Mudar a mentalidade das organizações. Carlos Telles de Freitas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mudar a mentalidade das organizações. Carlos Telles de Freitas"

Transcrição

1 Mudar a mentalidade das organizações através s da Logística Carlos Telles de Freitas

2 Historicamente a logística foi sempre factor crítico de competitividade das nações. A logística é o sector da empresa que mais visita o cliente. Os ciclos de melhoria dos processos logísticos são cada vez mais curtos.

3 Evolução dos tempos de Transporte e Comunicações Portugal - Europa Dias Transporte Comunicações Reinado dos Nano- Segundos

4 Hoje todos dependemos de todos o sucesso de um é o sucesso de toda uma cadeia

5 O que a logística percebeu mas cedo que o resto da organização: Informação Produto / Serviço

6 O desafio da logística Os 3 C s: Cliente Vantagem a custos aceitáveis Valor Valor Gestão dos Activos Companhia Diferenciais de custo Gestão dos Activos Concorrência

7 Qual o caminho a seguir para a Logística? Qualidade Reactividade Levesa Tempo Agilidade Custo

8 Qual o caminho a seguir para a Logística? Melhorar continuamente o desempenho da equipa; Apoiar-se nas tecnologias de informação para facilitar a comunicação; Usar a tecnologia para comprimir o factor tempo; Automatizar tudo o que pode ser automatizado;

9 Qual o impacto directo na organização? Fidelidade dos clientes Fiabilidade da entrega; Visibilidade do processo Transparência do desempenho; Partilha de objectivos e resultados Todos ganham;

10 O actual momento é uma crise, para quem Não investiu em inovação; Acha que a formação é uma obrigação legal; Continua a olhar como concorrente o vizinho e não o mundo; Pensa que o mundo voltará a ser como dantes;

11 O actual momento é uma oportunidade, para quem Eliminou custo e aumentou valor; Apostou em parcerias de longo prazo com clientes e fornecedores, partilhando ganhos e riscos; Investiu em tecnologia para eliminar atrasos nos processos de decisão; Olha para o futuro como sendo um novo desafio:

12 O que se pode aprender com a logística para mudar as organizações? Hope for the best, plan for the worst; O custo de tudo fazer é demasiado elevado (custos correntes e investimentos futuros); Optimizar processos, automatizar decisões, partilha activa de informação, espírito de pertença.

13 Caso Real. Euro 2004 Logística do Evento Classificado como a melhor organização de sempre (+80% de satisfação global); Frota de viaturas ligeiras: 400; Frota de autocarros (média diária): 26 Condutores: 600

14 Caso Real. Euro 2004 Logística do Evento Estratégia implementada: Frota distribuída por grupos-alvo; Pontualidade partidas / chegadas; Parcerias com entidades publicas e privadas; Partilha de um objectivo organizacional: The best Euro Ever;

15 Caso Real. Euro 2004 Logística do Evento Estratégia implementada: Meios de back up nos dias de jogo; Organização autónoma para logística local; Call center para condutores de veículos Euro 2004; Partilha contínua de informação e actualização dos planos;

16 Caso Real. Euro 2004 Logística do Evento Impacto na UEFA: Sistema de gestão de logística de eventos: HELGA Adopção do conceito de frota distribuída Euro 2008 e seguintes; Acordos de facto com entidades públicas gestoras de infraestruturas de transportes e autoridades policiais;

17 Caso Real. Euro 2004 Logística do Evento Impacto na FPF: Criação da bilheteira online; Melhoria de competências na gestão de eventos desportivos; Formação de RH em gestão de eventos desportivos; Parcerias com o IPJ (voluntariado), autoridades policiais, ANA - Aeroportos de Portugal;

18 Que desafios nos reserva o futuro? Saber escolher e seleccionar a informação crítica para o negócio; Inovar e melhorar continuamente TODOS os processos da organização; O mercado é o mundo e não o país;

19 A mudança é a lei da vida. E aqueles que confiam somente no passado ou no presente estão destinados a perder o futuro." ( John F. Kennedy )

20 organizações através da Logística Obrigado pela vossa atenção!

21 Mudar a mentalidade das organizações através s da Logística Carlos Telles de Freitas

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO

A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO A CONTABILIDADE PÚBLICA NO PRINCÍPIO DO ACRÉSCIMO Índice 1. Introdução 2. A Contabilidade Pública 2.1 Enquadramento Legal 2.2 Âmbito, Objecto e Características 3. O sistema Contabilístico do Estado 4.

Leia mais

Qualidade Factor de Competitividade

Qualidade Factor de Competitividade Qualidade Factor de Competitividade Viseu 21 de Junho de 2007 Tecido Empresarial de Viseu Diversificado Pequena Dimensão Necessidades de qualificação Gestão Trabalhadores AIRV Associação certificada Região

Leia mais

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO Enquadramento: O ambiente no qual hoje actuam as empresas mudou radicalmente: imprevisibilidade, turbulência, mudança, rapidez,..., são constantes do processo de decisão. Num mundo

Leia mais

O Percurso de uma Empresa Familiar

O Percurso de uma Empresa Familiar O Percurso de uma Empresa Familiar DEFINIÇÃO: De uma forma genérica, define-se Empresa Familiar como aquela em que a propriedade e controle estão nas mãos de um grupo unido por relações de parentesco (uma

Leia mais

CAPACIDADE PARA MUDAR

CAPACIDADE PARA MUDAR CAPACIDADE PARA MUDAR Carlos Carapeto Inovações Organizacionais na Administração Pública: O caso dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) REUNIÃO NACIONAL DE DIRECTORES EXECUTIVOS DOS AGRUPAMENTOS DE

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

QUESTIONÁRIO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Universidade de Coimbra Faculdade de Economia QUESTIONÁRIO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Estimado Destinatário Encontro-me a investigar as práticas que mais estimulam a inovação nas organizações, assim como

Leia mais

Formação Professores Programa A Empresa Junior Achievement Portugal

Formação Professores Programa A Empresa Junior Achievement Portugal Formação Professores Programa A Empresa Junior Achievement Portugal Nuno Fernandes Lisboa, 13 Novembro 2015 Do sonho... À Realidade... Ideia Plano Marketing Plano de Negócio 2 Junior Achievement Portugal

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS. Projetos de inovação

ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS. Projetos de inovação ORGANIZAÇÃO E ANÁLISE DE PROJECTOS Projetos de inovação Definições Criatividade=Invenção=Inovação? Definições Criatividade Produto do génio humano, enquanto gerador de novas ideias, conceitos e teorias

Leia mais

3. Balanced Scorecard. 3.1 Introdução

3. Balanced Scorecard. 3.1 Introdução 3. Balanced Scorecard 3.1 Introdução 1 Utilização do BSC 60% das empresas do Fortune1000 utilizava o BSC (Silk, 1998) 30% de 163 empresas inglesas de manufactura com vendas acima de 50 milhões implementaram

Leia mais

COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc.

COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução

Leia mais

Soluções para crescer, evoluir e inovar do Princípio ao fim

Soluções para crescer, evoluir e inovar do Princípio ao fim Soluções para crescer, evoluir e inovar do Princípio ao fim Soluções para crescer, evoluir e inovar do princípio ao fim Colocamos ao serviço da sua empresa a tecnologia necessária para exponenciar o talento

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação

questionários de avaliação da satisfação questionários de avaliação da satisfação Introdução Tendo como referência o Modelo de Avaliação da Qualidade, o desenvolvimento de um Sistema de Gestão da Qualidade aplicado aos serviços prestados pelas

Leia mais

ENCONTRO DO EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO SOCIAL

ENCONTRO DO EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO SOCIAL ENCONTRO DO EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO SOCIAL 17 18 de Novembro 2017 Centro de Congressos de Lisboa Junqueira 1 PESO DO SECTOR NA ECONOMIA NACIONAL Fonte: INE, CASES 2013 61.268 5,2% 6% 14.308 Milhões

Leia mais

Capítulo 8 Desenvolvimento Empresarial

Capítulo 8 Desenvolvimento Empresarial ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Capítulo 8 Empresarial João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Formulação da Estratégia Análise do Meio Envolvente Missão, Objectivos e Estratégia Produtos-Mercados

Leia mais

MANUTENÇÃO. parte integrante da GESTÃO DE ATIVOS

MANUTENÇÃO. parte integrante da GESTÃO DE ATIVOS MANUTENÇÃO parte integrante da GESTÃO DE ATIVOS Pedro Coelho Daniel Gaspar Gestão de Ativos de acordo com a norma NP ISO 55000:2016 Gestão de Ativos é uma atividade coordenada numa organização para percecionar

Leia mais

The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance.

The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance. The balanced scorecard is like the dials in an airplane cockpit: it gives managers complex information at a glance. Robert S. Kaplan and David P. Norton Harvard Business School Case Study Análise da metodologia

Leia mais

TEMA. As Tecnologias da Informação e Comunicação nas Organizações do Conhecimento OBJECTIVO DEFINIÇÃO

TEMA. As Tecnologias da Informação e Comunicação nas Organizações do Conhecimento OBJECTIVO DEFINIÇÃO Instituto Superior de Línguas e Administração GAIA TEMA Nuno José Rodrigues (252) António Tomás Madureira (261) 5 de Junho de 2008 Sistemas de Informação e Multimédia 1 5 de Junho de 2008 Sistemas de Informação

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Perguntas mais frequentes Sucesso ao Alcance de Todos Pág: 1 de 7 Índice 1. Que posso conseguir com esta oportunidade?... 3 2. Tenho de ter exclusividade?... 3 3. Será que funciona? Será um negócio de

Leia mais

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA.

J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. J. SAMPAIO & IRMÃO, LDA. 1 Sector de Actividade: Calçado Actividade Principal: Produção de calçado CEO: Joaquim Carvalho Telefone: +351 255310690 Fax: +351 255310699 E-mail: js@mail.calafe.com Morada:

Leia mais

Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana

Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana Abordagens Alternativas para Frotas e Logística Urbana O teste de novas soluções de mobilidade sustentável é o caminho para fomentar a utilização e o desenho de novos produtos Estrutura da Comunicação

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Avaliar diferentes perspectivas de medição de nível de serviço Entender a importância do

Leia mais

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde 95 96 Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Princípio 1 Foco no cliente: dado que as organizações dependem

Leia mais

Marketing no Desporto

Marketing no Desporto Marketing Desportivo Funchal, 23 de Abril 2007 Rui Pedro Caramez pcaramez@sapo.pt Marketing no Desporto O conceito emergente de mercado O novo papel do cliente de desporto Isolado Relacionado O Clube Desportivo

Leia mais

A Inovação na Dão Sul Inovação num Sector Tradicional

A Inovação na Dão Sul Inovação num Sector Tradicional A Inovação na Dão Sul Inovação num Sector Tradicional Ana Rodrigues, Responsável da Qualidade e Investigação Inovar para ir ao encontro das necessidades do mercado e do consumidor e contribuir para o crescimento

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

Universidade de Aveiro 2010/02/05

Universidade de Aveiro 2010/02/05 Universidade de Aveiro 2010/02/05 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

Mercadorias. 1 e 2 de Abril de 2009

Mercadorias. 1 e 2 de Abril de 2009 Liberalização do Transporte de Mercadorias Impacto e Soluções 1 e 2 de Abril de 2009 Liberalização do Transporte de Mercadorias Impactos e Soluções O ambiente competitivo: Globalização pré Macro-Crise

Leia mais

Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual

Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual Pequeno-almoço com Gestão do Capital Intelectual APDSI 16 de junho de 2016 http://www.icaa.pt www.pmeconsult.pt Programa do Workshop A Gestão do Capital Intelectual como driver de inovação, competitividade

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTOS PRODUTIVOS COMPETITIVIDADE SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO PRODUTIVIDADE CADEIA DE VALOR APRESENTAÇÃO O

Leia mais

VICAIMA PT-SI, empresa PT responsável pela integração, implementa migração do sistema SAP da empresa.

VICAIMA PT-SI, empresa PT responsável pela integração, implementa migração do sistema SAP da empresa. VICAIMA PT-SI, empresa PT responsável pela integração, implementa migração do sistema SAP da empresa. todos os problemas encontrados na migração dos sistemas de desenvolvimento foram alvo de um processo

Leia mais

Mercado de Capitais: Perspectivas Futuras. Fevereiro 2017

Mercado de Capitais: Perspectivas Futuras. Fevereiro 2017 Mercado de Capitais: Perspectivas Futuras Fevereiro 2017 Os Desafios para a dinamização dos OIC`s Departamento: Estudos, Estratégia e Desenvolvimento Data: 02/02/2017 O universo dos OIC s Investidores

Leia mais

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação 2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação Objectivos de Aprendizagem Identificar várias estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar Tecnologias da Informação para confrontar

Leia mais

Supply Chain Excellence: garantir competitividade num mundo VUCA (volatile, uncertain, complex and ambiguous)

Supply Chain Excellence: garantir competitividade num mundo VUCA (volatile, uncertain, complex and ambiguous) Supply Chain Excellence: garantir competitividade num mundo VUCA (volatile, uncertain, complex and ambiguous) Resultados de um estudo internacional realizado em 2015 Lisboa, 31 de Março de 2016 A Roland

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? Exercício 01 Resposta Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? É todo

Leia mais

Modelos de formação na aprendizagem da condução. Susana Paulino

Modelos de formação na aprendizagem da condução. Susana Paulino Modelos de formação na aprendizagem da condução Susana Paulino 01-07-2009 1 Lisboa, 30 de Junho de 2009 Objectivo do Ensino da Condução e Dados de Referência Modelo de Ensino da Condução Actual Tipos de

Leia mais

Gestão 2.0 & Gerenciamento Estratégico da Informação

Gestão 2.0 & Gerenciamento Estratégico da Informação Gestão 2.0 & Gerenciamento Estratégico da Informação Brasília 2 de Setembro de 2008 1 Futura Residencia Geriátrica Escola Pós- Graduação Faculdades de Ciências Humanas Sociais & Ciência e Tecnologia Berçário

Leia mais

ALD News. A ALD Automotive deseja-lhe um Excelente Ano de 2012! Informação ALD Automotive...

ALD News. A ALD Automotive deseja-lhe um Excelente Ano de 2012! Informação ALD Automotive... 1 2012 ALD News Informação ALD Automotive... Carta do Director Geral ALD comemora 20 anos em Portugal Formação Interna Eco- Condução Eficiente Pool Fleet ALD na Imprensa Usados como Novos ALD Lançamentos...

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

26 e 27 de NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém)

26 e 27 de NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém) 26 e 27 de NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém) LOGO 1ª EMPRESA NA DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL 2ª NO MUNDO COM CERTIFICAÇÃO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL A LOJA JUMBO LOGO 3 ORGANIZAÇÃO Director Geral Segurança Nacional

Leia mais

BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO. Fundo de Investimento Aberto Flexível. Tipo de Fundo: Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000

BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO. Fundo de Investimento Aberto Flexível. Tipo de Fundo: Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000 BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO Tipo de Fundo: Fundo de Investimento Aberto Flexível Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000 Objectivo: Política de Distribuição de Rendimentos: Banco Depositário: Locais de Comercialização:

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

Criamos Valor em LOGÍSTICA

Criamos Valor em LOGÍSTICA Criamos Valor em LOGÍSTICA OFERTA A Logistema oferece serviços profissionais de consultoria e soluções de implementação nas seguintes áreas: SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Planear, gerir a procura, optimizar

Leia mais

WORKSHOP. Certificação de produtos, empresas e serviços

WORKSHOP. Certificação de produtos, empresas e serviços WORKSHOP Certificação de produtos, empresas e serviços PROJETO CERTIFICAÇÃO Qual o caminho que quero/devo seguir? MARCA identidade PATENTE Proteção do design / modelo EMPRESA Produtos CERTIFICAÇÃO Implementação

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA UIR REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA Avenida Cónego Manuel das Neves n o 234 R/C * Luanda Angola DISCUSSÃO PÚBLICA SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

5 dicas para diminuir custos em desenvolvimento de softwares

5 dicas para diminuir custos em desenvolvimento de softwares 5 dicas para diminuir custos em desenvolvimento de softwares Para manter a competitividade grandes companhias têm adotado tecnologias disruptivas com o intuito de aprimorar e automatizar serviços e processos

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO NA TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL

O PAPEL DA EDUCAÇÃO NA TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL O PAPEL DA EDUCAÇÃO NA TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL Brasil é 88º lugar (de 127) em ranking de educação pela Unesco. Esse ranking mede o desempenho das nações em relação a metas de qualidade. FOLHA 2011

Leia mais

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor)

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Outubro 2006 Direcção Comercial e Gestão de Clientes www.apcer.pt Gonçalo Pires Índice: Certificação de S.G.: Qualidade (NP EN ISO 9001:2000); Ambiente (NP EN

Leia mais

Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento

Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento CONNECTING INNOVATION TO PEOPLE 5 de Junho de 2009 Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento GABINETE DO COORDENADOR NACIONAL DA ESTRATÉGIA DE LISBOA E DO PLANO TECNOLÓGICO TOPICOS Estratégia

Leia mais

REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA

REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA ENCADENAMIENTO PRODUCTIVO Estrategia de Actuación para el sistema SEBRAE Paulo Alvim Gerente, Unidad de Acceso a Mercados

Leia mais

Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens

Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens Diplomacia Económica Vantagens e Desvantagens Maria Sousa Galito Doutorada em Ciência Política e Relações Internacionais pelo IEP-UCP Jornada de Diplomacia Económica, ISEG, 05-12-2012 Diplomacia Microeconómica:

Leia mais

A terceira onda de Toffler

A terceira onda de Toffler A terceira onda de Toffler A velha riqueza das empresas Máquinas, edificações, dinheiro, recursos Poder de baixo nível A nova riqueza das empresas Cultura de aprendizagem, inovação e melhoria Pessoas,

Leia mais

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias Apresentação do Documento de Orientação Estratégica CCB Centro Cultural de Belém 05 de Julho 2005 Mandato Identificar as propostas de investimentos

Leia mais

A Informação nos Recursos Humanos

A Informação nos Recursos Humanos A Informação nos Recursos Humanos Para que haja uma correcta Gestão de Recursos Humanos, o Banco tem de (entre toda a informação que recebe sobre este assunto), seleccionar a que é realmente relevante

Leia mais

Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário

Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário Administração de Recursos Humanos Autoria: Irma Macário 6 o semestre Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário Como citar esse documento: MACÁRIO,

Leia mais

Capítulo 9 Estratégia em Portugal

Capítulo 9 Estratégia em Portugal ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Capítulo 9 Estratégia em Portugal João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Formulação da Estratégia Análise do Meio Envolvente Missão, Objectivos e Estratégia

Leia mais

Questionário para os indivíduos com idade 50 + anos

Questionário para os indivíduos com idade 50 + anos Questionário para os indivíduos com idade 50 + anos A Organização Mundial da Saúde define Envelhecimento Activo como o processo de optimização das oportunidades para a saúde, participação e segurança,

Leia mais

DE 22 SETEMBRO DE 2017 A JUNHO DE 2018

DE 22 SETEMBRO DE 2017 A JUNHO DE 2018 PARCERIA PORTO - LISBOA Coordenação Científica: Prof.ª Doutora Maria de Fátima Ribeiro Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa DE 22 SETEMBRO DE 2017 A JUNHO DE 2018

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

Manipulação de Resultados Lúcia Lima Rodrigues. Conferência sobre: O SNC E OS JUÍZOS DE VALOR: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar

Manipulação de Resultados Lúcia Lima Rodrigues. Conferência sobre: O SNC E OS JUÍZOS DE VALOR: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar Manipulação de Resultados Lúcia Lima Rodrigues Conferência sobre: SNC E S JUÍZS DE VALR: Uma perspectiva crítica e multidisciplinar Introdução Não falamos de fraude mas de contabilidade criativa ; Assunto

Leia mais

Desenvolvimento Profissional Contínuo dos Psicólogos

Desenvolvimento Profissional Contínuo dos Psicólogos CATEGORIA AUTORIA JANEIRO 14 Revisão de Dados Gabinete de Estudos e Literatura Científica Técnicos Desenvolvimento Profissional Contínuo dos Psicólogos Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses

Leia mais

Programa MOVE. Contribuição para a Melhoria da Competitividade das Empresas: Apresentação de boas práticas. Lisboa, 29 de Setembro de 2011

Programa MOVE. Contribuição para a Melhoria da Competitividade das Empresas: Apresentação de boas práticas. Lisboa, 29 de Setembro de 2011 Programa MOVE Contribuição para a Melhoria da Competitividade das Empresas: Apresentação de boas práticas Lisboa, 29 de Setembro de 2011 INDÍCE 1. Breve Apresentação da Empresa 2. Porquê participar no

Leia mais

Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP

Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP ÍNDICE 01. ENQUADRAMENTO 02. DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO NA APLOP 03. ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO COMPETITIVAS

Leia mais

Cooperação LEADER Balanço e Perspetivas de Futuro

Cooperação LEADER Balanço e Perspetivas de Futuro Cooperação LEADER Balanço e Perspetivas de Futuro Fatores facilitadores, condicionantes, boas práticas, e o seu contributo para o desenvolvimento dos territórios. 1 - OBJECTIVOS DA ELD DO RIBATEJO NORTE

Leia mais

Investimento para a inovação e competitividade

Investimento para a inovação e competitividade Investimento para a inovação e competitividade Os novos instrumentos de financiamento Pedro Cilínio Fóruns da Garantia Mútua 2015 O presente conteúdo é válido no contexto do presente evento como complemento

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

Logística e-commerce: A Importância do Planejamento e Gestão de Estoques. 27 de Junho de 2017

Logística e-commerce: A Importância do Planejamento e Gestão de Estoques. 27 de Junho de 2017 Logística e-commerce: A Importância do Planejamento e Gestão de Estoques 27 de Junho de 2017 Agenda A Via Varejo Cadeiade valor para o cliente Oportunidades para a Logística Resultados Obtidos Off-line

Leia mais

Several Cities Food Service City Colors, Repetition, Patterns

Several Cities Food Service City Colors, Repetition, Patterns Several Cities Food Service City Colors, Repetition, Patterns Visão missão compromisso Merecer a preferência natural dos clientes procurando ser uma referência na qualidade dos serviços que prestamos.

Leia mais

Turismo e Transporte AéreoA. 26 de Maio de João Passos Presidente

Turismo e Transporte AéreoA. 26 de Maio de João Passos Presidente A 26 de Maio de 2008 Presidente 1 Em termos globais, o desenvolvimento do turismo está intimamente associado ao desenvolvimento do transporte aéreo. E vice-versa... TURISMO É MOVIMENTO 2 Turismo de Lazer

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 182/XII/1.ª

Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 182/XII/1.ª Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 182/XII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO QUE PROMOVA O ESTABELECIMENTO DUMA CONCORRÊNCIA SAUDÁVEL NO SECTOR DO LEITE E PRODUTOS LÁCTEOS, REABRA A DISCUSSÃO DO REGIME

Leia mais

COMUNIDADE AEROPORTUÁRIA DE CARGA DE LISBOA. Seminario Transportes & Negocios 06Nov08

COMUNIDADE AEROPORTUÁRIA DE CARGA DE LISBOA. Seminario Transportes & Negocios 06Nov08 COMUNIDADE AEROPORTUÁRIA DE CARGA DE LISBOA APRESENTAÇÃO DA COMUNIDADE E DOS SEUS CORPOS SOCIAIS FINS E OBJECTIVOS DA CACL DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O NOVO TERMINAL DE CARGA EM LISBOA A CARGA AÉREA

Leia mais

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa HEADLINE TEXT SUBTITLE Célia Figueira, Ana Galrão & Lília Aguardenteiro Pires Instituto de

Leia mais

% 70 54,5. 2 Inclui atividades de inovação abandonadas ou incompletas

% 70 54,5. 2 Inclui atividades de inovação abandonadas ou incompletas Principais resultados do CIS 214 - Inquérito Figura 1 Atividades de, CIS 212 - CIS 214 () Comunitário à Inovação 7 6 54,5 53,8 Setembro de 216 5 4 3 41,2 44,6 25,9 28,3 35,2 33,5 33, 32,6 26,1 2 A Direção-Geral

Leia mais

A valorização de competências de gestão de recursos humanos nas empresas do sector da construção civil e do imobiliário em Portugal

A valorização de competências de gestão de recursos humanos nas empresas do sector da construção civil e do imobiliário em Portugal Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão EEG Research Day Mestrado em Gestão de Recursos Humanos A valorização de competências de gestão de recursos humanos nas empresas do sector da construção

Leia mais

Manual de Ecodesign InEDIC. Ferramenta 1: Identificação dos fatores de motivação para o ecodesign

Manual de Ecodesign InEDIC. Ferramenta 1: Identificação dos fatores de motivação para o ecodesign Manual de Ecodesign InEDIC Ferramenta 1: Identificação dos fatores de para o ecodesign De modo a identificar e avaliar as expetativas em torno do projeto de ecodesign e a sua importância para a empresa,

Leia mais

AS VENDAS E AS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS

AS VENDAS E AS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS AS VENDAS E AS PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS MARKETING Marketing é a parte do processo de produção e de troca que está relacionado com o fluxo de bens e serviços do produtor ao consumidor. É popularmente definida

Leia mais

Gestão de Acesso e Segurança

Gestão de Acesso e Segurança Gestão de Acesso e Segurança COM A SOLUÇÃO EM CLOUD, VOCÊ GARANTE SEGURANÇA, PERFORMANCE E DISPONIBILIDADE PARA O SEU NEGÓCIO. A Senior dispõe de todas as soluções em cloud, atuando na modalidade SaaS,

Leia mais

Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros

Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Transportes Rodoviários Pesados de Passageiros Que políticas para o Sector? Seminário Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Sumário O sector dos transportes Principais problemas do sector Conclusões

Leia mais

Como foi possível chegar a este ponto?

Como foi possível chegar a este ponto? Como foi possível chegar a este ponto? Como se explica que Portugal tenha que recorrer a um resgate financeiro, quando é membro de uma importante união económica e monetária? Terá sido um erro a adopção

Leia mais

Seminário de Transporte Ferroviário. Alargar Horizontes. 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios

Seminário de Transporte Ferroviário. Alargar Horizontes. 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios Seminário de Transporte Ferroviário Alargar Horizontes 10º Ciclo de Seminários Transportes e Negócios 1.Funcionamento do Sector 2.Portugal na Península Ibérica 3.Novo Paradigma 4.Objectivos CP Carga 5.Materialização

Leia mais

O acesso à informação é feito através da internet, utilizando um web browser. Não é portanto necessário instalar nenhum software na empresa.

O acesso à informação é feito através da internet, utilizando um web browser. Não é portanto necessário instalar nenhum software na empresa. O que é o Frotcom? O Frotcom é uma solução de localização e controlo de frotas baseada em tecnologia de localização por GPS e em telecomunicações GPRS. O Frotcom permite-lhe controlar a frota de forma

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER DE DISTRIBUIÇÃO / LOGÍSTICA / TRANSPORTES PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS

Leia mais

Grandes orientações. Âncora no Sector da Pesca, contribuindo de forma determinante para a sua inovação, crescimento e garantia da

Grandes orientações. Âncora no Sector da Pesca, contribuindo de forma determinante para a sua inovação, crescimento e garantia da A Empresa Tem a seu cargo no continente português, o serviço público da prestação de serviços de Primeira Venda de Pescado, bem como o apoio ao Sector da Pesca e respectivos portos. Missão Com as suas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL Porquê Certificar?

RESPONSABILIDADE SOCIAL Porquê Certificar? RESPONSABILIDADE SOCIAL Porquê Certificar? Workshop BVQI 18/05/2006 Teresa Manso Quality Development Coord. California Transporte Expresso Internacional (aéreo) Uma nova imagem Uma nova dimensão Uma Companhia

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 É NECESSÁRIO Atender às necessidades efetivas dos clientes com presteza e correção, porque nossos consumidores merecem tratamento de qualidade. Fornecer as soluções mais adequadas aos clientes

Leia mais

AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações

AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações AS PERDAS DE ENERGIA NOS EDIFÍCIOS SERVIDOS PELA Rede Urbana de Frio e Calor do Parque das Nações 1. O que são e onde ocorrem as perdas de energia? O serviço prestado pela Climaespaço consiste no fornecimento

Leia mais

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados.

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados. O FEI que investe em Produtos Estruturados. UMA NOVA FORMA DE INVESTIR O BPI Alpha é o primeiro Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPI e tem como objectivo principal dar aos clientes o acesso a uma

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais