Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária"

Transcrição

1 Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC

2 ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema Bethesda (1988) Nova classificação proposta: LSIL (HPV/NIC I) HSIL (NIC II/III) ASCUS alterações insuficientes para SIL Bethesda Maryland - USA JAMA. 1989;262(7): JAMA. 2002;287(16):

3 ASC-US e ASC-H Significado clínico (2001) - Revisão do Sistema Bethesda. Subdivisão de ASCUS em ASC-US e ASC-H. 75 JAMA. 2002;287(16): Microfotografias cedidas pela Dra. Cristina Mendonça.

4 ASC-US e ASC-H Significado clínico (2002) - Unificação da nomenclatura do Ministério da Saúde com o Sistema Bethesda. (2012) - Nova edição Células Escamosas Atípicas de Significado Indeterminado Possivelmente não neoplásicas (ASCUS) Não Podendo Excluir Lesão Intraepitelial de Alto Grau (ASC-H)

5 ASC-US e ASC-H Significado clínico ASC-US: Subjetividade das atipias reprodutibilidade interobservador ( super-tratamento ) American Society of Cytopathology (2010) concordância entre citopatologistas 35 a 45% Indicador de medida de qualidade 5% do total das amostras ou 2 a 3x o total de amostras de LSIL em 1 ano.

6 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Frequência de NIC II/III 6,4 a 11,9% Frequência de câncer 0,1 a 0,2% Estudo no Rio de Janeiro frequência de NIC II/III de 1,85% (nenhum caso de câncer) Solomon D, et al. J Natl Cancer Inst. 2001;93(4): Cytryn A São Paulo Med J. 2009;127(5):283-7.

7 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente?

8 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Objetivo: avaliar significado clínico de ASC-US 162 mulheres submetidas a conização, sendo que destas 19,1% (31/162) tinham citologia de ASC-US 80,6% (25/31) HPV+ (alto risco) 100% (31/31) submetidas a conização CIN III/CIS Nishimura M et al. Asian Pac J Cancer Prev, 2015;16 (18):8145-

9 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Conclusão: Embora ASC-US seja um resultado citológico com baixo risco de presença de lesão intraepitelial de alto grau (NIC II/III), 20% dos casos vão confirmar a lesão precursora na conização Nishimura M et al. Asian Pac J Cancer Prev, 2015;16 (18):8145-7

10 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Tese de mestrado IG/UFRJ OBJETIVOS Abordagem primária das mulheres com citologia ASCUS com detecção e tipagem de HPV, no município do Rio de Janeiro. Abordagem diagnóstica com citologia e colposcopia das mulheres com citologia de ASC-US provenientes do município do Rio de Janeiro.

11 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Métodos Estudo prospectivo de corte transversal Detecção e tipagem do HPV, citologia e colposcopia mulheres com citologia de ASC-US Período de janeiro/2014 a junho/2015 Métodos moleculares - High PapillomaStrip (Opegen by Operon) - 19 tipos de HPV de alto risco: 16, 18, 26, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 53, 56, 58, 59, 66, 69, 73 e 82

12 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Resultados Selecionadas 101 mulheres Média de idade 44 anos (variação entre anos) 49,5% (50/101) HPV + Tipos detectados 16,18, 31, 33, 39, 45, 51, 52, 53, 59, 66, 68 e 73. 2ª citologia: total de 33 cito alteradas (maior prevalência do tipo 16 seguido do 51) 20 ASC-US (12 com teste de HPV -) 19,8% 7 LSIL 6,9% 3 ASC-H 2,9% 3 HSIL 2,9%

13 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Tese ainda em fase de conclusão observa-se baixa frequência de citologias sugestivas de lesões precursoras (mais frequente 2ª citologia com ASC-US) Provável relação com HPV 16 e 51

14 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente?

15 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Objetivo: Associação de risco de desenvolvimento de lesão precursora com tipo de HPV Schiffman et al. Gynecol Oncol 138 (2015)

16 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Discussão: Existe uma diminuição de risco de presença de lesão precursora na ausência de tipos diferentes de 16, 18 e 31 Condutas diferenciadas: 1) Persistência de HPV 16 e biopsia de HSIL (maior cuidado!) 2) Repetir teste de HPV nas mulheres com infecção mas sem SIL (a cada 6 meses) 3) Rastreio de rotina nas mulheres sem infecção Schiffman et al. Gynecol Oncol 138 (2015) 573 8

17 ASC-US O que podemos encontrar clinicamente? Conclusão Citologia de ASC-US associada a HPV 16, 18, 31 ou 33/58 encaminhar direto para colposcopia! Melhor desfecho (?) para mulheres com HPV 45 e 52 Baixo risco para infecção por HPV 51, HPV 39/68/35, HPV 59/56/66 Diminui o encaminhamento para colposcopia associação de citologia com ASC-US e genotipagem Schiffman et al. Gynecol Oncol 138 (2015) 573 8

18 ASC-H O que vamos encontrar clinicamente? Frequência de NIC II/III 12,2 a 68% Frequência de cancer 1,3 a 3% Estudo no Rio de Janeiro frequência de NIC II/III de 19,29% (nenhum caso de câncer) Alli PM et al. Diagn Cytopathol. 2003; 28(6): Simsir A et al. Diagn Cytopathol. 2006; 34(1):62-6 Cytryn A São Paulo Med J. 2009;127(5):283-7.

19 ASC-H O que vamos encontrar clinicamente? Monografia defendida em 2012 (UNIRIO) Objetivos: Frequência de doença precursora (confirmação histológica) em mulheres com citopatologia de ASC-H Avaliar os achados colposcópicos e o seguimento citopatológico Análise de frequência de doença precursora ou invasora por faixa etária

20 ASC-H O que vamos encontrar clinicamente? Resultados: Levantamento de citologias ASC-H (IG/IFF) período de 2006 a mulheres média de idade 40 anos 57,7% (97/170) submetidas a procedimento cirúrgico

21 ASC-H O que vamos encontrar clinicamente? Frequência de doença nas mulheres com citologia de ASC-H (17%) (15%) (12,9%) (4,7%) (6,4%) Frequência de doença por faixa etária (ASC-H) à partir do diagnóstico histológico.

22 ASC-H O que vamos encontrar clinicamente? Conclusão: Maior frequência de doença precursora (HSIL) com confirmação histológica Maior frequência também de achados colposcópicos compatíveis com este diagnóstico Faixa etária da doença invasora entre 25 e 35 anos e invasora a partir de 40 anos Os achados deste estudo mostram a necessidade de encaminhar para colposcopia quando o resultado é ASC-H

23 ASC-H O que vamos encontrar clinicamente?

24 ASC-H O que vamos encontrar clinicamente? Objetivo Comparar a os resultados histológicos de citologia (convencional e base líquida) de ASCH e associar com idade Resultados 45% (LB) e 46% (convencional) NIC II/III Mulheres < 40 anos 84% confirmação histológica NIC II/III (atrofia mimetiza NIC) Louro AP et al. Am J Clin Pathol. 2003; 120(3):

25 ASC-H O que vamos encontrar clinicamente? Conclusão: Maior incidência de lesão clinicamente significativa na citologia de ASC-H, o encaminhamento para colposcopia deve ser feito, independente da faixa etária Louro AP et al. Am J Clin Pathol. 2003; 120(3):

26 ASC-US e ASC-H Significado clínico Mulheres na menopausa Atrofia mimetiza lesão alterações reativas no epitélio atrófico Recomendação: 21 dias de estrogênio Teste do DNA-HPV pode ser aplicado sem uso de estrogênio (caso negativo volta ao rastreio trienal) Abati ACancer Cytopathol 1998;84(4): J Reprod Med1989;34(9): Louro AP et al. Am J Clin Pathol. 2003; 120(3):

27 III CONGRESSO LATINOAMERICANO DE PATOLOGIA VULVOVAGINAL 7-8/ Outubro /2016 Rio de Janeiro - Brasil

28

29 YARA FURTADO

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada

ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada ASC-US e ASC-H: abordagem simplificada Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Nomenclatura SISTEMA BETHESDA (1988) SISTEMA BETHESDA (1991) SISTEMA BETHESDA (2001) Nomenclatura

Leia mais

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LSIL)- em que situações está indicado o tratamento

Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LSIL)- em que situações está indicado o tratamento Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau ()- em que situações está indicado o tratamento TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Susana Aidé Profª Adjunto

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR

RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMO-COLUNAR RELAÇÃO ENTRE O RESULTADO DO EXAME PAPANICOLAOU E A REPRESENTATIVIDADE DA JUNÇÃO ESCAMOCOLUNAR CERBARO, Kamila 1 ; ROSA, Jéssica 2 ; CORADINI, Lidiane 3 ; COSER, Janaina 4 ; HANSEN, Dinara 4 ; GARCES,

Leia mais

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV

Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV Rastreio Hoje PAP: PAISES EM DESENVOLVIMENTO PAP + DNA HPV > 30 ANOS: ALGUNS PAISES DESENVOLVIDOS DESAFIO: FUTUROLOGIA CITOLOGIA APÓS DNA HPV SCREENING SCREENING POR POR CITO CITO Miller AB. Screening

Leia mais

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER

PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER PROTOCOLO DA SAÚDE DA MULHER SUMÁRIO 1. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero... 4 2. Atenção Primária à Saúde... 6 2.1. Periodicidade... 7 3. Adolescentes e Mulheres Jovens...

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero: reconhecendo ganhos e consolidando práticas Fábio Russomano - IFF/Fiocruz Maio de 2016 Fortalecimento do rastreamento organizado na

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca

MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV COLO UTERINO. Dra Rejane Santana R3 Orientadora: Dra Vera Fonseca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO SERVIÇO DE GINECOLOGIA MÉTODOS MOLECULARES PARA IDENTIFICAÇÃO DO HPV NO RASTREIO DO CÂNCER DE COLO UTERINO Dra Rejane

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Laboratórios Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Laboratórios Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação Um dos graves problemas de saúde pública que estamos combatendo ao longo dos anos é o câncer

Leia mais

Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica

Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Diagnóstico citológico de Ascus: sua importância na conduta clínica Recebido em 17/07/01 Aceito para publicação em 14/08/01 Cytological diagnosis of Ascus: its importance

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

Patrícia Savio de A. Souza

Patrícia Savio de A. Souza BIOMARCADORES EM PATOLOGIA CERVICAL Patrícia Savio de A. Souza Departamento de Imunobiologia/ UFF Programa de Biologia Celular/ INCA Câncer Colo Uterino (CCU) Consequência da evolução de lesões precursoras

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia - Capítulo II - Infecção por HPV e Lesões HHV-Induzidas Prof. Dr. Flávio Zucchi -

Leia mais

Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero

Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero ARTIGO ORIGINAL 0RIGINAL PAPER Validade da citologia cervicovaginal na detecção de lesões pré-neoplásicas e neoplásicas de colo de útero Recebido em 14/05/01 Aceito para publicação em 25/04/02 Validity

Leia mais

CITOLOGIA E HISTOPATOLOGIA DE PACIENTES ASSISTIDAS EM UM CENTRO DE SAÚDE DA MULHER

CITOLOGIA E HISTOPATOLOGIA DE PACIENTES ASSISTIDAS EM UM CENTRO DE SAÚDE DA MULHER CITOLOGIA E HISTOPATOLOGIA DE PACIENTES ASSISTIDAS EM UM CENTRO DE SAÚDE DA MULHER Yulla Klinger Pereira de Carvalho 1 Flávia Samara Freitas de Andrade 2 Maria Acelina Martins de Carvalho 3 Gerson Tavares

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ

TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ TROCANDO IDÉIAS XX 16 e 17 de junho de 2016 Windsor Flórida Hotel - Rio de Janeiro - RJ Susana Aidé Profª Adjunto de Ginecologia Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antônio Pedro Carta

Leia mais

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX

PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX PESQUISA COMPARATIVE EVALUATION OF POSITIVE CYTOLOGY, COLPOSCOPY AND HISTOPATHOLOGY: A METHOD OF SCREENING FOR CANCER OF THE CERVIX AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA CITOPATOLOGIA POSITIVA, COLPOSCOPIA E HISTOPATOLOGIA:

Leia mais

Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica

Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica Alterações citológicas: uma revisão sobre a importância da Citologia Oncótica Resumo Guilherme Cerutti Müller * Camila Maziero ** A citologia oncótica é o método de rastreamento para o câncer cervical,

Leia mais

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES Fórum Unimed-Rio de Ginecologia RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES VERA FONSECA Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Presidente

Leia mais

Citologia não adequada para o rastreio o que fazer?

Citologia não adequada para o rastreio o que fazer? RastreamENto: a d a u q e d a á t s e o ã n a i g o l o t i c a o Quand? r e z a f e u q o para o rastreio Yara furtado rj/unirio stre junta da uf e Professoradad m lo tu tí b u s o ig-ufrj/hugg lo ti

Leia mais

Revendo as recomendações brasileiras;

Revendo as recomendações brasileiras; Revendo as recomendações brasileiras; Profª. Filomena Aste Silveira IG-UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Doutoranda patologia cervical biologia molecular Lesão intraepitelial de baixo grau? É a manifestação

Leia mais

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS

CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS CRITÉRIOS CITOMORFOLÓGICOS PARA DIAGNÓSTICO DAS LESÕES PRECURSORAS DO CÂNCER DE COLO UTERINO E LESÕES MALIGNAS Profa. Dra. Michelle Garcia Discacciati de Carvalho Prevalência de HPV no câncer do colo uterino

Leia mais

Prevalence and follow-up of pap smear with atypical squamous cells of undetermined origin at a teaching hospital in Brazil

Prevalence and follow-up of pap smear with atypical squamous cells of undetermined origin at a teaching hospital in Brazil Artigo Original Prevalência e seguimento de exame citopatológico de colo uterino com atipias em células escamosas de origem indeterminada em um hospital universitário brasileiro Prevalence and follow-up

Leia mais

Relação entre a carga viral de HPV oncogênico determinada pelo método de captura híbrida e o diagnóstico citológico de lesões de alto grau

Relação entre a carga viral de HPV oncogênico determinada pelo método de captura híbrida e o diagnóstico citológico de lesões de alto grau J Bras Patol Med Lab v. 3 n. 1 p. 31-35 ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL PAPER Relação entre a carga viral de HPV oncogênico determinada pelo método de captura híbrida e o diagnóstico citológico de lesões de alto

Leia mais

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO COMO CONDUZIR O SEU DIAGNÓSTICO RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNIFICADO INDETERMINADO O QUE SIGNIFICA? RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNICADO INDETERMINADO POR QUE? AS ALTERAÇÕES

Leia mais

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher

Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher DESEMPENHO DE MÉTODOS DE TRIAGEM PARA ENCAMINHAMENTO À COLPOSCOPIA FRENTE AO DIAGNÓSTICO

Leia mais

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL

LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE BAIXO GRAU (LSIL) NIC 1 - DL Predominância de alterações discarióticas em células intermediárias e superficiais Aumento nuclear, variação na forma Bi/multinucleação Rabelo,S.H./UFG

Leia mais

LSIL: Conduta na Pós-Menopausa

LSIL: Conduta na Pós-Menopausa LSIL: Conduta na Pós-Menopausa TROCANDO IDÉIAS XVIII 14 agosto 2014 Caroline Oliveira LESÃO ESCAMOSA INTRAEPITELIAL DE BAIXO GRAU Infecção aguda e transitória pelo HPV Altamente prevalente antes dos 30

Leia mais

Carga de Trabalho em Citotecnologia. Simone Maia Evaristo

Carga de Trabalho em Citotecnologia. Simone Maia Evaristo em Citotecnologia Simone Maia Evaristo Uma força-tarefa da Sociedade Americana de Citopatologia em 2009 começou o trabalho envolvido na desenvolver recomendações de carga de trabalho para citotechnologista

Leia mais

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem. 2011 na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento

Leia mais

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio

Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Perspectivas da introdução das vacinas contra HPV junto aos programas de rastreio Trocando Idéias XIV 27-29 de agosto de 2009 Rio de Janeiro Fábio Russomano Evidências da efetividade do rastreio citológico

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero XIII Congresso Brasileiro de Citologia Clínica 03 de julho de 2012 Fábio Russomano IFF/Fiocruz Fábio Russomano Possíveis

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Atualização 2016 MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) Coordenação de Prevenção e Vigilância

Leia mais

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados

PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados PAPANICOLAU E BIÓPSIAS EM MULHERES DE TRÊS LAGOAS/MS: Resultados Everaldo Garcia Santos Júnior Graduando em Biomedicina Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Maicon Henrique Nogueira Graduando

Leia mais

PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ

PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ 1 PERFIL DOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS EM UNIDADE DE SAÚDE EM FORTALEZA, CEARÁ Hilania Valéria Dodou 1 Luan Costa Ferreira 2 Hilana Dayana Dodou 3 Márcia Luiza Pinheiro Silva de Souza 4 RESUMO O

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Atualização 01 MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA) Coordenação de Prevenção e Vigilância

Leia mais

Journal of Public Health

Journal of Public Health Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública VOLUME 34 NÚMERO 2 ABRIL 2000 p. 120-5 Revista de Saúde Pública Journal of Public Health Comparação entre a colpocitologia oncológica de encaminhamento

Leia mais

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha

Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Vacinação contra HPV e Controle do câncer de colo do útero no SUS Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Ministério da Saúde junho de

Leia mais

Mulheres submetidas à conização de colo uterino: análise dos resultados citológico e histopatológico

Mulheres submetidas à conização de colo uterino: análise dos resultados citológico e histopatológico 13 12 ARTIGO ORIGINAL Mulheres submetidas à conização de colo uterino: análise dos resultados citológico e histopatológico Women undergoing conization of cervix: results of cytological and histopathological

Leia mais

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse Ygor Vieira de Oliveira Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

Lesão de baixo grau conduta. Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença

Lesão de baixo grau conduta. Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Lesão de baixo grau conduta Profª.Filomena Aste Silveira IG UFRJ Faculdade de Medicina de Valença Lesão Intra Epitelial de Baixo Grau REGREDIR PERSISTIR PROGREDIR Taxas de regressão espontânea verificadas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DE MANTENÓPOLIS - ES

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DE MANTENÓPOLIS - ES 0 FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO FAESA CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTROLE, AVALIAÇÃO, AUDITORIA E MONITORAMENTO EM SAÚDE ROSILENE CAMARGOS FONCECA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE

Leia mais

Tratamento da Lesão Precursora de Baixo Grau

Tratamento da Lesão Precursora de Baixo Grau Tratamento da Lesão Precursora de Baixo Grau TRATAMENTO DESTRUTIVO quando indicar, como fazer Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cerixcolposcopia.com.br Lesão de Baixo Grau Precursora? Manifestação

Leia mais

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 11 INTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGINAL José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL

Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal. InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL Unidade 3 - Ginecologia Interpretação do Laudo Citologico Cervico Vaginal CAPÍTULO 15 InTERPRETAÇÃO DO LAUDO CITOLOGICO CERVICO VAGInAL É através do laudo citológico que se sabe se vai haver necessidade

Leia mais

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau

Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Diagnóstico e Conduta nas Lesões Intraepiteliais Cervicais de Alto Grau Curso de Atualização em PTGI 20/06/09 Instituto de Ginecologia - UFRJ Susana Aidé História natural da NIC Progressão Progressão Regressão

Leia mais

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rebes REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Importância do citopatológico para prevenção do câncer do colo de útero Importance of pap

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS

FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS FATORES ASSOCIADOS AO DIAGNÓSTICO TARDIO DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO EM UMA UNIDADE DE REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO PELO SUS Camila Rafaela Cavaglier¹, Maíra Oliveira Panão², Carolina Correia Billoti³,

Leia mais

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Especializanda: Renata

Leia mais

Vacinação no homem. Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP. Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP

Vacinação no homem. Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP. Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP Vacinação no homem Prof Dr Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia UNICAMP Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Rio de Janeiro Junho 2016 UNICAMP Número médio annual de novos casos

Leia mais

Consultar versão digital do programa. Imagem: Ad Médic PROGRAMA CIENTÍFICO

Consultar versão digital do programa. Imagem: Ad Médic PROGRAMA CIENTÍFICO Consultar versão digital do programa Imagem: Ad Médic PROGRAMA CIENTÍFICO Sexta-feira, 10 de fevereiro 13.00h Abertura do Secretariado 14.00-15.30h 14.00-14.30h 14.30-15.00h 15.00-15.30h 15.30-16.00h 16.00-16.30h

Leia mais

Cervicites: facilitando o diagnóstico

Cervicites: facilitando o diagnóstico TROCANDO IDÉIAS XIV DESAFIOS EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR Cervicites: facilitando o diagnóstico PROF. RENATO DE SOUZA BRAVO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

Leia mais

PANORAMA DA COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA NA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL

PANORAMA DA COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA NA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL PANORAMA DA COLPOCITOLOGIA ONCÓTICA NA REDE PÚBLICA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, BRASIL An overview of oncotic colpocytology in the State of Santa Catarina public health, Brazil Sabrina Gonçalves 1, Romilton

Leia mais

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres

CA Colo uterino PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO. Enfa Dayse Amarílio. 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Enfa Dayse Amarílio CA Colo uterino 3º Tipo de CA mais comum nas Mulheres Tem início com displasias de leve a acentuada. É classificado como

Leia mais

Avaliação crítica das nomenclaturas diagnósticas dos exames citopatológicos cervicais utilizadas no Sistema Único de Saúde (SUS)

Avaliação crítica das nomenclaturas diagnósticas dos exames citopatológicos cervicais utilizadas no Sistema Único de Saúde (SUS) Lu c i a n a Si lva Ag u i a r 1 Ta l i ta d e Pa u l a Si lva Mo u r a 2 Da n i e l a Et l i n g e r 1 Lu z i a Se t u ko Um e da Ya m a m oto 1 Celso d i Lo r e to 3 Lise Cristina Ba lta r Cu ry 4 Sô

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL CITOPATOLÓGICO DE MULHERES ATENDIDAS NO HOSPITAL GERAL DE PORTO ALEGRE

AVALIAÇÃO DO PERFIL CITOPATOLÓGICO DE MULHERES ATENDIDAS NO HOSPITAL GERAL DE PORTO ALEGRE 24 AVALIAÇÃO DO PERFIL CITOPATOLÓGICO DE MULHERES ATENDIDAS NO HOSPITAL GERAL DE PORTO ALEGRE Salma Vargas 11 Luciane Cristina Gelatti 2 Andréia Buffon 3 RESUMO: A citologia oncótica tem sido reconhecida,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA "VIVA MULHER" NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA VIVA MULHER NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA "VIVA MULHER" NO CONTROLE DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO NO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 EVALUATION OF THE "VIVA MULHER" PROGRAM FOR THE CONTROL OF CERVICAL CANCER IN THE STATE OF MINAS GERAIS,

Leia mais

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU-

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU- colo uterino Rastreamento do câncer de colo uterino: desafios e recomendações Arquivo pessoal Evandro Sobroza de Mello * Médico patologista, coordenador do Laboratório de Anatomia Patológica do Instituto

Leia mais

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero

Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Evidências científicas da efetividade da detecção e tratamento das lesões precursoras para a prevenção do câncer do colo do útero Fábio Russomano Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ 25 A 28 DE ABRIL DE

Leia mais

Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares

Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares J Bras Patol Med Lab v. 44 n. 3 p. 193-197 relato de caso case report Relato de dois casos de condiloma imaturo: descrição dos achados colposcópicos, cervicográficos, cito-histológicos e moleculares Primeira

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Obesidade, Colo do Útero, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Trocando Idéias XIII Agosto

Trocando Idéias XIII Agosto Trocando Idéias XIII Agosto - 2008 Estenose Cervical Aparecida Monteiro Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Instituto de Pesquisa Evandro Chagas Estenose Cervical Definição

Leia mais

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero CERVICOLP 2011 - XXII CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM PTGI E COLPOSCOPIA 29/9 a 01/10/2011 Fábio Russomano Possíveis conflitos

Leia mais

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero

Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero MINISTÉRIO DA SAÚDE Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero Biblioteca Virtual em Saúde Prevenção e Controle

Leia mais

O Desempenho da Colposcopia Através do Índice de Reid

O Desempenho da Colposcopia Através do Índice de Reid ATUALIZAÇÃO O Desempenho da Colposcopia Através do Índice de Reid The Colposcopic Performance Through Reid s Index Renata Robial* Cristina Helena Rama** Cecília M Roteli-Martins*** *Acadêmica da Faculdade

Leia mais

O teste do HPV contribui na triagem para a colposcopia?

O teste do HPV contribui na triagem para a colposcopia? Trocando Ideias XIX 06 de agosto de 2015 Lesão de Baixo Grau O teste do HPV contribui na triagem para a Clique para editar o estilo do subtítulo mestre colposcopia? Flávia de Miranda Corrêa Epidemiologia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasia do Colo do Útero. Colo Uterino. Enfermagem.

PALAVRAS-CHAVE Neoplasia do Colo do Útero. Colo Uterino. Enfermagem. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O que fazer perante:nódulo da tiroideia

O que fazer perante:nódulo da tiroideia 10º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante:nódulo da tiroideia Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa

Leia mais

XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO

XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO ESTRATÉGIAS DE RASTREIO Gutemberg Almeida Instituto de Ginecologia da UFRJ OBJETIVO DO RASTREAMENTO Além de detectar o câncer cervical em um estágio inicial,

Leia mais

Rastreio Citológico: Periodicidade e População-alvo UNICAMP. Agosto 2012. Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP

Rastreio Citológico: Periodicidade e População-alvo UNICAMP. Agosto 2012. Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP Rastreio Citológico: UNICAMP Periodicidade e População-alvo Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Agosto 2012 Luiz Carlos Zeferino Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP Rastreamento citológico

Leia mais

MAÍRA DEGIOVANI STEIN

MAÍRA DEGIOVANI STEIN MAÍRA DEGIOVANI STEIN DESEMPENHO DIAGNÓSTICO DA CITOLOGIA CERVICAL PREPARADA EM BASE LÍQUIDA, LIDA MANUALMENTE VERSUS A LIDA DE FORMA AUTOMATIZADA E ASSISTIDA POR COMPUTADOR Dissertação apresentada ao

Leia mais

Citologia oncótica pela Colpocitologia

Citologia oncótica pela Colpocitologia ALTERAÇÕES ESCAMOSAS NÃO-REATIVAS NILM = negativo p/ lesão intra-epitelial cervical ASCUS e ASCH = células escamosas atípicas de significado indeterminado SIL = lesão intra-epitelial escamosa LSIL e HSIL

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA 1. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE AÇÃO PROGRAMÁTICA DE SAÚDE DA MULHER DURANTE A VIVÊNCIA DA PRÁTICA EM SAÚDE PÚBLICA RIBEIRO, Juliane Portella 1 ; QUADROS, Lenice de Castro Muniz 2 ; LIMA, Luciana Rodrigues dos Santos 3 ;

Leia mais

Lesão cervical intraepitelial

Lesão cervical intraepitelial Lesão cervical intraepitelial de alto grau Complicações estenose e recorrência Trocando Idéias XIII Agosto de 2008 Fábio Russomano 29 de agosto de 2008 É permitida a reprodução total ou parcial, desde

Leia mais

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Gestantes Pós-menopausa Histerectomizadas Imunossuprimidas Adolescentes Mulheres sem história de

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA.

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. 1 TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. EDITAL DO CONCURSO 2015 DATA DAS PROVAS: 10 de outubro de 2015. LOCAL: Fortaleza/ CE, durante o XVIII Congresso Brasileiro

Leia mais

LINHAS DE CUIDADO EM CÂNCER

LINHAS DE CUIDADO EM CÂNCER LINHAS DE CUIDADO EM CÂNCER A organização da rede de atenção oncológica no Município do Rio de Janeiro segue as diretrizes a Política Nacional de Atenção oncológica, sendo a atenção básica a porta de entrada

Leia mais

Vacinas contra HPV. Atualização. Fábio Russomano IFF/Fiocruz 29 jun 2012

Vacinas contra HPV. Atualização. Fábio Russomano IFF/Fiocruz 29 jun 2012 Vacinas contra HPV Atualização Fábio Russomano IFF/Fiocruz 29 jun 2012 Fábio Russomano Possíveis conflitos de interesses: Responsável por serviço público de Patologia Cervical (IFF/Fiocruz) Colaborador

Leia mais

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA IVX CONGRESSO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA Lesão intra-epitelial de alto grau:hsil: Qual o significado? NIC

Leia mais

25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV. Joaquim Neves

25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV. Joaquim Neves 2013 25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV Joaquim Neves Material de colheita de amostras para colpocitologia JOAQUIM NEVES Exocervix - espátula; escova;

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA

TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA TÍTULO: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CITOLOGIA CONVENCIONAL E CITOLOGIA EM BASE LIQUIDA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Vaginal cytology with suspicion of squamous intraepithelial lesion of undetermined grade: a case report

Vaginal cytology with suspicion of squamous intraepithelial lesion of undetermined grade: a case report Vaginal cytology with suspicion of squamous intraepithelial lesion of undetermined grade: a case report Almeida B 1, Mendonça P 1 and Fagulha R 2 1 Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Instituto

Leia mais

Carga Viral do Papilomavirus Humano na Predição da Gravidade de Lesões Cervicais em Mulheres com Atipias Celulares na Colpocitologia Oncológica

Carga Viral do Papilomavirus Humano na Predição da Gravidade de Lesões Cervicais em Mulheres com Atipias Celulares na Colpocitologia Oncológica RBGO 25 (5): 365-370, 2003 Carga Viral do Papilomavirus Humano na Predição da Gravidade de Lesões Cervicais em Mulheres com Atipias Celulares na Colpocitologia Oncológica Trabalhos Originais Viral Load

Leia mais

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA.

TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. 1 TÍTULO DE QUALIFICAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA. EDITAL DO CONCURSO 2016 DATA DAS PROVAS: 5 de novembro de 2016. LOCAL: Centro de Convenções - João Pessoa - PB, durante o

Leia mais

AVALIAÇÃO E ESPECIFICIDADE CERVICAIS TUON FFB ET AL.

AVALIAÇÃO E ESPECIFICIDADE CERVICAIS TUON FFB ET AL. Artigo Original AVALIAÇÃO ALIAÇÃO D A SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DOS EXAMES CITOP OPATOLÓGICO OLÓGICO E COLPOSCÓPICO EM RELAÇÃO AO EXAME HISTOLÓGICO NA IDENTIFICAÇÃO DE LESÕES INTRA-EPITELIAIS CERVICAIS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Pr e v e n ç ã o d o Câ n c e r Ce rv i c a l: As s o c i a ç ã o d a Ci t o l o g i a

Pr e v e n ç ã o d o Câ n c e r Ce rv i c a l: As s o c i a ç ã o d a Ci t o l o g i a ARTIGO ARTICLE Pr e v e n ç ã o d o Câ n c e r Ce rv i c a l: As s o c i a ç ã o d a Ci t o l o g i a On c ó t i c a a No va s Té c n i c a s d e Bi o l o g i a Mo l e c u l a r n a Detecção do Papilomavírus

Leia mais

O perfil do Citotecnologista em Angola

O perfil do Citotecnologista em Angola HOSPITAL MILITAR PRINCIPAL/ INSTITUTO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA O perfil do Citotecnologista em Angola Elaborado pela Alice Soares da Silva, Chefe técnica de citologia do Departamento

Leia mais

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO

CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO CONDUTAS CLÍNICAS PARA ACOMPANHAMENTO DE ACORDO COM RESULTADO DO EXAME CITOPATOTÓGICO ADEQUAÇÃO DA AMOSTRA AMOSTRA SERÁ CONSIDERADA INSATISFATÓRIA ausência de identificação na lâmina ou na requisição;

Leia mais