Avaliação e Melhoria da Maturidade do Processo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação e Melhoria da Maturidade do Processo"

Transcrição

1 Avaliação e Melhoria da Maturidade do Processo Fernando Brito e Abreu Universidade Nova de Lisboa (http://www.unl.pt) QUASAR Research Group (http://ctp.di.fct.unl.pt/quasar) Resumo Melhoria do processo (SPI) O que é a maturidade? Avaliação e melhoria Como é feita uma avaliação? A quem interessa a avaliação? O questionário de avaliação Modelos de 1ª geração Fernando Brito e Abreu 2 1

2 Melhoria do processo Software Process Improvement (SPI) A melhoria do processo de desenvolvimento é uma área muito activa Há várias revistas dedicadas Há muitos grupos de interesse / organizações de profissionais (SPINs SPI Networks) Fernando Brito e Abreu 3 Alice in Wonderland, Lewis Carroll If you don t know what is wrong, how can you improve? Alice: I was just wondering if you could help me find my way. Cheshire Cat: Well that depends on where you want to get to. Alice: Oh, it really doesn't matter, as long as... Cheshire Cat: Then it really doesn't matter which way you go. Fernando Brito e Abreu 4 2

3 Melhoria (contínua) do processo Requisitos do negócio Promover os resultados Validar os resultados Planear a avaliação Realizar acções de melhoria Conduzir a avaliação Planear acções de melhoria Requisitos do negócio Fernando Brito e Abreu 5 O que é a maturidade do processo? grau de capacidade com que uma organização (ou departamento, ou equipa) desenvolve software, tal que este: cumpra com as expectativas dos clientes tenha um número mínimo de defeitos custe o mínimo possível seja construído no menor tempo possível seja fácil de manter Fernando Brito e Abreu 6 3

4 Avaliação e melhoria do processo identifica alterações a Processo é sujeito a Avaliação do Processo identifica a apropriação do Melhoria do Processo leva a leva a pode levar a Determinação da Adequação Fernando Brito e Abreu 7 Como é feita uma avaliação? Selecção Grupo de Treino Questionário Análise de Respostas Entrevistas e revisão de documentos Conclusões Perfil Recomendações (baseadas nas conclusões e no perfil) Plano de Acção (para implementar as recomendações) Fernando Brito e Abreu 8 4

5 Questionário de avaliação O(s) questionário(s) contem perguntas qualitativas, "booleanas" ou quantitativas; as respostas são validadas por entrevistas e revisão de documentos. Exemplos: i) Questões qualitativas Descreva a forma como são obtidas as estimativas de custo e calendário para novos projectos de Sistemas de Informação? E para as actividades de manutenção? ii) Questões "booleanas" São utilizadas ferramentas que suportam a metodologia de análise adoptada? (Sim/Não) iii) Questões quantitativas Qual é o número médio de pedidos de alteração por cada mil linhas de código fonte para os projectos desenvolvidos nos últimos três anos? Qual é o tempo médio entre falhas para os mesmos projectos? Fernando Brito e Abreu 9 A quem interessa a avaliação? Há vários stakeholders interessados: Produtores (softwarehouses) Clientes (no outsourcing) Terceiros (empresas consultoria, organizações certificadoras, auditores) Fernando Brito e Abreu 10 5

6 A quem interessa a avaliação? Perspectiva do produtor (softwarehouse) Benefício interno Determinação dos pontos fracos e fortes do processo de desenvolvimento de software Construção de um plano de melhoria (passos / acções recomendadas necessárias para melhorar o processo) Situações-tipo: antes de um processo de migração tecnológica para avaliar o estádio da prática actual e assim compreender melhor o impacto definir um rumo antes e após a certificação ISO9001 Onde estamos Onde queremos estar Boa prática corrente Requisitos do negócio Fernando Brito e Abreu 11 A quem interessa a avaliação? Perspectiva do produtor (softwarehouse) Benefício externo Certificação do nível de maturidade da organização (para evidenciar essa maturidade) Competem no mercado vários esquemas de certificação (ISO9001, SPICE, CMMI, etc) TickIT/ISO9001: CMMI: SPICE: Fernando Brito e Abreu 12 6

