Orientações Preliminares. Professor Fábio Vinícius

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientações Preliminares. Professor Fábio Vinícius"

Transcrição

1 Orientações Preliminares Professor Fábio Vinícius

2 O ENEM O ENEM foi criado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), sob a supervisão do Ministério da Educação (MEC), em 1998, para avaliar o desempenho dos jovens ao termino da escolaridade básica. Aplicado anualmente aos estudantes concluintes e aos egressos do Ensino Médio, desde a primeira edição, o exame e organizado a partir de uma Matriz de Referencia baseada em competências e habilidades. Em 2009, o ENEM foi reformulado visando a democratização das oportunidades de concorrência as vagas federais de Ensino Superior e a reestruturação dos currículos do Ensino Médio.

3 O ENEM A Matriz constitui também uma referência para as análises de desempenho, pois orienta a avaliação dos graus de desenvolvimento das habilidades pelos estudantes avaliados, além de dar uma visão ampla do perfil que se deseja selecionar para as etapas seguintes de estudo.

4 O ENEM As provas do novo ENEM são avaliações compostas por uma parte objetiva e uma redação, pois os organizadores do exame assumem o pressuposto de que os conhecimentos adquiridos ao longo da escolarização deveriam possibilitar ao jovem: o domínio das diferentes formas de linguagens, a compreensão dos fenômenos, a capacidade de enfrentamento de problemas, a construção de argumentação consistente e a elaboração de propostas de intervenção responsáveis e bem fundamentadas.

5 O ENEM Esses são os eixos cognitivos básicos que tem como intenção habilitar todos a enfrentarem melhor o mundo que os cerca, com todas as suas responsabilidades e seus desafios.

6 EIXOS COGNITIVOS I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa.

7 EIXOS COGNITIVOS II. Compreender fenômenos (CF): construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas.

8 EIXOS COGNITIVOS III. Enfrentar situações-problema (SP): selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema.

9 EIXOS COGNITIVOS IV. Construir argumentação (CA): relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente.

10 EIXOS COGNITIVOS V. Elaborar propostas (EP): recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.

11 O ENEM Baseadas na Matriz do ENEM, as questões estão fundamentadas na interdisciplinaridade e contextualização dos conhecimentos, o que possibilita superar a mera reprodução de conteúdos isolados. Para cada uma das áreas, organizou-se um conjunto de competências, que estabelecem as ações ou operações que descrevem performances a serem avaliadas na prova. O desdobramento das competências em habilidades mais especificas resulta da associação de conteúdos gerais aos cinco eixos cognitivos, totalizando assim 30 habilidades para cada uma das áreas, totalizando 120 habilidades.

12 O ENEM A correção das provas objetivas gera quatro proficiências. Cada uma delas baseada nas respostas dadas aos 45 itens de cada prova. Nesse processo é utilizado o modelo matemático estatístico da Teoria de Resposta ao Item. São quatro escalas distintas, uma para cada área do conhecimento. Assim, os resultados das provas de áreas diferentes não são comparáveis. O resultado da prova do ENEM traz cinco notas: uma para cada área de conhecimento avaliada e a nota da redação. Não existe uma media global de desempenho e as medias são apresentadas separadamente. A nota do ENEM em cada área não representa a proporção de questões que o estudante acertou na prova.

13 O ENEM As situações de avaliação são estruturadas de modo a verificar se o estudante é capaz de ler e interpretar textos em diversas formas de linguagem, identificando e selecionando informações, inferindo contextos, propondo soluções e intervenções lucidas e fundamentadas numa vida ética e produtiva, visando ao bem-estar coletivo, exigindo uma base solida em domínios-chave. Como o desenvolvimento de competências é um processo contínuo, buscam-se estabelecer graus de desenvolvimento no momento em que a avaliação e feita. A partir da analise das provas, constrói-se a escala de proficiência que estabelece os níveis de desenvolvimento que organizam os resultados dos participantes.

14 O ENEM Serão 45 questões objetivas, que envolverão conhecimentos numéricos, geométricos, algébricos, algébricos/geométricos e de estatística e probabilidade, de acordo com o programa curricular oficial do Ensino Fundamental e do Ensino Médio.

15 O ENEM Ressalta-se, entretanto, que além do domínio da Álgebra, Geometria e demais conteúdos de Matemática do Ensino Fundamental e Médio, a prova de Matemática do Enem exige capacidade de interpretação. Nesse sentido, textos verbais e não verbais, tais como gráficos, tabelas, imagens e outros recursos textuais são utilizados nas questões e a interpretação correta dos mesmos é fundamental para resolução dos problemas. Recomenda-se, portanto, a importância da leitura sobre temas variados presentes no debate da sociedade contemporânea; bem como a busca de informação atualizada e de fontes confiáveis e sobre o que acontece no Brasil e no mundo valem também para resolver questões de Matemática.

16 TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM O ENEM utiliza um método estatístico conhecido como Teoria de Resposta ao Item (TRI). As questões são chamadas de itens, pois são elaboradas de acordo com critérios específicos para que possam estimar, com maior grau de precisão, o que uma pessoa sabe ou ignora. Cada item deve avaliar uma única habilidade predominante, estar baseado em conteúdo importante e relevante, privilegiar contextos vivenciados pelos estudantes, apresentando de forma clara a ideia central no enunciado, para possibilitar medir níveis de conhecimentos diferentes pelas perguntas. Tudo isso favorece o atendimento aos três parâmetros estatísticos, medidos matematicamente, sendo eles:

17 TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Poder de discriminação, que e a capacidade de um item distinguir os estudantes que tem o conhecimento requisitado para resolve-lo, daqueles que não o tem. Grau de dificuldade, que e determinado por meio da aplicação de um pré-teste, em que as questões são resolvidas por um numero reduzido de estudantes do 3º ano do Ensino Médio, considerados voluntários. Possibilidade de acerto casual (chute), considerando os resultados do pré-teste e a classificação das questões quanto ao grau de dificuldade e inconsistente o fato de o estudante errar questões consideradas fáceis e acertar as difíceis.

18 TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Para saber se um item cumpre os três requisitos necessários, é preciso testá-lo previamente. Apos a testagem, questões podem ser eliminadas, reformuladas ou incorporadas a um banco de itens, que precisa ser constantemente atualizado. As provas podem variar ano a ano, pois é a qualidade delas que garante a capacidade de comparação. Quanto melhor a prova, mais precisos serão os resultados.

19 TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Diante desses parâmetros, o desempenho na prova não contabiliza apenas o numero total de acertos, mas também as características de cada item, que permitem estimar a habilidade de um candidato avaliado e garantir que essas habilidades, medidas a partir de um conjunto de itens, sejam comparadas com outro conjunto na mesma escala.

20 TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Outra característica da TRI e não ter um limite padrão inferior ou superior, entre as áreas de conhecimento. Os valores máximos e mínimos de cada prova dependerão das características dos itens selecionados. No ENEM, somente a prova de redação tem esses valores preestabelecidos, uma vez que a correção não e feita com base na TRI.

21 COMPETÊNCIAS Uma das características marcantes do trabalho por competências é o caráter interdisciplinar e contextualizado nas experiências do dia a dia, que favorecem as aprendizagens dos estudantes. Para auxiliar a comunidade educativa nesse novo modo de conceber o ensino e a aprendizagem, compreendendo as relações entre os componentes curriculares, apresentamos as exigências de cada competência da Área de Matemática e suas Tecnologias.

22

23 COMPETÊNCIA 1 18% Construir significados para os números naturais, inteiros, racionais e reais.

24 H1 1 Reconhecer, no contexto social, diferentes significados e representações dos números e operações - naturais, inteiros, racionais ou reais. H2 5+ Identificar padrões numéricos ou princípios de contagem. H3 1+ Resolver situação-problema envolvendo conhecimentos numéricos. H4 Avaliar a razoabilidade de um resultado numérico na construção de argumentos sobre afirmações quantitativas. H5 6 Avaliar propostas de intervenção na realidade utilizando conhecimentos numéricos.

25 COMPETÊNCIA 2 22% Utilizar o conhecimento geométrico para realizar a leitura e a representação da realidade e agir sobre ela.

26 H6 Interpretar a localização e a movimentação de pessoas/objetos no espaço tridimensional e sua representação no espaço bidimensional. H7 7+ Identificar características de figuras planas ou espaciais. H8 3+ Resolver situação-problema que envolva conhecimentos geométricos de espaço e forma. H9 10+ Utilizar conhecimentos geométricos de espaço e forma na seleção de argumentos propostos como solução de problemas do cotidiano.

27 COMPETÊNCIA 3 20% Construir noções de grandezas e medidas para a compreensão da realidade e a solução de problemas do cotidiano.

28 H10 9+ Identificar relações entre grandezas e unidades de medida. H11 Utilizar a noção de escalas na leitura de representação de situação do cotidiano. H12 2+ Resolver situação-problema que envolva medidas de grandezas. H13 Avaliar o resultado de uma medição na construção de um argumento consistente. H14 3 Avaliar proposta de intervenção na realidade utilizando conhecimentos geométricos relacionados a grandezas e medidas.

29 COMPETÊNCIA 4 6% Construir noções de variação de grandezas para a compreensão da realidade e a solução de problemas do cotidiano.

30 H15 10 Identificar a relação de dependência entre grandezas. H16 Resolver situação-problema envolvendo a variação de grandezas, direta ou inversamente proporcionais. H17 2 Analisar informações envolvendo a variação de grandezas como recurso para a construção de argumentação. H18 Avaliar propostas de intervenção na realidade envolvendo variação de grandezas.

31 COMPETÊNCIA 5 10% Modelar e resolver problemas que envolvem variáveis socioeconômicas ou técnico-científicas, usando representações algébricas.

32 H19 7 Identificar representações algébricas que expressem a relação entre grandezas. H20 9 Interpretar gráfico cartesiano que represente relações entre grandezas. H21 6+ Resolver situação-problema cuja modelagem envolva conhecimentos algébricos. H22 8 Utilizar conhecimentos algébricos/geométricos como recurso para a construção de argumentação. H23 5 Avaliar propostas de intervenção na realidade utilizando conhecimentos algébricos.

33 COMPETÊNCIA 6 11% Interpretar informações de natureza científica e social obtidas da leitura de gráficos e tabelas, realizando previsão de tendência, extrapolação, interpolação e interpretação.

34 H24 Utilizar informações expressas em gráficos ou tabelas para fazer inferências. H25 4+ Resolver problema com dados apresentados em tabelas ou gráficos. H26 Analisar informações expressas em gráficos ou tabelas como recurso para a construção de argumentos.

35 COMPETÊNCIA 7 13% Compreender o caráter aleatório e não-determinístico dos fenômenos naturais e sociais e utilizar instrumentos adequados para medidas, determinação de amostras e cálculos de probabilidade para interpretar informações de variáveis apresentadas em uma distribuição estatística.

36 H27 Calcular medidas de tendência central ou de dispersão de um conjunto de dados expressos em uma tabela de frequências de dados agrupados (não em classes) ou em gráficos. H28 8+ Resolver situação-problema que envolva conhecimentos de estatística e probabilidade. H29 Utilizar conhecimentos de estatística e probabilidade como recurso para a construção de argumentação. H30 4 Avaliar propostas de intervenção na realidade utilizando conhecimentos de estatística e probabilidade.

37 OBJETOS DE CONHECIMENTO ASSOCIADOS ÀS MATRIZES DE REFERÊNCIA

38 Conhecimentos numéricos: operações em conjuntos numéricos (naturais, inteiros, racionais e reais), desigualdades, divisibilidade, fatoração, razões e proporções, porcentagem e juros, relações de dependência entre grandezas, sequências e progressões, princípios de contagem.

39 Conhecimentos geométricos: características das figuras geométricas planas e espaciais; grandezas, unidades de medida e escalas; comprimentos, áreas e volumes; ângulos; posições de retas; simetrias de figuras planas ou espaciais; congruência e semelhança de triângulos; teorema de Tales; relações métricas nos triângulos; circunferências; trigonometria do ângulo agudo.

40 Conhecimentos de estatística e probabilidade: representação e análise de dados; medidas de tendência central (médias, moda e mediana); desvios e variância; noções de probabilidade.

41 Conhecimentos algébricos: gráficos e funções; funções algébricas do 1.º e do 2.º graus, polinomiais, racionais, exponenciais e logarítmicas; equações e inequações; relações no ciclo trigonométrico e funções trigonométricas.

42 Conhecimentos algébricos/geométricos: plano cartesiano; retas; circunferências; paralelismo e perpendicularidade, sistemas de equações.

Instituto de Matemática - UFRGS

Instituto de Matemática - UFRGS Considerações sobre a prova de Matemática do ENEM Marcus Vinicius Basso Elisabete Zardo Búrigo Instituto de Matemática - UFRGS Neste texto apresentamos algumas considerações sobre características da prova

Leia mais

Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua

Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Competências e habilidades EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL

MINISTÉRIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL MINISTÉRIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 2º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza, Matemática

Leia mais

A ÁREA DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS NO NOVO ENEM POSSIBILIDADE DE MUDANÇAS NA AÇÃO DO PROFESSOR

A ÁREA DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS NO NOVO ENEM POSSIBILIDADE DE MUDANÇAS NA AÇÃO DO PROFESSOR A ÁREA DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS NO NOVO ENEM POSSIBILIDADE DE MUDANÇAS NA AÇÃO DO PROFESSOR GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Ana Queli Mafalda Reis, UNIJUÍ, anakelly.reis@unijui.edu.br

Leia mais

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO 1 - Matriz de Competências e Habilidades de Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Ensino Médio EIXOS COGNITIVOS

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ DISCIPLINA PRISE/PROSEL - 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ DISCIPLINA PRISE/PROSEL - 1ª ETAPA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ DISCIPLINA PRISE/PROSEL - 1ª ETAPA Competência Geral para a Matemática no Ensino Médio: Reconhecer, Interpretar e utilizar as informações matemáticas selecionadas a partir

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Relatório Pedagógico ENEM 2009-2010

Relatório Pedagógico ENEM 2009-2010 Relatório Pedagógico ENEM 2009-2010 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP)

Leia mais

Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central FACIPLAC EDITAL nº 017, de 4 de dezembro de 2015

Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central FACIPLAC EDITAL nº 017, de 4 de dezembro de 2015 Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central FACIPLAC EDITAL nº 017, de 4 de dezembro de 15 O Diretor Geral das Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central - FACIPLAC,

Leia mais

DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

DISCIPLINA DE MATEMÁTICA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA OBJETIVOS: 6 ano Levar os estudantes a reconhecerem, em situações cotidianas, as diferentes funções, os diferentes significados e as representações dos números, operações, medidas

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE MATEMÁTICA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE MATEMÁTICA PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE MATEMÁTICA 1- APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina de matemática é uma área que abrange inúmeros saberes, onde o objeto de estudo ainda está em construção e centrado

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA

O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA Karine Gantes Monteiro (kahh_gtm@hotmail.com) 1 Márcia Lorena Martinez (marcialorenam@hotmail.com) 2 Thaís Gonçalves D Avila (thais.avila@ig.com.br) 3 Vagner

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências 6 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E LÍNGUA

Leia mais

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA Isabel Cristina Ribeiro 1 Mary Ângela Teixeira Branda lise 2 Resumo Este trabalho tem por objetivo realizar um estudo sobre as habilidades e competências

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO FACENS - Processo Seletivo 2015

MANUAL DO CANDIDATO FACENS - Processo Seletivo 2015 MANUAL DO CANDIDATO FACENS - Processo Seletivo 2015 1. Condições e Normas para a Inscrição: Poderão inscrever-se no Processo Seletivo 2015, de acordo com a legislação vigente, todos aqueles que concluíram

Leia mais

M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS

M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS O conteúdo programático de Matemática dos processos seletivos da UFU tem como objetivo identificar a habilidade do estudante em resolver problemas, fazer conexões

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O NÍVEL DE PROFICIÊNCIA DOS ESTUDANTES EM MATEMÁTICA A PARTIR DOS RESULTADOS DO SAEB DE 2003

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O NÍVEL DE PROFICIÊNCIA DOS ESTUDANTES EM MATEMÁTICA A PARTIR DOS RESULTADOS DO SAEB DE 2003 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O NÍVEL DE PROFICIÊNCIA DOS ESTUDANTES EM MATEMÁTICA A PARTIR DOS RESULTADOS DO SAEB DE 2003 RESUMO Erik Leonardo Pereira Magalhães Os resultados negativos obtidos nos diversos

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de MATEMÁTICA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de MATEMÁTICA do Ensino Médio Exames Supletivos/2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS (AULAS DE 45 )

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS (AULAS DE 45 ) Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS

Leia mais

MATEMÁTICA Edwaldo Bianchini. Um supertalento para fazer livros mais um consagrado time de autores. Resultado: ensino com muito mais valor.

MATEMÁTICA Edwaldo Bianchini. Um supertalento para fazer livros mais um consagrado time de autores. Resultado: ensino com muito mais valor. Material de divulgação da Editora Moderna PNLD 2011 Um supertalento para fazer livros mais um consagrado time de autores. Resultado: ensino com muito mais valor. MATEMÁTICA Edwaldo Bianchini MATEMÁTICA

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA MATEMÁTICA 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) CALCULANDO COM NÚMEROS NATURAIS 1. Idéias associadas à adição 2. Idéias associadas à subtração 3. Idéias associadas à multiplicação 4. Idéias associadas à divisão

Leia mais

7º ano Teste de Sondagem. Língua Portuguesa. Matemática

7º ano Teste de Sondagem. Língua Portuguesa. Matemática 7º ano Teste de Sondagem Interpretação e produção de textos de gêneros variados: Carta, notícia, artigo de Opinião, relatos de viagem, tirinha, charge. Sistema de numeração decimal Conjunto dos números

Leia mais

COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA

COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL para o 6º ANO LÍNGUA PORTUGUESA Abordagem linguístico-gramatical: Leitura e interpretação dos diferentes gêneros textuais. Reconhecimento e identificação das características

Leia mais

ÍNDICE DEZ PERGUNTAS FREQÜENTES SOBRE O ENEM... 3 MARATONA ENEM COMO FORAM ORGANIZADOS O PROVÃO DO FUNDAMENTAL E O PROVÃO DE TREINEIROS...

ÍNDICE DEZ PERGUNTAS FREQÜENTES SOBRE O ENEM... 3 MARATONA ENEM COMO FORAM ORGANIZADOS O PROVÃO DO FUNDAMENTAL E O PROVÃO DE TREINEIROS... 1 ÍNDICE DEZ PERGUNTAS FREQÜENTES SOBRE O ENEM... 3 MARATONA ENEM COMO FORAM ORGANIZADOS O PROVÃO DO FUNDAMENTAL E O PROVÃO DE TREINEIROS... 9 UM DIAGNÓSTICO ATUAL DO APRENDIZADO DO ESTUDANTE USANDO A

Leia mais

SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DO NORDESTE DA BAHIA LTDA - SESNEB EDITAL DE PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DO NORDESTE DA BAHIA VESTIBULAR 2016.

SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DO NORDESTE DA BAHIA LTDA - SESNEB EDITAL DE PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DO NORDESTE DA BAHIA VESTIBULAR 2016. SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DO NORDESTE DA BAHIA LTDA - SESNEB EDITAL DE PROCESSO SELETIVO DA FACULDADE DO NORDESTE DA BAHIA VESTIBULAR 2016.1 A SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DO NORDESTE DA BAHIA LTDA

Leia mais

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Maria das Dores de Morais Brasil dora.pe@gmail.com Leonardo de Morais UFPE Brasil leonardob.morais@gmail.com Resumo Este trabalho

Leia mais

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Ensino a distância. Metodologia de Ensino.

Palavras-chave: Formação inicial de professores. Ensino a distância. Metodologia de Ensino. AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DAS DISCIPLINAS TÓPICOS ESPECIAIS EM MATEMÁTICA DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Maria da Conceição Alves Bezerra Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 134, DE 7 DE AGOSTO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 134, DE 7 DE AGOSTO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 134, DE 7 DE AGOSTO DE 2008. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2016

PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2016 PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2016 Prezado (a) candidato (a), Saúde e Paz! Ao fazer a opção pelo Colégio Padre Eustáquio, você está escolhendo uma escola confessional, católica, que se orienta

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA. Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT)

INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA. Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) ANÁLISE CRÍTICA DAS PROVAS DE MATEMÁTICA DE 2010 A 2013 DO ENEM Leonardo Pereira

Leia mais

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ CURRÍCULO: CONCEITOS BÁSICOS Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ O termo currículo é encontrado em registros do século XVII, sempre relacionado a um projeto de controle do ensino e da aprendizagem,

Leia mais

De acordo com o art. 35 da LDBEN, o ensino médio tem como objetivos:

De acordo com o art. 35 da LDBEN, o ensino médio tem como objetivos: 10. ENSINO MÉDIO 10.1 ORGANIZAÇÃO GERAL DO ENSINO MÉDIO O ensino médio, no Brasil, é a etapa final da educação básica e integraliza a formação que todo brasileiro deve ter para enfrentar com melhores condições

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 34, Toledo PR Fone: 377-850 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 5º Ano PROFESSORAS: JESSICA ALINE

Leia mais

Cronograma de Estudos de Matemática - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br

Cronograma de Estudos de Matemática - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br Cronograma de Estudos de Matemática - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br Área Assunto Início Fim Teoria Exercícios Álgebra Médias Álgebra Noções de Estatística Álgebra Razão de Proporção Análise

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova de Exame Nacional de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova 835 2011 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIA DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: MATEMÁTICA I SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:.

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Administração

Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Administração Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Administração Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Modalidade: Educação Básica, Educação Profissional, Presencial Forma de articulação: Integrado Nível: Médio Aprovado

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 No caso específico

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

GOVERNADOR DE PERNAMBUCO JOÃO SOARES LYRA NETO SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES DO ESTADO RICARDO DANTAS

GOVERNADOR DE PERNAMBUCO JOÃO SOARES LYRA NETO SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES DO ESTADO RICARDO DANTAS ISSN 1948-560X GOVERNADOR DE PERNAMBUCO JOÃO SOARES LYRA NETO SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES DO ESTADO RICARDO DANTAS SECRETÁRIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ANA SELVA SECRETÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

GAPS EDUCACIONAIS E O INGRESSO NO SETOR DE INFRAESTRUTURA

GAPS EDUCACIONAIS E O INGRESSO NO SETOR DE INFRAESTRUTURA GAPS EDUCACIONAIS E O INGRESSO NO SETOR DE INFRAESTRUTURA Denise Cristina Corrêa da Rocha Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF Bolsista do

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e

Leia mais

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio O Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, de conformidade

Leia mais

COMISSÃO RESPONSÁVEL PELO PROCESSO SELETIVO

COMISSÃO RESPONSÁVEL PELO PROCESSO SELETIVO DIRETOR GERAL Professor Walner José Mendes DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Professor Carlos Henrique Reinato DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO Wanderley Fajardo

Leia mais

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM Prof. Ph. D. João Benedito dos Santos Jr. Prof. M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Eduardo Campos VICE-GOVERNADOR João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO Ricardo

Leia mais

MATEMÁTICA - 5.º Ano

MATEMÁTICA - 5.º Ano Salesianos de Mogofores - 2015/2016 MATEMÁTICA - 5.º Ano Ana Soares ( amariasoares@gmail.com ) Catarina Coimbra ( catarinacoimbra@mail.ru ) Rota de aprendizage m por Projetos NÚMEROS NATURAIS Desenvolver

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas Tecnologias Disciplina Biologia carga horária: 120 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas Tecnologias Disciplina Biologia carga horária: 120 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 3º ano / Ensino Médio Área: Ciências da Natureza e suas

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Análise de Conteúdos de Geometria Analítica em Livros Didáticos de Ensino Médio

Análise de Conteúdos de Geometria Analítica em Livros Didáticos de Ensino Médio Análise de Conteúdos de Geometria Analítica em Livros Didáticos de Ensino Médio Karen Tibursky Alves Ventura 1 GD3 Educação Matemática no Ensino Médio Este trabalho visa investigar se os livros didáticos

Leia mais

O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ

O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ Natalya Moacyra Bittencourt Queiroz (UFAL) natalya-bittencourt@hotmail.com Elton Casado Fireman (UFAL)

Leia mais

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como?

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Profª. Ms. Maria Cecília Nobrega de Almeida Augusto 26 e 27/10/2011 A aula de hoje: Situando a discussão sobre projetos interdisciplinares; O conceito

Leia mais

UNIFEB - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES

UNIFEB - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES UNIFEB - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES A Pró-Reitora de Graduação do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA

Leia mais

MATRIZ AVALIAÇÃO PARA PROGRESSÃO HORIZONTAL Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio LEGISLAÇÃO E POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS

MATRIZ AVALIAÇÃO PARA PROGRESSÃO HORIZONTAL Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio LEGISLAÇÃO E POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS MATRIZ AVALIAÇÃO PARA PROGRESSÃO HORIZONTAL Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio LEGISLAÇÃO E POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS TÓPICO 1 Legislação e Normas referentes à educação e ao ensino

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO

COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA 1 - IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO CURSO: Técnico Subsequente em Agricultura DISCIPLINA/ COMPONENTE CURRICULAR: Matemática Aplicada a Agricultura ANO/ CARGA

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC INTRODUÇÃO AO CÁLCULO. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC INTRODUÇÃO AO CÁLCULO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ESTATÍSTICA. 1. TURNO: Vespertino e Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

ESTATÍSTICA. 1. TURNO: Vespertino e Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos ESTATÍSTICA 1. TURNO: Vespertino e Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado GRAU ACADÊMICO: Estatístico PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO De

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Vanessa Faoro UNIJUÍ - vanefaoro@yahoo.com.br Kelly Pereira Duarte UNIJUÍ kelly_duartee@yahoo.com.br

Leia mais

Prova Brasil de Matemática: algumas possibilidades de pesquisa

Prova Brasil de Matemática: algumas possibilidades de pesquisa Prova Brasil de Matemática: algumas possibilidades de pesquisa Eliane Matheus Plaza Universidade Cruzeiro do Sul Brasil lyaplaza@gmail.com Márcia Helena Marques Rabelo Universidade Cruzeiro do Sul Brasil

Leia mais

A Educação em Ciências e a Educação Matemática: uma visão integradora

A Educação em Ciências e a Educação Matemática: uma visão integradora A Educação em Ciências e a Educação Matemática: uma visão integradora Carmen Teresa Kaiber Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Brasil kaiber@ulbra.br Resumo A atualização e produção de novos significados

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional:

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional: PROJETO PEDAGÓGICO 1 Identificação: Curso de Extensão em Navegação Marítima Básica Contextualização da(s) localidade(s) onde ocorrerá o curso: O curso será oferecido no CRPNM ( Centro de Referência em

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 5ª. SÉRIE, 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º BIMESTRE DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO CAIEIRAS

PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 5ª. SÉRIE, 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º BIMESTRE DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO CAIEIRAS PLANO DE ENSINO DE MATEMÁTICA 5ª. SÉRIE, 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º BIMESTRE 1-Estrutura do ensino de numeração decimal; agrupamento e contagens; valor posicional; operações básicas; operações inversas;

Leia mais

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas Avaliação da Educação Básica no Brasil Maria Inês Fini Slide 1 Avaliação Educacional no Brasil Década de 90 Estruturação e Desenvolvimento dos Sistemas de Avaliação e de Informação da Educação Básica e

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Habilitação Profissional: Qualificação:

Leia mais

INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2

INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2 INTEGRAÇÃO E MOVIMENTO- INICIAÇÃO CIENTÍFICA E.E. JOÃO XXIII SALA 15 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Ana Lúcia Teixeira de Araújo Durigan Nelcy Aparecida de Araújo Realização: Apresentação do

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO. 1 a. fase

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO. 1 a. fase FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 007 PROVA DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO 1 a. fase Maria Raquel Miotto Morelatti Monica Fürkotter Novembro 006 1 Sumário 1.. Introdução 0 A natureza

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA

PROJETO DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA PROJETO DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA COLÉGIO CRISTO REI IRMÃS AGOSTINIANAS MISSIONÁRIAS INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA. Aplicação das múltiplas habilidades e competências desenvolvidas no decorrer

Leia mais

ANEXO 1- EDITAL DO VESTIBULAR UNIFEMM 01/2014 (VESTIBULAR DE VERÃO) ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO

ANEXO 1- EDITAL DO VESTIBULAR UNIFEMM 01/2014 (VESTIBULAR DE VERÃO) ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova de Conhecimentos Gerais (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende

Leia mais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais SENAI Missão: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da Indústria Brasileira. Linhas de atuação

Leia mais

FACULDADES SENAC PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 1º SEMESTRE/2016 ANEXO I

FACULDADES SENAC PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 1º SEMESTRE/2016 ANEXO I ANEXO I As Faculdades Senac Minas, com o intuito de atender às diversas demandas, oferece à comunidade dois processos vestibular: o vestibular e o vestibular agendado. Ambos os processos buscam selecionar

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série) Relacionar e resolver problemas que envolvem conjuntos; Reconhecer, operar e resolver problemas com conjuntos numéricos; Compreender os conceitos e propriedades aritméticas; Resolver problemas de porcentagem,

Leia mais

Apresentação. Estrutura Curricular

Apresentação. Estrutura Curricular Apresentação O curso de Licenciatura em Letras na modalidade a distância, na habilitação Língua Portuguesa e suas Literaturas é resultado do desejo de trabalhar na qualificação/capacitação de professores

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS CANDIDATO (S) AO 6º ANO - EF CANDIDATO (S) AO 7º ANO - EF CANDIDATO (S) AO 8º ANO - EF CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS EQUAÇÃO DO 1º GRAU SISTEMA DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU PROBLEMAS

Leia mais

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Ano letivo 2015 / 2016 DOCENTE: VITOR BERNARDES COMPETÊNCIAS

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Ano letivo 2015 / 2016 DOCENTE: VITOR BERNARDES COMPETÊNCIAS PLANIFICAÇÃO ANUAL Ano letivo 2015 / 2016 CURSO: Técnico de Secretariado ANO: 11.º DISCIPLINA: TÉCNICAS DE CÁLCULO E CONTABILIDADE DOCENTE: VITOR BERNARDES COMPETÊNCIAS Organizar e tratar a informação

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de

Leia mais

Uso Pedagógico dos Resultados da Provinha Brasil. Ciclo de Seminários da UNDIME Florianópolis, 10 de setembro de 2014

Uso Pedagógico dos Resultados da Provinha Brasil. Ciclo de Seminários da UNDIME Florianópolis, 10 de setembro de 2014 Uso Pedagógico dos Resultados da Provinha Brasil Ciclo de Seminários da UNDIME Florianópolis, 10 de setembro de 2014 Provinha Brasil A Provinha Brasil tem sido aplicada em todo o Brasil desde 2008, atendendo

Leia mais

Impacto_ Aproximar o ambiente escolar do desenvolvimento de habilidades socioemocionais cria espaço para um aprendizado mais completo e tem impacto no bem-estar ao longo de toda a vida. Isso porque, segundo

Leia mais

Padrões de Desempenho Estudantil

Padrões de Desempenho Estudantil Padrões de Desempenho Estudantil Abaixo do Básico Básico Adequado Avançado Os Padrões de Desempenho são categorias definidas a partir de cortes numéricos que agrupam os níveis da Escala de Proficiência,

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social

Objetivo. Letras Profa. Dra. Leda Szabo. Prática de Ensino de Língua Portuguesa. Prática de ensino: uma prática social Letras Profa. Dra. Leda Szabo Prática de Ensino de Língua Portuguesa Objetivo Apresentar um breve panorama do ensino e aprendizagem da língua portuguesa. Abordar o ensino e a aprendizagem da língua portuguesa

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas. 9º Ano do Ensino Fundamental 2

Diretrizes Pedagógicas. 9º Ano do Ensino Fundamental 2 Diretrizes Pedagógicas 9º Ano do Ensino Fundamental 2 2º Trimestre 2015 Caro aluno, Ao construirmos este documento de metas de realização do 2º trimestre, pensamos em uma forma de deixar registrado para

Leia mais

a Resolução CONSEPE/UFPB nº. 34/2004, que orienta a elaboração e reformulação dos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da UFPB;

a Resolução CONSEPE/UFPB nº. 34/2004, que orienta a elaboração e reformulação dos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da UFPB; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 22 / 2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em, na modalidade

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL RELAÇÃO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ACARAÚ - CE C O N C U R S O P Ú B L I C O EDITAL Nº 001/2014

CÂMARA MUNICIPAL DE ACARAÚ - CE C O N C U R S O P Ú B L I C O EDITAL Nº 001/2014 ANEXO I Relação dos Cargos, Vagas Oferecidas, Carga Horária e Salário Base O Cargo, a Escolaridade/Pré-Requisitos, (Coluna C) - Total de Vagas, (Coluna D) - Vagas Reservadas para Portadores de Deficiência,

Leia mais

CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio

CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio PLANO DE CURSO/2015 PROFESSOR: LEONAM DISCIPLINA: BIOLOGIA SÉRIE: 1º ANO MATRIZ DE REFERÊNCIA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

Leia mais