Modelando Ambientes de Aprendizagem a Distância Baseado no Uso de Mídias Integradas: um Estudo de Caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelando Ambientes de Aprendizagem a Distância Baseado no Uso de Mídias Integradas: um Estudo de Caso"

Transcrição

1 1 Modelando Ambientes de Aprendizagem a Distância Baseado no Uso de Mídias Integradas: um Estudo de Caso Beatriz Franciosi Adja F. de Andrade Adriana Beiler Paulo R. Wagner Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACIN /Unidade de Educação a Distância- PUCRS Virtual Av. Ipiranga, Prédio 30 -CEP: Porto Alegre- RS Brasil {bea, Resumo Este artigo apresenta uma proposta de modelagem de ambiente de aprendizagem desenvolvida pela equipe do Projeto PUCRS Virtual. A modelagem proposta é descrita a partir das etapas constituintes: design educativo e design computacional. No decorrer do artigo são descritas as principais fases envolvidas na construção e na condução de um ambiente de aprendizagem à distância. Para ilustrar este processo é apresentado um exemplo de aplicação do curso de graduação em Engenharia Química com ênfase em Operação Petroquímicaprojeto OPP. 1 Introdução O processo de desenvolvimento de um ambiente de EAD é muito mais do que traduzir aulas presenciais para um ambiente Web. O desenvolvimento de um ambiente para suporte ao processo de aprendizagem (ambiente de aprendizagem) que utiliza as tecnologias de informação e comunicação pressupõe um cuidadoso planejamento. A topologia deste ambiente é dada por uma rede de articulações de estratégias e táticas pedagógicas, as quais são definidas a partir dos objetivos e pressupostos pedagógicos. Na modelagem de ambientes de EAD é preciso redefinir os papéis tanto do professor quanto do aluno. O professor não é apenas o organizador do processo de aprendizagem, ou seja, ele deve ser o mediador das ações dos alunos. Assim, ele deve provocar e propiciar as atividades do aluno; permitindo ao aluno realizar a ação de análise e reflexão crítica. Neste artigo apresentamos uma modelagem de ambientes de aprendizagem, proposta pela equipe do projeto PUCRS Virtual, que está sendo para gerar cursos ministrados na modalidade de Educação a Distância. Como exemplo de aplicação, apresentamos a modelagem da disciplina de Química Geral do curso de graduação em Engenharia Química, ênfase em Operação

2 2 Petroquímica. Este curso foi criado em 1998 através da assinatura de um convênio entre a PUCRS e a OPP Petroquímica S.A. a fim de possibilitar a continuação do processo de formação profissional dos funcionários desta empresa. 2 Modelagem proposta A modelagem proposta é constituída pelo design educativo e pelo design computacional do ambiente de aprendizagem. Esta deve ser desenvolvida por uma equipe interdisciplinar constituída por profissionais com vasta experiência sobre o uso de tecnologias educacionais, especialistas do domínio em estudo e implementada por especialistas em computação com conhecimento sedimentado em redes de computadores e hipermídia. A modelagem de desenvolvimento de uma ambiente para EAD segue uma estrutura semelhante ao desenvolvimento de um sistema de computação. As fases de design educativo e computacional foram subdivididas nas seguintes etapas: Etapa 1: Definição do contexto do ambiente Etapa 2: Definição das estratégias pedagógicas Etapa 3: Definição das táticas Etapa 4: Definição da estrutura de recursos do ambiente Etapa 5: Implementação do design educativo 2.1 Definição de Papéis O principal objetivo da educação é criar homens que sejam capazes de fazer novas coisas e não de simplesmente repetir o que outras gerações fizeram, homens que sejam criativos, inventores e descobridores; o segundo objetivo da educação é formar mentes que possam ser críticas, que possam analisar e não aceitar tudo que lhes é oferecido. (J.Piaget, 1969) A modelagem proposta pressupõe a redefinição dos papéis tanto do professor quanto do aluno e a inserção de novos mediadores (tutores e monitores) para preparação e condução de um ambiente de aprendizagem à distância. A interação destes atores no ambiente de aprendizagem à distância tomou como referência a pesquisa realizada pelos pesquisadores do Campus Global da PUCRS [1] na criação de SAV salas de aula virtuais. Um ambiente de educação a distância deve ser dinamicamente construído pelo professor e pelas contribuições dos alunos, porém, a estrutura básica inicial, ou seja, a arquitetura pedagógica do ambiente com seus recursos e serviços deve ser previamente modelada antes do início da execução do curso isto deve ficar a cargo do professor. Além destas atribuições, é de responsabilidade do professor disponibilizar os materiais, conteúdos em porções que abranjam um período de, no mínimo, uma semana para que os alunos possam se preparar previamente para aula. Esta organização implica numa visão geral e detalhada de todo o curso e um pensar prospectivo a fim de garantir que seus alunos tenham acesso as informações antecipadamente e possam organizar-se. A improvisação,

3 possível em aulas presenciais, não é possível em aulas virtuais, podendo comprometer toda a qualidade do curso. As ações do professor, enquanto mediador, são suportadas por mecanismos de coordenação, cooperação e comunicação. Os mecanismos de comunicação e cooperação fornecem as ferramentas de comunicação professoraluno e aluno-aluno. Por sua vez, os mecanismos de coordenação possibilitam a veiculação de avisos, tarefas, elaboração de relatórios, organização de avaliações etc. Nesta postura, o professor sabe que não é deixando o aluno sozinho que o conhecimento "brotará" de forma espontânea. Quem constrói é o sujeito, mas a partir da relação social, mediada pela realidade. O professor deverá disponibilizar continuamente no ambiente, as contribuições dos alunos (textos, resumos, indicação de sites etc.) para que eles possam se sentir motivados e incentivados a colaborar, com isso, sentirem-se parte integrante do processo e comprometidos com sua aprendizagem. Estas contribuições constituem material de apoio ao aluno como forma de revisão dos conteúdos abordados durante a aula. Assim como o professor, o aluno também necessita de uma mudança de postura. No ambiente de aprendizagem virtual ele não pode assistir a aula à distância como assiste a um filme de TV, ele deve modificar esta atitude para tornar-se um agente de busca, seleção e construção do seu conhecimento, tornando-se co-responsável pelo seu aprendizado e seu crescimento pessoal e profissional. A responsabilidade do aprendizado não está mais a cargo do professor que ensina aos alunos, mas sim dividida entre o professor e o aluno que em conjunto irão construir o conhecimento. Cabe ainda, ao aluno, ressaltar a importância da auto-organização e do estudo prévio, principalmente antes dos encontros síncronos, já que sua participação será importante para a construção do seu conhecimento e do grupo. Para isso, o aluno deve estar atento às atividades que são solicitadas, devendo consultar as atividades e pré-requisitos que devem ser executados previamente ao encontro síncrono. O não engajamento dos alunos nas atividades pode comprometer a qualidade da disciplina. A ausência de participação dos alunos na interação gera um espaço monótono centrado nas contribuições do professor, transformando o professor em um agente transmissor de conteúdo. O monitor exerce um papel de suporte e instrumentalização no uso dos recursos e ferramentas, auxiliando tanto ao professor na preparação prévia do curso, quanto ao aluno durante a realização do curso. Uma de suas funções é construir páginas das disciplinas, além de atender às solicitações e dúvidas dos alunos durante a realização das atividades. Para auxiliar as possíveis dúvidas dos alunos que costumam ser similares as dos outros alunos de turmas anteriores, os monitores selecionam as principais perguntas com suas respectivas respostas e constróem um lista de FAQ. O tutor por sua vez é responsável pela validação de todo o conteúdo que é exposto nas páginas Web. Além disso, o tutor pode fornecer apoio ao aluno na realização das atividades a nível de conteúdo e das atividades solicitadas pelo professor, é sua função também apoiar o professor na correção de trabalhos e dar um retorno ao professor do desempenho dos alunos. 3

4 4 2.2 Design Educativo O design educativo, consiste na modelagem da arquitetura pedagógica do ambiente. Esta arquitetura é baseada no plano de ensino da disciplina e nos pressupostos pedagógicos que servirão de fundamentação para a criação do ambiente. Etapa 1: Definição do contexto do ambiente Público-alvo Definição da área de conhecimento Definição da sub-área Definição dos objetivos Definição do conteúdo Etapa 2: Definição das estratégias pedagógicas As estratégias podem ser definidas como uma metodologia de apresentação dos conteúdos; forma de trabalho ou intervenção pedagógica do professor no âmbito do ambiente do curso. Dentre as estratégias mais específicas destacam-se: apresentação de domínio (assunto ou tópico), demonstração, resolução de problemas, responder a questões, avaliar as respostas dos aprendizes. Etapa 3: Definição das táticas (conjunto de ações) As táticas correspondem as ações necessárias para a Implementação das estratégias; pressupõe a execução de atividades. As táticas possuem diferentes graus de interação e podem ser implementadas de forma síncrona ou assíncrona. São exemplos de táticas: fazer perguntas, utilizar gráficos, fornecer exemplos, disponibilizar textos. As estratégias de ensino contém o conhecimento sobre como ensinar e as táticas apontam as ações necessárias para tornar uma determinada estratégia efetiva. Em outras palavras, as estratégias atuam de forma macro e sistêmica; já as táticas consolidam as estratégias, como exemplos de táticas pode-se enumerar: perguntas, índice remissivo, índice localizado, gráfico, figura, conteúdotexto, exercício- resposta, dentre outras. Geralmente um sistema possui uma estratégia e várias táticas. As estratégias modelam o tipo de ambiente: aberto, fechado, híbrido. Dentre as estratégias pode-se citar: socrática, guia, reativa (baseada na teoria behaviorista), estratégia colaboração (baseada na perspectiva socio-interacionista), dentre outras. Uma vez definidas as estratégias e táticas pedagógicas, o ambiente de aprendizagem produzido deve: Ser provocativo, isto é, que coloque o pensamento do aluno em funcionamento; que favoreça o pensamento e a análise crítica do aluno; que proponha situações em que os interesses possam emergir e o aluno possa atuar. Dispor de elementos/objetos/situações, isto é, dar condições para que o aluno tenha acesso a novos elementos, para possibilitar a elaboração de respostas aos problemas apresentados, superar a contradição entre sua representação e a realidade. Interativo, ou seja, que possibilite o acompanhamento da construção da solução do problema e representação do sujeito. Se o aluno tiver dificuldade na resolução de problemas, o ambiente deve possibilitar a

5 5 intervenção do professor o qual estabelecerá novas contradições entre a representação do aluno e os elementos do objeto não captados por ele. 2.3 Design Computacional Após a definição do design educativo do ambiente, a próxima etapa consiste na organização das atividades e nos recursos necessários para implementá-las visando criar um ambiente de ensino que promova a autonomia e a reflexão crítica do aluno. Etapa 4: Estruturação dos recursos do ambiente Para a realização desta etapa as seguintes atividades devem ser desenvolvidas: Levantamento dos recursos que serão necessários para a implementação das atividades interativas e colaborativas. Delimitando as atividades síncronas e assíncronas Elaboração da descrição de cada recurso utilizado, a partir da análise do potencial pedagógico e deixando claro seu objetivo. Organização destes recursos em categorias, de acordo com o objetivo. Definição das ferramentas de colaboração (chat, editores colaborativos, fórum etc.). Definição das ferramentas de informação e de acompanhamento do aluno (análise de login, mapa de navegação etc). Definição das ferramentas de comunicação (vídeo/teleconferência). Nesta etapa, é elaborada uma rede onde os nodos são as estratégias e a ligação entre nodos é obtida a partir das táticas, as quais são potencializadas pelos recursos do ambiente. O projeto da página web deve tornar evidente a rede constituída, assim como ter preocupações ergonômicas (cores, lay-out, navegação etc.) e com a interface. Etapa 5: Implementação do design educativo A implementação do design educativo consiste na definição da infraestrutura de software, isto é, definição de sistemas de computação, linguagem de programação, ferramentas, serviços da Internet e sistemas para gerenciamento do ambiente que serão utilizados. Esta fase de desenvolvimento do ambiente de aprendizagem deve ser feita a partir do projeto da página web descrito na etapa anterior. Esta fase deve ser acompanhada por profissionais da Ciência da Computação para identificar as características do ambiente como espaço físico, tipo de rede, conexão de computadores pessoais e acesso a Internet. O ambiente de aprendizagem baseado em tecnologias de informação e comunicação (C&IT) é um sistema aberto cuja interface usuário-sistema é baseada em hipertexto e elaborada a partir de uma linguagem de programação específica (HTML, Java, asp etc.) ou alguma plataforma de gerenciamento de curso como Aulanet[3], Learning Space[6] e Webct[10]. A interface do ambiente é constituída por uma página web que resulta da combinação de duas estruturas: a estrutura de apresentação ou programação visual da página que permite a navegação no ambiente e a estrutura de

6 6 armazenamento. Existe, basicamente, três tipos de estruturas de apresentação: hierárquica, seqüencial e hipermídia. Na estrutura hierárquica existem grupos de elementos, de um nível, cada um dos quais leva a outros grupos de elementos. Na estrutura seqüencial utiliza-se a metáfora de livro (livro eletrônico). Por sua vez, na estrutura hipermídia o usuário segue links que podem levar a outras páginas. A programação visual da página pode ser feita através de uma linguagem de formatação da informação, por exemplo HTML ou utilizando editores para criação de páginas web como: Frontpage, Dreamweaver, Composer etc. Após a implementação do design educativo deve ser feito a verificação e refinamento do ambiente através de testes. 3 Estudo de Caso Como exemplo de aplicação, apresentamos a modelagem da disciplina de Química Geral do curso de graduação em Engenharia Química, ênfase em Operação Petroquímica. Etapa 1: Definição do contexto Esta etapa do design educativo consiste na definição do contexto do ambiente ao qual será desenvolvido o curso: a) Público-alvo: técnicos em Análise Química b) Definição da área de conhecimento: Engenharia Química c) Definição da sub-área: Química Geral d) Definição dos objetivos: Conhecer as teorias de modelos atômicos. Apropriar-se do significado da classificação da tabela periódica. Investigar os principais tipos de ligações químicas. Analisar os tipos de soluções, os estados da matéria e as forças químicas intermoleculares. e) Definição do conteúdo: Conceitos Gerais Modelos Atômicos Distribuição eletrônica Tabela periódica, lei periódica e propriedades periódicas Ligação covalente, ligação iônica, ligação metálica Moléculas polares e apolares Forças de interação intermoleculares Estados da matéria Soluções Soluções líquidas e soluções sólidas Soluções iônicas, covalentes Propriedades coligativas Eletroquímica Estado de oxidação e reações redox Potencial do eletrodo Pilha (carga e descarga), pilha seca, pilha alcalina Baterias (acumuladores) Aplicação dos processos eletroquímicos: corrosão, meios corrosivos, proteção de superfície e acondicionamento. Leis da eletrólise. Figura 1: Programa da disciplina de Engenharia Química

7 7 Etapa 2: Definição das estratégias pedagógicas A etapa de definição das estratégias pedagógicas diz respeito a forma de conduzir as aulas; isto é, como será a intervenção pedagógica do professor dentro do curso. - Apresentação de textos (notas de aula) - Aplicação de exercícios a partir dos textos - Emissão de respostas comentadas dos exercícios - Proposição de experiências práticas em laboratório - Envio de material suplementar ao curso - Uso de ferramentas matemáticas Etapa 3: Definição das táticas A etapa de definição das táticas refere-se a forma de implementação de uma estratégia; esta etapa pressupõe a execução de atividades e ações. - Aprendizagem de conceitos através dos textos disponibilizados na página - Resolução de problemas através de exercícios - Realização de experiências práticas em laboratório - Discussão em grupo - Atendimento dos alunos para esclarecimento de dúvidas Estas táticas foram implementadas utilizando comunicação síncrona (através de videoconferência, telefone e chat) e assíncrona (através de correio eletrônico e lista de discussão); diferentes graus de interação(alta, média, baixa). Em especial, o grau de interação está relacionado a dinâmica da troca de ações entre aluno e ambiente. Sendo assim, quanto ao grau de interação temos: Alta interação Média interação Baixa interação Resolução de problemas Realização de experiências práticas em laboratório Participação no chat Participação na lista de discussão Consulta nos texto Participação em vídeo/teleconferência Tabela 1: Tabela das atividades em função do grau de interação Etapa 4: Estruturação dos recursos do ambiente Para por em prática o processo de interação entre docentes, alunos e monitores, foram utilizados os seguintes recursos: - Tecnologia de comunicação: vídeo e teleconferência - Correio eletrônico como forma de instrumento de mediação entre todos os envolvidos no curso. - FAQ, com o objetivo de informar sobre aspectos técnicos ao uso do sistema de computação e sobre aspectos teóricos referente ao curso. - Atividade síncrona: chat, recurso utilizado para criar um canal de comunicação entre os participantes do curso e para discussões gerais com um grupo de alunos. - Atividades assíncronas: apresentação de textos, questionários, Fórum

8 8 A comunicação assíncrona é desenvolvida em tempos diferentes entre professor, monitor e alunos, vinculada a um conteúdo previamente desenvolvido. Esta atividade é indicada para complementar a interação síncrona. Por exemplo, quando o aluno tem questões ou dúvidas a serem discutidas com o professor e deseja esclarecê-las através de , antes de compartilhar com os colegas. A discussão assíncrona é um meio para o aluno expor suas opiniões e fazer seus questionamentos sobre assuntos complementares ao contexto da aprendizagem. Um roteiro para a elaboração da página web a fim de comportar os recursos do ambiente é proposto a seguir. Parte aberta Administração da disciplina - Plano de curso (ou programa ou conteúdos programáticos) - Bibliografia - Horários (das atividades síncronas, exemplo: chat, videoconferência etc.) - Professor responsável (mapa hipertextual) Parte protegida Ensino Suporte administrativo - Ferramentas (exemplo: webct + manual, manual da biblioteca etc.) - Avaliação (publicação de notas) - Cronograma das aulas (mapa hipertextual) - Mural Aulas - Notas de aula - Exercícios - Trabalhos - Atividades de reforço - Avaliação (testes e pré-testes) - Material para leitura - Lista de perguntas mais freqüentes - Fórum - Biblioteca Central da PUCRS - Biblioteca Virtual - Biblioteca Digital Tabela 2: Roteiro para Elaboração da Página Web das Disciplinas Etapa 5: Implementação do design educativo A implementação do design educativo consiste na aplicação dos recursos definidos na etapa anterior. Além da definição das diretrizes ou métodos a serem utilizados no ambiente de aprendizagem. Esta etapa necessita de todo um aporte computacional, através de recursos e serviços de comunicação. Na experiência realizada pelo projeto OPP, os alunos ficam distribuídos em pontos de distantes onde existe uma infra-estrutura para recepção do sinal de vídeo ou na sala de aula onde a videoconferência está sendo transmitida No início do curso todos os alunos devem informar seu ou endereço eletrônico, constituindo dessa forma um instrumento de mediação entre todos os envolvidos no curso. Para aqueles que não possuem endereço eletrônico a equipe responsável pelo suporte ao curso cria uma conta de correio eletrônico para o referido aluno. Um dos recursos utilizados na disciplina foi a lista das perguntas mais freqüentes (FAQ). A FAQ é disponibilizada com o objetivo de informar sobre aspectos técnicos ao uso do sistema de computação e sobre aspectos teóricos referente ao curso. Esta lista tem como finalidade reduzir o tempo que o professor utiliza com esclarecimentos, e evitar que a resposta seja dada a apenas a um aluno, socializando a resposta para todos os alunos.

9 9 Para o acompanhamento do progresso do aluno o ambiente possui listas de exercícios, onde são corrigidos automaticamente e oferecidos em oportunidades regulares. Esta correção automática possibilita uma espécie de diagnóstico automatizado, oferecendo ao professor uma forma de analisar o desempenho do aluno durante o curso. Este acompanhamento on-line pode ser uma das vantagens do modelo à distância, A partir dos testes o professor pode acompanhar o desempenho do aluno passo-a-passo e identificar aqueles alunos que estão com dificuldades. Além disso, dificilmente no modelo presencial teríamos um diagnóstico do aluno de forma tão imediata. Tradicionalmente, os exames são marcados pelo professor, realizados em datas pré-definidas e corrigidos pelo professor quase sempre no final do curso. Os testes realizados pelos alunos no modelo à distância são mais flexíveis, isto significa que os alunos podem realizar tais testes de acordo com o seu ritmo individual, em consonância com as suas necessidades e interesses. Os alunos têm liberdade para rever os testes e analisar quais forma as suas dificuldades. Além de servir como instrumento de auto-avaliação do aluno, a execução automática dos testes permite ao professor organizar pequenos tutoriais e grupos de discussão para os alunos com dificuldades. As ferramentas de comunicação utilizadas nos ambientes de aprendizagem à distância são recursos imprescindíveis para criar um canal de comunicação entre os atores do curso e para anunciar assuntos ou discussões gerais para o grupo de alunos. A atividade desenvolvida em tempo real, deve ser feita a partir da delimitação de um domínio de conhecimento ou conteúdo previamente abordado. Para esta atividade é importante o planejamento dos encontros via chat a fim de possibilitar a interação direta aluno professor. Durante as interações síncronas, o professor tem o papel de facilitador e problematizador, o aluno de agente co-participativo desta interação e o monitor tem o papel de apoio. Esta atividade é na maioria das vezes realizada no momento que ocorre a aula, onde os alunos podem interagir com o professor e a partir dessas interações aperfeiçoar a aprendizagem. O papel do professor é essencial para estabelecer o controle e negociação no ambiente. Todas as ferramentas de comunicação e serviços da internet descritas acima foram implementados no ambiente WebCT [10]. A escolha do ambiente WebCT deu-se por vários motivos, trata-se de um ambiente de fácil criação de cursos Web sem a necessidade do desenvolvedor possuir conhecimentos de programação. O WebCT não somente produz cursos para a WWW, mas também provê uma grande variedade de ferramentas e funcionalidade que podem ser adicionadas a um curso. Tais ferramentas incluem um sistema de conferência, chat, ferramenta de acompanhamento do progresso dos estudantes, distribuição de notas, controle de acesso, ferramentas de navegação, testes de múltipla escolha, correio eletrônico, geração de índice automático, calendário de curso, homepage dos estudantes, pesquisa no conteúdo do curso, etc. 4 Considerações Finais Segundo Medeiros [11], a construção de ambientes em Educação a Distância na PUCRS Virtual/PUCRS busca promover experiências de aprendizagem que descentrem do paradigma já internalizado, centrado na figura do professor para a aprendizagem do aluno. Sendo assim, para a modelagem destes ambientes torna-se necessário a organização prévia das atividades, desde preocupações com o design educativo

10 10 até a implementação e avaliação pelos alunos. Os elementos que compõem o ambiente necessitam estar correlacionados, formando uma rede onde deve ser possível a produção/ilustração de conceitos, a experimentação de hipóteses, a agilização de tarefas e onde existe incentivo a interação social. A modelagem do ambiente do projeto OPP mencionada neste artigo encontra-se em fase de desenvolvimento e continuamente tem sido refinada para atender às necessidades do curso à distância. Esta modelagem é suficientemente flexível para adequar-se tanto na área de ciências exatas quanto humanas. O projeto OPP foi submetido ao MEC para apreciação. Ele é o primeiro curso de graduação em Engenharia Química à distância do Brasil. O diferencial desta proposta está na topologia definida a partir da articulação de estratégias e táticas, onde o professor desempenha múltiplos papéis enquanto estimulador e provocador em ambientes que utilizam mídias integradas. 5 Referência bibliográfica [1] Andrade, A. F.; Beiler, A, Bacelo, A T; Mora, M. C. Capacitação De Professores Para Educação À Distância: Algumas Constatações Óbvias Depois Que Você Passa Por Elas. Anais Do Congresso Da Sociedade Brasileira De Computação, Wie 2000, Curitiba-Pr, Julho De [2] Bacelo, A T.; Andrade, A. F. ; Mora, M.C.; Jacques, P. A. Um Modelo De Gestão De Turmas Virtuais No Contexto De Universidade Virtual. Wise 99- International Workshop On Virtual Education Fortaleza, Ceará. Brasil, 09 A 11 De Dezembro De [3] Crespo, S. Aulanet TM: Uma Ferramenta Para Desenvolvimento De Cursos À Distância. Anais Do XIX Congresso Nacional Da Sociedade Brasileira De Computação, Julho, 1999 [4] Fuks, H. Aprendizagem e trabalho cooperativo no ambiente AulaNet. Revista Brasileira de Informática na Educação, n.6, abril pp [5] Laaser, W. Desenho. produção e avaliação de software educacional. In: Tecnologia Educacional, v.22 (123/124), mar/jun [6] LEARNING SPACE. Lotus Learning Space. Instructor Guide. Lotus Development Corporation. Cambridge. USA, [7] McCormack, C.;Jones, D. Building a Web-Based Education System. John Wiley & Sons, Inc., [8] Santos, N. Estado da arte em espaços virtuais de ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação, n.4, abril pp [9] Vasconcellos, C.D. Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo, Ed. Libertad, [[10] WEBCT. Web Course Tools. Extraído de /webct.html [[11] Medeiros, M.F. A produção de um ambiente de aprendizagem em Educação a Distância com uso de mídias integradas: A PUCRS Virtual. (no prelo) [[12] Piaget, J. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense, 1969.

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL

REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL Adja F. de Andrade 1 Beatriz Franciosi Adriana Beiler 2 Paulo R. Wagner Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça 1 O Instituto COPPEAD: O Instituto COPPEAD oferece o curso de especialização

Leia mais

O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem

O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem Dr. Rubem Mário F. Vargas - engenharia- rvargas@pucrs.br Dra Marilú F.Medeiros - educação- marilu@pucrs.br Dra Maria Bernadette P.Herrlein - educação-

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil

Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil ARTIGO Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil AUTORES Vera Lúcia Garcia Dra. em Distúrbios da Comunicação Humana

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

Manual do aluno online

Manual do aluno online Manual do aluno online Os 10 mandamentos do aluno de educação online 1 1. Acesso à Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é prérequisito para a participação nos cursos

Leia mais

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Maio 2008 Conteúdo 1 Primeiros passos...4 1.1 Tornando-se um usuário...4 1.2 Acessando o ambiente Moodle...4 1.3 O ambiente Moodle...4 1.4 Cadastrando-se

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR

FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR MANUAL DO TUTOR EAD Facinter SUMÁRIO Assuntos 1. Introdução 2. O que é o tutor na Facinter Páginas 04 05 3. A importância do trabalho do tutor no processo de educação

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO Avenida Cel. Antonio Esteves nº 01. Campos da Aviação. Cep 27.523.000. Resende-RJ. Tel/Fax: (24) 3383-9000

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO Avenida Cel. Antonio Esteves nº 01. Campos da Aviação. Cep 27.523.000. Resende-RJ. Tel/Fax: (24) 3383-9000 ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO Avenida Cel. Antonio Esteves nº 01. Campos da Aviação. Cep 27.523.000. Resende-RJ. Tel/Fax: (24) 3383-9000 www.aedb.br Prezado (a) Aluno (a) Sejam bem-vindos as disciplinas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Mônica Mota Tassigny Professora doutora da Universidade de Fortaleza, UNIFOR, Brasil 1. INTRODUÇÃO Numa sociedade mundial, na qual

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação

Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação Projeto do Curso de Especialização em Informática na Educação - Modalidade a Distância Coordenação FACULDADE DE INFORMÁTICA - FACIN Profa. Dr. Adriana Beiler FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Profa. Msc. Sônia

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial.

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Nos programas e cursos da Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (EAD/ ENSP), a formação dos profissionais

Leia mais

GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE

GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE UNIASSELVI-PÓS Programa de Pós-Graduação APRESENTAÇÃO Seja bem-vindo ao programa de pós-graduação UNIASSELVI-PÓS! Aqui você encontra, de forma simples e ágil, todas as orientações

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs.

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs. ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs.br * Anamaria Lopes Colla acolla@pucrs.br Marco Aurélio Souza Mangan * mangan@inf.pucrs.br

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul ANEXO I MANUAL DE ALTERAÇÃO DE PPCs DE CURSOS SUPERIORES

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso:

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO

CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO 1 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS 03 QUEM PODE FAZER O CURSO DE EJA A DISTÂNCIA 04 MATRÍCULA 04 COMO FUNCIONA 05 CALENDÁRIO DOS CURSOS 06 AVALIAÇÃO E CRITÉRIOS

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Gerência da tutoria - o diferencial em uma plataforma on-line Luiz Valter Brand Gomes* Rosângela Lopes Lima* Filipe Ancelmo Saramago* Rodrigo Telles Costa* Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. CENÁRIO PROFISSIONAL 3. CONCEPÇÃO DA APRENDIZAGEM E METODOLOGIA 4. ESTRATÉGIAS

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 Página 1 Índice Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 O QUE É EDUCAÇÃO A DISTANCIA (EAD)?... 4 O que é necessário para estudar em ead?... 4 Quais são as vantagens de estudar a distância?...

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

Planejamento de Atividades a Distância em Cursos Presenciais

Planejamento de Atividades a Distância em Cursos Presenciais Planejamento de Atividades a Distância em Cursos Presenciais Ricardo Carvalho Rodrigues Faculdade Sumaré Duração: 6 horas Planejamento de Atividades a Distância em Cursos Presenciais Ricardo Carvalho Rodrigues

Leia mais

VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL

VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL VI@CALCULO: CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ERA DIGITAL Diogo Israel Schwanck (1) Bárbara Bernardine Almeida da Silva (2) Liara Aparecida dos Santos Leal (3) Resumo O presente trabalho

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Unidade 4: Planejamento de aulas virtuais síncronas

Unidade 4: Planejamento de aulas virtuais síncronas Unidade 4: Planejamento de aulas virtuais síncronas 1 Coordenação Prof. Dra. Sílvia Dotta Autores Prof. Érica Jorge Prof. MsC. Paulo Aguiar Colaboração Prof. Dra. Juliana Braga PACC Programa Anual de Capacitação

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA

ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA ATIVIDADE WEBQUEST COMO ABORDAGEM DIDÁTICA Renato dos Santos Diniz renatomatematica@hotmail.com Adelmo de Andrade Carneiro adelmomatematico@yahoo.com.br Wesklemyr Lacerda wesklemyr@hotmail.com Abigail

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Educação EAD: Sem fronteiras (?)

Educação EAD: Sem fronteiras (?) Educação EAD: Sem fronteiras (?) Laila Maria Oliveira Silva Luiza Carolina Lucchesi Barbosa Mariana Damasceno Rocha F de Albuquerque Resumo: A modalidade EAD (Educação a Distância) surgiu com a intenção

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ A FUNCEX E O ENSINO A DISTÂNCIA Milhões de pessoas aderiram ao Ensino a Distância no Brasil, e a Funcex, acompanhando esta tendência, desenvolveu sua plataforma de ensino para disponibilizar os treinamentos

Leia mais

Formação docente em serviço para o ensino presencial e a distância. Estudo de caso da UnisulVirtual

Formação docente em serviço para o ensino presencial e a distância. Estudo de caso da UnisulVirtual Formação docente em serviço para o ensino presencial e a distância. Estudo de caso da UnisulVirtual Linhas de ação Cursos a distância - Graduação, Pós- Graduação e Extensão; Disciplinas a Distância DAD

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

1. Apresentação. 2. Objetivos

1. Apresentação. 2. Objetivos 1. Apresentação Os cursos de atualização/capacitação de docentes do SENAI têm como função principal preparar profissionais para o exercício da docência na educação profissional e tecnológica, prevendo

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

MANUAL DO ALUNO MOODLE

MANUAL DO ALUNO MOODLE MANUAL DO ALUNO MOODLE 1. Primeiros passos 1.1. Tornando-se um usuário No ambiente Moodle alunos e tutores são usuários do sistema. Assim, o primeiro passo, para todos, é tornar-se usuário. Este manual

Leia mais

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012 REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO Porto Nacional TO Maio 2012 Categoria: Métodos e Tecnologia Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA: uma experiência de capacitação de professores

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA: uma experiência de capacitação de professores INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA: uma experiência de capacitação de professores PADILHA, Maria Auxiliadora Soares, Faculdades Integradas da Vitória de Santo Antão Vitória de Santo Antão, PE apadilha@faintvisa.com.br

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a

A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet. Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a A INTERATIVIDADE EM AMBIENTES WEB Dando um toque humano a cursos pela Internet Por Carolina Cavalcanti * Os avanços tecnológicos de nosso mundo globalizado estão mudando a maneira que nossa sociedade está

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

O MUNDO MUDOU. #fato

O MUNDO MUDOU. #fato DO GIZ AO BYTE O MUNDO MUDOU #fato Sociedade da Informação Informação como recurso estratégico Uso intensivo das TIC Interação digital Diversas formas de fazer as mesmas, ou novas coisas Qual é a sua?

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

Avaliação Institucional das Atividades de EaD

Avaliação Institucional das Atividades de EaD Avaliação Institucional das Atividades de EaD Introdução A autoavaliação dos cursos de graduação educação a distância é essencial para o controle e garantia dos serviços prestados a sociedade. Assim, a

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais