1 Visão Geral da ENEVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Visão Geral da ENEVA"

Transcrição

1 Dezembr, 2014

2 1 Visã Geral da ENEVA

3 Visã geral da ENEVA Uma das maires geradras privadas de energia n Brasil A ENEVA atualmente pera 2,4GW em térmicas a carvã e gás natural Platafrma integrada de energia, cm acess privilegiad a recurss naturais Única geradra privada de energia n Brasil cm acess a gás nshre Prgrama de restruturaçã em curs - Rerganizar a estrutura crprativa e prmver a estabilizaçã das perações das UTEs - Frtalecer a estrutura de capital da Cmpanhia Prtfóli greenfield cmpetitiv Prjets licenciads de geraçã de energia a carvã, a gás e eólica 3

4 Visã geral da ENEVA Uma geradra térmica brasileira cm ativs a cmbustíveis fósseis (gás natural e carvã) Descriçã da Cmpanhia PPAs de lng praz, prtegids da inflaçã, smam 2,9GW 2,4GW em peraçã 518MW em cnstruçã PPAs de lng praz garantem R$2,2 bilhões em pagaments anuais ajustads pel IPCA PPAs prprcinam hedge cntra expsiçã a preç de cmmdities Ativs integrads de E&P de gás frnecem 8,4MM m³/dia para as plantas da ENEVA Cmpetitiv prtfóli de prjets greenfield a carvã, a gás e eólics Free Flat (37,1%) Outrs 28,5% Estrutura Scietária da ENEVA BNDES 8,6% Blc Cntrladr Eike Batista 20,0% 42,9% 50% 50% ENEVA Participações ENEVA/E.ON Jint Venture Blcs Explratóris de Gás Natural Prduçã cntratada de 8,4MM m 3 /dia Mapa de Atuaçã Amapari Energia ENEVA 51% / Eletrnrte 49% Diesel - 23MW Nta: 1) Estrutura acinária ds prjets assume futura incrpraçã da ENEVA Participações (ENEVA/E.ON JV), tal cm divulgad n Fat Relevante de 3 de junh de 2013 Itaqui ENEVA 100% Carvã - 360MW Pecém I ENEVA 50% / EDP 50% Carvã - 720MW Pecém II ENEVA 100% Carvã - 365MW Slar Tauá ENEVA 100% Slar - 1MW Parnaíba I ENEVA 70% / Petra 30% Gás Natural - 676MW Parnaíba II ENEVA 100% Gás Natural - 517MW Parnaíba III¹ ENEVA 70% / Petra 30% Gás Natural - 176MW Parnaíba IV¹ ENEVA 70% / Petra 30% Gás Natural - 56MW 4

5 Prtfóli de geraçã a carvã Visã geral 1,4GW de capacidade instalada em peraçã Itaqui Capacidade: 360MW Pecém I Capacidade: 720MW Pecém II Capacidade: 365MW Receita Fixa¹: R$312,7MM/an Receita Fixa¹: R$637,0MM /an Receita Fixa¹: R$302,1MM /an CVU: R$111/MWh CVU: R$107/MWh CVU: R$116/MWh Leilã: A-5/2007 Leilã: A-5/2007 Leilã: A-5/2008 Iníci da Operaçã: Fev/2013 Iníci da Operaçã: Dez/2012 Iníci da Operaçã: Out/2013 Nta: (1) Receitas fixas indexadas a índice inflacinári IPCA (Data-base: Nv/2014) 5

6 Cmplex Parnaíba Visã geral Um case únic n setr de geraçã de energia n Brasil cm 910MW já em peraçã Parnaíba IV 3 MG Wärtsilä x 18MW Parnaíba III 1 TG GE x 168,8MW + 1 MG Wärtsilä x 7,3MW Parnaíba I 4 TGs GE x 168,8MW Parnaíba II 2 TGs GE x 168,8MW + 1 TV GE x 181MW Unidade de Tratament de Gás Parnaíba IV Parnaíba III¹ Parnaíba I¹ Parnaíba II Capacidade: 56MW Capacidade: 178MW Capacidade: 676MW Capacidade: 517MW 46% eficiência 38% eficiência 37% eficiência 51% eficiência Receita Fixa: R$54MM/an Receita Fixa²: R$104,9MM/an Receita Fixa²: R$472,6MM/an Receita Fixa²: R$398,3MM/an CVU: R$69/MWh CVU: R$171/MWh CVU: R$109/MWh CVU: R$63/MWh Mercad livre Leilã: A-5/2008 Leilã: A-5/2008 Leilã: A-3/2011 Iníci da Operaçã: Dez/2013 Iníci da Operaçã: Dez/2013 Iníci da Operaçã: Abr/2013 Ntas: (1) Prjet da Bertin desenvlvid pela ENEVA; (2) Receitas fixas indexadas a índice inflacinári IPCA (Data-base: Nv/2014) Cnclusã estimada: 4T14 6

7 Investiment da Cambuhy/E.ON na Parnaíba Gás Natural Garantind frneciment de gás para as térmicas da ENEVA Plan de resgate da PGN N 2S13, ENEVA e E.ON lideraram resgate da PGN d prcess de recuperaçã judicial da OGPar, garantind frneciment de gás para as usinas da ENEVA: Estrutura Scietária Blc de Cntrle (63,7%) Atual A Cambuhy Investiments vei substituir a OGPar na estrutura scietária da PGN; Refrçand seu cmprmiss cm Brasil, a E.ON cncrdu em participar d grup de cntrle da PGN. 9,1% 18,2% 36,4% PGN OGPar 36,3% Em fev/2014, Cambuhy e E.ON realizaram um aument de capital na PGN n valr ttal de R$250MM, garantind recurss para cbrir as necessidades de investiment da cmpanhia em 2014: BTG 30% 70% Blcs de gás Fram assegurads R$750MM adicinais em financiaments de lng praz; Após a execuçã d cntrat de cmpra e venda Cambuhy também firmu cntrat de cmpra de ações para adquirir a participaçã remanescente da OGPar pr R$200MM; Blc de Cntrle (100%) Esta última etapa da transaçã será finalizada cm parte d prcess de recuperaçã judicial da OGPar. 9,1% 18,2% 72,7% ENEVA e E.ON têm direit pr um períd de 2 ans de aumentar sua participaçã cnjunta na PGN para 33,3%. Parnaíba Gás Natural 7

8 Parnaíba Gás Natural (PGN) 3 camps cmerciais de gás dedicads para suprir as usinas da ENEVA Visã geral Única parte da Bacia d Parnaíba já licenciada e explrada; Declaraçã de cmercialidade para 3 camps de gás: Gaviã Real, Gaviã Azul e Gaviã Branc: Descberta em Santa Vitória em jan/2014 (pç OGX-121). Nva diretria liderada pr Pedr Zinner (ex-diretr da BG): Nv COO: Hubert Mainitz (E.ON E&P) Desafis: Cenári de alt despach aumenta extraçã ds pçs existentes, exigind análise de timizaçã para gestã ds reservatóris; Investiment adicinal pde ser necessári para manter s níveis de prduçã. 8

9 2 Desempenh Operacinal e Financeir das Usinas

10 Perfrmance Operacinal (Itaqui) Sluçã para descarte de cinzas atingiu s Custs peracinais n trimestre EBITDA (R$MM) -0,6 Custs Operacinais 3T14 3T14 (Adj) 2T14 3T14 (Adj) /2T14 100,5 112,1 Custs Operacinais ² (R$ milhões) 21,1 121,6 115,5 5,3% 20,1 EBITDA 2T14-1,8-6,1 Δ Receita Operacinal Líquida Δ Custs Operacinais Ajuste de Indispnibilidade Δ Despesas Operacinais EBITDA 3T14 Energia Bruta Gerada (GWh) 679,5 679, ,1% Custs Operacinais pr Energia Bruta Gerada (R$/MWh) 31,1 179,0 249,9-28,4% 3T14 (Adj) exclui reembls ds Custs de Indispnibilidade (R$100,5MM) Dispnibilidade 63% 83% 84% 87% 75% 77% 87% Mair dispnibilidade histórica registrada em set/2014: 95% Reduçã significativa em Custs peracinais/mwh cm resultad da melhr dispnibilidade Receitas Operacinais impactadas psitivamente pela mair dispnibilidade, elevand a receita variável (+R$ 19,4MM), apesar da diminuiçã de Energia para revenda (-R$ 22,2 MM) 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 Fntes: ONS e Cmpanhia NOTA: 1) Nã inclui Depreciaçã & Amrtizaçã. Aument ds Custs peracinais cm cnsequência d mair cnsum de cmbustível devid à mair dispnibilidade da planta (+R$14,5MM) e Serviçs de terceirs refletind cust incremental em funçã d descarte de cinzas (+R$5,9 milhões) 10

11 Perfrmance Operacinal (Parnaíba I) Dispnibilidade reduzida prejudicu EBITDA 3T14 apesar de menres custs cm Insums EBITDA (R$MM) Custs Operacinais 3T14 3T14 (Adj) 2T14 3T14 (Adj) /2T14 50,3-35,8-11,0 17,8-0,9 20,3 Custs Operacinais¹ (R$ milhões) 189,8 207,6 196,6-3,4% Energia Bruta Gerada (GWh) ,9% Custs Operacinais pr Energia Bruta Gerada (R$/MWh) 161,8 177,0 139,3 16,2% EBITDA 2T14 Δ Receita Operacinal Líquida Dispnibilidade 91% Δ Custs Operacinais Ajuste de Indispnibilidade Δ Despesas Operacinais 97% 96% 99% 98% 94% EBITDA 3T14 3T14(Adj) exclui ajuste ds custs de indispnibilidade (R$17,8MM) Reduçã da dispnibilidade desde meads mai/2014 em funçã da timizaçã d us de gás pel Cmplex Termelétric Parnaíba Receita peracinal impactada negativamente pela menr dispnibilidade, que cmprmeteu a receita variável n trimestre (-R$39,6MM) N.A. 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 Fntes: ONS e Cmpanhia NOTA: 1) Nã inclui Depreciaçã & Amrtizaçã. Apesar de menr cust cm Insums (-R$15,9MM) devid a reduçã de dispnibilidade da usina, s Custs Operacinais cresceram principalmente pels seguintes auments: Custs de Indispnibilidade (+R$12,1MM, líquid d efeit da decisã da Justiça Federal de set/2014); e Cust de Arrendament (+R$13,9MM), em cnsequência d reajuste d cntrat de arrendament fix da unidade de tratament de gás 11

12 Perfrmance Operacinal (Pecém I) Receitas e custs cmprmetids pela queima d estatr da UG01 em 25/08/14 EBITDA 1 (R$MM) Custs Operacinais 1,9 3T14 3T14 (Adj) 2T14 3T14 (Adj) /2T14 237,0 244,1 Custs Operacinais ² (R$ milhões) 26,4 263,4 256,3 2,8% Energia Bruta Gerada (GWh) 965,2 965, ,6% 32,5-20,3 EBITDA 2T14 Δ Receita Operacinal Líquida -7,1 Δ Custs Operacinais Ajuste de Indispnibilidade Δ Despesas Operacinais EBITDA 3T14 Custs Operacinais pr Energia Bruta Gerada (R$/MWh) 3T14 (Adj) exclui reembls de indispnibilidade (R$237,0MM) 27,4 272,9 216,1 26,3% Dispnibilidade 72% 73% 73% 72% 66% 41% 32% 59% 83% 51% 77% 70% N.A. 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 Pecém I UG1 UG2 Fntes: ONS e Cmpanhia NOTAS: 1) Cnsidera 100% de Pecém I; 2) Nã inclui Depreciaçã & Amrtizaçã 26% 86% 83% 78% 80% 71% 50% 86% A queima d estatr da UG01 em 25/08/14 afetu a dispnibilidade d 3T14. Em set/14, a UG02 registru 2ª melhr marca de dispnibilidade histórica: 97,1% Receitas peracinais impactadas pela menr dispnibilidade da UG01, que diminuiu a receita variável n trimestre (-R$24,6MM) Apesar da queda d cust cm Insums (-R$25,0MM), devid a menr dispnibilidade da usina, s Custs Operacinais cresceram principalmente pels seguintes auments: Cust de Indispnibilidade (+R$14,4MM) e Cust de energia para revenda (+R$3,5MM), ambs pel aument d PLD (+46,3%); e Repar de máquinas e equipaments (+R$4,5MM) 12

13 Perfrmance Operacinal (Pecém II) Menr dispnibilidade impactaram as receitas peracinais e PLD n spt mais elevads aumentaram s custs de indispnibilidade EBITDA¹ (R$MM) -0,8 Custs Operacinais 3T14 3T14 (Adj) 2T14 3T14 (Adj) /2T14 33,5-13,3-4,6 31,1 45,8 Custs Operacinais ² (R$ milhões) 79,0 110,1 105,4-25,1% Energia Bruta Gerada (GWh) 618,3 618,3 736,7-16,1% Custs Operacinais pr Energia Bruta Gerada (R$/MWh) 127,7 178,0 143,1-10,8% EBITDA 2T14 Δ Receita Operacinal Líquida Δ Custs Operacinais Ajuste de Indispnibilidade Δ Despesas Operacinais EBITDA 3T14 3T14 (Adj) exclui ajuste de cust de indispnibilidade (R$31,1MM) Dispnibilidade Dispnibilidade n 3T14 reduzida devid a prblemas ns sils de carvã e n sistema de ventilaçã frçada em set/14 (10 dias) 85% 97% 96% 77% Receita peracinal impactada negativamente pela menr dispnibilidade, que diminuiu a receita variável n trimestre (-R$13,6MM) Apesar da queda d cust cm Insums (-R$12,7MM), devid a menr dispnibilidade da usina, e também a reduçã ds custs cm repars de máquina e equipaments (-R$1,2MM), s custs peracinais aumentaram principalmente pel mair : N.A. N.A. N.A. 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 Fntes: ONS e Cmpanhia NOTAS: 1) Cnsidera 100% de Pecém II; 2) Nã inclui Depreciaçã & Amrtizaçã Cust de indispnibilidade (+R$16,4MM); e Cust de energia para revenda (+R$2,5MM), ambs devids a mair PLD (+46,3%) 13

14 Perfrmance Operacinal (Parnaíba III) EBITDA negativ recrrente é resultad da timizaçã d us de gás pel Cmplex Parnaíba desde mai/14 EBITDA 1 (R$MM) Custs Operacinais -8,4-1,5-0,6-8,8 3T14 3T14 (Adj) 2T14 3T14 (Adj) /2T14 Custs Operacinais ² (R$ milhões) 63,4 82,1 65,1-2,6% -17,0 18,7 Energia Bruta Gerada (GWh) 233,1 233,1 265,7-12,3% Custs Operacinais pr Energia Bruta Gerada (R$/MWh) 272,2 352,4 245,1 11,0% EBITDA 2T14 Δ Receita Operacinal Líquida Δ Custs Operacinais Ajuste de Indispnibilidade Δ Despesas Operacinais EBITDA 3T14 3T14 (Adj) exclui ajuste de cust de indispnibilidade (R$18,7MM) Dispnibilidade Reduçã da dispnibilidade desde meads de mai/2014 em funçã da timizaçã d us de gás pel Cmplex de Parnaíba 100% 99% 77% 82% Receita peracinal impactada negativamente pela reduçã de dispnibilidade, impactand a receita variável n trimestre (-R$4,7MM), mas cmpensad pel aument da receita de venda de excedente de lastr de energia (+R$3,7MM) N.A. N.A. N.A. 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 Fntes: ONS e Cmpanhia NOTAS: 1) Cnsidera 100% de Parnaíba III; 2) Nã inclui Depreciaçã & Amrtizaçã; Apesar da queda ns custs cm cmbustíveis (-R$6,2MM), devid a menr dispnibilidade da usina, s Custs Operacinais cresceram em cnsequência d aument ds Custs de Indispnibilidade (+R$23,4MM) em funçã d mair PLD (+46,3%) 14

15 3 Atualizaçã Regulatória

16 Acrds Regulatóris (1) Restruturaçã d PPA de Parnaíba II Parnaíba II - Acrd final cm a Aneel Cntext: PPA de 450MW atrasad cm iníci previst para mar/2014 Negciaçã equilibrada cm a Aneel, preservand PPA da usina e mitigand risc de elevada multa cntratual/regulatória Otimizaçã d Gás de Parnaíba Otimizaçã de gás d Cmplex Termelétric Parnaíba aprvad pela Aneel: Substituiçã de Parnaíba I pr Parnaíba II, assim que estiver dispnível. Terms e cndições finais: Iníci d PPA de 20 ans adiad para jul/2016 Cntribuiçã à mdicidade tarifária n valr de R$334MM a ser paga: Em parcelas anuais a partir de 2022: a 2025: R$13,0MM a 2036: R$25,6MM Através da reduçã parcial da receita fixa anual a lng d praz d PPA Tds s PPAs das usinas atendids pr mei de prduçã restrita de gás, cm recmendad pela ANP até desenvlviment de utras áreas de gás (4,4-4,8MM m³/dia) Cmprmiss para fechar cicl de Parnaíba I ns próxims 5 ans (renvável pr +5 ans pela Aneel), sujeit a determinadas cndições precedentes, cm a venda de energia n mercad regulad 16

17 Acrds regulatóris (2) Custs de indispnibilidade (ADOMP) agra calculads e pags cm previst ns PPAs Encargs de indispnibilidade estavam send pags cm base em metdlgia hrária, enquant s PPAs preveem metdlgia cm base em uma média móvel de 60 meses Em janeir e set/2014, a Justiça Federal decidiu a favr da ENEVA, em linha cm s terms e cndições ds PPAs Tdas as plantas em peraçã estã atualmente prtegidas ds encargs de indispnibilidade pela metdlgia hrária Custs de indispnibilidade já pags ttalizam +R$315MM 1, 2 Usina 100% Ajustad pela participaçã Itaqui R$100,6MM R$100,6MM Pecém I R$247,4MM R$123,7MM Pecém II R$61,0MM R$30,5MM Parnaíba I R$61,9MM R$43,3MM Parnaíba III R$39,6MM R$20,8MM Ttal R$510,5MM R$318,9MM Em set/2014, a Aneel cncedeu reembls d pagament a mair ds custs de indispnibilidade de Pecém I e Itaqui. Em 10/11/2014, essas plantas receberam aprx. R$336MM Pecém II, Parnaíba I e Parnaíba III também irã slicitar à Aneel reembls d valres pags a mair NOTAS: 1) Cnsidera a metdlgia hrária para encargs de indispnibilidade até ag/2014; 2) Nã cnsidera s valres pags desde as decisões judiciais. 17

18 4 Atualizaçã da Estabilizaçã Financeira

19 Estabilizaçã Financeira em curs 12 de mai T14 / 3T14 Próxims Passs Acrd cm bancs assinad para: Aument de capital de R$1,5Bi Fase I: R$316,5MM em dinheir; e Fase II: R$1,5Bi mens recurss captads na Fase I (em dinheir u cntribuiçã de ativs u cnversã de dívidas) Renegciaçã da dívida da Hlding Dívida de R$ MM será destinada às subsidiárias/prjets da ENEVA Extensã de praz de 5 ans d restante da dívida da Hlding (aprx. R$1,5Bi), cm amrtizaçã cmeçand apenas em junh de 2017 Venda de Pecém II Garantia firme de cmpra pela E.ON de até R$400MM pr 50% d ativ Empréstim-pnte de curt praz de R$100MM desemblsad para Pecém II Cnclusã da Fase I d Aument de Capital, arrecadand R$174MM (R$120MM pela E.ON) Estrutura acinária depis d 1 Aument de Capital Venda parcial de Pecém II cm exercíci da garantia firme da E.ON (R$408MM) Acrd regulatóris bem sucedids Free Flat 37,1% Acrd de Parnaíba II cm a Aneel Tdas as plantas prtegidas d cust de indispnibilidade hrária Blc de Cntrle Eike Batista 20,0% 42,9% Aprvaçã pel BNDES de uma linha de crédit de lng praz de R$300MM para Pecém II Lançament d Aument de Capital Fase II, cmpst pr Dinheir; Cnversã de dívida; e Cntribuiçã de ativs Realizaçã de transferência de dívida para prjet e reperfilament de dívida 19

20 5 Mercad de Energia e Prtfóli Greenfield

21 Matriz energética brasileira O Brasil é altamente dependente da geraçã hídrica, cujs reservatóris tem sid rapidamente cnsumids Capacidade de Geraçã d Brasil: 136GW Divisã pr fnte Abril 2014 Reservatóris Sudeste ~70% da capacidade ttal de armazenament 19,8% 100% 90% 80% 75% 2,2% 1,5% 2,5% 10,5% 63,5% 70% 60% 50% 40% 30% 67% 43% 39% 40% 43% 42% 43% 40% 38% 34% 29% 23% 19% 56% 43% 31% 20% 10% Hidr Gas Carvã Nuclear Eólica Outras 0% Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ag Set Out Nv Dec Média Fnte: ANEEL 21

22 Autnmia d Reservatóri (Meses) GWmed Cnfiança d Sistema Elétric Nvas usinas termelétricas sã necessárias para garantir frneciment segur de energia 30 A capacidade de armazenament de água estagnu, levand a uma diminuiçã da autnmia d sistema O cresciment ecnômic aumentará a demanda de energia, levand a um déficit de abasteciment em Autnmia atual d reservatóri: ~6 meses 75 CARGA DE ENERGIA ENERGIA FIRME (cm PPAs assinads) Autnmia = Capacidade de Armazenament / (Carga Geraçã Térmica) 2016 em diante: Necessidade de nva geraçã ~8GW médis necessáris até 2020 Fnte: ONS 22

23 Prtfóli Greenfield Atraentes prjets greenfield licenciads em diverss estágis de desenvlviment 1 Desequilíbri entre ferta e demanda de energia Matriz cncentrada na geraçã hidrelétrica Preçs spt em altas históricas Demanda pr geraçã de base Oprtunidades para cresciment da ENEVA Cmplex Parnaíba Cmplex Vents Açu (Carvã + Gás) Sul & Seival Integrad à prduçã de gás natural Lcalizad em regiã cm benefícis fiscais Lcalizad em uma das melhres regiões de geraçã eólica d Brasil Fatr de capacidade atrativ Cnexã cm a rede básica a 30km Direits fundiáris assegurads Lcalizad em um prt cm licença para cnstruir um terminal de regaseificaçã Lcalizad a 150km das acumulações de gás natural descbertas na Bacia de Camps Cm licença ambiental para ambas perações cm carvã e gás Integrad à Mina de Seival (reservas prvadas: 152 M t) Baixs custs peracinais Sul 727MW Cmplex Parnaíba 2.166MW Slar Tauá 1MW Seival 600MW Cmplex Vents 600MW Açu 2.100MW Carvã 3.300MW Gás natural Mina de Seival Licença emitida 152 M t de reservas prvadas 23

24 Parnaíba I: Fechament d cicl (1) Expansã altamente cmpetitiva n site existente Destaques Parnaíba Parte d acrd frmalizad cm a Aneel em nv/14 Fechament d cicl abert das turbinas a gás de Parnaíba I, frnecend 360MW adicinais. Prjet cmpetitiv sem necessidade de gás adicinal¹. Licença ambiental de instalaçã emitida. Fechament #1 Fechament #2 Plug and Play: subestaçã elétrica de 500kV e frneciment de água já cnstruíds. Tecnlgia cnhecida, prjet riginal d Cmplex Parnaíba cncebid para permitir uma expansã mdular, levand à implementaçã e peraçã eficientes. Experiência recente da ENEVA na usina Parnaíba II de ciclcmbinad, em site vizinh. Eficiência n cmpartilhament de custs (O&M, administrativ, HSSE, peças de repsiçã etc.) cm Cmplex Parnaíba, trnand prjet ainda mais cmpetitiv. Nte: (1) Para permitir a expansã adicinal de cmbustível, principalmente para a harmnizaçã ds CCEARs e d cnsum intern. 24

25 Parnaíba I: Fechament d cicl (2) Expansã altamente cmpetitiva n site existente Capacidade: 352,8MW Eficiência da planta: 51% (anterirmente 37%) Gás adicinal cnsumid: zer EPCista: TBD (primeira fase cnstruída pela Dur Felguera) Crngrama de implantaçã: 36 meses Nv equipament CAPEX: aprx. R$1,75 bilhã Estrutura de capital desejada: 70/30, cm financiament d BNDES Target IRR: 15% real Principais equipaments/temp de entrega: Instalações existentes Turbina a vapr + Geradr: 18 meses Sistema de recuperaçã de calr (caldeiras): 14 meses Trre de resfriament: 13 meses Bmbas (água, cndensad, água de resfriament): 13 meses 25

26 Avis Legal Esta apresentaçã cntém algumas afirmações e infrmações prspectivas relacinadas a Cmpanhia que refletem a atual visã e/u expectativas da Cmpanhia e de sua administraçã a respeit de seu plan de negócis. Afirmações prspectivas incluem, entre utras, tdas as afirmações que dentam previsã, prjeçã, indicam u implicam resultads, perfrmance u realizações futuras, pdend cnter palavras cm "acreditar", "prever", "esperar, "cntemplar", "prvavelmente resultará" u utras palavras u expressões de acepçã semelhante. Tais afirmações estã sujeitas a uma série de expressivs riscs, incertezas e premissas. Advertims que diverss fatres imprtantes pdem fazer cm que s resultads reais divirjam de maneira relevante ds plans, bjetivs, expectativas, estimativas e intenções expresss nesta apresentaçã. Em nenhuma hipótese a Cmpanhia u suas subsidiárias, seus cnselheirs, diretres, representantes u empregads serã respnsáveis perante quaisquer terceirs (inclusive investidres) pr decisões u ats de investiment u negócis tmads cm base nas infrmações e afirmações cnstantes desta apresentaçã, e tampuc pr dans cnsequentes, indirets u semelhantes. A Cmpanhia nã tem intençã de frnecer as eventuais detentres de ações uma revisã das afirmações prspectivas u análise das diferenças entre as afirmações prspectivas e s resultads reais. Esta apresentaçã e seu ter cnstituem infrmaçã de prpriedade da Cmpanhia, nã pdend ser reprduzids u divulgads n td u em parte sem a sua prévia anuência pr escrit.

Soluções de Maior Desempenho e de Menor Custo com o IBM InfoSphere Warehouse V10 Guia da Solução IBM Redbooks

Soluções de Maior Desempenho e de Menor Custo com o IBM InfoSphere Warehouse V10 Guia da Solução IBM Redbooks Sluções de Mair Desempenh e de Menr Cust cm IBM InfSphere Warehuse V10 Guia da Sluçã IBM Redbks O acess a infrmações precisas e em temp hábil é fundamental para as empresas que querem melhr atender as

Leia mais

INTEROPERABILIDADE NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA ADESÃO À iap - PLATAFORMA DE INTEROPERABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

INTEROPERABILIDADE NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA ADESÃO À iap - PLATAFORMA DE INTEROPERABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INTEROPERABILIDADE NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA ADESÃO À iap - PLATAFORMA DE INTEROPERABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA versã 3.0 Març de 2011 Agência para a Mdernizaçã Administrativa,

Leia mais

A d e u s C o n f l i t o, Bem-vindo Desenvolvimento

A d e u s C o n f l i t o, Bem-vindo Desenvolvimento IV GOVERNO CONSTITUCIONAL A d e u s C n f l i t, Bem-vind Desenvlviment Retrat da Gvernaçã d Mandat da AMP (2007-2012) INDICE Intrduçã Cnslidar a Paz e a Estabilidade Nacinal Garantind a Paz e a Segurança

Leia mais

Guia Boas Práticas. Turismo de Habitação e Turismo no Espaço Rural

Guia Boas Práticas. Turismo de Habitação e Turismo no Espaço Rural Guia Bas Práticas Turism de Habitaçã e Turism n Espaç Rural Guia de Bas Práticas de Turism de Habitaçã e Turism n Espaç Rural 2 1. Índice 2. Siglas 3. Definições 4. Intrduçã 4.1. Objetivs 4.2. Destinatáris

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T13 e 12M13. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Apresentação de Resultados 4T13 e 12M13. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Apresentação de Resultados 4T13 e 12M13 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou

Leia mais

Implantação de Rede CAD/CAMlDNC em uma Indústria no Rio de Janeiro

Implantação de Rede CAD/CAMlDNC em uma Indústria no Rio de Janeiro PRODUÇÃO Implantaçã de Rede CAD/CAMlDNC em uma Indústria n Ri de Janeir Heitr Mansur Caulliraux Almaisa Mnteir Suza Miriam Izu Grup de Prduçã Integrada COPPEfUFRJ Prgrama de Engenharia de Prduçã Cidade

Leia mais

UNIFAMMA - UNIÃO DAS FACULDADES METROPOLITANAS DE MARINGÁ PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA

UNIFAMMA - UNIÃO DAS FACULDADES METROPOLITANAS DE MARINGÁ PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA UNIFAMMA - UNIÃO DAS FACULDADES METROPOLITANAS DE MARINGÁ PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Gestã: Aleksandr Mntanha períd: 1 semestre de 2010 I. Intrduçã: Resum Executiv O plan

Leia mais

Release de Resultados

Release de Resultados RESULTADOS REFERENTES AO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 Rio de Janeiro, 14 de maio de 2015 A Óleo e Gás Participações S.A. em Recuperação Judicial (Bovespa: OGXP3) anuncia hoje seus resultados referentes ao

Leia mais

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM AS NOVAS DIRETRIZES NACIONAIS? Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM AS NOVAS DIRETRIZES NACIONAIS? Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com. O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM AS NOVAS DIRETRIZES NACIONAIS? Zilma de Mraes Rams de Oliveira zilmaliveira@ul.cm.br 1. APRESENTAÇÃO Uma cisa é certa: a Educaçã Infantil está em grande

Leia mais

Por Dentro da Tractebel Manoel Arlindo Zaroni Torres - Diretor-Presidente

Por Dentro da Tractebel Manoel Arlindo Zaroni Torres - Diretor-Presidente Por Dentro da Tractebel Manoel Arlindo Zaroni Torres - Diretor-Presidente Gestão com Foco na Sustentabilidade Florianópolis - setembro de 2012 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados

Leia mais

Textos para Discussão 128

Textos para Discussão 128 POR QUE O BRASIL ESTÁ TROCANDO AS HIDRELÉTRICAS E SEUS RESERVATÓRIOS POR ENERGIA MAIS CARA E POLUENTE? Marcio Tancredi Omar Alves Abbud Textos para Discussão 128 Maio/2013 SENADO FEDERAL DIRETORIA GERAL

Leia mais

ArcelorMittal Brasil S.A. CNPJ/MF nº 17.469.701/0001-77 www.arcelormittal.com/br

ArcelorMittal Brasil S.A. CNPJ/MF nº 17.469.701/0001-77 www.arcelormittal.com/br mensagem da administração A recuperação do setor industrial brasileiro em 2014 não se confirmou, conforme expectativa da indústria brasileira e de analistas de mercado ao final de 2013. Pelo contrário,

Leia mais

MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO (MDL-DCP) Versão 03 - em vigor a partir de: 28 julho de 2006 CONTEÚDO

MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO (MDL-DCP) Versão 03 - em vigor a partir de: 28 julho de 2006 CONTEÚDO página 1 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO (MDL-DCP) Versão 03 - em vigor a partir de: 28 julho de 2006 CONTEÚDO A. Descrição Geral da Atividade de Projeto B. Aplicação

Leia mais

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados.

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados. Quais sã as vantagens de criar uma assciaçã? A vantagem de criar uma assciaçã é pder agir legalmente em nme dela, mvimentand recurss e firmand cnvênis. Os cnvênis pdem ser firmads cm s órgãs públics e

Leia mais

Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$269,5 Milhões no 1T15

Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$269,5 Milhões no 1T15 Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$269,5 Milhões no 1T15 EBITDA Ajustado da Companhia atinge R$104,6 milhões no 1T15, alta de 66,6% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Recife, 15

Leia mais

APRIMORAMENTOS PARA O SETOR ELÉTRICO: PROPOSTAS AOS CANDIDATOS (MANDATO 2015-2018)

APRIMORAMENTOS PARA O SETOR ELÉTRICO: PROPOSTAS AOS CANDIDATOS (MANDATO 2015-2018) 13 White Paper INSTITUTO ACENDE BRASIL Edição nº 13 / JANEIRO de 2014 O OBSERVATÓRIO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Os White Papers do Instituto Acende Brasil consolidam análises e recomendações aprofundadas

Leia mais

Conforme registrado junto à Comissão de Valores Mobiliários em 17 de abril de 2012

Conforme registrado junto à Comissão de Valores Mobiliários em 17 de abril de 2012 Título de cada classe Conforme registrado junto à Comissão de Valores Mobiliários em 17 de abril de 2012 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS Washington, D.C.20549 Formulário 20-F RELATÓRIO

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE ENERGIA. Informação de utilidade pública

POR DENTRO DA CONTA DE ENERGIA. Informação de utilidade pública POR DENTRO DA CONTA DE ENERGIA Informação de utilidade pública POR DENTRO DA CONTA DE ENERGIA Informação de utilidade pública Agência Nacional de Energia Elétrica Aneel Diretoria Nelson José Hübner Moreira

Leia mais

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc 2011/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 162/2011 D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc !" #$%&!'"% (& ")*+" "(,-./%.%," %()0*/%.

Leia mais

Bardella S.A. Indústrias Mecânicas

Bardella S.A. Indústrias Mecânicas São Paulo Sexta-feira e fim de semana, 23, 24 e 25 de março de 2012 Valor E11 No início de 2011 acreditávamos que haveria gradual crescimento da demanda por equipamentos nos diversos segmentos em que atuamos,

Leia mais

Análise de Conjuntura dos Biocombustíveis Ano 2013

Análise de Conjuntura dos Biocombustíveis Ano 2013 dos Análise de Conjuntura dos Biocombustíveis Ano 2013 Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Ministério de Minas e Energia Ministro Edison Lobão Análise de Conjuntura dos Biocombustíveis Ano 2013

Leia mais

Conforme registrado junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos em 27 de março de 2014

Conforme registrado junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos em 27 de março de 2014 Conforme registrado junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos em 27 de março de 2014 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOS ESTADOS UNIDOS Washington, D.C. 20549 Formulário 20 F RELATÓRIO

Leia mais

Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL. Em 21 de novembro de 2014.

Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL. Em 21 de novembro de 2014. Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL Em 21 de novembro de 2014. Processo: 48500.006423/2013-51 Assunto: Alterações nas Regras de Comercialização de Energia Elétrica aplicáveis ao Novo Sistema de Contabilização

Leia mais

Banco Panamericano S.A.

Banco Panamericano S.A. Banco Panamericano S.A. Release Relatório de de Resultados 1T13 1T15 06de 04 Maio de 2013 2015 Teleconferência - Português 05 de maio de 2015 10h30 (Brasília) / 09h30 (US-EST) Telefone de Conexão: +55

Leia mais

OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL

OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL OS FUNDAMENTOS DA CRISE DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA E AMPLIADA Superintendência de Informações do Agronegócio Técnico Responsável: Ângelo Bressan Filho Abril de 2010 ÍNDICE

Leia mais

Pré-tratamento com cloro e ozônio para remoção

Pré-tratamento com cloro e ozônio para remoção A pré-xidaçã na remçã de cianbactérias Artig Técnic Pré-tratament cm clr e zôni para remçã de cianbactérias Pre-treatment with chlrine and zne fr remval f the cyanbacteria Renata Iza Mndard Bacharel em

Leia mais

ALEXANDRE ASSAF NETO FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR MANUAL DO MESTRE. EXERCÍCIOS PROPOSTOS CORRESPONDE À 4 a EDIÇÃO DO LIVRO-TEXTO

ALEXANDRE ASSAF NETO FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR MANUAL DO MESTRE. EXERCÍCIOS PROPOSTOS CORRESPONDE À 4 a EDIÇÃO DO LIVRO-TEXTO ALEXANDRE ASSAF NETO FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR MANUAL DO MESTRE EXERCÍCIOS PROPOSTOS CORRESPONDE À 4 a EDIÇÃO DO LIVRO-TEXTO ALEXANDRE ASSAF NETO FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR EXERCÍCIOS PROPOSTOS

Leia mais

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ

POR DENTRO DA CONTA DE LUZ POR DENTRO DA CONTA DE LUZ Informação de utilidade pública 6ª Edição Após redução das tarifas de energia POR DENTRO DA CONTA DE LUZ Informação de utilidade pública 6ª Edição Após redução das tarifas de

Leia mais

10 de fevereiro de 2015 Release de Resultados do 4T14

10 de fevereiro de 2015 Release de Resultados do 4T14 0000000-1 - 10 de fevereiro de 2015 Release de Resultados do 4T14 31 de dezembro de 2014 Cotação ROMI3 - R$2,87 por ação Valor de mercado R$205,9 milhões US$77,6 milhões Quantidade de ações Ordinárias:

Leia mais