RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES"

Transcrição

1 RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

2 PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia elétrica Fomentar e apoiar a formulação de leis e regulamentos voltados para as praticas de eficiência energética Aumentar a competitividade do país Reduzir os impactos ambientais Proporcionar benefícios à própria sociedade 2- Impacto do programa (Comercial e Residencial) O consumo de edificações residenciais, comerciais de serviço e publico chega a 44,7% da matriz elétrica brasileira. Possiblidade de economia gerada pela implementação do programa: de 30 a 50 % da energia consumida. 3- Custo O custo médio estimado da avaliação do nível de eficiência energética de um projeto, feita por um organismo de inspeção acreditado pelo Inmetro e de acordo com a metodologia de etiquetagem de edifícios, é de R$ 15 mil a R$ 20 mil.

3 4- Programa de etiquetagem de Edificações 4.1 Aspectos Gerais A etiqueta poderá ser outorgada para: o Novas Edificações o Edificações Existentes Etapas do processo de implementação da etiqueta: o 1ª etapa - Avaliação de projeto: é emitida uma etiqueta atestando o nível de eficiência do projeto o 2ª etapa - Avaliação do edifício Inspeção: após os sistemas instalados, com o alvará de conclusão, é realizada pelo organismo de inspeção creditado, para outorga de uma etiqueta que ficará exposta no edifício. Métodos de cálculo: o Prescritivo Por equações, tabelas e parâmetros limites, é obtida uma pontuação que indica o nível de eficiência parcial dos sistema e total do edifício. o Simulação Por simulação, o desempenho do edifício é comparado ao desempenho de edifícios referenciais de acordo com o nível de eficiência. 4.2 Edificações Comerciais, de serviços e públicos Pré-requisitos para Etiquetagem: o área construída mínima de 500m2 ou o atendida por tensão igual ou superior a 2,3 kv o circuitos elétricos com medição centralizada por uso final (para edificações novas). Caso não possua, o edifício será no máximo nível C. A ENCE pode ser parcial ou geral: o Etiquetas parciais: Envoltória Envoltória + Sistema de Iluminação Envoltória + Sistema de Condicionamento de ar o Etiqueta geral: Edifício completo (envoltória + iluminação + cond. ar + bonificação) Pontuação final do edifício : Pontuação mais bonificações o Bonificações - até 1 ponto em economias de: 20% no consumo de água; 10% com uso de energias renováveis;

4 30% cogeração ou inovações tecnológicas; 60% de fração solar para coletores Revisão do programa Durante todo o primeiro semestre de 2010 trabalhou-se na revisão dos Requisitos de Avaliação da Conformidade - RAC e do Regulamento Técnico da Qualidade RTQ. A revisão culminou num processo de Consulta Pública contou com forte participação da sociedade ao longo de um mês, com cerca de 300 comentários de qualidade. Todo esse interesse deve-se ao reconhecimento da importância do tema e dos impactos gerados em economia na matriz energética e os seus reflexos ambientais. O RTQ-C passou por mudanças na aplicação de métodos e ajustes técnicos. As principais mudanças foram: Simplificação da aplicação das metodologias de aferição da eficiência em envoltória, sistema de iluminação e sistema de condicionamento de ar. o Principal mudança: metodologia de sistemas de iluminação. Maior peso, que o uso da água terá na classificação para a etiquetagem o Economia de água que passa a ser contemplada como bonificação da etiquetagem. Aquecimento de água (solar, à gás e por bomba de calor) como pré-requisito para os níveis A, B e C. Envoltória: incluiu-se um pré-requisito de isolamento térmico nas zonas bioclimáticas mais frias do país. Sistema de condicionamento do ar: o Os pré-requisitos foram aumentados, acrescentando-se limites de isolamento para tubulações e eficiência mínima para sistema que apresentam também aquecimento ambiental.

5 4.3-Edificações Residenciais O foco deste programa é otimizar o uso dos recursos energéticos utilizados em edificações residenciais. Para isto, buscou-se avaliar as principais fontes de consumo numa edificação residencial. Essa avaliação comtempla as unidades habitacionais autônomas (exemplo: apartamentos) e as áreas comuns (exemplos: corredores, escadas, playground, etc.). Uma vez que todas as unidades residenciais tenham sido etiquetadas, pode ser requerida a etiqueta referente à edificação multifamiliar ou ao condomínio residenciai. Observações: Podem ser avaliadas independentemente a unidade autônoma e as áreas comuns, ou seja, um determinado prédio pode ter somente etiquetado as suas áreas comuns ou pode somente ter etiquetados os seus apartamentos. A unidade habitacional autônoma só poderá ser etiquetada individualmente em caso de edifício já construído, ou seja, uma edificação nova não poderá etiquetar apenas parte de seus apartamentos, terá que etiquetar todos eles (nesse caso terá a etiqueta referente à edificação multifamiliar). Existem seis tipos de ENCE, três para cada etapa de avaliação: ENCE - Projeto, entregue após a avaliação do projeto: o ENCE - Projeto da Unidade Habitacional Autônoma; o ENCE - Projeto da Edificação Multifamiliar; e o ENCE - Projeto das Áreas de Uso Comum. ENCE - Edificação Construída, entregue após a inspeção da edificação que já possui Alvará de Conclusão ou já efetuou a ligação definitiva com a concessionária para fornecimento de energia elétrica: o ENCE - Unidade Habitacional Autônoma Construída; o ENCE - Edificação Multifamiliar Construída; o ENCE - Áreas de Uso Comum Construídas. As etiquetas comtemplam os seguintes requisitos: o ENCE - Projeto da Unidade Habitacional Autônoma; Envoltória de Inverno Envoltória de Verão Aquecimento de água (solar, gás ou bomba de calor)

6 o ENCE - Projeto da Edificação Multifamiliar o ENCE - Projeto das Áreas de Uso Comum. Uso frequente Iluminação Bombas Elevador Uso eventual Iluminação Equipamentos Aquecimento de água Observação: para a etiquetagem de edificações residenciais, aquecimento de água é critério de avaliação na ENCE para unidades residências autônomas. Bonificações o Ventilação Natural o Iluminação Natural o Uso racional da água o Condicionamento artificial de ar o Medição Individualizada

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Carolina R. Carvalho Marcio J. Sorgato LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Edificações comerciais, de serviços e públicos

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Estado atual da etiquetagem de nível de eficiência

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL O PROCEL EDIFICA e a Etiquetagem de Eficiência Energética de Edificações Projeções de Consumo de Eletricidade

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli 27/06/2012 Sumário Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina Mobilização / Sensibilização Módulo Eficiência Energética Fevereiro 2012 Fonte: Plano Nacional de Energia 2030 MME, colaboração Empresa de Pesquisa Energética EPE, 2007

Leia mais

Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011.

Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011.

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de : PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Cerca de 192.000 produtos ostentam o Selo de Identificação da Conformidade

Leia mais

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP B D E Eficiência energética em edificações ontribuição do Gás LP O que é Programa de valiação da onformidade para Eficiência Energética de Edificações do Inmetro? O Programa de valiação da onformidade

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS E RESIDENCIAIS Martin Ordenes Mizgier, Dr. Eng. martin@arq.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico / Dep. Arquitetura

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Profª Drª Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP A B C D E Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Sumário LISTA DE SIGLAS... 4 apresentação... 5 Equipe de

Leia mais

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES Roberto Lamberts, PhD. CT-Energia CBCS Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP x Energia Elétrica Aquecimento de água Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Apresentação O projeto Análise de custos de infra-estrutura Análise de custos para o cliente

Leia mais

Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013.

Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012

Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012 O PRESIDENTE

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS SUSHI ENERGIA Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS 1 SUMÁRIO Importância de uso racional de energia em HIS Barreiras na implementação de tecnologias Agenda proposta para HIS com mapeamento de tecnologias

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001

PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001 COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001 Cria o Programa Nacional de Instalação de Coletores Solares PROSOL Autor: Deputado RONALDO VASCONCELLOS Relator: Deputado JOSÉ ALEKSANDRO I

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 19/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Previsão de Carga Especiais NBR-5410 Cargas Especiais? Em geral, são cargas de uso comum em um edifício.

Leia mais

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade Soluções em Eficiência Energética e Energia Renovável Aplicáveis a Edificações Residenciais e Comerciais de Pernambuco Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes

Leia mais

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Coordenação: Roberto Lamberts, PhD Núcleo de Edificações Residenciais Pós-doutorandos: Michele Fossati, Dra. Eng. Civil Doutorandos:

Leia mais

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Tecnologia de Aquecimento Solar de Água Abyara, São Paulo, 03 de Julho de 2008 Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Luciano Torres Pereira Grupo Soletrol Soletrol Industria e Comércio Soletrol l Tecnologia Universidade

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

2.1 RTQ-C. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas

2.1 RTQ-C. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 2.1 Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas RTQ-C Com alterações das portarias: nº17 de 2012 e nº299 de 2013 centro brasileiro

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações 1 Eficiência Energética em Edificações SUSTENTABILIDADE: NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES Maio, 2015 Paula Baratella, arq. MSc. Arquiteta e Urbanista e Mestre em Eng. Civil- UNICAMP Analista de Infraestrutura

Leia mais

Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010.

Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 372, de 17 de setembro de

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO 25.899/2015

FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO 25.899/2015 FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO.99/0 ANEXO 0 GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS ( Subtotal de 9Ptos =.6 % ) Declarada 6 9 Uso de equipamentos economizadores de água ( torneiras com arejadores, spray e/ou

Leia mais

Portaria n.º 126, de 19 de março de 2014.

Portaria n.º 126, de 19 de março de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 126, de 19 de março de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2012 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 26/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Cálculo da Demanda em Edificações Tensão Secundária Cálculo da Demanda em Edificações Individuais (a)

Leia mais

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil George Alves Soares Assistente da Diretoria de Tecnologia Abril / 2010 Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim Profa. Cláudia Naves David Amorim Laboratório de Controle Ambiental (LACAM) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) Universidade de Brasília (UnB) O ciclo da construção Novas exigências e normativas:

Leia mais

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Equipe Núcleo de Edificações Residenciais CB3E Florianópolis, setembro de 2012 CB3E - Centro Brasileiro de Eficiência Energética

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais

Eng. Marcia Donato O aquecimento solar em edifícios multifamiliares potencial da energia solar térmica no Mundo e América do Sul, crescimento e desenvolvimento & consultoria QUINTA-FEIRA, 6 DE NOVEMBRO

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES VII Rio Energias Renováveis EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES CERTIFICAÇÕES E RETORNO FINANCEIRO Antonio Collet - Dezembro 2010 Consumo Final de Energia Consumo de Energia Setores Economicos Canadá

Leia mais

SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES

SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES Valcimar Silva de Andrade*, Romário Soares Araújo, João Eustáquio da Costa Santos * Instituto

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA) (Revisão I) 25/08/2010

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento Este projeto recebe financiamento da União Europeia no âmbito do programa de investigação e inovação Horizonte 2020, sob o contrato No649905 A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

Leia mais

Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Portaria n.º 449, de 25 de novembro de 2010

Portaria n.º 449, de 25 de novembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 449, de 25 de novembro de

Leia mais

Eficiência Energética e Redução de Perdas. George Alves Soares - Eletrobras

Eficiência Energética e Redução de Perdas. George Alves Soares - Eletrobras Eficiência Energética e Redução de Perdas George Alves Soares - Eletrobras Sumário Importância da sinergia Conceituação Segmentação das Perdas Técnicas Como a eficiência energética pode ajudar Ações no

Leia mais

CURSO DE PROYECTOS DE SISTEMAS DE CALENTAMIENTO SOLAR. Demanda de agua caliente e energia

CURSO DE PROYECTOS DE SISTEMAS DE CALENTAMIENTO SOLAR. Demanda de agua caliente e energia CURSO DE PROYECTOS DE SISTEMAS DE CALENTAMIENTO SOLAR Demanda de agua caliente e energia 1 Roteiro Projetos de Sistemas de Aquecimento Solar CB55 - ABNT ABRAVA sedia a CB55 e através do programa NORMASOL

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

Minha Casa Minha Vida ALTERNATIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Minha Casa Minha Vida ALTERNATIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Minha Casa Minha Vida ALTERATIVAS DE EFICIÊCIA EERGÉTICA Envoltória para Verão Envoltória para Inverno Aquecimento de Água - AQ Envoltória se refrigerada artificialmente PRÉ-REQUISITOS BR 15220 BR 15575

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor.

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor. PROJETO DE LEI Nº DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE HIDRÔMETROS INDIVIDUAIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Art. 1º. Os projetos e construções de novos edifícios a serem

Leia mais

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com

Leia mais

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1 Introdução As instalações elétricas de baixa tensão são regidas no Brasil pela norma NBR 5410 (também conhecida por NB-3). Esta norma aplica-se às instalações

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

MBA em Energias Renováveis e Eficiência Energética - NOVO

MBA em Energias Renováveis e Eficiência Energética - NOVO MBA em Energias Renováveis e Eficiência Energética - NOVO Apresentação Previsão de Início - Setembro Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep Este curso de especialização constitui-se numa oportunidade

Leia mais

Comercial, de Serviço e Público

Comercial, de Serviço e Público 1 Diretrizes para Obtenção de Classificação Nível A para Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas Comercial, de Serviço e Público 2014 Com base na Portaria: nº 372/2010 2 Eletrobras/Procel José da

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

Elétrica e Hidráulica QUE TAL UMA PIZZA OU ESFIHA? Edição: OUTUBRO/15. Já Renovou seu SEGURO? MANUTENÇÃO PREDIAL

Elétrica e Hidráulica QUE TAL UMA PIZZA OU ESFIHA? Edição: OUTUBRO/15. Já Renovou seu SEGURO? MANUTENÇÃO PREDIAL Edição: OUTUBRO/15 LIMPADORA FÊNIX Solicite um orçamento sem compromisso. Solcon Administradora Já Renovou seu SEGURO? QUE TAL UMA PIZZA OU ESFIHA? Elétrica e Hidráulica Edição: SETEMBRO/15 PARE DE SER

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Eng. Anderson F. Gomes Brasília-DF, 05 de fevereiro de 2015 Apresentação SLTI/MP Lei nº 10.295, de Eficiência Energética MINISTÉRIO DO

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais

Sustentabilidade na Construção de Agências

Sustentabilidade na Construção de Agências Sustentabilidade na Construção de Agências CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GEINF Gerência Nacional de Infraestrutura MARTINIANO RIBEIRO MUNIZ FILHO 1 Resumo A CAIXA adota critérios da sustentabilidade na construção

Leia mais

Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida

Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida Energia Solar em Habitações do Programa Minha Casa Minha Vida Carlos Faria Café Coordenador técnico Cidades Solares Diretor Studio Equinócio Consultor GTZ PORTARIA Nº 93, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010 Dispõe

Leia mais

Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social

Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social Carlos Faria Café Coordenador da iniciativa cidades solares brasil Diretor Executivo do Depto Nacional de Aquecimento solar da ABRAVA Instalações

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Pedro Uczai) Dispõe sobre incentivos à utilização da energia solar e dá nova redação ao artigo 82 da Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 1 1 3 2 1 3 3 4 1 4 4 1 5 5 3 6 5 3 7 5 3 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 avaliação inicial do "Desenvolvimento de Sistema Integrado de Geração de

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS

CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS CONCEITOS INICIAIS PARA DIMENSIONAMENTO SISTEMA FOTOVOLTAICO EM RESIDÊNCIAS Introdução a Engenharia Professores: Márcio Zamboti Fortes e Vitor Hugo Ferreira (UFF) Bruno Henriques Dias e Flávio Gomes (UFJF)

Leia mais

Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2014

Departamento Nacional de Aquecimento Solar. Relatório de Pesquisa. Ano de 2014 Departamento Nacional de Aquecimento Solar Relatório de Pesquisa Produção de Coletores Solares para Aquecimento de Água e Reservatórios Térmicos no Brasil Ano de 2014 Maio de 2015 APRESENTAÇÃO O DASOL

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br DOC-SP de 22/01/2008 (nº 14, pág. 1) DECRETO Nº 49.148, DE 21 DE JANEIRO DE 2008 Regulamenta a Lei nº 14.459, de 3 de julho de 2007, que acrescenta o item 9.3.5. à Seção 9.3 - Instalações Prediais do Anexo

Leia mais

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A Empresa - No mercado nacional desde 1993 - Localização: Com fábrica em Vale de Cambra (50 km a

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Dr. Henrique Relógio

Dr. Henrique Relógio Dia 28 de Maio Renovar com Sustentabilidade Dr. Henrique Relógio Jardins de S. Bartolomeu Case Study Renovar com Sustentabilidade Henrique Relógio henriquerelogio@gmail.com 1 Jardins São Bartolomeu Um

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Prédios Públicos Federais PROGRAMA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações Conceito de prédio público

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais