Relatório de autoavaliação do Instituto Superior de Educação e Trabalho ISET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de autoavaliação do Instituto Superior de Educação e Trabalho ISET"

Transcrição

1 Relatório de autoavaliação do Instituto Superior de Educação e Trabalho ISET No âmbito do processo de autoavaliação procurámos captar as opiniões de alunos e estudantes. Foi assim solicitado a estudantes e a professores que nos dessem a sua opinião, através de questionário anónimo, sobre a sua experiência académica. O conjunto de indicadores considerados foram, tendencialmente, os mesmos para estudantes e professores, com as adaptações consideradas adequadas. Destacamos os seguintes: Opinião sobre o processo de aprendizagem em Geral Condições pessoais de frequência do curso: opinião dos estudantes e professores Disponibilidade para trabalhar Utilidade das aprendizagens: opinião dos estudantes e professores Utilidade para o desenvolvimento pessoal Utilidade para a atividade profissional Apoio dos Professores: opinião dos estudantes Apoio quando sentiu dificuldades Disponibilidade o(a) orientar no processo de aprendizagem Avaliação de cada disciplina Novidade dos conteúdos: opinião dos estudantes e professores Interesse dos conteúdos: opinião dos estudantes e professores Clareza da exposição (opinião dos estudantes) e Capacidade de compreensão (opinião dos professores) Orientação e Uso dos Recursos bibliográficos: opinião dos estudantes e professores Justiça das avaliações (opinião dos estudantes) e Aceitação das avaliações (opinião dos professores) Justeza dos comentários aos trabalhos (opinião dos estudantes) Aceitação pelos alunos dos comentários aos trabalhos (opinião dos professores) 1

2 O olhar dos alunos sobre o ISET Pretendemos conhecer a opinião dos estudantes e dos professores quer sobre aspetos gerais da sua experiência académica quer quanto a aspetos relacionados com a frequência das disciplinas que frequentam. Numa abordagem geral da experiência académica dos estudantes formulámos questões aos próprios estudantes relativas: ao processo de aprendizagem dos estudantes, ao clima relacional, ao apoio dos professores, às condicionantes pessoais de frequência e utilidade dos trabalho académico, à qualidade dos serviços de apoio do ISET aos estudantes e finalmente à satisfação geral com o curso. Aos professores colocámos questões equivalentes, com as respetivas adaptações. No âmbito deste documento começaremos por apresentar numa primeira secção as respostas dos alunos e numa segunda secção as respostas dos professores. Começamos pois por apresentar as respostas dos alunos às questões que formulámos relativas ao processo de ensino / aprendizagem. Processo de ensino / aprendizagem Todas / quase todas Novidade dos conteúdos 14% 64% 22% Interesse dos conteúdos 36% 55% 9% Clareza da exposição das diferentes Muitas Algumas Poucas Nenhumas matérias 36% 54% 10% Indicação de leituras a fazer 40% 52% 6% 1% Existência na Biblioteca do ISET da bibliografia indicada 44% 44% 9% 3% Participação dos alunos das discussões 38% 48% 14% Justiça das avaliações 24% 45% 29% 2% Pertinência dos comentários feitos pelo professor aos trabalhos dos alunos 26% 46% 26% 3% Investimento dos professores 49% 43% 8% As respostas são globalmente positivas, sendo mesmo particularmente positivas para o investimento dos professores, pela existência na biblioteca do ISET da bibliografia assim como a indicação clara de leituras a fazer, no âmbito das disciplinas. A clareza das apresentações das unidades temáticas assim como o interesse dos 2

3 conteúdos são também apontados para muita ou quase todas das disciplinas. Embora sempre tendencialmente positiva, Clima Relacional Para a avaliação do clima relacional, procurámos saber que representação os estudantes revelam da relação entre alunos e professores, entre alunos e funcionários e dos alunos entre si. bom Bom Razoável Fraco Fraco Totais Relações entre alunos e professores 62% 31% 8% - 100% Relações entre alunos e funcionários 62% 35% 4% % Relações entre alunos 62% 35% 4% - 100% Como constatamos as respostas são inequivocamente positivas nas três situações Apoio dos Professores Para apreender o apoio dos professores admitimos duas situações: apoio dos professores quando sentiu dificuldades e disponibilidade desses mesmos professores orientar o processo de aprendizagem. bom Bom Razoável Fraco O apoio que recebeu dos professores quando sentiu dificuldades 63% 35% 3% A disponibilidade dos professores para o(a) orientar no processo de aprendizagem Fraco Totais % 58% 36% 6% % Também aqui a esmagadora maioria qualificam o apoio e a disponibilidade dos professores ou como muito bom ou como bom. De ressaltar que não houve qualquer resposta ao nível de fraco e muito fraco. 3

4 Condicionantes pessoais de frequência e utilidade do trabalho académico A sua disponibilidade de tempo para fazer os trabalhos pedidos A utilidade, em termos pessoais, dos trabalhos que lhe foram pedidos A utilidade do que aprendeu no curso para o seu exercício profissional bom Bom Razoável Fraco Fraco Totais 4% 29% 49% 17% 1% 100% 26% 63% 12% % 38% 49% 12% 1% - 100% A disponibilidade que os estudantes dizem ter para fazer os trabalhos pedidos é o aspeto a que foram obtidas respostas menos favoráveis. Este resultado compreende-se facilmente, tendo em conta o facto de a maioria dos alunos serem estudantes com trabalho profissional a tempo inteiro. Qualidade dos serviços de apoio do ISET aos estudantes O quadro que segue apresenta as frequências de respostas dos estudantes às questões relativas aos serviços de apoio do ISET. Bom Bom Razoável Fraco Fraco Totais Modo de acolhimento nos serviços de Secretaria 68% 32% 17% 1% - 100% Horário de atendimento na Secretaria 43% 53% 4% % Apoio na Biblioteca 42% 53% 5% % Horário da Biblioteca 39% 52% 9% % Serviço de fotocópias 39% 53% 8% % Qualquer um dos aspetos considerados são qualificados por mais de 90% como Bom ou muito bom. 4

5 Satisfação geral com o curso Como indicador de satisfação do curso, foram colocadas duas questões aos estudantes: na primeira perguntámos se, sabendo agora o que sabe sobre as condições e as exigências do trabalho académico, se voltaria a inscrever-se no curso; numa segunda questão perguntou-se se aconselharia a amigos inscreverem-se num curso no ISET. Se soubesse voltaria a inscrever-se neste curso? Aconselharia um amigo a inscrever-se num curso do ISET Sim Talvez sim Talvez não Não Total 64% 35% 1% 100% 73% 23% 4% 100% Como podemos constatar as respostas são inequivocamente positivas. E isso tanto mais quanto uma parte das hesitações, tendentes esmagadoramente a serem positivas, é pela dificuldade de conciliação das responsabilidades profissionais, familiares e académicas. O Olhar dos professores sobre a experiência dos alunos Passamos agora a apresentar as questões postas aos professores sobre a sua perceção acerca da experiência académica dos alunos. Processo de ensino / aprendizagem As respostas obtidas revelam opiniões com tonalidades diversas relativamente a cada uma destas questões. As respostas mais positivas são as relativas à participação dos estudantes nas discussões nas aulas, o acesso dado à bibliografia, a novidade dos conteúdos e o interesse desses conteúdos. 5

6 Grande Grande Razoável Total A - Novidade dos conteúdos da disciplina para os alunos 43% 50% 7% % B - Interesse manifestado pelos conteúdos da disciplina 43% 50% 7% % C - Capacidade dos alunos em compreender as matérias 0% lecionadas 79% 21% % D - Uso pelos alunos da bibliografia recomendada para a realização dos trabalhos 14% 64% 14% 7% - 100% E Acesso dado aos alunos à bibliografia por si recomendada 50% 36% 14% % F Participação dos alunos das discussões 50% 36% 7% 7% - 100% G - Aceitação pelos alunos das avaliações que tem feito 29% 71% % H - Aceitação pelos alunos dos comentários que tem feito aos seus trabalhos 29% 71% 100% Uma opinião mais mitigada é manifestada relativamente à aceitação pelos alunos das avaliações que tem feito e ainda à aceitação pelos alunos dos comentários que tem feito aos seus trabalhos e ao uso pelos alunos da bibliografia recomendada para a realização dos trabalhos. No entanto a opinião menos positiva é manifestada na capacidade dos alunos em compreender as matérias lecionadas. Clima Relacional No que toca o clima organizacional a opinião manifestada é fortemente positiva. A que se revela menos esmagadoramente positiva é a que refere à relação dos alunos entre si, situando-se no entanto esmagadoramente entre a qualificação de boa e de muito boa. Boa 6 Boa Razoável A relação entre professores e alunos 85,7 14, ,0 Total A relação dos alunos entre si 35,7 57,1 7, ,0 A relação dos funcionários com os alunos 78,6 21, ,0

7 Boa Boa Razoável Total A relação entre professores 71,4 28, ,0 A relação da Direção com os professores 92,9 7, ,0 A relação dos professores com os funcionários 92,9 7, ,0 Condicionantes pessoais dos estudantes de frequência e utilidade do trabalho académico Complementarmente, pedimos aos professores que nos dessem a ideia que têm sobre a disponibilidade que os alunos mostram ter para fazer os trabalhos académicos e ainda se os estudantes revelam que esses trabalhos têm utilidade, quer em termos pessoais quer em termos profissionais. Grande Grande Razoável Disponibilidade de tempo dos alunos para fazer os trabalhos pedidos 7% 14% 79% 100% A disponibilidade dos alunos para fazer os trabalhos é maioritariamente qualificada como razoável, e só cerca de 20% a qualificam de grande e muito grande. Grande Grande Razoável Utilidade dos trabalhos pedidos para o desenvolvimento pessoal dos alunos Utilidade das matérias lecionadas para a intervenção dos alunos na sua atividade profissional 36% 64% 100% 50% 36% 14% 100% A utilidade dos trabalhos é amplamente reconhecida quer em termos de desenvolvimento pessoal e ainda mais intensamente em termos profissionais 7

8 Qualidade dos serviços de apoio do ISET aos estudantes A opinião sobre os serviços, prestados aos alunos situa-se entre o muito bom e o bom Bom Bom Razoável Fraco Fraco Modo de acolhimento nos serviços de Secretaria 79% 21% 100% Horário de atendimento na Secretaria 64% 36% 100% Apoio na Biblioteca 43% 57% 100% Horário da Biblioteca 36% 57% 7% 100% Serviço de fotocópias 43% 57% 0% 100% As tendências das opiniões, tanto de estudantes como de professores, são altamente favoráveis. E isto para todos os indicadores considerados globalmente. Estes resultados poderão decorrer em parte, da especificidade do ISET, que desde o seu projeto inicial foi pensado prioritariamente para acolher populações adultas e que por isso, os métodos de trabalho, de ensino e de aprendizagem foram sendo concebidos, repensados e reformulados para se adequar a estas mesmas populações. 8

Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE

Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE - 2011 Foram analisadas as respostas dos professores da FACENE no período letivo 2011.1 e 2011.2, a um questionário estruturado, perfazendo um total de 80

Leia mais

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO Os projetos de cursos novos serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos pela aplicação dos critérios

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014

AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS 2014 Instrumento para avaliação do curso de graduação em Ciências Econômicas por parte dos docentes que nele ministraram alguma disciplina durante o ano letivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009.1 CORPO DOCENTE 2009.1 Auto-avaliação docente - 2009.1 Pontualidade no início e término das aulas 14,29% 28,57% Compatibilidade

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO

INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDIOVISUAL ESCOLA DE CINEMA DARCY RIBEIRO EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROCESSO SELETIVO OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM REALIZAÇÃO E PRODUÇÃO AUDIOVISUAL A Escola de Cinema Darcy Ribeiro

Leia mais

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ÁREA CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM DO ADULTO E IDOSO Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica REGIME DE FREQUÊNCIA, AVALIAÇÃO, PRECEDÊNCIAS

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Ano Letivo 04/05 -.º Período A Coordenadora Francisca Oliveira

Leia mais

Auto-avaliação 1.º Semestre Ano Lectivo 2010/2011

Auto-avaliação 1.º Semestre Ano Lectivo 2010/2011 O presente relatório é o resultado do processo de auto-avaliação realizado no 1.º semestre do ano lectivo 2010/2011. Os dados foram obtidos através das respostas dos alunos aos questionários de auto-avaliação,

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

Estágio Supervisionado em Química I

Estágio Supervisionado em Química I Estágio Supervisionado em Química I Profª Tathiane Milaré AULA 1 Planejamento das atividades Objetivos Gerais da Disciplina vivenciar situações do cotidiano da escola e, em especial, aquelas dirigidas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

RELATÓRIO ALJEZUR, 05 DE MAIO DE

RELATÓRIO ALJEZUR, 05 DE MAIO DE RELATÓRIO RELATÓRIO ALJEZUR, 5 DE MAIO DE 28 INDICE INTRODUÇÃO 1 1. ENTIDADES INQUIRIDAS 2 2. SERVIÇOS PRESTADOS PELO CORPO DE BOMBEIROS 2 3. CLASSIFICAÇÃO DOS ERVIÇO PRESTADO 3 4. CLASSIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Ano lectivo 2007/2008 Copyright, 2008 José Farinha, Prof. Adjunto Sumário da aula de hoje: Apresentação: Da equipa pedagógica

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Projecto Educativo. de Escola

Projecto Educativo. de Escola Projecto Educativo de Escola 2006/2010 Nota Introdutória P.E.E. No seu primeiro ano de implementação 2006/07, com o objectivo de trabalhar os problemas seleccionados: dificuldades sentidas nas relações

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA. Estágio Eletivo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA. Estágio Eletivo Estágio Eletivo UBERLÂNDIA-MG 2015 ESTÁGIO ELETIVO O Estágio Supervisionado Eletivo poderá direcionar o aprendizado para atualização e aprimoramento individual em especialidades médicas ou área específica

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL 1- Título: Fundamentos Básicos do Voleibol 2- Autora: Elaine Aparecida Sônego 3- Aplicativo utilizado: Broffice Planilhas Calc 4- Disciplina: Educação Física 5- Objetivos / Expectativas de aprendizagem:

Leia mais

Apoio Matricial Salvador, Outubro 2012

Apoio Matricial Salvador, Outubro 2012 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SESAB SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE SAIS DIRETORIA DA ATENÇÃO BÁSICA DAB COORDENAÇÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO - COAM Apoio Matricial Salvador,

Leia mais

ANEXO DO EDITAL nº 078/2015

ANEXO DO EDITAL nº 078/2015 1 ANEXO DO EDITAL nº 078/2015 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PREENCHIMENTO DE VAGA PARA PROFESSOR DE ECOLOGIA DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ICIAG.

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS PREÂMBULO O desenvolvimento equilibrado e harmonioso da sociedade não dispensa a prática

Leia mais

Mini-curso. Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula

Mini-curso. Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula Mini-curso Formação de professores e avaliação: instrumentos para avaliação processual em sala de aula Professor responsável Prof. Dr. Daniel Abud Seabra Matos (UFOP) Mariana 2014 2 Prezados/as professores/as,

Leia mais

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua;

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; QUEM SOMOS A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; Especializada em Vida e Previdência, possui portfólio completo para assegurar nossos clientes e seus familiares dos

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Entidade Formadora: Questão de Igualdade Entidade Promotora: Edufoco FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Apresentação do curso e condições de frequência Certificado de Autorização de Funcionamento

Leia mais

Programa USP/U.Porto Edital 2015

Programa USP/U.Porto Edital 2015 1. Introdução A Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade do Porto (U.Porto) Portugal celebraram um Acordo de Cooperação Internacional objetivando a cooperação acadêmica em todas as áreas do conhecimento

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

Edital de seleção de trainees 2015 para a Atomic Júnior

Edital de seleção de trainees 2015 para a Atomic Júnior EDITAL São João del-rei, 08 de Maio de 2015 Edital de seleção de trainees 2015 para a Atomic Júnior A Empresa Júnior Atomic Jr., da Universidade Federal de São João del-rei, torna pública, por meio deste

Leia mais

Questionário aos Professores. Apresentação dos dados. Equipa de autoavaliação

Questionário aos Professores. Apresentação dos dados. Equipa de autoavaliação Questionário aos Professores Apresentação dos dados Equipa de autoavaliação Inquérito dos Professores Informação de enquadramento: Responderam ao inquérito 47 professores com idades compreendidas entre

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Artigo 1º (Objeto) O presente Regulamento visa estabelecer as regras de funcionamento do Concurso AMELHORPAP Nacional que tem por objectivo escolher e premiar em cada ano lectivo,

Leia mais

Programas de pósgraduação UNIVERSIDAD SAN LORENZO UNISAL

Programas de pósgraduação UNIVERSIDAD SAN LORENZO UNISAL Programas de pósgraduação UNIVERSIDAD SAN LORENZO UNISAL apresentação UNIBAM é o instituto brasileiro que possui a franquia da pós-graduação stricto sensu da UNISAL. Tem sede no Brasil e tem representação

Leia mais

Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS

Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS Secretaria Nacional DE POLÍTICA SOBRE DROGAS 81 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICA SOBRE DROGAS Secretaria Nacional DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Horário de funcionamento: de segunda a sexta,

Leia mais

Cronograma da Disciplina Laboratório de Telecomunicações

Cronograma da Disciplina Laboratório de Telecomunicações CRONOGRAMA DA DISCIPLINA LABORATÓRIO DE TELECOMUNICAÇÕES II 1 Cronograma da Disciplina Laboratório de Telecomunicações Prof. Wander Rodrigues 3 Bimestre do Curso Integrado Site: www.wjrteleco.jdbte.com.br

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DOCENTE INSTITUCIONAL

ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DOCENTE INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ELETRÔNICA 2015 NOTA EXPLICATIVA: I A metodologia de análise dos dados relativos à Avaliação Institucional Eletrônica /2015 considerou: a) os dados gerais da instituição, visando

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS MEDIDAS DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 INDÍCE 1. Introdução.. 3 2. Medidas de promoção do sucesso escolar.....3 3. Apoio ao estudo no 1.º

Leia mais

EDITAL. A Viagem de Estudos aprovada pela coordenadoria do Curso de Direito das Faculdades Integradas Machado de Assis/FEMA, objetiva:

EDITAL. A Viagem de Estudos aprovada pela coordenadoria do Curso de Direito das Faculdades Integradas Machado de Assis/FEMA, objetiva: EDITAL DIR N o 26/2015 VIAGEM DE ESTUDOS: AL, PGE/RS, CASA DE CULTURA MÁRIO QUINTANA, TRE/RS e ao TJRS O Diretor Geral das Faculdades Integradas Machado de Assis FEMA, mantidas pela Fundação Educacional

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA

WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA Coordenação do Grupo WHOQOL no Brasil Dr. Marcelo Pio de Almeida Fleck Departamento de Psiquiatria e Medicina

Leia mais

Manual de Acesso do Aluno

Manual de Acesso do Aluno Manual de Acesso do Aluno www.unip.br Sumário MANUAL DE ACESSO DO ALUNO 1. ACESSO AO SISTEMA DE DISCIPLINAS ON-LINE...2 2. AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (AVA)...4 2.1 Vídeos Instrucionais...4 2.2 Atualização

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

Eliana Lúcia Ferreira Coordenadora do Curso.

Eliana Lúcia Ferreira Coordenadora do Curso. BOAS VINDAS Prezado aluno, Seja bem vindo ao Curso de Licenciatura Plena em Educação Física, modalidade à Distância da Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz de Fora (FAEFID/UFJF).

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV-

SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV- SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO -PCCV- RECIFE, 2013 CONCEITO O Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) é o conjunto de normas que disciplinam

Leia mais

Pesquisa Mestrado Alunos Regulares/Disciplinas Isoladas 2015/ º semestre de Garantias Penais Processuais da Cidadania

Pesquisa Mestrado Alunos Regulares/Disciplinas Isoladas 2015/ º semestre de Garantias Penais Processuais da Cidadania Pesquisa Mestrado Alunos Regulares/Disciplinas Isoladas 215/217 1º semestre de 215 Garantias Penais Processuais da Cidadania 1 Análise dos dados Pesquisa Mestrado Alunos Regulares/Disciplinas Isoladas

Leia mais

FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015

FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 9ºano ABRIL 2015 Prova 16 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) 1. Introdução O presente documento dá a conhecer

Leia mais

CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO

CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO CURSO DE ANÁLISE DE RECURSOS DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO NATAL/RN Realização: 15 a 17 de junho de 2009. RELATÓRIO CONSOLIDADO Página 1 de 6 11/8/2009 1. Dados gerais Município

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Março/16 SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) INDICADOR DE DEMANDA POR CRÉDITO O indicador de Demanda

Leia mais

RELATÓRIO RESULTADOS DO INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS MUNÍCIPES COM OS SERVIÇOS DA CÂMARA

RELATÓRIO RESULTADOS DO INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS MUNÍCIPES COM OS SERVIÇOS DA CÂMARA RELATÓRIO RESULTADOS DO INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS MUNÍCIPES COM OS SERVIÇOS DA CÂMARA Fevereiro de 2013 Índice Introdução... P. 1 1 Objetivo... P. 1 2 Metodologia... P. 2 3 Resultados 3.1 Atendimento

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 9.ºANO 1º Período 39/42 aulas previstas

Leia mais

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS RELATÓRIO FINAL DA ANÁLISE DOS DADOS DEZEMBRO 2010 Índice Índice... 2 1. Sumário... 3 2.

Leia mais

LABORATÓRIO SEGURO. Preservando vidas.

LABORATÓRIO SEGURO. Preservando vidas. LABORATÓRIO SEGURO Preservando vidas. O Grupo de Trabalho Laboratório Seguro foi formado com o objetivo de discutir as questões que envolvem a segurança dos alunos de graduação, pós-graduação, extensão

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Art.1 o Trabalho de Conclusão de Curso é elemento obrigatório à formação dos alunos regularmente matriculados no Curso de Fisioterapia,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico. Lílian Lessa Andrade Lino

Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico. Lílian Lessa Andrade Lino Orientações para Construção do Projeto Político Pedagógico Lílian Lessa Andrade Lino Objetivos Discutir os objetivos do Projeto Político Pedagógico do Curso (PPC) baseado nas Diretrizes Curriculares do

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Testes Sumativos Peso 3*

Testes Sumativos Peso 3* I. INTEGRAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONALIZANTE Participação no contexto escolar de forma responsável e cooperativa Assiduidade e pontualidade Material (portefólio, outro material necessário) Sentido de responsabilidade

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO

CURSO DE EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO CURSO DE EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO RELATÓRIO DE ATIVIDADES CONSOLIDADO PORTO ALEGRE/RS Realização: 13 a 1 de outubro de 2010. RELATÓRIO CONSOLIDADO Página 1 de 28/12/2010 1. Dados gerais Município sede Porto

Leia mais

24 e 25 de MAIO VILAMOURA

24 e 25 de MAIO VILAMOURA II JORNADAS DE NEUROCIRURGIA DO ALGARVE 24 e 25 de MAIO 2016 - VILAMOURA Caro(a) participante: Decorrerá no mês de Maio de 2016 as II Jornadas de Neurocirurgia do Algarve. Pela segunda vez em Vilamoura

Leia mais

EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA

EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA EDITAL CEET Nº 001/2016 3ª FEIRA DE CURSOS DO CEET TALMO LUIZ SILVA O CEET Talmo Luiz Silva torna público o presente Edital de inscrição de projetos de alunos a serem avaliados e expostos na 3ª Feira de

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

GABINETE DE AVALIAÇÃO

GABINETE DE AVALIAÇÃO GABINETE DE AVALIAÇÃO Dezembro.2013 Relatório de avaliação da satisfação dos utentes das Bibliotecas do Instituto Politécnico de Viana do Castelo ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 1 I.1 Participação no Inquérito...

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO CONSELHO DE CLASSE - DIRETOR Sendo assim, Diretor/Vice, o Conselho de Classe é uma reunião avaliativa em que você e o vice, o coordenador e os professores (em determinadas

Leia mais

1º Seminário Topologias. Oradora: Margarida Gonçalves

1º Seminário Topologias. Oradora: Margarida Gonçalves 1º Seminário Topologias Oradora: Margarida Gonçalves 1 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Modalidade de Ensino Profissional Secundário Ano: Área: 10º Ano Informática Disciplina:

Leia mais

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016

MEC. Censo Escolar 2015 Notas Estatísticas. Brasília-DF março de 2016 MEC Censo Escolar 215 Notas Estatísticas Brasília-DF março de 216 MEC Agenda O desafio da universalização Educação infantil Creche e Pré-escola Ensino fundamental Anos iniciais e anos finais Ensino médio

Leia mais

O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA O SOFTWARE WINPLOT COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE SISTEMAS LINEARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Resumo Prof a. Dr a. Julhane A. Thomas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS DE APROFUNDAMENTO DO CURSO PEDAGOGIA/EAD LICENCIATURA CAPITULO I DA REGULAMENTAÇÃO Art. 1 o O presente Regulamento disciplina os procedimentos para oferta,

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

Este documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à Prova Final a Nível de Escola:

Este documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à Prova Final a Nível de Escola: 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova Final a Nível de Escola, nos termos das orientações gerais das condições especiais na realização de provas finais de ciclo para

Leia mais

O Estágio Curricular Supervisionado é realizado de acordo com o que determina a Resolução CNE/CES 10/2004, de 16 de Dezembro de 2004, que institui as

O Estágio Curricular Supervisionado é realizado de acordo com o que determina a Resolução CNE/CES 10/2004, de 16 de Dezembro de 2004, que institui as O Estágio Curricular Supervisionado é realizado de acordo com o que determina a Resolução CNE/CES 10/2004, de 16 de Dezembro de 2004, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação

Leia mais

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?)

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) O que é Pesquisa? O que é Metodologia? David González david.epidemio@gmail.com O que é Método? E dai? Pesquisa 1. Indagação; inquirição; busca; investigação;

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N. 02/2015

PROCESSO SELETIVO N. 02/2015 PROCESSO SELETIVO N. 02/2015 A Universidade Iguaçu (UNIG) divulga processo seletivo para preceptores e professores assistentes para o curso de graduação, campus I - Nova Iguaçu. 1. DAS VAGAS E DOS REQUISITOS

Leia mais

Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade?

Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade? Gestão da Qualidade investimento ou Despesa? Acreditação de Operadoras: por que investir em qualidade? Heleno Costa Junior Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA) Assessor de Relações Institucionais

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 Competências Transversais Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 NOVA ANDRADINA MS DEZEMBRO/2013 ESCOLA IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 Plano de ações previstas a serem executadas no

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA-FAN

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA-FAN 0 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA-FAN Goiânia 2015 1 SUMÁRIO TÍTULO I Da política de desenvolvimento de coleções... 2 CAPÍTULO I Dos objetivos... 2 CAPÍTULO II Formação do acervo...

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010 Ponta Grossa 2012 REITORIA Reitor João Carlos Gomes Vice-reitor Carlos Luciano Sant Ana Vargas PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013

EDITAL N. 11 /2013. Este edital entrará em vigor a partir desta data, revogando os dispositivos anteriores. Curitiba, 15 de abril de 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ Reconhecida pelo Decreto Governamental n.º 70.906 de 01/08/72 e Portaria n.º 1.062

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS EDITAL Nº 01/PROPG-PPGEMPS/2014 SELEÇÃO EXTERNA DE

Leia mais

ANEXO 9 Regulamento Interno ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO E DE INTEGRAÇÃO ESCOLAR E COMUNITÁRIA

ANEXO 9 Regulamento Interno ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO E DE INTEGRAÇÃO ESCOLAR E COMUNITÁRIA ANEXO 9 Regulamento Interno ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO E DE INTEGRAÇÃO ESCOLAR E COMUNITÁRIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE SECÇÃO I Excesso grave de faltas 2 SECÇÃO II Tipificação de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL 1 Título: Localizando-se... 2 Autora: Adriana Regina Perez Rech 3 Docente: Lisiane Cristina Amplatz 4 Aplicativo utilizado: Geogebra 5 Disciplina: Matemática 6 Objetivos / Expectativas de aprendizagem:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO Dados de Identificação Componente Curricular: DP0377-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE

Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE Campus Universitário de Viseu ESTATUTO DO PROVEDOR DO ESTUDANTE Ano Letivo de 2012-2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 ARTIGO 1º... 3 FUNÇÕES DO PROVEDOR DO ESTUDANTE... 3 ARTIGO 2º... 3 DESIGNAÇÃO DO PROVEDOR

Leia mais

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 Faculdade de Economia da Universidade do Porto Rua Dr. Roberto Frias, 4200-464 Porto REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 - As Jornadas - 1. As Jornadas de Economia e Gestão da Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS RESOLUÇÃO n 048 0 CONSUPER/2012 Regulamenta o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal Catarinense. Processo nº 23348.000931/2012-24. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

EDITAL PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS MEIO AMBIENTE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 001/15

EDITAL PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS MEIO AMBIENTE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 001/15 EDITAL PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS MEIO AMBIENTE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 001/15 A Direção Geral da Faculdade do Espírito Santo Multivix Cachoeiro de Itapemirim, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Forma como construímos a nossa imagem a partir de conceitos que temos de nós mesmos, e de como os outros

Leia mais

EDITAL Nº 21, DE 27 DE ABRIL DE 2016.

EDITAL Nº 21, DE 27 DE ABRIL DE 2016. EDITAL Nº 21, DE 27 DE ABRIL DE 2016. O PRÓ-REITOR DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO da, no uso de suas atribuições, torna público o presente Edital para abertura das inscrições, visando à seleção

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL TENENTE JOSÉ LUCIANO Projeto: JOGAR, DIVERTIR E APRENDER COM A DONA MATEMÁTICA - 2015...o brinquedo desperta interesse e curiosidade... Rubem Alves Autora: Rita Siqueira Público alvo: alunos

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º As Atividades Complementares são exigidas para integralização da do

Leia mais

PGE Digital DESCRIÇÃO DO PROJETO

PGE Digital DESCRIÇÃO DO PROJETO PGE Digital DESCRIÇÃO DO PROJETO Desenvolvimento de sistema de acompanhamento processual efetivo e eficaz para toda a Administração Pública, incluindo Autarquias e posterior desenvolvimento e implantação

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

EDITAL n.º 01 de 03/07/2014

EDITAL n.º 01 de 03/07/2014 EDITAL n.º 01 de 03/07/2014 A Escola Técnica Estadual de Francisco Morato, município de Francisco Morato, atendendo o disposto no 2.º do Artigo 61 do Regimento Comum das Escolas Técnicas Estaduais do Centro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Volta Redonda, março de 2009

Volta Redonda, março de 2009 Trabalho de Conclusão de Curso TCC Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Núcleo de Graduação Tecnológica Volta Redonda, março de 2009 Agenda Objetivos Alcance Coordenação Orientação O Aluno Pesquisador

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO OBJETIVOS

PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO COORDENAÇÃO OBJETIVOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO GERÊNCIA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO TUBARÃO PROJETO DE EXTENSÃO Horta Escolar Uma maneira gostosa de crescer COORDENAÇÃO Prof. Celso Lopes de Albuquerque

Leia mais

SECUNDÁRIA DE CAMARATE Área de informação para encarregados de educação e alunos

SECUNDÁRIA DE CAMARATE Área de informação para encarregados de educação e alunos SECUNDÁRIA DE CAMARATE DIGIT@L Área de informação para encarregados de educação e alunos Escola Secundária de Camarate Equipa PTE Conteúdo Introdução... 2 Como aceder... 2 Informações disponíveis... 3

Leia mais