INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1"

Transcrição

1 INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 2 Luciano Martini INTRODUÇÃO Na Odontologia, com o problema da exclusão de grande parte da população ao atendimento, foi evidenciada a necessidade de se desenvolver uma modalidade assistencial de baixo custo, generalista e que fizesse a prevenção de doenças bucais, em especial a cárie e a doença periodontal, nos primeiros anos de vida da população, partindo-se do princípio de que se durante a infância fossem mantidos os dentes saudáveis, nos períodos subseqüentes todos teriam condições de cuidar melhor de seus dentes. Surgiu então, em 1980, através do decreto estadual 3.046, o Programa de Saúde Escolar, que instituiu o Programa de Bochechos com Soluções de Flúor semanal com a Solução de Fluoreto de Sódio (NaF) a 0,2% nas escolas de ensino fundamental do Paraná, como forma de atingir todas as crianças de 1ª a 4ª séries que as freqüentassem (COSTA et al., 2006). Pode-se evidenciar por diversos estudos e levantamentos (BRASIL, 1988) que esta forma de uso tópico de flúor, juntamente com outros métodos preventivos, foi muito importante para a diminuição das doenças bucais, em especial a cárie, quando foi implantada nas escolas municipais. Sabe-se também que a realidade do Brasil e da Odontologia naquela época era outra, e que não existiam, ou pelo menos não eram usadas, tantas formas e meios de contato com o flúor como os que são usados atualmente, sendo que o seu uso também não era tão orientado e incentivado pela mídia da época. Atualmente, contudo, em sociedades nas quais a maior parte da população utiliza dentifrícios com flúor, e onde os níveis de cárie dentária são baixos, os programas 1 Pesquisa monográfica realizada no curso de especialização em Saúde Pública do Curso de Enfermagem da Unioeste. 2 Unioeste. Fone: (45)

2 comunitários mostram pouca eficiência. Birkeland et al., citados por Iwakura e Morita (2004), em estudo sobre possíveis fatores que poderiam estar associados ao declínio de cárie dentária, relatam que os programas de bochecho com flúor em escolares podem ter influenciado o declínio da prevalência de cárie em escolares de 8 a 11 anos na década de Já a partir da década de 1970, o declínio na prevalência de cárie pode estar relacionado à livre comercialização de dentifrícios e outros compostos contendo flúor e a um melhor nível de escolaridade dos pais. Assim, o custo-benefício dos programas de bochecho tem sido questionado, especialmente em áreas de baixa prevalência de cárie. Em geral, os bochechos com flúor são efetivos em áreas com concentrações insuficientes de flúor na água, e para as crianças que recebem terapias de flúor inadequadas (IWAKURA e MORITA, 2004). Neste contexto, o Brasil apresenta em quase sua totalidade na rede de fornecimento de água potável a adição de flúor na sua composição. Com a maior abrangência da população aos serviços odontológicos (que vem crescendo estatisticamente com o passar dos anos), população essa que em muitos casos usa produtos que também contém flúor em sua composição, nos leva a refletir sobre a possibilidade de avaliar a real necessidade do tratamento à base de flúor. Ponderamos que pode estar havendo uma exagerada exposição a este elemento químico que, apesar de todo o bem que ele promove aos dentes tanto no uso tópico como sistêmico, tem como uma de suas propriedades a toxicidade, e se utilizado indevida e/ou incorretamente pode tornar-se danoso aos seres vivos. Somado a isso, recentemente um projeto de lei foi apresentado ao Congresso Nacional com o intuito de se proibir a adição de flúor à água potável da população em geral (AGÊNCIA CÂMARA, 2007). A adição de flúor foi necessária como prática sanitária de prevenção em saúde bucal numa época em que se tinha um atendimento odontológico público escasso e um baixo acesso às diferentes fontes de flúor em relação àquelas que existem nos dias atuais. Segundo Iwakura e Morita (2004), o programa de bochecho com flúor não esteve associado à menor prevalência de cárie, tanto em escolas públicas como privadas. O trabalho do programa é realizado por técnicos em higiene dental e auxiliares de 1

3 odontologia que saem das unidades básicas de saúde, em média, duas vezes por semana para realizar o bochecho com fluoreto de sódio a 0,2% nas escolas. Para calcular o custo mensal do programa de bochecho R$ 1,14 por criança foram considerados a média dos vencimentos por dias trabalhados no programa das auxiliares de odontologia e técnicas em higiene dental, o custo de produção do fluoreto de sódio a 0,2% e o custo de transporte. Comparativamente, um programa de educação para a saúde e promoção do autocuidado, com distribuição de um tubo de dentifrício com flúor e uma escova de dente para cada criança, no mesmo período, custaria R$ 0,46. O valor assume elevada importância quando comparado com procedimentos de longo alcance social, como é o caso de vacinas, que custam em média R$ 0,50 por dose. E considerando que os recursos destinados à saúde devem ser aplicados com parcimônia, os autores ainda sugerem que o investimento no programa de bochechos poderia ser direcionado para outras ações de promoção de saúde. Além do uso sistêmico do flúor, que tem função de entrar na composição do esmalte nos dentes que estão em desenvolvimento, os agentes fluoretados de uso tópico que são usados em prevenção a cáries na odontologia podem agir tanto na placa bacteriana, tendo uma função quimiostática em relação às bactérias, impedindo seu crescimento e desenvolvimento e diminuindo ainda sua aderência ao dente, como também ter ação por contato direto com a superfície dos dentes, depositando sais com flúor em sua composição quando estes sais são dissolvidos dos dentes no meio bucal por ação bacteriana, fazendo com que aconteça uma incorporação do flúor na composição do esmalte, promovendo uma diminuição do ph crítico para a desmineralização do esmalte desse dente, ou seja, evitando por um maior período a perda de minerais do dente e diminuindo assim os riscos de se formar uma lesão cariosa (PINTO, 2000). Segundo Castellanos (1983), em estudo comparando o uso de solução fluoretada utilizado nas formas de somente bochecho, somente escovação e escovação e bochecho associados, constatou-se que o método mais efetivo contra o ataque da cárie foi o de escovação e bochecho associados, dos quais a opção de somente bochecho foi a que apresentou o pior desempenho em termos de prevenção. Dessa forma, é aconselhável que a solução fluoretada de bochecho deva entrar em contato com a superfície do dente limpa para que se atinja o máximo efeito de 2

4 prevenção desejado, tentando-se remover o biofilme bacteriano antes do bochecho, pois isso poderia reduzir a ação preventiva do flúor em relação ao ataque de cárie. Assim, o presente trabalho analisou se o protocolo de bochecho com solução fluoretada está sendo efetuado corretamente nas escolas de ensino fundamental, levando-se em consideração a presença ou não de biofilme bacteriano nos dentes, uma vez que se apresenta como prática generalista, com a utilização de um produto tóxico, dirigido a crianças de uma faixa etária baixa, expondo assim essas crianças a um risco desnecessário se a prática já não se apresentar como forma eficaz de prevenção à saúde bucal. Em decorrência do anteriormente exposto, o objetivo desse estudo foi avaliar o IHO-S, proposto por Greene e Vermillion (1964), referidos por Chaves (1986), momentos antes da aplicação do bochecho semanal com solução de Fluoreto de Sódio (NaF) a 0,2% nas crianças da faixa etária de 7 a 11 anos em uma escola de ensino fundamental da cidade de Nova Aurora/PR por meio de evidenciador de placa bacteriana, correlacionando-o ao protocolo e à eficácia de aplicação do bochecho. METODOLOGIA O presente estudo se constituiu como uma pesquisa de campo de caráter exploratório e descritivo, quantitativo, com crianças de 7 a 11 anos de idade, através de um levantamento epidemiológico por meio de um formulário preenchido de acordo com os resultados do bochecho que as crianças realizaram com uma solução evidenciadora de placa bacteriana. Foi realizado numa escola de ensino fundamental da cidade de Nova Aurora/PR, no ano letivo de 2007, que utiliza regularmente a aplicação de bochecho de flúor nas crianças que a freqüentam, segundo a orientação da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná para essa prática. Contou com a participação dos alunos dos turnos da manhã e da tarde do ensino fundamental no ano letivo corrente de 2007, na faixa etária de aproximadamente 6 a 13 anos de idade, com um total de 61 alunos. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, no Campus de Cascavel/PR, sob parecer número 249/2007-CEP. Para a coleta de dados foi apresentado ao sujeito da 3

5 pesquisa o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, que foi lido e explicado, e somente após seu entendimento e anuência foi assinado pelo pai ou responsável e então realizada a coleta dos dados. Foi mantido o anonimato dos pesquisados para que o requisito do sigilo das informações fornecidas pelos sujeitos pudesse ser contemplado. Para a coleta de dados da pesquisa escolheu-se um dia da semana em que o procedimento do bochecho com flúor era realizado e, no momento exatamente antes do procedimento acontecer, realizou-se a evidenciação de placa bacteriana com pastilhas evidenciadoras de placa para se classificar o Índice de Higiene Oral Simplificado (IHO- S) de cada criança. Esse protocolo de pesquisa se repetiu duas vezes, com intervalo de duas semanas entre elas, acontecendo respectivamente nos dias 17 e 31 do mês de outubro de Para tanto, foi escolhida uma turma de cada série, duas do período da manhã (terceira e quarta séries) e duas do período da tarde (primeira e segunda séries), por forma de sorteio, para se realizar o procedimento, e essas crianças foram instruídas a respeito do procedimento que foi realizado, a fim de não persistirem dúvidas e não se exporem a qualquer risco desnecessário. O procedimento da evidenciação com as pastilhas aconteceu da seguinte maneira: cada turma foi separada em pequenos grupos de no máximo 10 alunos por vez e cada aluno recebeu uma pastilha evidenciadora de placa bacteriana, que foi triturada com os dentes e espalhada com a língua por todas as superfícies dos dentes, vestibular e lingual/palatina, superior e inferior, por 1 minuto, recebendo instruções do pesquisador durante esse momento, e após isso descartando o remanescente da pastilha. Os alunos foram acompanhados em todos os momentos pelo pesquisador cirurgião dentista e por uma auxiliar de consultório dentário, que ajudou a coordenar e supervisionar os alunos. As pastilhas evidenciadoras de placa bacteriana se constituem de Fucsina Básica a 2%, Sacarina Sódica, Lactose, Ciclamato de Sódio e Excipientes, cuja função é de corar a placa bacteriana nos dentes, aparentemente limpos, de uma cor que contraste com os dentes (vermelho vivo), facilitando a localização da placa bacteriana nas superfícies dentais. Após esse procedimento da realização da evidenciação, os dentes das crianças foram analisados e classificados com a ajuda de um formulário previamente criado, conforme o nível de higiene oral estabelecido para este estudo. Neste formulário consta 4

6 a data da coleta de dados, a série da qual o aluno faz parte, o turno em que estuda, o sexo e a idade, obtidos através do boletim escolar. Além dessas informações, o formulário foi preenchido com o resultado do IHO-S que cada criança apresentou após a evidenciação com a pastilha evidenciadora de placa bacteriana. Os exames clínicos foram realizados com o auxílio de espelhos bucais planos, sondas exploradoras nº 5 e luz natural. Para análise da condição de higiene bucal, foi utilizado o Índice de Higiene Oral Simplificado (IHO-S), adaptado às condições da pesquisa, em que seis superfícies foram usadas para representar toda a boca: a vestibular dos primeiros molares superiores direito e esquerdo, a lingual dos primeiros molares inferiores direito e esquerdo e a superfície vestibular do incisivo central superior direito e inferior esquerdo. Os códigos para cada dente selecionado são determinados da seguinte maneira: ESCORE Nível 0 Nível 1 Nível 2 Nível 3 DESCRIÇÃO Dente limpo e total ausência de biofilme bacteriano Dente apresenta 1/3 de sua superfície com biofilme bacteriano Dente apresenta biofilme até 1/2 da sua superfície Dente apresenta biofilme além da 1/2 da sua superfície Os valores são somados e divididos pelo número de superfícies contadas, estabelecendo assim, um código final. A média entre 0 e 1,5 representa boa higiene bucal, entre 1,6 e 2,5, higiene bucal regular e maior que 2,6, higiene bucal ruim. Os resultados da evidenciação de placa nos alunos foram transcritos em tabelas, separados por faixa etária, com os escores de cada uma das coletas e com a média de ambas, organizados de forma quantitativa, para que fossem analisados tanto em comparação com os outros alunos, bem como com as outras tabelas, em estatística descritiva, não probabilística, cujos resultados foram comentados de acordo com o referencial teórico do estudo. 5

7 DISCUSSÃO E RESULTADOS Os resultados foram organizados em grupos, divididos em 3 tabelas, levando-se em consideração a faixa etária dos alunos, dos menores aos maiores, com intuito de se analisar o IHO-S conforme a idade e o nível de instrução. Além disso, os dados foram analisados apenas em grupos, não levando em consideração os resultados individuais separados. É importante salientar que, para este estudo, apenas o aspecto Bom de biofilme bacteriano seria uma condição menos susceptível as doenças provocadas pela placa bacteriana, uma vez que um aluno que apresente outro escore apresentará mais de 1/3 de biofilme bacteriano na face do dente. Tabela 1. Índice de Higiene Oral (IHO-S) das crianças com idade de 6 e 7 anos de escola de Ensino Fundamental, momentos antes do bochecho com a solução fluoretada a 0,2%. Nova Aurora (PR), Brasil, Índice IHO-S Sexo Idade 1º (17/10/07) 2º (31/10/07) Média Escore 1 Masculino 6 0,5 0,8 0,7 Bom 2 Feminino 7 2,3 2,2 2,2 Regular 3 Masculino 7 1,3 2,2 1,7 Regular 4 Masculino 7 1,2 2,3 1,7 Regular 5 Feminino 7 1,2 1,8 1,5 Bom 6 Masculino 7 2,3 2,3 2,3 Regular 7 Masculino 7 1,7 2,3 2,0 Regular 8 Feminino 7 1,8 2,0 1,9 Regular 9 Feminino 7 1,7 1,7 1,7 Regular 10 Masculino 7 1,3 1,5 1,4 Bom 11 Masculino 7 2,2 2,0 2,1 Regular 12 Feminino 7 1,7 1,7 1,7 Regular MÉDIA 1,6 1,9 1,7 6

8 Tabela 2. Escore obtido para o IHO-S, na faixa etária de 6 e 7 anos. Nova Aurora (PR), Brasil, Escore Número de alunos % dos Resultados Bom 3 25 Regular 9 75 TOTAL A tabela 2 mostra os índices de biofilme bacteriano encontrado nas crianças de 6 e 7 anos da escola de ensino fundamental. Observou-se nos resultados que 25% das crianças analisadas apresentavam o aspecto Bom de biofilme bacteriano momentos antes do bochecho com a solução fluoretada, 75% foram consideradas no escore Regular e não foi encontrado nenhum resultado Ruim, demonstrando que em todos esses alunos a maior parte pelo menos 50% da face dos dentes estava livre de placa. De acordo com Chaves (1986), o fato de 75% dos alunos apresentarem placa em mais de 1/3 da face do dente pode causar a diminuição do poder de redução da cárie estimado para essa forma tópica de uso de flúor. Além disso, essa faixa etária foi a que apresentou maior disparidade entre o primeiro e segundo índices coletados 1,6 e 1,9 respectivamente, demonstrando que nessa idade a freqüência e a qualidade de escovação são mais variáveis comparando-se com as outras, o que se torna um problema, porque, segundo Löe, Theilade e Jensen (1965), de duas a três semanas de acúmulo de placa se desenvolvem sinais clínicos de gengivite e, segundo Van Der Fehr, Löe e Theilade (1970), lesões incipientes de cárie podem se desenvolver em três semanas. No intervalo existente entre a primeira e a segunda verificação do IHO-S, apenas 2 crianças tiveram uma redução de biofilme bacteriano nos dentes, 3 permaneceram da mesma forma, sem alteração de escore de uma evidenciação para a outra, e 7 tiveram um aumento de biofilme bacteriano nesse período. Isso significa que, mesmo realizando o bochecho com flúor, a atividade de limpeza mecânica dos dentes não foi efetuada de forma eficaz, pois a aplicação de solução fluoretada pode ter sua eficácia reduzida se a superfície dos dentes não estiver livre de placa bacteriana. 7

9 Tabela 3. Índice de Higiene Oral (IHO-S) das crianças com idade de 8 e 9 anos de escola de Ensino Fundamental, momentos antes do bochecho com a solução fluoretada a 0,2%. Nova Aurora (PR), Brasil, Índice IHO-S Nome Idade 1º (17/10/07) 2º (31/10/07) Média Escore 1 Feminino 8 1,3 1,0 1,2 Bom 2 Feminino 8 1,5 2,0 1,8 Regular 3 Masculino 8 2,3 2,7 2,5 Regular 4 Feminino 8 1,2 1,0 1,1 Bom 5 Masculino 8 1,8 2,0 1,9 Regular 6 Masculino 8 1,7 2,3 2,0 Regular 7 Feminino 8 1,8 1,2 1,5 Bom 8 Masculino 8 1,8 2,0 1,9 Regular 9 Feminino 8 1,2 2,0 1,6 Regular 10 Masculino 8 2,5 1,5 2,0 Bom 11 Masculino 8 2,2 2,2 2,2 Regular 12 Feminino 8 1,8 2,0 1,9 Regular 13 Masculino 8 0,8 1,7 1,2 Bom 14 Masculino 8 1,7 1,2 1,4 Bom 15 Feminino 8 2,3 2,5 2,4 Regular 16 Masculino 8 1,8 2,8 2,3 Regular 17 Masculino 8 2,7 2,5 2,6 Ruim 18 Feminino 9 1,3 2,0 1,7 Regular 19 Feminino 9 2,7 2,3 2,5 Regular 20 Feminino 9 1,8 2,0 1,9 Regular 21 Feminino 9 2,2 2,0 2,1 Regular 22 Masculino 9 2,0 2,2 2,1 Regular 23 Feminino 9 1,5 1,8 1,7 Regular 24 Masculino 9 1,5 1,5 1,5 Bom 25 Feminino 9 1,7 2,2 1,9 Regular 26 Masculino 9 1,3 1,7 1,5 Bom 27 Feminino 9 2,0 1,5 1,8 Regular 28 Masculino 9 2,2 2,0 2,1 Regular 29 Masculino 9 1,0 1,3 1,2 Bom 30 Masculino 9 1,7 1,8 1,7 Regular 31 Masculino 9 1,8 0,8 1,3 Bom 32 Feminino 9 2,0 0,7 1,3 Bom 33 Feminino 9 0,7 0,8 0,7 Bom 34 Feminino 9 2,8 2,7 2,7 Regular Média 1,7 1,8 1,8 8

10 Tabela 4. Escore obtido para IHO-S, na faixa etária de 8 e 9 anos. Nova Aurora (PR), Brasil, Escore Número de alunos % dos Resultados Bom 12 35,3 Regular 21 61,8 Ruim 1 2,9 TOTAL A tabela 4 demonstra que apenas 35,3% dos alunos com faixa etária de 8 e 9 anos obtiveram escore Bom como resultado, 61,8% tiveram resultado Regular e 2,9% apresentaram resultado Ruim. Percebe-se que com o aumento da faixa etária aumentou também o percentual de escore Bom, ou seja, o índice de higiene oral foi melhor do que nos alunos mais novos. Além disso, não houve disparidade na média entre os primeiro e segundo índices coletados, embora individualmente tenha havido. Ao se comparar o comprometimento por biofilme bacteriano das superfícies dos dentes das crianças, de uma evidenciação para outra, 19 crianças tiveram um aumento de comprometimento de placa bacteriana, 2 permaneceram sem alteração e 13 tiveram uma diminuição de superfícies comprometidas. Novamente destaca-se a importância que se deve dar à orientação quanto à limpeza mecânica dos dentes. Em relação à comparação de gênero, a tabela 5 apresenta os seguintes índices agrupados por sexo: Tabela 5. Escore obtido para o IHO-S, proposto por Greene e Vermillion (1964), segundo o sexo dos alunos na faixa etária de 8 e 9 anos. Nova Aurora (PR), Brasil, Escores Bom Regular Ruim TOTAL Sexo N % N % N % Meninos 7 41,2 9 52,9 1 5, Meninas 5 29, , TOTAL 12 35, ,8 1 2, Nessa faixa etária o número de meninos e meninas distribui-se igualmente, mas as meninas apresentam um índice Bom menor do que os meninos e um índice Regular maior, demonstrando que é preciso investir mais na orientação do controle mecânico de 9

11 biofilme bacteriano nessa idade com as meninas. Apesar de autores da psicologia (BEE, 1997; VIGOTSKI, 1998; ENGEL, 2002) apontarem um melhor desenvolvimento psicomotor das meninas até a adolescência, isso por si só não garante um melhor desempenho nos cuidados de higiene com o corpo, incluindo a higiene bucal. Tabela 6. Índice de Higiene Oral (IHO-S) das crianças com idade de 10 a 13 anos de escola de Ensino Fundamental, momentos antes do bochecho com a solução fluoretada a 0,2%. Nova Aurora (PR), Brasil, Índice IHO-S Nome Idade 1º (17/10/07) 2º (31/10/07) Média Escore 1 Feminino 10 1,2 1,0 1,1 Bom 2 Masculino 10 0,7 1,5 1,1 Bom 3 Feminino 10 1,8 1,8 1,8 Regular 4 Feminino 10 2,2 1,7 1,9 Regular 5 Masculino 10 1,2 1,7 1,4 Bom 6 Feminino 10 1,7 2,0 1,8 Regular 7 Feminino 10 0,8 1,5 1,2 Bom 8 Feminino 10 1,2 0,7 0,9 Bom 9 Feminino 11 1,5 1,5 1,5 Bom 10 Feminino 11 1,0 1,5 1,3 Bom 11 Masculino 11 2,0 1,7 1,8 Regular 12 Feminino 11 1,7 1,5 1,6 Regular 13 Feminino 11 1,7 0,7 1,2 Bom 14 Masculino 12 1,5 1,3 1,4 Bom 15 Masculino 13 1,8 1,8 1,8 Regular Média 1,46 1,46 1,46 Tabela 7. Escore obtido para o IHO-S na faixa etária de 6 e 7 anos. Nova Aurora (PR), Brasil, Escore Número de alunos % dos Resultados Bom 9 60 Regular 6 40 TOTAL Na tabela 7 observa-se que 60% dos alunos de 10 a 13 anos apresentaram resultado Bom, 40% resultado Regular e nenhum resultado Ruim, reforçando o que já foi evidenciado na análise da tabela anterior, ou seja, o fato de que, conforme aumenta a 10

12 idade do aluno, a qualidade da escovação melhora. Além disso, a média dos escores da primeira e da segunda coleta nesta tabela foi a mesma 1,5, demonstrando que a freqüência de escovação destes alunos é mais regular, ou seja, menos variável, do que nas crianças de 6 e 7 anos. Nessa faixa etária, 7 crianças tiveram uma diminuição no escore de biofilme na segunda evidenciação em relação à primeira, 3 permaneceram com o mesmo índice e apenas 5 tiveram aumento de biofilme, o que também corrobora a afirmação anterior. Na avaliação do índice por gênero, observaram-se os seguintes resultados: Tabela 8. Escore obtido para o IHO-S segundo o sexo dos alunos, na faixa etária de 10 a 13 anos. Nova Aurora (PR), Brasil, Escores Bom Regular TOTAL Sexo N % N % N % Meninos Meninas TOTAL Não houve disparidade dos escores Bom e Regular quando se leva em consideração o sexo dos alunos, revelando ainda um aumento do aspecto Bom nesses alunos e indicando que a intervenção em saúde pode ser aplicada sem a diferenciação de gênero, sendo que a educação em saúde deve ser voltada para a continuidade das ações de higiene bucal, uma vez que essa faixa etária demonstrou eficácia maior do que as demais. Comparando-se todas as idades, observou-se que, embora com escores bastante próximos no resultado final, com médias de 1,7 e 1,8 e 1,46, os alunos com maior idade apresentaram um índice de higiene oral melhor do que os outros. Logo, com base em estudos (ASHLEY, 1981; CASTELLANOS, 1983; CHAVES, 1986) que mostram que quanto melhor a higiene bucal, melhor o poder preventivo do bochecho com flúor, atenta-se para o fato de que as crianças de menor faixa etária apresentaram um pior índice de higiene oral, tendo assim um risco potencialmente maior de desenvolver lesões cariosas e, ainda, obter um menor poder de redução de cárie com o bochecho de solução fluoretada. 11

13 Desta forma, observa-se que se deve priorizar a atenção de saúde bucal a essas crianças com menor faixa etária, a fim de controlar e diminuir a incidência de cárie nesse momento, que, para este estudo, demonstrou ser a faixa etária mais crítica para o desenvolvimento de doenças bucais provocadas pelo biofilme bacteriano, em especial à cárie. Além disso, nessa faixa etária tem início a substituição da dentição decídua, com o surgimento dos primeiros dentes permanentes, o que torna essa idade crítica para investimento em prevenção, com o objetivo de se evitar o comprometimento de dentes permanentes numa idade tão precoce. Isto demonstra que ainda existem alguns problemas com a higiene oral nesta idade, frutos provavelmente de uma série de fatores, relacionados, por exemplo, à dificuldade motora, motivação, adequação dos instrumentos de limpeza, instrução em higiene bucal, falta de incentivo por parte dos pais/responsáveis, falta de maturidade para se entender as conseqüências da relação causa/doença e falta de uma educação continuada a respeito da saúde bucal, feita por profissionais capacitados, como o odontólogo ou o técnico em higiene dental (THD), profissionais estes que já fazem parte da realidade das equipes de PSF nos municípios e precisam voltar suas ações também para a saúde dos escolares, devendo priorizá-las se possível. Tabela 9. Classificação de acordo com o escore obtido e com o percentual dos resultados. Escore Número de alunos % dos Resultados Bom 24 39,4 Regular Ruim 1 1,6 TOTAL A tabela 9 trás os dados do conjunto dos alunos e demonstra que apenas 39,4% dos alunos do estudo obtiveram o escore Bom no índice de higiene oral, evidenciando que a maior parte dos alunos do estudo, que obtiveram resultados Regular e Ruim, está mais sujeita às doenças relacionadas ao biofilme bacteriano, enfatizando assim a necessidade de se melhorar a higiene bucal desses alunos. Esse resultado indica ainda que é necessário avaliar o protocolo de aplicação de 12

14 flúor na escola, pois, como revela o estudo, o resultado Regular encontrado na maioria das crianças evidencia que a limpeza mecânica necessária antes da aplicação do flúor não está sendo alcançada, não permitindo que se atinja o nível de proteção desejado. Reavaliar essa prática será necessário, uma vez que ela se apresenta como uma das poucas oportunidades de procedimento coletivo preventivo em odontologia que ainda abrangem as crianças que estudam em escola pública. Além disso, se o procedimento não seguir as regras para aplicação, em vez de se fazer prevenção a doenças, pode resultar em um efeito contrário, pondo em risco a saúde dessas crianças, pois tende a aumentar os riscos de se ocorrer intoxicações ou até mesmo doenças como a fluorose. A seguir apresenta-se a média do índice de higiene oral simplificado obtido para cada face de dente analisada com o objetivo de identificar quais são os mais comprometidos e direcionar o trabalho de prevenção dos odontólogos e de sua equipe na escola. Tabela 10. Média do Índice de Higiene Oral Simplificado obtido para cada face de dente analisada conforme a idade dos alunos. Dente 6 e 7 Anos 8 e 9 Anos 10 a 13 anos MÉDIA 1 Bochecho 2 Bochecho 1 Bochecho 2 Bochecho 1 Bochecho 2 Bochecho 16V 2,1 2,3 2,1 2,2 1,7 1,9 2,1 11V 1,3 1,8 2,2 2,1 1,5 1,6 1,8 26V 1,7 2,3 2,0 2,2 1,9 1,8 2,0 36L 1,9 1,6 1,3 1,3 1,2 1,4 1,4 31V 1,3 1,8 1,7 1,7 1,4 1,3 1,5 46L 1,4 1,9 1,4 1,4 1,1 1,2 1,4 Verificou-se que as superfícies com a maior quantidade de biofilme bacteriano foram as vestibulares dos dentes 16 e 26 (primeiros molares superiores direito e esquerdo respectivamente), com a média de escores de 2,1 e 2,0 respectivamente, enquanto as superfícies que apresentaram menor índice de biofilme bacteriano foram as linguais dos dentes 36 e 46 (primeiros molares inferiores esquerdo e direito respectivamente), com o escore médio de 1,4 para cada uma delas, demonstrando assim que os dentes análogos não tiveram disparidade relevante de resultados entre um lado e outro da arcada dentária, mas sim quando se analisa a arcada superior e inferior, uma 13

15 vez que os dentes análogos superiores apresentaram um índice de biofilme relativamente maior do que os respectivos inferiores, ainda que em faces diferentes dos dentes. Isto significa que a região vestibular dos dentes superiores está sendo higienizada com uma menor qualidade do que as linguais inferiores, que pode ser que apresentem melhor índice de higiene por uma melhor escovação nessas regiões ou pela ação mecânica da língua, porém outros trabalhos neste sentido devem ser realizados e comparados. Portanto, seria aconselhável a realização de um trabalho de educação e higienização com os alunos com a finalidade de desenvolver a habilidade necessária para se obter uma limpeza mecânica de melhor qualidade nessas regiões mais afetadas, pois, segundo Iwakura e Morita (2004), o custo do bochecho é mais oneroso do que um programa de educação para o autocuidado, com distribuição de um tubo de dentifrício com flúor e uma escova de dente para cada criança, considerando um mesmo período. Nesse sentido, deve-se reforçar a idéia de que a equipe de saúde bucal do programa de saúde da família precisa inserir a saúde bucal dos escolares no seu cotidiano de trabalho, com uma rotina sistemática de avaliação e um projeto consistente de educação para a limpeza mecânica dos dentes e da boca. Somente com investimentos contínuos em prevenção e a educação continuada é que se poderá diminuir os riscos e, conseqüentemente, os agravos à saúde bucal. CONCLUSÃO A verificação do IHO-S mostrou que boa parte dos alunos, principalmente os de menor faixa etária, apresentou os piores resultados, e que para eles o risco à cárie é maior e a prevenção atribuída ao bochecho deverá ser menor. Embora existam atualmente muitas fontes de flúor, boa parte dos alunos ainda apresenta uma grande quantidade de placa bacteriana e, devido a isso, estão expostas às doenças relacionadas a ela. Além disso, para esses alunos que obtiveram os piores resultados deve-se realizar trabalhos que enfatizem a remoção do biofilme bacteriano, procurando reduzir os problemas que esses resultados ruins podem ocasionar. É certo que o bochecho fluoretado, juntamente com outros métodos preventivos, 14

16 foi fundamental na prevenção e na diminuição das doenças bucais em outras épocas, principalmente quando não existiam tantas fontes de flúor para a população em geral. No entanto, embora existam substâncias bactericidas e bacteriostáticas eficientes para o controle químico de placa bacteriana, nenhuma delas deve nem pode ser utilizada como substituto do controle mecânico. A remoção regular e adequada da placa deve ocupar lugar de destaque nos cuidados odontológicos que visam à manutenção e à promoção de saúde bucal, devendo se tornar uma rotina como medida de saúde pública nas escolas. O bochecho com flúor aparece nos estudos como uma prática atual polêmica, que em alguns lugares tem efeito e em outros não, de largo alcance mas de pequena efetividade, com a maioria dos alunos fazendo-o com os dentes acometidos por placa bacteriana, principalmente os de baixa faixa etária, e com um custo mais alto do que a simples distribuição de escova e creme dental, aumentando o risco de se desenvolver intoxicações ou doenças como a fluorose nos alunos. Portanto, estabelecer um programa de educação continuada em saúde bucal, alcançando pais e alunos, sensibilizando-os dos fatores etiológicos, causas e conseqüências da placa bacteriana, das técnicas de higienização e manutenção dos instrumentos de higiene e dos riscos de não se higienizar bem a cavidade oral pode ser um bom começo para se conseguir a eliminação ou pelo menos o controle das doenças provocadas pela placa bacteriana. Ao mesmo tempo em que se espera contribuir para a reflexão acerca dessa problemática, o presente trabalho não tem a pretensão de esgotar o assunto, tendo em vista a sua fundamental importância perante a sociedade. Por conseguinte, novos e mais aprofundados estudos devem ser realizados, com a finalidade de se colocar em pauta a discussão de novos rumos aos procedimentos coletivos de prevenção em odontologia. REFERÊNCIAS AGÊNCIA CÂMARA. Projeto revoga Lei que obriga fluoretação da água. Projeto de Lei 95/07. Disponível em: Acessado em 05/06/2007. ASHLEY, F. P. et al. Clinical testing of a mouthrinse and a dentifrice containing fluoride, a two-year supervised study in schoolchildren. Brit. Dent. J. 153: 337-8, BEE, H. O ciclo vital. Porto Alegre, Artmed,

17 BRASIL. Ministério da Saúde. Centro de Documentação. Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal. Brasília (DF): MS, Disponível em: Acesso em 14/05/2007. CASTELLANOS, R. A. Estudo comparativo do efeito de solução de NaF a 0,05% através de bochecho, escovação e ambos na prevenção da cárie dental. Rev. Saúde Pública, 17: São Paulo (SP), CHAVES, M. M. Odontologia social. 2. ed. Rio de Janeiro (RJ): Labor, COSTA, José F. R. et al. A Política Nacional de Saúde Bucal do Brasil: Registro de uma Conquista Histórica. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde, ENGEL, J. Avaliação em pediatria. Rio de Janeiro: Reichmann e Afonso Editores, IWAKURA, M. L. H.; MORITA M. C. Prevenção de cárie dentária por bochechos com flúor em município com água fluoretada. Rev. Panam. Salud Publica. 15(4): , LÖE, H.; THEILADE, E.; JENSEN, S. B. Experimental gingivitis in man. J. Periodontol. PINTO, V. G. Saúde Bucal Coletiva. 4ª ed. São Paulo (SP): Santos Editora, Van Der FEHR, F. R.; LÖE, H.; THEILADE, E. Experimental caries in man. Caries Res. 4: , VIGOTSKI, L. S. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes,

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática Indicador 24 Cobertura de primeira consulta odontológica programática É o percentual de pessoas que receberam uma primeira consulta odontológica programática no Sistema Único de Saúde (SUS), A primeira

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Feira da Mata sorrindo para o futuro Área temática Estudos Epidemiológicos / Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Feira

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS SANTOS, Aniúsca V¹; MANGGINI, Bruna K¹; MACIESKI, Franciele¹; SOARES, Jéssica Cavalheiro 1 ; TAMANHO, Jiana¹;

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROGRAMA PARA A PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA E DA DOENÇA PERIODONTAL Serviço de Odontologia

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA: A BOCA E A SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA:

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES Lidiani Terenciani Nazaro¹; Jandira Aparecida Simoneti² UEMS - Caixa postal 351 - CEP: 79804-970 Dourados - MS¹ E-mail: lidi.nazaro@gmail.com, Bolsista de Extensão.

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL Trabalho de aproveitamento apresentado à disciplina Estágio Supervisionado I do Curso de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Higiene bucodental. Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ

Higiene bucodental. Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ Higiene bucodental Professora Monica Zeni Refosoco Odontologia UNOCHAPECÓ A promoção da saúde bucal Odontologia preventiva: é soma total dos esforços para promover, manter e/ou restabelecer a saúde do

Leia mais

BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA

BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA BIOESTATÍSTICA x EPIDEMIOLOGIA EPIDEMIOLOGIA Conceito: É o estudo da distribuição do estado ou eventos de saúde- doença e de seus determinantes em populações específicas, e a aplicação desse estudo para

Leia mais

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA E AJUDE A PREVENÍ-LA Sua dieta e seus hábitos de saúde bucal podem fazer uma grande diferença A RELAÇÃO ENTRE OS DENTES, BACTÉRIAS E OS ÁCIDOS DO AÇÚCAR Esses fatores desencadeiam

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 Fátima Regina Nunes de Sousa 2 Yana Talita de Souza 3 Dayane Franco Mangueira 3 Renata

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 1/2011

NOTA TÉCNICA No 1/2011 Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA No 1/2011 Esclarecimentos e orientações sobre o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

Informações sobre a Clínica Odontológica Escolar de Arbon Schulzahnklinik

Informações sobre a Clínica Odontológica Escolar de Arbon Schulzahnklinik Informações sobre a Clínica Odontológica Escolar de Arbon Schulzahnklinik Schulzahnklinik Arbon Telefone: 071 446 65 61 Stacherholzstrasse 32 Fax: 071 446 65 67 9320 Arbon E-Mail: szk.arbon@psgarbon.ch

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Câmpus de Araçatuba. Plano de Ensino. Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida Curso ODOI 8 - Odontologia Ênfase Identificação Disciplina SCOI9-I-T/P-A/B - Saúde Coletiva I Docente(s) Suzely Adas Saliba Moimaz, Ronald Jefferson Martins, Renato Moreira Arcieri, Tânia Adas Saliba Rovida

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Áreas temáticas: Educação e Saúde Coordenador: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo Equipe executora: Orientadoras: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo (coordenador);

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

Reajuste de mensalidade

Reajuste de mensalidade Reajuste de mensalidade Conceitos básicos Reajuste por variação de custos Reajuste por mudança de faixa etária SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Reajuste de mensalidade SÉRIE PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Redução do Trabalho Infantil e Suas Repercussões no Ceará (2001-2011)

Redução do Trabalho Infantil e Suas Repercussões no Ceará (2001-2011) Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública.

Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública. Fio Dental Uso em Programas de Saúde Pública. Dental Floss Use in Public Health Programmes. Luís Antônio de Filippi CHAIM ** Paula Regina BENITES * ** Professor Responsável pelas Disciplinas de Odontologia

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de TÍTULO:PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE ALUNOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO FOP/UPE AUTORES: BARROS, E.S,, MACIEL, A*. E, MENEZES, V. A**., MESQUITA, M. F INSTITUIÇÃO: Faculdade de Odontologia

Leia mais

DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DESCUMPRIMENTO DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) é responsável por sistematizar os resultados do acompanhamento das condicionalidades

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO PROGRAMA ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL RIO DE JANEIRO Junho de 2015

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO PROGRAMA ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL RIO DE JANEIRO Junho de 2015 AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO PROGRAMA ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL RIO DE JANEIRO Junho de 2015 Ampliação da carga horária diária para 7 horas Três eixos de organização: excelência acadêmica, autonomia e educação

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA

USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA USO DE MATERIAIS REEMBASADORES À BASE DE SILICONE NO HOME CARE EM ODONTOGERIATRIA Autores: Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro (*) Dr. Leonardo Marchini (**) Nas últimas décadas, têm-se observado, em

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-156/2015

RESOLUÇÃO CFO-156/2015 DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO SEÇÃO 1, DE 23/03/2015 PÁGINAS: 79 e 80 RESOLUÇÃO CFO-156/2015 Estabelece novos procedimentos para o prêmio Brasil Sorridente, em consonância com a atual conjuntura sanitária nacional.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

Guia para um. Sorriso Saudável

Guia para um. Sorriso Saudável Guia para um Sorriso Saudável Fotos meramente ilustrativas. Seja bem-vindo ao serviço odontológico do Sesc Rio! 3 Serviços Nosso serviço está disponível em diversas Unidades Operacionais, exclusivamente

Leia mais

Sorriso de criança... Questão de educação!

Sorriso de criança... Questão de educação! Cidade Sorridente Sorriso de criança... Questão de educação! Dados oficiais (Mesmo entre os cidadãos com renda mensal acima de 6 SM) O Brasil é campeão mundial de cárie 60% dos dentes cariados estão sem

Leia mais

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Palavras-chaves: capacitação, fala, promoção da saúde Introdução As instituições de educação infantil constituem

Leia mais

PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Autor (a): Daiane kuczynski Co Autor (a): Tássia Silvana Borges, Michele Chabat, Cláudia Fabiana

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2012;2(2):12-9. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Use of fluoride toothpaste by preschoolers: what pediatricians should know? ; Ana Paula Pires dos Santos pré-escolar. Resumo Resultados e conclusões:

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Definição Inflamação dos tecidos gengivais sem afetar irreversivelmente o aparato de inserção Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

REFLEXÃO A CERCA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

REFLEXÃO A CERCA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO REFLEXÃO A CERCA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Autor: Patricia Miolo, UFSM Orientador : Rosane Carneiro Sarturi, UFSM RESUMO Este trabalho realizou-se com apoio do Programa Observatório

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003

Objetivos. 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010. 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 Objetivos 1. Fazer o diagnóstico das condições de saúde bucal da população brasileira em 2010 2. Traçar comparativo com a pesquisa SB Brasil 2003 3. Avaliar o impacto do Programa Brasil Sorridente 4. Planejar

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Odontólogo (Unidade Móvel) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. I N S T R

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais