LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL"

Transcrição

1

2 LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Predominância de alterações discarióticas em células intermediárias e superficiais Aumento nuclear, variação na forma Bi/multinucleação Rabelo,S.H./UFG

3 LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Hipercromasia e a cromatina granulosa uniformemente distribuída Membrana nuclear lisa ou denteada, mas não espessada Citoplasma Rabelo,S.H./UFG

4 NEOPLASIA INTRA-EPITELIAL CERVICAL I LSIL D.L. - SINAIS CLÁSSICOS - COILOCITOSE TÍPICA - SINAIS NÃO CLÁSSICOS - DISCERATOSE / PARACERATOSE ATÍPICA - BI E MULTINUCLEAÇÃO - CITOMEGALIA - CÉLULAS EM FUSO - METAPLASIA IMATURA COM ATIPIA Rabelo,S.H./UFG

5 Citologia Alterações em células com citoplasma maduro. Aumento do volume nuclear (>3x). Bi ou Multinucleação evidente. Hipercromasia. Nucléolos raramente presentes.

6 Citologia Membranas nucleares bem visíveis, com discretas irregularidades. Bordos celulares definidos. Cavidade perinuclear (coilocitose). Células atípicas aparecem sozinhas ou em lençois.

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18 Negativo para neoplasia. Inflamação.

19 Negativo para neoplasia. Glicogênio.

20 Negativo para neoplasia. Glicogênio.

21 Negativo para neoplasia. Artefato.

22 Negativo para neoplasia. Artefato.

23 NEOPLASIA INTRA-EPITELIAL CERVICAL II HSIL D.M. - CÉLULAS DE TAMANHO VARIADO - FORMAS POLIÉDRICAS, REDONDAS OU OVAIS - NÚCLEOS ALONGADOS, REDONDOS, OVAIS, IRREGULARES NA FORMA - NÚCLEOS HIPERCROMÁTICOS COM CROMATINA GRANULOSA Rabelo,S.H./UFG

24

25

26

27

28

29 NEOPLASIA INTRA-EPITELIAL CERVICAL III HSIL D.A, Ca in situ - CÉLULAS MENORES E MENOS MADURAS - NÚCLEO COM MARCADA VARIAÇÃO NO SEU CONTORNO, HIPERCROMÁTICOS - CROMATINA IRREGULARMENTE DISTRIBUÍDA - CITOPLASMA Rabelo,S.H./UFG

30 NEOPLASIA INTRA-EPITELIAL CERVICAL III HSIL D.A, Ca in situ - NUCLÉOLOS - ARRANJOS EM GRUPOS COESOS, EM FILEIRA OU EM CORRENTE - FUNDO DO ESFREGAÇO Rabelo,S.H./UFG

31 NEOPLASIA INTRA-EPITELIAL CERVICAL III HSIL - EPITÉLIO ECTOCERVICAL - CÉLULAS CERATINIZADAS - JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR / ZONA DE TRANSFORMAÇÃO - CÉLULAS GRANDES NÃO CERATINIZADAS - CÉLULAS DO TIPO INTERMEDIÁRIO - EPITÉLIO ENDOCERVICAL - CÉLULAS DO TIPO PEQUENO

32 MORFOGÊNESE DO CARCINOMA EPIDERMÓIDE DA CÉRVICE ECTOCÉRVICE Hiperplasia de células basais ENDOCÉRVICE Hiperplasia de células de reserva Metaplasia Epidermóide Displasia queratinizante (hiperqueratose/ paraqueratose) Madura Displasia não queratinizante Imatura Metaplasia epidermoide atípica Hiperplasia atípica de células de reserva Displasia queratinizante acentuada (CIS) Carcinoma in situ Displasia metaplásica Carcinoma in situ (Tipo pequenas células) Carcinoma micro-invasor (Tipo grandes células) Carcinoma in situ Carcinoma micro-invasor (Tipo intermédio) Carcinoma micro-invasor Carcinoma de células escamosas queratinizantes Carcinoma de células escamosas não queratinizante Carcinoma micro-invasor Carcinoma anaplásico de pequenas células

33 ESTÁGIOS DO CÂNCER CERVICAL - ESTÁGIO 0 - ESTÁGIO I - ESTÁGIO II - ESTÁGIO III - ESTÁGIO IV Ca in situ Ca RESTRITO A REGIÃO CERVICAL IA IB IA 1 IA 2 Ca VAI ALÉM DO COLO UTERINO MAS NÃO CHEGA A PAREDE DA PELVE. ACOMETE VAGINA, MAS NÃO SEU TERÇO INFERIOR. Ca ATINGE PAREDE PÉLVICA E / OU ACOMETE O TERÇO INFERIOR DA VAGINA. - TUMOR ALÉM DA PAREDE PÉLVICA. DISSEMINAÇÃO METASTÁTICA.

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53 Carcinomas Microinvasivos da Cérvice Uterina

54 CARCINOMAS MICROINVASIVOS DA CÉRVICE - - CONCEITO CLASSIFICAÇÃO - IA - IA1 - IA2 - ASPECTOS CITOLÓGICOS - CÉLULAS SEVERAMENTE DISCARIÓTICAS COM MAIOR QUANTIDADE DE CITOPLASMA - APARECIMENTO DE NUCLÉOLOS

55

56

57

58 Carcinomas Escamosos Invasivos da Cérvice Uterina

59 CARCINOMAS ESCAMOSOS INVASIVOS DA CÉRVICE UTERINA - - FUNDO DO ESFREGAÇO PADRÕES MORFOLÓGICOS - Ca ESCAMOSO DIFERENCIADO CERATINIZANTE - Ca ESCAMOSO NÃO CERATINIZANTE. - Ca ANAPLÁSICO DE PEQUENAS CÉLULAS - DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS - SEVERIDADE - ALTERAÇÕES REATIVAS / REPARATIVAS - OUTROS NEOPLASMAS Rabelo,S.H./UFG

60 CARCINOMA ESCAMOSO DIFERENCIADO CERATINIZANTE Descamação Anisocariose Núcleos Cromatina grosseiramente granular, distribuição irregular ou aspecto de borrão de tinta Nankin Rabelo, S.H./UFG

61 CARCINOMA ESCAMOSO DIFERENCIADO CERATINIZANTE Pérolas córneas Nucléolos Diátese tumoral Diferenciação e maturação celular Rabelo, S. H./UFG

62

63

64

65 CARCINOMA ESCAMOSO DE CÉLULAS GRANDES Células isoladas ou em sincício Núcleos volumosos, irregulares hipercromáticos e nucléolos visíveis Cromatina grosseira e mal distribuída Mitoses/Diátese tumoral Rabelo, S.H./UFG

66

67

68

69

70 CARCINOMA ESCAMOSO DE CÉLULAS PEQUENAS Descamação Núcleos uniformes e hipercromáticos Cromatina irregular, espaços vazios Citoplasma vacuolizado, cianofílico Nucléolos/Mitoses/Diátese tumoral Rabelo, S.H./UFG

71

72

73 Laboratório de Citopatologia/CAISM/UNICAMP

74 Laboratório de Citopatologia/CAISM/UNICAMP

75 Laboratório de Citopatologia/CAISM/UNICAMP

76 COLO UTERINO - ADENOCARCINOMAS INCIDÊNCIA RELAÇÃO COM LESÕES ESCAMOSAS LESÕES PRECURSORAS COMPORTAMENTO GRADUAÇÃO

77

78 Laboratório de Citopatologia/CAISM/ UNICAMP

79

80

81

82

83 COLO UTERINO - OUTROS TUMORES CARCINOMA ADENOESCAMOSO ADENOCARCINOMA DE CÉLULAS CLARAS

84

85

86

Citopatologia I Aula 7

Citopatologia I Aula 7 Ciências Biomédicas Laboratoriais Citopatologia I Aula 7 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Anomalias das células epiteliais Alteração de significado indeterminado não

Leia mais

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS Profa. Dra. Michelle Garcia Discacciati de Carvalho Prevalência de HPV no câncer do colo uterino

Leia mais

Citopatologia I Aula 5

Citopatologia I Aula 5 Ciências Biomédicas Laboratoriais Citopatologia I Aula 5 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Alterações Benignas Metaplasia Hiperplasia células reserva Degeneração Inflamação

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Problemas na Interpretação do Esfregaço Atrófico

Problemas na Interpretação do Esfregaço Atrófico Problemas na Interpretação do Esfregaço Atrófico Simone Maia Evaristo Citotecnologista, CMIAC, SLAC Presidente ANACITO UNIRIO/ INCA Dr. Camata, PR É uma redução no volume e na função de uma célula ou órgão.

Leia mais

Citopatologia I Aula 3

Citopatologia I Aula 3 Ciências Biomédicas Laboratoriais Citopatologia I Aula 3 2016/17 João Furtado jfurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Citologia Hormonal Ciclo menstrual Gravidez Menopausa Constituintes de um esfregaço

Leia mais

Carcinoma Escamoso Invasor

Carcinoma Escamoso Invasor Carcinoma Escamoso Invasor Lesões Precursoras do Carcinoma Cervical de Células C Escamosas Morfogênese do Carcinoma Cervical Mucosa ectocervical Mucosa endocervical Hiperplasia de Células de Reserva Displasia

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

Citologia oncótica pela Colpocitologia

Citologia oncótica pela Colpocitologia ALTERAÇÕES ESCAMOSAS NÃO-REATIVAS NILM = negativo p/ lesão intra-epitelial cervical ASCUS e ASCH = células escamosas atípicas de significado indeterminado SIL = lesão intra-epitelial escamosa LSIL e HSIL

Leia mais

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Curso de Atualização em PTGI 20/06/09 Instituto de Ginecologia - UFRJ Susana Aidé História natural da NIC Progressão Progressão Regressão

Leia mais

Citologia Diagnóstica

Citologia Diagnóstica Citologia Diagnóstica Prof. Ms. Marco Antonio Zonta Especialista em Patologia Clínica - UNIFESP Especialista Citopatologia HSPE-FMO Mestre em Patologia Clínica/Citopatologia UNISA Doutorando em Citopatologia

Leia mais

Lâmina 32 Neoplasia Benigna (Simples) Leiomioma Uterino Neoplasia benigna constituída pela proliferação de fibras musculares lisas, dispostas em

Lâmina 32 Neoplasia Benigna (Simples) Leiomioma Uterino Neoplasia benigna constituída pela proliferação de fibras musculares lisas, dispostas em Lâmina 32 Neoplasia Benigna (Simples) Leiomioma Uterino Neoplasia benigna constituída pela proliferação de fibras musculares lisas, dispostas em diversas direções. Apresenta áreas de hialinização (áreas

Leia mais

Transitional Metaplasia in Cervical Smears: a Case Report

Transitional Metaplasia in Cervical Smears: a Case Report Transitional Metaplasia in Cervical Smears: a Case Report Ferreira F 1 * Ɨ, Ferreira M 1 Ɨ, Fialho C 2, Amaro T 2 1 School of Allied Health Technologies - Polytechnic Institute of Porto (ESTSP-IPP), Portugal

Leia mais

Papilomavirus humanos (HPV)

Papilomavirus humanos (HPV) Papilomavirus humanos (HPV) - Capsídio icosaédrico de 55-60 nm, sem envoltório - 72 capsômeros pentaméricos formados por 2 proteínas (cinco cópias de L1 fora, 1 L2 dentro) - Família Papillomaviridae, gênero

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA. José Eleutério Junior 2008

ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA. José Eleutério Junior 2008 ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA José Eleutério Junior 2008 1 ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA 1ª Edição Todos direitos reservados ao autor Eleutério Jr J. ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA Assunto: Ciências

Leia mais

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE <> PORTARIA Nº 287, DE 24 DE ABRIL DE 2006 (*)

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE <> PORTARIA Nº 287, DE 24 DE ABRIL DE 2006 (*) Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 287, DE 24 DE ABRIL DE 2006 (*) O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM/MS nº 3.040/98,

Leia mais

Patrícia Savio de A. Souza

Patrícia Savio de A. Souza BIOMARCADORES EM PATOLOGIA CERVICAL Patrícia Savio de A. Souza Departamento de Imunobiologia/ UFF Programa de Biologia Celular/ INCA Câncer Colo Uterino (CCU) Consequência da evolução de lesões precursoras

Leia mais

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais.

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais. Histologia do sistema genital feminino Camada basal Células superficiais Células intermediárias Células parabasais Células basais Papila do estroma Estroma Epitélio escamoso estratificado Histologia do

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA CURSO DE BIOMEDICINA ALANNA LOBÊ; CARINE MARTINS; KAROLINA VIANA; LAYSE LESSA; LISLEI BATISTA; MARIANA SILVEIRA.

FACULDADE DO SUL DA BAHIA CURSO DE BIOMEDICINA ALANNA LOBÊ; CARINE MARTINS; KAROLINA VIANA; LAYSE LESSA; LISLEI BATISTA; MARIANA SILVEIRA. FACULDADE DO SUL DA BAHIA CURSO DE BIOMEDICINA ALANNA LOBÊ; CARINE MARTINS; KAROLINA VIANA; LAYSE LESSA; LISLEI BATISTA; MARIANA SILVEIRA. CÂNCER DO COLO DO ÚTERO TEIXEIRA DE FREITAS 2014 ALANNA LOBÊ;

Leia mais

Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica

Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica Resumo Guilherme Cerutti Müller * Camila Maziero ** A citologia oncótica é o método de rastreamento para o câncer cervical,

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XIV 27 a 29 de agosto de 2009 Centro de Convenções do Hotel Flórida Catete - Rio de Janeiro - RJ

TROCANDO IDÉIAS XIV 27 a 29 de agosto de 2009 Centro de Convenções do Hotel Flórida Catete - Rio de Janeiro - RJ TROCANDO IDÉIAS XIV 27 a 29 de agosto de 2009 Centro de Convenções do Hotel Flórida Catete - Rio de Janeiro - RJ AGC - sem especificação e AGC favorecendo neoplasia Dificuldades do diagnóstico citológico

Leia mais

Patologia do colo uterino I-Citopatologia Profa. Sônia Maria Neumann Cupolilo Dra. em Patologia FIOCRUZ/RJ Especialista em Patologia SBP Especialista em Citopatologia SBC HPV Objetivos Conhecer o Programa

Leia mais

avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br

avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br Alteracoes pos radioterapia e quimioterapia: como avaliar Os efeitos iatrogênicos causados na morfologia do epitélio pela radioterapia

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Citopatologista / Nível Superior CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Citopatologista / Nível Superior CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 QUESTÃO 03 O ciclo celular compreende essencialmente dois períodos: a interfase e a divisão. Com relação aos diferentes fenômenos envolvidos, marque a A) A duplicação

Leia mais

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER SUMÁRIO 1. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero... 4 2. Atenção Primária à Saúde... 6 2.1. Periodicidade... 7 3. Adolescentes e Mulheres Jovens...

Leia mais

Hematoscopia: O que deve ser reportado? Marcos Fleury

Hematoscopia: O que deve ser reportado? Marcos Fleury Hematoscopia: O que deve ser reportado? Marcos Fleury Recomendações do ICSH para a Padronização da Nomenclatura e da Graduação das Alterações Morfológicas no Sangue Periférico. Int J Lab Hematol. 2015

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO COMO CONDUZIR O SEU DIAGNÓSTICO RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNIFICADO INDETERMINADO O QUE SIGNIFICA? RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNICADO INDETERMINADO POR QUE? AS ALTERAÇÕES

Leia mais

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

015. Prova Objetiva. Biologista. (Anatomia Patológica HSPE) Aguarde a ordem do fiscal para abrir este caderno de questões

015. Prova Objetiva. Biologista. (Anatomia Patológica HSPE) Aguarde a ordem do fiscal para abrir este caderno de questões Concurso Público 015. Prova Objetiva Biologista (Anatomia Patológica HSPE) Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 60 questões objetivas. Confira seu nome e número de inscrição impressos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FACULDADE DE BIOMEDICINA BRUNA LETÍCIA DO NASCIMENTO ARAUJO LINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FACULDADE DE BIOMEDICINA BRUNA LETÍCIA DO NASCIMENTO ARAUJO LINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FACULDADE DE BIOMEDICINA BRUNA LETÍCIA DO NASCIMENTO ARAUJO LINS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À ATIPIAS CELULARES DO COLO UTERINO EM EXAMES

Leia mais

DOENÇA PRÉ-INVASIVA E INVASIVA EM MULHERES COM DIAGNÓSTICO CITOPATOLÓGICO DE LESÃO DE ALTO GRAU E DE

DOENÇA PRÉ-INVASIVA E INVASIVA EM MULHERES COM DIAGNÓSTICO CITOPATOLÓGICO DE LESÃO DE ALTO GRAU E DE Fundação Oswaldo Cruz Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira DOENÇA PRÉ-INVASIVA E INVASIVA EM MULHERES COM DIAGNÓSTICO CITOPATOLÓGICO DE LESÃO DE ALTO GRAU

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Citopatologista / Nível Superior CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA.

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO Concurso Público 2009 Cargo: Médico Citopatologista / Nível Superior CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA Texto 1 Numa tirinha de Maurício de Sousa, publicada em O Estado de S. Paulo (22/11/2007, D8), a professora diz à classe: Este ano só o Chico vai ficar em recuperação.

Leia mais

ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL

ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL ROTINAS DE PATOLOGIA CERVICAL INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é o 2º mais incidente entre as mulheres no mundo e no Brasil, tornandose um grave problema de saúde pública. Os fatores de risco incluem

Leia mais

Orientações sobre a Colheita do Material para Unidade Básica de Saúde

Orientações sobre a Colheita do Material para Unidade Básica de Saúde 1 INTRODUÇÃO O Centro de Diagnóstico Santa Clara elaborou este manual com o propósito de fornecer todas as informações necessárias para correta obtenção e preservação do material a ser examinado. Este

Leia mais

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PERFIL DAS MULHERES TRABALHADORAS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM RELAÇÃO A PREVENÇÃO DE CÂNCER DE COLO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PRISCILA BRAGA DE ARAÚJO Controle do Câncer do colo de útero: uma

Leia mais

ANATOMIA PATOLÓGICA DIAGNÓSTICO E CODIFICAÇÃO BEXIGA / Tumores do tracto urinário

ANATOMIA PATOLÓGICA DIAGNÓSTICO E CODIFICAÇÃO BEXIGA / Tumores do tracto urinário XXIV JORNADAS ROR-SUL 2017 Registo dos Tumores Urológicos ANATOMIA PATOLÓGICA DIAGNÓSTICO E CODIFICAÇÃO BEXIGA / Tumores do tracto urinário Vitor Sousa Instituto de Anatomia Patológica Faculdade de Medicina

Leia mais

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PATOLOGIA Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo SÃO PAULO/SP Departamento de Patologia, 1º andar, sala 1154 20 e 21 de MAIO DE 2016 GABARITO PROVA TEÓRICA

Leia mais

Simone Maia, CMIAC ANACITO / SLAC sevaristo@uol.com.br

Simone Maia, CMIAC ANACITO / SLAC sevaristo@uol.com.br Simone Maia, CMIAC ANACITO / SLAC sevaristo@uol.com.br Coleta do Canal Endocervical As células da endocérvice são um componente chave do esfregaço, o qual indica que a zona de transformação está representada.

Leia mais

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

A NIC é categorizada nos graus 1, 2 e 3, dependendo da proporção da espessura do epitélio que apresenta células maduras e diferenciadas.

A NIC é categorizada nos graus 1, 2 e 3, dependendo da proporção da espessura do epitélio que apresenta células maduras e diferenciadas. Introdução à neoplasia intra-epitelial cervical (NIC) As neoplasias invasivas do colo uterino de células escamosas são precedidas por uma longa fase de doença pré-invasiva, conjuntamente denominada de

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL RAMYLLA DUARTE COSTA LIMA

INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL RAMYLLA DUARTE COSTA LIMA INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL RAMYLLA DUARTE COSTA LIMA ESFREGAÇO ATRÓFICO: UM DESAFIO À ROTINA DO CITOLOGISTA RECIFE 2016 1 RAMYLLA DUARTE COSTA LIMA

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Laboratórios Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação Um dos graves problemas de saúde pública que estamos combatendo ao longo dos anos é o câncer

Leia mais

CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL MARTA ROBERTA DE ALMEIDA A IMPORTÂNCIA DA ADEQUABILIDADE DA AMOSTRA CÉRVICO VAGINAL NO EXAME DE PAPANICOLAOU

CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL MARTA ROBERTA DE ALMEIDA A IMPORTÂNCIA DA ADEQUABILIDADE DA AMOSTRA CÉRVICO VAGINAL NO EXAME DE PAPANICOLAOU 1 FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL MARTA ROBERTA DE ALMEIDA A IMPORTÂNCIA DA ADEQUABILIDADE DA AMOSTRA CÉRVICO VAGINAL NO EXAME DE PAPANICOLAOU RECIFE PE 2015 2 MARTA ROBERTA DE ALMEIDA

Leia mais

O perfil do Citotecnologista em Angola

O perfil do Citotecnologista em Angola HOSPITAL MILITAR PRINCIPAL/ INSTITUTO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA O perfil do Citotecnologista em Angola Elaborado pela Alice Soares da Silva, Chefe técnica de citologia do Departamento

Leia mais

Câncer de Colo Uterino

Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Aspectos conceituais Câncer é o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2012 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 29-10-2011 Laboratório SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

CITOLOGIA CLINICA. Prof.Fernando Bacelar

CITOLOGIA CLINICA. Prof.Fernando Bacelar CITOLOGIA CLINICA Prof.Fernando Bacelar Competência Preparar e identificar exames desenvolvendo a capacidade técnica. Analisar exames aprimorando o senso crítico e cientifico para a interpretação de amostras

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA-INESP CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL CCE CURSOS POS-GRADUAÇÃO EM CITOLOGIA CLÍNICA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA-INESP CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL CCE CURSOS POS-GRADUAÇÃO EM CITOLOGIA CLÍNICA 1 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR E PESQUISA-INESP CENTRO DE CAPACITAÇÃO EDUCACIONAL CCE CURSOS POS-GRADUAÇÃO EM CITOLOGIA CLÍNICA ALCIDEZIO BANDEIRA DA SILVA JÚNIOR ASPECTOS CITOMORFOLOGICOS DO ADENOCARCINOMA

Leia mais

Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL

Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL Unidade 3 - Ginecologia Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal CAPÍTULO 15 InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem. 2011 na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento

Leia mais

Neoplasias de células melanocíticas

Neoplasias de células melanocíticas Neoplasias de células melanocíticas PATOLOGIA II Aula Prática nº10 O termo NEVO é normalmente usado na linguagem médica com dois significados: I - O mais comum refere-se à lesão cutânea resultante da hiperplasia

Leia mais

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br)

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) ONCOLOGIA Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Lábeis Estáveis Perenes CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Células lábeis: São aquelas em constante renovação

Leia mais

LESÕES GLANDULARES EM CITOLOGIA CERVICOVAGINAL: CONVENCIONAL, THINPREP E SUREPATH

LESÕES GLANDULARES EM CITOLOGIA CERVICOVAGINAL: CONVENCIONAL, THINPREP E SUREPATH LESÕES GLANDULARES EM CITOLOGIA CERVICOVAGINAL: CONVENCIONAL, THINPREP E SUREPATH Simone Maia, CFIAC ANACITO presidente@anacito.org.br O novo livro do Bethesda aponta alguns critérios citomorfológicos

Leia mais

Manual de Orientação Trato Genital Inferior

Manual de Orientação Trato Genital Inferior Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia Manual de Orientação Trato Genital Inferior CAPÍTULO 14 Neoplasia intra-epitelial cervical (diagnóstico) 2010 Este Manual de Orientação

Leia mais

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Enfa Dayse Amarílio CA Colo uterino 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres Tem início com displasias de leve a acentuada. É classificado como

Leia mais

JACQUELINE PLEWKA MACHADO ESTUDO SOBRE VARIAÇÕES NO MÉTODO DE CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO PARA O EXAME DE PAPANICOLAOU

JACQUELINE PLEWKA MACHADO ESTUDO SOBRE VARIAÇÕES NO MÉTODO DE CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO PARA O EXAME DE PAPANICOLAOU JACQUELINE PLEWKA MACHADO ESTUDO SOBRE VARIAÇÕES NO MÉTODO DE CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO PARA O EXAME DE PAPANICOLAOU Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Ciências

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Escola de Saúde Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Escola de Saúde Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Escola de Saúde Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO CITOPATOLÓGICO NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Autora: Marina de Matos

Leia mais

Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares

Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares J Bras Patol Med Lab v. 44 n. 3 p. 193-197 relato de caso case report Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares Primeira

Leia mais

Parasitologia - 1/ Relatório de Avaliação

Parasitologia - 1/ Relatório de Avaliação 2011-03-24 Parasitologia - 1/11 Agradecemos a participação no 1º ensaio do Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Parasitologia de 2011. Foram distribuídas amostras a 89 participantes. Recebemos

Leia mais

Variantes de lesões intra-epiteliais escamosas: relato de quatro casos

Variantes de lesões intra-epiteliais escamosas: relato de quatro casos J Bras Patol Med Lab v. 41 n. 2 p. 141-6 abril 2005 Relato de caso Case Report Variantes de lesões intra-epiteliais escamosas: relato de quatro casos Primeira submissão em 10/09/03 Última submissão em

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

5. Colposcopista: 7. Colposcopia insatisfatória: q Toda a JEC não visualizada q Toda a lesão não visualizada

5. Colposcopista: 7. Colposcopia insatisfatória: q Toda a JEC não visualizada q Toda a lesão não visualizada Apêndice 1 Relatório de colposcopia 1. Número do registro médico: 2. Nome da paciente: EXEMPLO 3. Idade: 4. Data da consulta: / / (dia/mês/ano) 5. Colposcopista: 6. Conseguiu ver toda a junção escamocolunar

Leia mais

Marcelo Simonsen. Acurácia da citologia cervical em meio líquido ao ser coletada por diferentes dispositivos

Marcelo Simonsen. Acurácia da citologia cervical em meio líquido ao ser coletada por diferentes dispositivos Marcelo Simonsen Acurácia da citologia cervical em meio líquido ao ser coletada por diferentes dispositivos Dissertação apresentada ao programa de Pós- graduação da fundação PIO XII Hospital de Câncer

Leia mais

Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV:

Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV: Nº 23 HPV NEILA MARIA DE GÓIS SPECK CNE TRATO GENITAL INFERIOR O HPV: O papilomavirus humano (HPV) é um DNA vírus com forma icosaédrica, de 55 nm de diâmetro e composto por 8000 pares de base. O genoma

Leia mais

Anatomia Patológica - Dr. Eduardo Alves Bambirra Doutor em Patologia e Prof. Titular de Anatomia Patológica (Faculdade de Medicina-UFMG)

Anatomia Patológica - Dr. Eduardo Alves Bambirra Doutor em Patologia e Prof. Titular de Anatomia Patológica (Faculdade de Medicina-UFMG) Responsáveis Anatomia Patológica - Dr. Eduardo Alves Bambirra Doutor em Patologia e Prof. Titular de Anatomia Patológica (Faculdade de Medicina-UFMG) Citologia - Dra. Juçara M. de Castro Sobrinho Mestre

Leia mais

Palavras-chave: citopatologia cervical. Carcinoma epidermóide. Metaplasia.

Palavras-chave: citopatologia cervical. Carcinoma epidermóide. Metaplasia. ASPECTO EPIDEMIOLÓGICO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO POR PAPILOMA VÍRUS HUMANO ASSOCIADO A INFECÇÃO POR Gardnerella sp. NO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO Marielena Vogel Saivish 1, Ana Carolina Ferreira Franco 2,

Leia mais

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS QUIMIOTERAPIA PALIATIVA: 03.04.02.015-0 - Quimioterapia Paliativa do Carcinoma de Nasofaringe avançado (estádio IV C ou doença recidivada) C11.0, C11.1, C11.2, C11.3, C11.8,

Leia mais

BETHESDA 2001 Versão portuguesa

BETHESDA 2001 Versão portuguesa Citologia ginecológica em meio líquido BETHESDA 2001 Versão portuguesa Exemplos de Relatório Satisfatória, com representação da zona de transformação Anomalias de células epiteliais pavimentosas Interpretação

Leia mais

Quando o tratamento destrutivo pode ser uma opção? Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX

Quando o tratamento destrutivo pode ser uma opção? Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX Quando o tratamento destrutivo pode ser uma opção? Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br TRATAMENTOS DESTRUTIVOS DOENÇA ECTOCERVICAL ESCAMOSA Objetivo do tratamento da

Leia mais

Hiperplasia Fibromuscular Glandular da Próstata

Hiperplasia Fibromuscular Glandular da Próstata Hiperplasia Fibromuscular Glandular da Próstata 6.4.2011 Como todas as glândulas secretoras, temos células produtoras de secreção com células mioepiteliais localizadas a nível basal com função de propulsão

Leia mais

Difusão por Ressonância Magnética

Difusão por Ressonância Magnética Difusão por Ressonância Magnética A difusão é definida basicamente como o movimento aleatório pelo qual as moléculas de um soluto migram em direção a um gradiente mais baixo de concentração da solução.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

DIRETRIZES PARA O CÂNCER DE BEXIGA NÃO MÚSCULO INVASIVO

DIRETRIZES PARA O CÂNCER DE BEXIGA NÃO MÚSCULO INVASIVO DIRETRIZES PARA O CÂNCER DE BEXIGA NÃO MÚSCULO INVASIVO (Texto atualizado em Dezembro de 21) M. Babjuk, W. Oosterlinck, R. Sylvester, E. Kaasinen, A. Böhle, J. Palou, M. Rouprêt Eur Urol 211 Apr;59(4):584-94

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA

DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA Nº 1 Sexo feminino, 40 anos GV (3.9-5.0 x 10 6 /µl ) 4.75 GB (3500-10500) - 5.200 Hb (12.0-15.5 d/dl) 14.3 Blastos - Ht (35-45%) 43 Promielócitos - VCM

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

ADEQUABILIDADE DAS AMOSTRAS PARA SCREENING/RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO UTERINO

ADEQUABILIDADE DAS AMOSTRAS PARA SCREENING/RASTREAMENTO DO CÂNCER DO COLO UTERINO 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Câncer do colo uterino HPV FRR

Câncer do colo uterino HPV FRR Câncer do colo uterino HPV FRR Introdução 2ª neoplasia mais comum nas mulheres no mundo É a mais comum nos países pobres No Brasil: é o mais frequente do aparelho genital Em 2010 (no mundo): 500.000 casos

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem.

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Citologia Oncótica: Resultados apresentados na Clínica de Enfermagem. Kelly Cristina Nascimento Discente do Curso de Enfermagem Unaerp

Leia mais

Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica

Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica Recebido em 17/07/01 Aceito para publicação em 14/08/01 Cytological diagnosis of Ascus: its importance

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E S Ã O L U Í S / M A TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO ANÁLISES CLÍNICAS COM CONHECIMENTO ESPECÍFICO EM CITOLOGIA

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E S Ã O L U Í S / M A TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO ANÁLISES CLÍNICAS COM CONHECIMENTO ESPECÍFICO EM CITOLOGIA P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E S Ã O L U Í S / M A C O N C U R S O P Ú B L I C O CARGO 95 TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO ANÁLISES CLÍNICAS COM CONHECIMENTO ESPECÍFICO EM CITOLOGIA TIPO A INSTRUÇÕES

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE TUMORES DE MAMA: PARTE II

DIAGNÓSTICO DE TUMORES DE MAMA: PARTE II DIAGNÓSTICO DE TUMORES DE MAMA: PARTE II EXAME HISTOPATOLÓGICO O exame histopatológico de biópsias incisionais ou excisionais é o método de diagnóstico mais seguro. Além de facilitar a classificação da

Leia mais

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados Everaldo Garcia Santos Júnior Graduando em Biomedicina Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Maicon Henrique Nogueira Graduando

Leia mais

Neoplasia intra epitelial cervical

Neoplasia intra epitelial cervical Neoplasia intra epitelial cervical NIC A citologia é o método mais rápido e econômico para detectar as lesões induzidas pelo HPV. Sua acurácia é controversa na literatura, provavelmente seu valor seja

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO

PREFEITURA MUNICIPAL DO MORENO CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E HISTÓRIA DO MUNICÍPIO DO MORENO Texto 1: Mamma mia Nelly Carvalho No dia 8 de março, foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, com todas as solenidades como também

Leia mais

Glandular Cells Atypia: which Diagnosis?

Glandular Cells Atypia: which Diagnosis? Glandular Cells Atypia: which Diagnosis? Pisco F 1 * Ɨ, Sousa N 1 Ɨ, Fonseca P 2 1 School of Allied Health Technologies Polytechnic Institute of Porto (ESTSP-IPP), Portugal 2 Serviço de Anatomia Patológica,

Leia mais

HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO

HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO HPV E SUA INFLUÊNCIA NO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Jader Iury de Souza Mercante Graduando em Fisioterapia, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rafaela Giuzeppe Rodrigues Graduanda em Fisioterapia,

Leia mais

LAÍLCA QUIRINO HENRIQUE EVOLUÇÃO DAS ANORMALIDADES CITOLÓGICAS NO PERÍODO DE 2006 A 2014, NA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO

LAÍLCA QUIRINO HENRIQUE EVOLUÇÃO DAS ANORMALIDADES CITOLÓGICAS NO PERÍODO DE 2006 A 2014, NA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO LAÍLCA QUIRINO HENRIQUE EVOLUÇÃO DAS ANORMALIDADES CITOLÓGICAS NO PERÍODO DE 2006 A 2014, NA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO Dissertação de mestrado apresentada ao curso de pósgraduação

Leia mais