TI-Ciências. education.ti.com/portugal. Editorial. Índice. TI-Ciências Abril 2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TI-Ciências. education.ti.com/portugal. Editorial. Índice. TI-Ciências Abril 2002"

Transcrição

1 TI-Ciências TI-Ciências Abril 00 Editorial Vivemos num mundo em constante mudança, movimento e crescimento. Estas modificações criam em nós, a necessidade de conhecer e compreender as velocidades com as quais elas se produzem. No entanto, estas velocidades não são uniformes, elas alteram-se, por vezes bastante rapidamente, em função de transformações produzidas no próprio universo. Há dezenas de séculos, que o Homem tenta compreender as leis que regem o universo. Cada geração aproveita todas as descobertas científicas herdadas das gerações precedentes e alarga este domínio do conhecimento, através da junção das suas próprias contribuições. As etraordinárias descobertas realizadas ao longo dos séculos, sobre as quais nos falam os livros e que agora usamos com um objectivo didáctico, não resultaram somente de golpes de génios, mas de pacientes esforços e refleões daqueles que as conceberam. No entanto deve-se realçar que, ao longo dos tempos, a grande maioria dos problemas práticos dos homens sempre foram resolvidos com recurso aos conhecimentos matemáticos da época. Assim, a Matemática tem-se desenvolvido com a civilização e tornou-se a chave de quase todas as actividades dos homens e é ela que nos dá uma ajuda preciosa na vida quotidiana. É essencialmente na relação entre da Matemática com as outras ciências que se encontram surpreendentes e eficazes resultados, ao nível da modelação dos fenómenos (naturais e sociais) que nos rodeiam. É interessante observar que é raro eistir um desenvolvimento concomitante dos conceitos em todas as ciências. Contudo eiste um espaço central onde as diversas ciências se encontram com a Matemática, dando origem a alguns importantes momentos históricos e privilegiados, nos quais o desenvolvimento de processa de uma forma paralela. Presentemente, nós vivemos um desses momentos. Índice Editorial A Parábola como Lugar Geométrico, com o GeoMaster Estudo de Assímptotas, Usando a TI-83 Plus Silver Edition Estudo da Lei de Boyle-Mariotte Programa VIP Partilha de Actividades Calculadoras Autorizadas e Recomendadas para o 3º Ciclo e Secundário Bibliografia Disponível T 3 Teachers Teaching with Technology Programa de Empréstimo Isabel Cleto dos Santos José Alberto Rodrigues education.ti.com/portugal

2 A Parábola como Lugar Geométrico, com o GeoMaster Raul Aparício Gonçalves Escola Secundária de Paredes Como se sabe, a parábola é, por definição, o lugar geométrico dos pontos do plano que distam igualmente de uma recta e de um ponto que não lhe pertença. Convencer um aluno do 0º ano de que esta definição leva àquele desenho parabólico não é normalmente uma tarefa trivial. As capacidades dinâmicas de algum software de geometria podem constituir uma enorme ajuda. No entanto, nem sempre é possível dispor de computadores na sala de aula, pelo que pode haver alguns limites inultrapassáveis quanto à utilização desse software. costa, pois como é obvio, a distância de P à costa é obtida na perpendicular a esta. Para fazer estas construções, voltamos a utilizar o menu DRAW e, desta vez, as funções Perpendicular e Intersection. Uma ecelente forma de resolver este problema é a aplicação GeoMaster disponibilizada pela Teas Instruments, para as suas calculadoras gráficas com tecnologia FLASH, como é o caso da já vulgar TI-83 Plus. Ora vejamos como se pode utilizar o GeoMaster para proporcionar ao aluno a compreensão do lugar geométrico referido. Será provavelmente mais interessante desenvolver o trabalho a partir de um problema simples e motivador. Por eemplo, pode colocar-se a questão de encontrar a trajectória mais segura para um barco passar entre uma rocha localizada no mar e uma costa igualmente rochosa, rectilínea. Comecemos por traçar uma recta (costa) e um ponto eterior à recta (rocha), utilizando, no menu DRAW, as funções Line e Point, respectivamente. De seguida, consideremos um ponto livre na recta, utilizando no mesmo menu a função Point on Object. Note-se que ao movimentar o ponto livre sobre a costa, como a construção é dependente, vamos obter diferentes posições para o ponto P, sempre satisfazendo as condições de equidistância, pelo que, desta forma é gerado o lugar geométrico pretendido. O Geomaster tem uma função, em MISC, Trails On/Off, que marca as sucessivas posições de um objecto que é arrastado. Outra função, no mesmo menu, Pointer, arrasta um objecto. Para evitar uma sobrecarga de objectos traçados, podemos esconder os que são menos importantes para traçar o lugar geometrico, e fazê-mo-lo com a função Hide/Show do menu MISC. Ora, activando a função Trails On/Off no ponto P e arrastando o ponto livre na costa, após activar a função Pointer, obtemos o esboço de uma curva (a parábola) nas condições pretendidas (os pontos equidistantes de uma recta e de um ponto eterior). Estamos agora prontos a construir um ponto nas condições pretendidas, ou seja, na trajectória mais segura, que é o mesmo que dizer, um ponto equidistante da rocha e da costa. Começamos por construir o lugar geométrico dos pontos equidistantes da rocha e do ponto livre sobre a costa. Para tal constroí-se a mediatriz do segmento de recta definido por estes pontos. Para o fazer, utilizamos novamente o menu DRAW e as funções, Midpoint e Perpendicular. Ora, se traçarmos uma perpendicular à costa a passar por este ponto, ela vai intersectar a mediatriz num ponto, a seguir designado por P, que dista igualmente da rocha e da É possível fazer eplorações, por eemplo: analisar o efeito da variação da posição da rocha em relação à costa, no traçado da parábola. Será deiado ao cuidado do leitor, a construção dos desenhos necessários a esta eploração, no entanto será conveniente referir que sempre que se pretenda guardar um desenho na memória da calculadora, o podemos fazer recorrendo à função Save File do menu FILE. TI-Ciências

