---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO"

Transcrição

1 INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES COSTA MARCELO GOMES RIBEIRO Rio de Janeiro, setembro de 2010.

2 Índice de Bem-Estar Urbano - ibeu Apresentação: O que é o ibeu? O Observatório das Metrópoles apresenta o Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) para as regiões metropolitanas do Brasil. O objetivo principal do IBEU é avaliar as condições urbanas das regiões metropolitanas brasileiras, procurando aferir múltiplas dimensões da vida urbana capazes de propiciar qualidade de vida a seus habitantes. O IBEU foi construído a partir dos dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) para os anos de 2001 a Como a PNAD disponibiliza os dados para apenas dez regiões metropolitanas: Belém, Belo Horizonte, Brasília 1, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, 1 Brasília foi considerada como região metropolitana porque está assim classificada na PNAD, mas corresponde apenas ao Distrito Federal.

3 Recife, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador, resolvemos investigar através deste índice como andam as condições urbanas dessas metrópoles. Esse índice varia de 0 (zero) a 1 (um). Quanto mais próximo de 1, melhor é o bem-estar urbano. O IBEU é composto por três dimensões (ou indicadores): i. Indicador de atendimento de serviços coletivos; ii. Indicador de condições habitacionais; iii. Indicador de mobilidade urbana. O Indicador de atendimento de serviços coletivos considerou os domicílios atendidos adequadamente por água, esgotamento sanitário e lixo. O indicador de condições habitacionais considerou a quantidade de pessoas que moram em aglomerados subnormais e a densidade domiciliar. O indicador de mobilidade urbana considerou o tempo de deslocamento casa-trabalho das pessoas. Como vai o Bem-Estar Urbano nas Regiões Metropolitanas? O comportamento do IBEU foi de melhoria ao longo da primeira década do século XXI, apesar de apresentar pequenas oscilações para baixo, nos anos de 2005 e Gráfico 1 IBEU: Índice de Bem-Estar Urbano das Regiões Metropolitanas do Brasil 2001 a 2009 Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles, a partir de dados da PNAD/IBGE.

4 A melhoria do IBEU ao longo da década se deveu, principalmente, à expansão do atendimento de serviços coletivos, sobretudo, à ampliação do atendimento de esgotamento sanitário. O atendimento dos serviços de água e de lixo não apresentou expansão contínua ao longo da década, pois demonstrou oscilação nesse período. Gráfico 2 Indicador 1: Atendimento de Serviços Coletivos das Regiões Metropolitanas do Brasil 2001 a 2009 Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles, a partir de dados da PNAD/IBGE. Gráfico 3 Indicador 2: Condições Habitacionais das Regiões Metropolitanas do Brasil 2001 a 2009 Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles, a partir de dados da PNAD/IBGE.

5 O indicador de condições habitacionais foi o que apresentou melhor desempenho na primeira década do século. Isso se deveu, principalmente, pela melhoria da densidade domiciliar, já que o percentual de pessoas que vivem em aglomerado subnormal não sofreu grande variação nesse período. O indicador de mobilidade urbana foi o que mais contribuiu para que o índice não apresentasse aumento tão expressivo, uma vez que as condições de mobilidade avaliadas pelo tempo de deslocamento casa-trabalho pioraram nas regiões metropolitanas brasileiras, apesar de em 2009 o indicador de mobilidade urbana ter apresentado sinais de recuperação. Gráfico 4 Indicador 3: Mobilidade Urbana das Regiões Metropolitanas do Brasil 2001 a 2009 Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles, a partir de dados da PNAD/IBGE. É evidente que há mais dimensões relacionadas ao bem-estar urbano que às que foram utilizadas para composição desse índice. Porém, para construção do índice foram consideradas aquelas variáveis disponíveis na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Como se trata de uma pesquisa domiciliar, não há, por exemplo, informações sobre segurança, condições ambientais (apesar de, neste caso, termos como sua proxy o atendimento de esgotamento sanitário), entre outros aspectos que são fundamentais para que haja boas condições de bem-estar urbano, sem contar, ainda, vários aspectos de ordem subjetivas que também apresentam sua importância quando se trata de bem-estar.

6 Mesmo assim, consideramos que a PNAD oferece informações relevantes da vida urbana que nos possibilita realizar uma aproximação das condições de bem-estar urbano, como são as dimensões relativas à habitabilidade, ao atendimento de serviços coletivos e à mobilidade urbana, que são aspectos fundamentais da problemática urbana na contemporaneidade. Como vai o Bem-Estar Urbano entre as Regiões Metropolitanas? Na comparação entre as regiões metropolitanas do Brasil, observamos diferenças importantes com relação ao Bem-Estar Urbano. Em 2001, a região metropolitana de Porto Alegre foi a que apresentou o melhor desempenho em bem-estar urbano, com 0,899. Por outro lado, a região metropolitana de Belém foi a que apresentou o pior resultado, registrando 0,714. De modo geral, observamos que as regiões metropolitanas do Norte e Nordeste apresentam os piores resultados de bem-estar urbano, de acordo com o IBEU. E as regiões metropolitanas do Sul, Sudeste e Centro-Oeste mostram resultados melhores, apesar de as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e de São Paulo apresentarem desempenho inferior ao verificado no conjunto das regiões metropolitanas. Gráfico 5 Comparativo do IBEU entre as regiões metropolitanas do Brasil Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles a partir de dados da PNAD, 2001.

7 O indicador de atendimento de serviços coletivos demonstra que as regiões metropolitanas do Norte e Nordeste são as que apresentam os piores resultados, no ano de 2001, sendo as únicas que ficam abaixo da média do conjunto das regiões metropolitanas. Importante destacar, por outro lado, que São Paulo é a região metropolitana com o melhor desempenho nesse indicador, decorrente, sobretudo, do atendimento de abastecimento de água e de coleta de lixo. O indicador de condições habitacionais mostra que Belém, Fortaleza, São Paulo e Salvador, nesta ordem, são as regiões metropolitanas com os piores resultados, em 2001, e as únicas que ficam abaixo da média das regiões metropolitanas brasileiras. Por outro lado, a região metropolitana de Curitiba é a que apresenta o melhor desempenho nesse indicador, seguida de Porto Alegre e Brasília. Embora a região metropolitana de Belém apresente o pior desempenho no índice geral, para o ano de 2001, no indicador de mobilidade urbana é a região metropolitana que apresenta o melhor resultado, o que indica que seu bem-estar urbano fica comprometido por decorrências do atendimento de serviços coletivo e pelas condições habitacionais. Por outro lado, as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e de São Paulo foram as que apresentaram o pior desempenho quando se avaliou a mobilidade urbana, o que demonstra que nos grandes centros urbanos a mobilidade espacial tem se colocado como um dos grandes desafios ao bem-estar urbano. De modo geral, as regiões metropolitanas apresentam melhoria de bem-estar urbano no ano de 2005 ao se comparar com No entanto, observamos que houve mudanças na posição ocupada entre as regiões metropolitanas. A região metropolitana de São Paulo, por exemplo, teve desempenho inferior ao comparado com 2001 e ficou atrás do índice de Salvador, o mesmo aconteceu com a região metropolitana do Rio de Janeiro. Por outro lado, a região metropolitana de Curitiba passou a ter o melhor desempenho de bemestar urbano entre as regiões metropolitanas, deixando a região metropolitana de Porto Alegre em segundo lugar, apesar de esta também ter apresentado melhoria entre os anos comparados. O indicador de atendimento de serviços coletivos apresenta que, de modo geral, houve melhoria para as regiões metropolitanas entre os anos de 2001 a Porém, observamos que, apesar dessa melhoria geral, a posição ocupada entre as regiões metropolitanas sofreu mudanças. Brasília, por exemplo, que encontrava-se acima da média das regiões metropolitanas, além de ficar abaixo dessa média, em 2005, ficou atrás da região

8 metropolitana de Salvador. Por outro lado, São Paulo continuou mantendo o melhor desempenho nesse indicador. Gráfico 6 Comparativo do IBEU entre as regiões metropolitanas do Brasil 2005 Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles a partir de dados da PNAD, O indicador de condições habitacionais apresenta que, em 2005, todas as regiões metropolitanas apresentaram melhoria (ao se comparar com 2001). A única alteração significativa foi que a região metropolitana de Salvador obteve desempenho superior à média das regiões metropolitanas, pois em 2001 essa região metropolitana estava abaixo da média. Em 2005, as regiões metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro continuaram apresentando os piores desempenhos em termos de mobilidade urbana. Por outro lado, a região metropolitana de Belém, que apresentava o melhor desempenho nesse indicador em 2001, passou a ocupar a quinta posição, sendo ultrapassada por Brasília, Porto Alegre, Curitiba e Salvador. Isso ocorreu porque houve piora nas condições de mobilidade na maior parte das regiões metropolitanas, incluindo Belém, e houve melhoria destacada apenas em Brasília. O IBEU melhorou para todas as regiões metropolitanas, em 2009, ao se comparar com o ano de Houve mudança na posição das regiões metropolitanas, entre os anos de 2005 e Porto Alegre voltou a ocupar a primeira posição, como era em 2001, e Curitiba passou a se configurar como a segunda região metropolitana com o melhor índice de bem-estar urbano. Além disso, Recife ganhou posição em relação à Fortaleza, porque aquela metrópole melhorou

9 mais que esta última, entre 2005 e 2009, mesmo assim continuaram como as piores metrópoles em termos de bem-estar urbano, ganhando apenas de Belém. Gráfico 7 Comparativo do IBEU entre as regiões metropolitanas do Brasil 2009 Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles a partir de dados da PNAD, O indicador de atendimento de serviços coletivos apresentou melhoria para a maioria das regiões metropolitanas, entre os anos de 2005 a Somente Recife, Curitiba e Porto Alegre tiveram redução nesse indicador. Recife reduz o indicador de serviços coletivos porque piorou o abastecimento de água e o esgotamento sanitário. Curitiba e Porto Alegre também apresentaram redução nas condições de esgotamento sanitário, o que colabou para a redução do indicador de atendimento de serviços coletivos. Todas as regiões metropolitanas apresentaram desempenho positivo no indicador de condições habitacionais, entre os anos de 2005 a O que mais contribuiu para a melhoria desse indicador foi a densidade domiciliar, já que na maioria das regiões metropolitanas a proporção de pessoas vivendo em aglomerado subnormal quase não se alterou. O indicador de mobilidade urbana apresentou desempenho positivo, apesar de pequeno, entre os anos de 2005 a 2009, para as regiões metropolitanas de Belém, Recife, Belo Horizonte, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Para as demais regiões metropolitanas a mobilidade urbana piorou, são os casos de: Fortaleza, Salvador, São Paulo, Curitiba e Brasília.

10 Como vai o Bem-Estar Urbano no Núcleo e na Periferia Metropolitanas? Como as regiões metropolitanas brasileiras são muito complexas e essa complexidade se manifesta territorialmente, resolvemos comparar o Índice de Bem-Estar Urbano do núcleo metropolitano de cada região metropolitana e dos demais municípios que as compõem, aos quais designamos como periferia metropolitana. Essa separação espacial, para análise do IBEU, só considerou esses dois contextos territorias (núcleo e periferia) porque na PNAD não é possível realizar maiores desagregações, por decorrência do tamanho de seu desenho amostral. No geral, podemos perceber que o IBEU do núcleo metropolitano é melhor que da periferia metropolitana, para todas as regiões metropolitanas. As exceções ocorrem na região metropolitana de Salvador, que em alguns anos, a partir de 2003, o índice se mostrou melhor na periferia e, em 2009, na região metropolitana de São Paulo, quando a periferia metropolitana apresentou resultados melhores que o núcleo metropolitano. Gráfico 8 IBEU: Pólo e Periferia Metropolitanas Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles a partir de dados da PNAD, 2001.

11 O atendimento de serviços coletivos abastecimento de água, esgotamento sanitário e coleta de lixo é sempre melhor no núcleo metropolitano que na periferia das regiões metropolitanas que estão sendo analisadas. Somente a região metropolitana de Salvador apresenta resultados melhores para periferia em relação ao núcleo, em alguns dos anos investigados. Gráfico 9 IBEU: Pólo e Periferia Metropolitanas Fonte: Elaborado pelo Observatório das Metrópoles a partir de dados da PNAD, Quando se trata das condições habitacionais pessoas que moram em aglomerado subnormal e densidade domiciliar, observamos que somente nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Curitiba e São Paulo as condições do núcleo metropolitano são melhores que na periferia. Mesmo assim, em São Paulo, há uma inversão no último ano da série estudada. Nas demais regiões metropolitanas, quando as condições não são as mesmas caso de Salvador, a periferia apresenta resultados melhores. Isso se deve, em grande medida, ao fato de haver

12 maior número de pessoas que moram em aglomerado subnormal no núcleo metropolitano que nos municípios da periferia metropolitana. Há três metrópoles em que as condições de mobilidade urbana são piores no núcleo metropolitano que na periferia metropolitana. São as regiões metropolitanas de Fortaleza, Salvador e São Paulo. Nas demais regiões metropolitanas, a mobilidade urbana é pior na periferia metropolitana que no núcleo metropolitano, apesar de em algumas tender a ter à aproximação das condições de mobilidade. Algumas Considerações Sobre o Bem-Estar Urbano Na análise do Índice de Bem-Estar Urbano, em que se procurou considerar múltiplas dimensões da vida urbana, observamos que, de modo geral, houve melhoria nas condições de bem-estar para o conjunto das regiões metropolitanas brasileiras. Essa melhoria foi resultado, principalmente, da evolução do atendimento de serviços coletivos e das condições habitacionais das regiões metropolitanas, uma vez que a mobilidade urbana apresentou piora ao longo da década analisada. Em que pese esse comportamento geral, observamos, também, diferenças entre as regiões metropolitanas. No geral, há uma nítida diferença entre as regiões metropolitanas situadas no norte/nordeste do país e aquelas situadas no sul/sudeste/centro-oeste. Porém, as regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro tiveram resultados próximos às regiões metropolitanas do norte e nordeste. Isso deveu, principalmente, as condições de mobilidade urbana, ao passo que os resultados baixos para aquelas regiões se deveram às condições habitacionais e de atendimento de serviços coletivos. Além disso, observamos, ainda, que há diferenças importantes entre o núcleo metropolitano e os demais municípios que compõem a periferia das regiões metropolitanas. E essas diferenças ocorrem por motivos diversos, seja pelo atendimento de serviços coletivos, seja pelas condições habitacionais, ou mesmo por condições de mobilidade urbana, apesar dessa última dimensão ter se tornado uma das grandes preocupações para a maioria das regiões metropolitanas brasileiras.

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO Recentemente o INCT Observatório das Metrópoles divulgou o livro e também e-book intitulado Índice

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar INCT Observatório das Metrópoles Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar As mudanças desencadeadas pelo avanço da tecnologia digital hoje, no Brasil, não tem precedentes.

Leia mais

O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH)

O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) Rejane de Oliveira Nazário 1 Com o intuito de investigar a condição urbana de vida nas metrópoles brasileiras, a equipe de pesquisadores do Observatório

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 P á g i n a 1 As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 Os primeiros resultados do Censo 2010 já permitem algumas reflexões sobre mudanças e permanências da posição das metrópoles na rede urbana

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e desigualdade social. Marinez Villela Macedo Brandão 1 André da Rocha Santos 2 Maria Graciela Gonzalez de Morell 3 Felipe Granado

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 21/211 Observatório das Metrópoles Elaboração: Juciano Martins Rodrigues Doutor em Urbanismo (PROURB/UFRJ), Pesquisador do INCT

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Rômulo José da Costa Ribeiro Professor Doutor da Universidade de Brasília UnB, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo PPG-FAU, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL 2001 2012 (Relatório 2013)

EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL 2001 2012 (Relatório 2013) OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL 2001 2012 (Relatório 2013) Coordenação Nacional do Observatório das Metrópoles:

Leia mais

Ind010209RNE - Taxa de desemprego (16 anos ou mais), por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões

Ind010209RNE - Taxa de desemprego (16 anos ou mais), por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões Ind010209RNE Taxa de desemprego (16 anos ou mais), por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões metropolitanas do Nordeste e escolaridade Indicador Taxa de desemprego (16 anos ou mais) Descrição Proporção

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1

Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1 Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1 Eduardo Cesar Marques Haroldo da Gama Torres Esse artigo apresenta informações sobre pobreza e segregação em São Paulo em período

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios IBGE Gustavo Leal Laboratório de Economia da UFJF Introdução O sistema de pesquisas domiciliares foi implantado progressivamente no Brasil, a partir de 1967,

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

Perfil de bancas de jornal e revistas no Brasil

Perfil de bancas de jornal e revistas no Brasil CONFIDENCIAL Perfil de bancas de jornal e revistas no Brasil Setembro de 2010 Este documento é para uso exclusivo do cliente. Nenhuma de suas partes pode ser veiculada, transcrita ou reproduzida para distribuição

Leia mais

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %)

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %) amoradia é um dos principais determinantes da qualidade de vida da população de um país. Todas as pessoas necessitam de uma habitação que lhes assegure um isolamento do meio natural, protegendo do frio,

Leia mais

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 Na data em que Porto Alegre comemora seus 241 anos de fundação, o Observatório da Cidade apresenta o Porto Alegre em Análise 2013. Trata-se de um espaço que tem como desafio

Leia mais

Ministério das Cidades. Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas

Ministério das Cidades. Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas Ministério das Cidades Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas UMA VISÃO GERAL DO QUADRO METROPOLITANO BRASILEIRO Definição Formal 26 26 Regiões Metropolitanas definidas em em

Leia mais

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Desigualdade e Pobreza no Brasil Metropolitano Durante a Crise Internacional: Primeiros COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Brasília, 4 de agosto de 2009 Brasil:

Leia mais

Ind020104RM - Taxa de mortalidade infantil, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade da mãe

Ind020104RM - Taxa de mortalidade infantil, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade da mãe Ind020104RM Taxa de mortalidade infantil, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade da mãe Indicador Taxa de mortalidade infantil Descrição Número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS

SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS Tema 2 Salvador metropolitana: configuração urbana e mobilidade espacial SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS Prof. Dr. Sylvio Bandeira de Mello

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 Nº 161 Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 24 de outubro de 2013 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Marcelo Côrtes Neri (interino) Fundação

Leia mais

CAPÍTULO 30 O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL. Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

CAPÍTULO 30 O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL. Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira CAPÍTULO 30 O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira 1- URBANIZAÇÃO BRASILEIRA NO SÉCULO XX Primeiros centros urbanos Século XVI

Leia mais

Rio de Janeiro 450 anos

Rio de Janeiro 450 anos Rio de Janeiro 450 anos Fevereiro de 2015 Informação confidencial e proprietária da Macroplan Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir ou reproduzir sem autorização expressa. Demografia EVOLUÇÃO

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

Índice de Bem-estar Urbano da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF)

Índice de Bem-estar Urbano da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) Índice de Bem-estar Urbano da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) 1 Introdução Dr. Alexandre Queiroz Pereira Universidade Federal do Ceará (UFC) aqp@metrowiki.net Ms. Cleiton Marinho Lima Nogueira

Leia mais

Nº 115. Perfil dos migrantes em São Paulo

Nº 115. Perfil dos migrantes em São Paulo Nº 115 Perfil dos migrantes em São Paulo 06 de outubro de 2011 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Wellington Moreira Franco Fundação pública vinculada

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

A Metrópole e a Questão Social

A Metrópole e a Questão Social A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades Bem-Estar Social Renda Urbana Oportunidades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades

Leia mais

A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009.

A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009. A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009. Taciana Letícia Boveloni Ciências Econômicas Centro de Economia

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo 1) Introdução Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco O desenvolvimento humano, como conceito, tem-se mostrado polêmico e, muitas vezes, provisório.

Leia mais

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO Suzana Cavenaghi José Eustáquio Diniz Alves Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

Cadernos Metrópole ISSN: 1517-2422 cadernosmetropole@outlook.com. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Brasil

Cadernos Metrópole ISSN: 1517-2422 cadernosmetropole@outlook.com. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Brasil Cadernos Metrópole ISSN: 1517-2422 cadernosmetropole@outlook.com Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Brasil de Queiroz Ribeiro, Luiz César; Gomes Ribeiro, Marcelo Metropolização e as estruturas

Leia mais

Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014

Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014 Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014 Classificação: Documento Reservado Restrição de Acesso: Empresas do Sistema BNDES - Uso no Âmbito Interno Unidade Gestora: AS/DEURB AS/DEURB -

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/96 N 8 Serviços de Saneamento Básico - Níveis de Atendimento O presente trabalho informa sobre o nível de atendimento em serviços de saneamento

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 Média moradores/domicílios...

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1.

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. COEFICIENTE GINI É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. 0 = completa igualdade 1= completa desigualdade. Desigualdade

Leia mais

IBEU Região Metropolitana de Porto Alegre Expressão de dois polos com efeitos distintos em bem-estar urbano?

IBEU Região Metropolitana de Porto Alegre Expressão de dois polos com efeitos distintos em bem-estar urbano? IBEU Região Metropolitana de Porto Alegre Expressão de dois polos com efeitos distintos em bem-estar urbano? Luciano Fedozzi¹ Iara Regina Castello² O Índice de Bem-estar Urbano (IBEU), que está em construção

Leia mais

Diana Meirelles da Motta

Diana Meirelles da Motta Diana Meirelles da Motta 1. O conceito de segregação é pertinente para entender a realidade metropolitana (a referência fundamental são as metrópoles brasileiras, tendo como pano de fundo as metrópoles

Leia mais

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1

ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS ESCOLARIDADE AUMENTA NA ÚLTIMA DÉCADA, MAS A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO NEGROS AINDA É BASTANTE ALTA 1 Nos últimos anos, o Brasil experimentou expressiva

Leia mais

Índice de Bem-Estar Urbano no município do Rio Grande, RS

Índice de Bem-Estar Urbano no município do Rio Grande, RS Bianca Reis Ramos Índice de Bem-Estar Urbano no município do Rio Grande, RS Resumo O artigo tem como objetivo analisar a qualidade de vida e infraestruturas, referente às condições de vida urbana no município

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS.

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. O que é cidade? Segundo a ONU, aglomerado urbano concentrado com mais de 20 mil habitantes, com atividades no setorsecundário secundário

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

A Dimensão Urbana do Desenvolvimento Econômico - Espacial Brasileiro

A Dimensão Urbana do Desenvolvimento Econômico - Espacial Brasileiro TEXTO PARA DISCUSSÃO N O 530 A Dimensão Urbana do Desenvolvimento Econômico - Espacial Brasileiro Diana Meirelles da Motta Charles Curt Mueller Marcelo de Oliveira Torres Brasília, dezembro de 1997 TEXTO

Leia mais

PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2012. Preparado com exclusividade para:

PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2012. Preparado com exclusividade para: PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2012 Preparado com exclusividade para: Pesquisa Refeição Assert Preço Médio 2012 Introdução Objetivo Conceitos Metodologia e Amostra Cenário 2012 Os preços das refeições

Leia mais

Data de elaboração 30/04/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Data de elaboração 30/04/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020204RNE Taxa de mortalidade específica por aids na população de 15 anos e mais, por ano, segundo Brasil, Região Nordeste, regiões metropolitanas do Nordeste e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia Dr. Josef Leitmann 12 de junho de 2015 Qual a Importância da Questão Metropolitana e dos Aspectos de Governança

Leia mais

Destaques TIC Domicílios 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de aquisição

Destaques TIC Domicílios 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de aquisição Destaques TIC Domicílios 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de aquisição De maneira geral, os dados indicam que houve um forte aumento da posse e o

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana Historia Linha do Tempo Avaliação dos impactos metropolitanos no Rio de Janeiro do ajuste macroeconômico da reestruturação produtiva 1996 Cadernos Metrópole 1999 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Leia mais

PROJETO ANÁLISE DAS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL RELATÓRIO DE PESQUISA. Como Anda A Metrópole Goianiense

PROJETO ANÁLISE DAS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL RELATÓRIO DE PESQUISA. Como Anda A Metrópole Goianiense OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES INSTITUTO DE PESQUISA E PLANJEAMENTO URBANO E REGIONAL (IPPPU) FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE) PROJETO ANÁLISE DAS REGIÕES METROPOLITANAS DO

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CRÉDITO ESPECIAL NA FUNASA/MS (SANEAMENTO EM RM E RIDE) - PLN Nº 13, DE 2005-CN - Sidney A. Bittencourt e Mário Luis G. de Souza Núcleo da Saúde Julho/2005 Endereço na Internet: http://www.camara.gov.br

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME 4º Fórum SIPD Rio de Janeiro 30 de junho de 2008 Objetivos Investigar os Orçamentos Familiares combinados com outras informações sobre as Condições de

Leia mais

Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas. Dr. Carlos Alberto Menossi

Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas. Dr. Carlos Alberto Menossi Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas Dr. Carlos Alberto Menossi Câncer de Mama É o que mais causa morte entre as mulheres Estima-se em torno de 52 casos para 100.000 mulheres para 2012 (INCA/MS)

Leia mais

ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS

ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS Maria Inês Pedrosa Nahas Pesquisadora do IDHS/PUC Minas No período entre janeiro a agosto de 2005, organizamos para o Ministério das Cidades

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2013. Preparado com exclusividade para:

PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2013. Preparado com exclusividade para: PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2013 Preparado com exclusividade para: Pesquisa Refeição Assert Preço Médio 2013 Introdução Objetivo Metodologia/Amostra Contexto Inflacionário Cenário Os preços das

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA JULHO/97 N 12 Resíduos Sólidos Urbanos INTRODUÇÃO Um dos maiores desafios com que se defronta a sociedade moderna é o equacionamento da questão

Leia mais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2012. NOTA À IMPRENSA Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles COOPERAÇÃO DAS CIDADES BRASILEIRAS PARA REDUÇÃO DA POBREZA URBANA MESA 2: PARCERIAS PARA APOIAR AS ESTRATÉGIAS DOS DIRIGENTES LOCAIS Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

Sistema de informações sobre. o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS

Sistema de informações sobre. o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS Sistema de informações sobre o mercado de trabalho no setor turismo O EMPREGO NO TURISMO NAS REGIÕES METROPOLITANAS Outubro 2010 1 SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO SETOR TURISMO NO

Leia mais

A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza

A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza Isabel Cristina Martins Santos Montovideo, 09 de setembro de 2009 Pesquisa de Orçamentos Familiares Despesas e Rendimentos monetários e

Leia mais

FURB UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS Disciplina: SOCIAIS APLICADAS Planejamento Urbano DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO MBA - GESTÃO PÚBLICA Unidade 1 - Planejamento Regional 1 0,9 0,8

Leia mais

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios Maria Cristina Mac Dowell Diretora-Geral Adjunta Escola de Administração Fazendária Esaf/MF maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

IBGE. Ministério da Saúde. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Ministério da Saúde. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p a esquisa n mostra de acional por d omicílios A cesso e u tilização de S erviços de s aúde 2003 Ministério da Saúde IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Seminário "Região Metropolitana de São Paulo: dinâmicas sócio-espaciais e políticas públicas" Observatório das Metrópoles- São Paulo 29 e 30 de Outubro - sala 117-A PUC-SP PROGRAMA Dia 29 de Outubro das

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

TRANSPORTE de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo TRANSPORTE

TRANSPORTE de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo TRANSPORTE Análise /2008 do número de viagens de bicicleta na Região Metropolitana de São Paulo Carlos Eduardo de Paiva Cardoso* Este trabalho analisa as viagens de bicicleta não integradas a outros modos de transporte

Leia mais

Conjuntura Urbana. Hierarquização e Identificação dos Espaços Urbanos. Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro

Conjuntura Urbana. Hierarquização e Identificação dos Espaços Urbanos. Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Conjuntura Urbana 1 Hierarquização e Identificação dos Espaços Urbanos Or g a n i z a d o r Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Au t o r e s Rosa Moura Maria Luiza M. S. Marques Dias Marley Vanice Deschamps

Leia mais

Trata Brasil: A Falta que o Saneamento Faz. Coordenação: Marcelo Cortes Neri marcelo.neri@fgv.br

Trata Brasil: A Falta que o Saneamento Faz. Coordenação: Marcelo Cortes Neri marcelo.neri@fgv.br Trata Brasil: A Falta que o Saneamento Faz Coordenação: Marcelo Cortes Neri marcelo.neri@fgv.br 24 de Novembro de 2009 Os artigos publicados são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte estão atraindo os moradores das metrópoles?

Urban View. Urban Reports. Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte estão atraindo os moradores das metrópoles? Urban View Urban Reports Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte Morar nos grandes centros tem suas vantagens, como mais opções de trabalho, educação e lazer. Mas também tem seu lado negativo.

Leia mais