Pós Graduação Engenharia de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pós Graduação Engenharia de Software"

Transcrição

1 Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT

2 Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento de software como uma disciplina de engenharia Ciclo de vida Processos de software Qualidade do processo e implicações Modelos de qualidade de processo (ênfase ISO/IEC e CMMI) Casos e relatos de experiência Avaliação

3 Definição, Implantação, Avaliação e Melhoria de Processos de Software Ana Regina Rocha Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação

4 Processos de Software Preocupação mundial com processos de software Um processo é um conjunto de passos parcialmente ordenados, constituídos por atividades, métodos, práticas e transformações, usado para atingir uma meta. Esta meta geralmente está associada a um ou mais resultados concretos finais, que são os produtos da execução do processo. Um processo é definido quando tem documentação que detalha: o que é feito (produto), quando (passos), por quem (responsáveis), as coisas que usa (insumos) e as coisas que produz (resultados).

5 Processos de Software Surgimento de padrões e modelos internacionais que têm como objetivo definir, avaliar e melhorar a qualidade dos processos de software Objetivos da adoção de um processo de software por uma organização: Melhorar a qualidade dos seus produtos de software Aumentar a produtividade das suas equipes Reduzir os custos e os riscos associados com o desenvolvimento de software

6 Alguns Dados Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de seu esforço na prevenção de problemas, enquanto uma Organização de baixo desempenho gasta 90% de seu tempo corrigindo sintomas em vez de causas de problemas

7 Qualidade de Software Conjunto de características a serem satisfeitas em um determinado grau de modo que o software satisfaça às necessidades de seus usuários

8 Controle da Qualidade de Software Conjunto planejado e sistemático de todas as ações necessárias para fornecer uma confiança adequada de que o item ou produto está de acordo com os requisitos técnicos estabelecidos (ANSI/IEEE Std )

9 Preocupações da Engenharia de Software Qualidade do processo Qualidade do produto Necessidades do Negócio

10 Motivação para o Processo de Software Qualidade do processo Aumento da qualidade do produto Diminuição do re-trabalho Maior produtividade Redução do tempo para atender o mercado Maior competitividade Maior precisão nas estimativas

11 Motivação para o Processo de Software O interesse no processo de software está baseado em duas premissas: a qualidade de um produto de software é fortemente dependente da qualidade do processo pelo qual ele é construído e mantido o processo de software pode ser definido, gerenciado, medido e melhorado Um processo definido está descrito em detalhes de forma a poder ser usado de forma consistente

12 Motivação para o Processo de Software Precisamos aprender a atacar a doença e não os sintomas: o processo e não os defeitos no software

13 Motivação para o Processo de Software A implantação de um Programa de Qualidade começa pela definição e implantação de um processo de software O processo de software deve estar documentado, ser compreendido e seguido

14 Processo Imaturo Características Ad hoc - Improvisado Fortemente dependente dos profissionais Indisciplinado Conseqüências pouca produtividade qualidade de difícil previsão alto custo de manutenção risco na adoção de novas tecnologias

15 Características Processo Maduro Processo conhecido por todos Apoio visível da alta administração Auditagem da fidelidade ao processo Medidas do produto e do processo Adoção disciplinada de tecnologias Conseqüências papéis e responsabilidades claramente definidos acompanhamento da qualidade do produto e da satisfação do cliente expectativas para custos, cronograma, funcionalidades e qualidade do produto é usualmente alcançada

16 Engenharia do Processo de Software Estabelecer a Infra-estrutura para o processo Planejamento da implementação e alteração do processo Implementação e alteração do processo Avaliação do processo

17 Infra-Estrutura do Processo O 1 o. Passo na Engenharia do Processo de Software é estabelecer uma infra-estrutura adequada Pessoal competente e atribuição de responsabilidades Ferramentas Recursos financeiros Indicadores do apoio da gerência Equipe específica para a Engenharia do Processo que pode envolver consultores

18 Definição de Processos Razões para definição de processos de Engenharia de Software em uma empresa: facilitar o entendimento e a comunicação entre pessoas apoiar a melhoria dos processos apoiar a gerência dos processos fornecer apoio automatizado guiando no processo fornecer apoio na execução automatizada do processo

19 Atividades para Definição de Processos de Software Definição das características do projeto Obter algumas informações sobre o projeto, que sejam relevantes para a definição de um processo Definição de um ciclo de vida para o processo O ciclo de vida é definido com base em um modelo de ciclo de vida adequado as características do projeto Detalhamento das fases do ciclo de vida em atividades Refinadas as macro-atividades atividades do processo em sub- atividades. Geralmente, este detalhamento é baseado em um Modelo de Referência de Processos de Software

20 Definição de Processos Definição de como as atividades devem ser realizadas Para cada atividade do processo deve-se identificar os procedimentos que serão adotados para realizá-la la Definição dos artefatos consumidos e produzidos por uma atividade Para cada atividade do processo é necessário definir que artefatos são consumidos pela atividade e que artefatos são produzidos por ela Definição dos recursos para as atividades Determinar os recursos necessários para realização das atividades

21 Definição de Processos Frameworks de Modelos de Ciclo de Vida definição de alto nível das fases e atividades que ocorrem durante o desenvolvimento Modelos de Referências definições mais detalhadas podem ser mapeados para os diferentes modelos de ciclo de vida Principais referências: ISO/IEC 12207, SPICE

22 Definição de Processos Modelo de ciclo de vida baseado em Processo baseado em Modelo de Referência contem Fases contem Atividades contem Figura 1 Conceitos relacionados ao processo.

23 Definição de Processos de Software em Níveis ISO/IEC ISO/IEC TR CMMI Práticas Eng de Sw Cultura Organizacional Definição Processo Padrão Tipos de software Especialização Especialização 1... Especialização n Particularidades do projeto Instanciação Plano do Processo1... Plano do Processo n

24 ISO/IEC 12207:1995 Tecnologia de Informação Processos de Ciclo de Vida de Software

25 ISO/IEC 12207:1995 Publicada em 1º de agosto de 1995, foi o primeiro padrão internacional com o objetivo de prover um conjunto abrangente de processos de ciclo de vida, atividades e tarefas de produtos e serviços de software

26 ISO/IEC 12207:1995 Objetivo Estabelecer uma estrutura comum para os processos de ciclo de vida de software Provê uma arquitetura de processo de software comum para a aquisição, fornecimento, desenvolvimento, operação e manutenção de software Provê processos, atividades e tarefas de apoio e organizacionais para a gerência e melhoria dos processos

27 ISO/IEC 12207:1995 Campo de aplicação Utilizada em uma relação entre duas partes e pode ser igualmente aplicada quando as duas partes forem da mesma organização A relação pode ser desde um acordo informal até um contrato legal Pode ser utilizada por uma única parte por meio de tarefas impostas a ela mesma

28 ISO/IEC 12207:1995 Adaptação Contém um conjunto de processos, atividades e tarefas projetado para ser adaptado de acordo com cada projeto de software O processo de adaptação consiste na supressão de processos, atividades e tarefas não aplicáveis

29 ISO/IEC 12207:1995 Conformidade A conformidade é definida como a execução de todos os processos, atividades e tarefas, selecionados no processo de adaptação, para o projeto de software A execução de um processo ou uma atividade é concluída quando todas as suas tarefas requeridas são executadas de acordo com os critérios preestabelecidos e com os requisitos especificados no contrato, quando aplicável

30 ISO/IEC 12207:1995 Conformidade Qualquer organização que exija o cumprimento desta Norma como uma condição de negócio, é responsável por especificar e disponibilizar o conjunto mínimo de processos, atividades e tarefas requeridos, que constitui a conformidade dos fornecedores a esta Norma

31 ISO/IEC 12207:1995 Limitações Descreve a arquitetura dos processos de ciclo de vida de software,, mas não especifica os detalhes de como implementar ou executar as atividades e tarefas incluídas nos processos Não pretende prescrever o nome, formato ou conteúdo explícito da documentação a ser produzida, podendo requerer o desenvolvimento de documentos de mesma categoria ou tipo, por exemplo, diferentes planos

32 ISO/IEC 12207:1995 Limitações Não prescreve um modelo específico de ciclo de vida ou método de desenvolvimento de software As partes envolvidas são responsáveis pela seleção de um modelo de ciclo de vida para o projeto de software e pelo mapeamento dos processos, atividades e tarefas dentro deste modelo As partes envolvidas são também responsáveis pela seleção e aplicação dos métodos de desenvolvimento de software e pela execução das atividades e tarefas adequadas ao projeto de software

33 ISO/IEC 12207:1995/Amd 1:2002 Revisão da ISO/IEC publicada em 1º de maio de 2002 Estabelece um conjunto coordenado de informações de processo de software para ser utilizado na definição, avaliação e melhoria de processo Ajusta os requisitos dos padrões e relatórios técnicos do SC7 (Software and systems engineering subcommittee,, um sub- comitê do Technical Comitee ISO/IEC/TC JTC1, Information Technology) ISO/IEC ISO/IEC TR Considera outros padrões ISO/IEC (Software( product evaluation) ISO/IEC 15939:2002 (Software( engineering - Software measurement process)

34 ISO/IEC 12207:1995/Amd 1:2002 Resolve o problema de granularidade que existia na versão inicial da ISO/IEC Dificuldade em identificar níveis de capacitação dos processos definidos O objetivo é permitir realizar avaliações e melhorias nos processos Provê objetivos e resultados esperados para cada processo da norma estabelecendo um Modelo de Referência de Processo segundo os requisitos da ISO/IEC (Information technology - Process assessment - Part 2: Performing an assessment)

35 Modelo de Referência de Processo Define os processos de um ciclo de vida em termos de objetivos e resultados Provê um mecanismo para relacionar modelos de avaliação e o framework de avaliação definido pela ISO/IEC 15504

36 ISO/IEC TR ISO/IEC TR Information technology - Software process assessment é o padrão internacional para avaliação de processos de software Desenvolvido no contexto do projeto SPICE Mais de 3000 avaliações já foram feitas em todo o mundo Fornece um framework para a avaliação de processos de software

37 ISO/IEC TR A ISO/IEC TR provê uma abordagem estruturada para avaliação de processos de software com os seguintes objetivos: Permitir o entendimento, por uma organização, do estado dos seus processos, visando estabelecer melhorias Determinar a adequação dos processos de uma organização para atender a um requisito particular ou classe de requisitos Determinar a adequação de processos da organização para um contrato

38 ISO/IEC 12207:1995 rocessos fundamentais Processo de aquisição Processo de desenvolvimento rocessos organizacionais Processo de gerência rocesso de infra-estrutura Processo de fornecimento Processo de operação Processo de manutenção Processo de melhoria Processo de treinamento Processos de apoio Processo de documentação Processo de gerência de configuração Processo de garantia de qualidade Processo de verificação Processo de validação Processo de revisão conjunta Processo de auditoria Processo de resolução de problema

39 Processo de avaliação de produto ISO/IEC 12207:1995/Amd 1:2002 rocessos fundamentais Processo de aquisição Processo de desenvolvimento rocessos organizacionais Processo de fornecimento Processo de operação Processo de manutenção Processos de apoio Processo de documentação Processo de gerência de configuração Processo de garantia de qualidade Processo de verificação Processo de gerência rocesso de infra-estrutura Processo de gerência de programa de reutilização Processo de melhoria Processo de recursos humanos Processo de gerência de assets Processo de gerência de domínio Processo de validação Processo de revisão conjunta Processo de auditoria Processo de resolução de problema Processo de usabilidade

40 Processos fundamentais Constituem um conjunto de processos que atendem as partes fundamentais (pessoa ou organização) durante o ciclo de vida de software Uma parte fundamental é aquela que inicia ou executa o desenvolvimento, operação ou manutenção dos produtos de software. Estas partes fundamentais são o adquirente, o fornecedor, o desenvolvedor, o operador e o mantenedor do software

41 Processos fundamentais Processo de aquisição Preparação para aquisição Seleção de fornecedor Monitoração do fornecedor Aceitação do cliente Processo de fornecimento

42 Processos fundamentais Processo de desenvolvimento Elicitação de requisitos Análise de requisitos de sistema Projeto de arquitetura de sistema Análise de requisitos de software Projeto de software Construção de software Integração de software Teste de software Integração de sistema Teste de sistema Instalação de software

43 Processos fundamentais Processo de operação Uso operacional Apoio ao cliente Processo de manutenção

44 Processos de apoio Constituem um conjunto de processos com o objetivo de auxiliar um outro processo como uma parte integrante, com um propósito distinto, e contribui para o sucesso e qualidade do projeto de software Um processo de apoio é empregado e executado, quando necessário, por outro processo

45 Processos de apoio Processo documentação Processo de gerência de configuração Processo de garantia da qualidade Processo de verificação Processo de validação Processo de revisão conjunta Processo de auditoria Processo de resolução de problema Processo de usabilidade Processo de avaliação de produto

46 Processos organizacionais Constituem um conjunto de processos empregados por uma organização para estabelecer e implementar uma estrutura subjacente, constituída de processos de ciclo de vida e pessoal associados, e melhorar continuamente a estrutura e os processos Empregados fora do domínio de projetos e contratos específicos; entretanto, ensinamentos destes projetos e contratos contribuem para a melhoria da organização

47 Processos organizacionais Processo de gerência Alinhamento organizacional Gerência organizacional Gerência de projeto Gerência de qualidade Gerência de risco Medição Processo de infra-estrutura

48 Processos organizacionais Processo de melhoria Estabelecimento de processo Avaliação de processo Melhoria de processo Processo de recursos humanos Gerência de recursos humanos Treinamento Gerência de conhecimento

49 Processos organizacionais Processo de gerência de asset Processo de gerência de programa de reutilização Processo de gerência de domínio

50 Tarefas Para cada atividade da Norma são definidas tarefas Exemplo: Processo de Verificação Atividade: Verificação Tarefas: Verificação do contrato Verificação do processo Verificação dos requisitos Verificação de projeto Verificação do código Verificação da integração Verificação da documentação

51 emprega Processo de Aquisição Processo de Fornecimento Visão de contrato Adquirente Fornecedor emprega emprega Processo de Gerência (Organizacional) Visão de gerência Gerente emprega Processo de Operação emprega Visão de operação Operador/ usuário emprega Processo de Manutenção emprega Processo de Desenvolvimento Visão de engenharia Desenvolved Mantenedor Processos de Apoio Visão de apoio Encarregado dos Processos d Apoio Processos Organizacionais

52 Atividades do Processo de Adaptação Para adaptação da Norma a um projeto Identificação do ambiente do projeto Solicitação de Informações Seleção de processos, atividades e tarefas Documentação de decisões e motivos da adaptação

53 Medição do Processo Informação quantitativa sobre o processo é coletada, analisada e interpretada Medições são utilizadas para: identificar os pontos fortes e os pontos fracos do processo avaliar o processo após alterações Processo Resultados do Processo Contexto

54 Medição do Processo Importante Outros fatores além do processo tem impacto sobre o produto (pessoas, ferramentas, etc) Podemos medir a qualidade do processo medindo o próprio processo medindo os produtos do processo

55 Abordagens Metodologia para medição do processo (GQM) Paradigmas para medição do processo Paradigma analítico baseia-se em evidência quantitativa para determinar onde as melhorias são necessárias e se as iniciativas de melhoria foram bem sucedidas estudos experimentais simulação classificação de defeitos (falhas causas) controle estatístico do processo Benchmarking envolve medir a maturidade de uma organização ou a capacidade de seus processos Modelos para avaliação de processos: ISO:9001, CMMI, SPICE Métodos para avaliação de processos : CBA-IPI para avaliações baseadas no CMM, SCAMPI para avaliações baseadas no CMMI

56 Abordagem GQM Enunciar objetivo Formular pergunta Especificar métrica

57 Esquema geral da técnica para identificar métricas OBJETIVO 1 Pergunta 1.1 Métrica Pergunta 1.2 Métrica Métrica OBJETIVO 2 Pergunta 2.1 Métrica 2.1.1

58 Esquema geral da técnica para identificar métricas Objetivo 1 Propósito: Melhorar Questão: precisão Objeto: estimativas de projeto Ponto de vista: analisado pelo ponto de vista dos gerentes de projeto Questão 1.1 Qual a precisão das estimativas de cronograma do projeto? Métrica 1.1a) Precisão Total de Cronograma = tempo real de todo o projeto tempo estimado do projeto Métrica 1.1b) Precisão Cronograma por atividade = tempo real por atividade tempo estimado por atividade Questão 1.2 Qual a precisão das estimativas de esforço do projeto? Métrica 1.2a) Precisão Total do Esforço = esforço real de todo o projeto esforço estimado para o projeto Métrica 1.2b) Precisão esforço por atividade = esforço real por atividade esforço estimado por atividade

59 Série ISO (Quality management and quality assurance standards - guidelines for selection and use) ISO 9000 fornece diretrizes para seleção das normas ISO 9001, ISO 9002 e ISO 9003 e realização de ajustes que sejam necessários durante seu uso ISO 9001, ISO 9002, ISO 9003 conjunto de normas que tratam de sistemas da qualidade e que podem ser utilizadas para fins de garantia externa

60 Série ISO (Quality management and quality assurance standards - guidelines for selection and use) ISO 9001 Modelo para garantia da qualidade em projeto, desenvolvimento, produção, instalação e assistência técnica ISO 9002 Modelo para garantia da qualidade em produção e instalação ISO 9003 Modelo para garantia da qualidade em inspeção e ensaios finais

61 ISO 9000:2000 Nova edição da família de normas ISO 9000:1994 Estrutura baseada em processo e baseada no princípio Plan Do Check Act Principais aspectos: Responsabilidades da gerência gerência de recursos realização de produtos e/ou serviços medição, análise e melhoria satisfação do cliente

62 ISO 9000:2000 ISO Quality Management Systems: Fundamentals and Vocabulary ISO Quality Management Systems: Requirements ISO Quality Management Systems: Guidance for Performance Improvement

63 ISO Objetivo e Campo de Aplicação - Descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade, que constituem o objeto da família ISO 9000 e define os termos a ela relacionados É aplicável a: organizações que buscam vantagens através da implementação de um sistema de gestão da qualidade organizações que buscam a confiança nos seus fornecedores de que os requisitos de seus produtos serão atendidos usuários dos produtos aqueles que têm interesse no entendimento da terminologia de gestão da qualidade aqueles, internos ou externos à organização, que avaliam ou auditam o sistema de gestão da qualidade aqueles, internos ou externos à organização, que prestam assessoria ou treinamento sobre o sistema de gestão da qualidade grupos que elaboram normas correlatas

64 ISO Princípios de Gestão da Qualidade - Base para as normas na família de normas ISO 9000 Foco no cliente Liderança Envolvimento de pessoas Abordagem de processo Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria contínua Abordagem factual para a tomada de decisão Benefícios mútuos nas relações com os fornecedores

65 ISO 9000 ISO Abordagem de Sistemas de Gestão da Qualidade - Etapas: determinação das necessidades e expectativas dos clientes e das outras partes interessadas estabelecimento da política da qualidade e dos objetivos da qualidade da organização determinação dos processos e responsabilidades necessários para atingir os objetivos da qualidade determinação e fornecimento dos recursos necessários para atingir os objetivos da qualidade estabelecimento de métodos para medir a eficácia e eficiência de cada processo aplicação dessas medidas para determinar a eficácia e eficiência de cada processo determinação dos meios para prevenir não conformidades e eliminar suas causas estabelecimento e aplicação de um processo para melhoria contínua

66 ISO 9000 ISO Abordagem de Sistemas de Gestão da Qualidade - Uma organização que adota esta abordagem gera confiança na capacidade de seus processos e na qualidade de seus produtos, e fornece uma base para melhoria contínua. Isto pode conduzir ao aumento da satisfação dos clientes e das outras partes interessadas e, também, ao sucesso da organização. NBR ISO 9000

67 ISO 9000 ISO Avaliação do Sistema de Gestão da Qualidade - Questões básicas relacionadas aos processos: O processo está identificado e apropriadamente definido? As responsabilidades estão atribuídas? Os procedimentos estão implementados e mantidos? O processo é eficaz em alcançar os resultados requeridos?

68 ISO 9000 ISO Auditoria do Sistema de Gestão da Qualidade - Auditoria de primeira parte realizada pela própria organização ou em seu nome, para propósitos internos Auditoria de segunda parte realizada pelos clientes da organização ou em seu nome Auditoria de terceira parte realizada por organizações independentes e credenciadas com fins de certificação

69 ISO 9000 ISO Melhoria Contínua - Ações: análise e avaliação da situação existente para identificar áreas de melhoria estabelecimento dos objetivos para melhoria pesquisa de possíveis soluções para atingir os objetivos avaliação e seleção destas soluções implementação da solução escolhida medição, verificação, análise e avaliação dos resultados para determinar se os objetivos foram atendidos formalização das alterações

70 ISO 9001 Não existe mais necessidade das normas ISO 9002 e ISO 9003 pois são permitidas exclusões operações de diferentes organizações para adequação às Foco na melhoria contínua Importância do papel da alta gerência no sistema da qualidade

71 ISO Objetivos - Especifica requisitos para um sistema de gestão da qualidade quando uma organização necessita demonstrar sua capacidade para fornecer de forma coerente produtos que atendam aos requisitos do cliente e requisitos regulamentares aplicáveis, e pretende aumentar a satisfação do cliente por meio da efetiva aplicação do sistema, incluindo processos para melhoria contínua do sistema e a garantia da conformidade com requisitos do cliente e requisitos regulamentares aplicáveis.

72 ISO Aplicação - Todos os requisitos da Norma são genéricos e se pretende que sejam aplicáveis a todas as organizações, sem levar em consideração o tipo, tamanho e produto fornecido. Quando algum requisito da Norma não puder ser aplicado devido à natureza de uma organização e seus produtos, isso pode ser considerado uma exclusão.

73 ISO Requisitos Gerais - A organização deve: identificar os processos necessários para o sistema de gestão da qualidade e sua aplicação por toda a organização determinar a sequência e interação desses processos determinar critérios e métodos necessários para assegurar que a operação e o controle desses processos sejam eficazes assegurar a disponibilidade de recursos e informações necessárias para apoiar a operação e o monitoramento desses processos monitorar, medir e analisar esses processos implementar ações necessárias para atingir os resultados planejados e a melhoria contínua desses processos.

74 ISO Manual da Qualidade - A organização deve estabelecer e manter um manual da qualidade que inclua: o escopo do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificativas para quaisquer exclusões os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema de gestão da qualidade a descrição da interação entre os processos do sistema de gestão da qualidade

75 ISO Satisfação do Cliente - Como uma das medições do desempenho do sistema de gestão da qualidade, a organização deve monitorar informações relativas à percepção do cliente sobre se a organização atendeu aos requisitos do cliente. Os métodos para obtenção e uso dessas informações devem ser determinados. NBR ISO 9001

76 Modelo de um Processo Baseado na ISO Melhoria contínua do sistema de gestão da qualidade CLIENTE Responsabilidade da direção CLIENTE Gestão de recursos Medição, análise e melhoria Satisfação Requisitos Entrada Realização do produto Produto Saída Legenda: agregação de valor

77 ISO 9004 Forma um par consistente com a ISO 9001 Fornece diretrizes além dos requisitos estabelecidos na ISO 9001 Está baseada em oito princípios de gerência da qualidade: Organização com foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Enfoque de gerência baseada no sistema Melhoria contínua Tomada de decisões baseada em fatos relacionamento com fornecedores

78 ISO 9001: Ambiente de Trabalho A organização deve determinar e gerenciar as condições do ambiente de trabalho necessárias para alcançar a conformidade com os requisitos do produto.

79 ISO Ambiente de Trabalho Convém que a direção assegure que o ambiente de trabalho exerça uma influência positiva na motivação, satisfação e desempenho das pessoas, para aumentar o desempenho da organização. Na criação de um ambiente de trabalho adequado, sendo uma combinação de fatores humanos e físicos convém que sejam incluídas considerações a: métodos criativos de trabalhos e oportunidades para aumentar o envolvimento e identificar o potencial das pessoas na organização regras e orientações de segurança, incluindo o uso de equipamentos de proteção ergonomia localização do espaço de trabalho interação social instalações de apoio para as pessoas na organização calor, umidade, luminosidade, ventilação, e higiene, limpeza, barulho, vibração e poluição.

80 ISO Objetivo: facilitar a aplicação da ISO 9001 a software ISO (1994) ISO (2003)

81 Certificação ISO 9000 Demonstra que o Sistema de Gestão da Qualidade da Organização é efetivo Fornece evidência de que a Organização é capaz de produzir produtos e serviços de qualidade Não avalia diretamente produto ou serviço a qualidade de nenhum

82 Capability Maturity Model (SW-CMM) Desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) Objetiva a avaliação e a melhoria da capacitação de uma organização. Cada nível de maturidade (com exceção do nível 1) é composto de várias áreas-chave de processo (KPA).

83 Capability Maturity Model (SW-CMM) descreve princípios e práticas dos quais depende a maturidade do processo de software tem como objetivo auxiliar as organizações a aumentarem a maturidade de seu processo por um caminho evolutivo pode ser usado por empresas contratantes para identificar as características do processo usado por seus fornecedores

84 Capability Maturity Model (CMM) Inicial (Nível 1) Repetitível (Nível 2) Gerência de requisitos Definido (Nível 3) Planejamento do projeto de software Acompanhamento e supervisão do projeto de software Gerência de subcontratos de software Garantia da qualidade do software Gerência de configuração do software Gerenciado (Nível 4) Foco nos processos da organização Definição do processo da organização Programa de treinamento Gerência do software integrado Engenharia de produto de software Coordenação inter-grupos Revisões Otimizado (Nível 5) Prevenção de defeitos Gerência de mudança de tecnologia Gerência de mudança de processo Gerência quantitativa do processo Gerência de qualidade do software

85 A Norma ISO/IEC (SPICE) Estudo realizado pela ISO / SC7 consenso internacional sobre a necessidade e requisitos para um padrão de avaliação de processo necessidade de se adotar uma forma de desenvolvimento em que os resultados pudessem ser utilizados o mais breve possível Objetiva ser um consenso internacional para avaliação de processos de software e determinação da capacitação, unificando propostas anteriores (CMM, TRILLIUM, BOOTSTRAP).

86 CMMI - Capability Maturity Model Integration Situação: vários modelos para melhoria de processos dificuldades de comunicação Proposta CMMI

87 CMMI - Capability Maturity Model Integration SW SE IPPD Indústria Governo SEI CMMI Avaliação Treinamento CMMI SW/SE/IPPD CMMI SW/SE CMMI???

88 CMMI - Conceitos Fundamentais Áreas de Processo CMMI selecionou tópicos que considerou mais importantes para melhoria de processos e agrupou em áreas CMMI-SE/SW versão 1.0: 22 áreas de processo CMMI-SE/SW/IPPD versão 1.0: 24 áreas de processo

89 CMMI - Conceitos Fundamentais Propósito Objetivos objetivos específicos objetivos genéricos Práticas

90 Propósito Cada área de processo começa com 1 ou 2 sentenças que descrevem o seu propósito Sintetiza o objetivo específico da área de processo

91 Objetivos Único componente requerido do modelo CMMI Representa um estado final desejado Objetivo específico: pertence a uma única área de processo Cada área de processo tem de 1 a 4 objetivos específicos CMMI-SE/SW versão 1.0: 48 objetivos específicos CMMI-SE/SW/IPPD versão 1.0: 54 objetivos específicos Objetivo genérico: pode ser aplicado ao longo de todas as áreas de processo

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Qualidade do Processo de Software

Qualidade do Processo de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Qualidade do Processo de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software COPPE/UFRJ Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Copyright COPPE/UFRJ Direitos Reservados Alguns Dados COPPE/UFRJ Uma Organização com bom desempenho

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 04 ISOs / IEC 12207 15504 9001 9126 25000 Agenda Descrição sumária da ISOs afetas ao nosso curso de qualidade ISO/IEC 12207 ISO/IEC

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software UFES - Universidade Federal do Espírito Santo Engenharia de Software Notas de Aula E-mail: falbo@inf.ufes.br 2005 Capítulo 1 - Introdução UFES - Universidade Federal do Espírito Santo 1 Capítulo 1 Introdução

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação UFRJ/IM Pós-Graduado em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas PUC Pós-Graduado

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

PMBok & CMM + CMMi Resumo

PMBok & CMM + CMMi Resumo PMBok & CMM + CMMi PMBok & CMM + CMMi Resumo Mauro Sotille, PMP mauro.sotille@pmtech.com.br www.pmtech.com.br Fontes SEI/Carnegie Mellon University Apresentação: Gerência de Projetos de Software, José

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

ISO 9000-3 3 e ISO 9001

ISO 9000-3 3 e ISO 9001 QUALIDADE DO PROCESSO ISO 9000-3 3 e ISO 9001 Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 Normas da Série ISO 9000 Introdução ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos;

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos; Versão 1.1 - Última Revisão 16/08/2006 Porque estudar um Modelo de Maturidade? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 9000-3 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. Visão Geral Qualidade de Software

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. Visão Geral Qualidade de Software Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação Visão Geral Qualidade de Software Evolução do Conceito de Qualidade W.A.Shewart desenvolveu o sistema de Controlo Estatístico do Processo

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em - I Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Certificação da Qualidade Certificações emitidas por entidades públicas conceituadas: 9 ABIC Selo

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Unidade I Conceito de Qualidade Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com UNIDADE I : Conceito de Qualidade 1.1 Qualidade de processo de software 1.2 Qualidade de produto de software UNIDADE

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito Alterações no Guia Geral:2011 Este documento lista todas as alterações realizadas nos resultados esperados de processos e resultados esperados de atributos de processo presentes no MR-MPS versão de 2011

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 2. Qualidade do

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA ATERIA (C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I PMoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE AUXÍLIO À IMPLANTAÇÃO DA NORMA NBR ISO 9000-3 APOIADA PELA NBR ISO/IEC

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais