TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL O QUEIJO PRATO, MUSSARELA E ROQUEFORT Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira

2 Minas Padrão Trata-se provavelmente de um dos queijos brasileiros mais antigos. Estima-se que sua fabricação tenha se iniciado no século XIX, no Estado de Minas Gerais. É um queijo macio, porém mais seco e firme, de coloração interna branco-creme e casca fina amarelada. Esta casca se forma nos primeiros 10 dias de maturação. Apresenta um sabor pronunciado, ligeiramente ácido com algumas olhaduras irregulares. Seu formato é cilíndrico e seu peso varia entre 800g a 1,2 kilos. É também conhecido como Minas Curado ou Minas Prensado. Existem outros queijos de características similares porém feitos a partir de leite cru, conhecidos como Queijo do Serro, da Canastra e Queijo de Coalho.

3 TECNOLOGIA DO QUEIJO PRATO Leite pasteurizado teor gordura padronizado 3,4 a 3,6 % Pasteurização Resfriamento Tanque de coagulação aquecimento a 32 o C Adição de 50 ml/100ml de Cl 2 Ca 50% Cultura láctica 1,5% Lactococcus lactis e Lactococcus cremoris 5 a 10 ml de corante vegetal urucum Leite agitado e depois em repouso por 40 min Corte da coalhada Aplicar a lira horizontal e depois a vertical ( grãos de 0,3 a 0,5 cm3) Acidez do soro 2/3 da acidez do leite no momento da adição do coalho Repouso 5 min. 2a. Mexedura Violenta - retira-se um volume de soro equivalente a 30% do volume de leite. Movimenta-se com rapidez para maior separação do soro dos grãos Repouso 5 min grãos Das coalhadas distribuídas no soro Inicia-se aquecmento com água filtrada a 70 60oC, aspergida ao longo de todas extensão do tanque Coalho suficiente para Coagulação min agita 1a. Mexedura 20 min Lentamente(consistência dos Grãos e suportar aquecimento e vigor da segunda mexedura Aquecimento até 41 a 42 o C 60 a 80 min do corte Transfere p/ tanque de prensagem

4 batidura

5 TECNOLOGIA DO QUEIJO PRATO (cont) prensada por 15 a 20 min, sob pressão de 3,5 kg 4,2 kg/cm 2 Corte em blocos Desenformagem Salga 20 % sal/12 o C 1 kg queijo/3 l salmoura 48 h Tempo peso e formato Estocagem câmara-fria 12 o C 100 kg/m 3 21 dias Enformagem ( plástico c/ Dessorador) 2 h 30 min 1,4 2,1 kg/cm2 Virados 90 min 2,1 2,8 kg/cm2 Enformados até ph 5,5 a 5,7 Remoção e drenagem Embalagem cry-o-vac Embalagem cx papelão Expedição

6 MOZZARELLA

7 Origem Mozzarella A Itália produz toneladas de mozzarella a partir do leite de cerca de búfalas. A maior parte deste queijo (80 por cento) é produzido na Campânia, a região mais pobre de Itália, segundo os dados do Eurostat. Da produção total de mozzarella de leite de búfala, é exportada 16 por cento. O Japão importa 329 toneladas e a Coreia do Sul 10 toneladas. O mozzarela de búfala está protegido por uma denominação de origem e apresenta-se sob a forma de bolinhas ou de discos de espessura variável (100 gramas a 1 kg) conservados em água salgada ou soro de leite. Tem um teor de gordura de 52 por cento e é normalmente consumido com tomate e manjericão ou no final das refeições.

8 TECNOLOGIA DO QUEIJO MUSSARELA Leite(vaca ou búfala) 3 a 3,4 % gordura Pasteurização Resfriamento 32 o C Adição de fermento láctico ClCa g/100 l Stretp. lactis e cremoris 1 a 1,5 % Repouso 40 min Homogeinização 20 min 3 a 5 min intervalo Dessoragem(*) Ponto de Filagem Resfria a 5 o C Filagem Aquece a 82oC Filar com pá de madeira Resfria em água fria moldagem Enformagem Salga Salmoura 23 % 48h 10 o C Embalagem em cry-o-vac 5 o C (*) empurra a massa p/ 1 lado do tanque Corta em blocos 15 x 30 cm, coloca em sacos de pano sobre a mesa à TA. Produção de ácido Converte caseinato de di-cálcio Caseinato de cálcio 70 a 80 o C, ph 5,2 a 5,4

9 Região de Roquefort(França)

10 Queijo Roquefort

11 CAVE DE ROQUEFORT

12

13

14

15

16 CARACTERÍSTICAS Roquefort Production Area Milk Pasteurized Texture Southern France Ewe milk (whole) No Semi-hard Fat content approx. 36% Protein content approx. 22% Dimensions/weight Aging time Certification 25cm x 10cm thick/2.5-3kg approx. 3 months AOC

17 TECNOLOGIA DO QUEIJO ROQUEFORT Leite(ovelha) o D 4,5 % gordura Pasteurização Resfriamento o C Adição de fermento láctico ClCa g/100 l Stretp. lactis e cremoris, Penicillium Roquerfort 1 a 1,5 % Repouso min (vedado) Corte cruzado( 1cc) grãos soro o D Repouso (15 min) Salga(300g/100ml) Asperge cultura em pó de mofo e cultura do pão 5 a 8 % Enformagem Salga seca oc 3 a 4 dias Virando-os(*) Lava-se Maturação oc % UR (**) Raspagem Embalagem com papel laminado Estanhado/celofane Câmara-fria a baixa temperatura Expedição Rendimento 14 % (*) até transborde coloca-se anel Veda-se vira-se após 20 min Retiram-se os queijos, Coloca-se em forma furada e vira-se constantemente por 40 min Retira-se lava-se em água quente Enforma-se por h sob pressão (**) vira-se diariamente 7 o. Dia fura-se 40 a 45 furos Com garfos de prata 2 mm diâmetro, paralelamente ao eixo lado a lado. Deixa-se por 2 a 3 meses Até aparecer limo rosado

18 Vídeos para ver globoruraltv.globo.com/.../0,28073,326383,00.html Making cheese with Mike Rowe how to make cheese PRODUÇÃO DE QUEIJOS FINOS E QUEIJOS MOFADOS

Recepção. Beneficiamento do leite

Recepção. Beneficiamento do leite Recepção Beneficiamento do leite Seleção do leite Provas de plataforma Provas sensoriais: aspectos visuais e aroma Prova do alizarol: leite deve ser estável alizarol 72%v/v Características de um leite

Leia mais

Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga

Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga 1. CREME DE LEITE 1.1 Conceito Produto lácteo relativamente rico em gordura retirada do leite por procedimento tecnologicamente adequado,

Leia mais

FABRICAÇÃO DO QUEIJO PRATO

FABRICAÇÃO DO QUEIJO PRATO FABRICAÇÃO DO QUEIJO PRATO Margarita M a Domínguez Londoño. 1 Luiz Ronaldo de Abreu 2 I INTRODUÇÃO O queijo Prato é o único queijo tipicamente brasileiro e representa aproximadamente 40% da produção total

Leia mais

Agroindústria. Agroindústria: Processamento do Leite Queijo Minas Frescal, Meia-Cura, Mussarela

Agroindústria. Agroindústria: Processamento do Leite Queijo Minas Frescal, Meia-Cura, Mussarela 1 de 5 10/16/aaaa 10:48 Agroindústria Agroindústria: Processamento do Leite Queijo Minas Frescal, Meia-Cura, Mussarela Processamento do Leite : Nome Queijo Minas Frescal, Meia-cura, Mussarela Produto Informação

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 45, DE 23 DE OUTUBRO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Comunicado105 Técnico

Comunicado105 Técnico Comunicado105 Técnico Prática e Processo Agropecuário On line ISSN 1676-7675 Sobral, Ce Dezembro, 2009 Processamento do queijo andino caprino maturado e defumado Luís Eduardo Laguna 1 Antônio Sílvio do

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Todas os alimentos deverão seguir o critério geral de: 1) Características microscópicas: Isento de substâncias estranhas de qualquer natureza. 2) Rotulagem:

Leia mais

Comunicado Técnico. Médico-veterinário, zootecnista, mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, pesquisador da Embrapa Caprinos e Ovinos.

Comunicado Técnico. Médico-veterinário, zootecnista, mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, pesquisador da Embrapa Caprinos e Ovinos. Foto: Alisson Cardoso Comunicado Técnico Prática e Processo Agropecuário On-line 156 ISSN 1676-7675 Setembro, 2016 Sobral, CE Queijos caprinos elaborados com cultura láctica termofílica Luís Eduardo Laguna

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE MÉTODOS NA FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS ARTESANAL (CANASTRA) (1)

PADRONIZAÇÃO DE MÉTODOS NA FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS ARTESANAL (CANASTRA) (1) PADRONIZAÇÃO DE MÉTODOS NA FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS ARTESANAL (CANASTRA) (1) Michael Mitsuo Saito (2), Fernando Antônio Resplande Magalhães (3), Braz dos Santos Neves (3), Paulo Henrique Fonseca da Silva

Leia mais

Mozzarella de Búfala. Fior Di Latte, Bocconcino e Cerejas de Leite. Bocconcino e Cerejas de Leite Light

Mozzarella de Búfala. Fior Di Latte, Bocconcino e Cerejas de Leite. Bocconcino e Cerejas de Leite Light PARCEIRA DO Fior Di Latte, Bocconcino e Cerejas de Leite Fior di Latte, Bocconcino e Cerejas de Leite são mozzarellas elaboradas a partir de uma combinação cuidadosamente balanceada de leite de búfala

Leia mais

LOTE 01 V.TOTAL MARC A Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL

LOTE 01 V.TOTAL MARC A Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL LOTE 0 Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL 9 MARC A V. UNIT. Charque bovino embalado à vácuo com composição nutricional e SIF, embalagem de 00g, acondicionados em caixa de papelão produtos

Leia mais

Rendimento na Fabricação de Queijos

Rendimento na Fabricação de Queijos Nova abordagem sobre Rendimento na Fabricação de Queijos Sérgio Casadini Vilela RENDIMENTO Rendimento econômico - o controle de litros de leite/ Kg de queijo (auxilia cálculo dos custos) Rendimento técnico

Leia mais

São considerados derivados do leite aqueles produtos obtidos mediante a aplicação de uma dada tecnologia/processamento conhecido e direcionado ao

São considerados derivados do leite aqueles produtos obtidos mediante a aplicação de uma dada tecnologia/processamento conhecido e direcionado ao UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ O QUE SÃO? São considerados derivados do leite aqueles produtos obtidos mediante a aplicação de uma dada tecnologia/processamento conhecido e direcionado ao leite. 2

Leia mais

I Simpósio de Queijos Artesanais do Brasil. Papel da Universidade na Pesquisa, Ensino e Extensão na Produção do Queijo Coalho artesanal

I Simpósio de Queijos Artesanais do Brasil. Papel da Universidade na Pesquisa, Ensino e Extensão na Produção do Queijo Coalho artesanal I Simpósio de Queijos Artesanais do Brasil Papel da Universidade na Pesquisa, Ensino e Extensão na Produção do Queijo Coalho artesanal Prof. Dr. José Fernando Mourão Cavalcante Universidade Estadual do

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

Prof. Luiz Carlos G. COSTA JÚNIOR Pesquisador, DSc EPAMIG ILCT Juiz de Fora MG - BRASIL

Prof. Luiz Carlos G. COSTA JÚNIOR Pesquisador, DSc EPAMIG ILCT Juiz de Fora MG - BRASIL padronização de leite para fabricação de queijo Prof. Luiz Carlos G. COSTA JÚNIOR Pesquisador, DSc EPAMIG ILCT Juiz de Fora MG - BRASIL A padronização de leite para queijo ainda hoje... gera muita distorção

Leia mais

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 14 a 18 de outubro de 2013

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 14 a 18 de outubro de 2013 ESTUDO DE RENDIMENTO E VIABILIDADE ECONÔMICA DA FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL COM ADIÇÃO DE TRANSGLUTAMINASE MICROBIANA ( COM E SEM MEXEDURA AMILCAR MACHADO PEREIRA JÚNIOR 1, SÉRGIO AUGUSTO DE SOUSA

Leia mais

ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO

ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO ANEXO I MÉDIO ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO 1. Açúcar Cristal puro e natural sem sujeiras, insetos ou corpos estranhos Saco plástico atóxico de 1kg acondicionados em fardo de 10kg a 2. Arroz Subgrupo parabolizado

Leia mais

Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho

Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho Felipe Alves de Almeida (1), Júnio César Jacinto de

Leia mais

PREÇO TOTAL PREÇO UN ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA

PREÇO TOTAL PREÇO UN ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA ADENDO PLANILHA SIMPLIFICADA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA. ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA 1 4880 kg 2 380 kg 3 2235 kg Polpa de fruta (natural), congelada, pacote de 1 kg, sabores: maracujá,

Leia mais

Potencialidades e Condicionantes na Semi-industrialização do Queijo Serra da Estrela

Potencialidades e Condicionantes na Semi-industrialização do Queijo Serra da Estrela Potencialidades e Condicionantes na Semi-industrialização do Queijo Serra da Estrela Ana Raquel Madureira, Freni Tavaria, Ana M. Gomes, Manuela Pintado Seminário de Encerramento do CICLO DE DEBATES PROSE

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ / PAUTA DOS GENEROS ALIMENTICIOS REFERENTE A 10 PARCELAS DE 2015. PROGRAMAS DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAEF, PANEP, PANE EJA, PANE- MEDIO E MAIS EDUCAÇÃO. TERMO DE REFERENCIA ITE DESCRIÇÃO / MARCA / VALIDADE

Leia mais

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO LEITE O leite é o produto da secreção das glândulas mamárias dos mamíferos. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS O leite é

Leia mais

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 364, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

III CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS E PREPARO DE AMOSTRAS

III CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS E PREPARO DE AMOSTRAS III CARACTERÍSTICAS SENSORIAIS E PREPARO DE AMOSTRAS CASEÍNA INDUSTRIAL 1.1. Aspecto: granuloso ou pulverizado; 1.2. Cor: branca ou amarelada; 1.3. Odor: levemente de soro azedo. Homogeneizar a amostra,

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ

COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ Comparison of proteolysis index of artisanal cheeses from regions of Cerrado and Araxá Denise SOBRAL 1 Maximiliano

Leia mais

CÓDIGO QUEIJOS FRESCAIS PEÇAS EMBALAGEM VALIDADE PREÇOS QUANT Cottage 250g 250g CX. C/12 PÇ 30 DIAS R$ 6,80 UN.

CÓDIGO QUEIJOS FRESCAIS PEÇAS EMBALAGEM VALIDADE PREÇOS QUANT Cottage 250g 250g CX. C/12 PÇ 30 DIAS R$ 6,80 UN. QUEIJOS FRESCAIS CÓDIGO QUEIJOS FRESCAIS PEÇAS EMBALAGEM VALIDADE PREÇOS QUANT. 001078 Cottage 250g 250g CX. C/12 PÇ 30 DIAS R$ 6,80 UN. 001036 Cottage 400g 400g CX. C/12 PÇ 30 DIAS R$ 10,10 UN. 001088

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Hortaliças Preparo do picles ácido

Agroindústria Processamento Artesanal de Hortaliças Preparo do picles ácido 1 de 5 10/16/aaaa 10:31 Agroindústria Processamento Artesanal de Hortaliças Preparo do picles ácido Processamento artesanal hortaliças: Nome preparo de picles ácido Informação Produto Tecnológica Data

Leia mais

FICHA TÉCNICA Queijo de Ovelha Curado

FICHA TÉCNICA Queijo de Ovelha Curado Queijo de Ovelha Curado A - COMPOSIÇÃO DO É produzido com leite cru de ovelha, durante todo o ano. O seu período de maturação tem normas específicas e é PRODUTO no mínimo de 45 dias. Tem um aroma e paladar

Leia mais

PLANO HACCP. 5- Recepção do sal O sal é recepcionado à temperatura ambiente em sacos de polietileno de 25Kg.

PLANO HACCP. 5- Recepção do sal O sal é recepcionado à temperatura ambiente em sacos de polietileno de 25Kg. Ideal DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE FABRICO Página: 1 / 5 1- Recepção do leite de vaca O Leite de vaca dá entrada na Queijaria Ideal num camião cisterna isotérmico a uma temperatura inferior a 6ºC. 2- Recepção

Leia mais

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7

ESPUMA PARA TELHAS. Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Data: 13/01/12 Pág. 1 de 7 Dados técnicos: Base Poliuretano Consistência Espuma estável Sistema de endurecimento Polimerização pela humidade do ar Formação de pele Ca. 8 min. (20 C/65% H.R.) Tempo de secagem

Leia mais

Fermento Massa Sal Seco Instantâneo

Fermento Massa Sal Seco Instantâneo Os melhores ingredientes em boas mãos Fermento Biológico Fresco Fermento Biológico Seco Instantãneo Fermento Massa Sal Fermento Biológico Seco Instantâneo Ideal para massas com até 7,5% de açúcar Não precisa

Leia mais

AVISO DE RESULTADO DE LICITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA-MG - PROCESSO Nº 095/ PREGÃO PRESENCIAL Nº 048/2016.

AVISO DE RESULTADO DE LICITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA-MG - PROCESSO Nº 095/ PREGÃO PRESENCIAL Nº 048/2016. AVISO DE RESULTADO DE LICITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA-MG - PROCESSO Nº 095/2016 - PREGÃO PRESENCIAL Nº 048/2016. Objeto: REGISTRO DE PREÇOS para compra de PÃO, LEITE E DERIVADOS, atendendo

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE CEREAIS ARROZ BRANCO - Comum, classe longo fino, agulha, tipo 2, isento de matéria terrosa, pedras, fungos ou parasitas, livre de umidade, com grãos inteiros. Acondicionado

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos 1 Pioneirismo e inovação em produtos saudáveis! A Verde Campo é uma indústria de laticínios que possui foco em inovação e alto rigor técnico para garantir alimentos e estilo de vida

Leia mais

VENCEDORES DE PREÇOS SIMPLES POR SECRETARIA. Pregão Presencial Nº / /03/ Processo Nº /2013

VENCEDORES DE PREÇOS SIMPLES POR SECRETARIA. Pregão Presencial Nº / /03/ Processo Nº /2013 PREFEITURA MICIPAL DE SÃO JOSÉ DO CALÇADO Vencedor SUPERMERCADO CONRADO LTDA EPP CNPJ 04.115.225/0001-44 Endereço Praça PRAÇA JOAO ACACINHO, 180 - Centro - Guaçuí - ES - CEP: 29560000 Contato 2835532529

Leia mais

QUALIDADE HIGIO-SANITÁRIA E QUÍMICA DO LEITE E QUEIJO DA CABRA SERPENTINA

QUALIDADE HIGIO-SANITÁRIA E QUÍMICA DO LEITE E QUEIJO DA CABRA SERPENTINA QUALIDADE HIGIO-SANITÁRIA E QUÍMICA DO LEITE E QUEIJO DA CABRA SERPENTINA M.E.POTES, C.M.PINHEIRO H.BABO, N.CAVACO, A. CACHATRA J.B.FIALHO INTERREG III Sub-programa 5 Andaluzia Algarve Alentejo MELHORAMENTO

Leia mais

Funções dos Ingredientes na Panificação

Funções dos Ingredientes na Panificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE PANIFICAÇÃO E PRODUÇÃO DE AMIDO Funções dos Ingredientes na Panificação Prof. ª Elessandra

Leia mais

Treinamento: Produção caseira de pães e biscoitos Código 889

Treinamento: Produção caseira de pães e biscoitos Código 889 ORIENTAÇÕES PARA EXECUÇÃO PROMOÇÃO SOCIAL Treinamento: Produção Caseira de Pães e Biscoitos Código: 889 Carga horária: 24 h Vagas: 13 a 16 participantes Requisitos para o participante: Idade mínima: 18

Leia mais

Instrução Normativa 51. Qualidade do leite. Contagem Bacteriana Total. Células Somáticas. Ordenhador ideal? Manejo de ordenha e conservação

Instrução Normativa 51. Qualidade do leite. Contagem Bacteriana Total. Células Somáticas. Ordenhador ideal? Manejo de ordenha e conservação 2 Ordenhador ideal? 3 Instrução Normativa 51 Qualidade do leite Sanidade da Glândula Mamária Manejo de ordenha e conservação Células Somáticas Contagem Bacteriana Total 5 6 1 LEITE Qualidade nutricional

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO. Modalidade Pregão Presencial para Registro de Preço nº 045/2014

HOMOLOGAÇÃO. Modalidade Pregão Presencial para Registro de Preço nº 045/2014 Homologação de processo licitatório HOMOLOGAÇÃO Modalidade Pregão Presencial para Registro de Preço nº 045/2014 Analisado o processo licitatório acima referido delibero pela homologação do objeto aos classificados,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICA DO EMPREGO DE RESINA PARA TRATAMENTO DA CASCA DE QUEIJOS ARTESANAIS DA CANASTRA 1

AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICA DO EMPREGO DE RESINA PARA TRATAMENTO DA CASCA DE QUEIJOS ARTESANAIS DA CANASTRA 1 Pág. 39 AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE TÉCNICA DO EMPREGO DE RESINA PARA TRATAMENTO DA CASCA DE QUEIJOS ARTESANAIS DA CANASTRA 1 Assessment of the technical viability of the use of resin for the rind treatment

Leia mais

Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga

Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga. Associação dos Produtores Feirantes de Formiga AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Data Abertura: 25/04/2016 Horário Abertura: 12:30 h Mapa de Apuração dos Vencedores ITEM PRODUTO PRODUTOR 1 Doce de goiaba mole, de ótima qualidade, íntegro, produzido

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS

ELABORAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS ELABORAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS Prof. Roberto de Oliveira Roça Departamento de Gestão e Tecnologia Agro-industrial Fazenda Experimental Lageado, Caixa Postal, 237. F.C.A. - UNESP - Campus de Botucatu

Leia mais

Processamento de Queijo de Cabra com Ervas Aromáticas

Processamento de Queijo de Cabra com Ervas Aromáticas Comunicado Técnico Novembro, 81 ISSN 1676-7675 Sobral, CE 2007 Processamento de Queijo de Cabra com Ervas romáticas FOTO ntônio Sílvio do Egito 1 Karina Olbrich dos Santos 2 Luis Eduardo Laguna 3 Selene

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina TAL455 Tecnologia de Queijos Especiais

Programa Analítico de Disciplina TAL455 Tecnologia de Queijos Especiais 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 7 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária

Leia mais

MUNICÍPIO DE AÇAILÂNDIA (MA) PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE AÇAILÂNDIA (MA) PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO RESENHA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2016/PP001/2016PMA/MA. OBJETO: Registro de Preços para eventual contratação de pessoa(s) jurídica(s) para aquisição gêneros alimentícios destinados a Alimentação

Leia mais

EMBALAGEM PRIMÁRIA: tipo TETRA PAK, contendo 200 ml em cada unidade. EMBALAGEM SECUNDÁRIA: caixa de papelão com até 27 unidades.

EMBALAGEM PRIMÁRIA: tipo TETRA PAK, contendo 200 ml em cada unidade. EMBALAGEM SECUNDÁRIA: caixa de papelão com até 27 unidades. EMPRESA: AIKI COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO LTDA ENDEREÇO: Av: Presidentes Vargas - BR 316 - Bairro - Ianetama - Castanhal - Pará CNPJ: 04.848.586/0001-08 FONE: (91) 3711-4042 EMAIL: licitacao@aiki.com.br PLANILHA

Leia mais

Aceito para: VICENTE DE PAULO FERREIRA ME, por R$ 13,3500 Quantidade: 95

Aceito para: VICENTE DE PAULO FERREIRA ME, por R$ 13,3500 Quantidade: 95 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS DEPARTAMENTO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO PROCESSO: 23070.008054/2016-61 PREGÃO Nº. 173/2016 SRP CONTRATAÇÃO DE

Leia mais

Abobrinha Italiana Recheada

Abobrinha Italiana Recheada Abobrinha Italiana Recheada Tempo de preparação: 40 Minutos Tempo de cozimento: 10 Minutos Tempo de espera: 30 Minutos Você vai precisar: 1 abobrinha italiana grande 200 ML de leite desnatado 1/2 cebola

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 14:32 horas do dia 06 de junho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Esteio, designado pela portaria 0185/2012 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALEGRE ES CNPJ / RELATÓRIO -

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALEGRE ES CNPJ / RELATÓRIO - 1 - RELATÓRIO - Modalidade de Licitação: Pregão Presencial para Registro de Preço (PPRP) n 004/2014 Processo n : 7187/2013 de 27/11/2013 Objeto: AQUISIÇÃO DE GENEROS ALIMENTICIOS DO TIPO NÃO PERECÍVEIS,

Leia mais

História CREDIBILIDADE

História CREDIBILIDADE História A ENTREMINAS iniciou suas atividades como distribuidora de laticínios no ano de 1990. Em 1992 inaugurou sua primeira unidade fabril no município de São Sebastião da Bela Vista - Sul de Minas Gerais,

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE Ângela Maria Fiorentini QUALIDADE DO LEITE Organoléptica Nutricional Físico-química Microbiológica LEITE E PRODUTOS Fonte : Rabobank, adaptado por Otavio A. C. De Farias LEITES

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E SERVIÇOS LOGÍSTICOS

SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E SERVIÇOS LOGÍSTICOS RELAÇÃO DE ITENS Item Serviço Unidade Qtd 1 Água mineral sem gás, e embalada em 2 Água mineral sem gás, embalada em garrafa transparente de 1,5, Ph de 4,1 a 9,2 a 25 C, validade mínima de 12 meses. 3 Água

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

O começo de uma grande receita

O começo de uma grande receita O começo de uma grande receita Fermento Biológico Fresco Massa Sal Ideal para massas com até 7,5% de açúcar Alto poder fermentativo Uniformidade de ação Massa Congelada Massa Doce Melhor desempenho em

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO MÁXIMO E QUANTIDADES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO MÁXIMO E QUANTIDADES ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Administração e da Previdência - SEAP Departamento de Administração de Material - DEAM Sistema GMS - GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO

Leia mais

RAMVI, Getúlio Vargas, v. 01, n. 02, julh./ dez

RAMVI, Getúlio Vargas, v. 01, n. 02, julh./ dez RAMVI, Getúlio Vargas, v. 01, n. 02, julh./ dez. 2014. PROCESSAMENTO DO LEITE PARA A FABRICAÇÃO DO QUEIJO NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS CAMOZZATO LTDA, SANANDUVA - RS Roberto Fracasso Titulação: Tecnólogo

Leia mais

Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação

Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação Larissa Pereira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES TECNOLOGIAS PARA PRODUÇÃO DE QUEIJO PRATO A PARTIR DE LEITE CONCENTRADO POR EVAPORAÇÃO A VÁCUO

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES TECNOLOGIAS PARA PRODUÇÃO DE QUEIJO PRATO A PARTIR DE LEITE CONCENTRADO POR EVAPORAÇÃO A VÁCUO Pág. 42 Rev. Inst. Latic. Cândido Tostes, Set/Out, nº 376, 65: 42-46, 2010 AVALIAÇÃO DE DIFERENTES TECNOLOGIAS PARA PRODUÇÃO DE QUEIJO PRATO A PARTIR DE LEITE CONCENTRADO POR EVAPORAÇÃO A VÁCUO Evaluation

Leia mais

RECEITA. Cobertura. Ingredientes. Modo de preparo

RECEITA. Cobertura. Ingredientes. Modo de preparo 1/2 xícara de óleo 3 cenouras médias cortadas em pedaços ( 2 e ½ xícaras ) 4 ovos 2 xícaras de açúcar 3 xícaras de farinha de trigo com fermento Cobertura Cobertura sabor chocolate fracionado derretido

Leia mais

Considerando a Resolução MERCOSUL GMC, nº 82/96, que aprovou o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Requeijão ou Requesón;

Considerando a Resolução MERCOSUL GMC, nº 82/96, que aprovou o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Requeijão ou Requesón; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 359, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo

O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo DEFUMAÇÃO O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo necessário um controle rigoroso de cada uma das etapas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DRACENA SP ANEXO VII

PREFEITURA MUNICIPAL DE DRACENA SP ANEXO VII PREFEITURA MICIPAL DE DRACENA SP Item Especificações Unid. Quantidade 1 ABACAXI ABACAXI 2 ABÓBORA PAULISTA ABÓBORA PAULISTA 3 ACHOCOLATADO EM PÓ DE 400 GR. ACHOCOLATADO EM PÓ DE 400 GR 4 ALFACE CRESPA

Leia mais

Fumados 100% Natural Sem Corantes, Conservantes e Aditivos

Fumados 100% Natural Sem Corantes, Conservantes e Aditivos Fumados 100% Natural Sem Corantes, Conservantes e Aditivos Fumeiro Ti Cinda Conseguimos manter a tradição, qualidade e o sabor tão característico dos produtos tradicionais. A confiança que os nossos produtos

Leia mais

Agroindústria. Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro

Agroindústria. Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro 1 de 5 10/16/aaaa 10:35 Agroindústria Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro Processamento artesanal de farinhas e Nome farináceos : fabricação de pão caseiro Produto

Leia mais

Tabule Rendimento 4 porções

Tabule Rendimento 4 porções Tabule Rendimento 4 porções - 4 tomates picados - 1 xícara (chá) de trigo para quibe - 1 cebola picada - 1 pepino com casca picado em cubos - 1/2 xícara (chá) de salsinha picada - 1/4 xícara (chá) de cebolinha

Leia mais

TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA

TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS Tecnologia de Produção da Linguiça I PROF. DR. ESTEVÃN MARTINS DE OLIVEIRA DESCRIÇÃO: REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA Entende-se

Leia mais

AVALIAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS - LEITE E DERIVADOS Check list

AVALIAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS - LEITE E DERIVADOS Check list AVALIAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS - LEITE E DERIVADOS Check list IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Razão Social: SIE nº: CNPJ: Endereço: Município: Georreferenciamento: Categoria: Capacidade de produção diária:

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 668/2012 CPL 04 PLANILHA COMPARATIVA DE PREÇOS

PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 668/2012 CPL 04 PLANILHA COMPARATIVA DE PREÇOS 1 Aparelho Denis Brawm, com regulagem e escala de graus, material duralumínio, Tamanho P 15 97,00 1.455,00 0,00% 2 Aparelho Denis Brawm, com regulagem e escala de graus, material duralumínio Tamanho Médio

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

ITENS PARA AQUISIÇÃO RECURSO LIVRE MERCADO EDUCAÇÃO INFANTIL + ENSINO FUNDAMENTAL

ITENS PARA AQUISIÇÃO RECURSO LIVRE MERCADO EDUCAÇÃO INFANTIL + ENSINO FUNDAMENTAL 1 COMPRA ITENS 1 COMPRA 2014 ESCOLA MUNICIPAL ITENS PARA AQUISIÇÃO RECURSO LIVRE MERCADO EDUCAÇÃO INFANTIL + ENSINO FUNDAMENTAL QUANT. PRODUTO 14 PES ALFACE 9 UNID. ALHO EMBALAGEM DE 100GR 40 UNID AMIDO

Leia mais

Bento Gonçalves, 2009

Bento Gonçalves, 2009 1 INSTITUTO FEDERAL, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO SUL- IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ELABORAÇÃO DE QUEIJOS - QUEIJARIA VALBRENTA Bento Gonçalves, 2009 2 INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

16/09/2015. M.O. usados como alimentos. leveduras. algas. bactérias

16/09/2015. M.O. usados como alimentos. leveduras. algas. bactérias 1 2 leveduras algas bactérias 1 3 leveduras relevância no aumento de alimentos disponíveis boa fonte de proteínas e vitaminas crescem em diversos tipos de resíduos envólucros de cereais, maçarocas de milho,

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal da Fabricação da Farinha de Mandioca

Agroindústria Processamento Artesanal da Fabricação da Farinha de Mandioca 1 de 5 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Processamento artesanal da fabricação da farinha de mandioca Processamento Nome artesanal da fabricação da farinha de mandioca Produto Informação Tecnológica Data

Leia mais

Pizza rápida de liquidificador

Pizza rápida de liquidificador Pizza rápida de liquidificador Ingredientes da massa: 1 xícara de leite 1 xícara de farinha de trigo 1 colher de sopa de óleo 1 colher de sopa de fermento em pó 2 ovos Manteiga e farinha de trigo para

Leia mais

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS PÃO DE QUEIJO MAXI Ingredientes: Amido de mandioca, queijo (leite pasteurizado, fermento lácteo, cloreto de sódio, cloreto de cálcio, coalho, corante

Leia mais

CHOCOS COM LEGUMES. INGREDIENTES (para 6 pessoas)

CHOCOS COM LEGUMES. INGREDIENTES (para 6 pessoas) CHOCOS COM LEGUMES (para 6 pessoas) ½ kg de chocos ½ kg de espinafres 50 g de cogumelos 2 tomates ½ cebola 2 ramos de aipo 1 dente de alho 1 pimento 4 colheres de sopa de salsa picada 1 colher de sopa

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO. Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO. Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato Fatores determinantes: - Raça - Período de lactação; - Alimentação; - Saúde

Leia mais

Escolhendo os tomates

Escolhendo os tomates Molho de Tomate 01 Escolhendo os tomates Para fazer um bom molho de tomate, escolha sempre aqueles mais maduros. Prefira os de pele firme e lisa e evite os que estiverem moles. Lembre-se que eles não devem

Leia mais

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Prof.: Andrey kleber Migliorini

CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Prof.: Andrey kleber Migliorini CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO Prof.: Andrey kleber Migliorini Introdução Estequiometria: Stoikheîon = elemento metron = medida É o estudo das relações quantitativas (átomos, moléculas, massa, volume) entre as

Leia mais

COLEÇÃO I A F A M. Agregando valor à pequena produção. Queijo Prato

COLEÇÃO I A F A M. Agregando valor à pequena produção. Queijo Prato COLEÇÃO AGR OIN DÚSTRIA F A M I L I A R Agregando valor à pequena produção Queijo Prato Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Prof. Drª. Caroline Moraes

Prof. Drª. Caroline Moraes Prof. Drª. Caroline Moraes Carnobacterium Enterococcus Lactococcus Lactobacilus Lactosphaera Leuconostoc Oenococcus Pediococcus Streptococcus Tetragenococcus Vagococcus Weissella Característica do grupo:

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 26 DE JUNHO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO,

Leia mais

Através da Utilização de Processo de Separação por Membranas. Léo / Wagner

Através da Utilização de Processo de Separação por Membranas. Léo / Wagner UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS Destino Ambientalmente Correto a Rejeitos de Queijaria Através da Utilização de Processo de Separação

Leia mais

PRODUTO ELABORADO E ENVASADO NA ESPANHA

PRODUTO ELABORADO E ENVASADO NA ESPANHA PRODUTO ELABORADO E ENVASADO NA ESPANHA QUEIJO MANCHEGO DENOMINAÇÃO DE ORIGEM QUEIJO MANCHEGO SEMICURADO - DENOMINAÇÃO ORIGEM CURAÇÃO: minimo 90 dias CAPACIDADE: 2 peças por caixa PESO NETO UNIDADE: 3

Leia mais

Influência do uso de cultura adjunta nas características físicoquímicas e sensoriais do queijo tipo Camembert

Influência do uso de cultura adjunta nas características físicoquímicas e sensoriais do queijo tipo Camembert Artigo Original/Original Article Influência do uso de cultura adjunta nas características físicoquímicas e sensoriais do queijo tipo Camembert Effect of the addition of a supplementary culture on the physicalchemical

Leia mais

ALIMENTOS EXTENSAMENTE AQUECIDOS

ALIMENTOS EXTENSAMENTE AQUECIDOS ALIMENTOS EXTENSAMENTE AQUECIDOS RECEITAS SALGADAS WAFFLE/PANQUECA SALGADO Ingredientes 1 xícara chá de Farinha de Trigo 1 xícara chá de leite de vaca integral 1 ovo de galinha inteiro 1 colher chá de

Leia mais

ENEM 2015 Caderno Amarelo. Resolução da Prova de Matemática

ENEM 2015 Caderno Amarelo. Resolução da Prova de Matemática ENEM 015 Caderno Amarelo Resolução da Prova de Matemática 16. Alternativa (D) Na função T(h) = h² + h 85, a temperatura máxima é determinada pela aplicação do vértice da parábola. vértice ( X ) v, Y v

Leia mais

Pregão 2016 ADOÇANTE, ASPECTO FÍSICO LÍQUIDO LÍMPIDO TRANSPARENTE, INGREDIENTES CICLAMATO + FRASCO SACARINA, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS BICO

Pregão 2016 ADOÇANTE, ASPECTO FÍSICO LÍQUIDO LÍMPIDO TRANSPARENTE, INGREDIENTES CICLAMATO + FRASCO SACARINA, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS BICO Pregão 2016 Edital pregão eletrônico SRP nº 27/2016 Processo 23079.026310/2015-31 Objeto: Aquisição de Estocáveis Achocolatado e outros, para atender o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho/, como

Leia mais

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Argamassas de revestimento Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Reportagem: Gisele C. Cichinelli As argamassas de revestimento

Leia mais

Produtos Marieta. Quem prova nunca esquece.

Produtos Marieta. Quem prova nunca esquece. Produtos Marieta. Quem prova nunca esquece. É unanimidade: todo mundo gosta de um salgadinho feito na hora. É por isso que a Marieta seleciona a dedo seus ingredientes, para não decepcionar nenhum paladar.

Leia mais