A Percepção dos Gestores de Pequenas e Médias Empresas sobre a Importância das Informações Geradas pelo Sistema de Informação Contábil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Percepção dos Gestores de Pequenas e Médias Empresas sobre a Importância das Informações Geradas pelo Sistema de Informação Contábil"

Transcrição

1 A Percepção dos Gestores de Pequenas e Médias Empresas sobre a Importância das Informações Geradas pelo Sistema de Informação Contábil Resumo O presente artigo tem como objetivo demonstrar a percepção dos gestores de pequenas e médias empresas (PMEs) sobre a importância das informações geradas pelo Sistema de Informação Contábil (SIC) como auxílio à gestão empresarial. Para isso, foi executada uma pesquisa exploratória por meio da aplicação de questionário direcionado aos gestores das PMEs. Foi selecionada uma amostra por conveniência, não probabilística. A pesquisa foi realizada com a aplicação de questionários semi-estruturados, aplicados pelos próprios pesquisadores, que entrevistaram 25 gestores de PMEs da cidade de Patos (PB). O estudo revelou entre outros resultados, que a maioria dos gestores, ou seja, mais de 50% consideram as informações fornecidas pelo SIC como muito importante no auxílio à gestão empresarial. Palavras-chave: Pequenas e médias empresas, Informação Contábil, Sistema de Informação Contábil. 1 Introdução As micro, pequenas e médias empresas possuem papel relevante na economia brasileira. Segundo dados do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Brasileiras SEBRAE (2007), o universo das MPE representa 5,5 milhões de estabelecimentos industriais, comerciais e prestadores de serviço, os quais respondem por 20% do Produto Interno Bruto (PIB), 12% das exportações, 43% da renda total e geram 60% dos empregos, ou seja, 60 milhões de brasileiros têm ocupação remunerada nas micro e pequenas empresas. No entanto, apesar dos indicadores positivos, verificam-se altas taxas de mortalidade nesse segmento, conseqüência de uma má administração, falta de planejamento e falta de informações gerenciais seguras. As dificuldades que mais se encontram nas PMEs dizem respeito à falta de controles relacionados à contabilidade, como, por exemplo, o acompanhamento de seus estoques, o controle dos custos, a responsabilidade da folha de pagamento, entre outros que são inerentes a estas organizações. Por esses motivos, o sistema contábil e a sua estrutura de fluxo de informações financeiras precisam funcionar, gerando informações que atendam a cinco atributos: tempestividade, integralidade, confiabilidade, comparabilidade e compreensibilidade. Nesse sentido, esse estudo tem como objetivo demonstrar a percepção dos gestores de pequenas e médias empresas sobre a importância das informações geradas pelo Sistema de Informação Contábil SIC como auxílio à gestão empresarial. Esse estudo justifica-se pelas altas taxas de mortalidade desse segmento, bem como pela carência dessas empresas no que diz respeito ao planejamento e a informações contábeis gerenciais seguras que auxiliem na gestão. Para isso, realizou-se pesquisa junto a vinte e cinco gestores de pequenas e médias empresas de vários segmentos na cidade de Patos (PB). A pesquisa foi realizada por meio da aplicação de questionários nas PMEs.

2 2 Sistemas de Informação Gil (1992), conceitua Sistemas de Informação como sendo um conjunto de recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros agregados segundo uma sequência lógica para o processamento dos dados e a correspondente tradução em informações. Acredita-se que para cada nível organizacional deve haver um sistema de informação coerente com os processos da organização. Desse modo, podemos ter a classificação dos Sistemas de Informação baseados de acordo com o tipo de informação processada. Na visão de Padoveze (2007, p ): Sistemas de Informação de apoio às operações: nascem da necessidade de planejamento e controle das diversas áreas operacionais da empresa(...); Sistemas de Informação de apoio à gestão: esses sistemas são utilizados pelas áreas administrativa e financeira da empresa, e pela alta administração da companhia, com o intuito de planejamento e controle financeiro e avaliação de desempenho dos negócios; Sistemas de Informação de apoio à decisão: como refinamento dos sistemas de apoio à gestão, existem sistemas específicos desenhados para um auxílio direto à questão das decisões gerenciais. Ao se analisar sistema de informação, é oportuno distinguir dado de informação. Neste sentido, temos o conceito de Oliveira (1993, p ) no tocante à distinção entre dado e informação, discorre: Dado é qualquer elemento identificado em sua forma bruta que por si só não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação. Informação é dado trabalhado que permite ao executivo tomar decisões. A informação (como um todo) é recurso vital da empresa e integra, quando devidamente estruturada, os diversos subsistemas e, portanto, as funções das várias unidades organizacionais da empresa. Qualquer sistema de informação deve possuir mecanismos que refinem os seus dados e atendam as necessidades de quem precisa destas informações. Para Moscove, Simkin e Bagranoff (2002, p. 23), Sistema de Informações é: Um conjunto de subsistemas inter-relacionados que funcionam em conjunto para coletar, processar, armazenar, transformar e distribuir informações para fins de planejamento, tomada de decisões e controle. Segundo O Brien (2004), sistema de informação é um conjunto organizado de pessoas, hardware, software, redes de comunicações e recursos de dados que coleta, transforma e dissemina informações em uma organização. Esse conceito de sistema de informação dado pelo autor supracitado é muito pertinente, pois ele inclui entre vários itens, as pessoas que são peças fundamentais para o bom funcionamento de qualquer sistema de informação. De acordo com Santos (2009), os sistemas de informação têm aplicado a seus problemas, com maior freqüência, os ensinamentos gerados pela Cibernética (controle e

3 comunicação da informação) e pela TGS (Teoria Geral dos Sistemas), que vem sendo aplicada na solução de problemas gerenciais nas organizações. Segundo Laudon e Laudon (2007), um sistema de informação pode ser definido tecnicamente como um conjunto de componentes inter-relacionados que coletam (ou recuperam), processam, armazenam e distribuem informações destinadas a apoiar a tomada de decisões, a coordenação e o controle de uma organização. Além de dar apoio à tomada de decisões, à coordenação e ao controle, esses sistemas também tem a função de auxiliarem os gerentes e trabalhadores na análise de problemas, visualizar assuntos complexos e criar novos produtos. De acordo com Miranda et al. (2009), um sistema de informação deve apresentar três características básicas para um bom funcionamento: entrada de dados, processamento dos mesmos e saídas (resultados). Os dados correspondem a um conjunto de observações que por si só não permitem assimilar conhecimento, ou ainda, não difunde nenhum significado; a informação, por sua vez, é um dado processado que tem valor reconhecido pelos tomadores de decisão; por último, o processamento, corresponde à transformação dos dados em informação. 3 Sistema de Informação Contábil Segundo Padoveze (2008), o ponto fundamental da contabilidade gerencial é o uso da informação contábil como ferramenta para a administração. Para que a informação contábil seja usada no processo de administração, é necessário que essa informação contábil seja desejável e útil aos responsáveis pela administração da entidade. Para os administradores que buscam a excelência empresarial, uma informação, mesmo que útil, só é desejável se conseguida a um custo adequado e interessante para a entidade. Ainda segundo o autor supracitado, Sistema de Informação Contábil (SIC) é um meio que o contador geral, o contador gerencial ou o controller utilizarão para efetivar a contabilidade e a informação contábil dentro da organização, para que a contabilidade seja utilizada em toda a sua plenitude. O sistema contábil significa a série de tarefas, registros de uma entidade pelas quais são processadas, assim como, significa manter os registros financeiros. Desta maneira, o sistema de informação contábil é o grande sistema de informação dentro da empresa. Para Hicks Jr. E Leininger apud Gonçalves e Riccio, o sistema de informações contábeis deve ser capaz de fornecer informações relevantes para a utilização nos três níveis de decisão: estratégico, tático e operacional. Segundo Nash e Roberts apud Nakagawa (2007, p. 70), à semelhança do sistema empresa, o sistema contábil de informações também busca sua eficácia através do adequado balanceamento entre as relações dinâmicas que mantém com seu ambiente externo regulado por normas e procedimentos rigidamente estruturados e o equilíbrio estacionário requerido por seus subsistemas operacionais. Padoveze (2008, p. 45) diz que diante desses pressupostos básicos de: desejo da informação pela administração e custo adequado da informação contábil, fica claro o caminho a ser adotado para que a contabilidade se transforme em ferramenta de ação administrativa e se torne um instrumento gerencial. Para se fazer, então, contabilidade gerencial, é mister a construção de um Sistema de Informação Contábil Gerencial. Em outras palavras, é possível

4 fazer e é possível ter contabilidade gerencial dentro de uma entidade, desde que se construa um Sistema de Informação Contábil. Diante das palavras do autor, percebe-se a importância da informação contábil, ou seja, do SIC dentro de uma empresa como um forte aliado à gestão empresarial e consequentemente, a entidade passa a ter de fato um controle gerencial eficaz. Para Miranda et al. (2009), os Sistemas de Informação Contábil surgem como aliados, uma vez que propiciam a mensuração da situação econômica da empresa, evidenciando os custos e lucratividade dos produtos, dos serviços, dos clientes e das atividades das empresas. A evolução da informática veio em auxílio na área de gestão, principalmente na contábil, auxiliando o contador a fornecer informações que subsidiam a tomada de decisão. Essas informações por sua vez, devem ser relevantes, confiáveis, tempestivas e suficientes para atender a demanda dos gestores. 4 Utilização das Informações Contábeis na Gestão das PMEs Segundo Coelho Neto apud Caneca (2008), as micro, pequenas e médias empresas (MPME) carecem de um sistema de informação, fazendo pouco uso das ferramentas de gestão financeira. Os empreendedores de pequeno porte não têm a cultura de usar a informação, não percebem a importância de gerenciá-la e não possuem recursos suficientes para fazer investimentos nessa área (MORAIS, 1999). Estes fatores podem ter contribuído para que falhas gerenciais tenham sido apontadas como uma das principais razões para o fechamento das MPME, na pesquisa realizada pelo SEBRAE (2007). Muitos estudos sugerem que as PMEs têm pouca informação de gestão e pouco controle, pontos essenciais para o processo decisório ad hoc (MARRIOT & MARRIOT, 2000). Segundo Oliveira, Müller e Nakamura (2000), na maioria das organizações, em razão principalmente da influência fiscal, ocorrem distorções relevantes nas informações contábeis. As demonstrações contábeis tornaram-se de difícil entendimento gerencial. É perceptível a imagem, principalmente nas pequenas empresas, de algo que existe somente para o atendimento das exigências fiscais, ficando relegado, ao segundo plano, o atendimento das necessidades da gestão dos negócios. Mas para Perez Jr e Begalli (1999), a contabilidade deve ser vista como um sistema de informação que auxilia no processo de tomada de decisão pela administração por meio de um fluxo contínuo de informações. Holmes e Nicholls (1988), em um estudo sobre o uso de informações contábeis em pequenas empresas da Austrália, revelam que as principais razões de as pequenas empresas contratarem profissionais contábeis externos são a consultoria fiscal e a declaração de imposto de renda, seguidas da preparação das demonstrações financeiras. Segundo o estudo, informações adicionais tendem a ser elaboradas internamente nas empresas. Além disso, quanto ao aspecto do uso de informações pelo proprietário em comparação com a recomendação dos contadores, para decisões de investimento, os resultados do estudo evidenciaram diferentes percepções, indicando falta de conhecimento do proprietário acerca da informação que pode ser disponibilizada pelo contador. Corroborando com essa idéia, várias pesquisas que abordaram a tomada de decisão dentro das MPME verificaram que os gestores, na maioria das vezes, baseiam suas decisões na intuição e na experiência (ALBANEZ e BONÍZIO, 2007; ALBUQUERQUE, 2004; LEONE, 1991; LUCENA, 2004; MIRANDA et al 2007; OLIVEIRA, 2001; QUEIROZ,

5 2005). Esta forma de tomar decisão pode ter levado a muitas decisões equivocadas e, conseqüentemente, criado dificuldades na condução do negócio. 5 Metodologia O trabalho foi fundamentado em pesquisa bibliográfica, realizada em livros, artigos de periódicos científicos e de anais de congressos, além de pesquisa na internet. Possui como universo o conjunto das pequenas e médias empresas. Por questões de restrições orçamentárias, foi selecionada uma amostra por conveniência, não probabilística. O trabalho foi desenvolvido em empresas de vários segmentos do município de Patos (PB), cidade representativa na economia desse estado e de fácil acesso à coleta de dados para os pesquisadores. No intuito de alcançar os objetivos do trabalho, foi executada uma pesquisa exploratória por meio da aplicação de questionário semi-estruturado direcionado aos gestores das PMEs. O método utilizado no desenvolvimento deste trabalho de pesquisa foi o indutivo e analítico. Foram selecionadas apenas empresas consideradas PMEs, pois nestas, de acordo com Matias e Lopes Júnior (2002), a maior dificuldade é o insuficiente preparo gerencial de proprietários ou dirigentes. Para o enquadramento como PMEs foi utilizado o critério do SEBRAE, pelo número de empregados. Destacando que as estratégias dessas empresas são estabelecidas confiando puramente em informações e experiências vivenciadas pelos seus administradores, desconsiderando pessoas ou informações de caráter técnico-científico. No entanto, observa-se que, apesar da falta desse tipo de conhecimento, a experiência desses proprietários deve ser considerada, pois muitas destas empresas apresentam continuidade e são geradoras de valor tanto para seus donos como para sociedade. Os participantes foram selecionados pela facilidade de acesso aos mesmos, tanto em termos de localização geográfica quanto em termos de conhecimento pessoal dos pesquisadores com possíveis respondentes ou com pessoas que pudessem facilitar o acesso aos mesmos. Geograficamente, a pesquisa limitou-se ao município de Patos (PB). No intuito de alcançar os objetivos do trabalho, foi executada uma pesquisa exploratória por meio da aplicação de questionários semi-estruturados direcionados a vinte e cinco gestores de pequenas e médias empresas. Os vários segmentos aqui citados envolvem armazém de grãos, supermercados, lojas de artigos do vestuário, empresas de materiais de construção, lojas de calçados, indústria de calçados entre outros. Os pesquisadores acompanharam o preenchimento de praticamente todos os questionários e em alguns casos, o questionário foi preenchido pelos próprios pesquisadores, que iam lendo a pergunta e as alternativas para o respondente e assinalando a alternativa indicada por este. Esse procedimento aumentou a qualidade das respostas, pois permitiu esclarecer dúvidas dos respondentes sobre algumas questões, além de possibilitar a obtenção de informação complementar junto aos mesmos. O tratamento estatístico se deu através da análise descritiva dos dados obtidos na pesquisa.

6 6 Análise dos Resultados Esta seção apresenta os resultados obtidos na aplicação do questionário, conforme a divisão dos grupos de questões estabelecidos. Foi realizada a análise dos resultados dividida em duas partes. Na primeira, realiza-se uma descrição das empresas investigadas e perfil dos gestores, identificando características como porte, tempo de funcionamento, tempo de experiência como gestor e nível de escolaridade, entre outras. A segunda parte faz uma análise sobre a percepção dos gestores sobre a importância do Sistema de Informação Contábil para a gestão empresarial. 6.1 Informações Gerais sobre os Gestores e a Empresa Nesta seção estão evidenciadas algumas características dos entrevistados e das PMEs. Quanto a função dos entrevistados foi bem variado, mas a maioria dos respondentes (44,0%) são gerentes de loja; dos 25 respondentes, 5 (20,0%) são proprietários (Tabela 1). Tabela 1 Cargo / função dos respondentes Cargo Freqüência Percentual Percentual Acumulado Proprietário 5 20,0 20,0 Gerente da empresa 5 20,0 40,0 Sócio-gerente 2 8,0 48,0 Gerente de loja 11 44,0 92,0 Outro 2 8,0 100,0 Total Quanto ao tempo de atuação na área empresarial, o gestor menos experiente possui 1 ano de atuação na área empresarial e o mais experiente atua há 22 anos. Dos 25 empresários entrevistados, 11 (44,0%) possuem até cinco anos de experiência, 8 (32,0%) possuem entre 6 e 10 anos de experiência, 5 (20,0%) possuem entre 11 e 20 anos de experiência e apenas 1 (4,0%) possui mais de 20 anos de experiência no ramo empresarial (Tabela 2). Tabela 2 Tempo de atuação na área empresarial Tempo de atuação Freqüência Percentual Percentual Até 5 anos 11 44,0 44,0 Acima de 6 até 10 anos 8 32,0 76,0 Acima de 11 até 20 anos 5 20,0 96,0 Acima de 20 anos 1 4,0 100,0 Soma - Não respondeu - Total

7 No que se refere tempo de existência, a maioria das PMEs possui entre 6 e 10 anos (36,0%). A PME com menos tempo no mercado, possui 1 ano de existência e a mais antiga existe há 48 anos. O fato de a maioria das PMEs pesquisadas terem mais de 5 anos de existência, pode ser um indício de diminuição na taxa de mortalidade dessas empresas, assim de acordo com Caneca (2008). Tabela 3 Tempo de existência da PME Tempo de existência Freqüência Percentual Percentual Até 3 anos 2 8,0 8,0 De 4 até 5 anos 4 16,0 24,0 De 6 até 10 anos 9 36,0 60,0 De 11 até 20 anos 7 28,0 88,0 Acima de 20 anos ,0 Soma Não respondeu Total Quanto ao número de funcionários, constatou-se que a maioria (77,4%) das empresas em análise possuem de 10 a 20 funcionários, as demais possuem um número maior. Das vinte e cinco empresas, apenas 2 possuem um número maior que 40 funcionários, e a que apresentou maior número possui 99 funcionários. Tomando como base o critério do número de empregados utilizado pelo SEBRAE (2011) para determinar o porte da empresa, percebese que todas as empresas enquadram-se como pequenas e médias empresas. De acordo com este critério, pequenas empresas são as que têm entre 10 e 49 empregados e médias são as que têm entre 50 e 99 empregados. Tabela 4 Número de Empregados Freqüência Percentual Percentual de 10 a ,0 80,0 de 21 a ,0 88,0 de 31 a ,0 92,0 + de ,0 100,0 Total ,0 Das 25 empresas pesquisadas, 23 (92,0%) atuam no ramo do comércio, e apenas 2 (8,0%) atuam simultaneamente nos ramos do comércio e indústria. Diante disso, percebe-se uma maior tendência ao comércio na cidade pesquisada (Tabela 5). Tabela 5 Ramo de Atividade Freqüência Percentual Percentual Comércio 23 92,0 92,0 Indústria - - Serviço - - Comércio e Serviço - - Comércio e Indústria 2 8,0 100,0 Total

8 Quanto ao nível de escolaridade dos respondentes, a pesquisa revelou que apenas 1 (4,0%) dos gestores possui o ensino fundamental; 15 gestores (56,0%) possuem o ensino médio; 9 (36,0%) gestores concluíram o ensino superior e apenas 1 (4,0%) dos entrevistados possui pós-graduação (Especialização). Nenhum dos pesquisados possuem mestrado. A presente pesquisa está em conformidade com pesquisas anteriores (LEITE, 2004; QUEIROZ, 2005, CANECA 2008), que mostram a predominância de gestores de MPME que possuem até o ensino médio completo, com uma parcela menor tendo concluído algum curso superior. Tabela 6 Nível de Escolaridade dos Gestores Freqüência Percentual Percentual Ensino fundamental 1 4,0 4,0 Ensino médio 14 56,0 60,0 Ensino superior 9 36,0 96,0 Pós-graduação(Especialização) 1 4,0 100,0 Mestrado - - Total ,0 6.2 Informações sobre o Sistema de Informação Contábil Esta seção irá apresentar a percepção dos gestores das PMEs sobre a importância das informações fornecidas pelo Sistema de Informação Contábil no auxílio à gestão dessas empresas. Inicialmente os gestores foram questionados sobre como a informação contábil é produzida, se por contador interno ou contador externo. Das 25 empresas pesquisadas, 22 (88,0%) contratam os serviços de um contador externo, 2 (8,0) contam com os serviços de um contador interno, e apenas 1 (4,0%) possui contador interno e externo. Isso mostra uma tendência nessas empresas que na maioria das vezes possuem recursos limitados, sendo este um dos fatores que impedem a contratação de um contador interno. Tabela 7 Contador Interno ou Externo Freqüência Percentual Percentual Contador Interno 2 8,0 8,0 Contador Externo (Escritório) 22 88,0 96,0 Contador interno e Externo 1 4,0 100,0 Total Quando questionados se tinham conhecimento da importância da informação contábil para a gestão das empresas, a maioria dos gestores (72,0%) responderam que sim, enquanto 7 (28,0%) dos respondentes disseram que não.

9 Tabela 8 Conhecimento da importância da informação contábil para a gestão das empresas Freqüência Percentual Percentual SIM 18 72,0 72,0 NÃO 7 28,0 100,0 Total Com o objetivo de investigar as percepções dos gestores de PMEs, quanto a importância das informações geradas pelo Sistema de Informação Contábil no auxílio à gestão, foi solicitado aos respondentes julgassem a importância de algumas informações, a partir de uma lista fornecidas no questionário, atribuindo-lhes notas em uma escala de Likert de 1 a 5, em que a nota mínima (1) é atribuída a informações consideradas sem nenhuma importância, e a nota máxima (5) é atribuída a informação considerada muito importante. Tabela 9 - Importância atribuída às informações fornecidas pelo Sistema de Informação Contábil Avaliação feita pelos respondentes Atendimento das Informações A Contábeis às PMEs B SI Qp % PI Qp % IR Qp % I Qp % MI Qp % QT % Registro de Entradas de Mercadorias ,0 2 8,0 5 20, , Registro de Saídas de Mercadorias ,0 2 8,0 6 24, , Controle de Estoque de Mercadorias ,0 1 4,0 6 24, , Controle de Duplicatas a Pagar ,0 1 4,0 7 28, , Controle de Duplicatas a Receber ,0 1 4,0 8 32, , Folha de Pagamento ,0 1 4,0 9 36, , Informações sobre o patrimônio (BP) ,0 1 4,0 9 36, , Lucro ou prejuízo (DRE) ,0 1 4,0 4 16, , Despesas operacionais (DRE) ,0 2 8,0 8 32, , Custo das Mercadorias Vendidas (DRE) ,0 2 8,0 6 24, , Demonstração do Fluxo de Caixa ,0 2 8,0 6 24, , Indicadores Econômico-Financeiros ,0 1 4,0 7 28, , LEGENDA: SI 1 - Sem Importância PI 2 - Pouco Importante IR 3 - Importância Regular I 4 - Importante MI 5 - Muito Importante Qp Quantidade Parcial QT Quantidade Total A Desconhece a informação B Julga a informação necessária A partir dos dados apresentados na Tabela 9, verifica-se que a maioria dos gestores consideram as informações listadas como muito importantes no auxílio à gestão empresarial. As informações que tiveram o maior nível de importância pelos gestores foram: o registro de entradas de mercadorias e o controle de estoque de mercadorias, 68,0% dos gestores consideram essas informações muito importantes. Nenhuma das informações listadas foi considerada sem importância. No entanto as informações menos importantes em comparação com as demais foram: as informações sobre o patrimônio e as despesas operacionais.

10 As informações sobre o patrimônio, 4% consideram pouco importante; 4% consideram como importância regular; 36% consideram importante e 52% consideram muito importante. Em relação as despesas operacionais, 4% consideram pouco importante; 8% consideram como importância regular; 32% consideram importante e 52% consideram muito importante. Das 12 informações listadas, 6 foram indicadas por pelo menos um dos gestores como uma informação desconhecida, e a mais votada como desconhecida foi a informação sobre indicadores econômico-financeiros, 2 gestores a indicaram. A informação considerada mais importante pelos gestores foi sobre o lucro ou prejuízo, informação essa que se encontra na Demonstração do Resultado do Exercício. 72% dos gestores consideram essa informação muito importante. Em relação a informação considerada como necessária, a mais votada também foi a referente ao lucro ou prejuízo, 8 dos 25 gestores indicaram essa informação. 7 Conclusões Este estudo teve como objetivo investigar a percepção dos gestores de PMEs sobre a importância das informações geradas pelo Sistema de Informação Contábil no auxílio à gestão dessas empresas. Para isso, foram entrevistados 25 gestores de pequenas e médias empresas na cidade de Patos PB. De acordo com os dados da pesquisa, observou-se algumas características das PMEs pesquisadas e obtivemos alguns resultados a saber: Em relação a possuírem contador interno ou externo, foi detectado que 88% das empresas pesquisadas têm suas informações contábeis fornecidas por contador externo, e apenas uma empresa possui contador interno e externo. Desse resultado pode-se observar a predominância dessas empresas por contratarem os serviços contábeis de um contador externo (escritório), e isso se deve a alguns fatores, mas principalmente a falta de recursos financeiros suficientes para contratar um contador interno, isso segundo alguns gestores entrevistados nessa pesquisa. Os gestores foram indagados se possuíam conhecimento sobre a importância da informação contábil para a gestão das empresas, e o resultado foi que 72% dos respondentes responderam que sim. Por fim, foi solicitado aos gestores que julgassem a importância de algumas informações, a partir de uma lista fornecida, atribuindo-lhes notas em uma escala de Likert de 1 a 5, em que a nota mínima (1) é atribuída a informações consideradas sem nenhuma importância, e a nota máxima (5) é atribuída a informação considerada muito importante, no intuito de saber a percepção desses gestores sobre a importância da informação fornecida pelo Sistema de Informação Contábil SIC. Os principais resultados encontrados diante dessa última questão foram: a maioria dos gestores, ou seja, mais de 50% consideram as informações listadas como muito importantes no auxílio à gestão empresarial. O maior nível de importância foi atribuído ao registro de entradas de mercadorias e o controle de estoque de mercadorias, 68,0% dos gestores consideram essas informações muito importantes.

11 Nenhuma das informações listadas foi considerada sem importância. No entanto as informações menos importantes em comparação com as demais foram: as informações sobre o patrimônio e as despesas operacionais. A informação considerada mais importante pelos gestores foi sobre o lucro ou prejuízo, informação essa que se encontra na Demonstração do Resultado do Exercício. 72% dos gestores consideram essa informação muito importante. Diante dos resultados pode-se observar que a maioria dos gestores das PMEs em análise percebe a informação contábil gerada pelo SIC como muito importante, e isso é uma evidência da valorização da informação contábil por essas empresas, que na maioria das vezes não a utilizam em sua plenitude. Essas conclusões são válidas apenas para o conjunto de respondentes que participou da pesquisa. Os questionários e os resultados aqui obtidos não podem ser extrapolados para a população de PMEs brasileiras, devido à limitação que a amostra intencional impõe sobre os resultados. Para futuros trabalhos, faz-se necessário reaplicar esse estudo em amostras maiores e/ou em outras regiões, para confirmar os resultados apresentados. Referências ALBANEZ, T.; BONÍZIO, R. C. A contabilidade gerencial como fator condicionante à sobrevivência das micro e pequenas empresas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS - CBC, 16., João Pessoa, Anais... João Pessoa: CBC, ALBUQUERQUE, A. F. Gestão Estratégica das Informações Internas na Pequena Empresa: estudo comparativo de casos em empresas do setor de serviços (hoteleiro) da região de Brotas-SP. São Carlos, Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. CANECA, R. L. Oferta e Procura de Serviços Contábeis para Micro, Pequenas e Médias Empresas: um estudo comparativo das percepções dos empresários e contadores. Recife, Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Programa Multiinstitucional e Interregional de Pós-graduação em Ciências Contábeis da UNB/ UFPE/ UFPB/ UFRN. GIL, A. L. Sistemas de informações contábil/financeiros. São Paulo: Atlas, GONÇALVES, R. C. M. G.; RICCIO, E. L. Sistemas de informação: ênfase em controladoria e contabilidade. São Paulo: Atlas, HOLMES, S.; NICHOLLS, D. An analysis of the use of accounting information by Australian small business. Journal of Small Business Management, London, v.26, n.1, p.57-68, Apr LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de informações gerenciais. 7 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, LUCENA, W. G. L. Uma Contribuição ao Estudo das Informações Contábeis Geradas pelas Micro e Pequenas Empresas Localizadas na Cidade de Toritama no Agreste

12 pernambucano. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis. Programa Multiinstitucional: UnB, UFPB, UFPE e UFRN, João Pessoa, MARRIOTT, N.; MARRIOTT, P. Professional accountants and the development of a management accounting service for the small firm: barries and possibilities. Management Accounting Research, Wales, v.11, n.4, p , Dec MATIAS, A. B.; LOPES JÚNIOR, F. Administração financeira nas empresas de pequeno porte. São Paulo: Manole, MIRANDA, L. C. ; SANTOS, A. A. ; SAMPAIO, F. J. C. S. ; BARROS, O. J. E. Concepções dos Usuários sobre o Desempenho dos Sistemas de Informação Contábeis das Secretarias de Finanças Municipais e as Possíveis Características para um Sistema Contábil Ideal. In: VIII Convenção dos Contabilistas de Pernambuco, 2009, Olinda - PE. Anais da VIII Convenção dos Contabilistas de Pernambuco. Recife - PE : Edição do Conselho Regional de Contabilidade de Pernambuco, v. 1. p MIRANDA, L. C. et al. Demanda por Serviços Contábeis pelos Micro e Pequenos Supermercados: são os contadores necessários? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS CBC, 16., 2007, João Pessoa. Anais... João Pessoa: CBC, MORAIS, E. F. C. Inteligência competitiva: estratégias para pequenas empresas. Brasília: GH comunicação gráfica Ltda, MOSCOVE, S. A.; SIMKIN, M. G. e BRAGANOFF N. A. Sistemas de Informações Contábeis. São Paulo: Atlas, NAKAGAWA, Masayuki. Introdução à controladoria: conceitos, sistemas, implementação. 1 ed. São Paulo: Atlas, NETO, C. P. S. Informação contábil para a gestão: um estudo nas micro e pequenas construtoras do Recife. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis. Programa Multiinstitucional: UnB, UFPB, UFPE e UFRN, Recife, O BRIEN, J. A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet. Tradução Célio Knipel Moreira e Cid Knipel Moreira. 2 ed. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, A.G.; MÜLLER, A.N.; NAKAMURA, W.T. A utilização das informações geradas pelo sistema de informação contábil como subsídio aos processos administrativos nas pequenas empresas. Revista da FAE, Curitiba, v.3, n.3, p.1-12, set./dez OLIVEIRA, A. M. Informações contábeis-financeiras para empreendedores de empresas de pequeno porte. São Paulo, Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. OLIVEIRA, D. P. R. Sistemas de informações gerenciais: estratégicas, táticas, operacionais. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1993.

13 OLIVEIRA, D. P. R. Sistemas, organização e métodos: uma abordagem gerencial. 3 ed. São Paulo: Atlas, Sistemas, organização e métodos: uma abordagem gerencial. 3 ed. São Paulo: Atlas, PADOVEZE, C. L. Contabilidade gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 5 ed. São Paulo: Atlas, Sistemas de informações contábeis: fundamentos e análise. 5 ed. São Paulo: Atlas, PEREZ Jr., J. H.; BAGALLI, C. A. Elaboração das demonstrações contábeis. 2 ed. São Paulo: Atlas, QUEIROZ, L. M. N. Investigação do uso da informação contábil na gestão das micros e pequenas empresas da Região do Seridó Potiguar. Natal, Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) Programa Muliinstitucional e Inter-regional de Pós-graduação em Ciências Contábeis da Universidade de Brasília/ Universidade Federal de Pernambuco/ Universidade Federal da Paraíba/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte. SANTOS, A. A. Informática na empresa. 5 ed. São Paulo: Atlas, SEBRAE SC. Critérios de classificação de empresas ME EPP. Disponível em: Acesso em 11 de mar de SEBRAE. Fatores condicionantes e taxas de sobrevivência e mortalidade das micro e pequenas empresas no Brasil 2003/2005. Brasília, 2007.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ MELLO, A.D. de.; RANDO, D.R. Resumo No atual contexto empresarial

Leia mais

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen.

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen. Giselle Mesquita O uso da contabilidade na formação do preço e no planejamento das vendas: um estudo empírico sobre micro e pequenas empresas da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Projeto de pesquisa

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Série / Ano 2009 Carga Horária Semanal: 4h Semestral: 80h Anual:

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Série / Ano 2009 Carga Horária Semanal: 4h Semestral: 80h Anual: 1 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Ciências Contábeis

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS

ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS ANALISE DA FORMA DE ESTRUTURAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS EMPRESAS Autores: Alexandre Costa Quintana Daniele Pereira Mesquita RESUMO A forma de estruturação das demonstrações contábeis é fundamental

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Grau de utilização dos sistemas de fluxo de caixa na administração financeira das micro e pequenas empresas da cidade de Ponta Grossa Márcia Cristina de Mello Kaspczak (UTFPR) mcmjk@ig.com.br Luciano Scandelari

Leia mais

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Janniele Aparecida Conceitos Sistema de Informação Conjunto de componentes interrelacionados que coletam (ou recuperam), processam e armazenam e distribuem

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS VIII CIAEC 046 USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS Luciana Crispim de Souza Universidade Federal da Grande Dourados (Brasil) Antonio Carlos Vaz Lopes Universidade

Leia mais

MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação

MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação MPA 015 Fundamentos de Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Mestrado Profissional em Administração Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho Prof. Dr. Fábio Favaretto 1 Informações

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté Ailton da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

Rejane de Souza Pinheiro Wendell Simão da Rocha

Rejane de Souza Pinheiro Wendell Simão da Rocha Planejamento Tributário de Micro e Pequenas Empresas: um estudo exploratório sobre a oferta desses serviços para empresários da Região Administrativa de Taguatinga - DF Rejane de Souza Pinheiro Wendell

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 02 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 continuação Páginas 03 à 25 1 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Especialistas

Leia mais

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização.

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização. DESENVOLVIMENTO DE CONTROLES GERENCIAIS EM LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI UM ESTUDO DE CASO Jazmín Figari de la Cueva (G-UEM) Vitor Nogame (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Resumo A Adecon-Empresa

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MÓDULOS ESCOLA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MÓDULOS ESCOLA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MÓDULOS ESCOLA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF Módulo I: A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS Breve contextualização

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI

Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI Tecnologia da Informação Aula 3 Revolução dos SI Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife - PE Visão Geral Desafios Empresariais Administração * Monitora

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Gestão

Tecnologia Aplicada à Gestão Tecnologia Aplicada à Gestão Parte 4 Aula 11 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br Introdução O que são e para que servem os Sistemas de Suporte Gerencial? Como

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Thais Peixoto de Medeiros(1); Estephany Calado(2); Gisele Gregório Araújo(2); Márcio André Veras Machado (3); Francisco Roberto Guimarães Júnior(4) Centro

Leia mais

A importância da contabilidade gerencial na percepção da qualidade dos serviços contábeis prestados aos gestores de micro, pequenas e médias empresas

A importância da contabilidade gerencial na percepção da qualidade dos serviços contábeis prestados aos gestores de micro, pequenas e médias empresas A importância da contabilidade gerencial na percepção da qualidade dos serviços contábeis prestados aos gestores de micro, pequenas e médias empresas Roberta Lira Caneca (PMIPGCC-UnB/UFPE) - robertacaneca@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas Anderson Catapan Ana Carolina Teixeira Cortes ** Patrícia Baptista de Souza *** Rosângela Moreira dos Santos **** Vanessa

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Priscila Rubbo 1 Paulo Roberto Pegoraro 2 Resumo: O demonstrativo do fluxo de caixa tem como finalidade a projeção das entradas e saídas

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA PRIVADA NA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE CATOLÉ DO ROCHA PB

A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA PRIVADA NA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE CATOLÉ DO ROCHA PB A RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA PRIVADA NA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE CATOLÉ DO ROCHA PB MOISÉS OZÓRIO DE SOUZA NETO JOSUÉ BEZERRA DA COSTA FRANCISCO TAVARES FILHO Natal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

A integração do sistema de informações contábeis com os subsistemas operacionais utilizados pelas organizações

A integração do sistema de informações contábeis com os subsistemas operacionais utilizados pelas organizações A integração do sistema de informações contábeis com os subsistemas operacionais utilizados pelas organizações André Ricardo Ponce dos Santos (UNIMEP) anrsantos@uol.com.br Eduardo Teraoka Tófoli (UNISALESIANO)

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

"Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada

Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada "Gestão Contábil para micro e pequenas empresas: tomada de decisão Julio Cesar. Pergunta: - O que é importante na tomada de decisão. O que devemos saber para decidir algo?? Algumas INFORMAÇÕES acerca do

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

Para que Serve a Informação Contábil nas Micro e Pequenas Empresas?

Para que Serve a Informação Contábil nas Micro e Pequenas Empresas? Resumo Para que Serve a Informação Contábil nas Micro e Pequenas Empresas? Autoria: Daniel José Cardoso da Silva, Luiz Carlos Miranda, Deivisson Rattacaso Freire A presente pesquisa tem por objetivo evidenciar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM CONSULTORIA E PLANEJAMENTO EMPRESARIAL

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM CONSULTORIA E PLANEJAMENTO EMPRESARIAL Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM CONSULTORIA E PLANEJAMENTO EMPRESARIAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação

Tipos de Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Parte 2 Aula 5 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Classificação dos sistemas de informação? Cada sistema de informação é específico para desempenhar uma

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC

APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC VIII CIAEC 043 APLICABILIDADE DA CONTABILIDADE GERENCIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PARA TOMADA DE DECISÕES NAS INDÚSTRIAS ASSOCIADAS À ACIP DE PINHALZINHO/SC Alex Fabiano Bertollo Santana Centro Universitário

Leia mais

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos Torres RS 9 de julho de 2015. Mário Kemphel da Rosa Mário Kemphel

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 1 Contexto Reclamações comuns dos executivos: Há muita informação

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

As Informações Contábeis Provenientes dos Escritórios de Contabilidade e Sua Utilização como Ferramenta de Gestão

As Informações Contábeis Provenientes dos Escritórios de Contabilidade e Sua Utilização como Ferramenta de Gestão As Informações Contábeis Provenientes dos Escritórios de Contabilidade e Sua Utilização como Ferramenta de Gestão Gilberto Brondani gilbrondani@gmail.com UFSM Calazans Fernando Alves Caglioni calazansfac@gmail.com

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais