ANÁLISE DE ERROS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE ERROS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA"

Transcrição

1 ANÁLISE DE ERROS E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA Marcos Rogério Neves Universidade Estadual de Santa Cruz, Brasil Diná da Silva Correia Universidade Estadual de Santa Cruz, Brasil RESUMO Neste trabalho analisamos as respostas para um problema de otimização, envolvendo área retangular, elaboradas por estudantes de 1º e 6º semestres do curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Com base na Teoria Antropológica do Didático, discutimos as estratégias de resolução apresentadas e levantamos possibilidades que a investigação pode trazer para o acompanhamento da qualidade das aprendizagens realizadas no curso de Licenciatura em Matemática em nossa Universidade. Os dados analisados integram uma pesquisa interinstitucional com financiamento Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), concluída em 2011, com abrangência dos dez cursos de Licenciatura em Matemática vigentes em campi das quatro Universidades Estaduais baianas. O objetivo principal da pesquisa foi ampliar a compreensão sobre os erros e dificuldades de aprendizagem de discentes destes cursos. Nela buscamos responder ao problema: que informações a análise das respostas dos estudantes de licenciatura a problemas de matemática pode fornecer para subsidiar o processo de avaliação da qualidade de suas aprendizagens no curso? Entre as estratégias identificadas nos dados da UESC, percebemos padrões que nos levam a questionar se as disciplinas acadêmicas tem afetado o cerne das dificuldades de aprendizagem trazidas da Educação Básica.

2 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 2 Palavras-chave: avaliação de aprendizagem; análise de erros; formação de professores de matemática. ABSTRACT In this work we analyze the provided answers to an optimization problem, involving rectangular area, prepared by students of 1st and 6th semester course in Mathematics at Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Based on the Anthropological Theory of Didactics, we discussed strategies for resolutions and raise possibilities that research can bring to the monitoring of the quality of learning achieved in the Degree in Mathematics in our University. The analyzed data comprise an inter-institutional research funding by Foundations for Support Research in the State of Bahia (FAPESB), completed in 2011, with coverage of the ten courses in Mathematics existing campuses of four universities in Bahia State. The main objective of this research was to broaden the understanding about mistakes and learning difficulties of students in these courses. In it we seek to answer the problem: what information the analysis of the responses of undergraduate students to math problems can provide to support the process of assessing the quality of their learning in the course. Among the strategies identified in the UESC data, we realize patterns that lead us to question if the academic disciplines has affected the core of learning difficulties brought on Basic Education. Keywords: assessment of learning, error analysis, formation of mathematics teachers

3 1 Introdução No presente trabalho analisamos as respostas para um problema de otimização, envolvendo área retangular, elaboradas por estudantes de 1º e 6º semestre do curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Estes dados foram produzidos como parte de uma pesquisa interinstitucional realizada entre 2008 e 2011, envolvendo estudantes dos cursos de Licenciatura em Matemática vigentes em nove campi 1 das quatro Universidades Estaduais baianas. Contando com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), a pesquisa intitulada Análise dos erros cometidos por discentes de cursos de Licenciatura em Matemática das Universidades Estaduais Baianas tinha como o objetivo geral ampliar a compreensão sobre os erros e dificuldades de aprendizagem de discentes destes cursos, tendo como hipótese que a análise da qualidade desses erros pode contribuir para a compreensão dos contextos e das causas dessas dificuldades (SILVA, et al., 2009). O problema que orientou essa pesquisa macro foi estruturado a partir das seguintes perguntas: Quais dificuldades os estudantes possuem referentes a conceitos matemáticos que deveriam ter sido construídos na Educação Básica? Como contribuir de forma a minimizar as dificuldades de aprendizagem de estudantes de cursos de Licenciatura em Matemática a partir da análise dos erros cometidos pelos estudantes? Como atuar na formação inicial do ingressante de modo a superar as dificuldades trazidas e assegurar uma matemática básica eficiente? Que diferenças existem entre os erros cometidos pelos estudantes novatos e veteranos? Para responder a estas perguntas foram coletados dados, sobretudo, a partir de dois testes, contendo problemas elaborados sobre conteúdos de Álgebra e Geometria, que permitiam a resolução com conhecimentos do Ensino Médio. O primeiro teste foi aplicado junto a estudantes do 1º e 6º semestres do curso de Licenciatura em Matemática identificados como estudantes em início e meio do curso, respectivamente. O segundo teste foi aplicado cerca de um ano após o 1º teste. Como 1 Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC): campus Ilhéus-BA; Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS): campus de Feira de Santana-BA; Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB): campi Jequié-BA e Vitória da Conquista-BA; Universidade do Estado da Bahia (UNEB): campi Teixeira de Freitas-BA, Caetité-BA, Barreiras-BA, Alagoinhas-BA, Senhor do Bonfim-BA e Paulo Afonso-BA.

4 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 4 dados auxiliares aos testes foram utilizados um questionário para traçar perfil socioeconômico e também informações, sobre aprovação e reprovação em disciplinas cursadas (no caso de estudantes do 6º semestre), coletadas junto ao Colegiado do curso. Os dados da pesquisa macro foram categorizados pelos padrões de resposta e comparados com indicadores da Prova Brasil (BRASIL, 2008), para efeitos de analise geral e identificação das fragilidades que se propagaram até o ensino superior. Esta análise constitui um primeiro conjunto, no qual os dados de todas as instituições participantes foram submetidos aos mesmos parâmetros, utilizados para produção do relatório geral da pesquisa interinstitucional. Paralelamente, as equipes de pesquisa de cada instituição envolvida elaboraram análises complementares dos dados referentes a seus estudantes, com base nos referenciais teóricos que consideraram mais adequados aos seus objetivos específicos em relação a seus cursos, considerando as possibilidades de intervenção frente às dificuldades identificadas. Estas análises constituem um segundo conjunto, marcado pela diversidade teórico-metodológica. Neste contexto, os resultados que passaremos a discutir foram analisados com base na Teoria Antropológica do Didático, elaborada por Ives Chevallard (1999), com objetivo subsidiar as reflexões de nossa equipe de formadores sobre o sistema de avaliação permanente da qualidade das aprendizagens, que pretendemos implantar a partir do colegiado do curso em nossa instituição. Além de dados de outras fontes (como os disponíveis nos prontuários de registro e controle acadêmico), neste sistema de avaliação temos interesse em considerar as respostas dos estudantes às atividades propostas nas disciplinas do curso como fonte de informação fundamental. Estas necessidades particulares de nossa instituição nos levaram a orientar o presente trabalho para responder ao seguinte problema de pesquisa: que informações a análise das respostas dos estudantes de licenciatura a problemas de matemática pode fornecer para subsidiar o processo de avaliação da qualidade de suas aprendizagens no curso? Neste trabalho, abordamos esta questão tomando como base as respostas elaboradas pelos estudantes para um problema de otimização envolvendo área retangular. Esta opção visa permitir a exibição com mais detalhe dos padrões de resposta identificados, considerando as dimensões deste artigo. Ao discutirmos os resultados, identificamos possibilidades que a investigação pode trazer para o

5 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 5 acompanhamento da qualidade das aprendizagens realizadas no curso de Licenciatura em Matemática em nossa Universidade. 2 Por que nos importam as respostas dos estudantes? Nos últimos anos a frequência e o modo como as mídias passaram a noticiar os resultados de sistemas de avaliação, como o Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) e o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), tem evidenciado as dificuldades dos estudantes brasileiros nas várias disciplinas do currículo escolar. É fato bastante conhecido que entre as disciplinas com piores resultados figura sempre a Matemática. Os resultados destas avaliações são noticiados quase sempre como vitrine dos efeitos do investimento de verbas públicas na educação, numa correlação direta e o enfoque dado aos erros cometidos por estudantes ressalta as dimensões negativas, como indicativos da precariedade, tanto de suas aprendizagens, quanto da formação de seus professores. Ainda que os erros cometidos por estudantes sejam preocupantes em relação aos objetivos da educação escolar, o senso comum acerca do erro nos parece limitado, uma vez que enfatiza o erro apenas como um produto final de todo trabalho realizado na escola, não levando em consideração os contextos e processos nos quais esses erros são produzidos. A fim de lançar luz sobre as causas dos erros e as dificuldades de aprendizagem que ficam obscurecidas por este olhar limitado, a análise dos erros cometidos por estudantes durante a realização de tarefas matemáticas tem se consolidado como uma forte vertente de pesquisa da Educação Matemática no Brasil. Em breve retrospectiva Cury (2008) nos mostra, logo no primeiro capítulo de seu livro, como os erros cometidos por estudantes foram problematizados a partir de diferentes enfoques, desde a abordagem behaviorista de Thorndike, nos primórdios da psicologia educacional no final do século XIX e início do século XX. Tendo sido explorada desde então, a análise de erros, segundo esta autora tem muitas contribuições a oferecer como abordagem de pesquisa e também como metodologia para o ensino. Como a autora, assumimos que o estudo dos erros pode trazer uma diversidade de informações acerca dos processos de aprendizagem e, de acordo com o enfoque teórico utilizado, evidenciar desde as habilidades e competências até a visão acerca dos conteúdos da Matemática que subsidiam a interação do estudante

6 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 6 com o problema a resolver. Assumimos também que as respostas aparentemente corretas dos estudantes também são fonte de informação sobre as aprendizagens (CURY, 2008; CURY e BISOGNIN, 2009; PINTO 2000). A Teoria Antropológica do Didático (CHEVALLARD, 1999) corrobora esta percepção ao introduzir a ideia de que mais de uma resposta correta podem ser fornecidas para uma tarefa, embora nem todas sejam consideradas adequadas e aceitas do ponto de vista institucional. Um estudante de Graduação em Matemática, por exemplo, pode fazer inferências sobre os pontos críticos de uma função utilizando estratégias aprendidas no Ensino Médio, enquanto seu professor, seu curso, sua universidade, seu livro de cálculo diferencial e integral, como instituições de referência, não consideram adequadas/válidas tais estratégias. Esta abordagem nos parece útil, uma vez que Cury (2008, p. 94), ao avaliar as produções dos seus alunos de 3º semestre do curso de licenciatura, notou que eles ainda cometiam alguns erros detectados nas soluções dos calouros. Neste sentido, diferentes autores (como CURY, 2008; PINTO, 2000; BORASI, 1996, entre outros) tem também caracterizado e discutido o papel heurístico do erro no interior das ciências e a maneira como estes erros não são evidenciados nos processos de sistematização e exibição dos resultados. Em particular, a noção bachelardiana de obstáculo epistemológico à inovação dentro das próprias ciências tem sido explorada na interpretação do conflito entre conteúdos aprendidos e conteúdos novos, que se estabelece no processo de aprendizagem da matemática, envolvendo seus pressupostos epistemológicos. Pinto (2000) destaca que o primeiro trabalho sobre obstáculos epistemológicos em Matemática foi apresentado por Guy Brousseau, ao qual credita a ideia de que o erro é o resultado de um conhecimento anterior, que teve seu interesse e seu sucesso, mas que agora se revela falso ou simplesmente inadaptado. Os erros desse tipo não são práticas errôneas e imprevisíveis: eles são constituídos de obstáculos. Assim, tanto na prática do professor como na do aluno, o erro é constitutivo do conhecimento adquirido (PINTO, 2000, p. 53). Embora a maioria dos professores não estranhe (e até defenda) a ideia de que o conhecimento algébrico escolar necessita ser gradativamente construído pelo estudante a partir do conhecimento aritmético aprendido nas séries iniciais do Ensino Fundamental, não são poucos os estudos revelando conflitos e dificuldades nesta passagem, a ponto de autores como Lins e Gimenez (1997) questionarem tanto esta necessidade, quanto a adequação desta visão.

7 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 7 Resguardadas as diferenças entre cientistas e estudantes da educação básica, a noção de obstáculos epistemológico explorada na análise das respostas dos estudantes no mínimo nos leva a questionar a relação que o estudante estabelece entre conhecimentos novos aprendidos e seus conhecimentos anteriores. Em especial, é nossa responsabilidade como formadores de futuros professores: [...] quebrar essa cadeia de mal-entendidos e proporcionar aos futuros docentes de Matemática a oportunidade de olharem seus próprios erros para, com base em uma discussão sobre eles, retomarem os conteúdos nos quais apresentam dificuldades que, se não superadas, somente servirão para alimentar novas ocorrências de erros por parte de seus futuros alunos (CURY, 2008, p. 92). Assim, no presente trabalho exploramos estas noções, incorporadas às contribuições da Teoria Antropológica do Didático, que apresentamos a seguir. 3 Contribuições da Teoria da Antropologia do Didático (TAD) Com base nas contribuições de Chevallard (1999), consideramos que a abordagem antropológica dos processos de ensino e aprendizagem da matemática pressupõe levar em conta os contextos culturais nos quais os indivíduos interagem com os objetos do saber e as instituições às quais estes objetos pertencem. Dessa forma, as práticas de ensinar, de aprender e de realizar tarefas matemáticas são objetos de estudo que precisam ser observados de modo integrado, como produções culturais complexas, das quais os indivíduos, por um lado, participam/constroem; por outro lado, esses indivíduos se humanizam de maneira específica em instituições sociais. Ao pretendermos observar as estratégias de estudantes na resolução de tarefas matemática no contexto escolar, por exemplo, temos que ter em mente que certas estratégias são reconhecidas e privilegiadas pela instituição em determinados níveis de escolaridade. Chamamos esse reconhecimento de institucionalização - processo que se configura por meio do livro didático, dos programas de disciplinas e da organização e desenvolvimento da aula feita pelo professor (CHEVALLARD, 1999). Entre as contribuições que a TAD inicialmente nos fornece para o processo de análise dos erros cometidos por estudantes, destacamos a necessidade de se efetuar uma análise dos objetos do saber, os quais o estudante pôde ter acesso por meio das instituições em que ele interagiu. Isso envolve observar várias dimensões do saber, como conceitos, procedimentos, linguagens, notações, teoremas, assim como o modo que estes objetos são didaticamente organizados pelo professor em aula, nos livros, nas atividades solicitadas.

8 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 8 Segundo Amouloud (2007) na TAD os objetos do saber são (ou deveriam ser) organizados e apresentados no processo didático como praxeologias completas, que são conjuntos ordenados compostos por: Tipo de tarefa (T) - identificado em uma praxeologia, contendo ao menos uma tarefa t; Técnica (τ) - maneira de fazer ou realizar um tipo de tarefa T; Tecnologia (θ) - discurso racional (logos) que tem por objetivo justificar a técnica τ, assegurando que esta permita realizar as tarefas do tipo T e; Teoria (Θ) - com a função de justificar e tornar compreensível uma tecnologia θ. Dependendo do meio em que o estudante tenha acesso ao objeto, a praxeologia pode se mostrar incompleta pela ausência, por exemplo, da Teoria (Θ). Também pode ocorrer que convenientemente este elemento seja apresentado apenas em certa etapa do processo. Na análise de cada organização praxeológica 2 é particularmente interessante observar a articulação dos blocos praxe [tarefa/técnica] e logos [tecnologia/teoria]. A maneira como estes elementos são ordenados e apresentados ao estudante (em aulas, em livros, etc.) define cada praxeologia de maneira peculiar. Em última instância, define culturalmente um modus operandi, uma lógica de organização das práticas em determinada instituição. Como exemplo, na praxeologia conhecida como tradicional, a ordem preferencial de organização desses elementos é: θ T Figura 1: praxeologia tradicional Observem que nesta organização a última etapa do processo de aprendizagem de objetos do saber da matemática escolar é a apresentação de uma Tarefa (T) ao estudante. Por outro lado, em situações de investigação, durante o curso de licenciatura em Matemática, o estudante é confrontado, por exemplo, com outra praxeologia que chamaremos de praxeologia modelada (HENRIQUES, ATTIE e FARIAS, 2007). Nesta praxeologia a ordem é oposta à da praxeologia tradicional, ou seja: T θ 2 Na TAD a análise da organização praxeológica nos remete aos modos institucionalmente ensinados de organização das atividades humanas institucionais.

9 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 9 Figura 2: praxeologia modelada Assim, outra grande contribuição da TAD para a investigação sobre os erros é indicar que a análise das estratégias dos estudantes na resolução de tarefas matemáticas pode ser subsidiada pela análise da organização praxeológica das atividades propostas/realizadas, dos programas de disciplinas, dos livros didáticos, das aulas, das atividades, das provas/avaliações. De acordo com a TAD, uma implicação metodológica imediata dessas ideias seria assumir como tarefa do professor, como representante da instituição, proceder à análise praxeológica a priori no processo de preparação do objeto do saber a ser apresentado aos estudantes e também a análise a posteriori para verificar o modo como a interação com o objeto foi apreendida (ALMOULOUD, 2007). Como pressuposto estrutural, a TAD nos leva a analisar também a maneira como os objetos de saber são organizados institucionalmente em suas várias instâncias, nos remetendo a análise das diversas maneiras através das quais o currículo vai sendo construído de modo a situarmos os conhecimentos em questão e a consistência com a qual ele é tratado, considerando desde o Projeto Acadêmico Curricular do Curso até os planos de ensino e de aulas, os livros didáticos adotados e as tarefas propostas. É nesta articulação entre a resposta do estudante e todo o processo de produção do currículo que reside nosso interesse na exploração da TAD. Como formadores, buscamos unidades de análise que nos auxiliem na construção de explicações articuladas sobre os elementos que concorrem para produção de erros e dificuldades, de modo a fundamentar ações sistêmicas para sua superação. 4 Procedimentos de pesquisa Os dados analisados neste trabalho são referentes às respostas fornecidas por estudantes do curso de Licenciatura em Matemática de nossa instituição, sendo 29 estudantes de 1º semestre e 13 de 6º semestre. No âmbito da pesquisa interinstitucional da qual participávamos, tomamos como base para seleção dos conteúdos das questões utilizadas nos testes (instrumentos de coleta de dados) as provas de vestibulares das universidades envolvidas e documentos elaborados pelo governo, tais como Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio (PCNEM), e livros didáticos de Matemática tanto do ensino médio quanto do superior. A ideia inicial foi detectar conteúdos relevantes em cada fonte, seja pela

10 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 10 qualidade do espaço institucional dedicado a eles (em livros e programas de ensino, por exemplo), seja pela frequência com a qual são exigidos em exames. Através deste princípio a equipe também procurou asseguram que os testes envolveriam conteúdos com grande probabilidade de terem sido vistos pelos estudantes na escolaridade básica. A perspectiva da equipe sobre cada questão do teste era tornar o erro observável, como nos sugere Pinto (2000). No que diz respeito aos blocos de conteúdos explorados optamos por: Funções e Geometria Plana - por serem assuntos trabalhados do ensino fundamental ao ensino superior; Análise de dados e probabilidade - por serem recomendados para todos os níveis da educação básica, em especial para o ensino médio; e Números e operações - por proporcionar aos estudantes uma diversidade de situações, de forma a capacitá-los a resolver problemas do quotidiano. O teste padrão, que contém o problema de otimização que analisamos, constituiuse de seis questões e foi o primeiro instrumento de coleta de dados aplicado no contexto da pesquisa interinstitucional. A discussão que empreendemos aqui envolve a análise das respostas ao primeiro problema deste primeiro teste, expresso nos seguintes termos: Um fazendeiro possui vinte metros de cerca e deseja construir um galinheiro de forma retangular aproveitando um muro já construído como um dos lados. Determine as dimensões do galinheiro de modo que a sua área seja máxima. A final de cada questão do teste padrão, perguntamos sobre a percepção do estudante acerca de sua resposta, de modo a indicar o grau de confiança na sua resolução, conforme indicado no Quadro 1. Quadro 1: Teste da percepção do estudando sobre sua resposta. Com relação à solução e resposta apresentada por mim a alternativa escolhida é: ( ) Estou seguro(a) que está correto; ( ) Acredito que está correto; ( ) Aposto 50% que está correto; ( ) Acredito que está incorreto; ( ) Estou seguro(a) que está incorreto. Assim, os dados que analisamos neste estudo se constituem tanto das respostas dos estudantes quanto da percepção que estes manifestaram sobre elas. 4.1 A análise das respostas sobre o enfoque praxeológico

11 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 11 Em nossa análise consideramos as características das estratégias matemáticas utilizadas pelos estudantes, buscando identificar elementos que indiquem as praxeologias associadas (tarefa-técnica; tecnologia-teoria). O termo praxeologia e seus derivados foram formulados no interior da Teoria Antropológica do Didático (TAD) por Yves Chevallard e se refere à análise dos tipos de conhecimento que se articulam nas situações práticas que envolvem conhecimentos matemáticos. Neste modelo teórico se compreende que indivíduos podem realizar tarefas de modo mecânico, sem demonstrar conhecimentos profundos. Isto porque toda aplicação prática de conhecimentos matemáticos envolve no mínimo dois elementos: a identificação de uma tarefa e a seleção de uma técnica que se julga adequada para resolvê-la. Porém, a realização de tarefas complexas que caracterizam um domínio mais substantivo de conceitos, métodos e estratégias de raciocínio da Matemática, revela outros dois elementos que estão associados às práticas matemáticas e que caracterizam a riqueza destas práticas, quais sejam: tecnologia (conhecimento que justifica a técnica) e teoria (que fornece substrato e heurística à tecnologia). Com base nos pressupostos da TAD, tomamos como objetivos da análise: Identificar nas respostas padrões praxeológicos consistentes, ainda que equivocados, ineficientes; Comparar os padrões encontrados com as respostas institucionais definidas pela equipe, sobretudo, no que diz respeito ao uso de elementos associados ao bloco praxeológico tecnologia-teoria (bloco logos). Começamos, analisando o problema proposto no teste diagnóstico e as respostas institucionais aceitas pela equipe. 5 Discussão dos dados 5.1 Análise a priori do problema proposto No contexto da pesquisa interinstitucional a equipe havia definido duas formas de resolução aceitáveis para o problema: Um fazendeiro possui vinte metros de cerca e deseja construir um galinheiro de forma retangular aproveitando, como um dos lados, um muro já construído. Determine as dimensões do galinheiro de modo que a sua área seja máxima. A razão de haver apenas duas resoluções consideradas adequadas é a exigência de que o estudante utilizasse conhecimentos associados ao conceito de função

12 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 12 (em particular, função polinomial de 2º grau) e enfocasse o problema como sendo um problema de otimização. Estas razões fundamentam e definem as duas praxeologias associadas às respostas institucionais aceitas. Passemos a analisá-las, explicitando os conjuntos de tarefas, técnicas e tecnologias 3 relacionadas a elas. A primeira resolução institucional aceita tem como referência a Matemática escolar da Educação Básica (EB) e consiste nas seguintes etapas: I. Tarefa: Selecionar modelo geométrico adequado ao fenômeno. Técnicas: Desenhar/idealizar o retângulo genérico que corresponde ao problema (considerando o muro como um dos lados), nomeando os lados p e q de modo facilitar a construção do modelo algébrico. Tecnologias: conceitos de área e perímetro, articulados de modo a fornecer heurística para o modelo algébrico; II. Tarefas: Descrever a equação do perímetro; selecionar a função adequada para avaliação de pontos críticos. Técnicas: Descrever a função A(p)=pq e utilizar a equação que descreve o perímetro cercado para descrevê-la apenas em função da variável p. Tecnologias: conceito de função para modelar a área; noção de sistema de equações, articulada com o conceito de perímetro para produzir uma relação entre p e q (equação), linearmente independente da área, isolar q e substituir na função; III. Tarefa: Analisar a função polinomial adequada e encontrar as coordenadas p v e q v do ponto de máximo. Técnicas: aplicar na equação de p v os valores dos coeficientes do polinômio da função A(p) e calcular esta coordenada; substituir p v na equação do perímetro e calcular q v. Tecnologias: forma geral das coordenadas do vértice da parábola; noção de sistema de equações e procedimento de substituição. A segunda resolução institucional tem como referência a Matemática da Educação Superior (ES) e também prevê o cumprimento das etapas I e II acima descritas e na etapa III introduz a seguinte variação: i. Tarefa: utilizando a função A(p), encontrar a abscissa do ponto crítico. Técnicas: derivar A(p); tomar A (p)=0 e encontrar a coordenada p do ponto crítico. Tecnologia: conceito de derivada; 3 Não mencionamos aqui o elemento Teoria que compõe o bloco conhecimento nas praxeologias completas porque a análise das resoluções dos estudantes não revelou elementos que nos permitam inferir sobre este nível de conhecimento.

13 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 13 ii. Tarefa: utilizando A (p), avaliar a natureza do ponto crítico encontrado. Técnicas: derivar A (p); calcular o valor de A (p) para p=5 e verificar o sinal. Tecnologia: conceito de derivada; teste da 2ª derivada; iii. Tarefa: encontrar a ordenada do ponto crítico. Técnica: substituir o valor da abscissa encontrado no item III na equação do perímetro e resolvê-la para a incógnita q. Tecnologia: sistemas de equações. Analisando estas duas praxeologias, notamos que ambas se apoiam: no mesmo modelo geométrico inicial, voltado para modelagem algébrica que resolve efetivamente o problema; em conhecimentos algébricos associados aos conceitos de função e equação. Além da equivalência das praxeologias na abordagem inicial do problema, notamos que as técnicas e tecnologias fundamentadas na EB, utilizadas na resolução do problema, são aceitas integralmente e utilizadas na Matemática da ES. Vale lembrar que muitas praxeologias ensinadas na EB deixam de ser validas na ES, como plotar o gráfico de uma função utilizando um conjunto finito e discreto de pontos. No curso de Cálculo 1 o estudante aprende a utilizar ferramentas mais completas para análise do comportamento global da curva e seus pontos notáveis o que permite um olhar mais profundo e não discretizado como ocorre muitas vezes na EB. 5.2 Respostas dos estudantes Feitas essas observações, podemos passar a análise das respostas com foco nos objetivos que descrevemos. O conjunto de dados analisado, referente à 1ª questão do Teste I, consiste de 29 respostas de estudantes que cursavam o 1º semestre e 13 respostas de estudantes do 6º semestre do curso de Licenciatura em Matemática em nossa instituição. Neste conjunto, o total de respostas corretas e consistentes com as resoluções institucionais (definidas na seção anterior) nestes grupos foi respectivamente de NENHUM e UM (esta única resolução considerada adequada é consistente com a praxeologia relacionada à ES). Também houve a ocorrência de registros que foram considerados como sem resolução, totalizando respectivamente 3 e 4 para os referidos grupos. Nesta análise, nos interessa olhar com cuidado tanto as resoluções que adotaram praxeologias válidas e fracassaram na obtenção de respostas corretas, quanto as resoluções que pressupõe praxeologias diferentes das consideradas adequadas para o

14 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 14 teste proposto. No primeiro caso, o que nos instiga é a falta de consistência das praxeologias utilizadas pelos estudantes que optam por caminhos institucionalmente válidos, mas cometem falhas ou não conseguem completar a resolução das tarefas. No foco de nosso interesse está a necessidade de compreensão das aprendizagens que faltam para que consolidar a consistência das ações dos estudantes nestas praxeologias. Trataremos a estrutura desse padrão de resposta como praxeologias incompletas. No segundo caso, nos perguntamos sobre quais técnicas foram utilizadas e em quais conhecimentos (tecnologias) se fundamentam. Trataremos a estrutura desse padrão de resposta como praxeologias clandestinas Praxeologias incompletas Para o propósito da análise que ora tecemos, vamos considerar como praxeologias incompletas aquelas que pudermos identificar com partes das praxeologias definidas para as resoluções institucionais aceitas pela equipe de pesquisadores. Analisando as 26 resoluções dos estudantes do 1º semestre com vistas para as etapas que descrevemos da resolução institucional com referência na EB, notamos inicialmente que 2 cumpriram a etapa I da resolução, desenhando um retângulo adequado, considerando o muro e nomeando os lado de modo a favorecer o trabalho algébrico da etapa seguinte. Contudo, observamos também que 18 estudantes cumpriram esta tarefa de modo incompleto, desenhando retângulos para apoiar estratégias aritméticas, atribuindo valores aos lados ou indicando por incógnitas apenas um dos lados (geralmente o muro). Também há aqueles que desenharam retângulos aparentemente sem considerar o muro (4 estudantes). Quando observamos a etapa seguinte das resoluções dos estudantes, começam a se delinear as tendências que vão indicar as praxeologias escolhidas. Como nesta seção vamos nos ater às resoluções nas quais os estudantes escolheram caminhos próximos aos institucionalmente aceitos, observamos que na etapa II a tarefa de definir a equação do perímetro foi realizada apenas pelos 2 estudantes que construíram o modelo adequado. Um deles parou na definição da equação. O outro prosseguiu até isolar uma das duas variáveis. No que se refere às resoluções dos estudantes do 1º semestre, a baixa frequência com que decidiram se apoiar em estratégias algébricas que são a base da resolução

15 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 15 institucional de referência (EB) e o fato de não conseguirem ultrapassar o nível mais simples da modelagem necessária (associados à alta frequência de estratégias aritméticas) pode ser um indício que as aprendizagens consolidadas por estes estudantes não permitiram domínio operacional das praxeologias associadas aos conteúdos de álgebra. Analisando as 9 resoluções dos estudantes do 6º semestre com vistas para as etapas que descrevemos das resoluções institucionais com referência na EB e ES, notamos inicialmente que 7 cumpriram a etapa I da resolução, desenhando um retângulo adequado, considerando o muro e nomeando os lado de modo a favorecer o trabalho algébrico da etapa seguinte. Observamos que apenas 2 estudantes cumpriram esta tarefa de modo incompleto, desenhando retângulos para apoiar estratégias aritméticas, atribuindo valores aos lados. Mesmo considerando que o momento de aplicação de um teste (como o que serviu de fonte de dados para esta pesquisa) é uma situação bem diferente da aplicação de um teste no contexto de uma disciplina do curso ou do contexto da prática profissional docente, as características destes padrões de respostas levantam questões sobre a fragmentação dos conhecimentos matemáticos dos estudantes de licenciatura. Como formadores interessados em elaborar um sistema de avaliação processual da qualidade das aprendizagens, diante a frequência tão alta deste padrão de erro podemos questionar, por exemplo: por que aprendizagens que consideramos tão básicas parecem tão fragmentadas mesmo em estudantes do 6º semestre? Que condições seriam necessárias para que aprendizagens básicas (como a que se referem ao conteúdo em questão) tivessem qualidade e fossem retidas pelo estudante e mobilizadas em uma situação de teste como a que propusemos? Praxeologias clandestinas Em meio ao conjunto de respostas ao problema que analisamos, surgiram duas nas quais os estudantes desenvolveram resoluções através de praxeologias não aceitas institucionalmente. Trata-se de praxeologias justificáveis, ainda que inadequadas. Embora estejamos analisando apenas dois casos, no conjunto das respostas a todas as 6 questões do teste, envolvendo os conteúdos descritos na Seção 4, este padrão de resposta volta a emergir na investigação de outras questões do teste e sua análise pode ser reveladora de aprendizagens relativamente consolidadas, fruto da interação do

16 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 16 estudante com objetos matemáticos mediados por alguma instituição de referência um produto cultural, produzido na instituição contra sua intencionalidade e cujas origens podem ser mapeadas com ajuda de pesquisas como a que realizamos. Vejamos exemplo: Figura 3: Resposta de estudante do 1º semestre Observando a Figura 3, notamos que o estudante desenvolveu uma estratégia para testar as possibilidades, baseada em um raciocínio algébrico simples que permite realizar um conjunto de operações aritméticas para acercar-se de um conjunto de valores. De modo semelhante ao que estudantes do Ensino Médio fazem quando observam uma tabela construída com os valores assumidos por uma função, conforme atribuem-se valores a x, o estudante percebe a variação da variável área e identifica o valor máximo alcançado. Em relação à percepção sobre sua resposta, o estudante indicou ter certeza de que estava correta. Vejamos outro exemplo:

17 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 17 Figura 4: Resposta de estudante do 6º semestre Observando a Figura 4, notamos estratégia semelhante, embora o registro escrito não explicite o modelo algébrico que serve de base pra simulação. O estudante em questão também indicou certeza na correção de sua resposta. No que diz respeito validade das estratégias, notamos que ambas foram possibilitadas pelo valor adotado para a quantidade de arame (20 metros), de modo que a facilitar a simulação. A percepção de simetria dos valores facilmente calculados indica intuitivamente aos estudantes que o valor máximo obtido é o ponto de máximo procurado, visto que antes e depois dele os valores além de menores são idênticos. Entre os pesquisadores da equipe, houve quem questionasse se uma alteração no valor adotado, dificultando com valores não inteiros (como 128,7m) motivaria os mesmos estudantes a tentar esta estratégia. Independente dos exemplos mostrarem que os estudantes encontraram o valor final correto para o problema e estavam certos disso, nosso referencial teórico nos leva a questionar a validade matemática de suas resoluções, no sentido de terem a Tecnologia (explicação da técnica), provavelmente inconsistente pelos padrões da instituição de referência ES, por não considerarem a continuidade do conjunto de pontos da função. Contudo, não podemos deixar de nos perguntar como esse modo de pensar por simulação/experimentação, rudimentarmente algébrico e profundamente aritmético, perpassa a Educação Básica e avança no interior de um curso superior de Matemática quase inalterado, enquanto as estratégias ensinadas na universidade não alcançam facilmente este status de confiabilidade entre os estudantes. E nosso questionamento se estende a outros conteúdos da formação do professor: que outras praxeologias se constituem, se consolidam, entre as aprendizagens dos futuros professores sem que nós formadores tomemos conhecimentos? Mesmo tendo mais perguntas do que respostas, estas contribuições deste estudo para a equipe e para nosso propósito foram muito interessantes. Os questionamentos levantados têm claras implicações para o processo de avaliação da aprendizagem no curso. 6 Elementos para avaliação da qualidade das aprendizagens matemáticas Com base nas análises que vimos tecendo, podemos formular respostas parciais para as perguntas: Assim, o problema de pesquisa que orienta o presente trabalho é: que

18 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 18 informações a análise das respostas dos estudantes de licenciatura a problemas de matemática pode fornecer para subsidiar o processo de avaliação da qualidade de suas aprendizagens no curso? A esse respeito, destacamos que na seção levantamos questões sobre as lacunas nas aprendizagens institucionais dos estudantes tanto na EB quanto na ES que impedem tanto a mobilização adequada de conhecimentos algébricos, constituindo praxeologias incompletas, quanto afetam a confiança do estudante sobre as estratégias aprendidas. Na seção identificamos estratégias de resolução que conduziram estudantes à obtenção de resultados corretos, através de praxeologias inadequadas aos parâmetros das instituições de referência (EB e ES), mas mais completas que as discutidas na seção Notamos também que estas gozam de um status de confiabilidades que as praxeologias adequadas não alcançam entre os estudantes, fato que nos leva a questionar o tipo de relação que o estudante estabelece com os saberes aprendidos através das práticas vivenciadas. Através destes elementos que pontuamos, procuramos mostrar que os padrões de resposta dos estudantes de licenciatura podem nos fornecer elementos para compreensão da qualidade de suas aprendizagens, à medida que podem nos dar indícios: da consistência das aprendizagens praxeologias desenvolvidas no curso (ES); da resistência de praxeologias incompletas ou inadequadas. Para além dos padrões analisados, pudemos perceber ao longo do processo da pesquisa que, a despeito do currículo pensado em nossa universidade, as interações dos estudantes com os conteúdos das disciplinas do curso podem não modificar estratégias e conhecimentos que vem da educação básica. Os pressupostos da Teoria Antropológica do Didático nos exortam a assumir e nos comprometer como equipe, por um lado, com os resultados inadequados produzidos ou inalterados a partir das práticas proporcionadas currículo que desenvolvemos. Por outro lado, nos impele a investigar as condições associadas à produção dos erros pelos estudantes e elaborar um processo de avaliação que os envolva e promova a reflexão sobre concepções de currículo, de Matemática, de formação de professores que estamos construindo, que queremos construir condição imprescindível para construção de um currículo de qualidade em um processo colaborativo (LOPES e MUNIZ, 2010). Nesta trajetória seguimos levando essas reflexões de pesquisa para a equipe de

19 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 19 formadores que atua no curso de licenciatura em nossa universidade, a fim de subsidiar a elaboração de um sistema permanente de avaliação da qualidade das aprendizagens dos estudantes. Partindo da análise do conjunto completo dos dados da pesquisa que apresentamos aqui, procuramos fomentar na equipe reflexões que baseadas na análise das repostas, erradas ou não, com a finalidade de compreender como as dificuldades são geradas ou perpetuadas pelas práticas no interior das disciplinas do curso. Como frutos da pesquisa interinstitucional, na qual este estudo se insere, além das contribuições que pontuamos destacamos que outras questões, envolvendo a análise de respostas e a avaliação da qualidade das aprendizagens nos cursos de licenciatura, estão sendo problematizada por uma das autoras deste trabalho na construção de sua pesquisa para doutorado fato que testemunha a fertilidade desta temática para a formação inicial de professores, que tivemos a oportunidade de perceber ao longo do processo de investigação, enquanto coletivo de formadores-pesquisadores. Referências ALMOULOUD, S. A. Fundamentos da Didática da Matemática. Curitiba: Ed. UFPR, BRASIL. Plano de Desenvolvimento da Educação-PDE: matrizes de referência, tópicos e descritores. Brasília: MEC, SEB, Inep, BORASI, R. Reconceiving mathematical instructions: a focus in errors. Norwood- NJ: Ablex Publishing Corporation, CURY, H. N; BISOGNIN, E. Análise de Soluções de um Problema Representado por um Sistema de Equações. Bolema, Rio Claro-SP, Ano 22, nº 33, 2009, p. 1 a 22. CHEVALLARD, Y. L analyse des pratiques enseignantes en théorie anthropologique du didactique. Recherches en Didactique des Matématiques. Grenoble : La Pensée Sauvage-Éditions, v. 19.2, p , CURY, Helena; BISOGNIN, Eleni. Análise de um problema representado por um sistema de equações. Bolema. Rio Claro-SP, 2009, ano 22, n. 33, p.1 a 22. CURY, Helena N. Análise de erros: o que podemos aprender com as respostas dos alunos. 1ª edição, 1ª reimpressão, BH: Autêntica, 2008.

20 V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 20. Análises de Erros em Disciplinas Matemática de Cursos Superiores. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 3., 2006, Águas de Lindóia. Anais... Águas de Lindóia: SBM, CD-ROM. HENRIQUES, A.; ATTIE, J. P.; FARIAS, F. M. S. Referências teóricas da didática francesa: análise didática visando o estudo de integrais múltiplas com auxilio do software Maple. São Paulo: Revista Educação Matemática e Pesquisa-PUC, v.9.1, LOPES, C.E.; MUNIZ, M.I.S. O processo de avaliação nas aulas de Matemática. Campinas-SP: Mercado das Letras, LINS, R.C.; GIMENEZ, J. Perspectivas para aritmética e álgebra para o século XXI. 5ª edição, Campinas-SP: Papirus, PINTO, N. B., O erro como estratégia didática: estudo do erro no ensino da matemática elementar. Campinas, SP: Papirus, SILVA, C. V.; BORTOLOTI, R. D. M.; GUSMÃO, T. C. R. S. Análise Dos Erros Cometidos Por Discentes Do Curso De Licenciatura Em Matemática: Um Estudo De Caso Da Universidade Estadual Do Sudoeste Da Bahia Campus Jequié. In SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 4., 2009, Taguatinga. Anais... Taguatinga: SBM, CD-ROM. GT 4. ISSN: X.

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Elaine Gabriel do Nascimento Universidade Estadual da Paraíba Brasil elainegn@oi.com.br Júlio Pereira da Silva Universidade Estadual

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO ESTUDO DE DIVISIBILIDADE EM UM CURSO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR NO CONTEXTO DE AÇÕES AFIRMATIVAS

O DESENVOLVIMENTO DO ESTUDO DE DIVISIBILIDADE EM UM CURSO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR NO CONTEXTO DE AÇÕES AFIRMATIVAS O DESENVOLVIMENTO DO ESTUDO DE DIVISIBILIDADE EM UM CURSO PREPARATÓRIO PARA O VESTIBULAR NO CONTEXTO DE AÇÕES AFIRMATIVAS Maysa Ferreira da Silva mayfsil@hotmail.com José Luiz Magalhães de Freitas Universidade

Leia mais

POTENCIAL HISTÓRICO E PEDAGÓGICO DOS TERNOS PITAGÓRICOS PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

POTENCIAL HISTÓRICO E PEDAGÓGICO DOS TERNOS PITAGÓRICOS PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS POTENCIAL HISTÓRICO E PEDAGÓGICO DOS TERNOS PITAGÓRICOS PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Georgiane Amorim Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN georgianeamor@hotmail.com John Andrew

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia Faculdades Integradas Mato - Grossenses de Ciências Sociais e Humanas Missão: Formar cidadãos, através da educação, para atuar de forma transformadora, ética e crítica, no contexto profissional e social

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

CAPÍTULO 4. A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso

CAPÍTULO 4. A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso CAPÍTULO 4 A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso 77 4. Um Estudo Preliminar Na primeira fase de elaboração das atividades do estudo de caso, tentamos reunir alguns elementos

Leia mais

O uso do software GeoGebra nas construções gráficas de Funções Quadráticas

O uso do software GeoGebra nas construções gráficas de Funções Quadráticas O uso do software GeoGebra nas construções gráficas de Funções Quadráticas Igor Roberto Gonçalves Teixeira 1 GDn 6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo do trabalho.

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora xamcoelho@terra.com.br José Eduardo Ferreira da Silva C.A.

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DAS IDEIAS PROPOSTAS NOS PCN E NO REFERENCIAL CURRICULAR DO RS

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DAS IDEIAS PROPOSTAS NOS PCN E NO REFERENCIAL CURRICULAR DO RS CURRÍCULO DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DAS IDEIAS PROPOSTAS NOS PCN E NO REFERENCIAL CURRICULAR DO RS GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais Catia Maria Nehring, Unijuí,

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO LETRAMENTO ESTATÍSTICO AVALE

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO LETRAMENTO ESTATÍSTICO AVALE AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO LETRAMENTO ESTATÍSTICO AVALE Irene Maurício Cazorla Universidade Estadual de Santa Cruz icazorla@uol.com.br Resumo: O AVALE é um projeto de pesquisa e desenvolvimento da UESC,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA. COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos

PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA. COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos 3º período Daniela Santana Reis 2012.1 da Educação Infantil CRÉDITOS

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia do Ensino de Matemática Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

USO DE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NO ENSINO DA GEOMETRIA E DA ÁLGEBRA NUMA PERSPECTIVA ETNOMATEMÁTICA

USO DE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NO ENSINO DA GEOMETRIA E DA ÁLGEBRA NUMA PERSPECTIVA ETNOMATEMÁTICA USO DE SOFTWARES DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NO ENSINO DA GEOMETRIA E DA ÁLGEBRA NUMA PERSPECTIVA ETNOMATEMÁTICA Leandra Gonçalves dos Santos Prefeitura Municipal de Vitória e Prefeitura Municipal de Cariacica

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática

O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática (WHAT DO YOU THINK STUDENTS AND PROFESSORS ABOUT A COURSE OF TO LICENSE

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

EXPLORANDO ESTRATÉGIAS DIFERENCIADAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS

EXPLORANDO ESTRATÉGIAS DIFERENCIADAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS EXPLORANDO ESTRATÉGIAS DIFERENCIADAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS Virginia Furlanetto virf@universo.univates.br Maria Madalena Dullius madalena@univates.br CONTEXTUALIZAÇÃO Atualmente, em educação,

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO E ENSINO SUPERIOR: OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO (PCNEM)

MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO E ENSINO SUPERIOR: OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO (PCNEM) MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO E ENSINO SUPERIOR: OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO (PCNEM) versus TEORIAS DE PESQUISADORES E REFLEXOS NO ENSINO SUPERIOR 2012 Carlos Alberto de Souza

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 NÚMEROS COMPLEXOS: DIFICULDADES APRESENTADAS PELOS DISCENTES DE UMA ESCOLA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM ACERCA DE ATIVIDADES ENVOLVENDO A FORMA ALGÉBRICA DOS NÚMEROS COMPLEXOS Flávio Aurélio Siqueira

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM

ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM Gilmer Jacinto Peres 1 Instituto Federal do Norte de Minas Gerais gilmerperes@gmail.com Maria

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Maria Luisa Perdigão Diz Ramos 1. GD8 Avaliação em Educação Matemática

Maria Luisa Perdigão Diz Ramos 1. GD8 Avaliação em Educação Matemática Dificuldades e Erros em Matemática de Alunos do 1º Ano da Educação Profissional Tecnológica de Nível Médio na Modalidade Integrada: reflexões e desafios Maria Luisa Perdigão Diz Ramos 1 GD8 Avaliação em

Leia mais

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO

REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA E O ENSINO DAS NOÇÕES DE ÁREA E PERÍMETRO CINTIA APARECIDA BENTO DOS SANTOS (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL), EDDA CURI (UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL). Resumo Este artigo

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Norte marolopes@hotmail.com

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

SOBRE OS DOCUMENTOS GOVERNAMENTAIS E INSTITUCIONAIS DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO INSTITUCIONAL ESPERADA

SOBRE OS DOCUMENTOS GOVERNAMENTAIS E INSTITUCIONAIS DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO INSTITUCIONAL ESPERADA SOBRE OS DOCUMENTOS GOVERNAMENTAIS E INSTITUCIONAIS DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO INSTITUCIONAL ESPERADA GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Joelma Iamac

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

A SEQUÊNCIA DIDÁTICA INTERATIVA COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

A SEQUÊNCIA DIDÁTICA INTERATIVA COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A SEQUÊNCIA DIDÁTICA INTERATIVA COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ana Paula Bezerra da Silva UFRPE - PPGEC e SEDUC/PE paullabezerr@yahoo.com.br Maria Marly de Oliveira UFRPE - PPGEC

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática

GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Análise dos Conceitos Mobilizados pelos Professores de Matemática da Educação Básica no Ensino de Simetria: um estudo baseado na análise dos resultados das provas Brasil/SAEB Bárbara Passadore GD7 Formação

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

FAZENDO ESTATÍSTICA COM O QUE SE CONHECE

FAZENDO ESTATÍSTICA COM O QUE SE CONHECE FAZENDO ESTATÍSTICA COM O QUE SE CONHECE Júlio Pereira da Silva juliopereira86@yahoo.com.br Elaine Gabriel do Nascimento elainegn@oil.com.br André Araújo Palmeira andre-drearaujo@hotmail.com José Joelson

Leia mais

Um estudo sobre o domínio das Estruturas Aditivas nas séries iniciais do Ensino Fundamental no Estado da Bahia - PEA é um projeto de pesquisa da UESC,

Um estudo sobre o domínio das Estruturas Aditivas nas séries iniciais do Ensino Fundamental no Estado da Bahia - PEA é um projeto de pesquisa da UESC, UM ESTUDO SOBRE O DOMÍNIO DAS ESTRUTURAS ADITIVAS NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO ESTADO DA BAHIA NÚCLEO DE BARREIRAS Liliane Xavier Neves Universidade Federal da Bahia - UFBA lxneves@ufba.br

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

TERNOS PITAGÓRICOS: UMA FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

TERNOS PITAGÓRICOS: UMA FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS TERNOS PITAGÓRICOS: UMA FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Georgiane Amorim Silva 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte /PPGEd georgianeamor@hotmail.com Resumo: Considerando

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO Isabela Galvão Barbosa Stempniak Universidade Bandeirante - UNIBAN isabelagalvao@gmail.com Alessandro Jacques

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

A MANIFESTAÇÃO DE REGRAS DO CONTRATO DIDÁTICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS QUE NÃO ENVOLVEM RELAÇÕES PROPORCIONAIS

A MANIFESTAÇÃO DE REGRAS DO CONTRATO DIDÁTICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS QUE NÃO ENVOLVEM RELAÇÕES PROPORCIONAIS A MANIFESTAÇÃO DE REGRAS DO CONTRATO DIDÁTICO NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS QUE NÃO ENVOLVEM RELAÇÕES PROPORCIONAIS Maria José Santana Vieira Gonçalves Prof a Ma do Colégio Militar de Campo Grande giomage@ig.com.br

Leia mais

MATERIAL CONCRETO NAS AULAS DO PIBID NO COLÉGIO ESTADUAL ARNALDO BUSATO - EFMNP

MATERIAL CONCRETO NAS AULAS DO PIBID NO COLÉGIO ESTADUAL ARNALDO BUSATO - EFMNP MATERIAL CONCRETO NAS AULAS DO PIBID NO COLÉGIO ESTADUAL ARNALDO BUSATO - EFMNP Deidson Vitório Kurpel 1 Jessica Bóschi 2 Santos Richard Wieller Sanguino Bejarano 3 Resumo Este artigo tem por finalidade

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL DIFICULDADES NO CÁLCULO DE DIVISÃO NA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL GT 01 Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental AGRANIONIH, N. T. (nagranionih@uri.com.br) ENRICONE, J. R. B (jenricone@uri.com.br)

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA SUMÁRIO Capítulo I 3 DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS 3 Capítulo II 3 DA APRESENTAÇÃO 3 Capítulo III 4 DOS OBJETIVOS

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase. Disciplina 0004117A - Didática da Matemática

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase. Disciplina 0004117A - Didática da Matemática Curso 1503 - Licenciatura em Matemática Ênfase Identificação Disciplina 0004117A - Didática da Matemática Docente(s) Marisa da Silva Dias Unidade Faculdade de Ciências Departamento Departamento de Educação

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

AS MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES NO ENSINO DE VETORES. GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior

AS MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES NO ENSINO DE VETORES. GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior AS MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES NO ENSINO DE VETORES GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Rafael Silva Patrício, rafaeluepa@hotmail.com Maysa da Silva Leite Almeida, maysalmeida23@hotmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO 50/2004. II Estágio Curricular Supervisionado será composto pelas seguintes disciplinas:

RESOLUÇÃO 50/2004. II Estágio Curricular Supervisionado será composto pelas seguintes disciplinas: 1 O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, de acordo com a Lei Estadual nº 7.176/97, publicada no D.O.E de 11 de setembro de 1997, combinada

Leia mais

PRODUTOS DE VETORES NO CABRI 3D: UM ESTUDO BASEADO NA TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA

PRODUTOS DE VETORES NO CABRI 3D: UM ESTUDO BASEADO NA TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA PRODUTOS DE VETORES NO CABRI 3D: UM ESTUDO BASEADO NA TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA Monica Karrer Universidade Bandeirante de São Paulo mkarrer@uol.com.br Bruno Santos Baggi Universidade

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: :CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

USO DA FATORAÇÃO NA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DO 2 O GRAU

USO DA FATORAÇÃO NA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DO 2 O GRAU USO DA FATORAÇÃO NA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DO 2 O GRAU Míriam do Rocio Guadagnini Mestranda em Educação Matemática UFMS - Campo Grande - MS miriamguadagnini@hotmail.com José Luiz Magalhães de Freitas Professor

Leia mais

APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU

APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU Cristiano Forster UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina forster003@gmail.com Débora Eloísa Nass Kieckhoefel UDESC Universidade do Estado

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP MAURÍCIO DE SOUZA MACHADO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP MAURÍCIO DE SOUZA MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP MAURÍCIO DE SOUZA MACHADO PROJETO DE PESQUISA: A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DAS REGRAS DE SINAIS São Paulo - 2008 Título:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA. Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA. Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação Mariangela Norkus - PROGEPE/UNINOVE Amélia Silveira - PROGEPE/UNINOVE Cláudia

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

ESTUDO DE DIVISIBILIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA

ESTUDO DE DIVISIBILIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA ESTUDO DE DIVISIBILIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA Maysa Ferreira da Silva Fundamental Escola de Governo de Mato Grosso do Sul mayfsil@hotmail.com José Luiz Magalhães de Freitas Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA MATEMÁTICA ESCOLAR

ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA MATEMÁTICA ESCOLAR ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA MATEMÁTICA ESCOLAR Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora xamcoelho@terra.com.br Marcelo Bergamini Campos Universidade Federal de Juiz de Fora

Leia mais