Rendimento na Fabricação de Queijos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rendimento na Fabricação de Queijos"

Transcrição

1 Nova abordagem sobre Rendimento na Fabricação de Queijos Sérgio Casadini Vilela

2 RENDIMENTO Rendimento econômico - o controle de litros de leite/ Kg de queijo (auxilia cálculo dos custos) Rendimento técnico - controle mais amplo no qual se considera a composicão do leite, composição do soro, e a transferência dos constituintes do leite para o queijo.

3 Rendimento em Queijos Maneiras de expressar: 1 - litros por Kg.. 10,2 L / Kg o volume de leite necessário para produzir 1 kg de queijo 2 a quantidade de queijo produzida com um determinado volume de leite a) : Kg queijo / 100 litros de leite b) : Kg queijo / 100 Kg de leite

4 Composição típica do leite de vaca Proteínas 3,1% (Caseínas) (2,4%) ( Prot. do soro) (0,6%) ( NNP) (0,1%) Gordura 3,4% Lactose 4,7% Minerais 0,9% Sólidos totais 12,1%

5 Lactose Gordura Proteínas Minerais LEITE Água (87,5%) QUEIJO Gordura 25% Proteínas 27% (caseína) Água (45%) Minerais

6 CIFRAS DE TRANSIÇÃO DISTRIBUIÇÃO DOS SÓLIDOS DE 100 KG DE LEITE ENTRE UM QUEIJO SEMI-DURO E O SORO Componente LEITE QUEIJO SORO Proteína 3.1 kg 2.3 kg 0.8 kg Gordura 3.4 kg 3.1 kg 0.3 kg Lactose 4.7 kg 0.2 kg 4.5 kg Minerais 0.9 kg 0.5 kg 0.4 kg Sólidos Totais 12.1 kg (100%) 6.1 kg (~50 %) 6.0 kg (~50%)

7 CIFRAS DE TRANSIÇÃO Ex. Fabricação de 500 litros de queijo Emmental, obtivemos os seguintes dados: - 45 kg de queijo (515Kg leite - 45 Kg queijo = 470 Kg soro / 1,027 = 457,5 litros soro) Constituintes Leite Soro (%) Transição p/ Transição ST (%) (%) queijo Gordura 3,0 0,5 84,8 leite 500 L x 11,58 = 57,90g EST Proteína 3,3 0,7 80,6 soro 457,5 L x 6,4 = 29,25g EST Lactose 4,53 4,7 5,12 Minerais 0,75 0,5 39,2 57, % ST 11,58 6,4 49,28 29, X = 50,52% p/soro. Dens. 1,030 1,027 49,28% p/queijo

8 RENDIMENTO Recuperação (%) de gordura no queijo Cheddar, em função da contagem de células somáticas e do tempo de refrigeração do leite. células somáticas/ml leite refrigerado 1 dia leite refrigerado 5 dias soro queijo soro queijo * Adaptada de Barbano (1993)

9 RENDIMENTO Recuperação de proteína no queijo Cheddar, em função da contagem de células somáticas e do tempo de refrigeração do leite. células somáticas/ml leite refrigerado 1 dia leite refrigerado 5 dias ,7% 74,2% ,0% 72,2% ,0% 72,3% * Adaptada de Barbano (1993)

10 Efeito do aumento do teor de caseína no leite desnatado sobre o rendimento de um queijo elaborado com o mesmo leite. % caseína no LD ( Kg de queijo/ Umidade do queijo 100 Kg LD ) Kg (%) 2,55 6,39 3,13 49,0 2,68 6,69 3,26 48,7 2,80 7,00 3,42 48,9 2,93 7,39 3,63 49,2 3,06 7,64 3,74 48,9 3,19 7,97 3,90 48,9 Gilles & Lawrence, 1985 ( New Zealand ) 1 Kg caseína >>> aprox. 2,5 Kg de queijo

11 FATORES DIRETOS - % Caseína do leite Ex. Uma Indústria de litros/dia : com rendimento de 9,5 L/Kg litros / 9,5 = Kg de queijo se caseína do leite: 2,3% 2,5% = 0,2% mais L x 0,2% = 100 Kg de caseína Sabe-se que: 1 Kg caseína >>>> 2.5 kg queijo teremos aprox. 250 Kg mais de queijo Asim: Kg Kg = Kg de queso litros / Kg = 9,07 litros /Kg

12 Efeito da temperaura de Pasteurização Média de 35 experimentos 72 C/ 16s 85 C/ 60s 90 C/ 60s Rendimento l/kg 10,88 11,67 11,87 Rendimento l/kg (*) 10,75 11,14 11,17 Proteína retida queijo (%) 76,62 81,89 83,69 Umidade queijos (%) 35,94 38,08 38,88 (*) : Umidade ajustada para 35% Banks el al, 1993 (Escócia)

13 A Coagulação Enzimática do Leite K-caseina quimosina 1 His-Leu-Ser-Fen-Met-Ala-Ile-.169 (105) (106) + coagulante K-caseina paracaseinato de Ca + GMP (solúvel) (insolúvel : coalhada) (solúvel) (soro)

14 Sinérese (contração grão/expulsão soro) Ação mecanica Ação mecanica + + Corte da Coalhada Temperatura Temperatura + + Cinética acidificação Cinéticia acidificação Soro % Umidade Soro Ponto final T e m p o (min.)

15 Mussarela Cinética de Acidificação: ( DVS x Fermento repique) ph 6.18 ph 5.10 (*) FILAGEM % umidade final Perdas sólidos

16 Rendimento : % Umidade ajustada Rendimento de 3 fabricações : (Q.Minas ) Fab L/leite Prod.(Kg) Umid.(%) Rend.(L/Kg) L/KgA(*) A ,5 56,00 6,20 6,20 B ,9 58,24 5,89 6,20 C ,2 60,26 5,60 6,20 V (100 - Up ) Up = 56,0% L/KgA(*) = P x % ST queijo

17 RENDIMENTO Produção Ajustada Ex: 4 fabricações de um mesmo silo de litros Fab Prod.(Kg) Umid.(%) PA (Prod. ajustada,kg) A , B , C , D , P x STq Up = 43,40% PA = Up

18 A enzima YieldMAX PL Fosfolipase A1 Produzida pela cepa Aspergillus oryzae Hidrólise da ligação ester de ácidos graxos de cadeia longa (ligação sn-1) O PLA1 O O O O O P O - O N + Fosfatidil colina

19 BRASIL: Resultados físico-químicos médios (48+) Variável Retenção de gordura % (kg de gordura queijo / 100 kg gordura do leite) Controle Chy Max Teste Chy Max + YieldMax Diferença Teste - Controle Diferença Percentual 93,73 96,82 3,10 3,30 GES (%) 51,11 51,22 0,12 0,23 Gordura soro (%) 0,32 0,30-0,02-5,05 Umidade do queijo (%) 46,76 47,52 0,77 1,64 Rendimento (litros/kg ajustado para 48% de umidade) 9,21 8,91-0,30 3,37

20 OBRIGADO PELA ATENÇÃO

21 FÓRMULAS % Perda Gord. Soro = 100 Kg soro x % Gord. Soro Kg Leite x % Gord. Leite % Gord. Recuperada Queijo = 100 Kg Queijo x % Gord. Queijo Kg Leite x % Gord. Leite

22 RENDIMENTO : FATORES DIRETOS Efeito do aumento do conteúdo de gordura no leite, pela adição de creme (72% MG), sobre o rendimento e a composição do queijo final. % Gord. (Kg queijo/ Gordura Umidade UMD do leite 100 Kg leite) (Kg) (%) (Kg) (%) (%) 0,07 6,61 0,04 0,54 3,23 48,9 49,2 0,5 7,06 0,47 6,74 3,27 46,3 49,6 1,0 7,51 0,91 12,11 3,29 43,8 49,8 2,0 8,59 1,81 21,05 3,49 40,6 51,4 3,0 9,59 2,66 27,70 3,61 37,6 52,0 4,0 10,75 3,66 34,00 3,81 35,4 53,6 Gilles & Lawrence, 1985 ( New Zealand )

Prof. Luiz Carlos G. COSTA JÚNIOR Pesquisador, DSc EPAMIG ILCT Juiz de Fora MG - BRASIL

Prof. Luiz Carlos G. COSTA JÚNIOR Pesquisador, DSc EPAMIG ILCT Juiz de Fora MG - BRASIL padronização de leite para fabricação de queijo Prof. Luiz Carlos G. COSTA JÚNIOR Pesquisador, DSc EPAMIG ILCT Juiz de Fora MG - BRASIL A padronização de leite para queijo ainda hoje... gera muita distorção

Leia mais

LISTA DE QUADROS E TABELAS. Delineamento experimental tipo simplex centroide para a otimização do uso de proteínas lácteas em iogurtes probióticos.

LISTA DE QUADROS E TABELAS. Delineamento experimental tipo simplex centroide para a otimização do uso de proteínas lácteas em iogurtes probióticos. iii LISTA DE QUADROS E TABELAS página Quadro 1. Definição dos probióticos com o passar dos anos. 10 Quadro 2. Modificações físico-químicas causadas pela homogeneização do leite utilizado na produção de

Leia mais

Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga

Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga Processamento Tecnológico e Inspeção de Creme de Leite e Manteiga 1. CREME DE LEITE 1.1 Conceito Produto lácteo relativamente rico em gordura retirada do leite por procedimento tecnologicamente adequado,

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS Todas os alimentos deverão seguir o critério geral de: 1) Características microscópicas: Isento de substâncias estranhas de qualquer natureza. 2) Rotulagem:

Leia mais

Instrução Normativa 51. Qualidade do leite. Contagem Bacteriana Total. Células Somáticas. Ordenhador ideal? Manejo de ordenha e conservação

Instrução Normativa 51. Qualidade do leite. Contagem Bacteriana Total. Células Somáticas. Ordenhador ideal? Manejo de ordenha e conservação 2 Ordenhador ideal? 3 Instrução Normativa 51 Qualidade do leite Sanidade da Glândula Mamária Manejo de ordenha e conservação Células Somáticas Contagem Bacteriana Total 5 6 1 LEITE Qualidade nutricional

Leia mais

Através da Utilização de Processo de Separação por Membranas. Léo / Wagner

Através da Utilização de Processo de Separação por Membranas. Léo / Wagner UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS Destino Ambientalmente Correto a Rejeitos de Queijaria Através da Utilização de Processo de Separação

Leia mais

Redução da contagem bacteriana na propriedade

Redução da contagem bacteriana na propriedade Redução da contagem bacteriana na propriedade Marcos Veiga dos Santos Agenda Fontes de contaminação do leite Redução da Contagem Bacteriana Total (CBT); Limpeza de equipamentos e utensílios Resfriamento

Leia mais

Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL

Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL LEITES DESIDRATADOS Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL vbeloti@uel.br lipoa.uel@gmail.com www.uel.br/laboratorios/inspecao Leites desidratados Parcial ou total Maior tempo de conservação Redução do volume

Leia mais

Composição do Leite. Universidade Católica de Goiás Engenharia de Alimentos

Composição do Leite. Universidade Católica de Goiás Engenharia de Alimentos Universidade Católica de Goiás Engenharia de Alimentos Composição do Leite MAF 3340 Tecnologia de Leites e Derivados Prof. MSc Patrícia de Souza Castro Composição do Leite Composição dos principais leites

Leia mais

Qual o papel do leite na natureza????

Qual o papel do leite na natureza???? INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, Disciplina: Análise de Alimentos CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Análise de Leite Métodos qualitativos e quantitativos INTRODUÇÃO Qual o papel do leite na natureza????

Leia mais

História CREDIBILIDADE

História CREDIBILIDADE História A ENTREMINAS iniciou suas atividades como distribuidora de laticínios no ano de 1990. Em 1992 inaugurou sua primeira unidade fabril no município de São Sebastião da Bela Vista - Sul de Minas Gerais,

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina TAL455 Tecnologia de Queijos Especiais

Programa Analítico de Disciplina TAL455 Tecnologia de Queijos Especiais 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 7 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária

Leia mais

Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica

Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica Agricultura familiar na atividade leiteira no Brasil: Pressupostos e proposta metodológica Duarte Vilela Embrapa Gado de Leite vilela@cnpgl.embrapa.br O que é produção familiar (i) direção dos trabalhos

Leia mais

Recepção. Beneficiamento do leite

Recepção. Beneficiamento do leite Recepção Beneficiamento do leite Seleção do leite Provas de plataforma Provas sensoriais: aspectos visuais e aroma Prova do alizarol: leite deve ser estável alizarol 72%v/v Características de um leite

Leia mais

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE Ângela Maria Fiorentini QUALIDADE DO LEITE Organoléptica Nutricional Físico-química Microbiológica LEITE E PRODUTOS Fonte : Rabobank, adaptado por Otavio A. C. De Farias LEITES

Leia mais

QUALIDADE HIGIO-SANITÁRIA E QUÍMICA DO LEITE E QUEIJO DA CABRA SERPENTINA

QUALIDADE HIGIO-SANITÁRIA E QUÍMICA DO LEITE E QUEIJO DA CABRA SERPENTINA QUALIDADE HIGIO-SANITÁRIA E QUÍMICA DO LEITE E QUEIJO DA CABRA SERPENTINA M.E.POTES, C.M.PINHEIRO H.BABO, N.CAVACO, A. CACHATRA J.B.FIALHO INTERREG III Sub-programa 5 Andaluzia Algarve Alentejo MELHORAMENTO

Leia mais

I SIMPÓSIO DE QUEIJOS ARTESANAIS DO BRASIL

I SIMPÓSIO DE QUEIJOS ARTESANAIS DO BRASIL PRODUTOS ALIMENTÍCIOS MIRONGA I SIMPÓSIO DE QUEIJOS ARTESANAIS DO BRASIL NOVEMBRO 2011 PRODUTOS ALIMENTÍCIOS MIRONGA QUEIJO DO MARAJÓ CARLOS AUGUSTO DE LIMA GOUVÊA Tecnólogo de Alimentos PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE SORO DE LEITE 1. Alcance

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE SORO DE LEITE 1. Alcance REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE SORO DE LEITE 1. Alcance 1.1. Objetivo: Estabelecer a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deve atender o Soro de Leite, em suas diferentes

Leia mais

PROCESSO DE MATURAÇÃO DE QUEIJOS E SEUS EFEITOS NO PRODUTO FINAL

PROCESSO DE MATURAÇÃO DE QUEIJOS E SEUS EFEITOS NO PRODUTO FINAL PROCESSO DE MATURAÇÃO DE QUEIJOS E SEUS EFEITOS NO PRODUTO FINAL Renata Golin Bueno Costa, DSc. Pesquisadora EPAMIG ILCT Agenda Introdução Metabolismo de citrato e lactato Queijos mofados Estufamento tardio

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos 1 Pioneirismo e inovação em produtos saudáveis! A Verde Campo é uma indústria de laticínios que possui foco em inovação e alto rigor técnico para garantir alimentos e estilo de vida

Leia mais

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Química e Bioquímica de Alimentos Componentes principais Proteína INTRODUÇÃO Proteínas Macromoléculas compostas de vários

Leia mais

Maturação do queijo Minas artesanal da região de Araxá e contagem de Staphylococcus aureus

Maturação do queijo Minas artesanal da região de Araxá e contagem de Staphylococcus aureus Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Maturação do queijo Minas artesanal da região de Araxá e contagem de Staphylococcus aureus Amanda Alves Pereira (1), Júnio César

Leia mais

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 14 a 18 de outubro de 2013

XXII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 14 a 18 de outubro de 2013 ESTUDO DE RENDIMENTO E VIABILIDADE ECONÔMICA DA FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL COM ADIÇÃO DE TRANSGLUTAMINASE MICROBIANA ( COM E SEM MEXEDURA AMILCAR MACHADO PEREIRA JÚNIOR 1, SÉRGIO AUGUSTO DE SOUSA

Leia mais

Composição do leite cabra LEITE DE CABRA 31/03/2013. Leite de cabra - alimento funcional. Água 88,6 3,28. Gordura 4,29 3,20. Lactose Proteínas 11,4

Composição do leite cabra LEITE DE CABRA 31/03/2013. Leite de cabra - alimento funcional. Água 88,6 3,28. Gordura 4,29 3,20. Lactose Proteínas 11,4 Composição do leite cabra Água 88,6 LEITE DE CABRA ES Gordura ESNG Lactose Proteínas Cinzas Ca 0,11 P 0,08 Mg 0,01 Na 0,04 K 0,21 4,29 3,20 0,64 3,28 5,13 11,4 Composição do leite caprino, ovino, bovino

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE MEMBRANAS (ULTRAFILTRAÇÃO E MICROFILTRAÇÃO) NA INDÚSTRIA

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício BE066 Fisiologia do Exercício. Bioenergética. Sergio Gregorio da Silva, PhD

BE066 - Fisiologia do Exercício BE066 Fisiologia do Exercício. Bioenergética. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Fisiologia do Exercício Bioenergética Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Definir Energia Descrever os 3 Sistemas Energéticos Descrever as diferenças em Produção de Energia Bioenergética Estuda

Leia mais

23 e 24 de setembro de Centro de Convenções da Unicamp Campinas SP CAPRILAT. Paulo Roberto Celles Cordeiro Medico Veterinário

23 e 24 de setembro de Centro de Convenções da Unicamp Campinas SP CAPRILAT. Paulo Roberto Celles Cordeiro Medico Veterinário 23 e 24 de setembro de 2014 Centro de Convenções da Unicamp Campinas SP Paulo Roberto Celles Cordeiro Medico Veterinário CAPRILAT São Paulo 1954 2 1 Destinação do leite de cabra Uso terapêutico (medicinal)

Leia mais

Palavra chave: controle

Palavra chave: controle Em produtos de carne crua as bactérias crescem muito e rapidamente! Palavra chave: controle É necessário controlar o crescimento de bactérias nativas para previnir problemas de segurança alimentar, processamento

Leia mais

Funções dos Ingredientes na Panificação

Funções dos Ingredientes na Panificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE PANIFICAÇÃO E PRODUÇÃO DE AMIDO Funções dos Ingredientes na Panificação Prof. ª Elessandra

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJOS

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJOS REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJOS 1. ALCANCE. 1.1. Objetivo: Fixar a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deverão possuir os queijos, com exceção dos Queijos Fundidos,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA

ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA DE CARLI, E. M. 1, TIRLONI, A. 1, PIETTA, G.M. 2. 1 Universidade do Oeste de Santa Catarina, Docentes do Curso de Engenharia de Alimentos. 2 Universidade do Oeste

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida Nomes: Leonardo e Samuel Turma: 103 Para iniciar o estudo das células (citologia) devemos primeiramente ter uma noção das estruturas básicas da célula ou as estruturas

Leia mais

Proteínas e Enzimas. Dannubia Bastos

Proteínas e Enzimas. Dannubia Bastos Proteínas e Enzimas Dannubia Bastos Onde existe / função Estrutura dos seres vivos Estrutura das membranas celulares Dá consistência ao citoplasma Participam de reações químicas (enzimas) Proteínas Proteínas

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE QUEIJO AZUL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 45, DE 23 DE OUTUBRO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Metabolismo dos Glicídios

Metabolismo dos Glicídios QUÍMCA E BIOQUÍMICA Curso Técnico em Nutrição e Dietética Metabolismo dos Glicídios Professor: Adriano Silva Os hidratos de carbono são as biomoléculas mais abundantes do nosso planeta 100b de toneladas

Leia mais

Aplicação de sais fundentes e avaliação de aspectos físicoquímicos

Aplicação de sais fundentes e avaliação de aspectos físicoquímicos Por Kelly Calixto e Daphine Gonçalves Aplicação de sais fundentes e avaliação de aspectos físicoquímicos INTRODUÇÃO A tecnologia dos queijos fundidos surgiu durante o século XX, com a necessidade de controlar

Leia mais

MANUAL DE CAMPO RELATÓRIOS RELATÓRIO 4 SUMÁRIO DO REBANHO

MANUAL DE CAMPO RELATÓRIOS RELATÓRIO 4 SUMÁRIO DO REBANHO MANUAL DE CAMPO RELATÓRIOS RELATÓRIO 4 SUMÁRIO DO REBANHO Este relatório tem por finalidade apresentar mensalmente os índices do rebanhos para o controle atual, medias dos últimos 12 meses e de 12 a 24

Leia mais

ESTUDANDO OS NUTRIENTES

ESTUDANDO OS NUTRIENTES E.M.E.F. JEAN PIAGET DISCIPLINA DE CIÊNCIAS TURMA: T6 ESTUDANDO OS NUTRIENTES ALUNOS: ANA PAULA SILVANO MARÌLIA VARGAS PROF.: ANELISE VOLKWEISS PORTO ALEGRE, 27 DE OUTUBRO DE 2010 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO...3pg

Leia mais

Review. Processos Químicos Industriais II

Review. Processos Químicos Industriais II Review Processos Químicos Industriais II Sacarose > 15% Extração de 94 a 97 % da sacarose gerando bagaço com umidade final de 50%. Concentrar o caldo decantado, através da retirada de água, elevando

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL O QUEIJO PRATO, MUSSARELA E ROQUEFORT Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira Minas Padrão Trata-se provavelmente de um dos queijos brasileiros mais

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 1/9/2010 Produção Ascom Diáriod@Santana FM 31/08/10 Itaúna Epamig desenvolve bebida láctea inédita no mercado Novo produto, com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal

Leia mais

16/09/2015. M.O. usados como alimentos. leveduras. algas. bactérias

16/09/2015. M.O. usados como alimentos. leveduras. algas. bactérias 1 2 leveduras algas bactérias 1 3 leveduras relevância no aumento de alimentos disponíveis boa fonte de proteínas e vitaminas crescem em diversos tipos de resíduos envólucros de cereais, maçarocas de milho,

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Regional do Norte ou Queijo Tropical de Uso Industrial, conforme anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Regional do Norte ou Queijo Tropical de Uso Industrial, conforme anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 4 DE ABRIL DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

ESCOLAS C.M.ODIVELAS RESTAURANTE Semana de 21 a 25 de Setembro de 2015 Lanche

ESCOLAS C.M.ODIVELAS RESTAURANTE Semana de 21 a 25 de Setembro de 2015 Lanche ESCOLAS C.M.ODILAS Semana de 21 a 25 de Setembro de 2015 Sumo nectar de fruta e pão mistura com manteiga 3,5,6,7 153 36 1,3 0,4 5,7 0,4 0,0 4,1 Uma peça fruta, iogurte sólido aromas e bolacha maria (di)

Leia mais

Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I

Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I Aula: 26 Temática: Estrutura dos lipídeos parte I Os lipídeos são abundantes em animais e vegetais. Compreendem os óleos, as gorduras, as ceras, os lipídios compostos como os fosfolipídios e os esteróides

Leia mais

Comunicado Técnico. Médico-veterinário, zootecnista, mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, pesquisador da Embrapa Caprinos e Ovinos.

Comunicado Técnico. Médico-veterinário, zootecnista, mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, pesquisador da Embrapa Caprinos e Ovinos. Foto: Alisson Cardoso Comunicado Técnico Prática e Processo Agropecuário On-line 156 ISSN 1676-7675 Setembro, 2016 Sobral, CE Queijos caprinos elaborados com cultura láctica termofílica Luís Eduardo Laguna

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ

COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE PROTEÓLISE DE QUEIJOS ARTESANAIS DAS REGIÕES DO CERRADO E ARAXÁ Comparison of proteolysis index of artisanal cheeses from regions of Cerrado and Araxá Denise SOBRAL 1 Maximiliano

Leia mais

MONTE CARLO NA PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA GESTÃO DE CUSTOS NA ÁREA DE LATICÍNIOS

MONTE CARLO NA PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA GESTÃO DE CUSTOS NA ÁREA DE LATICÍNIOS www.iem.efei.br/edson CONTRIBUIÇÃO DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO NA PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA GESTÃO DE CUSTOS NA ÁREA DE LATICÍNIOS Edson de Oliveira Pamplona Wander Fonseca da Silva 2005 www.iem.efei.br/edson

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA MASTITE NA PRODUÇÃO DE QUEIJOS

IMPLICAÇÕES DA MASTITE NA PRODUÇÃO DE QUEIJOS IMPLICAÇÕES DA MASTITE NA PRODUÇÃO DE QUEIJOS Luana Espiridião Palma 1 ; Karolyne Lima 1 ; José Maurício Gonçalves dos Santos 2 RESUMO: Na pecuária leiteira a mastite é considerada uma doença que causa

Leia mais

Considerando a Resolução MERCOSUL GMC, nº 82/96, que aprovou o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Requeijão ou Requesón;

Considerando a Resolução MERCOSUL GMC, nº 82/96, que aprovou o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Requeijão ou Requesón; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 359, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO. Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO. Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato Fatores determinantes: - Raça - Período de lactação; - Alimentação; - Saúde

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

TB DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 2ºTRIMESTRE DE 2016 PROF: LUCIA SÉRIE: 2º EM TURMA: A-B-C LEVE ESTA FOLHA PARA A AULA DE RECUPERAÇÃO- 29/08/2016

TB DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 2ºTRIMESTRE DE 2016 PROF: LUCIA SÉRIE: 2º EM TURMA: A-B-C LEVE ESTA FOLHA PARA A AULA DE RECUPERAÇÃO- 29/08/2016 TB DE RECUPERAÇÃO DE QUÍMICA 2ºTRIMESTRE DE 2016 PROF: LUCIA SÉRIE: 2º EM TURMA: A-B-C LEVE ESTA FOLHA PARA A AULA DE RECUPERAÇÃO- 29/08/2016 OBS: a) O trabalho deverá ser entregue no dia da prova de recuperação(8/09/2016)

Leia mais

ÍNDICE. Trophic Basic. 06 Trophic 1.5. Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! Trophic Infant. Diamax Peptimax HDmax. Bemmax.

ÍNDICE. Trophic Basic. 06 Trophic 1.5. Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! Trophic Infant. Diamax Peptimax HDmax. Bemmax. GUIA NUTRICIONAL ÍNDICE Trophic Basic 06 Trophic 1.5 10 PADRÃO Trophic EP Trophic Fiber Trophic Bio + SABOR! 12 14 16 Trophic Infant 18 ESPECIALIZADA Diamax Peptimax HDmax 20 22 24 Na Prodiet, acreditamos

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 14:32 horas do dia 06 de junho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Esteio, designado pela portaria 0185/2012 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

BIOQUÍMICA - composição química das células

BIOQUÍMICA - composição química das células BIOQUÍMICA - composição química das células I) Substâncias inorgânicas: água e sais minerais II) Substâncias orgânicas: carboidratos, lipídios, proteínas, ácidos nucléicos,... Substâncias mais presentes

Leia mais

ÓLEOS E GORDURAS. Curso: Gastronomia Turma: 1 Semestre Disciplina: MAPA Professor: Acácio Sacerdote

ÓLEOS E GORDURAS. Curso: Gastronomia Turma: 1 Semestre Disciplina: MAPA Professor: Acácio Sacerdote ÓLEOS E GORDURAS Curso: Gastronomia Turma: 1 Semestre Disciplina: MAPA CONCEITO: ÓLEOS E GORDURAS São compostos encontrado nos organismos vivos, geralmente insolúveis em agua, mas solúveis em solventes

Leia mais

Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho

Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Elaboração de bebida láctea pasteurizada à base de soro de queijo de coalho Felipe Alves de Almeida (1), Júnio César Jacinto de

Leia mais

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo.

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo. Leite e derivados Objectivos: Conhecer a composição química e estrutura física do leite. Descrever leite inteiro, meio gordo magro e enriquecido. Descrever manteiga. Descrever natas. Descrever requeijão,

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

De leite. Analisadores Automáticos

De leite. Analisadores Automáticos Analisadores De leite Analisadores Automáticos de Leite e Derivados Analisadores Automáticos de Leite e Derivados Analise de: Proteina + Gordura + Lactose + Solidos + Densidade + Extrato Seco + Água +

Leia mais

Classificação e distribuição dos sólidos em função do tamanho

Classificação e distribuição dos sólidos em função do tamanho UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Coagulação DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Sólidos Presentes

Leia mais

QUÍMICA MINERAL. Para continuarmos a aula, será necessária uma noção sobre reação de esterificação, ou seja, reação entre ácido e álcool.

QUÍMICA MINERAL. Para continuarmos a aula, será necessária uma noção sobre reação de esterificação, ou seja, reação entre ácido e álcool. QUÍMICA MINERAL Prof. Borges LIPÍDIOS É importante lembrarmos de alguns conceitos básicos antes de iniciarmos a aula de bioquímica. Todo hidrocarboneto é apolar e, portanto insolúvel em água e solúvel

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 359, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 359, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 359, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

Aceitação sensorial de bebida láctea, sob diferentes concentrações de soro

Aceitação sensorial de bebida láctea, sob diferentes concentrações de soro Aceitação sensorial de bebida láctea, sob diferentes concentrações de soro Francisca Giselle da Cruz 1, João Vitor de Sá Melo², Frediano Siqueira de Oliveira², Leomar Moreira da Silva², Wictor Ályson Dias

Leia mais

COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS. Glicídios ou Açúcares

COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS. Glicídios ou Açúcares COMPONENTES ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS Glicídios ou Açúcares COMPOSIÇÃO DOS CARBOIDRATOS Compostos constituídos principalmente de: Carbono, Hidrogênio Oxigênio Principal fonte de energia para os seres vivos.

Leia mais

CIÊNCIAS. Prof. Diângelo

CIÊNCIAS. Prof. Diângelo CIÊNCIAS Prof. Diângelo TABELA PERÍODICA Aula 18 Respiração Celular Respiração celular é o processo de conversão das ligações químicas de moléculas ricas em energia que poderão ser usadas nos processos

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa

Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa Universidade de São Paulo Instituto de Física Energia em Sistemas Biológicos Edi Carlos Sousa edisousa@if.usp.br Metabolismo Celular Cada reação que ocorre em um organismo vivo requer o uso de energia

Leia mais

NIDINA EXPERT CONFORT

NIDINA EXPERT CONFORT NIDINA EXPERT CONFORT NIDINA EXPERT CONFORT é uma fórmula especialmente indicada para o tratamento dietético da cólica infantil e de sintomas de desconforto intestinal associados, que deve ser utilizada

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CONSELEITE-MS 15º ENCONTRO TÉCNICO DO LEITE

APRESENTAÇÃO DO CONSELEITE-MS 15º ENCONTRO TÉCNICO DO LEITE APRESENTAÇÃO DO CONSELEITE-MS 15º ENCONTRO TÉCNICO DO LEITE SISTEMA CONSELEITE Modelo de autogestão para a determinação de valores de referência para a matériaprima leite Composição do Conseleite-MS Conselho

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

ELABORAÇÃO DO QUEIJO MOZARELA DE LEITE DE BÚFALA PELOS MÉTODOS TRADICIONAL E DA ACIDIFICAÇÃO DIRETA 1

ELABORAÇÃO DO QUEIJO MOZARELA DE LEITE DE BÚFALA PELOS MÉTODOS TRADICIONAL E DA ACIDIFICAÇÃO DIRETA 1 ELABORAÇÃO DO QUEIJO MOZARELA DE LEITE DE BÚFALA PELOS MÉTODOS TRADICIONAL E DA ACIDIFICAÇÃO DIRETA 1 Marta Regina Verruma-BERNARDI 2,*, Maria Helena DAMÁSIO 3 José Leonardo Etore do VALLE 4, Antonio Joaquim

Leia mais

Tecnologia de Leite e Produtos. Lácteos

Tecnologia de Leite e Produtos. Lácteos Tecnologia de Leite e Produtos Lácteos Composição do leite Principais componentes do leite Água Proteínas Lactose Gorduras Sais minerais Concentração dos constituintes variável Características organolépticas

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas).

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos heterótrofos - obtém alimentos de forma

Leia mais

Treinamento: Produção de doces de leite e iogurte - cód. 535

Treinamento: Produção de doces de leite e iogurte - cód. 535 1. IOGURTE NATURAL 2 litros de leite fervido. 200 ml de iogurte natural. Ferver o leite. Resfriar o leite até 42-45 C. Adicionar o iogurte natural e misturar. Coloque a mistura em recipiente esterilizado,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Tecnologia de Alimentos - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração

Leia mais

Ano 5 n o 41 abril/2012

Ano 5 n o 41 abril/2012 Ano 6 no 72 novembro/2012 Ano 5 n o 41 abril/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

Profa. Mônica Maria Oliveira Pinho Cerqueira Escola de Veterinária UFMG

Profa. Mônica Maria Oliveira Pinho Cerqueira Escola de Veterinária UFMG Profa. Mônica Maria Oliveira Pinho Cerqueira Escola de Veterinária UFMG Qualidade do leite Práticas importantes Obtenção Manutenção Ações das indústrias Melhoria da qualidade Fazendas Coleta e transporte

Leia mais

EMBALAGEM PRIMÁRIA: tipo TETRA PAK, contendo 200 ml em cada unidade. EMBALAGEM SECUNDÁRIA: caixa de papelão com até 27 unidades.

EMBALAGEM PRIMÁRIA: tipo TETRA PAK, contendo 200 ml em cada unidade. EMBALAGEM SECUNDÁRIA: caixa de papelão com até 27 unidades. EMPRESA: AIKI COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO LTDA ENDEREÇO: Av: Presidentes Vargas - BR 316 - Bairro - Ianetama - Castanhal - Pará CNPJ: 04.848.586/0001-08 FONE: (91) 3711-4042 EMAIL: licitacao@aiki.com.br PLANILHA

Leia mais

URI:http://hdl.handle.net/ /33613

URI:http://hdl.handle.net/ /33613 Produção de queijo: origem dos coalhos Autor(es): Publicado por: URL persistente: Fernandes, Joana Publindústria URI:http://hdl.handle.net/10316.2/33613 Accessed : 30-Jan-2017 22:13:01 A navegação consulta

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ARMAZENAMENTO E DA CONTAGEM DE BACTÉRIAS PSICROTRÓFICAS DO LEITE NAS CARACTERÍSTICAS DO QUEIJO PRATO DURANTE A MATURAÇÃO

INFLUÊNCIA DO ARMAZENAMENTO E DA CONTAGEM DE BACTÉRIAS PSICROTRÓFICAS DO LEITE NAS CARACTERÍSTICAS DO QUEIJO PRATO DURANTE A MATURAÇÃO REJIANE AVELAR BASTOS INFLUÊNCIA DO ARMAZENAMENTO E DA CONTAGEM DE BACTÉRIAS PSICROTRÓFICAS DO LEITE NAS CARACTERÍSTICAS DO QUEIJO PRATO DURANTE A MATURAÇÃO LAVRAS MG 2015 REJIANE AVELAR BASTOS INFLUÊNCIA

Leia mais

AVISO DE RESULTADO DE LICITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA-MG - PROCESSO Nº 095/ PREGÃO PRESENCIAL Nº 048/2016.

AVISO DE RESULTADO DE LICITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA-MG - PROCESSO Nº 095/ PREGÃO PRESENCIAL Nº 048/2016. AVISO DE RESULTADO DE LICITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA-MG - PROCESSO Nº 095/2016 - PREGÃO PRESENCIAL Nº 048/2016. Objeto: REGISTRO DE PREÇOS para compra de PÃO, LEITE E DERIVADOS, atendendo

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS ENZIMAS COAGULANTES

A EVOLUÇÃO DAS ENZIMAS COAGULANTES A EVOLUÇÃO DAS ENZIMAS COAGULANTES A coagulação do leite é o processo que consiste na transformação do leite em estado líquido para gel, também conhecida como coalhada. Este processo é decorrente de modificações

Leia mais

Não contém Glúten Não contém Lactose Sem adição de açúcares. Pó cristalino branco, parcialmente solúvel em água, com sabor levemente adocicado.

Não contém Glúten Não contém Lactose Sem adição de açúcares. Pó cristalino branco, parcialmente solúvel em água, com sabor levemente adocicado. Descrição: SACHÊ Compõe a formulação ideal dos Aminoácidos de Cadeia Ramificada (BCAA) oferecendo uma alta concentração de L-LEUCINA, L-ISOLEUCINA e L-VALINA, para composição muscular e alto desempenho

Leia mais

POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO

POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO ZEA 0666 / 2012 Tecnologia de Produtos Vegetais POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO Padrões de Identidade e Tecnologias de Processamento POLPA DE FRUTA PURÊ Produto obtido pelo esmagamento da parte comestível de

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE INFORMÁTICA E ELETROMECÂNICA - 2º ANO DICIPLINA: BIOLOGIA METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO Prof.ª Carla Pereira Nascimento METABOLISMO ENERGÉTICO Todo ser vivo

Leia mais

Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase de creche.

Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase de creche. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase

Leia mais

1. A QUALIDADE DO LEITE COM BASE NA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E NA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº

1. A QUALIDADE DO LEITE COM BASE NA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E NA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1. A QUALIDADE DO LEITE COM BASE NA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E NA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 51: UM ESTUDO DE CASO DA INDÚSTRIA LACTOBOM E SEUS PRODUTORES 1 INTRODUÇÃO Julio César Barszcz Isaura Alberton

Leia mais

A Química da Vida. Gabriela Eckel

A Química da Vida. Gabriela Eckel A Química da Vida Gabriela Eckel Água A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. Porém, um conjunto de outras substâncias como, por

Leia mais

Gesso de Construção FATEC SP. Aglomerante Aéreo

Gesso de Construção FATEC SP. Aglomerante Aéreo (http://www.tallestskyscrapers.info/images/tallest-buildings.jpg) MCC I - AGLOMERANTES MCC I Aglomerantes Aglomerante Aéreo Gesso de Construção O gesso de construção é produzido por calcinação do minério

Leia mais

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Farmácia COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Integrantes: Paula Floriano da Silva Virgínia Figueira Marques PROTEÍNAS PROTEÍNAS Ponto isoelétrico ou pi,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO MÁXIMO E QUANTIDADES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO MÁXIMO E QUANTIDADES ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Administração e da Previdência - SEAP Departamento de Administração de Material - DEAM Sistema GMS - GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO

Leia mais

Lipídeos. Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas

Lipídeos. Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas BIOQUÍMICA Lipídeos Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas LIPÍDEOS São ÉSTERES derivados de ácidos graxos superiores. Ex1: São divididos em: Cerídeos Glicerídeos Fosfatídeos Esteroides CERÍDEOS

Leia mais

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo Nutrição, digestão e sistema digestório Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 2 3 4 Nutrição Nutrição: conjunto de processos que vão desde a ingestão do alimento até a sua assimilação pelas células. Animais: nutrição

Leia mais

MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo

MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO (MOS) Fertilidade do Solo Prof. Josinaldo 1 ASPECTOS GERAIS - MOS todos os compostos orgânicos do solo - Influência os atributos do solo - Teor no solo amplamente variável (0,5

Leia mais

Carboidrato. Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia

Carboidrato. Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia Carboidrato Curso: Farmácia 3º período Prof. Helder Braz Maia Introdução O que são os carboidratos? Conhecidos como hidratos de carbono, sacarídeos ou açúcares; São as biomoléculas mais abundantes na natureza.

Leia mais