PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12"

Transcrição

1 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual a melhor conduta? a) By-pass aorto-femoral e preservação do istmo. b) Anastomose lateral com prótese e secção do istmo. c) Ressecção do aneurisma de aorta abdominal e secção do istmo. d) Ressecção do aneurisma de aorta abdominal e preservação do istmo. QUESTÃO 18 Crawford desenvolveu, em 1986, um sistema de classificação para os aneurismas de aorta tóraco-abdominal, baseado em critérios anátomo-cirúrgicos. Segundo esse sistema de classificação, o tipo II é o que acomete: a) a aorta desde o tronco celíaco até a bifurcação. b) desde a aorta descendente distal até alguma das artérias viscerais. c) a aorta abaixo da artéria subclávia esquerda até a bifurcação aórtica. d) a aorta abaixo da artéria subclávia esquerda até alguma das artérias viscerais. QUESTÃO 19 A tomografia computadorizada com contraste sugere infecção envolvendo prótese vascular quando revela: a) presença de gás periprótese. b) tumoração próxima à prótese. c) alças intestinais paréticas periprótese. d) coleção periprótese antes do trigésimo dia pós-operatório. QUESTÃO 20 Qual o aneurisma arterial periférico é mais comum? a) Radial. b) Poplíteo. c) Femoral. d) Subclávio.

2 9 QUESTÃO 21 NÃO representa vantagem da anestesia geral para endarterectomia carotídea: a) possibilitar menor uso de shunts. b) garantir a imobilidade do paciente. c) promover o controle das vias aéreas. d) evitar o bloqueio dos nervos adjacentes. QUESTÃO 22 É indicação absoluta de utilização do filtro de veia cava: a) idoso com síncope. b) hipertensão pulmonar associada à fibrilação atrial. c) gestante com trombose venosa profunda no primeiro bimestre. d) embolia pulmonar de repetição, apesar do tratamento anticoagulante. QUESTÃO 23 A principal complicação do aneurisma de artéria poplítea é: a) ruptura. b) fístula arterio-venosa. c) tromboembolismo distal. d) compressão de estruturas vizinhas. QUESTÃO 24 Face a um membro apresentando sangramento externo de origem arterial, qual a primeira medida a ser adotada? a) Compressão local. b) Compressão distal. c) Compressão proximal. d) Aplicação de pinça hemostática. QUESTÃO 25 A trombectomia venosa está MELHOR indicada em caso de paciente jovem, apresentando: a) TVP infrapatelar com mais de 72 horas de evolução. b) TVP íleo-femoral com mais de 72 horas de evolução. c) TVP íleo-femoral com menos de 72 horas de evolução. d) TVP infrapatelar com menos de 72 horas de evolução.

3 10 QUESTÃO 26 A causa mais importante de morte em pacientes portadores de claudicação intermitente por doença arterial obstrutiva dos membros inferiores tratados clínica e cirurgicamente, na evolução a longo prazo, é: a) acidente vascular cerebral. b) doença arterial coronariana. c) infarto enteromesentérico. d) ruptura de aneurisma de aorta abdominal. QUESTÃO 27 Um dos efeitos do fumo, com relação à aterogênese é: a) aumentar os níveis de colesterol HDL. b) aumentar a produção de tromboxano A2. c) aumentar a produção de prostaciclina endotelial. d) diminuir a agregação plaquetária. QUESTÃO 28 A artéria mais comumente acometida por aneurismas viscerais é a: a) mesentérica superior. b) pancreatoduodenal. c) esplênica. d) hepática. QUESTÃO 29 Após revascularização dos membros inferiores por isquemia intensa e prolongada, houve edema grave e aumento da pressão nos compartimentos musculares. Nesse caso, está indicado: a) fasciotomia. b) arteriografia. c) usar diurético em altas doses. d) explorar cirurgicamente as anastomoses.

4 11 QUESTÃO 30 Uma paciente de 80 anos, obesa, portadora de dupla lesão mitral, apresentou quadro agudo de oclusão da aorta abdominal. Submetida à embolectomia 14 horas após o início dos sintomas, teve morte súbita no pós-operatório imediato. Qual das causas relacionadas contribuiu para o óbito? a) Uremia e hipervolemia. b) Acidose e hipocalcemia. c) Microembolia e acidose. d) Mioglobinúria e hipercalemia. QUESTÃO 31 Qual a causa mais freqüente de estenose da artéria renal? a) Fibrodisplasia. b) Arterite de takayasu. c) Arteriosclerose segmentar. d) Estenose idiopática congênita. QUESTÃO 32 O microrganismo mais comumente encontrado em infecções de próteses vasculares é: a) staphylococcus aureus. b) streptococcus. c) pseudomonas aeruginosa. d) klebsiella. QUESTÃO 33 O exame que melhor define o diâmetro do aneurisma de aorta abdominal é: a) angiografia. b) laparoscopia. c) Rx simples de abdome. d) tomografia computadorizada.

5 12 QUESTÃO 34 Na revascularização tardia, após oclusão arterial aguda do membro inferior, o pé eqüino ocorre por lesão do seguinte nervo: a) tibial anterior. b) tibial posterior. c) safeno interno. d) safeno externo. QUESTÃO 35 No pós-operatório de cirurgia de aneurisma de aorta, a causa mais freqüente de insuficiência respiratória aguda é: a) hipotensão. b) politransfusão sangüínea. c) clampeamento prolongado da aorta. d) bloqueio átrio-ventricular. QUESTÃO 36 Em paciente portador de ferida penetrante no trajeto vascular de membros inferiores, a conduta mais indicada é: a) fasciotomia. b) observação. c) arteriografia. d) exploração cirúrgica. QUESTÃO 37 Dos métodos terapêuticos abaixo, o mais indicado na displasia fibromuscular de artéria renal é: a) nefrectomia. b) by-pass aorto-renal. c) angioplastia + stent. d) tromboendarterectomia. QUESTÃO 38 A síndrome de Klippel-Trenaunay é caracterizada por: a) nevus, varizes e aumento do membro. b) gangrena e edema de membro inferior. c) úlcera do membro inferior e gangrena. d) insuficiência funcional e edema do membro inferior.

6 13 QUESTÃO 39 Em paciente portador de dissecção aguda de aorta tipo I de De Bakey, a melhor conduta a ser tomada é: a) operar em caso de rotura. b) substituir apenas o local do início da dissecção, por prótese de dacron. c) confeccionar uma derivação da aorta ascendente à aorta abdominal. d) substituir toda aorta com prótese de dacron, inclusive com troca valvar aórtica. QUESTÃO 40 Dos acessos abaixo descritos, o considerado melhor para hemodiálise é: a) anastomose direta de veia safena e artéria femoral. b) anastomose direta de veia cefálica com artéria radial. c) anastomose direta de veia cefálica com artéria braquial. d) anastomose de veia safena e artéria femoral com prótese de PTFE. QUESTÃO 41 Em paciente com prótese vascular aorto-ilíaca apresentando infecção da prótese, a melhor conduta é: a) retirada da prótese com ligadura da aorta. b) substituição da prótese mantendo-a no mesmo local. c) drenagem do local infectado sem retirada da prótese. d) retirada da prótese com by-pass extra-anatômico para revascularização dos membros inferiores. QUESTÃO 42 A causa mais comum de embolia arterial é: a) aneurismas. b) arritmia cardíaca. c) insuficiência aórtica. d) cardiopatias congênitas. QUESTÃO 43 Em pacientes com embolia pulmonar em uso de anticoagulante e trombolítico, a tromboembolectomia está indicada na seguinte situação: a) dispnéia. b) hemotórax. c) hipotensão. d) comprometimento hemodinâmico.

7 14 QUESTÃO 44 A estabilidade das anastomoses entre prótese e artéria: a) é eternamente dependente da sutura. b) depende da sutura por 3 anos. c) depende da sutura por 3 meses. d) depende da sutura por 6 meses. QUESTÃO 45 Em paciente de 65 anos, com claudicação intermitente de membro inferior direito para 40 metros, a arteriografia demonstrou estenose crítica da artéria ilíaca direita. A conduta que NÃO deve ser adotada é: a) a endarterectomia. b) a profundoplastia. c) o enxerto aorto-femoral retroperitoneal. d) o enxerto femoro-femoral cruzado. QUESTÃO 46 A angioplastia transluminal percutânea proporciona os melhores resultados nas artérias: a) ilíaca e renal. b) carótida e subclávia. c) femoral superficial e poplítea. d) aorta e femoral profunda. QUESTÃO 47 Das doenças abaixo, a que NÃO representa condições de vasculite inflamatória é: a) Behçet. b) Takayasu. c) Poliarterite nodosa. d) Síndrome de Marfan. QUESTÃO 48 Nas aplicações do cateter de Fogarty, a condição de menor indicação de uso desse cateter é a: a) oclusão temporária de uma artéria. b) calibração do diâmetro da luz vascular. c) dilatação de uma lesão aterosclerótica. d) trombectomia de fístula artério-venosa.

8 15 QUESTÃO 49 Nas cirurgias de aneurismas torácicos, a artéria que se associa à isquemia medular é a: a) torácica interna. b) de Adamkiewicz. c) subclávia esquerda. d) mesentérica superior. QUESTÃO 50 Em geral, as lacerações isoladas de veia cava inferior são bem tratadas por: a) ressecção e interposição por enxerto venoso autógeno. b) ressecção e interposição de uma prótese de PTFE. c) venorrafia. d) ligadura. ATENÇÃO COM SUA ESCRITA HABITUAL, TRANSCREVA, PARA O ESPAÇO RESERVADO PELA COMISSÃO, NA FOLHA DE RESPOSTAS, A SEGUINTE FRASE: Os cristais e as pedras preciosas são a expressão mais pura da energia e da luz.

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular SoBRICE Colégio Brasileiro de Radiologia

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais,

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a angioplastia arterial periférica associada ao uso de prótese endovascular

Leia mais

Indicações de intervenção eletiva no aneurisma

Indicações de intervenção eletiva no aneurisma vascular Vamos falar sobre aneurisma de Aorta abdominal; doença arterial periférica (ou insuficiência arterial periférica; DAP ou IAP); oclusão arterial aguda de MMII. 1. Aneurisma degenerativo da aorta

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR

DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do

Leia mais

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Presidente Guilherme Benjamin Brandão Pitta Secretário Geral Marcelo Araujo Coordenador Dino Fecci Colli Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia

Leia mais

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR Edital Nº 03/2015 RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 CADERNO DE QUESTÕES DATA: 1º DE NOVEMBRO DE 2015. PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR ÿû C ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação: Ecografia

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2.

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. PROVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015/2016 ÁREA DE ATUAÇÃO: ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR 1 Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. Paciente 80 anos, insuficiência cardíaca em tratamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO CARDÍACO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional

PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular chamado agora de: PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional Aos colegas associados da SBACV Estamos

Leia mais

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DISSECÇÃO AÓRTICA DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO CLÍNICO INDICAÇÃO

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR TABELAS DE PROCEDIMENTOS DO SIA E SIH/SUS Portaria SAS/MS nº 210/2004

ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR TABELAS DE PROCEDIMENTOS DO SIA E SIH/SUS Portaria SAS/MS nº 210/2004 Cirurgia Cardiovascular de Média Complexidade - SIH/SUS ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR 48.010.01-4 32.005.01-6 Implante de marcapasso temporário transvenoso hospital Transvenoso

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

PROVA: AMARELA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AOS HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS (HNMD) EM 2011)

PROVA: AMARELA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AOS HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS (HNMD) EM 2011) MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) DO HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS (HNMD) EM 2011) PROVA: AMARELA NÃO ESTÁ AUTORIZADA

Leia mais

Caderno de Prova. Cirurgia Vascular. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Cirurgia Vascular. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P5 Cirurgia Vascular Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração: 2

Leia mais

musculares. recorrentes. viscerais. elásticas.

musculares. recorrentes. viscerais. elásticas. QUESTÃO 01 Uma alternativa ao tratamento compressivo ou cirúrgico dos pseudoaneurismas é, orientada por ultrassom, a injeção de trombina. fibrinogênio/fator XIII. protrombina associada ao fibrinogênio/fator

Leia mais

Q u e s t õ e s D i s c u r s i v a s

Q u e s t õ e s D i s c u r s i v a s Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local

Leia mais

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA Aneurisma: dilatação e protusão localizada da parede de um vaso (principalmente artéria) ou do coração, decorrente de uma fragilidade estrutural local. Angina: também

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011 REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES Frederico Cavalheiro Março 2011 INTRODUÇÃO Doença vascular periférica, pode corresponder a qualquer entidade

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR 115 INSTRUÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO INGRESSO DE NOVOS OFICIAIS DE SAÚDE DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular

Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular 1. Quanto à etiologia da embolia arterial aguda, podemos dizer que: A) ocorre freqüentemente naqueles

Leia mais

Caderno de Prova. Cirurgia Vascular

Caderno de Prova. Cirurgia Vascular Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (SES) Processo Seletivo para Médico Residente Edital n o 001/2010 http://mr.fepese.org.br Caderno de Prova novembro 13 13 de novembro

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

(ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR)

(ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR) SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor

Leia mais

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA Álvaro Laranjeira Santos Serviço de Cirurgia Cardiotorácica CHLC- Hospital Santa Marta Sistematização Grupo 1 Aorta descendente c TEVAR isolado Grupo 2 Arco aórtico

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) PROCEDIMENTO CIRÚRGICO CARDIOVASCULAR

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) PROCEDIMENTO CIRÚRGICO CARDIOVASCULAR TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) PROCEDIMENTO CIRÚRGICO CARDIOVASCULAR Por este instrumento particular o paciente Sr.(a), nacionalidade, portador da Carteira de Identidade n.º, emitido

Leia mais

Portaria SAS/Nº 210 (publicada no Diário Oficial n 117, de 21 de junho de 2004, página 43, Seção 1) ANEXO III(*)

Portaria SAS/Nº 210 (publicada no Diário Oficial n 117, de 21 de junho de 2004, página 43, Seção 1) ANEXO III(*) Portaria SAS/Nº 210 (publicada no Diário Oficial n 117, de 21 de junho de 2004, página 43, Seção 1) ANEXO III(*) RELAÇÃO DE PROCEDIMENTOS INCLUÍDOS NAS TABELAS DO SIH E SIA/SUS PROCEDIMENTOS INCLUÍDOS

Leia mais

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia AUDITÓRIO II PROGRAMA SIMPÓSIO SBNRDT 09h00-12h30 12h30-14h00 14h00-15h45 14h00-14h35 14h35-15h10 15h10-15h45 15h45-16h15 16h15-16h45 16h45-18h30 STROKE I Tratamento do AVCI Agudo - Indicações Clínicas

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2015

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2015 Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2015 PROVA PARA O PROGRAMA DE ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR DADOS DO CANDIDATO NOME: INSCRIÇÃO: CADEIRA: COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA

Leia mais

GABARITO DO CANDIDATO - RASCUNHO

GABARITO DO CANDIDATO - RASCUNHO SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina PROCESSO SELETIVO - EDITAL Nº 02/2014 NÍVEL SUPERIOR MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR (DIARISTA) E MÉDICO VASCULAR (PLANTONISTA) NOME DO CANDIDATO

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO E ANGIOPLASTIA CORONARIANA ERIKA GURGEL

CATETERISMO CARDÍACO E ANGIOPLASTIA CORONARIANA ERIKA GURGEL CATETERISMO CARDÍACO E ANGIOPLASTIA CORONARIANA ERIKA GURGEL ANATOMIA CORONARIANA Sistema Cardiovascular Também denominado Sistema Circulatório. Circuito contínuo que transporta oxigênio e nutrientes a

Leia mais

UFT/COPESE Residência Médica 2016

UFT/COPESE Residência Médica 2016 Prova de Residência Médica 0 PROVA DE PRÉ-REQUISITO EM CIRURGIA VASCULAR QUESTÃO 01 O pescoço, formação ímpar do corpo humano, representa umas das regiões anatômicas que mais exerce fascínio sobre anatomistas

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO. ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação em Ecografia Vascular com Doppler

RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO. ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação em Ecografia Vascular com Doppler CCV COORDENADORIA DE CONCURSOS RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação em Ecografia Vascular com Doppler ÿû C PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR

Leia mais

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Hospital Dr. Hélio Angotti Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Dr. Achilles Gustavo da Silva Introdução Procedimento relativamente seguro Riscos bem definidos de

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Valvulopatias Cardíacas II - Visão Cirúrgica Insuficiência Mitral Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Prof. Dr. Jehorvan L. Carvalho História Existem relatos

Leia mais

(RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA ANGIORRADIOLOGIA)

(RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA ANGIORRADIOLOGIA) SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor

Leia mais

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica O QUE É CATETERISMO CARDÍACO? O Cateterismo Cardíaco é um procedimento realizado com o objetivo de diagnosticar e/ou tratar inúmeras patologias

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J.

Bibliografia: Capítulo 2 e 3 - Nowak Capítulo 12, 13 e 14 Fisiopatologia Fundamentos e Aplicações A. Mota Pinto Capítulo 4 S.J. 1 3 Março INFLAMAÇÃO Conhecer os diferentes mecanismos fisiopatológicos que intervêm na resposta inflamatória Identificar os principais mediadores celulares e moleculares da inflamação Identificar os efeitos

Leia mais

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR PROCAPE / - CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA ANO: 0 HORÁRIO: 07:30 HS. ( em ponto) COORNADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR 07.0 ª A ANAMNESE EM CARDIOLOGIA SINTOMAS Dr.Luiz

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Índice Remissivo do Volume 91-2008

Índice Remissivo do Volume 91-2008 Por Assunto A Acidente cerebrovascular/complicações Acidente vascular na doença de Chagas, 306 Abscesso Opção para tratamento de abscesso aórtico, 72 Acesso radial Acesso ulnar Angioplastia primária pelo

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas. Dr. Antonio Alceu dos Santos

Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas. Dr. Antonio Alceu dos Santos Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas Dr. Antonio Alceu dos Santos Dr. Antonio Alceu dos Santos Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Não

Leia mais

Índice Remissivo do Volume 89-2007

Índice Remissivo do Volume 89-2007 Por Assunto A Ablação por cateter Ácidos pteroilpoliglutâmicos Adiposidade - Associação entre Perfil lipídico e Adjuvantes imunológicos Adolescente Escolares...73 Teste Ergométrico em Crianças e Adulto

Leia mais

(ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR)

(ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR) SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES.

CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES. CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Médico Classe I Cirurgia Vascular INSTRUÇÕES VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 50 QUESTÕES

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 A confecção de acessos vasculares definitivos para hemodiálise (FAV) tornou-se um dos principais procedimentos realizados pelos cirurgiões vasculares em todo o mundo.

Leia mais

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES Prof: João Paulo SOPRO NO CORAÇÃO É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração, provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue

Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue Objetivo da Aula Compreender os tipos e funções dos vasos sanguíneos. Adquirir a capacidade de aplicar este conhecimento na prática acadêmica e profissional da Educação

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice 1. Definição/ Avaliação/Profilaxia 1 1.1. Tromboembolismo Venoso 1 2. Descrição do método de avaliação 1 3. Profilaxia

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº 513

CONCURSO PÚBLICO Nº 513 MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO CONCURSO PÚBLICO Nº 513 MÉDICO ESPECIALISTA CIRURGIA VASCULAR PROVA DE CONHECIMENTOS INSTRUÇÕES GERAIS

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) Médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Visão Cirúrgica. Insuficiência aórtica Estenose aórtica VALVULOPATIAS AÓRTICAS. Jehorvan L. Carvalho

Visão Cirúrgica. Insuficiência aórtica Estenose aórtica VALVULOPATIAS AÓRTICAS. Jehorvan L. Carvalho Visão Cirúrgica VALVULOPATIAS AÓRTICAS Insuficiência aórtica Estenose aórtica Jehorvan L. Carvalho Insuficiência Aórtica Insuficiência aórtica - Etiologia Doença Primária da Válvula 1. Febre Reumática

Leia mais

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é:

GRUPO 05 QUESTÃO 01. Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: QUESTÃO 01 Nos casos de meningite, associados a derivações liquoricas, o esquema antibiótico a ser usado é: a) Cefalotina + gentamicina b) Vancomicina + cefazidime c) Rifampicina + ceftriaxona d) Sulfametozaxol-trimetropim

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC MÓDULO AVANÇADO: 2º Semestre de 2013 LOCAL: ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MINAS GERAIS ESTRUTURA DAS AULAS: - Participantes: Um palestrante + Um debatedor +

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

Renato Sanchez Antonio CATETERISMO CARDÍACO

Renato Sanchez Antonio CATETERISMO CARDÍACO Renato Sanchez Antonio CATETERISMO CARDÍACO Indicações Avaliar risco-benefício, recomendado para definir presença ou gravidade de lesão cardíaca que não seja passível de técnica não inavasiva Complicações

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

Coronariografias. Renato Sanchez Antonio

Coronariografias. Renato Sanchez Antonio Coronariografias Renato Sanchez Antonio Indicações Atuais Angina pectoris refratária a terapia clínica otimizada Avaliação mais aprofundada para cirurgia de revascularização Isquemia silenciosa com teste

Leia mais

Anotada do 4º ano 2007/2008 Data: 15/01/08

Anotada do 4º ano 2007/2008 Data: 15/01/08 Anotada do 4º ano 2007/2008 Data: 15/01/08 Cadeira: cirurgia Professor: Dr. Dinis Gama Tema da aula teórica: Doenças aneurismáticas da aorta e critérios arteriais Autora: Ana Ferreira Equipa revisora:

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais