FÍSTULAS DIGESTIVAS Maria Isabel T. D. Correia Profa. Titular de Cirurgia Faculdade de Medicina Universidade Federal de Minas Gerais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÍSTULAS DIGESTIVAS Maria Isabel T. D. Correia Profa. Titular de Cirurgia Faculdade de Medicina Universidade Federal de Minas Gerais"

Transcrição

1 1 FÍSTULAS DIGESTIVAS Maria Isabel T. D. Correia Profa. Titular de Cirurgia Faculdade de Medicina Universidade Federal de Minas Gerais Generalidades As fístulas digestivas são definidas como comunicação anormal entre vísceras ocas (fístulas internas) ou entre estas e a pele (fístulas externas). Podem ser congênitas ou adquiridas, sendo as últimas pós-operatórias, traumáticas ou espontâneas. A maioria das fístulas digestivas adquiridas ( % ) são pós-operatórias 1. Podem se apresentar sob a forma de quadros dramáticos, com mortalidade significativa. Assim, o adequado manuseio dessa complicação por cirurgião mais experiente implica em evidente redução da morbidez e mortalidade. Por exemplo, não é incomum, em algumas situações de abordagem cirúrgica precoce, ao identificar o orifício fistuloso da anastomose, especialmente quando pequeno, o cirurgião inexperiente acreditar que um simples ponto no local corrigiria o problema. Entretanto, pelas condições locais, o que frequentemente se observa é a ampliação do orifício após o manuseio. Evitar atitudes heróicas é salutar, sob todos os aspectos. O tratamento primário das fístulas digestivas pósoperatórias é conservador, reservando-se a abordagem cirúrgica para casos de insucesso. Classificação Existem múltiplas classificações de fístulas digestivas mas as que trazem maior informação prática são as estabelecidas de acordo com critérios anatômicos, fisiológicos e etiológicos. Os dados anatômicos estão relacionados com os procedimentos cirúrgicos previamente executados, fatores de risco para o surgimento da fístula ou, por meio de realização de ultrassonografia abdominal, tomografia computadorizada, ressonância magnética do abdome e estudos radiológicos contrastados convencionais ou administrando o contraste pelo trajeto da fístula. Os primeiros métodos de imagem citados quase sempre localizam coleções purulentas intra-abdominais. O estudo contrastado através do orifício externo da fístula é o que traz maiores informações anatômicas da fístula, mas não substitui os demais métodos pois fornece informações distintas. O manuseio do trajeto da fístula deve ser cuidadoso e preferencialmente realizado alguns dias após a instalação, quando ocorrer estabilização da fístula, com bloqueio peritonial do trajeto, permitindo a realização do estudo. As fístulas podem ser internas, externas, envolvendo múltiplos órgãos, com ou sem descontinuidade total, com ou sem obstrução distal, de trajeto curto ou longo (tendo como base dois centímetros) e com defeitos na parede intestinal maiores ou menores do que um centímetro de diâmetro. Alguns fatores que influenciam a cicatrização espontânea das fístulas estão listados na tabela 1 1. A classificação fisiológica leva em consideração o débito da fístula em 24 horas e assume grande importância ao identificar os pacientes que terão perdas maiores de líquidos,

2 2 eletrólitos e proteínas. Nestes o índice de morbimortalidade é maior 1. O débito da fístula não é marcador prognóstico da cicatrização espontânea. As fístulas são consideradas de baixo débito quando o volume drenado em 24 horas, no paciente em jejum, é inferior a 200mL, de débito moderado quando esse está entre 200 e 500mL e de alto débito se o volume ultrapassa 500mL por dia. Do ponto de vista prático, classificar a fístula como de baixo ou alto débito é suficiente na programação terapêutica e, do ponto de vista prognóstico geral 2. A classificação etiológica é importante pois a causa da fístula por si só é fator preditivo isolado de cicatrização espontânea. Cerca de 15 a 25 % das fístulas são espontâneas e são frequentemente as mais complexas, apresentando baixo índice de cicatrização com o tratamento conservador 1. Estão na maioria dos casos associadas a radioterapia, doença inflamatória intestinal, isquemia intestinal, diverticulite do sigmóide, apendicite, pancreatite ou neoplasias malignas. As fístulas pós-operatórias respondem por 75 a 85 % de todas as fístulas enterocutâneas 1. As típicas ocorrem do quinto ao décimo dia pós-operatório e resultam de falha de cicatrização da anastomose, seja por tensão na linha de sutura, vascularização deficiente ou erro técnico do cirurgião. As demais fístulas pós-operatórias decorrem de lesão não identificada da parede da víscera durante dissecção ou, na síntese da parede abdominal. Fisiopatologia O aparecimento de fístula digestiva depende de vários fatores, isolados ou associados, relacionados ao paciente ou mesmo ao cirurgião. Há condições gerais que podem propiciar o aparecimento da fístula, tais como desnutrição grave, imunossupressão, radioterapia, quimioterapia, presença de câncer e uso prolongado de corticóides. Dentre as condições locais, salientam-se vascularização deficiente na linha de sutura, presença de peritonite infecciosa e anastomose realizada em área intestinal previamente doente (doença inflamatória intestinal, neoplasia etc). O papel do cirurgião é importante visto que ligaduras vasculares inadequadas, anastomose sob tensão e falhas técnicas na execução podem levar ao aparecimento de fístulas iatrogênicas. Chama muita atenção o fato de que cerca de metade das fístulas de intestino delgado que surgem no pósoperatório estão associadas a lesão inadvertida e não às anastomoses ou suturas intestinais 1. O conjunto dos fatores fisiopatológicos relatados leva a resultados muito diferentes em variadas situações, como descrito a seguir. A fístula após gastrectomia por câncer ocorre entre 5 e 10% dos casos e tem mortalidade de 50 a 75%. Se a mesma operação é realizada por doença benigna, o índice de fistulização é de 1 a 3%. A localização anatômica da fístula é outro fator que influencia no índice de mortalidade. Por exemplo, a mortalidade geral dos portadores de fístula duodenal é de 30% 1. Quadro clínico A possibilidade do aparecimento de fístula digestiva pode ser presumida pelo cirurgião. É importante conhecer que essa pode ocorrer sem nenhum fator indicativo geral ou local e sem falha técnica por parte do cirurgião. Nas situações de mais alto risco, como por exemplo, após sutura duodenal de úlcera perfurada com intenso processo inflamatório na parede intestinal, o cirurgião deve optar pela colocação de dreno sentinela nas

3 3 proximidades da sutura. O objetivo é dirigir a possível drenagem para o exterior, estabelecendo diagnóstico mais precoce e diminuindo a possibilidade de formação de abscesso intra-abdominal ou peritonite difusa. Em outro grupo de pacientes, com menor possibilidade do aparecimento de fístulas digestivas, não são posicionados drenos abdominais, pois os mesmos também podem gerar complicações como infecção e até erosão da parede intestinal, passando então à condição de agentes causadores de fístula. Frequentemente o pós-operatório dos portadores de fístula digestiva não é o habitual, sendo observados distensão abdominal, náuseas e vômitos, dismotilidade gastrointestional mais prolongada que o esperado, taquicardia persistente e febre. Nos pacientes sem drenos abdominais, além da evolução abdominal arrastada, em geral, a partir do 4 o e até o 10 o dia pós-operatório surgem sinais de infecção na ferida cirúrgica tais como dor, rubor, calor e edema. A drenagem cirúrgica ou espontânea permite a eliminação de secreção purulenta e digestiva, configurando a fístula externa. No paciente com dreno abdominal pode ocorrer processo idêntico ao observado no doente sem dreno ou a secreção purulenta e digestiva se exterioriza através do dreno sentinela. Em um número menor de casos, não há exteriorização de secreção digestiva pelo dreno ou pela incisão cirúrgica e o paciente evolui com quadro de peritonite difusa ou de abscesso intraabdominal. Na primeira circunstância, à laparotomia o cirurgião se depara com secreção digestiva e purulenta na cavidade abdominal e a detalhada inspeção da anastomose permite identificar o sítio do extravasamento digestivo. Na segunda situação, ao drenar o abscesso intra-abdominal obtém-se secreção purulenta e digestiva. Há situações de fístula de débito muito baixo em que é duvidosa a caracterização pois o aspecto da secreção drenada deixa dúvidas de que se trata de secreção digestiva. Nesta oportunidade pode-se lançar mão da administração de azul de metileno por via oral, que tingirá a secreção drenada em caso de fístula. Diagnóstico O diagnóstico é firmado ao se encontrar secreção digestiva no conteúdo proveniente do dreno abdominal ou nas drenagens de incisões cirúrgicas espontâneas ou operatórias. Quando o paciente apresenta abscesso intra-abdominal o diagnóstico segue as etapas descritas anteriormente. Se o doente se apresenta com peritonite difusa sem exteriorização de secreção digestiva, o diagnóstico prévio será o do acometimento peritonial, com suspeita de fístula digestiva. Neste caso, o paciente apresenta dor abdominal difusa, distensão abdominal, sinais de irritação peritonial, febre, taquicardia, sequestro de líquidos e oligúria. A avaliação laboratorial pode evidenciar distúrbio hidro-eletrolítico, leucocitose com desvio à esquerda e elevação de escórias. A radiografia simples de abdome demonstra distensão de alças intestinais com níveis hidroaéreos e mesmo sinais de líquido peritonial aumentado. A ultrassonografia abdominal fica prejudicada pelo excesso de gases abdominais mas pode demonstrar espessamento da parede das alças intestinais e presença de líquidos na cavidade peritonial. A tomografia abdominal computadorizada não é afetada pela presença de gases, demonstra espessamento e distensão das alças intestinais e presença de líquido na cavidade peritonial. Em relação à ultrassonografia abdominal, a tomografia tem a desvantagem da irradiação e do maior custo. Estabelecido o diagnóstico de peritonite difusa, a laparotomia permite que se conclua quanto à etiologia do processo

4 4 e firma o diagnóstico de fístula, por meio do encontro de secreção digestiva na cavidade peritonial. A detalhada inspeção da anastomose permite caracterizar melhor a fístula. Tratamento A fístula digestiva tem por ter espectro de apresentações muito amplo, pode evoluir de distintas maneiras, desde quadros catastróficos até àqueles sem qualquer repercussão no paciente como um todo. O diagnóstico pode ser até mesmo fortuito. O tratamento às vezes é quase contemplativo. Por outro lado, nos casos de apresentação catastrófica com grande comprometimento do estado geral do paciente, deiscência completa da parede abdominal, lesão grave de pele, septicemia, distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos, síndrome da resposta inflamatória sistêmica grave e insuficiência renal, há a necessidade de conhecimento e experiência na abordagem. A rápida evolução para o óbito pode ocorrer na falha terapêutica. As bases do tratamento do portador de fístula digestiva são drenagem adequada, tratamento da infecção associada por meio de antibioticoterapia e drenagem de abscessos intra-abdominais, correção dos distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos, terapia nutricional e cuidados com a pele. É rotineiro o jejum absoluto por via oral, especialmente nas fístulas proximais. Neste grupo, quando a fístula é de alto débito, diferentemente do que pensamos, alguns autores utilizam cateter nasogástrica para reduzir a drenagem da fístula 2. Algumas drogas, também visando redução do débito da fístula têm sido empregadas, como veremos adiante. Colas biológicas podem ser utilizadas, no intuito de se tentar obter fechamento mais precoce das fístulas. Nos casos de insucesso com o tratamento conservador, institui-se a abordagem cirúrgica da fístula. Drenagem externa adequada Quando se estabelece o diagnóstico pela exteriorização de secreção digestiva é fundamental analisar o contexto do aparecimento. Nos casos de pequena drenagem espontânea de secreção digestiva na ferida cirúrgica sem qualquer repercussão geral pode-se apenas observar. Em algumas oportunidades, sob anestesia local, amplia-se cirurgicamente a área de deiscência da incisão cirúrgica para facilitar a drenagem. Se o paciente tem peritonite difusa com repercussão significativa é necessário operá-lo, em caráter de urgência. Procede-se à coleta de material para estudo bacteriológico, à adequada limpeza da cavidade peritonial, à identificação e caracterização da fístula e drenagem para o exterior, com drenos tubulares, preferencialmente de silastic. Não está indicada a sutura do orifício fistuloso pois, quase invariavelmente, haverá deiscência com ampliação da lesão e piora do prognóstico. Caso a fístula se estabeleça no paciente com sinais de bloqueio peritonial, o tratamento inicial é conservador. Se durante a evolução, pós-estabelecimento da fístula, surgirem sinais de retenção de secreção (dor abdominal, febre, distensão abdominal, taquicardia, queda abrupta do volume drenado) é necessário proceder-se a drenagem adequada, seja por manuseio de drenos abdominais seja por drenagem cirúrgica clássica ou percutânea. Sempre que possível a drenagem deve ser obtida por via percutânea ou por incisões localizadas, visando impedir a contaminação do restante da cavidade abdominal em paciente com estado geral frequentemente comprometido

5 5 A secreção drenada deve ser mensurada, diariamente, e ter o aspecto analisado pelo cirurgião. O melhor sistema parece ser a manutenção de aspiração contínua das secreções, sob baixa pressão, para não ocasionar lesão tecidual. Esta abordagem ajuda na proteção da pele, reduzindo o contato da secreção com a mesma, facilita a quantificação do volume drenado e torna a drenagem mais eficaz. Apesar de alguns autores reintroduzirem a secreção drenada nos pacientes que têm jejunostomia à jusante de fístulas altas 3, não nos parece adequada a técnica pois é comum diarreia sequencial, por contaminação da secreção digestiva. Ademais, há outras maneiras de se repor esta perda. O método selante a vácuo representa alternativa moderna e atraente para o tratamento de fístulas digestivas e já foi utilizado com sucesso em humanos. Trata-se de criar barreira semi-permeável envolvendo a área da fístula com polímero hidrofóbico sintético acoplado a câmara de vácuo. Isto mantém a secreção digestiva no interior da alça intestinal. Um dos relatos da literatura, descreve o débito da fístula que era em média de 800mL por dia tendo diminuído imediatamente para 10mL em 24 horas. A cicatrização da fístula e da ferida cutânea ocorreu em 50 dias de tratamento 4. A experiência ainda é muito pequena para se obter quaisquer conclusões. Tratamento da infecção associada Quase sempre na fase inicial da fístula digestiva coexiste infecção. Nesta situação, tão logo se obtém material para estudo bacteriológico, inicia-se a antibioticoterapia empírica, baseada na microbiota relacionada ao órgão acometido pela fístula. Quando se estabelece adequado bloqueio peritonial e drenagem efetiva da fístula, os antibióticos só devem ser usados se houver evidências de infecção. Tardiamente é comum a infecção polimicrobiana e envolvendo inclusive germes hospitalares. Sempre que houver abscesso intra-abdominal, seja este próximo ou não do orifício fistuloso interno, a drenagem se impõe. O tratamento cirúrgico do abscesso abdominal foi descrito anteriormente. Em pacientes com sinais de sepsis não relacionados a flebite superficial, endocardite, infecção urinária, de ferida cirúrgica, de cateter central ou pulmonar e que apresentam tomografia abdominal normal ou inconclusiva deve-se realizar laparotomia exploradora 5. O adequado controle da infecção é fundamental no tratamento desses pacientes Um estudo revelou índice de cicatrização de fístulas digestivas de 90% em um mês em doentes com controle da infecção. Nos casos em que a abordagem da sepsis não foi efetiva, a cicatrização espontânea ocorreu em apenas 6% dos casos e a mortalidade atingiu 85% dos pacientes 5. Correção dos distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos Fístulas de baixo débito e distais no aparelho digestivo são de mais fácil controle do ponto de vista hidroeletrolítico e ácido-básico. Entretanto, mesmo neste grupo de pacientes é fundamental o balanço diário de ofertas e perdas para a reposição hidroeletrolítica. O volume de água e eletrólitos a ser administrado baseia-se nas necessidades diárias estimadas acrescidas das perdas detectadas. O volume urinário deve ser regularmente mensurado A dosagem, pelo menos, semanal de eletrólitos no plasma orienta a suplementação. Pacientes com fístulas proximais e de alto débito têm alto risco de desenvolver complicações maiores como distúrbios hidroeletrolíticos e ácido-básicos graves,

6 6 insuficiência renal pré-renal e óbito. As perdas podem suplantar quatro a seis litros a cada 24 horas 2. Neste grupo de doentes o balanço de ofertas e perdas deve ser realizado não mais diariamente mas a cada intervalo de quatro a seis horas. A reposição leva em consideração perdas estimadas e não apenas as já ocorridas sob pena de não haver mais tempo hábil para corrigi-las. A dosagem de eletrólitos é realizada diariamente. Terapia nutricional Pacientes com fístula digestiva apresentam, na grande maioria, quadro concomitante de desnutrição grave. Este é, em geral, decorrente do processo hipercatabólico associado à infecção, do longo período de jejum associado ou não a dismotilidade intestinal prolongada e, de outras causas prévias à operação. De sorte que, a Terapia Nutricional deve ser indicada o mais precocemente possível. Desta maneira, tenta-se evitar a piora progressiva do estado nutricional, que é por si só fator de mau prognóstico para que ocorra cicatrização espontânea da fístula 6. A opção pelo tipo de tratamento nutricional (parenteral ou enteral) deve levar em conta a localização e o débito da fístula, ainda que numa fase inicial, quase sempre, se deva optar pela administração de nutrição parenteral (NP). Esta atitude é justificada pela necessidade de garantir, de imediato, a oferta de nutrientes a pacientes já previamente desnutridos, e que em geral, apresentam dismotilidade gastrointestinal associada, o que dificulta a administração de nutrição enteral. A nutrição parenteral poderá ser feita em veia periférica ou central. No entanto, o acesso central (veias subclávias ou jugulares, via de regra) é, quase sempre o mais indicado, pois de antemão se sabe que o tempo médio para a cicatrização de uma fístula é de quatro a seis semanas. A nutrição parenteral periférica está indicada para pacientes com perspectiva de uso de NP por tempo inferior a quinze dias. Após o estabelecimento e controle da fístula, mesmo em pacientes já em uso de NP, a nutrição enteral poderá ser usada. Via de regra, em pacientes com fístulas de baixo débito, quando estas estão localizadas no trato gastrointestinal baixo ou no caso de localização no trato gastrointestinal alto quando se dispõe de acesso enteral à jusante do orifício fistuloso (cateter ou ostomia) devemos usar a nutrição enteral. Se houver aumento significativo do débito da fístula, esta forma de tratamento deve ser reavaliada. Pode optar-se por interromper a nutrição enteral ou apenas diminuir o volume de infusão e associar NP. Nos pacientes que não apresentaram aumento significativo do débito da fístula com a nutrição enteral e, assim que as necessidades nutricionais sejam alcançadas, deve-se suspender a NP. Ao se prescrever nutrição enteral é importante determinar o tipo de fórmula a ser usado. De preferência, as fórmulas oligoméricas que são mais facilmente absorvidas devem ser prescritas. O uso de nutrientes imunoestimulantes, como arginina, RNA, glutamina e ácidos graxos Omega-3 parece trazer benefícios a pacientes com quadros de resposta inflamatória sistêmica. No entanto, o assunto ainda é controverso. Além disso, não existem, no mercado, fórmulas oligoméricas prontas contendo estes nutrientes, o que representa a necessidade de serem adicionados, o que ocasiona maiores riscos de contaminação das fórmulas enterais. A nutrição parenteral é o tratamento de escolha para pacientes com fístulas de alto débito. Todavia, sempre que possível, o mínimo de nutrição enteral deve ser ofertado, com intuito de estimular os enterócitos. Isto pode ocorrer tanto em pacientes com fístulas do trato gastrointestinal baixo (cateter posicionado no estômago) ou alto (cateter ou ostomia

7 7 à jusante do orifício fistuloso). Muito se tem discutido sobre a adição da glutamina à fórmula de parenteral. A glutamina é um aminoácido não essencial que em situações de estresse ou desuso total do trato gastrointestinal passa a ser essencial 7. Trabalhos recentes têm demonstrado nítido benefício da suplementação de glutamina, na dose de até 500 mg/kg/dia, por via parenteral, em pacientes que não apresentem insuficiência renal 8. Cuidados com a pele As secreções digestivas são ricas em enzimas lesivas para a pele. Mesmo em pacientes em uso de drenos abdominais ocorre extravasamento de secreção para a pele circunjacente com consequente lesão cutânea. Estas são dolorosas, têm aspecto de queimadura, propiciam o aparecimento de infecção secundária e impressionam negativamente o paciente. As fístulas proximais dão vazão a secreção mais lesiva do que as distais. O ideal é iniciar precocemente as medidas protetoras da pele, antes mesmo do estabelecimento de lesões mais significativas. Não há processo ideal de prevenção. O cirurgião deve lançar mão dos métodos conhecidos adaptando-os a cada caso. Nos portadores de fístula digestiva é bastante comum a técnica tentativa-erro com modificações e adaptações durante a evolução da fístula 9. Devem ser considerados o custo, a disponibilidade dos materiais, o conhecimento dos produtos e a criatividade do cirurgião. Como já referido, parece-nos válido manter aspiração contínua sob baixa pressão, limitando assim o volume drenado que pode entrar em contato com a pele. Esta conduta é amplamente empregada mas não é de aceitação geral 10. Quando a fístula é de alto débito, utilizam-se bolsas coletoras se há integridade da parede abdominal. A bolsa deve ser drenável para se evitar a troca freqeente, o que agrava a lesão cutânea, e preferencialmente dever ser transparente para permitir a avaliação do aspecto da secreção drenada. O sistema de aspiração contínua é posicionado no cateter plástico colocado no dreno abdominal ou no trajeto fistuloso, através da bolsa coletora. Se a fístula drena volumes pequenos, como por exemplo 50mL em cada 24 horas, usamse gazes absorventes e não bolsas. Alguns preconizam utilização de bolsas se houver necessidade de trocar curativos de gazes com intervalos inferiores a quatro horas 9. Há autores que contraindicam o uso de gazes mesmo neste grupo de pacientes 10. Nos pacientes com deiscência da parede abdominal é muito mais difícil adaptar bolsas coletoras que são então fixadas por cintos envolventes no abdome 9. Pessoalmente preferimos utilizar o sistema de aspiração contínua associado ao uso de compressas cirúrgicas esterilizadas, nestes pacientes Utilizam-se substâncias com o objetivo de constituir camada protetora na pele, tais como pasta de alumínio ou zinco, cimento branco, clara de ovo, gelatina, colóide elástico e outros. Uso de drogas O jejum por via oral como parte integrante do tratamento da fístula digestiva baseia-se na expectativa de reduzir as secreções digestivas circulantes na área da fístula, com o objetivo de facilitar a cicatrização espontânea. Na tentativa de reduzir mais ainda a secreção digestiva, várias substâncias podem ser utilizadas, como por exemplo a somatostatina ou o análogo, octreotide. Estas substâncias reduzem a circulação esplâncnica e, assim, diminuem significativamente a secreção digestiva. Alguns estudos

8 8 comparando utilização ou não de somatostatina ou octreotide demonstraram percentual de cicatrização idêntico, porém no grupo que utilizou a droga houve redução de até sete dias no tempo de cicatrização da fístula. Parece que apesar de reduzir o tempo de cicatrização da fístula, o período de hospitalização e a mortalidade não são afetados 12. Como essas drogas têm custo alto, não fazem parte da rotina no tratamento das fístulas em todos os Serviços cirúrgicos. Há inclusive citação retrospectiva na qual se observou aumento no índice de complicações trombóticas em pacientes em uso de octreotide comparado aos que não utilizaram a droga 10. Colas biológicas Mais recentemente tem-se lançado mão da utilização de colas biológicas com o intuito de propiciar cicatrização da fístula digestiva. A cola pode ser introduzida por via endoscópica, através do orifício interno ou externo, após desbridamento e limpeza do trajeto fistuloso. A experiência ainda é pequena mas os resultados iniciais parecem ser promissores. Abordagem cirúrgica da fístula Considera-se que o período médio de cicatrização espontânea da fístula digestiva seja de quatro a seis semanas. Há fatores que impedem a cicatrização da fístula, tais como infecção local associada, presença de corpo estranho, atapetamento mucoso do trajeto fistuloso, fístula terminal, obstrução distal à fístula, desnutrição grave, neoplasia ou doença inflamatória comprometendo o segmento intestinal. O cirurgião indica o tratamento operatório para complementar o tratamento conservador (por exemplo, drenar abscessos intra-abdominais) ou para abordar diretamente a fístula que não cicatrizou após seis a oito semanas de tratamento adequado. Pode-se também em alguns casos optar por realizar desvio do trânsito intestinal e não a abordagem direta da fístula (por exemplo, realização de colostomia). As operações de desvio tem a desvantagem de não garantir a cicatrização da fístula além de requerer nova intervenção cirúrgica posterior para reconstrução do trânsito intestinal. O uso da endoscopia intervencionista mostra-se promissora nas fístulas gastroduodenais e de cólon. Sete pacientes com fístulas gástricas tiveram o trajeto da fístula obliterado por cola de fibrina injetada por via endoscópica, em várias sessões. Todas as fístulas cicatrizaram e não houve complicação neste grupo 12. Os resultados foram semelhantes no tratamento de três pacientes utilizando-se a mesma técnica em outro Serviço de endoscopia 13. Nove pacientes com fístulas digestivas altas foram tratados por meio de fistuloscopia, desbridamento, limpeza e preenchimento do trajeto com cola de fibrina. Foram necessárias de uma a quatro sessões (média de duas), realizadas quatro a 19 dias depois do diagnóstico (média de 12 dias). Não houve complicações e todas as fístulas cicatrizaram dois a 46 dias após o procedimento (média de 18,7 dias ) 14. Não é possível com este trabalho avaliar a eficácia desta técnica, mas o método representa uma alternativa no tratamento menos intervencionista dos portadores de fístula digestiva. Prognóstico Mesmo com os avanços obtidos, a mortalidade dos portadores de fístula digestiva ainda é alta, no geral oscilando entre 6,5% e 21% 10. Há, no entanto estatísticas recentes em que os índices atingem 37%. Isto se deve à heterogeneidade dos pacientes e das fístulas. Nos

9 9 casos de fístulas proximais de alto débito, a mortalidade deve-se principalmente a distúrbios hidroeletrolíticos, insuficiência renal, infarto agudo do miocárdio, embolia pulmonar e acidente vascular cerebral. Já nas fístulas mais distais, o principal mecanismo de óbito é a infecção com síndrome da resposta inflamatória sistêmica grave e falência orgânica multissistêmica. É difícil concluir com segurança que a presença ou ausência de um fator prognóstico isolado possa influenciar significativamente no índice de mortalidade dos pacientes com fístula digestiva. Entretanto é interessante conhecer estes fatores prognósticos, que se encontram listados na tabela 2 6. Tabela 1 Fatores anatômicos que influenciam na cicatrização espontânea de fístulas digestivas Favoráveis Manutenção da continuidade Fístula terminal Sem abscesso associado Intestino adjacente sadio Fluxo distal livre Esofágica Côto duodenal Jejunal Trajeto > 2 cm Orificio interno < 1 cm Desfavoráveis Descontinuidade intestinal Fístula lateral Com abscesso associado Intestino adjacente doente Obstrução distal Gástrica Duodenal lateral Ileal Trajeto < 2 cm Orificio interno > 1 cm

10 10 Tabela 2 Fatores que influenciam a mortalidade em pacientes com fístulas gastrointestinais Fator Favorável Desfavorável Característica da fístula Trajeto fistuloso longo Trajeto fistuloso curto Continuidade intestinal Eversão da mucosa Ausência de obstrução Intestino adjacente doente Evisceração Oclusão distal Defeito na parede abdominal Órgão de origem Gástrica Duodeno Bíleo-pancreática Jejunoileal Cólon Complicações (sepsis) Ausente Presente Etiologia Doença inflamatória intest. Deiscência de anastomose Malignidade Idade <50 anos >50 anos Origem do paciente Mesmo hospital Transferido Débito da fístula <500 ml /dia >500mL /dia Desnutrição Ausente Presente Duração da fístula Crônica Aguda

11 11 Bibliografia 1. Berry S, Fischer JE. Classification and Pathophysiology os Enterocutaneous Fistulas. Surg Clin N Am 1996; 76: Foster EF, Lefor AT. General management of gastrointestinal fistulas. Surg Clin N Am 1996; 76: Bisset IP. Postoperative small bowel fistula: back to basics.trop Doct 2000; 30: Hyon SH, Martinez-Garbino JA, Benati ML, Lopez-Avellaneda ME, Brozzi NA. Management of a high-output postoperative enterocutaneous fistula with a vacuum sealing method and continuous enteral nutrition. Asaio J 2000;46: Rolandelli R, Roslyn JJ. Surgical management and treatment of sepsis associated with gastrointestinal fistulas. Surg Clin N Am 1996; 76: Campos ACL, Meguid MM, Coelho JCU. Factors influencing outcome in patients with gastrointestinal fistula. Surg Clin N Am 1996; 76: Ziegler TR, Young LS. Therapeutic effects of specific nutrients. In: Rombeau JL, Rolandelli RH (ed).clinical Nutrition. Enteral and Tube Feeding. WB Saunders, Philadelphia, Griffitths RD, Jones C, Palmer TE. Six-month outcome in critically ill patients given glutamine-supplemented parenteral nutrition.nutrition 1997;13: Dearlove JL. Skin care management of gastrointestinal fistulas. Surg Clin N Am 1996; 76: Casaroli AA, Corsi PR. Fístulas do sistema digestório. In: Petroianu A. Urgências Clínicas e Cirúrgicas. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan,2002: Alvarez C, McFadden DW, Reber HA. Complicated enterocutaneous fistulas : failure of octreotide to improve healing. World J Surg 2000; 24: Chung MA, Wanebo HJ. Surgical management and treatment of gastric and duodenal fistulas. Surg Clin N Am 1996; 76: Lee YC, Na HG, Suh JH, Park IS, Chung KY, Kim NK. Three cases of fistula arising from gastrointestinal tract treated with endoscopic injection of Histoacryl. Endoscopy 2001; 33: Wong SK, Lam YH, Lee DW, Chan AC, Chung SC. Diagnostic and therapeutic fistuloscopy : an adjuvant management in postoperative fistulas and abscesses after upper gastrointestinal surgery. Endoscopy 2000;32: 311-3

SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano

SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano 1 SUBSECRETARIA PARA ASSUNTO DE GESTÃO HOSPITALAR Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano PROTOCOLO OSTOMIZADO AUTORES: Francisco Mario de Azevedo Barros Médico Cirurgião Geral do

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 4 ALIMENTAÇÃO ENTERAL Nesta unidade você irá estudar as

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS (FTE)

FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS (FTE) XXXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA V CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS E BRONCOPLEURAIS - DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO - JORGE ROLDÃO VIEIRA BRASILIA NOVEMBRO

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO:

2. PRÉ- REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO: EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO 2010 Pelo presente edital, o CBCD Colégio Brasileiro de Cirurgia

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 3ª Parte Capítulo V Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Intestinal stomas (Ileostomy and Colostomy) and intestinal anastomosis

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Julgue os itens que se seguem, a respeito da assistência de enfermagem na prevenção e no controle de infecção hospitalar. 41 O curativo da ferida operatória em ambiente hospitalar deve ser realizado diariamente

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG.

Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG. NOTA TÉCNICA 91/2013 Data: 12/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG.

Leia mais

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea Nefrolitotripsia Percutânea A cirurgia renal percutânea é a forma menos agressiva de tratamento para cálculos renais grandes e que não podem ser tratados adequadamente pela fragmentação com os aparelhos

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Transplante Intestinal: indicações e manejo

Transplante Intestinal: indicações e manejo Transplante Intestinal: indicações e manejo Marcio Miasato Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 1. Tomografia computadorizada do abdômen, nível andar superior, após a injeção intravenosa de meio de contraste iodado hidrossolúvel, tendo havido ingestão

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30-8:45 Abordagem nos múltiplos ferimentos abdominais penetrantes. MAPA AUDITÓRIO PARQUE TINGUI (280 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. ESPACO DO TRAUMA (SBAIT) SEGUNDA FEIRA 03 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

Fluxograma do Manejo da Estase

Fluxograma do Manejo da Estase Fluxograma do Manejo da Estase Estase Gástrica é qualquer volume mensurado através da SNE/SNG Enfermagem verificar resíduo gástrico (estase) a cada 06 horas. Registra volume drenado. Menor que Maior que

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária.

Em resposta a Portaria n. 228/2011, no qual sou nomeado para análise e emissão de parecer, passo abaixo meu relatório para apreciação na plenária. PROCESSO CONSULTA 00009/2011 INTERESSADO: Dr. Marcelo Luiz Feitosa Ferrari CRM/RO 1.366 ASSUNTO: Solicitação de parecer sobre repassagem de Sonda de Gastrostomia. Relatora: Cons. Inês Motta de Morais Senhor

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Hiperbárica São Paulo

Hiperbárica São Paulo ESTUDO DE CASOS L.M 28 anos, portador da lesão infectada, em região patelar esquerda, com múltiplos abscessos e sub-cutâneo, com stafilococcia. Foto 1: L.M 28 anos, portador da lesão infectada, em região

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

CUIDADOS COM A PELE DO PORTADOR DE FÍSTULA DO SISTEMA DIGESTÓRIO Enf os Estomaterapeutas: Graciete Saraiva Marques, Fernanda Rocha

CUIDADOS COM A PELE DO PORTADOR DE FÍSTULA DO SISTEMA DIGESTÓRIO Enf os Estomaterapeutas: Graciete Saraiva Marques, Fernanda Rocha Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na execução de cuidados com a pele em pacientes portadores de fístula externa do sistema digestório (esofágica, gástrica, biliar, pancreática e intestinal) provocados

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

Influência da técnica de peritoneostomia na recuperação dos pacientes

Influência da técnica de peritoneostomia na recuperação dos pacientes ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Influência da técnica de peritoneostomia na recuperação dos pacientes Eduardo Quirino dos Santos

Leia mais

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

_, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável _, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites Abdome Agudo Inflamatório Peritonites Conceito: Classificação: Funcionais ou Fisiopatológicas Peritonite Primária ou Espontânea Peritonite Secundária Peritonite Terciária Quanto à Extensão Generalizada

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE 2016

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE 2016 ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE 2016 ANEXO IV PROTOCOLO DE UTILIZAÇÃO PROUT FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS COLETORES E ADJUVANTES PARA COLOSTOMIA, ILEOSTOMIA E UROSTOMIA, SONDA VESICAL DE DEMORA

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Curso de Diagnóstico por Imagem do Abdome Agudo EPM/UNIFESP - Março de 2011 Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Rogério Caldana Obstrução intestinal 20 % dos casos cirúrgicos de abdome agudo

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL

ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL ANEXO NORMA TÉCNICA PARA ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM TERAPIA NUTRICIONAL 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação da equipe de enfermagem em Terapia Nutricional, a fim de assegurar uma assistência

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao(à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao(à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico

Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Manejo da Diarréia no Paciente Crítico Bibiana Rubin Especialista em Clínica Terapêutica Nutricional Mestre em Saúde Coletiva Nutricionista Clínica CTI/HCPA Não há conflitos de interesse. Diarréia do Paciente

Leia mais

Imagens A) Desnutrido crônico: abdome globoso, rarefação de pêlos, perda de massa muscular, estado mental alterado.

Imagens A) Desnutrido crônico: abdome globoso, rarefação de pêlos, perda de massa muscular, estado mental alterado. 18 de Março de 2008. Professor Fábio. Conceito de desnutrição Conseqüências de estados patológicos que resulta do consumo inadequado de um ou mais nutrientes essenciais e que se manifesta ou se diagnostica

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS COMPLICAÇÕES DA ESOFAGECTOMIA DE RESGATE NA TERAPÊUTICA CIRURGICA DO CÂNCER DE ESÔ- FAGO AVANÇADO

AVALIAÇÃO DAS COMPLICAÇÕES DA ESOFAGECTOMIA DE RESGATE NA TERAPÊUTICA CIRURGICA DO CÂNCER DE ESÔ- FAGO AVANÇADO AVALIAÇÃO DAS COMPLICAÇÕES DA ESOFAGECTOMIA DE RESGATE NA TERAPÊUTICA CIRURGICA DO CÂNCER DE ESÔ- FAGO AVANÇADO Luisa von Nielander Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida lnielander@puc-campinas.edu.br

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO

CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO CONTRATO OPCIONAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO AEROMÉDICO DO OBJETO CLÁUSULA PRIMEIRA 1.1. O objeto do presente contrato é a prestação de serviços de transporte aeromédico aos beneficiários do Contrato de Plano

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Alexandre Leite) Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP e da Cofins incidentes sobre os serviços de administração de dietas enteral e parenteral.

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

CARTA DE INFORMAÇÕES

CARTA DE INFORMAÇÕES Caro(a) paciente, CARTA DE INFORMAÇÕES É objetivo tanto do paciente e de familiares como também de seu cirurgião plástico que tudo dê certo com a cirurgia. Para que o paciente não se depare com surpresas,

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais