O plágio, a publicidade e os processos criativos. Janderle RABAIOLLI 2 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O plágio, a publicidade e os processos criativos. Janderle RABAIOLLI 2 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS"

Transcrição

1 O plágio, a publicidade e os processos criativos Giandra Carla dos SANTOS 1 Janderle RABAIOLLI 2 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS RESUMO O artigo aqui apresentado tem como objetivo compreender os conceitos e os autores que dialogam sobre o tema plágio e criação na publicidade. Trata-se de um movimento exploratório inicial sobre a legislação e a ética publicitária, mais especificamente sobre o plágio na publicidade. O estudo surge a partir da observação da existência de peças publicitárias muito semelhantes entre si, que foram criadas por agências e profissionais diferentes, e da possibilidade de essas peças serem consideradas plágio, cópia ou ainda, mera coincidência. Pretende-se relacionar a legislação e os direitos autorais com os processos criativos e a utilização de referências que permeiam a criação de um produto publicitário. PALAVRAS-CHAVE: Plágio; criação publicitária; processo criativo; legislação publicitária. 1. INTRODUÇÃO Publicitários estão sempre buscando formas de ser criativos, de encontrar a originalidade, de criar algo surpreendente, algo novo que realmente chame a atenção dos receptores. Há uma necessidade constante de encontrar o inédito na propaganda.cada criativo tem a sua maneira de procurar a luz que acende a lâmpada. Mesmo que cada um descubra seu jeito, a procura por referências na hora de criar faz parte do processo criativo. Como cita OSTROWER (1987, p.5) criar corresponde a um formar, um dar a forma a alguma coisa, sejam quais forem os modos e os meios, ao se criar algo, sempre se ordena e se configura. É comum encontrarmos peças publicitárias muito semelhantes entre si. A repercussão que isso provoca, tanto para agências e criativos quanto para o anunciante é às vezes maior do que a mensagem que o próprio anúncio transmitiu. Mas a inquietação surge pela possibilidade de peças semelhantes realmente terem surgido de uma coincidência. Já que 1 Estudante do 8º semestre do curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda da Universidade Federal de Santa Maria. 2 Orientador do trabalho. Professor do Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda da UFSM, 1

2 os profissionais encarregados da criação de anúncios nas agências de publicidade, redatores e diretores de arte, empregam materiais (incluem-se aqui quaisquer recursos semióticos) circulantes, constituintes de determinada esfera cultural, fazendo da criação publicitária uma prática de intertextualidade (KNOLL, 2010, p.1) Essa intertextualidade permitiria que um mesmo material servisse de inspiração para um ou mais criativos, e estes acabassem criando algo semelhante. A intertextualidade também leva a pensar na proposta de Marcel Duchamp, pintor, escultor e poeta francês, que nos apresenta o conceito de ready-made, que seria aplicado quando um objeto, separado do seu contexto original, adquirisse um novo sentido quando deslocado. Essa intervenção que Duchamp chamava de assistir, podemos dizer que corresponde à ação dos redatores e diretores de arte quando deslocam frases e imagens já conhecidas do público para a moldura da peça publicitária (CARRASCOZA, 2008, p.79) No princípio de dialogismo de BAKHTIN (1997), um texto sempre dialoga com outros, como se nenhum texto fosse totalmente puro. Assim, aconteceria também com as peças publicitárias. Mas a semelhança entre peças, algumas vezes, esboça que o caso trata-se de plágio, envolvendo a ética e a legislação publicitária. O que justifica a inquietação que levou a este estudo, pois quem trabalha com criação publicitária vale-se de repertórios, o que gera o receio de criar algo já visto e que seja considerado plágio ou cópia. Receio este, que é constante no processo criativo de um diretor de arte, por exemplo. O Trabalho de Conclusão de Curso, que originou este artigo, pretende, tendo como base conceitos e categorias de polifonia e intertextualidade de BARROS & FIORIN (2003), responder ao questionamento: como identificar níveis para releituras, plágio e associação de ideias semelhantes em peças publicitárias que se parecem muito entre si? Este artigo, desenvolvido para a disciplina de Ética e Legislação Publicitária 3, procura compreender os conceitos e os autores que dialogam sobre o tema plágio e criação na publicidade. Trata-se de um movimento exploratório inicial que irá 3 Disciplina ministrada pelo Profº Janderle Rabaiolli, ofertada para o 7º semestre do Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda, da Universidade Federal de Santa Maria. 2

3 determinar a base teórica para o Trabalho de Conclusão de Curso, no que compete ao trecho que abordará a legislação e ética publicitária, mais especificamente o plágio na publicidade. O Trabalho de Conclusão de Curso citado pretende compreender por meio dos conceitos de ready-made, bricolagem e intertextualidade/polifonia o processo de criação e de utilização de referências. Além disso, verificar modos de utilização de referências no momento da criação; acompanhar um processo de criação na prática, observando a utilização das referências; identificar níveis (entre as categorias de bricolagem, ready-made e plágio) a partir da análise do discurso, considerando intertextualidade e polifonia; e compreender como funciona a aplicação de leis e regulamentações para direitos autorais na área da publicidade. 2. LEGISLAÇÃO, DIREITOS AUTORAIS E PROCESSOS CRIATIVOS A vida de um profissional publicitário da criação remete-se à busca incessante por referências e inspirações. Quando há um trabalho a ser realizado, desde o briefing, passando pelo brainstorming até chegar à produção, o profissional criativo enxerga-se imerso no trabalho, projetando-o em tudo que observa ao seu redor. Como se todas as embalagens, placas de rua, blogs, marcas de geladeira, plantas, tudo fosse uma possibilidade de criação. Além dessa inspiração cotidiana, ainda há os momentos de pesquisa por referências e inspirações que o criativo passa quando está realmente sentado em frente ao branco - do papel ou da tela - na hora do trabalho propriamente dito. Além disso, há outra ferramenta utilizada pelo criativo: a memória. O profissional de criação utiliza seu repertório para criar, suas vivências, o contexto em que está inserido, seu repertório cultural; vale-se da associação de ideias para compor suas obras publicitárias, e como diria Carrascoza (2008, p.23) está a buscar sempre no background, no estoque de signos, uma matéria-prima para criar. Como se o desafio para ter ideias em publicidade fosse o de descobrir conexões em mensagens e objetos já conhecidos, apenas reutilizando-os em novos contextos, novas abordagens, atribuindo novos significados ao que foi aplicado. Nesse sentido, com o acervo grande de referências a que está submetido, no momento da criação surge a grande dúvida: será que já vi isto antes e estou aplicando 3

4 de forma inadequada?. O receio de cometer plágio, de violar direitos autorais, e até o mesmo o desconhecimento da legislação leva o profissional a pensar nessas questões e preocupar-se ainda mais com o que está criando. Nesse impasse está o desafio do profissional de criação, que precisa procurar o original, num campo vasto de referências e repertórios já conhecidos, com cuidado ao apropriar-se de ideias que possam já ter sido utilizadas. Por isso, quem pretende alcançar mais deve contar com uma materialidade incompatível com a regra da pura essencialidade. Não é o que pretensamente desde sempre foi, mas aquilo que se converteu. Assim como é vão interrogar-se sobre a origem individual das obras frente a sua objetividade, que engloba os momentos subjetivos, assim inútil é também remontar, por outro lado, a sua origem no sentido que lhes é peculiar. (ADORNO, 1970, p ) É importante lembrar que a ética faz parte da profissão, e que essas preocupações de autoria precisam estar na mente do criativo no momento da criação. Mas qual a razão de apropriar-se de figuras ou imagens conhecidas, ou seja, apropriar-se do repertório cultural? Segundo Carrascoza (2008), o já pronto é adotado pela publicidade como para anestesiar a memória do público, como se o receptor aceitasse melhor a mensagem que não lhe é estranha, uma associação que o faça relembrar de outras mensagens já vistas. Seria a utilização do ready-made como um escape para a atual necessidade de os criativos encontrarem ideias que demandem menos tempo e esforço ou que já tragam em seu bojo elementos culturais já deglutidos pelo público, contribuindo inclusive para amenizar as críticas comuns à propaganda e mesmo dissimulando-a como entretenimento. Há também que se considerar o fato de que o produto publicitário resulta da associação de ideias entre o redator e o diretor de criação, sendo assim, se ambos receberem um briefing semelhante ao que foi passado para uma dupla de criativos em outra parte do mundo 4 as chances de chegarem às mesmas soluções são grandes, ainda mais pela possibilidade de buscarem as mesmas referências culturais. É claro que deve se considerar também, neste caso, o contexto em que estão inseridos bem como a cultura da qual fazem parte. 4 CARRASCOZA, 2008, p.125 4

5 Porém, a semelhança entre peças, algumas vezes, esboça que o caso trata-se de plágio ou cópia. Nesses casos é que a legislação e o Direito dialogam com a publicidade. O principal autor que trata das legislações relacionadas à publicidade é Schultz (2005), na obra O publicitário legal. Com base nesta obra, pode-se observar que na própria Constituição Federal, no Artigo 5º, há incisos que tratam da proteção dos direitos relativos à Publicidade. Ou mesmo que limitam os exageros que se pode cometer em nome da criação publicitária exacerbada. Porque o terror de alguns diretores de criação é qualquer limitação - de inspiração, de verba ou de regra - à sua obra, e alguns desses, efetivamente, consideram a Publicidade, além de um ofício, também uma arte. (SCHULTZ, 2005, p.12) Transcrevem-se aqui os incisos XXVII, XXVIII e XXIX, do Artigo 5º, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988: XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar; XXVIII - são assegurados, nos termos da lei: a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e à reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas atividades desportivas; b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos intérpretes e às respectivas representações sindicais e associativas; XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos industriais privilégio temporário para sua utilização, bem como proteção às criações industriais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País; É importante ressaltar que em se tratando de legislação, muitas vezes, a publicidade é relacionada ao que é cultural e artístico, principalmente na lei dos direitos autorais. Como cita Schultz (2005, p.194), os nomes, os conceitos e marcas, e até a redação publicitária, também desfrutam da mesma proteção que o desenho artístico, o design e o texto literário. A chamada Lei dos Direitos Autorais, a Lei 9.610/98, não trata apenas dos direitos do autor, mas também dos que lhe são conexos, ou seja, dos direitos que, de uma forma ou de outra, dizem respeito à utilização da obra ou da imagem das pessoas (SCHULTZ, 2005, p.13). Significa que aquele direito tem relação de dependência, de 5

6 similaridade com algo, no caso, com o direito do autor. Então, os direitos conexos são aqueles que conferem direito, mesmo não sendo um único autor ou sequer sendo do próprio autor. Como, por exemplo, as gravações de uma música, que podem envolver o autor que compôs a letra, o cantor que irá interpretar a música e a gravadora que irá fazer a reprodução. Mas Schultz coloca em evidência que para comprovar o direito autoral, em qualquer situação, é preciso valer-se do papel. No CONAR (Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária), o direito autoral está previsto nos Artigos 38 e 43, da Seção 12 - Do Direito Autoral e Plágio. Artigo 38 Em toda a atividade publicitária serão respeitados os direitos autorais nela envolvidos, inclusive os dos intérpretes e os de reprodução. Artigo 43 O anúncio não poderá infringir as marcas, apelos, conceitos e direitos de terceiros, mesmo aqueles empregados fora do país, reconhecidamente relacionados ou associados a outro Anunciante. O artigo 38 do CONAR remete-se ao mesmo que sugere a Lei dos Direitos Autorais, quando esta se refere aos direitos que são conexos. Há três tipos de direitos: na Propriedade Intelectual, estão os Direitos Autorais - ou Direitos do Autor - e os que lhe são conexos, e na Propriedade Industrial, estão inclusos os direitos que tratam de marcas, patentes, desenho industrial, etc. Há também os Direitos de Personalidade (direito à honra, à imagem, ao nome, à voz), que como o nome diz são próprios da pessoa e não do que ela criou (SCHULTZ, 2005, p.195). Os Direitos de Personalidade geralmente são aplicados na publicidade quando pessoas atuam como modelos para fotos, vídeos ou depoimentos que são aplicados a um produto publicitário. Ao somar os tipos de direito que apresentamos, chegamos a um maior que é a Propriedade Imaterial. É esta a propriedade que se aplica aos direitos e disputas em torno do plágio de uma ideia em publicidade. Ela é imaterial, porque, mesmo pertencendo a alguém, ao contrário de um bem móvel ou imóvel, não pode ser tocada pelas pessoas (SCHULTZ, p.195). Como já citado, o criativo acaba por utilizar o repertório cultural em seu processo criativo. Existem imagens que se tornam instâncias, segundo Carrascoza (2008) e que passam a ser apropriadas e aplicadas em várias outras situações, como é o 6

7 caso da imagem do filme E.T., composta pela bicicleta, pela lua ao fundo, pela sombra do menino e do E.T. Há outro cuidado relacionado ao plágio que precisa ser esclarecido a partir da legislação, pois imagens que se tornam instância, às vezes, são consideradas domínio público, como se pudessem ser utilizadas sem citar suas fontes e sem respeitar direitos autorais. Há uma legislação específica para isso, na Lei 9.610/98, como já citado. Artigo 40 É condenado o uso desrespeitoso da música folclórica, dos folguedos e temas populares que constituem parte integrante do patrimônio cultural do país. O chamado plágio, que é a cópia da obra alheia sem autorização fica, também protegido pelo CONAR, em relação à criação publicitária através do seu artigo 41 (SCHULTZ, 2005, p.198) e também no Artigo 42, o qual se refere ao fato de a criação produzir uma possível confusão com alguma peça anterior. Artigo 41 Este Código protege a criatividade e a originalidade e condena o anúncio que tenha por base o plágio ou imitação, ressalvados os casos em que a imitação é comprovadamente um deliberado e evidente artifício criativo. Artigo 42 Será igualmente condenado o anúncio que configure uma confusão proposital com qualquer peça de criação anterior. Schultz (2005) também esclarece a diferença entre plágio e imitação, que muitas vezes são utilizados como sinônimo. O plágio acontece quando alguém apresenta algo como sendo uma criação própria, quando na verdade ela foi copiada de alguém. Já na imitação, não é apresentada uma criação nova, mas uma cópia idêntica da original, sem modificações. Porém, a questão de imitação acaba aplicando-se mais a um produto acabado (na esfera da Propriedade Industrial), e torna-se um tanto complicada de ser aplicada na esfera da Propriedade Intelectual, que é o caso das ideias e criação em publicidade. É preciso ter bom senso também na utilização de inspirações e referências, que são diferentes de um plágio. Schultz (2005) relata um caso em que um estúdio de vídeos acusou uma agência de usar sua personagem infantil em uma campanha publicitária. O caso solucionado na justiça afirma que não houve plágio, pois as personagens infantis utilizadas eram diferentes, ou seja, houve inspiração, porém não foi considerado plágio. Essas situações ocorrem também com fotos de bancos de dados que, em primeiro lugar 7

8 envolvem direitos autorais. No caso relatado por Schultz, uma agência reproduziu uma foto de banco de dados, de forma muito semelhante à original. Além de proteger a criatividade, tratar de imitação e plágio, o CONAR tenta evitar que sejam feitas peças publicitárias que - nem plagiando e nem imitando - induzam à confusão com algum anúncio criado anteriormente (SCHULTZ, 2005, p.199), desde que seja provado que a confusão foi proposital e fazia parte da estratégia de criação da peça. Artigo 43 O anúncio não poderá infringir as marcas, apelos, conceitos e direitos de terceiros, mesmo aqueles empregados fora do país, reconhecidamente relacionados ou associados a outro Anunciante. Parágrafo único Este Código condena a publicidade que faça uso do símbolo oficial e do nome do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária - CONAR, exceto em anúncios da própria entidade. Falamos em direitos autorais, que trabalham em defesa de quem criou o objeto, porém na publicidade é difícil definir quem é o dono da peça, pois geralmente, o produto publicitário foi criado por alguém dentro de uma agência, e ainda possivelmente criado por uma dupla de criativos um redator e um diretor de criação. Afinal, a quem pertence a obra publicitária? O Artigo 5º da Lei dos Direitos Autorais infere que Art. 5º Para os efeitos desta Lei, considera-se: VIII obra: a) em co-autoria quando é criada em comum, por dois ou mais autores; (...) h) coletiva a criada por iniciativa, organização e responsabilidade de uma pessoa física ou jurídica, que a publica sob seu nome ou marca e que é constituída pela participação de diferentes autores, cujas contribuições se fundem numa criação autônoma. A co-autoria acontece quando dois ou mais autores participaram da criação, no caso da criação publicitária, isso ocorre praticamente em todas as vezes, principalmente pelo trabalho da dupla de criação - redator e diretor de arte. Há ainda, o fato de quem cria em um departamento de criação dentro de uma agência, quase sempre estará criando sob o âmbito de autoria coletiva. Sabemos também que a criação de uma obra publicitária não é o tempo todo coletiva, que cada um tem suas funções e em algum 8

9 momento trabalharão separadamente, porém também é fato que a ideia surge de um brainstorming, de uma construção coletiva de um conceito até chegar às tarefas individuais. Desse modo, chegamos a uma questão mais específica do que a levantada anteriormente: o direito autoral sobre a criação individual, feita pelo publicitário empregado da agência, pertence a quem? (SCHULTZ, 2005, p.206) É preciso considerar que, para criar, o profissional de criação utilizou recursos, materiais, verba, local disponibilizados pela agência empregadora, criando um produto destinado a um cliente que contratou a agência. O Superior Tribunal de Justiça aborda um tópico referente a esse assunto, decidindo que a obra produzida em cumprimento a dever funcional ou durante vigência da relação de trabalho pertence, em co-propriedade, ao empregado e ao empregador, persistindo mesmo após a extinção da relação laboral, decidido em 16/11/1994, publicado no Diário de Justiça em 12/12/1994. Portanto, a partir dessa decisão, conclui-se que neste caso, há co-propriedade entre a empresa e o empregado, ou seja, os dois possuem, cada um, a metade dos direitos autorais de criação, e, mais, que persiste a divisão entre eles (...) mesmo depois de terminado o contrato de trabalho (SCHULTZ, 2005, p.208). Mas, novamente, Schultz (2005) aconselha que um acordo em forma de contrato seja estabelecido e esclarecido entre funcionário e agência. Além da discussão de direitos autorais entre agência e empregador, há outra que se relaciona entre agência e anunciante, como a criação de uma marca, por exemplo, que é criada pela agência, porém passará a ser utilizada e aplicada pelo anunciante que comprou a criação daquela marca. Neste caso, devemos considerar que a agência possui os direitos autorais sobre a obra criada por seu empregado. O Artigo 11 da Lei dos Direitos Autorais esclarece: Art. 11 Autor é a pessoa física criadora da obra literária, artística ou científica. Parágrafo Único. A proteção concedida ao autor poderá aplicar-se às pessoas jurídicas nos casos previstos em Lei. Pressupondo-se então, que a agência já tenha direitos sobre a criação individual de seu empregado, ela pode optar por ceder os direitos autorais, de uma marca, por exemplo, para o anunciante, deixando claro ao anunciante essa relação e registrando-a por escrito. 9

10 E para evitar as confusões que envolvam plágio, conceitos e campanhas podem ser registrados e protegidos pela Lei dos Direitos Autorais, porém no item VI do Artigo 8º da Lei /98, nomes e títulos isolados não são protegidos pela lei, o que significa que o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial), que antes protegia os slogans, hoje não aceita mais registros dessa instância, como alegação de palavras. Para tanto, se a intenção for registrar e provar a anterioridade de criação de um slogan é necessário registrar a campanha ou a marca como um todo. É importante ressaltar também que o autor está assegurado por Lei, mesmo que não tenha registrado sua obra publicitária. No Capítulo III, da Lei 9.610/98 o registro é previsto nos Artigos 18 e 19: CAPÍTULO III Do Registro das Obras Intelectuais: Art A proteção dos direitos de que trata esta Lei independe de registro. Art É facultado ao autor registrar a sua obra no órgão público definido no caput e no 1º do art. 17 da Lei 5.988, de 14 de dezembro de Lei 5.988, de 14 de dezembro de 1973 Art Para segurança de seus direitos, o autor da obra intelectual poderá registrá-la, conforme sua natureza, na Biblioteca Nacional 7, na Escola de Música, na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Instituto Nacional de Cinema 8, ou no Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. 1º - Se a obra for de natureza que comporte registro em mais de um desses órgãos, deverá ser registrada naquele com que tiver maior afinidade. É importante, principalmente em nossa discussão, o registro de uma obra para que, posteriormente, ela não acabe sendo usada indevidamente como referência. Registrando a obra, garante-se a anterioridade da criação. Bom, se não houver registro, a obra está protegida por Lei como vimos, porém podem servir testemunhas, porém o ideal é apresentar uma prova documental - desde o rascunho feito pelo autor da obra, o briefing, o traço, o esboço, o orçamento assinado, o estilo da arte, etc. Tudo pode ser uma prova, mas, claro, a decisão nesse caso fica ao encargo do Judiciário (SCHULTZ, 2005, p.220). As paráfrases e as paródias também estão previstas na Lei dos Direitos Autorais, nos Artigos 47 e 48: Art. 47. São livres as paráfrases e paródias que não forem verdadeiras 10

11 reproduções da obra originária nem lhe implicarem descrédito. Art. 48. As obras situadas permanentemente em logradouros públicos podem ser representadas livremente, por meio de pinturas, desenhos, fotografias e procedimentos audiovisuais. As paráfrases são as interpretações de um texto com palavras próprias, mantendo a ideia original. Já as paródias são as imitações burlescas, irônicas, de uma obra existente (SCHULTZ, 2005, p.235). Mesmo assim, é preciso tomar cuidado para não exagerar nem colocar em descrédito a obra citada. 3. CONCLUSÃO A principal literatura na área de legislação publicitária relacionada ao plágio é Schultz (2005), como já mencionado neste artigo. Porém é preciso observar também que esta é uma literatura que procura concentrar a legislação em uma obra para fins de consulta e pesquisa, mas o que rege definitivamente a atividade publicitária são as Leis disponíveis e que deveriam ser de conhecimento de todos os profissionais. No caso do plágio especificamente, entendemos que há leis que inferem sobre o tema, e uma principal, que é a Lei do Direito Autoral, mas é preciso, sobretudo estar atento às interpretações que a legislação oferece e também estar atento aos órgãos que legislam sobre a atividade publicitária, como o CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), a ABAP (Associação Brasileira de Agências de Publicidade), o CENP (Conselho Executivo de Normas-Padrão), a ABP (Associação Brasileira de Propaganda), e os órgãos regionais, usufruindo dessas associações que contribuem para o fazer publicitário. É importante que os profissionais publicitários conheçam as legislações e os direitos do seu trabalho, e que também trabalhem mediante contratos e registros por escrito. Evitar confusões e saber de que modo se pode trabalhar ou não, não é de nenhuma forma falta de liberdade criativa, mas sim uma forma de produção de obras publicitárias que realmente sejam obras para se apreciar e cumprir sua função de propagar uma ideia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 11

12 ADORNO, TH. W. Experiência e criação artística. Lisboa, Portugal: Edições 70, BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Os gêneros do discurso. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, BARROS, D. L. P; FIORIN, J. L. (orgs.). Dialogismo, polifonia e intertextualidade: em torno de Bakhtin. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, CARRASCOZA, João Anzanello. Do caos à criação publicitária - processo criativo, plágio e ready-made na publicidade. Saraiva, CÓDIGO BRASILEIRO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO PUBLICITÁRIA. CONAR - Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Disponível em < Acesso em 26 de Junho de FILHO, Gino Giacomoni. Tipologias de imitação estética na propaganda. FABESP, KNOLL, Graziela Frainer. A intertextualidade no processo de criação na publicidade. Palhoça: Anais do IX Encontro do CELSUL Círculo de Estudos Linguísticos do Sul. OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, SCHULTZ, Roberto. O publicitário legal: alguns toques, sem juridiquês, sobre o direito da publicidade no Brasil. Rio de Janeiro: Qualitymark,

Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA).

Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA). Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA). A proteção ao direitos autorais independe de registro. Efeito: segurança com presunção relativa aos direitos de propriedade. Finalidade: prova e

Leia mais

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio.

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio. DIREITOS AUTORAIS As informações a seguir foram elaboradas para ajudar a esclarecer as dúvidas mais frequentes sobre ilustração, contratos e direitos autorais. Para maiores informações jurídicas aconselhamos

Leia mais

Direitos autorais Legislação e Normas

Direitos autorais Legislação e Normas 3 Direitos autorais Legislação e Normas Lígia Fascioni Aula de hoje lei autoral tipos de obra registro de obras direitos morais direitos patrimoniais registro e patente de desenho industrial marcas Lei

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre os Direitos Autorais na Arquitetura e Urbanismo, estabelece normas e condições para o registro de obras intelectuais no Conselho de Arquitetura e

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROPAGANDA: ANÁLISE DE PROCESSOS INTERTEXTUAIS EM ANÚNCIOS IMPRESSOS

INTERTEXTUALIDADE E PROPAGANDA: ANÁLISE DE PROCESSOS INTERTEXTUAIS EM ANÚNCIOS IMPRESSOS INTERTEXTUALIDADE E PROPAGANDA: ANÁLISE DE PROCESSOS INTERTEXTUAIS EM ANÚNCIOS IMPRESSOS Introdução Graziela Frainer Knoll 1 Vera Lúcia Pires 2 Este trabalho visa a analisar a linguagem em anúncios publicitários

Leia mais

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SÉRGIO BRANCO Parte 1 INTRODUÇÃO Stephanie Lenz e seu filho Holden: O Caso Let s go Crazy US$ 150,000.00 Parte 2 A PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Intelectual

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 03/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR

NOTA TÉCNICA Nº 03/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Diretoria de Normas NOTA TÉCNICA Nº 03/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR Brasília, 25 de janeiro de 2008. Referência:

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA Grupo de Discussão UFMT/ESUD Cuiabá (MT), 05/11/2010 Geraldo da Cunha Macedo E-mail e MSN: gmacedo@terra.com.br PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Industrial (LPI) Direito

Leia mais

Interatividade UniNorte 1

Interatividade UniNorte 1 Interatividade UniNorte 1 Anne Caroline BARROS 2 Francisco BARBOZA 3 Heverton PAULA 4 Igor SANTOS 5 Eudóxia Pereira da SILVA 6 Márcio Alexandre dos Santos SILVA 7 Centro Universitário do Norte (UniNorte),

Leia mais

Curso de Direitos Autorais

Curso de Direitos Autorais Curso de Direitos Autorais Prof. Heros Elier Martins Neto Bacharel e Mestrando em Direito Civil pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Funcionário do Tribunal de Justiça do Estado de São

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Aplicação em concurso

Aplicação em concurso Marcelle Franco Espíndola Barros (TRF-3 2011 CESPE objetiva) André, Bruno e César realizaram uma mesma invenção, respectivamente, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2011. As invenções foram depositadas

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

Decreto n.º 57.690, de 1.º de fevereiro de 1966

Decreto n.º 57.690, de 1.º de fevereiro de 1966 Decreto n.º 57.690, de 1.º de fevereiro de 1966 Regulamenta a execução da Lei 4.680, de 18 do junho de 1965. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 87, item I, da Constituição

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

Altamente profissionalizados e por dependerem dos recursos oriundos da comunicação de massa - especialmente a TV, os eventos esportivos modernos,

Altamente profissionalizados e por dependerem dos recursos oriundos da comunicação de massa - especialmente a TV, os eventos esportivos modernos, O esporte é um poderoso filão a ser explorado na criação publicitária - e também caminho certo para custosas dores de cabeça se for utilizado sem autorização de quem detém os direitos de uso de marcas

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

O Direito Autoral na Produção de Material Didático: a questão do reaproveitamento. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

O Direito Autoral na Produção de Material Didático: a questão do reaproveitamento. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. O Direito Autoral na Produção de Material Didático: a questão do reaproveitamento Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Algumas dúvidas recorrentes... Em que casos posso utilizar obras de outros autores sem autorização

Leia mais

São Paulo, 27 de agosto de 2010.

São Paulo, 27 de agosto de 2010. São Paulo, 27 de agosto de 2010. Os Artistas Visuais: ilustradores, pintores, escultores, cartunistas e fotógrafos, em comum acordo, através das associações e dos sindicatos que os representam, manifestam,

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 1 INTRODUÇÃO À DIREÇÃO DE ARTE FEVEREIRO 2011 INTRODUÇÃO À DIREÇÃO DE ARTE O QUE FAZ UM DIRETOR DE ARTE? O diretor

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009.

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009. 111 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios PUBLICIDADE E PROPAGANDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DA ÉTICA PARA A PROFISSÃO

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº. 001/2011 CONTRATO ADMINISTRATIVO

DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº. 001/2011 CONTRATO ADMINISTRATIVO DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº. 001/2011 CONTRATO ADMINISTRATIVO Termo de Contrato entre a Câmara Municipal de Vereadores de Erechim e a empresa SUPERATIVA PROPAGANDA E MARKETING LTDA. para a publicação dos

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

DIREITO AUTORAL DIREITO AUTORAL

DIREITO AUTORAL DIREITO AUTORAL Na composição dos direitos autorais, existe uma divisão: direitos morais e direitos patrimoniais. Esses direitos protegem e orientam o autor, no que diz respeito à obra criada por ele. Como autor, há coisas

Leia mais

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR NOME COMPLETO AUTOR PESSOA JURÍDICA, (CNPJ), (inscrição estadual), com sede na Rua, Bairro, Cep -, Cidade - cujo representante legal é o Sr(a).,

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário

Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário 196 Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário Luiz Alberto Carvalho Alves 1 O direito de propriedade consiste nos atributos concedidos a qualquer sujeito de direito, de usar, gozar, fruir e

Leia mais

Criação Publicitária: Uma Análise Sobre Plágio de Rótulos, Embalagens e Marcas de Bebidas. 1

Criação Publicitária: Uma Análise Sobre Plágio de Rótulos, Embalagens e Marcas de Bebidas. 1 Criação Publicitária: Uma Análise Sobre Plágio de Rótulos, Embalagens e Marcas de Bebidas. 1 Rodolfo Samir Jesus da Silva 2 Raquel Marques Carriço FERREIRA 3 Universidade Federal de Sergipe RESUMO O presente

Leia mais

MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER

MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER Caro leitor! Nós, da Tavares Propriedade Intelectual, resolvemos desenvolver este material educativo com o propósito de alertar empresários e executivos da necessidade de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 40. Sobre a evolução do texto publicitário no Brasil, é INCORRETO afirmar:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 40. Sobre a evolução do texto publicitário no Brasil, é INCORRETO afirmar: 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 40 QUESTÃO 41 Sobre a evolução do texto publicitário no Brasil, é INCORRETO afirmar: a) O primeiro anúncio de que se tem notícia no Brasil é de 1808. b) O texto dos anúncios em

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Patentes Conceitos Básicos

Patentes Conceitos Básicos Patentes Conceitos Básicos O que é patente O que é patenteável O que não é patenteável Como é um documento de patente Como definir o escopo de proteção Como é o processo de patenteamento 2014 www.axonal.com.br

Leia mais

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética;

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética; De: Nelson Parente Junior [mailto:parente@santos.sp.gov.br] Enviada em: segunda-feira, 30 de agosto de 2010 11:56 Para: Consulta Direito Autoral Assunto: Consulta Pública Prezado Senhores, encaninho para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Concorrência lícita. Publicidade comparativa não denigre marca alheia Marcel Thiago de Oliveira* Resumo: O presente estudo visa investigar a publicidade comparativa à luz do ordenamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.575, DE 2013 (Do Sr. Giovani Cherini)

PROJETO DE LEI N.º 5.575, DE 2013 (Do Sr. Giovani Cherini) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.575, DE 2013 (Do Sr. Giovani Cherini) Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Produtor Cultural, Esportivo e de Ações Sociais. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE:

Leia mais

COREMA Consultoria em Registro de Marca

COREMA Consultoria em Registro de Marca Quando você decidiu abrir um empreendimento, além de pensar em como desenvolver seu trabalho de forma única e exemplar provavelmente surgiu também a dúvida em relação ao nome de sua empresa: Tenho que

Leia mais

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES Dr Rockfeller Maciel Peçanha Conselheiro e Diretor do CREA-RJ Esta apresentação é de responsabilidade do autor não refletindo necessariamente

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CÁSSIO AUGUSTO BARROS BRANT LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 1ª Edição Belo Horizonte Edição do Autor 2012 B821l Brant, Cássio Augusto Barros

Leia mais

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis ÍNDICE Introdução Terminologia e informações úteis Recomendações para ajudar a prevenir a prática de actos ilegais Contactos úteis Diplomas legais mais relevantes 1/7 Introdução A protecção da propriedade

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

ENTENDA O DIREITO AUTORAL

ENTENDA O DIREITO AUTORAL ENTENDA O DIREITO AUTORAL @Positivo Informática S.A. ENTENDA O DIREITO AUTORAL Au t o r i a : D r ª F l á v i a L u b i e s k a N. K i s c h e l e ws k i C o o r d e n a ç ã o : R a d am é s M a n o s

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

CONAR: NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS

CONAR: NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS : NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Conheça todas as novidades que o Conar está implantando a partir de 10 de abril de 2008 para a publicidade de cervejas, vinhos, aguardentes,

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROJETO BÁSICO AGÊNCIA DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Projeto Básico da Contratação de Serviços: Constitui objeto do presente Projeto Básico a contratação de empresa especializada em serviços de comunicação

Leia mais

Arquitetura e Engenharia com Direitos Autorais

Arquitetura e Engenharia com Direitos Autorais Arquitetura e Engenharia com Direitos Autorais Leandro Vanderlei Nascimento Flôres 2ª edição revista, ampliada e atualizada São Paulo SP 2013 Sumário PREFÁCIO... 7 NOTA DO AUTOR... 9 ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES...

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

Um Diferente Olhar 1. Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa

Um Diferente Olhar 1. Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa Um Diferente Olhar 1 Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa RESUMO O presente artigo visa apresentar a execução, planejamento

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA I Código: HT/OC 261 Curso: Comunicação Social Publicidade e Propaganda Pré-requisito: não tem Natureza: Semestral Carga horária: Aulas teóricas: 30 horas-aula Aulas práticas:

Leia mais

Lei 4.680/65 e decretos relacionados. Lei nº 4.680 de 18 de junho de 1965

Lei 4.680/65 e decretos relacionados. Lei nº 4.680 de 18 de junho de 1965 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Lei 4.680/65 e decretos relacionados Lei nº

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE ANÁLISE DE PLÁGIO. Manual de orientações sobre análise de plágio

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE ANÁLISE DE PLÁGIO. Manual de orientações sobre análise de plágio MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE ANÁLISE DE PLÁGIO 1 Manual de orientações sobre análise de plágio Entenda O que é plágio? Conheça suas implicações Verifique seus arquivos Cite as referências Entenda o que

Leia mais

Direitos autorais e a EAD

Direitos autorais e a EAD Direitos autorais e a EAD 1 II FÓRUM DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO PODER JUDICIÁRIO ROGER TRIMER Boas notícias A educação a distância tem liderado uma tendência de volta do conteúdo didático no processo de

Leia mais

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PESQUISA A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino MARIA APARECIDA DE SOUZA SÃO PAULO, 12 DE MARÇO DE 2013. Agência

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

COLETÂNEA CONTINUA...

COLETÂNEA CONTINUA... Natal, 05 de abril de 2011 PROVA DE REDAÇÃO A prova de redação apresenta uma proposta de construção textual: uma CARTA ABERTA. Com a finalidade de auxiliá-lo(a) na compreensão prévia da temática em foco,

Leia mais

Referência eletrônica de material para concurso: Propriedade Industrial Aplicada Reflexões para o magistrado.

Referência eletrônica de material para concurso: Propriedade Industrial Aplicada Reflexões para o magistrado. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 04 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: Patente de Invenção e de Modelo de Utilidade. Referência eletrônica de material para concurso:

Leia mais

Direitos Autorais 2014/2

Direitos Autorais 2014/2 Manual de Direitos Autorais 2014/2 Suporte ao trabalho de conclusão de curso (TCC) Elisângela Dias Menezes MANUAL DE DIREITOS AUTORAIS Belo Horizonte Julho de 2014 COPYRIGHT 2014 GRUPO ĂNIMA EDUCAÇÃO Todos

Leia mais

Chamada Pública para Inovação e Criatividade na Educação Básica REGULAMENTO

Chamada Pública para Inovação e Criatividade na Educação Básica REGULAMENTO Chamada Pública para Inovação e Criatividade na Educação Básica REGULAMENTO O Ministério da Educação (MEC) anuncia a realização da Chamada Pública para Inovação e Criatividade na Educação Básica, mediante

Leia mais

Outdoor 1. Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP

Outdoor 1. Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP Outdoor 1 Michel KOGA 2 Felippe de MAMBRO 3 Barbara LAVORENTI 4 Thalita CHIARINI 5 Maurilio ZANONI 6 Francisco de ASSIS 7 Ingrid PIETROBOM 8 Luiz CALADO 9 Charles VENTAROLI 10 Natália MORAES 11 Silvia

Leia mais

Brasília, agosto de 2005.

Brasília, agosto de 2005. Brasília, agosto de 2005. A Proteção Legal das Jóias As jóias podem ser protegidas, legalmente, por duas naturezas jurídicas: 1. Registro de Desenho Industrial O desenho industrial protege a forma nova

Leia mais

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a A arte da fotografia Ao longo do tempo, novas formas de arte foram surgindo. Os antigos não conheceram o cinema e a fotografia, por exemplo, que hoje são manifestações artísticas importantes. A proposta

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROPRIEDADE INDUSTRIAL A vigente Lei de Propriedade Industrial (LPI Lei n. 9.279/96) aplica-se à proteção das invenções, dos modelos de utilidade, dos desenhos industriais e das marcas. Para que a invenção

Leia mais

ANEXO ÚNICO DECRETO Nº 15.337, DE 21 DE AGOSTO DE 2015. V PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO REGULAMENTO CAPÍTULO I.

ANEXO ÚNICO DECRETO Nº 15.337, DE 21 DE AGOSTO DE 2015. V PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO REGULAMENTO CAPÍTULO I. ANEXO ÚNICO DECRETO Nº 15.337, DE 21 DE AGOSTO DE 2015. V PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO REGULAMENTO O prefeito municipal de Teresina, Firmino da Silveira Filho e o superintendente da

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 65, de 2012 (Projeto de Lei nº 1.263, de 2003, na origem), de autoria do Deputado Leonardo Monteiro,

Leia mais

A Instrução Nº 1. - Sindicato dos Agenciadores de Publicidade e Trabalhadores em Empresas de Publicidade de São Paulo

A Instrução Nº 1. - Sindicato dos Agenciadores de Publicidade e Trabalhadores em Empresas de Publicidade de São Paulo A Instrução Nº 1 A Instrução Nº 1 FEBRASP - Federação Brasileira de Publicidade ABAP - Associação Brasileira de Agências de Propaganda - Sindicato dos Agenciadores de Publicidade e Trabalhadores em Empresas

Leia mais

IV PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO REGULAMENTO

IV PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO REGULAMENTO IV PRÊMIO CIDADE DE TERESINA DE EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO REGULAMENTO O Prefeito Municipal de Teresina, Firmino da Silveira Soares Filho e o Superintendente da STRANS (Superintendência Municipal de Transportes

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira)

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) Dispõe sobre a política de contratação e licenciamento de obras intelectuais subvencionadas pelos entes do Poder Público e

Leia mais

Manual de Práticas Comerciais

Manual de Práticas Comerciais Manual de Práticas Comerciais MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1. COMPROMISSO COM A QUALIDADE DE VEICULAÇÃO 1.1 ENTREGA DO PEDIDO DE INSERÇÃO (P.I.) 1.2 VENCIMENTO DE FATURAS 1.3 ALTERAÇÃO

Leia mais

Inovação tecnológica e empreendedorismo:

Inovação tecnológica e empreendedorismo: Inovação tecnológica e empreendedorismo: Ciência, desenvolvimento tecnológico, proteção industrial e geração de novos negócios Prof. Dr. Cleber Gustavo Dias 22/09/2015 Programação da oficina 1. Relações

Leia mais

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA Vera Maria Ramos Pinto (PG - UEL / GP Leitura e Ensino- CLCA- UENP/CJ) Anúncios interativos são aqueles criados com a finalidade de levar o leitor a

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Marcelo André de Azevedo Promotor de Justiça no Estado de Goiás. Assessor Jurídico do Procurador-Geral de Justiça e Coordenador da Procuradoria de Justiça

Leia mais

Excelentíssima Senhora Doutora Desembargadora Federal Relatora da Quarta Turma do Egrégio Tribunal Regional Federal da Terceira Região

Excelentíssima Senhora Doutora Desembargadora Federal Relatora da Quarta Turma do Egrégio Tribunal Regional Federal da Terceira Região Excelentíssima Senhora Doutora Desembargadora Federal Relatora da Quarta Turma do Egrégio Tribunal Regional Federal da Terceira Região (TRF3-24/jul/2008.147506-MAN/UTU4) Autos nº 2004.03.99.038512-0 Substituto

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa MANUAL DE NORMAS 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa A criação da composição musical ou lítero-musical, a produção fonográfica, a direção musical, a direção

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE

A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE Thiago Leonardo Ribeiro (Bolsista PIBIC UENP/Fundação Araucária) Vera Maria Ramos Pinto (GP Leitura e Ensino CLCA - UENP/CJ)

Leia mais

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo - SIGA, da

Leia mais

11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO

11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO 11ª MOSTRA ABD CINE GOIÁS LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD-GO 2ª EDIÇÃO REGULAMENTO DATA E LOCAL Artigo 1º O LABORATÓRIO PERMANENTE DE ROTEIROS E PROJETOS ABD- GO 2ª EDIÇÃO ocorrerá simultaneamente

Leia mais

Atualização 18/12/09 Versão Final 1

Atualização 18/12/09 Versão Final 1 Atualização 18/12/09 Versão Final 1 Atualização 18/12/09 Versão Final 2 GLOBO.COM MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS PARA INTERNET APRESENTAÇÃO 1 - COMPROMISSO COM A QUALIDADE DE VEICULAÇÃO 1.1 - ENTREGA DO

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

PropriedadeIntelectual Uma visãogeral. GuilhermeGalante

PropriedadeIntelectual Uma visãogeral. GuilhermeGalante PropriedadeIntelectual Uma visãogeral GuilhermeGalante PropriedadeIntelectual Propriedade Intelectual trata-se de bem imaterial, intangível, fruto da criatividade humana. produtos, processos ou serviços,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais