1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores."

Transcrição

1 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores. 2 ÁREA DE CONHECIMENTO Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo 2.1 Sub-Área de Conhecimento: Tecnologia de Arquitetura e Urbanismo - Adequação Ambiental 2.2 Grupo de Pesquisa e respectiva área Projeto e Design da Cidade do Edifício e de Interiores 3. COORDENADOR/ ORIENTADOR João Luiz Pacheco 4. BOLSISTA Raphael Edgar Picoli Montibeller 5. CENTRO Ceciesa CTL 6. CURSO Arquitetura e Urbanismo

2 2 EQUIPAMENTO PARA OBSERVAÇÃO DIDÁTICA E ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA DE COR SOBRE AS CORES João Luiz Pacheco (Orientador); Raphael Edgar Picoli Montibeller (Bolsista) (Orientador) Departamento de Arquitetura e Urbanismo Ceciesa.com Universidade do Vale do Itajaí Univali, Brasil (Bolsista ) Departamento de Arquitetura e Urbanismo Ceciesa.com Universidade do Vale do Itajaí Univali, Brasil RESUMO Temperatura de cor é o conceito que define o espectro de radiação luminosa que uma lâmpada emite. Em outras palavras, as cores são mais ou menos destacadas por uma iluminação em função da distribuição espectral das lâmpadas. Este assunto torna-se hermético e distante do aluno quando tratado apenas teoricamente. E, mesmo quando estes efeitos cromáticos são exemplificados e demonstrados através de projeções de fotografias não se consegue aproximar suficientemente o aluno do significado destas informações. Somente o contato real com os diferentes efeitos do fenômeno pode dar ao aluno a perfeita satisfação do conhecimento. Entretanto, não existe no mercado de instrumentos didáticos um aparelho que demonstre os efeitos que as diferentes temperaturas de cor geram sobre as cores. Este trabalho teve como objetivo estudar, desenvolver e construir um sistema que possibilite a observação e comparação do efeito sobre as cores gerado pela iluminação dos diferentes tipos de lâmpadas, isto é, gerado pelas diferentes temperaturas de cor. Durante o desenvolvimento deste trabalho buscou-se um equipamento que mostre a mesma cor sendo iluminada ao mesmo tempo por diferentes tipos de lâmpadas, mostrando simultaneamente os diferentes destaques que a luz de cada lâmpada cria nas diferentes cores. Palavras-chaves: temperatura de cor; luz; cores. 1 INTRODUÇÃO 1.1 A percepção das cores depende do tipo de luz incidente O conforto lumínico dos ambientes com iluminação artificial depende de uma série de variáveis como luminosidade, distribuição dos iluminamentos, ofuscamento e bem como da temperatura de cor das lâmpadas utilizadas. Esta última variável, de fundamental importância na determinação do efeito cromático que uma determinada lâmpada cria sobre as cores, é obtida com um instrumento chamado Kelvinômetro. Este aparelho serve muito bem a instrumentação de qualquer ambiente quando estamos interessados na obtenção da temperatura de cor gerada pelas lâmpadas instaladas. Entretanto, o instrumento não tem a função didática de mostrar aos alunos o efeito que as diferentes temperaturas de cor geram sobre as mais diversas cores. Instrumentos destinados a demonstrar os efeitos cromáticos gerados sobre as diferentes cores através da variação da temperatura de cor das lâmpadas não é encontrado como produto no mercado de instrumentação e nem mesmo como conceito na literatura do meio acadêmico. Evidentemente, literatura que trate do tema temperatura de cor é abundante e conhecida por todos que estudam o assunto nas disciplinas de conforto ambiental. Temperatura de cor é a grandeza que define a cor da luz emitida pela lâmpada, pois existem varias tonalidades de cor e são catalogadas conforme sua temperatura em graus Kelvin. (SILVA, 2002:37). Esta variável muitas vezes desconhecida é de fundamental importância na iluminação de ambientes internos bem como na grande parte da informação visual que se obtém nas zonas comerciais correspondentes a planos verticais e a diferença das vias de transito automotor. A cor da luz e reprodução de cores são importantes.(mascaró, 2006:128). E, cabe salientar, ainda, que o efeito das cores atua psicologicamente nos indivíduos.

3 3 (COSTA, 1998:79) É de se destacar a importância do conhecimento deste conceito até mesmo para a escolha adequada das cores a serem usadas em ambientes externos com luz natural, pois a luz branca natural emitida pela luz do sol em céu aberto, ao meio dia, tem temperatura de cor de 5800K e as cores serão reproduzidas de acordo com esta iluminação. (MOREIRA, 1999:22). A adequação de cores à luz pode ser exemplificada com o fato de que as mulheres sabem que existe uma maquiagem própria para o dia, sob a luz do sol, e outra para a noite, sob a luz de fontes luminosas artificiais, mas o que nem todas sabem é que isto é devido à temperatura de cor, que durante o dia è elevada e à noite, com o crepúsculo, aproxima-se da incandescência. (COSTA, 1998:79). O conhecimento deste conceito é importante para que não se cometa equívocos, como chama atenção Vianna (2001: cap.4) quando trata a relação da cor da luz com a potência desta, mostrando que não é valida a impressão de que quanto mais clara a luz fornecida pela lâmpada maior a sua potência. Logo, só o adequado conhecimento deste assunto permite ao profissional de iluminação escolher a cor da luz de tal forma que se enquadre com a finalidade do ambiente. (COSTA, 1998:80). Quando, em sala de aula, demonstra-se a influência cromática da temperatura de cor usando-se os recursos tradicionais, isto é, utilizando-se projeções de fotografias ou citando-se exemplos conhecidos destes efeitos, as aulas não se tornam tão produtivas quanto poderia ser, e, cria-se nos alunos a insatisfação gerada com a falta do contato real com o fenômeno. Desta forma, se justifica buscar um equipamento que contorne esta inadequação didática colocando o aluno em contato com a observação direta dos efeitos gerados pela temperatura de cor. 1.2 A observação simultânea do efeito que a luz de cada tipo de lâmpada gera sobre cada tipo de cor Em sala de aula é possível demonstrar a influência cromática da temperatura de cor de cada tipo de lâmpada usando o recurso tradicional de iluminar simultaneamente diversos objetos com cores diferentes através da luz de cada tipo de lâmpada separadamente. As lâmpadas com luz de diferentes temperaturas de cor não podem ser ligadas simultaneamente, pois uma interfere na iluminação da outra, mascarando o resultado. Neste caso, a comparação do efeito da luz que cada tipo de lâmpada tem sobre as cores não é simultânea, e, conseqüentemente, como nossa memória das cores é muito volátil, os resultados das demonstrações não se tornam tão produtivos, criando nos alunos a insatisfação gerada com a falta da observação simultânea do efeito que a luz de cada tipo de lâmpada gera sobre cada tipo de cor. 2 OBJETIVOS Este artigo tem com objetivo apresentar um trabalho de pesquisa elaborado para estudar e desenvolver um sistema que proporcione ao aluno das aulas de Conforto Ambiental observar e testar os diferentes efeitos gerados sobre as cores pela iluminação dos diferentes tipos de lâmpadas. 3 METODOLOGIA 3.1 Equipamento didático que ilumine simultaneamente a mesma cor com lâmpadas de diferentes temperaturas de cor A metodologia empregada para a construção do equipamento esta baseada no fato de que a comparação do efeito da luz que cada tipo de lâmpada tem sobre as cores deve ser simultânea, pois nossa memória de cores é muito confiável. Outra consideração importante, não esquecida durante o desenvolvimento das propostas de equipamento, tem como base o fato de que lâmpadas com luz de diferentes temperaturas de cor não podem ser ligadas, no mesmo ambiente, simultaneamente, pois uma interfere na iluminação da outra, mascarando o resultado.

4 4 3.2 Imagens do equipamento construído O equipamento construído foi resultado de um processo de projeto que envolveu o desenvolvimento, com posterior análise, de diversos desenhos propondo equipamentos que iluminam simultaneamente diferentes placas de mesma cor com lâmpadas de temperaturas de cor diferentes, isoladas uma da outra de tal fora que uma luz não interfira na iluminação da outra. Os desenhos e projetos das possíveis formas, texturas e cores a serem usadas no equipamento evoluiu para a forma mostrada nas imagens abaixo (figura1 e figura 2). Figura 1. Equipamento desenvolvido para mostrar os efeitos do tipo de luz sobre as cores. Figura 2. Detalhe do sistema de substituição das placas coloridas.

5 5 4 ANÁLISE DE RESULTADOS 4.1 O uso de lâmpadas com padrão de temperatura de cor Os primeiros croquis do protótipo mostravam as dificuldades do uso de lâmpadas tubulares grandes como as lâmpadas fluorescentes comerciais e já chamavam a atenção para o fato de que um mesmo tipo de lâmpada deve estar presente na iluminação das diversas cores a serem iluminadas. A análise para a escolha desta lâmpada padrão mostrou que 2 (duas) Temperaturas de Cor devem ser consideradas: 2700K e 4500K. A primeira por se tratar de um tipo de luz muito comum nas residências, gerada pelas lâmpadas incandescestes comuns, e a segunda, por ser uma luz neutra que não dará destaque nem para as cores quentes nem para as cores frias. Figura 3. Equipamento mostrando placas de cor amarela sendo iluminadas por um mesmo tipo de lâmpada padrão com temperatura de cor de 4500K. 4.2 Cores iguais iluminadas por luzes de diferentes temperaturas de cor apresentam resultados cromáticos diferentes A imagem a seguir (figura 4) mostra um detalhe do equipamento desenvolvido neste trabalho de pesquisa onde aparecem duas placas com a mesma cor amarela sendo iluminadas simultaneamente por duas lâmpadas de diferentes temperaturas de cor.

6 6 Figura 4. Equipamento mostrando duas placas de mesma cor iluminadas por dois tipos distintos de lâmpadas. Como é de se observar na imagem em análise os resultados cromáticos são bem diferentes: a placa da esquerda iluminada com a luz de uma lâmpada padrão com temperatura de cor de 2700K ficou aparentando uma cor amarela mais natural, e a placa da direita iluminada pela luz de uma lâmpada de temperatura de cor de 1600K ficou aparentando um vermelho-rubro mais intenso. 5 CONCLUSÕES Como resultados da pesquisa pode-se afirmar que: O equipamento desenvolvido demonstra com clareza os diferentes efeitos cromáticos gerados pelos diferentes tipos de lâmpadas, mostrando que placas de cores iguais colocadas lado a lado e iluminadas simultaneamente aparentam cores diferentes quando iluminadas por luzes com diferentes temperaturas de cor. Formas adequadas ao manuseio rápido por parte dos alunos necessitam ser desenvolvidas para que o equipamento seja melhor aproveitado como instrumento para o uso didático. Este primeiro equipamento desenvolvido necessita ser mais utilizado pelos alunos em atividades de Conforto Ambiental, para que as questões ligadas aos efeitos cromáticos gerados pela iluminação sejam melhor identificadas. 6 REFERÊNCIAS COSTA, Gilberto José Corrêa da. Iluminação Econômica: Cálculo e avaliação. Porto Alegre: EDIPUCRS, MASCARÓ, Lúcia. A iluminação de espaços urbanos. Porto Alegre: Masquatro, MOREIRA, Vinicius de Araujo. Iluminação Elétrica. São Paulo: Editora Edgard Blücher Ltda, SILVA, Mauri Luiz da. Luz, lâmpadas e iluminação. Porto Alegre: M.L. da Silva, Vianna, Nelson Solano. Iluminação e Arquitetura. São Paulo: Virtus s/c Ltda, 2001.

As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts.

As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. Incandescente E27 E14 LED Lúmens 100W 1400 1300 1350lm 16W 1200 1100 1000

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS Thiago de Carvalho Sousa (UVV) thiagocs01@hotmail.com Lucca de Carvalho De Biase

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

Soluções de iluminação LED

Soluções de iluminação LED Soluções de iluminação LED SOLUÇÕES DE ILUMINAÇÃO LED 2 LED SOLUTIONS 3 anos Benefícios das lâmpadas : O que a oferece a você: Economia de energia de até 85% comparando-se com as lâmpadas incandescentes

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

Projetos de iluminação residencial

Projetos de iluminação residencial a r t i g o Projetos de iluminação residencial Por Marcela de Carvalho Fontes Como torná-los energeticamente eficientes Desde os tempos mais primórdios, o homem busca a luz como fonte de sobrevivência,

Leia mais

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor 50 Apoio Manutenção elétrica industrial Capítulo XII Procedimentos de manutenção para economia de energia Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Um programa bem elaborado de manutenção é um ponto

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS. GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org.

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS. GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org.br VICTOR SALVINO BORGES victor.borges@lactec.org.br EDEMIR LUIZ

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

A barra LED RGB pode ser utilizada em diversas aplicações de decoração, das quais destacamos: vitrinas, expositores, móveis de cozinhas, sancas, anfiteatros, etc... Tecnologia LED Barras RGB Vantagens

Leia mais

Impressoras. Prof. Rafael Sandim

Impressoras. Prof. Rafael Sandim Impressoras Prof. Rafael Sandim Impressoras É um periférico Pode ser conectado a um computador ou a uma rede de computadores É um dispositivo de saída que tem como função: Imprimir textos Imprimir gráficos

Leia mais

Fotossenti: Um aplicativo para auxiliar em tratamentos psicológicos

Fotossenti: Um aplicativo para auxiliar em tratamentos psicológicos Fotossenti: Um aplicativo para auxiliar em tratamentos psicológicos Dárlinton Barbosa Feres Carvalho, Samuel Moreira Abreu Araújo darlinton@acm.org, samucacesa@yahoo.com.br Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

Iluminando com Luz Fria

Iluminando com Luz Fria 1 Fonte: Lumatek Iluminação http://www.luzfria.com.br/web/catalogo/tutorial_iluminando_lf.htm Iluminando com Luz Fria As lâmpadas fluorescentes são uma eficiente fonte de luz, com qualidades que nenhum

Leia mais

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia E.E. Frontino Guimarães Sala 5 2ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Meire Pereira de França Roseli Fernandes Euquério Lima Realização: Foco Desenvolvimento da

Leia mais

TOPLEDS Lighting Solutions 1

TOPLEDS Lighting Solutions 1 TOPLEDS Lighting Solutions 1 INOVAÇÃO SUSTENTABILIDADE ECONOMIA LED, sigla em inglês de Diodo Emissor de Luz, é um semicondutor com vida útil extremamente longa, montado em um chip de silício que recebe

Leia mais

EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES

EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES Palestra Simpolux 2006 EFEITOS DE LUZ em AMBIENTES de INTERIORES Arq. Ladislao Pedro Szabo Arq. Vivien Jaglbauer Abeling, Szabo Consultoria 1 Agradecimentos: Philips Lighting Isac Roizenblatt Luis Lancelle

Leia mais

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor.

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor. Movimentos da Terra 1) Objetivo Geral Aplicar os conhecimentos sobre os movimentos da Terra e da Lua para o cotidiano, e mais especificamente, para a economia de energia elétrica como o horário de verão

Leia mais

REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS

REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS REFLEXÃO E ESPELHOS PLANOS e ESFÉRICOS Leis da Reflexão: 1º- O raio refletido, a normal e o raio incidente pertencem ao mesmo plano. 2º- A medida do ângulo de reflexão é igual à medida do ângulo de incidência.

Leia mais

l+d Maternidade, Porto Alegre luz + design + arquitetura R$16,00 ISSN: 1808-8996

l+d Maternidade, Porto Alegre luz + design + arquitetura R$16,00 ISSN: 1808-8996 R$16,00 l+d luz + design + arquitetura ISSN: 1808-8996 GLASS/WOOD HOUSE, New Canaan Rios de Luz, Valhadolide Maternidade, Porto Alegre Apartamento residencial, São Paulo projetos Luz da vida 50 Parece

Leia mais

¹Instituto Federal Goiano Câmpus Rio Verde; 2 Instituto Federal Goiano Câmpus Rio Verde; e-mail do autor: jhonatanfigueiredo1@gmail.

¹Instituto Federal Goiano Câmpus Rio Verde; 2 Instituto Federal Goiano Câmpus Rio Verde; e-mail do autor: jhonatanfigueiredo1@gmail. UTILIZAÇÃO DA ILUSTRAÇÃO CIENTÍFICA COMO MÉTODO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MORFOLOGIA DE FLORES BARROS, Jhonatan Figueirêdo De (Estudante)¹; FERREIRA, Marcus Vinícius Sousa (Estudante) 1 ; SOARES, Vanessa

Leia mais

V - Correcção de perspectiva

V - Correcção de perspectiva V - Correcção de perspectiva E se o afastamento do ponto de tomada de vista e a utilização de uma altura média em relação ao elemento a fotografar reduzem a necessidade de movimentos de correcção da perspectiva,

Leia mais

UMA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

UMA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA VAR UMA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ORAR IMAG SON INAR UMA REVOLUÇÃO NO MERCADO HAR TecnologiA Press plus Jatos de alta performance mesmo com baixa pressão de água* Exclusiva resistência Loren ultra Longa

Leia mais

GE Iluminação. Lâmpadas Eletrônicas. Integradas e Não Integradas. imagination at work

GE Iluminação. Lâmpadas Eletrônicas. Integradas e Não Integradas. imagination at work GE Iluminação Lâmpadas Eletrônicas Integradas e Não Integradas imagination at work Economiza até % de energia* s e s Utilize as lâmpadas da GE para decorar seus ambientes. As lâmpadas Fluorescentes Compactas

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática das Correntes de Fluxo de Ar no Efeito Chaminé

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática das Correntes de Fluxo de Ar no Efeito Chaminé 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo 170 1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO

Leia mais

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018.

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018. Eletrônicos Convencionais Manual do do Partida rápida Fabricamos produtos com certificação: Descarga es BV OCP 0018 Índice Eletrônico de Descarga Índice PIS FPN 10 PIS AFP 10 PIS DICRÓICA 11 PID FPN 11

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br *Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. INTRODUÇÃO O Colorímetro V8 Brasil é um equipamento desenvolvido com objetivo de proporcionar às oficinas de funilaria

Leia mais

Produtos LED Linha Alta Performance

Produtos LED Linha Alta Performance Produtos LED Linha Alta Performance Fichas Técnicas / Setembro 2014 Rev.2.1 Lâmpada Tubular LED Lâmpada Tubular LED Lâmpada Tubular HO LED Lâmpada Tubular LED Lâmpada Tubular LED Lâmpada Tubular LED Lâmpada

Leia mais

Dicas para economizar energia

Dicas para economizar energia Dicas para economizar energia Vilões do Consumo Os vilões do consumo de energia elétrica são os aparelhos com alta potência ou grande tempo de funcionamento. Considerando uma residência de quatro pessoas,

Leia mais

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação.

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. Das normas NR 10 são citadas abaixo as normas voltadas para a iluminação: 10.2.3.3. Os postos

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia c a s e Escritório Iluminação contribui com identidade visual Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia INAUGURADA EM OUTUBRO DE 2007, A NOVA SEDE da CEAgro, localizada em Campinas, interior

Leia mais

Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso

Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso Conforto Visual pode ser interpretado como uma recepção clara das mensagens visuaisde um ambiente luminoso é a potência da radiação eletromagnética emitida ou recebida por um corpo Fluxo Radiante (watt

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED

PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CELPE, COELBA E COSERN. ECONOMIZE ENERGIA COM LÂMPADA LED A substituição de lâmpadas

Leia mais

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID INDICE FLUORESCENTES COMPACTAS..................................................7 Espirais T2 Espirais alta potência Retas 2U e 3U Retas de alta potência Espirais

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Estratégia de Racionalização de Energia nos Laboratórios de Informática do Curso de Automação Industrial - Campus Ouro Preto - IFMG

Estratégia de Racionalização de Energia nos Laboratórios de Informática do Curso de Automação Industrial - Campus Ouro Preto - IFMG Estratégia de Racionalização de Energia nos Laboratórios de Informática do Curso de Automação Industrial - Campus Ouro Preto - IFMG OLIVEIRA, Diego Damasio M. 1, MONTE, José Eduardo Carvalho 2 1. Dicente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1 -

Leia mais

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Que podemos nós fazer? Eficiência Energética Utilização Racional da Energia, assegurando os níveis de conforto e de qualidade de vida. Como?

Leia mais

Instalações Eléctricas: Um Mandamento e Muitas Questões J. Neves dos Santos FEUP 2004 (Revisto em Fevereiro 2006)

Instalações Eléctricas: Um Mandamento e Muitas Questões J. Neves dos Santos FEUP 2004 (Revisto em Fevereiro 2006) Instalações Eléctricas: Um Mandamento e Muitas Questões J. Neves dos Santos FEUP 2004 (Revisto em Fevereiro 2006) O Mandamento nº 1 das Instalações Eléctricas Não Usarás (1 ) sem Protegeres (2) (1)...

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

201 6 Iluminação LED

201 6 Iluminação LED 201 6 Iluminação LED As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. Incandescente E27 E14 LED Lúmens 100W 1400 1300 1350lm

Leia mais

Catálogo de Produtos. ReneSola no mundo. Iluminação eficiente. A ReneSola se preocupa tanto com o meio ambiente...

Catálogo de Produtos. ReneSola no mundo. Iluminação eficiente. A ReneSola se preocupa tanto com o meio ambiente... no mundo Canadá Alemanha Rússia EAU Shenzhen Jiashan China EUA Panamá Chile Índia Deli Tailândia Malásia A se preocupa tanto com o meio ambiente...... que até o edifício onde seu escritório está localizado

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Dep. Engeharia Mecânica Escola Politécnica Universidade de São Paulo Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Escola Politécnica

Leia mais

Iluminação pública. Capítulo VIII. Iluminação pública e urbana. O mundo digital

Iluminação pública. Capítulo VIII. Iluminação pública e urbana. O mundo digital 32 Led pra cá, Led pra lá... muito boa essa discussão, no entanto, o que muitas vezes deixamos de lembrar que o Led sem a eletrônica não é nada. Desde a mais simples aplicação até a mais complexa, a eletrônica

Leia mais

INFORMAÇÕES. Técnicas

INFORMAÇÕES. Técnicas INFORMAÇÕES Técnicas Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS. Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS. Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL Adriano Provezano Gomes Professor Associado do Departamento de Economia

Leia mais

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED.

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. Nossa missão é fornecer soluções em iluminação LED, aliando economia à sustentabilidade.

Leia mais

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Documento técnico No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Índice 1. Introdução 3 2. O quebra-cabeça da sensibilidade de luz 3 3. Não seja enganado! 5 4. Como fazer a escolha mais inteligente

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

10/11/2014 PROF. ROBINSON PROF. ROBINSON FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI

10/11/2014 PROF. ROBINSON PROF. ROBINSON FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI DISCIPLINA DE FÍSICA EXPERIMENTAL II SEMESTRE 2014/2 LABORATÓRIO 5: LEIS DA ÓPTICA GEOMÉTRICA

Leia mais

Lâmpadas Tubulares de Conservação Energética T5 Projecto experimental

Lâmpadas Tubulares de Conservação Energética T5 Projecto experimental Lâmpadas Tubulares de Conservação Energética T5 Projecto experimental I. Introdução 1. Lâmpadas tubulares de conservação energética T5 As lâmpadas tubulares de conservação energética T5 são luminárias

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

IT- MKT-001-COM Data: 28/01/2015 versão: 04. Manual de aplicação da marca

IT- MKT-001-COM Data: 28/01/2015 versão: 04. Manual de aplicação da marca Manual de aplicação da marca IT- MKT-001-COM Data 15/08/2014 versão 02 SumárioApresentação 3 A marca 4 Memorial descritivo... 5 Versão preferencial... 6 Padrões cromáticos... 7 Versões positiva/negativa...

Leia mais

PROJETOR 1 LED O Projetor1LED foi desenvolvido para substituir a iluminação tradicional de projetores em halogêneo e Iodetos metálicos. A redução dos consumos pode chegar a %. Liga diretamente à rede elétrica

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO

DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO DIMENSIONAMENTO DE UMA UNIDADE EXPERIMENTAL DE UM SISTEMA FOTOVOLTAICO ISOLADO Whelton Brito dos SANTOS 1, Carlos Antônio Pereira de LIMA 2 1 Aluno do Curso de Eng. Sanitária e Ambiental, Departamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR

APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI SEMESTRE TURMA ESPECIAL ÓPTICA PROF. DR. ROBINSON APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR Robinson Viana Figueroa

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ILUMINAÇÃO EM LED: TENDÊNCIA MUNDIAL. A utilização da iluminação em LED, além de oferecer produtos com maior durabilidade e segurança, minimizam o custo e o consumo de energia elétrica,

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. Nathalya Luciano Buges - Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Mariana Fialho Bonates (UFPB) marianabonates@bol.com.br Elisa Lobo de Brito (UFPB) elisa_brito@ig.com.br

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES FORMA/GRAU:( )integrado ( X ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece com regularidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES 1 INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população,

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

LISTA FISICA 2 ROGERIO

LISTA FISICA 2 ROGERIO LISTA FISICA 2 ROGERIO 1 FUVEST - SP Um circuito elétrico residencial tem os aparelhos elétricos da tabela a seguir, onde aparecem suas potências médias. A ddp na rede é de 110 V. Calcule a intensidade

Leia mais

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Percentagens a determinar para cada ponto de luz Visualizar filme em: www.smartli.net Introdução O sistema

Leia mais

Museu do Homem do Nordeste

Museu do Homem do Nordeste c a p a À esquerda: painel recebe luz de sanca no teto, e um gibão de couro, de rasgos laterais. Acima: iluminação proveniente de spots articuláveis e nichos com fibra ótica. Acima: luz homogênea emitida

Leia mais

Cálculos e Projetos Método dos Lúmens

Cálculos e Projetos Método dos Lúmens Cálculos e Projetos Método dos Lúmens Lâmpadas Incandescentes e Halógenas Lâmpadas Fluorescentes Lâmpadas de Descarga - HID Fontes de Luz Fontes de Luz Forma de Emissão de Luz Incandescência de um Filamento

Leia mais

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias 1 Encontro Nacional de Iluminação de Monumentos e Conjuntos Urbanos Protegidos Fonte Schréder Mercado Municipal de São Paulo Projeto: Franco & Fortes Lighting Design Senzi Consultoria Luminotécnica Fontes

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais