PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional"

Transcrição

1 Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular chamado agora de: PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR DA SBACV Estado atual Implantação Nacional Aos colegas associados da SBACV Estamos lançando a versão final do nosso Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular que foi exaustivamente discutido e avaliado em todo o Brasil, nas regionais e com os associados, e atualizado após o nosso Fórum de Cirurgia Endovascular da SBACV realizado nas regionais de todo o Brasil. Esta versão deve ser atualizado constatemente, quando nossos associados e regionais justificarem esta necessidade. Precisamos de um movimento nacional da SBACV e de suas regionais para usarem como padronização de s endovasculares este protocolo, levá-lo para os convênios, hospitais e associados, teremos sempre discursão entre partes, mas devemos ter como objetivo a sua utilização na relação entre o angiologista e cirurgião vascular com a saúde suplementar, hospitais e principalmente na melhoria do atendimento ao nosso paciente. Dino Fecci Colli sugestões Coordenador - Guilherme Benjamin Brandão Pitta Presidente Marcelo Araujo Secretário Geral

2 PROTOCOLO DE PROCEDIMENTO PARA CIRURGIA ENDOVASCULAR Área de Atuação: Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular. Introdução Esse protocolo foi realizado por uma equipe de especialistas convocados pela SBACV, visando regulamentar as indicações clínicas com o CID-0 pertinente, dos s endovasculares utilizados na CBHPM, além da listagem de materiais mínimos para os s. Visando com isso dirimir as distorções que ocorrem no atendimento da saúde suplementar. Em fevereiro de 0 durante o Simpósio de OPME, ele foi apresentado para a SBACV e solicitado para todas as regionais divulgarem e enviarem sugestões e criticas para a elaboração final, ora apresentada. Não conseguimos a união da Sobrice para a realização única de um protocolo dessa área de atuação por diferenças de opiniões frente a capacidade de realização de s. Esclarecemos que esses protocolos são códigos de e materiais mínimos para a realização dos s. Esses protocolos foram apresentados a várias entidades da Saúde Suplementar, AMB e CFM.. Método Realizamos várias reuniões com médicos da especialidade, com franca experiência, e divulgamos para todos os sócios para terem conhecimento e enviarem sugestões e criticas. Deixamos claro que esses protocolos são um guia para os s, sem torná-los rígidos pois as variações terapêuticas frente as variações patológicas de um paciente, não permitem essa rigidez, porisso relacionamos códigos e materiais mínimos para um. O médico assistente tem total autonomia na escolha dos códigos e materiais para o atendimento do seu paciente, devendo realizar as justificativas medicas para as alterações no protocolo. O Capitulo 4 da CBHPM de Procedimentos Diagnósticos e Terapêuticos foi a base da escolha dos códigos mínimos, e a experiência dos especialistas orientou a relação de materiais mínimos.. Esclarecimentos técnicos dos s.. Materiais de consumo para o, tais como conectores de bomba injetora, em Y, torneiras de alta e baixa pressão, contraste radiológico, seringas de injetoras, etc não precisam de autorização pois são essenciais ao... Angioplastia com uso de stent... Todo requer um estudo angiográfico pré, mesmo que haja estudo angiográfico prévio, pois pode ocorrer evolução da própria doença.... O código de angioplastia de determinado vaso não inclui o estudo do mesmo, tanto pré e pós.... Caso seja utilizado um stent, temos duas situações... Implante primário de stent, sem necessidade de pré ou pós dilatação, ou seja, o uso de um stent primário balão expansível.... Implante de stent com pré-dilatação da lesão com cateter balão para permitir a passagem do stent balão expansível ou auto-expansível.... Implante de stent com pós dilatação para a abertura e acomodação do stent Nessas duas ultimas situações serão cobrados códigos independentes (o da angioplastia e o do implante de stent)..4. Todo terapêutico requer um estudo angiográfico pós- para a documentação do, e deve ser cobrado separadamente, não estando embutido no terapêutico... Auxiliares de Cirurgia, seguindo o capitulo 5 das Instruções Gerais da CBHPM... A valoração dos serviços prestados pelos médicos auxiliares dos atos cirúrgicos corresponderá o percentual de 0% do porte do ato praticado pelo cirurgião para o primeiro auxiliar, de 0% para o segundo e terceiro auxiliares e, quando o caso exigir, também para o quarto auxiliar.... Quando uma equipe, num mesmo ato cirúrgico, realizar mais de um, o número de auxiliares será igual ao previsto para o de maior porte, e a valoração do porte para os serviços desses auxiliares será calculada sobre a totalidade dos serviços realizados pelo cirurgião..4. Não existe valoração por unidade de internação, segundo capitulo 6. das Instruções Gerais, porém estamos solicitando re-estudo pela comissão da CBHPM, pois existe exceções de outras áreas de atuação..5. Não há redução dos s por mesmo acesso pois o capítulo 4 é por somatória dos s..6. Existe valoração por urgência e emergência médica, segundo capitulo das Instruções Gerais..7. Quando forem utilizados códigos dos Capítulos Procedimentos Cirúrgicos e Invasivos, seguiram as normas específicas desse capítulo.

3 .8. Recomendamos a todos os sócios adotarem essa formatação na solicitação dos s endovasculares. 4. Numero de auxiliares O número de auxiliares listados na CBHPM está em desacordo com a maioria dos cirurgiões endovasculares e é inadequada, isso só será possível corrigir após reunião na Camara Técnica da CBHPM. A sugestão da SBACV é cobrar o numero de auxiliares efetivamente utilizados e caso ocorra glosa de pagamentos recorrer baseado nesses protocolos. O numero de auxiliares divergentes da CBHPM está listado em vermelho. 5. Comissão de especialistas do PROENDO (Protocolos de s para Cirurgia Endovascular) Dr Calogero Presti Dr Daniel Mendes Pinto Dr Dino Colli Coordenador Dr Nilo Mandelli Dr Sidnei Galego Médicos Colaboradores Dr. Adalberto Pereira Araujo Dr. Carlos Peixoto Dr. Laecio Leitão Dr. Pedro Puech Leão Dr Ricardo Yoshida 6. Protocolos para Exames Diagnósticos (Angiorradiologia) A angiografia diagnóstica é usada para definir planejamento terapêutico do paciente, e abrange o estudo de todo o sistema vascular. Indicação clínica: doença degenerativas como aterosclerose, doenças inflamatórias, disgenesias, traumas, neoplasias, etc. O exame é realizado por médico, necessitando cuidados pré e pós operatórios, eventualmente apoio de anestesiologista, repouso ou internação hospitalar, tendo complicações do definidos por região e patologia do paciente. Foram definidos doze protocolos, descritos abaixo. Como são métodos diagnósticos abrangentes incluem vários itens da CID-0, capítulo IX- Doenças do Aparelho Circulatório, que serão listados em anexo. 6.. Arteriografia de membro inferior não seletiva Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por punção C X Agulha de punção Introdutor vascular Procedimento realizado com punção da artéria femoral percutânea 6.. Arteriografia de membro inferior seletiva Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo seletivo C X Agulha de punção Introdutor vascular Cateter diagnóstico Fio guia hidrofílico Procedimento realizado com colocação seletiva do cateter na artéria femoral 6.. Aortografia Abdominal Translombar Descrição CBHPM Porte Auxiliar Aortografia abdominal por punção A X translombar Agulha de punção translombar Procedimento realizado com punção percutânea translombar da aorta abdominal, atualmente esse é de indicação excepcional Aortografia Abdominal e arteriografia de membros inferiores Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo não B X seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo C X Angiografia por cateterismo seletivo C X Angiografia por cateterismo seletivo C X Agulha de punção Introdutor Fio guia hidrofílico Cateter diagnóstico Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta e membros inferiores, alem da seletivação das artérias ilíacas Aortografia Abdominal e ramos viscerais Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo não B X seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo C X Agulha de punção Introdutor Fio guia hidrofílico Cateter diagnóstico Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta e os ramos viscerais alvo por vaso. Como exemplo: aorto + renais è códigos seletivos; aorto + artérias digestivas è códigos seletivos Observar que vasos seletivos é o máximo permitido Arteriografia super seletiva por órgão ou região Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo não B X seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo C X Angiografia por cateterismo superseletivo de ramo secundário ou distal por vaso C X

4 Agulha de punção Introdutor Fio guia hidrofílico Cateter diagnóstico Fio guia de menor diâmetro que 05 Microcateter Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta e os ramos viscerais alvo por vaso e super seletivo em ramos secundário ou distal para estudo angiográfico. Como exemplo: aorto + renal direita e ramo segmentar superior renal direita 6.7. Angiografia do Arco Aórtico e aorta torácica descendente Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo não B X seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo não B X seletivo de grande vaso Agulha de punção Introdutor Fio guia hidrofílico Cateter diagnóstico Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta ascendente e depois na aorta descendente Arteriografia dos membro superior Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo não B X seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo C X Agulha de punção Introdutor Fio guia hidrofílico Cateter diagnóstico Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na origem da subclávia e depois seletivamente no membro superior Arco aórtico e angiografia carotídea e vertebral (Cerebral) Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo não B X seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo C X Angiografia por cateterismo seletivo C X Angiografia por cateterismo seletivo C X Angiografia por cateterismo seletivo C X Agulha de punção Introdutor Fio guia hidrofílico Cateter diagnóstico Procedimento realizado com punção arterial e colocação de cateter na aorta e seletivamente nas carótidas e vertebrais Flebografia unilateral de membro inferior ou superior Descrição CBHPM Porte Auxiliar Flebografia por punção venosa unilateral B X Material de punção venosa Procedimento realizado com punção venosa unilateral. 6.. Flebografia retrograda por cateterismo unilateral Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo seletivo C X Flebografia retrograda por cateterismo C X unilateral Agulha de punção Introdutor Fio guia hidrofílico Cateter diagnóstico Procedimento realizado com punção venosa, realizado angiografia de ramo e depois colocação de cateter seletivamente na veia alvo unilateral, geralmente esse é bilateral. 6.. Cavografia superior ou inferior Descrição CBHPM Porte Auxiliar Angiografia por cateterismo não B X seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo C X Angiografia por cateterismo seletivo C X Agulha de punção Introdutor Fio guia hidrofílico Cateter diagnóstico Procedimento realizado com punção venosa bilateral, colocação de introdutores e cateter para a realização da cavografia. 7. Protocolos para Procedimentos Terapêuticos (Cirurgia Endovascular) 7.. Angioplastia da arteria ilíaca Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso C Angio pré posicionamento Angioplastia transluminal percutânea para tratamento de obstrução arterial Colocação de stent para tratamento de obstrução arterial ou venosa por vaso Indicação Clínica: C B A C Angio pós Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais. 4

5 Introdutor a Introdutor longo ou contralateral Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Cateter diagnostico a Insuflador de pressão controlada a Balão de angioplastia a Balão de angioplastia para pré-dilatação Cateter recanalizador Trombectomia mecânica Oclusor femoral a por vaso Considerando que é realizado um ou dois acessos vasculares, uma angiografia pré-, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado uma angioplastia, nova angiografia, e eventual colocação de stent, seguido ou não de nova angioplastia e finalmente uma angiografia pós. Serão cobrados s por vasos s, sem fatores redutores. CID -0 relação em anexo I70.0, I70., I70.8, I7., I7., I7.8, I74, I74.0, I74., I74.4, I74.5, I77.0, I77., I77., I77., I77.6, I Angioplastia da artéria femoral Angiografia por cateterismo seletivo C Angio pré posicionamento Angioplastia transluminal percutânea para tratamento de obstrução arterial Colocação de stent para tratamento de obstrução arterial ou venosa por vaso Indicação Clínica: C B A C Angio pós Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais e mesmo aneurismas. Introdutor a Introdutor longo ou contralateral Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Cateter diagnostico a Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de angioplastia para pré-dilatação Trombectomia mecânica Cateter recanalizador Oclusor femoral a por vaso Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia pré-, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado uma angioplastia, nova angiografia, e eventual colocação de stent, seguido ou não de nova angioplastia e finalmente uma angiografia pós-. CID -0 relação em anexo I70., I70.8, I70.9, I7, I7.4, I7.8, I7.9, I7, I7., I7.8, I7.9, I74, I74., I74.4, I74.8, I74.9, I77.0, I77., I77., I Angioplastia das artérias viscerais não carotídea Angiografia por cateterismo seletivo C Angio pré posicionamento Angioplastia transluminal percutânea para tratamento de obstrução arterial Colocação de stent para tratamento de obstrução arterial ou venosa por vaso Indicação Clínica: C B A C Angio pós Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem e/ou função da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais. Introdutor curto Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Fio guia de menor diâmetro que 05 Cateter diagnostico Cateter Guia ou Introdutor longo Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia Balão de angioplastia para pré-dilatação Trombectomia mecânica Cateter recanalizador Oclusor femoral por vaso Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia pré- da aorta e ramo a ser, passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado a liberação do stent e complementada com uma angioplastia e finalmente uma angiografia pós-. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. Colocação de stent aórtico A Por vaso Colocação de stent em artéria C Por vaso visceral por vaso Colocação de stent em estenose C Por vaso vascular de enxerto transplantado Colocação de stent para C Por vaso tratamento da Síndrome da VC Colocação de stent renal B Por vaso Colocação de stent revestido A Por vaso para tratamento de fistula arteriovenosa Colocação de stent revestido A Por vaso para tratamento de aneurisma periférico O numero de auxiliares é determinado pelo código da Tabela, pelo maior porte do cirurgião. 5

6 CID -0 relação em anexo I70., I70.8, I70.9, I7., I7.8, I7.9, I7.8, I7.9, I74., I74.8, I74.9, I77.0, I77., I77., I77., I77.4, I77.6, I8., I8., I8.8, I8.9, K55.0, K55., K55.8, K55.9, Q8.8, Q8.9, R Angioplastia da artéria carótida ou vertebral Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso C Angio pré posicionamento Angioplastia de tronco supra aórtico Colocação de stent em tronco supra aórtico Indicação Clínica: C A A C Angio pós Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais e aneurismas. Introdutor curto a Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Fio guia de menor diâmetro que 05 Cateter diagnostico Cateter Guia ou Introdutor longo ou contralateral Sistema de Proteção cerebral proximal ou distal Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia Balão de angioplastia para pré-dilatação Cateter recanalizador Oclusor femoral Microcateter Sistema extrator de trombos por vaso Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia identificando o arco aórtico e a carótida alvo pré- compreendendo a lesão carotídea e o estudo intra-craniano, a colocação de sistema de proteção cerebral, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado a colocação de stent vascular seguido de angioplastia e finalmente uma angiografia pós da lesão carotídea e estudo intra-craniano. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. CID -0 relação em anexo I64, I65, I65.0, I65., I65., I65.8, I65.9, I66, I67, I67.0, I67., I67.7, I67.8, I67.9, I68, I68.8, I69, I69., I69.4, I69.8, I69, I69., I69.4, I Angioplastia da artéria Subclávia Axilar Angiografia por cateterismo seletivo C Angio pré posicionamento Angioplastia de tronco supra aórtico Colocação de stent em tronco supra aórtico Indicação Clínica: C A A C Angio pós Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais. Introdutor curto Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Fio guia de menor diâmetro que 05 Cateter diagnostico Cateter Guia ou Introdutor longo ou contralateral Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia Balão de angioplastia para pré-dilatação Trombectomia mecânica Cateter recanalizador Oclusor femoral por vaso Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia identificando o arco aórtico e a arteria alvo pré- compreendendo estudo angiográfico completo do membro, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado a colocação de stent vascular seguido de angioplastia e finalmente uma angiografia pós- da lesão arterial e estudo angiográfico final. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. CID -0 relação em anexo I70., I70.8, I70.9, I7.9, I7, I7., I7.8, I7.9, I7, I7., I7.8, I7.9, I74, I74., I74.4, I74.8, I74.9,I77, I77.0, I77., I77., I77., I77.4, I77.5, I Angioplastia das artéria poplítea e artérias infrapatelares Angiografia por cateterismo seletivo C Angio pré posicionamento Angioplastia transluminal percutânea para tratamento de obstrução arterial Colocação de stent para tratamento de obstrução arterial ou venosa por vaso C B A C Angio pós 6

7 Indicação Clínica: Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais. Indicação Clínica: Doenças aneurismatica, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais. Introdutor curto Introdutor longo ou contralateral Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Fio guia de menor diâmetro que 05 a Cateter diagnostico Cateter hidrofílico de suporte Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de angioplastia para pré-dilatação Cateter recanalizador Microcateter Oclusor femoral Balões especiais (tipo droga, crio, cutting etc) Sistema de aterectomia ou trombectomia por vaso Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia pré- da femoral e ramo a ser, passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado a liberação do stent e complementada com uma angioplastia e finalmente uma angiografia pós- por vaso a ser. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular e mesmo o acesso trans-pedal, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. CID -0 relação em anexo I70., I70.8, I70.9, I7,I7.4, I7.8, I7.9, I7, I7., I7.8, I7.9, I74, I74., I74.4, I74.8, I74.9, I77.0, I77., I77., I77., I77.5, I77.6, I79., I80., I80., I8.8, I8.9, I87, I87.0, I87., I97, I97., I97.8, I97.9, I98, I98., E0.5, E.5, E.5, E.5, E4.5, Q7, Q7.8, Q7.9, Q8, Q8.8, Q8.9, R09.8, T46, T46.9, T80., T8.7, T8, T8., T8.4, T8.5, T8.7, T8.8, T8.9, Y5 Demais artérias ou veias adotarão esses protocolos acima, por similaridade de Tratamento Endovascular do Aneurisma da Aorta Abdominal sem envolvimento hipogastricas Angiografia por cateterismo não B Angio pré seletivo de grande vaso (X) posicionamento (X) Implante de endoprótese em aneurisma de aorta abdominal ou torácica com stent revestido (stent-graft) ( a X) Acesso cirúrgico femorais e braquiais C A Por vaso/ prótese implantada C Angio pós Vide texto em negrito abaixo Conjunto de Endoproteses com bifurcação aórtica, conforme a marca solicitada Endoprotese aórtica extensão proximal e/ou distal Introdutor curto a Introdutores de grande diâmetro Introdutor longo ou contralateral Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte a Fio guia de menor diâmetro que 05 Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Cateter hidrofílico de suporte Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de acomodação Molas de embolização fibradas Oclusor ilíaco Oclusor acesso femoral Considerando que são realizados dois ou três acessos vasculares, uma angiografia pré- do segmento aórtico e outra do segmento ilíaco, a passagem de fio guia e liberação de endoprotese (tronco) e endoprótese (contralateral) ou similar, realizado angiografia de posicionamento mínimo de vezes, e acomodação por balão em artérias, seguido de angiografia pós-. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. Procedimentos auxiliares, tipo embolização de artéria hipogástrica, angioplastia de artérias renais ou ilíacas, acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses s auxiliares. CID -0 relação em anexo I70.0, I7, I7.0, I7., I7.4, I7.8, I7.9, I7, I7., I7, I74.0, I74., I74.5, I74.8, I74.9, I77.0, I77., I77., I77., I79., T8.7, T8, T8., T8.4, T8.5, T8.7, T8.8, T Tratamento Endovascular do Aneurisma da Aorta Torácica Descrição CBHPM Porte Nota Nota Angiografia por cateterismo não B Angio pré seletivo de grande vaso (X) posicionamento (X) Implante de endoprótese em aneurisma de aorta abdominal ou torácica com stent revestido (stent-graft) ( a X) Acesso cirúrgico femorais e braquiais C A Por vaso/ prótese implantada C Angio pós Vide texto em negrito abaixo 7

8 Indicação Clínica: Doenças aneurismatica, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais. Endoprotese Torácica a Introdutor curto a Introdutores de grande diâmetro Introdutor longo ou contralateral Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte a Fio guia de menor diâmetro que 05 Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Cateter hidrofílico de suporte Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de acomodação Oclusor plug vascular Oclusor ilíaco Oclusor acesso femoral Considerando que é realizado dois ou três acessos vasculares, uma angiografia pré-, a passagem de fio guia e liberação de endoproteses, realizado angiografia de posicionamento e acomodação por balão, seguido de angiografia pós-. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. Procedimentos auxiliares, tipo acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses s auxiliares. CID -0 relação em anexo I7, I7.0, I7., I7., I7.5, I7.6, I7.8, I7.9, I7, I7.8, I7.9, I7.8, I7.9, I74., I74.9, I77.0, I77., I77., I77.5, I77.6, I79.0, I79., I97., I97.8, I97.9, I98, I98.0, I98., I98.8, I99, A5.0, D68., E0.5, T8.7, T8, T8., T8.5, T8.7, T8.8, T8.9, Y5, Y5.9, Y7, Y7.0, Y7., Y7., Y7., Y7.8, Z95, Z95.8, Z Tratamento Endovascular do Aneurisma Toraco-Abdominal Angiografia por cateterismo não B Angio pré seletivo de grande vaso (X) C posicionamento ( a 5X) Implante de endoprótese em aneurisma de aorta abdominal e torácica com stent revestido (stent-graft) ( a 4X) A Por vaso/ prótese implantada Colocação de stent em artéria visceral- por vaso ( a 4X) Angioplastia de artéria visceral por vaso ( a 4X) Acesso cirúrgico femorais e braquiais C Por vaso/ prótese implantada A C Angio pós Vide texto em negrito abaixo Indicação Clínica: Doenças aneurismatica, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais. Endoprotese Torácica a Endoprotese Fenestrada, Ramificada ou não Conjunto de Endoproteses com bifurcação aórtica, conforme a marca solicitada a 4 Introdutor curto a Introdutores de grande diâmetro a Introdutor longo ou contralateral a 4 Fio guia hidrofílico Fio guia de suporte a 5 Fio guia de menor diâmetro que 05 a Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Cateter hidrofílico de suporte Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de acomodação Oclusor plug vascular Oclusor ilíaco Oclusor acesso femoral Considerando que é realizado dois a quatro acessos vasculares, uma angiografia pré-, a passagem de fio guia e liberação de endoproteses, seletivação de ramos viscerais com colocação de fios guias e stents revestidos nas artérias viscerais, seguido de angioplastia dos ramos viscerais e realizado angiografia de posicionamento e acomodação por balão, seguido de angiografia pós. Para endoprótese toracoabdominal, ou seja, ramificada, precisaríamos de 4 stents revestidos (os que fazem conexão entre as ramificações e as artérias-alvo) e a 4 stents não revestidos autoexpansíveis (que são colocados dentro dos primeiros em caso de dobra. Procedimentos auxiliares, tipo acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses s auxiliares. CID -0 relação em anexo I7, I7.0, I7., I7., I7.5, I7.6, I7.8, I7.9, I7, I7.8, I7.9, I7.8, I7.9, I74., I74.9, I77.0, I77., I77., I77.5, I77.6, I79.0, I79., I97., I97.8, I97.9, I98, I98.0, I98., I98.8, I99, A5.0, D68., E0.5, T8.7, T8, T8., T8.5, T8.7, T8.8, T8.9, Y5, Y5.9, Y7, Y7.0, Y7., Y7., Y7., Y7.8, Z95, Z95.8, Z95.9 8

9 7.0. Tratamento Endovascular do Aneurisma Aorto-Iliaco com envolvimento das hipogástricas Angiografia por cateterismo não B Angio pré seletivo de grande vaso (X) posicionamento ( a 5X) Implante de endoprótese em aneurisma de aorta abdominal ou torácica com stent revestido (stent-graft) ( a X) Colocação de stent em artéria visceral- por vaso ( a X) Angioplastia de artéria visceral por vaso ( a X) Acesso cirúrgico femorais e braquiais Indicação Clínica: C A Por vaso/ prótese implantada C Por vaso/ prótese implantada A C Angio pós Vide texto em negrito abaixo Doenças aneurismatica, inflamatórias, disgenesias, traumáticas que alteram o lumem da artéria, podendo serem estenoses ou oclusões, presença de fístulas ou roturas arteriais. Endoprotese Fenestrada, Ramificada ou não a Conjunto de Endoproteses com bifurcação aórtica, conforme a marca solicitada a Introdutor curto a Introdutores de grande diâmetro a Introdutor longo ou contralateral a Fio guia hidrofílico Fio guia de suporte a 4 Fio guia de menor diâmetro que 05 a Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Cateter hidrofílico de suporte Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de acomodação Oclusor plug vascular Oclusor ilíaco Oclusor acesso femoral Considerando que é realizado dois a quatro acessos vasculares, uma angiografia pré-, a passagem de fio guia e liberação de endoproteses, seletivação de ramos hipogástricos com colocação de fios guias e stents revestidos nas artérias hipogastricas, seguido de angioplastia e realizado angiografia de posicionamento e acomodação por balão, seguido de angiografia pós. Para ramificadas de ilíaca, é preciso também um stent revestido (que vai para a ilíaca interna) e um stent não revestido que pode ser necessário dentro do primeiro, em caso de dobra por tortuosidade. (uni ou bilateral). Procedimentos auxiliares, tipo acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses s auxiliares, como exemplo, embolização de hipogástrica. CID -0 relação em anexo I7, I7.0, I7., I7.4, I7.8, I7.9, I7, I7., I7.8, I7.9, I7.8, I7.9, I74.0, I74., I74.5, I74.8, I74.9, I77.0, I77., I77., I77., I77.5, I77.6, I77.8, I79.0, I79., I79., I87., I97., I98., I98., I98.8, I99, N50., O99.4, Q7, Q7.8, Q7.9, Q8.8, Q8.9, T8, T8., T8.5, T8.7, T8.8, T8.9, Y7, Y7.0, Y7., Y7., Y7., Y7.8, Z95, Z95.8, Z Tratamento Endovascular com Embolização Vascular de Órgão ou Região Angiografia por cateterismo não B Angio pré seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário por vaso Angiografia por cateterismo superseletivo de ramosecundário ou distal por vaso Embolização Principal conforme CBHPM Indicação Clínica: C C C Angio pós Doenças ateromatosas, inflamatórias, disgenesias, traumáticas, neoplásicas que alteram a vascularização, presença de fístulas ou roturas arteriais. Introdutor curto, longo ou angulado a Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte a Fio guia de menor diâmetro que 05 Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Cateter hidrofílico de suporte Microcateter a Fio guia de menor diâmetro a Material Embolizante Balão de angioplastia Oclusor plug vascular Oclusor acesso femoral Escolhido pelo medico Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia de vaso de grande porte, uma angiografia seletiva ou super-seletiva por vaso, a passagem de fio guia até a artéria alvo e colocação de cateter ou micro-cateter na artéria alvo, realização da embolização, necessitando de angiografia de de embolização por vaso e finalmente uma angiografia pós-. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. S 9

10 Materiais possíveis de serem utilizados para a embolização: Molas fibradas, não fibradas 05 e 08, micro molas de liberação controlada ou não, partículas de PVA, micro esferas de PVA, cola cirúrgica, líquidos esclerosantes, resinas embolizantes, plug vascular e demais materiais. Alcoolização percutanea de angioma Embolização arterial para tratamento de priapismo Embolização brônquica para tratamento da hemoptise Embolização de aneurisma ou pseudoaneurisma visceral Embolização de artéria renal para nefrectomia Embolização de arteria uterina para tratamento de mioma ou outras situações Embolização de fistula arteriovenosa em cabeça, pescoço ou coluna Embolização de fistula arteriovenosa não especificada- por vaso E demais outras embolizações CID B Por vaso X A Por vaso A Por vaso A Por vaso A Por vaso C Por vaso A Por vaso A Por vaso Por vaso A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo medico. 7.. Colocação de Filtro de Veia Cava Angiografia por cateterismo não B Angio pré seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário por vaso (X) C Angio pré Colocação de filtro de veia cava B Indicação Clínica: C Angio pós Doenças venosas, traumáticas, neoplásicas, circulatória, que podem evoluir com trombose venosa seguido de embolia pulmonar. Introdutor curto, longo ou angulado Fio guia hidrofílico Fio guia de suporte Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Filtro de Veia Cava Considerando que é realizado um ou dois acessos vasculares, uma angiografia de vaso de grande porte, uma angiografia seletiva ou super-seletiva por vaso para identificação das veias renais, a passagem de fio guia até a veia cava alvo e colocação do filtro, necessitando de uma angiografia pós-. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. CID -0 A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo medico. 7.. Trombolise para Tratamento da Oclusão Arterial ou Venosa Angiografia por cateterismo seletivo C Angio pré posicionamento Trombolise medicamentosa arterial ou venosa- por vaso Angioplastia transluminal percutânea para tratamento de obstrução arterial Colocação de stent para tratamento de obstrução arterial ou venosa por vaso Indicação Clínica: C C B A C Angio pós Doenças venosas agudas ou crônicas que levem a uma hipertensão venosa importante, ou pacientes com isquemia arterial. Introdutor a Introdutor longo ou contralateral Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Cateter diagnostico a Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de angioplastia para pré-dilatação Trombectomia mecânica Cateter recanalizador Oclusor femoral a por vaso A trombolise arterial ou venosa medicamentosa é realizada em etapas, variando de a sessões diárias por um período máximo de cinco dias. Ou seja, são atos médicos somados por sessões realizadas. Há a troca de materiais de acesso para a prevenção de infecções, e mesmo guias e cateteres de infusão até mostrarem a causa da trombose vascular. Então como final é realizado o tratamento da causa, necessitando de balões, stents suficientes para cobrirem totalmente as lesões, e mesmo o uso de filtro de veia cava. Os acessos vasculares com freqüência são múltiplos, após o acesso vascular, colocação de introdutor, passagem de fio guia e cateter diagnóstico para a angiografia inicial, e posterior passagem do setor vascular ocluído, trocando por cateter de infusão de fibrinolíticos. Esse primeiro ato pode ou não ser associado a trombectomia mecânica do segmento vascular. CID -0 A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo medico Ultrassonografia intravascular Estudo ultrassonográfico c Ultrassom intravascular intraoperatório 0

11 Doenças arteriais, venosas, traumáticas e circulatórias Cateter de ultrasson Introdutor curto, longo ou angulado Fio guia hidrofílico A ultrassonografia intravascular permite a avaliação intravascular do diâmetro, morfologia de placa, área luminal e do vaso das artérias, veias e dos pontos anatômicos necessários, conseqüentemente optamos pelos diâmetros mais adequados dos materiais utilizados e assim realizando os s cirúrgicos com menor incidência de complicações. Acompanhamento pós intervenções endovasculares, avaliando perviedade vascular, área luminal, estenoses residuais, protusão de placa, trombose, dissecções, aposição de dispositivos intravasculares. CID -0 A abrangência é muito ampla, devendo ser justificada pelo medico. Anexo dos códigos da TABELA CID-0 Código Descrição I Doença cardíaca hipertensiva I.0 Doença cardíaca hipertensiva com insuficiência cardíaca (congestiva) I.9 Doença cardíaca hipertensiva sem insuficiência cardíaca (congestiva) I Doença renal hipertensiva I.0 Doença renal hipertensiva com insuficiência renal I.9 Doença renal hipertensiva sem insuficiência renal I5 Hipertensão secundária I5.0 Hipertensão renovascular I5. Hipertensão secundária a outras afecções renais I5. Hipertensão secundária a afecções endócrinas I5.8 Outras formas de hipertensão secundária I5.9 Hipertensão secundária, não especificada I6 Embolia pulmonar I6.0 Embolia pulmonar com menção de cor pulmonale agudo I6.9 Embolia pulmonar sem menção de cor pulmonale agudo I8 Outras doenças dos vasos pulmonares I8.0 Fístula arteriovenosa de vasos pulmonares I8. Aneurisma da artéria pulmonar I8.8 Outras doenças especificadas dos vasos pulmonares I8.9 Doença não especificada dos vasos pulmonares I64 I65 Acidente vascular cerebral, não especificado como hemorrágico ou isquêmico Oclusão e estenose de artérias pré-cerebrais que não resultam em infarto cerebral I65.0 Oclusão e estenose da artéria vertebral I65. Oclusão e estenose da artéria basilar I65. Oclusão e estenose da artéria carótida I65. Oclusão e estenose de artérias pré-cerebrais múltiplas e bilaterais I65.8 Oclusão e estenose de outra artéria pré-cerebral I65.9 Oclusão e estenose de artérias pré-cerebrais não especificadas I66 Oclusão e estenose de artérias cerebrais que não resultam em infarto cerebral I66.0 Oclusão e estenose da artéria cerebral média I66. Oclusão e estenose da artéria cerebral anterior I66. Oclusão e estenose da artéria cerebral posterior I66. Oclusão e estenose de artérias cerebelares I66.4 Oclusão e estenose de artérias cerebrais, múltiplas e bilaterais I66.8 Oclusão e estenose de outra artéria cerebral I66.9 Oclusão e estenose de artéria cerebral não especificada I67 Outras doenças cerebrovasculares I67.0 Dissecção de artérias cerebrais, sem ruptura I67. Aneurisma cerebral não-roto I67. Aterosclerose cerebral I67. Leucoencefalopatia vascular progressiva I67.4 Encefalopatia hipertensiva I67.5 Doença de Moyamoya I67.6 Trombose não-piogênica do sistema venoso intracraniano I67.7 Arterite cerebral não classificada em outra parte I67.8 Outras doenças cerebrovasculares especificadas I67.9 Doença cerebrovascular não especificada I68 Transtornos cerebrovasculares em doenças classificadas em outra parte I68.0 Angiopatia cerebral amiloidótica I68. Arterite cerebral em doenças infecciosas e parasitárias I68. Arterite cerebral em outras doenças classificadas em outra parte I68.8 Outros transtornos cerebrovasculares em doenças classificadas em outra parte I69 Seqüelas de doenças cerebrovasculares I69.0 Seqüelas de hemorragia subaracnoídea I69. Seqüelas de hemorragia intracerebral I69. Seqüelas de outras hemorragias intracranianas não traumáticas I69. Seqüelas de infarto cerebral I69.4 Seqüelas de acidente vascular cerebral não especificado como hemorrágico ou isquêmico I69.8 Seqüelas de outras doenças cerebrovasculares e das não especificadas I69 Seqüelas de doenças cerebrovasculares I69.0 Seqüelas de hemorragia subaracnoídea I69. Seqüelas de hemorragia intracerebral I69. Seqüelas de outras hemorragias intracranianas não traumáticas I69. Seqüelas de infarto cerebral I69.4 Seqüelas de acidente vascular cerebral não especificado como hemorrágico ou isquêmico I69.8 Seqüelas de outras doenças cerebrovasculares e das não especificadas I70 Aterosclerose I70.0 Aterosclerose da aorta I70. Aterosclerose da artéria renal I70. Aterosclerose das artérias das extremidades I70.8 Aterosclerose de outras artérias I70.9 Aterosclerose generalizada e a não especificada I7 Aneurisma e dissecção da aorta I7.0 Aneurisma dissecante da aorta (qualquer porção) I7. Aneurisma da aorta torácica, roto I7. Aneurisma da aorta torácica, sem menção de ruptura I7. Aneurisma da aorta abdominal, roto I7.4 Aneurisma da aorta abdominal, sem menção de ruptura I7.5 Aneurisma da aorta tóraco-abdominal, roto I7.6 Aneurisma da aorta toráco-abdominal, sem menção de ruptura I7.8 Aneurisma da aorta de localização não especificada, roto I7.9 Aneurisma aórtico de localização não especificada, sem menção de ruptura I7 Outros aneurismas I7.0 Aneurisma da artéria carótida I7. Aneurisma de artéria dos membros superiores I7. Aneurisma da artéria renal I7. Aneurisma de artéria ilíaca I7.4 Aneurisma de artéria dos membros inferiores I7.8 Aneurisma de outras artérias especificadas I7.9 Aneurisma de localização não especificada I7 Outras doenças vasculares periféricas I7.0 Síndrome de Raynaud

12 I7. Tromboangeíte obliterante (doença de Buerger) I7.8 Outras doenças vasculares periféricas especificadas I7.9 Doenças vasculares periféricas não especificada I74 Embolia e trombose arteriais I74.0 Embolia e trombose da aorta abdominal I74. Embolia e trombose de outras porções da aorta e das não especificadas I74. Embolia e trombose de artérias dos membros superiores I74. Embolia e trombose de artérias dos membros inferiores I74.4 Embolia e trombose de artérias dos membros não especificadas I74.5 Embolia e trombose da artéria ilíaca I74.8 Embolia e trombose de outras artérias I74.9 Embolia e trombose de artéria não especificada I77 Outras afecções das artérias e arteríolas I77.0 Fístula arteriovenosa adquirida I77. Estenose de artéria I77. Ruptura de artéria I77. Displasia fibromuscular arterial I77.4 Síndrome de compressão da artéria celíaca I77.5 Necrose de artéria I77.6 Arterite não especificada I77.8 Outras afecções especificadas das artérias e das arteríolas I77.9 Afecções de artérias e arteríolas, não especificadas I78 Doenças dos capilares I78.0 Telangiectasia hemorrágica hereditária I78. Nevo não-neoplásico I78.8 Outras doenças dos capilares I78.9 Doenças não especificadas dos capilares I79 Transtornos das artérias, das arteríolas e dos capilares em doenças classificadas em outra parte I79.0 Aneurisma da aorta em doenças classificadas em outra parte I79. Aortite em doenças classificadas em outra parte I79. Angiopatia periférica em doenças classificadas em outra parte I79.8 Outros transtornos das artérias, das arteríolas e dos capilares em doenças classificadas em outra parte I80 Flebite e tromboflebite I80.0 Flebite e tromboflebite dos vasos superficiais dos membros inferiores I80. Flebite e tromboflebite da veia femural I80. Flebite e tromboflebite de outros vasos profundos dos membros inferiores I80. Flebite e tromboflebite dos membros inferiores, não especificada I80.8 Flebite e tromboflebite de outras localizações I80.9 Flebite e tromboflebite de localização não especificada I8 Trombose da veia porta I8 Outra embolia e trombose venosas I8.0 Síndrome de Budd-Chiari I8. Tromboflebite migratória I8. Embolia e trombose de veia cava I8. Embolia e trombose de veia renal I8.8 Embolia e trombose de outras veias especificadas I8.9 Embolia e trombose venosas de veia não especificada I8 Varizes dos membros inferiores I8.0 Varizes dos membros inferiores com úlcera I8. Varizes dos membros inferiores com inflamação I8. Varizes dos membros inferiores com úlcera e inflamação I8.9 Varizes dos membros inferiores sem úlcera ou inflamação I84 Hemorróidas I84.0 Hemorróidas internas trombosadas I84. Hemorróidas internas com outras complicações I84. Hemorróidas internas sem complicações I84. Hemorróidas externas trombosadas I84.4 Hemorróidas externas com outras complicações I84.5 Hemorróidas externas sem complicação I84.6 Plicomas hemorroidários residuais I84.7 Hemorróidas trombosadas, não especificadas I84.8 Hemorróidas não especificadas com outras complicações I84.9 Hemorróidas sem complicações, não especificadas I85 Varizes esofagianas I85.0 Varizes esofagianas sangrantes I85.9 Varizes esofagianas sem sangramento I86 Varizes de outras localizações I86.0 Varizes sublinguais I86. Varizes escrotais I86. Varizes pélvicas I86. Varizes da vulva I86.4 Varizes gástricas I86.8 Varizes de outras localizações especificadas I87 Outros transtornos das veias I87.0 Síndrome pós-flebite I87. Compressão venosa I87. Insuficiência venosa (crônica) (periférica) I87.8 Outros transtornos venosos especificados I87.9 Transtorno venoso não especificado I88 Linfadenite inespecífica I88.0 Linfadenite mesentérica não específica I88. Linfadenite crônica, exceto a mesentérica I88.8 Outras linfadenites inespecíficas I88.9 Linfadenite não especificada I89 Outros transtornos não-infecciosos dos vasos linfáticos e dos gânglios linfáticos I89.0 Linfedema não classificado em outra parte I89. Linfangite I89.8 Outros transtornos não-infecciosos, especificados, dos vasos linfáticos e dos gânglios linfáticos I89.9 Transtornos não-infecciosos dos vasos linfáticos e dos gânglios linfáticos, não especificados I95 Hipotensão I95.0 Hipotensão idiopática I95. Hipotensão ortostática I95. Hipotensão devida a drogas I95.8 Outros tipos de hipotensão I95.9 Hipotensão não especificada I97 Transtornos do aparelho circulatório, subseqüentes a s não classificados em outra parte I97.0 Síndrome pós-cardiotomia I97. Outros distúrbios funcionais subseqüentes à cirurgia cardíaca I97. Síndrome do linfedema pós-mastectomia I97.8 Outros transtornos do aparelho circulatório subseqüentes a s não classificados em outra parte I97.9 Transtornos do aparelho circulatório, subseqüentes a não especificado I98 Outros transtornos do aparelho circulatório em doenças classificadas em outra parte I98.0 Sífilis cardiovascular I98. Transtornos cardiovasculares em outras doenças infecciosas e parasitárias classificadas em outra parte I98. Varizes esofagianas em doenças classificadas em outra parte I98.8 Outros transtornos especificados do aparelho circulatório em doenças classificadas em outra parte I99 Outros transtornos do aparelho circulatório e os não especificados A5.0 Sífilis cardiovascular D65 Coagulação intravascular disseminada (síndrome de desfibrinação)

13 D68. Transtorno hemorrágico devido a anticoagulantes circulantes E0.5 Diabetes mellitus insulino-dependente com complicações circulatórias periféricas E.5 Diabetes mellitus não-insulino-dependente com complicações circulatórias periféricas E.5 Diabetes mellitus relacionado com a desnutrição com complicações circulatórias periféricas E.5 Outros tipos especificados de diabetes mellitus com complicações circulatórias periféricas E4.5 Diabetes mellitus não especificado com complicações circulatórias periféricas G45 Acidentes vasculares cerebrais isquêmicos transitórios e síndromes correlatas G46 Síndromes vasculares cerebrais que ocorrem em doenças cerebrovasculares G46. Síndromes vasculares do tronco cerebral G46.4 Síndrome vascular cerebelar G46.8 Outras síndromes vasculares cerebrais em doenças cerebrovasculares G95. Mielopatias vasculares H.4 Outros transtornos vasculares e cistos conjuntivais H4 Oclusões vasculares da retina H4.8 Outras oclusões vasculares retinianas H4.9 Oclusão vascular retiniana não especificada H5.0 Retinopatias de fundo e alterações vasculares da retina H9.0 Transtornos degenerativos e vasculares do ouvido K55 Transtornos vasculares do intestino K55.0 Transtornos vasculares agudos do intestino K55. Transtornos vasculares crônicos do intestino K55.8 Outros transtornos vasculares do intestino K55.9 Transtorno vascular do intestino, sem outra especificação L94.5 Poiquilodermia vascular atrófica N50. Transtornos vasculares dos órgãos genitais masculinos O99.4 Doenças do aparelho circulatório complicando a gravidez, o parto e o puerpério P00. Feto e recém-nascido afetados por outras doenças circulatórias e respiratórias maternas P9 Transtornos cardiovasculares originados no período perinatal P9. Persistência da circulação fetal P9.8 Outros transtornos cardiovasculares originados no período perinatal P9.9 Transtornos cardiovasculares não especificados originados no período perinatal P60 Coagulação intravascular disseminada do feto e do recém-nascido Q7 Outras malformações congênitas do sistema vascular periférico Q7.8 Outras malformações congênitas especificadas do sistema vascular periférico Q7.9 Malformação congênita não especificada do sistema vascular periférico Q8 Outras malformações congênitas do aparelho circulatório Q8.8 Outras malformações congênitas especificadas do aparelho circulatório Q8.9 Malformação congênita não especificada do aparelho circulatório R09 Outros sintomas e sinais relativos aos aparelhos circulatório e respiratório R09.8 Outros sintomas e sinais especificados relativos aos aparelhos circulatório e respiratório R9. Achados anormais de exames para diagnóstico por imagem do coração e da circulação coronariana R94. Resultados anormais de estudos da função cardiovascular T46 Intoxicação por substâncias que atuam primariamente sobre o aparelho circulatório T46.9 Intoxicação por outras substâncias e as não especificadas que agem essencialmente sobre o aparelho circulatório T80. Complicações vasculares subseqüentes à infusão, transfusão e injeção terapêutica T8.7 Complicações vasculares subseqüentes a um não classificado em outra parte T8 Complicações de dispositivos protéticos, implantes e enxertos cardíacos e vasculares T8. Complicações mecânicas de outros enxertos vasculares T8.4 Complicação mecânica de cateter vascular de diálise T8.5 Complicações mecânicas de outros dispositivos e implantes cardiovasculares T8.7 Infecção e reação inflamatórias devidas a outros dispositivos, implantes e enxertos cardíacos e vasculares T8.8 Outras complicações de dispositivos protéticos, implantes e enxertos cardíacos e vasculares T8.9 Complicações não especificada de dispositivo protético, implante e enxerto cardíacos e vasculares Y5 Efeitos adversos de substâncias que atuam primariamente sobre o aparelho cardiovascular Y5.9 Efeitos adversos de outras drogas que atuam primariamente sobre o aparelho cardiovascular e as não especificadas Y7 Dispositivos (aparelhos) cardiovasculares, associados a incidentes adversos Y7.0 Dispositivos (aparelhos) cardiovasculares, associados a incidentes adversos dispositivos (aparelhos) para fins diagnósticos ou de monitorização Y7. Dispositivos (aparelhos) cardiovasculares, associados a incidentes adversos dispositivos (aparelhos) para fins terapêuticos (não-cirúrgicos) e aparelhagem de reabilitação Y7. Dispositivos (aparelhos) cardiovasculares, associados a incidentes adversos próteses e outros implantes, incluindo materiais e acessórios Y7. Dispositivos (aparelhos) cardiovasculares, associados a incidentes adversos instrumentos, materiais e aparelhos cirúrgicos (incluindo suturas) Y7.8 Dispositivos (aparelhos) cardiovasculares, associados a incidentes adversos dispositivos (aparelhos) diversos, inclusive combinações, não classificada em outra parte Z0.5 Observação por suspeita de outras doenças cardiovasculares Z.6 Exame especial de rastreamento de doenças cardiovasculares Z45. Ajustamento e manuseio de dispositivo de acesso vascular Z8. História familiar de acidente vascular cerebral Z8.4 História familiar de doença isquêmica do coração e outras doenças do aparelho circulatório Z86.7 História pessoal de doenças do aparelho circulatório Z95 Presença de implantes e enxertos cardíacos e vasculares Z95.8 Presença de outros implantes e enxertos cardíacos e vasculares Z95.9 Presença de implante e enxerto cardíaco e vascular não especificado

14 Protocolo de Endovascular Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular Identificação Paciente Convenio Contacto Médico Descrição Resumida Explicações Quadro clinico: Procedimentos Solicitados: Embolização de fistula arteriovenosa não especificadapor vaso E demais outras embolizações A Por vaso Por vaso Tratamento Endovascular com Embolização Vascular de Órgão ou Região Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário - por vaso Angiografia por cateterismo superseletivo de ramo secundário ou distal - por vaso Embolização Principal conforme CBHPM B C C C Angio pré Angio pós Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia de vaso de grande porte, uma angiografia seletiva ou super-seletiva por vaso, a passagem de fio guia até a artéria alvo e colocação de cateter ou micro-cateter na artéria alvo, realização da embolização, necessitando de angiografia de de embolização por vaso e finalmente uma angiografia pós-. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. Materiais possíveis de serem utilizados para a embolização: Molas fibradas, não fibradas 05 e 08, micro molas de liberação controlada ou não, partículas de PVA, micro esferas de PVA, cola cirúrgica, líquidos esclerosantes, resinas embolizantes, plug vascular, e demais materiais. Alcoolização percutanea de angioma B Por vaso X Embolização arterial para 0A Por vaso tratamento de priapismo Embolização brônquica para 8A Por vaso tratamento da hemoptise Embolização de aneurisma ou 0A Por vaso pseudoaneurisma visceral Embolização de artéria renal para 8A Por vaso nefrectomia Embolização de arteria uterina para 8C Por vaso tratamento de mioma ou outras situações Embolização de fistula arteriovenosa 0A Por vaso em cabeça, pescoço ou coluna S Materiais a ficarem disponíveis, nem todos serão utilizados Marca/Fornecedor Introdutor curto, longo ou angulado a Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte a Fio guia de menor diâmetro que 05 Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Cateter hidrofílico de suporte Microcateter a Fio guia de menor diâmetro a Material Embolizante Balão de angioplastia Oclusor plug vascular Oclusor acesso femoral Justificativa dos Materiais- Marcas: Escolhido pelo medico Data, hora e local da cirurgia Anestesia: sim ( ) não( ) Qual anestesia? Procedimento especial: Tempo Cirúrgico ( ) hora(s) Banco de Sangue: sim ( ) não ( ) Qtidade de Bolsas ( ) bolsas Tipagem de Sangue: sim ( ) não ( ) Necessita vaga UTI sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Necessita vaga apto sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Equipamentos Especiais Sim Não Bisturi elétrico Aspirador Bomba injetora Atenciosamente, a disposição para outros esclarecimentos 4

15 . Esclarecimentos técnicos dos s.. Materiais de consumo para o, tais como conectores de bomba injetora, em Y, torneiras de alta e baixa pressão, contraste radiológico, seringas de injetoras, etc não precisam de autorização pois são essenciais ao... Angioplastia com uso de stent... Todo requer um estudo angiográfico pré, mesmo que haja estudo angiográfico prévio, pois podem ocorrer evolução da própria doença.... O código de angioplastia de determinado vaso não inclui o estudo do mesmo, tanto pré e pós.... Caso seja utilizado um stent, temos duas situações... Implante primário de stent, sem necessidade de pré ou pós dilatação, ou seja, o uso de um stent primário balão expansível.... Implante de stent com pré-dilatação da lesão com cateter balão para permitir a passagem do stent balão expansível ou autoexpansível.... Implante de stent com pós dilatação para a abertura e acomodação do stent Nessas duas ultimas situações serão cobrados códigos independentes (o da angioplastia e o do implante de stent)..4. Todo terapêutico requer um estudo angiográfico pós- para a documentação do, e deve ser cobrado separadamente, não estando embutido no terapêutico... Auxiliares de Cirurgia, seguindo o capitulo 5 das Instruções Gerais da CBHPM... A valoração dos serviços prestados pelos médicos auxiliares dos atos cirúrgicos corresponderá o percentual de 0% do porte do ato praticado pelo cirurgião para o primeiro auxiliar, de 0% para o segundo e terceiro auxiliares e, quando o caso exigir, também para o quarto auxiliar.... Quando uma equipe, num mesmo ato cirúrgico, realizar mais de um, o número de auxiliares será igual ao previsto para o de maior porte, e a valoração do porte para os serviços desses auxiliares será calculada sobre a totalidade dos serviços realizados pelo cirurgião..4. Não existe valoração por unidade de internação, segundo capitulo 6. das Instruções Gerais, porém estamos solicitando re-estudo pela comissão da CBHPM, pois existe exceções de outras áreas..5. Não há redução dos s por mesmo acesso pois o capítulo 4 é por somatória dos s..6. Existe valoração por urgência e emergência médica, segundo capitulo das Instruções Gerais..7. Quando forem utilizados códigos dos Capítulos Procedimentos Cirúrgicos e Invasivos, seguiram as normas específicas desse capítulo..8. Recomendamos a todos os sócios adotarem essa formatação na solicitação dos s endovasculares. 5

16 Protocolo de Endovascular Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular Identificação Paciente Convenio Contacto Médico Descrição Resumida Explicações Quadro clinico: Procedimentos Solicitados: Tratamento Endovascular do Aneurisma Aorto-Iliaco com envolvimento das hipogástricas Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso (X) posicionamento ( a 5X) Implante de endoprótese em aneurisma de aorta abdominal ou torácica com stent revestido (stent-graft) ( a X) Colocação de stent em artéria visceral- por vaso ( a X) Angioplastia de artéria visceral por vaso ( a X) Acesso cirúrgico femorais e braquiais B C A C A C A discutir Angio pré Por vaso/ prótese implantada Por vaso/ prótese implantada Angio pós Considerando que é realizado dois a quatro acessos vasculares, uma angiografia pré-, a passagem de fio guia e liberação de endoproteses, seletivação de ramos hipogástricos com colocação de fios guias e stents revestidos nas artérias hipogastricas, seguido de angioplastia e realizado angiografia de posicionamento e acomodação por balão, seguido de angiografia pós. Para ramificadas de ilíaca, é preciso também um stent revestido (que vai para a ilíaca interna) e um stent não revestido que pode ser necessário dentro do primeiro, em caso de dobra por tortuosidade. (uni ou bilateral). Procedimentos auxiliares, tipo acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses s auxiliares, como exemplo, embolização de hipogástrica. Materiais a ficarem disponíveis, nem todos serão utilizados Marca/Fornecedor Endoprotese Fenestrada, Ramificada ou não a Conjunto de Endoproteses com bifurcação aórtica, conforme a marca solicitada a Introdutor curto a Introdutores de grande diâmetro a Introdutor longo ou contralateral a Fio guia hidrofílico Fio guia de suporte a 4 Fio guia de menor diâmetro que 05 a Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Cateter hidrofílico de suporte Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de acomodação Oclusor plug vascular Oclusor ilíaco Oclusor acesso femoral Justificativa dos Materiais- Marcas: Data, hora e local da cirurgia Anestesia: sim ( ) não( ) Qual anestesia? Procedimento especial: Tempo Cirúrgico ( ) hora(s) Banco de Sangue: sim ( ) não ( ) Qtidade de Bolsas ( ) bolsas Tipagem de Sangue: sim ( ) não ( ) Necessita vaga UTI sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Necessita vaga apto sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Equipamentos Especiais Sim Não Bisturi elétrico Aspirador Bomba injetora Atenciosamente, a disposição para outros esclarecimentos 6

17 Protocolo de Endovascular Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular Identificação Paciente Convenio Contacto Médico Descrição Resumida Explicações Quadro clinico: Introdutor curto a Procedimentos Solicitados: Tratamento Endovascular do Aneurisma da Aorta Abdominal sem envolvimento hipogastricas Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso (X) posicionamento (X) Implante de endoprótese em aneurisma de aorta abdominal ou torácica com stent revestido (stent-graft) ( a X) B C A C Angio pré Por vaso/ prótese implantada Angio pós Acesso cirúrgico femorais e braquiais A discutir Considerando que são realizados dois ou três acessos vasculares, uma angiografia pré- do segmento aórtico e outra do segmento ilíaco, a passagem de fio guia e liberação de endoprotese (tronco) e endoprótese (contralateral) ou similar, realizado angiografia de posicionamento mínimo de vezes, e acomodação por balão em artérias, seguido de angiografia pós-. Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. Procedimentos auxiliares, tipo embolização de artéria hipogástrica, angioplastia de artérias renais ou ilíacas, acesso vascular ilíaco com ou sem realização de conduto vascular para a passagem das endopróteses, endarterectomias, profundoplastias, embolectomia ou trombectomia, e demais variáveis serão adicionadas aos códigos acima, com justificativa medica desses s auxiliares. Materiais a ficarem disponíveis, nem todos serão utilizados Marca/Fornecedor Conjunto de Endoproteses com bifurcação aórtica, conforme a marca solicitada Introdutores de grande diâmetro Introdutor longo ou contralateral Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte a Fio guia de menor diâmetro que 05 Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Cateter hidrofílico de suporte Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de acomodação Molas de embolização fibradas Oclusor ilíaco Oclusor acesso femoral Justificativa dos Materiais- Marcas: Data, hora e local da cirurgia Anestesia: sim ( ) não( ) Qual anestesia? Procedimento especial: Tempo Cirúrgico ( ) hora(s) Banco de Sangue: sim ( ) não ( ) Qtidade de Bolsas ( ) bolsas Tipagem de Sangue: sim ( ) não ( ) Necessita vaga UTI sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Necessita vaga apto sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Equipamentos Especiais Sim Não Bisturi elétrico Aspirador Bomba injetora Endoprotese aórtica extensão proximal e/ou distal Atenciosamente, a disposição para outros esclarecimentos 7

18 Protocolo de Endovascular Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular Identificação Paciente Convenio Contacto Médico Descrição Resumida Explicações Quadro clinico: Procedimentos Solicitados: Colocação de Filtro de Veia Cava Angiografia por cateterismo não Angio pré B seletivo de grande vaso Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário - por vaso (X) C Colocação de filtro de veia cava B C Angio pré Angio pós Considerando que é realizado um ou dois acessos vasculares, uma angiografia de vaso de grande porte, uma angiografia seletiva ou super-seletiva por vaso para identificação das veias renais, a passagem de fio guia até a veia cava alvo e colocação do filtro, necessitando de uma angiografia pós-. Justificativa dos Materiais - Marcas: Data, hora e local da cirurgia Anestesia: sim ( ) não( ) Qual anestesia? Procedimento especial: Tempo Cirúrgico ( ) hora(s) Banco de Sangue: sim ( ) não ( ) Qtidade de Bolsas ( ) bolsas Tipagem de Sangue: sim ( ) não ( ) Necessita vaga UTI sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Necessita vaga apto sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Equipamentos Especiais Sim Não Bisturi elétrico Aspirador Bomba injetora Atenciosamente, a disposição para outros esclarecimentos Notas: acesso femoral contra-lateral ou jugular são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. Materiais a ficarem disponíveis, nem todos serão utilizados Marca /Fornecedor Introdutor curto, longo ou angulado Fio guia hidrofílico Fio guia de suporte Cateter pigtail centimentrado Cateter diagnostico a Filtro de Veia Cava 8

19 Protocolo de Endovascular Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular Identificação Paciente Convenio Contacto Médico Descrição Resumida Explicações Quadro clinico: Procedimentos Solicitados: Angioplastia da artéria carótida ou vertebral Angiografia por cateterismo seletivo C Angio pré posicionamento Angioplastia de tronco supra aórtico Colocação de stent em tronco supra aórtico C A A C Angio pós Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia identificando o arco aórtico e a carótida alvo pré- compreendendo a lesão carotídea e o estudo intra-craniano, a colocação de sistema de proteção cerebral, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado a colocação de stent vascular seguido de angioplastia e finalmente uma angiografia pós da lesão carotídea e estudo intra-craniano. Justificativa dos Materiais- Marcas: Data, hora e local da cirurgia Anestesia: sim ( ) não( ) Qual anestesia? Procedimento especial: Tempo Cirúrgico ( ) hora(s) Banco de Sangue: sim ( ) não ( ) Qtidade de Bolsas ( ) bolsas Tipagem de Sangue: sim ( ) não ( ) Necessita vaga UTI sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Necessita vaga apto sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Equipamentos Especiais Sim Não Bisturi elétrico Aspirador Bomba injetora Atenciosamente, a disposição para outros esclarecimentos Notas: acesso femoral contra-lateral ou braquial são opções de acesso vascular, necessitando de outros materiais, conforme justificativa médica; assim como outras técnicas cirúrgicas. Materiais a ficarem disponíveis, nem todos serão utilizados Marca/Fornecedor Introdutor curto a Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Fio guia de menor diâmetro que 05 a Cateter diagnostico Cateter Guia ou Introdutor longo ou contralateral Sistema de Proteção cerebral proximal ou distal Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia Balão de angioplastia para pré-dilatação por vaso Cateter recanalizador Oclusor femoral Microcateter Sistema de resgate de embolos 9

20 Protocolo de Endovascular Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular Identificação Paciente Convenio Contacto Médico Descrição Resumida Explicações Quadro clinico: Procedimentos Solicitados: Angioplastia da artéria femoral Angiografia por cateterismo seletivo de ramo primário- por vaso posicionamento Angioplastia transluminal percutânea para tratamento de obstrução arterial Colocação de stent para tratamento de obstrução arterial ou venosa - por vaso C C B A C Angio pré Angio pós Considerando que é realizado um acesso vascular, uma angiografia pré-, a passagem de fio guia pela estenose ou oclusão, realizado uma angioplastia, nova angiografia, e eventual colocação de stent, seguido ou não de nova angioplastia e finalmente uma angiografia pós-. Justificativa dos Materiais- Marcas: Data, hora e local da cirurgia Anestesia: sim ( ) não( ) Qual anestesia? Procedimento especial: Tempo Cirúrgico ( ) hora(s) Banco de Sangue: sim ( ) não ( ) Qtidade de Bolsas ( ) bolsas Tipagem de Sangue: sim ( ) não ( ) Necessita vaga UTI sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Necessita vaga apto sim ( ) não ( ) Quantas ( ) Equipamentos Especiais Sim Não Bisturi elétrico Aspirador Bomba injetora Atenciosamente, a disposição para outros esclarecimentos Materiais a ficarem disponíveis, nem todos serão utilizados Marca/Fornecedor Introdutor a Introdutor longo ou contralateral Fio guia hidrofílico a Fio guia de suporte Cateter diagnostico a Insuflador de pressão controlada Balão de angioplastia a Balão de angioplastia para prédilatação Trombectomia mecânica Cateter recanalizador Oclusor femoral a por vaso 0

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular

Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Protocolo de Procedimentos para Cirurgia Endovascular Presidente Guilherme Benjamin Brandão Pitta Secretário Geral Marcelo Araujo Coordenador Dino Fecci Colli Protocolo de Angiorradiologia e Cirurgia

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular SoBRICE Colégio Brasileiro de Radiologia

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais,

Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Portaria nº 451 de 12 de Julho de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a angioplastia arterial periférica associada ao uso de prótese endovascular

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia

Estado Atual do Tratamento do AVCI Agudo: Literatura e Experiência Pessoal. Workshop de Intervenção em Ginecologia e Obstetrícia AUDITÓRIO II PROGRAMA SIMPÓSIO SBNRDT 09h00-12h30 12h30-14h00 14h00-15h45 14h00-14h35 14h35-15h10 15h10-15h45 15h45-16h15 16h15-16h45 16h45-18h30 STROKE I Tratamento do AVCI Agudo - Indicações Clínicas

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR QUESTÃO 21 Paciente com síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores de longa data apresentando queixa de claudicação incapacitante

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2.

Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. PROVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015/2016 ÁREA DE ATUAÇÃO: ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA ENDOVASCULAR 1 Baseado no Caso Clínico Abaixo Responda as Questões 1 e 2. Paciente 80 anos, insuficiência cardíaca em tratamento

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011 REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES Frederico Cavalheiro Março 2011 INTRODUÇÃO Doença vascular periférica, pode corresponder a qualquer entidade

Leia mais

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL

DISSECÇÃO AÓRTICA. Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL Eurival Soares Borges Revisão - Ronaldo Ducceschi Fontes DISSECÇÃO AÓRTICA DEFINIÇÃO HISTÓRICO ETIOLOGIA CLASSIFICAÇÃO PATOGÊNESE E HISTÓRIA NATURAL QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO TRATAMENTO CLÍNICO INDICAÇÃO

Leia mais

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA

DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA DICIONÁRIO DE TERMOS DA HEMODINÂMICA Aneurisma: dilatação e protusão localizada da parede de um vaso (principalmente artéria) ou do coração, decorrente de uma fragilidade estrutural local. Angina: também

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Não se justifica a indicação de revascularização

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Figura 1 Principais áreas de atuação

Figura 1 Principais áreas de atuação AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA GREVE DA ANVISA NO SETOR DE SAÚDE A Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares realizou junto as suas empresas

Leia mais

I00-I99 CAPÍTULO IX : Doenças do aparelho circulatório I00-I02 Febre reumática aguda I05-I09 Doenças cardíacas reumáticas crônicas I10-I15 Doenças hipertensivas I20-I25 Doenças isquêmicas do coração I26-I28

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR TABELAS DE PROCEDIMENTOS DO SIA E SIH/SUS Portaria SAS/MS nº 210/2004

ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR TABELAS DE PROCEDIMENTOS DO SIA E SIH/SUS Portaria SAS/MS nº 210/2004 Cirurgia Cardiovascular de Média Complexidade - SIH/SUS ORGANIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DA ASSISTÊNCIA CARDIOVASCULAR 48.010.01-4 32.005.01-6 Implante de marcapasso temporário transvenoso hospital Transvenoso

Leia mais

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica

Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica Conheça alguns termos comumente utilizados na Hemodinâmica O QUE É CATETERISMO CARDÍACO? O Cateterismo Cardíaco é um procedimento realizado com o objetivo de diagnosticar e/ou tratar inúmeras patologias

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA Álvaro Laranjeira Santos Serviço de Cirurgia Cardiotorácica CHLC- Hospital Santa Marta Sistematização Grupo 1 Aorta descendente c TEVAR isolado Grupo 2 Arco aórtico

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR

DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO DISCURSIVA CIRURGIA VASCULAR/ANGIOLOGIA CIRURGIA ENDOVASCULAR ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do

Leia mais

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso 40812006 PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS (MÉTODOS DIAGNOS 40812014 Aortografia abdominal por punção translombar 40812022 Angiografia por punção 40812030 Angiografia por cateterismo não seletivo

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

PROGRAMAS DE PROVAS CONCURSO TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS PROGRAMA DE PROVAS DOS CARGOS 801 A 805 MÉDICO NÍVEL E

PROGRAMAS DE PROVAS CONCURSO TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS PROGRAMA DE PROVAS DOS CARGOS 801 A 805 MÉDICO NÍVEL E PROGRAMAS DE PROVAS CONCURSO TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS PROGRAMA DE PROVAS DOS CARGOS 801 A 805 MÉDICO NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de

Leia mais

Dicas e Truques para facilitar a Intervenção Carotídea. Dr. Marcos A Marino Hospital Madre Teresa BH - MG

Dicas e Truques para facilitar a Intervenção Carotídea. Dr. Marcos A Marino Hospital Madre Teresa BH - MG XXXIV CONGRESSO DA SBHCI Salvador -Bahia Dicas e Truques para facilitar a Intervenção Carotídea Percutanea Dr. Marcos A Marino Hospital Madre Teresa BH - MG Técnica e Seleção dos Devices Dificuldade de

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2011

Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2011 Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2011 A remuneração do intervencionista: a realidade do SUS e da saúde suplementar Adriano Dias Dourado Oliveira Cardiologista

Leia mais

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE ANEURISMA DE AORTA. CORREÇÃO POR VIA ENDO-VASCULAR ESTADO DA ARTE Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Seção Médica de Radiologia 2010 ACCF/AHA/AATS/ACR/ASA/SCA/SCAI/SIR/STS SVM Guidelines for the

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Seleção dos pacientes

Seleção dos pacientes Livro(Atlas) Dr. Otoni Moreira Gomes e Alfredo Fiorelli Capítulo Tratamento endovascular das patologias da aorta Dr. Eduardo Keller Saadi* *Mestre e Doutor em Medicina *Pós Doutorado pelo Royal Brompton

Leia mais

Ficha de Identificação do Paciente (Apenas para uso interno. Esta informação não é para ser incluída no CRF)

Ficha de Identificação do Paciente (Apenas para uso interno. Esta informação não é para ser incluída no CRF) Ficha de Identificação do Paciente (Apenas para uso interno. Esta informação não é para ser incluída no CRF) 1.1 Informação do Paciente Primeiro nome do paciente Último sobrenome do paciente Data de Nascimento

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR

PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR Edital Nº 03/2015 RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 CADERNO DE QUESTÕES DATA: 1º DE NOVEMBRO DE 2015. PROGRAMAS COM ANOS ADICIONAIS: CIRURGIA VASCULAR ÿû C ESPECIALIDADE: Cirurgia Vascular (R3) Área de Atuação: Ecografia

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO E ANGIOPLASTIA CORONARIANA ERIKA GURGEL

CATETERISMO CARDÍACO E ANGIOPLASTIA CORONARIANA ERIKA GURGEL CATETERISMO CARDÍACO E ANGIOPLASTIA CORONARIANA ERIKA GURGEL ANATOMIA CORONARIANA Sistema Cardiovascular Também denominado Sistema Circulatório. Circuito contínuo que transporta oxigênio e nutrientes a

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise.

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Em função de ocorrer dúvidas em relação ao encaminhamento do benefício do passe-livre intermunicipal,

Leia mais

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL

CATATERIZAÇÃO DA ARTÉRIA UMBILICAL CATÉTERES Trataremos das indicações e das técnicas de introdução do catéter de artéria e veia umbilical e do catéter percutâneo. Nos casos de cataterização umbilical, tanto arterial quanto venosa está

Leia mais

255.41 255.4 Deficiência glicocorticóide 255.42 255.4 Deficiência mineralocorticóide

255.41 255.4 Deficiência glicocorticóide 255.42 255.4 Deficiência mineralocorticóide Lista de códigos de diagnósticos da CID-9-MC de Outubro de 2007 e código anterior de Outubro de 2003 a utilizar no Integrador de GDHs (enquanto este não for actualizado) O mapeamento (2007 2003) é definido

Leia mais

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CIRURGIA VASCULAR Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

Ações da Anvisa para dispositivos médicos implantáveis decorrentes do GTI

Ações da Anvisa para dispositivos médicos implantáveis decorrentes do GTI Ações da Anvisa para dispositivos médicos implantáveis decorrentes do GTI Apresentação para o Grupo de Trabalho Externo de OPME da ANS Rio de Janeiro, 26 de janeiro de 2016 Nomenclatura de Dispositivos

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs PREPAROS DOS EXAMES E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM 08.01 Ablação por Cateter com Radiofrequência 08.02 Alergia aos Contrastes Iodados 08.03 Angio Ressonância Abdome

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Enf. MSc. Débora Soares de Oliveira 2015

Enf. MSc. Débora Soares de Oliveira 2015 Enf. MSc. Débora Soares de Oliveira 2015 HEMODINÂMICA SALA DE COMANDO PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS REALIZADOS NUMA HEMODINÂMICA: CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA E ENDOVASCULAR: CATETERISMOS (CINECORONARIOGRAFIA);

Leia mais

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea

Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Hospital Dr. Hélio Angotti Complicações relacionadas ao cateterismo cardíaco e intervenção percutânea Dr. Achilles Gustavo da Silva Introdução Procedimento relativamente seguro Riscos bem definidos de

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

1. Resumo executivo... 2 2. Conclusão... 2 2.1... 2 2.2. Recomendação... 2 3. Análise da solicitação... 2

1. Resumo executivo... 2 2. Conclusão... 2 2.1... 2 2.2. Recomendação... 2 3. Análise da solicitação... 2 NTRR 22/2014 Solicitante: BERNADETE PORTUGAL SIMÃO Data:31 /01 /2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0001041-06.2014.8.13.0444 Réu: Estado de Minas Gerais TEMA: Aneurisma

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Caderno de Prova. Cirurgia Vascular

Caderno de Prova. Cirurgia Vascular Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (SES) Processo Seletivo para Médico Residente Edital n o 001/2010 http://mr.fepese.org.br Caderno de Prova novembro 13 13 de novembro

Leia mais

UFT/COPESE Residência Médica 2016

UFT/COPESE Residência Médica 2016 Prova de Residência Médica 0 PROVA DE PRÉ-REQUISITO EM CIRURGIA VASCULAR QUESTÃO 01 O pescoço, formação ímpar do corpo humano, representa umas das regiões anatômicas que mais exerce fascínio sobre anatomistas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 A confecção de acessos vasculares definitivos para hemodiálise (FAV) tornou-se um dos principais procedimentos realizados pelos cirurgiões vasculares em todo o mundo.

Leia mais

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica

Workshop de Angiografia Da Teoria à Prática Clínica Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Responsabilidade de Oftalmologia Associação para a Investigação Biomédica e Inovação em Luz e Imagem Sociedade Portuguesa de Oftalmologia Workshop

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS INERENTES - SANTA CASA SAÚDE

PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS INERENTES - SANTA CASA SAÚDE 1 - Agulha Punção Biópsia de outros órgãos 01 1/3 2 - Agulha para punção de próstata * (pagar somente quando não cobrar agulha de CHIBA) 3 - Agulha de Chiba * (pagar somente quando não cobrar agulha de

Leia mais

Rede de Cardiologia de Alta Complexidade do Estado do Rio de Janeiro

Rede de Cardiologia de Alta Complexidade do Estado do Rio de Janeiro Parâmetros para quantitativos de habilitações por tipo de serviço Serviços Parâmetros Nº máximo de unidades Quantitativo atual Cirurgia 1:600.000/Portaria 210 26 20 Cardiovascular Cirurgia Pediátrica 1:800.000/Portaria

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR Situação-Problema 1 A) Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar maciço TEP TEP maciço

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR BANCO DE QUESTÕES CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR NT1: A importância do conhecimento de anatomia e fisiologia no UE1: Uma abordagem

Leia mais

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Doença carotídea Doença arterial periférica Isquemia aguda Estenose da artéria renal

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR Situação-Problema 1 A) Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar maciço B) Angiotomografia

Leia mais

Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue

Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue Sistema Cardiovascular Vasos e Sangue Objetivo da Aula Compreender os tipos e funções dos vasos sanguíneos. Adquirir a capacidade de aplicar este conhecimento na prática acadêmica e profissional da Educação

Leia mais

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999

As principais causas de morte em Portugal de 1990-1999 As principais causas de morte em Portugal de 199-1999 Observatório Nacional de Saúde. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge Lisboa 3 1 Ficha Técnica Portugal. Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO CARDÍACO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de

Leia mais

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES Prof: João Paulo SOPRO NO CORAÇÃO É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração, provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes

Leia mais

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NEUROLOGIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOMUNICÍPIO - IPM IPM SAÚDE AUDITORIA EM SAÚDE ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO: REDIMENSIONAMENTO DO

Leia mais

ÓRTESES E PRÓTESES DE HEMODINÂMICA E CATÉTERES

ÓRTESES E PRÓTESES DE HEMODINÂMICA E CATÉTERES ÓRTESES E PRÓTESES DE HEMODINÂMICA E CATÉTERES Item DESCRIÇÃO DETALHADA OBSERVAÇÕES QUANTIDADE ANNUAL ADESIVO TISSULAR. AGENTE EMBOLIZANTE LIQUIDO COM CAPACIDADE DE POLIMERIZACAO APOS O CONTATO COM IONS;

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

Q u e s t õ e s D i s c u r s i v a s

Q u e s t õ e s D i s c u r s i v a s Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local

Leia mais

Sistema circulatório. Coração e generalidades

Sistema circulatório. Coração e generalidades Sistema circulatório Coração e generalidades Sistema Circulatório Coração propulsão do sangue Vasos centrípetos veias e linfáticos: condução Vasos centífugos artérias: condução Capilares: trocas Função:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL COM SOFTWARE NINTENDO WII COMO TRATAMENTO EM PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

UTILIZAÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL COM SOFTWARE NINTENDO WII COMO TRATAMENTO EM PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO UTILIZAÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL COM SOFTWARE NINTENDO WII COMO TRATAMENTO EM PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO WILTEMBURG, Wagner Siqueira Dicente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de

Leia mais