O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO:"

Transcrição

1 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS 1 Brazilian Psychiatric Reform on Globalization Era: Challenges and Perspectives Lúcia Abelha 2, Letícia Fortes Legay 3, Giovanni Lovisi 4 RESUMO Este estudo analisa as influências da globalização no sistema de saúde brasileiro e no setor de saúde mental, diretamente subordinado ao sistema de saúde em geral. É nesse contexto que a reforma psiquiátrica brasileira deve ser discutida. O Brasil ainda está distante de uma assistência comunitária como a que já está em andamento em outros países. O avanço da ideologia neoliberal e da globalização tende a agravar, principalmente, a situação dos pacientes crônicos. A lógica de mercado nos sistemas de saúde, representada pelo managed care, exige uma política de resultados, baseada em evidências de eficácia, o que é muito difícil de ser objetivado no campo da saúde mental. Uma verdadeira reforma psiquiátrica não pode estar desvinculada da formulação da política geral de saúde e deve ser baseada na discussão ética das dificuldades e necessidades dos indivíduos com transtornos mentais. PALAVRAS CHAVE Reforma psiquiátrica, desinstitucionalização, globalização, managed care ABSTRACT The present paper shows the globalization process and its influence in the Brazilian Health Sytem and psychiatric reform. The mental health care in the community, which is ongoing in many countries, is just beginning in Brazil. The neoliberal ideology and globalization tend to worse psychiatric patients situation. Despite the fact that managed care intends to obtain outcomes and efficacy evidences, this task is so difficult to achieved in the mental health System. Then, the psychiatric reform can be better understand under the health policy formulation, requiring ethical discussions about the difficulties and needs of the psychiatric patients. KEY WORDS Pychiatric reform, deinstitutionalization, globalization, managed care 1 Este artigo é parte da tese de doutorado A Reforma Psiquiátrica e a Globalização: Perspectivas da Desinstitucionalização Psiquiátrica no Brasil. Lúcia Abelha Lima. ENSP/FIOCRUZ, Psiquiatra, Pesquisadora do Núcleo de Pesquisas do IMAS Juliano Moreira. Doutora em Epidemiologia Psiquiátrica ENSP/FIOCRUZ. Estrada Rodrigues Caldas 3400 Rio de Janeiro CEP: Epidemiologista, Professora Adjunta, Núcleo de Estudos de Saúde Coletiva/UFRJ. Doutora em Saúde Pública/Fac. Saúde Pública/ USP 4 Psiquiatra, Doutor em Saúde Pública - Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Oswaldo Cruz. C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

2 L ÚCIA ABELHA, LETÍCIA FORTES LEGAY, GIOVANNI LOVISI 1. INTRODUÇÃO No início do século, o número de habitantes mundial era de 1 bilhão de indivíduos e atualmente é de aproximadamente 6 bilhões. O rápido avanço tecnológico na área de atenção à saúde chegou a um ponto em que nenhum país, mesmo os mais ricos, tem condições de oferecer todos os recursos potencialmente disponíveis para todas as pessoas. Hoje a questão principal não é mais a de eficiência técnica - oferecer os recursos mais avançados a todos os usuários que necessitem - mas a da eficiência alocada - racionalização e priorização de ações em áreas determinadas. Trata-se muitas vezes de escolher entre o bem estar de dois indivíduos (Williams, 1988). Na área de saúde mental, tem sido uma preocupação adequar as necessidades específicas do atendimento ao doente mental na comunidade a uma política baseada na filosofia da assistência gerenciada (managed care) e justificar investimentos, muitos deles sociais Residências Terapêuticas - no setor (Raftery, 1992). É cada vez maior a importância das associações de auto-ajuda e das associações de familiares, de usuários e de profissionais que atuam influenciando as leis e as políticas relacionadas à saúde mental. (Smith, 1997). O Brasil é um país de grandes desigualdades. O movimento dos sem-teto e dos sem-terra avança, denunciando a crise econômica e a falta de respostas do governo aos problemas sociais enquanto se submete aos ditames de uma política econômica internacional desfavorável e globalizada. O exército dos excluídos é engrossado por minorias que não rendem e não interessam, entre eles os doentes mentais graves. Os problemas sociais são gravíssimos e se misturam a problemas de ordem psiquiátrica, em uma sociedade onde é alto o risco de psiquiatrização da miséria ao mesmo tempo em que o aprimoramento dos recursos de intervenção que garantam um processo de desinstitucionalização responsável, não é prioridade governamental. Como conciliar as necessidades sociais da política comunitária de saúde mental com a política econômica do neoliberalismo? Quais as perspectivas do processo de reforma psiquiátrica no Brasil na era da globalização? 2. GLOBALIZAÇÃO A globalização é um processo de integração de capitais, Estados e fluxo de informações que, entretanto, não vem sendo capaz de 10 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25, 2004

3 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS universalizar a equidade, a justiça, o bem-estar e a participação dos indivíduos nos destinos da humanidade (Abreu, 1995). O êxito inicial do neoliberalismo em alguns países do primeiro mundo foi baseado na fragilização dos pactos sociais democráticos que tornaram viáveis o surgimento do welfare state, que é uma realidade até a década de 70. A partir de então, um outro processo econômico, o neoliberalismo começa a avançar por todo o mundo. Os principais atores que defenderam e garantiram sua instalação (sindicatos, partidos políticos, etc.), já não apresentam a mesma força anterior. Tudo que possa impedir e restringir a liberdade do capital é desmantelado pela ideologia neoliberal. O neoliberalismo provoca definitivamente o divórcio, dos compromissos sociais duramente conquistados através desse século, entre a necessidade de produzir e a necessidade social do trabalho. O contraditório se estabelece e o abismo entre pobres e ricos aumenta. O mercado global adquire um tamanho e uma volatilidade jamais observada na história do capitalismo. Para crescer, o país necessita de investimento estrangeiro, e para que isto aconteça deve se ajustar às regras dos banqueiros internacionais. A globalização pode produzir o bem ou o mal das economias nacionais quase instantaneamente. (Arruda & Boff, 2001). No mercado globalizado, um produtor compra matéria prima onde é mais barata, fabrica onde a mão de obra é menos organizada, aproveita as vantagens das brechas fiscais e vende em mercado mais lucrativo. Surge um mercado único, impulsionado pelo avanço tecnológico e da informática, aumentando de forma alucinante a velocidade da comunicação de dados, do transporte e da distribuição de bens (Fisher et al., 1992). As economias nacionais perderam sua importância absoluta e a economia se internacionalizou. O sistema de crédito não é mais controlado pelos bancos nacionais. No passado as grandes decisões econômicas estavam nas mãos do governo, hoje estão nas mãos das empresas. A globalização criou uma contradição estrutural: Mercado x Estado. O Estado, marcado pela privatização, perde capital, pagando juros e salvando empresas. As receitas públicas diminuem, restringindo conseqüentemente o investimento no welfare state. C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

4 L ÚCIA ABELHA, LETÍCIA FORTES LEGAY, GIOVANNI LOVISI Para ser competitivo, o país precisa de uma força de trabalho educada e treinada, que se adapte à nova realidade. Os países em desenvolvimento fazem suas reformas educacionais segundo a orientação do capital internacional. Atende ao que o Banco Mundial estabelece como viável para os países pobres: redução de custos, necessidade de equidade e aumento de competitividade. (Lampert, 1998). O Human Development Report (ONU, 1999) mostra que a globalização aumentou as desigualdades sociais. O relatório diz que 1/5 da população mundial detém: 86% do PIB; 82% dos mercados de exportação 62% dos investimentos diretos estrangeiros 74% das linhas telefônicas. Ao lado do enorme benefício conseguido com o avanço tecnológico e a rapidez da comunicação, na globalização, ouve um aumento vertiginoso da miséria nos países que não possuem acumulação interna de capital, conhecimento tecnológico, ou qualquer base industrial, como é o caso de grande parte da Ásia, da África e da América Latina. Com certeza, a globalização oferece enormes oportunidades para o avanço da humanidade e nunca o progresso tecnológico foi tão veloz. Entretanto a desigualdade vem crescendo em muitos países desde o início da década de 80 (Arruda & Boff, 2001). Segundo o relatório do PNUD (2003), o PIB per capita dos 10% mais ricos é 32,93 vezes maior do que a dos 40% mais pobres e os 20% mais pobres ficam com 1.9% da renda, enquanto que os 20% mais ricos ficam com 67,11%. Com a difusão do pensamento neoliberal e o avanço da globalização, a filosofia do gasto controlado, otimizando o atendimento nos serviços de saúde, muitas vezes em prejuízo da qualidade, vem sendo a tônica hegemônica do discurso oficial, mesmo nos países com a medicina socializada (McPake & Mills, 2000). 3. A CRISE NOS SISTEMAS DE SAÚDE Nos países desenvolvidos, a crise geral do estado e a hegemonia neoliberal, na década de 80, acarretaram mudanças profundas no setor saúde. 12 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25, 2004

5 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Essas mudanças foram difundidas e estimuladas pelos organismos internacionais - como a OECD e o Banco Mundial. A crise dos sistemas de saúde em geral, nessa década, aconteceu principalmente devido ao aumento do gasto sanitário (Almeida, 1997). O discurso neoliberal pregava as reformas como inevitáveis e as exigências macroeconômicas eram a contenção dos custos e o controle do crescimento do défit público. O efeito real das políticas de contenção de custos e da reforma sanitária tem sido a exacerbação do estrito controle estatal - e do setor privado nos EUA - tanto a macro como a micro nível de desempenho dos serviços de saúde e da autonomia profissional, o que se constitui em um paradoxo da intervenção neoliberal que prega a livre concorrência de mercado (Almeida, 1997; Enthoven & Kronick, 1989; Fiori, 1992). Na América Latina, neste mesmo período, observou-se uma queda no gasto público destinado aos sistemas de serviços de saúde, a partir da crise fiscal, particularmente em relação ao investimento em infraestrutura, com significativas conseqüências na deterioração dos serviços financiados com recursos públicos. No final dos anos 80, com o objetivo de aliviar as pressões sociais contra as políticas de ajuste estrutural patrocinadas pelo FMI, o Banco Mundial criou um fundo e anunciou sua entrada ativa no processo de reformulação das políticas setoriais. O documento Financing Health Care: an agenda for reform (Banco Mundial, 1989) enquadrava o financiamento das reformas sanitárias no elenco de condições negociadas nas bases dos ajustes econômicos, isto é, advogava a diminuição do papel do Estado e a superioridade do mercado no financiamento e na oferta de serviços de saúde (Almeida, 1995). A discussão sobre o financiamento do sistema, ou seja, se este deve ser público ou privado, permanece como pano de fundo nas discussões. Assistimos a uma gradativa privatização da saúde, com o desmantelamento do setor público, fruto da falta de investimento do governo nas diversas formas de assistência à saúde, e a um avanço dos seguros saúde como forma de garantia de um melhor atendimento. Isso é particularmente grave em países da periferia como o nosso (Pardes et al., 1979; Fisher et al., 1992; Mushell, 1996). O setor de saúde mental é diretamente subordinado ao sistema de saúde em geral, e a qualidade do atendimento em seus serviços depende C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

6 L ÚCIA ABELHA, LETÍCIA FORTES LEGAY, GIOVANNI LOVISI diretamente das regras de financiamento estabelecidas. Em função da crise fiscal nos sistemas de saúde, os pacientes dependentes de seguros saúde têm seus benefícios reduzidos. E mais grave ainda, os pacientes psiquiátricos crônicos freqüentemente não são segurados, portanto, é mais provável que dependam do setor público (Minkin et al.,1994). Diversos países da Europa e os EUA efetuaram uma mudança radical na assistência à saúde mental a partir da década de 60. Grande parte dos pacientes psiquiátricos foram desinstitucionalizados, passando a ter prioridade o tratamento na comunidade. O desenvolvimento da reforma psiquiátrica e os problemas enfrentados, em maior ou menor grau, em diversos países, variam de acordo com a política de saúde mental vigente em cada um deles (Glover & Petrila, 1994). Na Inglaterra, o National Health Service (NHS) garante um acesso geral e igualitário ao sistema, sendo a implementação das várias modalidades de atendimento (de ambulatórios a cirurgias), responsabilidade financeira do governo (Rogers & Pilgrim, 2001). Já nos EUA, vigora o sistema de seguro saúde, inserido em uma economia de mercado, pouco regulado pelo governo, combinando o atendimento ao tipo de seguro do paciente. Este quadro é agravado pela pouca cobertura oferecida pelas várias seguradoras aos pacientes com distúrbios mentais (Marcos, 1989; Sharfstein et al., 1993). Nos países da Europa ocidental, em geral, embora a maioria dos países tenha o sistema baseado em seguros saúde, estes são regulados pelo governo e oferecem um nível razoável de acesso. No Brasil, a discussão da reforma psiquiátrica vem perigosamente aliada a uma prática de fechamento de leitos, principalmente públicos, sem que se ofereçam alternativas reais de atendimento comunitário aos pacientes (Lima & Teixeira, 1994). 4. ASSISTÊNCIA MÉDICA GERENCIADA (MANAGED CARE) A assistência médica gerenciada pode ser definida como a maneira pela qual uma organização assume a responsabilidade por todos os cuidados de saúde necessários a um indivíduo em troca de um pagamento determinado, ou como um conjunto de técnicas oferecidas por custo limitado e qualidade crescente. Procura obter os máximos resultados aos menores custos, tendo como limite esses últimos. O Banco 14 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25, 2004

7 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Mundial acredita que a assistência médica gerenciada tem muito a oferecer e muitas organizações americanas especializadas em managed care já operam fora dos EUA (Smith, 1997). Nenhum sistema de saúde é estável e, no mundo desenvolvido, os limites do welfare state estão sendo rompidos, exaurindo os métodos tradicionais de contenção de custos e experimentando uma demanda e uma sofisticação crescentes. Os governos têm cada vez menos disponibilidade para investimento no setor social. Estamos, portanto, disputando palmo a palmo parcas verbas de investimento público (Fassin & Jeanée, 1994). Mesmo países como a Inglaterra, com sistema de saúde universalizado e hierarquizado (NHS) vivem a pressão do managed care, já tendo sofrido alterações que procuram otimizar, do ponto de vista econômico, o atendimento (Robinson, 1996). O avanço da globalização e a filosofia da assistência médica gerenciada vêm exigindo um esforço das autoridades de saúde no sentido de apresentar resultados que justifiquem o investimento financeiro nos diversos programas de saúde, tanto no Brasil como em outros países, ao mesmo tempo em que incentivam cortes na área dos programas sociais. A globalização permite uma rapidez na comunicação e portanto um avanço extraordinário na troca de recursos tecnológicos, mas por outro lado, produz um contingente cada vez maior de excluídos, sem nenhuma possibilidade de acesso a esses recursos (Fiori, 1992; Tyrer, 1998; Weil, 1991). No Brasil, embora se tenha um sistema nacional de saúde (SUS) - sistema estatal, descentralizado e formalmente com garantia universal de acesso - criado desde 1989, na prática ele está longe disso; convive-se com um sistema que mistura assistência pública com seguro saúde, ambos permanentemente em crise, com preponderância do setor privado. Em 1993, cerca de 73% dos gastos públicos com saúde foram investidos na compra de serviços do setor privado (Cohn, 1994; Lima & Teixeira, 1994). As seguradoras de saúde privadas dominam cada vez mais o mercado brasileiro, abrangendo hoje cerca de 30 a 35 milhões de pessoas. Esse mercado cresce na mesma proporção em que o atendimento no setor público se deteriora, afastando-se cada vez mais da filosofia inicial C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

8 L ÚCIA ABELHA, LETÍCIA FORTES LEGAY, GIOVANNI LOVISI do SUS, na qual o setor privado atuaria de forma complementar (Faveret & Oliveira, 1990). O sistema de saúde com o qual convivemos atualmente no Brasil, embora em teoria se assemelhe bastante ao NHS inglês, na prática vem cada vez mais, e de forma assustadora diante de nossa realidade social, assemelhando-se ao sistema de saúde dos EUA. 5. A REFORMA PSIQUIÁTRICA A política da assistência médica gerenciada apresenta-se como uma ameaça velada à qualidade da assistência comunitária ao doente mental. (Dauncey, 1992; Fogel, 1993). É um fenômeno que vem dominando o mercado médico, privado e público e afetando profundamente o curso e a distribuição dos serviços de saúde. As novas propostas de distribuição de serviços, que podem ser vistas como um efeito colateral do managed care, precipitaram várias questões éticas relacionadas à qualidade de atenção e qualidade de vida dos pacientes (Bachrach, 1995). Um dentre os mais graves efeitos colaterais é a transferência de pacientes clinicamente instáveis e que precisam de cuidados emergenciais de um hospital clínico para outro psiquiátrico, por motivos econômicos, é conhecido como dumpping (Lazarus, 1994). Os pacientes que não têm seguro saúde são os que têm mais probabilidade de sofrerem dumping. Os pacientes psiquiátricos têm este risco particularmente aumentado por terem uma alta incidência de doença clínica concomitante, e o setor público é o alvo preferido para transferências. Outra questão ética importante, diz respeito às internações involuntárias. Em um sistema de saúde como o americano, muitas vezes é criado um conflito entre o julgamento clínico do provedor e o interesse financeiro do pagador (Petrila, 1995). Pacientes mais resistentes ao tratamento podem ainda não apresentar melhoras do quadro psiquiátrico quando o limite do prazo de internação de seu plano de saúde terminar, provavelmente receberão alta mesmo assim, e o possível efeito terapêutico de sua internação involuntária será nenhum. Da mesma forma, a responsabilidade pelo tratamento do paciente pode ser transferida para outro serviço, provavelmente para o setor público, se este for considerado um paciente caro ou difícil. 16 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25, 2004

9 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Em todas as definições de assistência médica gerenciada estão implícitos os objetivos: 1. Conter custos; 2. Limitar o acesso e a escolha pelo paciente a uma rede definida de serviços de saúde; 3. Negociar compensações para os provedores; 4. Assegurar a viabilidade e responsabilidade do sistema de saúde. O tratamento do paciente crônico representa um dos maiores desafios para as reformas no setor de saúde mental. O distúrbio mental crônico é um tipo de distúrbio que requer intervenção contínua e as deficiências persistentes requerem suporte social e cuidados do serviço social. Num sistema de saúde que disputa financiamentos escassos, é importante observar como estas reformas afetam estes doentes. No passado, a inadequada destinação de recursos para esta população se baseava na falsa crença de que não havia esperança de mudança significativa na qualidade de vida destes pacientes. Atualmente, os avanços na área dos psicofármacos e na área de reabilitação psicossocial têm demonstrado que esse pessimismo não procede (Lamb & Peele, 1984). O desenho e a avaliação de qualquer proposta de financiamento no setor de saúde deve considerar o quanto esta proposta contempla as necessidades dos doentes mentais crônicos. Os cuidados com a saúde dessas pessoas se modificaram bastante nas últimas décadas, de maneira que eles têm hoje um tipo de assistência que envolve Residências Terapêuticas, acompanhamento de casos (case management), núcleos de atenção diários (CAPS, NAPS, hospitais dia) e outros serviços auxiliares. A assistência médica gerenciada teria, entretanto, alguns aspectos positivos como a inovação observada nos novos padrões de prática, a aliança entre provedores, assim como uma maior participação dos pacientes nas decisões de tratamento. Um de seus principais aspectos positivos foi o aumento do conhecimento a respeito da necessidade de critérios válidos para o encaminhamento dos pacientes e para a avaliação dos resultados, assim como da necessidade de medidas realistas sobre a qualidade da atenção prestada e da qualidade de vida dos pacientes. C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

10 L ÚCIA ABELHA, LETÍCIA FORTES LEGAY, GIOVANNI LOVISI Em outras palavras, permitiu a ordenação de dados para planejar melhor a assistência aos doentes mentais. Como poderiam indivíduos que necessitam de atenção contínua, especialmente aqueles que estiveram tradicionalmente sob a responsabilidade do setor público, ser tratados nestas novas condições? A experiência com as organizações de managed care (como as HMO americanas) demonstrou claramente que os provedores que trabalham sob o sistema de capitação têm fortes incentivos para racionalizar os cuidados, transferindo a responsabilidade dos pacientes mais caros para o setor público. Pessoas com doenças graves, tanto físicas como mentais, têm um maior risco de exclusão nos serviços essenciais de um sistema de saúde baseado na competição gerenciada (Koyanagi et al., 1993). Apesar de ser um conceito forjado no setor privado, o setor público cada vez mais se interessa por ele. Este interesse acontece principalmente em função do aumento da demanda de serviços, da diminuição dos recursos públicos a serem gastos no setor social e na fragmentação dos serviços de saúde que acompanhou a transferência do atendimento centrado no hospital para o atendimento na comunidade. O managed care, no setor público de saúde mental, pode ser definido como a organização de uma distribuição de serviços acessível e responsável, desenhada para consolidar e flexibilizar recursos, assim como disponibilizar serviços de saúde mental abrangentes, contínuos, custo-efetivos e eficientes para determinados indivíduos em suas casas na comunidade (Hoge et al., 1984). Nos últimos 30 anos, com o movimento de desinstitucionalização psiquiátrica, o atendimento aos pacientes foi se deslocando do hospital para a comunidade nos países desenvolvidos. Em alguns, como na Inglaterra, esse movimento se deu de forma gradual e baseada em um desenvolvimento consistente de alternativas à internação. Em outros, como nos EUA, a desospitalização foi radical, provocando alguns efeitos colaterais graves como o surgimento de grandes percentuais de doentes mentais entre os homeless (Rossi et al., 1987; Roth & Bean, 1986). Além disso temos observado o desenvolvimento crescente de uma atenção psiquiátrica dominada por gerentes, em sistemas de saúde cada vez mais dominados por forças de mercado. Embora a transferência dos cuidados para a comunidade tenha sido inicialmente motivada por 18 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25, 2004

11 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS questões clínicas e sociológicas, agora parecem ser basicamente motivadas por questões financeiras (Tyrer, 1998). A maior parte dos recursos na área de saúde mental é consumida pelo tratamento hospitalar. Em tempos de restrição econômica, quando é difícil conseguir recursos para novos investimentos, é natural que os gerentes vejam com simpatia a transferência de recursos dos hospitais para a comunidade. Entretanto, quando outras questões são levadas em conta nos cálculos de custo do tratamento na comunidade, tais como a maior demanda de pacientes graves em relação às equipes comunitárias e o maior custo da assistência a este grupo, embora pequeno, de pacientes, a vantagem financeira da assistência comunitária desaparece (Hafner, 1987). Desta forma, em um mercado cada vez mais competitivo, o planejamento das ações de saúde fica cada vez mais distanciado do profissional que atua na ponta do sistema, diretamente em contato com o paciente, e passa a ser definido por gerentes nem sempre afinados com as reais necessidades dos pacientes. Alguns aspectos do managed care, embora não sejam previstos ou planejados, têm o potencial de influenciar a vida dos pacientes crônicos. Esses pacientes têm menos oportunidades no dia-a-dia,, tendo mais chances de se tornarem sem-teto e são mais vulneráveis ao fracasso profissional, ao suicídio e a eventos catastróficos. Além do mais, dependem de alternativas mais complexas de atendimento na comunidade, como residências protegidas, programas de reabilitação psicossocial e suporte social adequado, o que significa aumento de custos. Segundo Sabin (1997), em um mundo perfeito a sociedade seria rica o suficiente para prover cuidados de saúde a todos e nós não seríamos obrigados a definir prioridades e fazer escolhas difíceis pela racionalização. Os problemas devem ser discutidos abertamente e não podem ser evitados. A verdadeira questão é como conduzir este processo de forma ética em um sistema que propõe uma prática baseada em evidências (evidence-based). No Brasil surge, no final da década de 70, o Movimento de Trabalhadores em Saúde Mental (MTSM), em época de grande efervescência política, na retomada da luta pelos direitos civis suprimidos pela ditadura militar (Amarante, 1997). O MTSM surge a partir de uma série de denúncias dos profissionais da área a respeito das péssimas C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

12 L ÚCIA ABELHA, LETÍCIA FORTES LEGAY, GIOVANNI LOVISI condições em que eram tratados os pacientes nos hospitais psiquiátricos. A Reforma Psiquiátrica e o processo de desinstitucionalização começaram a ser discutidos a partir desse movimento, que tinha como bandeira principal a luta contra a privatização da saúde, dada as particularidades e deformações do sistema psiquiátrico brasileiro. A reforma Psiquiátrica no Brasil vem sendo feita principalmente às custas de uma redução cada vez maior dos leitos psiquiátricos. Esta redução vem se acelerando a cada dia, principalmente em relação aos leitos públicos ao mesmo tempo em que há um abandono destas unidades no que diz respeito aos recursos humanos, sem que os serviços na comunidade alternativos à internação sejam criados em número suficiente. Muitas vezes a saída dos hospitais se traduz não em uma nova forma de tratamento, mas em uma mera transinstitucionalização (Bandeira, 1991; Morgado & Lima, 1994, 1995). 6. CONCLUSÃO O movimento de reforma psiquiátrica no mundo inteiro teve e tem como princípio o respeito aos direitos humanos e condições dignas de atendimento nos hospitais. Na verdade o que foi observado é que, em vários países, a criação de serviços alternativos na comunidade não substituiu completamente o hospital, mesmo que seja para um número bem pequeno de pacientes (Hafner, 1987). Por outro lado, os pacientes graves que conseguem se manter na comunidade requerem uma série de cuidados, tais como moradia, terapia ocupacional, transporte, visitas domiciliares, etc., que faz com que estes custos, diretos e indiretos sejam elevados. Isto é, a implantação de uma genuína rede de serviços comunitários e a melhoria dos hospitais existentes em termos de recursos humanos adequados e diminuição de número de leitos por unidade significa aumentar os custos e, na maioria das vezes, significa gastar o dobro do que se gastava antes (Raftery, 1992; Leff, 1993; Davies & Drummond, 1994; Frank et al., 1994). Além disso, o complemento dessas ações, que é a construção de alternativas à internação psiquiátricas na comunidade, entra em contradição com a intenção de conter custos. As alternativas ao hospital psiquiátrico envolvem a construção de centros de atenção diários, centros de atendimento de emergência 24 h, 20 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25, 2004

13 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS com recursos humanos em número adequado às necessidades de um serviço que se propõe a evitar internações mais prolongadas. E, principalmente, o atendimento integrado na comunidade pressupõe a construção de Residências Terapêuticas que, dependendo do grau de autonomia dos pacientes, vão desde moradias estabelecidas nas proximidades dos hospitais, até moradias na comunidade. Além disso, é indispensável uma ampla rede ambulatorial. A grande questão, entretanto, não é se o racionamento ou a priorização dos recursos sejam realmente necessários, mas como conduzir o processo eticamente. É preciso que a determinação de prioridades e o racionamento de recursos sejam feitos e discutidos abertamente, se não puderem ser evitados. Não se pode ficar indiferente às forças da globalização e do neoliberalismo. O prejuízos sociais são altíssimos. Seu efeito é devastador, principalmente em relação àqueles que não se adequam às suas necessidades de produção. Que nós pelo menos tenhamos a clareza de evitar o encantamento cego pelas promessas de um sistema de saúde equilibrado e forjado na economia de mercado e a coragem de partir em defesa de uma discussão ética e política como norte de uma reforma psiquiátrica que repudie firmemente qualquer tipo de exclusão. *Agradecimentos: Ao professor Anastácio Morgado pelas importantes contribuições a este trabalho. R EFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABREU, H. Globalização, reestruturação e crise dos padrões de regulação sócio-estatal. Proposta, v. 64, p. 8-16, ALMEIDA, C. As Reformas Sanitárias dos anos 80: crise ou transição? Tese (Doutorado em Saúde Pública). Escola Nacional de Saúde Pública. Fiocruz, Rio de Janeiro. ALMEIDA, C. Novos modelos de atenção à saúde. In: COSTA, R. C.; RIBEIRO, J. M. Política de saúde e inovação institucional uma agenda para os anos 90. Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ, C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

14 L ÚCIA ABELHA, LETÍCIA FORTES LEGAY, GIOVANNI LOVISI AMARANTE, P. Loucura, cultura e subjetividade. Conceitos e estratégias, percursos e atores da reforma psiquiátrica. In: FLEURY, S. Saúde e democracia a luta do CEBES. São Paulo:Lemos Editorial e Gráficos LTDA., ARRUDA, M.; BOFF, L. Globalização: desafios socioeconômicos, éticos e educativos. Petrópolis: Vozes, BACHRACH, L. L. Managed care: I. Delimiting the concept. Psychiatric Services, v. 46, n. 12, p , BANDEIRA, M. Desinstitucionalização ou transinstitucionalização: lições de alguns países. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 40, n. 7, p , COHN, A. Mudanças econômicas e políticas de saúde no Brasil. In: LAURELL, A. C. Estado e políticas sociais no neoliberalismo. México: Cortez, DAUNCEY, K.; THORNICROFT, G.; STRATHDEE, G. Setting mental health targets for England. Hospital and Community Psychiatry, v. 43, n. 11, p , DAVIES, L. M.; DRUMMOND, M. F. Economics and schizophrenia: the real cost. British Journal of Psychiatry, sup. 25, p , ENTHOVEN, A.; KRONICK, R. A consumer-choice health plan for the 1990s. Universal health insurance in a system designed to promote quality and economy (1). The New England Journal of Medicine, v. 320, n. 1, p , FASSIN, D.; JEANÉE, E. La fin dês modèles? La santé publique découvre lês dynamiques sociales. Santé Publique, v. 4, p , FAVERET, P.; OLIVEIRA, J. A universalização excludente: reflexões sobre as tendências do sistema de saúde. Planejamento e Políticas Públicas, v. 3, p , FIORI, J. L. O paradoxo político da reforma neoliberal. Lua Nova CEDEC, São Paulo, n. 25, FISHER, W. H.; DORWART, R. A.; SHLESINGER, M.; EPSTEIN, S.; DAVIDSON, H. The role of general hospitals in the privatization of 22 CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25, 2004

15 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS inpatient treatment for serious mental illness. Hospital and Community Psychiatry, v. 43, n. 11, p , FOGEL, B. Mental health services and outcome-driven health care. American Journal of Public Health, v. 83, n. 3, p , FRANK, R. G.; GOLDMAN, H. H.; Mc GUIRE, T. G. Who will pay for health reform? Consequences of redistribution of funding for mental health care. Hospital and Community Psychiatry, v. 45, n. 9, p , GLOVER, R.; PETRILA, J. Can state mental health agencies survive health care reform? Hospital and Community Psychiatry, v. 45, n. 9, p , HAFNER, A. Do we still need beds for psychiatric patients? An analysis of changing patterns of mental health care. Acta Psychiatrica Scandinavica, v. 75, n. 2, p , HOGE, M. A.; DAVIDSON, L.; GRIFFITH, E. E. H.; SLEDGE, W. H.; HIOWENSTNE, R. A. Defining managed care in public-sector psychiatry. Hospital and Community Psychiatry, v. 45, n. 11, p , KOYANAGI, C.; MANES, J.; SURLES, R.; GOLDMAN, H. H. On being very smart: The mental health community s response in the health care reform debate. Hospital and Community Psychiatry, v. 44, n. 6, p , LAMB, H. R.; PEELE, R. The need for continuing asylum and sanctuary. Hospital and Community Psychiatry, v. 35, n. 8, p , LAMPERT, E. Educação e globalização. Revista da Faculdade de Educação, v. 24, n. 1, p , LAZARUS, A. Dumping psychiatric patients in the managed care sector. Hospital and Community Psychiatry, v. 45, n. 6, p , LEFF, J. Evaluating the transfer of care from psychiatric hospitals to district-based services. British Journal of Psychiatry, sup. 19, p. 6, LIMA, L. A.; TEIXEIRA, J. M. Assistência à saúde mental no Brasil: do mito do excesso de leitos psiquiátricos à realidade da falta de serviços alternativos de atendimento. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 44, n. 2, p , C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

16 L ÚCIA ABELHA, LETÍCIA FORTES LEGAY, GIOVANNI LOVISI MARCOS, L. R. Who profits from deinstitutionalizaton? Hospital and Community Psychiatry, v. 40, n. 12, p. 1221, MCPAKE, B.; MILLS, A. What can we learn from international comparisons of health systems and health system reform? Bulletin of the health Organization, v. 78, n. 6, p , MINKIN, E. B.; STOLINE, A. M.; SHARFSTEIN, S. S. An analysis of the two-class system of care in public and private psychiatric hospitals. Hospital and Community Psychiatry, v. 45, n. 10, p , MORGADO, A. F.; Lima, L. A. Desinstitucionalização, suas bases e a experiência internacional. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 43, n. 1, p , Asilo e hospital psiquiátrico: ainda são necessários na era da saúde mental comunitária?. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 44. n. 11, p , MUSHELL, J. La privatization: une question d equilibre. Fórum Mondial de la Santé, v. 17, p , PARDES, H.; SIROVATKA, P.; JENKINS, J. W. Psychiatry in public service: chalenge of the eighties Hospital and Community Psychiatry, v. 30, n. 11, p , PETRILA, J. Who will pay for involuntary civil commitment under capitated managed care? An emerging dilemma. Psychiatric Services, v. 46, n. 10, p , RAFTERY, J. Mental health services in transition: the United States and United Kingdom. British Journal of Psychiatry, v. 161, p , ROBINSON, R. The impact of the NHS reforms : a review of research evidence. Journal of Public Health Medicine, v. 18, n. 3, p , ROSSI, P. A.; WRIGHT, J. D.; FISHER, C. A.; WILLIS, G. The urban homeless: estimating composition and size. Science, v. 235, n. 4794, p , ROTH, D. J.; BEAN Jr, G. J. New perspectives on homeless: findings from a statewide epidemiological study. Hospital and Community Psychiatry, v. 37, n. 7, p , CADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25, 2004

17 O PROCESSO DE REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRO NA ERA DA GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS SABIN, J. E.; DANIELS, N. Lessons for U.S. managed care from the British National Health Service, II: Setting priorities. Psychiatric Services, v. 48, n. 4, p , SHARFSTEIN, S. S.; STOLINE, A. M.; GOLDMAN, H. H. Psychiatric care and health insurance reform. American Journal of Psychiatry, v. 150, n. 1, p. 7 18, SMITH, R. The future of health care systems - information technology and consumerism will transform health care worldwide. British Medical Journal, v. 314, p , TYRER, P. Cost-effective or profligate community psychiatry?. British Journal of Psychiatry, v. 172, p. 1 3, WEIL, T. P. Managed-Care plans their future under national health insurance. West Journal Medicine, v. 155, n. 5, p , WILLIAMS, A. Priority setting in public and private health care: a guide through the ideological jungle. Journal of Health Economics, v. 7, n. 2, p , C ADERNOS SAÚDE COLETIVA, RIO DE JANEIRO, 12 (1): 9-25,

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios

O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios Jairnilson Paim (Professor Titular da UFBA) Claudia Travassos (Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ) Celia Almeida (Pesquisadora Titular da

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Seminário O Público e o Privado na Saúde Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Tema: O Mais Saúde (PAC Saúde) e as Políticas Sistêmicas de Investimentos Setoriais Pedro Ribeiro Barbosa

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País. Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP

A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País. Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP A visão da Academia sobre a Política de Saúde Mental Vigente no País Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Departamento de Psiquiatria da UNIFESP Tópicos Transtorno Mental vs Sofrimento Psíquico Redução do investimento

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul CARTA DE PORTO ALEGRE A crise nas Emergências agrava-se a cada ano e hoje constitui um dos grandes problemas de saúde no Estado. Os enfermos que acorrem às Emergências aumentam progressivamente; em contrapartida,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO

DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO DECLARAÇÃO DE LISBOA ENCONTRO ANUAL LUSO HISPANO ORDEM DOS MEDICOS DE PORTUGAL E CONSEJO GENERAL DE MEDICOS DE ESPAÑA Lisboa, 10-11 Novembro 2015 I.- O SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE, EXPRESSÃO DE MODERNIDADE,

Leia mais

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas.

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Carlos Justo Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Isto não é fácil Os serviços de saúde devem

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde

Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde Aplicabilidade do Tele Eletrocardiograma nos serviços públicos de saúde Franco, SOB - Sidnei Otávio Vicente Franco SMSDC RJ Rendeiro, MMP Márcia Maria Pereira Rendeiro SMSDC RJ / UERJ Maia ER - Eduardo

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria Rio de Janeiro, Maio de 2008 Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras ANS Boa Tarde!

Leia mais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais

Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sustentabilidade dos Sistemas de Saúde Universais Sistemas de Saúde Comparados Conformação dos sistemas de saúde é determinada por complexa interação entre elementos históricos, econômicos, políticos e

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008 Introdução à Economia da Saúde Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude Abril/2008 Tópicos Introdução à Economia da Saúde : Definição de Economia da Saúde; Gasto em Saúde;

Leia mais

A Reforma Sanitária e o processo de implantação do Sistema Único de Saúde no Brasil

A Reforma Sanitária e o processo de implantação do Sistema Único de Saúde no Brasil A Reforma Sanitária e o processo de implantação do Sistema Único de Saúde no Brasil Antecedentes Históricos Movimento pela Reforma Sanitária VIII Conferência Nacional de Saúde O Movimento pela Reforma

Leia mais

De olho no futuro. 10Minutos Energia

De olho no futuro. 10Minutos Energia 10Minutos Energia Como ganhar impulso no processo de transformação energética De olho no futuro Julho de 2015 Destaques Megatendências e disrupções estão tendo impactos profundos nas estratégias e no papel

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38 APRESENTAÇÃO...13 INTRODUÇÃO...15 Breve perfil do sistema de saúde... 15 Características do SUS e da saúde suplementar... 16 Modelo de financiamento... 17 O papel central dos hospitais... 18 A necessidade

Leia mais

O futuro da Saúde no Brasil!

O futuro da Saúde no Brasil! O futuro da Saúde no Brasil! Tiago A. Coelho de Souza souza_tiago@hotmail.com Para vislumbrar o futuro, precisamos entender nosso passado e refletir acerca do presente! 1500 1530 1808 1822 1889 1930 1945

Leia mais

Índice. Desenvolvimento econômico, 1 Direitos legais, 3

Índice. Desenvolvimento econômico, 1 Direitos legais, 3 Índice A Academic drift, 255 Accountability, 222, 278 Agenda social, 2 Aplicativo para a Melhoria de Qualidade (AMQ), 84 Aposentadoria benefícios previdenciários e assistenciais e seu impacto sobre a pobreza,

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Centros de Saúde para o Futuro. João Moura Reis. Missão para os Cuidados de Saúde Primários. Infarmed - Lisboa 15 Maio 2006

Centros de Saúde para o Futuro. João Moura Reis. Missão para os Cuidados de Saúde Primários. Infarmed - Lisboa 15 Maio 2006 Centros de Saúde para o Futuro. João Moura Reis Missão para os Cuidados de Saúde Primários Infarmed - Lisboa 15 Maio 2006 Saúde: a dor de cabeça Toda a gente parece ter um problema de saúde. Ingleses,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Relatório Conferência UNI Postal e Logística Cidade de Washington EUA Realizada de 6 a 9 de setembro de 2011.

Relatório Conferência UNI Postal e Logística Cidade de Washington EUA Realizada de 6 a 9 de setembro de 2011. Relatório Conferência UNI Postal e Logística Cidade de Washington EUA Realizada de 6 a 9 de setembro de 2011. Delegados pela FENTECT Rogério Ubine Secretário de Relações Internacionais José Rivaldo Secretária

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012

Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 Objetivos Familiarizar-se com uma lista de questões a serem consideradas para estruturar opções com o objetivo

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com BPN Imofundos António Coutinho Rebelo Presidente www.bpnimofundos.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Em Busca do Crescimento Perdido

Em Busca do Crescimento Perdido São Paulo - SP / CORECON-SP em 25 de abril de 2003 Em Busca do Crescimento Perdido Paulo Faveret Filho Chefe do Depto. de Planejamento BNDES (com agradecimentos a Fábio Giambiagi) 1. Retrospecto 2. O problema

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro O que podem os países africanos aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Documento Conceitual Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Genebra, 9-10 de dezembro de 2009 I. Introdução O terceiro

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais