ENEVA Investor Day 3 de julho de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENEVA Investor Day 3 de julho de 2014"

Transcrição

1 ENEVA Investr Day 3 de julh de 2014

2 Agenda

3 Agenda 1 9:00 9:10 Intrduçã e Apresentaçã da Diretria Fabi Bicud, CEO / Frank Pssmeier, Vice-Presidente Executiv 2 9:10 10:00 Atualizaçã Regulatória Fabi Bicud, CEO 3 10:00 11:00 Operações Rel van der Stk, COO / Frank Pssmeier, Vice-Presidente Executiv 11:00 às 11:30 Cffee Break 4 11:30 12:30 Estabilizaçã Financeira e Estratégias de Reduçã de Cust Ricard Levy, CFO / Frank Pssmeier, Vice-Presidente Executiv 5 12:30 13:00 Encerrament & Oprtunidades de Cresciment Fabi Bicud, CEO / Frank Pssmeier, Vice-Presidente Executiv 3

4 1 Intrduçã e Estrutura da Administraçã

5 Diretria Fabi Bicud, CEO/Diretr-Presidente Atuu cm c-head de investment banking n Gldman Sachs, send respnsável pela cbertura d setr de utilities n Brasil. Anterirmente, fi Managing Directr d Citi. Pssui MBA pela Clumbia Business Schl, tend estudad também na HEC em Paris e na FGV em Sã Paul. Rel van der Stk, Diretr Executiv de Operações Ex-COO da E.ON Anlagenservice. Atuu também cm gerente da divisã de usinas de geraçã da E.ON na Alemanha, além de ter sid head de gestã de ativs da E.ON Benelux. Pssui Mestrad em Engenharia e MBA. Frank Pssmeier, Vice-Presidente Executiv Fi CFO e Deputy-CEO da E.ON Internatinal Energy. Também fi VP Sênir e Diretr Glbal de Fusões e Aquisições d Grup E.ON. Pssui mestrad e dutrad em Ecnmia e Administraçã. Michael Mser, Diretr Executiv de Desenvlviment e Cmpliance Trabalhu na E.ON cm VP e Head Glbal Jurídic de M&A. Também trabalhu n Baker & McKenzie e Agi Invest AG. Pssui mestrads em Administraçã, Ecnmia e Direit, além de dutrad em Direit. Ricard Levy, CFO/Diretr Executiv Financeir Ocupu carg de CFO na BHG, além de psições executivas na Light. Frmad em Administraçã pela PUC-RJ, tend cursad também Ecnmia. Pssui também MBA Executiv em Administraçã pela Cppead/UFRJ. Alexandre American, Diretr Executiv Jurídic e Regulatóri Trabalhu anterirmente cm Gerente Jurídic na Brasil Ecdiesel e n Grup BBM (Banc e Hlding). Frmad em Direit pela PUC-RJ, pssui MBA em Finanças e Mercad de Capitais, além de especializaçã em Direit Crprativ, ambs pela FGV. 5

6 Estrutura da Administraçã Diretr-Presidente Diretr de Relações c/ Investidres Fabi Bicud Relações cm Investidres Recurss Humans Cmunicaçã e Imprensa Relações Institucinais Vice-Presidente Executiv Diretr Executiv Administrativ Frank Pssmeier Auditria Interna HSSE Diretr Executiv Financeir Ricard Levy Diretr Executiv Jurídic e Regulatóri Alexandre American Diretr Executiv de Operações Rel van der Stk Diretr Executiv de Desenvlviment e Cmpliance Michael Mser Tesuraria Cntabilidade Planejament & Cntrle Mercad de Capitais Cmercializadra E&C TI Jurídic Regulatóri Licenciament Engenharia & Cnstruçã Gestã de Ativs Operações M&A Desenvlviment de Negócis Cmpliance Tributári Supriments Diretr de Engenharia & Cnstruçã Matthias Fricke Diretr de Desenvlviment de Negócis Pedr Litsek 6

7 2 Atualizaçã Regulatória

8 CVU Médi (R$/MWh) Discussões Regulatórias em Curs (1) Atras de Parnaíba II Reduçã média d CVU: R$12/MWh ENEVA c/ Parnaíba II: R$101/MWh CVU de Parnaíba II: R$59/MWh 0 SIN s/ ENEVA SIN c/ ENEVA CVU médi (ENEVA sem Parnaíba II): R$111/MWh CVU médi (ENEVA cm Parnaíba II): R$101/MWh 8

9 9 Discussões Regulatórias em Curs (2) Atras de Parnaíba II Visã geral d prjet Parte de 1,4GW d Cmplex Parnaíba, únic exempl de gas t wire n Brasil. 450MW médis vendids n leilã A-3 de 2011 CCEARs iniciads em març de Menr cust variável (R$59/MWh) dentre s prjets a gás n Brasil. Investiments de até R$1,4 bilhã. Prpsta da ENEVA à Aneel Discussões cm a Aneel a lng ds últims 2 meses para alcançar uma sluçã equilibrada para Parnaíba II: Multas regulatórias relacinadas a atras d DCO; Cust de cancelament ds CCEARs. Prpsta apresentada à Aneel em 18 de junh de 2014 cnsidera: Cnstruçã e cnclusã de Parnaíba II até dez/2014; Suspensã temprária d iníci ds CCEARs até dez/2015; Turbina a vapr de Parnaíba II (154MW médis) perand a partir de dez/2014, cumprind parcialmente s CCEARs; Tdas as turbinas a gás já fram cmissinadas. Turbina a vapr será ttalmente testada ns próxims 4 meses. Cnstruçã e infraestrutura de frneciment de gás da usina fram adiads: Falta de financiament de lng praz em funçã de dificuldades para a assinatura ds CCEARs; Capacidade financeira restrita da OGX Maranhã antes d plan de resgate capitanead pr Cambuhy Investiments e E.ON. Reduçã da receita fixa anual da usina durante períd restante ds CCEARs; Term de cmprmiss para fechament d cicl de Parnaíba I, frnecend 360MW de capacidade instalada adicinal, sb certas cndições. Aneel suspendeu qualquer pagament de penalidades até 18 de julh de 2014.

10 Discussões Regulatórias em Curs (3) ADOMP / Encargs pr Indispnibilidade Itaqui e Pecém I Entraram cm açã cntra a Aneel em jan/2014 questinand encargs pr indispnibilidade cm base hrária; Pecém II e Parnaíba I & III Em 26 de junh de 2014, entraram cm um pedid de liminar na Justiça Federal cm bjetiv de bter a mesma metdlgia já pleiteada à Aneel. Em 24 de janeir de 2014, a Justiça Federal cncedeu liminar suspendend encargs pr indispnibilidade cm base em medições hrárias, e instituind a metdlgia prevista ns CCEARs (média de 60 meses); A açã também reivindica reembls ds valres pags desde iníci ds CCEARs; Petiçã para revisã da metdlgia ADOMP apresentada à Aneel: Nta técnica já divulgada, cnsiderand entendiment cntratual da Cmpanhia. +R$310MM já pags em encargs de indispnibilidade¹ Usina 100% Ajustad pela participaçã Itaqui² R$105,2MM R$105,2MM Pecém I² R$250,2MM R$125,1MM Pecém II R$38,9MM R$38,9MM Parnaíba I R$52,2MM R$36,5MM Parnaíba III R$6,9MM R$4,8MM Ttal R$453,3MM R$310,5MM Ntas: 1) Cnsidera metdlgia baseada em medições hrárias para encargs de indispnibilidade até jun/2014; 2) Nã cnsidera s valres pags desde a efetivaçã da liminar. 10

11 Outrs Estuds Regulatóris Discussã ptencial para reestruturaçã ds CCEARs Aplicabilidade Terms d pedid 1 Despach > 80% (durante, pel mens, 6 meses cnsecutivs) Manutençã Adicinal Carvã: [até 3 meses/an] Gás: [até 1 mês/an] 2 Capacidade instalada > 100MW Reduçã temprária d vlume cntratual Duraçã de 5 ans; u Duraçã ttal ds CCEARs 3 Cust variável menr que R$200/MWh Cmpensaçã Duraçã ds CCEARs; e/u Reduçã da receita fixa Tratament diferenciad às térmicas cm baix cust variável e impact significativ ns níveis ds reservatóris Similar a MRE, criad para mitigar riscs hidrlógics. 11

12 3 Operações

13 3.1 Parnaíba Gás Natural

14 Investiment da Cambuhy/E.ON na Parnaíba Gás Natural Garantind frneciment de gás para as térmicas da ENEVA Plan de resgate da PGN N 2S2013, ENEVA e E.ON lideraram resgate da PGN d prcess de recuperaçã judicial da OGPar, garantind frneciment de gás para as usinas da ENEVA: Estrutura Scietária Blc de Cntrle (63,7%) Atual A Cambuhy Investiments vei substituir a OGPar na estrutura scietária da PGN; Refrçand seu cmprmiss cm Brasil, a E.ON cncrdu em participar d grup de cntrle da PGN. 9,1% 18,2% 36,4% PGN OGPar 36,3% Em fev/2014, Cambuhy e E.ON realizaram um aument de capital na PGN n valr ttal de R$250MM, garantind recurss para cbrir as necessidades de investiment da cmpanhia em 2014: BTG 30% 70% Blcs de gás Fram assegurads R$750MM adicinais em financiaments de lng praz; Após a execuçã d cntrat de cmpra e venda Cambuhy também firmu cntrat de cmpra de ações para adquirir a participaçã remanescente da OGPar pr R$200MM; Blc de Cntrle (100%) Esta última etapa da transaçã será finalizada cm parte d prcess de recuperaçã judicial da OGPar. 9,1% 18,2% 72,7% ENEVA e E.ON têm direit pr um períd de 2 ans de aumentar sua participaçã cnjunta na PGN para 33,3%. Parnaíba Gás Natural 14

15 Parnaíba Gás Natural (PGN) 3 camps cmerciais de gás dedicads para suprir as usinas da ENEVA Visã geral Única parte da Bacia d Parnaíba já licenciada e explrada; Declaraçã de cmercialidade para 3 camps de gás: Gaviã Real, Gaviã Azul e Gaviã Branc: Descberta em Santa Vitória em jan/2014 (pç OGX-121). Nva diretria liderada pr Pedr Zinner (ex-diretr da BG): Nv COO: Hubert Mainitz (E.ON E&P) Desafis: Cenári de alt despach aumenta extraçã ds pçs existentes, exigind análise de timizaçã para gestã ds reservatóris; Investiment adicinal pde ser necessári para manter s níveis de prduçã. 15

16 3.2 Parnaíba Geraçã

17 Cmplex Parnaíba Visã Geral Um case únic n setr de geraçã de energia n Brasil cm 910MW já em peraçã Parnaíba IV 3 MG Wärtsilä x 18MW Parnaíba III 1 TG GE x 168,8MW + 1 MG Wärtsilä x 7,3MW Parnaíba I 4 TGs GE x 168,8MW Parnaíba II 2 TGs GE x 168,8MW + 1 TV GE x 181MW Unidade de Tratament de Gás Parnaíba IV Parnaíba III¹ Parnaíba I¹ Parnaíba II Capacidade: 56MW Capacidade: 178MW Capacidade: 676MW Capacidade: 517MW 46% eficiência 38% eficiência 37% eficiência 51% eficiência Receita Fixa: R$54MM/an Receita Fixa²: R$98MM/an Receita Fixa²: R$443MM/an Receita Fixa²: R$374MM/an CVU: R$69/MWh CVU: R$160/MWh CVU: R$114/MWh CVU: R$59/MWh Mercad livre Leilã: A-5/2008 Leilã: A-5/2008 Leilã: A-3/2011 Iníci da Operaçã: Dez/2013 Iníci da Operaçã: Dez/2013 Iníci da Operaçã: Abr/2013 Ntas: (1) Prjet da Bertin desenvlvid pela ENEVA; (2) Receitas fixas indexadas a índice inflacinári IPCA (Data-base: Nv/2013) Cnclusã estimada: 4T14 17

18 Usinas a Gás Visã Geral da Operaçã Tdas as turbinas a gás em peraçã cntínua pr mais de hras, cm alta dispnibilidade Dispnibilidade média histórica de Parnaíba I: 96% Dispnibilidade média histórica de Parnaíba III: 91% Primeiras inspeções realizadas pela GE, sem crrências relevantes Interval de manutençã estendid de hras para hras Ecnmia ns custs de manutençã de aprx. R$25MM a lng ds CCEARs (100% de despach) Prjet em andament para aumentar cnfiabilidade ds mtres Wärtsilä em Parnaíba IV Implementaçã cncluída até final de 2014, dependend d resultad da avaliaçã em curs 18

19 3.3 Prjets a Carvã Itaqui, Pecém I e Pecém II

20 Prtfóli de Geraçã a Carvã Visã Geral 1,4 GW de capacidade instalada em peraçã Itaqui Capacidade: 360MW Pecém I Capacidade: 720MW Pecém II Capacidade: 365MW Receita Fixa¹: R$317,3MM/an Receita Fixa¹: R$600,3MM /an Receita Fixa¹: R$284,9MM /an CVU: R$103/MWh CVU: R$99/MWh CVU: R$108/MWh Leilã: A-5/2007 Leilã: A-5/2007 Leilã: A-5/2008 Iníci da Operaçã: Fev/2013 Iníci da Operaçã: Dez/2012 Iníci da Operaçã: Out/2013 Nta: (1) Receitas fixas indexadas a índice inflacinári IPCA (Data-base: Nv/2013) 20

21 fev-13 mar-13 abr-13 mai-13 jun-13 jul-13 ag-13 set-13 ut-13 nv-13 dez-13 jan-14 fev-14 mar-14 abr-14 mai-14 jun-14 Itaqui (1) 100% Dispnibilidade¹ 90% 80% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 00% Declarad: 95% 78% 74% Principais questões e plan de açã Equipament Causa Plan de Açã Status Mancais de rlament ds ventiladres da caldeira Minhs Sistema FGD (dessulfurizaçã) Equipaments auxiliares Prblemas de fabricaçã Desgaste Entupiment Prjet e instalaçã Substituíds Mdificaçã de prjet e revisões periódicas Melhria da instalaçã e desenvlviment de prcediment de limpeza nline Substituiçã, mdificações Dispnibilidade Mensal Média Histórica Média 1 an Média últ. 6 meses Nta: (1) Basead em dads da Cmpanhia e d ONS. Investiment em melhrias técnicas e estque de peças de repsiçã aprpriad, ttalizand R$40MM (estimad), permitirá a reduçã d temp de inatividade Parada para manutençã planejada para 3T14 21

22 Itaqui (2) Cust Variável x Receita Variável (R$/MWh) 261 Cust de geraçã variável inflacinad pel alt cust de lgística de carvã Prblema Cnsequência Plan de Açã 232 Simplificar a engenharia, dividind a crreia em várias seções Prblemas de prjet na crreia transprtadra de carvã Maires custs de transprte pr caminhã: aprx. R$15/MWh Status: Nv prjet de engenharia em andament Temp estimad: 6 a 12 meses Cust: pleit será apresentada a fabricante (Technmetal) para cbrir s custs Dragagem d berç de carvã n Prt de Itaqui Restriçã de capacidade ds navis, cm cust d frete mais elevad: ~US$5/tn / R$5/MWh Aumentar prfundidade d berç para permitir us de navis Panamax (75k tn), em vez ds atuais navis Supramax (35-40k tn) Status: Gvern lcal finalizand licitaçã Temp estimad: final de 2014 Cust Variável Receita Variável Os custs variáveis devem ser reduzids cm a melhria da lgística de carvã, de frma a se equiparar à receita variável Nta: (1) Dads preliminares em junh de

23 jan-13 fev-13 mar-13 abr-13 mai-13 jun-13 jul-13 ag-13 set-13 ut-13 nv-13 dez-13 jan-14 fev-14 mar-14 abr-14 mai-14 jun-14 Pecém I (Unidade #1) Dispnibilidade¹ Principais questões e plan de açã 100% 5 Equipament Causa Plan de Açã Status 90% 80% 70% Declarad: 90% 75% 1 Incêndi na turbina Vazament de óle Tubulações de óle melhradas, sistema de cmbate a incêndi cmissinad 60% 50% 52% 59% 2 Sel de hidrgêni Falha d material Substituíd 40% 30% 20% 10% 00% Vazament na caldeira Mtr d ventiladr elétric Equipaments auxiliares Falha na cnstruçã Falha na cnstruçã Prjet e instalaçã Reparad Nv mtr instalad; antig mtr em repar para ser mantid cm reserva Substituiçã, mdificações Dispnibilidade Mensal Média Histórica Média 1 an Média últ. 6 meses Nta: (1) Basead em dads da Cmpanhia e d ONS. Investiment em melhrias técnicas e estque de peças de repsiçã aprpriad, ttalizand R$30MM (estimad), permitirã um temp de inatividade reduzid 23

24 Pecém I (Unidade #2) 100% 90% 80% 70% Dispnibilidade¹ 4 74% Declarad: 90% 85% 76% 1 Principais Falhas e Plan de Açã Equipament Causa Plan de Açã Status Ventiladr de refrigeraçã d geradr Falha de mntagem Remntad 60% 50% 40% 30% Filtrs de manga Válvula de cntrle da turbina Sistema de limpeza Vazament de óle Válvulas trcadas Reparad 20% 10% 4 Equipaments auxiliares Prjet e instalaçã Substituiçã, mdificações 00% Dispnibilidade Mensal Média 1 an Média Histórica Média últ. 6 meses Investiment em melhrias técnicas e estque de peças de repsiçã aprpriad, ttalizand R$30MM (estimad), permitirã um temp de inatividade reduzid Nta: (1) Basead em dads da Cmpanhia e d ONS. Parada para manutençã planejada para 3T14 24

25 Pecém I Cust Variável x Receita Variável 1 (R$/MWh) Cust de geraçã variável já em níveis recrrentes Cust cm diesel reduzid em ~50% cm perações mais estáveis após a interrupçã para manutençã em jan/ Cust de estque de carvã em linha cm s valres declarads cm base para determinar a receita variável Cust Variável Receita Variável Cust de geraçã variável em níveis recrrentes, cm margem de despach psitiva Nta: (1) Dads preliminares para junh de

26 Pecém II Dispnibilidade¹ Cust Variável x Receita Variável (R$/MWh) 100% 90% 96% Declarad: 95% 93% 80% 70% 60% 50% % 30% 20% % 00% ut-13 nv-13 dez-13 jan-14 fev-14 mar-14 abr-14 mai-14 jun-14 ut-13 nv-13 dez-13 jan-14 fev-14 mar-14 abr-14 mai-14 jun-14 Dispnibilidade Mensal Média Histórica Média últ. 6 meses Cust Variável Receita Variável A melhria n cmissinament resultu em perações mais estáveis, incrprand as lições aprendidas em utras usinas Mnitrament de equipaments auxiliares para manutençã d bm desempenh Nta: (1) Basead em dads da Cmpanhia e d ONS. 26

27 Resum de melhrias na peraçã de carvã Principais riscs remanescentes Cenári de despach elevad e cntínu, cm temp de manutençã reduzid; Prjet e instalaçã de equipaments auxiliares. Plan de melhria para usinas a carvã Otimizaçã de estruturas rganizacinais para reduzir custs e melhrar desempenh da equipe; Trca de experiências entre as usinas e cm E.ON e EDP; Implementaçã de prcesss de gerenciament de ativs (gestã de riscs, análise de falhas); Melhrias técnicas (aprximadamente R$60MM em 3 ans, fcada principalmente em Itaqui e Pecém I); Frnecedres: estabelecer uma rede de frnecedres cnfiáveis de bens e serviçs essenciais; Peças de repsiçã: adquirir peças de repsiçã estratégicas (aprx. R$40MM em 3 ans para pl de peças de repsiçã). 27

28 4 Estabilizaçã Financeira e Estratégias de Reduçã de Cust

29 4.1 Estabilizaçã Financeira

30 Estabilizaçã Financeira em Curs 12 de mai de de mai de de junh de 2014 Assinatura de term de cmprmiss cm bancs para: Aument de capital de R$1,5Bi Fase I: R$316,5MM em dinheir apenas (em vigr); e Fase II: R$1,5Bi mens mntante captad na Fase I (caixa, bens u cnversã da dívida). Renegciaçã da dívida da hlding: Transferência de dívida de R$ MM para subsidiárias/prjets; Extensã d venciment d restante da dívida da hlding em 5 ans (cerca de R$1,5Bi), cm iníci da amrtizaçã a partir de junh de Venda de Pecém II: Garantia backstp da E.ON de até R$400MM pr 50% d ativ. Empréstim-pnte de curt praz n valr de R$100MM desemblsad pels bancs. R$120MM d cmprmiss de subscriçã da E.ON n 1º Aument de Capital. R$150MM de capital nv btids durante Praz de Preferência inicial: R$120MM pela E.ON (já desemblsads); R$30MM pr minritáris; e Funds adicinais pdem ser levantads durante s períds de direit de preferência. Estrutura scietária indicativa: Free Flat 35,6% Blc de Cntrle Eike Batista 20,4% 44,0% 30

31 Prcess e Pass-a-pass da Estabilizaçã (1) Atualizaçã d prcess ENEVA trabalha cm as seguintes priridades: 1. Venda de Pecém II / Execuçã da garantia backstp; 2. Sluçã para Parnaíba II e desafis regulatóris imprtantes (ex.: acrd final sbre ADOMP) ; Principais cnquistas recentes / Pnts crítics Principais cnquistas: ICB Online para Pecém II; Prgress cm a Aneel n cas Parnaíba II (praz: 18 de julh); Lançament d 1º Aument de Capital I e subscriçã da E.ON. 3. Implementaçã d plan de estabilizaçã, principalmente: Principais desafis remanescentes: Auments de capital; Financiament de lng praz de Pecém II; Waivers d BNDES para encerrament de Pecém II e dispnibilizaçã ds funds (E.ON) e d financiament de lng praz (bancs); Transferência de dívida para subsidiárias/prjets; Sluçã final para Parnaíba II; Extensã d venciment da dívida da hlding. Implementaçã d 2º Aument de Capital e ptenciais cntribuições de ativs. 31

32 Prcess e Pass-a-pass da Estabilizaçã (2) Julh de 2014 Agst-utubr de 2014 Cnclusã da venda de Pecém II Assembleia de acinistas Pagament de, n mínim, R$400M (50% de Pecém II) Autrizaçã para aument de capital Autrizaçã para cntribuiçã de ativs Decisã final da Aneel sbre Parnaíba II Cnselh aprva 2º Aument de Capital Financiament de lng praz de Pecém II Dcumentaçã final; Iníci d 2º Aument de Capital Desembls ds aprtes. Acrd ds principais terms da transferência de dívida para subsidiárias/prjets; Execuçã / Efetivaçã da dívida pendente/rll ver 32

33 4.2 Estratégias de Reduçã de Cust

34 Elements-chave da ENEVA para a estratégia de reduçã de custs Três fatres-chave para manter cntrle de custs Estratégia de reduçã de custs baseada em: tp-dwn Elements da Reduçã de Custs (R$) (meta de R$80MM) e bttm-up (desenh de rganizaçã ideal), apiada pr uma cnsultria externa. 10% O prgrama de reduçã de custs será desenvlvid cm 65% 45MM base em três fatres-chave: 125MM 35% Implementaçã de resultads rápids Racinalizaçã da rganizaçã 80MM Terceirizaçã e realcaçã de funções específicas FY2014 Ganhs rápids Simplificaçã rganizacinal Realcaçã e terceirizaçã Meta 2015 Reduçã de custs de 35% a 40% a ser alcançada em

35 Ganhs rápids cm referência para iniciar mudanças Diversas medidas bjetivand retrns rápids Layut d escritóri e serviçs Visã Geral ds Ganhs Rápids (R$) Mudança n layut d escritóri e reduçã de 6 para 3 andares alugads; Reduçã ds serviçs de escritóri. 2MM Pliticas de viagem Implementaçã de uma plítica restritiva para viagem; 4.5MM 1MM Restriçã de vs mudança para videcnferências. 1MM 0.5MM Medidas administrativas Reduçã de serviçs de cnsultria; Ganhs rápids Escritóri & Serviçs Custs de viagem Medidas administrativas Outrs Reduçã de events crprativs; Simplificaçã ds prjets crprativs em curs. 35

36 Principais pilares sã simplificaçã rganizacinal e mudanças estruturais Repensand tamanh da rganizaçã e a reduçã de duplicidades e ineficiências; Otimizaçã das funções da hlding Hje Amanhã Restruturaçã de respnsabilidades, reprtes e prcesss; Metas claras para 2014: Reduçã de cust de pessal em R$30 milhões; 2 membrs d EC e 7 Diretres 2 membrs d EC e 4 Diretres Reduçã de headcunt de, n mínim, 65 funcináris; Até 6 níveis hierárquics Máx. 4 níveis hierárquics Reduçã de hierarquias e, assim, diminuiçã d númer de gerentes de nível médi. 175 funcináris n fim de 2013 < 110 funcináris até fim de

37 Aumentar a eficiência pr mei de terceirizaçã e realcaçã Fc em funções reais da hlding Smente funções da hlding cm tarefas de cntrle Otimizaçã das funções da hlding claras devem estar lcalizadas n Ri de Janeir; Definiçã e diferenciaçã claras entre funções de cntrle e suprte; Funções de Cntrle Tarefas claras da hlding Plan de açã para as funções de api: Funções Atuais da Hlding Agrupar, criar centrs de serviç cmpartilhads e realcar Implantaçã de centrs de serviçs cmpartilhads agrupand certas atividades; Funções de Suprte Centralizaçã de funções-chave (ex.: supriments); Realcaçã para reduzir custs lcais (ex.: perações); Terceirizaçã (ex.: TI). Agrupar e Terceirizar 37

38 Efeit em 2015 da reduçã de custs realizada Parte principal da ecnmia será realizada n 3T14 e 4T14 2T14 3T14 4T Fase I Estruturaçã d prgrama + realizaçã de ganhs rápids Fase II Implementar racinalizaçã + mudanças estruturais Fase III Aumentar eficiência pr mei de terceirizaçã e realcaçã Fase IV Cntrle de custs e melhrias cntínuas R$45MM Eficiência pr mei de terceirizaçã e realcaçã Ramp-up esquemátic Ganhs rápids Racinalizaçã e mudanças estruturais Cust nã-recrrente assciad a prgrama de reduçã de custs 38

39 5 Encerrament e Oprtunidades de Cresciment

40 Parnaíba I: Fechament d cicl (1) Expansã altamente cmpetitiva n site existente Destaques Parnaíba Fechament d cicl abert das turbinas a gás de Parnaíba I, frnecend 360MW adicinais. Prjet cmpetitiv sem necessidade de gás adicinal¹. Licença ambiental de instalaçã emitida. Plug and Play: subestaçã elétrica de 500kV e frneciment de água já cnstruíds. Fechament #1 Fechament #2 Tecnlgia cnhecida, prjet riginal d Cmplex Parnaíba cncebid para permitir uma expansã mdular, levand à implementaçã e peraçã eficientes. Experiência recente da ENEVA na usina Parnaíba II de ciclcmbinad, em site vizinh. Eficiência n cmpartilhament de custs (O&M, administrativ, HSSE, peças de repsiçã etc.) cm Cmplex Parnaíba, trnand prjet ainda mais cmpetitiv. Nte: (1) Para permitir a expansã adicinal de cmbustível, principalmente para a harmnizaçã ds CCEARs e d cnsum intern. 40

41 Parnaíba I: Fechament d cicl (1) Expansã altamente cmpetitiva n site existente Capacidade: 352,8MW Eficiência da planta: 51% (anterirmente 37%) Gás adicinal cnsumid: zer EPCista: TBD (primeira fase cnstruída pela Dur Felguera) Crngrama de implantaçã: 36 meses Nv equipament CAPEX: aprx. R$1,75 bilhã Estrutura de capital desejada: 70/30, cm financiament d BNDES Target IRR: 15% real Principais equipaments/temp de entrega: Instalações existentes Turbina a vapr + Geradr: 18 meses Sistema de recuperaçã de calr (caldeiras): 14 meses Trre de resfriament: 13 meses Bmbas (água, cndensad, água de resfriament): 13 meses 41

42 Avis Legal Esta apresentaçã cntém algumas afirmações e infrmações prspectivas relacinadas a Cmpanhia que refletem a atual visã e/u expectativas da Cmpanhia e de sua administraçã a respeit de seu plan de negócis. Afirmações prspectivas incluem, entre utras, tdas as afirmações que dentam previsã, prjeçã, indicam u implicam resultads, perfrmance u realizações futuras, pdend cnter palavras cm "acreditar", "prever", "esperar, "cntemplar", "prvavelmente resultará" u utras palavras u expressões de acepçã semelhante. Tais afirmações estã sujeitas a uma série de expressivs riscs, incertezas e premissas. Advertims que diverss fatres imprtantes pdem fazer cm que s resultads reais divirjam de maneira relevante ds plans, bjetivs, expectativas, estimativas e intenções expresss nesta apresentaçã. Em nenhuma hipótese a Cmpanhia u suas subsidiárias, seus cnselheirs, diretres, representantes u empregads serã respnsáveis perante quaisquer terceirs (inclusive investidres) pr decisões u ats de investiment u negócis tmads cm base nas infrmações e afirmações cnstantes desta apresentaçã, e tampuc pr dans cnsequentes, indirets u semelhantes. A Cmpanhia nã tem intençã de frnecer as eventuais detentres de ações uma revisã das afirmações prspectivas u análise das diferenças entre as afirmações prspectivas e s resultads reais. Esta apresentaçã e seu ter cnstituem infrmaçã de prpriedade da Cmpanhia, nã pdend ser reprduzids u divulgads n td u em parte sem a sua prévia anuência pr escrit.

43 Obrigad.

1 Visão Geral da ENEVA

1 Visão Geral da ENEVA Dezembr, 2014 1 Visã Geral da ENEVA Visã geral da ENEVA Uma das maires geradras privadas de energia n Brasil A ENEVA atualmente pera 2,4GW em térmicas a carvã e gás natural Platafrma integrada de energia,

Leia mais

1 Tese de Investimento

1 Tese de Investimento Outubr, 2013 Avis Legal Esta apresentaçã cntém algumas afirmações e infrmações prspectivas relacinadas a Cmpanhia que refletem a atual visã e/u expectativas da Cmpanhia e de sua administraçã a respeit

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Apresentação Corporativa Julho/2015

Apresentação Corporativa Julho/2015 Apresentação Corporativa Julho/2015 Aviso Legal Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa Serviçs Cnsultria Treinament Lgís5ca Reversa Cnsul'ng Prjets de Supply Chain Implementaçã de Sistemas Lgís5cs Diagnós5c Operacinal Oprtunidades de Reduçã de Cust Reestruturaçã de Operações Lgís5ca Internacinal

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Reunião APIMEC. Novembro de 2015

Reunião APIMEC. Novembro de 2015 Reuniã APIMEC Nvembr de 2015 Agenda SETOR CORPORATIVO e ESTRATÉGIA DESEMPENHO E PERSPECTIVAS CONSIDERAÇÕES FINAIS Palestrantes: Andre B. Gerdau Jhannpeter CEO Harley Lrentz Scardelli CFO e Diretr de RI

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015 Sã Paul, Brasil, 13 de abril de 2015 - O GPA [BM&FBOVESPA: PCAR4 (PN); NYSE: CBD] e Via Varej S.A. [BM&FBOVESPA:VVAR3 e VVAR11] anunciam desempenh das vendas d 1º trimestre de 2015. Desempenh de Vendas

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Advisory. Audit. Corporate. BPO / Accounting

Advisory. Audit. Corporate. BPO / Accounting BPO / Accunting Audit Advisry TAX Labr Crprate A JCG Cnsultria Para se trnarem cmpetitivas n mund glbalizad e se estabelecerem num mercad em crescente evluçã, a tendência atual nas empresas é a terceirizaçã

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009.

VENDAS CONTRATADAS NO 1S10 ULTRAPASSAM R$507 MILHÕES, RESULTADO 73% ACIMA DO OBTIDO NO MESMO PERÍODO DE 2009. PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA: Sã Paul, 14 de julh de 2010: A CAMARGO CORRÊA DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO ( CCDI u Cmpanhia ; Bvespa: CCIM3) anuncia seus resultads peracinais referentes a segund trimestre de

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificado. Série-R 90-160 kw/125-200 hp

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificado. Série-R 90-160 kw/125-200 hp Cmpressres de Ar de Parafuss Rtativs Lubrificad Série-R - kw/- hp A Ingersll Rand entru em seu segund sécul cnstruind seu legad cm líder glbal em cnfiabilidade, frnecend sluções invadras e a experiência

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL PARCERIA PÚBLICO PRIVADA SETOR HABITACIONAL JARDINS MANGUEIRAL Jardins Mangueiral Primeira Parceria Públic-Privada d Brasil Jardins Mangueiral Famílias beneficiadas: 8.000. Casas de dis e três quarts

Leia mais

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos Seminári de Gestã Resídus Sólids Urbans EKOS 2015 Brasília, 27 de agst de 2015 Área de Mei Ambiente Martin Inguville martin.inguville@bndes.gv.br O Resídu Sólid Urban é apenas um ds tips de resídus, embra

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

Cnova N.V. Atividade do Terceiro Trimestre de 2015

Cnova N.V. Atividade do Terceiro Trimestre de 2015 Cmunicad 9 de utubr de 2015 Cnva N.V. Atividade d Terceir Trimestre de 2015 GMV: 1.121 milhões (+17,6% a câmbi cnstante) Participaçã d marketplace: 22,7% (+1.032 bp) Vendas líquidas: 781 milhões (+9,1%

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Divulgação de Resultados Primeiro Trimestre de 2014

Divulgação de Resultados Primeiro Trimestre de 2014 Divulgaçã de Resultads Primeir Trimestre de 2014 Barueri, 14 de mai de 2014. Apresentaçã de Resultads 1T14 A Temp Participações S.A. (BM&FBvespa: TEMP3; Reuters: TEMP3.SA; Blmberg: TEMP3 BZ), empresa de

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL Prf. Glauce Almeida Figueira EMENTA AULA TÓPICOS 31/08 Intrduçã a Cntabilidade de Custs ; Terminlgia Cntábil; Tips de Custei;

Leia mais

Divulgação de Resultados Terceiro Trimestre de 2013

Divulgação de Resultados Terceiro Trimestre de 2013 Divulgaçã de Resultads Terceir Trimestre de 2013 Barueri, 12 de nvembr de 2013. Apresentaçã de Resultads 3T13 A Temp Participações S.A. (BM&FBvespa: TEMP3; Reuters: TEMP3.SA; Blmberg: TEMP3 BZ), empresa

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE Institut Instituiçã fcada na geraçã de sluções para a implementaçã e gestã pedagógica de Núcles de Treinament e Capacitaçã de prfissinais e acadêmics

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO Item 01 02 03 04 05 06 Refere a dcument PQN-02 PQN-02 07 PQN-05 08 09 10 Identificaçã Nme d registr Cntrle de emissã e distribuiçã de dcuments Matriz ds registrs da qualidade Ficha de cntrle de atualizações

Leia mais

Banda Larga Móvel LTE e Além

Banda Larga Móvel LTE e Além MARÇO 2015 As tecnlgias 3GPP - HSPA, HSPA+, LTE e agra a LTE-Advanced - frmam a platafrma glbal da banda larga móvel, ferecend cnexões rápidas e integradas n mund inteir. Nessa ediçã 1 Implementações 3GPP

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Resultados Janeiro Junho / 2015. Resultados 2T14 Telefônica Brasil S.A.

Resultados Janeiro Junho / 2015. Resultados 2T14 Telefônica Brasil S.A. Resultads Janeir Junh / 2015 Resultads 2T14 Resultads 2T15 Neste 0+ trimestre, após a cnclusã da aquisiçã da GVT, divulgams as infrmações da nva Cmpanhia, que atingiu sólid cresciment anual ns principais

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais