Simples nacional / lucro presumido

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simples nacional / lucro presumido"

Transcrição

1 Simples nacional / lucro presumido Exemplo 1: Anexo I comércio Uma Empresa comercial, que não auferiu receita decorrente de venda de mercadorias sujeitas à substituição tributária ou receita de exportação, apurou R$ ,00 de revendas de mercadorias, sendo que a receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao do período de apuração é R$ ,00. Anexo I, Seção I, Tabela I Alíquota 6,84%. Valor a recolher do mês: R$ ,00 x 6,84% = R$ 1.710,00 Valor da Receita do mês: R$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (8% x ,00) = R$ 2.000,00 Valor do IRPJ (15% x R$ 2.000,00) = R$ 300,00 Base de cálculo do CSLL (12% x ,00) = R$ 3.000,00 Valor do IRPJ (9% x R$ 3.000,00) = R$ 270,00 PIS/COFINS ( 3,65% x R$ ,00) = R$ 912,50 TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 1.482,50 Histórico % s/ vendas IRPJ +CSLL ( 1,2%+ 1,08%) 2,28% PIS/COFINS 3,65% ICMS s/ Vendas

2 Exemplo 2: Anexo II - Indústria Uma Empresa Industrial, que auferiu no mês as seguintes receitas: R$ ,00 de vendas de produtos no mercado interno R$ ,00 de vendas de produtos para exportação Receita total do mês: R$ ,00 Receita Bruta acumulada em 12 meses: R$ ,00. è Vendas de produtos no mercado interno Anexo II, Seção I, Tabela 1 Alíquota de 8,95%. è Venda de produtos para exportação Anexo II, Seção III, Tabela 1 Alíquota de 4,13%. R$ ,00 x 8,95% = R$ 4.027,50 R$ ,00 x 4,13% = R$ 1.445,50 Devido = R$ 4.027,50 + R$ 1.445,50 = R$ 5.473,00. Valor da Receita do mês: R$ ,00 (Mercado interno) Valor da Receita do mês: R$ ,00 (Exportação) Receita total do mês: R$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (8% x ,00) = R$ 6.400,00 Valor do IRPJ (15% x R$ 6.400,00) = R$ 960,00 Base de cálculo do CSLL (12% x ,00) = R$ 9.600,00 Valor do CSLL (9% x R$ 9.600,00) = R$ 864,00 PIS/COFINS ( mercado interno) = R$ 1.642,50 PIS/COFINS ( exportação - isento) = R$ -0- TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 3.466,50 Histórico Mercado interno Exportação

3 % s/ vendas % s/ vendas IRPJ +CSLL 2,28% 2,28% PIS/COFINS 3,65% -0- ICMS s/ Vendas -0- Exemplo 3: Anexos I e II- comércio e Indústria Uma empresa cujo atividade é industria e comercio, auferiu no mês as seguintes receitas: 1. Atividade Comercial (revenda de mercadorias, sem substituição tributária) no mercado interno: R$ , Atividade Industrial (venda de produtos de fabricação própria, sem substituição tributária) no mercado interno: R$ ,00. Receita bruta acumulada nos últimos 12 meses: R$ ,00. Anexo I, Seção I, Tabela I Atividades Comerciais R$ ,00 x 7,60% = R$ 1.900,00 Anexo II, Seção I, Tabela I Atividades Industriais R$ ,00 x 8,10% = R$ 2.430,00 a Recolher = R$ 1.900,00 + R$ 2.430,00 = R$ 4.330,00. Valor da Receita do mês: R$ ,00 (comércio)

4 Valor da Receita do mês: R$ ,00 (indústria) Receita total do mês: R$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (8% x ,00) = R$ 4.400,00 Valor do IRPJ (15% x R$ 4.400,00) = R$ 660,00 Base de cálculo do CSLL (12% x ,00) = R$ 6.600,00 Valor do CSLL (9% x R$ 6.600,00) = R$ 594,00 PIS/COFINS ( 3,65% x ,00) = R$ 2.007,50 TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 3.466,50 Histórico comércio % s/ vendas indústria % s/ vendas IRPJ +CSLL 2,28% 2,28% PIS/COFINS 3,65% 3,65% ICMS s/ Vendas Exemplo 4: Anexo III seção I Uma empresa cujo atividade é Locação de bens móveis, obteve receita bruta de locação no mês de R$ ,00. A receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao do período de apuração é R$ ,00. Anexo III, Seção I, Tabela I Alíquota 7,53% Valor a recolher do mês: R$ ,00 x 7,53% = R$ 4.292,10.

5 Valor da Receita do mês: R$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (32% x ,00) = R$ ,00 Valor do IRPJ (15% x R$ ,00) = R$ 2.736,00 Base de cálculo do CSLL (32% x ,00) = R$ ,00 Valor do CSLL (9% x R$ ,00) = R$ 1.641,60 PIS/COFINS ( 3,65% x ,00) = R$ 2.080,50 TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 6.458,10 Histórico % s/ Receitas IRPJ +CSLL ( 4,8%+ 2,88%) 7,68% PIS/COFINS 3,65% Iss s/ Receitas Exemplo 5: Anexo III (seções II, III e IV) Receitas decorrentes da prestação dos serviços previstos nos incisos I a XII e XIV do 3º, bem como no 4º do art. 12 da Resolução CGSN nº 4, de 28 de maio de 2007 Resolução CGSN nº 4, Art. 12. Não poderão recolher os impostos e contribuições na forma do Simples Nacional a ME ou a EPP: 3º As vedações relativas ao exercício de atividades previstas no caput não se aplicam às pessoas jurídicas que se dediquem exclusivamente às atividades seguintes ou as exerçam em conjunto com outras atividades que não tenham sido objeto de vedação no caput: I Creche, pré-escola e estabelecimento de ensino fundamental; II Agência terceirizada de correios; III Agência de viagem e turismo; IV Centro de formação de condutores de veículos automotores de transporte terrestre de passageiros e de carga; V Agência lotérica; VI serviços de manutenção e reparação de automóveis, caminhões, ônibus, outros veículos pesados, tratores, máquinas e equipamentos agrícolas; VII serviços de instalação, manutenção e reparação de acessórios para veículos automotores;

6 VIII serviços de manutenção e reparação de motocicletas, motonetas e bicicletas; IX serviços de instalação, manutenção e reparação de máquinas de escritório e de informática; X serviços de reparos hidráulicos, elétricos, pintura e carpintaria em residências ou estabelecimentos civis ou empresariais, bem como manutenção e reparação de aparelhos eletrodomésticos; XI serviços de instalação e manutenção de aparelhos e sistemas de ar condicionado, refrigeração, ventilação, aquecimento e tratamento de ar em ambientes controlados; XII Veículos de comunicação, de radiodifusão sonora e de sons e imagens, e mídia externa; XIV Transporte municipal de passageiros; 4º Também poderá optar pelo Simples Nacional a ME ou EPP que se dedique à prestação de outros serviços que não tenham sido objeto de vedação expressa neste artigo, desde que não incorra em nenhuma das hipóteses de vedação previstas nesta Resolução. Um estabelecimento de ensino fundamental com receita bruta no mês de R$ ,00 decorrente da prestação de seus serviços, Não houve retenção ou substituição tributária do ISS, com ISS devido ao próprio Município. Receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao do período de apuração é R$ ,00. Anexo III, Seção III, Tabela 1 Alíquota 11,31%. Valor a recolher do mês: R$ ,00 x 11,31% = R$ 3.958,50. Valor da Receita do mês: R$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (32% x ,00) = R$ ,00 Valor do IRPJ (15% x R$ ,00) = R$ 1.680,00 Base de cálculo do CSLL (32% x ,00) = R$ ,00 Valor do CSLL (9% x R$ ,00) = R$ 1.008,00 PIS/COFINS ( 3,65% x ,00) = R$ 1.277,50 TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 3.965,50 Histórico % s/ Receitas IRPJ +CSLL ( 4,8%+ 2,88%) 7,68% PIS/COFINS 3,65% Iss s/ Receitas

7 Exemplo 6: Anexo IV (seções I, II e III) Receitas decorrentes da prestação dos serviços previstos nos incisos XIII e XV a XVIII do 3º do art. 12 da resolução cgsn nº 4, de 28/05/2007 Resolução CGSN nº 4, Art. 12. Não poderão recolher os impostos e contribuições na forma do Simples Nacional a ME ou a EPP: 3º As vedações relativas ao exercício de atividades previstas no caput não se aplicam às pessoas jurídicas que se dediquem exclusivamente às atividades seguintes ou as exerçam em conjunto com outras atividades que não tenham sido objeto de vedação no caput: XIII Construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada; XV Empresas montadoras de estandes para feiras; XVI Escolas livres, de línguas estrangeiras, artes, cursos técnicos e gerenciais; XVII Produção cultural e artística; XVIII Produção cinematográfica e de artes cênicas; Uma Escola livre, de língua estrangeira, com receita de serviços no mês de R$ ,00. Não houve retenção ou substituição tributária, com ISS devido no próprio Município. A receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao do período de apuração é R$ ,00. Anexo IV, Seção II, Tabela I Alíquota 7,70% Valor a recolher do mês (exceto INSS Patronal, que deve ser recolhido na GPS): R$ ,00 x 7,70% = R$ 1.925,00. Atenção: No Simples Nacional, relativo a esta categoria de serviços (Anexo IV), não está incluída a contribuição Patronal do INSS devido pela Pessoa Jurídica, a qual deve ser recolhida segundo art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de Valor da Receita do mês: R$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (32% x ,00) = R$ 8.000,00 Valor do IRPJ (15% x R$ ,00) = R$ 1.200,00

8 Base de cálculo do CSLL (32% x ,00) = R$ 8.000,00 Valor do CSLL (9% x R$ ,00) = R$ 720,00 PIS/COFINS ( 3,65% x ,00) = R$ 912,50 TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 2.832,50 Histórico % s/ Receitas IRPJ +CSLL ( 4,8%+ 2,88%) 7,68% PIS/COFINS 3,65% Iss s/ Receitas Exemplo 7: Anexo V seções I a IV(tab-1 a tab-3) Receitas decorrentes da prestação dos serviços previstos nos incisos XIX a XXIV e XXVI do 3º, do art. 12 da Resolução CGSN nº 4, de 28/05/2007 Resolução CGSN nº 4, Art. 12. Não poderão recolher os impostos e contribuições na forma do Simples Nacional a ME ou a EPP: 3º As vedações relativas ao exercício de atividades previstas no caput não se aplicam às pessoas jurídicas que se dediquem exclusivamente às atividades seguintes ou as exerçam em conjunto com outras atividades que não tenham sido objeto de vedação no caput: XIX cumulativamente administração e locação de imóveis de terceiros; XX academias de dança, de capoeira, de ioga e de artes marciais; XXI academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes; XXII elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, desde que desenvolvidos em estabelecimento do optante; XXIII licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; XXIV planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas, desde que realizados em estabelecimento do optante; XXVI serviço de vigilância, limpeza ou conservação.

9 Uma Empresa de administração e locação de imóveis de terceiros, auferiu receita decorrente de seus serviços, no mês, de R$ ,00. sem retenção ou substituição tributária, sendo o ISS devido ao próprio Município. A receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao do período de apuração é R$ ,00. Como se trata de atividade que deverá ser aplicado a tabela do Anexo V, então teremos que obter dados da folha de pagamento da empresa respectiva, assim determinados: Folha de Salários, incluídos encargos, pagos em 12 meses: R$ ,00. Primeiramente, calcula-se a relação (r) entre a folha e a receita bruta de 12 meses: (r) = Folha de Salários incluídos encargos (em 12 meses) Receita Bruta (em 12 meses) (r) = R$ ,00 / ,00 (r) = 0,377 Como (r) é maior ou igual a 0,35 e menor que 0,40, aplica-se a Tabela 2 da Seção II do Anexo V, alíquota de 17,87%. Valor a recolher do mês (exceto INSS Patronal, que deve ser recolhido na GPS): R$ ,00 x 17,87% = R$ 9.828,50. Atenção: No Simples Nacional, relativo a esta categoria de serviços (Anexo V), não está incluída a contribuição patronal do INSS devido pela Pessoa Jurídica, a qual deve ser recolhida segundo art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 (em GPS própria). Valor da Receita do mês: R$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (32% x ,00) = R$ ,00 Valor do IRPJ (15% x R$ ,00) = R$ 2.640,00 Base de cálculo do CSLL (32% x ,00) = R$ ,00 Valor do CSLL (9% x R$ ,00) = R$ 1.584,00 PIS/COFINS ( 3,65% x ,00) = R$ 2.007,50 TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 6.231,50

10 Histórico % s/ Receitas IRPJ +CSLL ( 4,8%+ 2,88%) 7,68% PIS/COFINS 3,65% Iss s/ Receitas Exemplo 8: Anexo V seções I a IV(tab-4) Receitas decorrentes da prestação de serviços contábeis prevista inciso XXV do 3º, do art. 12 da Resolução CGSN nº 4, de 28/05/2007 Uma Empresa de Serviços Contábeis auferiu receita decorrente da prestação de seus serviços, no mês, de R$ ,00. A receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao do período de apuração é R$ ,00. Como se trata de atividade que deverá ser aplicado a tabela do Anexo V, então teremos que obter dados da folha de pagamento da empresa respectiva, assim determinados: Folha de Salários, incluídos encargos, pagos em 12 meses: R$ ,00. Primeiramente, calcula-se a relação (r) entre a folha e a receita bruta de 12 meses: (r) = Folha de Salários incluídos encargos (em 12 meses) Receita Bruta (em 12 meses) (r) = R$ ,00 / ,00 (r) = 0,426

11 Como (r) é maior que 0,40, a alíquota do Simples Nacional será determinada pela aplicação da Tabela 4 da Seção I do Anexo V = 4,48%. Valor a recolher do mês (exceto INSS Patronal, que deve ser recolhido na GPS e ISS-fixo): (tab-6 seção I) R$ ,00 x 4,48% = R$ 985,60. Atenção: 1. No Simples Nacional, relativo a escritórios de serviços contábeis, não está incluída a contribuição patronal do INSS devido pela Pessoa Jurídica, a qual deve ser recolhida segundo art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de A atividade de escritórios de serviços contábeis recolherá ISS em valor fixo, na forma da legislação municipal. Valor da Receita do mês: R$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (32% x ,00) = R$ 7.040,00 Valor do IRPJ (15% x R$ 7.040,00) = R$ 1.056,00 Base de cálculo do CSLL (32% x ,00) = R$ 7.040,00 Valor do CSLL (9% x R$ 7.040,00) = R$ 633,60 PIS/COFINS ( 3,65% x ,00) = R$ 803,00 TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 2.492,60 Histórico % s/ Receitas IRPJ +CSLL ( 4,8%+ 2,88%) 7,68% PIS/COFINS 3,65% Iss s/ Receitas ( empresa do simples paga ISS) Exemplo 9:

12 Anexo V seções I a IV(tab-5 e tab-6) Receitas decorrentes da prestação de serviços de transportes de cargas prevista no 4º, do art. 12 da Resolução CGSN nº 4, de 28/05/2007 Atenção: Até Dez/2007 a prestação de serviço de transporte de carga, pertence ao anexo V, já a partir de Janeiro /2008 esta atividade passa a pertencer o Anexo III. Uma empresa cuja atividade é prestação de serviços de transportes intermunicipais e interestaduais de cargas, auferiu receita decorrente da prestação de serviços, no mês, R$ ,00, da seguinte forma:. Receita sem retenção ou substituição do icms (tab-5 seção III) R$ ,00 e Receita com retenção ou substituição do icms (tab-6 seção III)R$ ,00. A receita bruta acumulada nos doze meses anteriores ao do período de apuração é R$ ,00. Como se trata de atividade que deverá ser aplicado as tabelas 5 e 6 da seção I do Anexo V, teremos calcular o fator ( r), que obtido dividindo o valor da folha de pagamento da respectiva empresa pelo valor da receita do período: Folha de Salários, incluídos encargos, pagos em 12 meses: R$ ,00. (r) = Folha de Salários incluídos encargos (em 12 meses) Receita Bruta (em 12 meses) (r) = R$ ,00 / ,00 (r) = 0,305 Como (r) é maior ou igual a 0,30 e menor que 0,35, a alíquota do Simples Nacional será determinada da seguinte forma: Receita sem retenção ou substituição do icms (tab-5 seção III) R$ ,00 x 17,06% = R$ 3.412,00. e Receita com retenção ou substituição do icms (tab-6 seção III)R$ ,00 x 14,50% = R$ 3.190,00. Receita total...r$ 6.602,00 Valor a recolher do mês (exceto INSS Patronal, que deve ser recolhido na GPS): Atenção: No Simples Nacional, relativo a prestação de serviços de transportes de cargas, até Dez/07, não está incluída a contribuição patronal do INSS devido pela Pessoa Jurídica, a qual deve ser recolhida segundo art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991.

13 Valor da Receita do mês: Valor da Receita sem retenção ou substituição do icms R$ ,00 e Valor da Receita com retenção ou substituição do icms R$ ,00 Receita total......r$ ,00 Base de cálculo do IRPJ (8% x ,00) = R$ 3.360,00 Valor do IRPJ (15% x R$ 3.360,00) = R$ 504,00 Base de cálculo do CSLL (12% x ,00) = R$ 5.040,00 Valor do CSLL (9% x R$ 5.040,00) = R$ 453,60 PIS/COFINS ( 3,65% x ,00) = R$ 1.533,00 TOTAL (IRPJ+CSLL+PIS+COFINS) = R$ 2.490,60 Histórico s/retenção % s/ serviços c/retenção % s/ serviços IRPJ +CSLL (1,2% + 1,08% ) 2,28% 2,28% PIS/COFINS 3,65% 3,65% ICMS s/ Vendas dos serviços -0-

Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS

Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA IRPJ TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS Até 120.000,00 4,00% 0,00% 0,21% 0,74% 0,00%

Leia mais

Anexo I Partilha do Simples Nacional Comércio Efeitos a partir de 01/01/2015

Anexo I Partilha do Simples Nacional Comércio Efeitos a partir de 01/01/2015 Anexo I Partilha do Simples Nacional Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) Média ICMS Rio de Janeiro Nova Alíquota Alíquota IRPJ CSLL Cofins PIS/Pasep CPP ICMS Mensal Alíquota Redução Simples RJ Até

Leia mais

ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS Efeitos a partir de 01/01/2018

ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS Efeitos a partir de 01/01/2018 ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS 1a. Faixa De 0,00 a 180.000,00 15.000,00 4,00% 0,00 0,000% a 4,000% 2a. Faixa De 180.000,01 a 360.000,00 30.000,00

Leia mais

ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS Efeitos a partir de 01/01/2018

ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS Efeitos a partir de 01/01/2018 ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS Receita Bruta em 12 meses Simulação Efetiva 1a. De 0,00 a 180.000,00 15.000,00 4,00% 0,00 0,00% a 4,00% 2a.

Leia mais

SENADO FEDERAL. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 136, DE 2012 (Complementar)

SENADO FEDERAL. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 136, DE 2012 (Complementar) SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 136, DE 2012 (Complementar) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir a inclusão de microempresas e empresas de pequeno porte

Leia mais

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO NACIONAL ART. 17 Parágrafo 1º - As vedações relativas a exercício das atividades previstas no caput não se aplica as

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional Parte IV. Prof. Marcello Leal

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional Parte IV. Prof. Marcello Leal DIREITO TRIBUTÁRIO Parte IV Prof. Marcello Leal Determinação da base de cálculo LC 123/06, Art. 3º, 1º. Considera-se receita bruta, para fins do disposto no caput deste artigo, o produto da venda de bens

Leia mais

Tabelas dos anexos do Simples Nacional a partir de 2018

Tabelas dos anexos do Simples Nacional a partir de 2018 1. Fórmula para cálculo Tabelas dos anexos do Simples Nacional a partir de 2018 Desde 01/01/2018 passou a vigorar a nova forma de cálculo do simples nacional. A alíquota nominal indicada nas tabelas abaixo

Leia mais

Tabelas dos anexos do Simples Nacional a partir de 2018

Tabelas dos anexos do Simples Nacional a partir de 2018 1. Fórmula para cálculo Tabelas dos anexos do Simples Nacional a partir de 2018 Desde 01/01/2018 passou a vigorar a nova forma de cálculo do simples nacional. A alíquota nominal indicada nas tabelas abaixo

Leia mais

Simples nacional: legislação, alíquotas, vantagens e desvantagens para as empresas optantes

Simples nacional: legislação, alíquotas, vantagens e desvantagens para as empresas optantes Simples nacional: legislação, alíquotas, vantagens e desvantagens para as empresas optantes Por: Ademar Cardec Seccatto O Simples Nacional foi instituído pela Lei Complementar 123, de 15 de dezembro de

Leia mais

ANEXO III Partilha do Simples Nacional SERVIÇOS

ANEXO III Partilha do Simples Nacional SERVIÇOS SERVIÇOS LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS Receitas decorrentes da locação de bens móveis; A receita decorrente da locação de bens móveis é tão-somente aquela decorrente da exploração de atividade não definida na

Leia mais

GRUPO ORGPENHA CONTABILIDADE E SERVIÇOS

GRUPO ORGPENHA CONTABILIDADE E SERVIÇOS Anexo I Partilha do Simples Nacional Comércio As Empresas optantes pelo Simples Nacional com a atividade comercial (revenda de mercadoria) recolherão os tributos de acordo com a Tabela a seguir: Receita

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO Apresentador: Márcio Schuch Silveira, Contador, Mestre em Ciências Contábeis, Empresário Contábil, Vice-Presidente Técnico do CRCRS e professor universitário.

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OPÇÃO. Micro e pequenas cervejarias, vinícolas, destilarias e produtores de licores. INVESTIDOR ANJO

POSSIBILIDADE DE OPÇÃO. Micro e pequenas cervejarias, vinícolas, destilarias e produtores de licores. INVESTIDOR ANJO Caro cliente: Pedimos que reserve alguns minutos de seu tempo para ler matéria que elaboramos sobre uma série de mudanças ocorridas na Lei Complementar nº 123/06, a Lei do Simples Nacional, que vigorará

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO Apresentador: Márcio Schuch Silveira, Contador, Mestre em Ciências Contábeis, Empresário Contábil, Vice-Presidente Técnico do CRCRS e professor universitário.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Super simples lei complementar 123/2006 Valdivino Alves de Sousa * Antes de entrar no assunto primeiro vou esclarecer o que é uma Lei complementar conforme o nosso ordenamento jurídico.

Leia mais

Ao clicar no botão NOVO, o contribuinte deverá fazer o preenchimento da BASE LEGAL, seguinte forma:

Ao clicar no botão NOVO, o contribuinte deverá fazer o preenchimento da BASE LEGAL, seguinte forma: ORIENTAÇÕES SOBRE O PREENCHIMENTO DA DMS PARA OS OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL Conforme a Resolução CGSN Nº 010 de 28/06/2007 do Comitê Gestor do Simples Nacional, as microempresas (ME) e as empresas de

Leia mais

Descomplicando o SIMPLES LC nº 123/2006 com alterações introduzidas pela LC nº 155/2017

Descomplicando o SIMPLES LC nº 123/2006 com alterações introduzidas pela LC nº 155/2017 Descomplicando o SIMPLES 2018 LC nº 123/2006 com alterações introduzidas pela LC nº 155/2017 FORMA DO CALCULO O valor devido mensalmente pela microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES O Simples Nacional é o regime de apuração instituído pela Lei Complementar nº 123 de 2006, destinado às empresas enquadradas

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2018 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL Tributo federal Lei Complementar 123/2006 e 128/2008 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas

Leia mais

Segue explicação cálculo Simples Nacional com alguns exemplos para facilitar esse entendimento 2017/2018.

Segue explicação cálculo Simples Nacional com alguns exemplos para facilitar esse entendimento 2017/2018. No ano de 2018 teremos várias alterações que afetarão as empresas do Simples Nacional. Essas novas alterações afetarão principalmente a sistemática de cálculo Segue explicação cálculo Simples Nacional

Leia mais

SIMPLES NACIONAL ALÍQUOTA NOMINAL X ALÍQUOTA EFETIVA VALÉRIA NETTO FERREIRA COSTA AUDITORA-FISCAL DA RECEITA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

SIMPLES NACIONAL ALÍQUOTA NOMINAL X ALÍQUOTA EFETIVA VALÉRIA NETTO FERREIRA COSTA AUDITORA-FISCAL DA RECEITA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SIMPLES NACIONAL ALÍQUOTA NOMINAL X ALÍQUOTA EFETIVA VALÉRIA NETTO FERREIRA COSTA AUDITORA-FISCAL DA RECEITA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE 08 DE AGOSTO DE 2018 ALTERAÇÕES LEI COMPLEMENTAR Nº 123/2006 O regime

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 170 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SERVIÇO DE INSPEÇÃO VEICULAR. IMPEDIMENTO. O serviço

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 787, DE 25 DE JANEIRO DE A Câmara Municipal de Coronel Xavier Chaves aprova e eu Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei:

LEI MUNICIPAL Nº. 787, DE 25 DE JANEIRO DE A Câmara Municipal de Coronel Xavier Chaves aprova e eu Prefeito Municipal sanciono a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº. 787, DE 25 DE JANEIRO DE 2008. Institui o Programa de Incentivo à Microempresa e Empresa de Pequeno Porte no âmbito do Município de Coronel Xavier Chaves e dá outras providências. A Câmara

Leia mais

Descomplicando Simples Nacional. Reforma da LC 123/ advento da LC 155/2016

Descomplicando Simples Nacional. Reforma da LC 123/ advento da LC 155/2016 Descomplicando Simples Nacional Reforma da LC 123/2006 - advento da LC 155/2016 FORMA DO CALCULO O valor devido mensalmente pela microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional,

Leia mais

IV - elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos;

IV - elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; Diário Oficial da União, Seção 1, Edição nº 201, p. 4, 17.10.2012 Decreto nº 7.828, de 16.10.2012 - Regulamenta a incidência da contribuição previdenciária sobre a receita devida pelas empresas de que

Leia mais

SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL 22/11/2017 PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE

SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL 22/11/2017 PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL Tributo federal Lei Complementar 123/2006 e 128/2008 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO. Profa. Ma. Divane A. Silva

Unidade I PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO. Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade I PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO Profa. Ma. Divane A. Silva Objetivos gerais: Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para desenvolvimento das seguintes competências: Desenvolver

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO Apresentador: Márcio Schuch Silveira, Contador, Mestre em Ciências Contábeis, Empresário Contábil, Vice-Presidente Técnico do CRCRS e professor universitário.

Leia mais

SIMPLES NACIONAL/2013

SIMPLES NACIONAL/2013 SIMPLES NACIONAL/2013 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Micro e Empresas de Pequeno Porte Lei Compementar 123 de 2006 LC 127/2007, 128/2008, 133/2009 Lei

Leia mais

Seminário. Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas / Simples - Alterações. Elaborado por:

Seminário. Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas / Simples - Alterações. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3662-0035 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PALESTRA SIMPLES NACIONAL. Realização: Curso de Ciências Contábeis UNISC e SINCOTEC

PALESTRA SIMPLES NACIONAL. Realização: Curso de Ciências Contábeis UNISC e SINCOTEC PALESTRA SIMPLES NACIONAL Realização: Curso de Ciências Contábeis UNISC e SINCOTEC TREINAMENTOS LEFISC EM TODO ESTADO: DISPONIBILIZAMOS PROGRAMAÇÃO QUE ATENDAM A NECESSIDADE DE CADA EMPRESA ATRAVÉS DE

Leia mais

O QUE MUDA NO SIMPLES NACIONAL PARA 2018 Com base na Lei Complementar nº 155/16. Ana Paula Haskel & Filipe Rocha Batista Gomes

O QUE MUDA NO SIMPLES NACIONAL PARA 2018 Com base na Lei Complementar nº 155/16. Ana Paula Haskel & Filipe Rocha Batista Gomes O QUE MUDA NO SIMPLES NACIONAL PARA 2018 Com base na Lei Complementar nº 155/16 & Filipe Rocha Batista Gomes Programa: 1 - DEFINIÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS - MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1.1 -

Leia mais

Simples Nacional - Resolução CGSN nº 005, de 30 de maio de 2007

Simples Nacional - Resolução CGSN nº 005, de 30 de maio de 2007 Página 1 de 9 Resolução CGSN nº 005, de 30 de maio de 2007 Dispõe sobre o cálculo e o re impostos e contribuições microempresas e empresas de optantes pelo Regime Especia Arrecadação de Tributos e Contrib

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 05/2018

NOTA TÉCNICA Nº 05/2018 NOTA TÉCNICA Nº 05/2018 Brasília, 15 de Janeiro de 2018. ÁREA: Finanças Municipais TÍTULO: Orientações aos Municípios sobre o Simples Nacional e as mudanças que vigoram em 2018 REFERÊNCIAS: Lei Complementar

Leia mais

/COP

/COP Proposição n. 49.0000.2013.002651-0/COP Origem: Diretoria do Conselho Federal da OAB. Assunto: Simples Nacional. Escritório de Advocacia. Projeto de Lei do Senado n. 467/2008. Relator: Conselheiro Federal

Leia mais

Importância do fator "R" e seus efeitos no Enquadramento e Tributação para as empresas Prestadoras de Serviços, optantes pelo Simples

Importância do fator R e seus efeitos no Enquadramento e Tributação para as empresas Prestadoras de Serviços, optantes pelo Simples Importância do fator "R" e seus efeitos no Enquadramento e Tributação para as empresas Prestadoras de Serviços, optantes pelo Simples Nacional. Neste artigo apresentamos a importância do fator R e seus

Leia mais

MICRO E PEQUENA EMPRESA. São consideradas micro e pequena empresa:

MICRO E PEQUENA EMPRESA. São consideradas micro e pequena empresa: MICRO E PEQUENA EMPRESA São consideradas micro e pequena empresa: Art. 3 o Para os efeitos desta Lei Complementar, consideram-se microempresas ou empresas de pequeno porte a sociedade empresária, a sociedade

Leia mais

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes Hugo Medeiros de Goes SIMPLES NACIONAL (2ª parte) De acordo com a Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006 (arts. 12 e 88), em 1º de julho de 2007, entra em vigor o Regime Especial Unificado de Arrecadação

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

ESCRITÓRIO TIRADENTES

ESCRITÓRIO TIRADENTES MUDANÇAS NO SIMPLES NACIONAL 218. LEI COMPLEMENTAR Nº 155, DE 27 DE OUTUBRO DE 216. I. EMPRESAS DE PEQUENO PORTE QUE AUFERIREM RECEITA BRUTA NO ANO-CALENDÁRIO SUPERIOR A R$ 36., (Trezentos e sessenta mil

Leia mais

Jd Soft Informática Ltda F o n e : ( )

Jd Soft Informática Ltda F o n e : ( ) !"#$ %&'$% (% - ') & *& -! "#!$"%#!""#&#!#" '())$&*% - +!,-.&/01..1023040. %& '') $* 5671205. 230.5, +&#!8/0179-.8,!-(".%% / "#!0-,!"1#".%% -! ".%%, 2"3 " # " #! / 0#" 4! / -"5 6 &%+!*4 :;'" +."5#!8/01

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (Republicação em atendimento ao disposto no art. 6 o da Lei Complementar n o 128,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (Republicação em atendimento ao disposto no art. 6 o da Lei Complementar n o 128,

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional.

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional. SIMPLES NACIONAL Visando um esclarecimento a todos os nossos clientes, elaboramos a presente cartilha com o máximo de informações para auxiliar no entendimento do novo sistema de recolhimento de impostos.

Leia mais

COMO ABRIR SUA EMPRESA

COMO ABRIR SUA EMPRESA COMO ABRIR SUA EMPRESA Ricardo Coelho Redução na Tributação com base nos tipos de contratação CLT Pessoa Jurídica TIPOS DE CONTRATAÇÃO: CLT, AUTÔNOMO, PESSOA JURÍDICA TRIBUTAÇÃO DA PESSOA FÍSICA: 27,5%

Leia mais

Av. Baruel, São Paulo - SP - CEP (11)

Av. Baruel, São Paulo - SP - CEP (11) Vide Medida Provisória nº 582, de 2012 NCM 02.03 02.06 02.09 02.10.1 05.04 05.05 05.07 05.10 05.11 Capítulo 16 Capítulo 19 2515.11.00 2515.12.10 2516.11.00 2516.12.00 30.02 30.03 30.04 3005.90.90 3815.12.10

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

Alíquotas e Partilha do Simples Nacional - Comércio

Alíquotas e Partilha do Simples Nacional - Comércio ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR N o 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 Alíquotas e Partilha do Simples Nacional - Comércio 1ª Faixa Até 180.000,00 4,00% - 2ª Faixa De 180.000,01 a 360.000,00 7,30% 5.940,00 3ª

Leia mais

Labor Jurídico Cursos e Consultoria Rua Canadá n.º 835 Sala 301 Bacacheri Curitiba/PR Telefones: (41) (41) (44) (11)

Labor Jurídico Cursos e Consultoria Rua Canadá n.º 835 Sala 301 Bacacheri Curitiba/PR Telefones: (41) (41) (44) (11) APOSTILA SIMPLES NACIONAL - 2012 CONCEITOS BÁSICOS Microempresa (ME) ou empresa de pequeno porte (EPP) a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada ou

Leia mais

Decreto nº 6.038, de 7 de fevereiro de 2007

Decreto nº 6.038, de 7 de fevereiro de 2007 Decreto nº 6.038, de 7 de fevereiro de 2007 DOU de 8.2.2007 Institui o Comitê Gestor de Tributação das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, e dá outras providências. Retificado no DOU de 14 /02/2007,

Leia mais

APOSTILA Simples Nacional Alterações da Lei Complementar 155. Para 2018

APOSTILA Simples Nacional Alterações da Lei Complementar 155. Para 2018 Palestras de Atualização Profissional, na Capital e em Municípios do Interior do RS, Destinadas aos Contadores e Técnicos em Contabilidade Registrados no CRC-RS APOSTILA Simples Nacional Alterações da

Leia mais

Especial. Suplemento SIMPLES NACIONAL

Especial. Suplemento SIMPLES NACIONAL Suplemento Especial ICMS - IPI e Outros SIMPLES NACIONAL Normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado a microempresas e empresas de pequeno porte Síntese A Lei Complementar

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional Parte III. Prof. Marcello Leal

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional Parte III. Prof. Marcello Leal DIREITO TRIBUTÁRIO Parte III Prof. Marcello Leal Das Vedações ao Ingresso no Simples Não poderão recolher os impostos e contribuições na forma do Simples Nacional a microempresa ou a empresa de pequeno

Leia mais

ALTERAÇÕES DO SIMPLES NACIONAL

ALTERAÇÕES DO SIMPLES NACIONAL ALTERAÇÕES DO SIMPLES NACIONAL 2018 21.02.2018 Programa Evoluçãodalei Regrasválidasaté2017 Regrasapartirde2018 Enquadramentodeporte MEeEPP Regrasdetransição Principais vedações para opção ao Simples Nacional

Leia mais

SIMPLES NACIONAL ATUALIZAÇÃO PARA 2018 LC 155/2016

SIMPLES NACIONAL ATUALIZAÇÃO PARA 2018 LC 155/2016 SIMPLES NACIONAL ATUALIZAÇÃO PARA 2018 LC 155/2016 Mudanças SN Base Legal LEI COMPLEMENTAR 155 27/10/2016 Resolução CGSN 135/2017; Resolução CGSN 136/2017; Resolução CGSN 137/2017; Simples Nacional Simples

Leia mais

Resolução CGSN nº 4 de 30/05/07 DOU 01/06/07

Resolução CGSN nº 4 de 30/05/07 DOU 01/06/07 Resolução CGSN nº 4 de 30/05/07 DOU 01/06/07 Dispõe sobre a opção pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples

Leia mais

SIMPLES NACIONAL, Lucro Presumido Cenário Atual e Mudanças para 2016

SIMPLES NACIONAL, Lucro Presumido Cenário Atual e Mudanças para 2016 SIMPLES NACIONAL, Lucro Presumido Cenário Atual e Mudanças para 2016 Rafael Borin Consultor Tributário da Fecomércio RS Sócio de Rafael Pandolfo Advogados associados LINHA DO TEMPO Simples Federal, Regimes

Leia mais

Simples Nacional Novas Regras para 2018

Simples Nacional Novas Regras para 2018 Simples Nacional Novas Regras para 2018 Centro de Estudos Especial Josefina do Nascimento Pinto 26-11-2017 Conteúdo programático 1 Lei Complementar nº 155/2016 2 Novo Limite do Simples Nacional 3 Novas

Leia mais

Caminho Jurídico do Empreendedor

Caminho Jurídico do Empreendedor Caminho Jurídico do Empreendedor Introdução Início de Atividade Empresária requer: Modelo de empresas/tipos societários; Contrato social, Registro de marcas e patentes; Elaboração e estudo de contratos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 Mensagem de veto Vide LCP nº 127, de 2007 Institui o Estatuto Nacional da Microempresa

Leia mais

1.LEI COMPLEMENTAR Nº 155, DE 27 DE OUTUBRO DE 2016

1.LEI COMPLEMENTAR Nº 155, DE 27 DE OUTUBRO DE 2016 Este material não substitui a norma completa, e não deve ser utilizado como única fonte de consulta sobre o tema Simples Nacional. Nosso objetivo é apresentar de forma didática e objetiva as principais

Leia mais

PATRICIA BIANCHI MACHADO Uruguaiana Março/2018

PATRICIA BIANCHI MACHADO Uruguaiana Março/2018 PATRICIA BIANCHI MACHADO Uruguaiana Março/2018 TÓPICOS NOVAS ATIVIDADES NOVOS LIMITES TABELAS ENQUADRAMENTO FATOR R LC 157/2016 x ISS PGDAS-D 2018 MALHAS FISCAIS NOVAS ATIVIDADES Poderão optar pelo Simples

Leia mais

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA Código das Melhores Práticas de N 23 Data 05.08.2016 Período Governança pesquisado: Atos publicados entre 29.07.2016 a 05.08.2016 LEGISLAÇÃO FEDERAL Não houve. RECEITA

Leia mais

2015, SEBRAE/RS. Atualização: Outubro 2017

2015, SEBRAE/RS. Atualização: Outubro 2017 SIMPLES NACIONAL 2015, SEBRAE/RS Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul É proibida a duplicação ou a reprodução deste volume, total ou parcialmente, por quaisquer meios, sem

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 2010 Relação dos Anexos com as Atividades Exercidas pela Pessoa Jurídica.

SIMPLES NACIONAL 2010 Relação dos Anexos com as Atividades Exercidas pela Pessoa Jurídica. SIMPLES NACIONAL 2010 Relção dos Anexos com s Atividdes Exercids pel Pesso Jurídic. Mtéri foi elbord como bse n legislção vigente em: 02/06/2010. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 ANEXO I 3 ANEXO II 4 ANEXO III

Leia mais

Declaração Anual do Simples Nacional

Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Original Exercício 2010 Ano-Calendário 2009 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2009 a 31/12/2009 1 Identificação do Contribuinte CNPJ Matriz: 00559582/0001-40

Leia mais

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL As empresas tributadas pelo lucro real, que optaram pela apuração anual, deverão recolher mensalmente antecipações de IRPJ e CSLL com base em lucro estimado

Leia mais

Planejamento Contábil Tributário

Planejamento Contábil Tributário Planejamento Contábil Tributário Professor conteudista: Rubens Pardini Sumário Planejamento Contábil Tributário Unidade I 1 OBJETIVO DO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO...1 2 SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESÁRIA...4

Leia mais

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS)

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração Original Exercício 2016 Ano-Calendário 2015 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2015 a 31/12/2015 1 Identificação do Contribuinte

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional Análise das Regras Tributárias Atuais do Simples Nacional - MPE Samanta Pinheiro da Silva samanta@consultoriainovar.com.br Rio de Janeiro - RJ Setembro - 2017

Leia mais

Res. CGSN 4/07 - Res. - Resolução COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE - CGSN nº 4 de

Res. CGSN 4/07 - Res. - Resolução COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE - CGSN nº 4 de Res. CGSN 4/07 - Res. - Resolução COMITÊ GESTOR DE TRIBUTAÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE - CGSN nº 4 de 30.05.2007 D.O.U.: 01.06.2007 Dispõe sobre a opção pelo Regime Especial Unificado

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 CSLL CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO CSLL CONTRIB. SOCIAL S/ LUCRO LÍQUIDO A CSLL é uma contribuição de competência da União instituída pela

Leia mais

SIMPLES NACIONAL Novas Regras

SIMPLES NACIONAL Novas Regras SIMPLES NACIONAL Novas Regras Aprovadas pela LC 155 27/10/2016 novembro de 2016 Introdução A Lei Complementar 155 altera profundamente as regras do regime tributário conhecido como SIMPLES NACIONAL, mas

Leia mais

Carvalho e Nery Treinamento Profissional e Gerencial LTDA

Carvalho e Nery Treinamento Profissional e Gerencial LTDA Com base nele, é possível inferir que a opção que representa a melhor economia é a que compreende a existência de 3 empresas, sendo 2 optantes pelo simples e uma prestadora de serviço optante pelo lucro

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos

Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Anexos 1 LEI Nº 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011 Art. 7 o Até 31 de dezembro de 2014, contribuirão sobre o valor da receita bruta, excluídas

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

SUMÁRIO 1 ESTRUTURA CONCEITUAL E ASPECTOS BÁSICOS DO PIS/PASEP...

SUMÁRIO 1 ESTRUTURA CONCEITUAL E ASPECTOS BÁSICOS DO PIS/PASEP... 1 ESTRUTURA CONCEITUAL E ASPECTOS BÁSICOS DO PIS/PASEP... 1 1.1 O PIS/PASEP no Sistema Tributário Nacional... 1 1.2 Perspectivas para o futuro do PIS/PASEP... 5 1.3 Arrecadação e relevância de PIS e COFINS

Leia mais

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS)

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração Original Exercício 2016 Ano-Calendário 2015 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2015 a 31/12/2015 1 Identificação do Contribuinte

Leia mais

ASSUNTO: Simples Nacional e a Lei Complementar 155/2016 O que passa a valer em 2017 e 2018

ASSUNTO: Simples Nacional e a Lei Complementar 155/2016 O que passa a valer em 2017 e 2018 NOTA TÉCNICA nº 003/2017 ASSUNTO: Simples Nacional e a Lei Complementar 155/2016 O que passa a valer em 2017 e 2018 DATA: 19/01/2017 1. Introdução A fonte de todo esse material é a Lei Complementar 155/2017,

Leia mais

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 240, DE 9 DE SETEMBRO DE 2008: A substituição de embalagens de produtos, alterando sua apresentação, exceto se destinada unicamente ao transporte

Leia mais

Resolução CGSN nº 50 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. (DOU de 30/04/09)

Resolução CGSN nº 50 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. (DOU de 30/04/09) Resolução CGSN nº 50 (DOU de 23/12/08) Obs.: Ret. (DOU de 30/04/09) Altera as Resoluções CGSN nº 4, de 30/05/07, nº 6, de 18/06/07, nº 11, de 23/07/07, nº 15, de 23/07/07, nº 30, de 7/02/08 e nº 38, de

Leia mais

Sumário. Parte I SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO, CONTABILIDADE E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Tributo e Sistema Tributário Brasileiro...

Sumário. Parte I SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO, CONTABILIDADE E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Tributo e Sistema Tributário Brasileiro... Parte I SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO, CONTABILIDADE E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA... 1 1 Tributo e Sistema Tributário Brasileiro... 3 1.1 Definição de tributo... 4 1.2 Conceito de Sistema Tributário Brasileiro...

Leia mais

POUSO REDONDO. Relatório do Movimento Econômico. Representatividade Setorial

POUSO REDONDO. Relatório do Movimento Econômico. Representatividade Setorial Representatividade Setorial 1 AGRICULTURA, PECUARIA E SERVICOS RELACIONADOS 2 FABRICACAO DE PRODUTOS DE MADEIRA 3 COMERCIO POR ATACADO, EXCETO VEICULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS 4 FABRICACAO DE PRODUTOS

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação Constituição Federal do Brasil art. 179; Decreto 3.000/99 arts. 185 a 206 (RIR/99); IN SRF

Leia mais

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal;

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Guia do Supersimples ENQUADRAMENTO E RESTRIÇÕES I - Enquadramento e Restrições OSupersimples ou Simples Nacional, instituído pela Lei Complementar 123/06, que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2007,

Leia mais

LEI Nº DE 30/05/2018

LEI Nº DE 30/05/2018 LEI Nº 13.670 DE 30/05/2018 Publicado no DOU em 30 mai 2018 Altera as Leis nºs 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta, 8.212, de 24 de julho de 1991,

Leia mais

IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES

IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES ENG 1920 Análise Econômica de InvesDmentos IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES Prof. Ricardo Rezende, D.S. PUC Goiás Fonte: sites diversos Introdução Em maio de 2015, um estudo com 30 países de maior carga

Leia mais

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei:

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei: LEI N. 6.869 Altera, acrescenta e revoga dispositivos e tabelas que especifica, da Lei Municipal nº 1.389, de 27 de dezembro de 1966, que instituiu o Código Tributário do Município de Poços de Caldas,

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LIVRO I - DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL - PARTE GERAL TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS (art. 1º) TÍTULO II - DA INCIDÊNCIA Capítulo I - Das Hipóteses de Incidência arts. 2º e 3º Capítulo II

Leia mais

Anexo III - Serviços A partir de 01.01.2015

Anexo III - Serviços A partir de 01.01.2015 Anexo III - Serviços A partir de 01.01.2015 TABELAS DO SIMPLES NACIONAL VIGENTES A PARTIR DE 01.01.2015 RESOLUÇÃO CGSN 94 DE 29.11.2011 (Art. 25-A e Anexo III) Art. 25-A. O valor devido mensalmente pela

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empresas enquadradas na desoneração da folha de Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empresas enquadradas na desoneração da folha de Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades Pagamento com alíquotas distintas entre as atividades 20/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 8 4. Conclusão...

Leia mais

Novo simples nacional

Novo simples nacional + 55 11 4962-3900 contato@ageucontabilidade.com.br www.ageucontabilidade.com.br Novo simples nacional *Principais alterações para 2018 Para sua vida contábil ser simples R. Guarulhos, 129 - Gopoúva, Guarulhos

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 13670 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.670, DE 30 DE MAIO DE 2018. Mensagem de veto Vigência Altera as Leis nº s 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional JANEIRO Simples Nacional. Simples Nacional

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional JANEIRO Simples Nacional. Simples Nacional DIREITO TRIBUTÁRIO Simples Nacional JANEIRO 2015 1 Simples Nacional Art. 146, III, d, CF Tratamento diferenciado e favorecido para ME e EPP Regime único de arrecadação opção do contribuinte; Art. 94 do

Leia mais

Altera a LC 123/2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto.

Altera a LC 123/2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto. Altera a LC 123/2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto. Altera outros dispositivos de Leis SIMPLES NACIONAL ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR 123/2006 INCLUÍDAS PELA LEI

Leia mais

SIMPLES NACIONAL VERSUS LUCRO PRESUMIDO: UMA ANÁLISE DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS. Resumo

SIMPLES NACIONAL VERSUS LUCRO PRESUMIDO: UMA ANÁLISE DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS. Resumo SIMPLES NACIONAL VERSUS LUCRO PRESUMIDO: UMA ANÁLISE DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS Deborah Marinho de Barros UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Evaldo Santana de Souza UNIVERSIDADE

Leia mais

VI SEMINÁRIO DO SIMPLES NACIONAL. Conceitos do Simples Nacional

VI SEMINÁRIO DO SIMPLES NACIONAL. Conceitos do Simples Nacional VI SEMINÁRIO DO SIMPLES NACIONAL Conceitos do Simples Nacional Palestrante: Karin Helena Schappo Secretaria Municipal de Finanças de Curitiba Setembro / 2013 1 Estatuto Nacional da ME e da EPP Lei Complementar

Leia mais