MICHELE MATOS USO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL: ESTUDO DE CASO NO PRÉDIO DA ENGENHARIA CIVIL - UFSC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MICHELE MATOS USO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL: ESTUDO DE CASO NO PRÉDIO DA ENGENHARIA CIVIL - UFSC"

Transcrição

1 MICHELE MATOS USO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL: ESTUDO DE CASO NO PRÉDIO DA ENGENHARIA CIVIL - UFSC FLORIANÓPOLIS 2004

2 MICHELE MATOS USO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL: ESTUDO DE CASO NO PRÉDIO DA ENGENHARIA CIVIL - UFSC Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial à obtenção do grau de Engenheiro Civil no curso de Graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal de Santa Catarina. Orientador: Prof. Roberto Lamberts, PhD Co-Orientador: Fernando Simon Westphal, M. Eng. Florianópolis, julho de 2004

3 MICHELE MATOS USO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL: ESTUDO DE CASO NO PRÉDIO DA ENGENHARIA CIVIL - UFSC Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado como requisito parcial para a obtenção do título de ENGENHEIRO CIVIL Prof. Roberto Lamberts, PhD Orientador Prof. Lia Caetano Bastos Coordenadora de TCC Banca Examinadora: Fernando Simon Westphal, M.Eng. Co-Orientador Prof. Enedir Ghisi, PhD Prof. Fernando Oscar Ruttkay Pereira, PhD

4 Aos meus pais, por acreditarem nos meus ideais...

5 AGRADECIMENTOS Aos meus pais João Francisco de Souza Matos e Maria Bernadete José Matos, meus amigos de todos os momentos, pelas demonstrações de amor e carinho recebidas durante esses vinte e três anos. À minha irmã Suelem pela amizade, companheirismo e cumplicidade. Ao Marcos pela paciência e amor. Por tornar os meus dias mais alegres e por estar ao meu lado durante a elaboração deste trabalho. Ao professor Roberto Lamberts pela oportunidade que tive de fazer parte do grupo de pesquisadores do LabEEE e pela orientação deste trabalho de conclusão de curso. Ao amigo Fernando Simon Westphal pelos conselhos dados durante o período de iniciação científica e por tornar a rotina do LabEEE mais divertida; pela atenção dispensada na orientação deste trabalho. Ao professor Enedir Ghisi pelas consultas com relação às medições de iluminância, gramática e formatação. Aos colegas do LabEEE, em especial Deivis Marinoski, Samuel Gosch, Isabel Salamoni e Enedir Ghisi. Aos professores Fernando Oscar Ruttkay Pereira e Enedir Ghisi e ao Eng. Fernando Simon Westphal por aceitarem o convite para participar da banca de avaliação deste trabalho. Aos pesquisadores dos laboratórios GDA e InfoHab pela gentileza e compreensão durante as medições. À professora Henriette Lebre La Rovere por permitir a realização das medições de iluminância nas salas de aula da pós-graduação fora do horário regular. Aos amigos que fiz durante o curso, em especial Rafael Pavei, Cherli Dominghini, Rui Retagi, Fabíola Chirolli, Alexandre Garghetti, Alizeu Schneider,

6 Marcio Orofino e José Angelo Petit Neto. Pela ajuda, companheirismo e alegria durante as tardes de estudo na BU ou durante as noites em claro que antecediam trabalhos ou provas. Nós vencemos mais uma batalha!... vamos produzir! (FSW)

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1-ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO DA PRATELEIRA DE LUZ...9 FIGURA 2-MENU DE FERRAMENTAS DO DESKTOP RADIANCE INSERIDO NO AUTOCAD. 11 FIGURA 3-FLUXOGRAMA DE CRIAÇÃO DO MODELO FIGURA 4-BIBLIOTECAS DISPONÍVEIS NO DESKTOP RADIANCE FIGURA 5-MALHA DE PONTOS SITUADA NO PLANO DE TRABALHO FIGURA 6-PLANILHA DOS RESULTADOS DE ILUMINÂNCIA OBTIDOS ATRAVÉS DA MALHA DE PONTOS FIGURA 7-MAPA DE SITUAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UFSC...16 FIGURA 8-PLANTA BAIXA DO BLOCO B DO PRÉDIO DA ENGENHARIA CIVIL COM A LOCALIZAÇÃO DOS AMBIENTES SIMULADOS FIGURA 9-METODOLOGIA UTILIZADA NAS MEDIÇÕES DE ILUMINÂNCIA...18 FIGURA 10-VISTA EXTERNA DA SALA DE AULA PPGEC FIGURA 11 -VISTA INTERNA DA SALA DE AULA PPGEC FIGURA 12-VISTA EXTERNA DA SALA DE AULA PPGEC FIGURA 13-VISTA INTERNA DA SALA DE AULA PPGEC FIGURA 14-VISTA EXTERNA DO INFOHAB FIGURA 15-VISTA INTERNA DA SALA DO INFOHAB FIGURA 16-VISTA EXTERNA DO GDA FIGURA 17-VISTA INTERNA DO GDA FIGURA 18-MALHA DE PONTOS SITUADA NO PLANO DE TRABALHO - PPGEC FIGURA 19-MALHA DE PONTOS SITUADA NO PLANO DE TRABALHO PPGEC FIGURA 20-MALHA DE PONTOS SITUADA NO PLANO DE TRABALHO - INFOHAB FIGURA 21-MALHA DE PONTOS SITUADA NO PLANO DE TRABALHO - GDA...26 FIGURA 22-CONDIÇÕES DE CÉU PARA O DIA 15 DE MAIO DE 2004 PPGEC FIGURA 23-CONDIÇÕES DE CÉU PARA O DIA 15 DE MAIO DE 2004 PPGEC FIGURA 24-CONDIÇÕES DE CÉU PARA O DIA 27 DE MAIO DE 2004 INFOHAB...27 FIGURA 25- CONDIÇÕES DE CÉU PARA O DIA 27 DE MAIO DE GDA...28 FIGURA 26-MODELO 3D DA SALA DE AULA PPGEC FIGURA 27-MODELO EM TRÊS DIMENSÕES DA SALA DE AULA PPGEC FIGURA 28-MODELO CRIADO PARA REPRESENTAR O LABORATÓRIO INFOHAB FIGURA 29-MODELO EM TRÊS DIMENSÕES DO LABORATÓRIO GDA...30 FIGURA 30-RENDERIZAÇÃO DA SALA DE AULA PPGEC2 SIMULADA ÀS 14H...32 FIGURA 31-GRÁFICOS COMPARATIVOS ENTRE OS VALORES DE ILUMINÂNCIA MEDIDOS E SIMULADOS PARA CADA HORÁRIO DE ANÁLISE DA SALA DE AULA PPGEC FIGURA 32-RENDERIZAÇÃO DA SALA DE AULA PPGEC3 PARA O DIA 15 DE MAIO DE 2004, ÀS 9H...35 i

8 FIGURA 33-GRÁFICOS COMPARATIVOS ENTRE OS VALORES DE ILUMINÂNCIA MEDIDOS E SIMULADOS PARA CADA HORÁRIO DE ANÁLISE...37 FIGURA 34-RENDERIZAÇÃO DO LABORATÓRIO INFOHAB NO PROGRAMA DESKTOP RADIANCE ÀS 9H DO DIA 27 DE MAIO DE FIGURA 35-GRÁFICOS COMPARATIVOS ENTRE OS VALORES DE ILUMINÂNCIA MEDIDOS E SIMULADOS PARA CADA HORÁRIO DE ANÁLISE DO LABORATÓRIO INFOHAB...40 FIGURA 36-RENDERIZAÇÃO DO LABORATÓRIO GDA NO PROGRAMA DESKTOP RADIANCE ÀS 9H DO DIA 27 DE MAIO DE FIGURA 37- GRÁFICOS COMPARATIVOS ENTRE OS VALORES DE ILUMINÂNCIA MEDIDOS E SIMULADOS PARA CADA HORÁRIO DE ANÁLISE DO LABORATÓRIO GDA...43 FIGURA 38-GRÁFICOS DAS DIFERENÇAS PERCENTUAIS NA ILUMINÂNCIA COMPARANDO-SE O CASO BASE COM AS ALTERNATIVAS. ALTERNATIVA 1 À ESQUERDA E ALTERNATIVA 2 À DIREITA. FACHADA NOROESTE FIGURA 39-GRÁFICOS DAS DIFERENÇAS PERCENTUAIS NA ILUMINÂNCIA COMPARANDO-SE O CASO BASE COM AS ALTERNATIVAS. ALTERNATIVA 1 À ESQUERDA E ALTERNATIVA 2 À DIREITA. FACHADA SUDESTE...48 FIGURA 40-GRÁFICOS DAS DIFERENÇAS PERCENTUAIS NA ILUMINÂNCIA COMPARANDO-SE O CASO BASE COM AS ALTERNATIVAS. ALTERNATIVA 1 À ESQUERDA E ALTERNATIVA 2 À DIREITA. FACHADA NORDESTE FIGURA 41-GRÁFICOS DAS DIFERENÇAS PERCENTUAIS NA ILUMINÂNCIA COMPARANDO-SE O CASO BASE COM AS ALTERNATIVAS. ALTERNATIVA 1 À ESQUERDA E ALTERNATIVA 2 À DIREITA. FACHADA SUDOESTE...52 ii

9 LISTA DE TABELAS TABELA 1-VALORES DE ILUMINÂNCIA RECOMENDADOS PELA NBR TABELA 2-QUANTIDADE MÍNIMA DE PONTOS A SER MEDIDA EM FUNÇÃO DO ÍNDICE DE AMBIENTE (K) TABELA 3-ORIENTAÇÕES DAS FACHADAS DO BLOCO B MEDIDAS IN LOCO...20 TABELA 4-CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DOS AMBIENTES SIMULADOS TABELA 5-CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS SUPERFÍCIES DOS AMBIENTES ESCOLHIDOS...24 TABELA 6-VALORES DE ILUMINÂNCIA MEDIDOS E SIMULADOS PARA A SALA DE AULA PPGEC TABELA 7-VALORES DE ILUMINÂNCIA MEDIDOS E SIMULADOS PARA A SALA DE AULA PPGEC TABELA 8-VALORES DE ILUMINÂNCIA MEDIDOS E SIMULADOS PARA O LABORATÓRIO INFOHAB...63 TABELA 9-VALORES DE ILUMINÂNCIA MEDIDOS E SIMULADOS PARA O LABORATÓRIO GDA...64 TABELA 10-VALORES DE ILUMINÂNCIA OBTIDOS ATRAVÉS DE SIMULAÇÕES PARA AS ALTERNATIVAS PROPOSTAS - SALA DE AULA PPGEC2. À ESQUERDA SUPERFÍCIE BRANCA, À DIREITA SUPERFÍCIE ALUMINIZADA FACHADA NOROESTE...66 TABELA 11- DIFERENÇAS PERCENTUAIS DE ILUMINÂNCIA COM RELAÇÃO AO CASO BASE. À ESQUERDA SUPERFÍCIE BRANCA, À DIREITA SUPERFÍCIE ALUMINIZADA FACHADA NOROESTE...67 TABELA 12-VALORES DE ILUMINÂNCIA OBTIDOS ATRAVÉS DE SIMULAÇÕES PARA AS ALTERNATIVAS PROPOSTAS - SALA DE AULA PPGEC3. À ESQUERDA SUPERFÍCIE BRANCA, À DIREITA SUPERFÍCIE ALUMINIZADA FACHADA SUDESTE TABELA 13-DIFERENÇAS PERCENTUAIS DE ILUMINÂNCIA COM RELAÇÃO AO CASO BASE. À ESQUERDA SUPERFÍCIE BRANCA, À DIREITA SUPERFÍCIE ALUMINIZADA FACHADA SUDESTE...69 TABELA 14-VALORES DE ILUMINÂNCIA OBTIDOS ATRAVÉS DE SIMULAÇÕES PARA AS ALTERNATIVAS PROPOSTAS LABORATÓRIO INFOHAB. À ESQUERDA SUPERFÍCIE BRANCA, À DIREITA SUPERFÍCIE ALUMINIZADA FACHADA NORDESTE...70 TABELA 15 DIFERENÇAS PERCENTUAIS DE ILUMINÂNCIA COM RELAÇÃO AO CASO BASE. À ESQUERDA SUPERFÍCIE BRANCA, À DIREITA SUPERFÍCIE ALUMINIZADA FACHADA NORDESTE...71 TABELA 16 VALORES DE ILUMINÂNCIA OBTIDOS ATRAVÉS DE SIMULAÇÕES PARA AS ALTERNATIVAS PROPOSTAS LABORATÓRIO GDA. À ESQUERDA SUPERFÍCIE BRANCA, À DIREITA SUPERFÍCIE ALUMINIZADA FACHADA SUDOESTE iii

10 TABELA 17 DIFERENÇAS PERCENTUAIS DE ILUMINÂNCIA COM RELAÇÃO AO CASO BASE. À ESQUERDA SUPERFÍCIE BRANCA, À DIREITA SUPERFÍCIE ALUMINIZADA FACHADA SUDOESTE...73 iv

11 SUMÁRIO RESUMO... vii 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVAS OBJETIVOS ESTRUTURA DO TRABALHO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO CONCEITOS Iluminância (E) Luminância (L) Refletância (ρ) Superfície Especular Contraste Ofuscamento Condições de céu A ILUMINAÇÃO NATURAL Sistemas de Iluminação Natural Aberturas laterais Aberturas zenitais Elementos de controle A UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS PARA ANÁLISE DE AMBIENTES MODELAGEM DE AMBIENTES NO DESKTOP RADIANCE METODOLOGIA INTRODUÇÃO ESCOLHA DOS AMBIENTES MEDIÇÕES DE ILUMINÂNCIA Cálculo da malha de pontos Refletância das superfícies internas CONDIÇÕES DO CÉU MODELAGEM DOS AMBIENTES CALIBRAÇÃO DOS MODELOS ANÁLISE DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO NATURAL DO PRÉDIO RESULTADOS DESCRIÇÃO DOS AMBIENTES MEDIÇÕES DE ILUMINÂNCIA CONDIÇÕES DO CÉU MODELAGEM DOS AMBIENTES CALIBRAÇÃO DOS MODELOS v

12 4.5.1 Fachada com Orientação Noroeste Fachada com Orientação Sudeste Fachada com Orientação Nordeste Fachada com Orientação Sudoeste ALTERNATIVAS ANALISADAS Fachada com Orientação Noroeste PPGEC Fachada com Orientação Sudeste PPGEC Fachada com Orientação Nordeste InfoHab Fachada com Orientação Sudoeste GDA Resumo das Alternativas Simuladas CONCLUSÕES CONCLUSÕES GERAIS CALIBRAÇÃO DOS MODELOS ALTERNATIVAS ANALISADAS SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICE A APÊNDICE B vi

13 RESUMO Este trabalho trata do uso do programa Desktop Radiance como ferramenta de análise de sistemas de iluminação natural. O estudo de caso ocorreu no bloco B do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Santa Catarina. Na edificação foram adotados conceitos de eficiência energética, como a utilização de prateleiras de luz e sistema de iluminação artificial eficiente. Uma sala de cada orientação do prédio foi simulada. Para cada ambiente foram contempladas 3 situações: o caso atual; considerando-se a superfície das prateleiras de luz branca; e considerando-as aluminizadas. Para calibrar os modelos, as condições de iluminação natural foram simuladas em diferentes horários para um dia do mês de maio e os resultados de iluminância comparados com os valores obtidos a partir das medições in-loco com luxímetros portáteis para esse mesmo dia. Para a fachada com orientação noroeste as curvas dos valores medidos e simulados seguiram a mesma tendência até os horários em que se observou a presença de radiação solar direta. A diferença maior entre os valores medidos e simulados para a fachada com orientação sudeste ocorreu nos pontos próximos às aberturas. No ambiente que representa a fachada de orientação nordeste, a presença de radiação solar direta dificultou a comparação entre os dados de iluminância. No ambiente que representa a fachada sudeste, registrou-se novamente uma diferença maior nos pontos próximos às aberturas. A diferença entre os resultados obtidos através da simulação e os valores medidos in loco pode ser atribuída à modelagem estimada das características dos materiais, a imprecisões ocorridas durante as medições dos níveis de iluminação, ao tipo de céu e à modelagem do entorno. A pintura da superfície da prateleira de luz na cor branca mostrou-se mais adequada para os ambientes de orientação noroeste e nordeste. A utilização de superfície de alumínio é sugerida para o ambiente com orientação sudeste e proporciona níveis maiores de iluminância para o ambiente com orientação sudoeste. vii

14 Introdução 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 JUSTIFICATIVAS No início do ano 2000, prevendo o risco de falha no abastecimento de energia elétrica do país, o governo federal determinou a redução no consumo de energia no setor público. Em 6 de janeiro de 2000, o Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, através do decreto n o (BRASIL, 2000), determinou que os prédios públicos da Administração Pública Federal deveriam reduzir em 20%, até 31 de dezembro de 2002, o seu consumo de energia elétrica, para fins de iluminação, refrigeração e arquitetura ambiental, tendo como referência, a média do consumo de Mais tarde, em 15 de maio de 2001, o decreto n o (BRASIL, 2001), determina uma redução no consumo de energia elétrica, até março de 2002, tendo como referência o mesmo mês do ano anterior, em no mínimo: I 15% no mês de maio de 2001 II 25% no mês de junho de 2001 III 35% no mês de julho de 2001 Em 17 de outubro de 2001 o Congresso Nacional decreta através da Lei n o , que o Poder Executivo deveria estabelecer níveis máximos de consumo específico de energia, ou mínimos de eficiência energética, para máquinas e aparelhos consumidores de energia fabricados ou comercializados no país incluindo edificações a serem construídas. Seriam adotados indicadores técnicos pertinentes, sendo previamente ouvidas em audiência pública, as entidades representativas de fabricantes e importadores de máquinas e aparelhos consumidores de energia, projetistas e construtores de edificações, consumidores, instituições de ensino e pesquisa e demais entidades interessadas (BRASIL, 2001). Como a Universidade Federal de Santa Catarina é um órgão da Administração Pública, deveria ter o consumo de energia elétrica reduzido. Dessa forma, em 2001 foi instaurado no Campus Universitário, o PRUEN, Programa de Racionalização do Uso

15 Introdução 2 de Energia Elétrica na UFSC. Esse programa tem por objetivo a redução do consumo e gastos com energia elétrica na UFSC, buscando alternativas e soluções viáveis. O artigo 1 o do decreto n o 4.131, de 14 de fevereiro de 2002 (BRASIL, 2002), determina que os orgãos da Administração Pública Federal devem reduzir o consumo de energia elétrica em 17,5%, a partir de fevereiro de 2002 com base na média do consumo mensal, tendo por referência o mesmo mês do ano Como resultado do PRUEN, especificações técnicas para o sistema de iluminação foram propostas ao Conselho Universitário e aprovadas como resolução da UFSC para a especificação de compra de equipamentos de iluminação em licitações. Atendendo ao artigo 3 o do decreto n o (BRASIL, 2002), que determina que na aquisição de materiais e equipamentos ou contratação de obras e serviços deverão ser adotadas especificações que atendam aos requisitos inerentes à eficiência energética, a contratação de novos projetos prevê: a utilização de luminária com refletores de alumínio de alta pureza, 2 lâmpadas de 32 W e reator com alto fator de potência; setorização dos circuitos elétricos permitindo o aproveitamento da iluminação natural; e a adequação dos níveis de iluminação para 300lux nas salas de aula e 400lux nas salas administrativas e de professores, ao final do período de manutenção de 24 meses. Foram propostas também recomendações para a compra de novos aparelhos de condicionamento de ar para o campus, seguindo os padrões de eficiência recomendados pelo PROCEL. Essas recomendações estão disponíveis na página do LabEEE, Laboratório de Eficiência Energética em Edificações (www.labeee.ufsc.br). Antes mesmo da instauração do PRUEN na UFSC, os prédios da Engenharia Civil foram construídos de forma a promover o uso eficiente de energia elétrica. Nesses prédios, foi instalado um sistema central de condicionamento de ar, proteções solares nas janelas, aproveitamento da iluminação natural através de prateleiras de luz e sistema de iluminação artificial composto por lâmpadas T8 de 32W, luminárias com refletor de alumínio de alta pureza e reatores com alto fator de potência. Através de simulações energéticas utilizando o programa VisualDOE, LEE et al. (2001) verificaram que os conceitos de eficiência energética adotados nos 2 novos prédios da Engenharia Civil, da UFSC, proporcionam uma economia equivalente a

16 Introdução 3 24% do consumo anual de energia elétrica desses prédios. Já a redução obtida na demanda representa 64% do valor máximo registrado durante o ano. Em relação ao consumo dos dois sistemas afetados pelas medidas de conservação de energia elétrica (iluminação e condicionamento de ar), a economia obtida equivale a 38%. Atualmente, a procura por melhores soluções arquitetônicas e elétricas para edificações é muitas vezes viabilizada através do uso de programas computacionais que permitem a simulação de diversas situações. A escolha de um sistema condicionador de ar eficiente, de lâmpadas e luminárias de alto rendimento; o projeto de proteções solares e até mesmo a análise das contas de energia elétrica de uma edificação torna-se muito mais fácil e eficaz através do uso de programas computacionais. O Radiance, desenvolvido para rodar em plataforma UNIX, é um pacote de ferramentas para auxiliar na análise e visualização de projetos de sistemas de iluminação, sejam eles naturais ou artificiais. A partir da descrição geométrica do ambiente, dos materiais, luminárias e lâmpadas e da definição da data, hora do dia e tipo de céu, o programa simula as condições de luz natural e artificial no ambiente. O Desktop Radiance é uma interface gráfica do Radiance para o sistema operacional Windows, que se utiliza de menus na própria barra de ferramentas do programa AutoCAD para incluir luminárias, lâmpadas, materiais nas superfícies e diversos objetos no ambiente desenhado em 3 dimensões. O programa Desktop Radiance, versão 2.0 beta, desenvolvido no Lawrence Berkeley National Laboratory (LBNL), na Califórnia, é distribuído gratuitamente pela internet (http://radsite.lbl.gov/deskrad/). 1.2 OBJETIVOS O objetivo principal deste estudo é simular o sistema de iluminação natural do prédio da Engenharia Civil através do programa Desktop Radiance. Como objetivos específicos, pretende-se: a) calibrar os modelos através de medições de iluminância em ambientes reais;

17 Introdução 4 b) avaliar a contribuição de duas alternativas propostas para aumentar os níveis de iluminação natural dos ambientes. 1.3 ESTRUTURA DO TRABALHO Este primeiro capítulo apresentou uma introdução que situa o trabalho no cenário da crise energética do país, algumas soluções encontradas no campus universitário da UFSC para a redução do consumo de energia elétrica, além do uso das simulações computacionais na busca por melhores soluções arquitetônicas e de eficiência energética. O segundo capítulo apresenta uma revisão bibliográfica sobre o tema do trabalho, citando alguns conceitos fundamentais ao entendimento do mesmo. Descreve aspectos relativos à iluminação natural, como condições de céu e sistemas de iluminação natural. Mostra os programas mais utilizados na análise da iluminação de ambientes com atenção ao programa Desktop Radiance, utilizado nas simulações. A metodologia de trabalho consta do terceiro capítulo. Nele são apresentadas as razões para a escolha dos ambientes, os passos necessários para a construção dos modelos no Desktop Radiance, de que forma se deram as medições de iluminância nos ambientes escolhidos e a validação do programa para análise do sistema de iluminação natural do prédio da Engenharia Civil. No quarto capítulo os resultados são expostos, através da descrição dos ambientes escolhidos, da validação dos modelos e por fim, são apresentadas as simulações paramétricas das alternativas que visam aumentar a contribuição de luz natural nos ambientes. As conclusões com relação ao estudo desenvolvido são apresentadas no quinto capítulo, bem como a sugestão para trabalhos futuros.

18 Revisão Bibliográfica 5 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 INTRODUÇÃO Com a recente crise energética no país e escassez dos recursos naturais é cada vez mais importante buscar alternativas eficientes do ponto de vista energético. As simulações computacionais são excelentes ferramentas de projeto, que aliadas à utilização de equipamentos eficientes contribuem, não apenas para a economia de energia, mas também, para o conforto do usuário. Segundo Lamberts et al. (1997) um bom projeto de iluminação deve garantir às pessoas a possibilidade de executar atividades visuais com o máximo de precisão e segurança e com o menor esforço. As tarefas com maiores exigências visuais devem se localizar em regiões próximas das janelas, onde a iluminação natural é maior, o que trará uma otimização do uso da luz natural, que deve ser complementada com o controle da luminância da janela e da incidência da radiação solar direta. Esta estratégia pode significar uma redução de até 50% no consumo de energia elétrica (ABILUX, 1992). Quando os níveis de iluminação natural não atingem os valores exigidos para a atividade exercida deve-se utilizar a iluminação artificial, considerando-se conceitos de eficiência energética, para que sejam utilizados os componentes adequados, em quantidade e qualidade satisfatórias. A iluminação artificial deve ser apenas complementar à natural durante o dia, o que sugere a separação dos circuitos de acendimento das luminárias paralelas às janelas. A utilização de iluminação de tarefa, ou seja, níveis de iluminação diferenciados para regiões específicas do ambiente, é obtida através de uma análise da distribuição das tarefas visuais no local, identificando-se a necessidade de prover uma iluminação alta em toda a superfície de trabalho ou em algumas partes do ambiente. A NBR-5413 (ABNT,1991) recomenda níveis de iluminância mínimo, médio e máximo para desempenhar determinadas atividades. Os valores de iluminância podem ser observados na Tabela 1. Os níveis mínimos e máximos devem ser adotados segundo critérios como: idade das pessoas, nível de precisão exigida para a tarefa e contraste no plano de trabalho.

19 Revisão Bibliográfica 6 Tabela 1-Valores de iluminância recomendados pela NBR Tipo de atividade Trabalhos não contínuos ou de transição como, circulação, sanitário, dormitório, depósito, saguão, sala de espera, etc. Trabalhos simplificados com requisitos visuais limitados como: sala de controle, sala de aula, arquivo, indústria, etc. Valores de iluminância (lux) mínimo médio máximo Tarefa realizada continuamente com requisitos visuais normais como escritórios, bancos, bibliotecas, lojas, etc. Situação onde se exige visualização de detalhes como em exposição em vitrine ou display, desenho, etc CONCEITOS A seguir serão descritas algumas grandezas fotométricas e termos pertinentes ao trabalho de pesquisa desenvolvido Iluminância (E) O termo iluminância, também conhecido como nível de iluminação, indica a quantidade de luz (lumens - lm) por unidade de área (m²) que chega em um determinado ponto. O nível de iluminação pode ser medido, porém não visto. O que é percebido são as diferenças na reflexão da luz incidente. Sua unidade é o lux, ou lm/m² (PHILIPS, 1996) Luminância (L) Luminância é definida por IESNA (1995) como o coeficiente do fluxo luminoso num elemento da superfície ao redor de um ponto, e propagado nas direções definidas por um cone elementar que contém a direção dada pelo produto do ângulo sólido e a área da projeção ortogonal do elemento da superfície num plano perpendicular para a direção dada. Segundo PHILIPS (1996), luminância denota a intensidade por metro quadrado de área aparente da fonte de luz ou de uma superfície iluminada (cd/m²). Quando as

20 Revisão Bibliográfica 7 superfícies são iluminadas, a luminância é dependente tanto do nível de iluminação quanto das características de reflexão da própria superfície Refletância (ρ) A refletância de uma superfície pode ser definida como a razão entre o fluxo luminoso refletido por essa superfície e o fluxo incidente sobre a mesma (IESNA, 1995) Superfície Especular É aquela na qual a reflexão é predominantemente regular. A reflexão (especular) regular é o processo pelo qual o fluxo incidente é redirecionado pelo ângulo especular. Ângulo especular é o angulo entre a normal à superfície e o raio refletido; é numericamnete igual ao ângulo de incidência e é coplanar com o raio incidente e a normal, mas do lado oposto da normal à superfície (IESNA, 1995). O coeficiente de especularidade indica quão polida é a superfície. O espelho ideal tem coeficiente de especularidade infinito Contraste O contraste é definido por IESNA (1995) como a relação entre a luminância de um objeto e o seu entorno imediato. Segundo Pereira e Souza (2000), por ser uma medida relativa, a percepção do contraste também é relativa. Desse modo, um objeto pode parecer mais ou menos brilhante dependendo do brilho do seu entorno Ofuscamento Segundo IESNA (1995), ofuscamento é a sensação produzida pela luminância com o campo visual que é suficientemente maior que a luminância a qual os olhos estão adaptados para causar incômodo, desconforto ou perda na performance visual e visibilidade. A magnitude da sensação de ofuscamento depende de alguns fatores como o tamanho, posição e luminância de uma fonte, o número de fontes e a luminância a qual os olhos estão adaptados.

21 Revisão Bibliográfica Condições de céu Os tipos de céu são divididos em três categorias: céu claro, parcialmente nublado e nublado. O céu claro possui menos de 30% de nuvens e o céu nublado possui mais de 70% de nuvens. Quando o céu não está completamente encoberto, a distribuição da luminância pode mudar rapidamente devido a períodos em que o sol está alternadamente obstruído, parcialmente obstruído ou totalmente desobstruído (IESNA, 1995). O programa Desktop Radiance disponibiliza ao usuário quatro modelos de céu: claro, parcialmente encoberto, encoberto e uniforme. 2.3 A ILUMINAÇÃO NATURAL O problema mais crítico no que se refere à iluminação natural é a utilização dos edifícios modernos, quando se prevê a presença de grande número de pessoas realizando tarefas visuais de diferentes exigências ao mesmo tempo. Tamanho, forma, posição e proteção das aberturas, profundidade do local, altura do forro e decoração das superfícies internas estão intimamente relacionadas com a qualidade de iluminação. São também significativas as proporções do ambiente, a disposição interna dos ambientes do edifício (em relação aos espaços abertos e de circulação) e o uso que se faz do espaço disponível no terreno. Aberturas iluminantes corretamente dimensionadas, protegidas da radiação solar direta e mantidas em boas condições de uso, são fontes de luz eficientes e econômicas Sistemas de Iluminação Natural Aberturas laterais As aberturas laterais são as mais utilizadas, proporcionando além de iluminação, ventilação e contato visual com o exterior. As aberturas unilaterais proporcionam níveis de iluminação irregulares, decrescendo à medida que o afastamento com relação às aberturas aumenta. Segundo IESNA (1995), para evitar grandes escalas de iluminância, a distância da parede com aberturas até a parede interna deve ser limitada a duas vezes a altura principal da janela com vidro claro.

22 Revisão Bibliográfica 9 Ainda segundo IESNA (1995), as aberturas bilaterais permitem a duplicação da largura possível do ambiente com sistema unilateral O segundo conjunto de janelas pode ocupar a parte mais alta da parede, o que reduz o risco de ofuscamento Aberturas zenitais As aberturas zenitais permitem a entrada de luz através das superfícies horizontais. Deve-se associar a iluminação natural desse tipo de abertura ao ganho de calor, já que as superfícies horizontais estão sujeitas a níveis de radiação solar direta mais elevados do que as verticais Elementos de controle Os elementos de controle têm a função de manipular a entrada de radiação solar direta nos ambientes, influenciando nos níveis de iluminação, no ganho de calor e no contato visual com o exterior. Os elementos de controle podem ser fixos ou móveis. Os brises horizontais impedem a entrada dos raios solares através da abertura a partir do ângulo de altitude solar e os brises verticais a partir do ângulo de azimute solar. Os brises mistos são a composição de brises verticais e horizontais. As prateleiras de luz ou light shelves, assim como os brises, impedem a entrada de radiação solar no ambiente nos horários desejados. Porém, a prateleira de luz serve como um elemento para a reflexão dos raios solares para o interior do ambiente. A luz é refletida e atinge o teto onde é distribuída ao ambiente proporcionando uma iluminação mais uniforme, tornando-o mais agradável (Figura 1). Prateleira de Luz Figura 1-Esquema de funcionamento da prateleira de luz.

23 Revisão Bibliográfica 10 Os elementos de controle móveis cortinas, persianas, venezianas e brises - são utilizados quando necessita-se de uma maior flexibilidade no controle da radiação solar direta. As cortinas, persianas e venezianas são mais utilizadas em residências. 2.4 A UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS PARA ANÁLISE DE AMBIENTES A realidade virtual criada por computadores e programas específicos facilita amplamente os complicados cálculos de iluminação. Além de proporcionar a obtenção de uma iluminação correta para o desempenho de tarefas, utiliza a luz para a criação de ambientes, valorizando a arquitetura e o bem-estar das pessoas. A simulação de iluminação natural propicia a visualização dos efeitos da entrada de luz difusa e direta em ambientes internos ao longo do ano em um processo relativamente rápido, que permite a verificação da adequação do dimensionamento e localização de aberturas, os efeitos do uso de materiais, texturas e cores na iluminância e na distribuição de luz nos ambientes (SOUZA et al., 2001). Atualmente existem vários programas no mercado de simulações. O Desktop Radiance, utilizado nessa pesquisa, desenvolvido no Lawrence Berkeley National Laboratory (LBNL), (Califórnia, Estados Unidos) destina-se a computar iluminância horizontal através de uma malha de pontos arbitrariamente orientada, ou gerar uma imagem renderizada de um espaço que possa ser examinado quanto à iluminância ou luminância de qualquer superfície na perspectiva renderizada do espaço em questão (LBNL, 2002). O Desktop Radiance é a interface do Radiance para o sistema operacional Windows. O Radiance é um sistema de programas de traçado de raios (ray-tracing) altamente preciso que roda em plataforma UNIX e é uma das mais poderosas ferramentas de análise de iluminação natural e artificial disponíveis atualmente, na qual pode-se simular qualquer tipo de geometria, bem como superfícies não difusas. Os arquivos de entrada especificam a geometria do ambiente, materiais, luminárias, hora, data e condições do céu (para cálculos de iluminação natural). Os valores calculados incluem radiação espectral (luminância+ cor), irradiância (iluminância +

Karyna A. C. Rosseti (1); Carlos Eduardo Rondon (2); Alfredo Jorge (3); Marta C. J. A. Nogueira (4); Fernanda M. Franco (5)

Karyna A. C. Rosseti (1); Carlos Eduardo Rondon (2); Alfredo Jorge (3); Marta C. J. A. Nogueira (4); Fernanda M. Franco (5) ANÁLISE ESTATÍSTICA DOS VALORES DOS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA OBTIDOS POR SIMULAÇÃO E MEDIDOS IN LOCO: ESTUDO DE CASO EM HABITAÇÕES POPULARES NO MUNICÍPIO DE CUIABÁ-MT Karyna A. C. Rosseti (1); Carlos Eduardo

Leia mais

Uso de Simulação Computacional para Análise de Iluminação Natural

Uso de Simulação Computacional para Análise de Iluminação Natural VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições

Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições AGO/2003 Projeto 02:135.02-001 Iluminação natural Parte 1: Conceitos básicos e definições ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL

CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL A LUZ NATURAL Iluminação que se obtém com a luz proveniente do sol representada quer pelos raios solares diretos, quer pelos raios indiretos da mesma proveniência,

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM MODELO DE SIMULAÇÃO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES DE CURTO PRAZO: ESTUDO DE CASO NO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSC

CALIBRAÇÃO DE UM MODELO DE SIMULAÇÃO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES DE CURTO PRAZO: ESTUDO DE CASO NO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSC CALIBRAÇÃO DE UM MODELO DE SIMULAÇÃO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES DE CURTO PRAZO: ESTUDO DE CASO NO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSC Alexandre Simon Lee (1); Fernando Simon Westphal (2); Roberto Lamberts

Leia mais

ANALYSIS SOL-AR. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis

ANALYSIS SOL-AR. PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis PROJETO DE PESQUISA Desenvolvimento de tutoriais de softwares da série Analysis ANALYSIS SOL-AR Pesquisadora: Karen Carrer Ruman de Bortoli (karencrbortoli@gmail.com) Orientadora: Rita de Cássia Pereira

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

INFORMAÇÕES. Técnicas

INFORMAÇÕES. Técnicas INFORMAÇÕES Técnicas Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente

3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente 3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente Este capítulo introduz um modelo evolucionário para a otimização dos parâmetros de uma construção de modo a minimizar o impacto da mesma sobre os

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR

Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR Este é um manual retirado do site do labee MANUAL EXPLICATIVO PARA USO DO PROGRAMA SOL-AR Considere um observador sobre a terra, onde há um plano imaginário onde o sol se projeta. A localização do sol

Leia mais

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO USO DE ISOLAMENTO TÉRMICO EM COBERTURAS E FACHADAS DE EDIFICIOS COMERCIAIS E DE ESCRITÓRIOS (1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO

Leia mais

EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES

EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES Palestra Simpolux 2006 EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES Arq. Ladislao Pedro Szabo Arq. Vivien Jaglbauer Abeling, Szabo Consultoria 1 Agradecimentos: Philips Lighting Isac Roizenblatt Luis Lancelle

Leia mais

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL.

AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. AVALIAÇÕES DE ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PRESENTES NA ARQUITETURA HABITACIONAL UNIFAMILIAR DO TRÓPICO ÚMIDO: A CASA ALDEIA VERDE EM MACEIÓ AL. Wevila F. B. Correia (1); Gianna M. Barbirato (2) (1) DEHA

Leia mais

PROTOCOLO DO RELATÓRIO TÉCNICO CIE 171:2006 APLICADO PARA AVALIAR A CONSERVAÇÃO DO FLUXO LUMINOSO NO PROGRAMA APOLUX

PROTOCOLO DO RELATÓRIO TÉCNICO CIE 171:2006 APLICADO PARA AVALIAR A CONSERVAÇÃO DO FLUXO LUMINOSO NO PROGRAMA APOLUX PROTOCOLO DO RELATÓRIO TÉCNICO CIE 171:2006 APLICADO PARA AVALIAR A CONSERVAÇÃO DO FLUXO LUMINOSO NO PROGRAMA APOLUX Carolina R. Carvalho (1); Anderson Claro (2); Marcelo Galafassi (3) (1) Programa de

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL NAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL NAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL NAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Enedir Ghisi, Eng o Civil, Mestrando LabEEE - Labotatório de Eficiência Energética em Edificações

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

Projetos de iluminação residencial

Projetos de iluminação residencial a r t i g o Projetos de iluminação residencial Por Marcela de Carvalho Fontes Como torná-los energeticamente eficientes Desde os tempos mais primórdios, o homem busca a luz como fonte de sobrevivência,

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA.

ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA. ISSN 1984-9354 ANÁLISE DE PARÂMETROS DE ILUMINAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADA A UM CONJUNTO HABITACIONAL DE CASAS POPULARES EM CACOAL-RONDONIA. Sérgio Luiz Sousa Nazario, Paulo Renda Anderson, Rodrigo

Leia mais

Centro Médico. Iluminação proporciona conforto aos usuários e valoriza arquitetura de interiores. c a s e. Da Redação Fotos: Ricardo Braescher

Centro Médico. Iluminação proporciona conforto aos usuários e valoriza arquitetura de interiores. c a s e. Da Redação Fotos: Ricardo Braescher c a s e Centro Médico Da Redação Fotos: Ricardo Braescher Iluminação proporciona conforto aos usuários e valoriza arquitetura de interiores 34 Vista panorâmica da fachada da clínica (foto maior). Acima,

Leia mais

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite 1. (Fuvest 2007) A janela de uma casa age como se fosse um espelho e reflete a luz do Sol nela incidente, atingindo, às vezes, a casa vizinha. Para a hora do dia em que a luz do Sol incide na direção indicada

Leia mais

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão.

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Professor : DUDU Disciplina : Física Óptica (FO) Introdução Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Fontes de

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. MÉTODO. 3.1. Diagrama Morfológico

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. MÉTODO. 3.1. Diagrama Morfológico O DESEMPENHO DA ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DE MINISTÉRIO EM BRASÍLIA: DIRETRIZES E RECOMENDAÇÕES PARA O CONFORTO VISUAL DO USUÁRIO E OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA. Lívia S. Leite (1); Júlia T. Fernandes (2)

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor 50 Apoio Manutenção elétrica industrial Capítulo XII Procedimentos de manutenção para economia de energia Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Um programa bem elaborado de manutenção é um ponto

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS Luis Fernando Malluf Sanchez Faculdade de Engenharia Civil CEATEC luis.fms1@puccampinas.edu.br Claudia Cotrim Pezzuto Faculdade

Leia mais

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO. Orientador(es) ADRIANA PETITO DE ALMEIDA SILVA CASTRO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE COBERTURAS DE POLICARBONATO E ACRÍLICO: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIMEP EM SANTA BÁRBARA DOESTE Autor(es) ROSIMARY COUTO PAIXÃO

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0

TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0 LOCALIZAÇÃO, PAVIMENTO TIPO, PLANTA BAIXA E CORTES DO APARTAMENTO A SER ANALISADO ORIENTAÇÃO: TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0 CLICANDO NA OPÇÃO (Info), APARECERÁ A TELA COM A SEGUINTE

Leia mais

Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura

Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura www.ravagnistudio.it PROPOSIÇÃO Esta proposta destina-se a arquitetos, estudantes de arquitetura e também pessoas desejosas de aprender língua italiana, que

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS AGÊNCIAS DO BANCO DO BRASIL NO DISTRITO FEDERAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS AGÊNCIAS DO BANCO DO BRASIL NO DISTRITO FEDERAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS AGÊNCIAS DO BANCO DO BRASIL NO DISTRITO FEDERAL RESUMO João Carlos Simão Pedreira (1); Cláudia Naves David Amorim (2) (1) Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE UMA SALA DE DESENHO COM USO DO SOFTWARE SURFER

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE UMA SALA DE DESENHO COM USO DO SOFTWARE SURFER AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE UMA SALA DE DESENHO COM USO DO SOFTWARE SURFER Aislan Cazéli do Calvario 1, Jhonis Gomes Silva 2, Nataly Laporte do Nascimento 2, Samira Poleze Bronetti

Leia mais

6.1 - OBJETIVOS DA PADRONIZAÇÃO... 03 6.2 - PADRÃO VISUAL E AMBIENTAL... 04 6.3 - INSTALAÇÕES... 05 11 6.4 - SINALIZAÇÃO EXTERNA...

6.1 - OBJETIVOS DA PADRONIZAÇÃO... 03 6.2 - PADRÃO VISUAL E AMBIENTAL... 04 6.3 - INSTALAÇÕES... 05 11 6.4 - SINALIZAÇÃO EXTERNA... SUMÁRIO MÓDULO 6 PADRONIZAÇÃO 6.1 - OBJETIVOS DA PADRONIZAÇÃO... 03 6.2 - PADRÃO VISUAL E AMBIENTAL... 04 6.3 - INSTALAÇÕES... 05 11 6.4 - SINALIZAÇÃO EXTERNA... 12 18 6.5 - SINALIZAÇÃO INTERNA... 19 23

Leia mais

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral

CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral CASA CIRURGIÕES Local Botucatu Ano 2011-2014 Escritório FGMF Autoras: Jéssica Lucena e Tamires Cabral Implantação e partido formal A casa Cirurgiões é uma residência unifamiliar de uso regular projetada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais MEMORIAL DESCRITIVO Construção de Prédios no Campus V- Divinópolis-MG Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Fevereiro/2007 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é complementar as informações

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS

CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS QUESTÕES DE SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Fernando Simon Westphal, Dr. Eng. Objetivo Apresentar uma visão de mercado Eficiência energética

Leia mais

Dicas de uso - Render Up

Dicas de uso - Render Up Dicas de uso - Render Up (versão 3.6.7 ou superior) Desenvolvido por: Promob Software Solutions Rua dos Cinamomos - 517 - Cinquentenário CEP 95012-140 - Caxias do Sul - RS Brasil Fone/Fax: 54 3209 9200

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima da região. Olhando para

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para determinado iluminamento: Pela carga mínima exigida por normas (aproximação de referência); Método dos Lúmens; Método

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 2012 O presente material é uma coletânea

Leia mais

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br Estalo Thermal Design Conteúdo Apresentação...4 1.1 O QUE É O ESTALO THERMAL DESIGN?...4 1.2 ONDE ELE SE APLICA?...4 1.3 COMO SE REALIZA A ENTRADA DE DADOS?...4 Ajuda para utilização do programa...5 2.1

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. Nathalya Luciano Buges - Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus 1 Arnulfo Barroso Vasconcellos, Dr.; Fernando Novelo, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Antônio

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Revista Eletrônica de Educação e Ciência (REEC) ISSN 2237-3462 - Volume 05 Número 01 2015

Revista Eletrônica de Educação e Ciência (REEC) ISSN 2237-3462 - Volume 05 Número 01 2015 DESENVOLVIMENTO DE BRISE VERTICAL COM POSICIONAMENTO AUTOMATIZADO ORIENTADO PELA MOVIMENTAÇÃO SOLAR Samara Martha Cavalcante Cuppari da Silva 1, João Paulo Crivellaro de Menezes 2 1 Centro Universitário

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL EM DOIS HIPERMERCADOS

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL EM DOIS HIPERMERCADOS AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL EM DOIS HIPERMERCADOS Leonardo B. S. Mangiapelo 1 ; Alberto L. Francato 2 ; Wagner A. Andreasi 3 (1) Eng. Eletricista,

Leia mais

Introdução à Óptica Luz

Introdução à Óptica Luz Introdução à Óptica Luz A luz é uma forma de energia que se propaga nos meios materiais e também no vácuo. A luz emitida pelo Sol estrela mais próxima da Terra chega a nós em 8 minutos e 20 segundos, percorrendo

Leia mais

O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DO BRISE-SOLEIL PELOS PROJETISTAS NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Caroline Pienes Weber (1); Joaquim C. Pizzutti dos Santos (2); Egon Vettorazzi (3) (1) Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento.

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 4.1. Definições Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. Iluminância (E): relaciona a luz que

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

APOSTILA 3D (notas de aula)

APOSTILA 3D (notas de aula) PROJETO E COMPUTAÇÃO GRÁFICA APOSTILA 3D (notas de aula) Prof a. Renata Maria A. Baracho Porto Prof. Marcelo Franco Porto Abril 2010 1 Professores Prof a Renata Maria A. Baracho Porto Prof. Marcelo Franco

Leia mais

ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU

ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU Referência PACS: 43.50.Gf Barbosa Miriam Jerônimo; Zeballos Adachi Andrea

Leia mais

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente.

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente. Os programas Domus são divididos em 4 aplicativos para atender às diferentes necessidades das pequenas e médias fábricas de móveis, ou de profissionais que se dedicam somente ao desenvolvimento de projetos

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br C.GlassR Ficha técnica Avenida Neyde Modesto de Camargo, 151 Sistema de Envidraçamento- C.Glass (Channel Glass) by T2G Descrição: O Sistema C.Glass é composto por per s de vidros autoportantes, e ao contrário

Leia mais

Lâmpadas de Multivapores Metálicos

Lâmpadas de Multivapores Metálicos a u l a p r á t i c a Lâmpadas de Multivapores Metálicos Por Adriana Felicíssimo Eficiente, durável, econômica e... de luz branca SURGIDA HÁ CERCA DE 40 ANOS, A LÂMPADA de multivapores metálicos vem sendo

Leia mais

Projeto Racional de Fachadas

Projeto Racional de Fachadas Secretaria de Estado do Meio Ambiente Governo do estado de São Paulo Projeto Racional de Fachadas Projeto Racional de Fachadas Projeto de Desempenho: Conforto Ambiental de Edificações Desenvolvimento Racional

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE 26 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE SIMULAÇÃO

Leia mais

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes SEBRAE Memorial Descritivo 1. Diretrizes A identidade do edifício institucional deve se dar pelo caráter da obra singular ou por um conjunto edificado que reconstitua o lugar como uma referência para a

Leia mais

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas,

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas, Compromisso com o futuro Profissionais no fluxo de ar Instrumento de medição para análise de VAC testo 480 O testo 480 lhe oferece: > Sondas digitais de elevada qualidade e conceito inteligente de calibração

Leia mais

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO Produto Aquisição de empreendimentos habitacionais na planta Sem custos de comercialização para o construtor Recursos do Fundo do Novo Programa Habitacional Público Alvo:

Leia mais

Cálculo de carga térmicat

Cálculo de carga térmicat Cálculo de carga térmicat Consiste em determinar a quantidade de calor que deverá ser retirada de um ambiente, dando-lhe condições climáticas ideais para o conforto humano. Este cálculo c normalmente é

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

MS TECNOPON CÂMARAS CLIMÁTICAS

MS TECNOPON CÂMARAS CLIMÁTICAS CÂMARAS CLIMÁTICAS MS TECNOPON Prezado Cliente: MS TECNOPON Instrumentação Agradecemos V.S.a. pela confiança depositada em nossa Empresa, no momento da aquisição deste aparelho. Estamos certos de que lhe

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL

CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL CONFORTO TÉRMICO EM APARTAMENTOS DE UM CONJUNTO HABITACIONAL EM MACEIÓ/AL José Eduardo Castro de Almeida (1); Ricardo C. Cabús (2) (1) Universidade Federal de Alagoas, Rua José de Alencar, 318 Farol Maceió/AL,

Leia mais

Iluminação e Sustentabilidade

Iluminação e Sustentabilidade e s p e c i a l Foto: NASA Iluminação e Sustentabilidade Por Daniela Cardoso Laudares Pereira e Cecília Mattos Mueller A integração entre luz natural e artificial EM FEVEREIRO DE 2007 FORAM DIVULGADAS

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

1. Introdução. 2. Fontes de luz. Óptica geométrica

1. Introdução. 2. Fontes de luz. Óptica geométrica 1. Introdução Óptica geométrica Vamos iniciar nosso estudo, fazendo uma breve introdução sobre a óptica geométrica. Quando estudamos a Óptica nos centramos na compreensão da natureza e propriedades da

Leia mais

Foto: Novo Studio A R Q U I T E T U R A

Foto: Novo Studio A R Q U I T E T U R A Foto: Novo Studio 36 p o n t o d e v i s t a Fotos: Alan Nascimento Com 12% de área iluminante na cobertura, considerando um poliuretano branco translúcido de coeficiente de transmissão de 82%, obtêm-se

Leia mais

REFLEXÃO. Leis da reflexão Os fenômenos em que acontecem as reflexões, tanto regular quanto difusa, obedecem a duas leis fundamentais que são:

REFLEXÃO. Leis da reflexão Os fenômenos em que acontecem as reflexões, tanto regular quanto difusa, obedecem a duas leis fundamentais que são: REFLEXÃO Como já foi dito anteriormente, reflexão é o fenômeno pelo qual, a luz incide sobre uma superfície e retorna ao meio de incidência. Iremos agora, estudar a reflexão da luz em espelhos planos e

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Adendos e notas 1/11 Adendo I de 24/0713 ao Referencial técnico de certificação Edifícios

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Iluminação de Escritórios

Iluminação de Escritórios a u l a r á p i d a Fotos: Capturas de apresentação da empresa Zumptobel Staff Pela revisão da norma EM 12.464, a iluminação será mais individualizada por tipo de tarefa desenvolvida. Iluminação de Escritórios

Leia mais

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR

UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE DE PROTEÇÃO SOLAR PARA EDIFICAÇÕES DA CIDADE DE LONDRINA PR I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. UMA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA NECESSIDADE

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras. Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO CENPES Centro de Pesquisa da Petrobras Autor: Siegbert Zanettini Co-autor: José Wagner Garcia PARTIDO ARQUITETÔNICO DIRETRIZES GERAIS O edital do concurso aliado ao interesse por

Leia mais

Impactos da Adequação Climática Sobre a Eficiência Energética e o Conforto Térmico de Edifícios de Escritórios no Brasil Zona 1

Impactos da Adequação Climática Sobre a Eficiência Energética e o Conforto Térmico de Edifícios de Escritórios no Brasil Zona 1 Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Impactos da Adequação Climática Sobre a Eficiência Energética e o Conforto Térmico de Edifícios de Escritórios no Brasil Zona 1 Antonio Augusto de Paula

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais