CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH"

Transcrição

1 AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo e não como centros de geração de valor - Recursos Humanos não são medidos ( os actuais sistemas de avaliação não retratam o real valor dos activos intangíveis de uma organização) 1

2 Contexto evolutivo da GRH Contexto evolutivo da GRH 2

3 A gestão dos RH deve fazer parte da gestão estratégica da empresa Análise Identificação de oportunidades e riscos: Análise macro dos mercados Análise micro do mercado Identificação dos recursos necessários: Análise organizacional Avaliação dos recursos Formulação estratégica: o Quê, para Quem, Como, com Quem Missão, Visão, Valores, Políticas Metas e Objectivos Controlo GESTÃO ESTRATÉGICA Planeamento Cultura Organizacional Avaliação Implementação estratégica: (Planeamento operacional) Definição da estrutura organizacional Definição de processos de trabalho Definição do marketing Definição de sistemas de gestão (+ SGRH) Definição sistemas controlo/avaliação Execução GESTÃO OPERACIONAL Implementação operacional: Investigação e desenvolvimento. Marketing. Compras. Produção. Vendas e distribuição. Financeira. Gestão administrativo e de Recursos Humanos 3

4 Porquê gerir os Recursos Humanos de uma forma sistemática (normalizada)? 1ª norma GRH NP 4427 A CT 152 foi criada pelo IPQ, por sugestão da Gestão Total e faz, actualmente, parte do ONS-APAV 4

5 O conceito por trás da norma Três funções da gestão dos RH atrair desenvolver pessoas manter 5

6 Conceito processual DEFINIÇÃO ESTRATÉGICA E PLANEAMENTO CARACTERIZAÇÃO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DEFINIÇÃO DE COMPETÊNCIAS REVISÃO PELA GESTÃO RECRUTAMENTO E SELECÇÃO RESULTADOS DO DESEMPENHO DO SISTEMA ADMISSÃO, ACOLHIMENTO E INTEGRAÇÃO DESENVOLVIMENTO Conceito processual Requisitos do sistema 6

7 Estrutura da norma NP 4427 compatível com ISO 9001:2000 MODELO DO SGQ- NP EN ISO 9001:2000 Sistema de Gestão da Qualidade Melhoria contínua nua C l i e n t e R e q u I s I t o s Gestão dos Recursos (6.1 a 6.4) Input Responsabilida de da Gestão (5.1 a 5.6) Realização do produto (e/ou serviço) (7.1 a 7.6) Medição, Análise e Melhoria (8.1 a 8.5) Output Produto Serviço S a t I s f a ç ã o C l i e n t e 7

8 MODELO DO SGRH- NP 4427 Sistema de Gestão de RH Melhoria contínua nua C O L A B O R A D O R E S R e q u I s I t o s Planeamento (6.1 a 6..6) Input Responsabilidade da Gestão (5.1 a 5.4) Gestão Recursos Humanos (7.1 a 7.7) Medição, Análise e Melhoria (8.1 a 8.4) Output S a t I s f a ç ã o C O L A B O R A D O R E S O triângulo que se transforma em quadrado Qualidade Ambiente Segurança Recursos Humanos 8

9 Estrutura da norma NP 4427 Preâmbulo Introdução 1 Objectivos e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de recursos humanos 5 Responsabilidade da gestão 6 Planeamento 7 Gestão de recursos humanos 8 Medição, análise e melhoria 4 grandes áreas da norma GRH 5- Responsabilidade da gestão 6- Planeamento 7- Gestão dos Recursos Humanos 8- Medição, análise e melhoria 9

10 Responsabilidade da Gestão - Compromisso da gestão - Política de recursos humanos - Responsabilidade, autoridade e comunicação - Revisão pela gestão Planeamento - Planeamento dos recursos humanos - Caracterização da estrutura organizacional - Objectivos - Requisitos legais e outros - Compensações - Sanções 10

11 Gestão de Recursos Humanos - Gestão administrativa - Recrutamento e selecção de RH - Admissão - Acolhimento e integração - Comportamentos -Desenvolvimento (Formação, reconhecimento de competências e Carreiras) - Aquisição de bens e serviços Medição, Análise e Melhoria - Medição (Avaliação satisfação, desempenho e auditorias) - Controlo de práticas não conformes - Análise dos dados - Melhorias (acções correctivas e preventivas) 11

12 Documentação requerida pela norma NP 4427 Manual de RH 5+6 (+1) procedimentos documentados 12 Registos Procedimentos requeridos pela norma NP Compensações - Sanções - Recrutamento e Selecção - Admissão - Comportamentos - Controlo dos Documentos - Controlo dos Registos - Auditorias Internas - Acções Correctivas - Acções Preventivas - Formação - Carreiras (quando previsto) 12

13 Registos requeridos pela norma NP Revisão do SGRH (5.4) - Registos dos dados pessoais ( 7.1 -a) - Registos de actividades da gestão de RH ( 7.1-B) - Formação ( 7.6.1) - Reconhecimento de Competências ( 7.6.2) - Avaliação de Fornecedores ( 7.7) - Avaliação Desempenho (8.1.1) - Avaliação satisfação interna (8.1.2) - Relatórios de auditorias internas (8.1.3) - Registos de práticas não conformes (8.2) - Resultados de acções correctivas (8.4.2) - Resultados de acções preventivas ( 8.4.3) A IMPLEMENTAÇÃO DO SGRH POR ONDE COMEÇAR? 13

14 FASES DA IMPLEMENTAÇÃO DO SGRH DIAGNÓSTICO DEFINIÇÃO DO SGRH FORMAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DO SGRH AUDITORIA INTERNA AUDITORIA CONCESSÃO A norma de GRH não é um estilo de gestão, mas sim um conjunto de princípios pios que poderão ajudar as empresas, principalmente aquelas que não possuem competências na gestão dos RH, a atrair, desenvolver e manter os melhores profissionais e, com isso, tornarem-se mais competitivas. 14

15 DAR + VALOR ÀS PESSOAS Um projecto para humanizar as organizações O PROJECTO - Desenvolver competências na área da gestão de RH nas organizações - Implementar boas práticas de gestão de RH nas organizações - Adoptar princípios metodológicos e boas práticas decorrentes de experiências adquiridas - Seguir um referencial comum, a norma NP 4427 Sistemas de Gestão de Recursos Humanos Requisitos - Melhorar o desempenho das pessoas e das organizações 15

16 A EXPERIÊNCIA O QUE É? -O projecto Valor-In contribuiu para a implementação de sistemas de gestão de RH em seis empresas - Dessa experiência saiu um guia metodológico e de boas práticas para implementação de Sistemas de Gestão de Recursos Humanos segundo a norma NP O guia é um dos dois produtos resultantes do projecto Valor - In. GUIA DAR + VALOR ÀS PESSOAS QUAIS OS SEUS OBJECTIVOS? - Traduzir a experiência de implementação de um Sistemas de Gestão de Recursos Humanos de acordo com a norma NP 4427 em cada uma das organizações beneficiárias do projecto Valor - In. - Servir como referência para outras organizações que no futuro pretendam implementar Sistemas de Gestão de Recursos Humanos segundo a NP Facilitar o processo de implementação da NP 4427 noutras entidades não beneficiárias do projecto. 16

17 GUIA DAR + VALOR ÀS PESSOAS O QUE SE PRETENDE TRANSMITIR? - Interpretação da parceria do projecto Valor - In relativamente à norma, tendo em conta os requisitos especificados em cada uma das suas cláusulas normativas. - Difundir a experiência de implementação da norma nas seis organizações beneficiárias do projecto Valor - In. GUIA DAR + VALOR ÀS PESSOAS COMO FOI CONSTRUÍDO? - Relatando de uma forma simples e objectiva o modo como cada uma das cláusulas normativas da NP 4427 foi sendo implementada, bem como as dificuldades encontradas e as formas adoptadas para as superar. - Recolha de informações relevantes através de reuniões de acompanhamento ao longo do projecto com todos os intervenientes directos (parceiros e beneficiários). 17

18 GUIA DAR + VALOR ÀS PESSOAS COMO ESTÁ ESTRUTURADO? - Introdução Feita uma abordagem global ao projecto Valor - In e aos normativos NP 4427 e Investors in People, que estão subjacentes ao projecto. 1- O guia metodológico e de boas práticas Explicitados os objectivos e a estrutura do guia metodológico e de boas práticas. 2- O projecto Valor- In Explicado o desenvolvimento do projecto Valor- In (objectivos traçados, entidades financiadoras, executoras e beneficiárias, descrição das fases e produtos criados). GUIA DAR + VALOR ÀS PESSOAS COMO ESTÁ ESTRUTURADO? 3- Implementação Sistemas Gestão Recursos Humanos segundo a NP 4427 Abordagem ao processo de implementação de Sistemas de Gestão de Recursos Humanos segundo a NP 4427 nas seis organizações beneficiárias do projecto (Incluindo a interpretação de cada uma das cláusulas normativas e a narrativa da sua implementação) Enquadramento geral da norma Abordagem à norma NP 4427 e aos Sistemas de Gestão de Recursos Humanos, segundo este referencial normativo Interpretação das cláusulas normativas da NP 4427 Interpretação de cada uma das cláusulas normativas da norma NP

19 GUIA DAR + VALOR ÀS PESSOAS COMO ESTÁ ESTRUTURADO? 3.3. Narrativa de implementação da norma NP 4427 nos beneficiários Abordagem à forma de implementação das cláusulas normativas nas seis organizações beneficiárias do projecto Exemplos de aplicação criados durante o projecto Apresentados alguns instrumentos que foram criados durante a implementação da norma NP 4427 nas seis organizações beneficiárias Instrumentos de apoio ao processo Apresentação de instrumentos utilizados durante o diagnóstico, planeamento e execução da implementação da norma NP 4427 nas organizações beneficiárias. GUIA DAR + VALOR ÀS PESSOAS COMO ESTÁ ESTRUTURADO? Conclusões Balanço global do projecto Valor - In (pontos fortes, resultados obtidos dificuldades encontradas durante a sua execução) Glossário Termos e respectivas definições utilizados ao longo do guia : - relacionados com o projecto; - relacionados com Sistemas de Gestão de Recursos Humanos. Equipa técnica Identificados os elementos da equipa do projecto Valor - In e respectivas funções. Bibliografia De suporte à elaboração do guia metodológico e de boas práticas (publicações, normas e legislação nacional, sites de interesse). 19

20 O PROJECTO Do que consta? Formação em sala (16 horas) Um participante por empresa, relacionado com a direcção e/ou gestão dos RH Conteúdo da formação Formação teórica e prática simulada : - conteúdo da norma e sua interpretação; - adaptação da organização à norma Diagnóstico da organização e definição de objectivos para projectos individuais Implementação Plano de acção para cada organização elaborado pela equipa técnica Reunião de trabalho para apresentação e discussão do plano de acção Apoio Apoio à distância por equipa técnica Troca e disseminação de experiências em fórum (comunidade de conhecimento) Porquê participar? O PROJECTO Obrigações para as organizações participantes Participar na formação e adoptar práticas de gestão de RH Custo para as organizações Nenhum, para além das próprias deslocações à formação Benefícios para as organizações Formação certificada para um dos seus quadros Apoio técnico especializado Aquisição de competências Melhoria dos seus processo de gestão de RH 20

21 O PROJECTO Quem pode participar? Qualquer organização Desde que assuma vir a integrar boas práticas na sua gestão de RH Limite de inscrições 100 organizações em todo o projecto Inscrição por preenchimento de formulário Selecção Em função da capacidade demonstrada no formulário para adoptar boas práticas de gestão de RH OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO 21

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização NP 4469-1 Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização Sonia Pires APEE soniapires@apee.pt Relação com a ISO 26000 Segue o mesmo espírito:

Leia mais

Especialização em Gestão da Qualidade. Coimbra Porto

Especialização em Gestão da Qualidade. Coimbra Porto Especialização em Gestão da Qualidade Coimbra Porto Especialização em Gestão da Qualidade ESPECIALIZAÇÃO Gestão da Qualidade 100 horas (NOTA: com base no Catálogo Nacional de Qualificações) Coordenação

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

Factores-chave para a Gestão da Inovação

Factores-chave para a Gestão da Inovação Factores-chave para a Gestão da Inovação Uma proposta João M. Alves da Cunha CCDR Alg, Maio de 009 Introdução O Innovation Scoring enquanto instrumento de apoio à gestão da Inovação SG IDI Sistema de Gestão

Leia mais

Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C)

Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C) Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C) www.sinase.pt Márcio Rodrigues 29 de Maio de 2010 ÁREAS DE INTERVENÇÃO Áreas de Intervenção Qualidade, Ambiente,

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar horas - Porto

Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar horas - Porto Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar - 100 horas - Porto Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar ESPECIALIZAÇÃO Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 01.12.2015 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio)

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE DE ACORDO COM OS REFERENCIAIS NORMATIVOS

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO Enquadramento: O ambiente no qual hoje actuam as empresas mudou radicalmente: imprevisibilidade, turbulência, mudança, rapidez,..., são constantes do processo de decisão. Num mundo

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar. Jorge Silva, 27 de Março de 2008

Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar. Jorge Silva, 27 de Março de 2008 Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar Jorge Silva, 27 de Março de 2008 AGENDA NP EN ISO 22000:2005 Sistemas de Gestão Segurança Alimentar ERS3002 Qualidade e Segurança

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ESTRATEGOR

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ESTRATEGOR 2017 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ESTRATEGOR Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Sistema de Gestão da Responsabilidade Social Auditorias

Leia mais

Developing your business through qualified people and efficient operations

Developing your business through qualified people and efficient operations Developing your business through qualified people and efficient operations Apresentação actualizada em 20Mar08 e mail@vnetg.com t +351 305525530 f +351 305525559 w www.vnetg.com quem somos A ValueNetworks

Leia mais

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC http://www.brc.org.uk/standards Luísa Pestana Bastos 1 Referencial Global para a Segurança Alimentar 2 OBJECTIVO Desenvolvido para ajudar as empresas a cumprir

Leia mais

Six Sigma / Lean Six Sigma

Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Yellow Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Green Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Black Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Master Black Belt 1 Qualificações

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

Exame de Saúde do Trabalho

Exame de Saúde do Trabalho Exame de Saúde do Trabalho Rui Miguel Colégio da Especialidade de Medicina do Trabalho Ordem dos Médicos 1 Sumário 1. Preambulo 2. Enquadramento da SST 3. Exame de saúde do trabalho 3.1. Objecto e objectivo

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015

QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 QUADRO COMPARATIVO: ISO 14001:2004 X ISO 14001:2015 ISO 14001:2004 ISO 14001:2015 Introdução Introdução 1.Escopo 1.Escopo 2.Referências normativas 2.Refências normativas 3.Termos e definições 3.Termos

Leia mais

O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO SEGUNDO A NP EN ISO 22000:2005 NA APCER SEMINÁRIO: CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR. A NORMA NP EN ISO 22000

O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO SEGUNDO A NP EN ISO 22000:2005 NA APCER SEMINÁRIO: CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR. A NORMA NP EN ISO 22000 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO SEGUNDO A NP EN ISO 22000:2005 NA APCER SEMINÁRIO: CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR. A NORMA NP EN ISO 22000 19 Maio 2006 Andreia Magalhães www.apcer.pt Agenda

Leia mais

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral Ministério da Economia e da Inovação DIPLOMAS Decreto-Lei nº 186/2003 de 20 de Agosto Ministério da Economia Decreto-Lei nº 8/2005 de 6 de Janeiro Ministério das Actividades Económicas e do Trabalho Decreto-Lei

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

As Tendências da Certificação

As Tendências da Certificação As Tendências da Certificação Seminário APCER - 2009 Apresentar o Sistema de Gestão da Qualidade e a Certificação do Produto Betão, dando a conhecer as Especificidades inerentes ao Sector da Construção

Leia mais

Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional

Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional O módulo de Estrutura e Comunicação Organizacional (ECO), leccionado pelo formador Carlos Pedro Alves Guedes, com total de cinquenta horas. Nesta UFCD abordamos

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa

Universidade Técnica de Lisboa Anexo 1 Inquérito por questionário aplicado às Directoras Técnicas dos organismos de apoio social do concelho de Caldas da Rainha INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS Universidade Técnica

Leia mais

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO... 4 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais

Universidade de Aveiro 2010/02/05

Universidade de Aveiro 2010/02/05 Universidade de Aveiro 2010/02/05 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DA QUALIDADE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a da Qualidade Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ENQUADRAMENTO NA ORGANIZAÇÃO/EMPRESA OBJECTIVO

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Introdução O guia metodológico e de boas práticas O projecto Valor-In 15

Introdução O guia metodológico e de boas práticas O projecto Valor-In 15 FICHA TÉCNICA Título: Dar+ Valor às Pessoas Edição: Projecto Valor-In / Equal Redacção/Produção de conteúdos: Jorge Gameiro Design/Paginação: António João Policarpo/mail@policarpodesign.com Data de Edição:

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança

Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança Sistemas Integrados de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança Um SIG-QAS é um sistema global de uma organização, que inclui práticas, processos e recursos para desenvolvimento e implementação do seu

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade MSGI-02

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade MSGI-02 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice Manual do Sistema de Gestão da Qualidade SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE... 4 2.1 OBJETIVO

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor)

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Outubro 2006 Direcção Comercial e Gestão de Clientes www.apcer.pt Gonçalo Pires Índice: Certificação de S.G.: Qualidade (NP EN ISO 9001:2000); Ambiente (NP EN

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES Porto Coimbra Viseu Aveiro

Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES Porto Coimbra Viseu Aveiro Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES 2017 Porto Coimbra Viseu Aveiro Especialização Gestão de Recursos Humanos ESPECIALIZAÇÃO Gestão de Recursos Humanos - 100 horas (NOTA: com base no Catálogo

Leia mais

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Norma Portuguesa NP 4457 Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Gestion de la Recherche, Développement et Innovation (RDI) Exigences du système

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TÓPICOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TÓPICOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular TÓPICOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão de Recursos

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008

por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 por uma administração pública de qualidade lisboa, 07.maio.2008 biblioteca municipal de santa maria da feira: certificação: a qualidade ao serviço dos utilizadores Etelvina Araújo, Rui Campos, Tânia Gonçalves

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis.

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. por DO DESENVOLVIMENTO DO À SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2004/2005 4.3 - PLANEAMENTO 4.3.1 - Aspectos Ambientais 4.3.2 - Requisitos Legais por e Outros Requisitos 4.3.3 - Objectivos e metas 4.3.4 - Programa

Leia mais

Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES Porto Coimbra Viseu Aveiro

Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES Porto Coimbra Viseu Aveiro Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES 2017 Porto Coimbra Viseu Aveiro Especialização Gestão de Recursos Humanos ESPECIALIZAÇÃO Gestão de Recursos Humanos 100 horas (NOTA: com base no Catálogo

Leia mais

Terminologia. Comissão Técnica 169. Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação

Terminologia. Comissão Técnica 169. Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação Comissão Técnica 169 Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação INTRODUÇÃO A Comissão Técnica 169 foi criada em 2007 pelo Organismo de Normalização Nacional (IPQ) no âmbito da Iniciativa "Desenvolvimento

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996

PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996 PISTAS PARA IMPLEMENTAR ISO 14001:1996 A NORMA NP EN ISO 14001 REVISÃO PELA DIRECÇÃO E MELHORIA PLANEAMENTO COMPROMETIMENTO/ POLÍTICA ACOMPANHAMENTO E MEDIÇÃO IMPLEMENTAÇÃO 1 ISO 14001 4.1 - REQUISITOS

Leia mais

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO 1 2 3 4 O contexto incentea DESAFIOS DO NEGÓCIO Um Sistema Integrado ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA A Segurança de Informação SUSTENTAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria;

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria; Página 1 de 9 AUDITORIAS DA QUALIDADE ETAPA 1. Objetivo geral: Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Desempenho esperado: Estabelecer programa anual de auditorias; Elaborar agenda

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

Política de Recursos Humanos

Política de Recursos Humanos Razão de ser: Objectivos: Princípios Esta política define os princípios orientadores da Direcção de Recursos Humanos (DRH), assim como a actuação com as diversas áreas no âmbito da estratégia global definida

Leia mais

Ferramenta SG IDI para o STV

Ferramenta SG IDI para o STV para o STV 31 de maio de 2012 Assunção Mesquita amesquita@citeve.pt para o STV SG IDI o que são? Sua importância no STV Estrutura da ferramenta SG IDI o que são? para o STV Estruturas empresariais alinhadas

Leia mais

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem

ISQC1 Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1. Encontro na Ordem Norma Internacional sobre Controlo de Qualidade 1 Encontro na Ordem 1 Aspectos a Abordar 1. Entrada em Vigor 2. Objectivos do ISQC1 3. Elementos do Sistema de Controlo de Qualidade 4. Aspectos Práticos

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

Sistema de reconhecimento da qualidade do serviço das pequenas e médias empresas do comércio e serviços

Sistema de reconhecimento da qualidade do serviço das pequenas e médias empresas do comércio e serviços Projecto de Documento Normativo Português (pr DNP 4546) Sistema de reconhecimento da qualidade do serviço das pequenas e médias empresas do comércio e serviços IP, 12.01.2016 Instituto Português da ualidade

Leia mais

Unidade de Inserção na Vida Activa UNIVA. Unidade de Inserção na Vida Activa

Unidade de Inserção na Vida Activa UNIVA. Unidade de Inserção na Vida Activa Unidade de Inserção na Vida Activa TEN/PSI Elsa Casal 508 532 crm.univa@emfa.pt Objectivo da Sessão Informar e clarificar sobre o enquadramento legal, a finalidade, os destinatários e os procedimentos

Leia mais

E L A B O R A Ç Ã O D E U M P L A N O D E F O R M A Ç Ã O E G E S T Ã O D A F O R M A Ç Ã O

E L A B O R A Ç Ã O D E U M P L A N O D E F O R M A Ç Ã O E G E S T Ã O D A F O R M A Ç Ã O E L A B O R A Ç Ã O D E U M P L A N O D E F O R M A Ç Ã O E G E S T Ã O D A F O R M A Ç Ã O TÍTULO: ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE FORMAÇÃO E GESTÃO DA FORMAÇÃO AUTOR: SANDRA TANGANHO COLECÇÃO DFP / COMPETÊNCIAS

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição)

CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição) CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição) A necessidade de renovar as práticas e as metodologias de intervenção social com vista a aumentar a eficácia e a eficiência do trabalho com os

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DE INQUÉRITOS VERSÃO 00 APROVADO A 24 de Maio 2012 CAPÍTULO I Disposições Gerais... 3 CAPÍTULO II...

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DE INQUÉRITOS VERSÃO 00 APROVADO A 24 de Maio 2012 CAPÍTULO I Disposições Gerais... 3 CAPÍTULO II... Regulamento para elaboração e aplicação de inquéritos no IST Maio 2012 Índice geral CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 CAPÍTULO II... 4 Dos Inquéritos... 4 CAPÍTULO III... 6 Transparência e confidencialidade

Leia mais

- COTEC GAPI II / UATEC

- COTEC GAPI II / UATEC Sessão de Sensibilização para a Inovação Inovar para Ganhar Gouveia Leal - COTEC GAPI II / UATEC - Novembro de 2009 A sua empresa na rota da Inovação 1. COTEC; Missão, Estratégia e Iniciativas 2. Por que

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP)

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) Grupo Estratégico de Recursos Humanos Cláudia Camelo Cristina Pimentão Pedro Cunha 2 ENQUADRAMENTO

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

O Kit da Produtividade componente de valorização da oferta nacional prevista no projecto promovido pela AEP designado Compro o que é Nosso"

O Kit da Produtividade componente de valorização da oferta nacional prevista no projecto promovido pela AEP designado Compro o que é Nosso A elaboração do Kit da Produtividade é uma iniciativa da AEP, em co-produção com o IAPMEI, visando o desenvolvimento de uma campanha de melhoria da competitividade das empresas portuguesas O Kit da Produtividade

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas e de organizações

Desenvolvimento de pessoas e de organizações Desenvolvimento de pessoas e de organizações www.profsaravalli.com GESTÃO DE CONCEITOS E NOMENCLATURAS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL A Gestão de Pessoas (GP) é responsável por um conjunto de políticas e práticas

Leia mais

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Gestão da Qualidade Aula 09 Prof. Ms. Claudemir Claudino Alves Principios da Qualidade: I. Foco no Cliente; II. Liderança; III. Engajamento das pessoas; IV. Abordagem por

Leia mais

ISO Sistemas de Gestão de Energia. Workshop O novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios e os SGE ISO de maio de 2014

ISO Sistemas de Gestão de Energia. Workshop O novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios e os SGE ISO de maio de 2014 Workshop O novo Sistema de Certificação Energética de Edifícios e os SGE ISO 50001 29 de maio de 2014 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Guimarães LISTA DE ATIVIDADES PAG (SIMPLIFICADO AGRUPADO POR ÁREA) ANO - 2016 ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE GUIMARÃES Política Ambiental Tipo de Atividade: Atividades de Animação Atividade: Atividades

Leia mais

AULA 02 Qualidade em TI

AULA 02 Qualidade em TI Bacharelado em Sistema de Informação Qualidade em TI Prof. Aderson Castro, Me. AULA 02 Qualidade em TI Prof. Adm. Aderson Castro, Me. Contatos: adersoneto@yahoo.com.br 1 Qualidade de Processo A Série ISO

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2016 FEDERAÇÃO DE DOENÇAS RARAS DE PORTUGAL INTRODUÇÃO 2/8 Objectivos Estratégicos A FEDRA definiu para o ano de 2016, no Plano de Actividades que foi apresentado aos sócios, três

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Fundamentos de Gestão

Fundamentos de Gestão Fundamentos de Gestão Recursos Humanos LCI FEUP/FLUP 2009/10 Rui Padrão Gestão de RH Gestão de RH visa: Levar as pessoas a dar o seu melhor contributo para que os objectivos da organização se atinjam,

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

CADASTRO DE CURSO. Conteúdo Programático Capítulos Conteúdo / Especificações Horas 01 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 68. 01.1 Gestão da Qualidade 4

CADASTRO DE CURSO. Conteúdo Programático Capítulos Conteúdo / Especificações Horas 01 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 68. 01.1 Gestão da Qualidade 4 PÁGINA: 1 6 Destinatários Objectivos Gerais Duração Total (h) Quadros médios e superiores empresas e organizações. Licenciados ou bacharéis que exerçam, ou pretenm vir a exercer, actividas na implementação,

Leia mais

Ficha de Curso SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR DESIGNAÇÃO DURAÇÃO. Percurso de 75 Horas DESTINATÁRIOS

Ficha de Curso SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR DESIGNAÇÃO DURAÇÃO. Percurso de 75 Horas DESTINATÁRIOS DESIGNAÇÃO SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR DURAÇÃO Percurso de 75 Horas DESTINATÁRIOS Activos empregados, com idade igual ou superior a 18 anos, detentores de, pelo menos, o 9.º ano de escolaridade e que

Leia mais

Especialização em Técnicas de Vendas horas - Porto

Especialização em Técnicas de Vendas horas - Porto Especialização em Técnicas de Vendas - 100 horas - Porto Técnicas de Vendas ESPECIALIZAÇÃO Técnicas de Vendas 100 horas (NOTA: com base no Catálogo Nacional de Qualificações) Coordenação Pedagógica Rui

Leia mais

Artigo 1º Do Objecto

Artigo 1º Do Objecto ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI Normas Regulamentares das Unidades Curriculares que integram a Profissional (IPP) da Licenciatura em Educação Básica Preâmbulo As alterações legislativas

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 25-09-2012; 26-09-2012 Organização Câmara Municipal de Valongo Morada Sede Av. 5 de Outubro, nº 160 4440-503 Valongo Representante da Organização Engª Alexandra Ribeiro

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

DOMÍNIO DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOMÍNIO DE GESTÃO DA QUALIDADE DOMÍNIO DE GESTÃO DA QUALIDADE Nível de Formação III (UE) Gestão da Qualidade 1 FICHA TÉCNICA Edição: Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) Título: Domínio de Qualidade Gestão da Qualidade,

Leia mais

Orientações para a gestão de documentos de arquivo no contexto de uma reestruturação da ACE. Pedro Penteado

Orientações para a gestão de documentos de arquivo no contexto de uma reestruturação da ACE. Pedro Penteado Orientações para a gestão de documentos de arquivo no contexto de uma reestruturação da ACE Pedro Penteado Sumário 1 A Reestruturação da AP 2 As "Orientações..." 3 O Relatório do Workshop 1 A Reestruturação

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Ana Maria Duarte 1, Claudia Silva

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação Código da Operação Projeto Nº.: Norte-02-0853-FEDER-000891 Designação do Projeto Projetos Individuais

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Gestão das Relações de Subcontratação Caso prático da CIMPOR - Indústria de Cimentos, S.A. Cristina Bispo 18/11/2010 1

Gestão das Relações de Subcontratação Caso prático da CIMPOR - Indústria de Cimentos, S.A. Cristina Bispo 18/11/2010 1 Gestão das Relações de Subcontratação Caso prático da CIMPOR - Indústria de Cimentos, S.A. Cristina Bispo 18/11/2010 1 TÓPICOS APRESENTAÇÃO DA CIMPOR INDÚSTRIA COMPROMISSO COM A SEGURANÇA RECOMENDAÇÕES

Leia mais

TREINO. Transmissão de informações

TREINO. Transmissão de informações Treino nas Organizações Recrutamento e Selecção As quatro classes de mudança do comportamento Transmissão de informações Aumentar o conhecimento das pessoas Informação sobre a organização, seus produtos

Leia mais

Centro Novas Oportunidades. Santa Casa da Misericórdia. de Lisboa. 1º Congresso de Auto-avaliação de Organizações de Educação e Formação

Centro Novas Oportunidades. Santa Casa da Misericórdia. de Lisboa. 1º Congresso de Auto-avaliação de Organizações de Educação e Formação Centro Novas Oportunidades Santa Casa da Misericórdia de Lisboa 1º Congresso de Auto-avaliação de Organizações de Educação e Formação 9 e 10 de Maio de 2011 - Universidade Católica Portuguesa - Lisboa

Leia mais

MANUAL DE FORMAÇÃO DEDICADO A:

MANUAL DE FORMAÇÃO DEDICADO A: 02-12-2010 MANUAL DE FORMAÇÃO DEDICADO A: Janeiro e Fevereiro 2012 geral@qualiwork.pt www.qualiwork.pt 1 de 13 Índice MANUAL DE FORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1. APRESENTAÇÃO DO MANUAL DE FORMAÇÃO

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais