JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008"

Transcrição

1 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

2 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL

3 IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e Fundos de Desenvolvimento Urbano podem assumir diversas formas jurídicas, no quadro das possibilidades oferecidas pelos diversos ordenamentos jurídicos Cabe à Autoridade de Gestão (AG) escolher as formas que melhor se adaptem às suas necessidades INDEPENDÊNCIA: se o fundo não for um património autónomo constituído no seio de uma instituição financeira tem que ser uma entidade jurídica independente DISPOSIÇÃO DOS FUNDOS: independência da entidade gestora ou do património e natureza dos fundos (estruturais) não podem criar incerteza jurídica sobre o poder de dispor dos fundos afectos à iniciativa JESSICA

4 FLEXIBILIDADE LIMITES DA FLEXIBILIDADE: Possibilidades oferecidas pelo ordenamento jurídico do Estadomembro; Idealmente, pelo menos as formas jurídicas dos Fundos de Desenvolvimento Urbano (FDU) devem permitir a participação do sector privado OBJECTIVO DO EXERCÍCIO DE ENGENHARIA JURÍDICA E FINANCEIRA: encontrar as melhores formas e estruturas jurídicas que permitam maximizar a flexibilidade da estrutura MAXIMIZAR A FLEXIBILIDADE: estrutura deve permitir que todo o tipo de fluxos financeiros (por exemplo, empréstimos, garantias, participações no capital, etc.) sejam possíveis para viabilizar os projectos de reabilitação ou de regeneração urbana

5 FORMAS JURÍDICAS POSSÍVEIS Fundo Holding FDU Pessoa Colectiva de Direito Público Pessoa Colectiva de Direito Privado (Sociedade Anónima) Património autónomo (BEI) Sociedade Comercial (Sociedade Anónima) Sociedade/Fundo de Capital de Risco Fundo de Investimento Imobiliário (FIM) Pessoa Colectiva de Direito Público

6 EXAME PRELIMINAR DAS FORMAS ENUNCIADAS FUNDO HOLDING: Principal característica é a independência (imposta pela legislação comunitária); Todas as formas enunciadas permitem obter a independência requerida; Independência pode, no entanto, ser mais difícil de justificar e provar nalgumas formas jurídicas que noutras (por exemplo, o património autónomo constituído no BEI é reconhecido, à partida, como forma jurídica que garante a independência, nos termos da legislação comunitária) Recorda-se que estrutura financeira pode dispensar este fundo: podemos ter apenas FDU FUNDO DE DESENVOLVIMENTO URBANO: é possível constituir pessoas colectivas de direito público, mas, tendo em conta que um dos objectivos do exercício é associar capital público e privado, apenas analisaremos as formas que permitam esta associação ou parceria

7 SOCIEDADES FUNDOS DE INVESTIMENTO SOCIEDADES/FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO OBJECTO: Investir e adquirir participações em sociedades com potencial elevado de crescimento e valorização, como forma de contribuírem para o seu desenvolvimento e beneficiarem da respectiva valorização; SUPERVISÃO E REGISTO: CMVM NATUREZA DO INVESTIMENTO: Investimento temporário OPERAÇÕES ACTIVAS: FCR podem conceder crédito e prestar garantias (mas apenas às sociedades por eles participadas) SOCIEDADES/FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO OBJECTO: Adquirir imóveis (1) para arrendamento ou destinados a outra forma de exploração onerosa, (2) para revenda ou ainda (3) outros direitos sobre imóveis, tendo em vista a respectiva exploração económica. Os projectos de construção e reabilitação associados à sua actividade principal também podem ser desenvolvidos pelos FIM; SUPERVISÃO E REGISTO: CMVM OPERAÇÕES ACTIVAS: FIM não podem conceder crédito, nem prestar garantias

8 SOCIEDADES COMERCIAIS SOCIEDADES ANÓNIMAS OBJECTO: Grande flexibilidade OPERAÇÕES PASSIVAS: Capital, empréstimos e obrigações limites do Código das Sociedades Comerciais OPERAÇÕES ACTIVAS: Limitadas às sociedades financeiras (Banco de Portugal) SOCIEDADES DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL EMPRESAS QUE INTEGRAM O SECTOR EMPRESARIAL LOCAL: empresas municipais, intermunicipais e metropolitanas constituídas nos termos da lei comercial, nas quais os Municípios, Associações de Municípios e Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, respectivamente, possam exercer, de forma directa ou indirecta, uma influência dominante em virtude de alguma das seguintes circunstâncias: a) Detenção da maioria do capital ou dos direitos de voto; b) Direito de designar ou destituir a maioria dos membros do órgão de administração ou de fiscalização. FINALIDADE/ACTIVIDADE: estas empresas podem desenvolver actividades que se insiram no âmbito de atribuições das entidades instituidoras, designadamente: a) Promoção, manutenção e conservação de infra-estruturas urbanísticas e gestão urbana; b) Renovação e Reabilitação Urbana, de Centros Históricos e de Zonas Rurais; c) Promoção e Gestão de imóveis de habitação social; d) Qualificação e Formação Profissional; e) Desenvolvimento das valências locais e regionais; f) Construção e Gestão de equipamentos e bens educativos, culturais, de saúde, desportivos, recreativos e turísticos; g) Criação de estruturas e prestação de serviços de apoio a idosos, crianças ou cidadãos desfavorecidos.

9 INDEPENDÊNCIA E DISPOSIÇÃO DOS FUNDOS Independência não significa perda do domínio sobre a disposição dos fundos: Contrato de prestação de serviços com a entidade gestora dos fundos deve estar sujeito a orientações estabelecidas pela AG; Equivalente a uma gestão sob mandato; Fundos utilizados são reutilizáveis, porque são reembolsáveis, e caberá à AG decidir sobre essa reutilização

10 CONTEXTO PÚBLICO E REGULAMENTAR PORTUGUÊS PAPEL DESTACADO DE IHRU E SRU IHRU pode: Conceder apoio técnico a autarquias locais e a outras instituições Conceder comparticipações e empréstimos, com ou sem bonificações de juros, destinados a reabilitação e revitalização urbana Celebrar contratos de desenvolvimento ou contratos-programa para reabilitação e revitalização urbanas Participar em sociedades, fundos de investimento imobiliário, consórcios, parcerias ou outras formas de associação relativos à reabilitação urbana Conceder apoios e incentivos à execução de acções de reabilitação e revitalização urbanas Gerir operações e programas específicos de reabilitação e revitalização urbanas SRU podem ser encarregues da reabilitação urbana de zonas históricas e de áreas críticas de recuperação e de reconversão urbanística baseada nos seguintes princípios: Reabilitação deve ser prioritariamente levada a cabo pelos proprietários e demais titulares de direitos reais sobre imóveis; SRU devem apoiar os proprietários e, para o efeito, são-lhes atribuídos poderes de autoridade e de polícia administrativa (por ex. expropriação, licenciamento, fiscalização) SRU como instrumento coercivo de reabilitação urbana na zona de intervenção SRU como gestor da reabilitação

11 Papel do IHRU e das SRU DOIS ACTORES NUM PLANO E COM COMPETÊNCIAS DIFERENTES, MAS COMPLEMENTARES: IHRU E SRU IHRU: Pode facilitar os fluxos financeiros necessários à implementação de JESSICA; Poderia, no respeito pelas exigências do direito comunitário, gerir um Fundo Holding nacional SRU: Poderes de autoridade e de polícia administrativa facilitam implementação de projectos de reabilitação urbana em zonas de intervenção Não parece que se possam confundir qualidades de gestor da reabilitação e poderes justificados pelo interesse público com a lógica e exigências de funcionamento dos FDU

12 CONCLUSÕES Forma jurídica dos FDU e dos Fundo Holding deve ser escolhida (livremente pela AG) em obediência aos seguintes princípios: Respeitar limites impostos (independência) pelo direito comunitário; Maximizar fluxos financeiros disponibilizados aos projectos; Facilitar acesso aos mercados de capitais; Minimizar impacto financeiro na consolidação (défice) orçamental do sector público Facilitar participação de capital privado Distinguir claramente lógica comercial dos projectos com competências administrativas (papel claro dos diversos actores) Contexto público e regulamentar português no domínio da reabilitação e regeneração urbana facilita implementação JESSICA

13 POSSÍVEL MODELO FUNDO HOLDING (BEI/IHRU) Contrato programa IHRU Subscrição de unidades, comparticipação, empréstimo MUNICÍPIO ENTIDADES PRIVADAS SRU Contrato de Reabilitação Urbana FUNDO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Acção de Reabilitação Acção de Reabilitação

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA

APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA RJRU REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA AS NOVAS POLÍTICAS Reabilitar em vez de construir Reabilitar a área urbana em vez do edifício Diferenciar a responsabilidade

Leia mais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito 1 A presente lei regula as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias

Leia mais

«Régies Cooperativas»

«Régies Cooperativas» «Régies Cooperativas» DECRETO-LEI Nº 31/84 DE 21 DE JANEIRO (INSTITUI O REGIME DAS COOPERATIVAS DE INTERESSE PÚBLICO, VULGARMENTE DESIGNADAS «RÉGIES COOPERATIVAS») 1. O nº 4 do artigo 5º do Código Cooperativo,

Leia mais

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Anexo Único Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Artigo 1º - Definição Um GABIP é uma estrutura de iniciativa municipal,

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA O Futuro do Território Rural JOVENS EMPRESÁRIOS NO ESPAÇO RURAL Firmino Cordeiro Director-Geral da AJAP Organização: Apoio Institucional: AGRICULTURA NACIONAL - Agricultura profissional deve continuar

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ ano lectivo 2012/13 a nova oferta educativa da escola Cursos Profissionais.Preparação para a vida activa Contactos Escola Secundária Jaime Moniz Largo Jaime Moniz 9064-503

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO ARTIGO 1º Denominação É constituída, por tempo indeterminado, uma associação de direito privado sem fins lucrativos denominada, Associação Portuguesa de

Leia mais

REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES

REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES REGULAÇÃO E GOVERNO DAS SOCIEDADES Fernando Teixeira dos Santos PRESIDENTE DO CONSELHO DIRECTIVO, COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CMVM) 19-12-2014 INTRODUÇÃO O governo das sociedades designa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA PORTUCEL, S.A. Artigo 1º (Designação e Objecto) A Comissão Executiva é designada pelo Conselho de Administração e tem como objectivo deliberar sobre as matérias

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Regulamento Do Serviço Vamos até Si 2014. Regulamento do serviço Vamos Até Si 1 Regulamento do Serviço Vamos até Si Preâmbulo Vamos até si é um serviço

Leia mais

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário 17.Novembro.2015 1 Fundos de Capital de Risco 2 Fundos de Capital de Risco Características Natureza jurídica Tipologia de Investimentos

Leia mais

REGULAMENTO. A Sanofi e o Jornal de Negócios lançam a 4ª edição do Prémio Saúde Sustentável.

REGULAMENTO. A Sanofi e o Jornal de Negócios lançam a 4ª edição do Prémio Saúde Sustentável. REGULAMENTO 0. Preâmbulo A Sanofi e o Jornal de Negócios lançam a 4ª edição do Prémio Saúde Sustentável. O Prémio conta com a parceria da Accenture, responsável pelo desenvolvimento da metodologia de avaliação.

Leia mais

ESTATUTOS. (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º)

ESTATUTOS. (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º) ESTATUTOS (Nova redação dos artigos 9º, 10º, 11º, 12º e 16º) Artigo 1.º A Fundação D. Anna de Sommer Champalimaud e Dr. Carlos Montez Champalimaud (Fundação), criada por António de Sommer Champalimaud

Leia mais

Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI

Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI JESSICA KICK-OFF MEETING PORTUGAL Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI Mateu Turró, Director Associado Assessor especial JESSICA

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

JESSICA - Joint European Support

JESSICA - Joint European Support JESSICA - Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas KICK-OFF PORTUGAL Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 Virgílio Martins Unidade REGIO D3 Engenharia Financeira Direcção-Geral Porquê

Leia mais

Oportunidades na Cooperação. A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP

Oportunidades na Cooperação. A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP Oportunidades na Cooperação A União Europeia e a cooperação para o desenvolvimento nos países ACP Primeira empresa de consultoria em assuntos europeus com escritório em Bruxelas. - Public Affairs (Intelligence,

Leia mais

Projecto de Lei nº 208/X. Movimento Associativo das Comunidades Portuguesas residentes no estrangeiro. Preâmbulo

Projecto de Lei nº 208/X. Movimento Associativo das Comunidades Portuguesas residentes no estrangeiro. Preâmbulo Projecto de Lei nº 208/X Movimento Associativo das Comunidades Portuguesas residentes no estrangeiro Preâmbulo A importância das Comunidades Portuguesas enquanto vector estratégico para a projecção de

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis As metas ambientais fixadas pela União Europeia para 2020 (aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis em 20%), a recente legislação criada para o sector dos edifícios (RSCECE

Leia mais

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal Orçamento Rectificativo Lei n.º 20/2012, DE 14 DE MAIO No âmbito da iniciativa para o reforço da estabilidade financeira foi publicada, no passado dia 14 de Maio a Lei n.º 20/2012 (Lei 20/2012) que entrou

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

Direito da Economia. Programa

Direito da Economia. Programa Docente: Profa. Maria Eduarda Gonçalves e-mail: mebg2009@gmail.com mebg@iscte.pt Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2010/2011 Direito da Economia Programa 15 de

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 111/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 111/IX PROPOSTA DE LEI N.º 111/IX TRANSPÕE PARA A ORDEM JURÍDICA NACIONAL A DIRECTIVA 98/27/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 19 DE MAIO DE 1998, RELATIVA ÀS ACÇÕES INIBITÓRIAS EM MATÉRIA DE PROTECÇÃO

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

Enquadramento Jurídico de JESSICA: Aspectos Institucionais. José María Fernández Martín Lisboa, 18 Fevereiro 2008

Enquadramento Jurídico de JESSICA: Aspectos Institucionais. José María Fernández Martín Lisboa, 18 Fevereiro 2008 Enquadramento Jurídico de JESSICA: Aspectos Institucionais José María Fernández Martín Lisboa, 18 Fevereiro 2008 Enquadramento legislativo O enquadramento legislativo da iniciativa JESSICA é constituído

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:50737-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737

Leia mais

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal CAPÍTULO I Disposições Gerais (Artigo 1º) Definição O Departamento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...5 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...5 Artigo 2.º Princípios Gerais...5 Artigo 3.º Legalidade...5 Artigo 4.º

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

REGULAMENTO. A Sanofi e o Jornal de Negócios lançam a 6ª edição do Prémio Saúde Sustentável.

REGULAMENTO. A Sanofi e o Jornal de Negócios lançam a 6ª edição do Prémio Saúde Sustentável. REGULAMENTO 0. Preâmbulo A Sanofi e o Jornal de Negócios lançam a 6ª edição do Prémio Saúde Sustentável. O Prémio conta com a parceria da Accenture, responsável pelo desenvolvimento da metodologia de avaliação.

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR A preocupação com o aumento e as características dos múltiplos episódios de violência vividos na e pela comunidade escolar

Leia mais

Administradores não executivos Regime de responsabilidade

Administradores não executivos Regime de responsabilidade Administradores não executivos Regime de responsabilidade Pedro Rebelo de Sousa 17 de Novembro de 2011 1. Corporate Governance Corporate governance is the system by which companies are directed and controlled.

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A. ENTIDADE MUNICIPIO BAIAO MUNICÍPIO DE BAIÃO ANO 2016 PERÍODO 2016/01/01 A 2016/12/31 Pág. 1 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A. ENTIDADE MUNICIPIO BAIAO MUNICÍPIO DE BAIÃO ANO 2016 PERÍODO 2016/01/01 A 2016/12/31 Pág. 1 R E C E B I M E N T O S PERÍODO 2016/01/01 A 2016/12/31 Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 1.932.924,00 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 966.922,53 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 966.001,47 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

JESSICA. Uma nova forma de aplicar recursos da UE para promover o investimento e o crescimento sustentáveis nas zonas urbanas. O que é JESSICA?

JESSICA. Uma nova forma de aplicar recursos da UE para promover o investimento e o crescimento sustentáveis nas zonas urbanas. O que é JESSICA? Apoio Europeu Conjunto ao Investimento Sustentável em Zonas Urbanas Apoio Europeu Conjunto ao Investimento Sustentável em Zonas Urbanas JESSICA Uma nova forma de aplicar recursos da UE para promover o

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

ANO 2011 ENTIDADE MUNICIPIO DE FAF - MUNICIPIO DE FAFE PÁG. 1

ANO 2011 ENTIDADE MUNICIPIO DE FAF - MUNICIPIO DE FAFE PÁG. 1 2011 ENTIDADE MUNICIPIO DE FAF - MUNICIPIO DE FAFE PÁG. 1 CÓDIGO DESCRIÇÃO INICIO DO BRUTAS EMITIDOS PAGOS LIQUIDA FINAL DO DAS RECEITAS CORRENTES 24.884.735,00 75.968,04 25.221.143,08 576.877,56 24.675.187,28

Leia mais

Demonstração de Fluxos de Caixa Análise. Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial

Demonstração de Fluxos de Caixa Análise. Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial AULA 11 Demonstração de Fluxos de Caixa Análise Consolidação Relações entre empresas Consolidação integral Consolidação proporcional Equivalência patrimonial - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses. DL 242/2006 A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro,

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 342.505,09 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 291.458,83 Operações de Tesouraria 51.046,26 13.407.175,15 Receitas Correntes 7.217.689,82 01 Impostos

Leia mais

No que respeita à informação apresentada no presente Relatório Anual de Disciplina de Mercado, o Conselho de Administração da Fincor, declara:

No que respeita à informação apresentada no presente Relatório Anual de Disciplina de Mercado, o Conselho de Administração da Fincor, declara: Enquadramento Em cumprimento do Aviso 10/2010, do Banco de Portugal, pretende o presente documento prestar informação sobre a actividade da Fincor - Sociedade Corretora, S.A. ( Fincor ou Sociedade ) no

Leia mais

Mediação Intercultural no atendimento em Serviços Públicos. Convite à Apresentação de Propostas REGULAMENTO

Mediação Intercultural no atendimento em Serviços Públicos. Convite à Apresentação de Propostas REGULAMENTO Mediação Intercultural no atendimento em Serviços Públicos Convite à Apresentação de Propostas Participação em projecto-piloto conjunto coordenado pelo ACIDI, I.P. REGULAMENTO O presente convite surge

Leia mais

CARTA DE ÓBIDOS PACTO PARA A CRIATIVIDADE

CARTA DE ÓBIDOS PACTO PARA A CRIATIVIDADE CARTA DE ÓBIDOS PACTO PARA A CRIATIVIDADE Reuniram-se um conjunto de autarcas de Portugal, Espanha, Hungria, Roménia, Reino Unido e Itália no 1º Encontro de Autarcas para a Criatividade, que teve lugar

Leia mais

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS DL 495/88 1988-Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS SOCIEDADES HOLDING Artigo 1º (sociedades gestoras de participações sociais) 1 As sociedades gestoras de participações

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA. Jerónimo Martins SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO DA SOCIEDADE E DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA Jerónimo Martins SGPS, S.A. ARTIGO 1.º (Atribuições) 1. A Comissão de Governo da Sociedade e de Responsabilidade Corporativa

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Fim de Curso da Licenciatura

Regulamento do Trabalho de Fim de Curso da Licenciatura Regulamento do Trabalho de Fim de Curso da Licenciatura Versão aprovada em Conselho de Direcção 8 Junho de 2015 Documento Regulamento do Trabalho de Fim de Curso da Licenciatura Data 08/06/2015 Conselho

Leia mais

Decreto-Lei n.º 156/99, de 10 de Maio Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde

Decreto-Lei n.º 156/99, de 10 de Maio Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde Estabelece o regime dos sistemas locais de saúde Pelo Decreto-Lei n.º 11/93, de 15 de Janeiro, foi aprovado o Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, que veio estabelecer o conceito de unidades integradas

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

Sistema Nacional de Compras Públicas e Centrais de compras

Sistema Nacional de Compras Públicas e Centrais de compras 17 de Novembro de 2008 Sistema Nacional de Compras Públicas e Centrais de compras Gisela Xavier Martins Gisela.martins@mirandalawfirm.com SNCP e ANCP Decreto-Lei n.º 37/2007, de 19 de Fevereiro O Sistema

Leia mais

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE

ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE ANEXO QUESTIONÁRIO ÍNDICE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO 2 DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL A REMETER 2 ESTRUTURA DE GOVERNANCE 3 1. Estrutura Orgânica 3 2. Órgão de Administração (Conselho de administração/direcção)

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO MUSEU DACIÊNCIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Denominação e natureza A Fundação Museu da Ciência, adiante designada por Fundação, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014)

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo Primeiro A Fundação dos Lions de Portugal é uma

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira congresso LiderA, Lisboa 25/05/2011 Plataforma para a Construção Sustentável Visão e Missão OClusterHabitat? agregador em rede de actividades

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2011

RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2011 RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2011 1. INTRODUÇÃO A TEGEC Trancoso Eventos, Empresa Municipal de Gestão de Equipamentos Culturais e de Lazer, E.E.M. foi constituída em Abril de 2001, tendo sido criada

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO NORMAS DE FUNCIONAMENTO E CANDIDATURAS DO NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO 1 Município de Marvão NINHO DE EMPRESAS DE MARVÃO Considerando o acentuado decréscimo da actividade industrial, comercial, serviços

Leia mais

ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I

ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS Artigo 1.º até artigo 6.º da PARTE I INTRODUÇÃO 1. O Código dos Contratos Públicos, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29 de Janeiro e republicado

Leia mais

Protocolo de Parceria

Protocolo de Parceria Protocolo de Parceria O INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICAS (INE), órgão executivo central de produção e difusão das estatísticas oficiais no âmbito do Sistema Estatístico Nacional, sedeado Avenida Cidade

Leia mais

INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO

INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO ESTATUTOS (com as alterações aprovadas pelo Conselho Geral de 21 de Setembro de 1998) Artigo 1º Denominação É constituída uma associação sem fins lucrativos denominada Instituto

Leia mais

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Regulamento Concurso de Ideias para REGULAMENTO a Criação de Empresas EIBTnet 1 Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Artigo 1.º Promotor/Fins/Prazo 1. A NET - Novas Empresas e Tecnologias,

Leia mais

Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO

Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Regulamento Prémios SIL do Imobiliário 1/6 Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Considerandos A Entidade Promotora do presente Concurso é a Associação Industrial

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições)

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE CONTROLO DO GOVERNO SOCIETÁRIO PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. Artigo 1º (Atribuições) 1 - A Comissão de Controlo do Governo Societário (CCGS) é designada

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações políticas ao nível europeu 2016/S 114-202107

Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações políticas ao nível europeu 2016/S 114-202107 1 / 7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:202107-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho A empresarialização dos sistemas multimunicipais e municipais de captação, tratamento e distribuição de água para consumo

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02

NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02 NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02 Estatuto das organizações não governamentais das pessoas com deficiência Foi publicado, em Diário da República, o Decreto-Lei n.º 106/2013, de 30 de Julho, que define o estatuto

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

REGRAS DE EXECUÇÃO DA INICIATIVA NEOTEC. Artigo 1.º. Objecto

REGRAS DE EXECUÇÃO DA INICIATIVA NEOTEC. Artigo 1.º. Objecto REGRAS DE EXECUÇÃO DA INICIATIVA NEOTEC Artigo 1.º Objecto As presentes regras visam definir as condições de acesso e de atribuição de financiamento a projectos no âmbito da Iniciativa NEOTEC, através

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E FINS. ARTIGO 2º A sua acção exerce-se em todo o país, mas predominantemente na cidade de Lisboa, por tempo indeterminado.

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E FINS. ARTIGO 2º A sua acção exerce-se em todo o país, mas predominantemente na cidade de Lisboa, por tempo indeterminado. CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E FINS ARTIGO 1º A Fundação Maria Ulrich foi instituída por Maria Mayer Ulrich com o objectivo de desenvolver acções no âmbito da formação, da educação e cultura numa perspectiva

Leia mais

REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Aprovado na VII Reunião da Conferência de Ministros da Juventude e do Desporto da Comunidade

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE DESPORTO

CONSELHO SUPERIOR DE DESPORTO CONSELHO SUPERIOR DE DESPORTO Estabelece a natureza, a composição, as competências e o funcionamento do Conselho Superior de Desporto Decreto-Lei n.º 52/97 de 4 de Março (Alterado pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Workshop Relatório Estratégico do QREN Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA

Workshop Relatório Estratégico do QREN Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA Workshop Relatório Estratégico do QREN 2012 - Balanço dos Resultados e de alguns Instrumentos INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA Carla Leal Instituto Financeiro Desenvolvimento Regional, IP 30 abril

Leia mais

MISSÃO DO GRUPO. O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local.

MISSÃO DO GRUPO. O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local. MISSÃO DO GRUPO O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local. Conhecedor profundo do tecido empresarial das várias regiões onde actua, oferece as melhores soluções para as expectativas

Leia mais

CONSELHO DE MINISTRO. Exposição de Motivos

CONSELHO DE MINISTRO. Exposição de Motivos CONSELHO DE MINISTRO PROPOSTA DE LEI N.º /VIII/2015 DE DE Assunto: Define o regime geral de privatização das empresas públicas Exposição de Motivos O Governo de Cabo Verde, através do Documento Estratégico

Leia mais

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../...

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../... PACTO DE AUTARCAS CONSIDERANDO que o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas confirmou que as alterações climáticas são uma realidade e que a utilização de energia relacionada com actividades

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 901.192,95 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 829.974,24 Operações de Tesouraria 71.218,71 5.350.287,99 Receitas Correntes 4.993.147,29 01 Impostos

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Considerando que: 1. A Junta de Freguesia de Marvila (adiante JFM, ou Autarquia) assume como um

Leia mais

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 957/XII APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II 1-Têm vindo a ser aprovadas

Leia mais

Conversão e optimização da exploração agro-pecuária. Aula 2

Conversão e optimização da exploração agro-pecuária. Aula 2 Conversão e optimização da exploração agro-pecuária Aula 2 Aula 2 Sumário: Principais conceitos associados à elaboração de projetos. Tipos de orçamentos necessários à elaboração do cash-flow do projeto:

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe...

Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Contamos consigo para levar a nossa Energia mais longe... Responsabilidade Social na Galp Energia Responsabilidade Social na Galp Energia COLABORADORES ESPECIALISTAS PÚBLICO EM GERAL A Galp Energia foi

Leia mais

MUNICIPAL SUMÁRIO CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 2.º SUPLEMENTO AO BOLETIM MUNICIPAL N.º 993 RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICIPAL SUMÁRIO CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 2.º SUPLEMENTO AO BOLETIM MUNICIPAL N.º 993 RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO CÂMARA MUNICIPAL MUNICIPAL 2.º SUPLEMENTO AO BOLETIM MUNICIPAL SUMÁRIO RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO CÂMARA MUNICIPAL Retificação (Deliberação n.º 113/CM/2013 - Reunião Extraordinária de 2013/02/27) pág. 332 (78)

Leia mais

Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 19/11/2008, 17/04/2009, 25/09/2009, 20/04/2010, 14/10/2010 e 4/04/2011

Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 19/11/2008, 17/04/2009, 25/09/2009, 20/04/2010, 14/10/2010 e 4/04/2011 Programas Operacionais Regionais do Continente Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 19/11/2008, 17/04/2009, 25/09/2009, 20/04/2010, 14/10/2010 e 4/04/2011 Requalificação da Rede Escolar do 1.º Ciclo do Entrada

Leia mais

BOLETIM OFICIAL. I Série SUMÁRIO. Número 46. Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009

BOLETIM OFICIAL. I Série SUMÁRIO. Número 46. Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009 Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009 I Série Número 46 BOLETIM OFICIAL SUMÁRIO ASSEMBLEIA NACIONAL: Ordem do Dia: Da Sessão Plenária do dia 23 de Novembro de 2009 e seguintes. Lei n 46/VII/2009: Autoriza

Leia mais

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO E FINS Artigo 1º É constituída uma associação, sem fins lucrativos, denominada APP Associação dos Portos de Portugal,

Leia mais

O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA

O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 Ordem dos Engenheiros, Lisboa, 6 de Janeiro de 2006 Competências para a Elaboração de Projectos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO

ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO ASSOCIAÇÃO MAIS CIDADANIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e fins) ARTIGO PRIMEIRO (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM- A Associação adopta a designação

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

Declaração Política. Fundos Comunitários Objectivos Estratégicos para os Açores

Declaração Política. Fundos Comunitários Objectivos Estratégicos para os Açores Intervenção Deputado José Manuel Bolieiro Período legislativo de 23 de Fevereiro de 2006 Declaração Política Fundos Comunitários Objectivos Estratégicos para os Açores O próximo futuro da União Europeia,

Leia mais