FACTORING UM ESTUDO DE CASO: A MUNDIAL FACTORING COMO ALTERNATIVA DE CAPITAL DE GIRO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO GAMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACTORING UM ESTUDO DE CASO: A MUNDIAL FACTORING COMO ALTERNATIVA DE CAPITAL DE GIRO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO GAMA"

Transcrição

1 A MUND UNIÂO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL UNIPLAC FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACIPLAC Aprovadas pela Portaria SESU/MEC Nº 368/08 (DOU 20/05/2008) Curso de Administração de Empresas FACTORING UM ESTUDO DE CASO: A MUNDIAL FACTORING COMO ALTERNATIVA DE CAPITAL DE GIRO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO GAMA UBIRATAN RODRIGUES MIRANDA GAMA 2009

2 URIRATAN RODRIGUES DE MIRANDA FACTORING UM ESTUDO DE CASO: A MUNDIAL FACTORING COMO ALTERNATIVA DE CAPITAL DE GIRO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO GAMA Monografia apresentada no curso de Graduação em Administração de Empresas das Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central, como parte dos requisitos para obtenção do título de Bacharel em Administração. Orientador: Profº. GERALDO CARDOSO MOITINHO GAMA 2009 ii

3 Miranda, Ubiratan Rodrigues Factoring um estudo de caso. A Mundial Factoring como alternativa de capital de giro às micro e pequenas empresas do Gama. Ubiratan Rodrigues Miranda Gama DF Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central FACIPLAC. 51f. Orientador Geraldo Cardoso Moitinho ELISANE RODRIGUES DOS SANTOS Monografia Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central Graduação em Administração de Empresas. iii

4 UBIRATAN RODRIGUES MIRANDA FACTORING UM ESTUDO DE CASO: A MUNDIAL FACTORING COMO ALTERNATIVA DE CAPITAL DE GIRO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO GAMA Monografia, aprovada como requisito parcial para obtenção do grau Bacharel em Administração no curso Administração de Empresas das Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central. Data de Aprovação: / / Banca Examinadora: Profº. Geraldo Cardoso Moitinho Profº. José Antônio Lopes Ramos Profº. Sérgio Ricardo de Castro Gonçalves Prof. Marco Alfredo Saadi iv

5 AGRADECIMENTOS Agradeço especialmente em primeiro lugar a Deus por todo o conhecimento que ele dispôs ao homem, A minha família por todo o apoio dedicado e Ao apoio incontestável do Professor/Orientador Geraldo Cardoso Moitinho; A minha prima Ivoneide Santana e ao amigo Evandro por todo o apoio; Aos que de alguma forma contribuíram para que este curso de bacharelado em administração de empresas fosse concluído. v

6 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANFAC - Associação Nacional das Empresas de Fomento Mercantil- Factoring BACEN - Banco Central do Brasil BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social DNRC Departamento Nacional de Registro do Comércio (juntas comerciais) FACTORING Fomento Mercantil Factor- Nome dado aos agentes de Factoring no século XVIII IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística M.P.E. Micro e Pequena Empresa PRÓ SOLUTO Sem Direito a Retorno PRÓ SOLVENDO Com Direito a Retorno PNB Produto Nacional Bruto SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas UNIDROIT Institut International Pour L Unification Du Point Prive vi

7 PALAVRAS-CHAVE: Factoring, Micro e Pequenas Empresas, Capital de Giro, Fluxo de Caixa, Crédito, Endosso e Serviços. vii

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema Justificativa Problema de pesquisa Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos PERFIL DA EMPRESA Histórico Perfil estratégico REVISÃO DA LITERATURA Factoring Concepção de Factoring Origens históricas do Factoring no mundo Papel da UNIDROIT para regulamentação do Factoring O desenvolvimento da atividade de Factoring no Brasil Perfil dos profissionais que desenvolvem a atividade de Factoring Como se opera o Factoring Surgimento das atividades de Factoring no Brasil natureza do contrato Factoring e suas características Factoring e suas vantagens Micro e pequenas empresas Capital de giro Medidas para solucionar capital de giro Fluxo de caixa viii

9 3.5 Crédito Crédito na prática comercial Endosso Prestação de serviços METODOLOGIA Tipo de pesquisa População e amostra Instrumentos de coleta de dados Métodos de análise de dados APLICAÇÃO PRÁTICA E ANÁLISE DOS RESULTADOS Caracterização da Mundial Factoring Relevância da Mundial Factoring para a viabilidade do capital de giro das empresas-clientes CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Conclusões Recomendações APÊNDICES REFERÊNCIAS ix

10 10 1 INTRODUÇÃO Entende-se que, no Brasil, as Micro e Pequenas Empresas desempenham um papel muito importante na economia, porém não despertam um interesse concreto dos líderes governamentais do país para a elaboração de uma política voltada para o crescimento e desenvolvimento das mesmas. Este clima adverso, associado à fragilidade do seu porte, mais a concorrência com grandes empresas, exigem esforços de seus empreendedores para que consigam se manterem competitivos e sobrevivam de forma sustentável na economia, daí a importância da atividade de Factoring no país. No entanto, diante da fragilidade e do descaso para com as Micro e Pequenas Empresas, exceto o apoio prestado pelo Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e atualmente também pelo BNDES, acredita-se que o presente estudo traz de forma simples um termo muito conhecido por esse segmento do setor produtivo brasileiro Factoring, reconhecido como instrumento alternativo para manter capital de giro das Micro e Pequenas Empresas. Não se pode esquecer o fato de que o Factoring, social e historicamente, nada mais é que uma atividade comercial, mista e atípica, que soma prestação de serviços à de ativos financeiros; também presta serviços à empresa cliente, em outras áreas administrativas, deixando o empresário com mais tempo e recursos para produzir e vender. Sua operação é um mecanismo de fomento mercantil que possibilita à empresa fomentada vender seus créditos, gerados por suas vendas a prazo, a uma empresa de Factoring. Compreende-se ainda que o resultado disso seja o recebimento imediato desses créditos futuros, o que aumenta seu poder de negociação, por exemplo, nas compras à vista de matéria-prima, pois a empresa não se descapitaliza. O Factoring no mundo tem sua existência marcada desde o século VIII a.c quando era feito o comércio de mercadorias entre os povos antigos, Caldeus, Babilônios, Fenícios, Etruscos, Gregos e Romanos, entre outros, que faziam

11 11 comércio no Oriente Médio e no Mediterrâneo. No Brasil essa atividade tem marco regulatório desde 16 de julho de Tema O presente trabalho tem como tema a avaliação da empresa Mundial Factoring como uma alternativa viável à flexibilidade de giro financeiro para as Micro e Pequenas Empresas varejistas do Gama, Distrito Federal. 1.2 Justificativa Tendo em vista a dificuldade de acesso ao crédito imposta pelas grandes instituições financeiras e a distância existente entre o tomador de recursos comum e os bancos, este estudo busca elucidar, por meio de um estudo de caso, se as empresas de fomento mercantil, denominadas empresas de Factoring, são uma alternativa viável para suprir esta necessidade das Micro e Pequenas Empresas. No Brasil, as Micro e Pequenas Empresas encontram dificuldades para manter-se em atividade, haja vista existir falta de projetos governamentais direcionados a promover linhas de créditos a juros baixos, dificultando a alavancagem de seus negócios. As M.P.E s Micro e Pequenas Empresas encontram ainda dificuldades para adquirir recursos, tendo em vista a frequente existência de restrições de créditos em nome da pessoa jurídica ou física (DONINI, 2004). Este é o cenário em que as empresas de fomento mercantil Factoring se enquadram; proporcionando às empresas-clientes a flexibilidade de giro financeiro, com menos burocracia, dando-lhes condições de vender seus direitos representados por títulos de créditos, recebendo em dinheiro do Factoring. Assim, obtém condições de adquirir capital de giro, para movimentar seus negócios e,

12 12 consequentemente, aumentar seu poder de negociação junto aos fornecedores (DONINI, 2004). As M.P.E s Micro e Pequenas Empresas são beneficiadas com a prestação dos serviços do Factoring, no sentido que enquanto a empresa de Fomento Mercantil, de forma remunerada, se encarrega de prestar os serviços contábeis, administrativos, de cobranças, de contas a pagar e receber, a empresa-cliente se encarrega da área produtiva, da administração interna, da fiscalização e do planejamento das estratégias para o futuro da empresa. Segundo Leite (2007) os benefícios da utilização do Fomento Mercantil significam para a empresa-cliente maior concentração em suas atividades de produção, menor envolvimento e preocupação do empresário com as atividades de rotina, segurança no recebimento de suas vendas, orientação empresarial e acesso aos recursos de que necessita pela oportunidade de negociar os direitos de suas vendas sem necessidade de reciprocidade e outras exigências. O estudo é relevante, nesses termos, por propiciar um espaço de discussão das melhores formas de acesso ao crédito, bem como facilitar o entendimento da cadeia de valor que é gerada tanto de quem produz, vende ou presta serviços como também de quem fomenta, distribui e facilita o acesso ao crédito e a maximização do capital de giro. Este trabalho visa confirmar se as empresas de Factoring, notadamente a Mundial Factoring, são uma alternativa viável à flexibilidade de giro financeiro das Micro e Pequenas. 1.3 Problema de Pesquisa A Mundial Factoring é uma alternativa viável de acesso financeiro às M.P.E s Micro e Pequenas Empresas do Gama, Distrito Federal?

13 Objetivos Objetivo geral Analisar, por meio de um estudo de caso, se o Factoring é uma alternativa viável de acesso ao crédito para as M.P.E.s Micro e Pequenas Empresas Objetivos específicos A pesquisa tem como objetivos específicos: Abordar os conceitos de Factoring, Micro e Pequenas Empresas, Capital de Giro, Fluxo de Caixa, Crédito, Endosso e Serviço; Realizar estudo panorâmico do Factoring no Brasil; Realizar estudo de caso da Mundial Factoring junto às empresasclientes.

14 14 2 PERFIL DA EMPRESA 2.1 Histórico A Mundial Factoring está localizada no Edifício Corrêa, sala 908, Setor Central Gama, DF e foi fundada no ano de 2002; esta localização foi estrategicamente escolhida, tendo em vista que a posição geográfica é próxima aos principais bancos da cidade, ao mesmo tempo privilegiando os clientes por estar em um ponto comum da cidade Perfil estratégico A Mundial Factoring define sua missão como sendo: Trabalhar em parceria com as empresas-clientes desburocratizando ao máximo a prestação dos serviços prestados, para alcançar a plena satisfação dos seus clientes. A Visão de Futuro para o horizonte de 2008 a 2015 da Mundial Factoring é: Tornar-se a maior empresa de Factoring do Gama e entorno, com capacidade de melhor atender e prestar serviços de assessoria administrativa e creditícia, para duas empresas-clientes. A Mundial Factoring está inserida no negócio de fomento mercantil e assessoria estratégica às micro e pequenas empresas, subsidiando capital de giro de maneira desburocratizada para as necessidades financeiras do cotidiano de suas empresas-clientes. A estrutura organizacional da empresa é enxuta; o quadro de funcionários tem um total de quatro colaboradores, ocupando as funções de diretor geral, negociador, secretária e gerente de assuntos externos.

15 15 3 REVISÃO DE LITERATURA 3.1 Factoring Concepção de Factoring Conforme mencionado por Leite (2007), o Fomento Mercantil é uma atividade comercial mista atípica, de prestação de serviços e de compra de créditos resultantes de vendas mercantis. É Fomento Mercantil, porque expande os ativos de suas empresas-clientes, aumenta-lhes as vendas, diminui seu endividamento e transforma as suas vendas a prazo em vendas a vista. É a prestação contínua e cumulativa de serviços de assessoria mercadológica, creditícia, de seleção de riscos, de gestão de crédito, de acompanhamento de contas a receber e de outros serviços conjugados com a aquisição de créditos de empresas resultantes de suas vendas mercantis ou de prestação de serviços, realizados a prazo. O Fomento Mercantil é a operação que se resume em atos que envolvem a compra de crédito, antecipação de recursos não financeiros e prestação de serviços convencionais ou diferenciados, conjugados ou separadamente, a título oneroso, entre dois empresários, faturizador e faturizado (DONINI, 2004). Segundo Rizzardo (2004), Factoring é uma relação jurídica entre duas empresas, em que uma delas entrega à outra um título de crédito, recebendo, como contraprestação, o valor constante do título, do qual se desconta certa quantia, considerada a remuneração pela transação. Ou seja, uma empresa faz a venda de seus produtos a outra. O pagamento não se concretiza à vista, postergando-se para um prazo, em geral, de trinta ou sessenta dias. A empresa vendedora emite uma duplicata contra o comprador, que é o título representativo do valor devido. Em seguida, a mesma empresa vendedora transfere o título a outra empresa, que é de Factoring.

16 16 Martins (1997), afirma que o contrato de faturização ou Factoring é aquele em que um comerciante cede à outro, créditos, na totalidade ou em parte, de suas vendas a terceiros, recebendo o primeiro do segundo o montante desses créditos, mediante o pagamento de uma remuneração. De acordo com Bulgarelli (1998), O Factoring pode ser entendido como venda do faturamento de uma empresa à outra que se incumbe de cobrá-lo, recebendo em pagamento uma comissão e cobrando juros quando antecipa recursos por conta dos recebimentos a serem feitos. Há, portanto, um elemento básico na operação, que é a cessão de créditos, mas poderá abranger outras funções, como a gestão de negócios e financiamento de recursos. Observa-se, diante das conceituações acima, que Factoring não é apenas uma atividade referente á concessão de créditos; é ainda uma atividade comercial mista atípica, ou seja, presta serviços, compra créditos e direitos creditícios resultantes de vendas mercantis. Factoring é fomento mercantil porque expandem os ativos das empresas clientes, aumentando as vendas, eliminando o endividamento e transformando as vendas a prazo em vendas à vista. Como já citado anteriormente o Factoring fomenta o setor produtivo e tem como clientes as Micro e Pequenas Empresas que vendem produtos ou serviços ou ambos conjugados, enquanto que os agiotas emprestam dinheiro para pessoas físicas ou jurídicas, usando como garantia de pagamento, cheques, veículos e até imóveis. A agiotagem ocorre ao obter ou estipular, em qualquer contrato, abusando da premente necessidade, inexperiência, vulnerabilidade ou leviandade de outra parte lucro patrimonial excessivo (DONINI, 2004) Origens históricas do Factoring no mundo O termo Factoring, cuja tradução para Faturização é adotada pela doutrina brasileira, é aparentemente de origem inglesa. No entanto, existem notícias de suas verdadeiras raízes serem da Inglaterra, do século XVIII e na Europa

17 17 somente em Contudo alguns estudiosos afirmam que a origem da faturização ou Factoring remonta à mais longínqua antiguidade quando, na Grécia e em Roma, comerciantes incubiam a agentes (Factor), disseminados por lugares diversos, a guarda e venda de mercadorias de sua propriedade. Posteriormente, o costume se difundiu na Idade Média, principalmente entre os comerciantes dos países mediterrâneos. Depois dos grandes descobrimentos, a instituição de Factoring ou agentes de vendas e cobrança de mercadorias teve grande desenvolvimento nos países onde o comércio mais se expandia, tais como a Inglaterra, Holanda, Espanha e França (MARTINS, 1997). Para Leite (2007), a história do Factoring divide-se em duas etapas: o Factoring antigo, em que o Factor era apenas um comissário ou vendedor e o Factoring moderno, que é predominante atualmente, que se fundamenta numa espécie de operação em que um comerciante, Factor, adquire os créditos de outro comerciante, responsabilizando-se pela cobrança dos mesmos, sem direito de regresso contra o cedente, mediante pagamento de uma certa comissão). Com a descoberta e colonização da América, Factoring de comerciantes ingleses passaram a operar nesse país, notando-se que tal modo de comerciar era bastante propício para os países distantes, sobretudo em face das dificuldades dos transportes, de que a instituição dos Factoring foi uma consequência direta. A finalidade do Factoring é dinamizar as empresas-clientes, transformando as suas vendas a prazo em vendas à vista; de forma a disponibilizar-lhes o capital de giro necessário para eliminar o seu endividamento. Provém basicamente das operações dos comissários que financiavam os negócios dos comitentes, aliás, aqui no Brasil, os comissários de café costumavam financiar os seus comitentes, além dos serviços que lhes prestavam. Não houve uma passagem histórica direta, transformando-se os comissários em empresas de Factorings, mas sim uma passagem progressiva das operações para outras empresas, notadamente os bancos, que aos poucos foram assenhoreando-se de operações conexas com as de financiamento, estas, as nucleares, das quais se irradiavam as demais.

18 18 Devido à lentidão das comunicações e do transporte de mercadorias, um negócio realizado em outro lugar, geograficamente distante e de idiomas diferentes, necessitava de um suporte. Os Factoring, por serem profundos conhecedores do mercado e da tradição creditícia dos comerciantes locais, faziam-se intermediários úteis nas trocas comerciais e no desenvolvimento da economia do Império Romano, desempenhando um papel de essencial importância. Na Idade Média apareceu uma espécie de cooperativa (agremiação) com a finalidade de diluir riscos entre os seus comerciantes associados, de modo que as perdas sofridas por um dos seus membros em um negócio eram assumidas por todos da agremiação. Vale fazer o registro de que, desde as origens da humanidade, na história de todos os povos que desenvolveram suas mais distintas economias, sempre houve uma grande preocupação com o risco do negócio. Como também sempre os comerciantes souberam que, salvo exceções, a evolução de suas vendas esteve estritamente ligada á existência das linhas de crédito que estavam obrigados a conceder a sua clientela. O fulcro da operação é, portanto, a cessão de crédito a título oneroso. Em nosso Direito não vale, em relação a terceiro, a transmissão de um crédito, se não celebrar mediante instrumento público, ou instrumento particular revestido das solenidades do art. 135, isto é, subscrito pelas partes e por duas testemunhas e salvo estipulação em contrário, o cedente não responde pela solvência do devedor. Mas, quando há a emissão de títulos de crédito, a sua transferência obedece a regras próprias. Assim, nos títulos à ordem, há necessidade de endosso. Ora a regra do art.1074 do Código Civil brasileiro é compatível com o endosso? Em outras palavras, admite-se a clausula sem garantia no endosso cambial? É sabido que no regime do Decreto nº 2044, de 1908, a doutrina sem discrepância tem-lhe negado validade cambial, interpretando a maior parte dos autores o disposto no seu art. 44 e IV, como proibitivo dessa clausula (BULGARELLI, 1998). Segundo Leite (2007) veio então, a época dos grandes descobrimentos, ao qual, principalmente, Espanha, Holanda, Inglaterra, Veneza e Portugal lideravam o comércio internacional, com a conquista de seus longínquos territórios ultramarinos. No caso particular de Portugal, estabeleceram-se em suas colônias da Ásia e da África, as factorias-empórios, armazéns de mercadorias, enfim, um centro polarizador entre a Metrópole, as colônias e outros povos vizinhos.

19 19 Esse sistema apresentava características especiais nos Estados Unidos, ainda colônia inglesa, onde os Factorings não apenas administravam os estoques de produtos (principalmente têxteis, roupas e outras mercadorias) para os seus proprietários na Europa e os vendiam, mas também, garantiam o pagamento como agentes de Factor. Por causa das grandes distâncias entre os centros consumidores dos Estados Unidos, os industriais locais, também começaram a utilizar-se dos serviços dos Factorings, para expandir as suas vendas. Na prática vigorava uma relação fiduciária entre os vendedores e os seus representantes comerciais, integrados no sentido de parceria, onde passa a vigorar o ganho mútuo. O Factoring é uma atividade tão antiga quanto o comércio. E sendo assim, percebe-se rapidamente que as dificuldades financeiras não são, exatamente problemas pertencentes a modernidade, mas este é um problema de sempre, pois está muito visível que no decorrer da história das nações sempre existiu o capital advindo das relações de compra e venda de direitos. Segundo Leite (2007), nos primórdios da História do Ocidente, há mais de dois mil anos antes da nossa era, Hamurabi, Rei da Babilônia, fez gravar num bloco de pedra, como parte do chamado Código de Hamurabi, fórmulas de gestão comercial e normas que regulamentavam os procedimentos do comércio daquela época. Comércio pressupunha confiança (crédito). Naqueles primórdios da civilização, a forma de obter e transferir recursos a terceiros surgia como necessidade do tráfico de mercadorias e foi utilizada pelos povos antigos, caldeus, babilônios, fenícios, etruscos, gregos e romanos, entre outros que faziam comércio no Oriente Médio e no Mediterrâneo. Alguns pesquisadores vão buscar no Código de Hamurabi as origens históricas dos bancos e de outras atividades comerciais relacionadas com o crédito, dentre as quais, localizam o Factoring. A figura do agente mercantil nasceu com a civilização para facilitar e incrementar o comércio, que era, naqueles longínquos tempos, baseado na troca de mercadorias - o escambo, pois não existia moeda.

20 20 A troca/escambo (venda) de mercadorias ou ativos com a finalidade de obter os recursos necessários para o comerciante tocar e girar os seus negócios é tão velha quanto o comércio em si e atividades desta natureza datam daqueles tempos praticadas pelos comerciantes da Babilônia para contornar dificuldades da comercialização de suas mercadorias. Desse modo, comprar créditos comerciais para levantar recursos é prática das mais remotas épocas da civilização, como consta dos registros históricos dos negócios, para fazer capital de trabalho (LEITE, 2007). Ainda de acordo com Leite (2007), os Fenícios por volta de 1200 a.c, dominaram o comércio do Mediterrâneo e chegaram á Península Ibérica desenvolvendo em larga escala o seu comércio. Os riscos inerentes ao comércio levaram os Fenícios a criar suas factorias movidos pela necessidade de reduzir o risco de crédito mediante a presença física de seus agentes no mercado de destino, além de expandir as suas relações comerciais. Há notícias de que os fenícios, em torno do século VIII a.c estabeleceram em Ulissipona (origem latina do nome da atual capital de Portugal- Lisboa uma factoria um centro comercial). Leite (2007) relata que os romanos construíram um dos maiores impérios da história para manter a hegemonia do poder nos territórios conquistados, cuidaram de organizar a sua economia explorando as possibilidades comerciais das várias regiões subjugadas. Estabeleceram em pontos estratégicos do seu vasto território a figura do factor agente via de regra, um comerciante próspero e conhecido de determinada região que se encarregava de promover o comércio local, de prestar informações creditícias sobre outros comerciantes, receber e armazenar mercadorias provenientes de outras praças e fazer a cobrança, pela qual recebia em pagamento uma remuneração. Era um autêntico consultor de negócios. Com o tempo, os Factorings prosperaram, passaram a pagar a vista aos seus fornecedores o valor das vendas por estes efetuadas, antes mesmo de os compradores fazê-lo. O Factoring, a par dos serviços prestados, substituiu o comprador, pagando à vista ao fornecedor, melhorando o padrão de crédito e efetuando a cobrança junto ao comprador final daquela mercadoria. Como as comunicações eram precárias, o produtor enviava, em consignação, seus bens

21 21 para o agente mercantil, que deveria vendê-los e despachá-los diretamente ao comprador final (LEITE, 2007). Os fornecedores ou vendedores daquelas mercadorias passaram a desfrutar uma situação confortável pela ação dos seus agentes, profundos conhecedores dos comerciantes locais e de toda a sua tradição creditícia, e não admitiam mais perder os benefícios do serviço prestado pelo agente, gerando força á atividade, pois, os meios circulantes aumentaram no decorrer do tempo, bem como o número de transações realizadas. Assim, surgiu o sentido moderno do Factoring, ou seja, com a venda dos créditos oriundos da venda dos bens, pelos produtores ou fornecedores, os factors adquiriram o direito de cobrá-los, como seus legítimos proprietários. O Factoring, que no seu sentido primitivo prestava serviços de comercialização, distribuição e administração, agregou a função de fornecedor de recursos (LEITE, 2007) Papel da Unidroit para a regulamentação do Factoring Segundo Leite (2007), a consolidação dos princípios doutrinários do Factoring se deve ao Institut International Pour L Unification Du Point Privé (UNIDROIT), fundado pela antiga Liga das Nações, em 1926, com sede em Roma, e que tem como objetivo realizar estudos sobre modelos de contratos na área comercial. Em 1987, em sessão plenária do Conselho daquela entidade, composto por 33 membros de vários países, foram aprovadas as conclusões do relatório final, elaborado pelos técnicos do UNIDROIT, procedentes de vários países, contendo subsídios sobre a sistemática operacional do Factoring, inclusive uma minuta de um contrato para transações internacionais de Factoring, que seria objeto da assembléia a ser realizada em Ottawa, no Canadá, em maio de A Convenção Diplomática de Ottawa se realizou no período de 19 a 28 de maio de 1988, para discutir os mais variados aspectos relativos ao tema

22 22 Factoring, com base nas conclusões dos estudos elaborados, no curso de 14 anos. Foi aprovado, em 28 de maio de 1988, o texto de um contrato de Fomento Mercantil destinado a negócios entre países. Constituiu-se, portanto, um acordo internacional, de que foram signatários 53 nações, inclusive o Brasil (LEITE, 2007) O desenvolvimento da atividade de Factoring no Brasil De acordo com SEBRAE Serviço de Apoio a Empresas (2004) a desinformação sobre o Fomento Mercantil no Brasil, dificulta aos micro e pequenos empresários desfrutarem destas atividades de desenvolvimento empresarial, quando necessária ao empreendedor. Para Leite (2007), a atividade de Factoring se diferencia do sistema bancário, dentro de seus novos e modernos conceitos, pelas suas características básicas; é ainda uma atividade de fomento comercial, desenvolvida por empresas independentes e autônomas, caracterizada por: aquisição de ativos (contas a receber) de Micro e Pequenas Empresas, mediante um preço á vista, sem riscos de inadimplemento, ao cedente, dos créditos transferidos, sem direito de regresso, contra a empresa cedente. Estão inseridas na livre concorrência empresarial, sendo reguladas pelas leis de mercado. As empresas de Factoring são empresas comerciais que prestam serviços aos clientes, exclusivamente pessoas jurídicas, conjugada com compra pró-soluto (sem direito de regresso) e pro- solvendo (com direito de regresso) de crédito oriundo de vendas mercantis. Baseando-se nas conceituações acima, verifica-se que as empresas de Factoring: a. São empresas comerciais e não financeiras;

23 23 b. A compra de crédito na cláusula de pró-soluto, a empresa de Factoring não cobra das empresas-clientes por eventual inadimplência dos títulos comprados, cobrando exclusivamente quando se tratar de caso de vício de forma. c. No caso de compra com cláusula pró-solvendo, cobra por eventual inadimplência e quando se tratar de vício de forma; d. Prestam serviços às empresas-clientes e não apenas compram créditos; e. Os clientes devem ser pessoas jurídicas, e não pessoas físicas; f. A compra de crédito conjugada com prestação de serviços deve ser de vendas mercantis da empresa-cliente; Perfil dos profissionais que desenvolvem a atividade de Factoring De acordo com a ANFAC Associação Nacional das Empresas de Fomento Mercantil, o perfil dos empresários que estão por trás do Factoring são: as 740 sociedades de fomento mercantil filiadas á ANFAC e administradas por: economistas (28%), administradores (22%), advogados (20%), engenheiros (15%), contadores (10%) e outros profissionais (5%). Desse total, 50% são exbancários e mais da metade tem mais de 40 anos de idade. Esses profissionais se tornam habilitados a administrar as empresas através do curso de agente de fomento mercantil (operador de Factoring) certificado pela ANFAC, que já diplomou profissionais e está na sua 90 a edição, tendo sido realizado nas mais importantes cidades do país Como se opera o Factoring O processo de Factoring inicia-se com a assinatura de um Contrato de Fomento Mercantil (contrato-mãe, contrato principal, contrato guarda-chuva entre

24 24 outras denominações), realizado entre a empresa-cliente e a Factoring, onde são estabelecidos os critérios da negociação e o fator de compra (deságio). Para Bulgarelli (2000) é um contrato bilateral, consensual, cumulativo, oneroso, de execução continuada, interempresarial e atípico. Significando que o contrato estabelece um novo vínculo empresarial, entre o devedor e o credor. O ciclo operacional do Factoring inicia-se com a prestação de serviços, os mais variados e abrangentes, e se completa com a compra dos créditos (dos direitos) gerados pelas vendas de mercadorias que são efetuadas por suas empresas-clientes, que acontecem em dois tempos. Primeiro tempo: os serviços de gestão empresarial constituem-se o pressuposto básico da operação de Fomento Mercantil. É importante lembrar que os serviços que normalmente são prestados pelas empresas de Factoring a sua clientela-alvo, as Micro e Pequenas Empresas, do setor produtivo é corroborar na compra de matéria-prima, a organizar a contabilidade, controlar o fluxo de caixa, a acompanhar suas contas a receber e a pagar, a fazer o orçamento de custos, a buscar novos clientes, a melhorar o padrão de seus produtos e a expandir as vendas. O Agente de Fomento Mercantil tem de ser flexível e parceiro de suas empresas-clientes, e com elas manter estreito, e até contato diário. Para tanto, o agente é um profissional polivalente que deve estar preparado para a ampla assistência as suas empresas-clientes, possibilitando-lhes alcançar o equilíbrio financeiro e permitir uma expansão segura dos seus negócios. Por essa prestação de serviços cobra-se uma comissão (DONINI, 2004). Segundo tempo: a consequência de todos os serviços prestados se justifica para facilitar o crédito às empresas-clientes, propiciando-lhes a oportunidade de negociar os direitos de suas vendas mercantis a prazo. A empresa de fomento Mercantil fornece os recursos necessários ao giro dos negócios das suas empresas-clientes, por meio, da compra à vista dos créditos, por ela aprovados, resultantes das vendas a prazo realizadas por suas empresasclientes. É tipicamente uma venda mercantil prevista no Art.191 do Código Comercial. Como a empresa de Factoring compra créditos é necessário calcular o

História e Natureza Jurídica do Factoring

História e Natureza Jurídica do Factoring Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring História e Natureza Jurídica do Factoring 145 Rose Marie Pimentel Martins 1 A palavra FACTORING é formada pela radical FACTOR,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring Antonio César Barros de Lima Histórico As operações de Factoring têm sua origem nos séculos XIV e XV, na Europa. O factor era um agente mercantil, que vendia mercadorias

Leia mais

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1

Fomento Mercantil. Eunice Bitencourt Haddad 1 76 Fomento Mercantil Eunice Bitencourt Haddad 1 No II Encontro de Fomento Mercantil, realizado no dia 7 de outubro do corrente ano, foi possível a avaliação da atividade de factoring por vários ângulos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL

LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL LEGISLAÇÃO QUE REGULA AS EMPRESAS DE FOMENTO MERCANTIL ( FACTORING ) NO BRASIL Guilherme J. Falcão Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FACTORING ROSA CRISTINA GUIMARÃES FIGUEIRA ORIENTADOR Prof. MARCO ANTÔNIO

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE FACTORING NA REGIÃO DE TUBARÃO-SC: UM ESTUDO DE CASO.

A UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE FACTORING NA REGIÃO DE TUBARÃO-SC: UM ESTUDO DE CASO. UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL ANA PAULA WLOCH A UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE FACTORING NA REGIÃO DE TUBARÃO-SC: UM ESTUDO DE

Leia mais

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1

Fomento Mercantil. Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 Fomento Mercantil 57 Eduarda Monteiro de Castro Souza Campos 1 A Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro promoveu, em 7 de outubro último, o II Encontro Jurídico de Fomento Mercantil, contando

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring)

Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) 162 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 9 Curso Fomento Mercantil - Factoring Algumas peculiaridades do contrato de fomento mercantil (factoring) Viviane Tovar de Mattos Abrahão 1 A atividade de fomento

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009).

FACTORING. em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito de Itu (2009). 1 FACTORING Verônica Barbosa da Costa 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo O presente estudo tem como finalidade colaborar com uma melhor compreensão, à luz do Direito Empresarial, sobre o conceito de Factoring

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC

As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC As dificuldades de acesso ao crédito das micro e pequenas empresas do setor de confecção da cidade de Criciúma/SC Camila de Pellegrin Dondossola 1 - UNESC camilapellegrin@yahoo.com.br Kristian Madeira

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

BRB Banco de Brasília Escriturário

BRB Banco de Brasília Escriturário A1-AB98 6/1/2010 BRB Banco de Brasília Escriturário Conhecimentos Bancários Brasília 2010 2010 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610,

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

Algumas Considerações Sobre Factoring

Algumas Considerações Sobre Factoring 102 Algumas Considerações Sobre Factoring Hindenburg Köhler Brasil Cabral Pinto da Silva 1 A exposição abaixo foi extraída do livro Factoring no Brasil, de Luiz Lemos Leite, 8.ª Edição. O FACTORING ou

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora SERYS SLHESSARENKO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA e CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007, que "dispõe sobre as operações de fomento mercantil - factoring, e dá outras providências".

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE ABRIL DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2015 IPI ALTERAÇÃO DE ENDEREÇO - ASPECTOS GERAIS... Pág. 133 ICMS - ES FOMENTO MERCANTIL - ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... Pág. 133 LEGISLAÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

A importância do Factoring para pequenas e médias empresas. Resumo

A importância do Factoring para pequenas e médias empresas. Resumo A importância do Factoring para pequenas e médias empresas. Resumo Trata-se de uma abordagem descritiva sobre a atividade de factoring e sua relevância para o fomento das pequenas e médias empresas. Tem

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

Fatores que impulsionam as MPE a recorrer às empresas de Factoring em um município da Zona da Mata MG

Fatores que impulsionam as MPE a recorrer às empresas de Factoring em um município da Zona da Mata MG Fatores que impulsionam as MPE a recorrer às empresas de Factoring em um município da Zona da Mata MG Amanda Prado Fernandes (UFV) - amanda_pradofernandes@yahoo.com.br Simone Martins (UFV) - simonemartins_2005@yahoo.com.br

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Paola Ronconi Pulcine 1, Vilma da Silva Santos 2, Viviane Fushimi Velloso 3, Paulo César Ribeiro Quintairos 4,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais.

Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. FACTORING: UM INSTRUMENTO POUCO CONHECIDO WARGAFTIG, Sérgio Nougués Mestre em Administração de Empresas, Docente na FAEG - Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais. RESUMO A atividade de factoring

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Estudo das garantias nos contratos mercantis internacionais Vanessa Rugai* Por várias razões, nem sempre os compradores conseguem crédito junto aos seus fornecedores. Uma forma de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

DOUGLAS RIBEIRO MAGALHÃES CONTABILIDADE GERENCIAL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

DOUGLAS RIBEIRO MAGALHÃES CONTABILIDADE GERENCIAL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DOUGLAS RIBEIRO MAGALHÃES CONTABILIDADE GERENCIAL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS FACULDADE ARAGUAIA GOIÂNIA / 2011 DOUGLAS RIBEIRO MAGALHÃES CONTABILIDADE GERENCIAL E A SUA IMPORTÂNCIA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.

CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra. CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO Curso: Administração Disciplina: Gestão Financeira I Administração Financeira: uma visão geral. Juliana A. Rüdell Boligon (julianaboligon@unifra.br) Introdução Todas as

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO N º XX-XXX-XXX-XXX-XX COMITÊ SETORIAL: COORDENADOR DO COMITÊ SETORIAL: COORDENADOR DO PROJETO: ÍNDICE DE REVISÕES

IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO N º XX-XXX-XXX-XXX-XX COMITÊ SETORIAL: COORDENADOR DO COMITÊ SETORIAL: COORDENADOR DO PROJETO: ÍNDICE DE REVISÕES IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO N º ---- COMITÊ SETORIAL: Indústria Petróleo &Gás 1 de 15 COORDENADOR DO COMITÊ SETORIAL: ENTIDADE: Claudia Prates BNDES COORDENADOR DO PROJETO: ENTIDADE: Rodolfo Fraenkel ONIP

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza

Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza Local e data. À Prefeitura Municipal de Secretaria Municipal de Fazenda Divisão de Fiscalização ------------------------------------------------ Prezados Senhores, Assunto: ISSQN Imposto sobre Serviço

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring

O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring 114 O fomento mercantil Natureza, legalidade e validade da cláusula de regresso inserida nos contratos de factoring Leonardo Cardoso e Silva 1 O factoring é uma atividade comercial, mista e atípica, que

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring)

O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) O Contrato de Cessão Financeira Internacional (Factoring) Faculdade de Economia do Porto MEGI Direito dos Negócios Internacionais Professor Bruno Sousa Maio 2015 0. Índice 1. Noção e caraterísticas 2.

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

CIRCULAR Nº 870. Brasília-DF, 24 de julho de 1984. José Kléber Leite de Castro Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 870. Brasília-DF, 24 de julho de 1984. José Kléber Leite de Castro Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 870 Comunicamos que, no uso da competência atribuída no item II da Resolução nº 816, de 06.04.83, a Diretoria do Banco Central, em sessão realizada em 18.07.84, objetivando viabilizar a sistemática

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ASSOCIADOS, CLIENTES E COMUNIDADE: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

SCPC - SERVIÇO CENTRAL DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO E INFORMAÇÕES

SCPC - SERVIÇO CENTRAL DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO E INFORMAÇÕES Muitos associados não dão importância à prestação de serviços de sua entidade de classe, considerando-a como um local para encontros, intercâmbio de opiniões e uma espécie de clube para discussão das últimas

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ

O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ Juliana Moutela Ferreira 1, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Vilma da

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais