VI SEMINÁRIO DO SIMPLES NACIONAL. Conceitos do Simples Nacional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VI SEMINÁRIO DO SIMPLES NACIONAL. Conceitos do Simples Nacional"

Transcrição

1 VI SEMINÁRIO DO SIMPLES NACIONAL Conceitos do Simples Nacional Palestrante: Karin Helena Schappo Secretaria Municipal de Finanças de Curitiba Setembro /

2 Estatuto Nacional da ME e da EPP Lei Complementar nº 123 de 14/12/ Estabelece normas gerais (tributárias e não tributárias) relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às ME / EPP. - Institui o Simples Nacional. 2

3 Estatuto Nacional da ME e da EPP Reúne, num só texto legal, diversos tratamentos diferenciados: Comerciais Trabalhistas Benefícios gerais da LC Creditícios Tributários (Simples Nacional) 3

4 ME/EPP LC 123/2006 REGIME COMUM ME/EPP SN MEI Vedações: Benefícios Gerais da LC - art. 3º, 4º Simples Nacional - art. 3º, 4º e art. 17 Simei - art. 3º, 4º, art. 17 e art. 18-A, 4º 4

5 SIMPLES NACIONAL Gestão: Comitê-Gestor do Simples Nacional (CGSN) Filosofia: Gestão compartilhada, com autonomia operacional dos entes federados Deferimento/Indeferimento Inclusão/Exclusão Controle da Arrecadação, Cobrança e Fiscalização Cada ente federado conduz seu contencioso 5

6 SIMPLES NACIONAL Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Art. 12, LC 123/2006) 6

7 Características SN Permite ao contribuinte, de uma única vez, calcular, declarar e recolher (em uma única guia de pagamento) até oito tributos, sendo destinado exclusivamente às ME e EPP que não incorrerem nas vedações previstas na LC 123/2006, art. 3º, caput e 4º, e art

8 Características SN Simples Nacional é um regime: Opcional para o contribuinte (Irretratável durante todo o ano-calendário) Obrigatório para os entes federados 8

9 Tributos abrangidos SN Tributos compreendidos no Simples Nacional IRPJ IPI CSLL COFINS PIS/Pasep CPP * ICMS ** ISS ** Federal Federal Federal Federal Federal Federal Estadual Municipal * Exceto no Anexo IV ** Exceto quando superado o sublimite estabelecido facultativamente pelo Estado 9

10 Tributos não abrangidos SN UNIÃO ESTADOS MUNICÍPIOS IOF II e IE ITR IR (aplic.financeiras, ganhos de capital, pagtos de PJ p/pf) FGTS CSS do trabalhador, do empresário PIS/Pasep, COFINS e IPI (s/ importação bens e serviços) ICMS devido: substituição tributária regime de antecipação diferencial de alíquota terceiros por força de Lei Estadual ou Distrital entrada de petróleo e energia elétrica desembaraço aduaneiro mercadoria desacobertada de documento fiscal ISS devido: substituição tributária retenção na fonte importação serviços Observa-se a legislação aplicável às demais PJ ( 3º, art.13, LC123)

11 Definição de ME e EPP Critério constitutivo: Natureza jurídica Natureza Jurídica Até 12/2011 A partir de 01/2012 Sociedade Empresária Sociedade Simples Empresário art. 966 Código Civil (CC) Sociedade Empresária Sociedade Simples Empresário (art. 966 CC) Eireli Lei /2011

12 Definição de ME e EPP Critério econômico: Limite de Receita Bruta Limite de Receita Bruta Anual Até 12/2011 A partir de 01/2012 MEI R$ ,00 R$ ,00 ME R$ ,00 R$ ,00 EPP R$ ,00 R$ ,00 Limite adicional para exportação de mercadorias a partir de 01/2012 = R$ ,00 12

13 Definição de ME e EPP No ano-calendário de início de atividades, os limites da receita bruta serão proporcionais ao número de meses em que a ME ou EPP houver iniciado atividade: Limite de Receita Bruta Anual Proporcional Até 12/2011 A partir de 01/2012 MEI Nº meses x R$ 3.000,00 Nº meses x R$ 5.000,00 ME Nº meses x R$ ,00 Nº meses x R$ ,00 EPP Nº meses x R$ ,00 Nº meses x R$ ,00 13

14 Sublimites de Enquadramento Sublimites Estaduais para efeito de recolhimento do ICMS e do ISS Dependendo da participação do Estado no PIB Nacional, poderá adotar os seguintes sublimites: Participação do Estado no PIB Nacional Até 1% Sublimite de Receita Bruta Anual Até 12/2011 A partir de 01/2012 R$ ,00 R$ ,00 Entre 1% e 5% R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 14

15 Portal do Simples Nacional 15

16

17

18

19 ÁREA DE ACESSO EXCLUSIVO AOS ENTES FEDERADOS

20 CÁLCULO - CONCEITOS CONCEITOS BÁSICOS PARA CÁLCULO Conceitos Básicos para Cálculo Exemplo de Cálculo no PGDAS-D

21 CÁLCULO - CONCEITOS Valor Devido no Mês??????? BC x ALÍQUOTA????????????????

22 CÁLCULO - CONCEITOS Valor Devido no Mês BC x ALÍQUOTA Receita Bruta do Mês - RBT Anexos I a V da LC 123/06 Regime de Caixa Regime de Competência

23 RECEITA BRUTA RBT - RECEITA BRUTA DO MÊS INCLUI: o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria o preço dos serviços prestados o resultado nas operações em conta alheia NÃO INCLUI: Como fazer? vendas canceladas descontos incondicionais concedidos (LC 123, art. 3º, 1º)

24 ANEXOS ANEXOS Revenda de Mercadorias Anexo I Venda de Produtos Industrializados - Anexo II Prestação de Serviços - Anexo III, IV ou V Anexo III - serviços em geral não vedados Anexo IV a) construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, decoração de interiores b) serviço de vigilância, limpeza ou conservação Anexo V - art. 18, 5ºD da Lei Complementar 123/06.

