Colombia Es Pasion: Uma avaliação sobre os resultados da implantação da marca país. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colombia Es Pasion: Uma avaliação sobre os resultados da implantação da marca país. Resumo"

Transcrição

1 Colombia Es Pasion: Uma avaliação sobre os resultados da implantação da marca país Autoria: Michele Candeloro, Vivian Iara Strehlau, Frederico Araujo Turolla Resumo Este trabalho tem como objetivo medir os impactos de um programa de marca país, notadamente no caso colombiano, sendo que mostra impactos positivos sobre as variáveisalvo, ainda que pouco representativos em relação ao total da economia. Vários governos têm percebido a importância de se construir uma marca para seu país, seja percebendo a necessidade de diferenciar seus países, seja de se desvencilharem de estereótipos e clichês que afetam a percepção do público internacional em relação a seus produtos, sua população e seus pontos turísticos. Esse processo normalmente traz não apenas ganhos de imagem mas também ganhos econômicos. O interesse por estudar a marca Colômbia se dá por que o Brasil, assim como a Colômbia, também sofre com estereótipos. Ter uma marca de sucesso é importante para atrair investimentos para o território nacional, aumentar as exportações de produtos de alto valor agregado e promover o turismo. Este trabalho realizou avaliação dos resultados que a Colômbia obteve após o lançamento do projeto Colombia es Pasion em 2005 em termos de aumento ou decréscimo de exportação, turismo e investimentos externos diretos. O exercício econométrico realizado procura avaliar a relação econométrica entre as três variáveis-alvo do programa colombiano (exportações, turismo e investimentos, em dólares norte-americanos) e uma variável dummy (qualitativa) que se refere ao período em que o programa esteve ativo, ou seja, a partir do quarto trimestre de 2005, controlando por variáveis econômicas típicas. A análise econométrica realizada sugere que o programa Colombia Es Pasion teve impactos econômicos positivos sobre as suas três variáveis-alvo, notadamente exportações, turismo e investimento direto, em linha do que propõe a literatura. O resultado total sobre estas três variáveis representa, em média, o equivalente a 0,15% do PIB do país, o que não é desprezível. Entretanto, mostra impacto mais significativo quando comparado com a magnitude dos fluxos originais das variáveis que tomou como alvo. O efeito do programa, obtido por meios econométricos, corresponde em média a 12,1% das exportações, 34,6% dos fluxos turísticos e 22,1% do investimento direto anual do ano anterior ao início do programa, ou seja, Note-se que as estimativas se referem a benefícios do programa de marca país, sem considerar os custos de oportunidade envolvidos no seu desenho e na sua implementação. Note-se também que este trabalho constitui esforço em desenvolvimento e propõe uma metodologia que ainda deverá ser aprimorada. 1

2 1. Introdução O processo de globalização acentuou a disputa por consumidores, turistas e investidores e nesse contexto não só as empresas, como países, estados e regiões e cidades competem entre si. Nesse ambiente competitivo como sugere Kotler et al (2006, p. 43) cada local deve formular uma combinação de ofertas e benefícios que atendam a necessidade de um amplo número de investidores, novos negócios e visitantes Muitos governos têm percebido a necessidade de diferenciação de seus países e de se desvencilharem de estereótipos e clichês que afetam a percepção do público internacional em relação a seus produtos, sua população e seus pontos turísticos. Papadopoulos e Heslop (2002) concluem que a imagem de um país tem importante papel na decisão do consumidor e que a falta de uma estratégia de posicionamento faz com que o público faça associações indevidas e atenha-se e antigos conceitos. Esse processo é ainda mais desafiador para os países que atravessaram períodos de transição em termos econômicos, políticos e sociais. Mudar positivamente a imagem do país é uma forma de desapegar-se do passado e coroar os esforços empreendidos no alcance da estabilidade e do progresso. A imagem de um país é um de seus ativos intangíveis mais valiosos. No entanto, como destacam Kotler e Pfoerstsch (2008, p.278) a verdadeira marca é sempre aquela definida de acordo com a visão dos consumidores, sendo assim, a questão que surge é como um país, com setores industriais e de serviços diversificados e em níveis de desenvolvimento diferentes, apelos turísticos múltiplos, ricas manifestações culturais, indicadores econômicos e sociais ainda descompassados, instituições políticas consolidadas coexistindo com outras em processo de consolidação, pode trabalhar seu posicionamento e sua imagem internacional? E ainda, como harmonizar interesses dissonantes, agendas conflitantes e orquestrar o engajamento dos atores do processo (iniciativa privada, entes de governo e sociedade civil) de modo que a visão do consumidor corresponda à desejada pelo país e se traduza em aumento das exportações, do investimento externo direto e do turismo?. Esse ambiente tumultuado e complexo é a realidade tanto da Colômbia como a do Brasil. O interesse por estudar a marca Colômbia se dá por que o Brasil, assim como a Colômbia, também sofre com estereótipos. Ter uma marca de sucesso é primordial para atrair investimentos para o território nacional, aumentar as exportações de produtos de alto valor agregado e promover o turismo, apesar disso o governo brasileiro não promoveu uma ação ampla, planejada, coordenada e com ações de comunicação estruturadas e contínuas que tratassem do país como um todo e contemplasse as três áreas (turismo, exportações e investimentos). O objetivo deste trabalho é a avaliar os resultados que a Colômbia obteve após o lançamento do projeto Colombia es Pasion em 2005, espera-se encontrar um resultado que corrobore com toda a literatura que afirma que a implantação de um projeto de marca país impacta nos em determinados indicadores econômicos de um país, ou seja avaliar a performance de determinados indicadores macroeconômicos do país, por meio de séries de dados, em termos de aumento ou decréscimo de exportação, turismo e investimentos estrangeiros diretos, que 2

3 foram as variáveis escolhidas como alvo pelo programa colombiano. Além disto, pretende-se quantificar a magnitude deste impacto Por que Colombia? A Colômbia é país tropical, com paisagens deslumbrantes paisagens, ricas fauna e flora. É um país com cultura rica na música, na arquitetura e nas artes e na literatura. É um grande produtor e exportador de café, banana, flores, produtos químicos, produtos minerais nãometálicos, produtos metalúrgicos, produtos do refino do petróleo, veículos, alimentos processados e bebidas. Apesar desses atributos, não são essas as imagens que um estrangeiro teria da Colombia. Em geral viriam imagens do narcotráfico, guerrilha, seqüestro, assassinatos, paramilitares, violência, Pablo Escobar, Cartel de Medelín e Cartel de Cali. No primeiro governo de Álvaro Uribe ( ), todos os índices da Colômbia apontavam para uma significativa melhora nas condições de segurança, no ambiente econômico, político e social do país, então, decidiu-se a investir na mudança das associações que a Colombia trazia à mente das pessoas. Em 2002, o governo contrata o consultor David Lightle, que começa a trabalhar no projeto em parceria com a Proexport, a agência colombiana de promoção de exportação, investimento e turismo. Em 2005, o projeto Colombia es Pasión é lançado com ações tanto ações externas como internas que visavam a resgatar a autoestima do povo colombiano e formar os embaixadores da marca, ou seja, os difusores dos conceitos que o projeto pretendia comunicar ao mercado externo. O diferencial da iniciativa colombiana foi a grande mobilização nacional e o engajamento dos atores necessários ao processo de construção de marca pais: governo, sociedade civil e iniciativa privada. As ações de comunicação são simples, mas eficazes, e o financiamento da campanha, além de recursos públicos, vem das empresas que têm o direito de uso da logomarca Colombia es Passión ou de seu derivado para o turismo Colombia, el riesgo es que te quieras quedar e com a venda de produtos como camisetas, mochilas, bijuterias, artigos de casa e escritório, todos com a logomarca da campanha. A Colômbia lançou-se no projeto de desenvolvimento de uma estratégia competitiva desenhada para a mudança de percepção mundial em relação ao país, que, apesar de ainda enfrentar problemas, tem promovido mudanças estruturais e logrado melhoras em matéria de investimentos estrangeiros, comércio exterior, e turismo. Colombia es pasión contempla tanto ações externas como esforços dentro de suas fronteiras, onde a campanha está nas ruas, toca o emocional da população, com o propósito de elevar a autoestima do colombiano. Segundo a Organização Mundial do Turismo (UNWTO), a Colômbia foi hábil em desenvolver e implementar uma estratégia de marca que vai de encontro as mais altas demandas técnicas de comunicação da atualidade. A marca, ainda de acordo com a UNWTO, possui elementos conceituais claros, simples, críveis, que por meio de um conceito guardachuva consegue comunicar seus atributos, tem um slogan marcante e um poderoso símbolo visual, o coração estilizado (UNWTO, 2009). 2. Referencial teórico 3

4 Marca país é um tema que tem despertado crescente interesse entre pesquisadores de diversas origens. Embora haja ainda pouca pesquisa empírica acadêmica sobre esse tema, a revisão da literatura mostra que há consenso entre os estudiosos: lugares e países também podem ter marcas da mesma forma que bens e serviços (KOTLER; GERTNER, 2004; CALDWELL; FREIRE, 2004, ITAUASSU; OLIVEIRA, 2004). Pode-se definir imagem de um país como o resultado das percepções individuais formadas a partir de estereótipos e de generalizações a partir de algumas poucas observações sobre algo e formada a partir de suas características peculiares, como uma espécie de síntese. Gardner e Levy (1955, p ) iniciaram a discussão sobre imagem de marca destacando que a sua força está não em um atributo do objeto, mas na mente do consumidor, como um padrão (tanto racionais como irracionais) que são projetados no objeto. Entende-se imagem de marca como sendo o conjunto de associações mentais que o consumidor possui de uma marca, apesar de haver inúmeras definições sobre esse conceito. Fan (2010, p. 101) define marca país como o processo pelo qual a imagem de uma nação pode ser criada ou alterada, monitorada, avaliada e proativamente gerenciada de forma a valorizar a reputação do país para a audiência-alvo internacional. A imagem de um país é construída no transcorrer de longos períodos, sendo resultado da opinião que as pessoas têm sobre o que ouvem do país na mídia, experiências pessoais e produtos fabricados por esse país, dentre vários outros aspectos. Para uma economia em transição o conceito de marca país é particularmente importante pois tem algumas funções como: a) distanciar o país de sistemas políticos e econômicos anteriores (como no caso de países com histórico comunista); b) alterar estereótipos falsos ou negativos associados com o país e seu povo; c) posicionar o país como um membro confiável em um novo sistema na ordem internacional; d) posicionar o país como um centro regional e líder da transição; e) facilitar a redefinição ou reconstrução de identidades nacionais, já que estas também mudam durante uma transição; e) melhorar a autoconfiança e expressar orgulho pelo alcançado pelo país. (SZONDI, 2007) Para Fan (2010) a pesquisa sobre marca país tem sua origem em quatro fontes diferentes: tradicionalmente na pesquisa sobre país de origem e marca de destino. Mais recentemente a partir da diplomacia pública e identidade nacional. País de origem e marca de destino tem como característica a promoção de interesses econômicos específicos, enquanto a marca país está preocupada com a imagem do país como um todo na esfera internacional, incluindo suas dimensões política, econômica e cultural (FAN, 2006) Quando a marca se refere a um país, existem algumas particularidades que o tornam ainda mais complexo, pois afeta a captação de investimentos externos, exportações e atração de fluxos internacionais de turistas (ITAUSSU e OLIVEIRA, 2004). Papadopoulos e Heslop (2002) afirmam que o processo de mudança da imagem de um país é lento, mas que pode ser acelerado com importantes eventos. Berkowitz et al (2007) sugerem que a imagem de uma nação pode ser transformada durante as três semanas que duram os jogos Olímpicos, período em que os olhos do mundo estão voltados para o país que hospeda a competição. Salientam a importância em se adotar uma estratégia em relação ao que o pais deseja atingir, como exemplo citam o desejo da China em obter reconhecimento internacional de nação que legitimamente tem o poder de impactar o mundo, quer seja por seus logros econômicos, por sua população, ou pelo poderio militar e, como barreiras à aceitação mundial 4

5 da China verificaram três pontos que foram trabalhados tendo como instrumento os Jogos Olímpicos: direitos humanos, tecnologia e meio-ambiente. Dinnie, (apud FETSCHERIN, 2008) declara que o processo de gestão de marca pais é um processo excitante complexo mas controverso; é excitante porque há pouca teoria mas uma significante quantidade de atividade no mundo real, é complexo porque envolve múltiplos níveis, dimensões e disciplinas além do branding e, como uma atividade muito política que gera pontos de vista e opiniões conflitantes, pode ser controverso (DINNIE, 2008, tradução nossa). O International Trade Center - ITC sugere seis passos a serem percorridos na construção e de marca país a saber (INTERNATIONAL TRADE CENTER, 2002): a) tomada de decisão, onde um grupo de trabalho, composto pelo governo, membros da sociedade civil, mídia, comunidades empresarial e acadêmica, avalia a situação interna e os benefícios de lançar-se nessa empreitada. Se a resposta for positiva, o próximo passo será a pesquisa e análise. b) pesquisa e análise, na qual verifica-se a percepção interna e externa do pais e as discrepâncias entre elas, ainda nessa fase busca-se experiências ou melhores praticas que podem ser usadas como guia no processo. Superada essa etapa, deve-se dedicar especial atenção no desenvolvimento da estratégia nacional. c) desenvolvimento da estratégia nacional, estabelecendo objetivos e metas específicas, como por exemplo, o incremento das exportações ou o aumento no número de turistas. É o momento de traçar o orçamento e as fontes de financiamento, que podem ser tanto públicas como privadas. Faz-se um exercício de listar valores positivos e críveis e selecionar mensagens curtas e claras para a marca. Testam-se os conceitos, que são mudados, ajustados, conforme os resultados. Os conceitos devem ser baseados em fatos e não em aspirações e devem refletir o que o mundo poderá comprovar. Submetem-se os conceitos aos formadores de opinião tanto do setor público como privado e fazem-se ajustes ou mudanças para que o produto final englobe diferentes setores e segmentos da economia. Concluída essa fase, passa-se então à criação da estratégia de comunicação. d) criação da estratégia de comunicação, etapa onde as representações visuais e verbais da marca são criadas e são definidas a coordenação do programa (centralizada x descentralizada) e as ações de comunicação, a fase seguinte é a implementação do programa. e) implementação do programa, contempla a execução e a manutenção da integridade do planejamento e deve ser seguida da f) avaliação, onde compara-se as metas com os resultados e os valores percebidos com os que se desejava comunicar, promove-se pesquisas, revisões, ajustes ou até mesmo o encerramento do programa. 5

6 Para Anholt (2008) existem evidências de que existe retorno sobre o investimento com a construção de marca país e que é o processo de construção da marca que traz esses ganhos. Apenas o investimento publicitário não garante a valorização de uma marca país. Anholt (2008) destaca que a marca de um lugar não é apenas o resultado de comunicação, mas de políticas que tenham essa finalidade. O resultado do investimento na construção de uma marca tem sido bastante positivo na avaliação da imagem do país, mas ganho em imagem tende a ser bastante positivo. Muito da literatura tem focado nos efeitos do país para a exportação de produtos, na construção de destinos e na obtenção de investimentos estrangeiros (KEMMING; SANDIKCI, 2007). 3. Procedimentos Metodológicos Esta seção descreve os procedimentos empregados para a avaliação dos impactos do programa. Inicialmente, pode-se realizar a inspeção visual da série. Este procedimento serve para apenas para uma avaliação preliminar das séries de dados, sem impacto direto sobre os resultados econométricos a serem avaliados. As séries de variáveis dependentes são apresentadas no gráfico a seguir. 1400,0 1200,0 Lançamento da campanha Pasión Exportação 1000,0 800,0 Turismo Investimento Remessas 600,0 400,0 200,0 0,0 1T96 3T96 1T97 3T97 1T98 3T98 1T99 3T99 1T00 3T00 1T01 3T01 1T02 3T02 1T03 3T03 1T04 3T04 1T05 3T05 1T06 3T06 1T07 3T07 1T08 3T08 1T09 3T09 1T10 3T10 Fonte: Banco de la República de Colombia - Subgerencia de Estudios Económicos. O exercício econométrico realizado neste trabalho procura avaliar a relação econométrica entre as três variáveis-alvo do programa colombiano (exportações, turismo e investimentos, em dólares norte-americanos) e uma variável dummy (qualitativa) que se refere ao período em que o programa esteve ativo, ou seja, a partir do quarto trimestre de 2005, controlando por variáveis econômicas típicas. Foi utilizado, preliminarmente, um modelo de regressão múltipla por Mínimos Quadrados Ordinários. As variáveis dependentes foram os alvos do programa. As variáveis explicativas foram: 6

7 Demanda interna, medida pela demanda interna a preços correntes em dólares norteamericanos. Renda internacional, sendo que foi utilizada como Proxy o nível do PIB norteamericano, um importante parceiro econômico da Colômbia. Taxa de câmbio do peso colombiano (COP) contra o dólar norte-americano (USD). Dummy do programa de marca-país, que representa o efeito que se quer medir Dummy de investimentos diretos, que representa um volume atípico de investimento direto, de natureza temporária (one-off), realizado no quarto trimestre de Os resultados são apresentados na tabela a seguir. Variável dependente Intercepto Demanda interna Variável explicativa PIB dos Taxa de EUA câmbio (Proxy de COPrenda USD internacio nal) - 0,02 (0,01) -0,02 (0,05) (0,01) -0,24-0,02 (0,34) (0,04) 0,02 (0,15) (0,02) Dummy do programa de marcapaís Exportações -35,67 5,13 (0,35) 19,68 (11,51) Turismo 98,0-0,22 22,45 (9,71) Investimentos -47,4 10,34 48,27 (2,23) (32,79) Remessas -160,0-1,86 25,49 (27,81) Nota: desvio-padrão das estimativas entre parênteses. Fonte: elaboração. Dummy de investime ntos diretos oneoff ,12 (53,39) - O R-quadrado ajustado dos modelos foi, respectivamente, 95%; 76%; 94%; e 96%, revelando um bom ajuste para os modelos propostos. Como controle, foi utilizado o fluxo de remessas de transferências unilaterais para a Colômbia. Esta variável não foi incluída entre os alvos do programa. Constitui, além disso, um fluxo majoritariamente enviado pelos próprios colombianos residentes no exterior, portanto não deveria ser significativamente influenciada pelo programa de marca-país. Note-se que as remessas representaram, em 2009, cerca de 2,5 bilhões de dólares, fluxo muito superior ao das três variáveis-alvo individuais do programa de marca-país. De fato, a variável dummy específica não teve significância estatística no modelo contra as remessas, o que indica robustez da análise das demais variáveis em termos do efeito do programa de marca-país. 4. Análise Os resultados da marca país Colômbia são positivos, embora de magnitude relativamente pequena. Como os valores foram entrados no modelo em dólares norte-americanos, o valor do coeficiente da dummy específica do programa de marca país pode ser lido diretamente como o resultado trimestral do programa. A anualização pode ser realizada pela multiplicação de sua magnitude por quatro. Com base nisto, os resultados do efeito do programa de marca-país em termos de valores são apresentados na tabela a seguir: Variável-alvo do programa de marca Efeito do programa de marca-país Representatividade em relação ao Representatividade em percentual do 7

8 país fluxo da variável em 2004 PIB colombiano de 2009 Exportação US$ 78,7 milhões por ano 12,1% 0,03% Turismo US$ 89,8 milhões por ano 34,6% 0,04% Investimento direto US$ 193,4 milhões por ano 22,1% 0,08% Fonte: elaboração A representatividade total do programa colombiano de marca-país é pequeno, correspondendo a cerca de 0,15% do PIB do país no somatório das três variáveis-alvo afetadas pelo programa. Entretanto, a tabela mostra que a representatividade em relação aos níveis das variáveis-alvo no seu nível de 2004 é bem mais significativo, mostrando que o programa pode ter sido bem sucedido com base neste critério. 5. Considerações finais O programa Colombia Es Pasion teve impactos econômicos positivos sobre as suas três variáveis-alvo, notadamente exportações, turismo e investimento direto, em linha do que propõe a literatura. O resultado total sobre estas três variáveis representa, em média, o equivalente a 0,15% do PIB do país, o que não é desprezível. Entretanto, mostra impacto mais significativo quando comparado com a magnitude dos fluxos originais das variáveis que tomou como alvo. O efeito do programa, obtido por meios econométricos, corresponde em média a 12,1% das exportações, 34,6% dos fluxos turísticos e 22,1% do investimento direto anual do ano anterior ao início do programa, ou seja, Note-se que o modelo econométrico merece aprimoramentos significativos, sendo que neste trabalho indicamos a metodologia e os resultados preliminares que podem ser obtidos através da mesma. Outro aspecto que deve ser considerado na análise dos resultados deste artigo é que o foco se concentrou nos benefícios do programa, sem realizar uma avaliação, mais complexa, dos custos de oportunidade envolvidos na sua implementação. Estes dois aspectos são objeto proposta para pesquisa em andamento. 6. Referências Bibliográficas ANHOLT, Simon. Competitive Identity, The new Brand Management for Nations, Cities and Regions. Palgrave Macmillan, Basingstoke, 2007 ANHOLT, Simon. Place branding: Is it marketing, or isn t it? Place Branding & Public Diplomacy. v. 4, n 1, p. 1-6, ANHOLT-GFK ROPER. The Anholt-GfK Roper Nation Brands Index. Disponível em: Acesso em: 21 out.2010 BAKER, Michael J.; CAMERON, Emma. Critical success factors in destination marketing. Tourism and Hospitality Research. Londres, v.8, n.2, p.79-97, mar BERKOWITZ, Pere et al. Brand China: Using the 2008 Olympic Games to enhance China s Image. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, vol.3, p , jun

9 BILKE, Warren J.; NES, Erik. Country-of-origin effects on product evaluations. Journal of International Business Studies. v. 13, n.1, p.89-99, CALDWELL, Niall; FREIRE, João R. The differences between branding a country, a region and a city: Applying the Brand Box Model. Journal of Brand Management. London, v. 12, n.1, p.50-61, set COLOMBIA ES PASION. Estrategia Imagen país. Disponível em: <http://www.colombiaespasion.com/es/colombia-es-pasion/estrategia-imagen-pais>. Acesso em 20 out COLOMBIA ES PASION. Por qué Colombia es Pasión?. Disponível em: <http://www.colombiaespasion.com/es/colombia-es-pasion/ipor-que-colombia-es-pasion>. Acesso em 20 out COLOMBIA ES PASION. Qué es Colombia es Pasión?. Disponível em: <http://www.colombiaespasion.com/es/colombia-es-pasion/ique-es-colombia-es-pasion> Acesso em 20 out DOMEISEN, Natalie. Is There a Case for National Branding?. International Trade Center. Disponível em: <http://www.tradeforum.org/news/fullstory.php/aid/534> Acesso em: 16 nov.2010 FAN, Y. Branding the nation: Towards a better understanding. Place Branding & Public Diplomacy, v. 6,n. 2, p , FAN, Y. Branding the nation: What is being branded? Journal of Vacation Marketing. v. 12, n. 1, p. 5-14, Jan FETSCHERIN, Marc. The determinants and measurement of a country brand: the country brand strenght index. International Marketing Review, Bingley, Reino Unido, v. 27, n.4, p , fev FULLERTON, Jami A et al. Attitudes towards American brands and Brand America. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, v.3, p , ago FUTUREBRAND. Country Brand Index. Disponível em: <http://www.futurebrand.com/think/reports-studies/cbi/2009/overview/> Acesso em 21 out GARDNER, B.B.; LEVY, S.J. The product and the brand. Harvard Bussiness Review, v.33, p , March April, GERTNER, David. Place branding: Dilemma or reconciliation between political ideology and economic pragmatism?. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, v.3, p.3-7, fev HANNA, Sonya; ROWLEY, Jennifer. An analysis of terminology use in place branding. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, v.4, p.61-75, fev

10 HSIEH, Ming-Huei; PAN, Shan-Ling; SETIONO, Rudy. Product-, Corporate-, and Country- Image Dimensions and Purchase Behavior: A Multicountry Analysis. Journal of the Academy of Marketing Science, Dordrecht, Holanda, v.32, n.3 p , jun INTERNATIONAL TRADE CENTER. Developing a national brand a suggested approach. Executive Forum 2002 Papers Disponível em: <http://www.intracen.org/wedf//ef2002/papers/pv_national_brand.pdf> Acesso em: 21 out ITAUASSU, C; OLIVEIRA, M. Destino Brasil: uma Análise da Campanha Publicitária Realizada pela EMBRATUR e de sua contribuição para a formação da Imagem do País. Anais do Enanpad XXVIII, disponível em cd-rom KEMMING, Jan Dirk; SANDIKCI, Özlem. Turkey s EU accession as a question of nation brand image. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, v.3, p.31-41, fev KERR, Greg. From destination brand to location brand. Journal of Brand Management. Londres, vol. 13, n.4/5, p , abr/jun KOTLER, P.; HAIDER, D.H.; REIN, I.; GERTNER, D. Marketing de lugares. Como conquistar crescimento de longo prazo na América Latina e no Caribe. Ed. Prentice Hall, São Paulo, KOTLER, Philip; GERTNER, David. Country as a brand, product and beyond: A place marketing and brand management perspective. Journal of Brand Management. Londres, v. 9, n.1, n.4/5, p , abr KOTLER, Philip; PHOERSTSCH, Waldemar. B2B Gestão de marcas em mercados. Ed. Bookman, Porto Alegre, LEE, Richard et al. The underlying social identities of a nation s brand. International Marketing Review, Bingley, Reino Unido, v. 27, n.4, p , fev MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMERCIO EXTERIOR. Campanha quer mudar imagem do Brasil no exterior. Disponível em: <http://www.mdic.gov.br/sitio/interna/noticia.php?area=1&noticia=4904> Acesso em:1 nov MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO, INDUSTRIA E COMERCIO EXTERIOR. Programa de Desenvolvimento Produtivo. Disponível em: <http://www.mdic.gov.br/pdp/index.php/sitio/conteudo/index/1> Acesso em: 15 nov MINISTERIO DO TURISMO. Plano Aquarela Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads _publicacoes/plano_aquarela_2003_a_2006.pdf> Acesso em: 1 nov MINISTERIO DO TURISMO. Plano Aquarela Disponível em: < publicacoes/plano_aquarela_2007_a_2010.pdf> Acesso em: 1 nov

11 MINISTERIO DO TURISMO. Plano Aquarela Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads _publicacoes/plano_aquarela_2020.pdf> Acesso em: 1 nov MINISTERIO DO TURISMO. Plano Cores do Brasil. Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads _publicacoes/plano_cores_brasil.pdf>. Acesso em 1 nov MINISTERIO DO TURISMO. Turismo no Brasil Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads _publicacoes/turismo_no_brasil_2011_-_2014_sem_margem_corte.pdf> Acesso em: 1 nov MOFFETT, Matt. Colombia wants the World to Recognize its Passion. The Wall Street Journal, Nova Iorque, 27 de out Disponível em: <http://online.wsj.com/article/sb html> Acesso em: 19 out NUTTAVUTHISIT, Krittinee. Branding Thailand: Correcting the negative image of sex tourism. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, v.3, p.21-30, fev PAPADOPOULOS, Nicolas; HESLOP, Louise. Country equity and country branding: Problems and prospects. Journal of Brand Management. Londres, v. 9, n.4/5, p , abr PLATA L. G.; FULLADOSA, L. Colombia: Confirming Value:Export Strategy Performance Measurement. International Trade Center Disponível em: <http://www.intracen.org/wedf//ef2002/papers/cp_colombia.pdf> Acesso em: 16 nov REIN, Irving; SHIELDS, Ben. Place branding sports: Strategies for differentiating emerging, transitional, negatively viewed and newly industrialised nations. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, v.3, p.73-85, fev SZONDI, György. The role and challenges of country branding in transition countries: The Central and Eastern European experience. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, vol.3, p.8-20, fev WORLD TOURISM ORGANIZATION. Colombia Back on the map of world tourism. Jan Disponível em: <http://www.unwto.org/pdf/colombia09_e.pdf> Acesso em: 16 out ZERILLO, Philip C; THOMAZ, Gregory Metz. Developing brands and emerging markets. Place Branding and Public Diplomacy, Londres, v.3, p.86-99, fev

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014

Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Code-P0 Síntese do planejamento e os impactos para o país com a Copa do Mundo 2014 Encontro Nacional - Abracen Eventos Esportivos e os Impactos para o país São Paulo, 7 de março de 2012 Code-P1 O Brasil

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Plano Aquarela 2020. Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012. Porto Alegre, 28 de maio de 2012

Plano Aquarela 2020. Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012. Porto Alegre, 28 de maio de 2012 Plano Aquarela 2020 Promoção Internacional do Turismo do Brasil Estratégia e Plano de Ação 2012 Porto Alegre, 28 de maio de 2012 EMBRATUR - Estrutura Organizacional Presidência Diretoria de Mercados Internacionais

Leia mais

IVº CongressoNacional dos Economistas. A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa

IVº CongressoNacional dos Economistas. A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa IVº CongressoNacional dos Economistas Lisboa,19-21 Outubro 2011 A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa Fernanda Ilhéu e Catarina Casquilho Dias Importância do tema Equilibrar

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL PARA INTERNACIONALIZAÇÃO DA ARQUITETURA BRASILEIRA AMBIENTE EXTERNO WORKSHOP APRESENTAÇÃO PES AMBIENTE

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

de Lugares: Desafios, Oportunidades, e Casos de Sucesso na América Latina e no Caribe

de Lugares: Desafios, Oportunidades, e Casos de Sucesso na América Latina e no Caribe Place Branding Turning Places into Magnetic Brand and Profitable Business : Desafios, Oportunidades, e Casos de Sucesso na América Latina e no Caribe David Gertner, Ph.D. Associate Professor Lubin School

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares Profissionais Portugueses no Brasil Empresas Familiares Tópicos Abordados As Gerações e o Mercado de Trabalho Empresas Familiares no Brasil Cenário Brasileiro e Estatísticas de Emprego no Brasil Características

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

5 Considerações Finais 5.1 Conclusão

5 Considerações Finais 5.1 Conclusão 5 Considerações Finais 5.1 Conclusão Nos dias atuais, nota-se que a marca exerce papel relevante para criar a diferenciação da empresa e de seus produtos tanto no mercado interno como nos mercados internacionais.

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a Objetivo Planejamento do CBN 2008 Propor a Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas Antecedentes Normas nacionais devem ser: necessárias e demandadas utilizadas acordadas o mais

Leia mais

Marketing Territorial: uma aposta regional?

Marketing Territorial: uma aposta regional? Marketing Territorial: uma aposta regional? Conferência Alentejo Atractivo: nas rotas do Investimento Global Évora, 10 de Março de 2012 Contexto Contexto de competição entre territórios - regiões, cidades,

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos;

Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Missão do IAB Brasil Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Criar normas e padrões para o planejamento, criação, compra, venda, veiculação e mensuração de mensagens

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

TURISMO NO BRASIL 2011-2014

TURISMO NO BRASIL 2011-2014 TURISMO NO BRASIL Documento Referencial OBJETIVO Reflexão sobre as perspectivas de desenvolvimento do turismo brasileiro para os próximos anos. Ação conjunta do Ministério do Turismo, do e do Fórum de

Leia mais

MEETING DO MARKETING

MEETING DO MARKETING MEETING DO MARKETING Reputação Corporativa Ativo com Resultados Tangíveis Cristina Panella Cristina Panella Setembro Pág1 2007 Toda empresa funciona num meio ambiente de públicos Philip Kotler Pág2 Tipos

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

Impulsionando o Turismo na Cidade de São Paulo. Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo Julho, 2003 Assessoria: HVS International

Impulsionando o Turismo na Cidade de São Paulo. Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo Julho, 2003 Assessoria: HVS International Plano Municipal de Turismo Platum 2004/2006 Impulsionando o Turismo na Cidade de São Paulo Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo Julho, 2003 Assessoria: HVS International 1 Platum 2004-2006

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Gestão da Marca. Construção de valores

Gestão da Marca. Construção de valores Gestão da Marca Construção de valores Design é mais do que o veículo pelo qual as marcas se expressam e se conectam com seus clientes... o design é um reflexo do ecossistema humano Marc Gobé Especialista

Leia mais

MBA em Design Estratégico

MBA em Design Estratégico MBA em Design Estratégico Público - alvo Indicado para profissionais com formação em Design, Arquitetura, Moda ou gestores e empreendedores que estejam buscando novas formas de gestão orientadas para a

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

PACOTE DE ACELERAÇÃO BRASIL

PACOTE DE ACELERAÇÃO BRASIL PACOTE DE ACELERAÇÃO BRASIL Entendemos que, quando você entrar no complexo ambiente legal e tributário brasileiro, você precisa de um suporte confiável e do conselho dos melhores especialistas em cada

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do

Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do Cidades: O Que Fazer? Competitividade e Desenvolvimento Sustentável no Brasil Senado Federal Subcomissão Permanente de Acompanhamento da Rio+20 e do regime internacional sobre mudanças climáticas Brasília,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Propaganda para reforçar a identidade, ou melhorar a reputação.

Propaganda para reforçar a identidade, ou melhorar a reputação. PROPAGANDA COPORATIVA O que é? A propaganda corporativa pode ser definida como uso pago da mídia com fins de beneficiar a imagem da empresa como um todo, e não somente de seus produtos ou serviços. Uma

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Administração 7ª Série Administração Mercadológica

Administração 7ª Série Administração Mercadológica Administração 7ª Série Administração Mercadológica A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo professor,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais