados para colposcopia e escovado endocervical, com exceção de casos de células endometriais atípicas, que devem ter endométrio avaliado. Seguimento Avaliação inicial negativa Avaliação inicial positiva Conização a frio Conduta conforme o diagnóstico 213

6 Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas Maternidade Escola Assis Chateaubriand Lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL) Recomendações Satisfatória Positiva Conduta conforme a lesão Negativa Citologia Teste de DNA - HPV de alto risco Positivo Negativo LSIL EM CIRCUNSTâNCIAS ESpECIAIS: Mulher na pós-menopausa: Seguimento sem colposcopia inicial é aceitável usando controle citológico ou teste de DNA-HPV de alto risco. Um curso de estrogênio tópico e repetição da citologia são aceitáveis. Adolescentes: É aceitável seguimento citológico ou teste de DNA-HPV de alto risco antes de realizar a colposcopia. GRÁvIDAS: Veja HSIL em circunstâncias especiais. 214

7 Unidade 3 - Ginecologia Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal Lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL) Recomendações: com avaliação endocervical Satisfatória Insatisfatória / colposcopia negativa / colposcopia positiva Conduta conforme histopatologia Rever citologia, colposcopia e biópsia Citologia positiva Procedimento excisional (cone) Circunstâncias especiais: Grávida É preferível que a avaliação colposcópica seja realizada por quem tem experiência no procedimento em grávidas. quando indicado. Curetagem endocervical não é recomendada. Satisfatória Insatisfatória Nova colposcopia com 6 meses Segmento por colposcopia Conduta excisional é aceitável se de há suspeita de HSIL Citologia e colposcopia são recomendadas cerca de semanas 215

8 Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas Maternidade Escola Assis Chateaubriand Mulher jovem em idade reprodutiva Observação colposcópica e citológica a cada seis meses Lesão colposcópica piora ou HSIL na citologia persiste Cone 216

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO ADEQUAÇÃO DA AMOSTRA AMOSTRA SERÁ CONSIDERADA INSATISFATÓRIA ausência de identificação na lâmina ou na requisição;

Leia mais

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Curso de Atualização em PTGI 20/06/09 Instituto de Ginecologia - UFRJ Susana Aidé História natural da NIC Progressão Progressão Regressão

Leia mais

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE <> PORTARIA Nº 287, DE 24 DE ABRIL DE 2006 (*)

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE <> PORTARIA Nº 287, DE 24 DE ABRIL DE 2006 (*) Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 287, DE 24 DE ABRIL DE 2006 (*) O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM/MS nº 3.040/98,

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES Fórum Unimed-Rio de Ginecologia RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES VERA FONSECA Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Presidente

Leia mais

SAÚDE DA MULHER: CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Profª Dra. Ma. Auxiliadora Freire Siza. É a parte inferior do útero que o conecta à vagina.

SAÚDE DA MULHER: CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Profª Dra. Ma. Auxiliadora Freire Siza. É a parte inferior do útero que o conecta à vagina. SAÚDE DA MULHER: CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Profª Dra. Ma. Auxiliadora Freire Siza O que é o colo do útero? É a parte inferior do útero que o conecta à vagina. Produz muco que durante uma relação sexual ajuda

Leia mais

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

PERCENTUAL DE EXAMES ALTERADOS FRENTE À PRESENÇA DE CÉLULAS DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM PONTA GROSSA

PERCENTUAL DE EXAMES ALTERADOS FRENTE À PRESENÇA DE CÉLULAS DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM PONTA GROSSA 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

PREVALÊNCIA CITOPATOLÓGICA DE ALTERAÇÕES COLO UTERINAS EM RESIDENTES DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ENTRE 2006 A

PREVALÊNCIA CITOPATOLÓGICA DE ALTERAÇÕES COLO UTERINAS EM RESIDENTES DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ENTRE 2006 A PREVALÊNCIA CITOPATOLÓGICA DE ALTERAÇÕES COLO UTERINAS EM RESIDENTES DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, ENTRE 2006 A 2014 1 Douglas Vinícius Pires De Menezes 2, Matias Nunes Frizzo 3, Bruna Lanielle Roratto

Leia mais

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER SUMÁRIO 1. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero... 4 2. Atenção Primária à Saúde... 6 2.1. Periodicidade... 7 3. Adolescentes e Mulheres Jovens...

Leia mais

Duarte dos Santos Costa

Duarte dos Santos Costa Duarte dos Santos Costa Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Lesão de alto grau: problemas e perspectivas. Abordagem do canal. Trocando idéias XIV. E. S. Trindade 29/08/2009

Lesão de alto grau: problemas e perspectivas. Abordagem do canal. Trocando idéias XIV. E. S. Trindade 29/08/2009 Lesão de alto grau: problemas e perspectivas Abordagem do canal Trocando idéias XIV E. S. Trindade 29/08/2009 Manaus 24/04/2009 Citologia LIE-AG deve ser avaliada colposcopicamente. Na maioria das vezes

Leia mais

PRESENÇA DE ASC-US E ASC-H NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA- PR, NOS ANOS DE 2014 E 2015

PRESENÇA DE ASC-US E ASC-H NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA- PR, NOS ANOS DE 2014 E 2015 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA E PRODUÇÃO ( ) TRABALHO

Leia mais

A PRESENÇA DE LACTOBACILLUS EM EXAMES CITOPATOLÓGICOS E SUA CORRELAÇÃO COM CITÓLISE NO PAPANICOLAOU

A PRESENÇA DE LACTOBACILLUS EM EXAMES CITOPATOLÓGICOS E SUA CORRELAÇÃO COM CITÓLISE NO PAPANICOLAOU 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ÁREA TEMATICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA E PRODUÇÃO ( ) TRABALHO

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

NIC II mesma abordagem da NIC III

NIC II mesma abordagem da NIC III UNICAMP NIC II mesma abordagem da NIC III Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia Departamento de Tocoginecologia Faculdade de Ciências Médicas CAISM - UNICAMP Click to edit Master subtitle

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

PORTARIA Nº 497, DE 09 DE MAIO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ATENÇÃO À SAÚDE, no uso de suas atribuições,

PORTARIA Nº 497, DE 09 DE MAIO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ATENÇÃO À SAÚDE, no uso de suas atribuições, PORTARIA Nº, DE 0 DE MAIO DE 01 Aprova as Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero. O SECRETÁRIO DE ATENÇÃO À SAÚDE, no uso de suas atribuições, Considerando a necessidade

Leia mais

Adequabilidade da amostra do exame citopatológico cervico-uterino no Brasil: análise dos dados do SISCOLO, no período de 2002 a 2006

Adequabilidade da amostra do exame citopatológico cervico-uterino no Brasil: análise dos dados do SISCOLO, no período de 2002 a 2006 Adequabilidade da amostra do exame citopatológico cervico-uterino no Brasil: análise dos dados do SISCOLO, no período de 2002 a 2006 Maria Beatriz Kneipp Dias Jeane Glaucia Tomazelli Mônica de Assis Instituto

Leia mais

ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL

ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é o 2º mais incidente entre as mulheres no mundo e no Brasil, tornandose um grave problema de saúde pública. Os fatores de risco incluem

Leia mais

Edital do Concurso. Concurso de Suficiência em Citotecnologia 30 de novembro São Paulo 2008

Edital do Concurso. Concurso de Suficiência em Citotecnologia 30 de novembro São Paulo 2008 1 Do Concurso Edital do Concurso Concurso de Suficiência em Citotecnologia 30 de novembro São Paulo 2008 12 Da Comissão Avaliadora A Comissão Avaliadora constará, no mínimo, de 03 (três) Citopatologistas

Leia mais

Citopatologia I Aula 7

Citopatologia I Aula 7 Ciências Biomédicas Laboratoriais Citopatologia I Aula 7 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Anomalias das células epiteliais Alteração de significado indeterminado não

Leia mais

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Predominância de alterações discarióticas em células intermediárias e superficiais Aumento nuclear, variação na forma Bi/multinucleação Rabelo,S.H./UFG

Leia mais

9º Congreso Virtual Hispanoamericano de Anatomía Patológica

9º Congreso Virtual Hispanoamericano de Anatomía Patológica Page 1 of 16 Nº 631. Conferencia Observação de Algumas Alterações Celulares Inflamatórias, Limítrofes, Pré-malignas e Malignas através dos Métodos de Citologia Convencional e Citologia de Base Líquida.

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO: EXAMES CITOPATOLÓGICOS E ANATOMOPATOLÓGICOS DE VIÇOSA, MG

ANÁLISE DE DADOS DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO: EXAMES CITOPATOLÓGICOS E ANATOMOPATOLÓGICOS DE VIÇOSA, MG ANÁLISE DE DADOS DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO: EXAMES CITOPATOLÓGICOS E ANATOMOPATOLÓGICOS DE VIÇOSA, MG Ana Cristine Pepe Parabocz 1, Eliangela Saraiva Oliveira Pinto 2 Resumo:

Leia mais

LAÍLCA QUIRINO HENRIQUE EVOLUÇÃO DAS ANORMALIDADES CITOLÓGICAS NO PERÍODO DE 2006 A 2014, NA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO

LAÍLCA QUIRINO HENRIQUE EVOLUÇÃO DAS ANORMALIDADES CITOLÓGICAS NO PERÍODO DE 2006 A 2014, NA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO LAÍLCA QUIRINO HENRIQUE EVOLUÇÃO DAS ANORMALIDADES CITOLÓGICAS NO PERÍODO DE 2006 A 2014, NA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO Dissertação de mestrado apresentada ao curso de pósgraduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PRISCILA BRAGA DE ARAÚJO Controle do Câncer do colo de útero: uma

Leia mais

BETHESDA 2001 Versão portuguesa

BETHESDA 2001 Versão portuguesa Citologia ginecológica em meio líquido BETHESDA 2001 Versão portuguesa Exemplos de Relatório Satisfatória, com representação da zona de transformação Anomalias de células epiteliais pavimentosas Interpretação

Leia mais

Câncer de Colo Uterino

Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Aspectos conceituais Câncer é o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

Nomenclatura Brasileira para Laudos Cervicais e Condutas Preconizadas: Recomendações para Profissionais de Saúde

Nomenclatura Brasileira para Laudos Cervicais e Condutas Preconizadas: Recomendações para Profissionais de Saúde J Bras Patol Med Lab v. 42 n. 5 p. 351-373 outubro 2006 ARTIGO DE ATUALIZAÇÃO UPDATING ARTICLE Nomenclatura Brasileira para Laudos Cervicais e Condutas Preconizadas: Recomendações para Profissionais de

Leia mais

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS Profa. Dra. Michelle Garcia Discacciati de Carvalho Prevalência de HPV no câncer do colo uterino

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Citopatologista / Nível Superior CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA.

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Citopatologista / Nível Superior CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA Texto 1 Numa tirinha de Maurício de Sousa, publicada em O Estado de S. Paulo (22/11/2007, D8), a professora diz à classe: Este ano só o Chico vai ficar em recuperação.

Leia mais

Citologia Oncótica, Colposcopia e Histologia no Diagnóstico de Lesões Epiteliais do Colo Uterino

Citologia Oncótica, Colposcopia e Histologia no Diagnóstico de Lesões Epiteliais do Colo Uterino Artigo Citologia Oncótica, Colposcopia e Histologia no Diagnóstico de Lesões Epiteliais do Colo Uterino José Eleutério Junior 1, José Roosevelt Cavalcante 2, Ricardo Oliveira Santiago 3, Dorieudes Sousa

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO ENSINO SUPERIOR E PESQUISA

INSTITUTO NACIONAL DO ENSINO SUPERIOR E PESQUISA INSTITUTO NACIONAL DO ENSINO SUPERIOR E PESQUISA ELI FERNANDES AVALIAÇÃO DO PERFIL DAS LESÕES INTRA-EPITELIAIS ESCAMOSAS EM MULHERES RESIDENTES NO MUNICÍPIO DE GUAMARÉ - RN RECIFE-PE 2014 ELI FERNANDES

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

NOMENCLATURA BRASILEIRA PARA LAUDOS CERVICAIS E CONDUTAS PRECONIZADAS

NOMENCLATURA BRASILEIRA PARA LAUDOS CERVICAIS E CONDUTAS PRECONIZADAS NOMENCLATURA BRASILEIRA PARA LAUDOS CERVICAIS E CONDUTAS PRECONIZADAS Recomendações para profissionais de saúde Untitled-1 2 15/6/2007 17:23:34 Nomenclaturas_0682.indd 1 15/6/2007 17:07:30 Ministério da

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XVI Centro de Convenções do Hotel Flórida Rio de Janeiro RJ 2 a 4 de agosto de 2012

TROCANDO IDÉIAS XVI Centro de Convenções do Hotel Flórida Rio de Janeiro RJ 2 a 4 de agosto de 2012 TROCANDO IDÉIAS XVI Centro de Convenções do Hotel Flórida Rio de Janeiro RJ 2 a 4 de agosto de 2012 Click to edit Master da subtitle Painel: Tratamento lesãostyle precursora EZT x Conização Adalberto Xavier

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia Yara Furtado Atipias de Células Glandulares Bethesda 1991 Bethesda 2001 Células Glandulares *Células endometriais, benignas, em mulheres na pós-menopausa

Leia mais

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse Ygor Vieira de Oliveira Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Laboratórios Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação Um dos graves problemas de saúde pública que estamos combatendo ao longo dos anos é o câncer

Leia mais

Curso básico de Colposcopia

Curso básico de Colposcopia Curso básico de Colposcopia 20 e 21 de outubro de 2017 Universidade do Algarve Campus de Gambelas Imagem: Ad Médic Programa Científico Caros(as) colegas, É com enorme prazer que convidamos todos os interessados

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Railda Fraga Costa. Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo para obtenção do Título de Mestre em Ciências.

Railda Fraga Costa. Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo para obtenção do Título de Mestre em Ciências. Railda Fraga Costa Prevalência de lesões intra-epiteliais de baixo e alto grau em mulheres com diagnóstico colpocitológico de atipias de significado indeterminado no município de Maceió, Alagoas. Tese

Leia mais

Rastreio em situações especiais Diretrizes Brasileiras, 2011

Rastreio em situações especiais Diretrizes Brasileiras, 2011 Gestantes; Pós-menopausa; Histerectomizadas; Mulheres sem história de atividade sexual; Imunossuprimidas. Gestantes Mesmo risco que não gestantes de apresentarem câncer do colo do útero ou seus precursores.

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas Fábio Russomano - IFF/Fiocruz Maio de 2016 Fortalecimento do rastreamento organizado na

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL/ ORIGINAL ARTICLE

ARTIGO ORIGINAL/ ORIGINAL ARTICLE ARTIGO ORIGINAL/ ORIGINAL ARTICLE Frequência de diagnóstico de lesões do colo uterino por faixa etária em mulheres atendidas no Programa de Rastreamento Viva Mulher no período de 2004 a 2008 Review on

Leia mais

Briefing hepatites. Números gerais da Hepatite casos confirmados

Briefing hepatites. Números gerais da Hepatite casos confirmados Briefing hepatites Números gerais da Hepatite casos confirmados Casos acumulados 1999 a 2009 Taxa de incidência/detecção 2009 (nº de casos a cada 100 mil hab.) Óbitos acumulados 1999 a 2009 Coeficiente

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais.

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais. Histologia do sistema genital feminino Camada basal Células superficiais Células intermediárias Células parabasais Células basais Papila do estroma Estroma Epitélio escamoso estratificado Histologia do

Leia mais

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO COMO CONDUZIR O SEU DIAGNÓSTICO RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNIFICADO INDETERMINADO O QUE SIGNIFICA? RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNICADO INDETERMINADO POR QUE? AS ALTERAÇÕES

Leia mais

O HPV é um vírus que ataca homens e mulheres. Existem mais de 200 tipos diferentes de

O HPV é um vírus que ataca homens e mulheres. Existem mais de 200 tipos diferentes de HPV O que é o Papiloma Vírus Humano (HPV)? O HPV é um vírus que ataca homens e mulheres. Existem mais de 200 tipos diferentes de HPV, dos quais cerca de 40 tipos afetam a área genital. Alguns causam verrugas

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Janeiro, fevereiro e março/ 2010/ n 1 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Desde 2008 a Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica tem realizado o monitoramento

Leia mais

CAPÍTULO 2. CÂnCER DE MAMA: AVALIAÇÃO InICIAL E ACOMPAnHAMEnTO. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 2. CÂnCER DE MAMA: AVALIAÇÃO InICIAL E ACOMPAnHAMEnTO. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 2 CÂnCER DE MAMA: AVALIAÇÃO InICIAL E ACOMPAnHAMEnTO 1. INTRODUçãO O sistema TNM para classiicação dos tumores malignos da mama foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

O Fortalecimento do Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama na Política de Saúde da Mulher

O Fortalecimento do Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama na Política de Saúde da Mulher VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer do Útero e de Mama O Fortalecimento do Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama na Política de Saúde da Mulher SITUAÇÃO DEMOGRÁFICA População Brasileira:

Leia mais

Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte

Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte Acesso às Consultas Externas do Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte O Serviço de Estomatologia do Hospital de Santa Maria (SE do HSM) do Centro Hospitalar

Leia mais

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul.

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS COORDENAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DOS HOMENS COORDENAÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO

Leia mais

Colposcopia. José Maria Moutinho

Colposcopia. José Maria Moutinho 41 Colposcopia José Maria Moutinho 1. INTRODUÇÃO Hinselmann, pioneiro da colposcopia na Alemanha, publicou o primeiro artigo sobre esta técnica em 1925, tendo descrito as principais lesões benignas e malignas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO) MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA) SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA (SISMAMA) E DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO (SISCOLO) MANUAL GERENCIAL Rio de Janeiro, RJ 2011 2011

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

Serviço de Edição e Informação Técnico-Científica/abril 2012 SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CÂNCER (SISCAN)

Serviço de Edição e Informação Técnico-Científica/abril 2012 SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CÂNCER (SISCAN) Serviço de Edição e Informação Técnico-Científica/abril 2012 SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CÂNCER (SISCAN) 1 O que é a versão web SISCAN? É a versão em plataforma web que integra os Sistemas de Informação do

Leia mais

PERFIL CLÍNICO DAS MULHERES SUBMETIDAS AO EXAME PAPANICOLAU NA USF BREJINHO NO ANO DE 2011

PERFIL CLÍNICO DAS MULHERES SUBMETIDAS AO EXAME PAPANICOLAU NA USF BREJINHO NO ANO DE 2011 78 Recebido em 07/2013. Aceito para publicação em 01/2014. PERFIL CLÍNICO DAS MULHERES SUBMETIDAS AO EXAME PAPANICOLAU NA USF BREJINHO NO ANO DE 2011 CLINICAL PROFILE OF WOMEN SUBMITTED TO PAP SMEARS AT

Leia mais

RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO REGIÃO ALENTEJO 2007

RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO REGIÃO ALENTEJO 2007 RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO REGIÃO ALENTEJO 2007 R a s t r e i o d o C a n c r o d o C o l o d o Ú t e r o Abreviaturas e Siglas AGC - Alterações Glandulares Atípicas ARSA - Administração Regional

Leia mais

Interpretação da citologia cervico-vaginal em Medicina Geral e Familiar

Interpretação da citologia cervico-vaginal em Medicina Geral e Familiar Prémio Patient Care Artigo concorrente nterpretação da citologia cervico-vaginal em Medicina eral e Familiar rastreio do cancro do colo do útero é realizado através da citologia cervico-vaginal. São os

Leia mais

Doença nodular da tiroideia

Doença nodular da tiroideia 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Doença nodular da tiroideia Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo Endocrinologia Diabetes

Leia mais

UNIVERSIDADE TIRADENTES DIREÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM JULIANA DE ALMEIDA GONÇALVES URSULA CLARA AZEVEDO CARVALHO

UNIVERSIDADE TIRADENTES DIREÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM JULIANA DE ALMEIDA GONÇALVES URSULA CLARA AZEVEDO CARVALHO UNIVERSIDADE TIRADENTES DIREÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM JULIANA DE ALMEIDA GONÇALVES URSULA CLARA AZEVEDO CARVALHO INTEGRALIDADE DO CUIDADO NA ASSISTÊNCIA SECUNDÁRIA DAS LESÕES PRECURSORAS

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Curso de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Curso de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Curso de Pós-Graduação em Medicina: Clínica Médica PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO PELO PAPILOMA VÍRUS HUMANO DE ALTO-RISCO E DE LESÕES ASSOCIADAS

Leia mais

Patrícia Savio de A. Souza

Patrícia Savio de A. Souza BIOMARCADORES EM PATOLOGIA CERVICAL Patrícia Savio de A. Souza Departamento de Imunobiologia/ UFF Programa de Biologia Celular/ INCA Câncer Colo Uterino (CCU) Consequência da evolução de lesões precursoras

Leia mais

HPV Vírus Papiloma Humano. Nome: Edilene Lopes Marlene Rezende

HPV Vírus Papiloma Humano. Nome: Edilene Lopes Marlene Rezende HPV Vírus Papiloma Humano Nome: Edilene Lopes Marlene Rezende O HPV (papiloma vírus humano) é o agente causador de uma doença sexualmente transmissível (DST). Condiloma Acuminado vulgarmente conhecida

Leia mais

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO SERVIÇO DE GINECOLOGIA MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV NO RASTREIO DO CÂNCER DE COLO UTERINO Dra Rejane

Leia mais

Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica

Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica Resumo Guilherme Cerutti Müller * Camila Maziero ** A citologia oncótica é o método de rastreamento para o câncer cervical,

Leia mais

MANUAL COLHEITA E REMESSA DE MATERIAL

MANUAL COLHEITA E REMESSA DE MATERIAL MANUAL COLHEITA E REMESSA DE MATERIAL CITOPATOLOGIA O exame citológico oferece inúmeras vantagens, sendo atualmente um método que auxilia o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e procedimentos

Leia mais

PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ

PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ 1 PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ Hilania Valéria Dodou 1 Luan Costa Ferreira 2 Hilana Dayana Dodou 3 Márcia Luiza Pinheiro Silva de Souza 4 RESUMO O

Leia mais

Nódulo de Tireoide. Diagnóstico:

Nódulo de Tireoide. Diagnóstico: Nódulo de Tireoide São lesões comuns à palpação da tireoide em 5% das mulheres e 1% dos homens. Essa prevalência sobe para 19 a 67% quando utilizamos a ecografia. A principal preocupação é a possibilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA "VIVA MULHER" NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA VIVA MULHER NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA "VIVA MULHER" NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 EVALUATION OF THE "VIVA MULHER" PROGRAM FOR THE CONTROL OF CERVICAL CANCER IN THE STATE OF MINAS GERAIS,

Leia mais

Monitoramento microbiológico do epitélio cérvico-vaginal em atipias celulares

Monitoramento microbiológico do epitélio cérvico-vaginal em atipias celulares Artigo de Original/Original Article Monitoramento microbiológico do epitélio cérvico-vaginal em atipias celulares Microbiological monitoring of the cervicovaginal epithelium in cellular atypias Pedro Agnel

Leia mais

Problemas na Interpretação do Esfregaço Atrófico

Problemas na Interpretação do Esfregaço Atrófico Problemas na Interpretação do Esfregaço Atrófico Simone Maia Evaristo Citotecnologista, CMIAC, SLAC Presidente ANACITO UNIRIO/ INCA Dr. Camata, PR É uma redução no volume e na função de uma célula ou órgão.

Leia mais

PREVALÊNCIA DE GARDNERELLA sp. NOS EXAMES CITOPATOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA NO ANO DE 2014

PREVALÊNCIA DE GARDNERELLA sp. NOS EXAMES CITOPATOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA NO ANO DE 2014 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Citopatologia em medicina clínica

Citopatologia em medicina clínica Citopatologia em medicina clínica Na aula de hoje nos vamos discutir alguns aspectos do uso da citopatologia na medicina clínica. Quando falamos em citopatologia, referimo-nos a três grandes grupos; uma

Leia mais

Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LSIL)- em que situações está indicado o tratamento

Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LSIL)- em que situações está indicado o tratamento Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau ()- em que situações está indicado o tratamento TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Susana Aidé Profª Adjunto

Leia mais

CURSO BÁSICO DE COLPOSCOPIA

CURSO BÁSICO DE COLPOSCOPIA CURSO BÁSICO DE COLPOSCOPIA 20 e 21 de outubro de 2016 Centro de Formação Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca Amadora PROGRAMA Imagem: Ad Médic Caros(as) Colegas, É com o maior prazer que convidamos

Leia mais

DETERMINANTES DO PROCESSO DE DETECÇÃO DE ATIPIAS CELULARES NO PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NO RIO DE JANEIRO

DETERMINANTES DO PROCESSO DE DETECÇÃO DE ATIPIAS CELULARES NO PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NO RIO DE JANEIRO DETERMINANTES DO PROCESSO DE DETECÇÃO DE ATIPIAS CELULARES NO PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NO RIO DE JANEIRO Mariá Gonçalves Pereira da Silva Dissertação de Mestrado apresentada

Leia mais

PREVALÊNCIA DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES JOVENS APÓS O PRIMEIRO PARTO EM SÃO PAULO-BRASIL

PREVALÊNCIA DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES JOVENS APÓS O PRIMEIRO PARTO EM SÃO PAULO-BRASIL PREVALÊNCIA DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES JOVENS APÓS O PRIMEIRO PARTO EM SÃO PAULO-BRASIL Rama CH 1,2, Villa LL 3, Longatto-Filho A 4, Pagliusi S 5, Andreoli MA 3, Thomann P 6, Eluf-Neto J

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 09- setembro/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é

Leia mais

Celina Maria Araujo Tavares 1, Marta Lenise do Prado 2

Celina Maria Araujo Tavares 1, Marta Lenise do Prado 2 - 578 - PESQUISANDO A PREVENÇÃO DO CÂNCER GINECOLÓGICO EM SANTA CATARINA RESEARCH ABOUT THE PREVENTION OF GYNECOLOGICAL CANCER IN THE STATE OF SANTA CATARINA UNA INVESTIGACIÓN SOBRE LA PREVENCIÓN DEL CÁNCER

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO ANA PAULA MAIA ANÁLISE DO BANCO DE RESULTADOS DE EXAMES CITOPATOLÓGICOS, REALIZADOS EM MULHERES ATENDIDAS NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DE SÃO LEOPOLDO/RS, NO ANO DE 2011 Porto Alegre 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Cobertura do teste Papanicolaou e

Cobertura do teste Papanicolaou e XVIII IEA WORLD CONGRESS OF EPIDEMIOLOGY VII CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA PORTO ALEGRE BRASIL 20 A 24 DE SETEMBRO DE 2008 Cobertura do teste Papanicolaou e fatores associados à não realização

Leia mais

Palavras-chave: citopatologia cervical. Carcinoma epidermóide. Metaplasia.

Palavras-chave: citopatologia cervical. Carcinoma epidermóide. Metaplasia. ASPECTO EPIDEMIOLÓGICO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO POR PAPILOMA VÍRUS HUMANO ASSOCIADO A INFECÇÃO POR Gardnerella sp. NO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO Marielena Vogel Saivish 1, Ana Carolina Ferreira Franco 2,

Leia mais

Edison Natal Fedrizzi. Declaração de conflito de interesse

Edison Natal Fedrizzi. Declaração de conflito de interesse Edison Natal Fedrizzi Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Probabilidade pré-teste de doença arterial coronariana pela idade, sexo e sintomas

Probabilidade pré-teste de doença arterial coronariana pela idade, sexo e sintomas Pergunta: Quais são as principais indicações do teste ergométrico? Resposta: Há décadas o ECG de esforço vem sendo o principal instrumento no diagnóstico da doença cardíaca isquêmica estável e sua indicação

Leia mais

Infecções Genitais Femininas

Infecções Genitais Femininas Infecções Genitais Femininas 1963 2011 FMBotucatu 20ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia Maternidade Sinhá Junqueira Vulvovaginites Recorrentes Ribeirão Preto 2011 Mecanismos de Defesa do TGI TGI Feminino

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais