Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B"

Transcrição

1 Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Este documento fornece a estrutura que B Lab utiliza para avaliar as estratégias fiscais que atendam aos requisitos da Certificação Empresas B. Ele inclui a razão para necessidade de uma estrutura, os desafios em sua aplicação, a consideração de alternativas, e um convite para uma conversa pública, para refinar esta estrutura ao longo do tempo. A necessidade de uma estrutura para a avaliação de estratégias fiscais Empresas criam valor para a sociedade além dos impostos que pagam. Empresas criam empregos - empregos de preferência de alta qualidade que oferecem dignidade, um salário mínimo para viver e benefícios para sustentar uma família, e a oportunidade de encontrar satisfação e construir ativos para a segurança a longo prazo. As empresas podem fornecer acesso a bens e serviços básicos bem como aqueles que melhoram a nossa qualidade de vida. No entanto, além dos muitos aspectos diferentes do valor que a empresa fornece à sociedade, as empresas têm a obrigação de contribuir com a sua parte dos impostos. Isso ocorre porque os negócios existem dentro do contexto da sociedade; seu papel é servir a sociedade, e não o contrário. Além disso, as empresas saudáveis só podem existir a longo prazo em uma sociedade saudável. Uma sociedade saudável depende de gastos públicos, que são possíveis graças aos impostos. Estes gastos públicos beneficiam negócios de maneiras direta e indireta. 1 Assim como há indivíduos e organizações que acreditam que a terceirização da produção no exterior é impróprio, certamente haverá aqueles que acreditam que qualquer estratégia de gestão fiscal que resulte na redução dos impostos empresariais através do reconhecimento de receitas em jurisdições fiscais mais baixas é inadequada. Este é um argumento legítimo. Um crítico atencioso poderia dizer que uma empresa pode gerenciar seus negócios sem passar suas receitas através de um mercado de baixa tributação e, portanto, quaisquer razões para a criação de operações em outra jurisdição são apenas uma maneira de evitar os impostos. B Lab reconhece que esta é uma questão difícil, sem respostas em preto e branco. O julgamento de B Lab é que esta crítica rejeita escolhas de negócios legítimos e que essas escolhas 1 Por exemplo, nos EUA, os gastos públicos federais incluem cuidados de saúde para idosos e pobres (25% para o Medicare e Medicaid), Segurança Social (24%), segurança de renda (20%), defesa nacional (18%), os juros sobre a dívida nacional (6%), transporte como estradas e pontes (3%), e educação pública (1%). Fonte: Heritage Foundation, 2013 U.S. Federal Spending. Nos EUA, gastos públicos estaduais e municipais incluem assistência médica (21%), educação (28%), bem-estar (8%), transporte (8%), pensões (8%) proteção (7%). Fonte: usgovernmentspending.com, FY 2016 U.S. State and Local Spending.

2 empresariais são claramente distinguíveis dos esquemas de evasão fiscal mais questionáveis pretendidos por muitas empresas. Dadas essas complexidades, deve haver debate público sobre os níveis adequados de tributação e as fontes e aplicações dos recebimentos de impostos, bem como sobre quais as estratégias de imposto que uma empresa pode usar enquanto cumpra as obrigações de seu contrato social como um cidadão corporativo global. Como uma organização global sem fins lucrativos que certifica as empresas que atendem aos padrões mais elevados de impacto social e ambiental geral positivo, B Lab reconhece que é essencial considerar as estratégias que uma empresa utiliza para gerir a sua carga fiscal, a fim de entender se cumpriu os requisitos da Certificação. 2 Uma estrutura para avaliar estratégias de imposto para Certificação Uma estrutura para avaliar as estratégias fiscais para Certificação deve refletir tanto o papel que os impostos desempenham na contribuição a, e o valor que o negócio recebe de, uma sociedade saudável. A estrutura atual do B Lab para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação é a seguinte e irá evoluir ao longo do tempo: A avaliação de uma estratégia fiscal para a Certificação Empresas B deve incluir se 1) a quantidade de impostos totais pagos ao longo do tempo reflete adequadamente o valor real da renda gerada pelo negócio; e, 2) a quantidade de impostos pagos ao longo do tempo em cada jurisdição reflete adequadamente as operações reais do negócio naquela jurisdição. Orientação para a Aplicação da Estrutura Este é uma estrutura, não uma prescritiva ou uma rubrica específica, para a avaliação de estratégias fiscais para a Certificação. Há, portanto, um grau de julgamento necessário para aplicar esta estrutura de um modo significativo e prático. O importante é que esta estrutura não proíbe uma empresa de administrar seus pagamentos de impostos e potencialmente reduzi-los, mas sim permite que B Lab faça um julgamento informado sobre se a administração fiscal da empresa tem 2 Tributação está incluído no Questionário de Divulgação do B Lab, uma triagem negativa usada por B Lab como parte do seu processo de certificação Empresas B para identificar se as empresas estão usando determinadas estratégias para evitar pagar sua parte justa de impostos. O item DQ (DQ2.1) é um enunciado verdadeiro / falso: Companhia não tem reduzido ou minimizado impostos através do uso de escudos corporativos ou de meios estruturais. Enquanto uma resposta negativa à pergunta não implica que uma empresa não está pagando sua parte dos impostos, isso faz desencadear uma nova revisão pela equipe B Lab e, se for considerado material, pelo Conselho Assessor de Normas independente do B Lab, pode resultar em um pedido para divulgação adicional, correção, ou recusa de certificação ou re-certificação.

3 cumprido as exigências da Certificação Empresas B. Existem muitas estratégias de gestão fiscal que podem ou não estar dentro dos parâmetros da certificação, incluindo o uso de escudos corporativos ou a venda de propriedade intelectual para uma subsidiária estrangeira. Ao invés de basear a avaliação do B Lab sobre os métodos da estratégia, a abordagem de B Lab incide sobre o resultado - se a estratégia garante que os impostos pagos ao longo do tempo são representativos da renda e operações real do negócio em cada jurisdição. Este último pode ser revisto, examinando as atuais fontes e locais de receitas, as despesas de funcionamento e / ou força de trabalho, bem como as projeções futuras do negócio. Porque as empresas estão constantemente mudando, tanto na estratégia quanto na escala, é impraticável para uma empresa gerir os seus impostos de modo que os pagamentos refletem perfeitamente as operações atuais. Por isso, é importante considerar o pagamento de impostos como uma gama em vez de um determinado número. Esta gama poderia levar em conta operações atuais e passadas, bem como projeções futuras. Devido à complexidade de muitas estratégias fiscais e a avaliação de seus resultados, seria desaconselhável para B Lab definir todas as estratégias fiscais que qualificam ou desqualificam uma empresa da Certificação; no entanto, há alguma clareza em torno de certas estratégias que requerem análise complementar, incluindo: Empregar uma "inversão empresarial", onde o domicílio legal de uma empresa é movido para uma jurisdição de baixo/sem imposto, enquanto mantém suas operações materiais em seu país de origem de imposto mais elevado; Empregar uma estratégia fiscal "Double Irish", onde a renda corporativa não pode ser efetivamente tributada em nenhum lugar; Utilizar uma "caixa de patente" ou outro método para transferir a propriedade intelectual a uma jurisdição de baixo/sem-impostos e licenciar de volta a propriedade intelectual para reduzir / eliminar os impostos locais; ou Utilizar múltiplas entidades ou estruturas esqueleto para reduzir ou minimizar os impostos A seguir está um exemplo de uma estratégia fiscal que não se sustentaria no controle do Conselho Assessor de Normas de B Lab, quando avaliados para a Certificação Empresas B: A empresa X está baseada no país A, ganha 99% de suas receitas e tem toda a sua força de trabalho com base lá. Em conformidade com todas as leis relevantes, regulamentos e princípios contábeis geralmente aceitos, a empresa criou uma entidade no País B - uma jurisdição com uma taxa significativamente mais baixa do que no país A - através do qual todas as suas receitas e, portanto, lucros, vai

4 passar a partir de um ponto de vista contábil, mas onde quase nada de sua força de trabalho está localizada ou receita é gerada. Como resultado, a empresa paga todos os impostos de renda corporativos no País B na sua taxa mais baixa. Outras possíveis estruturas para a avaliação de estratégias fiscais Para chegar a esta estrutura, B Lab considerou uma variedade de outras estruturas possíveis que, pelas razões descritas abaixo foram consideradas insuficientes: (1) A taxa de imposto no país onde a empresa está sediada. A natureza de um negócio global significa que ele gera receita e lucro de, e pode ter força de trabalho em, vários países. Pagar impostos apenas onde a empresa está localizada, portanto, não iria cumprir adequadamente as obrigações da empresa nos outros lugares onde se cria valor ou existem operações. (2) A taxa de imposto onde a empresa foi fundada. Embora seja importante considerar as últimas contribuições únicas de valor de um negócio na jurisdição em que foi fundada, esta definição por si só é insuficiente pelas mesmas razões que a definição acima, porque o negócio não estaria apoiando sociedades saudáveis onde atualmente opera e gera receita e lucro. (3) A taxa de imposto é de x%. Esta é uma questão de política pública e, como tal, não é apropriado para B Lab identificar uma especifica taxa de imposto em uma estrutura de avaliação para um negócio que é independente dos códigos fiscais efetivamente determinados através do debate público e um processo legislativo. Em vez disso, a definição de B Lab se concentra em como uma empresa deve agir tendo em conta os códigos de impostos que existem nas jurisdições em que opera. (4) Tudo o que é legal se qualifica para a certificação. Legalidade e os requisitos para certificação são dois conceitos diferentes. Por causa da variação nos códigos fiscais em diferentes jurisdições é possível que uma empresa se envolva em estratégias legais que não são consistentes com os valores da comunidade de Empresas B Certificadas. A estratégia fiscal que atenda aos requisitos de certificação deve, portanto, permitir a uma empresa gerir a sua carga tributária e ao mesmo tempo cumprir sua obrigação como um cidadão corporativo global. Conclusão e Convite B Lab reconhece que ainda há muito a aprender e muito julgamento que deve ser utilizado da aplicação da presente estrutura; é um trabalho em andamento e convidamos um feedback crítico. Além disso, B Lab se esforça em seu processo de desenvolvimento de normas para ir além das práticas negativas a identificação das melhores práticas. Nós temos claro o que constitui práticas fiscais negativas que provavelmente desqualificam uma empresa da Certificação Empresas B, mas B Lab

5 reconhece que ainda não tem uma visão do que constitui as melhores práticas para a política fiscal. Nós aguardamos a contribuição de diversas partes interessadas para desenvolver essas melhores práticas que podem fornecer a todas as empresas um roteiro para melhorar suas práticas fiscais a partir da perspectiva de uma cidadania corporativa global para se manter competitivo. Além de aplicar esta estrutura para Certificação, B Lab acredita que é uma questão de política pública importante determinar quais taxas de imposto existem em cada jurisdição e abordar as implicações do fato de que as taxas de imposto variam entre jurisdições, porque os políticos usam a política fiscal como um alavanca para atrair empresas e estimular o desenvolvimento econômico. B Lab espera que esta estrutura -, bem como documentos descrevendo como B Lab aplicou esta estrutura e qualquer materiais de divulgação Empresas B Certificada adicional 3 - é útil para outras partes interessadas que desejem participar nestas questões importantes no contexto de uma conversa construtiva sobre o papel das empresas na sociedade. Para saber mais sobre a Avaliação de Impacto B e os padrões utilizados para a Certificação Empresas B, veja aqui: Para saber mais sobre como B Lab desenvolve suas normas, consulte informações sobre o Conselho Assessor de Normas de B Lab aqui: 10#who-develops-the-standards 3 Os requisitos de transparência do B Lab reconhece que algumas informações são sensíveis e que, mesmo sendo divulgadas ao B Lab para fins de certificação, não são apropriadas para tornar-se públicas. informações sensíveis inclui o que poderia prejudicar o litígio, a vantagem de um concorrente, ou criar ou desfazer encargos de informação financeira para uma empresa de capital aberto.

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Caros colegas, orienta o modo como nossa organização trabalha para selecionar, desenvolver, motivar e valorizar o bem mais importante da Bausch + Lomb nossas

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Introdução à Administração Financeira

Introdução à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Conceitos Introdutórios e Revisão de alguns elementos e conceitos essenciais à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Administração: é a ciência

Leia mais

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM")

TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL (última revisão em 25 de agosto de 2014) TERMOS DO PROGRAMA DE LICENÇA DE ENTIDADE GOVERNAMENTAL ("GOVERMENT ENTITIY LICENSCE PROGRAM") Acesso simples

Leia mais

Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos

Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos PROGRAMAS DA REDE DE SEGURANÇA SOCIAL NOS ESTADOS UNIDOS Sessão 5: Financiamento de Programas da Rede de Segurança Social (RSS) nos Estados Unidos Martha Burt, Instituto Urbano Demetra Nightingale, Universidade

Leia mais

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13

COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO. Versão 01-13 COMPROMISSO HONESTIDADE PARCERIA TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE ÉTICA INTEGRIDADE VALORES RESPEITO SUCESSO Versão 01-13 1 C Ó D I G O D E É T I C A Introdução A ÉTICA é o ideal de conduta humana, desenvolvido

Leia mais

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Veículo: Bahia Negócios Data: 28/05/14 Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Em 1994, quando foi instituído o Plano Real, o salário mínimo custava R$ 64,79. Passados

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social

II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social Nosso ponto de partida Responsabilidade Social: conceito em evolução e práticas em difusão, sendo incorporadas ao cotidiano dos empresários

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Superintendência da Receita Federal em Minas Gerais EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA POR QUE EXISTE TRIBUTO? QUEM TEM O PODER DE COBRAR TRIBUTO? COMO DEVEM SER APLICADOS OS RECURSOS ARRECADADOS? O QUE A POPULAÇÃO PODE FAZER PARA CONTROLAR A APLICAÇÃO DOS

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA?

QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA? QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA? FERNANDO B. MENEGUIN 1 A Análise Econômica do Direito Tributário promove uma união entre o direito tributário e a economia, com o intuito de melhorar a

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

"BUSSINES PLAN"- PLANO DE NEGÓCIOS

BUSSINES PLAN- PLANO DE NEGÓCIOS "BUSSINES PLAN"- PLANO DE! Os componentes do Business Plan.! Quem precisa fazer um Business Plan! Colocando o Business Plan em ação Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Promoting Adult Learning. Promovendo a Educação de Adultos. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Promoting Adult Learning. Promovendo a Educação de Adultos. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português Promoting Adult Learning Summary in Portuguese Promovendo a Educação de Adultos Sumário em Português Sumário Executivo Este livro é uma continuação de Além da Retórica: Políticas e Práticas da Educação

Leia mais

2.1. Cumprimos leis e regulamentos nacionais e internacionais. Obedecemos a todas as leis e regulamentos internacionais e nacionais relevantes.

2.1. Cumprimos leis e regulamentos nacionais e internacionais. Obedecemos a todas as leis e regulamentos internacionais e nacionais relevantes. CÓDIGO DE CONDUTA 1. Introdução O Código de Conduta Ahlstrom descreve os princípios éticos que sustentam o modo como conduzimos os negócios em nossa empresa. Baseia-se em nossos principais valores Agir

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 CONTEÚDO Relatório dos auditores independentes Quadro 1 - Balanço

Leia mais

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS 1 PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS Versão 1.1 Rua Pedro Ribeiro, 85 - Matriz, Vitória de Santo Antão - PE, 55612-275 Pernambuco Brasil (81) 3523-0012 www.qualistec.com.br suporte@qualistec.com.br 2 Histórico

Leia mais

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR Imagens: depositphotos.com www.robertodiasduarte.com.br facebook.com/imposticida contato@robertodiasduarte.com.br Nossa "prosa" SPED

Leia mais

Código de Conduta Nossa forma de fazer negócios

Código de Conduta Nossa forma de fazer negócios Código de Conduta Nossa forma de fazer negócios pwc Atuamos de forma profissional. Fazemos negócios com integridade. Preservamos a reputação da Firma e de nossos clientes. Respeitamos as pessoas e o meio

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

INSTITUTO FERNAND BRAUDEL DE ECONOMIA MUNDIAL (Entidade sem fins lucrativos)

INSTITUTO FERNAND BRAUDEL DE ECONOMIA MUNDIAL (Entidade sem fins lucrativos) INSTITUTO FERNAND BRAUDEL DE ECONOMIA MUNDIAL (Entidade sem fins lucrativos) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2003 E 2002 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES (Uso restrito) PARECER DOS AUDITORES

Leia mais

9º ANO O progresso da criança

9º ANO O progresso da criança 1 2 3 4 1 2 3 4 6 7 8 PREPARAÇÃO PARA O SUCESSO NO 9º ANO O progresso da criança Uma fonte de recursos para os pais para entender o que a criança deve aprender este ano e sugestões úteis para apoiar o

Leia mais

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS APLICÁVEIS 1. Este pronunciamento tem por objetivo normatizar o tratamento contábil do imposto de

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

SGA. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental 07/04/2012

SGA. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental. Sistemas de gestão ambiental 07/04/2012 Sistemas de gestão ambiental SGA Um sistema de gestão ambiental pode ser definido como uma estrutura organizacional que inclui responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos necessários

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Contabilidade Básica do Terceiro Setor. Benildo Rocha Costa

Contabilidade Básica do Terceiro Setor. Benildo Rocha Costa Contabilidade Básica do Terceiro Setor Benildo Rocha Costa O que é o terceiro setor? Terceiro Setor é um termo usado para fazer referência ao conjunto de sociedades privadas ou associações que atuam no

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná.

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. 1.Introdução A cooperação sempre existiu na história

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

Marketing/Vendas. Financeiro/Controladoria. Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros

Marketing/Vendas. Financeiro/Controladoria. Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros Favor indicar sua função na empresa: 54% N=107 5% 11% 2% 12% 16% P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria Recursos Humanos e área Corporativa (por ex.. estratégia, comunicação) Outros Outros:

Leia mais

DECLARAÇÃO DE MADRI. A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social

DECLARAÇÃO DE MADRI. A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social DECLARAÇÃO DE MADRI A não-discriminação e a ação afirmativa resultam em inclusão social Aprovada em Madri, Espanha, em 23 de março de 2002, no Congresso Europeu de Pessoas com Deficiência, comemorando

Leia mais

Afiliados. Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii. Every Business Every Country

Afiliados. Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii. Every Business Every Country Afiliados Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii Every Business Every Country Copyright SISS 2011 Oportunidade para Afiliados 18 de janeiro de 2011 Página 1 de 11 Índice Sumário...

Leia mais

Confiança no crescimento em baixa

Confiança no crescimento em baixa 10Minutos 19ª Pesquisa Global com CEOs Setor de Engenharia e Construção Confiança no crescimento em baixa Destaques Março 2016 Destaques Com 65% das indicações, suborno e corrupção são consideradas as

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES AMERICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 CONTEÚDO Relatório dos auditores

Leia mais

1. Definições. Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education

1. Definições. Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education Termos e condições Soluções de Aprendizagem da HPE Software Education Nota: A HPE vai empregar esforços razoáveis para enviar um aviso de cancelamento de qualquer Serviço de Solução de Aprendizagem, mas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Mensagem da Direção da AEVA

Mensagem da Direção da AEVA Mensagem da Direção da AEVA Caros colaboradores, consumidores e parceiros da Associação para a Educação e Valorização da Região de Aveiro: Nos dias de hoje, a importância que se dá à ética, ao respeito

Leia mais

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes.

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes. ONG S E ASSOCIAÇÕES PARA COMEÇAR Você tem vontade de participar mais do que acontece ao seu redor, dar uma força para resolver questões que fazem parte da rotina de certos grupos e comunidades e colocar

Leia mais

Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos

Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos Conteúdo 1 Página Capítulo 2 1. Introdução 3 2. Nossos Compromissos 3! Compromissos com a sociedade 3! Compromissos para com os clientes 4! Compromissos para

Leia mais

Formação em Protecção Social

Formação em Protecção Social Formação em Protecção Social Sessão 3 A dimensão económica da PS e a relação com outras áreas da política Bilene, Moçambique, 5, 6 e 7 de Maio de 2010 A importância do investimento Ao nível da intervenção

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS

ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS ASPECTOS JURÍDICOS ESSENCIAIS PARA LOJAS VIRTUAIS Introdução Defina o tipo de empresa Capítulo 1 Registre a sua marca e o seu domínio Capítulo 2 Prepare-se para os impostos Capítulo 3 O direito do e-consumidor

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS

USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS 1 Ana Cristina de Castro Alves, 2 Robernei Aparecido de Lima. 1 Rua Benedito Andrade, 1205 Galo Branco 12247-540 São José dos Campos, São Paulo administração@aasjc.org.br

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

Código de Ética. Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas

Código de Ética. Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas Código de Ética Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas Código de Ética Diante dos Consumidores (Texto em conformidade com as deliberações da Assembléia Geral Extraordinária

Leia mais

Nota Data 8 de maio de 2013

Nota Data 8 de maio de 2013 Nota Data 8 de maio de 2013 Contato Flávio Resende Proativa Comunicação flavioresende@proativacomunicacao.com.br Tel: (61) 3242-9058/9216-9188 Kadydja Albuquerque Proativa Comunicação coordenacao@proativacomunicacao.com.br

Leia mais

Educação Contábil No Mundo das IFRS

Educação Contábil No Mundo das IFRS Educação Contábil No Mundo das IFRS Prof. Guillermo Braunbeck Universidade de São Paulo - FEA/USP Recentemente, o IASB divulgou os resultados de sua recente pesquisa sobre adoção das IFRS mundo afora.

Leia mais

Fazer o que é correcto

Fazer o que é correcto www.pwc.com/pt Fazer o que é correcto Código de conduta A PwC é, e quer continuar a ser, reconhecida como a organização honrada e fiável de que todos nos orgulhamos, tendo por base a nossa reputação e

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental. 31 de dezembro de 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Centro de Apoio Sócio Ambiental com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Índice Relatório dos auditores independentes sobre as

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso Programa de Gestão de Fornecedores da White Martins Sua chave para o sucesso Quem Somos A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais

Leia mais

ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros)

ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros) Folha - 1 de 5 ABRAPECON - Associação Brasileira Dos Pequenos Consumidores (de enegia elétrica água telefonia gás encanado e outros) Registro da ABRAPECON em cartório: Estatuto este da ABRAPECON registrado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A pessoa jurídica A, fabricante de refrigerantes, recolheu em montante superior ao devido o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidente nas operações

Leia mais

Da gestão, da aplicação, do controle e da fiscalização dos Fundos... 5

Da gestão, da aplicação, do controle e da fiscalização dos Fundos... 5 Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania Sedpac 2015 Apresentação Criado pela Lei nº 21.144, de 14 de janeiro de 2014, o Fundo Estadual dos Direitos do Idoso tem o objetivo

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID SOBRE O BID CONTATE-NOS Vice-Presidência para o Setor Privado e Operações sem Garantia Soberana Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO Denise Rocha Assessora de Política Fiscal e Orçamentária São Luís - MA 23 a 27 de agosto de 2004 1ª ETAPA - ENTENDENDO O ORÇAMENTO PÚBLICO A importância do orçamento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Point of View. Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial

Point of View. Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial Point of View Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial C o n t e ú d o Sumário Executivo 4 Cenário Atual 5 Nosso entendimento 6 A Solução SAP 8 Benefícios para o negócio 16 Por

Leia mais

Criando uma solicitação para proposta de Segurança Por Anthony L. Gentile (ISS)

Criando uma solicitação para proposta de Segurança Por Anthony L. Gentile (ISS) Criando uma solicitação para proposta de Segurança Por Anthony L. Gentile (ISS) O que é uma Solicitação de Proposta (RFP)? Como ela pode melhorar o processo de concorrência? Como uma organização de serviços

Leia mais

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 Um dos fatores que mais influenciam a permanência do educando em uma iniciativa EAD é a qualidade dos materiais que lhe são postos à disposição: não podem apresentar

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO www.ipecrj.com.br CONTABILIZANDO A LEITURA nº 01 Dia 05/JUL/2010 REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO ANTES DA INTRODUÇÃO: HOMENAGEM A GEBARDO Acho importante,

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CERTIFICAÇÃO PERSPETIVA DOS CONSUMIDORES

RESPONSABILIDADE SOCIAL CERTIFICAÇÃO PERSPETIVA DOS CONSUMIDORES RESPONSABILIDADE SOCIAL CERTIFICAÇÃO PERSPETIVA DOS CONSUMIDORES RESPONSABILIDADE SOCIAL CERTIFICAÇÃO PERSPETIVA Responsabilidade social é um conceito segundo o qual, as empresas decidem, numa base voluntária,

Leia mais

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS

ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS ENFRENTANDO OS DESAFIOS DA POBREZA E APERFEIÇOANDO AS AÇÕES SOCIAIS NAS AMÉRICAS Explorando Novas Opções para o Incremento da Doação de Fundos e Re-canalização da Dívida Apresentado pela Agência Inter-Americana

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

Cenário Brasileiro e Educação

Cenário Brasileiro e Educação Cenário Brasileiro e Educação Prof. José Pio Martins Economista Reitor da Universidade Positivo Agosto/2014 Observações introdutórias Missões do gestor Gerenciar o dia a dia Preparar a organização para

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

Razões para Investir em Fundos de Fundos de Private Equity

Razões para Investir em Fundos de Fundos de Private Equity Razões para Investir em Fundos de Fundos de Private Equity por Capital Dynamics* ambiente de private equity no Brasil tem mostrado uma melhoria significativa desde 2003, mesmo se comparado aos outros paises

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Professora Mestranda Elaine Araújo

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos. Professora Mestranda Elaine Araújo Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Professora Mestranda Elaine Araújo E o profissional de RH... Como deve mergulhar na abordagem da Gestão do Conhecimento? Qual sua contribuição

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC, O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC e o MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, tornam público e

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SABESP 2008-2 1 Apresentação A SABESP a partir da sua própria missão de prestar serviços de saneamento, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente constitui-se

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais