A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA"

Transcrição

1 A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Fabrícia Lélis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Resumo: Este trabalho pretende fazer um estudo literário com base nas referências utilizadas por René Descartes ( ), em seu texto Meditações Metafísicas, relacionando-as aos conceitos matemáticos, principalmente aos da Geometria Plana formalizada por Euclides de Alexandria (séc. IV a.c). Euclides, na antiguidade clássica, formalizou a Geometria conhecida em sua época através de sua obra Os Elementos, que designava uma série em treze volumes, dos quais cinco têm como tema a Geometria Plana ou Geometria Euclidiana. Nesta obra, Euclides apresenta as definições, axiomas, proposições e demonstrações que fundamentam a Geometria Plana e introduziram o método axiomático da Matemática. A abordagem da Matemática nos trabalhos de Descartes possibilitou a fundamentação da Geometria Analítica, onde ocorreu uma fusão inédita da Geometria com a Álgebra. Também formalizou o sistema de coordenadas, o Sistema Cartesiano. Palavras-chave: Descartes; Teoria do Conhecimento; Meditações Metafísicas; Geometria Euclidiana. INTRODUÇÃO O que mais incomodava Descartes era a ausência de uma metodologia que abraçasse as ideias e as relacionasse com uma práxis que lhe conduzissem de uma maneira que possibilitasse guiar-se na "busca da verdade". Em suas Meditações Metafísicas, Descartes busca entender a maneira como conhecemos as coisas de modo racionalista, ou seja, o sujeito reconhecendo o objeto através da razão. Para isso, usa da dúvida do ceticismo pirrônico para encontrar a verdade na maneira como fazemos esse reconhecimento das coisas de forma clara e distinta. Este trabalho pretende levantar as referências acerca da Geometria de Euclides no texto de Descartes, evidenciando seus os pensamentos sobre essa Geometria e as relações com as questões do conhecimento. 1

2 A bibliografia desse trabalho foi selecionada considerando a importância de mostrar as ideias de Descartes sem interferência de nenhum interlocutor, seja ele narrador, autor ou pensador literário, a fim de possibilitar a análise dessas ideias e das referências utilizadas por ele com base na Geometria Euclidiana Plana. Antes de iniciar esse levantamento, gostaríamos de evidenciar que as ideias apontadas por Descartes não assumem o mesmo formalismo axiomático da Geometria Euclidiana que apresenta a referência bibliográfica utilizada. Mas nos apoiaremos nessa referência por a mesma oferecer os axiomas e proposições, definidos a partir da lógica de Euclides, necessários para tal comparação. A PROPOSTA DA DÚVIDA DE DESCARTES Descartes inicia seus pensamentos com a Meditação Primeira: Das Coisas que se Podem Colocar em Dúvida. Nesse texto, propõe fundamentar essas reflexões desfazendose de todas as opiniões que tem como verdade para que possa, então, repensar-lhas e, a partir daí, atribuí-las como verdade, caso sejam certas e indubitáveis; ou rejeitá-las, caso apresentem algum motivo de dúvida. Analisa os fundamentos em que suas ideias estão apoiadas. Suas primeiras considerações são sobre as coisas que aprendemos através dos sentidos, enfatizando situações em que os sentidos enganam e levam a um falso conhecimento. Introduz assim o argumento do erro do sentido. "[...] é de prudência nunca se fiar inteiramente em quem já nos enganou uma vez." (DESCARTES, 1988, p. 18). Ainda, há vezes em que, dormindo, os sonhos nos levam a acreditar em situações que parecem reais. Dessa forma, apresenta-se o argumento do sonho. Conclui que as ciências que se baseiam em coisas compostas e relacionadas a esse meio de conhecimento, como é o caso da Física, da Astronomia e da Medicina, por exemplo, podem ser colocadas em dúvida. Entretanto, aponta a Aritmética e a Geometria como entendimentos simples, com fundamentos certos e indubitáveis, uma vez que dois mais três sempre formarão o número cinco e um quadrado, com base em sua definição, sempre terá quatro lados. Entretanto, leva-nos a considerar a existência de um Deus que nos fez de maneira a sempre estarmos enganados, por exemplo, ao enumerar os lados de um quadrado. Temos, 2

3 então, o argumento do Deus enganador. Argumento esse refutado pelo argumento do Gênio Maligno, pois, se Deus é a soberana fonte da verdade, tem-se que o Gênio Maligno pode nos enganar sempre, sendo este um artifício psicológico da nossa própria mente. O ESPÍRITO E O CORPO Ao iniciar a Meditação Segunda: Da Natureza do Espírito Humano; e de como Ele é Mais Fácil de Conhecer do que o Corpo, Descartes preocupa-se em buscar ao menos uma coisa que possa ser considerada verdade, ou seja, que não se possa colocar em dúvida. Então, aponta que, mesmo que haja um Gênio Maligno que o faça se enganar sempre, há a certeza do ato de pensar. Desse modo, aparece o argumento do cogito, pois só não há engano se há o pensamento acerca de alguma coisa. Com base nesse argumento, tem-se como verdade a preposição eu sou, eu existo. Mas o que sou eu, portanto? Uma coisa que pensa. Que é uma coisa que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer, que imagina e que também sente. [...] Pois é tão evidente que sou eu quem duvida, quem entende e quem deseja que não é necessário nada acrescentar aqui para explicá-lo. (DESCARTES, 1988, p. 27) Reafirma-se a razão como meio de entendimento das coisas através do exemplo da cera. A cera é retirada da colméia e tem suas propriedades especificas que a fazem conhecê-la como um corpo. Ao aproximar essa cera do fogo, suas propriedades percebidas através do sentido mudam, como cor, odor, consistência; porém, a cera se mantém. Definese, então, res cogitans como razão e res extensa como a matéria, que possui extensão, é flexível e mutável. Com base nessa reflexão, conclui como verdade: 1) Eu sou, eu existo; 2) Percebo as coisas pois eu penso percebê-las; 3) A coisas relativas ao pensamento são mais fáceis de reconhecer do que as relativas ao corpo. ARGUMENTO QUE DEUS EXISTE 3

4 Em sua Meditação Terceira: De Deus; que Ele Existe, o objetivo de Descartes é provar que existe um Deus e que ele não é enganador. E, por certo, posto que não tenho nenhuma razão de acreditar que haja algum Deus e que seja enganador, e mesmo que não tenha ainda considerado aquelas que provam que há um Deus, a razão de duvidar que depende, somente desta opinião é bem frágil e, por assim dizer, metafísica. Mas, a fim de poder afastá-la inteiramente, devo examinar se há um Deus, tão logo a ocasião se apresente; e, se achar que existe um, devo também examinar se ele pode ser enganador: pois, sem o conhecimento dessas duas verdades, não vejo como possa jamais estar certo de coisa alguma. (DESCARTES, 1988, p. 32) O argumento de que existe um Deus é construído após uma reflexão de como imaginamos as coisas. Admite que essas ideias parecem que nasceram com ele ou são externas a ele, vindas do meio em que vive, ou, ainda, que foram inventadas por ele. Os pensamentos sobre as coisas que possa ver, cheirar, sentir, procedem de coisas que existem fora do sujeito. Os pensamentos sobre seres imaginários ou outras quimeras, são criados pela nossa imaginação a partir de composições de coisas que já conhecemos. Entretanto, há a ideia de uma substância infinita, eterna, onisciente, onipresente, onipotente e criador de todas as coisas; e é tão grande e eminente que não pode ter vindo apenas de mim. Pelo argumento da causa maior que o efeito, admite que Deus exista, pois um ser finito não poderia ter tido essas ideias por si só. A IDEIA DE VERDADEIRO E FALSO Na Meditação Quarta: Do Verdadeiro e do Falso, Descartes aceita a ideia de que Deus não é enganador, pois isso seria admitir que Deus tenha uma parte imperfeita. A questão é: se, quando erro, esse erro não nos foi atribuído por Deus, uma vez que Deus não é um ser enganador, por que erro? Erro, segundo Descartes, todas as vezes que emito juízo sobre as coisas que não conheço, não são claras e estão fora de meu entendimento. Entendo como verdade, então, as ideias claras e distintas. 4

5 A ESSÊNCIA DAS COISAS MATERIAIS E A RELAÇÃO COM AS VERDADES DAS MATEMÁTICAS Cabe, na Meditação Quinta: Da Essência das Coisas Materiais; e Novamente, de Deus, que Ele Existe, começar uma análise sobre as coisas que existem fora do sujeito. Admite-se as particularidades das coisas em relação a uma quantidade continua ou a extensão em comprimento, largura e profundidade, propriedades eminentes da Geometria Espacial. Antes de uma reflexão sobre essas coisas, considera os pensamentos que já possui sobre coisas de natureza verdadeira e imutável, ou seja, sobre ideias claras e distintas. Dá-se como exemplo o triângulo, que não é algo material, mas que tem uma natureza ou forma imutável e eterna. O triângulo apresenta propriedades demonstráveis como a soma de seus três ângulos internos igual a 180º e que o maior ângulo é oposto o maior lado, que são ideias evidentes e de fácil reconhecimento. Mesmo que não se demonstre essas propriedades, julga-as como verdadeiras, pois as concebe como claras e distintas. Usa desse exemplo para mostrar que posso julgar como verdadeiro algo tirado de meu espírito, e não do mundo material. Com essas ideias, Descartes mostra entendimento da soma dos ângulos internos do triângulo, que sempre resulta em 180º, e também do conceito de hipotenusa; propriedades estas demonstráveis a partir dos axiomas da Geometria Plana. Com base nesses pensamentos, Descartes compara as verdades das Matemáticas a ideia da existência de Deus: [...] verifico claramente que a existência não pode ser separada da essência de Deus, tanto da essência de um triângulo retilíneo não pode ser separada a grandeza de seus três ângulos iguais a dois retos. (DESCARTES, 1988, p. 57) Um erro é dizer que Deus existe considerando que a existência é parte dessa perfeição. Para ilustrar esse erro, Descartes utiliza a premissa que todas as figuras de quatro lados podem ser inscritas no círculo. Como contra-exemplo dessa afirmação, temos o losango ou rombóide, como é utilizado pelo autor, pois é uma figura plana de quatro lados, mas não é inscrita no círculo, o que torna a premissa falsa. Argumenta que não é necessário que se imagine um triângulo, mas tem-se sempre que considerar uma figura retilínea composta por três ângulos e que a soma desses ângulos não são maiores do que dois retos. Ao pensar sobre as figuras que possam ser inscritas no círculo, não é necessário 5

6 que se pense especificamente nas figuras de quatro lados que tenham essa propriedade e, dessa forma, não se pode ter esse pensamento de maneira clara e distinta, como na situação anterior. Então, pode-se comparar a existência de Deus a essa primeira situação, onde se enquadram as ideias claras e distintas, ou seja, ideias verdadeiras que nascem com o sujeito. Compara-se Deus com uma natureza verdadeira e imutável. A partir do momento que somos persuadidos por certos pensamentos sobre algo, torna-se muito evidente a verdade clara e distinta desse pensamento. Por exemplo, dado um triângulo retângulo, não se tem claro, ainda, a aplicação do Teorema de Pitágoras. Entretanto, uma vez demonstrado e aceito como verdade, é claro que o quadrado da base é igual aos quadrados dos dois outros lados, sendo, para Descartes, evidente que a base seja o maior lado, necessariamente oposto ao maior ângulo. Dessa forma, somos levados a pensar que a ideia de que Deus existe torna-se uma verdade imediata após essas reflexões. O Teorema de Pitágoras enunciado por Descartes é um pouco restrito em relação ao que conhecemos hoje como a Geometria Plana. Ao tratarmos de base do triângulo, podemos considerar qualquer um dos lados, onde, em um triângulo retângulo, não se aplicaria a veracidade desse teorema. Trata-se, hoje, como hipotenusa o maior lado do triângulo, oposto ao maior ângulo, o que garante a aplicabilidade do Teorema de Pitágoras, sendo o quadrado da hipotenusa é igual a soma das quadrados dos outros lados. A EXISTÊNCIA DAS COISAS MATERIAIS E A RELAÇÃO ENTRE CORPO E ALMA Finalizando as Meditações Metafísicas, Descartes apresenta a Meditação Sexta: Da Existência das Coisas Materiais e da Distinção Real entra a Alma e o Corpo do Homem, onde considera a possibilidade da existência das coisas materiais com base na utilização delas como objetos das demonstrações de Geometria. Inicia esta reflexão fazendo uma distinção entre imaginação e pura intelecção. Ao imaginarmos um triângulo, não limita-se a uma figura composta e determinada por três linhas; considera-se essas três linhas como presentes na ideia que se imagina do triângulo. Ao pensar em um quiliógono, sabe-se que é uma figura plana composta por mil lados, entretanto, a imagem dessa figura é bem mais complicada de se imaginar comparada a imagem do triângulo. Mesmo se, com alguma dificuldade, conseguir imaginar um 6

7 quiliógono, de nada difere-se da imagem do miriágono (figura plana de 10 mil lados), ou qualquer outra figura de muitos lados. Por meio desses exemplos, temos, então, que a imaginação é limitada, característica que não se encontra no entendimento. Fazendo uma analogia com as meditações anteriores, imaginação teria uma limitação assim como o corpo, e o entendimento seria ilimitado, assim como a alma. Na Meditação Segunda: Da Natureza do Espírito Humano; e de como Ele é Mais Fácil de Conhecer o que o Corpo, Descartes trata a alma e o corpo como algo separado devido a essência apresentar-se no fato de ser uma coisa pensante, distinta da ideia do corpo não pensante, o qual é caracterizado como uma parte mecânica. Segundo Descartes, a alma é inteira e verdadeira e difere-se do corpo, podendo inclusive ser ou existir sem ele, já que apenas o fato de pensar garante a existência. O conhecimento é resultado apenas do espírito, e não do mundo material, que não nos traz conhecimento algum, enfatizando assim a distinção entre eles. Entretanto, volta a considerar essa união entre corpo e alma nesta Meditação, justificando-a por não conseguir separar-se do seu corpo como dos outros corpos e também pelos sentimentos de dor, fome, sede, etc., sentimentos que apresentamos naturalmente e que estão diretamente ligados ao corpo, compondo assim um único todo com a alma. Descartes ainda faz uma última referencia a Geometria Plana onde compara o corpo a uma reta, ou corda, onde tem-se pontos ABCD e, qualquer ponto que seja movimentado por essa reta, irá interferir na relação desse ponto no caso a distância com todos os outros pontos da reta. Analogamente, uma dor em qualquer parte do nosso corpo enviará uma mensagem ao cérebro, percorrendo todo o caminho até chegar nele. Encerra, então, suas meditações restabelecendo as suas verdades e consciente dos meios que o levam aos erros. CONSIDERAÇÕES FINAIS Durante toda sua reflexão, Descartes faz alusões aos conceitos Matemáticos que tem como verdades e, por meio de comparações com essas verdades, repensa sobre os fundamentos das coisas que admitia como conhecidas. Preocupa-se em reavaliar as coisas a partir da dúvida cética que confere a tudo, inclusive as coisas que tinha como verdades. 7

8 Atribui o conhecimento à razão e não aos sentidos. A clareza que tem dos conceitos matemáticos, principalmente dos conceitos relacionados a Geometria Euclidiana, devido aos pensamentos claros e distintos que tem sobre esses conceitos, leva-o a admitir a veracidade dessa ciência e a utilização desses conceitos como argumentos a fim de ser persuadido e considerar outras coisas como verdades. Utiliza da lógica Matemática para concluir a existência de Deus e compara essa essência a um conhecimento natural, assim como a Geometria Euclidiana. Por meio de uma exemplificação, cita, ainda, o Teorema de Pitágoras, trabalhando com a ideia de inserir cálculos algébricos no estudo da Geometria Plana. Podemos concluir que o trabalho de Descartes sobre como entendemos as coisas, tendo em vista as Meditações Metafísicas, está baseado na essência Matemática e, mesmo tornando-a dependente da essência de Deus, considera a possibilidade da Matemática como algo que não seja claro e distinto apenas se o sujeito estiver destinado apenas ao erro, ideia que refuta com o argumento de Deus não sendo enganador. REFERÊNCIAS BARBOSA, J. L. M. Geometria Euclidiana Plana. Coleção do Professor de matemática, Sociedade Brasileira de Matemática, 10ª ed., Rio de Janeiro, DESCARTES, R. Meditações Metafísicas. São Paulo: Nova Cultural, Vol II coleção Os Pensadores. SMITH, P. O que é ceticismo. São Paulo, Brasiliense,

MEDITAÇÕES METAFÍSICAS

MEDITAÇÕES METAFÍSICAS MEDITAÇÕES METAFÍSICAS R. DESCARTES Meditação Primeira e Meditação Segunda MEDITAÇÕES METAFÍSICAS Características de uma Meditação : i- orientação interior ou subjetiva; ii- ascensionais. Há doisnomespróprios:

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chave: René Descartes, conhecimento, filosofia, teologia, metafísica, Deus

Palavras-chave: René Descartes, conhecimento, filosofia, teologia, metafísica, Deus A Presença de Deus na Filosofia de René Descartes Douglas Rodrigues da Conceição Resumo A estruturação do pensamento cartesiano iniciada nas obras Discurso do método e Meditações, diante das exigências

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada 177 Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada Edgard Vinícius Cacho Zanette * RESUMO Em Descartes, a ligação entre res cogitans e ser sujeito é complexa. A referência a

Leia mais

Avaliação - Teoria do Conhecimento

Avaliação - Teoria do Conhecimento 1 Avaliação - Teoria do Conhecimento Professor Gabriel Goldmeier 1. Descartes abre as Meditações, sua obra filosófica máxima, dizendo que: Há já algum tempo eu me percebi que, desde meus primeiros anos,

Leia mais

Descartes: O racionalismo. Site: www.mundodosfilosofos.com.br. 1. Meditação - Descartes resolve duvidar de todas as suas opiniões:

Descartes: O racionalismo. Site: www.mundodosfilosofos.com.br. 1. Meditação - Descartes resolve duvidar de todas as suas opiniões: Descartes: O racionalismo Site: www.mundodosfilosofos.com.br 1. Meditação - Descartes resolve duvidar de todas as suas opiniões: Mas não basta ter feito essas observações, é preciso ainda que eu cuide

Leia mais

PRINCÍPIO DE CAUSALIDADE, EXISTÊNCIA DE DEUS E EXISTÊNCIA DE COISAS EXTERNAS

PRINCÍPIO DE CAUSALIDADE, EXISTÊNCIA DE DEUS E EXISTÊNCIA DE COISAS EXTERNAS CDD: 122 PRINCÍPIO DE CAUSALIDADE, EXISTÊNCIA DE DEUS E EXISTÊNCIA DE COISAS EXTERNAS ETHEL MENEZES ROCHA Departamento de Filosofia Universidade Federal do Rio de Janeiro Largo São Francisco de Paula,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE: RENÉ DESCARTES

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE: RENÉ DESCARTES FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE: RENÉ DESCARTES Ricardo Vélez Rodríguez Coordenador do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da Universidade Federal de Juiz de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DAS MEDITAÇÕES METAFÍSICAS CARTESIANAS

CONSIDERAÇÕES ACERCA DAS MEDITAÇÕES METAFÍSICAS CARTESIANAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CEDUC: CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA MARIA ALIETE COLAÇO CONSIDERAÇÕES ACERCA DAS MEDITAÇÕES METAFÍSICAS

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Vou de Taxi. Série Matemática na Escola

Vou de Taxi. Série Matemática na Escola Vou de Taxi Série Matemática na Escola Objetivos 1 Utilizar coordenadas cartesianas no plano introduzindo uma nova noção de distância onde a função módulo aparece de forma natural 2 Apresentar a Geometria

Leia mais

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Maria das Dores de Morais Brasil dora.pe@gmail.com Leonardo de Morais UFPE Brasil leonardob.morais@gmail.com Resumo Este trabalho

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros

Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros José Luiz Magalhães de Freitas INMA/UFMS e-mail: joseluizufms2@gmail.com Marilena Bittar INMA/UFMS e-mail: marilenabittar@gmail.com O objetivo

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

RECURSOS DE EXPRESSÃO

RECURSOS DE EXPRESSÃO RECURSOS DE EXPRESSÃO CHAMADA Onde encontramos as formas geométricas perfeitas? Na natureza nunca existem círculos, retas ou triângulos exatos. Por isso é claro que a razão principal para que os homens,

Leia mais

A METAFÍSICA DE ISAAC NEWTON

A METAFÍSICA DE ISAAC NEWTON 28 A METAFÍSICA DE ISAAC NEWTON Bruno Camilo de Oliveira RESUMO: Analisamos o manuscrito Peso e Equilíbrio dos Fluidos, de Isaac Newton, datado da virada da década de 1660 para a de 1670. Num momento de

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault

A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault *Daniel Salésio Vandresen 1 RESUMO Este artigo apresenta o diálogo, um tanto conflitante, entre Foucault e Derrida sobre a relação

Leia mais

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras.

Nem o Catecismo da Igreja Católica responde tal questão, pois não dá para definir o Absoluto em palavras. A pregação do Amor de Deus, por ser a primeira em um encontro querigmático, tem a finalidade de levar o participante ao conhecimento do Deus Trino, que por amor cria o mundo e os homens. Ao mesmo tempo,

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

Os Quatro Tipos de Solos - Coração

Os Quatro Tipos de Solos - Coração Os Quatro Tipos de Solos - Coração Craig Hill Marcos 4:2-8 Jesus usava parábolas para ensinar muitas coisas. Ele dizia: 3 Escutem! Certo homem saiu para semear. 4 E, quando estava espalhando as sementes,

Leia mais

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 A maior Ambição do Homem é querer Colher aquilo que Não Semeou. Hebert Schiavelli (Empreendedor) Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade

Leia mais

A trajetória de um projétil arremessado no vácuo próximo a superfície da Terra é

A trajetória de um projétil arremessado no vácuo próximo a superfície da Terra é Capítulo 1 Conceitos Básicos 1.1 O Que Provar: Teoremas O primeiro passo para a resolução de um problema é defini-lo correta e precisamente. Tentar encontrar uma solução sem que isso seja feito é receita

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 07 ATIVIDADE 01 Na aula anterior, vimos como rastrear pontos. Abra o arquivo

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/1.ª Fase 13 Páginas Duração

Leia mais

O SER EXISTENCIAL (JOANNA DE ÂNGELIS. VIDA: DESAFIOS E SOLUÇÕES. CAP. 2)

O SER EXISTENCIAL (JOANNA DE ÂNGELIS. VIDA: DESAFIOS E SOLUÇÕES. CAP. 2) O SER EXISTENCIAL NINGUÉM SE ENCONTRARIA REENCARNADO NA TERRA, NÃO TIVESSE A EXISTÊNCIA FÍSICA UMA FINALIDADE SUPERIOR. O SER É PRODUTO DE UM LARGO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DOS INFINITOS VALORES QUE

Leia mais

Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica. Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica. Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Sócrates: uma filosofia voltada para consciência crítica Professor Danilo Borges Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Sócrates 469 399 a.c. Divisor de águas na filosofia grega

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340. CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º

DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340. CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º DISCIPLINA: Psicologia B CÓDIGO DA PROVA: 340 CICLO: Secundário ANO DE ESCOLARIDADE: 12º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA METODOLOGIA CIENTÍFICA Profª. Luciana Oliveira metodologia.oliveira@gmail.com Surgimento da ciência. Conceito filosófico do conhecimento e interesse pela pesquisa. Colaboradores: Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Paixões na Doutrina Cartesiana

Paixões na Doutrina Cartesiana Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Departamento de Filosofia Juliana da Silveira Pinheiro Paixões na Doutrina Cartesiana Florianópolis SC 2008 1 Juliana da Silveira

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

DESCARTES E UM NOVO FUNDAMENTO PARA A VERDADE 1

DESCARTES E UM NOVO FUNDAMENTO PARA A VERDADE 1 DESCARTES E UM NOVO FUNDAMENTO PARA A VERDADE 1 Maria Helena Ferreira de Sousa- orientanda Ms. Ideusa Celestino Lopes- orientadora Resumo: Por inaugurar dentro de seu tempo uma nova forma de pensar, René

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO Matemática Frente I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO 1 - RECORDANDO Na última aula, nós vimos duas condições bem importantes: Logo, se uma reta passa por um ponto e tem um coeficiente angular,

Leia mais

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias Denice Aparecida Fontana Nisxota MEMEGAIS 1 denice@unemat.br, Adriana Cristina da SILVA 2 crystinaadri@hotmail.com Cleyton Borges dos SANTOS 3 cleyton.borges@gmail.com

Leia mais

TRIMESTRE MORTE E RESSURREIÇÃO LIÇÃO 12. www.classedaescolasabatina.com.br

TRIMESTRE MORTE E RESSURREIÇÃO LIÇÃO 12. www.classedaescolasabatina.com.br TRIMESTRE MORTE E RESSURREIÇÃO LIÇÃO 12 www.classedaescolasabatina.com.br LIÇÃO 11 relembrando LIÇÃO 11 relembrando CRISTO, O CRIADOR DO SÁBADO LIÇÃO 11 relembrando CRISTO, O CRIADOR DO SÁBADO CRISTO,

Leia mais

elementos. Caso teremos: elementos. Também pode ocorrer o seguinte fato:. Falsa. Justificativa: Caso, elementos.

elementos. Caso teremos: elementos. Também pode ocorrer o seguinte fato:. Falsa. Justificativa: Caso, elementos. Soluções dos Exercícios de Vestibular referentes ao Capítulo 1: 1) (UERJ, 2011) Uma máquina contém pequenas bolas de borracha de 10 cores diferentes, sendo 10 bolas de cada cor. Ao inserir uma moeda na

Leia mais

Método científico e Atitude cientifica.

Método científico e Atitude cientifica. Texto complementar: Método científico e Atitude cientifica. Extraido de : Física Conceitual (9ª Edição) Paul G. Hewitt O físico Italiano Galileu Galilei e o filósofo inglês Francis Bacon são geralmente

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

I Tessalonicensses 4:13~18; a descrição do encontro

I Tessalonicensses 4:13~18; a descrição do encontro Arrebatamento (continuação) #70 Vamos agora, ver em detalhes a descrição do encontro de Jesus com a Igreja e a transformação dos nossos corpos para corpos gloriosos, iguais ao de Jesus. I Tessalonicensses

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

Caderno 2: 60 minutos. Tolerância: 20 minutos. (não é permitido o uso de calculadora)

Caderno 2: 60 minutos. Tolerância: 20 minutos. (não é permitido o uso de calculadora) Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Prova 62/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura do Aluno CC

Leia mais

BICCA, Luiz. Racionalidade Moderna e Subjetividade. Edições Loyola, São Paulo, 1997.

BICCA, Luiz. Racionalidade Moderna e Subjetividade. Edições Loyola, São Paulo, 1997. BICCA, Luiz. Racionalidade Moderna e Subjetividade. Edições Loyola, São Paulo, 1997. Capítulo 7 Racionalidade moderna e subjetividade... subjetividade é o indicador ou denominador excelente para a época

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA RESUMO

CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA RESUMO XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Laura Andrade Santiago

Leia mais

Descartes (1596-1650)

Descartes (1596-1650) Aula 05 História da Psicologia 1 Instituto de Psicologia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aula 05? História de Psicologia - Prof. William B. Gomes, PhD - 2005 Descartes (1596-1650) Excerto do

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

8º ANO TEOREMA DE PITÁGORAS. Nuno Marreiros. O que é um Teorema? Quem foi Pitágoras?

8º ANO TEOREMA DE PITÁGORAS. Nuno Marreiros. O que é um Teorema? Quem foi Pitágoras? TEOREMA DE PITÁGORAS 8º ANO Nuno Marreiros O que é um Teorema? Quem foi Pitágoras? 1 O que é um Teorema? Os Gregos trouxeram até nós o conceito de teorema. Um teorema é uma afirmação matemática cuja demonstração

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

Aspectos essenciais do labor do perito e dos assistentes na arbitragem

Aspectos essenciais do labor do perito e dos assistentes na arbitragem Aspectos essenciais do labor do perito e dos assistentes na arbitragem Método Científico na Perícia Arbitral Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Em razão da importância contemporânea do labor

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 No caso específico

Leia mais

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Final de Matemática. 3.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 92/1.ª Chamada. Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância: 30 minutos. PROVA FINAL DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/Prova 92/1.ª Chamada/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ESTUDANTE Nome completo Documento de identificação CC n.º ou BI

Leia mais

OBJETIVOS: Definir área de figuras geométricas. Calcular a área de figuras geométricas básicas, triângulos e paralelogramos.

OBJETIVOS: Definir área de figuras geométricas. Calcular a área de figuras geométricas básicas, triângulos e paralelogramos. META: Definir e calcular área de figuras geométricas. AULA 8 OBJETIVOS: Definir área de figuras geométricas. Calcular a área de figuras geométricas básicas, triângulos e paralelogramos. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO. Lócus de controle

PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO. Lócus de controle Lócus de controle As pessoas tendem a buscar explicações sobre sua conduta, seus resultados e suas conseqüências com o objetivo de predizer, compreender, justificar e controlar o mundo. Todos buscamos

Leia mais

Paradoxos: usos e abusos

Paradoxos: usos e abusos Universidade de São Paulo/Faculdade de Educação 1 o semestre/2011 Seminários de Estudos em Epistemologia e Didática (SEED-FEUSP) Ano XV Coordenador: Nílson José Machado Paradoxos: usos e abusos Marisa

Leia mais

O HOMEM E AS DUAS ARVORES

O HOMEM E AS DUAS ARVORES O HOMEM E AS DUAS ARVORES Witness Lee O plano eterno de Deus, a Sua economia, é-nos revelado por meio dos sessenta e seis livros da Bíblia. Bem no início da Bíblia, Deus é visto criando o homem como o

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO Ethel Menezes Rocha UFRJ/CNPq 1 Na Sexta Meditação, Descartes conclui seu argumento iniciado na Segunda Meditação em favor da distinção real

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Você não sofre porque tem uma programação mental, você sofre porque sua programação

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

MEDITAÇÕES 1ª E 2ª 1 RENÉ DESCARTES

MEDITAÇÕES 1ª E 2ª 1 RENÉ DESCARTES MEDITAÇÕES 1ª E 2ª 1 RENÉ DESCARTES 1 DESCARTES, René. Meditações. (Os Pensadores) São Paulo : Abril Cultural, 1983 2 MEDITAÇÃO PRIMEIRA 2 Das Coisas que se Podem Colocar em Dúvida 1. Há já algum tempo

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

A Bíblia realmente afirma que Jesus

A Bíblia realmente afirma que Jesus 1 de 7 29/06/2015 11:32 esbocandoideias.com A Bíblia realmente afirma que Jesus Cristo é Deus? Presbítero André Sanchez Postado por em: #VocêPergunta Muitas pessoas se confundem a respeito de quem é Jesus

Leia mais

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 O diálogo a seguir envolve dois assuntos de grande interesse geral: a proteção oferecida pelos espíritos frente às diferentes situações a que somos

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE

Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE Orientação para elaboração de provas de acordo com o ENADE Alexandre Porto de Araujo São José dos Campos, abril de 2014 Estrutura do item de múltipla escolha Item de múltipla escolha utilizado nos testes

Leia mais

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados 1º Mistério Luminoso Janeiro 2015 Batismo de Nosso Senhor Introdução: Vamos dar inicio à meditação reparadora dos primeiros sábados, que nos foi indicada

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Inglês ( Prova escrita e oral ) nível V Ano letivo 2013 / 2014 1ª e 2ª fases 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

TCC 2 ORIENTAÇÃO COMPLEMENTAR PASSOS

TCC 2 ORIENTAÇÃO COMPLEMENTAR PASSOS TCC 2 ORIENTAÇÃO COMPLEMENTAR O preparo de um sermão expositivo começa com a escolha de um texto. Embora todas as passagens das Escrituras sejam inspiradas por Deus, há diferenças entre elas. Algumas possuem

Leia mais

Das coisas que se podem colocar em dúvida

Das coisas que se podem colocar em dúvida MEDI01:MEDI01 08.01.11 10:31 Page 29 MEDITAÇÃO PRIMEIRA Das coisas que se podem colocar em dúvida AT, IX, 13 [1] Há já algum tempo me apercebi de que, desde meus primeiros anos, recebera grande quantidade

Leia mais

Exemplo: Na figura 1, abaixo, temos: Clique aqui para continuar, que é a primeira atividade que você precisa realizar para iniciar seus estudos.

Exemplo: Na figura 1, abaixo, temos: Clique aqui para continuar, que é a primeira atividade que você precisa realizar para iniciar seus estudos. Visão Geral VISÃO GERAL Esse material abordará o acesso ao AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) da Proativa do Pará, com intenção de ilustrar os aspectos na visão do Aprendiz. Essa abordagem dedica-se

Leia mais

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Teoria do conhecimento - David Hume e os limites do conhecimento Objetivos Compreender as principais escolas da teoria do conhecimento da modernidade. Discutir a

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

MATEMÁTICA (UFOP 2ª 2009 PROVA A) Questões de 09 a 18

MATEMÁTICA (UFOP 2ª 2009 PROVA A) Questões de 09 a 18 MATEMÁTICA (UFOP 2ª 2009 PROVA A) Questões de 09 a 18 9. Na maquete de uma casa, a réplica de uma caixa d água de 1000 litros tem 1 mililitro de capacidade. Se a garagem da maquete tem 3 centímetros de

Leia mais