2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. DEFINIÇÃO E CONCEITO"

Transcrição

1 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los adequados ao uso. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO EQUIPAMENTO CRÍTICO: Equipamento cuja parada compromete o processo produtivo, levando a perda de produção ou perda da qualidade do serviço ou ao descumprimento com o cliente. CALIBRAÇÃO: Operação realizada sob condições prescritas de métodos e meio ambiente, que obtém, computa e registra as medidas dos equipamentos frente a um padrão de referência, e estabelece os erros destas medidas em relação aos valores de referência usados. É um processo de testar e ajustar um sistema de medidas para promover uma relação conhecida entre a resposta da medição e o valor da substância medida pelo procedimento. MANUTENÇÃO PREVENTIVA INTERNA: Conjunto de ações, realizadas pelo operador, segundo orientação do fabricante e/ou responsável pelo setor, visando manter o equipamento limpo, protegido e em condições adequadas para sua utilização. MANUTENÇÃO PREVENTIVA EXTERNA: Conjunto de ações realizadas periodicamente por empresa terceirizada, visando manter o equipamento em condições adequadas para sua utilização. MANUTENÇÃO CORRETIVA: Conjunto de ações realizadas por profissional habilitado visando corrigir falhas apresentadas por um equipamento. CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO: Atividades operacionais realizadas pelo técnico do laboratório para monitorar um processo analítico com a finalidade de obter resultados tecnicamente válidos. PLANO ANUAL DE CALIBRAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS: Documento eletrônico elaborado pelo setor da Qualidade - Laboratório para acompanhar as manutenções e calibrações dos equipamentos e disponível em local de fácil acesso na área técnica do laboratório. 3. RESPONSABILIDADES Atividades Solicitação de serviços manutenção e ou calibração Responsabilidades/ Autoridades Coordenador técnico, Supervisor, Responsável do setor. Manutenções Preventivas Internas Usuário do Equipamento Execução do serviço de manutenção e ou calibração Técnico interno ou externo

2 2/5 Elaboração do plano anual de calibração e manutenção de equipamentos Coordenador da Qualidade - Laboratório 4. DESCRIÇÃO DAS ETAPAS 4.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Laboratório do Grupo Santa Helena dispõe de equipamentos considerados críticos, os quais devem ser objetos de inspeção, manutenções preventivas, corretivas e calibração conforme orientações técnicas dos respectivos fabricantes. Os equipamentos críticos são classificados como: Equipamentos analíticos (analisadores automatizados, etc.); Equipamentos de apoio técnico (microscópios, estufas, banho-maria, termômetros, refrigeradores etc.); A Coordenação da Qualidade Laboratório deve possuir a relação atualizada de todos os equipamentos e instrumentos de medição do Laboratório, disponível em arquivo eletrônico Os equipamentos analíticos novos devem ser instalados, inspecionados, programados e testados, inicialmente pelo fornecedor e acompanhado pelo técnico responsável do setor, devendo este último também acompanhar a execução da manutenção corretiva e/ou preventiva, que ocorra nas instalações do laboratório, nos equipamentos sob sua responsabilidade Os POP de operação dos equipamentos devem ser elaborados pelo responsável do setor laboratorial correspondente, conforme orientação do Manual do Operador e método analítico Equipamentos de apoio técnico que possuem ação térmica (banho-maria, refrigerador, estufas, etc.) devem ser inspecionados diariamente, pelos técnicos do laboratório, com equipamentos de aferição devidamente calibrados e as temperaturas registradas no formulário Controle de Temperatura Equipamento. Caso a temperatura esteja fora da faixa aceitável, devem-se tomar as providências cabíveis e registrar no referido formulário IDENTIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS CRÍTICOS Os equipamentos críticos são identificados por código atribuído pelo próprio Laboratório. Alem disso, os equipamentos próprios do laboratório são cadastrados pelo setor de Manutenção do Grupo Santa Helena seguindo a numeração do ativo patrimonial PLANEJAMENTO DE MANUTENÇÕES Manutenção preventiva: As manutenções preventivas dos equipamentos críticos devem ser realizadas no máximo anualmente, exceção para o equipamento Deccaper que deve ser no máximo semestralmente, conforme estabelecida no Plano Anual de Manutenção Preventiva, podendo ocorrer até um mês depois do mês de referência. Alguns equipamentos possuem manutenções preventivas internas executadas pelos próprios usuários e registradas em formulários próprios para o equipamento em questão.

3 3/5 Para os equipamentos analíticos, a assistência preventiva é desempenhada pelo fabricante ou fornecedor, devendo os responsáveis do setor contatar a assistência técnica para agendar o serviço e acompanhar o desenvolvimento das manutenções. Após realização da manutenção pela Assistência técnica, a mesma deve deixar no Laboratório relatório ou etiqueta fixada ao equipamento que comprove a realização da manutenção Manutenção corretiva: As manutenções corretivas são realizadas de acordo com as necessidades levantadas pelo setor usuário. Constatada alguma irregularidade nos equipamentos analíticos, o responsável do setor ao qual pertence o equipamento deve entrar em contato com a assistência técnica solicitando a manutenção corretiva do mesmo. Para os equipamentos de apoio técnico (microscópios, estufas, banho-maria, termômetros, refrigeradores etc.), o responsável do setor deve abrir chamado, via sistema SMART, para o setor de manutenção que deve autorizar um colaborador interno (Supervisor de Manutenção, técnico) ou prestador de serviço subcontratado para a execução do serviço. O responsável do setor deve colocar o equipamento que apresentou irregularidade fora de serviço e identificá-lo com etiqueta contendo as informações: Impróprio para uso ou Em calibração ou Em manutenção. Após a ação corretiva o técnico do setor deve inspecionar e testar o equipamento a fim de avaliar a efetividade da manutenção. NOTA: Ao solicitar Manutenção preventiva e/ou corretiva de equipamentos analíticos à assistência técnica, o analista clínico deve registrar o chamado no formulário Controle de Abertura de Chamados CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO As calibrações dos Instrumentos de medição devem ser realizadas no máximo anualmente para termômetros, pipetas, Phmetros e balança e no máximo semestralmente para as centrífugas e manômetros, conforme estabelecido no Plano Anual de Calibrações, podendo ocorrer até um mês depois ao mês de referência. O setor técnico do Laboratório ao identificar a necessidade de calibração de algum instrumento de medição deve abrir chamado, via sistema SMART, para o setor de manutenção (exceção para os termômetros, centrífugas, phmetro e balança) cujo chamado deve ser aberto pelo setor da Qualidade Laboratório) que deve autorizar um colaborador interno (Supervisor de Manutenção, técnico) ou prestador de serviço subcontratado para a execução do serviço de calibração. As empresas contratadas para calibração (pipetas, balanças, centrífugas, etc) devem identificar os instrumentos com uma etiqueta contendo a data atual do serviço e da próxima calibração. As pipetas recém adquiridas não precisarão ser calibradas uma vez que possuam certificado de garantia e calibração emitido pelo fabricante. Para as pipetas em uso que necessitem de calibração, as empresas contratadas devem ser rastreáveis à Rede Brasileira de Calibração (RBC). Para realização da calibração de termômetros deve existir um termômetro padrão calibrado por empresa cadastrada na Rede Brasileira de Calibração (RBC) ou possuir padrões rastreáveis.

4 4/5 OBS: O coordenador técnico e/ou responsável pelo setor deve definir quais instrumentos não serão calibrados (como por exemplo, vidrarias usadas para medição), por não necessitarem de exatidão comprovada para a realização dos ensaios, cujas propriedades não causam efeito significativo sobre os resultados. As pipetas que não necessitarem calibração deverão ser identificadas com etiqueta contendo a informação: NÃO CALIBRADO OBSERVAÇÕES GERAIS Nos setores onde a temperatura e/ou a umidade impactam nos resultados dos ensaios, devem possuir termômetros ou termo higrômetros calibrados e o controle das condições ambientais devem ser registrados no Formulário de Controle de temperatura ambiente ou de Controle de temperatura/umidade ambiente, respectivamente Os relatórios das manutenções realizadas nos equipamentos analíticos devem ser arquivados no setor da Qualidade Laboratório, exceto Setor de Toxicologia que mantém seus arquivos Os relatórios das calibrações dos termômetros devem ser arquivados pelo setor de manutenção do Grupo Santa Helena. 5. REGISTROS Identificação Lista Mestra dos Equipamentos do Laboratório Armazenamento/ Recuperação Proteção Tipo Tempo de Retenção Descarte Por arquivo Acesso restrito Eletrônico Infinito - Lista Mestra dos Instrumentos de Medição do Laboratório Por arquivo Acesso restrito Eletrônico Infinito - Plano Anual de Manutenção Preventiva Por ano Acesso restrito Eletrônico Lixo eletrônico Plano Anual de Calibrações Por ano Acesso restrito Eletrônico Controle de Temperatura - Equipamento Por mês Acesso restrito Físico Controle de temperatura Ambiente Por mês Acesso restrito Físico Controle de temperatura/ umidade ambiente Por mês Acesso restrito Físico Lixo eletrônico Etiqueta ou relatório de manutenção fornecido pela empresa responsável da manutenção Por data Acesso restrito Físico Controle de abertura de chamado Por data Acesso restrito Físico

5 5/5 6. DADOS E INFORMAÇÕES DE CONSULTA 7. DOCUMENTOS EXTERNOS 8. ANEXO 9.HISTÓRICO DE REVISÕES Pg. NATUREZA DA ALTERAÇÃO DATA REVISÃO VERSÃO RESPONSÁVEL 03 Inclusão das centrífugas no item 4.4 /01/ Ana Cristina 03 Novas informações para calibração de pipetas 02/08/ Ana Cristina 02 Item nova descrição de periodicidade de manutenção 26/02/ Ana Cristina preventiva 03 Item 4.4 nova descrição de periodicidade de calibração 26/02/ Ana Cristina 04 Alteração do item /02/ Ana Cristina 02 Item inclusão do equipamento Deccaper 5 Ana Cristina 03 Inclusão do formulário abertura de chamados e item 4.4 inclusão do manômetro e balança 5 Ana Cristina

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

GERENCIAMENTO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO LABORATORIAL 1. OBJETIVO

GERENCIAMENTO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO LABORATORIAL 1. OBJETIVO 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer padrão para o gerenciamento do sistema de informação laboratorial, de forma a garantir a confiabilidade dos dados relacionados aos pacientes, precisão dos cálculos e preservação

Leia mais

ELABORADO: Ana Cristina Cunha

ELABORADO: Ana Cristina Cunha 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer formulários para auxiliar na rastreabilidade dos insumos e reagentes utilizados, no registro de não conformidades e ação preventiva, no tempo de guarda dos registros pertencentes

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Estabelecer a sistemática para controle de acesso e proteção de dados do sistema SMART e INTRANET através de usuário e senha.

Estabelecer a sistemática para controle de acesso e proteção de dados do sistema SMART e INTRANET através de usuário e senha. 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para controle de acesso e proteção de dados do sistema SMART e INTRANET através de usuário e senha. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO Service Desk é um sistema desenvolvido

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os equipamentos críticos. ÍNDICE.

SUMÁRIO. Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os equipamentos críticos. ÍNDICE. OGX Procedimento de Gestão Denominação: Gestão de Equipamentos Críticos SUMÁRIO Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os equipamentos críticos. ÍNDICE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Agrarias

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Agrarias ATIBUIÇÕES DO SETOR DE INFORMÁTICA Segue abaixo as atribuições atualizadas da Comissão de Informática do SETOR AGRÁRIAS: 1. Manter e verificar os equipamentos de informática ligados ao campus, bem como,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS NOTA TÉCNICA N 002/2009/GGTPS/ANVISA 1. Objeto: Orientações para o Peticionamento de Certificado

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12

Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12 Pág.: 01/05 Elaboração (nome/ass): Data: Departamento: Aprovação (nome/ass.): Data: Valério Lucas Gonçalves 13/12/12 Técnico Saulo de Tarso Mota 14/12/12 SUMÁRIO 1 Objetivo 6 Glossário 2 Âmbito 7 Procedimento

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 Índice Histórico de Revisões... 4 1. Introdução... 5 1.1. Política da Qualidade... 5 1.2. Escopo... 5 2. Histórico... 6 3. Gestão Estratégica...

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS

AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS Elaboração Juscelino Bourbon PRO - GADS - 04-01 Versão Data Histórico Aprovação 00 03/06/11 Emissão de Procedimento Katty Cavalcanti 01 18/11/11 Modificações no título

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PO-AM-TI-025 TELEFONIA MÓVEL 10/07/2015

CONTROLE DE COPIA: PO-AM-TI-025 TELEFONIA MÓVEL 10/07/2015 1/6 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para concessão de linhas telefônicas móveis, aparelhos e modens, ao pessoal, Técnico, Administrativo e Operacional das empresas do Grupo Santa Helena. Este procedimento

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho;

g) Realizar as leituras das amostras de fezes e lançar seus resultados nas respectivas folhas de trabalho; 1/9 1. OBJETIVO Definir todas as rotinas executadas no setor da parasitologia, como também as ações pertinentes aos Controles de Qualidade Interno e Externo (Programas de Proficiência e Testes Interlaboratoriais)

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Consulta Pública nº 34, de 28 de junho de 2011. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe confere o inciso IV do art. 11 e o art. 35 do Regulamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA METROLOGIA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ESTE MATERIAL É EXCLUSIVO PARA USO EM TREINAMENTOS / CURSOS DA ESTATICA. CÓPIAS SOMENTE COM AUTORIZAÇÃO DO AUTOR. METROLOGIA Ciência da medição

Leia mais

SGQ Sistema de Gestão da Qualidade TIVOLITUR.

SGQ Sistema de Gestão da Qualidade TIVOLITUR. PÁGINA: 1 de 6 1.0 OBJETIVO: Controlar a documentação aplicável ao SGQ TIVOLITUR, a fim de garantir a padronização dos requisitos internos relacionados aos processos estratégicos, táticos e operacionais

Leia mais

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios Módulo 3 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios 4.2 - Requisitos de documentação 4.2.1 - Generalidades A documentação do SGQ

Leia mais

Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios

Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios Qualificação de equipamentos térmicos utilizados em ensaios Marise Tenório Wanderley Hübner INCQS / FIOCRUZ QUALIFICAÇÃO Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, que os resultados

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Gestão de Fornecedores OTIMIZA O ATENDIMENTO ÀS NORMAS ISO, ONA, OHSAS, TS, AS, PBQP-h, ABNT, NR, ANVISA, entre outras, além de se adaptar aos requisitos internos da empresa. TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

URL para teste http://laudos.diagnosticosdobrasil.com.br:2020/arws_facil/service.asmx

URL para teste http://laudos.diagnosticosdobrasil.com.br:2020/arws_facil/service.asmx Requisitos básicos para instalação. Atenção! Antes de instalar o sistema DB Fácil consulte a TI do local (Cliente), para verificar as condições, e se o computador esta atende aos requisitos para receber

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior I - QUÍMICA 1. PPHO são os Procedimentos-Padrão de Higiene Operacional. Um bom plano de PPHO deve ser estruturado sobre alguns pontos básicos.

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA FABRICAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE DE MEIOS DE CULTURA A Laborclin, sabendo do comprometimento e preocupação que seus clientes tem com a Qualidade de suas Análises tem investido muito na melhoria de seus

Leia mais

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC Cosmetovigilância Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Roberto Wagner Barbirato Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Maria do Carmo Lopes Severo

Leia mais

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento

Workshop RDC 48 11. Pessoas & Treinamento Workshop RDC 48 Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para 11. Pessoas & Treinamento 5. Saúde, 1. Considerações Gerais 2. Definições 3. Gestão da Qualidade 4. BPF Higiene, Vestuário e 6.

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Leonardo Camargo/BRA/VERITAS em 07/08/2013 Verificado por Sidney Santos em 09/12/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 09/12/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Administrativa

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-104-R00 FÉRIAS DOS SERVIDORES 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 02 de outubro de 2015. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

O setor comercial emite um comunicado de adesão de um novo contrato GDO para o setor.

O setor comercial emite um comunicado de adesão de um novo contrato GDO para o setor. 1/6 1. OBJETIVO Além de tornar uma atividade comum a todos do setor, proporcionar a promoção da saúde ocupacional dos empregados, resguardar a empresa de riscos empresariais perante órgãos fiscalizadores,

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

CADASTRO DO PCMSO INTERNO 1. OBJETIVO. Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

CADASTRO DO PCMSO INTERNO 1. OBJETIVO. Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/8 1. OBJETIVO Padronizar o processo de confecção do PCMSO Interno. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO PCMSO Programa de Controle Médico da Saúde Ocupacional; PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais; PCMAT

Leia mais

Código: MAP-DILOG-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Instalações. Aprovado por: Diretoria de Logística

Código: MAP-DILOG-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Instalações. Aprovado por: Diretoria de Logística Código: MAP-DILOG-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Instalações Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Estabelecer critérios e procedimentos para a execução

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa:

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa: 4. (b) Foi definido claramente o(s) subsetore(s) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade. Não foi definido o subsetor e o tipo de obra abrangido pelo Sistema de Gestão pela Qualidade.

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES Implementação MPS.BR 26 de maio de 2008 4 horas de duração e-mail: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO: Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6 Q7 Q8 Q9 Q10 Nota INSTRUÇÕES Para a maioria das questões você tem mais de uma opção e

Leia mais

Documentos. ISSN 0102-0110 Dezembro, 2008 275. Procedimento Gerencial de Gestão de Equipamentos e Instrumentos de Medição

Documentos. ISSN 0102-0110 Dezembro, 2008 275. Procedimento Gerencial de Gestão de Equipamentos e Instrumentos de Medição Documentos ISSN 0102-0110 Dezembro, 2008 275 Procedimento Gerencial de Gestão de Equipamentos e Instrumentos de Medição ISSN 0102 0110 Dezembro, 2008 Documentos 275 Procedimento Gerencial de Gestão de

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao tratamento e manutenção de acervos arquivísticos ou bibliográficos, sejam administrativos, técnicos ou especializados nas instalações

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS PO. 01 11 1 / 11 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso In Vitro e dá outras

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

GESTÃO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 3. RESPONSABILIDADES / AUTORIDADES 4. DESCRIÇÃO DAS ETAPAS

GESTÃO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 3. RESPONSABILIDADES / AUTORIDADES 4. DESCRIÇÃO DAS ETAPAS 1/6 1. OBJETIVO Sistematizar as rotinas de Treinamento e Desenvolvimento para o desenvolvimento profissional dos integrantes, permitindo a melhoria contínua na prestação dos serviços oferecidos pelo GSHB.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador nacional do Sistema Elétrico Atendimento à Resolução Normativa ANEEL

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA. Unidade Florestal PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Segurança nas operações Responsabilidades e procedimentos operacionais Assegurar a operação segura e correta

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 1- OBJETIVO Apresentar ao cliente o procedimento de como utilizar o Portal SMART e realizar gestão de ocorrências apresentadas durante o monitoramento. 2- ACESSANDO

Leia mais

CONCEPCIONISTAS MISSIONÁRIAS DO ENSINO SETOR: TECNOLOGIA MANUAL DE PROCESSOS

CONCEPCIONISTAS MISSIONÁRIAS DO ENSINO SETOR: TECNOLOGIA MANUAL DE PROCESSOS CONCEPCIONISTAS MISSIONÁRIAS DO ENSINO SETOR: TECNOLOGIA MANUAL DE PROCESSOS 110 SETOR: TECNOLOGIA Nº DOC.: FOLHA:02/16 MATRIZ DE PROCESSOS E ATIVIDADES APROVADO POR: Ir. 25/03/2010 REVISÃO: 13/09/2013

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE

REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE Fabricante da tira:...lote:... Amostra-controle:...Lote:... Freqüência: Diária Semanal Mensal Por lote CRITÉRIOS DE ACEITABILIDADE Limites

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 16/04/2007 Emissão inicial Elaborado: 16/04/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Análise Crítica e aprovação : 16/04/2007 Representante

Leia mais

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ALIMENTAÇÃO COLETIVA REFEIÇÃO CONVENIO / CESTA DE ALIMENTOS REFEIÇÃO CONVENIO

Leia mais

1 de 6 10/10/2015 02:57

1 de 6 10/10/2015 02:57 1 de 6 10/10/2015 02:57 Nome do POP / Sinonímia Nome do responsável pelo POP Fluxo 40921/15 - Reposição e Controle de Medicamentos no Centro Obstétrico *Que receberá, por exemplo, a tarefa de revisão do

Leia mais

Padronizar o processo de cobrança de exames, conforme PCMSO ou guia de atendimento para liberação de ASO.

Padronizar o processo de cobrança de exames, conforme PCMSO ou guia de atendimento para liberação de ASO. PO-CL-AT- 1/6 1. OBJETIVO Padronizar o processo de cobrança de exames, conforme PCMSO ou guia de atendimento para liberação de ASO. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO PCMSO: Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME E MASSA ESPECÍFICA Revisão 02 de 04-set-2009 Q SETTING

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Sabemos que implementar e monitorar um Sistema de Gestão é um grande desafio, pois temos que planejar, controlar e verificar muitos registros, papéis,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300.

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução s de armazenamento (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução de armazenamento do

Leia mais

1.4.6 PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO JUSTIÇA DO TRABALHO. Assistente de Advogado Primeiro Grau ANÁLISE DE REQUISITOS. Versão. 10-dez-12.

1.4.6 PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO JUSTIÇA DO TRABALHO. Assistente de Advogado Primeiro Grau ANÁLISE DE REQUISITOS. Versão. 10-dez-12. PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO JUSTIÇA DO TRABALHO Assistente de Advogado Primeiro Grau ANÁLISE DE REQUISITOS Versão 1.4.6 10-dez-12 1 - Objetivo: Este documento tem como objetivo demonstrar: a) o cadastro

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

PLANO BÁSICO AMBIENTAL

PLANO BÁSICO AMBIENTAL ESTALEIRO ENSEADA 1/9 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. Objetivo Este procedimento define o processo de elaboração, revisão, aprovação, divulgação e controle de documentos do Estaleiro Enseada

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA 22/0/203. INTRODUÇÃO A Política de Apuração de Frequência tem por objetivo estabelecer as regras para falta e atraso, além de estabelecer controles relativos à apuração de informações de frequência de

Leia mais

MANUTENÇÃO E CALIBRAÇÃO DE EQUIPAMENTOS

MANUTENÇÃO E CALIBRAÇÃO DE EQUIPAMENTOS Capacitação na Resolução RDC nº n 302/2005 19 e 20/08/2014 sob o olhar da Vigilância Sanitária MANUTENÇÃO E CALIBRAÇÃO DE EQUIPAMENTOS Profa. Dra. Wanda Moscalewski Abrahao Definições EQUIPAMENTO DE LABORATÓRIO

Leia mais

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s):

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s): Agência Nacional de Vigilância Sanitária Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Data: 14.11.05 EMPRESA: ANCHIETA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais