BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA"

Transcrição

1 BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA Conceito: É o estudo da distribuição do estado ou eventos de saúde- doença e de seus determinantes em populações específicas, e a aplicação desse estudo para o controle dos problemas de saúde. (Last, JM. A Dictionary of Epidemiology, 2ª ed. New York, Oxford University Press, 1988.) PRESSUSPOSTOS BÁSICOS DA EPIDEMIOLOGIA: A ocorrência e distribuição dos eventos relacionados à saúde não se dão por acaso Existem fatores determinantes das doenças e agravos da saúde que, uma vez identificados, precisam ser eliminados, reduzidos ou neutralizados. RACIOCÍNIO EPIDEMIOLÓGICO: 1. Suspeita em relação a uma possível influência de um fator na ocorrência de uma doença ( prática clínica, a análise de padrões da doença, observações de pesquisa laboratorial ou especulação teórica). 2. Formulação de uma hipótese específica. 3. Teste da hipótese através de estudos epidemiológicos que incluem grupos adequados de comparação para: Determinar da existência de uma associação estatística

2 Avaliar a validade de qualquer associação estatística ( acaso, viés...) O CONTEXTO ATUAL DA EPIDEMIOLOGIA: Transição Epidemiológica: O desenvolvimento tecnológico na área da saúde contribuiu para a redução das doenças infecciosas e, associado à mudança do perfil etário, houve um aumento do papel das doenças não infecciosas. Com isso, o declínio da importância das doenças infectocontagiosas se acompanha de um olhar sobre o papel do ambiente, da nutrição, dos modos de vida, sobre o perfil de morbi-mortalidade da população. EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA CÁRIE: INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS: Índices: Indicam a frequência com que ocorrem certas doenças e eventos na comunidade, podendo incluir ou não, uma indicação do grau da severidade da doença. Quando os índices são usados??? UTILIZAÇÃO DOS ÍNDICES: Via de regra, os índices são empregados em estudos de prevalência e incidência. UTILIZAÇÃO DOS ÍNDICES: Prevalência: Frequência de casos de uma doença, existente em um dados momento. É uma medida estática, casos existentes detectados através de 1 única observação

3 UTILIZAÇÃO DOS ÍNDICES: Incidência: Frequência com que surgem novos casos de uma doença, num intervalo de tempo. É uma medida dinâmica, refere-se à uma mudança de estado de saúde, casos novos detectados através de mais de uma observação. Está associado ao risco de adoecimento. Em Porto Alegre, foram observadas altas taxas de incidência de câncer de boca, ajustadas por idade pela população mundial, em ambos os sexos (8,3/ em homens e 1,4/ em mulheres), encontrando-se entre as mais elevadas do mundo. (Franceschi S, Bidoli E, Herrero R, Munoz N. Comparison of cancers of the oral cavity and pharynx worldwide:etiological clues. Oral Oncol Jan;36(1): ) Índice e Indicadores: Índice e indicadores são termos com significados diferentes. Enquanto o primeiro sempre se expressa por valores numéricos, os indicadores de saúde possuem um sentido mais amplo e podem incluir tanto alguns índices quanto informações qualitativas como condições de vida, acesso a serviços de saúde, etc. CRITÉRIOS IMPORTANTES PARA UM ÍNDICE: Aceitabilidade : deve ser prático e aceitável para o paciente, não causando dor ou incômodo; Clareza, simplicidade e objetividade : o examinador deve ser capaz de memorizar suas regras e critérios de maneira a aplicá-los com naturalidade e sem perda de tempo durante o trabalho de campo; Pertinência : deve haver uma relação entre o índice utilizado e a doença que está sendo estudada; CRITÉRIOS IMPORTANTES PARA UM ÍNDICE: Confiabilidade : deve ser suficientemente padronizado e confiável para permitir comparações entre diferentes examinadores e entre exames, em diferentes momentos, como em estudos longitudinais; Análise estatística : deve permitir a quantificação numérica e,

4 portanto, a análise estatística. O índice deve manter sua validade quando submetido a tratamento estatístico. AVALIAÇÃO BÁSICA DE SAÚDE BUCAL E NECESSIDADE DE TRATAMENTO: Foi um método combinado da Organização Mundial de Saúde, um conjunto de indicadores de saúde bucal do qual fazem parte índices como os de fluorose e cárie. O formulário da OMS, versão 1997, foi desenhado para cobrir as exigências de estudos epidemiológicos destinados ao planejamento, acompanhamento e reformulação de serviços de saúde bucal em crianças e em adultos. ( Oral Health Surveys: Basic Methods WHO, 1997) EPIDEMIOLOGIA DA CÁRIE DENTAL: Fatores que interferem na Epidemiologia da Cárie Dental: Idade Sexo Grupo Étnico Condições Sociais IDADE: Existe uma correlação positiva entre idade e prevalência de cárie. Períodos alternados: Exacerbação aguda Inatividade Progressão lenta SEXO: Observação de maior prevalência no sexo feminino até os 18 anos de idade. Hipótese : dentição erupciona mais cedo

5 GRUPO ÉTNICO Confundidor A prevalência independe do grupo étnico Hábitos semelhantes Prevalência semelhante ESCORES PARA CPO-D PELA OMS IDADE DE 12 ANOS: Muito baixo: : 0,0 a 1,1 Baixo : de 1,2 a 2,6 Moderado : de 2,7 a 4,4 Alto : de 4,5 a 6,5 Muito alto : acima de 6,6 INDICADORES DE CÁRIE DENTAL: Indicadores de Cárie Dental: Unidades de Medida : Unidade Indivíduo : significa que estamos contando quantos indivíduos apresentam a doença, independente da quantidade de dentes que possam estar afetados; Unidade dente : quantos dentes, em cada pessoa, estão afetados pela doença; Unidade superfície : considerando que cada dente possua 5 superfícies, desejamos saber quantas superfícies totais estão afetadas pela doença, em uma pessoa; Indicadores de Cárie Dental: Unidades de Medida : Unidade Lesão : Podemos ter, em cada superfície, mais de uma lesão. São contadas as lesões que cada indivíduo apresenta Unidade Grau de severidade da lesão: Podemos ter lesões com grau de severidade diferentes. Nesta situação o tipo de lesão ( mancha branca cavitada, lesão incipiente de esmalte, lesões de dentina) é categorizado de acordo com sua

6 severidade Índice de Knutson ( Unidade indivíduo): Divide os Indivíduos em dois grupos Índice CPO-D ( Unidade Dente): Foi proposto por Klein & Palmer e representa a média do número total de dentes permanentes cariados, perdidos e obturados em um grupo populacional. Em um único indivíduo, o CPO.D será a soma das condições encontradas em cada dente Ao realizar um levantamento epidemiológico consideramos apenas 28 dentes. Logo, o CPO.D máximo por indivíduo é igual a 28. Índice CPO.D ( Unidade dente): C ( cariado) P ( perdido) O (obturado). No índice é possível perceber a história anterior da doença ( obturados + extraídos) e a história atual da doença ( extração indicada e cariados). Os componentes extração indicada (Ei) + extraídos (E) formam, no conjunto, os dentes perdidos (P). Índice CPO-D ( Unidade dente): Critérios para exame: É considerado como CARIADO : Que apresenta lesão clínica óbvia. Existe uma cavidade definida em que o próprio exame visual é suficiente para diagnosticar; Evidência de esmalte socavado Em sulcos e fissuras com retenção de explorador, desde que exista dentina amolecida ou opacidade de esmalte

7 Em faces proximais se o explorador prende Em casos que o explorador penetra entre dente e restauração Quando houver restauração deficiente com infiltração ou fraturas Índice CPO-D ( Unidade dente): Critérios para exame: É considerado um dente OBTURADO: Apresenta uma coroa artificial em bom estado O dente está perfeitamente restaurado com material definitivo como ouro, amálgama, resina,etc. Índice CPO-D (Unidade dente): Critérios para exame: Dentes considerados EXTRAÍDO: Ausente da boca depois do período em que normalmente deveria ter feito sua erupção, em decorrência da doença cárie. Esse critério não pode ser utilizado para a dentição decídua pela existência de perdas dentárias fisiológicas ocorridas pela exfoliação natural da dentição decídua. Índice CPO-D (Unidade dente): Critérios para exame: Dente como EXTRAÇÃO INDICADA: Que apresente cavidades abertas e sinais óbvios de exposição ou morte pulpar Que apresente uma lesão profunda, próxima à polpa, em que tudo leve a crer que a polpa será exposta quando se intencionar preparar uma cavidade para posterior restauração. Índice CPO-D ( Unidade dente): Observações complementares: Dente Hígido : é o dente íntegro. Dente erupcionado :

8 Para incisivos e caninos: o comprimento da coroa deve ser pelo menos igual à largura. Para pré-molares: toda a superfície oclusal deverá estar exposta. Para molares: pelo menos 2/3 da superfície oclusal deverá ser exposta Índice c.e.o (Unidade dente): Proposto por Gruebbel, adaptação do Índice CPO.D para a dentição decídua. Representa a média de dentes decíduos cariados ( C), com extração indicada ( e) e obturados ( O) por criança. Índice c.e.o (Unidade dente): Este índice não considera o componente extraído, tendo em vista que os dentes decíduos sofrem processo de exfoliação natural, que não tem nenhuma relação com a doença cárie. O máximo c.e.o por criança é, então, 20. Índice de Sloman ( Unidade dente): Baseia-se nos mesmos critérios do CPO.D, sendo utilizado apenas para a dentição permanente. Neste índice, utiliza-se o resultado obtido pelo CPO.D, por pessoa, e divide-se por 32. sendo, portanto, uma proporção de dentes cariados, perdidos e obturados por pessoa.

9 Indicares de Cárie dental: Outros índices com unidade dente: Índice de Dentes Funcionais ( IDF): IDF= o+h/n Índice de Equivalência a dentes saudáveis: T-health= ( Hx4) + (cx1) + (Ox1)/6 Indicadores de Cárie Dental: Índice CPO.S ( Unidade Superfície): É uma adaptação do CPO à unidade superfície dentária. Foi proposto por Klein, Palmer & Knutson e representa o número médio de superfícies CPO por indivíduo. Indicadores de Cárie Dental: Índice CPO.S ( Unidade Superfície): Cada dente é considerado como sendo possuidor de 5 superfícies. O número máximo CPO.S por pessoa é de 140. Indicadores de Cárie Dental: Unidade Lesão: Não existe nenhuma proposta explícita para esta unidade por nenhum autor. Neste caso, o índice seria o número de lesões independentes encontradas em cada indivíduo. Para a população, o índice é representado pela média aritmética dos valores dos indivíduos. Existe o perigo de entre um e outro exame as lesões independentes coalescerem modificando, para menos, o valor do índice.

10 Índice de Mellanby ( Unidade Grau de Severidade da lesão): Atribui-se uma nota a cada dente, de acordo com a severidade da lesão cariosa: Zero: sem lesão cariosa 1: lesão em estado inicial 2: lesão em estágio moderado 3: lesão em estágio avançado Para o cálculo do índice, divide-se o total das notas pelo número de dentes examinados Índice de Higiene Oral Simplificado - IHO.S Este índice foi proposto por Greene & Vermillion (1964) com o propósito de: Estudar a epidemiologia da doença periodontal; Verificar a eficiência de métodos de escovação; Verificar os efeitos de programas de educação para a saúde bucal. Foi um dos primeiros índices a introduzir a noção de exames simplificados na Odontologia. Índice de Higiene Oral Simplificado - IHO.S Para observarmos os valores do IHO.S é necessário utilizar substâncias evidenciadoras de placa bacteriana. Essas substâncias facilitam a visualização da localização do biofilme dental, porém é possível visualizá-lo sem o uso delas ( IPV) Os evidenciadores mais utilizados são: fucsina básica, eritrosina, marrom de bismarck, verde malaquita e violeta de genciana Índice de Higiene Oral Simplificado - IHO.S No IHO.S examinamos apenas algumas superfícies específicas de dentes selecionados e, segundo os autores, se nestas superfícies encontrarmos uma certa quantidade de placa é sinal que nas demais também a encontraremos.

11 Índice de Higiene Oral Simplificado - IHO.S São estas: Vestibular do 1º molar superior direito Vestibular do 1º superior esquerdo Vestibular do incisivo central superior direito Lingual do 1º molar inferior esquerdo Lingual do 1º molar inferior esquerdo Vestibular do incisivo central inferior esquerdo Índice de Higiene Oral Simplificado - IHO.S OBSERVAÇÃO: No caso do dente-índice estar ausente, deve-se subsitituí-lo pelo subsequente. Índice de Biofilme Visível - IBV Baseia-se na presença ou ausência de placa nas superfícies vestibular, mesial, distal e ligual. O resultado é fornecido em percentuais de superfícies com placa em relação ao total das que foram examinadas. O IBV deve ser realizado sem auxílio de explorador, apenas de espelho. Índice de Biofilme Visível - IBV Materiais e métodos durante o exame: Superfície deve estar seca, com auxílio de seringa tríplice e isolamento relativo. Local deve estar bem iluminado para facilitar a visualização. Escores: Zero: ausência de placa 1: presença de placa

12 Índice de Sangramento Gengival: Junto com o IPV tem a função de verificar áreas com necessidade de tratamento periodontal, hábitos de higiene bucal do paciente. Instrumental utilizado para a verificação do sangramento é a sonda periodontal milimetrada. Escores: Zero: ausência de sangramento 1: presença de sangramento Índice de Sangramento Gengival: Materiais e métodos utilizados durante exame: O ISG deve ser realizado com a cavidade bucal seca, com isolamento relativo. A sonda periodontal deve ser percorrer o dente da distal para a mesial, e dos dentes posteriores para os anteriores ( de trás para frente). De preferência toda a vestibular dos elementos e em seguida, a lingual. A sonda periodontal é introduzida levemente no sulco ( ou bolsa) gengival. Índice de Sagramento Gengival: Cálculo: Da mesma maneira que o IBV, deve ser feito uma regra de três. Total de faces: 113 Faces com sangramento: x x=87,61%

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROGRAMA PARA A PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA E DA DOENÇA PERIODONTAL Serviço de Odontologia

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

Prevalence of Dental Caries and Treatment Needs in Twelve-Year-Old Scholars from the Sixth Grade at Campos Dos Goytacazes CIEP 417.

Prevalence of Dental Caries and Treatment Needs in Twelve-Year-Old Scholars from the Sixth Grade at Campos Dos Goytacazes CIEP 417. 1 PREVALÊNCIA DA CÁRIE DENTAL E AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DE TRATAMENTO EM ESCOLARES DE 12 ANOS DA SEXTA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL NO CIEP 417 DE CAMPOS DOS GOYTACAZES. Prevalence of Dental Caries and

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

Projeto SB Brasil 2003

Projeto SB Brasil 2003 Projeto SB Brasil 2003 MINISTÉRIO DA SAÚDE Condições de Saúde Bucal da População Brasileira 2002-2003 Resultados Principais Série C. Projetos, Programas e Relatórios Brasília DF 2004 2004 Ministério da

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1

INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 2 Luciano Martini INTRODUÇÃO Na Odontologia, com o problema

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2014 Prefeitura Municipal de Bom Despacho AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2014 Prefeitura Municipal de Bom Despacho AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL 1)Para a prevenção e o controle da cárie, é necessário atuar em um conjunto de fatores : a) Restauração, polimento, bala b) Controle do açúcar, limpeza dos dentes, uso do flúor. c) Escovação, açúcar, flúor

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 34

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 34 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 34 QUESTÃO 17 Com relação à cárie dentária, é CORRETO afirmar: a) Tudo indica que a infecção primária na criança advém da mãe (transmissão vertical), mas isso

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

SAÚDE BUCAL COLETIVA (*)

SAÚDE BUCAL COLETIVA (*) 1. INTRODUÇÃO SAÚDE BUCAL COLETIVA (*) Adaptado e atualizado por Frias AC; Junqueira SR. As ações de saúde bucal, sejam de assistência odontológica às pessoas ou ações sobre o meio-ambiente que tenham

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

ERICA SIMONE DOS SANTOS SOUZA DETECÇÃO E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DA CÁRIE POR MEIO DO ICDAS II

ERICA SIMONE DOS SANTOS SOUZA DETECÇÃO E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DA CÁRIE POR MEIO DO ICDAS II ERICA SIMONE DOS SANTOS SOUZA DETECÇÃO E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DA CÁRIE POR MEIO DO ICDAS II BRASÍLIA, 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Nacional de Saúde Bucal.

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Nacional de Saúde Bucal Projeto Técnico Brasília, DF Setembro de 2009 Projeto SBBrasil 200 José Gomes Temporão

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus Manual sinônimo do Dentista de excelência Credenciado em

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Para apoio às acções de promoção e educação para a saúde em Saúde Oral Produzido pela: Divisão de Saúde Escolar

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Diagnóstico da cárie dentária: comparação dos resultados de três levantamentos epidemiológicos numa mesma população

Diagnóstico da cárie dentária: comparação dos resultados de três levantamentos epidemiológicos numa mesma população Diagnóstico da cárie dentária: comparação dos resultados de três levantamentos epidemiológicos numa mesma população Diagnosis of dental caries: comparing results of three epidemiological surveys from the

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO PROJETO VIGILANTES DO SORRISO Juliana Santos Oliveira NOVAFAPI Cosme José Albergaria da Silva Filho NOVAFAPI Marissol Antunes Fernandes NOVAFAPI Adriana Oquendo Machado NOVAFAPI INTRODUÇÃO O PETI (Programa

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

Prevalência de Cárie de Primeiro Molar em Crianças de 6 a 8 Anos do Projeto Guanabara

Prevalência de Cárie de Primeiro Molar em Crianças de 6 a 8 Anos do Projeto Guanabara Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Prevalência de Cárie de Primeiro Molar em Crianças de 6 a 8 Anos do Projeto Guanabara Área Temática

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO QUESTÃO 21 Assinale a alternativa CORRETA quanto à obtenção da analgesia (anestesia regional): a) O método do bloqueio de nervo é aplicado para a obtenção

Leia mais

2 Este Caderno contém uma proposta de Redação e trinta questões de múltipla escolha

2 Este Caderno contém uma proposta de Redação e trinta questões de múltipla escolha CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva MESTRADO EM ODONTOLOGIA INSTRUÇÕES 1 Na parte inferior desta capa, escreva seu nome completo, em letra de forma e assine no local

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 20/05/2012) Cargo: Técnico em Higiene Dental/Classe D-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

INTRODUÇÃO. Mariana Minatel Braga Fausto Medeiros Mendes Thais Gimenez Kim Rud Ekstrand

INTRODUÇÃO. Mariana Minatel Braga Fausto Medeiros Mendes Thais Gimenez Kim Rud Ekstrand O USO DO ICDAS PARA DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA DOENÇA CÁRIE Mariana Minatel Braga Fausto Medeiros Mendes Thais Gimenez Kim Rud Ekstrand INTRODUÇÃO Todo cirurgião-dentista fez ou faz diagnóstico

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

Criado em Fevereiro de 2008 MANUAL DO CREDENCIADO

Criado em Fevereiro de 2008 MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO ÍNDICE 3... 1 - Introdução 4... 2 - Identificação do Beneficiário 5... 3 - Cobertura de Planos 6... 3.1 - Prótese 7... 3.2 - Ortodontia 8... 3.3 - Implante 9... 3.4 - Clareamnento

Leia mais

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54%

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54% Saúde e sociedade: desafios para a epidemiologia em saúde bucal 3/10/2011 20:02 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Metas da OMS para o ano 2000 e a situação brasileira IDADE META DA OMS PARA 2000 SB Brasil

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA SENSIBILIDADE PARA DIAGNÓSTICO DA CÁRIE DENTÁRIA ENTRE OS ÍNDICES CPO-D E ICDAS II

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA SENSIBILIDADE PARA DIAGNÓSTICO DA CÁRIE DENTÁRIA ENTRE OS ÍNDICES CPO-D E ICDAS II UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SOCIEDADE MESTRADO ACADÊMICO EM SAÚDE E SOCIEDADE AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA SENSIBILIDADE PARA

Leia mais

SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT 1

SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT 1 SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT Michele Novaes Ribeiro - ninepeixoto@yahoo.com.br Maria Eloíza Pereira Leite Ramos Karine da Silva Peixoto, Resumo Este estudo teve por objetivo

Leia mais

SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT 1

SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT 1 SAÚDE BUCAL EM CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR EM NOVA XAVANTINA-MT Michele Novaes Ribeiro - ninepeixoto@yahoo.com.br Maria Eloíza Pereira Leite Ramos Karine da Silva Peixoto, Resumo Este estudo teve por objetivo

Leia mais

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE

SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE SAÚDE BUCAL DO ADOLESCENTE Texto montado a partir dos manuais: MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção à saúde do adolescente: Belo Horizonte: SAS/MG, 2006. p. 75-79. BARROS, Claudia Márcia

Leia mais

Como calcular a amostra na pesquisa odontológica?

Como calcular a amostra na pesquisa odontológica? Como calcular a amostra na pesquisa odontológica? Mauro Henrique Nogueira Guimarães de Abreu Universidade Federal de Minas Gerais 2010 Referências 1. Babbie, E. Métodos de pesquisa de survey. Belo Horizonte:

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM PACIENTES DA CLINICA ESCOLA DE ODONTOPEDIATRIA

IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM PACIENTES DA CLINICA ESCOLA DE ODONTOPEDIATRIA IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM PACIENTES DA CLINICA ESCOLA DE ODONTOPEDIATRIA O estudo avaliou a relação existente entre o benefício bolsa família com a cárie dentária

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Crianças e Jovens que frequentam escolas públicas e IPSS: Normalização de procedimentos Divulgação Externa Nº: 02/DSPPS/DCVAE DATA: 09/01/09 Contacto

Leia mais

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE MÓDULO Tema: O papel da ASB nas especialidades de Prótese e Dentística. Trabalho

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ. TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR Odontologia

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ. TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR Odontologia MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR Odontologia Brasília/DF - 2007 1 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das

Leia mais

Saúde Bucal: aspectos básicos e atenção ao adulto. Andréa Clemente Palmier Efigênia Ferreira e Ferreira Flávio Mattos Mara Vasconcelos

Saúde Bucal: aspectos básicos e atenção ao adulto. Andréa Clemente Palmier Efigênia Ferreira e Ferreira Flávio Mattos Mara Vasconcelos 1 Saúde Bucal: aspectos básicos e atenção ao adulto Andréa Clemente Palmier Efigênia Ferreira e Ferreira Flávio Mattos Mara Vasconcelos 2 SUMÁRIO Introdução 4 Seção 1 7 Parte 1 Políticas Públicas em saúde

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Escovação no Controle da Placa

Escovação no Controle da Placa MOTIVACÃO. Toothbrushing and Plaque Control Escovação no Controle da Placa Avaliação do Ensino e Motivação em Escolares 1.INTRODUÇÃO Estudos de diferentes tipos e com métodos os mais diversos, tem evidenciado

Leia mais

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Plano Integral... TRATAMENTO AMBULATORIAL/DIAGNÓSTICO Consulta EMERGÊNCIA Colagem de fragmentos (consiste na recolocação de partes de dente que sofreu fratura,

Leia mais

CONDIÇÃO DENTÁRIA E HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS COM IDADE ESCOLAR

CONDIÇÃO DENTÁRIA E HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS COM IDADE ESCOLAR CONDIÇÃO DENTÁRIA E HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS COM IDADE ESCOLAR DENTAL CONDITION AND ORAL HYGIENE HABITS IN SCHOOL CHILDREN Juliana Sene Prado Davi Romeiro Aquino José Roberto Cortelli Sheila

Leia mais

ERUPÇÃO DE MOLARES DECÍDUOS E PERMANENTES. RELAÇÃO COM A IDADE DE APLICAÇÃO DE SELANTE OCLUSAL

ERUPÇÃO DE MOLARES DECÍDUOS E PERMANENTES. RELAÇÃO COM A IDADE DE APLICAÇÃO DE SELANTE OCLUSAL ERUPÇÃO DE MOLARES DECÍDUOS E PERMANENTES. RELAÇÃO COM A IDADE DE APLICAÇÃO DE SELANTE OCLUSAL Joseleine CARVALHO* Valdemar VERTUAN** RESUMO: Foram examinadas 609 crianças de 3 a 6 anos para se verificarem

Leia mais

MANIFESTAÇÕES E COMPLICAÇÕES BUCAIS NA DOENÇA FALCIFORME

MANIFESTAÇÕES E COMPLICAÇÕES BUCAIS NA DOENÇA FALCIFORME Departamento de Odontologia Social e Preventiva Faculdade de Odontologia - UFRJ MANIFESTAÇÕES E COMPLICAÇÕES BUCAIS NA DOENÇA FALCIFORME Marlene Cezini Doença Falciforme Conceito Doença genética caracterizada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA RELATÓRIO TÉCNICO DA PESQUISA. Goiânia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA RELATÓRIO TÉCNICO DA PESQUISA. Goiânia 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA RELATÓRIO TÉCNICO DA PESQUISA CONDIÇÕES DE SAÚDE BUCAL DE ESCOLARES DE 12 ANOS DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO, 2010 Goiânia 2011 2 EQUIPE TÉCNICA 1)

Leia mais

Quadro 1. Tipologia do desenho de investigação da pesquisa. Adaptação de Rouquayrol e Almeida Filho (1999) 3.

Quadro 1. Tipologia do desenho de investigação da pesquisa. Adaptação de Rouquayrol e Almeida Filho (1999) 3. Metodologia 37 4 METODOLOGIA 4.1 Tipo de estudo O presente trabalho foi um Ensaio clínico, não-controlado, randomizado e cego, o estudo pode ser considerado ainda individuado, pois avaliou indivíduos como

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

Resumo. Claudia Gastaldi de M. M. Lopes CORRÊA* Sylvio MONTEIRO JÚNIOR** Maria Dalva de Souza SCHROEDER***

Resumo. Claudia Gastaldi de M. M. Lopes CORRÊA* Sylvio MONTEIRO JÚNIOR** Maria Dalva de Souza SCHROEDER*** ISSN 1806-7727 Estudo da incidência de fluorose dentária na dentição permanente no município de Joinville Evaluated the incidence of dental fluoroses in school children the public net education in Joinville

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO 1. DIAGNÓSTICO 1.1- ANAMNESE 1.2- EXAMES COMPLEMENTARES 1.3- AVALIAÇÕES CLÍNICA 1.1. ANAMNESE História

Leia mais

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos ANEXO I Rol de Procedimentos Odontológicos Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICO: I Consulta inicial II Exame histopatológico Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica odontolegal,

Leia mais

DISCIPLINA ESTUDOS PREVENTIVOS EM CARIOLOGIA TEMA:

DISCIPLINA ESTUDOS PREVENTIVOS EM CARIOLOGIA TEMA: DISCIPLINA ESTUDOS PREVENTIVOS EM CARIOLOGIA TEMA: Métodos de prevenção da cárie dentária - estratégias coletivas, no contexto da promoção da saúde bucal Profa. Dra. Eliete Rodrigues de Almeida Profa.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs MINISTÉRIO DA SAÚDE Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde www.saude.gov.br/bvs Brasília DF 2012 O Sistema Único de Saúde (SUS) possui o Programa Brasil Sorridente, criado para cuidar da saúde

Leia mais

Calibração de examinadores para estudos epidemiológicos de cárie dentária. Calibration of examiners for dental caries epidemiology studies

Calibração de examinadores para estudos epidemiológicos de cárie dentária. Calibration of examiners for dental caries epidemiology studies ARTIGO ARTICLE 153 Calibração de examinadores para estudos epidemiológicos de cárie dentária Calibration of examiners for dental caries epidemiology studies Marco Aurélio Peres 1 Jefferson Traebert 2 Wagner

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Odontohebiatria PROVAB

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Odontohebiatria PROVAB Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica PROVAB Isa Teixeira Gontijo Para compreender bem as medidas que devem ser adotadas na prevenção da doença cárie e da doença gengival, diagnosticadas

Leia mais

REGULAMENTO ODONTOLÓGICO

REGULAMENTO ODONTOLÓGICO REGULAMENTO ODONTOLÓGICO Regulamento Vigente REGULAMENTO ODONTOLÓGICO ARTIGO 1º - A Associação dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo - AFRESP - prestará a seus associados inscritos na Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Promoção e Prevenção em Saúde Bucal Coletiva 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 S 2 1 Programa Promoção de saúde bucal baseada em evidências científicas Estratégias comuns de prevenção de

Leia mais

Manual - Equipe de Campo

Manual - Equipe de Campo 1 SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP Manual - Equipe de Campo São Paulo, Piracicaba - SP 2015 2 Projeto SB-SP 2015 Pesquisador Responsável

Leia mais

Anatomia Individual dos Dentes

Anatomia Individual dos Dentes CAPÍTULO 2 Anatomia Individual dos Dentes OBJETIVOS Identificar e descrever os acidentes anatômicos de cada um dos dentes permanentes e decíduos típicos Descrever cada uma das faces da coroa de cada dente

Leia mais

... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental?

... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental? ... que o nervo do dente é chamado Polpa e é responsável pela nutrição e sensibilidade dental?... que os alimentos duros ajudam a limpar os dentes? Eles estimulam o fluxo salivar dificultando a queda de

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

Abertura. Abertura ria. ria. Abertura. Abertura. Requisitos Principais. abertura coronária. Abertura ria. Requisitos Principais. ria.

Abertura. Abertura ria. ria. Abertura. Abertura. Requisitos Principais. abertura coronária. Abertura ria. Requisitos Principais. ria. coroná www.endodontia.com.br abertura coroná princípios pios e técnica t simplificada Coroná Requisitos Principais Coroná Requisitos Principais Ponto de eleição inicial pré- determinado Remoção do tecido

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL

PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL PREVALÊNCIA DE CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM PROGRAMA DE ATENÇÃO MATERNO-INFANTIL Zacarias Soares de Brito Neto (Bolsista do PIBIC/UFPI ICV); Lúcia de Fátima Almeida de Deus Moura

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA O ATENDIMENTO INDIVIDUAL FICHA CLÍNICA

PROTOCOLO CLÍNICO PARA O ATENDIMENTO INDIVIDUAL FICHA CLÍNICA ANEXO 2 PROTOCOLO CLÍNICO PARA O ATENDIMENTO INDIVIDUAL FICHA CLÍNICA - Fazer a ficha clínica sempre que o for a 1ª consulta do usuário. 1ª CONSULTA Identificação do usuário realizado pela TSB (ou outro

Leia mais

Higiene bucodental. Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ

Higiene bucodental. Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ Higiene bucodental Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ A promoção da saúde bucal Odontologia preventiva: é soma total dos esforços para promover, manter e/ou restabelecer a saúde do

Leia mais

Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato

Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato Tutora: Tathiane Lenzi Prof. José Carlos P. Imparato ... vedar... obliterar... isolar do meio externo SELANTE É: Barreira Física Os selantes oclusais são reconhecidos como uma medida efetiva na PREVENÇÃO

Leia mais

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática Indicador 24 Cobertura de primeira consulta odontológica programática É o percentual de pessoas que receberam uma primeira consulta odontológica programática no Sistema Único de Saúde (SUS), A primeira

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICOS: I Consulta Inicial Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica Odontolegal, diagnósticos das doenças

Leia mais

DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais.

DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais. DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais. INTRODUÇÃO A evolução do conhecimento científico trouxe uma mudança radical nos paradigmas

Leia mais

Guia de Orientação. Primeira Infância (0 3 anos de idade)

Guia de Orientação. Primeira Infância (0 3 anos de idade) Guia de Orientação Primeira Infância (0 3 anos de idade) Os primeiros dentes do bebê começam a aparecer na boca por volta dos 6 meses de idade. Eles iniciam a sua formação no período de vida intra- uterina:

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS MANUAL PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS OBJETIVO Este manual foi elaborado para orientar o usuário quanto ao preenchimento das fichas de Coleta de Dados Simplificados (CDS). Esse documento visa descrever

Leia mais

UNNA CLÍNICA GERAL. regras específicas

UNNA CLÍNICA GERAL. regras específicas CLÍNICA GERAL regras específicas índice UNNA 1 2 3 4 5 9 10 Apresentação Gestão da Qualidade em Saúde Bucal Atendimento em Dentística Envio de Imagens via Internet Envio de Imagens via Correios Programa

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS

PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS OS IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NOME SOBRE DO A SAÚDE... ARTIGO 25 PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DE 12 ANOS DE IDADE EM 2002 E 2007 EM LAJEADO, RS PREVALENCE OF DENTAL

Leia mais