7 A quem interessa a avaliação? Perspectiva do cliente Para ajudar a seleccionar um fornecedor avaliar o risco na contratação ou subcontratação do desenvolvimento de software (outsourcing) seleccionar as parcerias com base em critérios objectivos de custo / benefício Fernando Brito e Abreu 13 A quem interessa a avaliação? Perspectiva de terceiros Outras organizações / participantes estão interessados nesta avaliação Organizações acreditadoras Organizações certificadoras Empresas de consultoria / consultores independentes Empresas de formação Auditores Fernando Brito e Abreu 14 7

8 A quem interessa a avaliação? Perspectiva de terceiros Organizações acreditadoras Acreditam as organizações certificadoras Acreditam os fornecedores de cursos de formação de auditores Geralmente são organismos oficialmente reconhecidos a nível nacional Organizações certificadoras Empresas consultoria / consultores independentes Empresas de formação Auditores Fernando Brito e Abreu 15 A quem interessa a avaliação? Perspectiva de terceiros Organizações acreditadoras Organizações certificadoras Contratualizam as avaliações com o cliente Contratam auditores credenciados Emitem certificados de avaliação Empresas consultoria / consultores independentes Empresas de formação Auditores Fernando Brito e Abreu 16 8

9 A quem interessa a avaliação? Perspectiva de terceiros Organizações acreditadoras Organizações certificadoras Empresas consultoria / consultores independentes Apoiam na organização do SGQ do cliente Apoiam na preparação do processo de avaliação Auxiliam na implementação das acções recomendadas pela avaliação Empresas de formação Auditores Fernando Brito e Abreu 17 A quem interessa a avaliação? Perspectiva de terceiros Organizações acreditadoras Organizações certificadoras Empresas consultoria / consultores independentes Empresas de formação Formam e credenciam os auditores, os consultores e os responsáveis pelos SGQ Auditores Fernando Brito e Abreu 18 9

10 A quem interessa a avaliação? Perspectiva de terceiros Organizações acreditadoras Organizações certificadoras Empresas consultoria / consultores independentes Empresas de formação Auditores Passam por processo de acreditação Conduzem as auditorias de avaliação Mantêm a acreditação através da participação regular em acções de avaliação e de formação processo semelhante a brevet de piloto de aviões Fernando Brito e Abreu 19 MODELOS DE 1ª GERAÇÃO 10

11 Modelo de Maturidade do SEI (CMM - Capability Maturity Model) Princípios gerais Define o conceito de estágio ou nível de maturidade Prevê cinco níveis ordenados de 1 a 5, cada um com: um conjunto de características específicas um conjunto de problemas a resolver e recomendações para a sua resolução a fim de passar ao nível seguinte A avaliação da maturidade: pode ser efectuada ao nível de um projecto, departamento ou empresa posiciona a entidade avaliada num dos níveis definidos Mais informações em: Fernando Brito e Abreu 22 11

12 Níveis do CMM Melhorar o processo continuadamente 5 - Optimizado Dar previsibilidade ao processo 4 - Gerido Normalizar o processo 3 - Definido Disciplinar o processo 2- Repetido Progressão 1 - Inicial Fernando Brito e Abreu 23 Nível 1 - Inicial Descrição: Processo ad-hoc / caótico Áreas chave do processo: Gestão do projecto Planeamento Gestão de configurações Fernando Brito e Abreu 24 12

13 Nível 2 - Repetitivo Descrição: Processo intuitivo (existe mas não está escrito) Processo dependente dos intervenientes (existe na sua cabeça) Áreas-chave do processo: Práticas de V&V (revisões, testes) Definição do processo Formação Fernando Brito e Abreu 25 Nível 3 - Definido Descrição: Processo definido e institucionalizado Processo qualitativo Áreas chave do processo: Medição do processo Planeamento quantitativo Fernando Brito e Abreu 26 13

14 Nível 4 Gerido quantitativamente Descrição: São recolhidas medidas do processo e produto O processo e o produto são compreendidos e controlados usando essas medidas Áreas chave do processo: Gestão estatística do processo Alinhamento do produto com a organização Avaliação do desempenho do processo Fernando Brito e Abreu 27 Nível 5 - Optimizado Descrição: A melhoria contínua do processo é conseguida através de realimentação quantitativa do processo e do ensaio de ideias e tecnologias inovadoras Áreas chave do processo: Prevenção de defeitos Inovação no processo organizacional Gestão de alterações tecnológicas (ex: migrações de paradigma) Fernando Brito e Abreu 28 14

15 Questionário Cada pergunta está associada a um nível de maturidade Há perguntas com dois pesos diferentes Um nível é atingido se obtivermos uma percentagem elevada (80 ou 90%) de respostas afirmativas ao conjunto de perguntas desse nível e dos anteriores O nível da avaliação obtido é o do nível mais alto que foi atingido Fernando Brito e Abreu 29 Críticas ao CMM fraca cobertura: aspectos como a gestão da subcontratação, apoio aos clientes e marketing, não são explicitamente incluídos difícil escalabilidade: o modelo foi concebido para grandes organizações... dificuldade de comparação com normas Ex: os requisitos da norma ISO correspondem, grosso-modo ao nível 3 do CMM Fernando Brito e Abreu 30 15

16 Modelo do Process Advisor (Roger Pressman & Associates) Modelo do "Process Advisor Roger Pressman propôs: um aumento do questionário (mais perguntas) a ponderação das questões "booleanas o agrupamento das perguntas em categorias, cada uma classificada individualmente que a classificação em cada categoria fosse também no intervalo [1, 5] mas numa escala contínua e não discreta como no caso do CMM A representação dos resultados num diagrama de Kiviatt Fernando Brito e Abreu 32 16

17 Modelo do "Process Advisor As categorias de classificação são: Políticas organizativas Formação Processo de Desenvolvimento Actividades de Garantia de Qualidade Gestão do Projecto Métodos e Técnicas Ferramentas Métricas Fernando Brito e Abreu 33 Modelo do "Process Advisor" Fernando Brito e Abreu 34 17

18 Modelo do "Process Advisor" Fernando Brito e Abreu 35 Modelo Trillium (Bell Canada) 18

19 Modelo TRILLIUM Proposto pela Bell Canada, com participações de outras organizações (Northern Telecom, BNR) Concebido a pensar em software embutido, como é o caso maioritário do software de telecomunicações Contudo a maioria do modelo é também aplicável a Sistemas de Informação de Gestão Fernando Brito e Abreu 37 Modelo TRILLIUM Inspirado no CMM Também tem 5 níveis (cada um cumprindo com os requisitos do nível correspondente do CMM) mas tem uma maior cobertura dos aspectos do ciclo de vida Dá uma ênfase especial no marketing e ponto de vista dos clientes Alarga o conceito de produto passando a incluir também a documentação, formação e serviços Fernando Brito e Abreu 38 19

20 Conformidade com outras normas Nível Norma Descrição 2 IEEE 730 Software Quality Assurance Plans 2 IEEE 828 Software Configuration Management Plans 2 IEEE 830 Recom. Practice for SW Requirements Specs 2 IEEE 1016 Recom. Practice for SW Design Descriptions 2 IEEE 1028 Software Reviews and Audits 2 IEEE Software Project Management Plans 2 IEEE 1063 Software User Documentation 2 Bellcore TR- TSY Reliability & Quality Measurement Systems (RQMS) for Telecommunication. Systems (só 95%) 3 ISO Guidelines for the application of ISO 9001:2000 to computer software 3 IEEE 1012 Software Verification and Validation 4 IEC 300 Reliability & Availability Management Fernando Brito e Abreu 39 Modelo TRILLIUM Advoga uma série de actividades por cada uma das seguintes áreas: Área 1: Gestão da Qualidade Liderança e Organização Área 2: Recursos Humanos Área 3: Processo Definição e âmbito do Processo Gestão da Tecnologia Melhoria e Engenharia do Processo Métricas Fernando Brito e Abreu 40 20

21 Modelo TRILLIUM Área 4: Gestão Gestão do Projecto e da Subcontratação Parceria Cliente-Fornecedor Gestão dos Requisitos Estimação Área 5: Sistema de Qualidade Área 6: Práticas para o Desenvolvimento Processo e Técnicas no Desenvolvimento Documentação Interna Verificação e Validação Gestão de Configurações Reutilização Gestão da Fiabilidade Área 7: Ambiente de Desenvolvimento Fernando Brito e Abreu 41 Modelo TRILLIUM Área 8: Apoio aos Clientes Sistema de Resposta a Problemas Engenharia da Utilizabilidade Modelização de Custos do Ciclo de Vida Documentação para os Utilizadores Formação dos Utilizadores Área 9: Desempenho Correcção das Estimativas Características Especificadas/Concluídas Melhorias no Cumprimento de Prazos Melhorias na Produtividade Densidade de Defeitos Entregue Fernando Brito e Abreu 42 21

22 Outros modelos de 1ª geração (SAM, SQPA, STD, BOOTSTRAP) Modelo SAM (Software Assessment Method) Proposto pela British Telecom, para permitir uma avaliação quantitativa de projectos de desenvolvimento de software e de fornecedores. É utilizado para: avaliar a adequação da actividade de obtenção dos requisitos de um projecto, antes de seleccionar um fornecedor; avaliar a capacidade de potenciais fornecedores durante o processo de selecção; acompanhar o desenvolvimento efectuado pelo fornecedor. Fernando Brito e Abreu 44 22

23 Modelo SAM (Software Assessment Method) Também se suporta num questionário e está dividido em vários tópicos Cada questão dentro de um tópico é ponderada por forma a traduzir a sua importância relativa. Os tópicos também são ponderados. As questões (aproximadamente 1500!!!) podem ser respondidas como SIM, NÃO ou DESCONHECIDO / NÃO RESPONDIDO. Os resultados por tópico são calculados a partir das respostas, sendo definido um intervalo de confiança com base no valor ponderado das questões respondidas com SIM/NÃO face às outras Fernando Brito e Abreu 45 Modelo SQPA (Software Quality and Productivity Analysis) Criado pela Hewlett Packard para permitir uma melhoria nas suas várias Divisões Baseado no trabalho de Caper Jones, que foi adaptado para o ambiente da HP A base da avaliação é um conjunto de 8 áreas chave, estas últimas constituídas por características chave (sub-processos, actividades ou atributos) Fernando Brito e Abreu 46 23

24 Modelo STD (Software Technology Diagnostic) Proposto pela Scottish Entreprise Vocacionado para pequenos e médios projectos / empresas (20 a 200 pessoas) Modelo dividido em três partes: modelo organizacional específico - reconhece que cada empresa tem um perfil diferente dependendo do ramo do negócio áreas chave do processo - cada área do processo tem um ou mais objectivos que definem o resultado desejado do processo; cada uma é medida através de um Nível de Maturidade numa escala de 1 a 4 (Inicial, Repetitível, Definido e Gerido); práticas chave - cada área chave do processo compreende um conjunto de práticas, actividades e aptidões que são medidas através de um Nível de Conformidade Prática (Não Conformidade, Conformidade Parcial e Conformidade Completa). Fernando Brito e Abreu 47 Projecto BOOTSTRAP Derivou de um projecto financiado pelo programa ESPRIT da Comunidade Europeia Inspirado no CMM Usa também um questionário organizado em 3 partes (organização, metodologia e tecnologia) Tem 203 questões, de dois tipos diferentes: Globais - referem-se ao local (empresa, departamento) onde se encontra(m) a(s) equipa(s) de desenvolvimento Específicas referem-se a um projecto específico Fernando Brito e Abreu 48 24

25 Bibliografia [Bell92] Bell Canada : "Trillium - Telecom Software Product Development Process Capability Assessment", [Eman97] Khaled El Eman, Jean- Normand Drouin & Walcélio Melo (eds.) : SPICE: The Theory and Practice of Software Process Improvement and Capability Determination, IEEE Computer Society Press, [Humphrey87] Humphrey, Watts.S. & Sweet, W.L. : "A Method for Assessing the Software Engineering Capability of Contractors", Technical Report CMU/SEI- 87-TR-23, Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University, [Humphrey89] Humphrey, Watts.S. : "Managing the Software Process", SEI Series in Software Engineering, Addison- Wesley Publishing Company, [Paulk91]Paulk, Mark C. & Curtis, Bill & Chrissis, Mary Beth & outros : "Capability Maturity Model for Software", CMU/SEI-91- TR-24, Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University, Pittsburgh, Agosto [Paulk92a] Paulk, Mark C. & Humphrey, Watts S. & Pandelios, George J. : "Software Process Assessments: Issues and Lessons Learned", Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University, Pittsburgh, [Paulk92b] Paulk, Mark C. : "U.S. Quality Advances: The SEI's Capability Maturity Model", Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University, Pittsburgh, [Pressman97] Pressman, Roger S. : "Software Engineering: a Practitioner's Approach" (4ª edição / edição europeia), McGraw-Hill, Fernando Brito e Abreu 49 25

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

ISO 9000-3 3 e ISO 9001

ISO 9000-3 3 e ISO 9001 QUALIDADE DO PROCESSO ISO 9000-3 3 e ISO 9001 Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 Normas da Série ISO 9000 Introdução ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação CMMI Visão Geral Agenda Um histórico dos modelos CMM e CMMI Modelo CMMI Suíte do modelo Representações Níveis de maturidade Áreas de processo

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003

Gestão da Qualidade. Gestão de auditorias internas. 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Gestão da Qualidade Gestão de auditorias internas 09-12-2009 11:13 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 NP EN ISO 19011:2003 Linhas de orientação para auditorias a sistema de gestão da qualidade e/ou gestão

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Curso de Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa 2 A globalização da Sociedade da Informação em

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos;

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos; Versão 1.1 - Última Revisão 16/08/2006 Porque estudar um Modelo de Maturidade? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 Os níveis 3, 4 e 5 No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 descrição sucinta das KPAs dos níveis 3, 4 e 5 INF310 - Modelos

Leia mais

Resumo Apresentação : Orador

Resumo Apresentação : Orador Resumo Apresentação : Orador Formador Rumos Consultor ITSM desde 2006 ITIL v2/v3 ISO 20000 ISO / IEC 27001/2 Certificação ITIL Foundation Certificação ITIL Expert Certificação Cisco CCNA 6 Anos de Experiencia

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Garantia da Qualidade de Software

Garantia da Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas e Naturais

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

25/05/2015. Um pouco de história. O Modelo CMMI. Capability Maturity Model Integration (CMMI) Capability Maturity Model (CMM)

25/05/2015. Um pouco de história. O Modelo CMMI. Capability Maturity Model Integration (CMMI) Capability Maturity Model (CMM) DCC / ICEx / UFMG Um pouco de história O Modelo CMMI Na década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Objetivos Fornecer software

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento Processo de Desenvolvimento II Processo de Desenvolvimento Street Java Engenharia de Software 2 Capítulo 2 & 3 3 Espiral Barry Bohem 4 Espiral DETERMINAR OBJECTIVOS, ALTERNATIVAS, RESTRIÇÕES Orçamento

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Capítulo 8: Conclusão. Capítulo 8: Conclusão

Capítulo 8: Conclusão. Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 Renan J. Borges 1, Késsia R. C. Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí, PR Brasil renanjborges@gmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade.

O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade. O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade. Jairo Siqueira 1 Resumo Este estudo apresenta um modelo para avaliação do grau

Leia mais

A Problemática da Avaliação e da Maturidade nos Processos de Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Ilídio Antunes

A Problemática da Avaliação e da Maturidade nos Processos de Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Ilídio Antunes INFORMAÇÃO & INFORMÁTICA A Problemtica da Avaliação e da Maturidade nos Processos de Desenvolvimento de Aplicações Informticas Ilídio Antunes Professor da UTL/ISEG 1 INTRODUÇÃO O estudo, anlise e avaliação

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Formação Interempresas 2015 2.º semestre

Formação Interempresas 2015 2.º semestre Formação Interempresas 2015 2.º semestre 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK A Norma ISO/IEC 20000:2011 Information technology Service management Part 1: Service management system requirements é uma Norma de Qualidade que

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Riscos

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Riscos Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Riscos Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Análise dos Riscos Atividades Princípios da Análise Especificação

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em - I Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Certificação da Qualidade Certificações emitidas por entidades públicas conceituadas: 9 ABIC Selo

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Gerência de Risco em Processos de Qualidade de Software: uma Análise Comparativa

Gerência de Risco em Processos de Qualidade de Software: uma Análise Comparativa Gerência de Risco em Processos de Qualidade de Software: uma Análise Comparativa Cristine Martins Gomes de Gusmão, Hermano Perrelli de Moura Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Leia mais

CMM Capability Maturity Model

CMM Capability Maturity Model CMM Capability Maturity Model Grupo: Espedito Anderson Américo Jean Pós-graduação Lato Sensu em Software Livre Auditoria e Segurança em Software Livre Laerte Peotta Agenda Introdução CMM CMMI CoBIT Conclusão

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC Código de Boas Práticas da APOL PwC Agenda Enquadramento Principais riscos/desafios dos clientes Benefícios do Outsourcing Continnunm da criação de valor Código de Boas Práticas Enquadramento Definição

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS Marcos Eduardo Andreazza Jaguaribe 1 Dr. Luiz Gonzaga Mariano Filho 1

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM

As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM Como é que as ferramentas de SCM (Software Configuration Management) podem ajudar na melhoria de processos de acordo com o modelo CMM (Capability Maturity Model)?

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

i 3.2 Assegurar Integridade e Profissionalismo 43 9 3.2.1 Lucro Pessoal 44

i 3.2 Assegurar Integridade e Profissionalismo 43 9 3.2.1 Lucro Pessoal 44 ICE Introdução 1 PARTE I - CONTEXTO DA GESTÃO DE PROJECTOS E NORMAS DO MERCADO 1. Enquadramento da Gestão de Projectos 7 1.1 Definição de Projecto 7 1.2 Intervenientes no Projecto 9 1.3 Triângulo de Restrições

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Organização do Processo de Desenvolvimento de Software, Modelos de Maturidade, Qualidade do Software.

PALAVRAS-CHAVE: Organização do Processo de Desenvolvimento de Software, Modelos de Maturidade, Qualidade do Software. ORGANIZAÇÃO: PRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: ANÁLISE E APLICAÇÃO DE MODELOS DE MATURIDADE DO SEI 1 Álvaro Rocha (amrocha@ufp.pt) Universidade Fernando Pessoa Faculdade

Leia mais

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Gerenciamento de Qualidade Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Introdução Melhoria nos níveis gerais de qualidade de software nos anos recentes. Diferenças em relação ao gerenciamento da qualidade na manufatura

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula de Apresentação Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Apresentação do Professor Apresentação da Disciplina Ambientação Apresentação do Plano de Ensino O que

Leia mais