Linfomas cutâneos. Dermatologia da da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linfomas cutâneos. Dermatologia da da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Brasil"

Transcrição

1 Linfomas cutâneos Roberta Vasconcelos: Médica colaboradora e pesquisadora da Unidade de Linfomas Cutâneos da Divisão de Clínica Dermatológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Brasil José Antônio Sanches: Professor associado do Departamento de Dermatologia da da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Brasil Introdução e definição Os linfomas cutâneos primários tem, freqüentemente, comportamento clínico e prognóstico diverso dos linfomas sistêmicos de subtipo histológico semelhante. São considerados linfomas não-hodgkin e subdivididos em linfomas de células T (LCCT), de células NK (LCCT/NK) e de células B (LCCB). Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (WHO) e a Organização Européia para Pesquisa e Tratamento do Câncer (EORTC) propuseram uma classificação que confere maior uniformidade

2 no diagnóstico, manuseio e tratamento dos processos linfoproliferativos cutâneos (Tabela I). Ao contrário do que ocorre em linfomas sistêmicos, constituídos principalmente por linfócitos B, na pele os linfomas de células T são muito mais frequentes. Destes, o mais comum é a micose fungóide (MF). A MF é o único tipo histológico de linfoma exclusivamente cutâneo, pois sendo epidermotrópico, não apresenta forma nodal correspondente. Epidemiologia Dentre os linfomas extra-nodais, a pele é o segundo órgão mais acometido, depois do trato gastro-intestinal. Os linfomas cutâneos tem incidência estimada anual na América do Norte e Europa Ocidental compreendida entre 0,3 e 1 para habitantes. Aproximadamente 75 a 80% dos linfomas cutâneos primários são linfomas cutâneos de células T (LCCT), com predomínio absoluto da micose fungóide (MF) e suas variantes. A MF, caracteristicamente, ocorre em adultos com médias das idades compreendidas entre 55 e 60 anos na ocasião do diagnóstico, com ligeiro predomínio no sexo masculino (1,6 2,0:1). É raramente descrita na infância e em adultos jovens. Etiologia e fisiopatologia

3 A medula óssea é o local de produçao dos linfócitos T, que sofrem, em seguida, diferenciação no timo. Circulam na forma naive (virgens, não expostos a antígenos) pelo sangue e órgãos linfóides periféricos. Ao serem apresentados nos linfonodos a antígenos provenientes da pele passam a expressar marcadores e se tornam participantes do sistema imune cutâneo. As células NK (natural killer) são linfócitos grandes com numerosos grânulos citoplasmáticos, também denominados linfócitos granulares grandes. São produzidas também na medula óssea e estão presentes no sangue e principalmente no baço. Não possuem marcadores para a linhagem B e tampouco o receptor de células T específico para o reconhecimento antigênico. São células TCRαβ-TCRγδ-CD3- CD16+CD56+, envolvidas com a resposta inata (não adaptativa). Possuem capacidade de destruir certas células tumorais e células normais infectadas por vírus. As células neoplásicas da micose fungóide provêm de linfócitos TCRαβ+CD4+ de memória (CD45RO+) do arsenal de vigilância imune da pele (CLA+) que exibem fenótipo Th2, que se exacerba com a evolução da doença. Outros linfomas cutâneos mais raros podem originar-se de células

4 TCRαβ+CD8+, TCRγδ+ ou NK. Discute-se, como causa dos LCCT, a possibilidade de estimulação persistente por antígenos, como partículas virais. Em alguns subtipos esta relação está bem estabelecida. O LCCT/NK extranodal, tipo nasal relaciona-se, freqüentemente, com infecção pelo EBV e que o linfoma leucemia de células T do adulto (ATL) é causado por infecção pelo HTLV-1. Os linfócitos B não estão presentes na pele normalmente, mas podem migrar para a superfície cutânea em resposta a estímulos antigênicos. São produzidos e maturados na medula óssea, e habitam os órgãos e tecidos linfóides secundários (baço, linfonodos e mucosas) e a medula óssea. Discute-se a possibilidade de determinados linfomas cutâneos de células B se originarem a partir de infiltrações linfocitárias cutâneas, inicialmente reativas, porém persistentes (desordens prélinfomatosas). No entanto, a etiopatogenia dos linfomas cutâneos de células B é incerta. A associação com infecção por Borrelia burgdorferi acontece com frequência na Europa, mas não nos Estados Unidos e em nosso meio. A seguir serão descritos os tipos de linfomas cutâneos, segundo a classificação recente da WHO-EORTC.

5 LINFOMAS CUTÂNEOS DE CÉLULAS T MICOSE FUNGÓIDE Quadro clínico A MF apresenta variações entre as apresentações clínicas. Além de quadros cutâneos diversos, pode leucemizar-se, forma clínica denominada Síndrome de Sézary (SS). A forma clássica inicia-se lesões não infiltradas (patches), evoluindo para formação de placas e tumores. Nas fases iniciais, as lesões podem se confundir com outras dermatoses, como eczemas crônico e tinha do corpo. Caracteristicamente as lesões acometem áreas duplamente cobertas pelas roupas, como a cintura pélvica, regiões glúteas, virilhas, axilas e mamas, podendo disseminar-se gradativamente. Pode haver evolução das lesões iniciais para placas elevadas eritematosas ou eritemato-acastanhão adas com bordas bem delimitadas e contornos freqüentemente bizarros com aspecto de queijo suíço, semi-anulares e serpiginosas. Eventualmente surgem tumores sobre placas pré-existentes ou de novo. Comumente os pacientes apresentam uma combinação de lesões não infiltradas, placas e tumores. As placas muito infiltradas e os tumores ulceram-se com freqüência. Eritema difuso (eritrodermia) pode

6 surgir durante esse processo evolutivo. Mais frequentemente a doença é indolente, permanecendo no estágio inicial com lesões não infiltradas por anos. No entnato, existem casos com evolução mais rápida através das três fases descritas, havendo, inclusive, acometimento de linfonodos e órgãos não linfóides. Além da forma clássica apresentada, existem outras variantes clínicas da doença reconhecidas pela WHO-EORTC: -MF folicular (foliculotrópica, foliculocêntrica, pilotrópica) associada ou não a mucinose folicular, com predileção pelos folículos pilosos. -reticulose pagetóide que se caracteriza por infiltrado linfóide atípico de pequenas e médias células localizado exclusivamente na epiderme. -cútis laxa granulomatosa onde se desenvolvem pápulas e placas eritemato-acobreadas, sarcoídeas, predominantemente em áreas de dobras, que se transformam em massas laxas pendulares de superfície atrófica. As variantes hipocrômica, poiquilodérmica, vésico-bolhosa, entre outras, são consideradas semelhantes à MF clássica pela WHO-EORTC. Prognóstico e evolução

7 A história natural da MF costuma ser prolongada. É um linfoma habitualmente indolente. Os pacientes em estadios iniciais da doença têm expectativa de vida semelhante à da população da mesma faixa etária sem a doença. Os casos com doença progressiva apresentam risco de envolvimento extracutâneo linfonodal e visceral. O acometimento sistêmico, assim como falência dos linfócitos T e do próprio órgão pele podemrlevam os pacientes ao óbito. Sepse, principalmente por Staphylococcus aureus, representa uma das causas mais freqüentes de óbitos nos casos avançados. A sobrevida em 10 anos é de 97% para pacientes com lesões não infiltradas ou placas localizadas ( 10% da superfície cutânea), 83% para pacientes com lesões generalizadas (>10% da superfície cutânea), 42% para os pacientes com tumores e cerca de 20% para aqueles com doença linfonodal. Diagnóstico 1) Histologia Os critérios histológicos aceitos atualmente incluem: - presença de linfócitos com núcleos hipercromáticos e convolutos, rodeados por halo claro, na camada basal da epiderme com

8 aproximadamente o mesmo tamanho dos queratinócitos, isolados ou alinhados formando configuração linear - ou intensa exocitose de linfócitos - microabscessos de Pautrier Nas fases iniciais da doença, o aspecto histológico não é especifico. Caracteriza-se por infiltrado inflamatório perivascular discreto na derme superior sem atipias linfocitárias evidentes e sem epidermotropismo. Conforme as lesões vão se tornando mais características o infiltrado celular envolve a derme superior com padrão perivascular, em faixa ou liquenóide, principalmente com linfócitos e histiócitos, podendo ocorrer epidermotropismo de células isoladas. Nas placas o infiltrado é denso e evidencia um padrão de distribuição em faixa com presença epidermotropismo. Microabscessos de Pautrier ocorre em aproximadamente 25% dos casos. As células neoplásicas apresentam-se de tamanho pequeno a médio, pleomórficas, em meio a infiltrado celular contendo eosinófilos e plasmócitos. Nos tumores o infiltrado é difuso e / ou nodular, ocupando toda a derme e freqüentemente o subcutâneo. Consiste de linfócitos pleomórficos atípicos de tamanho médio. Nesta fase o epidermotropismo pode não estar mais evidente. Em cerca de 50% desses

9 casos observam-se grandes células atípicas pleomórficas, anaplásicas e blásticas com núcleos proeminentes. Se o número de células grandes for superior a 25% do infiltrado neoplásico considera-se a possibilidade de progressão / transformação para um linfoma difuso de grandes células. 2) Imunohistoquímica As células neoplásicas na MF são células com fenótipo células de memória CD3+CD4+CD45RO+ com negatividade para a expressão do antígeno CD7 em cerca de 70% dos casos. Raramente podem ser CD3+CD4-CD8+, apresentando o mesmo comportamento clínico e prognóstico, não devendo ser consideradas separadamente. Fenótipos aberrantes por perda de antígenos de células T maduras, como CD2, CD3 e CD5 são demonstrados apenas nos casos mais avançados. Nos casos tumorais com transformação blástica as células podem ser CD30+, mas são mais comumente CD30-, e em cerca de 10% dos casos de MF com placas em transformação blástica, as células CD4+ neoplásicas expressam proteínas citotóxicas (antígeno intracelular de célula T 1 (TIA- 1)). 3) Pesquisa de clonalidade

10 Rearranjos clonais para o gene do receptor de células T (TCR) são detectados na maioria dos casos. 4) Análise genética Anormalidades cromossômicas estruturais e numéricas, não específicas, têm sido descritas principalmente nos casos avançados. Estadiamento O estadiamento dos LCCT segue o sistema de classificação TNMB (tabelas II e III), como acontece nos linfomas sistêmicos. A sigla T (tumor) representa a apresentação dermatológica da doença conforme sua extensão (Menor ou maior que 10% da superfície corpórea e eritrodermia) e presença ou não de tumores. N está relacionado ao grau envolvimento linfonodal, M, à presença de metástases à distância e B, ao envolvimento hematológico, ou seja, leucemização do tumor. O sistema TNMB é melhor aplicável a micose fungóide clássica, eritrodérmica e Síndrome de Sézary. Não há dados na literatura consistentes que nos permitam estadiar desta forma as outras formas de MF e os outros tipos de LCCT. Tratamento

11 Doença precoce Em casos de doença restrita à pele, podem ser utilizados corticosteróides tópicos, bexaroteno tópico, quimioterapia tópica com mustardas nitrogenadas (mecloretamina ou carmustine), fototerapia com UVB, UVB narrow band, PUVA ou irradiação localizada ou total de toda pele com elétrons. A escolha terapêutica depende da área corporal afetada, do tipo de lesão (patches, placas, tumores ou eritrodermia), disponibilidade do tratamento e tolerabilidade dos efeitos colaterais. Nos casos com placas infiltradas e tumores, por exemplo, há indicação preferencial de irradiação total da pele com elétrons. Doença avançada Em casos de doença cutânea avançada ou doença sistêmica, podese associar à terapêutica tópica os modificadores da resposta biológica como o interferon alfa, bexaroteno, interleucina 2 fusionada com toxina diftérica (denileukin diftitox). Esquemas de poliquimioterapia semelhantes aos usados para linfoma não-hodgkin nodais (COP, CHOP, CHOP-BLEO) estão indicados nos casos de comprometimento linfonodal e ou visceral importante e na doença cutânea avançada refratária aos esquemas dirigidos à pele.

12 SÍNDROME DE SÉZARY Quadro clínico Caracteristicamente a SS é composta por eritrodermia edematosa com ou sem liquenificação, pruriginosa, linfadenopatia generalizada e células T neoplásicas circulantes no sangue periférico. Freqüentemente associa-se com queratodermia palmo-plantar, distrofias ungueais e alopecia e há queixa de prurido intenso. Ocorre, exclusivamente, em adultos. Estudos recentes propuseram critérios para definição de SS. Propõe-se que um ou mais dos seguintes critérios estejam presentes para o diagnóstico de SS. São eles: - contagem absoluta de células de Sézary (CS) 1000 células/mm3, - demonstração de anormalidades imunofenotípicas no sangue circulante (expansão da população de células T CD4+ resultando numa relação CD4:CD8>10), - perda de pelo menos um antígeno de células T maduras (CD4+CD7- >40% ou CD4+CD26- >30%)

13 - demonstração de clone de células T no sangue periférico por análise molecular ou citogenética. A SS é doença agressiva com prognóstico reservado, com taxas de sobrevida em 5 anos entre 10 e 20%. Freqüentemente observa-se progressão para um linfoma de grandes células, com altas taxas de mortalidade. Diagnóstico O infiltrado linfomatoso é superponível ao da MF, entretanto em cerca de 30% dos pacientes com SS o exame histopatológico é inespecífico. Freqüentemente o infiltrado celular é monótono com epidermotropismo discreto. Raramente observam-se microabscessos de Pautrier. Os achados fenotípicos e genéticos são superponíveis as da MF. Tratamento A terapêutica de escolha, quando disponível, é a fotoférese extracorpórea. As taxas de remissão completa variam entre 14 e 25%. O

14 tratamento com PUVA em associação com IFN alfa e o uso combinado de clorambucil (2-4mg/dia) e prednisona (20-30mg/dia) têm sido utilizadas com baixas taxas de remissão completa. Estudos recentes reltam uso de bexaroteno e alemtuzumab (anti- CD52), mas ainda sem seguimento a longo prazo. LINFOMA/LEUCEMIA DE CÉLULAS T DO ADULTO (ATLL) Epidemiologia Trata-se de uma neoplasia que ocorre em uma pequena porcentagem de indivíduos infectados pelo HTLV-1. O ATLL é endêmico em regiões de alta prevalência de infecção por HTLV, como Japão, Caribe e algumas áreas da África central. Homens são mais frequentemente acometidos que mulheres. Aspectos clínicos e exames complementares A doença pode se manifestar nas formas aguda e crônica (ou indolente). A primeira costuma ser mais agressiva e tem tendência maior de disseminação. É a forma mais frequente, mas o acometimento cutâneo é mais raro e, quando ocorre, é secundário à disseminação da doença. Quando ocorre, constitui fator de pior prognóstico. Por esta forma clínica

15 ser predominantemente extra-cutânea, não será discutida amplamente neste capítulo. A forma crônica ou indolente comumente tem a pele como seu único sítio de neoplasia. Nestes casos, a apresentação dermatológica, histológica e imunohistoquímica são indistinguíveis da micose fungóide. A diferenciação entre os dois tipos de linfoma é feita pela soropositividade para HTLV-1. Em áreas endêmicas, para diferenciar o ATLL da coexistência de MF com infecção subcínica por HTLV-1, pode-se fazer a pesquisa da integração do pro-virus ao genoma do tumor. A presença desta fusão indica o diagnóstico de ATL. Tratamento O tratamento da forma indolente de ATLL restrito à pele é feito de forma análoga ao da MF. Nos casos disseminados, a quimioterapia sistêmica é necessária. DOENÇAS LINFOPROLIFERATIVAS CUTÂNEAS PRIMÁRIAS CD30+

16 As células T e B normais que expressam CD30 são células blásticas estão localizadas em pequeno número em linfonodos, timo e baço. Não há, em condições fisiológicas, células CD30+ em outros sítios. Algumas dermatoses benignas podem expressar CD30, como a ptiríase liquenóide e varioliforme aguda (PLEVA), a dermatite atópica, escabiose, dentre outras. Assim, frente à suspeita clínica de doença linfoproliferativa CD30+ é importante o diagnóstico diferencial com essas patologias. As síndromes linfoproliferativas CD30+ são divididas em papulose linfomatóide, linfoma anaplásico de grandes células CD30+ cutâneo primário (LACG) e sistêmico. Este último, de pior prognóstico que sua forma exclusivamente cutânea, também pode apresentar envolvimento da pele. Por isto, na suspeita de linfoma cutâneo CD 30+, deve sermpre ser investigado comprometimento sistêmico. Alguns casos de MF podem sofrer transformação histológica para células anaplásicas CD30+. Este fenômeno ocorre normalmente em casos mais avançados, com apresentação tumoral. Estima-se que até 50% dos tumores sofram este tipo de alteração. A diferenciação entre MF com transformação e linfoma anaplásico de grandes células CD30+ cutâneo é

17 feita com bases clínicas, pela história prévia sugestiva de MF, uma vez que histologicamente não é possível separar as duas entidades. Papulose linfomatóide (PL) Trata-se de uma enfermidade de baixa incidência (0,1 a 02,/ habitantes), crônica, recorrente, de baixa morbimortalidade e com histologia fortemente sugestiva de linfoma. Incide principalmente na 5a década, dicretamente mais comum em homens (1,5:1). Clinicamente são pápulas assintomáticas, frequentemente ulceradas, no tronco e membros, autolimitadas a 3-12 semanas, com resolução espontânea. Após o desaparecimento, as lesões podem ou não deixar cicatrizes deprimidas. Histologicamente podem apresentar padrão de células grandes anaplásicas na derme, com quantidade variável de outras células inflamatórias de permeio. Estas células atípicas são CD30+. Menos frequentemente (10%) podem apresentar histologia semelhante à da MF, com células menores, epidermotropismo e CD30-. O rearranjo clonal do gene do TCR está positivo em 60-70% dos casos, mas não se observa frequentemente a translocação t(2;5)(p23;q35) características dos LACG sistêmicos.

18 O prognóstico em 5 anos é excelente (100% de sobrevida em uma coorte de 118 pacientes). Por isto, o tratamento da doença costuma ser conservador. Em casos leves, pode-se adotar conduta expectante. Casos mais exuberantes podem ser tratados com metotrexate em doses baixas (15-20 mg/semana) ou fototerapia com UVA ou UVB. LINFOMA ANAPLÁSICO DE GRANDES CÉLULAS CD30+ (LAGC) CUTÂNEO É definido por linfoma cutâneo em que mais de 75% dos linfócitos tumorais apresentam marcação positiva para CD30+, após terem sido descartados PL, MF e LAGC ganglionar com manifestação cutânea. Afeta predominantemente indivíduos na sexta década de vida, do sexo masculino (2-3:1). Dermatologicamente apresenta-se como tumores únicos ou agrupados, geralmente nos membros ou segmento cefálico. Em 10% dos casos podem disseminar-se, sendo os gânglios regionais o alvo mais acometido.

19 Histologicamente apresenta-se como um infiltrado subcutâneo de linfócitos pelomórficos, anaplásicos. Pode haver infiltrado de outras células inflamatórias em quantidade variável. A maioria das células anaplásicas (>75%) são CD30+. Outros marcadores imunohistoquímicos são: CD4+, perda variável de CD2, CD5 e CD3. Apresentam frequentemente proteínas citotóxicas (granzima B, TIA-1, perforina). Diferentemente dos linfomas de Hodgkin, CD5 é negativo. Diferentemente dos LAGC ganglionares, o antígeno linfocitário cutâneo (CLA) é positivo e EMA (antígeno de membrana epitelial) e ALK (produto da translocação t(2,5)(p23;q35)) são negativos. Mais de 90% dos LAGC cutâneos apresentam rearranjo monoclonal para o gene do TCR. O prognóstico, apesar de favorável, é pior que da PL. Em 10 anos de seguimento a sobrevida estimada é de 90%. O tratamento das formas localizadas constitui-se em remoção cirúrgica ou radioterapia. Nas formas mais extensas o tratamento é feito com metotrexato em doses semelhantes a PL. Nos casos de doença ganglionar está indiciada quimioterapia com CHOP.