25 ALÍQUOTA ALÍQUOTA é determinada pela RBT12. Somatório dos percentuais dos tributos constantes dos Anexos I a V da LC 123/06 RBT12 = total da receita bruta acumulada nos 12 meses anteriores ao PA

26 EXEMPLO 1

27 Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo externo. EXEMPLO 1 PA 02/ Receita de Revenda de Mercadorias Anexo I JAN FEV MAR ABR MAIO JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV RBT12 - receitas de fev.2011 a jan/2012 = R$ ,00 RBT = R$ ,00 De ,01 a ,00 8,36% 0,39% 0,39% 1,16% 3,30% Base de Cálculo = RBT = R$ ,00 Valor Devido PA 02/2012 = RBT x alíquota Valor Devido PA 02/2012 = R$ ,00 x 6,84% = R$ 3.420,00

28 ALÍQUOTA RBT 12 Proporcionalizada critério utilizado nos 12 primeiros meses de atividade. Projeção de receita calculada a partir da receita real incorrida para enquadramento na tabela de faixas de alíquotas. No primeiro mês de atividade - receita do próprio mês de apuração multiplicada por 12 (RBT12 proporcionalizada); Nos 11 (onze) meses posteriores ao do início de atividade - média aritmética da receita bruta total dos meses anteriores ao do período de apuração, multiplicada por 12 (doze). Regra válida também para início de atividade em ano-calendário imediatamente anterior ao da opção.

29 Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo externo. Exemplo RBT12 Proporcionalizada Empresa Proporcional Comércio de Calçados Início de atividade (abertura CNPJ)= 15/01/2012 Receitas: 01/2012 R$ 5.000,00 02/2012 R$ ,00 03/2012 R$ 0,00 Anexo I LC 123/06 RBT12 para os PA PA 01/2012 = R$ 5.000, ,00 x 12 (1ª faixa) = PA 04/2012 = R$ ,00 (2ª faixa) ( )/3 x 12 = De ,01 a ,00 8,36% 0,39% 0,39% 1,16% 0,28% 3,30%

30 Várias Atividades Estabelecimento localizado em Estado com Sublimite O Cálculo pode complicar???? ISS devido a outro Município Receitas com Isenção ICMS Majoração de Alíquotas Vários Estabelecimentos Receitas com e sem ST Etc, etc, etc... Receitas com Retenção de ISS

31 O Cálculo pode complicar????

32 CÁLCULO E PGDAS-D Art. 18, 15, LC 123/2006: Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional PGDAS : para períodos de apuração até 12/2011 PGDAS-D : para períodos de apuração a partir de 01/2012

33 O QUE FAZER? 1. Informar receitas por estabelecimento 2. Informar receitas segregadas, por atividade 3. Identificar o Anexo (I a V da LC 123/06) 4. Informar situações especiais (ST, retenção, isenção, tributação monofásica )

34 RECEITAS SEGREGADAS

35 EXEMPLO 2

36 Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo externo. PA 01/2012 empresa localizada em Petrópolis/RJ EXEMPLO JAN JAN FEV MAR ABR MAIO JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ RBTAA = R$ ,00 Demais receitas = R$ ,00 Exportação de Mercadorias = R$ ,00 RBT12 - R$ ,00 De ,01 a ,00 8,36% 0,39% 1,16% 3,30% RBT = R$ ,00 RBT = R$ ,00 a. Revenda de Mercadorias = R$ ,00 (sendo R$ ,00 c/ ST) b. Prestação de Serviço de Transporte Municipal de Carga realizado dentro de Areal/RJ = R$ ,00 c. Prestação de Serviço de Vigilância R$ ,00 serviço prestado em Petrópolis (sujeito a retenção de ISS)

37 EXEMPLO 2 PA 01/2012 empresa localizada em Petrópolis/RJ Revenda de Mercadorias = R$ ,00 (R$ ,00 com ST) RBT12 = R$ ,00 Anexo I LC 123/06 Receita Bruta Total em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP CPP ICMS De ,01 a ,00 7,60% 0,35% 0,35% 1,05% 0,25% 3,02% 2,58% Valor Devido R$ ,00 x 7,60% = 1.140,00 R$ ,00 x 5,02% = 753,00 Total Revenda = 1.893,00 No PGDAS-D informar: - Revenda de mercadorias SEM ST - Revenda de mercadorias COM ST

38 EXEMPLO 2 PA 01/2012 empresa localizada em Petrópolis/RJ Transporte Municipal de Cargas em Areal/RJ = R$ ,00 (art. 3º, inciso XIX, e subitem da LC 116/2003) RBT12 = R$ ,00 Anexo III LC 123/06 Receita Bruta Total em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP CPP ISS De ,01 a ,00 11,40% 0,53% 0,52% 1,58% 0,38% 4,52% 3,87% Valor Devido R$ ,00 x 11,40% = 5.700,00 Total Transp. Cargas = 5.700,00 No PGDAS-D informar: - Prestação de serviços sujeitos ao Anexo III, sem retenção, com ISS devido a outro município (Areal/RJ)

39 PA 01/2012 empresa localizada em Petrópolis/RJ Serviço de Vigilância prestado em Petrópolis/RJ = R$ ,00 (art. 3º, inciso XVI, e subitem da LC 116/2003) OBS Petrópolis instituiu retenção de ISS no serviço de vigilância RBT12 = R$ ,00 Anexo IV LC 123/06 EXEMPLO 2 Receita Bruta Total em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP CPP ISS De ,01 a ,00 8,97% 0,89% 1,89% 2,03% 0,29% Não incluído Valor Devido 3,87% R$ ,00 x 5,10% = 1.020,00 Total Vigilância = 1.020,00 No PGDAS-D informar: - Prestação de serviços sujeitos ao Anexo IV, com retenção de ISS Total Devido = R$ 8.613,00 ( )

40 TELAS INICIAIS PGDAS-D

41 Passos para realizar uma apuração/retificação e geração do DAS: 1. Apuração/Calcular Valor Devido 2. Salvar 3. Transmitir 4. Gerar DAS

42 Selecione: Apuração/Calcular Valor Devido

43 012012

44 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0, ,00 Demais Receitas = R$ , ,00 Exportação Mercadorias = R$ ,00 RBTAA = R$ ,00 Informe a receita dos meses anteriores à opção

45 ,00 0,00

46 RBTAA RBT12 RBA RBT

47

48 Único Estabelecimento Revenda de Mercadoria SEM ST ,00

49 15.000,00 Revenda de Mercadoria COM ST

50 Revenda de Mercadoria COM ST

51 Revenda de Mercadoria COM ST

52 Prestação de serviços sujeitos ao Anexo III, sem retenção, com ISS devido a outro município

53

54

55 20.000,00 Prestação de serviços sujeitos ao Anexo IV, COM retenção de ISS

56 R$ ,00 x 7,60% = 1.140,00 R$ ,00 x 5,02% = 753,00 Total Revenda = 1.893,00 R$ ,00 x 11,40% = 5.700,00 Total Transp. Cargas = 5.700,00 R$ ,00 x 5,10% = 1.020,00 Total Vigilância = 1.020,00 Total Devido = R$ 8.613,00

57 GERAR DAS no PGDAS-D Gerar DAS é uma opção no menu do PGDAS-D, somente após a transmissão da apuração, que constitui o crédito tributário por declaração mensal.

58 ONDE OBTER INFORMAÇÕES? Lei Complementar 123/ Lei Complementar 116/ Resolução CGSN 94/ Perguntas e Respostas do Simples Manual do PGDAS-D Caixa Corporativa Curitiba: SP:

59

60

61 Obrigada pela atenção! Sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele, o oceano seria menor. Madre Teresa de Calcutá

CURSO LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO DF GUIA PARA SALA DE AULA MÓDULO 6

CURSO LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO DF GUIA PARA SALA DE AULA MÓDULO 6 1. SUPER-SIMPLES ou SIMPLES NACIONAL O SIMPLES tem base na CF/1988 artigos 146, III, d ; 170, inciso IX e 179. Art. 146. Cabe à lei complementar: III estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional JANEIRO Simples Nacional. Simples Nacional

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional JANEIRO Simples Nacional. Simples Nacional DIREITO TRIBUTÁRIO Simples Nacional JANEIRO 2015 1 Simples Nacional Art. 146, III, d, CF Tratamento diferenciado e favorecido para ME e EPP Regime único de arrecadação opção do contribuinte; Art. 94 do

Leia mais

1. Introdução. 2. Regime simplificado

1. Introdução. 2. Regime simplificado 1. Introdução A Constituição Federal dispõe em seu art. 146 que cabe à lei complementar estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, bem como disciplinar tratamento jurídico diferenciado

Leia mais

CARTILHA NACIONAL SIMPLES. Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa.

CARTILHA NACIONAL SIMPLES. Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa. CARTILHA NACIONAL SIMPLES Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa. O que é Simples Nacional? Como enquadro minha empresa no Nacional Simples? O Simples Nacional é um regime tributário

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

1º Seminário Catarinense de Direito Tributário. Introdução ao Simples Nacional

1º Seminário Catarinense de Direito Tributário. Introdução ao Simples Nacional 1º Seminário Catarinense de Direito Tributário Introdução ao Simples Nacional Palestrante: Yukiharu Hamada Agosto de 2011 Simples Nacional em números 5.278.242 Brasil (Julho/2011) 3.882.121 Simples Nacional

Leia mais

O ISS e o SIMPLES NACIONAL Questões Relevantes em Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional

O ISS e o SIMPLES NACIONAL Questões Relevantes em Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional O ISS e o SIMPLES NACIONAL Questões Relevantes em 2013 Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional LC n. 123/2006 Unifica toda a legislação relativa às MPE; Define critérios de

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL Tributo federal Lei Complementar 123/2006 e 128/2008 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas

Leia mais

Palestra. SIMPLES Nacional - Atualização. Outubro Elaborado por: Claudimir Gonçalves Dias

Palestra. SIMPLES Nacional - Atualização. Outubro Elaborado por: Claudimir Gonçalves Dias Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PALESTRANTE: MAGNA DE JESUS

PALESTRANTE: MAGNA DE JESUS PALESTRANTE: MAGNA DE JESUS Contadora, Proprietária da TAVARES FERREIRA Assessoria Contábil, Pós-graduada em Auditoria, Gestão de Tributos, Direito Tributário e Direito Processual pela PUC/GO e ATAME/SP,

Leia mais

NOVIDADES E PRINCIPAIS DÚVIDAS

NOVIDADES E PRINCIPAIS DÚVIDAS NOVIDADES E PRINCIPAIS DÚVIDAS NOVIDADES - PORTAL NOVO PORTAL (07/2012) NOVIDADES - LEGISLAÇÃO Legislação: LC 139/2011 (14/12/2011) alterações na 123/2006. Resolução CGSN 94/2011 (29/11/2011) efeitos a

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Corretor de Imóveis

SIMPLES NACIONAL. Corretor de Imóveis SIMPLES NACIONAL Corretor de Imóveis MARIA RICARTE CRC-CE: 016078/O-9 Contadora, graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Ceará UECE. Profissional com vastos conhecimentos nas áreas:

Leia mais

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS)

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração Original Exercício 2016 Ano-Calendário 2015 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2015 a 31/12/2015 1 Identificação do Contribuinte

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais

SIMPLES NACIONAL ALGUNS ASPECTOS LEGAIS ASPECTOS CONSTITUCIONAIS IMUNIDADE. Extinçã

SIMPLES NACIONAL ALGUNS ASPECTOS LEGAIS ASPECTOS CONSTITUCIONAIS IMUNIDADE. Extinçã SIMPLES NACIONAL ALGUNS ASPECTOS LEGAIS Tianguá CE Abril/2011 ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Extinçã ção e benefícios fiscais concedidos pelos Estados anteriores à Lei nº n 123/2006.. Ver art. 146, III, d,,

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSN Nº 60, DE 22 DE JUNHO DE 2009

RESOLUÇÃO CGSN Nº 60, DE 22 DE JUNHO DE 2009 DOU 24.06.2009 RESOLUÇÃO CGSN Nº 60, DE 22 DE JUNHO DE 2009 Altera as Resoluções CGSN n 4, de 30 de maio de 2007, n 10, de 28 de junho de 2007, n 18, de 10 de agosto de 2007, n 51, de 22 de dezembro de

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. O que é Simples Nacional? O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido pre

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. O que é Simples Nacional? O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido pre SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. O que é Simples Nacional? O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123,

Leia mais

Ao clicar no botão NOVO, o contribuinte deverá fazer o preenchimento da BASE LEGAL, seguinte forma:

Ao clicar no botão NOVO, o contribuinte deverá fazer o preenchimento da BASE LEGAL, seguinte forma: ORIENTAÇÕES SOBRE O PREENCHIMENTO DA DMS PARA OS OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL Conforme a Resolução CGSN Nº 010 de 28/06/2007 do Comitê Gestor do Simples Nacional, as microempresas (ME) e as empresas de

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Histórico e Fundamentos Legais. Maio/2008

SIMPLES NACIONAL. Histórico e Fundamentos Legais. Maio/2008 SIMPLES NACIONAL Histórico e Fundamentos Legais Maio/2008 1 FUNDAMENTOS LEGAIS Dispositivos Constitucionais: Art. 179 Art. 146, III, d e único (redação da EC 42/2003) Art. 94 do ADCT LC 123/2006 - Estatuto

Leia mais

Simples Nacional - Resolução CGSN nº 005, de 30 de maio de 2007

Simples Nacional - Resolução CGSN nº 005, de 30 de maio de 2007 Página 1 de 9 Resolução CGSN nº 005, de 30 de maio de 2007 Dispõe sobre o cálculo e o re impostos e contribuições microempresas e empresas de optantes pelo Regime Especia Arrecadação de Tributos e Contrib

Leia mais

Microempreendedor Individual Aspectos Tributários

Microempreendedor Individual Aspectos Tributários Microempreendedor Individual Aspectos Tributários SILAS SANTIAGO CÂMARA DOS DEPUTADOS/CFT Audiência PúblicaP Brasília, 26 de maio de 2009. Gestão o do Simples Nacional Gestão o do Simples Nacional Comitê-Gestor

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL ISS - OS FATORES QUE ALTERAM A BASE DE CÁLCULO PALESTRANTE: Ricardo Cavalcante Antas Auditor Fiscal SMF Maceió/AL. 07 e 08 de agosto 2012. FATORES QUE ALTERAM A B.C. Imunidade

Leia mais

ROTEIRO DO SIMPLES NACIONAL

ROTEIRO DO SIMPLES NACIONAL ROTEIRO DO SIMPLES NACIONAL Explicação: Empresas enquadradas no regime de tributação do Simples Nacional poderão apurar o imposto seguindo as rotinas apresentadas abaixo. 1. Cadastro de empresa 2. Parâmetros

Leia mais

Palestra Simples Nacional

Palestra Simples Nacional Palestra Simples Nacional Secretaria da Receita Federal do Brasil Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 8ª RF RITS - Ritsutada Takara Srrf08 A RECEITA FEDERAL DO BRASIL NÃO É DONA DO

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Questões estaduais. Roberta Zanatta Martignago. Auditora-Fiscal da Receita Estadual do RS Membro da Secretaria-Executiva do CGSN

SIMPLES NACIONAL. Questões estaduais. Roberta Zanatta Martignago. Auditora-Fiscal da Receita Estadual do RS Membro da Secretaria-Executiva do CGSN SIMPLES NACIONAL Questões estaduais Roberta Zanatta Martignago Auditora-Fiscal da Receita Estadual do RS Membro da Secretaria-Executiva do CGSN 1 Simples Nacional no RS 2 3 4 Obrigações acessórias Exclusão

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais SEF/MG. Subsecretaria da Receita Estadual - SRE. Superintendência de Tributação - SUTRI

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais SEF/MG. Subsecretaria da Receita Estadual - SRE. Superintendência de Tributação - SUTRI Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais SEF/MG Subsecretaria da Receita Estadual - SRE Superintendência de Tributação - SUTRI ALTERAÇÕES NO SIMPLES NACIONAL E AS IMPLICAÇÕES NO ÂMBITO ESTADUAL

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 ANO XXVII - 2016-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA DECLARAÇÃO SOBRE A OPÇÃO DE TRIBUTAÇÃO DE PLANOS PREVIDENCIÁRIOS DPREV 2016 INFORMAÇÕES GERAIS...

Leia mais

Vinícolas Lei Complementar n 155/16

Vinícolas Lei Complementar n 155/16 Simples Nacional Vinícolas Lei Complementar n 155/16 Rômulo de Jesus Dieguez de Freitas Bacharel em Ciências Contábeis Advogado e Consultor Sócio da AFT Advocacia e Consultoria Jurídica Simples Nacional

Leia mais

RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE Simples Nacional na condição de prestador: Dispensado de reter PIS/COFINS/CSLL na fonte de acordo com o art. 32º III da Lei 10.833/03; Dispensado de reter IR na fonte de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo de ICMS ST Optante pelo Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo de ICMS ST Optante pelo Simples Nacional Calculo de 07/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Resolução CGSN nº51 de 22/12/2008... 3 3.2. Lei complementar

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

Obrigações Acessórias Hipóteses e limites. Efeitos do descumprimento.

Obrigações Acessórias Hipóteses e limites. Efeitos do descumprimento. Simples Nacional em Debate Obrigações Acessórias Hipóteses e limites. Efeitos do descumprimento. Patrícia Lenz Koinaski Porto Alegre, 1º/10/2007 INSCRIÇÃO, OPÇÃO E CADASTRO Obrigação de inscrição nos entes

Leia mais

Orientações ao Microempreendedor Individual - MEI Qua, 01 de Julho de :09 - Última atualização Qua, 01 de Julho de :30

Orientações ao Microempreendedor Individual - MEI Qua, 01 de Julho de :09 - Última atualização Qua, 01 de Julho de :30 Abordaremos neste trabalho as regras gerais aplicáveis ao Microempreendedor Individual (MEI), no âmbito do Simples Nacional, tomando como base a publicação da Resolução CGSN nº 58, de 27 de abril de 2009,

Leia mais

Declaração Anual do Simples Nacional

Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Original Exercício 2010 Ano-Calendário 2009 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2009 a 31/12/2009 1 Identificação do Contribuinte CNPJ Matriz: 00559582/0001-40

Leia mais

Caminho Jurídico do Empreendedor

Caminho Jurídico do Empreendedor Caminho Jurídico do Empreendedor Introdução Início de Atividade Empresária requer: Modelo de empresas/tipos societários; Contrato social, Registro de marcas e patentes; Elaboração e estudo de contratos

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 29 28 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 83 - Data 8 de junho de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL REVENDA DE PRODUTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO CONCENTRADA

Leia mais

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes Hugo Medeiros de Goes SIMPLES NACIONAL (2ª parte) De acordo com a Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006 (arts. 12 e 88), em 1º de julho de 2007, entra em vigor o Regime Especial Unificado de Arrecadação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELAINE FERREIRA NOLAÇO ANÁPOLIS 2012 Lucro arbitrado ou presumido Lucro arbitrado é uma forma

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 2 CONTABILIDADE DE MICROEMPRESA 2011/2 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 2 CONTABILIDADE DE MICROEMPRESA

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 2 CONTABILIDADE DE MICROEMPRESA 2011/2 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 2 CONTABILIDADE DE MICROEMPRESA 2011-2 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 2 CME - CONTABILIDADE DE MICROEMPRESA 1 Conceito e Enquadramento de Microempresa Enquadramento de Microempresa Para relembrar SEMANA 1 01/AGO A 05/AGO Quando se fala

Leia mais

Simples nacional / lucro presumido

Simples nacional / lucro presumido Simples nacional / lucro presumido Exemplo 1: Anexo I comércio Uma Empresa comercial, que não auferiu receita decorrente de venda de mercadorias sujeitas à substituição tributária ou receita de exportação,

Leia mais

Efeitos financeiros do Simples

Efeitos financeiros do Simples Efeitos financeiros do Simples Limites de sua utilização frente ao ordenamento jurídico PAULO AYRES BARRETO Simples e Efeitos Financeiros Arrecadação Custo de Conformidade Constituição Federal Lei Complementar

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO. Profa. Ma. Divane A. Silva

Unidade I PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO. Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade I PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO Profa. Ma. Divane A. Silva Objetivos gerais: Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para desenvolvimento das seguintes competências: Desenvolver

Leia mais

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL As empresas tributadas pelo lucro real, que optaram pela apuração anual, deverão recolher mensalmente antecipações de IRPJ e CSLL com base em lucro estimado

Leia mais

Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação

Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação Quem é o Microempreendedor Individual? É a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendedor

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial 1

Planejamento Tributário Empresarial 1 Planejamento Tributário Empresarial 1 Imposto de Renda e proventos de qualquer natureza Do Lucro Arbitrado Pessoa Jurídica Tributada com base no lucro arbitrado Na ocorrência de qualquer das hipóteses

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta; a Lei nº 12.469, de 26 de agosto de

Leia mais

Resolução CGSN nº 52 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. DOU de 26/12/08

Resolução CGSN nº 52 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. DOU de 26/12/08 Resolução CGSN nº 52 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. DOU de 26/12/08 Dispõe a concessão de benefícios, na forma de isenção, redução ou estabelecimento de valores fixos do ICMS ou do ISS às Microempresas (ME)

Leia mais

O SIMPLES FEDERAL LEI N O 9.317, DE 5 DE DEZEMBRO DE 1997

O SIMPLES FEDERAL LEI N O 9.317, DE 5 DE DEZEMBRO DE 1997 O SIMPLES FEDERAL LEI N O 9.317, DE 5 DE DEZEMBRO DE 1997 João pretende abrir uma pequena empresa, mas demonstra muita preocupação com respeito aos tributos que irá pagar. Realmente sua preocupação procede,

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

MANUAL DO PGDAS-D E DEFIS 2015 e 2016

MANUAL DO PGDAS-D E DEFIS 2015 e 2016 MANUAL DO PGDAS-D E DEFIS 2015 e 2016 Versão Abril/2016 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 6 1.1 - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 6 1.2 - OBJETIVOS DO PROGRAMA... 6 1.3 - A QUEM SE DESTINA... 6 1.4 - QUANDO UTILIZAR...

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 15 14 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 202 - Data 11 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Há redução dos percentuais relativos ao PIS/Pasep

Leia mais

ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO. Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais

ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO. Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais Objetivos do Workshop 1 Conhecer e Atualizar os Conhecimentos acerca da Legislação Tributária e Fiscal Vigente 2 Adotar Procedimentos

Leia mais

O disposto neste item aplica-se, inclusive, à pessoa jurídica que explore atividade rural.

O disposto neste item aplica-se, inclusive, à pessoa jurídica que explore atividade rural. LUCRO PRESUMIDO O Lucro Presumido é a forma de tributação simplificada do Imposto de Renda (IR) e Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL). A sistemática de tributação pelo Lucro Presumido é regulamentada

Leia mais

Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS

Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA IRPJ TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS Até 120.000,00 4,00% 0,00% 0,21% 0,74% 0,00%

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Simples Nacional e a transferência de créditos de PIS/COFINS Paulo Nadir Rosa de Moura* A Constituição Federal (CF) de 1988, no artigo 146, inciso III, alínea "d", dispõe que lei

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta 02/08/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Declaração Anual do Simples Nacional

Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Original Exercício 2010 Ano-Calendário 2009 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2009 a 31/12/2009 1 Identificação do Contribuinte CNPJ Matriz: 01670516/0001-06

Leia mais

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. Alta carga tributária; 2. A burocracia e entraves da legislação; 3. Interpretação restritiva do Fisco sobre

Leia mais

1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO

1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO 1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO Maria Alzirene Mota de Brito Empresária da Contabilidade (92) 99981-9878 / 99116-6622 TÓPICOS PARA ABORDAGEM 1) QUAIS TRIBUTOS

Leia mais

CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO. Restituição; Compensação; GLEYDSON ROBERTH CRISTO

CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO. Restituição; Compensação; GLEYDSON ROBERTH CRISTO CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO GLEYDSON ROBERTH CRISTO 2010 SUMÁRIO Conceitos iniciais do cálculo; Exemplos de Cálculos; Regime de Reconhecimento das receitas (Caixa/Competência); Retenção de ISS; Programa Gerador

Leia mais

Caso não consiga visualizar este , acesse o link: 0231/11

Caso não consiga visualizar este  , acesse o link:  0231/11 Página 1 de 5 Caso não consiga visualizar este e-mail, acesse o link: 0231/11 05/12/2011 SIMPLES NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO DAS NORMAS E REGULAMENTAÇÃO DA LC 139/2011 Senhor Presidente, No dia 1º de dezembro

Leia mais

Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional

Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional Diogo José Mendes Tenório Auditor Fiscal de Tributos Municipais Escrituração fiscal das escolas no Simples Nacional Conforme: Lei Complementar 123/2006; Resolução do CGSN nº 94/2011 O que será abordado?

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA ATO DECLARATÓRIO Nº 45, de 28 de setembro de 1999. O COORDENADOR-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO

Leia mais

Revisão Geral. Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG Revisão Geral

Revisão Geral. Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG Revisão Geral Revisão Geral Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG 093969 Revisão Geral Escrita Fiscal Escrita Fiscal são registros de documentos fiscais lançados em livros fiscais, obrigatórios pela legislação. Visa atender,

Leia mais

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas...

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas... S u m á r i o Unidade I Teoria Geral dos Tributos Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3 1.1. Conceito de Tributo... 3 1.2. As Espécies Tributárias... 8 Capítulo 2 Os Impostos... 18 2.1. Teoria

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 39/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 39/2016 ANO XXVII - 2016-4ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 39/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FACTORING - ASPECTOS TRIBUTÁRIOS... Pág. 564 SIMPLES NACIONAL COMPOSIÇÃO E MOMENTO DO RECONHECIMENTO

Leia mais

AGENDA TRIBUTÁRIA PAULISTA: FEVEREIRO DE COM. CAT Nº 2, DE 26/01/2017

AGENDA TRIBUTÁRIA PAULISTA: FEVEREIRO DE COM. CAT Nº 2, DE 26/01/2017 AGENDA TRIBUTÁRIA PAULISTA: FEVEREIRO DE 2017 - COM. CAT Nº 2, DE 26/01/2017 Declara as datas fixadas para cumprimento das obrigações principais e acessórias do mês de fevereiro de 2017. O Coordenador

Leia mais

ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON

ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON CONCEITOS ANTECIPAÇÃO E DIFERENCIAL DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS: Art. 4 - Nas operações com mercadorias ou bens considera-se

Leia mais

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED OUT/2010 REGIME NÃO-CUMULATIVO REGIME CUMULATIVO TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA VENDAS COM SUSPENSÃO VENDAS A ALÍQUOTA ZERO VENDAS COM ISENÇÃO

Leia mais

Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Tributária I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira

Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Tributária I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Tributária I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira 1 Assinale V para as afirmativas verdadeiras e F para as afirmativa falsa: (F) O ISS é um tributo

Leia mais

Anexo I Partilha do Simples Nacional Comércio Efeitos a partir de 01/01/2015

Anexo I Partilha do Simples Nacional Comércio Efeitos a partir de 01/01/2015 Anexo I Partilha do Simples Nacional Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) Média ICMS Rio de Janeiro Nova Alíquota Alíquota IRPJ CSLL Cofins PIS/Pasep CPP ICMS Mensal Alíquota Redução Simples RJ Até

Leia mais

Simples Nacional. Salvador, 19/08/2010

Simples Nacional. Salvador, 19/08/2010 Simples Nacional Salvador, 19/08/2010 Cálculo do Valor Devido PGDAS. Opção pelo Regime de Reconhecimento de Receitas. Segregar por Estabelecimento. Segregar cada Estabelecimento por anexo. Especificidades

Leia mais

Agosto/ Minas Gerais ICMS-MG. Santa Catarina ARQUIVO ELETRÔNICO SCANC. Rio Grande do Sul Santa Catarina Minas Gerais

Agosto/ Minas Gerais ICMS-MG. Santa Catarina ARQUIVO ELETRÔNICO SCANC. Rio Grande do Sul Santa Catarina Minas Gerais Agosto/ 2015 02 ICMS-MG 03 04 05 06 07 GIA/Água Natural MG - DAPI 1; ICMS-MG Fumo; ICMS-MG IRRF; IOF; APRENDIZAGEM - NÚMERO DE MATRÍCULAS NOVAS. ICMS/ Débito Próprio -Distribuidora de Combustíveis; ICMS/

Leia mais

Página 2 de 5 No caso da ausência de comprovação de que essas bonificações estejam relacionadas com a aquisição das mercadorias, essa operação será ca

Página 2 de 5 No caso da ausência de comprovação de que essas bonificações estejam relacionadas com a aquisição das mercadorias, essa operação será ca Página 1 de 5 Este procedimento foi elaborado com base nas Leis nºs 10.406/2002; 9.249/1995; 10.637/2002; 10.833/2003; 11.941/2009; Lei Complementar nº 123/2006; e Resolução CGSN nº 94/2011 IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep/Simples

Leia mais

Sistema de Controle do Simples Nacional

Sistema de Controle do Simples Nacional Sistema de Controle do Simples Nacional Sobre o Simples Nacional O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 14.12.2006, aplicável

Leia mais

MICRO E PEQUENA EMPRESA. São consideradas micro e pequena empresa:

MICRO E PEQUENA EMPRESA. São consideradas micro e pequena empresa: MICRO E PEQUENA EMPRESA São consideradas micro e pequena empresa: Art. 3 o Para os efeitos desta Lei Complementar, consideram-se microempresas ou empresas de pequeno porte a sociedade empresária, a sociedade

Leia mais

Simples Nacional: noções básicas e alterações trazidas pela LC 155/2016 Silas Santiago

Simples Nacional: noções básicas e alterações trazidas pela LC 155/2016 Silas Santiago Simples Nacional: noções básicas e alterações trazidas pela LC 155/2016 Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional Ministério da Fazenda 1 Parte 1: Noções básicas 2 Administração

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 19 - Data 1 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Na espécie, relativamente a fatos geradores ocorridos

Leia mais

GERMAN ALEJANDRO SAN MARTÍN FERNANDÉZ MESTRE E DOUTORANDO EM DIREITO DO ESTADO (DIREITO TRIBUTÁRIO) PELA PUC/SP;

GERMAN ALEJANDRO SAN MARTÍN FERNANDÉZ MESTRE E DOUTORANDO EM DIREITO DO ESTADO (DIREITO TRIBUTÁRIO) PELA PUC/SP; GERMAN ALEJANDRO SAN MARTÍN FERNANDÉZ MESTRE E DOUTORANDO EM DIREITO DO ESTADO (DIREITO TRIBUTÁRIO) PELA PUC/SP; JUIZ DO TRIBUNAL DE IMPOSTOS E TAXAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (TIT/SP); CONSELHEIRO DO CARF

Leia mais

SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO

SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO SIMULADOR A ferramenta do Contador. Qual é o melhor regime para sua empresa? SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO Acesse nosso ebook http://www.etecnico.com.br/ https://www.facebook.com/mapaetecnicofiscal

Leia mais

III A ausência ou irregularidade na inscrição municipal ou estadual do contribuinte, Olá Pessoal

III A ausência ou irregularidade na inscrição municipal ou estadual do contribuinte, Olá Pessoal Olá Pessoal Você acessou os exercícios da disciplina ED - Estudos Disciplinares. Dos exercícios propostos você terá que responser corretamente 10 (dez) exercícios. Assinale a alternativa correta e inclua

Leia mais

Simples Nacional: noções básicas e alterações trazidas pela LC 155/2016

Simples Nacional: noções básicas e alterações trazidas pela LC 155/2016 Simples Nacional: noções básicas e alterações trazidas pela LC 155/2016 Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional Ministério da Fazenda 1 Parte 1: Noções básicas 2 1. Introdução:

Leia mais

Comunicado CAT 14, de

Comunicado CAT 14, de Comunicado CAT 14, de 25 07 2016 (DOE 26 07 2016) O Coordenador da Administração Tributária declara que as datas fixadas para cumprimento das Obrigações Principais e Acessórias, do mês de AGOSTO de 2016,

Leia mais

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 Contribuição para PIS/PASEP PIS contribuição para o Programa de Integração Social funcionários das empresas do setor privado; PASEP contribuição

Leia mais

AUMENTO DE CARGA TRIBUTÁRIA NO SIMPLES LEI COMPLEMENTAR Nº 155/2016.

AUMENTO DE CARGA TRIBUTÁRIA NO SIMPLES LEI COMPLEMENTAR Nº 155/2016. AUMENTO DE CARGA TRIBUTÁRIA NO SIMPLES LEI COMPLEMENTAR Nº 155/2016. Flávio GRUBA 1 Flávio Gruba JUNIOR 2 RESUMO: Neste trabalho será abordado o aumento da carga tributária para as empresas tributadas

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT)

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) CONFIGURAÇÃO DO ARQUIVO TXT IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) O arquivo TXT deverá ser gerado da seguinte forma: Um registro por linha Campos separados por vírgulas Campos Alfanuméricos

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI MUNICIPAL N. 1181 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual. PREFEITO MUNICIPAL DE GRAMADO XAVIER, no uso das

Leia mais

/COP

/COP Proposição n. 49.0000.2013.002651-0/COP Origem: Diretoria do Conselho Federal da OAB. Assunto: Simples Nacional. Escritório de Advocacia. Projeto de Lei do Senado n. 467/2008. Relator: Conselheiro Federal

Leia mais

Simples Nacional LC 155/2016 MAPA ETÉCNICO FISCAL 1

Simples Nacional LC 155/2016 MAPA ETÉCNICO FISCAL 1 Simples Nacional LC 155/2016 MAPA ETÉCNICO FISCAL 1 MAPA ETÉCNICO FISCAL 2 1. Introdução: Dispositivos Constitucionais Emenda Constitucional nº 42, de 2003 Art. 146. Cabe à lei complementar: III - estabelecer

Leia mais

Guia do Simples Nacional: Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS)

Guia do Simples Nacional: Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) Guia do Simples Nacional: Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) Resumo: Discorreremos no presente Roteiro de Procedimentos sobre o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS). Para

Leia mais

INFORMATIVO DO SIMPLES NACIONAL COMISSÃO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS OAB/RO

INFORMATIVO DO SIMPLES NACIONAL COMISSÃO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS OAB/RO INFORMATIVO DO SIMPLES NACIONAL COMISSÃO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS OAB/RO 2014 INTRODUÇÃO: A necessária inclusão no Simples Nacional, e a vitória da advocacia! Foi aprovada recentemente a inclusão das sociedades

Leia mais

TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO A MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: LIMITES AO USO DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA E À COBRANÇA DE DIFERENÇA DE ALÍQUOTA.

TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO A MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: LIMITES AO USO DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA E À COBRANÇA DE DIFERENÇA DE ALÍQUOTA. TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO A MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: LIMITES AO USO DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA E À COBRANÇA DE DIFERENÇA DE ALÍQUOTA. German Alejandro San Martín Fernández Mestre e doutorando

Leia mais

Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012

Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012 Agenda Tributária: de 16 a 22 de Fevereiro de 2012 Dia: 16 SP - Guia de Informação e Apuração - GIA - Regime mensal - I.E. finais 0 e 1 Os contribuintes com a inscrição estadual final 0 ou 1, deverão apresentar

Leia mais

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012

TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 TRIBUTAÇÃO SOBRE AS MPEs RANKING DOS ESTADOS 2012 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS LIÇÕES: BONS E MAUS EXEMPLOS 1 O PROJETO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

CURSO ANALISTA FISCAL FORTALEZA/CE - TURMA 18

CURSO ANALISTA FISCAL FORTALEZA/CE - TURMA 18 CURSO ANALISTA FISCAL FORTALEZA/CE - TURMA 18 A função de Analista Fiscal é uma das mais nobres na área fiscal de um estabelecimento, tendo em vista sua importância na verificação do processamento de todo

Leia mais

Outubro / Santa Catarina ARQUIVO ELETRÔNICO SCANC; Santa Catarina Minas Gerais. Federal Santa Catarina São Paulo. Rio Grande do Sul Minas Gerais

Outubro / Santa Catarina ARQUIVO ELETRÔNICO SCANC; Santa Catarina Minas Gerais. Federal Santa Catarina São Paulo. Rio Grande do Sul Minas Gerais Outubro / 2014 01 02 03 04 05 06 07 ICMS-MG; APRENDIZAGEM - NÚMERO DE MATRÍCULAS NOVAS; IRRF; IOF; Código de Prazo de Recolhimento (CPR): 1031 - Fato Gerador de GIA/Água Natural; MG - DAPI 1; ICMS-MG Fumo;

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 CSLL CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO CSLL CONTRIB. SOCIAL S/ LUCRO LÍQUIDO A CSLL é uma contribuição de competência da União instituída pela

Leia mais