CÁRIE DENTÁRIA. Epidemiologia e Métodos Preventivos 02/09/2009 CÁRIE DENTÁRIA EVOLUÇÃO. A cárie dentária é uma

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁRIE DENTÁRIA. Epidemiologia e Métodos Preventivos 02/09/2009 CÁRIE DENTÁRIA EVOLUÇÃO. A cárie dentária é uma"

Transcrição

1 CÁRIE DENTÁRIA Epidemiologia e Métodos Preventivos CÁRIE DENTÁRIA A cárie dentária é uma doença infectocontagiosa causada por ácidos orgânicos oriundos da fermentação microbiana dos carboidratos da dieta. LEGLER & MENAKER, 1984, LOESCH, 1993 EVOLUÇÃO TEMPO DENTE LESÃO DE MICROBIOTA DENTE LESÃO CÁRIE MICROBIOTA CÁRIE SUBSTRATO SUBSTRATO KEYES,

2 Dente Idade Flúor Morfologia Nutrição SALIVA Microbiota Higiene Oral Flúor na Placa DENTE MICROBIOTA CÁRIE SALIVA Substrato SUBSTRATO Remoção Oral Higiene Oral Detergência do alimento Freqüência de ingestão de carboidratos SALIVA Saliva Fluxo Cap. tampão Composição Levantamento Epidemiológico É um estudo complexo pois, há vários fatores relacionados com seu planejamento, além de ser essencial, afim de que consigamos determinar o diagnóstico e a epidemiologia da comunidade. PINTO, 2000 Importância dos dados epidemiológicos: O diagnóstico de saúde da comunidade; Estabelecimento de risco e probabilidade dos indivíduos sofrerem agravos à saúde; Orientar na definição e implementação de políticas de saúde, assim como, seu acompanhamento e avaliação; Avaliar o funcionamento dos serviços, programas e tecnologias; Vigilância epidemiológica; Estudar, historicamente, a morbidade e mortalidade devido às doenças; Identificar síndromes. OLIVERA, et al, 1997 CPO tradicional; CPO inovado; Exame de uma só arcada por maxilar; Índice Simplificado de Viegas; Índice de dentes funcionais (IDF); Índice de equivalência a dentes saudáveis (T-health); Índice de saúde dentária (ISD). PINTO,

3 CPOD/ CPO-D C = cariado P = perdido O = obturado D = dente permanente ceo-d / ceod c = cariado e = extração indicada o = obturado d = dente decíduo Realizado na zona urbana de 16 capitais em 5 regiões brasileiras; A epidemiologia em saúde bucal no Brasil 4 grandes levantamentos de base nacional: 1986, 1993, 1996 e 2003 Principais problemas de relevância coletiva cárie dentária, as doenças periodontais, as oclusopatias, o câncer bucal e as fendas lábio-palatinas Padrões elevados de ataque pela cárie dental em todas as faixas etárias Velocidade acelerada e severidade crescente da doença EXTRAÇÕES MÚLTIPLAS E EM LARGA ESCALA BRASIL, PINTO, 1993 Cárie: Dados Epidemiológicos 1986 Perfil epidemiológico - Cárie Dentária Distribuição do índice CPO-D (ceo-d) de acordo com a idade. Brasil, Idade N Cariado Obturado Ext. ind. Extr. CPO- D/ceo ,13 0,10 0,02 0,00 1, ,65 2,12 0,43 0,44 6, ,28 5,88 0,60 1,93 12, ,32 1,59 0,91 23,37 27,19 OPAS/MS Brasil,2000 CPOD entre 6 e CPO-D Extraído 5 Cariado Obturado 0 Ext. Indic. 6 a a a a 59 Idade Evolução do Índice CPO-D e seus componentes segundo a idade no Brasil

4 Cárie: Dados Epidemiológicos 1996 Realizado pelo Ministério da Saúde em 27 capitais brasileiras Avaliação da população de 6 a 12 anos Distribuição do Índice CPO-D (ceo-d) em crianças de 6 e 12 anos de idade. Brasil, Idade N Cariado Obturado Extr. Ind. Extr. CPO- D/ceo ,22 0,02 0,01 0,002 0, ,56 1,21 0,17 0,12 3,06 MS (1996) OLIVEIRA, 1998 Índice CPO-D de acordo com a idade e componentes. Brasil, ,5 3,06 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 0,28 0,7 Fonte: COSAB/MS, ,15 1,53 1,87 2, Extr. Ind. Extraído Restaurado Cariado Percentual de indivíduos examinados totalmente livres de cárie (CPO=0 e ceo=0). Brasil, % Fonte: COSAB/MS, % 19% 18% 19% 23% 21% Sem cárie Com cárie Contribuição do CPO-d e ceo-d para o total de dentes presentes afetados pela cárie, de acordo com a idade Distribuição do CPO-D aos 12 anos de acordo com os dentes. Brasil, ,0 4,0 3,0 2,0 CPO-D ceo-d ,0 0, Idade Fonte: COSAB/MS, 1998 Fonte: COSAB/MS, 1998 Cariado Restaurado Extraído 4

5 Levantamento Epidemiológico de 1996 RR AP AC AM 1,47 a 2,0 2,1 a 3,0 3,1 a 4,0 mais de 4 RO MT MS PA RS PR GO MA CE RN PB PI PE TO AL SE BA DF Distribuição das capitais brasileiras com relação à faixa de CPO-D aos 12 anos SC SP MG RJ ES O Ministério da Saúde iniciou uma discussão, afim de que, fosse realizado uma avaliação da saúde bucal abrangendo tanto a população urbana como a rural. Cárie: Dados Epidemiológicos 2003 Distribuição do índice CPO-D (ceo-d) de acordo com a idade. Brasil, Realizado pelo Ministério da Saúde; Avaliação populacional das faixas etárias entre meses à Idade N Hígido Cariado Obtur. Extr. CPO- D/ceo ,05 2,36 0,36 0,08 2, ,7 1,69 0,91 0,18 2, anos. OLIVEIRA, ,24 2,79 2,49 0,89 6, ,85 2,68 4,22 13,23 20, ,4 1,23 0,73 25,83 27,79 BRASIL, 2004 Médias de CPO -D e proporções de componentes aos 12 anos segundo macrorregião. Brasil, Médias de CPO/ceo e proporções de componentes segundo idade no Brasil. Brasil, BRASIL, 2004 BRASIL,

6 Cárie: evolução (CPO-D/ceo-d) Índice CPO-D em crianças de 12 anos de idade. Brasil, ,65 3,06 54% 2,78 9% Por que a cárie está em declínio? PINTO, 2000 Remoção profissional da placa Educação em Saúde Bucal Não é aceita como método efetivo de prevenção da doença cárie As profilaxias criam uma dependência desnecessária do paciente para com o profissional, Importância da Saúde Bucal (Palestras, atendimento clínico, etc...) Instrução de higiene Oral Escovação supervisionada Conscientização sobre dieta Atendimento individual Informações complementares o que representa um custo adicional 6

7 Importância da Saúde Bucal Importância da Saúde Bucal ü MASTIGAÇÃO ü ESTÉTICA Importância da Saúde Bucal ü EVITAR O MAU-HÁLITO ü FONAÇÃO ü ASPECTO AFETIVO ü MERCADO DE TRABALHO ü CONVÍVIO SOCIAL ü TIPO DE ALIMENTO; ü FREQÜÊNCIA; üqualidade PARA EVITAR A CÁRIE DENTAL ü REDUÇÃO NO CONSUMO DE AÇUCARES?????? ü NÃO CONSUMIR ALIMENTOS AÇUCARADOS ENTRE AS REFEIÇÕES?????? 7

8 ü CARDIOVASCULARES; ü CÂNCER; DOENÇAS ü HIPERTENSÃO; ü DIABETE MELLITUS. ACONSELHAMENTO DIETÉTICO ESCOVAÇÃO DENTAL ESCOVAÇÃO DENTAL ESCOVA IDEAL üpequena ümacia ücerdas DE TAMANHO IGUAIS ESCOVAÇÃO DENTAL ESCOVAÇÃO DENTAL 8

9 ESCOVAÇÃO DENTAL ESCOVAÇÃO DENTAL ESCOVAÇÃO DA LÍNGUA ESCOVAÇÃO DA LÍNGUA CREME DENTAL 9

10 FIO DENTAL ü PORQUE USAR? ü COMO USAR? ü TIPOS DE FIO DENTAL FITA, FIO. Flúor importante é aquele presente Não substituem a escovação! constantemente na cavidade bucal, participando do processo de cárie e agindo diretamente nos fenômenos de desmineralização e remineralização. SILVA,

11 REMINERALIZAÇÃO Mecanismo de ação Flúor Ação mineralizadora Redução da solubilidade do esmalte Ação anti-enzimática Ação bacteriostático Interferência na adesão bacteriana DESMINERALIZAÇÃO Ação mineralizadora Atividade do flúor SISTÊMICO: incorporação a malha cristalina dos cristais de esmalte, com a formação de Fluorapatita Destruição total Cavidade TÓPICO Visível TÓPICO: trocas iônicas superficiais interferindo na desmineralização ácida do esmalte dental Lesão de esmalte Microscopia ótica Microscopia eletrônica SISTÊMICO Subclínica MALTZ & CARVALHO, 2003 EFEITO TÓPICO EFEITO TÓPICO EFEITO SISTÉMICO Ação dinâmica (processo des-remineralização) Reservatório de F freqüência de exposição do esmalte) Atuação por meio de saturação Formação da apatita fluoretada / fluoreto de cálcio (debilidade) A importância da espera de 30 minutos SILVA,

12 Efeito tópico Ação remineralizadora Ação dinâmica Reservatório de F (freqüência de exposição do esmalte) Trocas iônicas: dente e meio bucal Superfície dental Biofilme Incorporação F na malha cristalina do esmalte Condição ativação de F ph Ação dinâmica (processo des-remineralização) Reservatório de F freqüência de exposição do esmalte) Atuação por meio de saturação Formação da apatita fluoretada / fluoreto de cálcio (debilidade) A importância da espera de 30 minutos Ação enti-enzimática Ação bacteriostática Atua na enzima enolase fosfora gliceronuclease Enzima que atua na manutenção da bactéria Inibição da DES Inibição dos Ácidos Pensamento de fluoretação dos açucares [ ] de Flúor > 95 ppm. Interferência na membrana (diminuição dos íons K e P) Bacteriolise (retardo no crescimento das bactérias mais fracas) Indução de enzimas autolíticas Base cientifica para indicação da escavação em massa (ART) Interferência na adesão bacteriana [ ] de Flúor > 40 ppm. REMINERALIZAÇÃO ANTI-ENZEMÁTICA Retarda a formação do polissacarídeos extracelular, consequentemente na adesão bacteriana, crescimento e maturação bacteriana ADESÃO BACTERIANA REDUÇÃO SOLUBILIDADE BACTERIOSTÁTICO 12

13 REMINERALIZAÇÃO ANTI-ENZEMÁTICA EFEITO SISTÉMICO ADESÃO BACTERIANA REDUÇÃO SOLUBILIDADE BACTERIOSTÁTICO SILVA, 2000 Redução da solubilidade de esmalte Formação da fluorapatita Maior resistência a ação de ácidos Deposição de cristais no espaço intercristalino Reservatório de flúor (CIV) ação bacteriostática Uso comunitário: Flúor de abastecimento Uso individual: Bochechos e dentifrício Uso profissional: Géis e soluções, verniz fluoretado, ionômero de vidro, selante fluoretado Fluoretação da água de abastecimento Histórico: Fluoretação da água Fluoretação do sal Suplementos fluoretados Fluoretação do leite, açúcar e gomas de mascar a.c, na Grécia foram descritos dentes castanhos ou pigmentados, como mais resistentes as doenças da boca ; 1888 Kuhns, México, observou a presença de alterações morfológicas do esmalte; 1901 Eager, Itália, descreveu manchas escuras no esmalte dentário Denti di Chiaie ; 1916 Blach e McKay utilizaram pela primeira vez o termo esmalte mosqueado ; 1928 Kempf e Mckay, confirmaram a hipótese da associação entre a água e a alteração dental; 1931 Dean observou a relação inversa entre flúor e cárie (1 ppm); 1959 Baixo Guandu, ES, 1ª cidade brasileira a realizar fluoretação de água. KOZLOWSKI; PEREIRA,

14 Vantagens do método Adequado Baixo custo Fluoretação da água de abastecimento Seguro na dosagem indicada Simplicidade do emprego KOZLOWSKI; PEREIRA, 2003 Eficiente: redução da cárie dentária em torno de 65% Universalidade de consumo em todas as faixas etárias MURRAY, 1992 Fluoretação da água de abastecimento CONCENTRAÇÃO EFICAZ NO COMBATE E PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA Desvantagens do método Alto desperdício Grande parcela da população não tem acesso à água tratada Risco de ocorrência de fluorose dentária SILVA, ,7 a 1,2 mg de íons flúor por litro de água. Fluoretação da água de abastecimento Fluoretação da água de abastecimento Para que o flúor na água de abastecimento possa efetivamente trazer benefícios em termos de redução de cárie, é necessário que ele esteja presente ININTERRUPTAMENTE e no teor preconizado de flúor ativo para cada localidade. Esse fato é comprovadamente demonstrado em vários estudos mundiais, sendo verificado em Baixo Guandu durante os anos de 1970 a 1987 a interrupção do sistema de fluoretação de água, através do aumento no índice de CPO-D em crianças de 12 anos. Kozlowski & Pereira, 2003 Kozlowski & Pereira,

15 Fluoretação da água de abastecimento ASPECTOS LEGAIS - Lei Federal 6.050: dispõe sobre a fluoretação de águas em sistemas públicos de abastecimento - Decreto Federal : dispõe em seus artigos 1º e 2º e respectivos parágrafos, da obrigatoriedade da implantação de sistemas de fluoretação de águas. NO BRASIL... Muitos estudos mostram que a prevalência da cárie dental no Brasil era muito alta antes da fluoretação da água, e decresceu atingindo índices moderados. Araçatuba (SP) - de 1972 a 1977, redução de 28,3% no índice de cárie para a dentição permanente aos 12 anos de idade (SALIBA et al., 1981) - após 21 anos de água fluoretada, redução de 55% (ARCIERI et al., 1998); Piracicaba (SP) - redução de cárie ao se comparar dados dos últimos 25 anos de fluoretação das águas de abastecimento (BASTING et al., 1997) Kozlowski & Pereira, 2003 Fluoretação do sal Fluoretação do sal Substitutivo da fluoretação da água de abastecimento em locais onde não é possível essa condição Silva, 1991 VANTAGENS: Facilidade de aplicação; Custo reduzido; Abrangência urbana e rural (não necessita de rede de abastecimento); Menor desperdício do flúor; Escolha individual sem perda de liberdade. DESVANTAGENS: Consumo de sal grosso (37% da população); Hipertensão; Idade; Difícil controle de ingestão; Falta de controle na distribuição Silva, 1991 Fluoretação do sal -Dose considerada ótima: 250 mg/f por Kg de sal -Países que o utilizam: Colômbia, Espanha, México, Alemanha e França. Suplementos com flúor Comprimidos, gotas, pastilhas e tabletes mastigáveis - Compostos mais utilizados: fluoreto de sódio, fluoreto de cálcio e fluoreto de potássio. Silva,

16 Suplementos com flúor - Suplementação Pré-Natal - Não é mais recomendado. - Suplementação Pós-Natal - Não viável em programas preventivo de saúde pública; - Restringe-se a casos onde existe uma alta motivação individual e familiar. - mais indicados em pacientes de alto risco de cárie Suplementos com flúor Segundo a OMS (1994) 1. Limitada aplicação como medida preventiva de saúde pública; 2. Em regiões com baixa prevalência de cárie 0,5 mg de flúor a partir de 3 anos; 3. Suplementos prescritos devem ser acondicionados em embalagens protegidas das crianças; 4. Em áreas onde exista uma particular ocorrência de cárie, deve-se adaptar a dosagem, começando aos seis meses de idade, levando em consideração o flúor na água de abastecimento público. Suplementos dietéticos fluoretados Pode-se ressaltar que os suplementos dietéticos fornecem a possibilidade de uso do flúor em áreas deficientes ou com dificuldades de implantação do método sistêmico no sistema de abastecimento da água, além de permitirem a adequação da dosagem de acordo com as necessidades. Unfer; Saliba, 1999 Fluoretação da água nas escolas Técnica semelhante à utilizada nas estações de abastecimento; Concentração de 3 a 7 vezes acima do teor recomendado na rede local devido a pequena permanência das crianças na escola e, por isso, mesmo a concentração de flúor sendo alta o consumo pelas crianças é baixo. Vantagens: abrangente; Independe dos pais para a aplicação. Desvantagens: Idade escolar; Exposição intermitente; Equipamentos e funcionários próprios. Vantagens: Fluoretação do leite O leite serviria de alimento, ao mesmo tempo que protegeria contra a cárie. Desvantagens: Ionização incompleta do flúor; Processo dispendioso; Não é igualmente acessível a todas as classes sociais; Consumido basicamente por crianças de menor idade; Difícil fiscalização devido ao grande número de laticínios no país; Absorção de flúor mais lenta do que quando administrada com água; Não proporciona efeito tópico. Vantagens: Fluoretação do açúcar Observou-se a diminuição de cáries em consumidores de açúcar; Desvantagens: Estímulo ao consumo de açúcar; Implicações de saúde geral; Questão econômica. 16

17 Fluoretação de goma de mascar Vantagens: Alternativas para pacientes com elevado número de S. mutans ou xerostomia; Desvantagens: Não pode ser consumido como guloseima; Mastigação deve ser lenta; Condicionado à capacidade de compra e compreensão da clientela. Bochechos com flúor Dentifrícios com flúor Vernizes com flúor Gel fluoretado Terapia múltipla à base de fluoretos Uso domiciliar Aplicação profissional Bochechos com flúor VANTAGENS: DESVANTAGENS: Fácil aprendizado; Não deve ser aplicado em Fácil realização; crianças menores de três anos; Baixo custo; Calendário escolar. Aplicação extra-clínica. Bochechos com flúor Sais Utilizados Fluoreto de Sódio: 0,2% - uso semanal 0,05% - uso diário Vantagem: - gosto aceitável; Desvantagem:- 4 visitas por série - não irrita gengiva. de aplicação (tempo). Silva, 1991 SILVA, 2000 Fluoreto de sódio a 0,02% Fluoreto de sódio a 0,05% [ ] de Flúor de 100 ppm Bochechos diários (após refeições e antes de deitar-se) Alto risco Crianças pequenas (ingestão involuntária) [ ] de Flúor de 250 ppm Bochechos diários (principalmente antes de deitar-se) Alto risco Crianças maiores de 6 anos 17

18 Fluoreto de sódio a 0,2% Fluoreto de sódio a 0,5% [ ] de Flúor de 1000 ppm Bochechos diários (1x/dia antes de deitar-se ou 3 x/semana) Alto risco Adolescentes e adultos [ ] de Flúor > 2500 ppm Bochechos semanais (1 2x) Alto risco Adolescentes e adultos Bochechos com flúor Bochechos com flúor I controle água II fluoreto de sódio 0,2% - 3 vezes por semana III fluoreto de sódio 0,2% - 1 vezes por semana IV fluoreto de sódio 0,2% - a cada 15 dias. A solução de fluoreto de sódio 0,2% mostrou-se eficiente na redução da incidência de cárie dentária em crianças que realizaram bochechos com esta solução, sendo mais eficiente nos bochechos realizados três vezes por semana. ARCIERI, et al, 1981 ARCIERI, et al, 1981 Dentifrícios com flúor Dentifrícios com flúor Década de 70 Implementação e a disseminação dos dentifrícios fluoretados com evidências da redução da cárie dental, independente da fluoretação da água de abastecimento público. Forma mais racional de utilização, pois sua ação, associada à escovação, engloba a desorganização periódica da placa e a manutenção do flúor na cavidade bucal. PETERSSON e BRATTHALL,1996 Estudos realizados pela OMS (1994) concluíram: 1- Deve-se estimular o uso dos dentifrícios fluoretados nos países em desenvolvimento; 2- Novos estudos devem ser realizados para o aperfeiçoamento dos dentifrícios fluoretados; 3- Os rótulos dos dentifrícios fluoretados devem informar que as crianças menores de 6 anos devem ter a escovação supervisionada; 4- Os programas de escovação supervisionada para escolares devem ser encorajados; 5- Toda pessoa deve ser aconselhada a usar dentifrício com flúor durante a escovação. SILVA,

19 Dentifrícios com flúor CUIDADOS Géis e soluções Vantagem: - tempo de trabalho e custo diminuído. Desvantagens: - devem ser armazenados em recipientes plásticos; - uso de copo descartável para aplicação. Kozlowski & Pereira, 2003 SILVA, 2000 Flúor Fosfato Acidulado FFA 1,23% Associado a um ácido (ph 3,0 a 3,8) [ ] de Flúor de ppm Solução ou gel ácido Alta formação de CaF 2 ApF 1º minuto 80% do F é incorporado (1-4 min) Ácido DES superficial com aumento de incorporação de F Fosfato induz a RE Flúor Fosfato Acidulado FFA 1,23% INDICAÇÃO Alto risco à cárie (fluorterapia) Manchas brancas ativas e inativas Controle da microflora Manter reservatórios do ión F Fluoreto de Sódio (NaF 2%) Neutro [ ] de Flúor de 9000 ppm Baixa formação de CaF 2 Solução ou gel neutro (paciente com estomatite) Tempo de contato (4 min) Fluoreto Estanhoso (SnF 2 8%) Diluido na água (preparo e uso imediato) [ ] de Flúor de ppm Ação anti placa Manchamento nas margens das restaurações Tempo de contato 4min 19

20 Fluoreto Estanhoso (SnF 2 8%) INDICAÇÃO Auxilia no controle do biofilme Aplicação em periodo espaçados (manchamento de resinas) Alto risco à risco a periodontopatias VANTAGENS: Exerce seus efeitos na presença da saliva; Aplicação extra-clínica; Funciona como agente remineralizante ; Fácil aplicação. Vernizes com flúor Inicialmente utilizados na Alemanha são materiais aderentes aplicados pelo profissional sob a superfície dentária. DESVANTAGENS: É necessária a limpeza prévia dos dentes SILVA, 2000 Verniz Fluoretado Verniz Fluoretado [ ] de Flúor de ppm Composição 5% NaF = 22,6 mgf/ml Aderência ao esmalte e liberação lenta de flúor Quanto maior tempo de contato com a superfície dental, maior a ação Verniz Fluoretado INDICAÇÃO Tratamento e controle de manchas brancas (ativas e inativas) Controle de sulcos e fissuras manchadas Alto risco (fluorterapia) Ionômero de vidro (CIV) Boa aderência a superfície dental Liberação lenta de flúor Grande tempo de contato com a superfície (ApF) Tipo Químico libera mais flúor 20

21 Ionômero de vidro (CIV) Alto risco (fluorterapia) INDICAÇÃO Ionômero de vidro (CIV) Cavidade de cárie ativa e inativa Selamento definitivo ou provisório Cáries incipientes (restaurações preventivas) Selamento de fossúlas e fissuras Selantes Baixa concentração de flúor Embricamento mecânico com o esmalte e liberação de flúor por 72 hs Selantes Intimo contato selante/esmalte com maior penetração (ApF, FAp) Proteção fisica da resina ( capa ) Selantes Surgiram na década de 60; Mostraram-se efetivos clinicamente, reduzindo o risco de aparecimento de cárie nas superfícies seladas, com custo menor do que uma restauração. Pouca aplicabilidade em saúde pública no Brasil, diferentemente dos êxitos de tal programa introduzido em outros países. Quando selar? Sele, observando os seguintes fatores: Morfologia do sulco (profundo); Atividade de cárie (mancha branca); Idade; Higiene oral do paciente. Não sele se: O dente for decíduo e estiver preste a esfoliar As fóssulas e fissuras estiverem cariadas; O dente apresentar lesões proximais. THYLSTRUP, FEJERSKOW,1995; 21

22 AGUDO Motivo: ingestão de altas doses do íon flúor decorrente de aplicações tópicas. Absorção pelas paredes do Estomago e intestino. Efeito Agudo Efeito Crônico Sinais e sintomas: indisposição geral, nauseas, vômitos, dor de cabeça, diarréia, tontura, queda da PA, fraqueza generalizada, salivação acentuada, dores abdominais, convulsões, fibrilação cardíaca AGUDO Tratamento: Provocar vômitos, ingerir bastante leite, hospital Dose Provavelmente Toxica (DPT): 5mgF/Kg Ex: Criança de 3 anos (+ 15 Kgs) DPT- 75 mg F (6,0 ml de Gel FFA 1,23% F ou 8,0 ml de gel NaF 2%) Quantidades Toxicas: NaF 0,05% (200ml) Comprimido 100cps Ex: Verniz Aplicar apenas sobre manchas brancas CRÔNICO Motivo: ingestão de altas doses do íon flúor decorrente de aplicações sistêmicas e tópicas Sinais e sintomas: fluorose dental, hipertensão, osteoporose, deficiências cardiacas Fatores que influenciam na intoxicação pelo Flúor Forma e tipo de administração Concetração iônica de Flúor ph do composto fluoretado Tempo de aplicação Idade ossea ph gastrico e da uréia ph alcalino = elimina mais rápido F ph ácido = elimina de forma mais lenta F 22

23 Fatores que influenciam na intoxicação pelo Flúor Massa coporal Motricidade bucal (deglutição) Alimentação pré-flúor Técnica utilizada Associação de medidas Florose Associação de medidas fluoretadas ( sistêmicas e individuais) Gestação - aumenta a [ ] de F e ultrapassa a placenta Dose de Segurança (DS): 0,05 mgf/kg DISTRIBUIÇÃO BILATERAL -SIMÉTRICA DEAN (1934) LARSEN et al (1986) THYLSTRUP & FEJERSKOV (1978) WENZEL & THYLSTRUP (1982) SUPERFÍCIE VESTIBULAR WENZEL & THYLSTRUP (1982) LINGUAIS DE MOLARES E PRÉS SUP. THYLSTRUP & FEJERSKOV(1982) DENTE CANINOS, PRÉS E 2 O MOLAR NANDA et al (1974) INCISIVOS SUPERIORES POULSEN & MOLLER (1974) PRÉS, 2 O MOLAR, INCISIVOS SUP. E CANINOS MOLLER (1982) SIMILAR HOROWITZ et al (1984) BURGER et al (1987) LESAN (1987) GASPAR, PEREIRA & MOREIRA(1993) 23

24 Fatores G Fator Nutricional G Aspecto Sócio-econômico G Temperatura G Inalação de gases G Altitude G Flúor Métodos de prevenção Outros meios de ingestão Recomendações Limitar o uso de dentifrícios em crianças menores de 6 anos Evitar bochechos com soluções fluoretadas em crianças com menos de 6 anos Não prescrever Flúor sistêmico em casos com água fluoretada 24

ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR.

ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR. Grupo PET/Odontologia UFJF. Tutora: Prof.ª. Dr.ª Rosângela Almeida Ribeiro ODONTOLOGIA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: FLÚOR. Aline Barcellos Ana Carla Campos Marcela Nascimento Rachel Itaborahy Introdução Brasil:

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

Etiologia. cárie dentária

Etiologia. cárie dentária Etiologia da cárie dentária Cárie Latim destruição, coisa podre A cárie dental é reconhecida como uma doença, resultante de uma perda mineral localizada, cuja causa são os ácidos orgânicos provenientes

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

FISPQ FLÚOR GEL NEUTRO

FISPQ FLÚOR GEL NEUTRO Página : 1 de 6 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: FLUOR GEL NEUTRO MAQUIRA Sabor: Menta Capacidade: frasco com 200 ml Teor: fluoreto de sódio a 2% Registro na Anvisa: 80322400048

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROGRAMA PARA A PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA E DA DOENÇA PERIODONTAL Serviço de Odontologia

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Para apoio às acções de promoção e educação para a saúde em Saúde Oral Produzido pela: Divisão de Saúde Escolar

Leia mais

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 Objetivos 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 3. Avaliar o impacto do Programa Brasil Sorridente 4. Planejar

Leia mais

VII-017 - FLUORETAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ÂMBITO DA CORSAN

VII-017 - FLUORETAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ÂMBITO DA CORSAN VII-017 - FLUORETAÇÃO DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ÂMBITO DA CORSAN Ricardo Noll (1) Engenheiro Químico. Farmacêutico-Bioquímico. Especialista em Saneamento Básico, Chefe do Laboratório Central/CORSAN

Leia mais

BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA

BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA Conceito: É o estudo da distribuição do estado ou eventos de saúde- doença e de seus determinantes em populações específicas, e a aplicação desse estudo para

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental?

... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental? ... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental?... que os alimentos duros ajudam a limpar os dentes? Eles estimulam o fluxo salivar dificultando a queda de

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

CÁRIE DENTAL ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS

CÁRIE DENTAL ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS CÁRIE DENTAL ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz Cárie => decomposição lenta do dente resultante da perda de cristais de hidroxiapatita. Essa dissolução da matriz mineralizada reduz

Leia mais

SAÚDE BUCAL. Você sabe quantos dentes de leite você tem?

SAÚDE BUCAL. Você sabe quantos dentes de leite você tem? SAÚDE BUCAL Você sabe quantos dentes de leite você tem? Vinte e quatro dentes de leite, que a partir dos 6 até os 12 anos, caem e são substituídos por outros permanentes. Mas não é porque vão cair que

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Odontohebiatria PROVAB

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Odontohebiatria PROVAB Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica PROVAB Isa Teixeira Gontijo Para compreender bem as medidas que devem ser adotadas na prevenção da doença cárie e da doença gengival, diagnosticadas

Leia mais

DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais.

DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais. DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais. INTRODUÇÃO A evolução do conhecimento científico trouxe uma mudança radical nos paradigmas

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1

INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 2 Luciano Martini INTRODUÇÃO Na Odontologia, com o problema

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

Técnicas em Higiene Dental

Técnicas em Higiene Dental Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Técnicas em Higiene Dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Aulas práticas Lista de materiais Aulas práticas - Lista de materiais Roupa

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

RECOMENDAÇÕES SOBRE USO DE PRODUTOS FLUORADOS NO ÂMBITO DO SUS-SP EM FUNÇÃO DO RISCO DE CÁRIE DENTÁRIA

RECOMENDAÇÕES SOBRE USO DE PRODUTOS FLUORADOS NO ÂMBITO DO SUS-SP EM FUNÇÃO DO RISCO DE CÁRIE DENTÁRIA RECOMENDAÇÕES SOBRE USO DE PRODUTOS FLUORADOS NO ÂMBITO DO SUS-SP EM FUNÇÃO DO RISCO DE CÁRIE DENTÁRIA RSS-164, de 21/12/2000/DOE de 27 e 30/12/2000. Grupo de Trabalho: JA Cury, PC Narvai, RA Castellanos,

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Etiologia e epidemiologia da cárie dentária

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Etiologia e epidemiologia da cárie dentária CASO COMPLEXO 5 Amélia : Etiologia e epidemiologia da cárie dentária Daniella Ferraz Cerqueira A cárie dentária é uma doença infecciosa que progride de forma muito lenta na maioria dos indivíduos, raramente

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Odontólogo (Unidade Móvel) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. I N S T R

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2012;2(2):12-9. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Use of fluoride toothpaste by preschoolers: what pediatricians should know? ; Ana Paula Pires dos Santos pré-escolar. Resumo Resultados e conclusões:

Leia mais

Política Nacional de Saúde Bucal

Política Nacional de Saúde Bucal MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Política Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente, suas ações, abrangências e como as

Leia mais

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus Manual sinônimo do Dentista de excelência Credenciado em

Leia mais

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES Lidiani Terenciani Nazaro¹; Jandira Aparecida Simoneti² UEMS - Caixa postal 351 - CEP: 79804-970 Dourados - MS¹ E-mail: lidi.nazaro@gmail.com, Bolsista de Extensão.

Leia mais

Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato

Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato ... vedar... obliterar... isolar do meio externo SELANTE É: Barreira Física Os selantes oclusais são reconhecidos como uma medida efetiva na PREVENÇÃO

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA E AJUDE A PREVENÍ-LA Sua dieta e seus hábitos de saúde bucal podem fazer uma grande diferença A RELAÇÃO ENTRE OS DENTES, BACTÉRIAS E OS ÁCIDOS DO AÇÚCAR Esses fatores desencadeiam

Leia mais

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54%

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54% Saúde e sociedade: desafios para a epidemiologia em saúde bucal 3/10/2011 20:02 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Metas da OMS para o ano 2000 e a situação brasileira IDADE META DA OMS PARA 2000 SB Brasil

Leia mais

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS SANTOS, Aniúsca V¹; MANGGINI, Bruna K¹; MACIESKI, Franciele¹; SOARES, Jéssica Cavalheiro 1 ; TAMANHO, Jiana¹;

Leia mais

Resumo de Aula. Fatores que interferem na etiologia da cárie dental: Bactérias Adesão bacteriana Especificidade Bacteriana Dieta

Resumo de Aula. Fatores que interferem na etiologia da cárie dental: Bactérias Adesão bacteriana Especificidade Bacteriana Dieta Estudo da Doença Cárie Dentária I Urubatan Medeiros Doutor (USP) Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária UERJ/UFRJ Coordenador da Disciplina de Odontologia Preventiva

Leia mais

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1.

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1. OS DENTIFRÍCIOS OS DENTIFRÍCIOS E A HIGIENE ORAL Diferentes tipos de microrganismos se desenvolvem na cavidade oral. Muitos são inofensivos, outros não. Algumas bactérias fermentam os carboidratos (predominantemente

Leia mais

Manual de Fluorterapia

Manual de Fluorterapia PREFEITURA DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE CURITIBA / 2006 29 Apresentação A Secretaria Municipal da Saúde, ao desenvolver seu modelo de atenção, definiu que a odontologia faria parte dos cuidados

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

Visitando o dentista durante a gestação Problemas comuns de saúde oral durante a gestação Conselhos de saúde oral

Visitando o dentista durante a gestação Problemas comuns de saúde oral durante a gestação Conselhos de saúde oral Saúde Oral e a Gestação Visitando o dentista durante a gestação Problemas comuns de saúde oral durante a gestação Conselhos de saúde oral Como usar este guia A gestação é o momento perfeito para começar

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO QUESTÃO 21 Assinale a alternativa CORRETA quanto à obtenção da analgesia (anestesia regional): a) O método do bloqueio de nervo é aplicado para a obtenção

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

Viajando com o Sr. Mutans

Viajando com o Sr. Mutans Viajando com o Sr. Mutans - o jogo da cárie - Material de Apoio Autoria: Adriana de Sales C. Correa 1 TERMOS USADOS NO JOGO E CONCEITOS BÁSICOS DE ODONTOLOGIA Processo de formação da cárie Aspectos patológicos

Leia mais

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida Curso ODOI 8 - Odontologia Ênfase Identificação Disciplina SCOI9-I-T/P-A/B - Saúde Coletiva I Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 34

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 34 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 34 QUESTÃO 17 Com relação à cárie dentária, é CORRETO afirmar: a) Tudo indica que a infecção primária na criança advém da mãe (transmissão vertical), mas isso

Leia mais

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE Texto montado a partir dos manuais: MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção à saúde do adolescente: Belo Horizonte: SAS/MG, 2006. p. 75-79. BARROS, Claudia Márcia

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

USO DO FLÚOR E CONTROLE DA CÁRIE COMO DOENÇA

USO DO FLÚOR E CONTROLE DA CÁRIE COMO DOENÇA 2 USO DO FLÚOR E CONTROLE DA CÁRIE COMO DOENÇA Jaime Aparecido Cury INTRODUÇÃO A Odontologia passou por grandes mudanças conceituais no século XX. Entre elas, uma das mais significativas em termos de saúde

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

MANUAL DO ASSOCIADO. Plano Empresarial. A solução definitiva em odontologia

MANUAL DO ASSOCIADO. Plano Empresarial. A solução definitiva em odontologia MANUAL DO ASSOCIADO Plano Empresarial A solução definitiva em odontologia MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE HERVAL D OESTE RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E/OU PROVAS E TÍTULOS, PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 vacina Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3

ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 vacina Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3 ÍNDICE - 11/06/2006 Zero Hora (RS)...2 Geral...2 Brasil pode ter vacina anti-hpv este ano...2 Correio Braziliense...3 Revista do Correio...3 Por um sorriso perfeito...3 Decifrando os rótulos...3 Zero Hora

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs MINISTÉRIO DA SAÚDE Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs Brasília DF 2012 O Sistema Único de Saúde (SUS) possui o Programa Brasil Sorridente, criado para cuidar da saúde

Leia mais

profissional: desafios e integração

profissional: desafios e integração O papel das IES na formação profissional: desafios e integração da equipe de saúde Clarice A. Ferraz Coordenadora d Geral das Ações Técnicas em Educação na Saúde e Formação de Profissionais de Nível Médio

Leia mais

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS INSTITUCIONAL 31 anos no mercado odontológico; Presença com sedes em 10 cidades brasileiras, dentre elas 9 capitais; Solidez e tradição na atenção à Saúde Bucal; Mais de 2 milhões de beneficiários; Mais

Leia mais

Cobertura RN 338 Lei 9656/98:

Cobertura RN 338 Lei 9656/98: Cobertura RN 338 Lei 9656/98: CÓDIGO PROCEDIMENTO Flex 30% GRUPO 87000032 CONDICIONAMENTO EM ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS R$ 7,62 CONSULTAS 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA R$ 10,58

Leia mais

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE SAÚDE BUCAL Para ter um sorriso bonito, saudável e com hálito bom, é preciso: Escovar os dentes, utilizando uma escova de dente de tamanho adequado

Leia mais

Incisão e Drenagem extra-oral de abscesso, hematoma e/ou flegmão da região buco-maxilo-facial

Incisão e Drenagem extra-oral de abscesso, hematoma e/ou flegmão da região buco-maxilo-facial CÓDIGO 81000049 81000057 82000468 Diagnóstico, Urgência-Emergência: Noturna, Sábado, Domingo ou Feriado (procedimento abaixo) Consulta odontológica de Urgência (Horário normal das 08:00 horas às 18:00

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

Controle de Hemorragia sem Aplicação de Agente Hemostático em região Buco-maxilo-facial 82000484 130

Controle de Hemorragia sem Aplicação de Agente Hemostático em região Buco-maxilo-facial 82000484 130 ANEXO I TABELA DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS AGEMED Baseado na Lei 9656 e RN 211 - Edição julho/2014 Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS). NOMENCLATURA / PROCEDIMENTO CÓDIGO TUSS RAIO X

Leia mais

CONCEITO ATUA TAMBÉM NA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA,SAÚDE ESCOLAR/EDUCACIONAL E DISFAGIA. (Texto aprovado pelo Plenário do CFFa em março de 2004).

CONCEITO ATUA TAMBÉM NA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA,SAÚDE ESCOLAR/EDUCACIONAL E DISFAGIA. (Texto aprovado pelo Plenário do CFFa em março de 2004). FONOAUDIOLOGIA CONCEITO "A FONOAUDIOLOGIA É A CIÊNCIA QUE TEM COMO OBJETO DE ESTUDO A COMUNICAÇÃO HUMANA, NO QUE SE REFERE AO SEU DESENVOLVIMENTO, APERFEIÇOAMENTO, DISTÚRBIOS E DIFERENÇAS, EM RELAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE AÇÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS E PREVENÇÃO DE CÁRIES DENTRO DA ESCOLA Por: Lucilia Dias Peixoto Orientador Prof. Nelsom José

Leia mais

Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011

Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011 Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011 Organograma PROGRAMA Promoção de saúde em seu conceito mais amplo, ou seja, despertar nos pacientes a importância da higiene bucal, da prevenção e a associação destas

Leia mais

Tomamos por exemplo a classificação referenciada por Kandelman et al em2008:

Tomamos por exemplo a classificação referenciada por Kandelman et al em2008: INTRODUÇÃO: O envelhecimento humano pode ser definido como o processo de mudança progressiva da estrutura biológica, psicológica e social dos indivíduos, que se inicia antes do nascimento e se desenvolve

Leia mais

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE.

O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. O TRATAMENTO PROFISSIONAL DA HIPERSENSIBILIDADE. VOCÊ RESOLVENDO O PROBLEMA DO SEU PACIENTE. CONTÉM NANO- HIDROXIAPATITA Pasta Dessensibilizante e Remineralizante AF. folder 40x7 nano p.indd 6/6/0 :40:49

Leia mais

Rol Mínimo. Cobertura detalhada

Rol Mínimo. Cobertura detalhada Cirurgia Alveoloplastia Amputação radicular com obturação retrógrada Amputação radicular sem obturação retrógrada Apicetomia birradiculares com obturação retrógrada Apicetomia birradiculares sem obturação

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS GRADUANDOS EM ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EM RELAÇÃO AO USO E PRESCRIÇÃO DE PRODUTOS FLUORETADOS Guilherme Baschirotto

Leia mais

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE MÓDULO Tema: O papel da ASB nas especialidades de Prótese e Dentística. Trabalho

Leia mais

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano

Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase. Raquel S. Juliano Sanidade de Equinos e seus Prejuízos: Pitiose, Anemia Infecciosa Eqüina e Tripanossomíase Raquel S. Juliano Fonte: IBGE / PPM (2008) MT 307.900 MS 357.675 60% Pantanal 84.588 Fonte: IBGE (2005) Eqüinos

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Áreas temáticas: Educação e Saúde Coordenador: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo Equipe executora: Orientadoras: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo (coordenador);

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC

Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC Baseado na Lei 9656 e RN 211 - Edição outubro/2011 - Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS).

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Profilaxia. Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio. Bifluorid 12 em embalagens Single Dose. Indicações: Indicações:

Profilaxia. Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio. Bifluorid 12 em embalagens Single Dose. Indicações: Indicações: Bifluorid 12 Bifluorid 12 Single Dose Verniz de flúor transparente com fluoreto de cálcio e de sódio Bifluorid 12 em embalagens Single Dose Reparação de cerâmica directa Tratamento de hipersensibilidade

Leia mais

JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS.

JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM DENTES PERMANENTES NA FAIXA ETÁRIA DE 6 A 12 ANOS NO MUNICÍPIO DE NIOAQUE/MS. CAMPO GRANDE 2011 1 JULIANA SILVEIRA MACIEL PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL E GENGIVITE EM ESCOLARES DE 12 ANOS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BOA VISTA, RORAIMA. por

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL E GENGIVITE EM ESCOLARES DE 12 ANOS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BOA VISTA, RORAIMA. por Serviço de Gestão Acadêmica PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTAL E GENGIVITE EM ESCOLARES DE 12 ANOS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BOA VISTA, RORAIMA por LAURAMARIS DE ARRUDA RÉGIS ARANHA Dissertação apresentada

Leia mais