Novo Instrumento de Defesa Agropecuária. SEGURO SANITÁRIO. Demandas regional e nacional.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novo Instrumento de Defesa Agropecuária. SEGURO SANITÁRIO. Demandas regional e nacional."

Transcrição

1 Novo Instrumento de Defesa Agropecuária. SEGURO SANITÁRIO. Demandas regional e nacional.

2 Qual o papel da Defesa Agropecuária junto a sociedade? Ela é responsável por uma garantia fundamental do processo produtivo. Está incumbida de empreender ações que garantam a sanidade dos animais e vegetais, qualidade e segurança dos insumos, propiciando alimentos seguros a população.

3 Quais ferramentas a Defesa Agropecuária tem para garantir a sanidade vegetal e animal? Legislação Normatização da legislação. Ações preventivas Campanhas de vacinação, controle de doenças. Ações de fiscalização Como inspeções e ações de fronteiras. Campanhas educativas levar ao produtor, como conhecimento e a importância de prevenir e combater as pragas e doenças. Ação de emergência Interdições, eliminações dos focos. Punições produtores que não cumprem a legislação.

4 Quais as dificuldades da Defesa Agropecuária para cumprir o seu papel? Econômicas Restrição orçamentária. Fiscalização Falta de pessoal de campo para inspeções de fiscalização. Ações preventivas e educativas Falta de comunicação rápida e ativa junto ao produtor. Ferramentas de trabalho Como veículos, computadores e equipamentos. Banco de Dados Precário e pouco consistente.

5 O que levaria um produtor, a não realizar as prevenções de defesa sanitária em sua propriedade? Falta de conhecimento das legislações e prevenções. Problemas financeiros da propriedade. Falta de comprometimento com atividade que exercer como produtor.

6 Como resolver esses problemas junto ao produtor? Falta de conhecimento das legislação e prevenções realização de campanhas contínuas. Problemas financeiro Indenizações através do seguro para os eventos sanitários inesperados. Falta de comprometimento com atividade que exercer como produtor rural Exclusão desse produtor da atividade agrícola pelo mercado consumidor.

7 Qual a demanda do seguro sanitário regional ou nacional? Existem as duas demandas tanto regional quanto nacional. Hoje temos produtos para implantação de seguro sanitário para: Avicultura - regional e nacional. Bovinos - regional e nacional. Citricultura - regional. Viticultura - regional.

8 Qual o objetivo do seguro sanitário? Atuar como Instrumento de transferência de risco para o produtor rural em caso de perdas por erradicação sanitária da cultura ou rebanho, indenizando seu patrimônio produtivo, garantindo manutenção de sua riqueza e permanência na atividade.

9 Como o seguro sanitário contribui para Defesa Agropecuária? Estimulando, através da indenização, os produtores a realizar as boas práticas sanitárias em suas propriedades, como prevenções e protocolos sanitários exigidos pela legislação e pelo contrato de seguro.

10 Como estimular o produtor, através do seguro realizar e ampliar a defesa sanitária na propriedade? O seguro pode bonificar ou reduzir o valor da indenização ao produtor, que realiza ou não, as boas práticas sanitárias em sua propriedade. Caso não cumpra a legislação, perde o direito á indenização.

11 Exemplo de bonificação ou redução da indenização ao produtor. Propriedade de citros erradicou pela contaminação do cancro cítrico plantas (sendo a indenização de R$ 19,00 por planta erradicada). Indenização calculada R$ ,00

12 Como se aplica a bonificação ou redução na indenização? Quantidade de medidas de prevenções adotadas na propriedade. Indenização Bonificação 3 MPs R$ ,00 30% 2 MPs R$ ,00 20% 1 MP R$ ,00 10% 0 MP (recomendações realizadas pelo seguro na inspeção mais legislação) R$ ,00 0% (-1) MP R$ ,00-10% (-2) MPs R$ ,00-20% (-3) MPs R$ ,00-30% Não aplica a legislação e prevenções exigidas pela legislação. R$ 0,00-100%

13 Como viabilizar o seguro como instrumento de defesa sanitária? Para a viabilização do seguro sanitário como instrumento de defesa, é necessário que, toda uma categoria de produtores de determinada cultura ou rebanho de um estado ou Federação, esteja garantido pelo seguro.

14 Porque é necessário garantir uma categoria de produtores de determinada cultura ou rebanho para viabilização do seguro? Para o seguro ser um instrumento eficaz de defesa sanitária é necessário que não tenha a seleção de risco das propriedades por parte da seguradora nem dos produtores. Caso o seguro realizasse seleção na aceitação do risco por exemplo no parque citrícola do estado de São Paulo 53% das propriedades não poderia aderir ao seguro, ou seja não funcionaria como instrumento de defesa sanitária. A única restrição permitida para adesão ao programa, seria o não comprimento da legislação.

15 Números da contaminação do greening na citricultura do estado de São Paulo Informações do greening 2011 Quantidade de plantas do Estado - CDA Índice de talhões contaminados greening 53% Quantidade de plantas contaminadas greening SP 3,77%

16 Dessa forma o seguro leva prejuízo! Não! Indenizar as propriedades que já estão contaminadas não é considerado prejuízo para o seguro. É investimento em gerenciamento de risco e controle da doença para redução de contaminação e equilíbrio do contrato do seguro a longo prazo.

17 Como garantir que uma categoria de produtores participe do seguro? Através da subvenção integral do prêmio do seguro ao produtor rural pelos governos estaduais e Federais.

18 Porque implantar a subvenção integral para o seguro sanitário? A subvenção nesse tipo de seguro mostra-se um grande instrumento de defesa sanitária. Estimula o produtor a aumentar suas prevenções e boas praticas na propriedade. Estimula a erradicação dos focos em um prazo rápido, reduzindo a velocidade da contaminação da doença. Até o inicio do ano de 2010, não existia nenhum instrumento que estimulava o produtor a realizar espontaneamente a eliminação de um foco. Não recebia indenização do seu patrimônio produtivo, levando muitas vezes a camuflar a doença para não realizar a erradicação.

19 Em 2010 foi realizado um programa de subvenção da citricultura no estado de São Paulo. As condições do seguro sanitário em 2010: O programa aceitava propriedades de 200 até plantas. Indenização R$ 4,00 por planta erradicada por greening. Indenização R$ 19,00 por planta erradicada por cancro cítrico. Subvenção foi integral do prêmio de seguro.

20 Qual foi aceitação do Seguro pelos produtores de citros em 2010? Propriedades Aptos a contratar seguro Sim Não * Para os optantes do Não temos: 366 propriedades já tinham eliminadas 100% das plantas. 680 propriedades menores que 200 plantas propriedades que optaram em não realizar o seguro.

21 Seguros realizados pelos produtores de citrus 2010/2011 subvencionados integralmente pelo governo do estado de São Paulo. Quantidade de propriedades com seguro Quantidade de plantas no seguradas Quantidade de processos abertos de indenização

22 Inspeções realizadas pelo seguro sanitário em propriedades de citros. Quantidade de propriedades vistoriadas pelo seguro Quantidade de plantas vistoriadas pelo seguro

23 Comparativo das subvenções Federal x Estadual em Subvenções concedidas no Estado de São Paulo Subvenção Federal ( SP ) Sub. Estadual Citricultura Percentual médio subvencionado por contrato de seguro (apólice) 53,29% 100% Prêmio dos seguros arrecadados pelas Seguradoras R$ ,00 R$ ,99 Subvenções concedidas R$ ,68 R$ ,99 Total de subvenções concedidas Ticket médio dos seguros realizados R$ 7.577,95 R$ 2.243,55 Ticket médio das subvenções R$ 4.038,29 R$ 2.243,55 Quantidade de processos abertos de indenização pelo seguro Estimativa do índice de sinistralidade 37,80% 68,52% Inspeções realizadas pelo seguro em propriedades com greening ou cancro citrico Total de plantas das propriedades inspecionadas pelo seguro Propostas enviadas para renovação do seguro sanitário da citricultura 2011/ Prêmio estimado para renovação 2011/2012 R$ - R$ ,00 Ticket médio a subvencionar 2011/2012 R$ - R$ 2.050,64 Quantidade de plantas garantidas pelo programa do seguro sanitário Estimativa de indenizações

24 Como funciona o processo operacional do seguro sanitário? Produtor realiza a proposta de seguro, envia a Seguradora através do sistema único de banco de dados. Seguro verifica as declarações dadas pelo produtor, inspeciona a propriedade, recomenda as melhorias necessárias para o risco, emite apólice de seguro, controla as melhorias recomendadas através de ferramentas de gerenciamento do risco. No momento que o produtor aciona o seguro para recebimento, realiza-se vistoria da constatação das perdas, confere-se novamente as prevenções declaradas e aplica-se o bônus ou redução na indenização.

25 Quais as ferramentas do seguro sanitário que podem ser compartilhadas com a Defesa Agropecuária? Ferramentas utilizadas pela Defesa Agropecuária para garantir a sanidade vegetal e animal. Legislação Ferramentas utilizadas pelo seguro sanitário para garantir sanidade dos contratos. CONTRATO DO SEGURO com as regras e obrigações das partes envolvidas dando segurança jurídica ao produtor no recebimento da indenização em um prazo rapito. Ferramentas tecnológicas utilizada pelo seguro sanitário. BANCO DE DADOS com informações coletadas junto ao produtor e armazenada com acesso remoto e on-line. Ações Preventivas Ações Educativas Ações de Fiscalização VISTORIAS PRÉVIAS para recomendações de gerenciamento do risco e verificação das declarações realizadas. CENTRAL DE ATENDIMENTO telefonica, on-line via sistema implantado, rede sociais. INFORMATIVOS educativos. RELATÓRIOS GERENCIAIS analíticos, comparativos, cruzamento das informações com históricos. GERENCIAMENTO DE RISCO com tecnologias através de sistemas de inteligencia utilizadas pelo seguro. Punições Ações Emergenciais AUDITORIAS nas declarações e prevenções adotadas pelo produtores. RELATÓRIO DE INSPEÇÃO individualizados por propriedade com recomendações. PLANO DE CONTINGENCIA da propriedade. INDENIZAÇÃO ao proturor incetivando adoção de prevenções sanitárias através da bonificação. RADIOGRAFIA DA CULTURA OU REBANHO com informações de quantidade de propriedades, classificação por tamanho das propriedades, variedades, prevenções utizadas, estatíticas por região e erradicações espontâneas. RADIOGRAFIA DE PRAGAS E DOENÇAS com levantamento dos índices de contaminação por cultura ou rebanho.

26 Exemplo de relatório variedade do Parque Citrícola. 1,107% BAIA E BAIANINHA 0,009% BARAO 0,000% CARRIZO 0,012% CIDRA 0,000% CINTRANGER TROYER 0,018% CITRUMELO SWINGLE 0,028% FLY DRAGON 3,259% FOLHA MURCHA 0,008% GALEGO 0,000% GOOT CHEN 12,112% HAMLIN 0,001% KUNQUAT 0,116% LARANJA AZEDA 0,000% LARANJA CAIPIRA 0,039% LARANJA DOCE 0,117% LIMA DA PERSIA 1,006% LIMA VERDE 0,094% LIMAO CRAVO 0,017% LIMAO RUGOSO 0,050% MEXERICA DO RIO 1,290% MURCOTE 0,606% NAO CLASSIFICADA 11,987% NATAL 1,826% OUTRAS 1,081% OUTRAS LARANJAS 0,031% OUTRAS TANGERINAS 0,460% OUTROS LIMOES LIMAS 27,274% PERA RIO 0,231% PIRALIMA E LARANJA L 0,002% POMELO 0,014% PONCITRUS TRIFOLIATA 1,061% PONKAN 0,147% SICILIANO 2,940% TAITI 0,006% TANGELO ORLANDO 0,003% TANGERINA CLEOPATRA 0,056% TANGERINA CRAVO 0,003% TANGERINA SUNKI 29,216% VALENCIA 1,952% VALENCIA AMERICANA 0,009% VOLKAMERIANO 1,810% WESTIN

27 Exemplo de relatório boas práticas e prevenções. A - 13,590% B 8,299% C 48,298% D 16,891% E 39,752% F 47,820% G 25,668% H 77,874% I 93,105% J 94,267% Sistema de desinfestação fixa na entrada da propriedade, para veículos, materiais e pessoas; Bin na propriedade; Comprovação através de notas fiscais de que árvores plantadas à partir de 2003 são originárias de mudas provenientes de viveiros telados e cadastrados na Secretaria da Agricultura; Quebra vento e/ou cerca viva na(s) divisa(s); Propriedade totalmente fechada e com acesso restrito; Material próprio de colheita. Vestes para funcionários e terceirizados. Participou de treinamento de combate ao greening, tanto o proprietário como seus funcionários. Entreguei os relatórios de Vistoria Semestrais na Secretaria da Agricultura dos últimos dois semestres dentro do prazo estipulado na Instrução Normativa nº 53 de 16/10/2008 do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Confirmo a não existência de plantas Murrata Paniculata (Murta) na propriedade.

28 Além das ferramentas apresentadas quase outras contribuições poderiam ser dadas pelo seguro sanitário? O seguro pode agregar a Defesa Agropecuária, agilidade na eliminações de focos, redução de custos na operação e redução de desgaste com o produtor através da indenização.

29 Comparativo de custo para inspeção Defesa de SP x seguro. Para inspecionar as 240.milhões de planta do parque citrícola de SP seria necessário homens Afirmado em palestra realizada pelo Coordenador da Defesa Agropecuária do estado de São Paulo, Sr. Heinz, na Associtrus (Associação dos produtores de citros) em Bebedouro dia 16/03/2012. Comparativo de custo entre Defesa do estado de São Paulo / seguro sanitário Inspeção anual da citricultura milhões de plantas Homem Custo Inspeções de Fiscalização necessita de homes (considerando um custo de R$ 1.300,00 homem mês) R$ ,00 Custo da inspeção para o seguro sanitário em propriedade citricola R$ 0,14 por planta R$ ,00

30 Ações ajuizadas de indenização referente as erradicações cancro cítrico e greening contra Estado, Federação e seguro. Após a varredura realizada entre os anos e na citricultura paulista, que tinha como objetivo combater o cancro cítrico, tanto o estado quanto a Federação, sofreram várias ações indenizatórias. Pleito Judicial dos produtores indenizações pelas erradicações (cancro citrico ou greening) Ações contra Quant de propriedades atingidas Quantidade Indenizações judiciais pleitiadas Estado (levantado) Periodo 218 R$ ,30 Federação (aproximado) 600 R$ ,00 Total do Passivo da citricultura R$ ,30 Seguros cancro cítrico - Fundecitrus a R$ ,00 Seguro cancro cíctrico e greening 2010/ R$ 0,00 Total de ações ajuizadascontra o seguro R$ ,00

31 Impacto causado no patrimônio produtivo com as erradicações do greening. Os relatórios semestrais do greening, informados pelo produtor à Defesa Agropecuária, contemplam erradicações pelo greening em SP. Ano plantas, perda patrimonial R$ ,00. Ano plantas, perda patrimonial R$ ,00 Ano plantas, perda patrimonial R$ ,00 Perda patrimonial produtiva em 3 anos foi de R$ ,00 Obs. Calculo das perdas - R$ 19,00 por planta.

32 Com esse novo instrumento de defesa sanitária a redução é instantânea do índice da doença? Esse é um trabalho de longo prazo entre Defesa Agropecuária e Seguro (PUBLICO-PRIVADA) parceiros nas inspeções, educação sanitária, criação do banco de dados ativo e on-line, subvenção integral pelo estado, agilidade nas indenizações pelo seguro. Regularidade e longevidade são imprescindíveis para o sucesso do programa.

33 MUITO OBRIGADO! Ricardo Amadeu Sassi Proposta Seguros Av. Brig. Faria Lima, º Andar - CEP São Paulo - SP - Fone: (11)

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura Instrumento de Defesa Sanitária Programa de Seguro Sanitário da Citricultura 1 Reportagem com comentários do Dr. Lourival Monaco e Dr. Juliano Ayres do FUNDECITRUS O setor produtivo e pesquisadores estimam

Leia mais

Apoio à Citricultura Paulista: subvenção ao prêmio de seguro de sanidade 1

Apoio à Citricultura Paulista: subvenção ao prêmio de seguro de sanidade 1 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Apoio à Citricultura Paulista: subvenção ao prêmio de seguro de sanidade 1 A expansão do agronegócio brasileiro nos últimos anos tem sido marcante,

Leia mais

O que é o seguro Sanitário da Citricultura?

O que é o seguro Sanitário da Citricultura? O que é o seguro Sanitário da Citricultura? Éuma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo através da Secretária da Agricultura e Abastecimento que instituiu o Seguro Sanitário da Citricultura. Banco

Leia mais

O papel do citricultor no combate ao Greening. Cícero Augusto Massari

O papel do citricultor no combate ao Greening. Cícero Augusto Massari O papel do citricultor no combate ao Greening Cícero Augusto Massari Os envolvidos Inseto vetor Greening bactéria hospedeiro Infecção e evolução dos sintomas Doença de evolução rápida em plantas jovens

Leia mais

RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS. Antonio Juliano Ayres

RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS. Antonio Juliano Ayres RETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS Antonio Juliano Ayres ETRATO DA CITRICULTURA PAULISTA E TENDÊNCIAS FUTURAS - Cenário Atual - Inventário de Árvores - Estimativa de Safra - Tendências

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

Ocancro cítrico é uma doença. 2 - Manual técnico Cancro cítrico maio 2008 Fundecitrus

Ocancro cítrico é uma doença. 2 - Manual técnico Cancro cítrico maio 2008 Fundecitrus Ocancro cítrico é uma doença que ataca os citros em geral (laranjas doces, tangerinas, limões e limas ácidas). Causada pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri, está presente no Brasil desde 1957.

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola. sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153

Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola. sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153 Campo Consultoria, Serviços e Treinamento Agrícola sjscampo.consultoria@hotmail.com (14) 3769-1153 Engº Agrº M.Sc. Roberto Salva MsC, Universidade Estadual Julio Mesquita Fº - Jaboticabal, 2004; Especialização

Leia mais

Programa de Melhoramento Genético de Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura

Programa de Melhoramento Genético de Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura Programa de Melhoramento Genético de Citros da Embrapa Mandioca e Fruticultura Novas variedades: copas e porta-enxertos Walter dos Santos Soares Filho - Embrapa Mandioca e Fruticultura E-mail: walter.soares@.embrapa.br

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA Sugestão elaborada pela equipe do Programa de Agroindústria do MDA: José Adelmar Batista Leomar Luiz Prezotto João Batista da

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio CARTILHA DO SUASA. A Adesão do Estado do Rio Grande do Sul ao Sistema Brasileiro de Inspeção

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio CARTILHA DO SUASA. A Adesão do Estado do Rio Grande do Sul ao Sistema Brasileiro de Inspeção A 1 Edição nº 1 Setembro de 2011 Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio CARTILHA DO SUASA A Adesão do Estado do Rio Grande do Sul ao Sistema Brasileiro de Inspeção 2 O quê é SUASA? Com a publicação

Leia mais

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos Cartilha do novo Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos SISBOV Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil COORDENAÇÃO:

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

Seguro Sanitário para citricultura

Seguro Sanitário para citricultura Seguro Sanitário para citricultura Oportunidades e desafios 1 Andréia Cristina de Oliveira Adami 2 Sílvia Helena Galvão de Miranda 3 Resumo Este estudo teve por objetivo calcular os custos e benefícios

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS

PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS IMPLANTAÇÃO DO POMAR Seleção e Cuidados com mudas MUDAS DE BOA PROCEDÊNCIA VIVEIROS CREDENCIADOS MUDAS COM QUALIDADE FITOSSANITÁRIA PREFERIR MUDAS ENVASADAS

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

CITRICULTOR INDEPENDENTE RECEBE MENOS QUE O PREÇO MÍNIMO HÁ TRÊS SAFRAS

CITRICULTOR INDEPENDENTE RECEBE MENOS QUE O PREÇO MÍNIMO HÁ TRÊS SAFRAS CAPA Por Margarete Boteon, Larissa Gui Pagliuca, Fernanda Geraldini Palmieri, Carolina Camargo Nogueira Sales e Renato Garcia Ribeiro Mesmo com preços maiores, Após três anos de preços em patamares baixos,

Leia mais

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico)

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Coordenador Agricultural Services SGS do Brasil Ltda. O que é Rastreabilidade?

Leia mais

INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/ SUDOESTE MINEIRO

INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/ SUDOESTE MINEIRO INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/ SUDOESTE MINEIRO PESQUISA DE ESTIMATIVA DE SAFRA (PES) Coleta e divulgação de dados sobre a produção de citros

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal Manual da Revenda de Produtos Veterinários Versão 1.0 25/02/2013 P á g i n a 1 Considerações iniciais Com a publicação da Resolução SAA nº 79, de 10/12/2012

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

Gerenciamento de citros e custos de produção. Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro

Gerenciamento de citros e custos de produção. Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro Gerenciamento de citros e custos de produção Leandro Aparecido Fukuda Farmatac - Bebedouro FARM FARM ATAC Pesquisa Consultoria (Produção e econômica) Produção Convênio com EECB Estação de pesquisa 08 Agrônomos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.467, DE 15 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOE nº 112, de 16 de junho de 2010) Dispõe sobre a adoção de

Leia mais

SIAPEC Sistema de Integração Agropecuária

SIAPEC Sistema de Integração Agropecuária SIAPEC Sistema de Integração Agropecuária UM BREVE HISTÓRICO DA SM SOLUÇÕES: Experiência acumulada em 17 anos em desenvolvimento de soluções para gestão da defesa agropecuária; Desenvolveu e implantou

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM Luiz Carlos de Oliveira Secretário de Defesa Agropecuária Ministério Da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Instrução normativa n o 21 de

Leia mais

Eng.-Agr. Derli Paulo Bonine EMATER Regional Estrela

Eng.-Agr. Derli Paulo Bonine EMATER Regional Estrela Variedades de copas e portaenxertos de Citros no Rio Grande do Sul Eng.-Agr. Derli Paulo Bonine EMATER Regional Estrela Condições propícias para o citros no Rio Grande do Sul Clima favorável para produzir

Leia mais

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS TRANSQUALIT Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Definições 4 Sistema de qualificação 5 Responsabilidade

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo

COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo COORDENADORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA A Fiscalização do Uso e Conservação do Solo Agricola e as Novas Tecnologias de Manejo Secretária de Agricultura e Abastecimento Monika Bergamaschi Coordenador da Defesa

Leia mais

MANUAL DE RASTREABILIDADE

MANUAL DE RASTREABILIDADE MANUAL DE RASTREABILIDADE A.P.C.B.R.H/RASTRECERT CNPJ: 76.607.597/0001-07 Inscrição Estadual: 101.15739-39 Endereço: Rua Professor Francisco Dranka, nº 608 Bairro Orleans - CEP: 81200-560 Curitiba-Paraná

Leia mais

Laranja-pera...30,5% Laranja-natal...16,5% FOLHA N.º 1

Laranja-pera...30,5% Laranja-natal...16,5% FOLHA N.º 1 INTRODUÇÃO Esta apostila é uma coletânea de informações colhidas na literatura existente e de aspectos práticos do dia, não tem qualquer pretensão de ser um trabalho de pesquisa, somente levar a técnica

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR

VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA INTERNACIONAL VIGIAGRO SECRETARIA

Leia mais

- ENLAGRO Encontro Nacional de Laboratórios da Área da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

- ENLAGRO Encontro Nacional de Laboratórios da Área da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Projeto Captação de Recursos - ENLAGRO Encontro Nacional de Laboratórios da Área da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 07, 08 e 09 de junho de 2016. Macro Office Centro de Eventos, Porto Alegre, RS,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS Rosilene Ferreira Souto Luzia Souza Setembro 2014 Parceria Institucional com foco na rastreabilidade Acordo de Cooperação entre

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora.

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 13 DE MARÇO DE 2000 Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa nº 38/2006/MAPA O SECRETÁRIO DE DEFESA

Leia mais

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC 29/06/15 A 03/07/15 CENTRO DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIA IAPAR LONDRINA-PR CFO/CFOC CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PARA EMISSÃO DE CFO/CFO FDA Juliano

Leia mais

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011

TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 TEXTO FINAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 330, DE 2011 Dispõe sobre os contratos de integração, estabelece condições, obrigações e responsabilidades nas relações contratuais entre produtores integrados e

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Brasília/DF, 26 de novembro de 2010 LUZIA M. SOUZA FFA(ENGª AGRª,

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.963, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre

Leia mais

Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro

Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Sanidade Vegetal Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro O cacau no Brasil: sua importância Programa

Leia mais

Lei nº 17773 DE 29/11/2013

Lei nº 17773 DE 29/11/2013 Lei nº 17773 DE 29/11/2013 Norma Estadual - Paraná Publicado no DOE em 02 dez 2013 Dispõe sobre o Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte - SUSAF-PR.

Leia mais

Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação

Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação LEI Nº 1082, DE 1º DE JULHO DE 1999. Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação O Governador do Estado do Tocantins, Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 O SECRETARIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS CURSO SOBRE PROTEÇÃO E REGISTRO DE CULTIVARES 27 A 28 DE MAIO 2010 LONDRINA-PR SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA COLODEL FISCAL

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Para melhor identificação dos ingressos de recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas e desmembradas nos seguintes níveis:

Leia mais

INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DA LARANJA 2015/16 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO

INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DA LARANJA 2015/16 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO INVENTÁRIO DE ÁRVORES E ESTIMATIVA DE SAFRA DA LARANJA 2015/16 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO Dr. Lourival Carmo Monaco Antonio Juliano Ayres Fernando Alvarinho Delgado

Leia mais

O que é o FNDE? Autarquia Federal do MEC. Orçamento: 14 bilhões em 2008

O que é o FNDE? Autarquia Federal do MEC. Orçamento: 14 bilhões em 2008 AUDITORIA INTERNA O que é o FNDE? Autarquia Federal do MEC Orçamento: 14 bilhões em 2008 CONTROLE INTERNO Função Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos, em benefício da sociedade. Quem

Leia mais

SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB)

SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB) SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB) Índice Sistema de Autorregulação Bancária (SARB)- Apresentação Participantes Evolução Evolução Normativa Evolução do Monitoramento Evolução do Canal Conte Aqui

Leia mais

Aqui você encontra dicas importantes para ajudá-lo na compreensão de todas as mudanças do Novo Kit de Cálculo Online.

Aqui você encontra dicas importantes para ajudá-lo na compreensão de todas as mudanças do Novo Kit de Cálculo Online. Prezado Corretor, Kit de Cálculo Online 0310K1 Este é o novo Kit de Cálculo Online 0310K1, com novidades e alterações para facilitar o seu dia-a-dia. Leia atentamente este Informe Técnico para entender

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Oscar de Aguiar Rosa Filho Fiscal Federal Agropecuário Vigilância Agropecuária Internacional Secretaria de Defesa Agropecuária A agropecuária no Brasil:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR

REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR REGULAMENTO DO PROGRAMA ALGODÃO BRASILEIRO RESPONSÁVEL ABR DESCRITIVO E RESPONSABILIDADES OBJETO DO REGULAMENTO Art. 1º - O Certificado de Conformidade Algodão Brasileiro Responsável (ABR) e o respectivo

Leia mais

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ESCOPO DA ANÁLISE Com base nas experiências internacionais e brasileiras sobre Seguro Agrícola, procurou-se

Leia mais

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o

Art. 1º Acrescentar os parágrafos únicos aos arts. 1º e 4º ; o art. 10-A com seus incisos de I, II, III e IV; o MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 36, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados.

Leia mais

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008.

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÀRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MARANHÃO PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. O DIRETOR

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO

Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco - ADAGRO 11 ENFISA: Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos Etapa Regional Nordeste Petrolina, Abril de 2013 Cronograma de Metas

Leia mais

Plataforma de Gestão Agropecuária PGA

Plataforma de Gestão Agropecuária PGA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plataforma de Gestão Agropecuária PGA Maio de 2013 Histórico 2007/novembro - DG-SANCO/UE restringe as importações de carne bovina do Brasil e determina:

Leia mais

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO MERCOSUL/GMC/RES. N 27/03 CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GEOPE N.º 234, DE 23/7/09. A : TODAS AS SUREGs, SUFIN E BOLSAS DE MERCADORIAS, SPA, CNB E ANBM.

COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GEOPE N.º 234, DE 23/7/09. A : TODAS AS SUREGs, SUFIN E BOLSAS DE MERCADORIAS, SPA, CNB E ANBM. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA OFERTA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL-SPSR N.º 006/04

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA OFERTA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL-SPSR N.º 006/04 REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA OFERTA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL-SPSR N.º 006/04 A Companhia Nacional de Abastecimento Conab, empresa pública federal vinculada ao Ministério da Agricultura,

Leia mais

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 5 DE ABRIL DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Não DADOS DA EMPRESA RAZÃO SOCIAL: ENDEREÇO:

Não DADOS DA EMPRESA RAZÃO SOCIAL: ENDEREÇO: Formulário para renovação de credenciamento para comercialização de vacina contra a febre aftosa no Estado do Rio Grande do Sul (O preenchimento desse formulário deve ser realizado pelo Médico Veterinário

Leia mais

PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS.

PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS. PLANO DE DEFESA AGROPECUÁRIA 2015/2020 TÉCNICAS MAIS AVANÇADAS, ALIMENTOS MAIS SEGUROS, CONSUMIDORES MAIS PROTEGIDOS. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Leia mais

Sistema de Gestão Integrada Plano Operativo Anual - POA

Sistema de Gestão Integrada Plano Operativo Anual - POA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria Executiva Coordenação Geral de Planejamento e Gestão Coordenação Geral de Orçamento e Finanças Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES GERAIS A FEAM - Fundação Estadual do

Leia mais

MEDIDAS DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO E EMPREGO

MEDIDAS DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO E EMPREGO MEDIDAS DE INCENTIVOS À PRODUÇÃO E EMPREGO SEDEME PARÁ Estratégico 2030 ( McKinsey); Agronegócio Agricultura Familiar Mineração Florestal Serviços Ambientais Logística Energia Biodiversidade Turismo e

Leia mais

Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas

Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas Portaria nº 231 de 27/12/1996 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 231, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1996 O Secretário

Leia mais