REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS"

Transcrição

1 TERCEIRIZAÇAO, COMPETITIVIDADE E REDUÇÃO DE CUSTOS: UM ESTUDO DE CASO Geraldo Daré Pereira (PUC/FAFE) * Flávio Passiani de Almeida (FALC) ** Wellington Nunes de Paula (FALC) *** Resumo A competitividade empresarial e o desejo pelo poder provocaram a descentralização das atividades empresariais, o que possibilitou o surgimento de novas relações de trabalho, sendo uma delas a terceirização. Nesse contexto, o presente artigo objetiva mostrar, por meio de pesquisa bibliográfica e de campo, que com a abertura da economia globalizada, as empresas terceirizaram alguns serviços, pretendendo garantir lugar no mercado nacional e internacional, para continuarem competitivas; porém, isso tem reflexo direto sobre os empregados terceirizados, que têm salários menores e, em alguns casos, um grau de escolaridade baixa, em comparação ao trabalhador que tem contrato direto. Palavras-chave: Terceirização. Competitividade. Redução de custos. Globalização. Empresa. Abstract Business competitiveness and the desire for power led to the decentralization of business activities, which enabled the emergence of new working relationships, one of which is outsourcing. In this context, this article aims to show, through literature and field research, that with the opening of the globalized economy, companies have outsourced some services, intending to secure a place in the national and international market to remain competitive; however, this has a direct influence over outsourced employees who have lower wages and, in some cases, a low degree of schooling, compared to workers who have, compared to workers who have direct contract. Keywords: Outsourcing. Competitiveness. Cost reduction. Globalization. Company. * Mestre em Administração pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Especialista em Administração Econômico-financeira e em Gerência Empresarial Administrativa. Bacharel em Economia. Professor da Faculdade Fernão Dias FAFE e da Faculdade da Aldeia de Carapicuíba FALC. ** Acadêmico do Curso de Administração Geral da Faculdade da Aldeia de Carapicuíba FALC. Contato: *** Acadêmico do Curso de Administração Geral da Faculdade da Aldeia de Carapicuíba FALC. Contato: 1

2 Introdução A terceirização vem evoluindo no decorrer do tempo, principalmente nas últimas décadas, em função da intensificação da globalização, o que obrigou as empresas a reduzirem custos para melhorar a competitividade no mercado. O mundo atual passa por um constante processo de transformação e essas mudanças fazem com que as organizações precisem, também, serem mais flexíveis e rápidas, no que diz respeito aos seus modelos de gestão de pessoas, que são definidos como modelos de gerenciar e orientar o comportamento humano no trabalho (FISCHER, 2002, p. 12), uma vez que é do capital humano que as empresas dependem, para o seu sucesso. Fischer (2002) enfatiza a importância do modelo de gestão de pessoas ao afirmar que o comportamento organizacional não é produto direto de um processo de gestão, mas os resultados das relações pessoais, interpessoais e sociais que ocorrem na empresa. Gestão de pessoas significa, portanto, orientação e direcionamento desse agregado de interações humanas. Com base nesta ideia, surge a proposta de uma gestão estratégica de pessoas, no contexto das organizações. Apesar dos avanços da terceirização, as empresas que terceirizam estão cada vez mais preocupadas com a falta de comprometimento dos funcionários em relação às regras estabelecidas pela empresa terceirizada. Isso acontece devido a esses funcionários acreditarem que ganham menos do que os funcionários da empresa que terceiriza. Sabemos, também, que há discriminação dos funcionários terceirizados dentro das empresas, não pelas chefias de ambas as empresas, mas, muitas vezes, pelos próprios funcionários das empresas que terceirizam. Apesar disso, a terceirização é necessária, uma vez que, com esse procedimento, as empresas afirmam que reduzem os seus custos. Nesse contexto, nosso estudo pretende mostrar que a maioria dos funcionários das empresas terceirizadas sofre constante defasagem na renda, e que, muitas vezes, são discriminados. Pretendemos investigar a relação dos funcionários terceirizados e suas atribuições nos cumprimentos das regras e deveres, e identificar o grau de comprometimentos dos trabalhadores com a empresa contratada e contratante. Outro 2

3 objetivo do nosso trabalho é relacionar a prática de trabalho da empresa contratada e o comprometimento (ou não) do empregado, pesquisando também sobre o nível de escolaridade dos funcionários das empresas que mais terceirizam, bem como suas razões (ou motivos) para terceirizar. A maioria dos funcionários de empresas terceirizadas, em geral, tem grau de escolaridade mais baixo do que os funcionários da empresa que terceirizou, visto que os tipos de serviços terceirizados não requerem muita especialização. Observamos, também, que há discriminação de funcionários terceirizados dentro das empresas, pois os funcionários das empresas terceirizadas perdem benefícios devido, na maioria das vezes, ao fato de que as empresas que terceirizam não dispor de todos os benefícios que a empresa que terceirizou oferece a seus funcionários efetivos. 1 Origem da Terceirização Há diferentes versões para a origem da terceirização. Para Sekido (2010), a terceirização teve início com o surgimento da indústria automobilística, quando as montadoras começaram a comprar peças fabricadas por terceiros e, assim, ocorre a montagem, propriamente dita. Já para Fernandes (2010), a terceirização teve origem nos Estados Unidos da América, após a Segunda Guerra Mundial, quando as indústrias de armamento passaram a buscar parceiros externos para aumentar sua capacidade de produção. A competitividade empresarial e o desejo pelo poder provocaram a descentralização das atividades empresariais, o que possibilitou o surgimento de novas relações de trabalho, sendo uma delas a terceirização (FERNANDES, 2010). No entanto, seja qual for a origem, a partir da última década, têm ocorrido mudanças radicais no mercado mundial, onde, além do lucro, há também a preocupação com a qualidade e com o cliente. Nessa perspectiva, existe a necessidade de baixar os custos de produção e a terceirização entra como técnica administrativa para esse fim (SEKIDO, 2010). Uma boa parte das empresas de terceirizações, no Brasil, foi fundada por antigos trabalhadores das empresas principais, em processos individuais ou coletivos. A 3

4 terceirização não é encarada como um modismo, mas sim como uma opção de sobrevivência para as empresas, e exatamente nesse âmbito, que se enfoca a terceirização por se tratar de um projeto moderno e arrojado de administração que busca, claramente, eficiência ligada a uma redução de custos aparentes e concentrando seus esforços e energia na atividade principal da empresa (GIOSA, 1997). Para a empresa contratante é positivo o fato de proporcionar a concentração dos recursos liberados para a área produtiva, melhorando a qualidade e competitividade do produto, incrementando a produtividade, reduzindo os controles, liberando a supervisão para outras áreas produtivas. Além disso, esse processo reduz as perdas, evitando o sucateamento dos equipamentos, libera recursos para a aplicação em outras tecnologias, concentrando esforços na criação de novos produtos. Também reduz os custos administrativos e de pessoal, gerando ganho de competitividade, além de pulverizar a ação sindical e aperfeiçoar o uso de espaços colocados em disponibilidade, aumentando a especialização, agilizando as decisões e simplificando a estrutura empresarial. Assim, proporciona o aumento do lucro, gera melhoria, diminui o nível hierárquico e gera mais empregos, para novas empresas (GIOSA, 1997). Por outro lado, existe um aspecto negativo para a empresa contratante, no que diz respeito ao desconhecimento da administração e da filosofia da empresa pelo terceirizado, podendo, atrapalhar os anseios dela. Isso cria dificuldades para encontrar uma parceria ideal. Embora o uso da terceirização tenha como objetivo focar a empresa em sua atividade-fim 1, na verdade, o mercado, em geral, busca a redução de custos em curto prazo e o que realmente ocorre, em longo prazo, é que o próprio futuro da empresa é ameaçado, em função de queda de qualidade relatada por clientes da empresa. Isso pode se dar inclusive devido à alta rotatividade de funcionários nas empresas terceirizadas, o que implica na perda de bons funcionários (GIOSA, 1997). 1 Bonfliglioli (2014) escreve que, tanto a doutrina quanto a jurisprudência definem como atividade-fim aquela que caracteriza o objetivo principal da empresa, a sua destinação, o seu empreendimento, normalmente expresso no contrato social, e como atividade-meio aquela que não é inerente ao objetivo principal da empresa, trata-se de serviço necessário, mas que não tem relação direta com a atividade principal da empresa, ou seja, é um serviço não essencial. 4

5 Há estudos que indicam que trabalhadores terceirizados têm salários, benefícios e condições de trabalho inferiores, caracterizando uma precarização do trabalho. Essa é, segundo Giosa (1997), uma das principais conclusões de seu estudo sobre terceirização e diversificação, nos regimes de contratação de mão de obra. 2 Evolução histórica da terceirização Para Fernandes (2010), desde os primórdios dos tempos havia uma crença de que quanto menos dependêssemos de terceiros, melhor. Acredita-se que o motivo desse posicionamento encontra fundamento nos meios de comunicação, que eram ineficientes naquela época. Com o passar do tempo, especialmente nas empresas, a relação com terceiros a terceirização foi se tornando necessária de forma a atender os anseios da sociedade. A despeito das controvérsias sobre suas origens, a terceirização foi, segundo Fernandes (2010) largamente utilizada, em meados da década de 40, pelos países europeus que participaram da Segunda Guerra Mundial, para a produção de armamentos. Assim, por estar sobrecarregada e sem condições de atender à demanda, a indústria bélica iniciou o processo de transferência de serviços a terceiros, que seriam contratados para dar suporte ao aumento da produção de uniformes militares, armas leves e pesadas, munição, navios, aviões e tanques de guerra. 3 A terceirização no Brasil No Brasil, a ideia de terceirização começou a surgir em Naquela época, o país era assolado por uma crise econômica, ocasião em que cafeicultores investiram em indústrias que empregavam terceiros para execução de tarefas secundárias, no intuito de poupar a verba destinada a mão de obra. Apesar de já fazer parte da realidade do país, a intermediação de mão de obra não era regularizada até meados da década de 1960, quando, pelos Decretos lei n e nº nasce a possibilidade da contratação de serviços de segurança bancária (FERNANDES, 2010, p. 2). 5

6 A partir da vigência do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, a contratação de serviços pela Administração Pública Federal passou a ser regulamentada por norma legal. O art. 10 do citado Decreto estabelece que a execução das atividades da Administração Federal deve ser amplamente descentralizada. Esse cenário propiciou a terceirização, no Brasil que ganha força no final dos anos 80, com as montadoras, empresas ligadas a indústria automobilística. Escreve Fernandes (2010, p. 3) que em decorrência da instalação das indústrias automobilísticas, ocorre a desverticalização da linha de produção, mas sem qualquer impedimento do Direito do Trabalho porque o serviço era prestado diretamente aos fornecedores de tais indústrias, ficando o prestador de serviço vinculado apenas ao seu verdadeiro empregador, fornecedor de peças. A terceirização, dessa forma, foi a alternativa recomendada pelas empresas para restringir seus custos e investir nas suas atividades principais, garantindo-lhes maior competitividade no mercado. 4 A lei da terceirização O enunciado 331 do Tribunal Superior do Trabalho é que rege a terceirização no Brasil, ou seja, o contrato de prestação de serviços (BASILE, 2010, p. 78). A contratação de trabalhadores por empresas interpostas é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei n 6019, de 03/01/74). A contratação irregular de trabalhador, por meio de empresa interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da administração pública direta, indireta ou fundacional (Art. 37, II, da Constituição da República, 1988). Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância, de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados a atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta (Lei nº 7102, de 20/6/1983). O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica na responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços, quanto àquelas obrigações, 6

7 desde que este tenha participado da relação processual e constem também do título executivo judicial (art.71 da Lei nº 8.666, de 21/06/1993). 5 A Terceirização nos dias atuais Basile (2010) escreve que a terceirização tem sido objeto de polêmicas, principalmente no que se refere a sua limitação às chamadas atividade-meio da empresa, quanto a terceirizar atividades para cooperativas de trabalho e também quanto às implicações da terceirização para a justiça do trabalho. O Relatório DIEESE (2003) mostra que os setores em que mais ocorre a terceirização estão na área de serviços de transporte, restaurante, limpeza, segurança, assistência médica, serviços jurídicos, contábeis e outros serviços que não fazem parte do objetivo fim da empresa. No entanto, o tema terceirização de serviços, no momento atual, não pode ser mais estudado de maneira simplista, não se tratando mais da execução de certas tarefas esporádicas ou atividades que não estão incluídas no núcleo empresarial. Antes, a terceirização atingia os serviços de apoio à produção, como os serviços de limpeza, transportes, vigilância e outros. A contar dessa nova reestruturação produtiva, atingiu os trabalhos ligados às atividades-fim da empresa, vinculados aos principais setores da produção, com trabalho qualificado, oferecendo uma nova divisão do processo produtivo, aliado à manutenção do nível tecnológico (DIEESE, 2003). 5.1 A terceirização e a responsabilidade social da empresa A responsabilidade social da empresa está vinculada diretamente ao conceito de cidadania aplicada ao contexto empresarial. Em outras palavras, trata-se de articular os projetos empresariais com os da coletividade. Para a sua concretização, a empresa deve estar voltada à construção de uma realidade social mais justa, percebendo as necessidades do mundo e agindo de modo a fazer com que o seu desenvolvimento se realize de uma forma sustentada, não pautada somente em valores econômicos. Dentro 7

8 do projeto individual da empresa, deve estar contida a sua relação com o contexto coletivo, partindo de uma ética de responsabilidade, em que o seu crescimento deve estar respaldado com o crescimento da sociedade (Oliveira, 2003). 5.2 Terceirização, reorganização produtiva e empresa social A tendência das empresas modernas deve ser a de organizar o processo produtivo com base na iniciativa dos seus empregados e na capacidade para eliminar custos, ao mesmo tempo em que as empresas procuram atender a dinâmica e a necessidade do mercado, normalmente produzindo em lotes de pequena dimensão e mantendo baixos estoques. A característica central e diferenciadora do chamado método japonês, foi abolir a função de trabalhadores profissionais especializados em apenas uma função, para torná-los especialistas multifuncionais, ou seja, a organização da produção em células e não em linhas rígidas (Oliveira, 2003). Essa nova forma de gerenciamento, com a interação de empresas, em uma escala evoluída de terceirização necessita da estabilidade do seu pessoal, elemento extremamente importante para a implementação desse modelo. Nessas condições, está se consolidando um sistema de produção planejado, sob a premissa do controle relativo do mercado, pela grande empresa. Assim, o que é importante nesse modelo é a "desintegração vertical da produção" (Oliveira, 2003, p. 171), compondo um conjunto de empresas, substituindo a integração vertical de departamentos, dentro da mesma estrutura empresarial, normalmente burocratizada. 6 Razões para a terceirização no Brasil O processo de terceirização da produção e da prestação de serviços, no Brasil e em quase todos os países capitalistas, desenvolveu-se como parte do rearranjo produtivo, iniciado na década de 1970, a partir da terceira Revolução Industrial, e que se prolonga até os dias de hoje, segundo dados do DIESSE (2003), com mudanças importantes na organização da produção e do trabalho e, no caso específico da terceirização, na relação entre empresas. 8

9 O Relatório técnico do DIEESE (2003) aponta que as principais razões da terceirização no Brasil são: Abertura da economia (globalização), o que obrigou as empresas a garantir lugar no mercado nacional e internacional; A crise, na década de 1980, que obrigou as empresas a reduzirem custos, e grande parte delas optou pelo enxugamento dos quadros de funcionários; Outras optaram por focar esforços em seu produto final, terceirizando atividades chamadas meio; Diminuir gastos, redução de custos e melhor controle de desempenho e qualidade. O mesmo Relatório técnico do DIEESE (2003) cita, ainda, os resultados presentes em todos os processos de terceirização, segundo as empresas: Redução do quadro direto de empregados; Desmobilização dos trabalhadores para reivindicações; Desmobilizações para greve; Redução das ações trabalhistas; Melhor qualidade; Maior controle de qualidade; Aumento da produtividade; Melhor administração do tempo da empresa. 7 Empregados terceirizados trabalham mais e ganham menos Morais (2011), comentando dados divulgados em 2011 pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), que compilou dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Ministério do Trabalho e da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE/SEADE), diz que os empregados terceirizados trabalham mais, ganham 9

10 menos e perdem o emprego mais rapidamente do que os contratados diretamente pelas empresas. Segundo esses dados (MORAIS, 2011), os empregados terceirizados trabalham, em média, três horas a mais por semana que os contratados diretos, sem considerar as horas extras. Sem essas horas a mais, diz o estudo, vagas poderiam ter sido criadas no ano passado. Mas, segundo o autor, os números deixam um grande desafio, que é melhorar a qualidade do mercado de trabalho para o país crescer de forma sustentável. De milhões de trabalhadores com emprego formal no país, os empregados terceirizados representam 25,5% (10,865 milhões). São Paulo é o estado campeão em terceirizados (3,675 milhões), seguido por Minais Gerais (1,138 milhão) e Rio de Janeiro (1,085 milhão). Além de trabalhar mais, o levantamento constatou ainda que os salários dos terceirizados é menor: com base na remuneração de dezembro de 2010, estes ganhavam em média R$1.329,40, cerca de 27,1% a menos que os contratados diretos, com salário médio de R$1.824,20, que realizavam a mesma função. O salário só não é menor porque os terceirizados trabalham em empresas pequenas ou porque têm baixa escolaridade. Pelo estudo, 53,4% dos terceirizados estão em empresas com mais de cem funcionários. Além disso, 61% dos trabalhadores em setores tipicamente terceirizados têm ensino médio e superior. Este percentual para os contratados diretamente é de 75% (MORAIS, 2011). A pesquisa diz também que a terceirização acelera a rotatividade da mão de obra no mercado de trabalho. Enquanto a permanência no trabalho direto é, em média, de 5,8 anos numa mesma empresa empregadora, o trabalho terceirizado é de 2,6 anos. Os dados ajudam a explicar porque 44,9% de todos os terceirizados saíram do emprego entre janeiro e agosto de 2010, enquanto apenas 22% dos que foram diretamente contratados, passaram pela mesma situação (MORAIS, 2011). Além disso, é comum empresas terceirizadas interromperem suas atividades, sem indenizar os funcionários. Os calotes são constantes em empresas de vigilância e de asseio e conservação. Segundo Morais (2011), a empresa desaparece e os trabalhadores não recebem as verbas indenizatórias às quais têm direito com o fim do contrato. De 10

11 acordo com a CUT (apud MORAIS, 2011), dados do Sindicato dos Rodoviários do DF mostram que, só no Tribunal Superior do Trabalho (TST), mais de 40 motoristas aguardavam a restituição de salários, férias e rescisão do contrato com a extinta empresa Serviter, que fechou as portas e desapareceu. 8 Comparação de dados tabela. Para melhor entendimento, a seguir apresentaremos alguns dados em forma de Tabela 1: Números da terceirização Distribuição dos trabalhadores Número de trabalhadores % Setores tipicamente terceirizados Setores tipicamente contratantes Total % Fontes: RAIS, 2010; DIEESE/CUT NACIONAL, Tabela 2: Condições de trabalho, remuneração Condições de trabalho Remuneração de dezembro 2011 Tempo de emprego anos Jornada semanal contratada horas Setores tipicamente contratantes Setores tipicamente terceirizados Diferença terceirizados/ contratantes R$: 1.824,20 R$: 1.329,40 R$: 494,80 5,8 anos 2,6 anos 3,2 anos 40 h 43 h 3 h Fonte: DIEESE/CUT NACIONAL, Tabela 3: Faixa salarial de operários terceirizados Distribuição por faixa salarial Terceirizados De 1 a 2 salários mínimos 48% 11

12 De 2 a 3 salários mínimos 36% De 3a 4 salários mínimos 12% De 4 a 6 salários mínimos 04% De 6 a 8 salários mínimos 00% Acima de 8 salários mínimos 00% Total 100% Fonte: CUT, 2010/2011. Tabela 4: Distribuição de trabalhadores por região Distribuição dos trabalhadores Nº trabalhadores terceirizados % Nº trabalhadores contratantes % Total de trabalhadores Região norte , , Região nordeste Região sudeste Região sul , Centro oeste Total Fontes: RAIS, 2010; DIEESE/CUT NACIONAL, Tabela 5: Distribuição por grau de escolaridade Distribuição dos trabalhadores Setores tipicamente terceirizados Setores tipicamente contratantes Nº trabalhadores % Nº trabalhadores % Total Fundamental , incompleto Fundamental completo Médio incompleto Médio completo

13 Total Fonte: DIEESE/CUT NACIONAL, Observando-se os dados acima, percebe-se que ainda há diferenças relacionadas ao salário, que é menor entre os trabalhadores terceirizados em comparação ao trabalhador que tem seu contrato direto, o mesmo ocorre com o grau de escolaridade, que é baixo, entre os funcionários terceirizados. O tempo de emprego demonstra uma grande diferença entre trabalhadores diretos e terceirizados: enquanto a permanência no trabalho é de 5,8 anos para os trabalhadores diretos, em média, para os terceirizados é de 2,6 anos. Desse fato, decorre a alta rotatividade dos terceirizados 44,9% contra 22% dos diretamente contratados. Isso tem uma série de consequências para o trabalhador, que alterna períodos de trabalho e períodos de desemprego, resultando na falta de condições para organizar e planejar sua vida pessoal e profissional; esses dados têm também um rebatimento sobre o FAT (Fundo de Amparo do Trabalhador), pois a alta rotatividade pressiona para cima os custos com o seguro desemprego. A seguir, iremos apresentar alguns gráficos relacionados à pesquisa de campo, realizada em duas empresas (uma empresa tomadora de serviços e uma empresa prestadora de serviços). 9 Pesquisa de campo Para esta pesquisa, elaborou-se um questionário com doze (12) questões fechadas, referentes ao tema abordado. O questionário foi aplicado a 23 pessoas com idades entre 22 e 55 anos de ambos os sexos, integrantes do quadro de chefia de uma empresa tomadora de serviços e de uma empresa prestadora de serviços. Os dados obtidos são reproduzidos, a seguir, sob a forma de gráficos, cujas informações, serão analisadas, mais adiante. 13

14 14

15 15

16 16

17 17

18 Percebemos que, dentre os funcionários da chefia, a maioria (74%) considera que, com a terceirização, a empresa reduz custos; 65% dos chefes identificaram que os funcionários terceirizados sofrem preconceito na empresa; 78% acham que o funcionário terceirizado tem baixo nível de escolaridade e que é mal remunerado (56%), em consequência disso. Para 48%, a terceirização trouxe vantagem ao trabalhador, mas 30% disseram discordar dessa afirmação. 82% consideram que existem vantagens competitivas quando se terceiriza algum serviço. 57% dos chefes acham que a rotatividade dos funcionários terceirizados prejudica quem contrata e 43% acham que essa rotatividade em nada prejudica a contratante. 44% dos chefes que responderam o questionário concordam que os funcionários terceirizados estão preparados para a função que exercem, e 30% acham que não. A grande maioria (78%) diz que existe falta de comprometimento dos funcionários terceirizados em relação às regras estabelecidas nas empresas terceirizadas. 74% dos chefes consideram que os funcionários terceirizados não trabalham em harmonia com os colegas não terceirizados. E, finalmente, 65% concordam que a terceirização é uma forma de se atingir melhores resultados na empresa, concentrando esforços e energia para a sua atividade principal. Esses dados, obtidos com a aplicação do questionário aos chefes das empresas contratantes e contratadas, confirmam as informações obtidas na pesquisa bibliográfica, especialmente quando Fischer (2002) e Giosa (1997) afirmam que a terceirização é procedimento necessário, atualmente, e que, com ela, as empresas reduzem custos e melhoram a competitividade (FERNANDES, 2010), porque se torna possível à empresa concentrar esforços na atividade final (ou atividade-fim), como afirma Bonfiglioli (2014). Os dados do DIEESE (2003) também se refletiram em nossa pesquisa de campo, quando os chefes afirmaram que os funcionários terceirizados têm baixo nível de escolaridade (quando comparados aos não terceirizados), que são mal remunerados e sofrem preconceito. 18

19 Considerações Finais Com base na iniciativa dos seus empregados e na capacidade para eliminar custos, ao mesmo tempo em que procuram atender a dinâmica e a necessidade do mercado, podemos dizer que a terceirização não tende a retroceder, muito pelo contrário, está crescendo e absorvendo serviços de vários seguimentos e buscando fazer com que o empregado incorpore-se efetivamente à empresa, de forma a sociabilizá-la. Deste processo, existe a possibilidade de compatibilizar a falta de comprometimento do funcionário, assim como a discriminação existente, dentro das empresas à reorganização produtiva. Percebemos que ainda há diferenças relacionadas ao salário, pois é menor em função do grau de escolaridade baixa dos funcionários terceirizados, em comparação ao trabalhador que tem seu contrato direto. A pesquisa comprovou que os funcionários terceirizados ganham menos que os funcionários de empresas de grande porte; nas áreas que mais se terceiriza, não se exige um alto grau de escolaridade, pois essas áreas geralmente são relacionadas à limpeza, vigilância, transporte e restaurante. A nossa pesquisa, também, mostra que a rotatividade nas empresas terceirizadas é mais alta que nas empresas que terceirizam. Para finalizar, vemos que a terceirização, apesar de apresentar vários problemas, conforme citamos em nosso artigo, torna-se necessária para o mundo econômico moderno; porém, há necessidade de melhorar o atendimento social e a qualidade de vida dos funcionários das empresas terceirizadas. Referências Bibliográficas BASILE, Cesar Reinaldo Offa. Direito do trabalho teoria geral a segurança e saúde. São Paulo: Saraiva, BONFIGLIOLI, José Carlos. Trabalho temporário e prestação de serviços à terceiros: aspectos legais e sociais. Disponível em acessado em junho de

20 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE Disponível em Compilado.htm. Acessado em junho de CUT Central Única dos Trabalhadores. Pesquisa de Percepção dos Trabalhadores em Setores e empresas selecionados Disponível em Acessado em junho de DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Relatório Técnico: O Processo de Terceirização e seus Efeitos sobre os Trabalhadores no Brasil Disponível em: < Acesso em 16 Out DIEESE/CUT NACIONAL. Terceirização e Desenvolvimento: Uma conta que não fecha. Dossiê sobre o impacto da terceirização sobre os trabalhadores e propostas para garantir a igualdade de direitos. Setembro, Disponível em Acessado em junho de DIEESE/SEADE. Microdados da PED Pesquisa de Emprego e Desemprego Disponível em Acessado em junho de FERNANDES, Jorge Ulisses Jacoby. Terceirização no serviço público Disponível em /legis/terceirizacao/tsp.pdf Acesso em: 20 nov FISCHER, André Luiz. Um resgate conceitual e histórico dos modelos de gestão de pessoas. In: As pessoas na organização. São Paulo: Editora Gente, GIOSA, Lívio Antônio. Terceirização: uma abordagem estratégica. São Paulo: Pioneira, LEI 6019/1974. Dispõe sobre o Trabalho Temporário nas Empresas Urbanas. Disponível em Acessado em junho de LEI 7102/1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição e funcionamento das empresas particulares que 20

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei 4330 de 2004 (Autor Dep. Sandro Mabel) Aprovado na CDEIC e CTASP COMISSÃO ESPECIAL Relator Dep. Roberto Santiago CCJC Relator Dep. Arthur Maia Comissão

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários

TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários TERCEIRIZAÇÃO - Esclarecimentos Necessários CONTEXTUALIZAÇÃO O cenário produtivo e de negócios vem sofrendo contínuas transformações que ampliam o grau de competição entre as organizações, especialmente

Leia mais

Os males da terceirização

Os males da terceirização Boletim Econômico Edição nº 02 setembro de 2013 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os males da terceirização 1 Introdução A terceirização instaurou uma nova dinâmica nas relações

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL:

TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: Qual trabalho para o desenvolvimento sustentável Painel: A Evolução da Terceirização no Brasil e no Mundo Seminário Terceirização, Evolução e Marco Legal Valor Econômico Artur

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal 8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal FUP Federação Única dos Petroleiros Secretaria de Relações Internacionais e Setor Privado Anselmo Ernesto Ruoso Jr. Porto Alegre, 10 de maio de

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010)

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) METODOLOGIA DA PESQUISA PESQUISA QUANTITATIVA POR AMOSTRAGEM. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO SIGILO Dados para

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Terceirização no Mercado de Trabalho

Terceirização no Mercado de Trabalho Terceirização no Mercado de Trabalho CENÁRIO Nos anos 90, o Brasil passa por uma série de transformações institucionais e estruturais, em um contexto de baixo crescimento e recessão. Antes da década de

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Terceirização é precarização do trabalho

Terceirização é precarização do trabalho CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 25 abril de 2015 Organização

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Consultoria TRABALHISTA SINDICAL

Consultoria TRABALHISTA SINDICAL Café com Ideias Sindilojas Caxias do Sul Flávio Obino Filho -Maio 2015 Consultoria TRABALHISTA SINDICAL Regulamentação da Terceirização e as consequências nas relações empresariais e de trabalho Consultoria

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Tocantins Advogados TERCEIRIZAÇÃO * * * * PROJETO DE LEI - 4.330/04 CENÁRIO ATUAL Não existe lei de terceirização, mas sim, lei de trabalho temporário (Lei 6.019/74)

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS Aline Cachadare BROGGIO 1 - RGM 072128 Gabriela de Cassia BRAGA¹ - RGM 073270 Jaqueline Macedo PERIN¹ - RGM 073967 Natali de Fatima SILVA¹ - RGM 069900 Renato Francisco

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS.

TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. TERCEIRIZAÇÃO, VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AS EMPRESAS. Márcia Moraes Imhoff 1 Aline Perico Mortari 2 RESUMO A realização das atividades organizacionais por pessoas jurídicas distintas da organização

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO

NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO NOTA TÉCNICA TERCEIRIZAÇÃO Abril de 2015 1 Sumário Executivo O trabalho utiliza a mesma base de dados e metodologia que o elaborado pela CUT/DIEESE, ou seja, agregações de setores terceirizados e contratantes

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I MÓDULO I ÍNDICE OBJETIVO METODOLOGIA BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA CURRICULUM RESUNIDO DO PROFESSOR CAPÍTULO 1 DIREITO DO TRABALHO Conceitos, Fontes e Convenções...4 Jornada de Trabalho...8 CAPÍTULO 2 REMUNERAÇÃO

Leia mais

Visão Estratégica Pontos de Atenção Projeto de Lei Motivos da Regulamentação Os mitos, as suposições e os preconceitos Ações de governo Conclusão

Visão Estratégica Pontos de Atenção Projeto de Lei Motivos da Regulamentação Os mitos, as suposições e os preconceitos Ações de governo Conclusão TERCEIRIZAÇÃO Conceituação Visão Estratégica Pontos de Atenção Projeto de Lei Motivos da Regulamentação Os mitos, as suposições e os preconceitos Ações de governo Conclusão CONCEITO É o ato pelo qual a

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

XIV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL Agosto 2006. Terceirização. Controle da Qualidade

XIV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL Agosto 2006. Terceirização. Controle da Qualidade XIV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL Agosto 2006 Terceirização Controle da Qualidade Mario Sant Anna Jr. DEFINIÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO Terceirização: transferência

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

% terceiros x empregados

% terceiros x empregados Cenário: crescimento da terceirização em três aspectos Volume de contratos e recursos terceirizados Volume de atividades terceirizadas Importância estratégica das áreas terceirizadas Fonte: CNI % terceiros

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Plataforma FIESP Serviços Prestados à Indústria Paulista

Plataforma FIESP Serviços Prestados à Indústria Paulista Plataforma FIESP Serviços Prestados à Indústria Paulista Pesquisa sobre Fatores Facilitadores e Limitadores da Terceirização de Serviços na Indústria Prof. Isaias Custodio Faculdade de Economia, Administração

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

Ensino Técnico. Qualificação: Qualificação Técnica de Nível Médio de Assistente Administrativo

Ensino Técnico. Qualificação: Qualificação Técnica de Nível Médio de Assistente Administrativo Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS - SP Eixo Tecnológico: Gestão & Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais