PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB"

Transcrição

1 AP 10 UP 8 Folha 1 / 6

2 AP 10 UP 8 Folha 2 / 6

3 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS) Grande área destinada ao Instituto de Meteorologia, transferido para Brasília em 1967 em terreno circular a oeste da área do Plano Piloto, adjacente ao Eixo Monumental. B PATRIMÔNIO CULTURAL: Nome/Objeto Endereço ESPAÇOS ABERTOS (DESENHO URBANO / VEGETAÇÃO / PAVIMENTAÇÃO / CAMINHOS DE PEDESTRES / MOBILIÁRIO / ESCULTURA / ADORNO / USOS) Preservação das áreas de cerrado existentes no Instituto Nacional de Meteorologia. Tipo (Material / Imaterial) EDIFICAÇÕES (VOLUMETRIA / LINGUAGEM / COMPOSIÇÃO / VALOR HISTÓRICO / USOS) Situação Esfera (Distrital e/ou Federal) C QUESTÕES PARA MONITORAMENTO: O Inmet é área institucional federal consolidada. D CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA ÁREA: Área destinada ao Instituto de Meteorologia, a subestação de energia elétrica e ao reservatório de água. Deverá manter a característica de espaço aberto institucional, predominantemente verde como área de descompressão. E REGIME DE USOS E ATIVIDADES: Uso institucional como atividade principal, tendo a prestação de serviço como atividade de apoio. Instituto de Meteorologia INMET Companhia de Eletricidade de Brasília - CEB Companhia de Água e Esgoto de Brasília CAESB ATIVIDADES PERMITIDAS INMET PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 56-I Alimentação. INSTITUCIONAL AP 10 UP 8 Folha 3 / 6

4 84-O- Administração pública, defesa e seguridade social; 85-P- Educação, apenas: Atividades de apoio à educação; 91-R - Atividades ligadas ao patrimônio cultural e ambiental. QMSW 0 Lote 1 - CEB Reservatório da CAESB INSTITUCIONAL 35-D - Eletricidade, gás e outras utilidades; 90-R - Atividades Artísticas, Criativas e de Espetáculos; 91-R - Atividades Ligadas Ao Patrimônio Cultural E Ambiental; Atividades ligadas ao patrimônio cultural e ambiental; Atividades de bibliotecas e arquivos; Atividades de museus e de exploração, restauração artística e conservação de lugares e prédios históricos e atrações similares. INSTITUCIONAL 36-E - Captação, tratamento e distribuição de água. F DISPOSITIVOS DE CONTROLE MORFOLÓGICO: INMET Setor/Lote Taxa de Ocupação - TO TO=5% Subsolos: 5% (Obs. 3, 4, 8) QMSW 0 Lote 1 - CEB TO: 60% Subsolos: 60% (Obs.3, 4,8) Reservatório da CAESB TO: 60% Subsolos: 60% (Obs.3,4, 8) Afastamentos e Recuos AF 10,00m (Obs. 7, 10, 11) 10,00 - Divisa Frontal 7,00m - Divisa Posterior (Obs. 7, 10, 13, 15) 10,00m -Em todas as divisas (Obs. 7, 10, 11) Coeficiente de Aproveitamento CA 0,1 (Obs. 12) Altura Máxima da Edificação - H 12,00m (Obs. 1, 2, 6, 9, 14) 1,0 9,00m (Obs. 1, 2) 1,0 - (Obs. 1, 2) Taxa de Permeabilidade - TP 90% (Obs. 5) 20% 30% (Obs. 5) OBSERVAÇÕES: AP 10 UP 8 Folha 4 / 6

5 1) A altura máxima da edificação será contada a partir da cota de soleira. A definição da cota de soleira deverá ser efetuada no ponto médio de cada projeção/lote, no seu sentido longitudinal, tendo como referência o greide da rua de acesso e a mesma altura de sua calçada, evitando o afloramento de subsolo, respeitados os dispositivos constantes da Portaria Conjunta SUCAR/SEDUH n 008/ ) A altura especificada poderá ser maior que a estabelecida desde que justificada por laudo técnico. 3) As rampas de acesso ao subsolo deverão se desenvolver inteiramente dentro do lote. 4) Quando houver segundo subsolo, o acesso de veículos será efetuado por rampa que se localizará internamente à área permitida para o subsolo, podendo a rampa do 2 subsolo coincidir com a do 1 subsolo. 5) É obrigatória a reserva de área verde permeável ajardinada e /ou arborizada dentro dos limites do lote, a qual deverá estar implantada por ocasião da expedição da carta de habite-se. A Taxa de Permeabilidade poderá ser utilizada nos afastamentos obrigatórios. 6) É permitido construir torre ou castelo d água, com altura devidamente justificada por motivos técnicos. 7) É permitida a construção de guarita dentro dos limites do lote e dentro da área de afastamento obrigatório. 8) É obrigatória a garantia das condições de acessibilidade e de integração do edifício com o entorno. 9) Caixa d água, casa de máquinas, ou outros equipamentos técnicos poderão eventualmente ultrapassar a altura máxima permitida em até 3,00 m, desde que devidamente justificados em memorial descritivo de projeto. 10) As áreas de carga e descarga serão implantadas dentro do lote, sem prejudicar a circulação de pedestres. 11) É permitido o cercamento do lote, conforme corpo da lei. 12) Será permitida a edificação de uma unidade residencial para zelador ou para apoio de funcionários para cada edificação condominial, dentro do lote, com área máxima de habitação econômica, conforme estabelecido pelo Código de Edificações do Distrito Federal, incluída no cálculo do coeficiente de aproveitamento. 13) As galerias técnicas deverão se desenvolver inteiramente dentro do lote. 14) A instalação de coletores solares, aquecedores e outros equipamentos devem fazer parte da concepção da edificação, não devendo ser tratados como objetos visualmente destacados do projeto arquitetônico. a) Aquecedores devem ser incorporados ao volume formado pela caixa d água. 15) O cercamento acompanhará limite do lote acompanhando os seguites parâmetros: a) Frente altura máxima de 2,50 m, garantido o mínimo de 70% de transparência visual em sua área de elevação; b) Fundos muro com altura máxima de 4,50 m; c) Laterais até ¼ da dimensão total da divisa, contada a partir do vértice frontal: grade com altura máxima de 2,50 m; d) Laterais a partir de ¼ da dimensão total da divisa, contada a partir do vértice frontal: muro com altura máxima de 4,50 m; AP 10 UP 8 Folha 5 / 6

6 DISPOSITIVOS DE PARCELAMENTO PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO G PARÂMETROS DE PARCELAMENTO DO SOLO: Padrões previstos de parcelamento urbano Permitido (S/N) Lote mínimo (m²) Lote máximo (m²) Novos parcelamentos N - - Desmembramentos N - - Remembramentos N - - H ESPAÇO PÚBLICO: Manutenção e preservação da área de cerrado. I ESTACIONAMENTOS: Observações J PLANOS E PROJETOS / RECOMENDAÇÕES / OBSERVAÇÕES: AP 10 UP 8 Folha 6 / 6

PURP 53 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP2 PARQUE DA CIDADE SARAH KUBITSCHEK ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 53 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP2 PARQUE DA CIDADE SARAH KUBITSCHEK ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP9 UP2 Folha 1 / 6 AP9 AP9 UP2 UP2 PARQUE DA CIDADE SARAH KUBITSCHEK ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA Folha 2 / 6 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO

Leia mais

PURP 46 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP8 UP7 ÁREA VERDE DE PROTEÇÃO E RESERVA - AVPR ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 46 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP8 UP7 ÁREA VERDE DE PROTEÇÃO E RESERVA - AVPR ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP8 UP7 Folha 1 / 5 AP8 UP7 Folha 2 / 5 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS) Corresponde à parte inferior da Praça dos Três Poderes,

Leia mais

PURP 65 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP10 UP10 SETOR DE INDÚSTRIAS GRÁFICAS - SIG ESCALA PREDOMINANTE: -

PURP 65 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP10 UP10 SETOR DE INDÚSTRIAS GRÁFICAS - SIG ESCALA PREDOMINANTE: - AP10 UP10 Folha 1 / 11 AP10 UP10 Folha 2 / 11 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA

Leia mais

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP7 Folha 1 / 7 AP7 UP7 Folha 2 / 7 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS) A orla foi idealizada por Lucio Costa, em consonância

Leia mais

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL PURP 03. AP1 UP3 Folha 1 / 5

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL PURP 03. AP1 UP3 Folha 1 / 5 AP1 UP3 Folha 1 / 5 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL Folha 2 / 5 VALOR PATRIMONIAL DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO

Leia mais

PURP 62 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO SETOR DE HABITAÇÕES COLETIVAS SUDOESTE - QUADRAS MISTAS QMSW E CENTRO COMERCIAL - CCSW

PURP 62 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO SETOR DE HABITAÇÕES COLETIVAS SUDOESTE - QUADRAS MISTAS QMSW E CENTRO COMERCIAL - CCSW Folha 1 / 19 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO Folha 2 / 19 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS

Leia mais

PURP 37 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP8 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS NORTE SCEN ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 37 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP8 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS NORTE SCEN ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP8 Folha 1 / 11 AP7 UP8 Folha 2 / 11 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS)

Leia mais

PURP 33 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 33 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP4 Folha 1 / 14 AP7 AP7 UP4 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA Folha 2 / 14 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO URBANO é um campo do conhecimento auxiliado por várias disciplinas como: Geografia,

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 2 / 12 AP4 UP2 Folha 3 / 12 AP4 UP2 Folha 4 / 12 AP4 UP2 Folha 5 / 12 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ / Lei nº 1.589/2010 Regulamenta a implantação de CONDOMÍNIO RESIDENCIAL HORIZONTAL e CONDOMÍNIO RESIDENCIAL VERTICAL e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUAÇU, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

PURP 54 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP3 SETOR DE RECREAÇÃO PÚBLICA NORTE ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 54 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP3 SETOR DE RECREAÇÃO PÚBLICA NORTE ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP9 UP3 Folha 1 / 7 AP9 UP3 Folha 2 / 7 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS)

Leia mais

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE AlphaVille Teresina Como será a casa? ESTILO ARQUITETÔNICO Como será a casa? Sala de Estar Sala de Jantar Home theater Lareira Lavabo Sala de Almoço / Copa Cozinha Despensa

Leia mais

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

PURP 15. PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP1 SUPERQUADRAS 100, 200 e 300 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL

PURP 15. PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP1 SUPERQUADRAS 100, 200 e 300 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL AP4 UP1 Folha 1 / 13 AP4 UP1 Folha 2 / 13 AP4 UP1 Folha 3 / 13 AP4 UP1 Folha 4 / 13 AP4 UP1 Folha 5 / 13 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO

Leia mais

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. Formulário Padrão (fornecido pelo IMPLURB) devidamente preenchido, sendo imprescindível conter o nome do interessado, número do telefone, número do celular

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARTUR NOGUEIRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARTUR NOGUEIRA DECRETO N.º 199/2012 Aprova o projeto do Loteamento RESIDENCIAL DA TORRE e dá outras providências. MARCELO CAPELINI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, comarca de Moji-Mirim, estado de São Paulo,

Leia mais

Lei Municipal N.º 1412

Lei Municipal N.º 1412 Lei Municipal N.º 1412 Art. 7º -- Para cada uma das zonas em que se divide a área urbana, a presente Lei, estabelece, as tabelas de 1 a 7 e no gráfico anexos: I -- os usos adequados, tolerados e inadequados;

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS

ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS PROJETOS 1 Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação 2 Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura Municipal 3 Liberação de Obra pelo Depto. Técnico da Associação

Leia mais

Data: 14 de novembro de A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei:

Data: 14 de novembro de A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1. 1 7 2 Data: 14 de novembro de 2005. Súmula: Dispõe sobre a Transferência do Direito de Construir e dá outras providências. A Câmara Municipal de Guaratuba, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU Solicitante: 1 CASO O IMÓVEL SEJA ATINGIDO POR ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) - MARGEM DE CURSO D ÁGUA, DEVERÁ OBEDECER A LEI FEDERAL Nº 12651 - CÓDIGO FLORESTAL, DE 25 DE MAIO DE 2012. CONFORME

Leia mais

DECRETO Nº DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 39748 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015 Determina o tombamento definitivo do edifício que abrigou o Colégio Arte e Instrução, situado na Avenida Ernani Cardoso, nºs 225, 229, 233 e 237,Cascadura XV

Leia mais

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. PRINCIPAIS DISPOSITIVOS

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO 1 1. APROPRIAÇÃO FÍSICA DE GLEBAS URBANAS: 1.1. PARCELAMENTO DO SOLO (Lei Federal nº 6.766/79, alterada pela

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO

AJARGO - ASSOCIAÇÃO JARDINS DO LAGO - QUADRA 01 NORMAS DE PROCEDIMENTO Folha 1/3 Nome do Arquivo: 1. OBJETIVOS Estabelecer sistemática de aprovação de projetos para que se enquadrem nas normas estabelecidas, dentro do Regulamento Interno e Restrições Urbanísticas (Cap. VIII

Leia mais

Aula 9. Prof. Regis de Castro Ferreira. Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Aula 9. Prof. Regis de Castro Ferreira. Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira rcastro@agro.ufg.br NOÇÕES DE DESENHO ARQUITETÔNICO 1. CONCEITO: (...) a representação de um projeto. Desenho arquitetônico consiste na representação geométrica das diferentes

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40;

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40; ALTERAÇÃO AO LOTEAMENTO URBANO DA ÁREA DA CERÂMICA DE MORTÁGUA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A proposta de alteração ao Loteamento que se apresenta surge na sequência da modificação das condições

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba 2015

Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba 2015 Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba 2015 O zoneamento é a linguagem física da cidade. Divide a cidade em compartimentos sobre os quais incidem diretrizes

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS GUIA RÁPIDO - PRINCIPAIS PENDÊNCIAS DE EXAME INTRODUÇÃO O presente instrumento reuniu as principais pendências identificadas nos exames de projetos de edificações,

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

Diagnóstico do Parque Augusta

Diagnóstico do Parque Augusta Diagnóstico do Parque Augusta Bruno Massao Carolina Camargo Daniela Gomes Giuliana Takahashi Luciana Santiago ESCRITÓRIO MODELO 2013 Localização Próximo ao local há comércios, universidades (Mackenzie,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PROJETO E EXECUÇÃO DE PARCELAMENTO DE SOLO ANEXO C LISTA DE DOCUMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PROJETO E EXECUÇÃO DE PARCELAMENTO DE SOLO ANEXO C LISTA DE DOCUMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PROJETO E EXECUÇÃO DE PARCELAMENTO DE SOLO ANEXO C LISTA DE DOCUMENTOS Agosto / 2016 RUA CALDAS JÚNIOR, 120-18 o ANDAR - EDIFÍCIO BANRISUL - PORTO ALEGRE RS LISTA DE DOCUMENTOS

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

ISABELA AMORELLI NATHÁLIA BJAIJE RAFAELA LOPES BOLETIM INFORMATIVO. Decreto regulamenta a Taxa de Permeabilidade nos Planos Diretores Locais

ISABELA AMORELLI NATHÁLIA BJAIJE RAFAELA LOPES BOLETIM INFORMATIVO. Decreto regulamenta a Taxa de Permeabilidade nos Planos Diretores Locais MATEUS LEANDRO DE OLIVEIRA DAYANA ANDRADE FERNANDA SANCHES ISABELA AMORELLI NATHÁLIA BJAIJE RAFAELA LOPES ILKA S. NOZAWA DE OLIVEIRA CONSULTORES: VERA AMORELLI FERNANDO MIL HOMENS MOREIRA Brasília, 28

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA APLICAÇÃO DE ABRIGOS METÁLICOS E ABRIGOS EM ALVENARIA NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ET-65-940-CPG-035 1 / 6 ESTA FOLHA

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico

DESENHO ARQUITETÔNICO I. O Projeto Arquitetônico DESENHO ARQUITETÔNICO I O Projeto Arquitetônico O que é um projeto arquitetônico? É uma representação em um plano das projeções de uma edificação. Possui três fases: 1. Fase preliminar - Estudo da viabilidade

Leia mais

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Unifamiliares. Manual para Construção de NICHOS

Padrões para. instalação de. quadro de água. Residências Unifamiliares. Manual para Construção de NICHOS Padrões para instalação de quadro de água Residências Unifamiliares Manual para Construção de NICHOS 2010 2 COMUSA Departamento de Projetos e Obras Equipe: Téc. Des. Cristine Berger Téc. Des. Paola Caroline

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 169/91, DE 25 DE JULHO DE 1991.

LEI MUNICIPAL Nº 169/91, DE 25 DE JULHO DE 1991. LEI MUNICIPAL Nº 169/91, DE 25 DE JULHO DE 1991. Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Taquaruçu do Sul, Estado do Rio Grande do Sul, usando as atribuições

Leia mais

Imagem meramente ilustrativa MANUAL DE NORMAS CONSTRUTIVAS

Imagem meramente ilustrativa MANUAL DE NORMAS CONSTRUTIVAS Imagem meramente ilustrativa MANUAL DE NORMAS CONSTRUTIVAS Tamboré Bauru (agosto de 2013) Introdução Este manual foi elaborado a partir do Anexo IV - INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

UNI FIAM FAAM INTRODUÇÃO AO PROJETO DE URBANISMO

UNI FIAM FAAM INTRODUÇÃO AO PROJETO DE URBANISMO UNI FIAM FAAM INTRODUÇÃO AO PROJETO DE URBANISMO INTRODUÇÃO AO PROJETO DE URBANISMO Professores: Helena e Ana Cecília 2 semestre 2010 turma: 018 102 A08 Daniele Tavares RA: 4221679 Renata Pereira RA: 5386069

Leia mais

R E S I D E N C I A L D I M I L A N O

R E S I D E N C I A L D I M I L A N O R E S I D E N C I A L D I M I L A N O CARAVAGGIO: TORRES UFFIZI E BORGHESE R E S I D E N C I A L Caravaggi D I M I L A N O Michelangelo Merisi da Caravaggio: nascido no Ducado de Milão, em 1571, revolucionou

Leia mais

LEI Nº , DE 3 DE JULHO DE 2007 (Projeto de Lei nº 313/06,do Vereador Russomanno - PP)

LEI Nº , DE 3 DE JULHO DE 2007 (Projeto de Lei nº 313/06,do Vereador Russomanno - PP) LEI Nº 14.459, DE 3 DE JULHO DE 2007 (Projeto de Lei nº 313/06,do Vereador Russomanno - PP) Acrescenta o item 9.3.5 à Seção 9.3 Instalações Prediais do Anexo I da Lei nº11.228, de 25 de junho de 1992 (Código

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO.

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. Artigo 1º Aplicação 1. O presente Plano de Pormenor, adiante designado

Leia mais

Fotografia 1 Vista frontal da escola de Aparecida, detalhe da fachada em desnível em relação a rua principal.

Fotografia 1 Vista frontal da escola de Aparecida, detalhe da fachada em desnível em relação a rua principal. RELATÓRIO TÉCNICO Nº 006-DINFRA/PRODIN/IFAM/2016 DA: A (O): PRODIN Manaus/AM, 05 de abril de 2015 I - DAS INFORMAÇÕES 1. OBJETO: Obra de reforma e ampliação do prédio anexo do Instituto Federal do Amazonas

Leia mais

Propostas referentes ao incentivo do rio como caminho:

Propostas referentes ao incentivo do rio como caminho: Propostas referentes ao incentivo do rio como caminho: Remodelação das calçadas e ruas lindeiras. Propostas referentes à conservação da paisagem: Remoção das palafitas, melhoria das vias de pedestres incluindo

Leia mais

Fundação 4~ Instituto de Pesquisa Q e Planejamento. J II I rj para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville =`"""' -"'":42

Fundação 4~ Instituto de Pesquisa Q e Planejamento. J II I rj para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville =`' -':42 Fundação 4~ Instituto de Pesquisa Q e Planejamento J II I rj para o Desenvolvimento Sustentável de =`"""' -"'":42 Parecer Técnico Conclusivo n 359/2016., 04 de outubro de 2016. Requerente: Insbruck Participações

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.967, DE 2 DE MARÇO DE 2010.

LEI MUNICIPAL Nº 2.967, DE 2 DE MARÇO DE 2010. LEI MUNICIPAL Nº 2.967, DE 2 DE MARÇO DE 2010. Dispõe sobre a execução e manutenção de calçadas, o rebaixamento de meio-fio sinalização dos acessos de veículos, em lotes e em edificações residenciais,

Leia mais

NORMAS DE RESTRIÇÃO, USO, APROVEITAMENTO E CONSTRUÇÃO

NORMAS DE RESTRIÇÃO, USO, APROVEITAMENTO E CONSTRUÇÃO NORMAS DE RESTRIÇÃO, USO, APROVEITAMENTO E CONSTRUÇÃO EMPREENDIMENTO GOLF 1 As Normas de Restrição, Uso, Aproveitamento e Construção tem como objetivo regular o direito de utilização e aproveitamento dos

Leia mais

Regularização Fundiária em São Mateus

Regularização Fundiária em São Mateus Regularização Fundiária em São Mateus Legislações Pertinente: Lei 6.015/73 Lei 6.766/79 Lei 9.785/99 Lei 10.257/01 Lei 11.977/09 Lei 12.424/11 Legislações Municipais Regularização Fundiária Conceito -

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 165 de 17 de Dezembro de ALTERA O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº. 165 de 17 de Dezembro de ALTERA O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR Nº. 165 de 17 de Dezembro de 2014. ALTERA O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. FABIANO DA LUZ, Prefeito Municipal de Pinhalzinho, Estado

Leia mais

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos SEUS ESGOTOS TRATADOS POR QUEM MAIS ENTENDE DO ASSUNTO Uma das grandes preocupações das empresas hoje em dia é o tratamento e a destinação de seus esgotos. A Sabesp está preparada para receber e tratar

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

DECRETO N.º DE 14 DE OUTUBRO DE 1987

DECRETO N.º DE 14 DE OUTUBRO DE 1987 1 DECRETO N.º 10.829 DE 14 DE OUTUBRO DE 1987 Regulamenta o art. 38 da Lei n.º 3.751, de 13 de abril de 1960, do que se refere à preservação da concepção urbanística de Brasília. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO NORTE SIGEPRO - SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E GERENCIAMENTO DA PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA.

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO NORTE SIGEPRO - SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E GERENCIAMENTO DA PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA. UA: SEÇÃO DE CONSERVAÇÃO PREDIAL Hora: 13:41:51 Página: 1 02.122.0570.20GP.0024 - JULGAMENTO DE CAUSAS E GESTÃO ADMINISTRATIVA NA JUSTIÇA ELEITORAL - NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO-SEDE

Leia mais

AVISO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO MUNICIPAL N

AVISO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO MUNICIPAL N 1 -------------------------------------------AVISO---------------------------------------------- -----OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO MUNICIPAL N.º 2/2011, HORTAS DA FOZ, EM PONTE DE SOR--------------------------------------------------------

Leia mais

DECRETO N.º DE 11 DE ABRIL DE 2011.

DECRETO N.º DE 11 DE ABRIL DE 2011. DECRETO N.º 33648 DE 11 DE ABRIL DE 2011. Regula a construção de edificação em favelas declaradas áreas de especial interesse social, estabelece as normas para a legalização das edificações nas áreas que

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

Operação de Loteamento para Área de Acolhimento Empresarial de Ul / Loureiro

Operação de Loteamento para Área de Acolhimento Empresarial de Ul / Loureiro Operação de Loteamento para Área de Acolhimento Empresarial de Ul / Loureiro REGULAMENTO ART.º 1º DESTINO E GESTÃO 1. A Área de Acolhimento Empresarial de Ul / Loureiro (adiante definida pela sigla AAEUL),

Leia mais

Proposição Legislativa: Projeto de Lei nº 1794/2015

Proposição Legislativa: Projeto de Lei nº 1794/2015 DISCUSSÃO DO PROJETO DE LEI 1.794/2015 QUE ALTERA A LEI Nº 10.257/2001, PARA INCLUIR INSTALAÇÃO DE COBERTURAS VEGETADAS (TELHADOS VERDES) E RESERVATÓRIOS DE ÁGUAS PLUVIAIS EM EDIFÍCIOS. NOTA TÉCNICA nº

Leia mais

RESIDÊNCIA BROOKLIN. Implantação e Partido Formal

RESIDÊNCIA BROOKLIN. Implantação e Partido Formal RESIDÊNCIA BROOKLIN Local: SÃO PAULO, SP Ano: 2004-2005 Escritório: SIAA Autora: Amanda Monteiro dos Santos, Wilton Medeiros e Ana Elísia da Costa Implantação e Partido Formal A Residência Brooklin localiza-se

Leia mais

RESOLUÇÃO 07 / CONPRESP / 2015

RESOLUÇÃO 07 / CONPRESP / 2015 RESOLUÇÃO 07 / CONPRESP / 2015 O Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo CONPRESP, no uso de suas atribuições legais e nos termos da Lei n

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA

COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES REPRESENTATIVAS DO SERVIÇO DE EMBOÇO/MASSA ÚNICA INTERNA LOTE 1 Versão: 003 Vigência: 11/2014

Leia mais

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos 1 Art. 115. As águas pluviais que escoam nos limites das propriedades não poderão aumentar as vazões do sistema de drenagem acima das condições naturais e as intervenções por edificações não poderão introduzir

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP001 - LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS Revisão: 02 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP001 - LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS Revisão: 02 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...2 5. Métodos e procedimentos de execução...2 5.1 Serviços a serem executados:...2

Leia mais

PROJETO BÁSICO N.º 02 / 2012

PROJETO BÁSICO N.º 02 / 2012 PROJETO BÁSICO N.º 02 / 2012 Gerência de Fiscalização DITEC 1. DA FINALIDADE: Abertura para procedimento licitatório com intuito de fornecer ao Núcleo de Fiscalização NUFIS, Núcleo de Topografia NUTOP

Leia mais

AULA - 3. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA.

AULA - 3. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA. ATELIÊ DE PROJETOS II Código da Disciplina CCE0041 PROJETOS DE REFERÊNCIA. AULA - 3 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ CATHEDRAL FOLD ATELIÊ DE PROJETOS - II Localização:

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004.

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, conforme art. 27º, do Decreto

Leia mais

ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA. Profª Janaína Araújo

ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA. Profª Janaína Araújo ZONAS DE PROTEÇÃO E ÁREA DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA Profª Janaína Araújo PORTARIA Nº 1.141/GM5, de 8/12/1987 Plano de Zona de Proteção de Aeródromos; Plano de Zoneamento de Ruído; Plano de Zona de Proteção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FEIRA COBERTA LOCAL: VILA CASA DE TÁBUA MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL

PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL A partir de agora, de acordo com o novo regulamento de serviços de água e esgoto, publicado em 04/07/08, todas as novas instalações de água deverão contar com proteção

Leia mais

Alterada pela Lei Complementar nº. 254, de 12 de agosto de 2010.

Alterada pela Lei Complementar nº. 254, de 12 de agosto de 2010. 2 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 245, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 Alterada pela Lei Complementar nº. 254, de 12 de agosto de 2010. RUBENS FURLAN, Prefeito do Município de Barueri usando das atribuições legais, FAZ

Leia mais

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO

ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO PARA ENGENHARIA CIVIL ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ 2016/02 ETAPAS DE UM PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto de uma edificação é desenvolvido em fases,

Leia mais

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo Fabio Villas Bôas Jardim das Perdizes, São Paulo O que é um bairro sustentável? Sustentabilidade a partir dos bairros Conceito: escala ideal para acelerar a implantação Portland: algumas iniciativas Anos

Leia mais

RESERVA DO PAIVA LOTEAMENTO PAIVA

RESERVA DO PAIVA LOTEAMENTO PAIVA MINUTA RESERVA DO PAIVA LOTEAMENTO PAIVA CONDOMÍNIO PARADISO CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO 1/47 CONDOMÍNIO PARADISO CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO Lei Federal número 4.591 de 16 de dezembro de 1964, art. 32, alínea

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1- Âmbito O Plano de Urbanização de Carregal do Sal, adiante designado por PUCS, abrange a Vila de Carregal

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO Obra: Residencial Ana Beatriz Local: Rua Adolfo Cattani, 775 - São Carlos-SP 1 CONSTITUÍDO: - O terreno com 1.746,58 m² tem acesso ao pavimento térreo pela Rua Adolfo

Leia mais

MINUTA DA LEI DE TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

MINUTA DA LEI DE TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO MINUTA DA LEI DE TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO LEI COMPLEMENTAR Nº Súmula: Dispõe sobre o Instrumento Urbanístico de Transferência do Potencial Construtivo e disciplina o artigo da Lei Complementar,

Leia mais

PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA

PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA Secretária de Estado de Desenvolvimento do Turismo TETÉ BEZERRA O PRODETUR NACIONAL O PRODETUR Nacional tem o objetivo de fortalecer a Política Nacional

Leia mais

Portaria n 27 de 16 de setembro de 1996

Portaria n 27 de 16 de setembro de 1996 Portaria n 27 de 16 de setembro de 1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O Diretor do Departamento nacional de Combustíveis,

Leia mais

PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL

PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL PORTO DE IMBITUBA S.A. OBRA: SINALIZAÇÃO VERTICAL EXTERNAS E INTERNAS LOCAL: ÁREA PORTUÁRIA PLANILHA QUANTITATIVA DE SINALIZAÇÃO VERTICAL DATA: JULHO/2013 NUMERAÇÃO EM PLANTA BAIXA QUANTIDADE DESCRIÇÃO

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Antonio Pedro Alves de Carvalho Imagem: omnistudio.com.br Qualidades de uma solução arquitetônica: Funcionalidade Economia Beleza Flexibilidade Expansibilidade

Leia mais

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Supressão de vegetação para edificação em área urbana no Estado de São Paulo aplicação a loteamentos Biomas Cerrado e Mata Atlântica - Quadro comparativo Marcelo Augusto de Barros 1 marcelo@fortes.adv.br

Leia mais

RESIDENCIA KS. Implantação e Partido formal

RESIDENCIA KS. Implantação e Partido formal RESIDENCIA KS Local Natal Ano 2012 Escritório Arquitetos Associados Autoras: Ana Elísia da Costa e Luísa Medeiros dos Santos Implantação e Partido formal A Residência KS é uma residência urbana, desenvolvida

Leia mais