20 LINFOMA SUBCUTÂNEO DE CÉLULAS T PANICULITE-SÍMILE Introdução Este tipo de linfoma caracteriza-se pelo infiltrado de linfócitos T citotóxicos neoplásicos no tecido subcutâneo, mimetizando paniculite. Esta apresentação clínica pode ser derivada da proliferação de dois fenótipos celulares distintos, com implicações no prognóstico. O linfoma tipo paniculite que expressa TCR gama/delta nos linfócitos, mais agressivo, será discutido em conjunto com os outros linfomas gama/delta neste mesmo capítulo. Discutiremos aqui o linfoma subcutâneo de células T paniculite-símile subtipo alfa/beta (LPS), de curso mais benigno. Epidemiologia O LPS corresponde a menos de 1% dos LCCT. É mais frequente em adultos joves (média de idade de 36 anos, com 19% dos pacientes afetados antes dos 20 anos). Existe uma proporção de 2:1, com predominância do sexo feminino. Aspectos clínicos Este linfoma apresenta-se como nódulos subcutâneos ou placas profundas, geralmente nas extremidades e tronco. Costumam ser

21 indolores e não ulcerar. Lesões em vários estágios de evolução podem ser observadas. No pródromo das lesões pode haver febre, perda de peso e mialgia. Mais de 50% dos pacientes apresentam citopenias leves. A minoria dos casos pode vir acompanhada de linfadenomegalia e hepatoesplenomegalia, sem, no entanto, haver infiltração tumoral destes órgãos. Como na forma gama/delta, pode haver síndrome hemofagocítica. Esta, no entanto, costuma ser menos frequente e de intensidade menor. Exames complementares O exame histopatológico apresenta infiltrado linfocitário de tamanho variável no tecido adiposo subcutâneo, predominantemente nos lóbulos. A derme e epiderme suprajacentes não costumam estar envolvidas. Pode haver outras células inflamatórias de permeio, o que algumas vezes confunde o diagnóstico com paniculites benignas. A imunohistoquímica é compatível com células T citotóxicas: CD3+, CD4-, CD8+, CD56-. O tumor expressa, ainda, proteínas granulares citotóxicas, como TIA-1, perforina e granzima A. Todos os casos são βf1+ e TCRγ-1-. Tratamento Até algumas décadas atrás esta entidade não era distinta da variante agressiva gama/delta e era tratada como tal, geralmente com

22 quimioterapia sistêmica. Estudos recentes sugerem que estes pacientes se beneficiam com doses altas de corticóides sistêmicos, deixando o uso de quimioterapia para os casos mais agressivos ou resistentes. LINFOMA EXTRANODAL DE CÉLULA T/NK, TIPO NASAL Quadro clínico Esta entidade acomete mais freqüentemente cavidade nasal e nasofaringe. Entretanto, pele, partes moles, e intestino podem se afetados primariamente. Disseminação nodal é rara. O quadro clínico é de lesões papulosas e nodulares eritemato-vinhosas, purpúricas, que rapidamente se ulceram formando extensas áreas de necrose. Geralmente tem curso rápido e agressivo com alta taxa de mortalidade a despeito do tratamento. As sobrevidas médias reportadas situam-se entre 5 e 27 meses, com os melhores índices para os casos com lesões exclusivamente cutâneas. Diagnóstico A histopatologia evidencia densos infiltrados acometendo a derme, podendo se estender aos tecidos mais profundos. Os linfócitos são

23 pequenos, médios ou grandes. Os núcleos são irregulares ou ovais, cromatina moderadamente densa e citoplasma pálido. É marcante a angiocentricidade e a angiodestruição, além de necrose extensa. A imunohistoquímica do tecido tumoral revela positividade para CD2, CD56 e proteínas citotóxicas (TIA-1, granzima B, perforina). Nos casos de CD56-, é necessário realizar detecção de EBV por hibridização in situ para diferenciação. Tratamento O tratamento indicado é a quimioterapia sistêmica. LINFOMA CUTÂNEO DE CÉLULA T CD8+ EPIDERMOTRÓPICA, AGRESSIVO (ENTIDADE PROVISÓRIA) Quadro clínico É uma forma rara de linfoma cutâneo. Clinicamente apresenta início súbito com nódulos com necrose central, localizados ou generalizados, ou com placas hiperqueratóticas disseminadas superficiais, com comportamento agressivo. A diferenciação com outros LCCT CD8+ (como ex. a reticulose pagetóide e raros casos de MF CD8+) faz-se com base na

24 apresentação clínica e no prognóstico. Costuma ter disseminação sistêmica rápida, mas sem envolvimento linfonodal. A sobrevida média demonstrada é de 32 meses. Diagnóstico A histologia revela infiltrado linfocitário em faixa com células pequenas, médias ou grandes, com forte epidermotropismo. A epiderme pode ser acantótica ou atrófica, apresentar queratinócitos necróticos, ulceração e espongiose variável. A invasão de estruturas anexiais é comum. Pode haver angiocentricidade e angioinvasão. O fenótipo é CD3+, CD8+, CD4-, CD7+/-, CD45-RO+, granzima B+, TIA-1+. Tratamento Quimioterapia sistêmica com esquemas contendo doxorubicina. LINFOMA CUTÂNEO DE CÉLULA T GAMA/DELTA (ENTIDADE PROVISÓRIA) Quadro clínico

25 Trata-se de um linfoma de células T gama-delta maduras, ativadas, com fenótipo citotóxico. Este grupo inclui casos anteriormente descritos como linfoma subcutâneo de célula T com fenótipo gama-delta. Clinicamente o paciente apresenta placas e/ou nódulos necróticos que mais freqüentemente ocorrem nas extremidades. A doença pode se disseminar para mucosas e vísceras, raramente envolvendo linfonodos, baço e medula óssea. A doença agressiva costuma ser, com sobrevida média de 15 meses, com diminuição da sobrevida para os pacientes que apresentam envolvimento subcutâneo. Diagnóstico Histologicamente o infiltrado neoplásico é composto por células médias a grandes pleomórficas, com cromatina grosseira e poucas células blásticas com núcleos vesiculosos e nucléolos proeminentes. São descritos três padrões de envolvimento: epidermotrópico, dérmico e subcutâneo. O acometimento subcutâneo pode assemelhar-se a paniculite ou ser mais denso. A infiltração epidérmica pode ser discreta até pagetóide. Freqüentemente há coexistência desses padrões. Queratinócitos apoptóticos e necróticos e invasão vascular são eventos

26 freqüentes. O fenótipo das células neoplásicas é F1-, CD3+, CD2+, CD56+, granzime B+, TIA-1+, perforina+, CD5-, CD4-, CD8-(raramente CD8+), CD7-/+. As células mostram rearranjo clonal para o TCRγδ. O TCRαβ pode estar rearranjado ou deletado, mas não expresso. Quando não é possível a pesquisa do TCRγδ, pode-se pesquisar a expressão de βf1 do receptor TCRαβ para auxiliar diagnóstico. Sua ausência permite inferir tratar-se de proliferação de células TCRγδ. A pesquisa para EBV é negativa. Tratamento O tratamento indicado é quimioterapia sistêmica, entretanto com resultados pobres. LINFOMA CUTÂNEO DE PEQUENA E MÉDIA CÉLULA TCD4+ PLEOMÓRFICA (ENTIDADE PROVISÓRIA) Quadro clínico É uma entidade rara, que se apresenta como placa ou tumor solitário, geralmente localizado na face, pescoço ou tronco superior. Este

27 linfoma tem prognóstico muito favorável, particularmente para os casos com lesão única ou múltiplas localizadas. A sobrevida estimada para 5 anos é de aproximadamente 60-80%. Diagnóstico Histologicamente é composto por pequenas e médias células T pleomórficas CD4. O infiltrado é denso, difuso ou nodular, com tendência a envolver o subcutâneo. Epidermotropismo, quando presente, é discreto e focal. Pode-se observar importante infiltrado de pequenos linfócitos reativos e histiócitos. As células neoplásicas exibem fenótipo CD3+, CD4+, CD8-, CD30-. Pode ocorrer perda de um ou mais antígenos pan-t (CD3, CD2, CD5). Os genes do TCR são rearranjados de modo clonal. Tratamento Para lesões localizadas recomenda-se excisão cirúrgica ou radioterapia. Para pacientes com lesões mais generalizadas não há consenso terapêutico.

28 LINFOMA CUTÂNEO DE CÉLULA T PERIFÉRICA, NÃO ESPECIFICADO Quadro clínico Esta denominação abrange um grupo heterogêneo de linfomas cutâneos, que não preenchem os critérios para os processos linfoproliferativos já bem definidos pela WHO e EORTC e descritos anteriormente. Afetam sobretudo adultos e as lesões clínicas são nódulos localizados, solitários ou generalizados, sem locais preferenciais. O prognóstico costuma ser desfavorável, com taxas de sobrevida em 5 anos de menos de 20% e parece ser semelhante para os casos com lesões cutâneas localizadas ou generalizadas. Diagnóstico As lesões exibem infiltração de células médias a grandes, pleomórficas ou imunoblásticas-símiles, com epidermotropismo ausente ou discreto. O fenótipo é habitualmente CD4+, com perda variável de antígenos pan-t (CD2, CD3, CD5). São negativos para a expressão de CD30. A co-expressão de CD56 e a presença de proteínas citotóxicas é incomum.

29 Tratamento O tratamento é realizado com poliquimioterapia.

30 LINFOMAS CUTÂNEOS DE CÉLULAS B LINFOMA CUTÂNEO PRIMÁRIO DE CÉLULA B DA ZONA MARGINAL Quadro clínico Normalmente os pacientes apresentam pápulas, placas ou nódulos únicos ou mais freqüentemente múltiplos agrupados. São mais acometidos os membros superiores e menos comumente o segmento cefálico e tronco. É considerado parte do amplo grupo de linfomas de células B da zona marginal, extranodal, que comumente acomete mucosa. Têm prevalência em adultos acima dos 40 anos. Seu curso é protraído com tendência a recidivas locais. Apresentam sobrevida entre 90 e 100% em 5 anos. Outros tumores que são considerados variantes deste grupo são: - imunocitomas - hiperplasia linfóide folicular com células plasmáticas monotípicas - os raros casos de plasmocitoma não associados ao mieloma múltiplo (plasmocitoma extramedular da pele). Diagnóstico

31 A histologia da lesão cutânea apresenta infiltrado linfocitário difuso, nodular ou formando áreas perivasculares e perianexiais, acometendo derme até o tecido subcutâneo. É comum observar um padrão inverso àquele observado nos centros germinativos dos folículos linfóides, ou seja, uma região central mais escura formada por pequenos linfócitos circunscrita por uma área mais clara constituída por células de tamanho médio e citoplasma abundante, semelhantes aos centrócitos (folículos linfóides reativos residuais circundados por manguitos de células tumorais). A imunohistoquímica das células neoplásicas demonstra CD20+, CD79a+, CD10-, CD5-, bcl-2+ e bcl-6-. Entretanto, os centros germinativos reacionais são freqüentemente CD10+, bcl-2- e bcl-6+ e frequentemente apresentam células dendríticas foliculares CD21+. Verifica-se monoclonalidade no rearranjo gênico para a cadeia pesada da imunoglobulina (IgH). Translocações cromossômicas envolvendo IGH e MALT1 têm sido demonstradas, entretanto não constituindo marcadores deste grupo. Tratamento

Educação Médica Continuada. José Antonio Sanches Jr 1 Claudia Zavaloni M. de Moricz 2 Cyro Festa Neto 3

Educação Médica Continuada. José Antonio Sanches Jr 1 Claudia Zavaloni M. de Moricz 2 Cyro Festa Neto 3 Educação Médica Continuada 7 Processos linfoproliferativos da pele. Parte 2 Linfomas cutâneos de células T e de células NK Lymphoproliferative processes of the skin. Part 2 Cutaneous T-cell and NK-cell

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Processos linfoproliferativos cutâneos de células B: a difícil distinção entre linfomas e pseudolinfomas

Processos linfoproliferativos cutâneos de células B: a difícil distinção entre linfomas e pseudolinfomas 1 Claudia Zavaloni Melotti de Moricz Processos linfoproliferativos cutâneos de células B: a difícil distinção entre linfomas e pseudolinfomas Dissertação apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Individualizados; Encapsulados; Vasos linfáticos aferentes; Vaso linfático eferente; Córtex; Medula; Linha de defesa secundária; Cápsula Seios subcapsulares

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Conteúdo. Data: 24/04/2013 NOTA TÉCNICA 54/2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Conteúdo. Data: 24/04/2013 NOTA TÉCNICA 54/2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 54/2013 Solicitante Juíza Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Processo número: 0512.13.002867-7 Data: 24/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Interferon, Oxsoralen 10 mg,

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Biopatologia Linfomas e leucemias Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 O texto representa a desgravação da aula, enquanto as

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

SÍNDROMES LINFOPROLIFERATIVAS. Hye, 2014

SÍNDROMES LINFOPROLIFERATIVAS. Hye, 2014 SÍNDROMES LINFOPROLIFERATIVAS Hye, 2014 LLC- INCIDÊNCIA 2 novos casos a cada 100000 pessoas/ano; 30% dos novos casos de leucemia; Leucemia mais comum do mundo ocidental; Quase exclusivamente devido à

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Curso de Patologia Digestiva

Curso de Patologia Digestiva Curso de Patologia Digestiva Neoplasias Linfóides do Tracto Gastro-Intestinal Aspectos Histológicos Sofia Loureiro dos Santos Serviço de Anatomia Patológica Hospital Fernando Fonseca, EPE SPG, Lisboa,

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V.

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. Introdução e Objetivo O

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Instituto de Dermatologia Prof. R. D. Azulay/ INCA

Instituto de Dermatologia Prof. R. D. Azulay/ INCA Instituto de Dermatologia Prof. R. D. Azulay/ INCA Linfoma cutâneo primário rio de células B: tratamento com rituximab associado à quimioterapia Autores: Nayibe Solano Martinez Renata Teles Filogônio Rocio

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 APESP 246 Caso Botucatu Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 História Clínica LP, 55 anos, homem, branco, pedreiro, hipertenso Massa palpável em flanco E TC = massa de 8 cm no pólo superior renal

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com

Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com Paciente do sexo feminino de 78 anos, com passado de linfoma não hodgkin indolente há 10 meses, evoluindo com adenomegalia de crescimento rápido. Transformação?

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA Período de Seleção 10 de outubro a 07 de novembro de 2014 Taxa de Inscrição R$ 100,00 Taxa de Matrícula R$ 400,00 Mensalidade R$ 724,00 Forma(s)

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

PERFIL Th1/Th2 E EXPRESSÃO DO ANTÍGENO LINFOCITÁRIO CUTÂNEO (CLA) EM PACIENTES COM MICOSE FUNGÓIDE TRATADOS COM PUVA. Jorge Ricardo da Silva Machado

PERFIL Th1/Th2 E EXPRESSÃO DO ANTÍGENO LINFOCITÁRIO CUTÂNEO (CLA) EM PACIENTES COM MICOSE FUNGÓIDE TRATADOS COM PUVA. Jorge Ricardo da Silva Machado PERFIL Th1/Th2 E EXPRESSÃO DO ANTÍGENO LINFOCITÁRIO CUTÂNEO (CLA) EM PACIENTES COM MICOSE FUNGÓIDE TRATADOS COM PUVA Jorge Ricardo da Silva Machado Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ

OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ Introdução à classificação da OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ Wilks S. Cases of lardaceous disease and some allied affections, with remarks. Guys Hosp Rep 1856;17:103-3232

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

Linfomas não-hodgkin extraganglionares: uma análise retrospectiva Extranodal non-hodgkin s lymphomas: a retrospective study

Linfomas não-hodgkin extraganglionares: uma análise retrospectiva Extranodal non-hodgkin s lymphomas: a retrospective study Artigos Originais Original Articles Linfomas não-hodgkin extraganglionares: uma análise retrospectiva Extranodal non-hodgkin s lymphomas: a retrospective study Isabel Trindade, Marta Almeida, Frederica

Leia mais

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS Curso: Graduação em Odontologia 4º e 5º Períodos Disciplina: Patologia Oral DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DOENÇAS AUTO-IMUNES

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Doenças Linfoproliferativas

Doenças Linfoproliferativas Doenças Linfoproliferativas Órgãos linfóides Linfoproliferações não clonais Agudas Mononucleose infecciosa Citomegalovirose Rubéola Sarampo Hepatites HIV Crônicas Tuberculose Toxoplasmose Brucelose Sífilis

Leia mais

O Sistema Linfático. Gânglios Linfáticos

O Sistema Linfático. Gânglios Linfáticos O Sistema Linfático O sistema linfático faz parte da defesa natural do organismo contra infecções. É composto por inúmeros gânglios linfáticos, conectados entre si pelos vasos (canais) linfáticos. Os gânglios

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

LIGA DE ESTUDOS EM MEDICINA DIAGNÓSTICA E ANATOMIA PATOLÓGICA - LEMDAP

LIGA DE ESTUDOS EM MEDICINA DIAGNÓSTICA E ANATOMIA PATOLÓGICA - LEMDAP LIGA DE ESTUDOS EM MEDICINA DIAGNÓSTICA E ANATOMIA PATOLÓGICA - LEMDAP RELATO DE CASO Almeida L.P.1, Radke E.1, Negretti F.2 Cascavel, 2008 1 Academicos do Curso de Medicina da Unioeste 2 Professor de

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL

TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL TUMORES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL D O MIN I Q U E F O N S E C A R O D R I G U E S L A C E T R 2 D O S E RV IÇ O D E PAT O L O G IA D O H U - U F J F D O MIL A C E T @ G M A I L. C O M Junho/2015 EPIDEMIOLOGIA

Leia mais

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni Resposta imunológica a tumores Ronei Luciano Mamoni Tumores Conceitos gerais Neoplasias conceito Neoplasia (neo= novo + plasia = tecido) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Diagnóstico laboratorial em oncohematologia I DOENÇAS LINFOPROLIFERATIVAS CRÔNICAS Dr. João Carlos de Campos Guerra Departamento de Patologia Clínica

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

-Science. Você tem certeza que é ES? www.actelion.com.br

-Science. Você tem certeza que é ES? www.actelion.com.br Você tem certeza que é ES? Esclerose sistêmica (ES) é mais frequentemente associada com fibrose cutânea, a sua característica mais evidente. Embora a ES também envolva outras anormalidades vasculares e

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

T rearranjo de gene do receptor de célula - A maioria dos linfomas de células T são obtidas a

T rearranjo de gene do receptor de célula - A maioria dos linfomas de células T são obtidas a Linfomas T T rearranjo de gene do receptor de célula - A maioria dos linfomas de células T são obtidas a partir de células T de pós-tímicas. Durante o desenvolvimento, as células T sofrer rearranjo do

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir Yara Furtado Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Durante a

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA /2014 Data: 05/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG

Leia mais

Seja bem-vindo ao Chat!

Seja bem-vindo ao Chat! Chat com o Dr. Jacques Dia 04 de setembro de 2014 Tema: Linfoma: Novas perspectivas em busca da cura Total atingido de pessoas na sala: 31 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (10h

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais