CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Enfa Dayse Amarílio CA Colo uterino 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres Tem início com displasias de leve a acentuada. É classificado como NIC I, II, III e carcinoma in situ Tipo epidermoide: 80% - epitélio escamoso Adenocarcinoma: Raro epitélio glandular Ano: 2010 Banca: CESPE Órgão: MPU Prova: Técnico de Saúde - Enfermagem Com relação às ações relacionadas à prevenção ao câncer cérvicouterino, julgue os itens que se seguem. Consideram-se fatores de risco para desenvolvimento do câncer de colo de útero: infecção causada pelo papilomavírus (HPV), início precoce das atividades sexuais, multiplicidade de parceiros sexuais, tabagismo, parceiro sexual masculino com múltiplas parceiras, e infecções genitais de repetição. a. ( ) Certo b. ( ) Errado 1

2 Ano: 2010 Banca: CESPE Órgão: MPU Prova: Técnico de Saúde - Enfermagem Com relação às ações relacionadas à prevenção ao câncer cérvicouterino, julgue os itens que se seguem. Consideram-se fatores de risco para desenvolvimento do câncer de colo de útero: infecção causada pelo papilomavírus (HPV), início precoce das atividades sexuais, multiplicidade de parceiros sexuais, tabagismo, parceiro sexual masculino com múltiplas parceiras, e infecções genitais de repetição. a. (x ) Certo b. ( ) Errado Epidemiologia: - Início precoce de relação sexual/ Multiplicidade de parceiros - DST s e HPV s - Nível socioeconômico - Tabagismos, hipovitaminoses, etc. - Obs: - Mulheres acima 65 anos não realizar rastreamento se não houver história de lesão precursora - Mulheres com menos 24 anos incidência muito baixo (MPU/DF/2007 Enfermagem - FCC). O aumento do número de casos de mulheres contaminadas pelo HPV é preocupante por ser uma doença sexualmente transmissível, relacionada diretamente com o surgimento de. a) Mioma. b) Câncer no colo do útero. c) Sarcoma de Wills. d) Fibrossarcoma neural. e) Epicondilitenecrosante. 2

3 (MPU/DF/2007 Enfermagem - FCC). O aumento do número de casos de mulheres contaminadas pelo HPV é preocupante por ser uma doença sexualmente transmissível, relacionada diretamente com o surgimento de. a) Mioma. b) Câncer no colo do útero. c) Sarcoma de Wills. d) Fibrossarcoma neural. e) Epicondilitenecrosante. (SES/RN/2008 Enfermagem). Os fatores de risco mais importantes para o desenvolvimento do câncer do colo do útero são: I. HPV: sendo esse o principal fator de risco. II. Multiplicidade de parceiros sexuais. III. Baixa condição socioeconômica. IV. Imunossupressão. V. Uso prolongado de contraceptivos injetáveis. A)I b) II c) III d) I, II, III e V e) I, II, III, e IV (SES/RN/2008 Enfermagem). Os fatores de risco mais importantes para o desenvolvimento do câncer do colo do útero são: I. HPV: sendo esse o principal fator de risco. II. Multiplicidade de parceiros sexuais. III. Baixa condição socioeconômica. IV. Imunossupressão. V. Uso prolongado de contraceptivos injetáveis. A)I b) II c) III d) I, II, III e V e) I, II, III, e IV 3

4 (TRT 7ª Região/CE/2009 Enfermagem - FCC). Com relação ao câncer cérvico uterino, é correto afirmar que: a)a atividade física regular, bons hábitos alimentares, multiparidade são considerados fatores protetores na saúde da mulher. b) a presença de neoplasia intra-cervical grau I indica persistência da lesão e desordenação celular de intensidade moderada a grave. c) a presença de neoplasia intra-cervical grau II indica desarranjo completo das estruturas celulares caracterizando o caráter invasor tecidual do carcinoma uterino. d) o uso de contraceptivo oral, tabagismo são fatores de risco de grande magnitude que determinam o aparecimento da doença. e) a infecção pelo vírus do papiloma humano, multiplicidade de parceiros sexuais, baixa ingestão de vitamina A e C são fatores de risco para o desenvolvimento da doença. (TRT 7ª Região/CE/2009 Enfermagem - FCC). Com relação ao câncer cérvico uterino, é correto afirmar que: a)a atividade física regular, bons hábitos alimentares, multiparidade são considerados fatores protetores na saúde da mulher. b) a presença de neoplasia intra-cervical grau I indica persistência da lesão e desordenação celular de intensidade moderada a grave. c) a presença de neoplasia intra-cervical grau II indica desarranjo completo das estruturas celulares caracterizando o caráter invasor tecidual do carcinoma uterino. d) o uso de contraceptivo oral, tabagismo são fatores de risco de grande magnitude que determinam o aparecimento da doença. e) a infecção pelo vírus do papiloma humano, multiplicidade de parceiros sexuais, baixa ingestão de vitamina A e C são fatores de risco para o desenvolvimento da doença. Medidas de controle Prevenção Primária: - Uso de condom - Vacinação bi ou quadrivalente Prevenção Secundária: - Diagnóstico Precoce - Rastreamento 4

5 Medidas de Controle ATENÇÃO! Realização de exame preventivo anualmente. Se em 2 exames consecutivos não houver alteração, o exame poderá ser realizado a cada 3 anos. Atenção... Realizar a partir de 25 anos e após início da relação sexual; Realizar até 64 anos e interromper quando 2 exames negativos nos últimos 5 anos; Mulheres 64 anos que nunca realizaram CCO, realizar 2 exames com intervalo de 3 anos e se normal dispensar. Preparo para o exame: Não usar medicamentos ou duchas a vaginais, lubrificantes, espermicidas ou ter realizado exames transvaginais devido gel transdutor nas últimas 48 h; Evitar relações sexuais se tiver realizado uso de preservativo com lubrificantes nas últimas 24h; Realizar o exame fora do período menstrual (após 5ª dia) Esvaziar a bexiga. 5

6 Material -Não usar lubrificantes. Coleta: - Coletar ectocérvice : Com extremidade da reentrância girar 360º em torno do orifício cervical e espalhar material sobre extremidade proximal de identificação verticalmente. Colocação material na Lâmina (INCA, 2002) 6

7 Coletar endocérvice : Introduzir esponja em canal cervical e girar 360º. Espalhar material sobre metade inferior da lâmina sentido longitudinal. Colocação material na Lâmina (INCA, 2002) Obs: Amostra de Fundo de Saco vaginal não é mais recomendada pois é de baixa qualidade para diagnóstico Ano: 2010, Banca: CESPE, Órgão: MPU, Prova: Técnico de Saúde - Enfermagem Com relação às ações relacionadas à prevenção ao câncer cérvico- uterino, julgue os itens que se seguem. Para a realização da coleta de material para o exame Papanicolau, a paciente não pode: estar menstruada, ter usado ducha vaginal nas 72 horas que antecedem o exame e te praticado relação sexual nas 24 horas anteriores à coleta. a. ( ) Certo b. ( ) Errado 7

8 Ano: 2010, Banca: CESPE, Órgão: MPU, Prova: Técnico de Saúde - Enfermagem Com relação às ações relacionadas à prevenção ao câncer cérvico- uterino, julgue os itens que se seguem. Para a realização da coleta de material para o exame Papanicolau, a paciente não pode: estar menstruada, ter usado ducha vaginal nas 72 horas que antecedem o exame e te praticado relação sexual nas 24 horas anteriores à coleta. a. (x ) Certo b. ( ) Errado Ano: 2014, Banca: FGV, Órgão: SUSAM, Prova: Enfermeiro Em relação ao exame preventivo do câncer do colo do útero, analise as afirmativas a seguir. I. O exame não deve ser feito no período menstrual, pois a presença d e sangue pode prejudicar o diagnóstico citológico. II. A coleta na endocérvice é feita utilizandose uma espátula de madeira (tipo espátula de Ayre) do lado que apresenta reentrância, raspando a mucosa em movimento rotativo de 360 o em torno de todo o orifício cervical. III. A amostra de fundo de saco vaginal não é recomendada, pois o material coletado é de baixa qualidade para o diagnóstico oncótico. Assinale: a)se somente a afirmativa I estiver correta. b)se somente a afirmativa II estiver correta. c)se somente a afirmativa III estiver correta. d)se somente as afirmativa I e II estiverem corretas. e)se somente as afirmativas I e III estiverem corretas. Ano: 2014, Banca: FGV, Órgão: SUSAM, Prova: Enfermeiro Em relação ao exame preventivo do câncer do colo do útero, analise as afirmativas a seguir. I. O exame não deve ser feito no período menstrual, pois a presença d e sangue pode prejudicar o diagnóstico citológico. II. A coleta na endocérvice é feita utilizandose uma espátula de madeira (tipo espátula de Ayre) do lado que apresenta reentrância, raspando a mucosa em movimento rotativo de 360 o em torno de todo o orifício cervical. III. A amostra de fundo de saco vaginal não é recomendada, pois o material coletado é de baixa qualidade para o diagnóstico oncótico. Assinale: a)se somente a afirmativa I estiver correta. b)se somente a afirmativa II estiver correta. c)se somente a afirmativa III estiver correta. d)se somente as afirmativa I e II estiverem corretas. e)se somente as afirmativas I e III estiverem corretas. 8

9 Ano: 2015, Banca: VUNESP, Órgão: Prefeitura de São José dos Campos SP, Prova: Assistente Técnico em Saúde Enfermeiro Assinale a alternativa que completa de forma correta a afirmação a seguir. De acordo com o Ministério da Saúde, desde o início de março de 2015, a vacina contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), usada na prevenção_(i)_, já está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para meninas na faixa etária de _(II)_. a)i = de doenças sexualmente transmissíveis (DST); II = 7 a 12 anos. b)i = do câncer do colo do útero; II = 9 a 11 anos. c)i = de corrimento vaginal; II = 11 a 15 anos. d)i = da infecção pelo HIV; II = 9 a 13 anos. e)i = do câncer de mama; II = 11 a 13 anos. Ano: 2015, Banca: VUNESP, Órgão: Prefeitura de São José dos Campos SP, Prova: Assistente Técnico em Saúde Enfermeiro Assinale a alternativa que completa de forma correta a afirmação a seguir. De acordo com o Ministério da Saúde, desde o início de março de 2015, a vacina contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), usada na prevenção_(i)_, já está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para meninas na faixa etária de _(II)_. a)i = de doenças sexualmente transmissíveis (DST); II = 7 a 12 anos. b)i = do câncer do colo do útero; II = 9 a 11 anos. c)i = de corrimento vaginal; II = 11 a 15 anos. d)i = da infecção pelo HIV; II = 9 a 13 anos. e)i = do câncer de mama; II = 11 a 13 anos. Coleta em situações especiais GESTANTE: - Apesar da exteriorização da ectocervice o que na maioria das vezes dispensaria coleta endocervical, a coleta da mesma não aumenta a chance de risco para gestação. - Não coletar em caso de sangramento ou ameaça de aborto; Fixação: -Álcool 96%. -Spray fixador: distância de 20 cm. 9

10 Coleta em situações especiais PÓS MENOPAUSA - Menor risco de incidência e maior chance de falso positivo devido atrofia secundária ao hipoestrogenismo. CLIMATÉRIO - Em amostra com atrofia sugere-se estrogenização. HISTERECTOMIZADAS - Por lesões benignas Não realizar controle - Por lesões precursoras ou CA- acompanhar Ano: 2014, Banca: INSTITUTO AOCP, Órgão: UFC Prova: Enfermeiro - Saúde da Mulher Sobre a recomendação para rastreamento de câncer de colo de útero em mulheres submetidas à histerectomia total por lesões benignas, sem história prévia de diagnóstico ou tratamento de lesões cervicais de alto grau, assinale a alternativa correta. a)podem ser excluídas do rastreamento, desde que apresentem exames anteriores normais. b)intervalos semestrais no primeiro ano e, se normais, manter seguimento anual c)intervalos semestrais no primeiro ano e, se normais, manter seguimento bianual. d)se houver dois exames negativos anteriores, proceder a coleta semestral e)se houver dois exames negativos anteriores, coleta a cada 03 anos 10

11 Ano: 2014, Banca: INSTITUTO AOCP, Órgão: UFC Prova: Enfermeiro - Saúde da Mulher Sobre a recomendação para rastreamento de câncer de colo de útero em mulheres submetidas à histerectomia total por lesões benignas, sem história prévia de diagnóstico ou tratamento de lesões cervicais de alto grau, assinale a alternativa correta. a)podem ser excluídas do rastreamento, desde que apresentem exames anteriores normais. b)intervalos semestrais no primeiro ano e, se normais, manter seguimento anual c)intervalos semestrais no primeiro ano e, se normais, manter seguimento bianual. d)se houver dois exames negativos anteriores, proceder a coleta semestral e)se houver dois exames negativos anteriores, coleta a cada 03 anos Ano: 2014, Banca: INSTITUTO AOCP, Órgão: UFC Prova: Enfermeiro - Saúde da Mulher Sobre a recomendação para rastreamento de câncer de colo de útero em mulheres submetidas à histerectomia total por lesões benignas, sem história prévia de diagnóstico ou tratamento de lesões cervicais de alto grau, assinale a alternativa correta. a)podem ser excluídas do rastreamento, desde que apresentem exames anteriores normais. b)intervalos semestrais no primeiro ano e, se normais, manter seguimento anual c)intervalos semestrais no primeiro ano e, se normais, manter seguimento bianual. d)se houver dois exames negativos anteriores, proceder a coleta semestral e)se houver dois exames negativos anteriores, coleta a cada 03 anos Coleta em situações especiais SEM HISTÓRIA DE VIDA SEXUAL Risco desprezível Não realizar IMUNOSSUPRIMIDAS: - HIV realizar 6/6 meses e após duas coletas com resultado normal coleta anual - Se CD4 menor 200 realizar CCO e Colposcopia 6/6 meses. 11

12 Resultados: - Padrão normal: orientações ginecológicas. - Lactobacilos, cocos e outros bacilos: Sem clínica- normal: não tratar. - Padrão Inflamatório: Tratamento com creme vaginal (após 20 sem- se gestante), medicação oral e tratamento do parceiro se necessário. - HPV: Repetição da citologia. OBS: Diferenciar se condiloma. - ACUS: Repetição da citologia em 6 meses (> 30 anos) ou 12 meses (< 30 anos) - AGUS: Encaminhamento para colposcopia Resultados: - NIC I : Encaminhar para acompanhamento especializado semestral. - NIC II : Encaminhar para colposcopia e Biópsia. - NIC III: Encaminhar para confirmação diagnóstica, colposcopia, Schilher. Biópsia e conização. - Carcinoma invasivo: Encaminhar para Gineco (oncologia). Colposcopia Objetivo: - Localizar no colo lesões pré-malignas e carcinoma; - Diagnóstico diferencial de lesões benignas e malignas; - Orientação para local de biópsia; - Seguimentos com clientes que apresentam lesões atípicas. Teste de Schilher: Feito no final da colposcopia, solução de iodo onde as células coram-se em grau variável conforme teor de glicogênio. 12

13 Ano: 2010 Banca: CESPE Órgão: MPU Prova: Técnico de Saúde - Enfermagem Com relação às ações relacionadas à prevenção ao câncer cérvicouterino, julgue os itens que se seguem. A colpocitologia é o estudo das células esfoliadas e descamadas da vulva e do períneo com o objetivo de identificar infecções viróticas precursoras do câncer. a. ( ) Certo b. ( ) Errado Ano: 2010 Banca: CESPE Órgão: MPU Prova: Técnico de Saúde - Enfermagem Com relação às ações relacionadas à prevenção ao câncer cérvicouterino, julgue os itens que se seguem. A colpocitologia é o estudo das células esfoliadas e descamadas da vulva e do períneo com o objetivo de identificar infecções viróticas precursoras do câncer. a. ( ) Certo b. (x ) Errado Uso do preservativo; Orientações gerais Importância do exame citológico e aprazamento; Uso de calcinha de algodão; Higienização, passar calcinha à ferro; Dormir sem calcinha. 13

14 (UFF/RJ/2011 Enfermagem - COSEAC). Para o diagnóstico precoce de câncer ginecológico, deve-se realizar: a) exame a cada 2 anos de material cervicovaginal de mulheres sexualmente ativas, coletado imediatamente após a menstruação. b) colposcopia para visualizar o corpo do útero aumentado, sendo possível identificar lesões mínimas. c) exame detalhado da vulva e da vagina durante a coleta de material para o Teste de Papanicolaou que deve ser realizado a partir dos 25 anos e após início da relação sexual d) mamografia anual a partir dos 30 anos de idade, independentemente do risco que a mulher apresente para o câncer de mama. e) autoexame da mama mensal para mulheres a partir dos 20 anos, no período pré-menstrual. (UFF/RJ/2011 Enfermagem - COSEAC). Para o diagnóstico precoce de câncer ginecológico, deve-se realizar: a) exame a cada 2 anos de material cervicovaginal de mulheres sexualmente ativas, coletado imediatamente após a menstruação. b) colposcopia para visualizar o corpo do útero aumentado, sendo possível identificar lesões mínimas. c) exame detalhado da vulva e da vagina durante a coleta de material para o Teste de Papanicolaou que deve ser realizado a partir dos 25 anos e após início da relação sexual d) mamografia anual a partir dos 30 anos de idade, independentemente do risco que a mulher apresente para o câncer de mama. e) autoexame da mama mensal para mulheres a partir dos 20 anos, no período pré-menstrual. Ano: 2013 Banca: CESPE Órgão: UNIPAMPA Prova: Enfermeiro Uma forma de identificar precocemente o aparecimento do câncer de colo de útero é a realização do exame cito patológico do esfregaço cervical. Esse exame pode ser requisitado nos serviços de atenção primária por todas as mulheres que já iniciaram vida sexual ou com idade entre vinte e cinquenta anos. A. ( ) Certo b. ( ) errado 14

15 Ano: 2013 Banca: CESPE Órgão: UNIPAMPA Prova: Enfermeiro Uma forma de identificar precocemente o aparecimento do câncer de colo de útero é a realização do exame cito patológico do esfregaço cervical. Esse exame pode ser requisitado nos serviços de atenção primária por todas as mulheres que já iniciaram vida sexual ou com idade entre vinte e cinquenta anos. A. ( ) Certo b. ( x ) errado Prova Residência mulprofissional ENF 2013 De acordo com recentes estimativas divulgadas pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), esperam-se, para 2012 e2013, cerca de 520 mil casos novos da doença. De acordo com os cálculos, espera-se um aumento no número de casos de câncer no Brasil em relação aos dados divulgados em 2010, tal qual a tendência mundial. Entre os cânceres que atingem o sexo feminino,são esperados 53 mil casos novos de câncer de mama e 18 mil de câncer do colo do útero. Dada a alta taxa de morbimortalidade desse tipo de câncer, o governo federal brasileiro, por intermédio do Ministério da Saúde (MS), criou o Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo de Útero, cujas diretrizes para o rastreamento da doença foram também estabelecidas, em 2011, pelo INCA. Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens de 41a 45, relativos ao câncer em mulheres. 41 ( ) Pacientes que apresentem resultado negativo em exames citopatológicos realizados nos últimos dois anos deverão realizar novos exames a cada três anos. 42 ( ) Embora a persistência da infecção provocada pelo HPV represente causa importante de neoplasia cervical, a maioria das alterações cervicais causadas por esse tipo de infecção tem pouca probabilidade de progredir. 43 ( ) Antes de ser aprovada a vacina contra o HPV, a prevenção contra o câncer de colo do útero ocorria por meio de ações de prevenção secundária; atualmente, existem duas vacinas contra o HPV, produzidas a partir da proteína L1 do capsídeo viral: a bivalente, que protege contra os subtipos 16 e 18 do HPV; e a quadrivalente, que protege contra os subtipos 6, 11, 16 e 18 desse vírus. 44 ( ) O exame citopatológico, método de rastreamento incluído no programa de combate ao câncer do colo do útero, consiste na análise microscópica de alterações no esfregaço cervical,devendo estar disponível para mulheres com menos de vinte e cinco anos de idade que já iniciaram atividade sexual e para todas as que estejam na faixa etária de vinte e cinco a cinquenta e nove anos. 45( ) De acordo com as recomendações do INCA/MS, todas as pacientes que apresentarem citologia sugestiva de lesão intraepitelial de alto grau devem realizar colposcopia em, no máximo, três meses após o diagnóstico. 15

16 41 ( C ) Pacientes que apresentem resultado negativo em exames citopatológicos realizados nos últimos dois anos deverão realizar novos exames a cada três anos. 42 ( C ) Embora a persistência da infecção provocada pelo HPV represente causa importante de neoplasia cervical, a maioria das alterações cervicais causadas por esse tipo de infecção tem pouca probabilidade de progredir. 43 ( C ) Antes de ser aprovada a vacina contra o HPV, a prevenção contra o câncer de colo do útero ocorria por meio de ações de prevenção secundária; atualmente, existem duas vacinas contra o HPV, produzidas a partir da proteína L1 do capsídeo viral: a bivalente, que protege contra os subtipos 16 e 18 do HPV; e a quadrivalente, que protege contra os subtipos 6, 11, 16 e 18 desse vírus. 44 ( E ) O exame citopatológico, método de rastreamento incluído no programa de combate ao câncer do colo do útero, consiste na análise microscópica de alterações no esfregaço cervical,devendo estar disponível para mulheres com menos de vinte e cinco anos de idade que já iniciaram atividade sexual e para todas as que estejam na faixa etária de vinte e cinco a cinquenta e nove anos. 45( C ) De acordo com as recomendações do INCA/MS, todas as pacientes que apresentarem citologia sugestiva de lesão intraepitelial de alto grau devem realizar colposcopia em, no máximo, três meses após o diagnóstico. Bibliografia: Cadernos de Atenção Básica: CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DA MAMA- MS

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem. 2011 na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Câncer de Colo Uterino

Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Aspectos conceituais Câncer é o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV. UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos

PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV. UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos PREVENÇÃO E TRANSMISSÃO DA INFECÇÃO POR HPV UNITAU-SP SETOR DE GENITOSCOPIA Prof. Dr André Luis F Santos 2010 DÚVIDAS MAIS FREQUENTES A transmissão pelo HPV é só sexual? Peguei do meu parceiro? Quando?

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia - Capítulo II - Infecção por HPV e Lesões HHV-Induzidas Prof. Dr. Flávio Zucchi -

Leia mais

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2

Introdução. Parte do Trabalho de Conclusão de Curso do Primeiro Autor. 2 399 IMPLANTAÇÃO DA VACINAÇÃO CONTRA O PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) NA POPULAÇÃO FEMININA EM IDADE FÉRTIL: PERSPECTIVAS DE DIMINUIÇÃO DA INCIDÊNCIA DE CASOS DE CÂNCER DE COLO DO ÚTERO 1 Kelen Lopes Da Silva

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO

HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Jader Iury de Souza Mercante Graduando em Fisioterapia, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rafaela Giuzeppe Rodrigues Graduanda em Fisioterapia,

Leia mais

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER SUMÁRIO 1. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero... 4 2. Atenção Primária à Saúde... 6 2.1. Periodicidade... 7 3. Adolescentes e Mulheres Jovens...

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Ser Humano e Saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 11.2 Conteúdo Doenças Sexualmente Transmissíveis

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia.

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA QUEIXA DE LEUCORRÉIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA RIBEIRO, Juliane Portella 1 ; QUADROS, Lenice de Castro Muniz 2 ; LIMA, Luciana Rodrigues dos Santos 3 ;

Leia mais

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se!

AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! AIDS e HPV Cuide-se e previna-se! O que é AIDS? Existem várias doenças que são transmissíveis através das relações sexuais e por isso são chamadas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis). As mais conhecidas

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem.

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem. Kelly Cristina Nascimento Discente do Curso de Enfermagem Unaerp

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico.

Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico. NÃ Diga não ao cancro do colo do utéro. Pense em se vacinar. Fale com o seu médico. Qual é a frequência do cancro do colo do útero? - A nível mundial, o cancro do colo do útero é muito frequente nas mulheres;

Leia mais

folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BEM ADRIANA JUSSARA EM A MULHER QUE VALIA POR MUITAS CMY SAÚDE DA MULHER

folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BEM ADRIANA JUSSARA EM A MULHER QUE VALIA POR MUITAS CMY SAÚDE DA MULHER folder_saude_da_mulher.pdf 1 19/07/16 16:48 VIVER BE ADRIANA JUSSARA E A ULHER QUE VALIA POR UITAS SAÚDE DA ULHER folder_saude_da_mulher.pdf 2 19/07/16 16:48 Leia o código e assista a história de Adriana

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico O QUE É? HPV é a sigla em inglês para papilomavírus humano. É um vírus de grande relevância médica pelo fato de estar relacionado a praticamente 100% dos casos de câncer de colo do útero (um dos tipos

Leia mais

PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE PAPANICOLAOU EM MULHERES IDOSAS ATENDIDAS EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Francisca Maria Barbosa de Souza 1 ; Elaine Cristina Batista Tavares 1 ; Jéssica Tavares de Assis 2 ; Douglas Mendes Cavalcante

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Predominância de alterações discarióticas em células intermediárias e superficiais Aumento nuclear, variação na forma Bi/multinucleação Rabelo,S.H./UFG

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Laboratórios Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação Um dos graves problemas de saúde pública que estamos combatendo ao longo dos anos é o câncer

Leia mais

A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO

A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO A RELAÇÃO DO VIRUS HPV COM O CANCER DE COLO DE ÚTERO Adriane Policarpo Rose Guedes ¹; Priscila Trajano da Silva¹; Jeane Karla de Mendonça Mota². ¹Discente da Faculdade Maurício de Nassau, Campina Grande

Leia mais

Nivaldo Vieira. Oncologista Clínico

Nivaldo Vieira. Oncologista Clínico Nivaldo Vieira Oncologista Clínico Câncer de Colo de Útero Terceira causa mais comum de câncer das mulheres Desenvolve-se a partir de lesões prémalignas Altamente prevenível Doença das regiões pobres do

Leia mais

Prevenção do cancro do colo do útero

Prevenção do cancro do colo do útero Prevenção do cancro do colo do útero http:// Iechyd Cyhoeddus Cymru Public Health Wales Este folheto pretende dar informações que podem ajudar na prevenção do cancro do colo do útero. Ao realizar testes

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CITÓLISE EM PREPARADOS CERVICOVAGINAIS NO EXAME PAPANICOLAOU

PREVALÊNCIA DE CITÓLISE EM PREPARADOS CERVICOVAGINAIS NO EXAME PAPANICOLAOU 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE COLO FRIÁVEL E A MICROBIOTA VAGINAL PELO MÉTODO DE PAPANICOLAOU

A RELAÇÃO ENTRE COLO FRIÁVEL E A MICROBIOTA VAGINAL PELO MÉTODO DE PAPANICOLAOU ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A RELAÇÃO ENTRE COLO FRIÁVEL E A MICROBIOTA

Leia mais

Patrícia Savio de A. Souza

Patrícia Savio de A. Souza BIOMARCADORES EM PATOLOGIA CERVICAL Patrícia Savio de A. Souza Departamento de Imunobiologia/ UFF Programa de Biologia Celular/ INCA Câncer Colo Uterino (CCU) Consequência da evolução de lesões precursoras

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

CÂNCER DE COLO DO UTERO: O Mérito da Prevenção

CÂNCER DE COLO DO UTERO: O Mérito da Prevenção CÂNCER DE COLO DO UTERO: O Mérito da Prevenção Franciellen Almeida Fialho Graduanda em Fisioterapia, Faculdades Integradas de Três Lagoas - FITL/AEMS Deigilam Cestari Esteves Biomédica, Mestre em Meio

Leia mais

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV:

Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV: Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV: O papilomavirus humano (HPV) é um DNA vírus com forma icosaédrica, de 55 nm de diâmetro e composto por 8000 pares de base. O genoma

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU

TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASSISTÊNCIA BÁSICA NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CRÔNICAS ATRAVÉS DO PAPANICOLAU CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

IDENTIFICAÇÃO DE MOTIVOS DA NÃO ADESÃO AO EXAME DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO UTERINO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero XIII Congresso Brasileiro de Citologia Clínica 03 de julho de 2012 Fábio Russomano IFF/Fiocruz Fábio Russomano Possíveis

Leia mais

Patologia do colo uterino I-Citopatologia Profa. Sônia Maria Neumann Cupolilo Dra. em Patologia FIOCRUZ/RJ Especialista em Patologia SBP Especialista em Citopatologia SBC HPV Objetivos Conhecer o Programa

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

Cancer de Colo do Útero

Cancer de Colo do Útero Cancer de Colo do Útero Câncer de colo do útero são alterações celulares que tem uma progressão gradativa e é por isto que esta é uma doença curável quando descoberta no início. Esta é a razão do exame

Leia mais

R2. Qual o principal motivo da sra nunca ter feito um exame preventivo? 01. Nunca teve relações sexuais 02. Não acha necessário 03.

R2. Qual o principal motivo da sra nunca ter feito um exame preventivo? 01. Nunca teve relações sexuais 02. Não acha necessário 03. Módulo R. Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, história reprodutiva e planejamento familiar. R1. Quando foi a

Leia mais

Módulo R - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade)

Módulo R - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Módulo R - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, história reprodutiva e planejamento familiar. R1. Quando foi

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre

Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre ISSN: 1676-4285 Causas de câncer de colo uterino em clientes de um centro de referência em oncologia do Acre Emerson Marques Pessoa¹, Lucinete Souza Fernandes¹, Sandreya Maia Mendes¹, Creso Machado Lopes¹

Leia mais

F1. Quando foi a última vez que a sra fez um exame preventivo para câncer de colo do útero?

F1. Quando foi a última vez que a sra fez um exame preventivo para câncer de colo do útero? Módulo F - Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, história reprodutiva e planejamento familiar. F1. Quando foi

Leia mais

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Ministério da Saúde junho de

Leia mais

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados Everaldo Garcia Santos Júnior Graduando em Biomedicina Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Maicon Henrique Nogueira Graduando

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS Camila Rafaela Cavaglier¹, Maíra Oliveira Panão², Carolina Correia Billoti³,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS REGISTROS DE EXAME DE PAPANICOLAU EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ATUALIZAÇÃO DOS REGISTROS DE EXAME DE PAPANICOLAU EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL BIANCA BELMONTE DE SOUZA ATUALIZAÇÃO DOS REGISTROS DE EXAME DE PAPANICOLAU EM UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Porto Alegre 2011 1 BIANCA BELMONTE DE SOUZA

Leia mais

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO SERVIÇO DE GINECOLOGIA MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV NO RASTREIO DO CÂNCER DE COLO UTERINO Dra Rejane

Leia mais

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO ADEQUAÇÃO DA AMOSTRA AMOSTRA SERÁ CONSIDERADA INSATISFATÓRIA ausência de identificação na lâmina ou na requisição;

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO HÁBITOS DE VIDA, CONHECIMENTO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO INTRODUÇÃO MILENA NUNES ALVES DE SOUSA YNGRIDI RALINI FARIAS SILVA MONA LISA LOPES DOS SANTOS ROSA MARTHA VENTURA NUNES RAQUEL CAMPOS

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasia do Colo do Útero. Colo Uterino. Enfermagem.

PALAVRAS-CHAVE Neoplasia do Colo do Útero. Colo Uterino. Enfermagem. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ

TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Susana Aidé Profª Adjunto de Ginecologia Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antônio Pedro Carta

Leia mais

Artigo. Câncer de colo do útero: papel do enfermeiro na prevenção e detecção precoce dessa neoplasia na atenção básica

Artigo. Câncer de colo do útero: papel do enfermeiro na prevenção e detecção precoce dessa neoplasia na atenção básica Câncer de colo do útero: papel do enfermeiro na prevenção e detecção precoce dessa Cervical cancer: nurses' role in prevention and early detection of this neoplasm in primary Laís Marina dos Santos 1 Ana

Leia mais

. Vacinas contra papillomavírus, vacinas contra HPV, prevenção de câncer de colo uterino

. Vacinas contra papillomavírus, vacinas contra HPV, prevenção de câncer de colo uterino VACINA PAPILOMAVÍRUS HUMANO RECOMBINANTE: CARACTERÍSTICAS GERAIS AUTORES Silvana Oliveira Costa Wagner Fernando Xavier Larissa Cristina de Carvalho Pena Discente da União das Faculdades dos Grandes Lagos

Leia mais

CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CONHECIMENTO, ATITUDE E PRÁTICA DO EXAME CITOPATOLÓGICO NA DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO DAS MULHERES USUÁRIAS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE GARCIA, Thaynara Soares 1 ; MAGALHÃES, Juliana Cristina; AMARAL, Rita

Leia mais

ambulatorial e tem-se mostrado efetivo e eficiente para a aplicação coletiva, além de ser de baixo custo.

ambulatorial e tem-se mostrado efetivo e eficiente para a aplicação coletiva, além de ser de baixo custo. Conhecimento das mulheres em idade reprodutiva sobre o exame preventivo do câncer cérvico uterino Conocimiento de las mujeres en edad reproductiva sobre el examen preventivo de cáncer cérvico uterino Edvaldo

Leia mais

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA FREQUÊNCIA DE NEOPLASIA INTRAEPITELIAL CERVICAL NAS PACIENTES QUE REALIZARAM EXAME DE PAPANICOLAU ATENDIDAS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NA BAHIA Paulo Sérgio de Morais da Silveira Mattos* Resumo O câncer

Leia mais

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA O CARGO DE ENFERMEIRO(A)

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA O CARGO DE ENFERMEIRO(A) Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

SAÚDE DA MULHER: CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Profª Dra. Ma. Auxiliadora Freire Siza. É a parte inferior do útero que o conecta à vagina.

SAÚDE DA MULHER: CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Profª Dra. Ma. Auxiliadora Freire Siza. É a parte inferior do útero que o conecta à vagina. SAÚDE DA MULHER: CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Profª Dra. Ma. Auxiliadora Freire Siza O que é o colo do útero? É a parte inferior do útero que o conecta à vagina. Produz muco que durante uma relação sexual ajuda

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

DANIELA MARIA COMUNIAN CONHECIMENTOS E PRÁTICAS NA CONSCIENTIZAÇÃO DAS MULHERES SOBRE A PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO

DANIELA MARIA COMUNIAN CONHECIMENTOS E PRÁTICAS NA CONSCIENTIZAÇÃO DAS MULHERES SOBRE A PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO DANIELA MARIA COMUNIAN CONHECIMENTOS E PRÁTICAS NA CONSCIENTIZAÇÃO DAS MULHERES SOBRE A PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO CONSELHEIRO LAFAIETE- MINAS GERAIS 2012 DANIELA MARIA COMUNIAN CONHECIMENTOS

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ANA VIRGÍNIA EVANGELISTA DE MENDONÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ANA VIRGÍNIA EVANGELISTA DE MENDONÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ANA VIRGÍNIA EVANGELISTA DE MENDONÇA PLANO DE INTERVENÇÃO PARA SENSIBILIZAÇÃO DE MULHERES QUANTO À IMPORTÂNCIA DA REALIZAÇÃO DO PAPANICOLAU FLORIANÓPOLIS (SC) 2014

Leia mais

REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS

REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS REALIZAÇÃO DOS EXAMES PREVENTIVOS PARA CÂNCER DE MAMA E CÉRVICO-UTERINO EM IDOSAS PORTELLA, Bruna Maria Almeida 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 1 ; GARCES, Solange Beatriz Billig 2 ; COSER, Janaína 2 ; ROSA

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA CITOPATOLOGIA POSITIVA, COLPOSCOPIA E HISTOPATOLOGIA:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA "VIVA MULHER" NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA VIVA MULHER NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA "VIVA MULHER" NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 EVALUATION OF THE "VIVA MULHER" PROGRAM FOR THE CONTROL OF CERVICAL CANCER IN THE STATE OF MINAS GERAIS,

Leia mais

Artigo. Prevalência do câncer do colo do útero na Paraíba. Prevalence of cervical cancer in Paraíba

Artigo. Prevalência do câncer do colo do útero na Paraíba. Prevalence of cervical cancer in Paraíba Prevalence of cervical cancer in Paraíba Josefa Juliete De Souza Rufino Priscila Maria De Barros Rodrigues Arthur Hipólito Pereira Leite RESUMO - O câncer do colo do útero é um importante problema de saúde

Leia mais

PLANO DE AULA. Atividade extraclasse Anatomia do sistema reprodutor feminino e Projeto Integrador (PI)

PLANO DE AULA. Atividade extraclasse Anatomia do sistema reprodutor feminino e Projeto Integrador (PI) PLANO DE AULA Disciplina: GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA I Professor(a): KARIN BEATRIZ BARBOZA Curso: ENFERMAGEM Semestre/Ano 2010 Turma: Atividades temáticas Estratégias/bibliografia Semana Aulas teóricas

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

Vacinação no homem. Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP. Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP

Vacinação no homem. Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP. Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP Vacinação no homem Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP Número médio annual de novos casos

Leia mais

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Evidências da efetividade do rastreio citológico

Leia mais

PATOLOGIA CERVICAL. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

PATOLOGIA CERVICAL. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIA CERVICAL Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIA CERVICAL O colo do útero possui o revestimento de sua superfície por dois tipos de epitélios: escamoso e colunar. O epitélio escamoso recobre a ectocérvice,

Leia mais

Câncer do colo uterino HPV FRR

Câncer do colo uterino HPV FRR Câncer do colo uterino HPV FRR Introdução 2ª neoplasia mais comum nas mulheres no mundo É a mais comum nos países pobres No Brasil: é o mais frequente do aparelho genital Em 2010 (no mundo): 500.000 casos

Leia mais

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA.

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. 1 TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. EDITAL DO CONCURSO 2015 DATA DAS PROVAS: 10 de outubro de 2015. LOCAL: Fortaleza/ CE, durante o XVIII Congresso Brasileiro

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA

ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA ARTIGO ORIGINAL Diagnósticos para câncer de colo do útero: uma análise dos registros da secretaria municipal de saúde de um município do Tocantins Cervical cancer diagnosis: a records analysis of the municipal

Leia mais

Martha Eleonora de Andrade Lima, Ana Simara Medeiros de Oliveira, 2 2. Cidcley Nascimento Cabral, Jéssika dos Santos Costa, Luanna Mayara 2 3

Martha Eleonora de Andrade Lima, Ana Simara Medeiros de Oliveira, 2 2. Cidcley Nascimento Cabral, Jéssika dos Santos Costa, Luanna Mayara 2 3 89 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS PACIENTES COM CÂNCER DE COLO UTERINO ATENDIDAS NO SERVIÇO DE CANCEROLOGIA DA FUNDAÇÃO ASSISTENCIAL DA PARAÍBA EM CAMPINA GRANDE Ano II, Volume II, Numero I Janeiro Junho de

Leia mais

EXAME CITOLÓGICO AMPLIAÇÃO DA COBERTURA NO CENTRO DE SAÚDE FELICIDADE II- BELO HORIZONTE/MG

EXAME CITOLÓGICO AMPLIAÇÃO DA COBERTURA NO CENTRO DE SAÚDE FELICIDADE II- BELO HORIZONTE/MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família EXAME CITOLÓGICO AMPLIAÇÃO DA COBERTURA NO CENTRO DE SAÚDE FELICIDADE II- BELO HORIZONTE/MG FERNANDA BELIZARIO

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA

ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DO HPV DURANTE O PERÍODO DA ADOLESCÊNCIA Juliana Romano de Lima¹ Marcone Almeida Dantas Junior¹ Maria Franncielly Simões de Morais¹ Carina Scanoni Maia¹ ¹ Universidade

Leia mais