UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Uma Abordagem Comparativa sobre a Terceirização das Atividades de Recrutamento e Seleção. Um Estudo de Caso Múltiplo Entre as Organizações IORGA, J.Macêdo e SERH. SALVADOR-BA MAIO DE 2005

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS TURMA: 04/01 Uma Abordagem Comparativa sobre a Terceirização das Atividades de Recrutamento e Seleção. Um Estudo de Caso Múltiplo Entre as Organizações IORGA, J. Macêdo e SERH. Trabalho Monográfico apresentado ao Prof. Orientador Robinson Tenório, realizado pelos alunos do Curso de Especialização de Gestão de Pessoas da UFBA: Alysson Ronaldo A. de Andrade, Ana Angélica Morais dos Santos; Fernanda Bastos; Joceli Reis; Renata Matos, como critério final de avaliação de curso. SALVADOR-BA. MAIO DE

3 Em muitos casos, o problema não é em superestimar a importância do pessoal, mas reconhecer que nenhuma decisão administrativa pode ser implementada, a menos que as pessoas queiram executar as medidas que tornem a decisão um fato E.J. Singer & J. Ramsden. 3

4 Resumo A empresa do século XXI será ágil e enxuta, eterá como foco principal, a sua atividade fim. O setor de Recursos Humanos vem passando por uma reestruturação, inclusive adotando novas formas de gestão, dentre elas a terceirização. Algumas organizações, como forma de baixar os custos e obter maior especialização nos serviços executados ou seguindo determinação superior, principalmente no recrutamento e seleção, terceirizam; outras, preferem manter este serviço justamente por acreditar na fidedignidade do perfil para seus cargos. Este trabalho trata-se de um estudo de caso múltiplo e comparativo entre 3 organizações distintas: IORGA, J Macêdo e SERH. Buscou-se analisar os benefícios e os fatores restritivos das atividades de R & S de cada organização individualmente, visto que as óticas adotadas para as análises foram diferenciadas no intuito de encontrar os fatores relevantes do setor de Recursos Humanos focando a terceirização de tais atividades. Abstract The company of century XXI will be agile and reduced; will have as main focus the principal activity. The sector of Human Resources comes passing for a restructuring, also adopting new forms of management, amongst them the outsourcing. Some organizations, as form to lower the costs and to get greater specialization in the executed services or following superior determination, mainly in the conscription and election, they use the outsourcing; others, they prefer to exactly keep this service for believing the loyalty of the profile for its positions. This work is about a study of multiple and comparative case between 3 distinct organizations: IORGA, J Macêdo and SERH. One searched individually to analyze the benefits and the restrictive factors of the activities of R & S of each organization, since the optics adopted for the analyses had been differentiated in intention to find the factors excellent of the sector of Human Resources in focus the outsourcing of such activities. Palavras Chaves: Terceirização, Recrutamento e seleção 4

5 SUMÁRIO 1. Introdução Referencial Teórico Metodologia Abordagem Local geográfico População / Amostra Instrumento de Pesquisa Procedimentos Tratamento dos Dados Questões de Pesquisa Interpretação dos Dados Análise dos Resultados de Pesquisa Análise dos Dados Conclusão Referência Bibliográfica Apêndice IORGA J. Macedo SERH

6 1. Introdução O futuro vai pertencer às empresas que consigam explorar o potencial da centralização nos seus processos. E para tanto é necessário transformar as pessoas que trabalham nelas, de forma a conseguir um conjunto capaz de desempenho superior. A responsabilidade pelos setores especializados em gestão de pessoal, recrutamento, seleção, treinamento, desenvolvimento, benefícios, avaliação de desempenho, serviço social e planejamento de pessoal ficam a cargo do RH e é exatamente esta área que precisa enfrentar um dos mais difíceis desafios na modernização das empresas. As organizações estarão centradas em princípios modernos, tais como: alocação de recursos em tempo real, comunicação ponto a ponto, organização do trabalho em times e projetos, além das fronteiras orgânicas. Algumas decisões já estão sendo adotadas, como de distribuição dos recursos humanos e técnicos das empresas ao longo dos processos dos negócios. Outras parcerias são celebradas e com isso acontece a formação das redes de empresas que estão surgindo como estágio desse movimento de forma conceitual. A renovação prosseguirá com o fim das relações duráveis entre empresa e empregados, o realinhamento constante dos recursos para a adaptação aos desafios internos e externos e a redefinição do modelo de distribuição de responsabilidades e poderes nas organizações. Estudos realizados na London Business School indicam que no ano 2010 a função de Recursos Humanos estará mais estratégica e alinhada à administração das pessoas e aos objetivos globais do negócio. Confirmando os novos papéis estratégicos do RH, que estará voltado para a direção do negocio da empresa, colocando no lugar apropriado os programas de recrutamento, treinamento e desenvolvimento. A transição para o futuro, chega com a exigência de se repensar o papel do RH, a forma de existir convencional está em fase de extinção, é também o momento de se repensar qual o negócio da empresa, delimitando as prioridades. 6

7 É dentro deste contexto que surge a terceirização na prestação de serviços de Recrutamento e Seleção e com essa tendência vêm alguns questionamentos, tais como: Por que terceirizar ou não as atividades do Recrutamento e Seleção? Quais as vantagens e desvantagens em terceirizar essas atividades? Para responder tais questionamentos iremos realizar um estudo de caso múltiplo envolvendo uma organização terceirizada, uma organização que presta os serviços de Recrutamento e Seleção e uma ultima que não terceiriza tais atividades. A dinâmica social interfere diretamente nas relações de trabalho, impondo-lhes novos conceitos. Saltou-se do mais simples, ao mais complexo sistema de relações de trabalho, com modificações significativas do processo laboral, sempre com o objetivo de se atingir uma maximização dos lucros e resultados e uma diminuição dos custos. A terceirização surge como alternativa de dar maior flexibilização nas relações de trabalho. Hoje, vemos a terceirização, segundo Giosa (1997, p.14) Como tendência moderna que consiste em concentrar esforços nas reais competências da empresa, em sua cadeia de valores, investindo maiores recursos na atividade essencial, objetivando maior competitividade, transferindo para parceiros comprometido com os valores e a visão estratégica da empresa as suas atividades não essenciais. Diante deste cenário, percebemos a necessidade de fazer um levantamento sobre as vantagens e fatores restritivos dessa terceirização dentro do Setor de Recursos Humanos nas atividades de Recrutamento e Seleção. Pretendemos com essa pesquisa contribuir para o enriquecimento das suas influências no âmbito organizacional, através de uma discussão mais ampla sobre o assunto. 7

8 2. Referencial Teórico Com o advento das Grandes Navegações iniciadas no século XIV, surge um movimento econômico em todo o mundo conhecido hoje em dia por Globalização. Este processo demonstra com clareza a competitividade existente entre as indústrias nacionais e internacionais, uma vez que, para manter-se vivo neste mundo de trocas de mercadorias, intelecto e experiências entre diferentes partes, é preciso que haja diferenciações, que é na verdade uma boa definição de competitividade. Os padrões de concorrência fornecem as balizas estruturais que condicionam o processo decisório das estratégias competitivas das empresas, como é o caso da tomada de decisão de um contrato de terceirização. E na atualidade, o setor de Recursos Humanos adota uma postura cada vez mais marcante e presente nestes processos, desenvolvendo ações estratégicas para o alcance das metas organizacionais. É nesse contexto que iremos desenvolver nossa pesquisa e com o intuito de melhor embasarmos nosso projeto, pesquisamos sobre o estado da arte e destacamos os seguintes conceitos sobre Recrutamento, Seleção e Terceirização: No novo panorama da sociedade organizacional, o maior bem é o intelectual de seus colaboradores, as organizações que quiserem sobreviver nesse novo cenário terão que se preparar para isso, tornando a área de RH estratégica e moderna, capaz de potencializar e transformar as pessoas que nela trabalha obtendo um melhor desempenho de cada um. A empresa do século XXI será organizada em torno de seus processos e centrará seus esforços em seus clientes. Ela será ágil e enxuta, seus Jobs exigirão conhecimento do negócio, autonomia, responsabilidade e habilidade na tomada de decisões. Nela, não haverá lugar para os empregados tradicionais, aqueles que as empresas preparam durante tanto tempo e que hoje tripulam as nossas organizações. 8

9 Mas do nunca, as empresas feitas para vencer, terão que ter as pessoas certas nos lugares certos, e é justamente aí que está a grande importância do que podemos chamar de porta de entrada da organização: a atividade de Recrutamento e Seleção. Segundo Chiavenato (1997, p.79), Entende-se por recrutamento todos os esforços da empresa em trazer para si novos colaboradores. O recrutamento é uma ação externa da empresa para influenciar o mercado de recursos humanos e dele obter os candidatos de que necessita para suprir as suas lacunas. O recrutamento é uma ação de relações publicas externas e, como tal, não deve ser interrompido, mesmo nos momentos em que a empresa nada tenha a oferecer em termos de vagas ou oportunidades de trabalho. Deste modo o recrutamento é uma atividade constante e ininterrupta, através da qual as empresas sempre têm as suas portas abertas ao publico interessado. E ainda: Recrutamento é um conjunto de procedimentos que visa atrair candidatos potencialmente qualificados e capazes de ocupar cargos dentro da organização. (1995) Dessa forma, a organização expõe suas necessidades e as pessoas que se sentirem capazes de supri-las são atraídas, abastecendo assim o processo de seleção. Para isso a empresa utiliza-se alguns recursos tais como anúncios, banco de dados, murais, contratação de empresas de R&S etc, e de algumas fontes que podem ser internas ou externas: Interna Consiste em uma pesquisa sobre as necessidades da organização em relação ao RH, e quais as políticas que a organização pretende adotar em relação ao seu pessoal. 9

10 Externa Trata-se de uma pesquisa do mercado de RH, no sentido de segmentálo para facilitar a análise. O órgão de recrutamento funciona como staff ou assessoria de prestação de serviços especializados. O recrutamento poderá alcançar candidatos internos, ou seja, da própria organização que executa a ação e constitui-se no elo de ligação entre a organização e o mercado de trabalho. Para Oliveira (1993), o recrutamento deve ser capaz de identificar o candidato com potencial e capacidade para preencher os cargos disponíveis, pois um recrutamento deficiente ou inadequado trará prejuízos à empresa, como: alto índice de turn over, aumento dos custos de recrutamento e ambiente de trabalho comprometido com funcionários pouco qualificados para o pleno exercício de suas funções. Já uma força de trabalho bem recrutada contribui decisivamente com a empresa. O processo de seleção implica numa comparação, que não deve acontecer entre as pessoas e sim entre as suas habilidades e competências, identificando o candidato que mais se encaixa no perfil. De acordo com Chiavenato (1994, p.84), o processo seletivo de uma determinada organização define-se pela Comparação entre as características de cada candidato com o padrão de referencia que são as especificações do cargo. As especificações são decorrentes da descrição e analise do cargo a ser preenchido e definem o que o cargo requer do seu ocupante. Ainda para Chiavenato (1995), Seleção é: Escolha do homem certo para o cargo certo ou, mais amplamente, entre os candidatos recrutados aqueles mais adequado aos cargos existentes na empresa, visando manter ou aumentar a eficiência e desempenho do pessoal. É tido como um processo de comparação pois, a fim de resguardar a objetividade e a precisão, ela compara os requisitos do cargo e o perfil das características dos candidatos que se apresentam; e de decisão, já que, uma vez feita à comparação 10

11 pode acontecer que vários candidatos apresentem as condições necessárias para preencher a vaga. Como afirma Oliveira (1993), seleção é a escolha, entre os candidatos, daqueles mais aptos para execução de determinado trabalho, classificando-os, conforme o grau de aptidão de cada um. A seleção de pessoal utiliza técnicas aplicadas em diversas fases classificatórias e eliminatórias, para no final chegar-se ao candidato mais adequado ao cargo a ser ocupado. São elas: 1º - Colheita de informações sobre o cargo Análise do cargo; Aplicação da técnica dos incidentes críticos; Análise de requisição de empregados; Análise do cargo no mercado. 2º - Escolha das técnicas de seleção Entrevistas de seleção; Provas de conhecimentos ou capacidade; Testes psicométricos; Testes de personalidade; Técnicas de simulação. Recrutamento e seleção são duas etapas de um mesmo processo, que por sua vez, devem estar em harmonia para melhor prover a vaga disponibilizada pela organização. De acordo com alguns autores tais atividades fazem parte de um cenário caracterizado como estratégico para obtenção dos objetivos das organizações. Apresentando-se como tendência a sua terceirização. A terceirização, tida como um conceito relativamente novo no mundo organizacional, caracteriza-se pela transferência a terceiros, das atividades acessórias e de apoio ao escopo das organizações, para que estas se concentrem de forma integral em suas atividade fim. 11

12 Para Queiroz (1992, p. 19), este é o processo da busca de parcerias determinado pela visão empresarial moderna e pelas imposições do mercado e da demanda disponível. Na busca por reduções nos custos das grandes organizações e fomentação das médias e pequenas empresas que surge a terceirização de forma a suprir a demanda existente. Segundo Reisdorfer (2000, p.44), A terceirização surge como forma criativa de buscar formas mais flexíveis nas relações de trabalho e que estejam de acordo com a realidade do mercado de trabalho, oferecendo igualmente um respaldo jurídico nessa relação. Estas soluções devem ser sob o ponto de vista patronal, competitiva em termos de custos e qualificação de pessoal, enquanto que sob a ótica dos trabalhadores devem aumentar as oportunidades de emprego e propiciar condições adequadas de trabalho e remuneração. Sarrat & Moraes (1997, p.31) definem a terceirização como sendo uma ferramenta de gestão que prevê a compra de serviços especializados, permitindo a empresa concentrar energia em sua principal vocação. A terceirização surge através de uma empresa contratada para realizar todas as tarefas não vinculadas à atividade fim da empresa, equivalendo-se com a conceitualização de Queiroz além também dos autores Silva e Almeida (1997, pg.08), que definem terceirização como contratação de outras pessoas ou empresas para a realização de atividades não afins em qualquer organização. Pode-se dizer que a Terceirização adquiriu grande importância no Brasil tanto nos campos jurídico, trabalhista e empresarial, fortalecendo a teoria de Leiria (1993, p 23) que diz: A contratação de parceiros pressupõe um jogo negocial com regras novas, adaptadas caso a caso, mas onde sempre sejam contempladas modificações na cultura empresarial, aprimorando-se o conhecimento e a informação, 12

13 reconhecendo-se efetivamente que o saber adquire supremacia em larga escala. Portanto, baseado nestes conceitos, e na realidade das organizações, percebe-se que o futuro vai pertencer às empresas que conseguirem explorar o potencial da centralização em princípios modernos e no seu cliente. É preciso transformar as pessoas que trabalham nelas, de forma a conseguir um conjunto capaz de desempenho superior na busca pela qualificação e excelência dos processos e produtos. A atração de novos talentos para qualquer organização é um processo que requer cuidados especiais e deve ser bem elaborada e conduzida, para que possa permitir uma efetiva alavancagem nos negócios da empresa. Uma boa contratação queima etapas na nova gestão de competências, que pressupõe que as empresas consigam discernir os resultados que almejam atingir no longo prazo e, mais do que isso, adotem uma estratégia coerente e possam identificar e desenvolver, em seus colaboradores, as competências para alcançar os propósitos organizacionais. 13

14 3. Metodologia 3.1. Abordagem Para concretizarmos nossa investigação utilizamos uma abordagem qualitativa já que realizamos trabalhos de campo fazendo estudos de casos comparativos das empresas pesquisadas e uma abordagem de enquête com os gestores das organizações em estudo, pois foi aplicado como instrumento de coleta de dados questionários e entrevistas (questionário aplicados aos gestores da área de Recrutamento e Seleção, e as entrevistas, aplicadas aos gestores de maior poder de decisão) com a finalidade de fazer um levantamento estatístico da opinião da população pesquisada Local Geográfico Esta pesquisa foi desenvolvida nas cidades de Salvador e Camaçari, nas empresas IORGA, J. Macêdo e SERH, cujas características atendem ao problema da nossa investigação, sendo que a empresa IORGA mantém-se de forma conservadora, a J. Macêdo terceiriza os serviços, e a SERH presta o serviço de recrutamento e seleção a outras organizações População / Amostra A população desta pesquisa constitui-se de 90% dos colaboradores que formam o quadro dos setores estratégicos, com poder de decisão, tais como: Diretoria, Gerências e Recursos Humanos Instrumentos de Pesquisa Para realização desta pesquisa o instrumento utilizado foi o questionário, elaborado com perguntas abertas e fechadas, além da entrevista. Para a legitimidade do instrumento foi aplicado um estudo piloto numa amostra de 10% do total da amostra, a qual foi excluída da amostragem final, mas possuem as mesmas características. 14

15 3.5. Procedimentos O trabalho de campo foi realizado por uma equipe de 05 (cinco) alunos do curso de Especialização em Gestão de Pessoas da UFBA, a partir do mês de Dezembro de 2004, buscando identificar as vantagens e fatores restritivos da terceirização ou não dos serviços de recrutamento e seleção. Os questionários/entrevistas foram aplicados aos gestores das áreas que demandam do setor de Recursos Humanos o recrutamento e seleção Tratamento dos Dados A tabulação foi feita através de planilha eletrônica Excell, utilizando-se de recursos gráficos para mensuração quantitativa e qualitativa dos dados. 15

16 4. Questões de Pesquisa Questões direcionadas à empresa contratante: 1. O que levou à terceirização das atividades de Recrutamento e Seleção? 2. Qual o Custo X Benefício em terceirizar os serviços de Recrutamento e Seleção? 3. Existem harmonia e compromisso da empresa contratada com a missão / valores dessa organização? 4. Tem se mostrado eficiente / eficaz a terceirização dos serviços de Recrutamento e Seleção? 5. Como é aproveitado o tempo antes direcionado para realização das atividades de Recrutamento e Seleção? 6. Quais os critérios utilizados na escolha da empresa locatária? 7. Qual a visão da organização a respeito das atividades de Recrutamento e Seleção? Questões direcionadas à empresa contratada: 8. Qual o Custo X Benefício em oferecer os serviços de Recrutamento e Seleção? 9. Existem harmonia e compromisso com a missão / valores da empresa contratante? 10. Quais são os principais fatores que levam os gestores a terceirizar as atividades de Recrutamento e Seleção? 11. É realizada uma avaliação da prestação dos serviços de Recrutamento e Seleção? 12. É feito um planejamento para Recrutar e Selecionar? 13. Qual a visão da empresa contratante respeito das atividades de Recrutamento e Seleção? 16

17 Questões direcionadas à empresa que não terceiriza suas atividades de Recrutamento e Seleção: 14. Qual o custo em Recrutar e Selecionar seu pessoal? 15. Quais as vantagens de preservar os serviços de Recrutamento e Seleção? 16. Quais os fatores restritivos em delegar para terceira organização as atividades de Recrutar e Selecionar seu pessoal? 17. É realizada uma avaliação da eficiência/eficácia das atividades de Recrutamento e Seleção? 18. É feito um planejamento para Recrutar e Selecionar? 19. Qual a visão da empresa a respeito das atividades de Recrutamento e Seleção? 17

18 5. Interpretação dos Dados As respostas obtidas em nossos questionários demonstram a realidade das atividades de Recrutamento e Seleção em três organizações distintas. Aquelas que desenvolvem tal atividade em sua própria sede, outra que terceiriza e por fim a prestadora do serviço. Os questionários foram aplicados pelos próprios componentes da equipe que acompanharam as respostas tirando dúvidas e questionando os entrevistados. As questões, por serem em sua grande maioria perguntas qualitativas, na forma aberta, foram transcritas e gravadas para posteriormente serem transformadas em questões quantitativas para assim serem tabuladas. Os resultados obtidos serviram de instrumento comparativo para as análises individuais e coletivas, no intuito de saber os benefícios e os fatores restritivos de se terceirizar os serviços de recrutamento e seleção de uma organização. Por se tratar de um serviço de fundamental importância para as organizações, uma vez que capta seus recursos intelectuais, a pesquisa conseguiu resultados expressivos na área, visto que muito pouco se conhece ou publica-se algo no setor. O estudo comparativo entre as três organizações demonstra claramente as visões e interesses de cada organização correlacionando-a com o seu segmento de mercado. Este exprime um resultado relevante para o setor de Recursos Humanos quando o mesmo é tratado com maior importância ou não pelas gerências organizacionais. O resultado final da pesquisa não busca definir um modelo exemplo das atividades de recrutamento e seleção nas organizações. O que se buscou aqui foi estudar, comparativamente, as três instâncias que tal atividade pode obter dentro das organizaç ões. 18

19 6. Análise dos Resultados de Pesquisa Iniciaremos, a partir deste ponto, a análise dos resultados obtidos na pesquisa, com a aplicação dos questionários na IORGA, J Macêdo e por fim SERH. As respostas da IORGA estão traduzidas do gráfico I ao gráfico X. Descreveremos agora o que observamos. Observando o Gráfico I, verifica-se que o custo despendido em recrutamento e seleção é relativamente baixo, sendo esse um dos motivos que leva a empresa a não terceirizar as atividades de R&S. GRÁFICO I - PERCENTUAL DE RECEITA LÍQUIDA APLICADA EM R&S a 20% 20% a 40% 40% a 60% 60% a 80% 80% a 100% O gráfico II reforça a questão do baixo custo despendido para essas atividades. Vê-se que os recursos mais utilizados são o espaço para entrevistas e anúncios em jornais, seguido do tempo empregado pelo entrevistador. Por estes métodos podemos verificar que não há a aplicação de testes psicológicos, dinâmicas de grupo ou outras técnicas de recrutamento e seleção, limitando-se somente a entrevistas com os candidatos. É possível que haja problemas de adequação dos candidatos selecionados ao perfil do cargo, visto que não são utilizadas técnicas auxiliares. 19

20 GRÁFICO II - RECURSOS UTILIZADOS NO R&S 45, , , ,00 1 5,00 Espaço Tempo Anúncios Profissional Mat. Didático /... Outros Comparado o Gráfico III com o Gráfico I e o Gráfico II, onde o custo de recrutamento e seleção era pouco representativo para a empresa, não se justificaria a terceirização deste serviço sob o aspecto "custos". GRÁFICO III - O CUSTO DO SERVIÇO DE R&S PODERIA SER MELHOR OTIMIZADO COM O SERVIÇO TERCEIRIZADO? Sim Não Como os cargos desta empresa são extremamente técnicos, um dos motivos de não se terceirizar o recrutamento e seleção é justamente a fidelidade ao perfil do cargo, como podemos observar no Gráfico IV. Rapidez no processo e contato com os candidatos vem em segundo lugar como principal motivo de não se terceirizar o serviço. Nota-se que os cargos são preenchidos de forma emergencial, provavelmente para substituições de profissionais, onde não houve tempo hábil 20

21 para se fazer um planejamento e sendo necessário substituir o profissional de imediato. GRÁFICO IV - VANTAGENS EM PRESERVAR O SERVIÇO PRÓPRIO DE R&S Fidelidade ao perfil Rapidez no processo Contato c/ candidatos Qualidade Outro Assim como no Gráfico anterior, nota-se que a maior preocupação da empresa é com a fidelidade ao perfil, visto que os cargos são bastante técnicos. A questão da confiabilidade também pode ser associada ao perfil, visto que a empresa tem receio em arriscar uma seleção terceirizada que não corresponda ao que a mesma deseja. GRÁFICO V - FATORES RESTRITIVOS À TERCEIRIZAR O R&S Rapidez Qualidade Confiabilidade Fidelidade ao perfil Segurança Outros 21

22 Como podemos observar nos Gráficos VI e VII, há uma contradição no que diz respeito à avaliação do desempenho do profissional selecionado, o que demonstra não haver um acompanhamento formal e eficiente, ou seja, o trabalho é mais avaliado no dia a dia e sob aspectos técnicos, não sendo levadas em consideração às técnicas de RH. GRÁFICO VI - EXISTE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA / EFICIÊNCIA DO R&S? Sim Não GRÁFICO VII - EXISTE ALGUMA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO DO R&S? Sim Não 22

23 Assim como na alternativa anterior, nota-se que não há um acompanhamento padronizado dos profissionais levando-se em conta se o recrutamento e seleção foram eficientes. GRÁFICO VIII - PERÍODO DE APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE CONTROLE Semanal Quinzenal Mensal Semestral Annual Outros Quando se trata do planejamento do R&S, nota-se que a empresa recorre a network dos próprios funcionários, bem como procura recrutar internamente promovendo os funcionários existentes, como demonstra o Gráfico IX. Na mesma proporção busca recrutar externamente através de anúncios em jornais de grande circulação de forma a obter um banco de dados variado. GRÁFICO IX - PLANEJAMENTO DO R&S 25, ,00 1 5,00 Definição do Perfil Construção de Anúncio Recrutamento Interno Indicação por Network Pessoal Triagem de currículos 23

24 Pelo resultado demonstrado no Gráfico X, nota-se que a maior preocupação da empresa é reduzir o turn over, visto que se tratando de cargos técnicos estes são difíceis de serem preenchidos. Por outro lado, a empresa considera estratégico o trabalho de R&S, pois o mesmo influencia diretamente no seu resultado final, além de ser importante para garantir a formação de uma equipe eficiente. GRÁFICO X - VISÃO DA EMPRESA SOBRE R&S 3 25, ,00 1 5,00 Qualidade dos Serviços Prestados Ativ. Estratégica Redução do Turn-over Definição da Equipe Fundamental p/ Proc. Organizacional Influe Diretamente no resultado A partir desse ponto analisaremos a J. Macêdo, empresa que terceiriza as atividades de R & S. Esta análise está traduzida nos Gráficos XI ao XXV. Observando o Gráfico XI, percebemos que o foco no negócio foi o principal motivo que levou a J Macêdo a terceirizar suas atividades de R & S. Porém, estas respostas foram obtidas através das entrevistas com seus gerentes industriais, contrapondo-se a outra participante da entrevista, a gerente do setor de Recursos Humanos da organização, que buscou na terceirização uma maior qualificação de sua mão de obra selecionada. 24

25 GRÁFICO XI - O QUE LEVOU A TERCEIRIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE R&S NA J MACEDO Foco no negócio Qualidade da MDO selecionada Notamos, no Gráfico XII, que antes da terceirização, já existia o setor de R & S na organização. 100% dos entrevistados demonstraram conhecimento geral da empresa. GRÁFICO XII - EXISTIA O SETOR DE R&S NA JMACEDO? Sim Não Confirmando os dados observados no Gráfico XI, reforça-se no Gráfico XIII, o principal motivo que levou a organização a terceirizar suas atividades de R & S: o foco no negócio, em sua atividade fim, definida como produção de alimentos. Estas respostas demonstram como o interesse no negócio tende aos gerentes industriais e não da gerência do setor de RH, que reafirma sua resposta 25

26 justificando a terceirização das atividades numa melhoria da qualidade de sua mão de obra selecionada. GRÁFICO XIII - FATORES QUE INFLUENCIARAM NA TERCEIRIZAÇÃO Custo Qualidade da mdo selecionada Foco na atividade fim Rapidez Outro Constata-se no Gráfico XIV, que após a terceirização das atividades de R & S, 100% dos entrevistados confirmam que o tempo antes despedindo para tais atividades é agora voltado para o desenvolvimento humano organizacional. GRÁGICO XIV - APROVEITAMENTO DO TEMPO ANTES DESTINADO AO R&S Desenvolvimen to humano Clima organizacional Qualidade Rotina trabalhista Outro No Gráfico XV, observa-se que para 66,67% dos entrevistados, não houve redução dos custos com a terceirização. A justificativa para este dado é de que o 26

27 serviço terceirizado possui um valor muito alto comparando-se com os custos despendidos anteriormente pela organização, quando antes desenvolvia tais atividades. Porém, justifica-se este alto custo pelos cargos que são dispostos para a seleção. Somente os cargos gerenciais são terceirizados pela J Macêdo. GRÁFICO XV - HOUVE REDUÇÃO DE CUSTOS COM A TERCEIRIZAÇÃO? Sim Não Mesmo possuindo um custo alto para a organização, a maior parte dos entrevistados concordam que os benefícios da terceirização foram satisfatórios. Os 33,33% que representam um resultado razoável, são refletidos no fator tempo, onde o preenchimento da vaga, em alguns momentos, não condiz com a necessidade imediata da contratação, como constatado no Gráfico XVI. GRÁFICO XVI - RESULTADOS DO R&S TERCEIRIZADO Muito satisfatórios Satisfatórios Razoáveis Insatisfatórios Totalmente Insatisfatórios 27

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

SOBRE A NOSSA EMPRESA

SOBRE A NOSSA EMPRESA SOBRE A NOSSA EMPRESA A Resolve Serviços Empresariais Ltda., fundou-se em 1991, com o propósito de oferecer o serviço de mão de obra temporária fundamentada na Lei 6019/74, destacando-se pela ética, agilidade,

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS.

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. MICHEL, Murillo Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias murillo@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção.

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção. Processo Seletivo O que é? O Processo Seletivo é um conjunto de técnicas e instrumentos, empregados para avaliação de materiais, técnicas ou candidatos visando identificar as habilidades, tendências e

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Atualizado em 14/10/2015 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Recrutamento é um conjunto de técnicas e procedimentos que visa a atrair candidatos potencialmente qualificados

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo.

Apresentação. A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Apresentação A Martins Guerra Consultoria é formada por gente jovem, engajada e de atitude. É feita de um trabalho dedicado e muito profissionalismo. Nossa missão é promover o encontro entre pessoas e

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Descentralizada E.E. Arlindo Bittencourt Código: 091-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais