Atelier de Projeto de Arquitetura I PA I Aula 03 Tema, Usuário e Programa de necessidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atelier de Projeto de Arquitetura I PA I Aula 03 Tema, Usuário e Programa de necessidades"

Transcrição

1 Atelier de Projeto de Arquitetura I PA I Aula 03 Tema, Usuário e Programa de necessidades Professores: Ana Cristina José Maria Luana Camargo Naiara Fank

2 Material disponível para download

3 LEGISLAÇÃO URBANA - OBJETIVOS Art. 1º. Toda e qualquer construção, reforma, demolição ou ampliação de edifícios, efetuada por particulares ou entidades públicas, a qualquer título, é regulada por este Código, obedecida a Legislação Federal e Estadual pertinente a matéria, e em especial as Leis Municipais de Uso e Ocupação do Solo e Parcelamento do Solo. Parágrafo Único. Não serão permitidas reconstruções, reformas ou ampliações nos imóveis com uso ou ocupação em desacordo com as disposições da Lei de Uso e Ocupação do Solo, exceto aquelas que visem o enquadramento do uso ou ocupação em questão, as exigências da Lei, bem como as consideradas necessárias, a critério da municipalidade.

4 LEGISLAÇÃO URBANA - OBJETIVOS Art.2º. São objetivos deste Código: I registrar informações técnicas sobre as construções na cidade; II assegurar os padrões mínimos de segurança, higiene, salubridade e conforto das edificações de interesse para a comunidade; e III controlar e acompanhar a evolução do espaço urbano construído.

5 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES Art. 3º. Para efeito do presente Código, são adotadas as seguintes definições: I AFASTAMENTO FRONTAL MÍNIMO OU RECUO: é a distância mínima entre a projeção de uma edificação e o eixo geométrico da via lindeira ao lote edificado;

6 Exemplo de afastamento frontal

7 II AFASTAMENTO: distância entre o limite externo da projeção horizontal da edifi- cação e a divisa do lote; Afastamento Mínimo 1,50m Mas para questões de legislação e cálculos, consultar legislação urbana do município a ser implantada a edificação.

8 ÁREA CONSTRUÍDA (AC) É a soma das áreas cobertas de todos os pavimentos de uma edificação; OBS.: Edificação e piscina. Não contam como área construída: pergolas, pisadas, pilotis. COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO (CA) É a relação entre a área construída computável e a área do lote; TAXA DE OCUPAÇÃO (TO) É a relação entre a área da projeção horizontal da edificação ou edificações e área do lote; TAXA DE PERMEABILIDADE (TP) É a relação entre a parte permeável, que permite a infiltração de água no solo, livre de qualquer edificação, e a área do lote. PADRÃO GEOMÉTRICO MÍNIMO (PGM) Define afastamentos frontais mínimos e intervenções urbanas (hierarquia viária). *OBS.: NO TERRENO ESCOLHIDO PARA A APLICAÇÃO DO PROJETO, AS TAXAS DE OCUPAÇÃO E TAXA DE PERMEABILIDADE SERÃO DE 75% E 25% RESPECTIVAMENTE. (DEVIDO AO USO)

9 COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO XIV COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO: é a relação entre a área total edificável em um lote e sua área, conforme legislação vigente até a publicação da Lei Complementar 044/97; Coeficiente de aproveitamento, é um número, que multiplicado pela área do lote, estabelece a quantidade máxima de metros quadrados possíveis de serem construídos neste lote, somando-se a área de todos os pavimentos. Difícil? Então vamos aos exemplos: Suponhamos que temos um lote medindo 15 x 30, que nos dá uma área total de 450,00m² com CA=2,5. Neste lote poderemos construir o máximo de 1.125,00m². Podemos observar duas possibilidades para a execução de uma edificação neste lote:

10 COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO No primeiro exemplo a taxa de ocupação é de 50% e permite o uso de quatro pavimentos. Na segunda opção, a taxa de ocupação é de 25% mas permite a utilização de seis pavimentos. Ou seja, com um mesmo CA de 2,5, podemos construir mais ou menos pavimentos, mas a mesma metragem quadrada total, dependendo da taxa de ocupação permitida no lote. Em ambos podemos construir até m², porém no primeiro caso teremos uma construção mais horizontal e no segundo uma mais verticalizada.

11 COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO Isso pode acontecer, por exemplo, em cidades à beira mar: nas primeiras quadras, na faixa da praia, os municípios podem definir uma Taxa de Ocupação maior, e um gabarito (o número de pavimentos permitido) menor, com um mesmo CA que em lotes mais afastados da faixa de areia, onde o gabarito é maior e a T.O. menor. Isso acontece para que a sombra dos edifícios não se projete na praia cedo demais, espantando os banhistas. Isso também ocorre em grandes centros urbanos, onde o adensamento é maior em áreas mais centrais, permitindo a verticalização, e deixando bairros residenciais, ou com potencial de preservação ambiental, mais horizontais, melhorando a ventilação e insolação dos lotes.

12 TAXA DE OCUPAÇÃO Podemos dizer que taxa de ocupação é o percentual utilizado pela edificação em relação a área total do lote, considerando apenas sua projeção horizontal, desconsiderando assim, a altura da edificação e o número de pavimentos. Veja um exemplo no desenho abaixo:

13 TAXA DE OCUPAÇÃO Porém, se algum dos pavimentos superiores ao térreo, avançarem horizontalmente sobre os limites do pavimento térreo, esta área excedente, passa a contar no coeficiente de ocupação, conforme figura a seguir.

14 PADRÃO GEOMÉTRICO MÍNIMO É critério para fins de definição de Afastamento Frontal Mínimo, de localização das atividades e empreendimentos da categoria IMPACTANTE e de Limite de Adensamento. É determinado a partir do eixo geométrico da via, medindo-se a metade do seu valor para cada lado. DA HIERARQUIZAÇÃO DAS VIAS URBANAS Art. 5º De acordo com as características funcionais e físicas do sistema viário urbano, ficam estabelecidas 05 (cinco) classes de vias: I - Especiais, formadas pelas vias destinadas preferencialmente a pedestres ou a passagem de bicicletas; II - Locais, formadas pelas vias que garantem acesso local às residências e atividades; III - Coletoras, formadas pelas vias que fazem a ligação entre os bairros; IV - Principais, formadas pelas vias de atravessamento com média capacidade de tráfego; V - Estruturais, formadas pelas vias de atravessamento com alta capacidade de tráfego.

15 PADRÃO GEOMÉTRICO MÍNIMO Os Padrões Geométricos Mínimos de Caixa Viária são: I Vias Estruturais 30m (trinta metros); II Vias Principais 24m (vinte e quatro metros); III Vias Coletoras 18m (dezoito metros); IV Vias Locais 12m (doze metros); O Padrão Geométrico Mínimo para as vias estruturais e principais abertas posteriormente a aprovação dessa lei, serão respectivamente de 50 m (cinquenta metros) e 30m (trinta metros).

16

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou gleba, e o logradouro público. Alvará: Documento que licencia

Leia mais

DESENHO TÉCNICO PLANTA DE SITUAÇÃO. Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos

DESENHO TÉCNICO PLANTA DE SITUAÇÃO. Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos DESENHO TÉCNICO PLANTA DE SITUAÇÃO Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado Santos PROJETOS ARQUITETÔNICOS Os desenhos básicos que compõem um projeto

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. AULA 06 - COBERTURA Curso: Engenharia Civil Matéria: Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. AULA 06 - COBERTURA Curso: Engenharia Civil Matéria: Desenho Técnico DESENHO TÉCNICO AULA 06 - COBERTURA Curso: Engenharia Civil Matéria: Desenho Técnico Prof.: Philipe do Prado Santos Email Institucional: ppsantos.vic@ftc.edu.br Os desenhos básicos que compõem um projeto

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS (60 h)

COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS (60 h) COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS (60 h) AULA 03 REVISÃO I UNIDADE Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR Colegiado de Arquitetura e Urbanismo Prof. Philipe do Prado Santos PROGRAMA DE NECESSIDADES - Não

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou

TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou TERMOS USADOS NOS PROJETOS DE ARQUITETURA Alinhamento: É a linha legal, traçada pelas autoridades municipais, que serve de limite entre o lote, ou gleba, e o logradouro público. Alvará: Documento que licencia

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO

DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Mundi - Centro de Formação Técnica Unidade Vitória da Conquista BA Professor: Philipe do Prado Santos Curso Técnico de Edificações

Leia mais

(A) 125m² e 195m² (B) 125m² e 320m² (C) 240m² e 80m² (D) 240m² e 195m² (E) 240m² e 320m². Resolução: Dados da questão:

(A) 125m² e 195m² (B) 125m² e 320m² (C) 240m² e 80m² (D) 240m² e 195m² (E) 240m² e 320m². Resolução: Dados da questão: Para construção de uma edificação em um terreno urbano, de área igual a 400m2, são previstos os seguintes dados: índice de aproveitamento de área (I.A.A.) igual a 2,5; taxa de ocupação de 60%; taxa de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO URBANO é um campo do conhecimento auxiliado por várias disciplinas como: Geografia,

Leia mais

AI Pequeno Glossário e Parâmetros Urbanísticos

AI Pequeno Glossário e Parâmetros Urbanísticos AI-1 2017-1 Pequeno Glossário e Parâmetros Urbanísticos Um pedaço da cidade Um pedaço da cidade, antes de ser cidade Projeto de loteamento PAL - Projeto Aprovado de Loteamento ALINHAMENTO: linha limítrofe

Leia mais

155 Anexo B Legislação

155 Anexo B Legislação 155 Anexo B Legislação 156 B.1 Decreto 31.601 de 1992 (HIS) Tabela 71- Coeficientes para uso residencial de acordo com o Decreto 31.601 de 1992 (HIS). Categoria de Uso Zona Taxa de ocupação máxima Coeficiente

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA FISCAIS DE OBRAS E POSTURAS MUNICIPAIS

CAPACITAÇÃO PARA FISCAIS DE OBRAS E POSTURAS MUNICIPAIS CAPACITAÇÃO PARA FISCAIS DE OBRAS E POSTURAS MUNICIPAIS Gustavo Leonardo Wloch Arquiteto e Urbanista Assessoria de Planejamento Territorial AMAVI Outubro/2016 OBJETIVOS Explanar sobre o processo de elaboração

Leia mais

PLANO DIRETOR DE CURITIBA - VISÃO DE FUTURO IPPUC

PLANO DIRETOR DE CURITIBA - VISÃO DE FUTURO IPPUC Cidade inclusiva, humana, próspera, segura, resiliente, aprazível, participativa, sustentável PLANO DIRETOR DE CURITIBA - VISÃO DE FUTURO PLANO DIRETOR - VISÃO FUTURA - ESTRUTURAÇÃO URBANA EIXO ESTRUTURAL

Leia mais

Condomínio Residencial Solar da Serra PLANO DE USO E OCUPAÇÃO Apresentação do Centro Comercial. Brasília, Junho de 2018

Condomínio Residencial Solar da Serra PLANO DE USO E OCUPAÇÃO Apresentação do Centro Comercial. Brasília, Junho de 2018 Condomínio Residencial Solar da Serra PLANO DE USO E OCUPAÇÃO Apresentação do Centro Comercial Brasília, Junho de 28 2 Situação Existente Projeto atual do Centro Comercial Taxa de ocupação atual Lotes

Leia mais

CONSULTA PARA REQUERER ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO

CONSULTA PARA REQUERER ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO ENDEREÇO: LOTEAMENTO: Testada Minima RUA FRANCISCO KNOPIK CIAR Nº: 0 QUADRA: ESTA CONSULTA É APENAS INFORMATIVA, NÃO PERMITE O INÍCIO DA CONSTRUÇÃO PARÂMETROS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO VIGENTE DEVERÁ

Leia mais

Lei Municipal N.º 1412

Lei Municipal N.º 1412 Lei Municipal N.º 1412 Art. 7º -- Para cada uma das zonas em que se divide a área urbana, a presente Lei, estabelece, as tabelas de 1 a 7 e no gráfico anexos: I -- os usos adequados, tolerados e inadequados;

Leia mais

IPU - INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO URBANO

IPU - INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO URBANO IPU - INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO URBANO ÍNDICES URBANÍSTICOS Aula 04 Prof Estevam Vanale Otero Prof Fernando Luiz Antunes Guedes Profa Noemi Yolan Nagy Fritsch 2016 PLANO DIRETOR O que é o Plano Diretor?

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA

Grupo de Materiais de Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA Disciplina: Construção civil I Departamento de construção civil Prof: Gabriel P. Marinho Assuntos - CONCEITOS INICIAIS - CREA PR - ETAPAS - DOCUMENTOS - TAXAS - REPRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 010/2010 PMM REDAÇÃO FINAL

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 010/2010 PMM REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 010/2010 PMM REDAÇÃO FINAL ALTERA A REDAÇÃO DE DISPOSITIVOS E ANEXOS QUE MENCIONA, DA LEI COMPLEMENTAR Nº 029/2004 ALTERADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 044/2007-PMM, E DA LEI

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO - LEI DE ZONEAMENTO E PARÂMETROS CONSTRUTIVOS-

PROJETO ARQUITETÔNICO - LEI DE ZONEAMENTO E PARÂMETROS CONSTRUTIVOS- PROJETO ARQUITETÔNICO - LEI DE ZONEAMENTO E PARÂMETROS CONSTRUTIVOS- UFPR - DEGRAF - CEG218 Desenho Arquitetônico I - Prof. Márcio Carboni 1 IMAGINEM POR ALGUNS INSTANTES SE TODOS RESOLVESSEM CONSTRUIR

Leia mais

1.1 Região Administrativa de São Sebastião RA XIV Residenciais Morada de Deus

1.1 Região Administrativa de São Sebastião RA XIV Residenciais Morada de Deus PROCESS: 030.000.466/1997 DECISÕES: DATAS: DECRETOS: DATAS: PUBLICAÇÃO: DODF de 1 LOCALIZAÇÃO 1.1 Região Administrativa de São Sebastião RA XIV Residenciais Morada de Deus Rua Alecrim, Rua Candeia, Avenida

Leia mais

ACRÉSCIMO DE ÁREA - aumento de área em uma construção em sentido horizontal ou vertical; o mesmo que ampliação;

ACRÉSCIMO DE ÁREA - aumento de área em uma construção em sentido horizontal ou vertical; o mesmo que ampliação; QUADRO 1 - GLOSSÁRIO ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas; ACRÉSCIMO DE ÁREA - aumento de área em uma construção em sentido horizontal ou vertical; o mesmo que ampliação; AFASTAMENTO - distância

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA LEI Nº XX.XXX

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA LEI Nº XX.XXX 1 LEI Nº XX.XXX Dispõe sobre incentivos construtivos no Município de Curitiba e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

A.Coeficiente de Aproveitamento (CA)

A.Coeficiente de Aproveitamento (CA) A.Coeficiente de Aproveitamento (CA) O que é? É a divisão entre a área construída computável de uma edificação e a área total do terreno. Basicamente, o CA determina o potencial construtivo, ou seja, quantos

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 123/2017

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 123/2017 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 123/2017 Altera a Lei Complementar nº 470, de 09 de janeiro de 2017. O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, conforme artigos 42 e 68, VI da

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

LEI Nº 3709/92 (*) (**)

LEI Nº 3709/92 (*) (**) LEI Nº 3709/92 (*) (**) INSTITUI O PLANO DE URBANIZAÇÃO ESPECÍFICA DO RETIRO DA LAGOA. Faço saber a todos os habitantes do Município de Florianópolis, que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACAREÍ PALÁCIO PRESIDENTE CASTELO BRANCO JACAREÍ ESTADO DE SÃO PAULO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACAREÍ PALÁCIO PRESIDENTE CASTELO BRANCO JACAREÍ ESTADO DE SÃO PAULO GABINETE DO PREFEITO DECRETO N.º 018/2005 Estabelece diretrizes para obtenção da Licença Urbanística, Certificado de Mudança de Uso e 'Habite-se', e dá outras disposições. das atribuições que lhe são conferidas por Lei, O

Leia mais

Projeto Condomínio Verde. projeto. Condomínio Verde. Regularização do Uso e Ocupação do Solo Jardim Botânico Brasília DF

Projeto Condomínio Verde. projeto. Condomínio Verde. Regularização do Uso e Ocupação do Solo Jardim Botânico Brasília DF projeto Condomínio Verde Regularização do Uso e Ocupação do Solo Jardim Botânico Brasília DF 1. O Projeto de Urbanismo realizado destina-se a regularização dos lotes; 2. As edificações deverão ser regularizadas

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof: Helano Abreu hasantos@sfiec.org.br www.profhelanoabreu.wordpress.com 1 Leitura e Interpretação de Projetos PROJETO ARQUITETÔNICO 2 Tipos de projeto 1. TIPOS DE PROJETO: Os projetos

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PBH ATIVOS S.A. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (PMI) 002/2018

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PBH ATIVOS S.A. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (PMI) 002/2018 PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PBH ATIVOS S.A. PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE (PMI) 002/2018 GERAÇÃO DE ENERGIA NA CENTRAL DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA BR-040 (CTRS BR-040) Anexo XIII:

Leia mais

Data: abril/2012 TRABALHO INTERDISCIPLINAR

Data: abril/2012 TRABALHO INTERDISCIPLINAR Grupo Universitário - IPEP São Paulo - SP Rua Maria Paula, 35-1º andar Bela Vista Fone: (11) 3293-3558 Rua Pirapitingui, 186-1º andar Liberdade Fone: (11) 3385-7400 Campinas - SP Rua José de Alencar, 470

Leia mais

LEI Nº DE 12 DE SETEMBRO DE 2017

LEI Nº DE 12 DE SETEMBRO DE 2017 LEI Nº 4.865 DE 12 DE SETEMBRO DE 2017 ALTERA os artigos 11 e 16 da Lei Municipal nº 1.017, de 01/12/1987... ARMANDO CARLOS ROOS, PREFEITO DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME- TOQUE/RS. FAÇO SABER que a Câmara de Vereadores

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 76/2017

LEI COMPLEMENTAR Nº 76/2017 LEI COMPLEMENTAR Nº 76/2017 Dispõe sobre o zoneamento, uso e ocupação do solo da Zona de Proteção da Bacia do Rio Cascavel - ZPBC 2, que tem seus limites definidos pela Lei Complementar 69/2016 de Zoneamento

Leia mais

ANEXO I. QUADRO DE ESTATÍSTICAS (Informações mínimas)

ANEXO I. QUADRO DE ESTATÍSTICAS (Informações mínimas) ANEXO I QUADRO DE ESTATÍSTICAS (Informações s) PROPRIETÁRIO: RESPONSAVEL TÉCNICO PROJETO e ART/RRT: RESPONSAVEL TÉCNICO EXECUÇÃO e ART/: ENDEREÇO DA OBRA: ENDEREÇO CORRESPONDÊNCIA: ZONEAMENTO: USO: ÁREA:

Leia mais

"DISPÕE SOBRE A REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS, COMERCIAIS, INSTITUCIONAIS E INDUSTRIAIS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS".

DISPÕE SOBRE A REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS, COMERCIAIS, INSTITUCIONAIS E INDUSTRIAIS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1/7 LEI COMPLEMENTAR Nº 76 DE 31 DE OUTUBRO DE 2018. "DISPÕE SOBRE A REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS, COMERCIAIS, INSTITUCIONAIS E INDUSTRIAIS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". O Prefeito Municipal

Leia mais

QUADRO XV ZONA CENTRAL - ZC PARÂMETROS COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO (CA)

QUADRO XV ZONA CENTRAL - ZC PARÂMETROS COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO (CA) QUADRO XV ZONA CENTRAL ZC NÃO DAS DIVISAS Habitação Unifamiliar () 2 0 Habitação Coletiva Habitação Transitória Empreendimento inclusivo de habitação de interesse social Comunitario Comunitario 2 Lazer,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Taubaté Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Taubaté Estado de São Paulo PLANO DIRETOR FÍSICO DE TAUBATÉ - REVISÃO ANEXO XII Quadro de Parâmetros Urbanísticos de Consolidação Urbana Z1 Especial de Planejamento Z2 TP 4 Gabarito de Básico Mín altura ⁵ N0 250 10 1,5 1,5 0,25 70

Leia mais

Grupo de Construçao Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA

Grupo de Construçao Construção Departamento de Construção Civil Universidade Federal do Paraná APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA APROVAÇÃO DE PROJETOS - PREFEITURA Disciplina: Construção civil I Departamento de construção civil Profa: Barbara T. V. Bôas Prof: Gabriel P. Marinho Assuntos - CONCEITOS INICIAIS - CREA PR - ETAPAS -

Leia mais

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB

PURP 63 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA. AP 10 UP 8 INSTITUTO DE METEOROLOGIA (INMET), CEB e CAESB AP 10 UP 8 Folha 1 / 6 AP 10 UP 8 Folha 2 / 6 DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Inscrição Imobiliária 63.3.0011.0034.00-4 Sublote 0000 Indicação Fiscal 79.073.253 Nº da Consulta / Ano Bairro: SANTA FELICIDADE Quadrícula: F-07 Rua da Cidadania: Santa Felicidade Motivo Incompleta: IMÓVEL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA VENEZA

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA VENEZA ANTEPROJETO - PARCELAMENTO DO SOLO ALTERA A LEI MUNICIPAL Nº 1.705, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004, QUE DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO

DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO fevereiro de 2016 a 04 de março de 2016. PALÁCIO RIO BRANCO, 22 de fevereiro de 2016. Ailton Cardozo de Araujo : Presidente Poder Executivo PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA - PMC DECRETO Nº 140 Regulamenta

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 165 de 17 de Dezembro de ALTERA O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº. 165 de 17 de Dezembro de ALTERA O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR Nº. 165 de 17 de Dezembro de 2014. ALTERA O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. FABIANO DA LUZ, Prefeito Municipal de Pinhalzinho, Estado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Inscrição Imobiliária 57.4.0089.0420.00-0 Sublote 0000 Indicação Fiscal 81.225.028 Nº da Consulta / Ano Bairro: XAXIM Quadrícula: R-12 Bairro Referência: Rua da Cidadania: Boqueirão Informações da SMU

Leia mais

QUADRO XXV ZONA DE USO MISTO 1 - ZUM-1

QUADRO XXV ZONA DE USO MISTO 1 - ZUM-1 QUADRO XXV ZONA DE USO MISTO ZUM DAS DIVISAS Habitação Unifamiliar () Habitação Unifamiliar em série 2 0 Habitação Coletiva Habitação Institucional 4 0 Até 2 pav.. = Facultado. 2,0 m. x40 NÃO Comunitário

Leia mais

Análise de impacto de edifícios em altura, através de uso de Heliodon, no balneário Cassino, Rio Grande, RS.

Análise de impacto de edifícios em altura, através de uso de Heliodon, no balneário Cassino, Rio Grande, RS. Análise de impacto de edifícios em altura, através de uso de Heliodon, no balneário Cassino, Rio Grande, RS. IFRS Campus Rio Grande Núcleo de Arquitetura Tecnologia em Construção de Edifícios. Autores:

Leia mais

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. PRINCIPAIS DISPOSITIVOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Taubaté

Prefeitura Municipal de Taubaté ANEXO I DEFINIÇÕES Art. 1º Para efeito desta lei, entende-se por: Abairramento: ato ou efeito de abairrar, ato ou efeito de dividir a cidade em bairros; Acessibilidade: é a possibilidade de alcance, percepção

Leia mais

DECRETO N.º D E C R E T A : CAPÍTULO I SEÇÃO ÚNICA DA VILA SANTA CECÍLIA

DECRETO N.º D E C R E T A : CAPÍTULO I SEÇÃO ÚNICA DA VILA SANTA CECÍLIA DECRETO N.º 2.382 EMENTA: Subdivide em setores a Zona de Atividades e a Zona Habitacional da Vila Santa Cecília e estabelece outras providências. O Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso de suas atribuições,

Leia mais

INFORMAÇÃO BÁSICA PARA EDIFICAÇÕES

INFORMAÇÃO BÁSICA PARA EDIFICAÇÕES 1 / 4 Nº da Solicitação: 360615 Data Solicitação: 08/03/2016 Índice Cadastral do IPTU: 240.017E.005.001-5 IDENTIFICAÇÃO DO LOTE Regional: NOROESTE Zona Fiscal: 240 Quarteirão: 017E Lote: 005 Planta de

Leia mais

IV - prova da quitação da taxa correspondente à análise e aprovação do processo e a respectiva contrapartida.

IV - prova da quitação da taxa correspondente à análise e aprovação do processo e a respectiva contrapartida. 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 4.954, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2016. Dispõe sobre a regularização da ocupação do solo nos pavimentos térreos de edificações comerciais situadas nos eixos de comércio ZC1, ZC3, ZC5 e

Leia mais

Lei Complementar nº 53 de 15 de maio de 1992 Anexo II - Quadro 1 Parâmetros Urbanísticos Áreas, recuos, taxas e coeficientes- ZEIS e EHIS

Lei Complementar nº 53 de 15 de maio de 1992 Anexo II - Quadro 1 Parâmetros Urbanísticos Áreas, recuos, taxas e coeficientes- ZEIS e EHIS 196 Anexo II - Quadro 1 Parâmetros Urbanísticos Áreas, recuos, taxas e coeficientes- ZEIS e EHIS Parâmetros Urbanísticos Categorias de Frente Solução com parcelamento Condomínio Área Recuo Recuo lateral

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU Solicitante: 1 CASO O IMÓVEL SEJA ATINGIDO POR ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) - MARGEM DE CURSO D ÁGUA, DEVERÁ OBEDECER A LEI FEDERAL Nº 12651 - CÓDIGO FLORESTAL, DE 25 DE MAIO DE 2012. CONFORME

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 007/2017, 27 de outubro de Parágrafo Único - Para efeitos do que trata o caput deste artigo, considera-se:

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 007/2017, 27 de outubro de Parágrafo Único - Para efeitos do que trata o caput deste artigo, considera-se: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 007/2017, 27 de outubro de 2017 Dispõe sobre a regularização de construções irregulares e clandestinas e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PIRATUBA, Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 / CONPRESP / 2015

RESOLUÇÃO Nº 20 / CONPRESP / 2015 RESOLUÇÃO Nº 20 / CONPRESP / 2015 O Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo - CONPRESP, no uso de suas atribuições legais e nos termos da

Leia mais

Procedimentos. de projetos

Procedimentos. de projetos Procedimentos para aprovação de projetos 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP ESTADO DE MINAS GERAIS

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 2.856, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2008. DISPÕE SOBRE ANISTIA DE CONSTRUÇÕES CLANDESTINAS OU IRREGULARES. O Povo do Município de Lagoa Santa, por seus representantes legais na Câmara Municipal, aprovou,

Leia mais

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos 1 Comissão de Implantação do Campus 2 USP S. Carlos Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos Prof. Carlos Martins, Arq. Sérgio Assumpção, Prof.

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 74/2018

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 74/2018 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 74/2018 EMENTA: ESTABELECE CONDIÇÕES ESPECIAIS PARA O LICENCIAMENTO E A LEGALIZAÇÃO DE CONSTRUÇÕES E ACRÉSCIMOS NAS EDIFICAÇÕES NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, E DÁ OUTRAS

Leia mais

A Legislação urbanística vigente e seus instrumentos que envolvem valor. Arq. Marcelo Ignatios

A Legislação urbanística vigente e seus instrumentos que envolvem valor. Arq. Marcelo Ignatios A Legislação urbanística vigente e seus instrumentos que envolvem valor Arq. Marcelo Ignatios mignatios@spurbanismo.sp.gov.br PRÓXIMOS PASSOS Regulamentação dos Instrumentos do PDE Elaboração dos Planos

Leia mais

ÁREAS E ÍNDICES. Áreas. Paula Eça -REVISÃO DE ÁREAS DE FIGURAS GEOMÉTRICAS -ÁREA PRIVATIVA X ÁREA ÚTIL -PARÂMETROS (ÁREAS E ÍNDICES)

ÁREAS E ÍNDICES. Áreas. Paula Eça -REVISÃO DE ÁREAS DE FIGURAS GEOMÉTRICAS -ÁREA PRIVATIVA X ÁREA ÚTIL -PARÂMETROS (ÁREAS E ÍNDICES) ÁREAS E ÍNDICES -REVISÃO DE ÁREAS DE FIGURAS GEOMÉTRICAS -ÁREA PRIVATIVA X ÁREA ÚTIL -PARÂMETROS (ÁREAS E ÍNDICES) ÁREAS - FIGURAS GEOMÉTRICAS RETÂNGULO OU QUADRADO TRIÂNGULO h h A =b.h A =b.h b b 2 CIRCUNFERÊNCIA

Leia mais

Documento assinado digitalmente, conforme MP nº /2001, Lei nº /2006, resolução do Projudi, do TJPR/OE

Documento assinado digitalmente, conforme MP nº /2001, Lei nº /2006, resolução do Projudi, do TJPR/OE PROJUDI - Processo: 0062708-82.2011.8.16.0001 - Ref. mov. 60.2 - Assinado digitalmente por Hamilton Maia da Silva Filho 22/11/2017: JUNTADA DE PETIÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DA PARTE. Arq: resposta ofício Documento

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de

Leia mais

CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011

CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011 CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011 CAPACITAÇÃO e ASSESSORIA: UNIVALI UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CURSO DE ARQUITETURA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA QUADRO XLIV SETOR DAS VIAS SETORIAIS 1

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA QUADRO XLIV SETOR DAS VIAS SETORIAIS 1 QUADRO XLIV SETOR DAS VIAS SETORIAIS 1 USOS E (1) em série (3) Habitação Institucional Estacionamento Comercial (5) e Edifício Garagem (5) PERMISSÍVEIS Comunitário 1 e 2 2.000,00 m² 10.000,00 m² Comunitário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARTUR NOGUEIRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARTUR NOGUEIRA DECRETO N.º 199/2012 Aprova o projeto do Loteamento RESIDENCIAL DA TORRE e dá outras providências. MARCELO CAPELINI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, comarca de Moji-Mirim, estado de São Paulo,

Leia mais

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Mariana PDE LEI Nº (31 de Julho de 2014) & Revisão da LUOS e PRES ( Lei 13.

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Mariana PDE LEI Nº (31 de Julho de 2014) & Revisão da LUOS e PRES ( Lei 13. Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Mariana PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) & Revisão da LUOS e PRES ( Lei 13.885/2005) Ivan Maglio Eng Civil e Dr em Saúde Ambiental Coordenador do PDE 2002,

Leia mais

PROJETO DE ARQUITETURA. Centro Cultural

PROJETO DE ARQUITETURA. Centro Cultural PROJETO DE ARQUITETURA Centro Cultural Roteiro para desenvolvimento das atividades previstas na Disciplina PA: Edifícios Complexos Adoção do Partido na Arquitetura Laert Pedreira Neves ISBN: 8523202196

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 125 DE 14 DE JANEIRO DE 2013.

LEI COMPLEMENTAR Nº 125 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. LEI COMPLEMENTAR Nº 125 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. Altera as redações das Leis Complementares nº 74, de 14 de janeiro de 2005, e nº 101, de 23 de novembro de 2009, estabelece condições para instalação de

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL EDIFÍCIOS DE USO MISTO EM SANTA MARIA/DF Autores: Camila Celin Paris, Naiene Cardoso, Naiara Menezes e Luisa Zacche A situação dos lotes para a implantação dos edifícios de uso misto, contíguos e delimitados

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO RIACHO ESTADO DE MINAS GERAIS ADMINISTRAÇÃO LEI 114/1983

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO RIACHO ESTADO DE MINAS GERAIS ADMINISTRAÇÃO LEI 114/1983 1 LEI 114/1983 CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SANTANA DO RIACHO - Dispõe sobre as construções no Município de Santana do Riacho, Estado de Minas Gerais, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARINGÁ DECRETO Nº 1993/2014 Estabelece os procedimentos relativos à aprovação de Projetos de Implantação de Edificação, para edificações que não são objeto de constituição condominial, independentemente do número

Leia mais

APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS

APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - H.I.S. HABITAÇÃO DO MERCADO POPULAR - H.M.P. SECRETARIA DA HABITAÇÃO DEP. DE APROVAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES APROV LEGISLAÇÃO VIGENTE LEI 11.228 26/06/1992

Leia mais

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL

RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL DUNA: RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR FLEXÍVEL Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Centro de Tecnologia CT Curso de Arquitetura e Urbanismo CAU Trabalho Final

Leia mais

OFÍCIO GP N.º 451/CMRJ EM 25 DE ABRIL DE 2012.

OFÍCIO GP N.º 451/CMRJ EM 25 DE ABRIL DE 2012. OFÍCIO GP N.º 451/CMRJ EM 25 DE ABRIL DE 2012. Senhor Presidente, Dirijo-me a Vossa Excelência para comunicar que, nesta data, sancionei o Projeto de Lei Complementar n.º 57, de 2011, de autoria do Poder

Leia mais

Código de Obras L E G I S L A Ç Ã O P R O F I S S I O N A L E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O P R O F ª B Á R B A R A S I L V É R I A

Código de Obras L E G I S L A Ç Ã O P R O F I S S I O N A L E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O P R O F ª B Á R B A R A S I L V É R I A Código de Obras L E G I S L A Ç Ã O P R O F I S S I O N A L E S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O P R O F ª B Á R B A R A S I L V É R I A Código de Obras Instrumento que permite à Administração Municipal

Leia mais

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE AlphaVille Teresina Como será a casa? ESTILO ARQUITETÔNICO Como será a casa? Sala de Estar Sala de Jantar Home theater Lareira Lavabo Sala de Almoço / Copa Cozinha Despensa

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 Gabinete do Prefeito PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº ----, DE ----- DE DEZEMBRO DE 2012 Altera a Lei Complementar nº 171, de 29 de maio de 2007, que Dispõe sobre o Plano Diretor e processo de planejamento

Leia mais

LEI N 8.001, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1973 Lei Legislativo Parcelamento.do.solo zoneamento Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo urbano,

LEI N 8.001, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1973 Lei Legislativo Parcelamento.do.solo zoneamento Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo urbano, LEI N 8.001, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1973 Lei 8.001 24.12.73 Legislativo Parcelamento.do.solo zoneamento Dispõe sobre o uso e a ocupação do solo urbano, altera e complementa a Lei nº 7.805, de 1º de novembro

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área Permeável; IV. Projeto de Remembramento,

Leia mais

Monografia "ANÁLISE CRÍTICA DA LEI FRENTE AS DEMAIS LEGISLAÇÕES URBANÍSTICAS EM VIGOR E MEDIDAS DE CONFORTO AMBIENTAL"

Monografia ANÁLISE CRÍTICA DA LEI FRENTE AS DEMAIS LEGISLAÇÕES URBANÍSTICAS EM VIGOR E MEDIDAS DE CONFORTO AMBIENTAL Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia de Materiais e Construção Curso de Especialização em Construção Civil Monografia "ANÁLISE CRÍTICA DA LEI 9074-2005 FRENTE

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO

PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 36 / CONPRESP / 2013

RESOLUÇÃO Nº 36 / CONPRESP / 2013 RESOLUÇÃO Nº 36 / CONPRESP / 2013 O Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo CONPRESP, no uso de suas atribuições legais e nos termos da Lei

Leia mais

Ventos predominantes. Poente. P Ponto de ônibus

Ventos predominantes. Poente. P Ponto de ônibus P Ponto de ônibus Poente P P Ventos predominantes O terreno da intervenção localizase no bairro São João do Tauape em uma área de alta densidade demográfica e ocorrência de ocupações irregulares. Observouse

Leia mais

EXERCÍCIO 2: EDIFÍCIO RESIDENCIAL EM ÁREA CENTRAL

EXERCÍCIO 2: EDIFÍCIO RESIDENCIAL EM ÁREA CENTRAL Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Letras, Artes, Comunicação e Ciências da Educação Curso de Arquitetura e Urbanismo EXERCÍCIO 2: EDIFÍCIO RESIDENCIAL EM ÁREA CENTRAL Projeto de Arquitetura II

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO DO COSTA LAGUNA - ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR U7

ANEXO I REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO DO COSTA LAGUNA - ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR U7 ANEXO I REGUAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOO DO COSTA AGUNA - ZONA RESIDENCIA UNIFAMIIAR U7 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1 As regras e disposições limitativas do uso e ocupação do solo previstas neste Regulamento

Leia mais

PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92

PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92 PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92 PROJETO DE LEI 01-00470/2011 do Executivo (Encaminhado à Câmara pelo Sr. Prefeito com o ofício ATL 126/11). Institui o Projeto Estratégico de Intervenção Urbana - Parque

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Bairro: BAIRRO ALTO Quadrícula: F18 Rua da Cidadania: Boa Vista Informações da SMU Testadas do Lote Posição do Lote: Meio de quadra 1 Denominação: AV. CAVIÚNA Sistema Viário: NORMAL Cód. do Logradouro:E333A

Leia mais

PURP 53 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP2 PARQUE DA CIDADE SARAH KUBITSCHEK ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 53 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP9 UP2 PARQUE DA CIDADE SARAH KUBITSCHEK ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP9 UP2 Folha 1 / 6 AP9 AP9 UP2 UP2 PARQUE DA CIDADE SARAH KUBITSCHEK ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA Folha 2 / 6 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO

Leia mais

CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II

CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II CONJUNTO HABITACIONAL NO GUARÁ II 1 INTRODUÇÃO 2 Por que um conjunto habitacional no Guará II? Cidade onde moro Otimizar a infraestrutura urbana existente Atender as necessidades por moradias compactas

Leia mais

QUADRO XXXI ZONA EDUCACIONAL - ZE

QUADRO XXXI ZONA EDUCACIONAL - ZE QUADRO XXXI ZONA EDUCACIONAL ZE DAS DIVISAS Habitação Unifamiliar 0, 2 30 10 (3) Habitação Coletiva 0, 4 30 10 (3) NÃO Comunitário 1 e 2 Comunitário 3 Ensino Usos vinculados às atividades de Ensino 0,

Leia mais

ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 2. IMPLANTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO IMPLANTAÇÃO DE EDIFICAÇÕES E MUROS JUNTO ÀS DIVISAS 6

ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 2. IMPLANTAÇÃO DA EDIFICAÇÃO IMPLANTAÇÃO DE EDIFICAÇÕES E MUROS JUNTO ÀS DIVISAS 6 ÍNDICE 1. ZONEAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 2 1.1 CORREDORES DE USO ESPECIAL - Z8 CR 3 1.2 OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR 3 1.3 ÁREA AJARDINADA - redução da taxa de ocupação 3 1.4 LARGURA DA

Leia mais

Estudos de viabilidade para implantação do Campus Embu das Artes da UNIFESP. Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo

Estudos de viabilidade para implantação do Campus Embu das Artes da UNIFESP. Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo Estudos de viabilidade para implantação do da UNIFESP Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo Legenda Centro Histórico Terreno Parque da Várzea Terreno proposto para o Campus Sistema

Leia mais