3 Estudo de Assímptotas, Usando a TI-83 Plus Silver Edition Isabel Cleto Santos Pretendemos, através de um conjunto de quatro actividades, estudar a eistência de assímptotas verticais e/ou horizontais, a partir da análise do gráfico de uma função racional e levar o aluno a conjecturar sobre a relação eistente entre as assímptotas horizontais e os graus dos polinómios, que constituem a epressão analítica da função. Uma função racional f pode ser definida pelo quociente de dois polinómios: f() 5 p ( ). q( ) Se p() 0, então a função racional f fica definida quando q() 0. Como sabemos as assímptotas são rectas que orientam o traçado do gráfico de uma função e este ou parte dele aproima-se da assímptota, de tal forma que acaba por se confundir com a própria assímptota, quando a distância à origem do referencial tende para infinito. Nos eemplos seguintes eploraremos a relação eistente entre a divisão por zero e as assímptotas verticais. Tomemos, como eemplo, a função racional f() 5 A partir da observação do gráfico verifica-se que eistem dois tipos de assímptotas ao gráfico desta função: uma vertical e outra horizontal, cujas equações são respectivamente: 5 0 e y 5 0. Analisemos o gráfico de uma outra função racional definida por: g() 5 Constata-se facilmente que também eiste uma assímptota vertical de equação 5 e uma assímptota horizontal de equação y 5 0. Um outro caso interessante para ser analisado é o eemplo da função racional h () 5 É bastante visível, partindo da observação do gráfico, uma alteração no número de assímptotas verticais, eistindo neste caso duas, a saber: 5 e 5. Este aumento no número de assímptotas verticais está directamente relacionado com o número de zeros do polinómio. Actividade Introdução ao estudo das assímptotas verticais ao gráfico de uma função.. Introduz, na calculadora TI-83 Plus Silver Edition, a epressão analítica de cada uma das funções indicada na primeira coluna do quadro e a partir da análise dos respectivos gráficos completa-o: Epressão analítica Número de zeros Número de zeros Número de Equações das da função racional do numerador do denominador assímptotas verticais assímptotas verticais y 5 4 y 5 9 y 5 4 y Com base na análise dos dados do quadro anterior, eplica que relação podes estabelecer entre o número de zeros dos polinómios do numerador e do denominador e o número de assímptotas verticais ao gráfico de uma função. 3. Escreve as equações das assímptotas horizontais ao gráfico de cada uma das funções referenciadas no quadro. NOTA: Nas actividades, 3 e 4 consideremos sempre as funções racionais definidas pelo quociente de dois polinómios, p( ) isto é, na forma: f() 5 q. ( ) TI-Ciências 3

4 Estudo de Assímptotas, Usando a TI-83 Plus Silver Edition continuação Actividade Grau de p(), grau de q() e a relação com as assímptotas horizontais. Nesta actividade vamos analisar os graus dos polinómios do numerador e do denominador e estudar a sua relação com a eistência de assímptotas horizontais.. Completa o quadro seguinte, começando por introduzir as epressões analíticas das funções na calculadora gráfica e analisando os gráficos obtidos: Epressão analítica Equação da Grau de Grau de da função racional assímptota horizontal (numerador) (denominador) y 5 3 y 5 3 y y Em funções racionais em que o grau do numerador é inferior ao grau do denominador, descreve a localização das assímptotas horizontais. 3. O gráfico de uma função racional em que o grau de p(), grau de q() cruza sempre a assímptota horizontal? Actividade 3 Grau de p()5 grau de q() e a relação com as assímptotas horizontais. p( ) Pretendemos eplorar o estudo de funções racionais do tipo f() 5 q, onde p() 5 a m m a m- m- a 0 e ( ) q() 5 b m m b m- m- b 0 são polinómios com o mesmo grau, mas com os coeficientes dos termos de maior grau diferentes, ao nível da localização das assímptotas horizontais.. Recorrendo à calculadora e com base na análise da representação gráfica de cada uma das funções indicadas, completa o quadro: y 5 Epressão analítica a m : coeficiente do termo b m : coeficiente do Equação da assímptota da função racional de ordem m de p() termo de ordem m de q() horizontal 3 y 5 y y y 5 3 y 5 4 TI-Ciências

5 Estudo de Assímptotas, Usando a TI-83 Plus Silver Edition continuação Actividade 3 continuação. Na alínea. o grau do numerador é igual ao grau do denominador e observa-se que cada um dos gráficos admite uma assímptota horizontal. A equação da assímptota horizontal relaciona-se com o quociente coeficientes dos termos de maior grau de p() e de q(). Estabelece esta relação. 3. O gráfico de uma função racional em que o grau de p()5 grau de q() cruza sempre a assímptota horizontal? Actividade 4 Grau de p(). grau de q() e a relação com as assímptotas horizontais. Depois de termos analisado a localização das assímptotas horizontais ao gráfico de uma função racional, quando grau de p() grau de q(), pretendemos nesta actividade eplorar a localização do mesmo tipo de assímptotas, mas no caso em que grau de p(). grau de q().. Recorre à calculadora gráfica para esboçares e analisares o gráfico de cada uma das funções indicada na primeira coluna do quadro, completando-o: Epressão analítica Equação da Grau de p() Grau de q() da função racional assímptota horizontal (numerador) (denominador) y y 5 y y 5 y 5 3. Tendo como base o quadro da alínea anterior, que se pode concluir acerca da eistência de assímptotas horizontais, quando grau de p(). grau de q()? 3. Utilizando os resultados obtidos nas actividades, 3 e na alínea desta actividade e os conhecimentos matemáticos sobre as assímptotas verticais e horizontais ao gráfico de uma função, completa as seguintes frases: Se o grau de p() for inferior ao grau de q(), então... Se o grau de p() for igual ao grau de q(), então... Se o grau de p() for superior ao grau de q(), então... Bibliografia. LIMA, Iolanda, GOMES, Francelino, XEQMAT Matemática º ano, Editorial O Livro, Lisboa, 00. TI-Ciências 5

6 Estudo da Lei de Boyle-Mariotte Abel Eça Escola Secundária de Amares Pretende-se com esta actividade estudar a relação entre a pressão e o volume de um gás contido numa seringa. Deve ter obtido o seguinte gráfico: Sensor de pressão Tubo de ar Seringa TI-83 Plus Vá para o editor estatístico e poderá visualizar o volume na lista L e a pressão na lista L, em atm. CBL. Na TI-83 Plus, eecute o programa ou a aplicação DataMate. Aparece o ecrã principal.. No ecrã principal, prima SETUP. Actividades:. No editor estatístico visualize os dados e complete a tabela seguinte: Volume (cc) Pressão (atm) Produto da pressão pelo volume 3. Utilize ou para se deslocar para CH e prima Aparece o ecrã SELECT SENSOR. Prima 4-PRESSURE. Prima PRESSURE SENSOR. Prima -PRESSURE(ATM) O programa começa a detectar o sensor pretendido. 4. Utilize ou para se deslocar para z e prima. Seleccione 3- EVENTS WITH ENTRY e prima. 5. Abra a torneira da seringa e pue o êmbolo para a marca 0 cc. Feche a torneira. Prima OK e depois -START A calculadora começa a ler a pressão. Prima para guardar a pressão registada. A calculadora pede-lhe agora o volume, que neste caso é 0 cc. Introduza 0 e prima. 6. Coloque a seringa em 5 cc e prima. A calculadora pede-lhe o volume. Introduza 5cc e prima. Repita o processo para 0 cc. e 5 cc.. Encontre uma relação que dê o volume em função da pressão. 3. Como verificou eiste uma relação inversamente proporcional entre a pressão e o volume. Qual é a constante de proporcionalidade? 4. Faça uma regressão potência. Compare esta função com a que obteve na alínea dois, sobrepondo o gráfico da função ao diagrama de dispersão. Que conclui? Referências Brueningsen, Bower, Antinone, and Brueningsen-Kerner; Real-World Math with the CBL System: Activities Using the TI-83 and TI-83 Plus: Activity 6. [TI Eplorations Series book, Teas Instruments] 6 TI-Ciências

7 Programa VIP FLASH permite actualizar a versão da sua Calculadora! Poderá ter o Sistema Operativo mais actualizado para a sua calculadora, sempre com mais funcionalidades e melhoramentos! CellSheet Inequações FLASH permite personalizar a Calculadora às suas necessidades! Molde a calculadora às suas necessidades. Eemplos de algum software disponível para a TI-83 Plus / TI-83 Plus Silver Edition: Para adquirir estas Aplicações de Software e Muitas Outras, registe-se no Programa VIP! Requisitos: Tem de ser Professor de Matemática, Física/Química, Biologia ou de algum Curso Tecnológico, ter , bem como uma calculadora TI-83 Plus ou TI-83 Plus Silver Edition. Microsoft Ecel GeoMaster Inequações e Domínios Planos Preencha o cupão aneo e envie-nos. Nos próimos dias irá receber um com a confirmação. Bom Trabalho! Geometria Dinâmica Programa VIP Cupão de Registo SIM, sou Professor e desejo ter acesso Gratuito a Software para a TI-83 Plus SE! Teas Instruments c/o SITEL Woluwelaan Diegem Bélgica ou por Fa: Nome: Rua / Nr.: Escola: Apelido: Cod. Postal / Local: Tel.: Matemática Biologia Física/Química Outros education.ti.com/portugal Os dados recolhidos serão processados informáticamente e destinam-se à gestão do seu pedido. Garantimos ao subscritor, nos termos da lei, o direito de acesso e rectificação de qualquer dado que lhe diga respeito. A Teas Instruments reserva-se o direito de terminar este Programa ou alterar as suas regras sem proceder a aviso prévio. TI-Ciências 7

8 Partilha de Actividades Já está online a nossa web page de Partilha de Actividades com a calculadora gráfica. Nesta página poderá consultar trabalhos de colegas relacionados com a utilização de novas tecnologias (calculadoras gráficas) na sala de aula. Se quiser colocar as suas actividades com calculadoras no nosso site, basta enviá-los para: ou Para eplorar os trabalhos eistentes consulte: idades.htm 8 TI-Ciências

9 Calculadoras Autorizadas e Recomendadas para o 3º Ciclo e Secundário 3º CICLO...Utilização das tecnologias na aprendizagem da Matemática Todos os alunos devem aprender a utilizar não só a calculadora elementar, mas também, à medida que progridem na educação básica, os modelos científicos e gráficos... -citação retirada do Currículo Nacional do Ensino Básico DEB SECUNDÁRIO...As calculadoras gráficas (...), ferramentas que cada vez mais se utilizarão correntemente devem ser entendidas não só como instrumentos de cálculo mas também como meios incentivadores do espírito de pesquisa. O seu uso é obrigatório neste programa. -citação retirada do Programa Homologado Matemática A DES Advoga-se o uso de calculadoras gráficas familiar aos alunos pela sua utilização permanente nas aulas da disciplina de Matemática. É necessário retirar peso à memorização e à resolução repetitiva de eercícios, privilegiando-se estratégias de compreensão, técnicas de abordagem e de resolução de problemas. -citação retirada do Programa Homologado Física e Química A 0º Ano DES Bibliografia Disponível Na internet no endereço home.asp pode escolher os vários títulos de bibliografia de apoio à calculadora, da qual escolhemos apenas alguns livros: Em português: Análise TI-80, TI-8, TI-83, TI-9 Estatística TI-80, TI-8, TI-83, TI-9 Equações TI-80, TI-8, TI-83, TI-9 Modelação TI-9 Da geometria às funções passando pela estatística (Joaquim Pinto) Programação no ensino secundário TI-80, TI-8, TI-83, TI-86 (César Viana) Acções de Formação e Pedidos de Apoio: Organizam-se acções de formação gratuitas sobre a utilização e aprendizagem de calculadoras. Para pedidos de apoio a outros projectos e mais esclarecimentos, contacte: Teas Instruments Programa Educacional Rua 5, Espinho Tel.: Fa: TI-Ciências 9

10 T 3 Teacher Teaching with Technology (Professores ensinam com tecnologia) Temas abordados nos cursos: O projecto T 3 tem como principal objectivo a formação de professores no uso das calculadoras gráficas, acessórios, tais como o CBL, CBR, TI-GRAPH LINK e Software de geometria para as calculadoras (Aplicações para calculadoras com Tecnologia FLASH) no ensino e aprendizagem da Matemática e da Físico-Química. Todos os cursos são dados por professores formadores com elevada eperiência na utilização da tecnologia na sala de aula. Em Portugal o projecto decorre desde 997 em parceria com uma entidade ligada ao ensino e aos professores. Modelação Matemática Probabilidades, simulações, distribuições e testes com a calculadora gráfica Eperimentar a matemática com a TI-9 Plus Estatística e Calculadoras Gráficas Física e Matemática Cabri Géomètre II Sessões práticas com calculadoras gráficas e sensores de 4 horas, 5 horas e 35 horas. Preços Muito Especiais de calculadoras (apenas versão retroprojectável) e acessórios para os professores participantes! Para mais informações e pedidos de acções contacte com: APM (Associação de Professores de Matemática) Rua Dr.João Couto,7A Lisboa Tel.: Fa: Internet: 0 TI-Ciências

11 Programa de Empréstimo A Teas Instruments oferece empréstimos gratuitos WOLOP de calculadoras e acessórios para professores de matemática. Os pedidos deverão ser feitos com um mês de antecedência e terão uma duração máima de duas semanas. Os empréstimos têm como objectivo principal a realização de acções de formação e workshops. Quando fizer o seu pedido de empréstimo, por favor mencione: Razão da Acção de Formação. Enuncie a data e o local do workshop. Quantidades, tipo de calculadora(s) e acessórios necessários. Endereço de entrega e número de telefone. O dia de entrega preferencial. Os seguintes produtos estão disponíveis no Programa de Empréstimo de Calculadoras: Peça um Painel ViewScreen, pois este é opcional. Peça sensores para a sua acção com o CBL. Peça posters, transparências e literatura para distribuir aos participantes durante a sua acção. Para fazer o pedido de empréstimo pode enviar uma carta para: CSC Centro de Suporte ao Cliente C/O Sitel Belgium Woluwelaan Diegem Belgium Telefone (numero gratuito): Envie um fa: Contacte por TI-83 Plus TI-89 Voyage 00 CBL (Calculator-Based Laboratory Systems probes) CBL (Calculator-Based Laboratory)* CBR (Calculator-Based Ranger System) Cabri Géomètre II TI-Presenter * * Disponibilidade de produtos limitada em quantidades. NOTA: Os empréstimos estão sujeitos à disponibilidade do material, sendo dada prioridade aos cursos do T 3. TI-Ciências

12 Publicações Gratuitas! Peça já o seu CD de Actividades e assine gratuitamente as nossas revistas! Se pretender o CD escreva à frente dos quadrados de opção Matemática/Físico-Química CD de Actividades. Fotocopie,recorte e cole num postal! (Fotocopie este formulário e distribua-o pelos seus (suas) colegas). Selo 54$90 Nome Matemática: Físico/Química: Nível de Ensino Rua C. Postal/Local. Tel.: Teas Instruments Programa Educacional Rua 5, Espinho Escola: Para adquirir calculadoras para escolas e professores contacte os nossos distribuidores escolares: DISMEL Rua Coronel Ferreira do Amaral, 9 C 900 Lisboa Tel.: Fa: TETRI Estrada da Circunvalação, Rio Tinto Tel.: Fa: education.ti.com/portugal Posters e Acetatos Pode encomendar posters e acetatos de todas as calculadoras.estes materiais são de maior utilidade na sala de aula. Enquanto a Teas Instruments e os seus agentes tentam garantir a validade dos comentários e das afirmações escritos nesta publicação, não será aceite qualquer responsabilidade em nenhuma circunstância por imprecisões de conteúdo, artigos ou reclamações efectuadas pelos colaboradores. As opiniões publicadas podem não ser necessariamente as opiniões da Teas Instruments. Todas as calculadoras disponíveis na Europa são fabricadas de acordo com a certificação ISO Cabri Géomètre II é uma marca comercial da Université Joseph Fourier. Todas as outras marcas comerciais são propriedade dos respectivos proprietários. A Teas Instruments reserva-se o direito de alterar produtos, especificações, serviços e programas sem aviso prévio. Impresso em papel isento de cloro 00% reciclável por Thamesdown Colour Limited, Inglaterra. Composiçião Cloud 9 Publishing Limited, Inglaterra. 00 Teas Instruments Incorporated CL00NLM/P

Movimento de uma bloco numa rampa

Movimento de uma bloco numa rampa Movimento de uma bloco numa rampa Conceitos Função polinomial do º grau. Lei do movimento uniformemente acelerado. Fazer o gráfico de uma bola que está a rolar numa rampa com inclinações variadas cria

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

TI-Ciências. www.ti.com/calc/portugal/

TI-Ciências. www.ti.com/calc/portugal/ TI-Ciências www.ti.com/calc/portugal/ Indíce Editorial........................................................................ 1 Laboratório de Matemática Função Exponencial, Calculadora Gráfica TI-83

Leia mais

Actividade 2 Intensidade da luz

Actividade 2 Intensidade da luz Actividade 2 Intensidade da luz Conceitos matemáticos Materiais Representação gráfica dos dados Comparação de previsões de dados Relações: o quadrado do inverso Origens de erro e respectivos efeitos Conceitos

Leia mais

NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA An 2-A APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO N.º Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO

CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES TERRAS DE BOURO OFICINA DE FORMAÇÃO: TRABALHO PRÁTICO NA PERSPECTIVA DOS NOVOS PROGRAMAS DE FÍSICA, MATEMÁTICA E BIOLOGIA. UMA ABORDAGEM À EXPERIMENTAÇÃO

Leia mais

Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão

Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão Novembro de 2000 1 Notas Introdutórias 1.1 No 10 ō ano, os estudantes dos Cursos Tecnológicos recuperaram e aprofundaram, para um nível secundário,

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS Após a realização de um experimento, deseja-se estabelecer a função matemática que relaciona as variáveis do fenómeno físico estudado. Nos nossos experimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia:

Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia: Oficina de Formação Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia: Uma abordagem à experimentação usando sensores Estudo da carga e descarga do condensador

Leia mais

1ª Edição Outubro de 2007

1ª Edição Outubro de 2007 1 Ficha Técnica Título: Manual de utilização da ELGG - Aluno Autoria: Célia Tavares Direcção Pedagógica e Técnica: Paula Peres Copyright: Projecto de Apoio On-line 1ª Edição Outubro de 2007 O Manual de

Leia mais

NOVO Panda Antivirus 2007 Manual resumido sobre a instalação, registo e serviços Importante! Leia a secção de registo on-line deste manual atentamente. As informações contidas nesta secção são essenciais

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Guião Revisões: Funções ESA-IPVC. Funções

Guião Revisões: Funções ESA-IPVC. Funções GUIÃO REVISÕES Funções Conceito de função Quatro amigos decidiram apostar no totoloto, tendo cada um deles preenchido o seu boletim da seguinte forma: Boletim do Hugo Boletim do João Jogos Apostas Jogos

Leia mais

Esta tarefa pretende desenvolver nos alunos algumas competências ao nível dos temas indicados, da comunicação matemática e do trabalho de grupo.

Esta tarefa pretende desenvolver nos alunos algumas competências ao nível dos temas indicados, da comunicação matemática e do trabalho de grupo. TAREFA: Projecto: Instrumentos de Medida Actividade desenvolvida pela Escola Básica 2,3 de Nery Capucho. ENQUADRAMENTO CURRICULAR: Alunos do 3º ciclo Área Temática: Números e Operações. Unidades de Medida.

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Menú Iniciar -> Programas -> Internet Explorer Entre no site da uarte: http://www.uarte.mct.pt/ajuda/manuais/

Menú Iniciar -> Programas -> Internet Explorer Entre no site da uarte: http://www.uarte.mct.pt/ajuda/manuais/ Crie uma pasta (0) no ambiente de trabalho com o seu nome. Inicie o Internet Explorer através do: W O R K S H O P Menú Iniciar -> Programas -> Internet Explorer Entre no site da uarte: http://www.uarte.mct.pt/ajuda/manuais/

Leia mais

INTERACÇÕES CALCULADORA-CALCULADORA E CALCULADORA-COMPUTADOR

INTERACÇÕES CALCULADORA-CALCULADORA E CALCULADORA-COMPUTADOR INTERACÇÕES CALCULADORA-CALCULADORA E CALCULADORA-COMPUTADOR Havendo necessidade de passar dados, programas, aplicações, etc entre calculadoras ou entre uma calculadora e um computador, é necessário fazer

Leia mais

À DESCOBERTA DE SOFTWARE

À DESCOBERTA DE SOFTWARE À DESCOBERTA DE SOFTWARE PARA EXPLORAR A PROGRAMAÇÃO LINEAR NO ENSINO SECUNDÁRIO Paula Maria Barros (1), Ana Isabel Pereira (1), Ana Paula Teixeira (2) (1) Instituto Politécnico de Bragança, (2) Universidade

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

A aplicação CellSheet. Tecnologia Flash para a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition

A aplicação CellSheet. Tecnologia Flash para a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition A aplicação CellSheet Tecnologia Flash para a TI-83 Plus e TI-83 Plus Silver Edition Porto, Outubro de 2002 Albino Martins Nogueira Pereira P 1 de 33 A aplicação CellSheet combina a funcionalidade de uma

Leia mais

Vodafone Conferencing Como criar uma reunião

Vodafone Conferencing Como criar uma reunião Vodafone User Guide Vodafone Conferencing Como criar uma reunião Um guia passo-a-passo sobre como configurar uma reunião através do serviço Vodafone Conferencing. Visão geral Pode utilizar a Vodafone Conferencing

Leia mais

A calculadora gráfica no Ensino da geometria uma ferramenta poderosa?

A calculadora gráfica no Ensino da geometria uma ferramenta poderosa? Sessão Prática 28: A calculadora gráfica no Ensino da geometria uma ferramenta poderosa? 2 de Setembro 14h30 16h30 Por: José Balsa, Raquel Farate e Ana Margarida Dias da ES Quinta das Flores (Coimbra)

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

12.º Ano de Escolaridade

12.º Ano de Escolaridade gabinete de avaliação educacional T E S T E I N T E R M É D I O D E M A T E M Á T I C A 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) (Dec.-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto, para alunos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00. Eduardo Cunha. www.educunha.net. Escola Secundária de Barcelos 2000/2001. T I 83 - Plus

Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00. Eduardo Cunha. www.educunha.net. Escola Secundária de Barcelos 2000/2001. T I 83 - Plus Investigação e Modelação na aula de Matemática Círculo de Estudos ccpfc/acc 19941/00 Eduardo Cunha www.educunha.net Escola Secundária de Barcelos 2000/2001 Módulo 2: Estudo de Funções - calculadora gráfica.

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Online Logo Maker

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS

MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS I. Simplesmente Funções Considera: a função f, de domínio IR \ 4, definida por 2 f x ; 4 x a função g, de domínio IR, definida por 1 3 3 2 g x x x 4x 5 6 2 1. Determina

Leia mais

Os primeiros passos com a TI-Nspire

Os primeiros passos com a TI-Nspire Os primeiros passos com a TI-Nspire 1. Cria um novo documento: pressiona a tecla HOME, c, e selecciona 6:New Doc pressionando 6 ou quando o ícone estiver seleccionado. Se tiveres outro documento aberto,

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Guia de Início Rápido Antivirus Pro 2009 Importante! Leia atentamente a secção Activação do produto neste guia. As informações contidas nesta secção são essenciais para manter o seu computador protegido.

Leia mais

Importante! Leia atentamente a secção de Activação dos serviços deste guia. As informações contidas nesta secção são essenciais para manter o seu PC protegido. MEGA DETECTION Manual de instalação rápida

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Migrar para o Access 2010

Migrar para o Access 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Access 2010 é muito diferente do Access 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA FOCAL DE UMA LENTE E ESTUDO DA FORMAÇÃO DE IMAGEM

DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA FOCAL DE UMA LENTE E ESTUDO DA FORMAÇÃO DE IMAGEM ETERMINAÇÃO A ISTÂNCIA FOCAL E UMA LENTE E ESTUO A FORMAÇÃO E IMAGEM. Objectivo eterminação da distância focal de uma lente convergente e de uma associação de lentes, e estudo da formação de imagem. 2.

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

NEVES, Maria, GUERREIRO, Luís, et. al, Matemática A 10 Caderno de Actividades, Porto Editora, Porto, 2007

NEVES, Maria, GUERREIRO, Luís, et. al, Matemática A 10 Caderno de Actividades, Porto Editora, Porto, 2007 EXAME DO ENSINO SECUNDÁRIO DE RESUMOS.TK Prova Escrita de Matemática A 10.ºAno de Escolaridade Prova MAT10 14 páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Autor: Francisco Cubal, como

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES E TERRAS DE BOURO O CALOR

CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES E TERRAS DE BOURO O CALOR CENTRO DE FORMAÇÃO DE ENTRE HOMEM E CÁVADO AMARES E TERRAS DE BOURO Oficina de Formação: Trabalho Prático na Perspectiva dos Novos Programas de Física e Química, Matemática e Biologia. Uma Abordagem à

Leia mais

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico SISEL Sistemas Electromecânicos Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico GRIS Group of Robotics and Intelligent Systems Homepage: http://www.dee.isep.ipp.pt/~gris Email:

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso. Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica

5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso. Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica 1 5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica Cristina Cerri IME USP Cada vez mais estamos incorporando o computador

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 - Abrindo o Winplot Para abrir o Winplot.exe clique duas vezes no ícone. Abrirá a caixa: Clique (uma vez) no botão. Surgirá uma coluna: Clique no

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB I Semana de Educação Matemática: Discutindo o trabalho docente aliado às novas tendências educacionais 25 a 29 de maio de 2009 Minicurso: GEOGEBRA UM FORTE

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

Matemática A. Teste Intermédio de Matemática A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 6.05.2010. 11.º Ano de Escolaridade

Matemática A. Teste Intermédio de Matemática A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 6.05.2010. 11.º Ano de Escolaridade Teste Intermédio de Matemática A Versão 1 Teste Intermédio Matemática A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 6.05.2010 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha de

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho Outlook 2003 Nivel 1 Objectivos gerais Enviar e Responder a mensagens de correio electrónico, e gestão de contactos, marcação de compromissos e trabalhar com notas. Objectivos específicos Começar a trabalhar

Leia mais

Registo do antivírus avast!

Registo do antivírus avast! Registo do antivírus avast! Para iniciar o registo do avast! Antivirus é necessário fazer algumas alterações no programa de Controle Parental Parents Carefree de modo a podermos: 1. Criar um endereço de

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Excel 2010 Colecção: Software

Leia mais

Comunidade de Suporte e Feedback

Comunidade de Suporte e Feedback Comunidade de Suporte e Feedback O objetivo deste complemento é criar um canal simples, barato e eficiente de suporte aos clientes, onde eles possam na maioria das vezes aproveitar dúvidas já respondidas,

Leia mais

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo.

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo. Impressão em série de cartas de formulário e mailings em grande número Intercalação de correio Base de Dados em Excel Comece por planear o aspecto da sua página final - é uma carta, uma página de etiquetas

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE 2 EISnt Centro de Formação Profissional, Engenharia Informática e Sistemas, Novas Tecnologias, Lda Avª D. João I, nº 380/384 Soutelo 4435-208 Rio Tinto Portal Internet : www.eisnt.com E-Mail : formação@eisnt.com

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007

Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007 Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007 TI2009/2010_1 Índice Iniciar a Aplicação e Abrir/Criar um Novo Ficheiro Comando Base de Dados Vazia Descrição do ambiente de trabalho

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

MICROSOFT POWERPOINT

MICROSOFT POWERPOINT MICROSOFT POWERPOINT CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES. O QUE É O POWERPOINT? O Microsoft PowerPoint é uma aplicação que permite a criação de slides de ecrã, com cores, imagens, e objectos de outras aplicações,

Leia mais

Queda livre de um corpo

Queda livre de um corpo Experiência 3 Dizemos que um corpo se encontra em queda livre quando a única força que actua nele é a força gravítica terrestre. Não pode haver actuação de outras forças; em particular, não pode existir

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática A 10º ano 2014/2015 Início Fim

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

FICHEIROS COM EXEMPLOS

FICHEIROS COM EXEMPLOS FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos fichei Reservados todos os direitos por Centro Atlântico,

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20

A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20 A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20 2. Na actualidade, há uma crescente preocupação com a preservação da natureza, nomeadamente, quanto à necessidade

Leia mais

Instruções de utilização do portal Web da Visteon

Instruções de utilização do portal Web da Visteon FORD MOTOR COMPANY LIMITED Issued by European Warranty Operations Ford Customer Service Division Instruções de utilização do portal Web da Visteon 1. Entrar Na janela de endereço no seu browser da internet,

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

3º Trimestre TRABALHO DE MATEMÁTICA - 2012 Ensino Fundamental 9º ano classe: A-B-C Profs. Marcelo/Fernando Nome:, nº Data de entrega: 09/ 11/12

3º Trimestre TRABALHO DE MATEMÁTICA - 2012 Ensino Fundamental 9º ano classe: A-B-C Profs. Marcelo/Fernando Nome:, nº Data de entrega: 09/ 11/12 3º Trimestre TRABALHO DE MATEMÁTICA - 2012 Ensino Fundamental 9º ano classe: A-B-C Profs. Marcelo/Fernando Nome:, nº Data de entrega: 09/ 11/12 NOTA:. Nota: Toda resolução deve ser feita no seu devido

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º/11.º anos ou 11.º/12.º anos de Escolaridade Prova 835/1.ª Fase

Leia mais

Editor HTML. Composer

Editor HTML. Composer 6 Editor HTML 6 Composer Onde criar Páginas Web no Netscape Communicator? 142 A estrutura visual do Composer 143 Os ecrãs de apoio 144 Configurando o Composer 146 A edição de Páginas 148 Publicando a sua

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

PLANEAMENTO DE PROGRAMAS DE CONTROLO DE QUALIDADE INTERNO

PLANEAMENTO DE PROGRAMAS DE CONTROLO DE QUALIDADE INTERNO PLANEAMENTO DE PROGRAMAS DE CONTROLO DE QUALIDADE INTERNO MANUAL DE INSTRUÇÕES Revisto em 09/2011 Comissão de Laboratório Clínico e Genética Humana de Bioquímicos Clínicos INTRODUÇÃO Este manual contém

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 12º ano Cálculo Diferencial II - Exercícios saídos em Exames (séc XX)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 12º ano Cálculo Diferencial II - Exercícios saídos em Exames (séc XX) Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 1º ano Cálculo Diferencial II - Eercícios saídos em Eames (séc XX) 1. Seja f a função real de variável real tal que f()= - /. Quanto ao limite

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel.

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel. PROGRAMAÇÃO LINEAR Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel. Para além da resolução pelo método gráfico e/ou outros métodos, é possível resolver um problema de PL

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

IMPORT EXPRESS ONLINE MANUAL DO UTILIZADOR

IMPORT EXPRESS ONLINE MANUAL DO UTILIZADOR IMPORT EXPRESS ONLINE MANUAL DO UTILIZADOR importexpressonline.dhl.com PREPARE E FAÇA A GESTÃO DOS SEUS ENVIOS DE UMA FORMA RÁPIDA E PRECISA COM DETALHES DE CONTA SEGUROS E VISIBILIDADE DO ENVIO COM O

Leia mais

Índice. Nota introdutória...3. Tabuada com dados...5. Divisores em linha...8. Avançando com o resto...11. Jogo da fronteira...14. É esticá-lo...

Índice. Nota introdutória...3. Tabuada com dados...5. Divisores em linha...8. Avançando com o resto...11. Jogo da fronteira...14. É esticá-lo... Workshop Jogos 40 41 Índice Nota introdutória...3 Tabuada com dados...5 Divisores em linha...8 Avançando com o resto...11 Jogo da fronteira...14 É esticá-lo...21 Ge-ó-pá...26 Saída do porto...33 Jogo do

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO DA TERAPIA PARA A DIABETES. Guia de instalação

SOFTWARE DE GESTÃO DA TERAPIA PARA A DIABETES. Guia de instalação SOFTWARE DE GESTÃO DA TERAPIA PARA A DIABETES Guia de instalação 2010, Medtronic MiniMed, Inc. Todos os direitos reservados. Paradigm, Paradigm Link e CareLink são marcas comerciais registadas da Medtronic,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 635/11 Págs. Duração da prova: 150

Leia mais

Imagiologia de raios X planar

Imagiologia de raios X planar Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado em Engenharia Biomédica Imagiologia de raios X planar Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos Capítulo 4 Funções de duas variáveis 4.1 Funções de varias variáveis - Definição e eemplos Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo f : D R com D R n = R R. Ou seja, uma

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais