No estudo de nossos Rituais, em algum lugar nos é recomendado estudar as obras de Vitrúvio e

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "No estudo de nossos Rituais, em algum lugar nos é recomendado estudar as obras de Vitrúvio e"

Transcrição

1 Queridos Irmãos: No estudo de nossos Rituais, em algum lugar nos é recomendado estudar as obras de Vitrúvio e de Ramée. Vitrúvio é conhecido por seus estudos arquitetônicos, e Ramée foi um filosófo e místico profundo cuja obra é menos conhecida fora da Filosofia. Tendo sido um dos precursores do método cartesiano, discutiu em suas obras sobre Dialética a importância dessa para a disciplina da Retórica, uma das ciências que a Maçonaria indica cultivar. A Retórica, fundamentada na dialética, é, sem dúvida, de fundamental importância para o maçom, pois significa a necessidade de passar todo conhecimento -fatos, informações, opiniões políticas e religiosas, etc.- pelo crivo da Razão, o Logos, e, chegando à Verdade, saber argumentar para semear essa Verdade socialmente. Este é um texto sobre Ramée. Espero que você goste, apesar da abordagem filosófica e acadêmica. Ir.. Pucci Secr.. Adjunto para Assuntos Culturais da GLP.

2 Dialética e método em Pierre de la Ramée Resumo l O texto pretende abordar alguns aspectos da reflexão de Pierre de la Ramée ( ) sobre a dialética, em especial sua noção de método, e mostrar como o método proposto por Ramée para a exposição do conhecimento antecipa algumas das principais características do método cartesiano. Palavras-chave l Ramée, dialética, conhecimento. Title l Dialectic and Method in Pierre de la Ramée Abstract l This text intends to deal with some aspects of Pierre de la Ramée s ( ) reflection on dialectic, particularly his notion of method, as well as to demonstrate how the method proposed by Ramée for the exhibition of knowledge anticipates some of the main characteristics of the Cartesian method. Keywords l Ramée, dialectic, knowledge. Dialética é uma dessas palavras que foram adqui- rindo diferentes sentidos no decorrer da história da filosofia. Inicialmente, parece ter designado o método de argumentação característico da meta- física. Aristóteles atribuía a Zenão de Eléia o desen- volvimento da dialética como técnica argumentativa, referindo-se provavelmente ao uso da reductio ad absurdum que ele fazia ao derivar as conseqüên- cias absurdas da tese dos seus adversários. De técnica de refutação de hipóteses que impli- cam conclusões inaceitáveis (Se P então Q; ora, não- Q; logo, não-p), a dialética veio a ser considerada pelos humanistas o procedimento mais indicado para a aquisição e a exposição do conhecimento, o instrumento mais apropriado para a construção das ciências, em especial das ciências práticas: ética, política e direito. Essa transformação ocorreu evi- dentemente em razão da incorporação de outros significados que a palavra foi adquirindo no decor- rer da história da filosofia. Entre eles, destacam-se os provenientes das tradições platônica, aristotélica e ciceroniana. Os humanistas não se contentaram em conhe- cer essas tradições por meio de compêndios e traduções, como o fizeram os autores medievais, Data de recebimento: 14/01/2005. Data de aceitação: 18/03/2005. * Professor de Ética e Filosofia Política do Departamento de mas procuraram ter acesso direto aos textos de Platão, Aristóteles e Cícero. Munidos desse mate- rial, passaram a atacar o procedimento escolástico por ter transformado a dialética numa técnica extremamente formal, repleta de detalhes, desin- teressante no conteúdo e bárbara no estilo. Sabe-se que a tradução latina dos Tópicos de Aristóteles 1, realizada em 1128, deu novo vigor ao procedimento dialético e formou a base, junto com os Analíticos, do que foi chamada a nova lógica. Com o restabelecimento do trivium, principal- mente a partir da criação das universidades, a dia- lética tornou-se uma disciplina dominante no ensino medieval. Ela atendia às necessidades de um programa de estudos marcado pelos debates e pelas disputas (disputatio). Praticamente toda a filosofia, teologia e jurisprudência eram ensina- das com base nas questões (quaestiones), a partir das quais eram expostas as opiniões das autorida- des que se opunham ou pareciam opor-se sobre um determinado assunto. O mestre mostrava então o seu domínio do assunto elaborando distinções de sentido, que deveriam ser suficientes para resolver o problema e responder a todas as dificuldades. O objetivo era que o estudante adquirisse a mesma habilidade na solução de questões, sendo capaz de examinar e resolver as controvérsias entre as autoridades sobre qualquer assunto. Na qualidade de educadores orientados para a prática, os humanistas desejavam simplificar a complicada argumentação escolástica e encontrar

3 Para isso, propunham uma mudança de enfoque no procedimento dialético, a fim de torná-lo mais simples e funcional, tornando-o acessível a todos e mais adequado à atividade prática da vida social (MORTARI, 1957, pp ). Na verdade, eles acreditavam que a faculdade de alcançar o conhecimento e dispô-lo numa deter- minada ordem era inata ao espírito humano, sen- do a dialética a expressão dessa força originária do intelecto, seu meio natural de exteriorização. Seguindo a tradição estóica, que a identificava com a lógica, eles viam no procedimento dialético o processo normal do pensamento humano. Defendiam que em todos os campos do saber, especialmente os saberes práticos ética, política e direito, o pensamento desenvolvia-se de maneira dialética. No decorrer do século XV, o programa huma- nista de estudos clássicos conseguiu consolidar-se como uma alternativa ao currículo escolástico. No centro desse novo programa estava a dialética. Não se tratava evidentemente daquela dialética praticada nas escolas, mas de uma dialética mais espontânea, mais natural, mais facilmente com- preendida por todos. Havia uma clara intenção de reformulá-la, a fim de adaptá-la aos studia humanitatis. A preocupação dos medievais com a demonstração apodítica, fundamentada nos silo- gismos demonstrativos em que as premissas são absolutamente certas e necessárias, era minimizada pelo empenho dos humanistas em dar novamente à lógica seu papel de arte do raciocínio prático. A dialética, como a arte do argumento provável, passou a ser integrada aos estudos humanistas, deixando de ter um valor de disciplina indepen- dente, para tornar-se um instrumento na sistema- tização das ciências teóricas e práticas. A escola humanista, ao procurar uma forma de discurso mais eficaz na atividade prática da vida social, não apenas reavaliou o procedimento dia- lético, como também restabeleceu uma direta conexão entre o seu estudo e o da retórica, como tinha feito Cícero 2. Ambas passaram a ser consi- deradas disciplinas com idêntico valor especu- lativo. Se a dialética se ocupava da coerência interna do enunciado, a retórica fornecia as regras instrumento eficaz de expressão dos argumentos dialéticos. Ela aparecia como o meio necessário de expressão do pensamento, a única capaz de reconstruir a estrutura lógica do raciocínio. Entre os inúmeros tratados renascentistas sobre o procedimento dialético, destaca-se, sem dúvida, a Dialectique (1555), de Pierre de la Ramée 3. Dedi- cada ao cardeal Charles de Lorraine, conheceu enorme popularidade, evidenciada pelo grande número de reedições que teve até o final do século XVI. No seu prefácio, depois de fazer um breve elogio à arte dialética, Ramée elenca os seus mais importantes autores. Começa com Platão, que considera o Prometeu dessa arte, uma vez que ele teria subido aos céus e penetrado no convívio dos deuses para trazer esse fogo divino, a fim de ilu- minar o espírito humano 4. Depois, passa pelos cínicos, estóicos e acadêmicos, que teriam deixado um grande número de escritos sobre essa arte. Enfatiza, em seguida, a contribuição de Aristóteles por ter discutido a opinião de seus predecessores com grande labor e coragem, compondo dezenas de livros sobre a dialética, de tal modo que pode ser considerado o seu primeiro grande sistematizador. Comenta como, nos quatrocentos anos seguintes, a dialética passou a ser discutida em todas as esco- las filosóficas. Mas lamenta que, depois de Galeno, os filósofos tenham se limitado a repetir religiosa- mente Aristóteles, sem examinar e discutir os pre- ceitos dessa arte (cf. RAMÉE, Dialectique, prefácio ij). Ramée propõe-se a fazê-lo, apesar das dificul- dades e resistências, que ele acreditava virem prin- cipalmente do apego à tradição, espelhada na cega submissão à autoridade de alguns filósofos, em especial de Aristóteles. Ele se dispõe a buscar nos escritos sobre dialética os seus verdadeiros princí- pios, a fim de examiná-los à luz da própria razão, aprovando o que é conveniente e refutando o contrário, mesmo que isso implicasse ir contra a opinião por tanto tempo estimada. Por fim, encerrando o prefácio, rebate as críti- cas sobre sua inconstância ao longo dos anos. De fato, no início da década de 40, Ramée surgia no cenário intelectual francês como um dos mais ferrenhos adversário de Aristóteles e dos procedi- mentos escolásticos nele inspirados. Nos primei-

4 de confusa e inconsistente e defendia a necessidade de retornar aos diálogos de Platão, nos quais seria possível encontrar os verdadeiros princípios da arte dialética. Um longo debate se iniciou entre Ramée e os aristotélicos da Sorbonne. O resultado foi um decreto real, em março de 1543, no qual Ramée era condenado por sua arrogância e ignorância. Privado de ensinar lógica, teve seus livros proscri- tos e seus escritos posteriores censurados. A partir dos anos 50, Ramée mudou sua interpretação dos textos aristotélicos, que passaram a ser utilizados a favor de suas idéias, dirigindo suas críticas aos seguidores de Aristóteles, que não teriam compre- endido as idéias do mestre. Justifica a correção de suas opiniões com a máxima aristotélica de que o filósofo tem apenas dever com a verdade. Ele inicia seu texto definindo dialética como a arte de bem discutir ou discursar, ou seja, como a arte de argumentar. Identificada com a lógica Ramée remete os dois termos a logos, que ele tra- duz por razão é a disciplina responsável pelo bom uso do raciocínio. Como a gramática ensina a falar bem sobre qualquer assunto, a dialética ensina a discutir ou raciocinar bem sobre qual- quer coisa que se proponha. O seu objetivo é ensi- nar regras e preceitos para bem conduzir a razão na aquisição e exposição do conhecimento. Graças a ela, é possível encontrar a verdade e, conseqüen- temente, a falsidade de toda proposição, necessá- ria ou contingente (cf. RAMÉE, Dialectique I, p.1-2). A crítica a Aristóteles, por ter criado duas lógi- cas uma para a ciência e outra para a opinião, a partir da diferenciação entre proposições neces- sárias e contingentes, é mantida. Segundo Ramée, assim como a vista é comum para ver as cores, tanto as imutáveis como as mutáveis, assim a arte de conhecer, a dialética, é uma e única, aplicada às coisas necessárias, cujo resultado é a ciência, ou aplicada às coisas contingentes, cujo resultado é a opinião (cf. RAMÉE, Dialectique I, p.3). Na esteira de trabalhos como De inventione dialectica (1515), de Rodolphe Agricola ( ), que unia dialética e retórica num todo único, Ramée divide a dialética em duas partes: invenção e julgamento 5. A primeira, a mais desenvolvida nos tratados de dialética humanista e amplamente dis- cutida nos tratados de retórica, declara as partes separadas, das quais toda sentença é composta; a segunda mostra as maneiras e espécies de as dis- por (p. 4). A invenção trata, assim, dessas partes separadas de toda sentença, conhecidas como categorias, e dos lugares onde se alojam essas categorias, os tópicos (cf. RAMÉE, Dialectique I, pp.5-6). Como um deter- minado lugar físico oferece o espaço conveniente para o acúmulo e a sistematização do objeto mate- rial, o lugar dialético aparece como uma espécie de sede ideal, no qual podem ser postos e orga- nizados racionalmente os instrumentos argu- mentativos do pensamento. Ramée identifica, nessa primeira parte do seu texto, nove lugares em que se podem encontrar argumentos: causa, efeito, sujeito, adjunto, oposto, comparativo, nome, divi- são e definição. Para cada um desses lugares, ele ainda apresenta subdivisões: a causa, por exemplo, é dividida em eficiente, material, formal e final. A invenção é responsável por recolher o mate- rial argumentativo sob o qual se deve construir o julgamento. Ela busca estabelecer os lugares- comuns a partir dos quais são tratados os argu- mentos para interpretar, desenvolver e organizar o saber. O seu âmbito é o da pesquisa, da fixação e da ilustração desses lugares, dos quais é possível extrair argumentos. Trata-se, na realidade, muito mais de uma descoberta do que propriamente de uma invenção, uma vez que os argumentos já existem, sendo necessário apenas encontrá-los. Sobre a invenção, momento de constituição do saber, Ramée não trouxe grandes inovações, repro- duzindo os manuais de retórica e de dialética de sua época. Mas na segunda parte, que mostra as vias e os meios de bem julgar por certas regras de dis- posição (p. 71), ao lado da enunciação e do silogis- mo, ele introduziu um terceiro momento: o método. Já em obras anteriores, ele havia discorrido sobre um momento do julgamento que deveria tratar do arranjo e da ordem dos numerosos e variados argumentos conhecidos pelo próprio julgamento ou pelo julgamento de um silogismo. Em Institutiones Dialecticae (1543) e Aristotelicae Animadversiones (1543), havia reprovado a ausên- cia nos textos de Aristóteles de uma clara defini- ção desse momento. Ele foi buscar nos diálogos platônicos, na proposta de um caminho único,

5 baseado em representações dicotômicas e mate- máticas, a essência desse arranjo, a partir do qual os argumentos deveriam ser apresentados e conhe- cidos. Ramée recusava a multiplicidade de vias, pro- posta principalmente pelos aristotélicos, e defen- dia a existência de um único caminho na fixação do saber: para reunir os argumentos, a única e natural via consiste em descer do todo para as partes, definindo-as, dividindo-as e dando delas exemplos. Inspirado nos textos de Platão, acredi- tava que para desembaraçar as coisas que se apre- sentam aglutinadas, para as religar por uma razão certa, seria necessário alcançar o limite e, depois, segundo essa regra, passar do mais geral ao infini- to do individual. A partir de 1547, começou a utili- zar o termo método, para designar essa ordem a ser seguida na exposição dos argumentos (BRUYERE, 1984, pp ). O método é definido na Dialectique como a disposição pela qual, entre várias coisas, a primeira é disposta em primeiro lugar, a segunda em segun- do, a terceira em terceiro e assim conseqüentemen- te (p. 119). Depois que a matéria de uma arte foi inventada, ou seja, que as definições, as regras, as divisões e todos os outros princípios foram apreen- didos, e depois que todo esse material foi julgado, é necessário dispô-lo numa determinada ordem. Essa ordem deve partir do anterior e do mais conhecido por natureza para o posterior e menos conhecido. Os humanistas já haviam utilizado o mesmo termo no sentido de um princípio que deve ser seguido no exercício de toda arte, ou seja, de uma maneira de proceder ordenadamente, cuja ausên- cia prejudicaria a possibilidade de ensino e apren- dizagem eficazes. Eles empregavam o termo método para designar a via mais simples e rápida para o ensino das artes, o procedimento principal para analisar e resolver todo tipo de questão, uma vez que permitia pôr em ordem as coisas confusas, dispondo-as segundo uma sucessão didaticamente esclarecedora. O seu uso no sentido de caminho, ordem, disposição, procedimento simples e rápido de ensino e aprendizagem de uma arte ou de uma disciplina já era corrente entre os autores renas- centistas. Reunia o que eles desejavam exprimir com os termos via, ars, ratio, docendi, discendi; isto é, modo de organizar e expor um determinado conjunto de noções e de conhecimentos (DESAN, 1987, pp ). Ramée, na verdade, jamais deixou de reconhe- cer sua dívida para com seus antecessores, em especial para com Agricola, principalmente no que se refere à essência do método como o proce- dimento que deve partir das coisas mais gerais para as mais particulares. Mas sua ênfase nas idéias de arranjo isto é, de uma disposição matemática que supera a justaposição, pondo os elementos de uma série numa posição relativa entre eles, e de ordem entre os argumentos, de tal modo que eles se tor- nem claros e evidentes, juntamente com sua crença na existência de uma via única e universal para conduzir a razão na exposição do conhecimento deu um caráter diferenciador ao método pro- posto por ele. No discurso de Sócrates, em Filebo 16b-e, Ramée identificou a regra geral de seu método: a progressão do mais ao menos conhecido, do geral ao singular, numa marcha dedutiva a partir da noção mais absoluta e por ordem de evidências decrescentes. Essa regra exigia que o discurso expusesse inicialmente o que era mais universal, depois o que era menos, até as coisas singulares ou mal conhecidas, procedendo por divisões contí- nuas e, se possível, dicotômicas. A crença na concepção platônica da dualidade das coisas (PLATÃO, Timeu 51b-52d) levou Ramée ainda a proceder a uma distinção entre método de doutrina disposição das coisas certas e estáveis e método de prudência disposição das coisas contingentes e efêmeras. O primeiro apresenta o que é universalmente conhecido, e seu objetivo é a verdade, enquanto o segundo refere-se ao que é mais conveniente e busca o convencimento. Isso não implicava, no entanto, a existência de dois métodos. Se havia duas formas de conhecimento a ciência do imutável e o saber prudencial do contingente, o método continua sendo único e simples, indo das coisas gerais para as particulares, do todo para as partes: esse método é singular e único nas disciplinas bem instituídas, pois ele procede por coisas antecedentes do todo e absolu- tamente mais claras e notórias para esclarecer e

6 ilustrar as coisas conseqüentes, obscuras e desco- nhecidas (p. 121). O objetivo do método, essa via única e natural de disposição, era assim conduzir a razão a um conhecimento evidente da arte exposta. Essa expo- sição deveria estar submetida a dois conceitos: a definição e a disposição. Da generalidade da definição clara e precisa, lugar da compreensão maior do saber, passava-se aos elementos do detalhe, progredindo por divi- sões dicotômicas até alcançar o específico que se desejava ensinar. Somente após essa disposição eram apresenta- dos os exemplos que deveriam ilustrar o que foi compreendido graças à cadeia discursiva descen- dente do universal ao particular (BRUYERE, 1984, pp ). O método raméesta exige que o discurso pro- ceda do mais conhecido ao menos conhecido, do universal ao particular, do geral ao singular. Responsável pela ordem de exposição de um saber já constituído, ele se apresenta como uma regra única, de inspiração matemática, comum a todas as artes, que procede das evidências mais absolutas para as mais relativas e duvidosas, sem- pre que possível por divisões dicotômicas. Não podem deixar de ser conhecidas, é claro, as semelhanças entre o método ramista de dispo- sição e o método cartesiano de aquisição do conhe- cimento. Se o primeiro determina a ordem adequada na apresentação dos argumentos, o segundo pres- creve as regras a serem seguidas pela razão na pesquisa da verdade. Ambos têm em seu funda- mento os mesmos procedimentos matemáticos de ordem e medida, que são tomados como requi- sitos tanto para a exposição do saber, no caso do método raméesta, quanto para o momento de sua construção, no caso do método cartesiano. As regras cartesianas para a obtenção do conhe- cimento verdadeiro clareza e distinção, análise, ordem e enumeração sustentam-se nos mesmos procedimentos propostos por Ramée para a expo- sição de todo e qualquer conhecimento. O método raméesta parece, portanto, muito próximo daquele que será proposto, algumas dé- cadas depois, por Descartes. Referências bibliográficas BRUYERE, N. Méthode et dialectique dans l oeuvre de la Ramée. Paris: Vrin, DESAN, P. Naissance de la méthode. Paris: A. G. Nizet, MORTARI, V. P. Dialettica e Giurisprudenza: Studio sui tratatti di dialettica legale del sec.xvi. In: Annali di Storia del Diritto, nº1, pp , VASOLI C. La dialettica umanistica e la metodologia giuridica nel secolo XVI. In: La formazione storica del diritto moderno in Europa. Florença: Leo S. Olschki, Notas 1 Nos Tópicos, a dialética é apresentada como o processo de argumentação sobre um problema proposto a partir de proposições geralmente aceitas (endoxa). Nessa obra, encontra-se uma análise sobre a natureza da discussão dialética, com sugestões sobre a seleção de proposições para a discussão e para o seu exame, e um amplo inventário de lugares (topoi) apropriados a uma investigação crítica sobre as diferentes opiniões concernentes a um determinado tema. Além de ser útil como exercício mental e como recurso nos debates entre os cidadãos, o procedimento dialético também proporcionaria, segundo Aristóteles, a possibilidade da apreensão dos primeiros princípios, uma vez que é capaz de percorrer as aporias em ambos os sentidos, tornando possível identificar o verdadeiro e o falso (cf. ARISTÓTELES. Tópicos I). 2 No De oratore, Cícero sustenta que os oradores devem ser instruídos na dialética, pois necessitam dessa arte da argumentação para pronunciar seus discursos. Sem ela, eles não seriam capazes de discernir o gênero e as espécies de cada assunto, nem explicá-los pela definição, nem distribuí- los em partes, nem julgar o verdadeiro e o falso, nem perceber as contradições ou distinguir as ambigüidades. Além das técnicas de oratória, os oradores deveriam conhecer o procedimento dialético, pois, como mentores públicos, tratavam freqüentemente de temas que represen- tavam valores de ordem geral, como a religião, a ética, a política etc. (cf. CÍCERO, De oratore L.I, II-VI; XI-XII). 3 O texto de referência será o exemplar disponível na Bibliothèque Nationale (Rés. 937), publicado em Paris, no ano de 1555, por André Wechel. 4 Em alguns diálogos de Platão, dialética designa o processo de discussão de teses contrárias: o exame de proposições, tomadas como hipóteses, das quais se tiram conclusões que, mostrando-se autocontraditórias ou falsas, exigem o abandono das hipóteses iniciais (Teeteto 151e; Ménon 93e; Fedon 101e). Em outros, designa o procedimento de divisão e classificação na procura de definições por dicotomia de noções, começando com as mais gerais até alcançar as mais particulares (Fedro 266b; Sofista 218e; Político 258e). Mas o

7 sentido mais difundido, entre os humanistas, era o de via de acesso ao conhecimento das essências. Na República, por exemplo, dialética é apresentada como o procedimento mais eficaz de elevar a alma das aparências sensíveis às realidades inteligíveis, uma vez que, no debate entre opiniões contrárias, o pensamento pode passar das imagens contraditórias à idéia verdadeira da coisa investigada (República 533c). 5 Essa distinção, presente na maioria dos tratados de dialética no século XVI, estava pressuposta nos Tópicos de Aristóteles os sete primeiros livros tratariam da primeira e o oitavo da segunda sendo posteriormente afirmada nos Tópicos de Cícero e nos Differentiis Topicis de Boécio (cf. VASOLI, 1977, p.253-6).

Breve Histórico do Raciocínio Lógico

Breve Histórico do Raciocínio Lógico Breve Histórico do Raciocínio Lógico Enquanto muitas culturas tenham usado complicados sistemas de raciocínio, somente na China, Índia e Grécia os métodos de raciocínio tiveram um desenvolvimento sustentável.

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 90 min Ano: 2013 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. A diferença entre ação e acontecimento

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

Metodologia Científica. Metodologia Científica

Metodologia Científica. Metodologia Científica Metodologia Científica Metodologia Científica Seqüência da Apresentação Introdução Tipos de pesquisa Tipos de fontes de dados Pesquisa na área de Informática Projeto de pesquisa Metodologia Formato de

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA

SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA SÓCRATES: O MESTRE GREGO E SEU SISTEMA PEDAGÓGICO REFLETINDO NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA Luiz Fernando Bandeira de Melo lfbmelo@prove.ufu.br Vani Terezinha de Rezende Faculdade Católica de Uberlândia O método

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Cumprimentos Sobre a importância do tempo Desejos HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Introdução História reconstituição do passado, por meio de fatos relevantes, ordenados cronologicamente. A história

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

Filosofia para crianças? Que história é essa?

Filosofia para crianças? Que história é essa? Filosofia para crianças? Que história é essa? P Isabel Cristina Santana Diretora do CBFC ara muitos provoca espanto a minha resposta quando me perguntam: qual é o seu trabalho? e eu respondo trabalho com

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

HISTÓRIA DA FILOSOFIA

HISTÓRIA DA FILOSOFIA HISTÓRIA DA FILOSOFIA Períodos da história da filosofia Antiga Patrística Escolástica Renascimento Moderna Iluminismo Contemporânea Filosofia grega Períodos da filosofia grega Cosmológico Antropológico

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

CIÊNCIA => METODOLOGIA => METODOS (processos e técnicas) => Conhecer, agir e intervir na realidade.

CIÊNCIA => METODOLOGIA => METODOS (processos e técnicas) => Conhecer, agir e intervir na realidade. O QUE É Metodologia Científica, como disciplina: METODOLOGIA CIENTÍFICA Confere os caminhos necessários para o auto-aprendizado através da qual o aluno é sujeito do processo, deve aprender a pesquisar

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE EAD

CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE EAD LÓGIC DE PROGRMÇÃO CURSO: TÉCNICO EM INFORMÁTIC N MODLIDDE ED Disciplina: Lógica de Programação Profa. Jaqueline F. Domenciano Meu nome é Jaqueline F. Domenciano. Sou Especialista em Educação à Distância,

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE?

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? É importante deixar claro que este texto tratará do problema da verdade a partir de uma abordagem filosófica, mais especificamente esta problemática será

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion S. Cardoso

Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion S. Cardoso Universidade Federal Fluminense - Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Área de História Programa de Pós-Graduação em História Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

Características do conhecimento científico

Características do conhecimento científico Características Racional Objetivo Factual Transcende os fatos Analítico Claro e preciso Comunicável Verificável Depende de investigação metódica Sistemático Acumulativo Falível Geral Explicativo Preditivo

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1

A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1 A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1 SIQUEIRA, Grégori Lopes 2 ; SILVA, Mitieli Seixas da 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA. 2 Acadêmico do Curso de Filosofia do Centro

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES Ramiro Marques A prudência é uma virtude do pensamento que é uma condição da virtude. Na Antiguidade Clássica e na Idade Média, era considerada uma das quatro virtudes cardinais,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Algumas Interfaces Teorias Filosóficas do Conhecimento Epistemologia da Ciência Teoria Cognitiva Psicologia Cognitiva

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito)

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) 1- EXPLIQUE o que argumenta a Teoria do Conflito Social. 2- Em que consiste as teses defendidas pelo interacionismo simbólico? 3- O que

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA. Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento

METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA. Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento DEFINIÇÕES Metodologia Científica: Universalização da comunicação do conhecimento científico; Dessa forma, pode-se deduzir que a

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA Amarildo Luiz Trevisan Eliana Regina Fritzen Pedroso - UFSM Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

Filosofia Clássica Sócrates: A mosca da madeira; O moral; A maiêutica; A dialética; A negação socrática do conhecimento; O julgamento Filosofia Clássica Platão: O mito da caverna; A república (teoria do

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE II Tendências em Educação Matemática Educação Busca desenvolver pesquisas para inovar a prática docente adequada às necessidades da sociedade. Educação

Leia mais

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Conceitos-chaves: Paradoxo sorites, Vagueza, Casos-fronteira, Teoria Epistêmica. 1. Introdução

Leia mais

A LÓGICA DO RACIOCÍNIO MATEMÁTICO. GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior

A LÓGICA DO RACIOCÍNIO MATEMÁTICO. GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior A LÓGICA DO RACIOCÍNIO MATEMÁTICO GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior Aline Brum Ottes, UFSM, alinebrumottes@hotmail.com Ricardo Fajardo, UFSM, rfaj@ufsm.br Samuel Sonego Zimmermann,

Leia mais

GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO

GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO João Paulo G. Vassallo ( FEVRE) Marcus Vinicius F. Soares (FEUFF) Projeto Fundão IM/UFRJ pfundao@im.ufrj.br 1. Histórico O conceito de função vem sendo

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Caro(a) Aluno(a) A prova da 2ª fase da UFBA exige, além dos pré-requisitos da primeira fase(conhecimento do conteúdo programático aliado a habilidades de analisar, comparar, julgar, fazer generalizações,

Leia mais

O conceito de desenvolvimento sustentável visto pela filosofia contemporânea

O conceito de desenvolvimento sustentável visto pela filosofia contemporânea O conceito de desenvolvimento sustentável visto pela filosofia contemporânea Luiz Manoel Lopes(UFC- Cariri) Professor Adjunto de Filosofia do Campus Cariri lluizmanoel@hotmail; luizmanoel@cariri.ufc.br

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 CONVICÇÕES COMPARTILHADAS A leitura é uma janela para o mundo. A leitura é uma competência fundamental para a aprendizagem,

Leia mais

Escrevendo trabalhos acadêmicos (monografia, dissertação e tese)

Escrevendo trabalhos acadêmicos (monografia, dissertação e tese) Escrevendo trabalhos acadêmicos (monografia, dissertação e tese) Baseado nas notas de aula da Prof. Dra. Diana Paula Andrade desta mesma disciplina. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. - Grupo L 1 a

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01... a filosofia não é a revelação feita ao ignorante por quem sabe tudo, mas o diálogo entre iguais que se fazem cúmplices

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

CEPPG Coordenação de Extensão, Pesquisa e Pós Graduação 1

CEPPG Coordenação de Extensão, Pesquisa e Pós Graduação 1 1 Nome do curso: Área: O Curso: ARGUMENTAÇÃO E ANÁLISE DO DISCURSO Direito Destinados aos profissionais da área do Direito o curso fornece subsídios necessários à prática do cotidiano forense no que se

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

FILOSOFIA. a) Tales de Mileto; b) Anaximandro de Mileto; c) Pitágoras de Samos; d) Anaxímenes de Mileto; e) Zenão de Eléia

FILOSOFIA. a) Tales de Mileto; b) Anaximandro de Mileto; c) Pitágoras de Samos; d) Anaxímenes de Mileto; e) Zenão de Eléia FILOSOFIA 01 - Nem a água nem algum dos elementos, mas alguma substancia diferente, ilimitada e dela, nascem os céus e os mundos neles contidos. In Fundamentos da Filosofia. O texto acima se refere à busca

Leia mais

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento

Pedagogia. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento. Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Pedagogia Prof. Dr. Roger Quadros A influência das pesquisas na formação do professor Pesquisa educacional: os caminhos do conhecimento Objetivos: Discutir alguns cuidados básicos para a escolha do tema

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

Slide 1. Slide 2. Slide 3. Verbo jurídico Metodologia da pesquisa. Conteúdo programático. Bibliografia básica. Prof. Me.

Slide 1. Slide 2. Slide 3. Verbo jurídico Metodologia da pesquisa. Conteúdo programático. Bibliografia básica. Prof. Me. Slide 1 Verbo jurídico Metodologia da pesquisa Prof. Me. Walter Corrêa Slide 2 Conteúdo programático noção de pesquisa científica; estrutura do projeto, escolha do tema, métodos de pesquisa, coleta de

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO).

UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO). UM ESTUDO SOBRE OS CONCEITOS: HÁBITO (ARISTÓTELES) E ENSINO (TOMÁS DE AQUINO). BOVETO, Laís (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (PPE/UEM) Introdução Refletir sobre a atual dimensão do papel da Educação na sociedade

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO

CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO CAPÍTULO 1. A FACULDADE DE PERCEBER, A PERCEPÇÃO E OS OBJETOS DA PERCEPÇÃO Muito antigo e pouco alterado no longo transcurso que teve dentro da história da filosofia, o sentido do termo latino facultas

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

Origem e definição de Filosofia

Origem e definição de Filosofia Filosofia Origem e definição de Filosofia Prof. João Epifânio Regis Lima Objetivo Explicitar a origem da filosofia e delimitar seu conceito a partir da distinção entre filosofia e sabedoria. Então vejamos...

Leia mais

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo À medida que a mente compreende as coisas como necessárias, ela tem um maior poder sobre os seus afetos, ou seja, deles padece menos. Benedictus de Spinoza in Ética Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 120 min Ano: 2014 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. Uma não ação é algo que A. Nos acontece.

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

FILOSOFIA QUESTÃO 01 Até agora se supôs que todo nosso conhecimento tinha que se regular pelos objetos; porém, todas as tentativas de mediante conceitos estabelecer algo a priori sobre os mesmos, através

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Psicologia Aplicada à Enfermagem. Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273

Psicologia Aplicada à Enfermagem. Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273 Psicologia Aplicada à Enfermagem Prof. Adriana Campos Psicóloga CRP: 01/11273 UNIDADE I Aula 01 Introdução à Psicologia da Saúde Origens da psicologia A Psicologia como ciência A Psicologia aplicada à

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 Alberto Albuquerque Gomes 2 O estudo de caso tem sido escolhido, de forma recorrente, como alternativa para pesquisas sobre o fenômeno educativo. Porém, nem sempre

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos PORTUGUÊS 10º ano 2015-16 5% Oralidade e Educação Literária Leitura e Educação Literária Escrita e Educação Literária Educação Literária Gramática

Leia mais

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a teoria do estabelecimento empresarial, considerando o seu teorema e axiomas,

Leia mais