MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DAS FINANÇAS"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Ministerial n.º /2012 Havendo necessidade de aprovar os procedimentos necessários à aplicação do Decreto n.º /., de de.., que aprova o Regulamento do uso das Máquinas Fiscais no uso das competências que me são conferidas pelo artigo. do mesmo Decreto, determino: Artigo 1. São aprovadas as especificações técnicas das máquinas fiscais electrónicas e instruções complementares para a sua operacionalização em anexo ao presente Diploma ministerial, dele fazendo parte integrante. Artigo 2. O presente Diploma Ministerial entra em vigor na data da sua publicação. Maputo, de de 2012 Manuel Chang Ministro das Finanças 1

2 Especificações técnicas das máquinas fiscais electrónicas e instruções complementares para a sua operacionalização Artigo 1 (Definições) a) Assinatura Electrónica mecanismo baseado em sistema criptográfico assimétrico composto de um algoritmo ou série de algoritmos, mediante o qual é gerado um par de chaves assimétricas exclusivas e interdependentes, uma das quais privada e outra pública, e que permite ao titular usar a chave privada para declarar a autoria do documento electrónico ao qual a assinatura é aposta e concordância com o seu conteúdo, e ao declaratário usar a chave pública para verificar se a assinatura foi criada mediante o uso da correspondente chave privada e se o documento electrónico foi alterado depois de aposta a assinatura; b) Cliente adquirente de bens ou serviços; c) Fabricante Autorizado produtor identificado de Máquina Fiscal devidamente reconhecido pela Administração Tributária; d) Fornecedor Autorizado entidade devidamente licenciada pela Administração Tributária para comercializar as máquinas fiscais, testadas, reconhecidas e autorizadas pela autoridade tributaria em Moçambique, e) General Packet Radio Service (GPRS) tecnologia usada em redes GSM que se caracteriza pelo transporte de dados por pacotes, o que permite taxas de transferência de dados mais elevadas; f) Global System for Mobile Communication (GSM) - padrão de rede de comunicação móvel que se caracteriza pela partilha de elementos comuns a diferentes tecnologias, possibilitando o estabelecimento de "acordos de roaming" entre operadoras de telefonia móvel; g) Hash Função criptográfica que consiste numa sequência de bits gerada por um algoritmo de dispersão, normalmente de base hexadecimal, que permite a visualização do resultado em letras e dígitos decimais (A à F e de 0 à 9), sendo normalmente usada para identificar inequivocamente um arquivo ou messagem electrónicos; h) ISO Internacional Organization for Standards; i) Journaling Electrónico Mecanismo que permite ao sistema operativo da máquina fiscal registar em tempo real todas alterações no sistema de arquivos antes da sua gravação em memória permanente, de modo a resguardar o sistema de ficheiros de eventual corrupção no caso de bloqueio do sistema ou corte de energia e também, uma recuperação mais célere do mesmo, visto que só verificará ficheiros cujo registo não tenha sido feito devidamente pelo sistema operativo; 2

3 j) Software de gestão Fiscal sistema informático que regista todas as transacções de vendas ou de serviços, inclusive o resumo diário de vendas de todas as máquinas fiscais a si conectadas e que resultem na geração de vários tipos de mapas de interesse para a Administração Tributária; k) Talão de vendas documento comprovativo de fornecimento de bens e serviços pelo sujeito passivo, em conformidade com o Código do IVA; l) Talão Fiscal modelo específico de talão de vendas usado como comprovativo de fornecimento de bens e serviços pelo sujeito passivo e impresso por Máquina Fiscal; m) Técnico Autorizado profissional qualificado do Fornecedor Autorizado responsável pela manutenção da máquina fiscal; n) Receita Bruta Diária pagamentos diários recebidos pela venda de serviçoss e bens; o) Relato fiscal Electrónico dispositivo que regista detalhe das transacções de vendas diárias e permite uma pesquisa rápida somente de leitura de dados; p) Resumo Z - de vendas impresso pela máquina fiscal numa frequência diária, mensal ou anual; q) SIM Card hardware acoplado à máquina fiscal e que permite o estabelecimento de um canal de comunicação respeitando os parâmetros de rede GSM; r) Z Símbolo que equivale a Resumo. Artigo 2 Objecto O presente diploma define as especificações técnicas das máquinas fiscais electrónicas e instruções complementares para a sua operacionalização. Secção I Especificações Técnicas Artigo 3 Requisitos Gerais As máquinas fiscais devem possuir as seguintes características gerais: a) Suporte Linguístico - todas tecnologias de informação envolvidas devem ter suporte em Língua Portuguesa, e devem ter certificação ISO; b) Data e hora a apresentação da informação por maquina fiscal deve respeitar o formato DD-MM-AAAA:HHMMSS e estar em conformidade com as datas do século 21; c) Alimentação Eléctrica todo equipamento activo opera a uma voltagem AC 220 v ± 20 v e uma frequência de 50Hz-60Hz para 6 ou + 24 e possuir tomadas eléctricas do padrão em uso em Moçambique; 3

4 d) Ambiente de Operação - todo equipamento deve ter capacidade para operar em ambientes com temperatura de 10-60º centígrado; humidade relativa de 20-80% e 0,40 gramas de poeira por metro cúbico; e) Segurança de Operação: i. Todo equipamento deve operar com níveis de ruído não superiores a 65 decibéis; ii. Todo equipamento electrónico que emita energia electromagnética deve estar certificado com os padrões: US FCC class B ou EN e EN , ou equivalente; f) Aspectos Adicionais: i. Todo equipamento deve ser acompanhado de documentação detalhada sobre testes de qualidade e performance realizados à máquina fiscal e os respectivos resultados que devem ser remetidos à administração tributária para apreciação; ii. Todo equipamento deve ser acompanhado de manuais, software, acessórios ou qualquer outra documentação de suporte necessária, impressa em Língua Portuguesa. Artigo 4 Das Especificações do Hardware 1. As máquinas fiscais devem respeitar as seguintes especificações: a) Uma memória fiscal embutida em resina epóxi, que não possa ser apagada por qualquer interferência mecânica, química ou electromagnética; b) Um parafuso com topo escalável, com a finalidade de selar o hardware da máquina fiscal e que possa ser selado a chumbo ou a cera com marca única do fornecedor autorizado ou pela administração tributária; c) Assegurar que o selo seja quebrado sempre que o parafuso tiver de ser retirado pelo técnico autorizado ou pela administração tributária; d) Portas ETHERNET, USB ou RS 232 para conexão a computador; e) Ecrã que possibilite ao sujeito passivo e aos clientes ver a introdução e saída da informação; f) Ecrã com capacidade de exibir números de 13 dígitos, inclusive duas casas decimais; g) Autonomia de funcionamento de pelo menos 48 horas sem alimentação eléctrica ou acoplamento a fontes alternativas de alimentação eléctrica; h) Algoritmo hash usado na assinatura electrónica de documentos não deve ser inferior a 160 bits; i) Relógio de tempo real. 4

5 2. Para efeitos de journaling electrónico, as máquinas fiscais devem, adicionalmente, dispôr da seguinte capacidade: a) Registar electronicamente em cartão de memória ou por dispositivo de sinal todas as transacções de vendas e outra informação impressa pela máquina fiscal; b) A primeira ocorrência de journaling electrónico deve activar a auditoria das transacções das vendas e a emissão de talões fiscais; c) Confirmar o envio da mensagem de activação da funcionalidade que gera o relato Z diário das vendas pelo sistema de gestão e monitorização da administração tributária. O corpo da mensagem deve conter pelo menos o número de série do fabricante; data e hora de activação, e o número da licença emitida pela administração tributária; d) Preservar o journaling electrónico de modo a que não possa ser apagado ou reutilizado sem autorização da administração tributária; e) Preservar o journaling electrónico de modo a que não possa ser reutilizado sem autorização da administração tributária, mesmo que o cartão de memória da máquina fiscal esteja cheio; f) Preservar o journaling electrónico relativo à data em que o registo de informação fiscal foi actualizado e manter o histórico de todas actualizações; g) Transferir o journaling electrónico, mediante autorização prévia da administração tributária, para dispositivo amovível de modo a que se possa realizar em ambiente informático compatível a leitura detalhada dos dados arquivados das transacções de vendas; h) Assegurar que o journaling electrónico seja unicamente consultado no modo somente de leitura. 3. Em relação aos registos de natureza fiscal das máquinas fiscais, os mesmos devem, em particular, possuir a seguinte capacidade: a) Registar a data e hora de início e fim das operações diárias; b) Registar o número de identificação do dispositivo que identifique unicamente o sujeito passivo e a respectiva máquina fiscal; c) Exibir taxas de imposto juntamente com a descrição de bens e serviços; d) Exibir o valor das vendas sem tributação, o valor das vendas isentas, taxas agrupadas por categorias, valor total tributado, valor total de vendas, incluindo taxa; e) Exibir números de série e datas do reset do relatório a cada vinte e quatro (24) horas; f) Exibir números e datas do reset do registador de memória e informação sobre o início do reset e performance; g) Exibir todos acréscimos, correcções e cancelamentos; h) Gerar no mínimo relatos Z de vendas diárias; 5

6 i) Tratando-se de dispositivo de assinatura digital, a sua memória fiscal interna deve ter a capacidade de armazenar no mínimo assinaturas electrónicas de documentos processados por computador; j) Exibir relatórios de reconexão cada vez que a memória fiscal for desconectada; k) Exibir dados gravados na memória e dados gravados no rolo de papel do registo electrónico fiscal; l) Exibir dados gravados na memória por consulta por período calendarizado (de... à...) ou pela selecção de números de registo de transacções Z diárias (do primeiro ao último). 4. As máquinas fiscais devem possuir as seguintes capacidades de impressão: a) Imprimir relatórios diários, mensais e anuais; b) Imprimir os registos de vendas da memória por unidades padrão de tempo (dia, mês, ano); c) Imprimir os registos de vendas da memória por período calendarizado (de... à...) ou pela selecção de números de registo de transacções Z diárias (do primeiro ao último); d) Gerar automaticamente relatos Z diários a cada vinte e quatro (24) horas; e) Imprimir dados gravados na memória e por comandos digitados pelo teclado; f) Inserir o número de licença das máquinas fiscais em cada talão de venda emitido; g) Reimprimir os talões fiscais ou qualquer outro documento no caso de desconexão ou falta de papel; h) Substituir os rolos de papel com facilidade; i) Estar equipado com corta-papéis afiados; j) Suportar a Língua Portuguesa. 5. As máquinas fiscais devem conformar com os seguintes aspectos de segurança e fiabilidade: a) Ter uma password que seja unicamente usada pelos sujeitos passivos e capacidade de alterá-la sempre que necessário; b) Assegurar que o comprimento da password deve ser de 6 dígitos no mínimo, para utilizador comum, e de 9 dígitos para utilizador com permissões de admnistrador, armazenadas em área de memória protegida e não modificável; c) Possuir protecção contra software malicioso; d) Dispor software de gestão do funcionamento interno desenhado e programado por fabricante autorizado; e) Dispor de protecção intrínseca contra acções não autorizadas; f) Garantir que todas actualizações de software aplicacional decorram independentemente e nunca interfiram com as funções de segurança; g) Salvar automaticamente registos e dados configurados em memória permanente; h) Não manipular registos electrónicos em memória volátil; i) Imprimir sempre relatos Z de vendas antes de qualquer alteração de configuração; 6

7 j) Não permitir a modificação de dados fiscais já armazenados ou reverter transacções; k) Não retroceder a data e a hora do sistema da máquina fiscal para valores inferiores à última data transaccional. l) Possuir número de série único emitido por fabricante autorizado para uso exclusivo no espaço territorial terrestre, aéreo, lacustre e marítimo da República de Moçambique; m) Usar somente papel e tinta com características especificadas pela administração tributária; n) Preservar dados parametrizados ou gravados caso a sua bateria interna oscile o potencial ou descarregue completamente; o) Permitir impressão directa de informação fiscal ou de registo electrónicos, por conexão a computador pessoal, usando um porto padrão ETHERNET, USB ou RS Cada máquina fiscal deve possuir as seguintes características de conectividade remota: a) Modem interno GPRS ou superior que permita a transmissão segura de relatos Z diários à administração tributária por meio de rede GSM e mediante SIM Card de um provedor de rede reconhecido pela AT; b) Todos relatos Z devem ser integralmente transmitidos e sua confirmação feita pelos sistemas emissor e receptor; c) Ser capaz de retransmitir o relatório Z no caso de falha de rede; d) Permitir à administração tributária executar pesquisas sobre a utilização do modem GPRS ou superior; e) Ser capaz de transmitir a informação solicitada sobre transacções e estatísticas por requisição imediata; f) Protocolo de transmissão robusto e protegido com código encriptado único. 7. As máquinas fiscais devem também disponibilizar as seguintes capacidades: a) Configuração da máquina fiscal de acordo com o tipo de actividade do sujeito passivo, por parte do fabricante ou do vendedor autorizado; b) Programação de até 6 (seis) códigos diferentes de impostos, por parte do fabricante ou do vendedor autorizado; c) Alteração de preços de produtos ou serviços, pelo sujeito passivo; d) Inclusão ou eliminação de ítens de produtos ou serviços, pelo sujeito passivo. Artigo 5 Do Software de Gestão Fiscal 1. Software de gestão fiscal deve ser instalado no sistema de gestão e monitorização das máquinas gerido pela administração tributária, tendo como finalidade a recepção de todas as transacções ou relatos Z dos dispositivos fiscais, bem como gerar vários relatórios. 2. O software de gestão fiscal deve ser compatível com as seguintes características: 7

8 a) Poder ser instalado em hardware de 64x bits; b) Sistema Operativo deve ser multi-plataforma e multi-utilizador, nomeadamente da família Unix ou Linux ou Windows; c) Ter suporte web de modo a que os inspectores da Administração Tributária a ela possam aceder remotamente; d) Interoperabilidade com outras bases de dados da administração tributária; e) Consola de acesso de autenticação segura para os inspectores da administração tributária; f) Quanto aos requisitos operacionais, o software de gestão fiscal deve: i. Ter a capacidade de aceder aos registos de qualquer máquina fiscal na rede e recuperar informação, em modo somente de leitura, de todas transacções introduzidas; ii. Permitir que a administração tributária modifique centralmente as taxas de imposto sempre que requerido por lei; iii. Enviar uma mensagem de confirmação às máquinas fiscais recém-activadas para que elas possam emitir os relatos Z diários; iv. Permitir que os inspectores da administração tributária produzam relatórios personalizados. 3. Nos relatórios operativos, o software de gestão fiscal deve permitir aos inspectores da Administração Tributária a geração dos seguintes tipos de relatório: a) Vendas Brutas Diárias, que devem conter obrigatoriamente a seguinte informação: i. Número sequencial da transacção; ii. Domicílio Fiscal do Sujeito Passivo; iii. NUIT do sujeito passivo; iv. Número de identificação da máquina fiscal; v. Descontos e abatimentos (se existirem); vi. Valor líquido; vii. Valor do Imposto; viii. Total de vendas brutas, distinguindo: tributáveis e isentos; ix. O sistema deve ainda permitir parâmetros de pesquisa para vendas tributáveis e isentas; ou qualquer outro tipo de relatório. b) Vendas brutas semanais, mensais e anuais, devem reflectir as vendas brutas diárias (registos das transacções Z diárias). c) Relatório de falhas da máquina fiscal, deve conter a seguinte informação: i. Número sequencial da intervenção realizada na máquina fiscal; ii. Total cumulativo de intervenções; iii. Número da licença da máquina fiscal; 8

9 iv. Número sequencial de desconexões da máquina fiscal; v. Total cumulativo de desconexões; vi. Total de substituições do registo electrónico; vii. Dia e hora; viii. Tipo de erros e respectivos totais; ix. Talões Fiscais nas quais se registou erro; x. O relatório deve poder distinguir desconexões, erros, parametrização de ítens e intervenções no dispositivo; xi. O sistema deve ainda permitir parâmetro de pesquisa para vendas tributáveis e isentas; ou qualquer outro tipo de relatório. d) Comparação diária, mensal e anual por sector; por localização; e por produtos: i. Total de talões fiscais emitidos; ii. Vendas tributáveis e isentas. e) Imposto declarado mensalmente por vendas, relatório comparativo por sector, localização e item/produto devem fazer a distinção entre fornecimentos tributáveis e isentos, e conter ainda a seguinte informação: i. Data/período escolhido para comparação; ii. Número do Talão Fiscal; iii. Vendas realizadas; iv. Total e totais cumulativos. Secção II Dos Registos Obrigatórios e Formatação Artigo 6 Formatação do Talão Fiscal Os talões fiscais gerados por máquina fiscal deverão conter a seguinte informação: 1. Os dizeres INÍCIO DO TALÃO FISCAL no cabeçalho e FIM DO TALÃO FISCAL no rodapé; 2. O nome e o endereço do sujeito passivo proprietário da máquina fiscal; 3. O NUIT do sujeito passivo; 4. O nome, NUIT e endereço do adquirente, no caso de devolução ou troca de bens; 5. Número de Identificação da máquina fiscal; 6. A denominação, quantidade, preço unitário, taxa aplicável e valor da venda registada de bens transmitidos ou serviços prestados; 7. O valor do imposto a pagar; 8. Descontos e abatimentos; 9

10 9. Data e hora de emissão; 10. Valor total a pagar, incluindo o imposto; 11. Numeração sequencial; 12. Código de segurança aposto que permita identificar inequivocamente o talão vendas; 13. Nome do operador da máquina; 14. Logótipo Fiscal. Artigo 7 Formatação da Assinatura Electrónica A factura processada por computador emitida por sujeito passivo dispensado da obrigação de facturação, nos termos do Código do IVA, deverá ter aposta uma assinatura electrónica no final das transacções comerciais, que consiste na seguinte cadeia de caracteres: a) Valor gerado pelo algoritmo Hash; b) Dia, mês e ano; c) Hora, minuto e segundo; d) Número de Identificação da máquina fiscal; e) Numeração sequêncial da máquina fiscal; f) Contador de assinaturas electrónicas geradas pela máquina fiscal; g) O NUIT do sujeito passivo; h) Valor total pago, incluindo o imposto. Artigo 8 Formatação do Relatório Z Diário 1. As máquinas fiscais devem gerar um relatório diário de transacções Z, mesmo quando nenhuma transacção diária tiver lugar e os totais em execução na memória operativa forem iguais a zero; 2. Todas transacções de vendas impressas no relatório Z devem ser delimitadas pelos dizeres INÍCIO RELATÓRIO Z e FIM DO RELATÓRIO Z ; 3. O relatório Z diário deve conter: i. Nome ou dístico comercial e domicílio fiscal; ii. Bens/serviços tributáveis; iii. NUIT do sujeito passivo; iv. Área Fiscal do Sujeito Passivo; v. Número único de série da máquina fiscal, caso exista mais do que um dispositivo registado em nome do sujeito passivo; 10

11 vi. Data e hora de geração do relatório diário de transacções Z; vii. Número sequencial do relatório Z diário; viii. Totais por imposto (prevendo, inclusive, diferentes taxas para o mesmo imposto); ix. Total de vendas brutas, discriminando fornecimentos tributáveis e isentos; x. Total de talões fiscais emitidos; xi. Total de erros da memória operativa; xii. Total de alterações de parâmetros; xiii. Total de desconexões expontâneas de impressão; xiv. Número de intervenções realizadas por técnico autorizado. 4. Número de licença da máquina fiscal emitido pela administração tributária. Artigo 9 Formatação do Relatório Z Mensal 1. As máquinas fiscais devem gerar um relatório mensal de transacções Z, mesmo quando nenhuma transacção diária tiver lugar e os totais em execução na memória operativa forem iguais a zero; 2. Todas transacções de vendas impressas no relatório Z devem ser delimitadas pelos dizeres INÍCIO RELATÓRIO Z e FIM DO RELATÓRIO Z ; 3. O relatório Z mensal deve conter: i. Nome ou dístico comercial e domicílio fiscal; ii. Montante dos Bens/serviços tributáveis; iii. NUIT do sujeito passivo; iv. Área Fiscal do sujeito passivo; v. Cabeçalho com os dizeres Relatório Z Mensal ; vi. Número único de série da máquina fiscal, caso exista mais do que um dispositivo registado em nome do sujeito passivo; vii. Data e hora de geração de cada resumo Z diário respeitantes ao mês; viii. Cada resumo Z diário referido na alínea anterior, deve ainda incluir: a. Número sequencial do relatório Z diário correspondente; b. Totais por imposto (prevendo, inclusive, diferentes taxas para o mesmo imposto); c. Total de vendas brutas, discriminando fornecimentos tributáveis e isentos; d. Total de talões fiscais emitidos; e. Total de erros da memória operativa; f. Total de alterações de parâmetros; 11

12 g. Total de desconexões expontâneas de impressão; h. Número de intervenções realizadas por técnico autorizado. 4. Número de licença da máquina fiscal emitido pela administração tributária. Artigo 10 Formatação do Relatório Z Anual 1. As máquinas fiscais devem gerar um relatório mensal de transacções Z, mesmo quando nenhuma transacção diária tiver lugar e os totais em execução na memória operativa forem iguais a zero; 2. Todas transacções de vendas impressas no relatório Z devem ser delimitadas pelos dizeres INÍCIO RELATÓRIO Z e FIM DO RELATÓRIO Z ; 3. O relatório Z anual deve conter: i. Nome ou dístico comercial e domicílio fiscal; ii. Montante dos Bens/serviços tributáveis; iii. NUIT do sujeito passivo; iv. Área Fiscal do sujeito passivo; v. Cabeçalho com os dizeres Relatório Z Anual ; vi. Número único de série da máquina fiscal, caso exista mais do que um dispositivo registado em nome do sujeito passivo; vii. Data e hora de geração de cada resumo Z diário respeitantes ao ano; viii. Cada resumo Z diário referido na alínea anterior, deve ainda incluir: a. Número sequencial do relatório Z diário correspondente; b. Totais por imposto (prevendo, inclusive, diferentes taxas para o mesmo imposto); c. Total de vendas brutas, discriminando fornecimentos tributáveis e isentos; d. Total de talões fiscais emitidos; e. Total de alterações à taxa do imposto; f. Total de erros da memória operativa; g. Total de alterações de parâmetros; h. Total de desconexões espontâneas de impressão; i. Número de intervenções realizadas por técnico autorizado. 4. Número de licença da máquina fiscal emitido pela administração tributária. 12

13 Secção III Relatórios Operativos para uso exclusivo da Administração Tributária Artigo 11 Vendas Brutas Diárias 1. O relatório diário deve conter por cada sujeito passivo e por máquina fiscal, a seguinte informação: i. Número sequêncial das transacções; ii. Domicílio fiscal; iii. Número de licença da máquina fiscal emitido pela administração tributária; iv. NUIT do sujeito passivo; v. Número do Talão Fiscal; vi. Itens vendidos; vii. Quantidade; viii. Preço Unitário; ix. Valor; x. Data da transacção comercial; xi. Descontos e abatimentos; xii. Valor líquido; xiii. Taxa do Imposto; xiv. Valor do Imposto; xv. Total de vendas em bruto e cumulativos, tributáveis e isentas. 2. O sistema deve permitir outros parâmetros de pesquisa no relatório, distinguindo vendas tributáveis e isentas. Artigo 12 Vendas Brutas Semanais O relatório de vendas brutas semanais deve reflectir as vendas brutas diárias (relatório diário de transacções Z). Artigo 13 (Vendas Brutas Mensais) O relatório de vendas brutas mensais deve reflectir as vendas brutas diárias (relatório diário de transacções Z) com subtotais semanais. 13

14 Artigo 14 Vendas Brutas Anuais O relatório de vendas brutas anuais deve reflectir as vendas brutas semanais (registo diário de transacções Z) com subtotais mensais. Artigo 15 Interrupções da Máquina Fiscal 1. O relatório de interrupções da Máquina Fiscal deve conter a seguinte informação: v. Número sequencial da intervenção na máquina fiscal realizada por técnico autorizado; vi. Total de intervenções realizadas por técnico autorizado; vii. Número de licença da máquina fiscal emitido pela administração tributária; viii. Número sequencial de desconexão da máquina fiscal; ix. Total de desconexões da máquina fiscal; x. Total de reinicializações do registo electrónico de dados; xi. Data e hora das ocorrências; xii. Tipos de erro e respectivo total; xiii. Talões Fiscais nos quais foram assinalados erros. 2. Este relatório deve distinguir desconexões, erros, alterações de parâmetros e intervenções no dispositivo realizadas por técnico autorizado. Artigo 16 Comparação Diária, Mensal e Anual por Sector O relatório deve conter a seguinte informação: i. Total de talões fiscais emitidos; ii. Vendas realizadas (tributáveis e isentas). Artigo 17 Comparação Diária, Mensal e Anual por Localização O relatório deve conter a seguinte informação: i. Total de talões fiscais emitidos; ii. Vendas realizadas (tributáveis e isentas). Artigo 18 Comparação Diária, Mensal e Anual por Produtos O relatório deve conter a seguinte informação: i. Total de talões fiscais emitidos; ii. Vendas realizadas (tributáveis e isentas). 14

15 Artigo 19 Total de Vendas Brutas O relatório deve conter a informação das vendas brutas registadas pela Máquina Fiscal (tributáveis e isentas). Artigo 20 Comparação por Sector, Localização, Produto O relatório deve conter a seguinte informação: i. Data e período desejado; ii. Total de talões fiscais emitidos; iii. Vendas realizadas (tributáveis e isentas); iv. Total e totais cumulativos. Artigo 21 Confrontação entre Imposto Declarado e Vendas O relatório comparativo entre o montante declarado mensalmente e as vendas realizadas pelo Sujeito Passivo deverão conter a seguinte informação: i. Vendas por Imposto (tributáveis e isentas); ii. Vendas por Máquina Fiscal (tributáveis e isentas); iii. Variância (tributáveis e isentas). 15

Índice. 1. Enquadramento

Índice. 1. Enquadramento 1 Índice 1. Enquadramento 2. Enquadramento Legal a. Certificação Programas Facturação b. Requisitos c. Obrigações d. Emissão Certificado e. Sistema de Identificação f. Alterações SAF-T g. Especificações

Leia mais

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 BDJUR - Vista de Impressão Imprimir Fec har DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1 Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 A Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, regulamentou o processo de certificação dos programas

Leia mais

FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho

FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Classificação: 070.05.01 DSPCIT-DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO DA INSPECÇÃO TRIBUTÁRIA FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 I SÉRIE Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 22-A/2012: Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, que regulamenta a certificação prévia

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Estado: vigente Legislação

Leia mais

Regulamento das Máquinas Fiscais 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI ARTIGO 3

Regulamento das Máquinas Fiscais 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI ARTIGO 3 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI Disposições Diversas ARTIGO 34 (Regime Fiscal da Empresa) ARTIGO 35 (Força Executiva dos documentos) 1. Os documentos emitidos pela Maputo Sul, E.P., desde

Leia mais

DECRETO QUE APROVA O REGULAMENTO DAS MÁQUINAS FISCAIS

DECRETO QUE APROVA O REGULAMENTO DAS MÁQUINAS FISCAIS DECRETO QUE APROVA O REGULAMENTO DAS MÁQUINAS FISCAIS 1 REGULAMENTO DAS MÁQUINAS FISCAIS Artigo 1 Definições As definições dos termos usados no presente Regulamento constam do Glossário em anexo, que é

Leia mais

Certificação AT Portaria 22-A/2012 Página 2 de 9

Certificação AT Portaria 22-A/2012 Página 2 de 9 Certificação AT Portaria 22-A/2012 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APLICABILIDADE... 4 1.2 IMPACTO DA INTRODUÇÃO DA LICENÇA CERTIFICADA EM SISTEMAS NÃO CERTIFICADOS... 4 1.3 ASSINATURA DE DOCUMENTOS EMITIDOS PELO

Leia mais

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions. Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.pt Conteúdo Introdução... 2 Gestão de acessos... 3 Ficha de

Leia mais

What s New Multi 2011. Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010

What s New Multi 2011. Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010 Certificação de Software Publicação da Portaria 363/2010 À Semelhança de medidas tomadas por administrações Fiscais de outros países, foi publicada em Portugal a portaria a regulamentar a Certificação

Leia mais

Gescom Enterprise 8.9. Questões legais

Gescom Enterprise 8.9. Questões legais Gescom Enterprise 8.9 A versão GESCOM Enterprise 8.9 sofreu várias alterações com o intuito de permitir uma maior usabilidade, cumprir com as obrigações legais (despacho n.º 8632/2014) e garantir uma maior

Leia mais

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011 Quarta alteração à Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho que regulamenta a certificação prévia dos programas informáticos de faturação do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas A Portaria

Leia mais

Especificação das Regras Técnicas para Certificação de Software Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho

Especificação das Regras Técnicas para Certificação de Software Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Classificação: 070.05.01 DSPCIT-DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO DA INSPECÇÃO TRIBUTÁRIA Especificação das Regras Técnicas para Certificação de Software Portaria n.º 363/2010, de 23 de

Leia mais

TERMOPLUS. MTP-19-Comércio. Manual do Usuário

TERMOPLUS. MTP-19-Comércio. Manual do Usuário TERMOPLUS MTP-19-Comércio Manual do Usuário 1 INDICE PAG 1. Considerações Gerais 03 1.1 Cuidados com o Equipamento 03 1.2 Guia para solucionar problemas 03 1.3 Considerações sobre o uso do MTP conectados

Leia mais

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS.

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. Índice 1. Documentos que deixam de ser utilizados... 3 2. Factura

Leia mais

O sistema de pesagem dinâmica homologado

O sistema de pesagem dinâmica homologado Pesagem Dinâmica O sistema de pesagem dinâmica homologado O mais potente e completo sistema de pesagem dinâmico do mercado. Legalmente homologado para venda. Instrumentação de bordo helper21 Atenção aos

Leia mais

Faturação simplificada: Principais alterações

Faturação simplificada: Principais alterações Faturação simplificada: Principais alterações Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 22 11 2012 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e DECRETO Nº 5.257, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. Publicado no DOE nº 10.993, de 22-02-2013. Institui a Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final - NFC-e e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SOFTWARE DE FACTURAÇÃO

CERTIFICAÇÃO DO SOFTWARE DE FACTURAÇÃO CERTIFICAÇÃO DO SOFTWARE DE FACTURAÇÃO A SoftNova vai garantir a Certificação do Software de Facturação em conformidade com as regras da Direcção-Geral dos Impostos (DGCI). A partir de 1 de Janeiro de

Leia mais

MENSAGENS. L i n h a S w e d a T e r m i c a pág. 91

MENSAGENS. L i n h a S w e d a T e r m i c a pág. 91 MENSAGENS código Descrição 000 Não há mensagem ou indicação de erro 001 Não utilizado 002 Erro: Estando o documento já cancelado o aplicativo envia o comando de cancelamento! (comando: 08) 003 Erro: Estando

Leia mais

Novas regras de Facturação para 2013

Novas regras de Facturação para 2013 Novas regras de Facturação para 2013 Este documento pretende explicar de forma sucinta as Novas regras de Facturação e de Comunicação da Facturação, aprovadas pelos Decreto-Lei n.º 197/2012 e n.º 198/2012,

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS. Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO NOKIA MODEM OPTIONS Copyright 2003 Nokia. Todos os direitos reservados 9356515 Issue 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O NOKIA MODEM OPTIONS...1 3. LIGAR O NOKIA 6600

Leia mais

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado Manual Profissional Comandos Rádio X64 V2011-Certificado 1 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. Configuração inicial... 3 4. Configurações X64... 5 a) Definições Gerais... 5 b) Documentos e Periféricos... 8

Leia mais

FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho

FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Classificação: 070.05.01 DSPCIT-DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO DA INSPECÇÃO TRIBUTÁRIA FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013 Certificação de Programas de Faturação A presente informação técnica substitui a informação n.º 6/2012 e a n.º 22/2010, introduzindolhe as atualizações resultantes da Portaria

Leia mais

Gestix Certificação DGCI Gestix Business, POS, Life e Enterprise. Gestix.com

Gestix Certificação DGCI Gestix Business, POS, Life e Enterprise. Gestix.com Gestix Certificação DGCI Gestix Business, POS, Life e Enterprise Gestix Certificação DGCI A quem é exigido A utilização de versões Gestix certificadas pela DGCI é exigida a partir de 1 de Janeiro de 2011

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650 Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650...1 3. SELECCIONAR

Leia mais

Projeto SAT FISCAL Sistema Autenticador e Transmissor CF-e Cupons Fiscais Eletrônicos GRANDES CONTRIBUINTES SAT - FISCAL

Projeto SAT FISCAL Sistema Autenticador e Transmissor CF-e Cupons Fiscais Eletrônicos GRANDES CONTRIBUINTES SAT - FISCAL Projeto SAT FISCAL Sistema Autenticador e Transmissor CF-e Cupons Fiscais Eletrônicos GRANDES CONTRIBUINTES Agenda da Apresentação Objetivo Premissas Produtos Características Equipamento SAT Hardware Software

Leia mais

FAQs Projecto Factura Electrónica Índice

FAQs Projecto Factura Electrónica Índice FAQs Projecto Factura Electrónica Índice 1) O que é a factura electrónica?... 2 2) O que significa a certificação legal nestas facturas?... 2 3) Como se obtém a assinatura digital e que garantias ela nos

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen Concebido para a Vodafone 1 Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 13 2 Bem-vindo Configuração da sua Connect Pen Iniciar o software

Leia mais

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo,

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, Módulo POS Loja O que é um POS? Para que serve? POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, uma Loja que efetue venda ao público. Por outras palavras,

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho

FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Classificação: 07 0. 0 5. 0 1 DSPCIT-DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE PLANEAMENTO E COORDENAÇÃO DA INSPECÇÃO TRIBUTÁRIA FAQs PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho 1. ÂMBITO

Leia mais

Soluções adequadas ao seu ramo de atividade GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Soluções adequadas ao seu ramo de atividade GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Soluções adequadas ao seu ramo de atividade GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Pacote para Gestão de Recursos Humanos Destinatários O pacote Gestão de Recursos Humanos destina-se a Organizações que têm como principal

Leia mais

Manual para Emissão e Utilização do Aplicativo SEFAZ de NF-e

Manual para Emissão e Utilização do Aplicativo SEFAZ de NF-e Manual para Emissão e Utilização do Aplicativo SEFAZ de NF-e INTRODUÇÃO: Este documento visa explicar, de forma detalhada e simplificada, a utilização do sistema de emissão de documentos fiscais (modelo

Leia mais

Poderá instalar o ZSRest APP diretamente através da Play Store do equipamento.

Poderá instalar o ZSRest APP diretamente através da Play Store do equipamento. 1 ZSRest APP 2 Este manual serve para o ajudar na configuração e utilização da aplicação ZSRest APP. Poderá instalar o ZSRest APP diretamente através da Play Store do equipamento. Inicialização: Ao iniciar

Leia mais

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Versão I POR Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado o seguinte estilo de nota: especifica o ambiente operativo,

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z Bem-vindo ao mundo da Banda Larga Móvel 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 12 Bem-vindo Configuração da Connect Pen Iniciar a aplicação Ligar Janela Normal Definições

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 9 Introdução A Portaria nº 363/2010, de

Leia mais

Soluções adequadas ao seu ramo de atividade CONTABILIDADE

Soluções adequadas ao seu ramo de atividade CONTABILIDADE Soluções adequadas ao seu ramo de atividade CONTABILIDADE Pacote Contabilidade Destinatários O pacote Gestão Contabilística destina-se a Organizações que têm como principal objectivo a prestação de serviços

Leia mais

EMISSOR DE CUPOM FISCAL

EMISSOR DE CUPOM FISCAL Secretaria de Estado da Fazenda Roteiro de Análise Funcional de Programa Aplicativo Fiscal 1/34 Governo do Estado de Minas Gerais ROTEIRO DE ANÁLISE FUNCIONAL DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

FACTURAÇÃO ALTERAÇÕES LEGAIS A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2013

FACTURAÇÃO ALTERAÇÕES LEGAIS A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2013 FACTURAÇÃO ALTERAÇÕES LEGAIS A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2013 Esta nova alteração legal, abrange todos os sujeitos passivos de IVA, com ou sem sistema informático de faturação. Estas alterações foram aprovadas

Leia mais

NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos

NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos 20-12-2012 NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos Conforme prometido, no dia 10 deste mês efetuamos uma sessão de esclarecimentos acerca do novo sistema de faturação que vai funcionar a partir

Leia mais

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0 CCI.Courier Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal Manual de instruções Referência: CCI.Courier v2.0 Copyright 2014 Copyright by Competence Center ISOBUS e.v. Albert-Einstein-Str.

Leia mais

Layout de Extração Relatório de Vendas DI NeoGrid v5.1

Layout de Extração Relatório de Vendas DI NeoGrid v5.1 Layout de Extração Relatório de Vendas DI NeoGrid v5.1 Copyright NEOGRID S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução ou transmissão de qualquer parte deste documento sem autorização escrita

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11/7

Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11/7 Regime dos Bens em Circulação (RBC) Decreto-Lei n.º 47/003, de /7 Alterado pelo Decreto-Lei n.º 98/0, de 4/8 Alterado pela Lei n.º 66-B/0 - OE/03 Regulamentado pela Portaria n.º 6/03, de 3/4 Quadro Síntese

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3571 Concebido para a Vodafone Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 Bem-vindo 2 Configuração da Connect Pen 3 Iniciar a aplicação 4 Ligar - Modo

Leia mais

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações:

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações: Certificação de Programas Informáticos de Facturação Alterações: Lei nº 64 B/2011 de 30 de Dezembro (OE 2012) Portaria nº 22-A/2012 de 24 de Janeiro Ofício circulado nº 50.000/2012 de 26 de Janeiro 1 O

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Comunicação das Faturas à AT para cumprimento do disposto no Decreto-Lei n.º 198/2012 de 24 de agosto

Comunicação das Faturas à AT para cumprimento do disposto no Decreto-Lei n.º 198/2012 de 24 de agosto 13-11-2012 Comunicação das Faturas à AT para cumprimento do disposto no Decreto-Lei n.º 198/2012 de 24 de agosto 0. Introdução Os elementos da fatura emitida devem ser comunicados à AT, por uma das seguintes

Leia mais

PHC Doc. Electrónicos CS

PHC Doc. Electrónicos CS PHC Doc. Electrónicos CS A diminuição dos custos da empresa A solução que permite substituir a típica correspondência em papel, agilizando os processos documentais e reduzindo os custos das empresas. BUSINESS

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1 Diminua os custos do processo de facturação da empresa Página 1 O software PHC é uma ferramenta imprescindível na gestão diária de uma empresa. Trata-se de um software cuidadosamente estudado por utilizadores

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/bdi/ats/12/ato_cotepe_icms_009_2012.php

http://www.econeteditora.com.br/bdi/ats/12/ato_cotepe_icms_009_2012.php Página 1 de 6 ATO COTEPE/ICMS Nº 009, DE 13 DE MARÇO DE 2012 (DOU de 22.03.2012) Estabelece a disciplina relativa à utilização pelo contribuinte do Sistema de Autenticação e Transmissão de Cupom Fiscal

Leia mais

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1 Documento de actualização funcional Refª JURI-DEV-20121221-v1 21 de Dezembro de 2012 Índice 1 Certificação com envio de ficheiro SAFT-PT para AT... 3 1.1 Sobre a Certificação... 3 1.2 Novas regras para

Leia mais

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 A SESSÃO DE HOJE DEVERÁ DAR RESPOSTA A CINCO QUESTÕES-CHAVE SOBRE O NOVO REGIME 1 2 3 4 5 O que é o RJFDE? Quais

Leia mais

Regime dos Bens em Circulação (RBC)

Regime dos Bens em Circulação (RBC) 1 Regime dos Bens em Circulação (RBC) Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11/7 Alterado pelo Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24/8 Alterado pela Lei n.º 66-B/2012 (OE/2013) Portaria 160/2013 de 23 de Abril Portaria

Leia mais

Certificação facturação

Certificação facturação NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO Formador: Maria Mestra Carcavelos, Janeiro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel. 214 585 700 fax. 214 585 799 www.nucase.pt

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Manual básico do Utilizador Software de Facturação e Gestão Comercial On-line Level 7 Basic, Light & Premium Este Software é fornecido com um número de

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Actualização. Versão 5.3.1

Actualização. Versão 5.3.1 Actualização Versão 5.3.1 Janeiro 2011 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL 1 Índice 2 Facturação Certificada Conformidade de procedimentos... 4 2.1 Documentos Certificados...

Leia mais

Introdução. Nokia N77-1 1ª Edição PT

Introdução. Nokia N77-1 1ª Edição PT Introdução Nokia N77-1 1ª Edição PT Teclas e componentes (frente e lateral) Número do modelo: Nokia N77-1. A seguir referido como Nokia N77. 1 Sensor de luz 2 Câmara secundária com menor resolução 3 Teclas

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

www.sage.pt Manual Sage Retail v2011 Fase 1

www.sage.pt Manual Sage Retail v2011 Fase 1 www.sage.pt Manual Sage Retail v2011 Fase 1 www.sage.pt Versão Autor Data Observações 2011 Sage Portugal 12/11/2010 2011.01.001 www.sage.pt Índice MANUAL SAGE RETAIL V2011 FASE 1... 1 ÍNDICE... 1 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

ANEXO C (Requisitos PCI DSS)

ANEXO C (Requisitos PCI DSS) ANEXO C (Requisitos ) O Cliente obriga-se a respeitar e a fazer respeitar as normas que lhes sejam aplicáveis, emanadas do Payment Card Industry Security Standards Council (organização fundada pelas marcas

Leia mais

Guia de Instalação do "Google Cloud Print"

Guia de Instalação do Google Cloud Print Guia de Instalação do "Google Cloud Print" Versão A POR Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado o estilo de nota seguinte: As Notas indicam o que fazer se ocorrerem determinadas

Leia mais

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Versão G POR Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado o seguinte ícone: As Notas indicam o que fazer perante

Leia mais

Actualização. Versão 5.1.36

Actualização. Versão 5.1.36 Actualização Versão 5.1.36 Julho 2009 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL Introdução Este documento descreve as características principais adicionadas ao JURINFOR JuriGest.

Leia mais

Manual Gespos Talões de Reembolso Cheques Prenda

Manual Gespos Talões de Reembolso Cheques Prenda Manual Gespos Talões de Reembolso Cheques Prenda ÍNDICE O MANUAL DE TALÕES DE REEMBOLSO/CHEQUES PRENDA... 1 Introdução... 1 Objectivos... 1 Condições de Utilização... 1 TALÕES DE REEMBOLSO/CHEQUE PRENDA...

Leia mais

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1 TOConline Suporte Página - 1 Documentos de Transporte Manual de Utilizador Página - 2 Índice Criação de um documento de transporte... 4 Definições de empresa- Criação de moradas adicionais... 9 Comunicação

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Carga Máxima. (Max) (kg) A-564S 15 5 100 280 x 360. A-564T 15 5 100 280 x 360

Carga Máxima. (Max) (kg) A-564S 15 5 100 280 x 360. A-564T 15 5 100 280 x 360 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 238, de 10 de dezembro de 2002.

Leia mais

SWEDA GUIA DE ADAPTAÇÃO À IMPRESSORA FISCAL MFD SWEDA (COMANDOS ESC-PONTO) IF ST100 IF ST1000 21/10/2004

SWEDA GUIA DE ADAPTAÇÃO À IMPRESSORA FISCAL MFD SWEDA (COMANDOS ESC-PONTO) IF ST100 IF ST1000 21/10/2004 SWEDA GUIA DE ADAPTAÇÃO À IMPRESSORA FISCAL MFD SWEDA (COMANDOS ESC-PONTO) IF ST100 IF ST1000 21/10/2004 1. INTRODUÇÃO...2 2. COMANDOS ALTERADOS... 2 2.1. PROGRAMAR TABELA DE TAXAS (.33)... 2 2.2.

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Aviso de confidencialidade

Aviso de confidencialidade Aviso de confidencialidade A informação que consta desta apresentação é confidencial. Qualquer forma de divulgação, reprodução, cópia ou distribuição total ou parcial da mesma é proibida, não podendo ser

Leia mais

MANUAL ARTSOFT Mobile AutoSales

MANUAL ARTSOFT Mobile AutoSales MANUAL ARTSOFT Mobile AutoSales INDÍCE O que é?... 3 Como se configura?... 3 ARTSOFT... 3 ANDROID... 3 Login... 4 Home... 5 Funcionalidades... 6 Sincronização... 6 Contas... 7 Consultas... 7 Resumos...

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 SEGURANÇA DE DADOS 1/1 Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ARQUITECTURAS DE ACESSO REMOTO... 3 2.1 ACESSO POR MODEM DE ACESSO TELEFÓNICO... 3 2.2

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS. NFC-e Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica. Perguntas e Respostas

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS. NFC-e Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica. Perguntas e Respostas GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS NFC-e Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Perguntas e Respostas I) INFORMAÇÕES INICIAIS 1. O que é a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

Leia mais

AVISO 03/2010 Preçário

AVISO 03/2010 Preçário AVISO 03/2010 Preçário 11.Abril.2014 Aviso OMIP 03/2010 Preçário Índice de Versões 1.Julho.2010 Versão Inicial Substitui o Aviso OMIP 9/2006. 1.Janeiro.2011 Alterado o Preçário 20.Maio.2011 Alterado o

Leia mais

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade Manual do SMS Copyright 1998-2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti, HotSync, o logotipo da Palm e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo de HotSync e Palm são marcas comerciais

Leia mais

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores

Perguntas Frequentes de Desenvolvedores 1 Perguntas Frequentes de Desenvolvedores (Atualizado em 01/07/2014) SUMÁRIO 1. POR ONDE EU COMEÇO?... 1 Sou desenvolvedor de Software (ou Software House) por onde começo?... 1 2. REGISTRO DA EMPRESA JUNTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO 1 OBJETIVO... 2 2 REMOTA... 2 2.1 DESCRIÇÃO GERAL... 2 2.2 ALIMENTAÇÃO... 2 2.3 RELÓGIO INTERNO... 2 2.4 ENTRADA DE PULSOS... 2 2.5 ENTRADA DIGITAL AUXILIAR... 2 2.6 REGISTRO DA CONTAGEM DE PULSOS (LOG)

Leia mais

Portable Hard Drive USB 2.0 Manual do Utilizador

Portable Hard Drive USB 2.0 Manual do Utilizador Portable Hard Drive USB 2.0 Manual do Utilizador Português Unidade de Disco Rígido USB 2.0 Portátil Manual do Utilizador Português Índice Introdução 3 Ligar a Unidade de Disco 3 Activar a Unidade de Disco

Leia mais

Tema 4a A Segurança na Internet

Tema 4a A Segurança na Internet Tecnologias de Informação Tema 4a A Segurança na Internet 1 Segurança na Internet Segurança Ponto de Vista da Empresa Ponto de vista do utilizador A quem Interessa? Proxy Firewall SSL SET Mecanismos 2

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Descritivo completo Contabilidade 2008 Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante

Leia mais

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal.

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal. Projecto de Informatização Parafarmácia GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal.com Versão 4.11 Data: 30

Leia mais