2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:"

Transcrição

1 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente. III. Modelagem e contração máximas dos tecidos musculares. IV. Treinamento correto da marcha. São corretas: a) I e II. b) III e IV. c) I e III. d) II e IV. 22. As seguintes alterações foram consideradas como fatores de risco para a nefropatia induzida por contraste, exceto: a) Insuficiência renal crônica. b) Diabetes Mellitus. c) Estenose da artéria renal. d) Desidratação. 23. Paciente com queixa de tumoração pulsátil na região glútea associada à ausência de pulso femoral ipsilateral, porém com pulso poplíteo presente. A conduta cirúrgica mais adequada é: a) Revascularização ilíaco-poplítea associada à exclusão de aneurisma de artéria ilíaca externa. b) Revascularização fêmoro-poplítea associada à exclusão de aneurisma de artéria isquiática persistente. c) Revascularização ilíaco-poplítea associada à exclusão de aneurisma de artéria isquiática persistente. d) Nenhuma das anteriores.

2 24. Em relação ao tratamento clínico da claudicação intermitente não incapacitante: a) A atividade física regular, na forma de deambulação programada, é a medida isolada mais eficaz para o aumento da distância de marcha. b) A abolição do tabagismo é a medida isolada mais eficaz para o aumento da distância de marcha. c) Não há qualquer benefício em relação à distância de marcha somente com a atividade física regular, na forma de deambulação programada, sem a abolição do tabagismo. d) O uso de pentoxifilina, na dose de 800mg VO 6/6h, tem benefício superior à atividade física regular associada ao uso de cilostazol e antiagregantes plaquetários. 25. Em relação à correção endovascular dos aneurismas da aorta abdominal, podemos afirmar que: a) O endoleak mais comum é do tipo I. b) O endoleak tipo III é secundário à falha na fixação proximal ou distal da endoprótese. c) As endopróteses com esqueleto de aço inoxidável não devem ser avaliadas pela angiotomografia, sob risco de migração de seus componentes. d) O fluxo retrógrado pelas artérias lombares, sacral média e mesentérica inferior é a causa do endoleak tipo II. 26. Constitui indicação absoluta para o implante de filtro de veia cava: a) Presença de trombose venosa profunda com contraindicação para terapia anticoagulante. b) Embolia pulmonar séptica. c) Trombose venosa profunda associada à fratura de pelve. d) Pacientes oncológicos com passado de tromboembolismo. 27. Em relação aos linfedemas: a) A Doença de Milroy caracteriza-se por aplasia ou hipoplasia do sistema linfático, em todos os seus níveis. b) O linfedema pós-filariótico é comum em todo o Brasil. c) A coleta de sangue para pesquisa de microfilária deve ser realizada a partir das 8 horas da manhã. d) A terapia física complexa promove melhora das medidas do membro, mas não promove melhora das condições da pele neste membro.

3 28. Considere as seguintes afirmações a respeito de patologias venosas intraabdominais: I. A Síndrome de May-Thurner é caracterizada pela compressão da veia ilíaca comum direita pela artéria ilíaca comum direita. II. A Síndrome de Nutcracker é caracterizada pela compressão da veia renal esquerda pela artéria mesentérica superior. III. A Síndrome de May-Thurner é caracterizada pela compressão da veia ilíaca comum esquerda pela artéria ilíaca comum direita. IV. A Síndrome de Nutcracker é caracterizada pela compressão da veia ilíaca comum direita pela artéria ilíaca comum esquerda. São corretas: a) Somente I e II. b) Somente II e III. c) Somente III e IV. d) Somente I e IV. 29. Constitui contraindicação à angioplastia com stent da artéria carótida interna: a) Presença de tortuosidade da artéria carótida interna. b) Presença de trombo intra-luminal na artéria carótida interna. c) Presença de lesão aterosclerótica primária. d) Presença de arco aórtico do tipo bovino. 30. Em relação ao tratamento das doenças venosas, assinale a alternativa correta: a) O suporte elástico externo promove aumento da pressão nos compartimentos superficial e profundo das pernas. b) A escleroterapia de varizes tronculares realizada com glicose a 75% é isenta de riscos. c) A varicorragia sempre deve ser tratada com sutura do cordão varicoso hemorrágico. d) O mecanismo de ação dos flebotônicos está plenamente definido, bem como sua ação na redução do calibre das varizes. 31. O tratamento da Síndrome de Paget-Schroetter consiste em: a) Trombectomia cirúrgica, anticoagulação e criação de fístula arteriovenosa entre a artéria e veia axilar. b) Trombólise guiada por cateter seguida de descompressão da saída torácica. c) Anticoagulação sistêmica, somente. d) Anticoagulação sistêmica associada à criação de fístula arteriovenosa entre a artéria e veia axilar.

4 32. A respeito dos custos econômicos de uma amputação maior primária e uma tentativa de revascularização: a) Uma amputação bem sucedida custa mais que uma revascularização bem sucedida. b) Uma revascularização bem sucedida custa mais que uma amputação bem sucedida. c) Os custos totais de ambos os procedimentos são semelhantes. d) O custo global de uma revascularização mal sucedida é igual ao custo de uma revascularização bem sucedida. 33. Os achados angiográficos mais compatíveis com encarceramento poplíteo são: I. Presença de deformidade em ampulheta da porção média da artéria poplítea em uma angiografia sem carga de esforço. II. Presença de Sinal do menisco na artéria poplítea abaixo do joelho. III. Oclusão da porção média da artéria poplítea durante a flexão plantar ativa contra resistência. IV. Deslocamento medial da artéria poplítea. São corretas: a) I e III. b) II e IV. c) I e II. d) III e IV. 34. O mal perfurante plantar é uma lesão tipicamente ocasionada por: a) Infecção. b) Neuropatia diabética. c) Isquemia. d) Angiopatia com linfedema. 35. Em relação às complicações não-infecciosas da cirurgia arterial, é correto afirmar: a) O edema de membros inferiores que ocorre após as revascularizações infrainguinais é decorrente de um desequilíbrio nos processos de filtração, reabsorção e transporte linfático no leito capilar. b) A linfocele retroperitoneal ocorre mais frequentemente quando se acessa a aorta abdominal através de uma incisão mediana. c) A localização mais comum de pseudoaneurismas anastomóticos é na artéria poplítea. d) A presença de pulsos distais exclui a síndrome do compartimento.

5 36. O uso da ponte subclávio-vertebral, para correção da doença estenótica proximal, está reservada para os casos de: a) Oclusão carotídea contra-lateral. b) Segmento proximal curto da artéria vertebral. c) Entrada da artéria vertebral no forame transverso de C7. d) Todas acima. 37. Qual a localização mais comum dos aneurismas da artéria carótida? a) Origem da carótida comum. b) Origem da carótida interna. c) Bifurcação da carótida. d) Carótida comum. 38. As técnicas cirúrgicas padronizadas para o tratamento da insuficiência vertebrobasilar incluem: a) Transposição Vértebro-Subclávia. b) Transposição Vértebro-Carotídea. c) Pontes para o segmento V2. d) Todas acima. 39. Acerca da avaliação arteriográfica das artérias vertebrais, as seguintes afirmações estão corretas, exceto: a) A Lesão aterosclerótica mais comum da artéria vertebral é a estenose da sua origem. b) O segundo segmento da artéria vertebral é o segmento mais envolvido pela compressão de osteófitos. c) O segundo segmento é o local mais comum de acometimento pela lesão aterosclerótica. d) O terceiro segmento é o mais afetado por dissecção em virtude de displasia fibromuscular e/ou traumatismo. 40. O risco de ruptura do aneurisma de aorta abdominal: a) Aumenta com o diâmetro do Aneurisma. b) Aumenta com a idade do paciente. c) É desprezível no AAA menor que 5 cm de diâmetro. d) Não é afetado pela pressão arterial. 41. No trauma arterial isolado, pode-se levar à gangrena se ocluída ou ligada com maior frequência: a) Artéria ilíaca. b) Artéria femoral comum. c) Artéria femoral superficial. d) Artéria poplítea.

6 42. Os sinais e sintomas mais importantes nos pacientes com linfedema primário incluem, exceto: a) Sinal de Stemmer. b) Unhas amareladas. c) Hiperceratose e edema sem formação de cacifo. d) Úlcera escavada com dor constante. 43. A anastomose linfovenosa cirúrgica para tratamento do linfedema crônico: a) É um procedimento cirúrgico consagrado. b) É o ideal para o linfedema precoce primário. c) Pode ser tentada nos pacientes com linfedema secundário. d) Implica uma permeabilidade a longo prazo documentada nos seres humanos. 44. Cirurgia e embolização em má-formação artério-venosa estão justificadas, exceto, para: a) Hemorragia de pele de repetição. b) Ulceração isquêmica. c) Roubo arterial sintomático. d) Crescimento desigual dos membros. 45. Durante a tromboendarterectomia carotídea, qual é o nervo que pode ser mais facilmente lesado? a) Nervo Vago (X). b) I-lipoglosso (XlI). c) Glossofaríngeo (IX). d) Laríngeo Superior. 46. A causa mais comum de aneurisma periférico é: a) Trauma. b) Infecção. c) Degenerativo. d) Doença do tecido conjuntivo. 47. Durante a cirurgia reconstrutiva para a doença oclusiva aórtica, qual das seguintes manobras técnicas não é importante na prevenção da impotência sexual? a) Escolher uma configuração para a anastomose capaz de garantir uma boa perfusão da artéria hipogástrica. b) Revascularizar ambas as artérias hipogástricas. c) Evitar os ateroêmbolos para a artéria hipogástrica. d) Evitar dissecção extensa da aorta na vizinhança da artéria mesentérica, inferior e ilíaca.

7 48. O sinal de Malory-Michaelis está presente: a) Embolia para artéria pulmonar. b) Fístula artério-venosa. c) Embolia paradoxal. d) Embolia marântimica. 49. A doença de Mondor representa: a) Tromboflebite da safena magna. b) Tumor da cabeça do Pâncreas. c) Câncer da mama com trombose de veia na parede torácica. d) Trombose do seio cavernoso. 50. Quando em um indivíduo, com disfunção erétil, o teste de ereção fármaco-induzida revela resposta satisfatória, pode-se excluir o seguinte diagnóstico: a) Arteriopatia. b) Cavernosopatia. c) Disfunção induzida por drogas. d) Origem diabética.

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular SoBRICE Colégio Brasileiro de Radiologia

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 A confecção de acessos vasculares definitivos para hemodiálise (FAV) tornou-se um dos principais procedimentos realizados pelos cirurgiões vasculares em todo o mundo.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS FAURGS HCPA Edital 05/2007 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 22 MÉDICO (Urologia) 01. A 11. B 02. C 12. A 03. B 13.

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra

Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia Hospitais da Universidade de Coimbra Doppler venoso dos membros inferiores Estágio de Doppler Clínica Universitária de Imagiologia g Hospitais da Universidade de Coimbra Filipa Reis Costa Interna complementar de Radiologia Hospital de S.

Leia mais

VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO

VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES PROF. ABDO FARRET NETO VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES CONCEITO Veias do Sistema Superficial, dilatadas, tortuosas, e com alterações FUNCIONAIS. VARIZES DOS MEMBROS INFERIORES

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

UFT/COPESE Residência Médica 2016

UFT/COPESE Residência Médica 2016 Prova de Residência Médica 0 PROVA DE PRÉ-REQUISITO EM CIRURGIA VASCULAR QUESTÃO 01 O pescoço, formação ímpar do corpo humano, representa umas das regiões anatômicas que mais exerce fascínio sobre anatomistas

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO INGRESSO DE NOVOS OFICIAIS DE SAÚDE DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como

Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como Daniel Mendes Pinto Angiologia e Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Hospital Felício Rocho Belo Horizonte - MG Encontro Mineiro de Angiologia e Cirurgia

Leia mais

(ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR)

(ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR) SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / CIRURGIA VASCULAR 115 INSTRUÇÕES

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES.

CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES. CONCURSO PÚBLICO 5. PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Médico Classe I Cirurgia Vascular INSTRUÇÕES VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 50 QUESTÕES

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DIRPS - Diretoria de Processos Seletivos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DIRPS - Diretoria de Processos Seletivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DIRPS - Diretoria de Processos Seletivos PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS FAEPU 20 de fevereiro de

Leia mais

As Complicações das Varizes

As Complicações das Varizes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira As Complicações das Varizes Chamamos de Tipo 4 ou IVFS - Insuficiência Venosa Funcional Sintomática,

Leia mais

PROGRAMAS DE PROVAS CONCURSO TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS PROGRAMA DE PROVAS DOS CARGOS 801 A 805 MÉDICO NÍVEL E

PROGRAMAS DE PROVAS CONCURSO TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS PROGRAMA DE PROVAS DOS CARGOS 801 A 805 MÉDICO NÍVEL E PROGRAMAS DE PROVAS CONCURSO TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS PROGRAMA DE PROVAS DOS CARGOS 801 A 805 MÉDICO NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de

Leia mais

Caderno de Prova. Cirurgia Vascular. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Cirurgia Vascular. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P5 Cirurgia Vascular Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração: 2

Leia mais

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) OBJETIVOS DO APRENDIZADO SOBRE DAP 1. Aprender a DIANOSTICAR a doença 2. Identificar e tratar adequadamente os FATORES

Leia mais

PROVA: AMARELA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AOS HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS (HNMD) EM 2011)

PROVA: AMARELA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AOS HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS (HNMD) EM 2011) MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) DO HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS (HNMD) EM 2011) PROVA: AMARELA NÃO ESTÁ AUTORIZADA

Leia mais

UFT/COPESE Residência Médica 2015

UFT/COPESE Residência Médica 2015 QUESTÃO 01 O conhecimento da anatomia vascular tem que ser de domínio principalmente do cirurgião vascular e do socorrista. O primeiro ramo da artéria poplítea é: (A) artéria tibial posterior (B) artéria

Leia mais

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE ANEURISMA DE AORTA. CORREÇÃO POR VIA ENDO-VASCULAR ESTADO DA ARTE Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Seção Médica de Radiologia 2010 ACCF/AHA/AATS/ACR/ASA/SCA/SCAI/SIR/STS SVM Guidelines for the

Leia mais

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE VASOS SUPERFICIAIS DA PERNA E SUA IMPORTÂNCIA NA ELUCIDAÇÃO DA TROMBOFLEBITE SUPERFICIAL 1

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE VASOS SUPERFICIAIS DA PERNA E SUA IMPORTÂNCIA NA ELUCIDAÇÃO DA TROMBOFLEBITE SUPERFICIAL 1 DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE VASOS SUPERFICIAIS DA PERNA E SUA IMPORTÂNCIA NA ELUCIDAÇÃO DA TROMBOFLEBITE SUPERFICIAL 1 PEREIRA, Thatiany Castro Lobo 1 ; SANTOS, Danillo Luiz dos 2 ; LUIZ, Carlos Rosemberg

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO. ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação em Ecografia Vascular com Doppler

RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO. ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação em Ecografia Vascular com Doppler CCV COORDENADORIA DE CONCURSOS RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 CADERNO-QUESTIONÁRIO ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação em Ecografia Vascular com Doppler ÿû C PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

RICARDO C. ROCHA MOREIRA BARBARA D AGNOLUZZO MOREIRA DEGUSTAÇÃO

RICARDO C. ROCHA MOREIRA BARBARA D AGNOLUZZO MOREIRA DEGUSTAÇÃO DOENÇA VENOSA DO MEMBRO INFERIOR: VARIZES E INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA RICARDO C. ROCHA MOREIRA BARBARA D AGNOLUZZO MOREIRA 9 PROCLIM Ciclo 11 Volume 3 INTRODUÇÃO As doenças crônicas que afetam as veias

Leia mais

Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter. anos, principalmente nos últimos cinqüenta anos. Uma doença antes não tratável, hoje

Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter. anos, principalmente nos últimos cinqüenta anos. Uma doença antes não tratável, hoje Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter Felipe Puricelli Faccini Cirurgião Vascular Introdução: O tratamento do aneurisma da aorta abdominal tem evoluído muito ao longo dos anos, principalmente

Leia mais

AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO

AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO livro: AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO autor: Nelson De Luccia editora Revinter - 2005, São Paulo CPAM - CENTRO DE PRESERVAÇÃO E APAPTAÇÃO DE MEMBROS AV. SÃO GUALTER,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem

Leia mais

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo: Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010)

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Van Hof N, Balak FSR, Apeldoorn L, De Nooijer HJ, Vleesch Dubois V, Van Rijn-van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR

DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do

Leia mais

O exame de RM é considerado o procedimento mais importante e decisivo na conduta terapêutica da seguinte patologia:

O exame de RM é considerado o procedimento mais importante e decisivo na conduta terapêutica da seguinte patologia: Questão 01 Nas imagens ponderadas em T1, as alterações da maturação da substância branca encefálica são, em geral, melhor apreciadas na RM no seguinte período de vida, em meses: A) 6 8 B) 8 10 C) 10 14

Leia mais

Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular

Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular 1. Quanto à etiologia da embolia arterial aguda, podemos dizer que: A) ocorre freqüentemente naqueles

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

(ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR)

(ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR) SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA MÉDICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso Área: Enfermagem Discursiva Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL

Última revisão: 03/08/2011 ACESSO VENOSO CENTRAL Protocolo: Nº 51 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha Luiz Ernani

Leia mais

Um tratamento. endovascular para. aneurismas de. aorta abdominal

Um tratamento. endovascular para. aneurismas de. aorta abdominal Um tratamento endovascular para aneurismas de aorta abdominal Sumário Introdução 1 O que é um aneurisma de aorta abdominal (AAA)? 3 Página Quais são alguns dos sintomas de um aneurisma de aorta abdominal

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 RESUMO

bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 RESUMO bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 Francéli Marcon Garcia 2 Mara Inês Baptistella Ferão 3 RESUMO O referente

Leia mais

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1.

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1. NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1 O conceito Infecção, ulceração e a destruição dos tecidos profundos com

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA. Composição: Cada comprimido de VENORUTON contém 500 mg de rutosídeo. Excipientes: macrogol e estearato de magnésio.

MODELO DE TEXTO DE BULA. Composição: Cada comprimido de VENORUTON contém 500 mg de rutosídeo. Excipientes: macrogol e estearato de magnésio. MODELO DE TEXTO DE BULA VENORUTON rutosídeo Forma farmacêutica e apresentações: Comprimidos. Embalagem contendo 20 comprimidos. Cápsulas. Embalagem contendo 20 cápsulas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição:

Leia mais

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR Edital Nº 03/2015 RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 CADERNO DE QUESTÕES DATA: 1º DE NOVEMBRO DE 2015. PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR ÿû C ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação: Ecografia

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) José de Arimatea Barreto Os fenômenos tromboembólicos incidem em 0,2% a 1% durante o ciclo gravídico-puerperal. Metade das tromboses venosas é identificada antes do parto

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais,

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a angioplastia arterial periférica associada ao uso de prótese endovascular

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA Angioradiologia e Cirurgia Endovascular ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências

Leia mais

BOLETIM DA COMPRESSÃO Biblioteca de Robert Stemmer sobre Terapia da Compressão

BOLETIM DA COMPRESSÃO Biblioteca de Robert Stemmer sobre Terapia da Compressão 2 BOLETIM DA COMPRESSÃO Biblioteca de Robert Stemmer sobre Terapia da Compressão Nessa edição: Meias de compressão modelo acima do joelho versus abaixo do joelho na profilaxia de trombose venosa profunda

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº 513

CONCURSO PÚBLICO Nº 513 MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO CONCURSO PÚBLICO Nº 513 MÉDICO ESPECIALISTA CIRURGIA VASCULAR PROVA DE CONHECIMENTOS INSTRUÇÕES GERAIS

Leia mais

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR RESUMO Anamnese ID HPMA IDA Antecedentes Pessoais Antecedentes Familiais Exame Físico Geral Exame Físico Especial Cabeça / Face / Pescoço Aparelho

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Hospital de Dia de Diabetes Gabriela Figo - Serviço de Ortopedia 1. Em todo o mundo os Sistemas de Saúde falham na resposta ás necessidades do pé diabético

Leia mais

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar 1- Resumo O desequilíbrio das funções normais da hemostasia sangüínea resulta clinicamente em trombose

Leia mais

HIPOSPÁDIAS. Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO

HIPOSPÁDIAS. Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO HIPOSPÁDIAS Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO Hipospádia resulta de um desenvolvimento anormal do pênis que é definido como um meato uretral ectópico proximal a sua posição normal na glande,

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

MÉDICO - CIRURGIA VASCULAR

MÉDICO - CIRURGIA VASCULAR M321 Governo do Estado do Pará Secretaria Executiva de Estado de Saúde Pública - SESPA MÉDICO - CIRURGIA VASCULAR INSTRUÇÕES GERAIS Você recebeu do fiscal: Um caderno de questões contendo 50 (cinqüenta)

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA ARMANDO MANSILHA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO IMPORTÂNCIA DA DOENÇA < 5 casos / 100.000 / ano < 15 anos 500 casos / 100.000 / ano 80 anos Maior incidência nas

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO

PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO DA PREVENÇÃO AO TRATAMENTO DAS FERIDAS NEM SEMPRE SE ACERTA, MAS SEMPRE SE APRENDE... PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO RELATO DE CASO AF: n.d.n. ID: masculino, 39 anos, branco, casado, natural e procedente

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES MAPA AUDITÓRIO LARGO DA ORDEM (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:15 8-30 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:30

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Q u e s t õ e s D i s c u r s i v a s

Q u e s t õ e s D i s c u r s i v a s Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR TABELAS DE PROCEDIMENTOS DO SIA E SIH/SUS Portaria SAS/MS nº 210/2004

ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR TABELAS DE PROCEDIMENTOS DO SIA E SIH/SUS Portaria SAS/MS nº 210/2004 Cirurgia Cardiovascular de Média Complexidade - SIH/SUS ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR 48.010.01-4 32.005.01-6 Implante de marcapasso temporário transvenoso hospital Transvenoso

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFTMT05 PRINCIPAIS RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS UTILIZADOS EM AMPUTADOS TRANSFEMORAIS DURANTE A FASE DE PRÉ PROTETIZAÇÃO Roberta Aragão Araújo (¹), Pamella Kalazans Farias Lins de Andrade (²), Benonias

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

NewsLetter LINUS. ENDOPRÓTESE STENT-GRAFT Tratamento de Aneurisma de Aorta Abdominal. www.braile.com.br

NewsLetter LINUS. ENDOPRÓTESE STENT-GRAFT Tratamento de Aneurisma de Aorta Abdominal. www.braile.com.br NewsLetter Boletim Científico ano 6 novembro 2015 nº39 Biológica & Soluções Cardiovascular Eletromecânica Endovascular Oncologia LINUS ENDOPRÓTESE STENT-GRAFT Tratamento de Aneurisma de Aorta Abdominal

Leia mais

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 As doenças

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP)

Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP) Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP) São Paulo, abril/2010 Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

PORTARIA N 9, DE 6 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA N 9, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA N 9, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Inclui na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde (SUS) procedimento Sequencial em Neurocirurgia.

Leia mais

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Presidente Guilherme Benjamin Brandão Pitta Secretário Geral Marcelo Araujo Coordenador Dino Fecci Colli Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia

Leia mais

III Tema: Uso de endopróteses vasculares para tratamento de doenças da aorta.

III Tema: Uso de endopróteses vasculares para tratamento de doenças da aorta. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 031/05 Tema: Uso de endopróteses vasculares para o tratamento de doenças da aorta I Data: 01/09/2005 II Grupo de Estudo: Dra. Silvana Márcia Bruschi Kelles

Leia mais

musculares. recorrentes. viscerais. elásticas.

musculares. recorrentes. viscerais. elásticas. QUESTÃO 01 Uma alternativa ao tratamento compressivo ou cirúrgico dos pseudoaneurismas é, orientada por ultrassom, a injeção de trombina. fibrinogênio/fator XIII. protrombina associada ao fibrinogênio/fator

Leia mais

Índice Remissivo do Volume 91-2008

Índice Remissivo do Volume 91-2008 Por Assunto A Acidente cerebrovascular/complicações Acidente vascular na doença de Chagas, 306 Abscesso Opção para tratamento de abscesso aórtico, 72 Acesso radial Acesso ulnar Angioplastia primária pelo

Leia mais

Revisão Bibliográfica

Revisão Bibliográfica Director: Prof. Doutor Filipe Caseiro Alves Revisão Bibliográfica 9 de Maio de 2007 Belarmino J. Gonçalves Espectro de achados em TC de Aneurismas da Aorta Abdominal em situação de rotura ou rotura iminente

Leia mais

Portaria SAS/Nº 210 (publicada no Diário Oficial n 117, de 21 de junho de 2004, página 43, Seção 1) ANEXO III(*)

Portaria SAS/Nº 210 (publicada no Diário Oficial n 117, de 21 de junho de 2004, página 43, Seção 1) ANEXO III(*) Portaria SAS/Nº 210 (publicada no Diário Oficial n 117, de 21 de junho de 2004, página 43, Seção 1) ANEXO III(*) RELAÇÃO DE PROCEDIMENTOS INCLUÍDOS NAS TABELAS DO SIH E SIA/SUS PROCEDIMENTOS INCLUÍDOS

Leia mais