O papel do citricultor no combate ao Greening. Cícero Augusto Massari

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel do citricultor no combate ao Greening. Cícero Augusto Massari"

Transcrição

1 O papel do citricultor no combate ao Greening Cícero Augusto Massari

2 Os envolvidos Inseto vetor Greening bactéria hospedeiro

3 Infecção e evolução dos sintomas

4 Doença de evolução rápida em plantas jovens MARÇO/2004 AGOSTO/ MESES DEPOIS

5 Sintomas do greening

6 Sintoma típico em folhas

7 Sintoma típico em folhas

8

9 Sintoma típico em folhas

10 Sintomas do greening em frutos

11 Sintomas Ramos secos

12 LEVANTAMENTO AMOSTRAL DE GREENING OUTUBRO/2004 Porcentagem de Talhões com Greening por Zona Zona Nº Talhões Nº Árvores Nº Am. Lev. % Nº Arv. % Nº Am. c/ Green. % Green. Erro Padrão CE ,58 35, ,6181 0,6664 FX ,74 0,58 0 0,0000 0,0000 NO ,39 29,40 0 0,0000 0,0000 NR ,33 10,05 0 0,0000 0,0000 SU ,96 24, ,0499 0,4748 Total ,00 100, ,4066 0,2591

13 INCIDÊNCIA DE TALHÕES COM SINTOMAS DE GREENING Norte (0,00%) Levantamento amostral Outubro 2004 (3,41%) Noroeste (0,00%) Ícem (0,00%) Bebedouro (0,00%) Olímpia (0,00%) Jales (0,00%) Buritama (0,00%) José Bonifácio (0,00%) Mirandópolis (0,00%) Votuporanga (0,00%) Centro (8,62%) Guarantã (0,00%) Itápolis (0,26%) Araraquara (20,23%) Oeste (0,00%) Faixa I (0,00%) Faixa II (0,00%) Sul (2,05%) Araras (2,39%) Itapetininga (0,00%)

14 LEVANTAMENTO AMOSTRAL DE GREENING SETEMBRO/2007 Porcentagem de Talhões com Greening por Zona. Zona Nº Talhões Nº Árvores Nº Am. Lev. % Nº Arv. % Nº Am. c/ Green. % Green. Erro Padrão CE ,36 35, ,2784 0,6645 NO ,41 16, ,9659 0,2831 NR ,97 9,18 0 0,0000 0,0000 OE ,04 4,02 0 0,0000 0,0000 SU ,21 34, ,1504 0,7335 Total ,00 100, ,8940 0,3386

15 INCIDÊNCIA DE TALHÕES COM SINTOMAS DE GREENING Norte (0,97%) Levantamento amostral Setembro 2007 (12,89%) Noroeste (0,00%) Ícem (0,00%) Bebedouro (1,70%) Olímpia (0,00%) Jales (0,00%) Buritama (0,00%) José Bonifácio (0,00%) Mirandópolis (0,00%) Votuporanga (0,00%) Centro (19,28%) Guarantã (1,47%) Itápolis (2,16%) Araraquara (39,71%) Oeste (0,00%) Faixa I (0,00%) Faixa II (0,00%) Sul (18,15%) Araras (21,53%) Itapetininga (3,14%)

16 LEVANTAMENTO AMOSTRAL DE GREENING Porcentagem de Talhões com Greening por Zona. TALHÕES ÁRVORES Zona Nº Talhões Nº Árvores Nº Am. Lev. % Nº Arv. % Nº Am. c/ Green. % Green. Erro Padrão c/ Green. % Green. Erro Padrão CE ,81 34, ,6148 0, ,1229 0,0117 NO ,95 18, ,8035 0, ,0370 0,0037 NR ,22 8,65 5 0,6760 0, ,0054 0,0026 OE ,91 4, ,8529 1, ,0116 0,0030 SU ,12 34, ,7315 0, ,5538 0,0087 Total ,00 100,00 100, ,5718 0, ,5827 0,0051

17 Incidência de talhões com sintomas de greening Noroeste (0,67%) Jales (0,00%) Buritama (1,97%) José Bonifácio (2,28%) Mirandópolis (0,00%) Votuporanga (0,49%) Norte (2,80%) Ícem (0,00%) Bebedouro (5,30%) Olímpia (0,00%) Levantamento amostral Abril 2008 (18,57%) Centro (27,61%) Guarantã (4,94%) Itápolis (4,76%) Araraquara (53,84%) Oeste (3,85%) Faixa I (3,06%) Faixa II (4,56%) Sul (24,73%) Araras (29,27%) Itapetininga (11,85%)

18 LEVANTAMENTOS AMOSTRAIS GERAL 3,41 12,89 18,57 CE 8,62 19,28 27,61 NO 0 0,97 2,80 NR 0 0 0,67 OE 0 0 3,85 SU 2,05 18,15 24,73

19 Levantamento Amostral de Greening Índices de Contaminação (Plantas) <0,001% de 0.001% a 0.01% >0.01% a 0.1% >0.1% a 1% >1% a 2% >2% Área de Atuação - SP Área de Atuação - MG

20 Manejo do greening 1. Plantio de mudas sadias 2. Controle químico do vetor 3. Eliminação de plantas doentes

21 Instrução Normativa nº 32 - MAPA Citricultor é o responsável pelas inspeções dos seus pomares a cada seis meses. deve entregar relatórios das inspeções. deve eliminar plantas de citros e murta contaminadas pelo Greening. Fundecitrus auxilia a Secretaria de Agricultura na fiscalização do processo.

22 Os envolvidos Inseto vetor Greening bactéria hospedeiro

23 A bactéria no tubo crivado do floema (M.Garnier & J.M.Bové, )

24 Transmitida por enxertia...

25 Diaphorina citri Adulto Adulto Ovo Ovos Ninfa

26 Manejo do Greening Sugestão de Esquema de Aplicação de Inseticidas MONITORAMENTO DA POPULAÇÃO DOS VETORES Mudas no viveiro Pomar em formação (do plantio até 3 anos) Pomar em produção (+ 3 anos) PERÍODO DAS CHUVAS: SISTÊMICOS PRODUTOS DE CONTATO SISTÊMICOS PERÍODO DAS SECAS: CONTATO

27 Controle Químico do Vetor Inseticidas de Contato Inseticidas Sistêmicos Neonicotinoide: Actara, Confidor Convence, Provado, Calypso Organosfosforado: Dimetoato(s), Lorsban/ Clorpirifos, Supracid/Suprathion Piretróide: Decis, Karate, Stallion/Nexide Carbamato: Marshal Outros: Vertimec/Abamex/Kraft/Abamectin, Trebon 15 a 21 dias Winner 200 SL Convence 200 SL Temik 150 G Actara 10G Confidor 700 GrDA Actara 250 WG 50 a 70 dias Tronco Solo Drench

28 OCORRÊNCIA DA BACTÉRIA EM MURTA

29 Estado de São Paulo proíbe o cultivo da murta! Nº 22 17/04/ /04/2008 Assembléia Legislativa aprova projeto de lei que proíbe cultivo da murta A planta dessa espécie serve de hospedeira para o inseto transmissor da praga que ameaça os laranjais do Estado.

30 COPAS Pera Natal Valência Hamlin Lima Westin Murcott Ponkan Shamouti Val. Am. T. Cravo VARIEDADES CÍTRICAS COPAS CAVALOS CAVALOS L. Cravo Swingle Cleopatra Sunki

31 Inspecionar para eliminar Vistoriar o máximo de vezes/ano Freqüência/Qualidade

32 Inspecionar com plataforma

33 Eliminação de Plantas Suspeitas e Rebrotas Erradicação Rebrotas ou Corte da Planta

34 NÃO FAZER PODA

35

36 Sintomas reaparecem 5 meses após a poda

37 Manejo do greening 1. Plantio de mudas sadias 2. Controle químico do vetor 3. Eliminação de plantas doentes

38 Proporção de doença Curvas de Progresso da Doença e Controle 100% Eliminação de plantas doentes Mudas sadias 50% yo+i yo t 1-i t 1 t 1+j 3 anos 6 Anos Tempo

39 Proporção de doença Curvas de Progresso da Doença e Controle 100% Eliminação de plantas doentes Mudas sadias 50% yo+i yo t 1-i t 1 t 1+j 3 anos 6 Anos 12 Anos Tempo

40 Proporção de doença Curvas de Progresso da Doença e Controle 100% Eliminação de plantas doentes Mudas sadias 50% yo+i yo t 1-i t 1 t 1+j 3 anos 6 Anos 12 Anos Tempo

41 Proporção de doença Curvas de Progresso da Doença e Controle 100% Eliminação de plantas doentes Mudas sadias 50% yo+i yo t 1-i t 1 t 1+j 3 anos 6 Anos 12 Anos 18 Anos Tempo

42 CADA PLANTA DOENTE CONTAMINA OUTRAS TRÊS CADA TRÊS MESES 3 meses 6 meses 9 meses 12 meses planta/mês 4 plantas/mês 16 plantas/mês 64 plantas/mês 256 plant

43 Incidência acumulada de plantas com sintomas de HLB (proporção) Ação conjunta e ampla 1,0 0,9 Pomar sem controle, próximo a pomares com greening Pomar com controle, próximo a pomares com greening 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 Pomar com controle, distante de pomares com greening 0,3 0,2 0,1 0, Anos após a prim eira planta com sintom as de HLB Casos reais de pomares entre 2 a 5 anos

44 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Ano 12 Ano 13 Ano 14 Ano 15 Ano 16 Ano 17 Ano 18 Ano 19 Ano 20 Produção (milhões de caixas) Simulações para região de Iacanga, Ibitinga, Itápolis e Tabatinga (com controle) 261, ,9 198,1 177,1 170, Anos

45 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Ano 9 Ano 10 Ano 11 Ano 12 Ano 13 Ano 14 Ano 15 Ano 16 Ano 17 Ano 18 Ano 19 Ano 20 Produção (milhões de caixas) Simulações para região de Iacanga, Ibitinga, Itápolis e Tabatinga (sem controle) , , , ,9 2,96 0 Anos

46 COMBATE À DOENÇA = MANEJO Difusão/Orientação CATI Cooperativas/Revendas Empresas de Defensivos Fundecitrus Indústrias Institutos de Pesquisa Profissionais liberais Legislação - MAPA - SAA - Fundecitrus CITRICULTOR

47

DIFUSÃO DO GREENING EM POMARES DE BEBEDOURO. Antonio Tubelis. **

DIFUSÃO DO GREENING EM POMARES DE BEBEDOURO. Antonio Tubelis. ** 1 INTRODUÇÃO. DIFUSÃO DO GREENING EM POMARES DE BEBEDOURO. Antonio Tubelis. ** O controle do inseto vetor e a erradicação de plantas com Greening não estão sendo suficientes para deterem a difusão da doença

Leia mais

REESTIMATIVA DE SAFRA DE LARANJA E DESAFIOS DA CITRICULTURA NO ESTADO DE SP E TRIÂNGULO MINEIRO. Antonio Juliano Ayres Gerente Geral

REESTIMATIVA DE SAFRA DE LARANJA E DESAFIOS DA CITRICULTURA NO ESTADO DE SP E TRIÂNGULO MINEIRO. Antonio Juliano Ayres Gerente Geral REESTIMATIVA DE SAFRA DE LARANJA E DESAFIOS DA CITRICULTURA NO ESTADO DE SP E TRIÂNGULO MINEIRO Antonio Juliano Ayres Gerente Geral - Perfil da Citricultura - Reestimativa de Safra - Cenário da Citricultura

Leia mais

secundários e as raízes e radicelas definham e apodrecem. Com o sistema radicular menor, não há absorção de nutrientes e água na copa da planta.

secundários e as raízes e radicelas definham e apodrecem. Com o sistema radicular menor, não há absorção de nutrientes e água na copa da planta. MSC A Morte Súbita dos Citros (MSC) é uma doença destrutiva e representa uma ameaça potencial para a citricultura paulista e nacional porque afeta laranjeiras doces e tangerinas Cravo e Ponkan enxertadas

Leia mais

VIVEIRO COMERCIAL DO BRASIL

VIVEIRO COMERCIAL DO BRASIL Responsabilidade, produtividade, sanidade, segurança, tecnologia, consciência e atenção são palavras de ordem para a manutenção da competitividade do setor. Não há mais espaço para amadorismos, imediatismos

Leia mais

CVC. É comum o citricultor confundir os sintomas da CVC com deficiência de zinco ou sarampo.

CVC. É comum o citricultor confundir os sintomas da CVC com deficiência de zinco ou sarampo. CVC A Clorose Variegada dos Citros (CVC), conhecida como amarelinho, é uma doença causada pela bactéria Xylella fastidiosa, que atinge todas as variedades comerciais de citros. Restrita ao xilema (tecido

Leia mais

V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006

V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006 V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006 PRODUÇÃO DE MUDAS CITRICAS EM SUBSTRATO NO ESTADO DE SP: Um exemplo

Leia mais

Aprimorando o tripé de controle do HLB

Aprimorando o tripé de controle do HLB Aprimorando o tripé de controle do HLB Controle do vetor Renato Beozzo Bassanezi À espera da solução definitiva... Não preciso me mexer, daqui a pouco já teremos a planta de citros imune ao HLB Produção

Leia mais

Planejamento e Instalação de Pomares

Planejamento e Instalação de Pomares Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Planejamento e Instalação de Pomares Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo

Leia mais

SAFRA 2014/15 ORIENTAÇÕES DO PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DA BAHIA

SAFRA 2014/15 ORIENTAÇÕES DO PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DA BAHIA SAFRA 2014/15 ORIENTAÇÕES DO PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DA BAHIA Revisão de 16/06/2014 Programa baseado no Manejo Integrado de Pragas MIP 1. Controle Cultural Delimitação do vazio sanitário, calendário de

Leia mais

Convivendo com o huanglongbing: visão do setor produtivo

Convivendo com o huanglongbing: visão do setor produtivo Convivendo com o huanglongbing: visão do setor produtivo Fernando Eduardo Amado Tersi 1* RESUMO O trabalho tem como objetivo mostrar as bases do manejo de huanglongbing (HLB, exgreening) adotadas pela

Leia mais

PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS

PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS IMPLANTAÇÃO DO POMAR Seleção e Cuidados com mudas MUDAS DE BOA PROCEDÊNCIA VIVEIROS CREDENCIADOS MUDAS COM QUALIDADE FITOSSANITÁRIA PREFERIR MUDAS ENVASADAS

Leia mais

Avanços no conhecimento sobre a interação plantapatógeno

Avanços no conhecimento sobre a interação plantapatógeno Avanços no conhecimento sobre a interação plantapatógeno que impactaram o controle da CVC Silvio Aparecido Lopes Depto. Pesquisa e Desenvolvimento - Fundecitrus Pesquisador Manejo da CVC Plantio de mudas

Leia mais

PLANEJAMENTO DO POMAR DE CITROS

PLANEJAMENTO DO POMAR DE CITROS PLANEJAMENTO DO POMAR DE CITROS COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE? Desafio: ter qualidade e produtividade Exigência de água:1.900-2.400 mm Período 1931 à 1960 Período 1961 à 1990 Fonte: INMET - 8º Distrito

Leia mais

CONHECENDO DE PERTO O MANEJO DO CANCRO CÍTRICO. Caravana de citricultores paulistas visita experimentos do Fundecitrus no Paraná

CONHECENDO DE PERTO O MANEJO DO CANCRO CÍTRICO. Caravana de citricultores paulistas visita experimentos do Fundecitrus no Paraná ANO VIII I Nº 35 I ABRIL DE 2016 I WWW.FUNDECITRUS.COM.BR CONHECENDO DE PERTO O MANEJO DO CANCRO CÍTRICO Caravana de citricultores paulistas visita experimentos do Fundecitrus no Paraná REVISTA CITRICULTOR

Leia mais

Citricultura: Situação Atual e Perspectivas, O Brasil continuará sendo competitivo? Mauricio Mendes. Bebedouro, 20 de maio de 2008

Citricultura: Situação Atual e Perspectivas, O Brasil continuará sendo competitivo? Mauricio Mendes. Bebedouro, 20 de maio de 2008 Citricultura: Situação Atual e Perspectivas, O Brasil continuará sendo competitivo? Mauricio Mendes Bebedouro, 20 de maio de 2008 0 Programa da Apresentação Mercado Internacional Citricultura Comparada

Leia mais

Vespas soltas nos laranjais

Vespas soltas nos laranjais Vespas soltas nos laranjais 194 _ especial 50 anos fapesp _Agricultura henrique santos/fundecitrus Inseto é usado para eliminar transmissor do greening, uma das doenças mais graves dos citros Marcos de

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DAS TANGERINAS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DAS TANGERINAS COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DAS TANGERINAS MARGARETE BOTEON CEPEA/ESALQ-USP 10º DiadaTangerina(10/05) http://cepea. ://cepea.esalq.usp.br/citros TANGERINAS 1. Análise da Oferta de Tangerinas em SP 2. Comportamento

Leia mais

Flutuação populacional de D. citri em pomares de citros no município de Rio Real, Bahia 1

Flutuação populacional de D. citri em pomares de citros no município de Rio Real, Bahia 1 Foto: Heckel Junior Flutuação populacional de D. citri em pomares de citros no município de Rio Real, Bahia 1 1 Este artigo faz parte da dissertação apresentada no curso de Mestrado Profissional em Defesa

Leia mais

Guanandi Calophyllum brasiliense. (43)

Guanandi Calophyllum brasiliense.  (43) Guanandi Calophyllum brasiliense www.ibflorestas.org.br contato@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Guanandi Calophyllum brasiliense Substrato Florestal No Brasil também é conhecido como Jacareúba, Santa

Leia mais

Cancro Cítrico: mesmo controle com menos cobre. Dr. Franklin Behlau

Cancro Cítrico: mesmo controle com menos cobre. Dr. Franklin Behlau Cancro Cítrico: mesmo controle com menos cobre Dr. Cobre e o cancro cítrico Adaptação e otimização Necessidade de reduzir custos Novas formulações Medida de controle químico mais importante Protetivo/Preventivo

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO Propostas de ações de manejo da Helicoverpa armigera

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO Propostas de ações de manejo da Helicoverpa armigera PROGRAMA FITOSSANITÁRIO Propostas de ações de manejo da Helicoverpa armigera Grupo Gestor Grupos Técnicos PROPOSTAS 1. Calendário de Plantio e Vazio Sanitário Safra 2013/2014 Cultura / Sistema 2013 agosto

Leia mais

Resultados de três anos de pesquisa sobre o uso de nutrientes e indutores de resistência no progresso do HLB e na produção de plantas doentes

Resultados de três anos de pesquisa sobre o uso de nutrientes e indutores de resistência no progresso do HLB e na produção de plantas doentes Resultados de três anos de pesquisa sobre o uso de nutrientes e indutores de resistência no progresso do HLB e na produção de plantas doentes Bassanezi, R.B. Fundecitrus Montesino, L.H. - Fundecitrus Mattos

Leia mais

Kaique Novaes de Souza Antonio Souza do Nascimento Marilene Fancelli Nilton Fritzons Sanches

Kaique Novaes de Souza Antonio Souza do Nascimento Marilene Fancelli Nilton Fritzons Sanches Criação e Estabelecimento de uma Colônia-Mãe de Tamarixia radiata (Hymenoptera: Eulophidae), em Laboratório, Parasitoide de Diaphorina citri (Hemiptera: Liviidae), vetor do Huanglongbing Kaique Novaes

Leia mais

PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI

PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI Avaliação do STURDY no fornecimento de fósforo na Cultura do Cafeeiro Araguari / MG Junho 2012 DADOS GERAIS : Local : Fazenda Campo Experimental

Leia mais

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou à Unidade 2 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê Geografia 4 o ano Avaliação 2 o bimestre 1 Avaliação Geografia NOME: ESCOLA:

Leia mais

Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção

Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção Manejo de pragas da cana-de-açúcar ao longo do ciclo de produção Eng. Agr. Jesus Carmo Desenvolvimento Tecnico de Mercado Cana-de-Açúcar Syngenta jesus.carmo@syngenta.com O atual cenário Os desafios no

Leia mais

PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA

PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA SETH OSEI-AKOTO DIRETÓRIO DE SERVIÇOS DA COLHEITA MINISTÉRIO DOS ALIMENTOS E DA AGRICULTURA GANA E-mail: oakoto2012@gmail.com

Leia mais

ANAIS DO II SIMPÓSIO

ANAIS DO II SIMPÓSIO ANAIS DO II SIMPÓSIO MASTERCITRUS ARARAQUARA SETEMBRO/2014 ISSN 2357-7967 1 ANAIS DE RESUMOS 05 de setembro de 2014 Araraquara, SP ORGANIZADORES Franklin Behlau Geraldo José da Silva Junior Marcelo Pedreira

Leia mais

Produção de sementes Espaçamento entre as linhas (cm)

Produção de sementes Espaçamento entre as linhas (cm) Adubação Verde ADUBAÇÃO VERDE O que é adubação verde Consiste no cultivo e na incorporação ao solo de plantas (principalmente as leguminosas) que contribuem para a melhoria das condições físicas, químicas

Leia mais

c i ê n c p e s q u i s a a p o i o r e i n a m en m a n e j o i m e n t o r e s u l t a d o s t a ç ã o c a p a c

c i ê n c p e s q u i s a a p o i o r e i n a m en m a n e j o i m e n t o r e s u l t a d o s t a ç ã o c a p a c ano I nº 2 maio 2010 www.fundecitrus.com.br p r e v e n ç ã o F i t o c o n h e c i m e n c o m u n t e c n o l o g c o n a n ç a i a s s a n t o i c a ç ã o p e i d a d e e d u c a ç ã o c o n t d e l

Leia mais

Restauração Florestal de Áreas Degradadas

Restauração Florestal de Áreas Degradadas Restauração Florestal de Áreas Degradadas Seminário Paisagem, conservação e sustentabilidade financeira: a contribuição das RPPNs para a biodiversidade paulista 11/11/ 2016 Espírito Santo do Pinhal (SP)

Leia mais

Premiação 10ª Jornada Científica da Embrapa Mandioca e Fruticultura. 26 de agosto de 2016

Premiação 10ª Jornada Científica da Embrapa Mandioca e Fruticultura. 26 de agosto de 2016 Premiação 10ª Jornada Científica da Embrapa Mandioca e Fruticultura 26 de agosto de 2016 Premiação Categoria Pôster Pós-Graduação Categoria: Pôster Pós-Graduação 3º lugar - Bolsista: Fabiane Pereira Machado

Leia mais

Com Altacor, você sabe onde as lagartas grafolita foram parar. Fora da sua lavoura

Com Altacor, você sabe onde as lagartas grafolita foram parar. Fora da sua lavoura 0800 707 5517 www.dupontagricola.com.br Altacor e Rynaxypyr são marcas registradas da DuPontTM. Copyright 2009, DuPont do Brasil S/A Todos os direitos reservados. Com Altacor, você sabe onde as lagartas

Leia mais

José Luiz Silva Representante de Desenvolvimento de Mercado FMC

José Luiz Silva Representante de Desenvolvimento de Mercado FMC José Luiz Silva Representante de Desenvolvimento de Mercado FMC Evolução Reflexão Diferentes Visão da Evolução Diferentes Visão da Evolução Diferentes Visão da Evolução Diferentes Visão da Evolução Princípios

Leia mais

ANAIS DE RESUMOS REALIZAÇÃO 1 ANAIS DO IV SIMPÓSIO MASTERCITRUS

ANAIS DE RESUMOS REALIZAÇÃO 1 ANAIS DO IV SIMPÓSIO MASTERCITRUS ANAIS DE RESUMOS ORGANIZADORES Renato Beozzo Bassanezi Franklin Behlau Geraldo José Silva Junior Marcelo Pedreira de Miranda Nelson Arno Wulff Silvio Aparecido Lopes REALIZAÇÃO 1 ANAIS DO IV SIMPÓSIO MASTERCITRUS

Leia mais

Relatório Anual 2009

Relatório Anual 2009 [ conselho deliberativo ] Conselho Deliberativo do Fundecitrus - 2009 Gestão 2008 / 2012 Presidente Lourival Carmo Monaco Vice-Presidente Joaquim Dragone Citricultores Titular Carlos Cardoso de A.Amorim

Leia mais

LEVANTAMENTO APONTA:

LEVANTAMENTO APONTA: ANO VII I Nº 31 I AGOSTO DE 2015 I WWW.FUNDECITRUS.COM.BR LEVANTAMENTO APONTA: CVC EM QUEDA 82% HLB EM ALTA 159% REVISTA CITRICULTOR 1 EDITORIAL APRENDAMOS COM OS NOSSOS ACERTOS Ao longo de anos temos

Leia mais

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITRUS ALINE BERALDO MONTEIRO

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITRUS ALINE BERALDO MONTEIRO FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITRUS ALINE BERALDO MONTEIRO Efeito de um pomar sem manejo de Huanglongbing sobre a ocorrência de Diaphorina citri

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

Relatório Anual 2011

Relatório Anual 2011 Relatório Anual 2011 Conselho Deliberativo Gestão 2008 / 2012 Presidente - Lourival Carmo Monaco Vice-Presidente - Joaquim Dragone Citricultores Titular Fábio Di Giorgi Joaquim Dragone Lourival Carmo Monaco

Leia mais

ano II nº 13 fevereiro 2012 DO SUCO AO POMAR entenda os impactos da retirada do carbendazim na produção de citros

ano II nº 13 fevereiro 2012 DO SUCO AO POMAR entenda os impactos da retirada do carbendazim na produção de citros ano II nº 13 fevereiro 2012 www.twitter.com/fundecitrus DO SUCO AO POMAR entenda os impactos da retirada do carbendazim na produção de citros editorial Um ano de desafios Lourival Carmo Monaco Presidente

Leia mais

ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO.

ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO. ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO RAMOS, Michele Ribeiro 1 ; BRASIL, Edward Madureira 2 Palavras-chave: progresso genético, métodos de

Leia mais

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia Semana Nacional de Ciência e Tecnologia A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) promoverá diversos eventos que integram a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que acontece entre

Leia mais

Fitopatologia Geral. Princípios Gerais de Controle

Fitopatologia Geral. Princípios Gerais de Controle Fitopatologia Geral Princípios Gerais de Controle Controle de doenças visa a redução na incidência e na severidade deve ter conotação econômica e biológica Como alcançar o máximo de eficiência? depende

Leia mais

A CULTURA DO MILHO IRRIGADO

A CULTURA DO MILHO IRRIGADO A CULTURA DO MILHO IRRIGADO República Federativa do Brasil Fernando Henrique Cardoso Presidente Ministério da Agricultura e do Abastecimento Marcus Vinícius Pratini de Moraes Ministro Empresa Brasileira

Leia mais

ESTIMATIVA DE SAFRA DE LARANJA 2015/16 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO

ESTIMATIVA DE SAFRA DE LARANJA 2015/16 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO ESTIMATIVA DE SAFRA DE LARANJA 05/6 DO CINTURÃO CITRÍCOLA DE SÃO PAULO E TRIÂNGULO/SUDOESTE MINEIRO CENÁRIO EM MAIO/05 70 70 ÁRVORES PRODUTIVAS DE LARANJA POR SETOR Total: 74,6 milhões de árvores ESTIMATIVA

Leia mais

9º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC a 12 de agosto de 2015 Campinas, São Paulo

9º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC a 12 de agosto de 2015 Campinas, São Paulo CRIAÇÃO DA PRAGA CÍTRICA Diaphorina citri (HEMIPTERA: LIVIDAE) EM LABORATÓRIO PARA CONTROLE BIOLÓGICO DA DOENÇA HUANGLONGBING (HLB) Camila Nascimento de Souza¹; Luiz Alexandre Nogueira de Sá 2 Nº 15402

Leia mais

Cultivares copa de citros

Cultivares copa de citros Classificação botânica dos Citros Swingle, 1967 Cultivares copa de citros FAMÍLIA: SUB-FAMÍLIA: TRIBO: SUB-TRIBO: GÊNEROS: Rutaceae (7 sub-famílias) Aurantioideae (2 tribos) Citreae (3 sub-tribos) Citrinae

Leia mais

Posicionamento de Cultivares Convencionais

Posicionamento de Cultivares Convencionais DIA DE CAMPO SOBRE MILHO CATI -MANDURI - 15/03/2017 Posicionamento de Cultivares Convencionais e Diferenças de Manejo em Relação às Transgênicas Aildson Pereira Duarte Programa Milho IAC/APTA Milho Safrinha

Leia mais

Ciclo de Produção da Tangerineira Page no Submédio Vale do São Francisco

Ciclo de Produção da Tangerineira Page no Submédio Vale do São Francisco 47 Fenologia reprodutiva de Neoglaziovia variegata (Arruda)... Ciclo de Produção da Tangerineira Page no Submédio Vale do São Francisco Prod uction Cycle of Page Tangerine in Sub-Middle São Francisco Valley

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS PIC Brasil. Caderno de Campo

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS PIC Brasil. Caderno de Campo 1 Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS PIC Brasil Caderno de Campo O Caderno de Campo é o conjunto de documento para registro de informações sobre

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Belém, PA 2014 LEVANTAMENTO DE INIMIGOS NATURAIS DE Diaphorina citri VETOR

Leia mais

UNIÃO EFICIENTE CONTRA O CANCRO CÍTRICO. Integração de cobre, quebra-vento e controle do minador reduz impactos da doença

UNIÃO EFICIENTE CONTRA O CANCRO CÍTRICO. Integração de cobre, quebra-vento e controle do minador reduz impactos da doença ANO VII I Nº 33 I DEZEMBRO DE 2015 I WWW.FUNDECITRUS.COM.BR UNIÃO EFICIENTE CONTRA O CANCRO CÍTRICO Integração de cobre, quebra-vento e controle do minador reduz impactos da doença REVISTA CITRICULTOR

Leia mais

Índice Mensagem do presidente...

Índice Mensagem do presidente... Índice Mensagem do presidente... Resultados e conquistas... Institucional Parcerias... 06 Convênios assinados... 06 Estatuto do Fundecitrus... 06 Eventos... 07 Visitas... 07 Prêmios... 07 Trabalhos desenvolvidos

Leia mais

CONTROLE DE VETORES Procedimentos para eliminar cenários de riscos propícios ao desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti no Porto do Rio Grande.

CONTROLE DE VETORES Procedimentos para eliminar cenários de riscos propícios ao desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti no Porto do Rio Grande. CONTROLE DE VETORES Procedimentos para eliminar cenários de riscos propícios ao desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti no Porto do Rio Grande. A Superintendência do Porto do Rio Grande, por meio da

Leia mais

MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS VERÃO REGIÃO NORTE 2014/2015 REFÚGIO E COEXISTÊNCIA

MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS VERÃO REGIÃO NORTE 2014/2015 REFÚGIO E COEXISTÊNCIA REFÚGIO E COEXISTÊNCIA PLANTIO DO REFÚGIO O plantio das áreas de refúgio representa o principal componente do plano de Manejo de Resistência de Insetos (MRI) dos híbridos com as Tecnologias VT PRO. A preservação

Leia mais

Aspectos da bioecologiadoaedes aegyptie sua importância em Saúde Pública"

Aspectos da bioecologiadoaedes aegyptie sua importância em Saúde Pública Aspectos da bioecologiadoaedes aegyptie sua importância em Saúde Pública" Paulo Roberto Urbinatti Faculdade de Saúde Pública/USP Departamento de Epidemiologia urbinati@usp.br CULICÍDEOS - são dípteros

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MICRO DRENAGEM)

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MICRO DRENAGEM) PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL MEDIDAS ESTRUTURAIS ÍTEM 3.1 (SOLUÇÃO DE MICRO DRENAGEM) ZONA OESTE - PONTO CRÍTICO 04 (R. SÃO MIGUEL) ZONA OESTE - PONTO CRÍTICO

Leia mais

O Panorama da Citricultura no Mundo Paraná 17/02/2011. Christian Lohbauer Presidente da CitrusBR

O Panorama da Citricultura no Mundo Paraná 17/02/2011. Christian Lohbauer Presidente da CitrusBR O Panorama da Citricultura no Mundo Paraná 17/02/2011 Christian Lohbauer Presidente da CitrusBR A CitrusBR Fundada em Junho de 2009 por quatro empresas cuja produção conjunta de suco de laranja corresponde

Leia mais

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS LUÍS FERNANDO ULIAN

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS LUÍS FERNANDO ULIAN FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITROS LUÍS FERNANDO ULIAN Diaphorina citri e Huanglongbing: dinâmica, relações epidemiológicas e monitoramento

Leia mais

O que é o Bicho-Furão. Prejuízos

O que é o Bicho-Furão. Prejuízos O que é o Bicho-Furão Uma praga cuja lagarta ataca os frutos das plantas cítricas, provocando queda e apodrecimento, tornando-os impróprios tanto para o consumo in natura quanto para o processamento pela

Leia mais

IRRIGAÇÃO. Importância e Aspectos Técnicos

IRRIGAÇÃO. Importância e Aspectos Técnicos IRRIGAÇÃO Importância e Aspectos Técnicos IRRIGAÇÃO Breve histórico Povos antigos Egito (Rio Nilo) Mesopotâmia (Rios Tigre e Eufrates) Índia (Rio Indo) Século XX Estados Unidos Israel IRRIGAÇÃO Situação

Leia mais

ção o de Avisos de Leiria Direcçã 1º Encontro Nacional dos Avisos Agrícolas ção o das Plantas

ção o de Avisos de Leiria Direcçã 1º Encontro Nacional dos Avisos Agrícolas ção o das Plantas Estudo de dois meios de luta complementares à luta química no controlo da mosca do mediterrâneo (Ceratitis( capitata) Marta Caetano e José Batalha Estaçã ção o de Avisos de Leiria Direcçã ção o de Serviços

Leia mais

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativas e Desempenho de Variedades Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativa de Cana Identificando o Canavial Banco de Dados das Áreas (Própria/Fornecedor) Fazenda Lote Talhão Área Estágio Variedade

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP HISTÓRIA DA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA - Método de estaquia - Europa: filoxera (praga do

Leia mais

O Clima e o desenvolvimento dos citros

O Clima e o desenvolvimento dos citros O Clima e o desenvolvimento dos citros Flórida 2010 Glauco de Souza Rolim Centro de Ecofisiologia e Biofísica IAC rolim@iac.sp.gov.br glaucorolim@gmail.com VII Simpósio de Citricultura Irrigada,16 de setembro

Leia mais

A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L.

A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L. A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L. Centro Cultural Gil Vicente / Sardoal Manuel Sequeira Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro Delegação de Castelo Branco Foto: Internet MSequeira -

Leia mais

Implantação de pomares cítricos de alta produtividade

Implantação de pomares cítricos de alta produtividade Implantação de pomares cítricos de alta produtividade Autor: Fernando Tersi Bebedouro 25/04/2.006 Agradecimento Equipe GTACC Dedicatória: dedico esta apresentação à memória do colega Kley. Poeta mineira

Leia mais

Ferrugem Alaranjada da Cana-de-açúcar

Ferrugem Alaranjada da Cana-de-açúcar Ferrugem Alaranjada da Cana-de-açúcar Puccinia kuehnii O que é ferrugem alaranjada? F errugem alaranjada é uma doença causada pelo fungo Puccinia kuehnii, praga quarentenária no Brasil. Este fungo ataca

Leia mais

Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil

Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.244-608-1 Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil Wanderson L. Bermudes 1, Nilton C. Fiedler

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS Resumo Danilo Franco 1 Minoru Yasuda 2 Rafael Curimbaba Ferreira 3 Leandro Aparecido Fukuda 4 Rafael Trombin Ferracini 5 O presente

Leia mais

COPAS E PORTA-ENXERTOS NOS VIVEIROS DE MUDAS CÍTRICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

COPAS E PORTA-ENXERTOS NOS VIVEIROS DE MUDAS CÍTRICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FITOTECNIA COPAS E PORTA-ENXERTOS NOS VIVEIROS DE MUDAS CÍTRICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO JORGINO POMPEU JUNIOR 1, ROBERTO SALVA 2 e SILVIA BLUMER 3 RESUMO O Fundo de Defesa da Citricultura vem realizando,

Leia mais

OBJETIVOS DE ENSINO Geral. Específicos

OBJETIVOS DE ENSINO Geral. Específicos DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS, DOENÇAS E VEGETAÇÃO ESPONTÂNEA Curso: AGROECOLOGIA Carga Horária: 60 HORAS Docente Responsável: LUCIANO PACELLI MEDEIROS DE MACEDO EMENTA

Leia mais

PRAGAS POLÍFAGAS GERAIS

PRAGAS POLÍFAGAS GERAIS PRAGAS DE FRUTÍFERAS PRAGAS POLÍFAGAS GERAIS 1 Pragas polífagas mosca-das-frutas DIPTERA, TEPHRITIDAE MOSCA-DAS-FRUTAS Anastrepha spp. Ceratitis capitata Bactrocera carambolae Rhagoletis sp. 2 CICLO DE

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

II Simpósio de Citricultura Irrigada Resultados dos Pomares de Citros Irrigados

II Simpósio de Citricultura Irrigada Resultados dos Pomares de Citros Irrigados 1 II Simpósio de Citricultura Irrigada Resultados dos Pomares de Citros Irrigados 1. Valério Tadeu Laurindo 1 Introdução A citricultura no Estado de São Paulo e Triangulo Mineiro está passando por um momento

Leia mais

Larva-minadora. aumenta incidência do cancro cítrico. Júlio Rodrigues Neto, José Belasque Junior, Lilian Amorim e Armando Bergamin Filho * Controle

Larva-minadora. aumenta incidência do cancro cítrico. Júlio Rodrigues Neto, José Belasque Junior, Lilian Amorim e Armando Bergamin Filho * Controle Doenças Controle Larva-minadora aumenta incidência do cancro cítrico Júlio Rodrigues Neto, José Belasque Junior, Lilian Amorim e Armando Bergamin Filho * O cancro cítrico, também conhecido por cancrose

Leia mais

Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000

Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000 Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000 O solo virgem, livre de doenças, em uma área a mais de 400 m de pomares, é muito bem preparado e todos os nutrientes necessários para um ótimo desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS PARA O CONTROLE DE LAGARTAS-DAS-MAÇÃS (Heliothis virescens)

AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS PARA O CONTROLE DE LAGARTAS-DAS-MAÇÃS (Heliothis virescens) COOPERFIBRA- COOPERATIVA DOS COTONICULTORES DE CAMPO VERDE DEPARTAMENTO TÉCNICO AVALIAÇÃO DE INSETICIDAS PARA O CONTROLE DE LAGARTAS-DAS-MAÇÃS (Heliothis virescens) LUIS ALBERTO AGUILLERA ALEXANDRE JACQUES

Leia mais

Como controlar a pinta preta com redução de custos

Como controlar a pinta preta com redução de custos 36ª Semana da Citricultura Cordeirópolis, 04 de junho de 2014 Como controlar a pinta preta com redução de custos Dr. Geraldo J. Silva Junior Pesquisador Dpto de Pesquisa e Desenvolvimento G. J. Silva Junior

Leia mais

A evolução da tecnologia de controle da broca da cana: opções efetivas de manejo

A evolução da tecnologia de controle da broca da cana: opções efetivas de manejo A evolução da tecnologia de controle da broca da cana: opções efetivas de manejo Percentual da área de cultivo de cana que recebe controle das pragas Importância da Broca da Cana-de-Açúcar Percentual da

Leia mais

ano III nº 14 abril 2012 Eficiência comprovada manejo do greening em grande escala garante baixos índices da doença

ano III nº 14 abril 2012 Eficiência comprovada manejo do greening em grande escala garante baixos índices da doença ano III nº 14 abril 2012 www.twitter.com/fundecitrus comprovada Eficiência manejo do greening em grande escala garante baixos índices da doença editorial Novo momento Lourival Carmo Monaco Presidente do

Leia mais

Aedes aegypti: temos competência para controlar, afinal somos Agentes de Saúde

Aedes aegypti: temos competência para controlar, afinal somos Agentes de Saúde Aedes aegypti: temos competência para controlar, afinal somos Agentes de Saúde Paulo Roberto Urbinatti Laboratório de Entomologia em Saúde Pública/FSP/USP urbinati@usp.br Aedes aegypti - fêmea BIOECOLOGIA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA USO COMO SUBSTRATO PARA PLANTAS

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DO BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR PARA USO COMO SUBSTRATO PARA PLANTAS XX Congresso Brasileiro de Fruticultura 54th Annual Meeting of the Interamerican Society for Tropical Horticulture 12 a 17 de Outubro de 2008 - Centro de Convenções Vitória/ES CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS

Leia mais

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana

7. Manejo de pragas. compreende as principais causadoras de danos na citricultura do Rio Grande do Sul. Mosca-das-frutas sul-americana Tecnologias para Produção de Citros na Propriedade de Base Familiar 63 7. Manejo de pragas Dori Edson Nava A cultura dos citros possui no Brasil mais de 50 espécies de artrópodes-praga, das quais pelo

Leia mais

Caro Munícipe, Escaravelho da Palmeira Rhynchophorus ferrugineus

Caro Munícipe, Escaravelho da Palmeira Rhynchophorus ferrugineus Caro Munícipe, Certamente já ouviu falar do escaravelho da palmeira Rhynchophorus ferrugineus (Oliver), que ataca diversas espécies de palmeiras, provocando a sua morte. Trata-se de um insecto originário

Leia mais

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITRUS WALTER JOSÉ QUEIROZ FURTADO DE MENDONÇA

FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITRUS WALTER JOSÉ QUEIROZ FURTADO DE MENDONÇA FUNDO DE DEFESA DA CITRICULTURA MESTRADO PROFISSIONAL EM CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DOS CITRUS WALTER JOSÉ QUEIROZ FURTADO DE MENDONÇA Evolução da infecção por Candidatus Liberibacter asiaticus e dos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

Doenças da Pupunha no Estado do Paraná

Doenças da Pupunha no Estado do Paraná Doenças da Pupunha no Estado do Paraná Álvaro Figueredo dos Santos Dauri José Tessmann João Batista Vida Rudimar Mafacioli A pupunha é cultura de introdução recente no Estado do Paraná e tem sido cultivada

Leia mais

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR?

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? Com o surgimento de novos materiais genéticos no mercado, existem dúvidas sobre qual é a melhor opção para o plantio de cedro australiano. Elaboramos este documento

Leia mais

LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Bemisia sp. NA CULTURA DE MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CASSILÂNDIA-MS

LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Bemisia sp. NA CULTURA DE MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CASSILÂNDIA-MS LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Bemisia sp. NA CULTURA DE MANDIOCA NO MUNICÍPIO DE CASSILÂNDIA-MS Gilmar Cordeiro Calado Filho 1 ;Luciana Cláudia Toscano 2 ; Rangel Fernandes Rodrigues da Silva 1 ;Wilson

Leia mais

Critérios de Classificação Pimenta Ornamental.

Critérios de Classificação Pimenta Ornamental. Critérios de Classificação Pimenta Ornamental. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Produção Integrada da Batata

Produção Integrada da Batata Produção Integrada da Batata Grade de Agroquímicos para a Cultura da Batata Inseticidas Abamectin Nortox abamectina (avermectina) Larva minadora (Lyriomyza huidobrensis ) 0,5-1,0 L/ha 14 III De contato

Leia mais

PRIMEIRO REGISTRO DE PHYLLOXERA NOTABILIS CAUSANDO GALHAS EM NOGUEIRA-PECÃ [(CARYA ILLINOENSIS) (WANG.) KOCH] NO BRASIL 1

PRIMEIRO REGISTRO DE PHYLLOXERA NOTABILIS CAUSANDO GALHAS EM NOGUEIRA-PECÃ [(CARYA ILLINOENSIS) (WANG.) KOCH] NO BRASIL 1 PRIMEIRO REGISTRO DE PHYLLOXERA NOTABILIS CAUSANDO GALHAS EM NOGUEIRA-PECÃ [(CARYA ILLINOENSIS) (WANG.) KOCH] NO BRASIL 1 Ana Lucia Stefanello Stella 2, Osório Antônio Lucchese 3, Vidica Bianchi 4. 1 Pesquisa

Leia mais

Sintomas visuais de deficiência de nutrientes em milho, cana de açúcar, café, citros e mamona.

Sintomas visuais de deficiência de nutrientes em milho, cana de açúcar, café, citros e mamona. Sintomas visuais de deficiência de nutrientes em milho, cana de açúcar, café, citros e mamona. Sintomas de deficiência níquel em feijão, soja, cevada e pecan. Eurípedes Malavolta Milton Ferreira de Moraes

Leia mais

Racionamento de água. Abril/2017

Racionamento de água. Abril/2017 Racionamento de água Abril/2017 Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Levantar informações sobre temas importantes no contexto atual dos Pequenos Negócios. TEMA ANALISADO

Leia mais

Orientar sobre o combate ao mosquito da Dengue? Conta Comigo!

Orientar sobre o combate ao mosquito da Dengue? Conta Comigo! Orientar sobre o combate ao mosquito da Dengue? Conta Comigo! DENGUE: O PERIGO REAL A Dengue é uma doença infecciosa, de gravidade variável, causada por um vírus e transmitida pela picada do mosquito Aedes

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

Acadêmicos Carla Regina Pinotti (UNESP/Ilha Solteira) Maria Elisa Vicentini (UNESP/Jaboticabal)

Acadêmicos Carla Regina Pinotti (UNESP/Ilha Solteira) Maria Elisa Vicentini (UNESP/Jaboticabal) FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Chamada de Propostas de Pesquisa: Mudanças climáticas e suas relações com Energia, Água e Agricultura EMISSÃO DE CO 2 E ESTOQUE DE CARBONO DO

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais